Você está na página 1de 1

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

TEOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS APLICADAS


PROFESSORA ANA PINHEIRO
PAULO ROBERTO VIEIRA DE MEDEIROS

CONCEITO DE RELIGIÃO

O sentido etimológico da palavra religião que vem do latim “re-ligar” significa


juntar, unir o profano ao sagrado, o homem a divindade, o material ao espiritual, através de
seus elementos constitutivos que são: Corpo doutrinal, Corpo sacerdotal, Rito, Mito e
Símbolo, e busca dar um sentido a existência humana assim como dar respostas as perguntas
que dão sentido a nossa vida.
Para a Sociologia segundo o sociólogo Emile Durkheim, a religião é um conjunto de
crenças e comportamentos que representam os valores e os ideais sociais. É um fato social
presente em todas as sociedades.
Para a Psicologia segundo Sigmund Freud, a religião representa uma projeção dos
desejos humanos, está relacionada ao inconsciente. Para Freud, a religião é um processo
psicológico que partindo de obsessões reprimidas busca através de símbolos religiosos
soluções ilusórias para os problemas presentes. Através dela o homem projeta uma realidade
utópica, um mundo ilusório ideal, o paraíso.
Para a Filosofia, o conceito de religião é divergente e varia de acordo com cada
filósofo. Segundo Karl Marx a religião surge da necessidade de um mundo melhor e
representa esperança, sonho de melhora diante da dura realidade. Com suas próprias palavras
Karl Marx define religião como ‘’o suspiro da criatura oprimida, o coração de um mundo sem
coração, assim como o alento de uma sociedade desalentada. É o ópio do povo. ’’
Para a Antropologia a religião é inerente a cultura de cada indivíduo, o que reduz os
atributos divinos da teologia aos atributos humanos da Antropologia. Para Hegel a religião
não é razão, e sim a representação, sendo então redutível ao mito. Segundo Feuerbach, o Deus
do homem reside na sua própria essência, que é a trindade humana, ou seja; o amor, a razão e
a vontade e considera estes três elementos constituintes da essência humana realidades
ilimitadas e infinitas, assim como Deus. Feuerbach define a presença da divindade na vida do
homem como consequência do medo, da insegurança que o homem tem a respeito de si
mesmo, quando Deus seria a própria representação do homem em seu ápice como ser
pensante.
Analisando os conceitos acima, podemos observar que apesar de divergirem entre si,
a religião para os campos de conhecimento citados tem um significado em comum. A religião
é para humanidade um mecanismo para amenizar seus anseios, uma válvula de escape, um
refúgio para seus medos e fundamentalmente um sentido para sua existência. A religião está
presente desde o surgimento do homem e provavelmente estará presente até o fim de sua
existência.