Você está na página 1de 6

DOLINi

DOLINinforme
Informativo Eletrônico
Eletrônico GUPE
Grupo Universitário de Pesquisas Espeleológicas - G026
Fundado em 25 de Agosto de 1985

ANO 2 – N° 13 – 31/12/2010

DOLINinforme comemora um ano de espeleonotícias


Da Redação

Há um ano o Grupo Universitário de sobre as atividades desenvolvidas pelo GUPE, o


Pesquisas Espeleológicas lança a edição mensal do informativo busca despertar o interesse de novas
seu informativo eletrônico, Dolininforme, pessoas para a espeleologia e, por fim, conseguir
apresentando matérias sobre trabalhos do Grupo novos membros e parceiros.
e assuntos que envolvem Espeleologia e Meio Esta décima terceira edição simboliza o
Ambiente. agradecimento da equipe de redação do
O Dolininforme oportuniza mais um canal Dolininforme a todos que acompanham o trabalho,
de comunicação entre os espeleólogos, em especial àqueles que enviam suas colaborações
professores, acadêmicos e demais interessados através de textos, fotos e/ou comentários. Só foi
pelo mundo das cavernas. possível dar continuidade ao trabalho devido a
Além de informar todos os espeleoamigos tantas colaborações e palavras de incentivo.

GUPE lança seu site


Da Redação

Já está disponível na rede o site do GUPE. trabalho do membro sócio Emerson Farias dos
Desenvolvido para oferecer mais um espaço de Santos, responsável por desenvolver o site
pesquisa, comunicação e divulgação, o site traz gratuitamente para o GUPE.
materiais do Grupo, como fotos, histórico, A página ainda está em construção, mas
artigos, relatórios de campo, informações sobre em breve apresentará mais detalhes. Convidamos
os membros, agenda das atividades do Grupo, a todos os amigos e interessados a acompanharem
bem como um espaço destinado às edições do as atualizações e encaminharem seus comentários
Infomativo Eletrônico GUPE – o Dolininforme. e sugestões de melhoria. O endereço é
Todos os membros agradecem ao ótimo www.gupecaves.com.br

___________________________________________________________________________________________
Dolininforme – Informativo Eletrônico GUPE – Grupo Universitário de Pesquisas Espeleológicas. Dezembro de 2010, ano 2 – n° 13.
1
Novo megatúnel confirmado em Boqueirão do Leão (RS)
Por Dr. Henrich Theodor Frank
Projeto Paleotocas - UFRGS

Uma “caverna misteriosa” localizada no São números que impressionam pelo seu
município gaúcho de Boqueirão do Leão e ineditismo.
popularmente conhecida como “Toca dos Índios” A segunda etapa consistiu na investigação
foi identificada pelo Projeto Paleotocas de uma “ramificação” que já tinha sido observada
(www.ufrgs.br/paleotocas) como uma paleotoca, na primeira visita. Essa abertura lateral na
um túnel cavado por um animal pré-histórico, fato verdade é antropogênica e dá acesso a uma
já noticiado no número sete do DOLINinforme. cavidade lateral situada em um nível mais baixo
Os trabalhos nesta paleotoca foram que a paleotoca. Depois de remover parte do
retomados em dezembro de 2010 e consistiram entulho, foi possível adentrar essa cavidade: é um
em duas etapas. Inicialmente foi realizada a espaço aberto com 11,5 metros de comprimento, 3
biometria da paleotoca, medindo com cuidado as metros de largura e com uma altura mínima de 1,5
dimensões do túnel. Especialmente importante foi metros. Contém muitas pedras, areia, lama e água,
uma escavação em um pequeno trecho do túnel, mas a forma abobadada do teto e algumas marcas
apenas removendo as areias que foram levadas na parede não deixam margem à dúvida: trata-se
para dentro do túnel durante enchentes. Essa de outro megatúnel com pelo menos 30 metros
escavação confirmou as enormes dimensões de comprimento, cuja porção inicial (entulhada) é
originais da paleotoca: larguras originais entre 3 paralela ao primeiro megatúnel. Posteriormente o
e 4 metros, alturas originais ao redor de 2 túnel continua num ângulo de aproximadamente 70
metros e um comprimento de quase 40 metros. graus para Sul.

Megatúnel, notar dimensões e formato elíptico (Foto Projeto Paleotocas).

A importância científica dessa ocorrência Inicialmente pelo porte dos túneis. As


contendo dois megatúneis ainda não pode ser medidas caracterizam as duas paleotocas como
mensurada, de tão fantástica que é. É uma megatúneis, excluindo a possibilidade delas terem
ocorrência internacionalmente inédita e traz sido escavadas por tatus gigantes pré-históricos
consigo uma série de implicações paleontológicas (gêneros Propraopus, Pampatherium ou Holmesina,
e paleoecológicas. por exemplo) porque os tatus são simplesmente
pequenos demais. Com pesos de aproximadamente

___________________________________________________________________________________________
Dolininforme – Informativo Eletrônico GUPE – Grupo Universitário de Pesquisas Espeleológicas. Dezembro de 2010, ano 2 – n° 13.
2
200 quilos e larguras de corpo de menos de um gigante, pois só uma não faria ou precisaria de um
metro, os tatus não tinham a menor necessidade túnel desses. Escavados em arenito Botucatu
de cavar túneis desse porte. como elevado grau de litificação e com um volume
Os únicos outros animais da Megafauna de quase 200 m3 cada um, os túneis não foram
Pleistocênica Sul-Americana que poderiam ter escavados por uma preguiça-gigante só como
escavado túneis desse tamanho são as preguiças moradia temporária, como hoje ocorre com os
terrestres gigantes das famílias túneis de tatus e aardvarks (porco-da-terra,
Scelidotheriidae, Mylodontidae, Orophodontidae, África).
Nothrotheriidae e Megatheriidae, animais com A ocorrência sugere que os túneis foram
portes entre 800 quilos e 5 toneladas. Outros escavados por grupos de preguiças gigantes,
grandes animais da megafauna não tinham provavelmente ao longo de muitos anos e por
adaptações morfológicas para cavar: cavalos várias gerações, formando abrigos ocupados por
(Hippidion), camelos (Macrauchenia), lhamas muito tempo. Com isso, surge um indicador
(Paleolama), elefantes (Stegomastodon), paleoecológico importante: as preguiças viviam em
rinocerontes sem chifres (Toxodon), ursos e manadas, talvez grupos familiares liderados por
tigres. um macho dominante ou uma fêmea experiente,
Os túneis inclusive são grandes demais como hoje acontece com os elefantes africanos.
para serem atribuídos a uma única preguiça-

Megatúnel com presença de lâmina de água (Foto Projeto Paleotocas).


Qual a função dos túneis? O porte dos janeiro/2011 e há muitas possibilidades de
túneis exclui a possibilidade de servirem de pesquisa. Por exemplo, uma análise palinológica
proteção contra predadores. Os maiores nos sedimentos basais do final do primeiro
predadores dessa época eram o urso megatúnel, que poderiam oferecer indícios da
Arctotherium (do tamanho de um grizzly atual) e idade do túnel.
o tigre de dentes-de-sabre Smilodon (com 350 kg Impressionante como uma simples
– o dobro de um leão africano). Ambos têm fácil “caverna misteriosa”, visitada por décadas apenas
acesso a túneis desse porte. por curiosos, pode se transformar em um objeto
As preguiças, portanto, não escavaram os científico de alto valor se analisada com mais
túneis para defesa, pois não tinham nada a temer. cuidado. Como deve haver mais megatúneis desse
A função dos túneis seria a proteção contra tipo na América do Sul, a comunidade
intempéries e/ou para hibernação, durante espeleológica está convidada a repensar suas
épocas de climas mais frios? “cavernas” para reconhecer, entre elas, eventuais
São perguntas que exigem muitas outros megatúneis formatados por manadas de
pesquisas adicionais. Os trabalhos nos megatúneis preguiças gigantes.
de Boqueirão do Leão serão retomados em

___________________________________________________________________________________________
Dolininforme – Informativo Eletrônico GUPE – Grupo Universitário de Pesquisas Espeleológicas. Dezembro de 2010, ano 2 – n° 13.
3
Membros do Grupo de Escalada Cidade de Pedra (GECP)
lançam Guia de Escalada em rocha: Ponta Grossa - Paraná
Da Redação

Na noite do dia 17 do corrente mês, os realidade o projeto do guia com o intuito de


membros do Grupo de Escalada Cidade de Pedra fornecer um material informativo e educativo
(GECP) Lílian Patrícia Massuqueto (Malu) e Fabio sobre o esporte em Ponta Grossa.
Luiz Batista Barros (Binho) realizaram o O guia apresenta quatro locais de
lançamento da primeira edição do “Guia de escalada em rocha no Município de Ponta Grossa:
Escalada em Rocha: Ponta Grossa – Paraná”. Cachoeira do Rio São Jorge, Buraco do Padre,
Em 1970 houve os primeiros ensaios de Setor Macarrão e Dolina Grande. Com mais de 90
escalada em rocha em Ponta Grossa, mas o vias de escalada, o município atualmente é um dos
esporte teve seu início em meados de 1990, na principais pólos de escalada em rocha do Estado
Cachoeira do Rio São Jorge (Canyon do Rio São do Paraná. A produção, formatada no estilo
Jorge). Os primeiros escaladores da época foram livro de bolso, é rico em imagens que
Wilson Souza, Julio Lancastzer Jr. (Primata), representam, além das impressionantes vias de
Guilherme Forbeck, Fábio Barros (Binho), escalada, belas paisagens de Ponta Grossa
Marcelo Justos e Ronaldo Franzen Jr. (Nativo). caracterizando os Campos Gerais do Paraná, com
campos, matas e paredões rochosos.
A cerimônia de lançamento ocorreu no
salão de eventos do SESC Paraná (Serviço Social
Na foto ao lado, capa do Comércio). Além de apresentações de fotos,
do guia de escalada em discursos e descrição do guia, a noite teve a
rocha, na foto a baixo participação de grandes nomes da escalada de
da direita para Ponta Grossa e região. Ao final do evento, os
esquerda: Edson
participantes confraternizaram-se em um
(Dibua), Marcio, Lílian
coquetel, regado a muitas histórias e reencontros
(Malu), Fabio (Binho) e
Wilson Souza, grandes
de amigos que construíram e ainda ajudam a
nomes da escalada e manter ativa a escalada em Ponta Grossa.
do montanhismo.
Fotos: Henrique Simão

Lílian (Malu) e Fabio (Binho) autografando os guias


durante as vendas (Foto: Henrique Simão Pontes).

O “Guia de escalada em rocha” está à


venda na Loja Solo “Esportes Radicais” (fone: 42-
Por apresentar rica história, envolvendo 3224-5272) e através do blog do Grupo de
grandes nomes da escalada, e grande potencial de Escalada Cidade de Pedra:
locais para a prática de escalada na região, os http://grupoescaladacidadepedra.blogspot.com/
membros do GECP, Binho e Malu, tornaram

___________________________________________________________________________________________
Dolininforme – Informativo Eletrônico GUPE – Grupo Universitário de Pesquisas Espeleológicas. Dezembro de 2010, ano 2 – n° 13.
4
GUPE recebe novos membros
Da Redação
É com grande satisfação que o GUPE parabeniza seus novos membros colaboradores: Jasmine
Cardoso Moreira (Professora Turismóloga Doutora em Geografia – UEPG) e Maria Lígia Cassol
Pinto (Professora Doutora em Geomorfologia).
Sejam bem vindas e boas atividades. Saudações espeleológicas.

Espeleofoto do Leitor

Momento de meditação
Autor: Heder Leandro Rocha
Data: 2010
Local: Em trabalho de campo no Buraco do Padre (Ponta Grossa – Paraná)

___________________________________________________________________________________________
Dolininforme – Informativo Eletrônico GUPE – Grupo Universitário de Pesquisas Espeleológicas. Dezembro de 2010, ano 2 – n° 13.
5
Espeleoparceiros

www.resseg.com.br

www.xeta.com.br

Grupo de Escalada Cidade de Pedra


- GECP -
http://grupoescaladacidadepedra.blogspot.com/

Nossa comunidade no Orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=94144937


Nosso site: www.gupecaves.com.br

Visite também:
http://grupoescaladacidadepedra.blogspot.com/
http://www.visitepontagrossa.com.br/ e http://www.pontagrossacvb.com.br/

Imprima somente se for necessário, lembre-se de sua responsabilidade com o


Meio Ambiente, pense ecologicamente.
Expediente
DOLINinforme é uma publicação eletrônica do Grupo Universitário de Pesquisas
Espeleológicas – GUPE, contato: gupe_caves@yahoo.com.br
Comissão Editorial
Felipe Simão Pontes – MTB 6797
Heder Leandro Rocha, Henrique Simão Pontes e Laís Luana Massuqueto
A reprodução deste é permitida, desde que citada a fonte.

___________________________________________________________________________________________
Dolininforme – Informativo Eletrônico GUPE – Grupo Universitário de Pesquisas Espeleológicas. Dezembro de 2010, ano 2 – n° 13.
6