P. 1
DOENÇAS OCUPACIONAIS

DOENÇAS OCUPACIONAIS

|Views: 715|Likes:
Publicado porCarlos Rodrigues

More info:

Published by: Carlos Rodrigues on Mar 25, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/12/2014

pdf

text

original

DOENÇAS OCUPACIONAIS

Doença ocupacional é designação de várias doenças que causam alterações na saúde do trabalhador, provocadas por fatores relacionados com o ambiente de trabalho. Elas se dividem em doenças profissionais ou tecnopatias, que são sempre causadas pela atividade laboral, e doenças do trabalho ou mesopatias, que podem ou não ser causadas pelo trabalho. As mais comuns são doenças do sistema respiratório e da pele. Os cuidados são essencialmente preventivos, pois a maioria das doenças ocupacionais são de difícil tratamento. Exemplos: silicose, asbestose, dermatite de contato, câncer de pele ocupacional. Uma doença ocupacional normalmente é adquirida quando um trabalhador é exposto acima do limite permitido por lei a agentes químicos, físicos, biológicos ou radioativos, sem proteção compatível com o risco envolvido. Essa proteção pode ser na forma de equipamento de proteção coletiva (EPC) ou equipamento de proteção individual (EPI). Existem também medidas administrativas/organizacionais capazes de reduzir os risc os. As principais vias de absorção de agentes nocivos são a pele e os pulmões. No Brasil, a doença ocupacional é equiparada ao acidente de trabalho , gerando os mesmos direitos e benefícios. As doenças profissionais decorrem da exposição a agentes físicos, químicos e biológicos que agridem o organismo humano. Essa simples conceituação permite imaginar a freqüência e a gravidade que devem revestir as doenças profissionais. Todo trabalhador que sofrer uma intoxicação, afecção ou infecção causada por estes agentes foi acometida por uma doença profissional. Exemplos de doenças profissionais: a) As lesões por esforço repetitivo (LER): O conjunto de doenças que atingem os músculos, tendões e nervos superiores e que têm relação com as exigências das tarefas, dos ambientes físicos e da organização do trabalho, é chamado de LER. São inflamações provocadas por atividades de trabalho que exigem movimentos manuais repetitivos durante longo tempo. As funções mais atingidas têm sido os datilógrafos, digitadores, telefonistas e trabalhadores de linha de montagem. b)Perda auditiva: A perda auditiva é a mais freqüente doença profissional reconhecida desde a Revolução Industrial, sendo prov ocada, na maioria das vezes, pelos altos níveis de ruído. c) Bissinose: ocorre com trabalhadores que trabalham com algodão.

d) Pneumocarnose (bagaçose): ocorre com trabalhadores com atividades na cana-de-açúcar, as fibras da cana esmagada são assimiladas pelo sistema respiratório. e) Siderose: ocorre quando de atividades desenvolvidas com limalha e partículas de ferro, para quem trabalha com o metal. f) Asbestose: ocorre com trabalhadores que trabalham com amianto, o que provoca câncer no pulmão. Enfim existem inúmeras doenças profissionais que irão se caracterizar de acordo com o risco, podendo causar vários problemas ao organismo e até a morte. As doenças profissionais podem ser prevenidas respeitando -se os limites de tolerância de cada risco, utilizando -se adequadamente os equipamentos de proteção individual e com formas adequadas de atenuação do risco na fonte (ou seja, maneiras de atacar as causas das doenças nas suas origens), por exemplo, construindo uma parede acústica, caso haja nível elevado de ruído no ambiente de trabalho. As doenças do trabalho são resultantes de condições especiais de trabalho, não relacionadas em lei, e para as quais se torna necessária a comprovação de que foram adquiridas em decorrência do trabalho. Portanto, no caso de doenças do trabalho, como nos demais fatores de interferência da saúde, o trabalhador deve ser conscientizado sobre a importância de preservar sua saúde. É preciso que ele esteja preparado ou predisposto a receber orientações, utilizar os equipamentos de proteçã o individual e obedecer às sinalizações e as normas que objetivam proteger a saúde. Atualmente, estas doenças são verificadas, com maior intensidade, nas empresas de pequeno e médio porte, situação que é vivenciada em todos os países, pois os mesmos negligenciam a segurança e as condições dos ambientes, levando os trabalhadores a desenvolverem doenças do trabalho com maior freqüência. Exemplos de doenças do trabalho: a) Alergias respiratórias provenientes de locais com ar -condicionado sem manutenção satisfatória, principalmente limpeza de filtros e dutos de circulação de ar. b) Estresse: O estresse nada mais é do que a resposta do organismo a uma situação de ameaça, tensão, ansiedade ou mudança, seja ela boa ou má, pois o corpo está se preparando para enfren tar o desafio. Isto significa que o organismo, em situação permanente de estresse, estará praticamente o tempo todo em estado de alerta, funcionando em condições anormais.

aproveitar da melhor forma possível a ventilação natural.Utilização dos equipamentos de proteção individuais e coletivos.Limpeza regular dos aparelhos de ar-condicionado . .flexibilidade dos horários. . pelo exercício do trabalho dos segurados especiais.conhecimento do perigo. .Algumas recomendações para prevenir as doenças profissionais e do trabalho: Aspectos Físicos Aspectos Organizacionais . . . ou ainda. .ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa. Art. . .doenças do trabalho: Não serão consideradas como doença do trabalho: A doença degenerativa. . ACIDENTE DE TRABALHO Acidente do trabalho .técnicas de relaxamento.Alterações de processos.Quando da concepção da instalação.evitar premiações por produtividade que traga prejuízo à saúde do trabalhador. provocando lesão corporal ou perturbação funcional.redução da carga horária. . II .Enclausuramento e automação dos processos e máquinas.pausas.maior participação dos trabalhadores nas decisões.Ventilação do ambiente de trabalho. . .doença profissional. .Exaustão. podendo causar tanto a morte como a perda ou redução da capacidade para o trabalho (temporária ou permanente).manter sob controle os exames médicos dos trabalhadores que desenvolvem atividades com grande perigo. . 132 da Constituição: Consideram-se acidentes do trabalho as seguintes entidades mórbidas: I .Móveis adequados às características físicas dos trabalhadores. . .rotatividade das tarefas.

Art. Produtos radioativos. anos de vida perdidos. ainda que fora do local e horário de trabalho. Inadequados aos usuários. redução ou perda da sua capacidade para o trabalho. Ressaltam que os acidentes do trabalho revestem -se de grande importância por diversos fatores.A inerente a grupo etário. .o acidente sofrido pelo trabalhador no local e no horário do trabalho. mas contribuiu para a morte do trabalhador. Sem manutenção. perda de familiares. A que não produz incapacidade laborativa.o acidente sofrido pelo trabalhador. Utilizados em condições não previstas. . que vão desde o grande número de pessoas expostas até a possível gravidade dos mesmos. Causas relacionadas às máquinas e aos produtos  Máquinas e equipamentos . Produtos tóxicos. . III .  Produtos . Produtos químicos. permanente ou mesmo na morte do trabalhador. resultando em incapacidade funcional temporária. salvo comprovação de que é resultante de exposição ou contato direto determinado pela natureza do trabalho.a doença proveniente de contaminação acidental do trabalhador no exercício de sua atividade. II . ou produzido lesão que exija atenção médica para a sua recuperação.o acidente ligado ao trabalho ± não é causa única. precoces. A doença endêmica adquirida por segurados habitantes de região em que ela se desenvolva. . 133 da Constituição: Equiparam-se também ao acidente do trabalho: I . às vezes. entre outros. IV . . indenizações. Os acidentes do trabalho implicam em altos custos sociais: aposentadori as.

Fadiga devido a uma sobrecarga física e mental. Trabalho submarino (plataforma de petróleo). . Trabalho em ambiente com deficiência lumínica. . Falta de conscientização dos riscos de serviço e das formas de evitá -los (engenheiros e operários). Trabalho em temperaturas extremas. Trabalho em turnos. Trabalho com ferramentas vibrantes. Falta de atenção. Trabalho em profundezas (minas subterrâneas). Trabalho em alturas (construção civil). Horários. Envelhecimento.  Causas relacionadas à organização do trabalho .  Causas relacionadas ao indivíduo . Causas relacionadas ao ambiente . . Trabalho em atmosfera poluída. Falta de conhecimento do trabalho que deve ser feito. Cadências elevadas. Salários. . . . . Segundo o Manual de Capacitação dos trabalhadores da Construção Civil (1997). . Comunicação difícil entre os diferentes níveis hierárquicos. . . . Formação e treinamento insuficiente. . . Trabalho em ambiente ruidoso. os acidentes ocorrem devido à: . . Problemas sociais. . . .

Investigar as causas de circunstâncias dos acidentes e doenças ocupacionais..  Programas de apoio à prevenção de acidentes do trabalho: a) COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES (CIPA ± encontra-se na CLT. Falta de treinamento e informação. Obrigatoriedade : Toda a empresa privada ou pública. . Objetivos da CIPA: Observar e relatar as condições de riscos nos ambientes de trabalho. Falta de equipamentos de proteção individual e coletivo. Solicitar medidas para reduzir ou eliminar os riscos existentes. considerando a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais. Orientar os demais trabalhadores quanto à prevenção de acidente s. Falta de organização. regulamentada pela Portaria 3214/78 -NR5). b) PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAUDE OCUPACIONAL ± PCMSO (NR 7) Objetivo principal: a promoção e preservação da saúde dos trabalhadores. Promover anualmente a SIPAT (Seminários Internos de Prevenção de Acidentes do Trabalho). . Realizar inspeções de segurança. . Máquinas e equipamentos com defeitos. c) PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS ± PPRA (NR 9) Objetivo principal: a preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores. que tenham empregados regidos pela CLT. . Discutir os acidentes ocorridos. encaminhando ao SESMT (Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho) (se houver) e ao empregador o resultado da discussão e solicitar medidas preventivas. Excesso de confiança. .

causando danos ao seu comportamento individual. diversas estruturas do .o trabalhador portador de Pair também apresenta queixas. que determinam a ocorrênci a da Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR). tontura. a pessoa só se dá conta da deficiência quando as lesões já estão avançadas. campainhas. irritabilidade e problemas digestivos.d) PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO . insegurança. etc. . Como sua instalação é lenta e progressiva. N. Sintomas: . isolamento. . ocorrem alterações estruturais na orelha interna. tiquetaque do relógio. Os trabalhadores que sofrem com a PAIR começam a ter dificuldades para perceber os sons agudos (como os de telefones. . depressão. principalmente siderurgia.zumbido. A Pair é o agravo mais freqüente à saúde dos trabalhadores. entre outros. e caso continuem se expondo à altos ruídos. em média 85 decibéis dB por oito horas por dia. entre outros. A exposição repetida ao ruído excessivo pode levar. nas condições e no meio ambiente de trabalho na Indústria de Construção (20 trabalhadores). A perda da audição.intolerância a sons intensos. A perda auditiva induzida pelo ruído (PAIR) é a diminuição gradual da capacidade de ouvir em razão de uma longa exposição à ruídos sem a devida proteção. ansiedade. como: perda da auto -estima. têxteis. lesando.PCMAT. gráfica. vidraria. ao cabo de alguns anos. estresse. etc). como cefaléia. poderão comprometer ainda as freqüências que afetam o reconhecimento da fala. Quando o ruído é intenso e a exposição a ele é continuada. estando presente em diversos ramos de atividade. alterações do sono. Quando a exposição ao ruído é de forma súbita e m uito intensa. tem uma influência negativa muito grande na qualidade de vida do ser h umano. metalurgia. Além da diminuição da audição. inquietude. temporária ou definitivamente. ainda que parcial. apitos. à perda irreversível e perma nente da audição. . social e psíquico. DISTURBIOS DA AUDIÇÃO CAUSADOS POR RUIDOS-PAIR O termo ruído é usado para descrever sons indesejáveis ou desagradáveis. maior irritabilidade.18/3214 Objetivo principal: definir medidas de controle e sistemas preventivos de segurança nos processos.dificuldade de compreensão de fala.perda auditiva. também são identificados como sintomas PAIR a presença de zumbidos e de tonturas. pode ocorrer o trauma acústico. papel e papelão.R.

dificuldade para compreender a fala em grandes salas (igrejas. Esses fatores podem provocar os seguintes efeitos: . conforme a tabela a seguir: Conseqüências: Limites de Tolerância para ruído contínuo ou intermitente: Nível de ruído (dB) Máxima exposição diária permissível 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 98 100 102 104 105 106 108 110 112 114 115 8 horas 7 horas 6 horas 5 horas 4 horas e 30 minutos 4 horas 3 horas e 30 minutos 3 horas 2 horas e 30 minutos 2 horas 1 hora e 45 minutos 1 hora e 30 minutos 1 hora 45 minutos 35 minutos 30 minutos 25 minutos 20 minutos 15 minutos 10 minutos 8 minutos 7 minutos . lugares ruidosos. .ansiedade: irritação e aborrecimentos causados pelo zumbido. . aborrecimento pela consciência da deterioração da audição. carro. ônibus. telefone. da Portaria do Ministério do Trabalho nº 3.ouvido.auto-imagem negativa: vê-se como surdo. bem como orientações sobre programas de prevenção e controle de riscos. sons domésticos.esforço e fadiga: atenção e concentração excessiva durante a realização de tarefas que impliquem a discriminação auditiva. irritabilidade pe la incompreensão familiar. existem limites de exposição preconizados pela legislação. velho ou incapaz. Prevenção: Sendo o ruído um risco presente nos ambientes de trabalho. Outro tipo de alteração auditiva provocado pela exposição ao ruído intenso é a mudança transitória de limiar. . após um período de afastamento do ruído. . . Em relação ao risco ruído. que se caracteriza por uma diminuição da acuidade auditiva que pode retornar ao normal.214/1978 estabelece os limites de exposição a ruído contínuo.dificuldades nas relações familiares: confusões pelas dificuldades de comunicação. existe . os quais devem ser seguidos pelas empresas. festas).em relação à percepção ambiental: dificuldades para ouvir sons de alarme.problemas de comunicação: em grupos. Como descrito anteriormente. intolerância a lugares ruidosos e a interações sociais. A Norma Regulamentadora nº 15 (NR-15). as ações de prevenção devem priorizar esse ambiente. necessidade de alto volume de televisão e rádio.isolamento.

são estabelecidas as metas a serem atingidas.auditoria do programa de controle: garante a contínua avaliação da eficácia das medidas adotadas. diabetes. Esse serviço poderá ser realizado na atenção secundária ou terciária. a partir do conhecimento da situação de risco. infecção gonocócica. LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS-LER  Definição Representa uma síndrome de dor nos membros superiores. esclerose sistêmica. etc. (Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho). causada primariamente pelo próprio uso das extremidades superiores em tarefas que envolvem movimentos repet itivos ou posturas forçadas. desde que exista o profissional capacitado.designação de responsabilidade: momento de atribuição de responsabilidades para cada membro da equipe envolvido. O diagnóstico diferencial deve incluir as tendinites e tenossinovites secundárias a outras patologias.um programa específico para seu gerenciamento: . gerenciamento e controle dos riscos: etapa na qual. osteoartrite.E. esta é a denominação adotada no Brasil. a partir da análise cuidadosa da avaliação audiológica do trabalhador.. Também é conhecido por L. (Lesão por Trauma Cumulativo) e por D. .avaliação. . com queixa de grande incapacidade funcional. além da notificação que dará início ao processo de vigilância em saúde. Tratamento e reabilitação: Não existe até o momento tratamento para Pair.treinamento e programas educacionais: desenvolvimento de estratégias educacionais e divulgação dos resultado s de cada etapa do programa.  Classificação .R. na atenção secundária ou terciária. se tornou comum e até popular. como o nome L. uma vez que estas também representam freqüentes lesões causadas por esforço repetitivo. traumática. pois relaciona sempre tais manifestações com certas atividades no trabalho.C. e representa exatamente o que se trata a doença. é o acompanhamento da progressão da perda auditiva por meio de avaliações audiológicas periódicas.T. gota. Essas avaliações podem ser realizadas em serviço conveniado da empresa onde o trabalhador trabalha ou na rede pública de saúde. mas na realidade entre todos estes nomes talvez o mais correto tecnicamente seria o de Síndrome da Dor Regional. o fonoaudiólogo. A reabilitação pode ser feita por meio de ações terapêuticas individuais e em grupo. como reumatismo. Contudo. que dispuser do serviço. . .proteção auditiva: análise para escolha do tipo mais adequado de proteção auditiva individual para o trabalhador.T.gerenciamento audiométrico: estabelece os procedimentos de avaliação audiológica e seguimento do trabalhador exposto a ruído.O.R. . O fundamental.

sensação de cansaço persistente e distúrbio do sono. Estágio 3 . mas já com reconhecida redução da produtividade nos períodos de exacerbação. A dor torna -se mais localizada e pode estar acompanhada de formigamento e calor. A dor pode se manifestar durante o e xame clínico. É em geral leve e fugaz. Sensação de peso e desconforto no membro afetado. y Graus Grau 1 . Fase 3 .Estado doloroso intenso com incapacidade funcional (não necessariamente permanente). Fase 2 . Não há uma irradiação nítida. Pode haver uma irradiação definida.Dores recorrentes. por vezes. fadiga e fraqueza persistentes.Dor e cansaço nos membros superiores durante o turno de trabalho.Dor regredindo com repouso. mesmo com repouso.Exuberância de sinais objetivos. A recuperação é mais demorada mesmo com o repouso e a dor pode aparecer.As classificações mais usuais são feitas conforme a evolução e o prognóstico. y Estágios Estágio 1 .Dor localizada em uma região. Estágio 2 . e os sinais clínicos estão ausentes. Os sinais.Sensação de dor.Dor em vários locais durante a realização da atividade causadora da síndrome. Fases Fase 1 . de modo geral. continuam ausentes. quando comprimida a massa muscular envolvida. às vezes com pontadas que aparecem em caráter ocasional durante a jornada de trabalho e não interferem na produtividade. Pode ser observado . quando fora do trabalho durante outras atividades. A dor é mais persistente e intensa e aparece durante a jornada de trabalho de modo inter mitente. e não desaparecendo com repouso. durante a realização da atividade causadora da síndrome. Grau 2 . classificando a "DORT" baseando apenas em sinais e si ntomas. Distúrbios do sono e presença de sinais objetivos ao exame físico. além de leves distúrbios de sensibilidade. com melhora nos fins de semana. Fase 4 . pequena nodulação . com incapacidade para o trabalho repetitivo.Apenas queixas mal definidas e subjetivas. Dor espontânea localizada nos membros superiores ou cintura escapular. Tem bom prognóstico. melhorando com repouso. sem alterações no exame físico e com desempenho normal. Melhora com o repouso. É tolerável e permite o desempenho da atividade profissional. apresentando poucos sinais objetivos. ocasionalmente.

especialmente nos paroxismos dolorosos e acompanhadas de manifestações como palidez. Grau 4 . . são comuns. pode aparecer dor em repouso ou perda de função muscular. Os sinais clínicos estão presentes. a dor torna-se mais persistente. A capacidade de trabalho é anulada e os atos da vida diária são também altamente prejudica dos. reduzindo também o retorno linfático. contínua. O edema é persistente e podem aparecer deformidades. a hipertonia muscular é constante. Outro modo importante de combater a LER é dar atenção à ergonomia. Prognóstico favorável. é mais forte e tem irradiação mais definida. as alterações de sensibilidade estão quase sempre presentes. nem sempre fazendo -a desaparecer por completo. É freqüente a perda de força muscular e parestesias. talvez possa ir a um serviço de saúde para que um ortopedista avalie o seu caso e tome as medidas necessárias para ajudá -lo. Nos quadros com comprometimento neurológico compressivo a eletromiografia pode estar alterada. sendo o edema freqüente e recorrente.acompanhando bainha de tendões envolvidos. A mobi lização ou palpação do grupo muscular acometido provoca dor forte. A palpação da massa muscular pode revelar hipertonia e dolorimento. ansiedade e angústia.Dor presente em qualquer movimento da mão. O que é ergonomia? O termo é definido como ³ciência aplicada que se ocupa em projetar e arrumar os objetos que as pessoas usam a fim de que essas e os objetos possam interagir do modo mais eficiente e seguro´. levando o paciente a intenso sofrimento. por vezes insuportável. que em geral se estende a todo o membro afetado. As chances de recuperação serão muito maiores se a LER for tratada nos seus estágios iniciais. A perda de força e a perda de controle dos movimentos se fazem constantes. talvez queira procurar ajuda médica na empres a. dor após atividade com um mínimo de movimento. Nesse estágio são comuns as alterações psicológicas com quadros de depressão. quando não impossibilidade de executar a função. especialmente à noite.Dor desencadeada em outras atividades da mão e sensibilidade das estruturas. perda de função motora. principalmente dos dedos. hiperemia e sudorese das mãos. Se isso não for possível. Nessa etapa o retorno à atividade produtiva é problemático. aumento da sensibilidade. Há freqüentes paroxismos dolorosos mesmo fora do trabalho. Dor intensa. dor em repouso e à noite. O s movimentos acentuam consideravelmente a dor. persistindo o dolorimento. Grau 3 . provavelmente por processos fibróticos. Os paroxismos de dor ocorrem mesmo quando o membro está imobilizado. Há sensível queda da produtividade. As atrofias. y Como combater a LER Se o seu trabalho atual exige movimentos repetitivos e você já percebe sinais de LER. O repouso em geral só atenua a intensidade da dor.

é preciso um programa de prevenção no local de trabalho. teclados ergonômicos para computadores ou equipamentos pesados com amortecedores para evitar vibração exc essiva. y Prevenção em casa e no trabalho Para prevenir o LER é importante fazer pausas entre atividades muito repetitivas do dia. não se limita a melhorar o formato dum teclado ou de um martelo. entre outras coisas. ou antes. Naturalmente. . Porém.Assim. Para se conseguir isso . É preciso levar em conta as necessidades mentais e emocionais do traba lhador. Mú sculos mais fortes ajudarão a realizar as tarefas necessárias no trabalho. O que significa ergonomia participativa? O empregador que incentiva a ergonomia participativa no local de trabalho leva em conta as opiniões dos trabalhadores. em tempo frio. Outro passo para a prevenção de LER é fornecer aos trabalhadores equipamentos apropriados. a ergonomia tem a ver com adaptar o loca l de trabalho ao homem. Isso pode incluir. O empregador pode prevenir problemas de LER nos trabalhadores preparando uma programaçã o que permita pausas ou mudanças de ritmo e que inclua um rodízio para que os trabalhadores executem tarefas diferentes. Preocupa -se com causas de LER. Isso acelerará a circulação sanguínea e aumentará a quantidade de oxigênio disponível para os músculos fazerem seu trabalho. de praticar esportes. É verdade que mudar a ergonomia do local de trabalho pode estar fora do alcance do trabalhador. e procura chegar a conhecimentos novos e abrangentes sobre o homem e seu trabalho´. Faça alguns exercícios para fortalecer especialmente os músculos que você usa mais. Esse empregador também dá apoio à criação de uma comissão interna de LER composta de empregados e membros da diretoria. bem como o homem ao local de trabalho. convidando -os a encontrar maneiras de melhorar o local de trabalho. informações e conhecimentos de tod as as disciplinas participantes. Mas os especialistas médicos presentes ao seminário de LER em Brasília explicaram que a ³ergonomia participativa´ não está. Além de tomar essas medidas em casa. é ainda mais importante fazer isso. Esse grupo fica de olho no local d e trabalho para manter um ambiente seguro e confortável. incentiva a prevenção e definem quais são as responsabilidades de empregador e de empregados no que se refere a controlar ou eliminar as causas de LER na empresa. furadeiras e alicates que não exijam que se faça muita força com a mão. almofadas de apoio para o cotovelo. a ergonomia ³utiliza-se de dados. escr ivaninhas e cadeiras de altura apropriada. além de fazer alongamentos e outros exercícios a fim de trabalhar cada região corporal.

com este equipamento. mas visto que o número de trabalhadores com esse tipo de doença está aumentando. tais como. y A falta e suas conseqüências Uma das causas da baixa produtividade pode ser o desconforto. está investindo neste programas. Se por um lado. O seu objetivo é aumentar a eficiência humana. Nas grandes capitais e áreas mais industrializadas. quer seja em um escritório. é preciso esforço pessoal e mudanças organizacionais para combater a LER. Sem dúvida. fuja dos sofás muito macios. Este visa apresentar muitas das características de auto-regulamentação (feedback). procure sempre sentar em cadeiras com encosto reto e em casa. Nas condições em que a atividade do indivíduo envolve a operação de uma peça de equipamento. que entre as suas várias causas está diretamente ligada à adequação do corpo frente a um determinado equipamento. o empresariado. a iluminação. indústria. que geralmente sã o conhecidas como agentes causadores de males na área de saúde física e mental. o ideal ainda é a prevenção. eles são um convite para que você se jogue no assento de qualquer jeito. os sintomas da LER desaparecerão. os ruídos e mudanças de temperatura também influem negativamente neste processo. como também. Com relação aos problemas de coluna. os ruídos e a temperatura. a adequação de cadeiras e mesas seria o ideal para protegê -la. Além disso. através de dados que permitam que se tomem decisões lógicas. torna -se necessário que ele seja incluído no estudo da eficiência do sistema. em estudos sobre as vantagens da ergonomia para a melhoria da produção nas empresas. na maioria das vezes. Mas o que fazer? Atualmente várias empresas já buscam a melhoria da qualidade do trabalho dos empregados e já estabelecem uma série de programas como forma de incentivar a saúde do trabalhador. Mas. como até mesmo em ambientes de trabalho mais sofisticados. o uso . Qual o papel da Ergonomia para a saúde y A ergonomia se preocupa com as condições gerais de trabalho. um sistema fechado. os benefícios dessas mudanças possivelmente serão maiores que os custos. que além de poder causar danos à visão. A questão d a iluminação. Para que a eficiência seja máxima é preciso que o sistema seja projetado como um todo. com o homem completando a máquina e esta completando o homem . Aparentemente confortáveis. Como dentro de tal sistema é o indivíduo quem usualmente decide.Junto com o tratamento médico. já consciente dos futuros problemas. portanto buscar no ambiente de trabalho. quando não for possível contar com um escritório mais adequado. mas que o estudo procura traçar os caminhos para a correção. ele passa a constituir. Ele poderá até ficar curado. contribui significativamente na baixa pessoal da capacidade de produção de uma pessoa.

produção em alta.da ergonomia pode sugerir maior gasto. Contudo. podem causar a saúde dos trabalhadores ligados a estes produtos.5 e 7. utilizados rotineiramente nas indústrias. DERMATOSES OCUPACIONAIS 1. A pele do ser humano De acordo com a Revista Meio Ambiente Industrial (1998). dentre os p roblemas que os fluidos de corte podem trazer à saúde dos trabalhadores. Porém. principalmente os derivados do óleo mineral. por exemplo. é expor os problemas que os fluidos de corte. se o fluido de corte for utilizado de forma correta. não se tem notícia há algum tempo do aparecimento desta doença em decorrência da utilização dos fluidos de corte. a melhoria da saúde do trabalhador e da sociedade. quan do os mesmos ficam em contato com estes tipos de produto sem a mínima higiene exigida. como os fluidos de corte. quando os mesmos trabalham direta ou indiretamente com produtos perigosos quimicamente.0. é de vital importância para o bem estar da empresa. até o câncer podia ser provocado por estes produtos à base de óleo. os principais são os problemas dermatológicos e respiratórios. por outro representa uma e conomia para a empresa e como conseqüência. Ressalta-se que segundo Howes et al. pois trabalhador feliz. atualmente. dificilmente este poderá trazer problemas para a saúde dos trabalhadores. os quais provocam freqüentemente dermatites ou dermatoses nos indivíduos. e tendo uma espessura de cerca de 4mm nas palmas das mãos e solas dos pés. a pele pesa cerca de 10% do peso do corpo de um indivíduo. possuindo um pH ideal entre 5. bem como para o meio ambiente. Desta forma. -Funções da pele . Introdução A saúde dos trabalhadores e a convivência sadia entre este e seu ambiente de trabalho. é necessário que alguns cuidados sejam tomados quanto a saúde dos trabalhadores. 2. (1991). um dos objetivos deste trabalho. sendo que antigamente. este poderá contaminar cerca de um milhão de litros de água potável. visto que se um litro de óleo mineral. Para tanto. entrar em contato com a água de um rio.

sendo que as células nervosas receptoras são responsáveis por repassar as sensações de calor. derme e a camada subcutânea: . a epiderme. Ressaltando -se que são através dos vasos sanguíneos que os contaminantes são absorvidos. tato ao cérebro. d-) Servir como um órgão excretor. Sífilis podem mudar a cor da pele. dor. físicos e biológicos. f-) Responsável pela cor do corpo. Cabe aqui ressaltar que algumas doenças como Sarampo. o qual deve produzir vitamina D na presença da luz solar. que é dada em função da quantidade de pigmento existente. c-) A pele é ainda um órgão sensitivo. o que é possibilitado pela transpiração (evaporação de substâncias indesejáveis ao organismo). fr io. .Estrutura da pele De acordo com a Revista Meio Ambiente Industrial (1998 ) a pele é formada por três camadas. as principai s funções da pele são: a-) Realizar a proteção do corpo contra a entrada de agentes químicos. b-) Efetuar o controle da temperatura do corpo humano (a transpiração. e-) Trabalhar como um órgão metabólico. os vasos sanguíneos e a camada de gordura são os responsáveis pelo controle da temperatura).Segundo a Revista Meio Ambiente Industrial (1998).

poros e glândulas sebáceas e sudoríparas. Segundo Ali (1998). .A epiderme. mas também pode atingir cabelos. vasos sanguíneos. que tem como principal incumbência proteger o corpo dos raios ultravioletas. É por este motivo. constituise de várias camadas de células finas e uma grossa de células mortas. a última camada ond e estão localizados os lóbulos de gordura e base dos folículos capilares. folículos capilares. que estas células são chamadas de extrato germinativo. A dermatite é considerada uma dermatose ocupacional proveniente do ambiente de trabalho da pessoa. sendo que estas células se desprendem constantemente e são substituídas por outras. mucosas e anexos diretamente relacionados por agentes inerentes à atividade profissional do trabalhador (Perez. por fim. contribuindo para que alguns produtos químicos não penetrem no corpo. Nesta camada da pele ainda se encontra a queratina que se constitui em uma camada de proteção hermética. E. correspondem como o agravo mais comum para a saúde dos trabalhadores. o termo dermatose é amplo demais. sendo que as dermatoses são caracterizadas por alterações da pele. Já a derme é composta por fibras elásticas. -Definições de dermatose ocupacional As dermatoses ocupacionais. seja de forma direta ou indireta. em muitos dos países em desenvolvimento. é conhecida como camada subcutânea. 1998). sendo que esta doença não atinge somente a pele. que é a camada exterior. pois envolve tudo o que possa ocorrer na pele da pessoa. É na epiderme que se produz a melanina. mucosas e unhas.

Já as dermatites alérgicas de contato são bem mais raras que as irritativas. A maioria dos casos são dermatites irritativas causadas principalmente pelos óleos de cortes (óleos minerais). por isso. sendo que o óleo ou a graxa acaba por penetrar nesta região. Por exemplo. ocorre um quadro clínico bem comum denominado de Elaioconiose. o que causará dermatites irritativas e alérgicas respectivamente na pele agredida. como na mão. um trabalhador que trabalha em frente de uma máquina que utiliza óleo de corte como fluido de corte. ou ainda os mesmos são utilizados sem conhecimento de forma errônea. a dermatite de contato. exposto a este . também são conhecida s como erupções acneiformes. que nada mais é que o orifício por onde sai o pelo. ocorre na área de contato da pele do trabalhador com a substância nociva. Ressalta -se que estas erupções acneiformes podem ocorrer em várias partes do corpo. coxa. no braço. sendo que estas têm maiores incidências em empresas de pequeno porte. que é uma das formas de dermatite. Dentro destas indústrias. na perna. irritando e infectando a pele levando a formação de pequenas lesões que se aparentam com uma acne. se o mesmo porventura tiver o hábito de encostar rotineiramente a barriga na máquina molhada por óleo de corte. etc. e costumam aparecer quando são adicionados bactericidas nos óleos de corte para se evitar a proliferação de bactérias no reservatório de fluido de corte da máquina.De acordo com Ali (1998). Estes bactericidas são os principais causadores das dermatites alérgicas de contato que aparecem nos tr abalhadores das indústrias metalúrgicas. as dermatoses ocupacionais ocorrem em maior número na construção civil e em segundo lugar nas indústrias metalúrgicas. O óleo de corte pode vir a atravessar o tecido de sua roupa e depois de algum tempo o trabalhador. barriga. que acontece no osteofolicular. A substância química que entrou em contato com a pele do operador pode ser irritativa ou alérgica. No Brasil. onde não são utilizados muitas vezes os EPI¶s adequados para cada ambiente de trabalho. As dermatoses podem surgir em lugares poucos comuns do corpo. obstruindo.

ambiente de trabalho. c-) Utilização de Equipamentos de Proteção Individual (EPI). sendo que a principal é de se evitar o contato da pele com os agentes dermatógenos. -Medidas preventivas contra dermatoses: Algumas medidas preventivas podem ser tomadas para se prevenir contra as dermatoses ocupacionais. b-) Prezar sempre pela manutenção e limpeza do vestuário. -Tipos de dermatoses A ação dos óleos insolúveis em regiões pilosas do tegumento podem geralmente causar nos operários susceptíveis. a substância de está agredindo a pele do trabalhador deve ser se possível retirada do processo de fabricação. co mo através da utilização de cremes protetores. deve -se pensar em uma outra maneira de prevenir o problema. pode vir a contrair uma dermatite na barriga . Podem ser listadas as seguintes medidas: a-) Realizar a limpeza imediata da área atingida por qualquer um agente dermatogênico. substituindo-o se atingido por qualquer agente químico. situações de obstruções ao nível do folículo pilo -sebáceas. elaioconioses e furunculoses ocupacionais. a fim de se evitar a ação irritante que os mesmos podem criar para o tegumento. sendo que se recomenda o tratamento normal da doença por meio de cremes ou pomadas e de corticóides. Se a substância não puder ser removida. No caso dermatose ocupacional ser uma dermatite alérgica de contato. -Métodos de diagnósticos das dermatoses . também conhecidas como foliculites.

e outros. pois o fumo interage com a capacidade cancerígena de muitas das substâncias. Neste trabalho. representa de 2% a 4% dos casos de câncer. Durante pelo menos oito horas por dia os trabalhadores estão expostos ao ar poluído. mesmo após a cessação da exposição. O problema é que eles fazem mal a saúde humana e poluem o solo. bactericidas. ‡ conhecer os agentes químicos potencialmente causadores de dermatoses. acaricidas. Para facilitar o diagnóstico das dermatoses. herbicidas. onde os principais atores e instituições envolvidas. buscando uma melhor qualidade de vida. ‡ conhecer a concentração utilizada do produto dentro da empresa. políticos. econômicos e sócio -ambientais. . os médicos do trabalho devem adotar algumas regras como: ‡ tentar conhecer sempre os agentes químicos que são utilizados pelos trabalhadores. sabendo seu nome comercial e sua fórmula. A má qualidade do ar no ambiente de trabalho é um fator importante para o câncer ocupacional. num trabalho de parceria. fungicidas. conjuntos para o desenvolvimento agropecuário com sustentabilidade. produtos para limpeza e desinfecção de estábulos. o risco torna-se ainda maior. vermífugos. Alguns tipos de agentes causadores: Agentes químicos: ‡ Agrotóxicos: O agrotóxico é usado para exterminar pragas ou doenças que causam danos às plantações. apresenta-se uma proposta de ação integrada. CÂNCER OCUPACIONAL O câncer ocupacional é originado devido à exposição a agentes carcinogênicos presentes no ambiente de trabalho. devido ao elevado número de agentes químicos que estão ligados ao processo de manufatura das empresas. hematicidas. Existem diversos tipos de agrotóxicos que agem sobre daninhas e insetos. Podem ainda ser tóxicas os solventes. lubrificantes. pondo seriamente em risco a saúde. tintas. Seu impacto para saúde e o meio ambiente tem natureza complexa e envolve aspectos biossociais. estando ambos inter-relacionados e interagindo de várias formas para dar início às alterações celulares presentes na etiologia do câncer. assumirão responsabilidade e desenvolverão esforços. Quando o trabalhador também é fumante. Os agrotóxicos podem ser inseticidas.Existe uma grande dificuldade para se diagnosticar as dermatoses que aparecem nas indústrias metalúrgicas. Os fatores de risco de câncer podem ser externos (ambientais) ou endógenos (hereditários).

que deu -se durante o período conhecido como o "milagre econômico". funcionam infindos ou aumentando substancias contidas em nosso corpo que são chamadas Acetilcolina e Aceticolinesterase. e todas maléficas. pericárdio e a túnica vaginal e bolsa escrotal. isso varia da quantidade contida no organismo e por onde essa substancia entrou. Desse modo geral os agrotóxicos podem causar desde tonturas. Os agrotóxicos em geral. as mais graves são quando se entra pelas vias respiratórias e orais. Está se tornando mais comum em nosso país. sendo assim que quando se tem uma intoxicação por agrotóxicos ou o mesmo se encontra em nosso organismo. nem com doses de exposição. O Mesotelioma maligno pode produzir metátases por via linfática em aproximadamente 25% dos casos. rins e fígado. pois o fumo potencializa o efeito sinérgico entre os dois agentes reconhecidos como promotores de câncer de pulmão. placas pleurais ou não. ‡ Amianto (ou asbesto): Amianto (latim) ou asbesto (grego) são nomes genéricos de uma família de minérios encontrados profusamente na natureza e muito utilizados pelo setor industrial no último século. do trato digestivo e d e ovário Também estão relacionados à exposição ao amianto. O adenocarcinoma é o tipo histológico m ais frequente entre os cânceres de pulmão desenvolvidos por trabalhadores e ex -empregados expostos ao amianto e o risco aumenta proporcionalmente à concentração de fibras que se depositam nos alvéolos pulmonares. mais comumentemente atingindo a pleura. desmaios e dores de cabeça até câncer e morte. e assim podem prejudicar todos os outros órgãos como coração. -Câncer de laringe.Os agrotóxicos representam grandes consequências para com nossa saúde. . O seu risco pode aumentar em 90 vezes caso o trabalhador exposto ao amianto também seja fumante. -Câncer de pulmão O câncer de pulmão pode estar associado com outras manifestações mórbidas como asbestose. essas são responsáveis por controlar a passagem dos sinais nervosos do cérebro para o re stante do corpo. o sistema nervoso fica prejudicado. já que atingimos o período de latência de mais de 30 anos da curva de crescimento da utilização em escala industrial no Brasil. mas também incidindo sobre o peritônio. Estima -se que 50% dos indivíduos que tenham asbestose venham a desenvolver câncer de pulmão. na década de 70. membrana serosa que reveste o pulmão. Não se estabeleceu nenhuma relação do mesotelioma com o tabagismo. -Mesotelioma O mesotelioma é uma forma rara de tumor maligno.

a duração da exposição ou a presença de silicose definida radiologicamente. graxas. fundição entre outros. etc. Os depósitos de sílica são encontrados universalmente e são provenientes de várias eras geológicas. inflamável. nas suas várias formas incluindo sílicas cristalinas. cujos vapores. É uma substância usada como solvente (de iodo. ‡ Benzeno: O benzeno é líquido. É um composto tóxico. olaria. ceras. Os mecanismos que induzem a formação do câncer provocado pela sílica livre cristalizada ainda estão sendo estudados. Um Grupo de Trabalho da IARC analisou uma série de estudos epidemiológicos realizados em diversos ramos de atividade tais como: mineração. refratário. A sílica livre cristalina inalada na forma de quartzo ou cristobalita a partir de exposições ocupacionais é carcinogênica para humanos segundo a IARC (International Agency for Research on Cancer). processos industriais com terra diatomácea. cerâmica. Também é conhecido por ser carcinogênico. Existe um número maior de evidências demonstrando que o persistente process o de inflamação dos pulmões gera substâncias oxidantes que resultam nos efeitos genotóxicos no parênquima pulmonar. Em grande parte dos estudos o aumento do gradiente de risco foi observado em relação a dose.) e matéria -prima básica . extração e trabalhos com granito. sílicas vítreas e sílicas amorfas. instituição ligada a Organização Mundial da Saúde. e depósitos sedimentares como os arenitos. Se inalados em pequenas quantidades por longos períodos causam sérios problemas sangüíneos. causam tontura. como leucopenia. A maioria dos depósitos de sílica que são minerados para obtenção das "areias de sílica" consistem de quartzo livre. enxofre. quartzitos. A sílica e seus compostos constituem cerca de 60% em peso de toda a crosta terrestre. SiO2. Nos estudos epidemiológicos que relacionavam silicose e risc o de câncer de pulmão verificou-se que um silicótico possui 1. incolor e tem um aroma doce e agradável. dores de cabeça e até mesmo inconsciência. SiO2. é o composto binário de oxigênio e silício mais comum. O dióxido de silício. se inalados.5 a 6 vezes mais risco de adquirir câncer de pulmão do que um não silicótico. sendo inclusive composto dos dois elementos mais abundantes na crosta da Terra.‡ Sílica: O termo sílica refere-se aos compostos de dióxido de silício. O Grupo de Trabalho concluiu que as evidências encontradas nestes estudos foram suficientes para comprovar o aumento do câncer de pulmão a partir de inalação de síli ca livre cristalina resultante da exposição ocupacional. a exposição cumu lativa.

nêutrons e outros.Radiação ultravioleta (UV). confusão e inconsciência. Esta substância caracteriza o que ficou popularmente conhecido no Brasil como cola de sapateiro. enquanto que os níveis baixos podem causar sonolência. quando o controle do crescimento é rompido. borracha sintética e tintas. anilina. produzindo um potente carcinógeno. resinas. operários da indústria química e construção civil. Ocorre na forma natural no petróleo e na árvore tolú. apesar de estar presente em outros tipos de colas. corantes. plásticos. ‡ Tolueno: Tolueno ou metil benzeno é a matéria-prima a partir da qual se obtêm derivados do benzeno. . trabalhadores de laboratório. cresol e uma série de outras substâncias. É adicionado aos combustíveis (como antidetonante) e como solvente para pinturas. dor de cabeça. sonolência. mineradores etc. revestimentos. ‡ Radiação não-ionizante: exemplo. tontura. O dano pode ocorrer no nível celular ou molecular. principalmente. medicamentos. A respiração de curto prazo de níveis elevados de benzeno pode resultar em morte. batimento cardíaco rápido. tremores. como as utilizadas na marcenaria. Também é produzido durante a manufatura da gasolina e de outros combustíveis a partir do petróleo cru e na manufatura do coque a partir do carvão. invisível aos olhos. sacarina. Agentes físicos: ‡ Radiação ionizante: partículas alfa. convulsões e morte. gasolina. borrachas.na produção de muitos compostos orgânicos importantes como fenol. Os trabalhadores afetados são os que trabalham na indústria nuclear ou próximos a equipamentos que emitam radiação (por exemplo: em instituições médicas ou em laboratórios). irritação do estômago. caprolactama. beta. É a matéria-prima na fabricação do fenol. Comer ou beber alimentos contendo altos níveis de benzeno pode causar vômitos. permitindo o aumento descontrolado de células cancerosas. diluente em lacas nitrocelulósicas e em adesivos. luz solar que é composta de: . trinitrotolueno. benzeno. agricultores. tonturas. raios -X. perfumes. A inalação voluntária do toluol (que apresenta potencial de abuso) causa danos ao organismo e pode levar à dependência. TNT. e detergentes. uma vez que a radiação ionizante tem a habilidade de quebrar os elos químicos dos átomos e moléculas. Profissionais expostos a estes agentes são. raios gama. O tolueno é um líquido incolor com um odor característi co.

que é a principal fonte de calor. provoquem câncer no homem. A prevenção do câncer de origem ocupacional deve abranger: 1 . a poluição tabagística ambiental potencializa as ações da maioria dessas substâncias. ‡ Tempo de exposição.a proibição do fumo nos ambientes de trabalho.a remoção da substância cancerígena do local de trabalho. Fatores que influenciam o desenvolvimento do câncer ocupacional: ‡ Dose diária absorvida. trabalhadores que utilizam intensa radiação de UV. 3 ± o controle da exposição de cada trabalhador e o uso rigoroso dos equipamentos de proteção individua l (máscaras e roupas especiais). com a realização de exames periódicos em todos os trabalhadores que devem ter direito à saúde integral por tempo indeterminado. comprovadamente.Luz visível. Para isso se faz necessário o envolvimento de órgãos governamentais para a criação de leis que proíbam a exposição a qualquer concentração de substâncias que. como soldadores. 7 ..o trabalho educativo visando a aumentar o conhecimento dos trabalhadores a respeito das substâncias com as quais trabalham.a boa ventilação do local de trabalho.a eficiência dos serviços de medicina do trabalho. ‡ Predisposição genética. mas também não é visível. pois. fumo. ou ainda. Trabalhadores afetados são os que executam suas atividades ao ar livre ou em áreas onde recebem grande ref lexo da luz solar. além dos riscos e cuidados que devem ser tomados ao se exporem a essas substâncias. 2 ± o controle da liberação de substâncias cancerígenas resultantes de processos industriais para a atmosfera. para se evitar o excesso de produtos químicos no ambiente. ‡ Doença preexistente.. 5 . ‡ Suscetibilidade individual. como já foi dito.Radiação infravermelha. os compostos cancerígenos devem ser substituídos por outros mais seguros. 4 . obrigando os empregadores a informar seus empregados sobre os riscos a que . . como tipo de alimentação. estresse. 6 . ‡ Idade.. ‡ Outros fatores.

Portanto. manter um prog rama de exames médicos periódicos e adotar programas de proteção individual. através da utilização de equipamentos mais adequados. . principalmente em paíse s em desenvolvimento.estão expostos no ambiente de trabalho. a exposição ocupacional deve ser valorizada em políticas de prevenção de câncer.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->