Você está na página 1de 4
Categoricamente os palácios mais poderosos do planeta não são lugares adequados para os mais ditosos

Categoricamente os palácios mais poderosos do planeta não são lugares adequados para os mais ditosos de beleza plástica e estética, que o digam os presidentes da Coréia do Norte e até mesmo o ex-presidente Lula. Pelo globo quando a imprensa nota a presença de pessoas menos feias é notícia imediata, com direito a fofocas e vasculhos do passado e aqui no Brasil não há diferença dos demais países; quem é bonito ganha destaque; e quem é normal, ou feio, fica como sempre esteve; no máximo os mais esquisitos ganham o direito a algumas piadinhas entoadas pelo povo.

O Brasil, no que tange o poder, jamais foi modelo para nada nesta vida, mas em algumas ocasiões, mulheres belíssimas como a deputada Rita Camata, já deram muito motivo de pauta para a imprensa e foram capas de diversas revistas; isso porque, não se vê gente bela, elegante

e sexy com tanta facilidade em Brasília, salvo nas universidades e nos corredores do Poder.

Antes da era Collor, eu confesso não me recordar de burburinhos na mídia sobre esta ou aquela pessoa tida como linda. No período militar, raro mesmo era se enxergar qualquer mulher no Poder, mas passado o pesadelo, elas começaram a por suas manguinhas de fora e foram se elegendo e se tornando cada vez mais sensuais. As exceções como a atual Ministra Ideli Salvatti e a ex-deputada Ângela Guadagnin fazem apenas jus a imagem desataviada e dantesca que os Três Poderes têm diante do povão e o mesmo povão que torce, muitas vezes sem ter votado, para ver Brasília mais florida, depois do regime ditatorial passou a soltar suspiros diante da televisão.

Durante a era Collor, que expos sua retocada, mas elegante esposa (na época); logo em seguida, com sua derrocada, apareceu a musa do Poder, a mulher que mostrou ao Brasil o que

é de fato ser bela, educada, sexy e culta, fatores quase impossíveis de percebermos reunidos

na maioria; eu falo de Thereza Collor, a ex-cunhada de Fernando Collor de Mello que viu seu marido atolado em escândalos, depois morto e em seguida ganhou todas as capas de jornais e revistas deste lado do Atlântico.

Muitos chegaram a comentar que Thereza era uma golpista que se aproveitou da feiúra plástica de Leopoldo Collor para aparecer na mídia, mas poucos sabem até hoje que a

belíssima Thereza é herdeira de uma das maiores fortunas de Alagoas; que ela descende de uma família abastada e afortunada, os Lyrae que provavelmente sim, fora apaixonada pelo irmão de Collor.

Depois de Thereza o Poder em Brasília não via alguém tão linda até a posse de Dilma Rousseff, mas calma, eu não estou falando da Presidenta. Dilma mudou bastante do que era no passado gaúcho e hoje, se comparada há décadas atrás, podemos dizer até que virou princesa, mas ainda está na terceira divisão, porque na primeirona e longe do rebaixamento está Marcela Temer a esposa do Vice-Presidente Michel Temer. Foi Marcela quem tirou muitos focos da Presidenta para si na festa da posse no primeiro dia do ano. Muito embora tivesse sido discreta, a jovem fez muitos marmanjos suspirarem fundo quando suas imagens foram exibidas em Brasília.

Fotógrafos e câmeras do mundo inteiro registraram a rara beleza da mulher compenetrada e sexy, jovem e circunspecta, mãe e ninfeta, esposa pouco comentada do muito comentado Presidente da Câmara que virou Vice-Presidente e que agora passará no mínimo quatro anos sendo perseguida pelas câmeras da imprensa e outros milhões de paparazzos anônimos.

Muitos ainda comentam a idade de seu marido, 70 anos, e a sua idade, 27; eles falam do abismo de época entre os dois, 43 anos e fazem alusões infantis de que o marido tem idade de ser seu avô, no mínimo pai, mas os eruditos, e eu concordo, citam apenas que para o amor a idade é um mero detalhe!

Ao que se sabe a bela e doce Marcela foi Miss Campinas e que fora apresentada ao então Deputado Temer em um restaurante do tio dela que preparou um jantar para um político de Paulínia em São Paulo. Segundo informações colhidas na internet, dadas por este tio de Marcela, na época em que Michel a conheceu, ele teria ficado encantado com a beleza e cultura da moça (até eu ficaria com certeza).

A mesma fonte também revelou que Michel não namoraria qualquer mulher, por causa da posição dele junto ao Poder, mas Marcela reunia predicados invejados pelas moças brasileiras, só não reunia postura financeira, mas isso também é um detalhe ridículo e inapropriado para o amor; eu só duvido muito que o contrário fosse ocorrer, caso Marcela fosse uma deputada e Michel uma pessoa comum, aliás, não só eu acredito isso como 99,99% do povo brasileiro, mas o que importa é que eles se apaixonaram e resolveram casar para ter o “Michelzinho” que está com menos de dois anos.

Os pais de Marcela não dão entrevistas, os irmãos também não dão bolas à imprensa; ela

própria evita qualquer tipo de comentário a respeito de seu casamento, mas o tio Geraldo, que

a apresentou ao Temer e é administrador do Shopping, se auto-rotula como Porta-Voz da

família e solta aquilo que toda revista de fofoca ama. A imprensa de pouca credibilidade já está

oferecendo R$ 5 mil para quem tiver fotos de Marcela em trajes de banho e um desprezível site pornográfico já publicou fotos fraudulentas da primeira Vice-dama nua. É mais uma tentativa de colocar a moça linda no olho de um furacão que não surgiu e para mim, claramente é uma oportunidade de espalhar vírus e enganar trouxas.

De modo geral Marcela Temer foi apelidada de “A Princesa do Jaburu”; o Palácio do Jaburu é a residência oficial dos vices-presidentes, mas os comentários mais néscios já creditam o “Jaburu” ao Michel Temer e eu chamo isso que covardia e inveja.

Já não se pode dizer que é inveja quem contesta a credibilidade do concurso em que Marcela participou; os que moram na região de Paulínia e Campinas dizem que o jornalista que organiza este tipo de concurso é uma espécie de aproveitador e que ele faz ganhar quem paga mais, quem tem padrinho forte ou quem cede a seus apelos menos éticos. Por ironia do destino, a moça que derrotou Marcela no concurso de Miss, hoje é bancária, enquanto a bela temer, agora mora num palácio de verdade!

Jornalistas compararam marcela a Primeira Dama da França, Carla Bruni; blogueiros a compararam com a escandalosa Geisy Arruda e frases mais picantes continuam rolando entre os milhares de blogs, tipo: - Para que comprarmos caças se já encontramos um avião? Ou ainda: - Nada de Carla Bruni, o Brasil tem Marcela!

As fofocas continuam e o tio cupido informa que não se recorda de outro namorado antes do Michel e que a gata do Jaburu é tão apaixonada pelo maridão que mandou tatuar o nome dele na nuca, mas na verdade este tipo de história não cola, porque é difícil acreditar que uma mulher de 27 anos, linda, sensual e culta não tenha tido outros namorados; no que diz respeito a tatuar nomes no corpo, isso também não é nenhum parâmetro de amor, que o diga

Débora Secco. Só resta agora aparecer alguém para dizer que Marcela era virgem e prometida

a Ordem das Carmelitas Descalças e que se desfez de seus votos porque encontrou o amor

imaculado!

Se ela teve ou não namorado, se tatuou o nome na nuca ou se ama o Vice-Presidente, isso é um problema deles; ninguém tem nada a ver com isso! Sabemos que em dias de internet sádica e covarde não faltarão montagens com a cara da moça em corpos despidos, quiçá fazendo sexo oral com algum armário bem dotado; isso é típico da internet e típico de quem

não tem nada pra fazer. Fica aqui apenas um conselho para os desavisados de plantão: - Cuidado, porque agora, no caso da Marcela, a Polícia Federal e a ABIN podem entrar no caso e mandar para o xilindró os babacas autores destas palhaçadas!

Ninguém notou a ausência de um consorte de Dilma na posse, muito menos no corte elegante do paletó de Michel Temer; mas muita gente quis flagrar um cruzar de pernas mais picante; de Marcela e é fato que ela é linda, sensual e educada; soube se portar na posse e por isso, aliado a sua rara beleza, roubou todas as cenas.

Meu desejo é que a beleza desta moça contagie Brasília e que as outras tantas belas, cultas e educadas possam preencher em breve as vagas do Executivo, Legislativo e Judiciário, perpetuando o espólio da Ministra Ellen Gracie do STF, que aos 62 anos, permanece no auge da beleza e charme, mas que alem disso é uma fonte de inspiração a todos os juristas brasileiros, provando que beleza e cultura podem sim andar juntos.

Carlos Henrique Mascarenhas Pires