Você está na página 1de 7

Gest„o da InformaÁ„o e do Conhecimento

Aula 1

Prof. Luciano Frontino de Medeiros

Engenharia de ProduÁ„o

Gest„o da InformaÁ„o e do Conhecimento Aula 1 Prof. Luciano Frontino de Medeiros <a href=tutoriaengenhariadeproduÁao@grupouninter.com.br Engenharia de ProduÁ„o IntroduÁ„o  A Gest„o do Conhecimento trata o gerenciamento do conhecimento como um ativo, de forma a buscar sua disseminaÁ„o e preservaÁ„o  A informaÁ„o e o conhecimento s„o as armas competitivas de nossa era (DRUCKER, 1994)  Fator mais valioso que outros fatores de produÁ„o A Espinha Dorsal da Sociedade  Sociedade do conhecimento  Economia baseada em conhecimento  Redes de conhecimento  Trabalhadores do conhecimento EvoluÁ„o da Sociedade Produtos Economia Industrial Commodities ServiÁos ExperiÍncia Economia AgrÌcola Economia da InformaÁ„o Economia do Conhecimento (SANTOS, 2001) O Poder do Conhecimento  O poder econÙmico de uma organizaÁ„o est· mais na capacidade intelectual das pessoas que integram a empresa do que nos ativos imobilizados " id="pdf-obj-0-13" src="pdf-obj-0-13.jpg">

IntroduÁ„o

A Gest„o do Conhecimento trata o gerenciamento do conhecimento como um ativo, de forma a buscar sua disseminaÁ„o e preservaÁ„o

A informaÁ„o e o conhecimento s„o as armas competitivas de

nossa era (DRUCKER, 1994)

Fator mais valioso que outros fatores de produÁ„o

A Espinha Dorsal da Sociedade

Sociedade do conhecimento

Economia baseada em conhecimento Redes de conhecimento

Trabalhadores do conhecimento

EvoluÁ„o da Sociedade

Produtos Economia Industrial Commodities ServiÁos ExperiÍncia Economia AgrÌcola Economia da InformaÁ„o Economia do Conhecimento
Produtos
Economia Industrial
Commodities
ServiÁos
ExperiÍncia
Economia AgrÌcola
Economia da
InformaÁ„o
Economia do
Conhecimento

(SANTOS, 2001)

O Poder do Conhecimento

O poder econÙmico de uma

organizaÁ„o est· mais na capacidade intelectual das pessoas que integram a empresa do que nos ativos imobilizados

Ao contr·rio desses recursos, o conhecimento n„o È limitado

Os recursos podem ser produzidos pela mente humana a partir do nada

(FIALHO, 2006)

 Ao contr·rio desses recursos, o conhecimento n„o È limitado  Os recursos podem ser produzidos

Era Industrial

versus

Era do Conhecimento

 
   

Era do

Item

Era Industrial

Conhecimento

 

Geradores de

 

Pessoas

custos ou

Geradores de

receita

recursos

Fonte do poder

NÌvel hier·rquico

NÌvel de

dos gerentes

na organizaÁ„o

conhecimento

   

Trabalhadores do

Luta de poder

Oper·rios

X

Capitalistas

Conhecimento

X

Gerentes

 

(SVEIBY, 2001)

 
 

Conhecimento

Apenas mais um recurso ou ferramenta

O foco do negÛcio

 

AplicaÁ„o de

 

PropÛsito,

aprendizado

novas

ferramentas

CriaÁ„o de novos ativos

 

Decorrentes, em

Decorrentes, em

Valores de

grande parte,

grande parte, dos

mercado

dos ativos

tangÌveis

ativos intangÌveis

 

(SVEIBY, 2001)

InformaÁ„o

Instrumento de

Ferramenta para

Controle

ComunicaÁ„o

 

Oper·rios

Trabalhadores

processando

convertendo

ProduÁ„o

recursos fÌsicos para

conhecimento em

criar produtos

estruturas

tangÌveis

tangÌveis

Gargalos de

Capital financeiro e

Tempo e

ProduÁ„o

habilidades humanas

conhecimento

 

Direcionados pelas

 

ProduÁ„o

Fluxo de

sequencial

m·quinas,

Direcionado pelas

ideias, caÛtico

GlobalizaÁ„o

A globalizaÁ„o tem impulsionado ferozmente a competitividade em nÌvel mundial, surgindo novas e oportunas tecnologias

Isso faz com que os conhecimentos criados nas organizaÁıes tenham um ciclo de renovaÁ„o cada vez menor

 Isso faz com que os conhecimentos criados nas organizaÁıes tenham um ciclo de renovaÁ„o cada

Gerindo o Conhecimento

A Sociedade do Conhecimento exige o aperfeiÁoamento das competÍncias organizacionais, extraindo mais do que apenas se considera como o fluxo das informaÁıes

Criar, gerir e disseminar o conhecimento proveniente das informaÁıes

Fases do Conhecimento

1. RevoluÁ„o Industrial Conhecimento como ferramenta 2. Conhecimento aplicado ao trabalho Produtividade 3. Conhecimento aplicado ao
1. RevoluÁ„o Industrial
Conhecimento como
ferramenta
2. Conhecimento aplicado
ao trabalho
Produtividade
3. Conhecimento aplicado
ao prÛprio conhecimento
RevoluÁ„o Gerencial

(DRUCKER, 1993)

Ser versus Fazer

O conhecimento sempre havia sido aplicado ao ser

Ent„o, ele passou a ser aplicado ao fazer, transformando-se em um recurso ou utilidade

Dessa forma, ao longo do tempo, ele deixou de ser considerado um bem privado para transformar-se em um bem p˙blico

Dados Conhecimento InformaÁ„o
Dados
Conhecimento
InformaÁ„o
Dados Conhecimento InformaÁ„o Dados ì Conjunto de fatos distintos e objetivos, relativos a eventos. Em um

Dados

ìConjunto de fatos distintos e objetivos, relativos a eventos. Em um contexto organizacional, dados s„o utilitariamente descritos como registros estruturados de transaÁıes.î

(DAVENPORT; PRUSAK, 1998)

Sinais desprovidos de significado ou interpretaÁ„o. ìS„o n˙meros, palavras, figuras, textos, gr·ficos ou qualquer sinal desprovido de contexto.î

(SCHREIBER et al, 2001)

InformaÁ„o

A informaÁ„o È uma mensagem ñ na forma de um documento ou comunicaÁ„o audÌvel, tendo um emitente e um receptor ñque tem por finalidade: exercer algum impacto sobre o julgamento e comportamento do destinat·rio e/ou mudar o modo como esse vÍ algo.

(DAVENPORT; PRUSAK, 1998)

A informaÁ„o È o conjunto de dados, devidamente processados, os quais se tornam compreensÌveis. Entretanto, para que possam ter significado, os dados devem conter algum tipo de estrutura ou contexto associado a eles.

(SCHREIBER et al, 2001)

Conhecimento

Conhecimento  … uma mistura fluida de experiÍncia condensada, valores, informaÁ„o contextual e insight experimentado, a

… uma mistura fluida de experiÍncia condensada, valores, informaÁ„o contextual e insight experimentado, a qual proporciona uma estrutura para a avaliaÁ„o e incorporaÁ„o de novas experiÍncias e informaÁıes. Ela tem origem e È aplicada na mente dos conhecedores

(DAVENPORT; PRUSAK, 1998)

Nas organizaÁıes, o conhecimento costuma estar embutido n„o sÛ em documentos ou repositÛrios, mas tambÈm em rotinas, processos, pr·ticas e normas organizacionais

(DAVENPORT; PRUSAK, 1998)

O conhecimento È o conjunto completo de informaÁıes, dados e relaÁıes que levam as pessoas ‡ tomada de decis„o, ‡ realizaÁ„o de tarefas e ‡ criaÁ„o de novas informaÁıes ou de novos conhecimentos

(SCHREIBER et al, 2001)

Intangibilidade (capacidade infinita de armazenamento)

PropagaÁ„o

Difus„o

SubstituiÁ„o

Transporte

Compartilhamento

Expande-se e aumenta ‡ medida que È utilizado

Dados ñInformaÁ„o

ContextualizaÁ„o

Sabe-se qual a finalidade dos dados que foram coletados

CategorizaÁ„o

Conhece-se as unidades de an·lise ou os componentes essenciais dos dados

C·lculo

Os dados podem ser analisados de forma matem·tica ou estatÌstica

CorreÁ„o

Os erros s„o eliminados dos dados

CondensaÁ„o

Os dados podem ser resumidos para uma forma mais concisa

(DAVENPORT; PRUSAK, 1998)

InformaÁ„o ñConhecimento

ComparaÁ„o

De que forma as informaÁıes relativas a esta situaÁ„o se comparam a outras situaÁıes conhecidas?

ConsequÍncias

Que implicaÁıes estas informaÁıes trazem para as decisıes e tomadas de aÁ„o?

Conexıes

Quais as relaÁıes deste novo conhecimento com o conhecimento j· acumulado?

ConversaÁ„o

O que as outras pessoas pensam desta informaÁ„o?

(DAVENPORT; PRUSAK, 1998)

InformaÁ„o ñ Conhecimento ComparaÁ„o De que forma as informaÁıes relativas a esta situaÁ„o se comparam a
Tipos de Conhecimento ExplÌcito T·cito
Tipos de Conhecimento
ExplÌcito
T·cito

Conhecimento ExplÌcito

Conhecimento ExplÌcito

Formal ou codificado

Sistem·tico

Pode ser facilmente comunicado e compartilhado

EspecificaÁıes, produtos, documentaÁıes, fÛrmulas cientÌficas etc.

Conhecimento T·cito

Conhecimento T·cito

Altamente pessoal, resultado da experiÍncia de vida do indivÌduo em v·rias situaÁıes

DifÌcil formalizaÁ„o

Encontra-se arraigado no comprometimento do indivÌduo com determinado contexto

Polanyi: define-o como o conhecimento sobre uma capacidade de agir

Senge: enfatiza o aprendizado com a mente

Sempre se sabe mais do que se pode expressar

 Polanyi: define-o como o conhecimento sobre uma capacidade de agir  Senge: enfatiza o aprendizado