Você está na página 1de 7
Curso : Tecnologia em Gestão de Turismo Disciplina : Políticas Públicas de Turismo Professora : Gláudia

Curso: Tecnologia em Gestão de Turismo Disciplina: Políticas Públicas de Turismo Professora: Gláudia Mapurunga Tema:Turismo Sustentável e Alívio da Pobreza no Brasil, Reflexões e Perspectivas

Turismo Sustentável e Alívio da Pobreza no Brasil Reflexões e Perspectivas

Equipe:

Francisco Samuel Pereira Neto Kátia Emanueli Bezerra Sampaio Morgana Melca Braga Sampaio

Canindé CE Setembro de 2012

Introdução

O Turismo, se utilizado de forma proveitosa, pode trazer diversos benefícios, não somente àqueles que dele utilizam, mas também àqueles que o promovem, que recebem visitantes, que o propagam e que estão por trás de toda uma malha que torna um lugar atrativo, seja devido à sua cultura, costumes ou até mesmo belezas naturais. Tal atividade tem um grande impacto na qualidade de vida dessas pessoas e pode ser utilizado como propulsor para uma significante melhoria de vida e desenvolvimento social.

O Projeto a ser discutido a seguir, intitulado Turismo Sustentável e Alívio da Pobreza no Brasil, busca através de objetivos, metas, criação de mecanismos e aplicação deles, contribuir para o desenvolvimento do turismo com uma responsabilidade social, de forma sustentável, preservando a cultura, costumes e pessoas, além das características naturais de determinado lugar, impulsionando o crescimento sem prejuízo e danos. Para isso, utiliza-se de fundamentação teórica, metas e objetivos internacionais, suporte técnico e financeiro do Governo e incentivo a demais organizações para o desempenho e aproveitamento do turismo sustentável.

Dessa forma, com a criação e aplicação do Projeto, procura-se minimizar números alarmantes de problemas sociais através da inclusão da sociedade e criação de portas de saídas para as classes menos favorecidas, visando a erradicação da pobreza, que consta como o primeiro objetivo do Milênio declarado pela ONU para ser alcançado até 2015.

Turismo Sustentável e Alívio da Pobreza no Brasil Contextualização

Sendo aplicado com mais afinco somente a partir do ano de 2003, com a criação do Ministério do Turismo (MTur), o Projeto de Turismo Sustentável e Alívio da Pobreza no Brasil utiliza-se do já existente Programa Regional de Desenvolvimento do Turismo (PRDT), criado em 1994 para trabalhar cada região especificamente para o desenvolvimento do Turismo, levando em conta suas peculiaridades.

A visão de um Turismo mais social, a ser utilizado como ferramenta de inclusão da sociedade e propulsor de crescimento e criação de empregos na área, direta ou indiretamente, só ganhou mais força, então, com o estabelecimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio pela ONU no ano de 2000, em conjunto com 181 países, dentre eles, o Brasil, cujo primeiro dos objetivos era a erradicação extrema da pobreza e da miséria. Com base nisso, a OMT (Organização Mundial de Turismo), como entidade da ONU, começou a incentivar os governos a aproveitar as possibilidades de erradicação da pobreza que a prática do Turismo pode trazer, elaborando estratégias apropriadas com os grupos interessados e comunidades locais.

Somente em 2003, com a criação de um Ministério exclusivamente para o Turismo, possibilitando a geração de empregos e divisas e a transformação do turismo em um mecanismo que contribua para a inclusão social das populações residentes nos destinos, é que o conceito bastante difundido e estimulado pela OMT, o Turismo Sustentável e Alívio da Pobreza, ganhou mais força no Brasil.

Atuando como Projeto de Aperfeiçoamento dos Programas Regionais de Desenvolvimento do Turismo visando ao Alívio da Pobreza, tais programas são aplicados como PRODETUR/NE, PRODETUR/SUL, PROECOTUR, entre outros e têm o suporte técnico e financeiro com recursos do Orçamento Geral da União. A aplicação do Projeto em suas fases foi utilizada como um mecanismo operacional para a criação do Plano Nacional de Turismo (PNT) (de 2007 a 2010) e futuros.

Características do Projeto

O projeto prevê a realização de estudos que abordem desde a formulação conceitual do que seja o turismo sustentável e seu potencial de contribuição para o alívio da pobreza até sua validação operacional, a partir de aplicações desses conceitos em áreas piloto, e a verificação das condições requeridas para sua implementação institucional entre os agentes envolvidos na concepção e na implementação dos PRDT.

O trabalho fora então concebido para ser desenvolvido em cinco etapas, sendo elas:

I - Conceituação de TS-AP conceituação de Turismo Sustentável e o Alívio da Pobreza (TS-AP);

II - Estabelecimento de indicadores e de metodologias de sua mensuração concepção de indicadores sobre as diversas dimensões da sustentabilidade na atividade turística e suas respectivas metodologias de mensuração;

III - Aplicação dos instrumentos teste de aplicabilidade e viabilidade da utilização dos indicadores concebidos e suas respectivas metodologias de mensuração. O objetivo é verificar se eles são adequados como sensores do alcance dos requerimentos conceituais de TS-AP pelos PRDT, mediante sua aplicação em duas áreas piloto selecionadas, para conhecimento da eficiência e da eficácia da conceituação proposta;

IV - Institucionalização dos novos paradigmas identificação dos requerimentos para a institucionalização da nova abordagem concebida mediante experiências estruturadas e monitoradas dessa implementação em Unidades Federadas beneficiadas pelos PRDT e que assim o desejarem;

V - Revisão do conceito e dos indicadores revisão de conceitos, dos indicadores e das metodologias concebidas à luz dos resultados e das avaliações realizadas em áreas piloto e das experiências de implementação dos novos paradigmas.

Mensuração e Avaliação do Projeto

As iniciativas de execução de um turismo sustentável, com o objetivo de diminuição da pobreza e miséria aqui apresentados devem ser capazes de trazer como resposta à sua aplicação e execução das fases, informações acerca a eficácia e eficiência de do Projeto. Tais informações são necessárias para construir e remodelar os rumos tomados pela iniciativa para então se alcançar os resultados e objetivos previstos.

É importante, pois, que qualquer programa ou projeto de turismo de cunho sustentável e voltado para o alívio da pobreza contenha, já a partir de sua concepção, um marco de referência para sua própria avaliação que determine osdiversos aspectos relativos a seu âmbito geográfico ou seja, o local de destino e sua área de influência direta ou indireta; à sua extensão temporal que deve

corresponder ao cronograma das ações do programa, incluindo suas fases de início, execução e encerramento; à abrangência setorial do turismo quer dizer, a definição do âmbito constituído por todas as atividades subsidiárias ao setor; às dimensões e aos conteúdos relativos à sua sustentabilidade e, finalmente, às populações pobres que ele quer beneficiar. Esse marco de referência é o que vai determinar os tipos de dados, as técnicas utilizadas para sua obtenção e as informações a serem preparadas e selecionadas para a avaliação.” 1

As

propostas

de

avaliação,

levando

em

conta

sua

complexidade

relacionada ao tema de sustentabilidade e alívio da pobreza devem ser

discutidas com os gestores diretamente envolvidos na tomada de decisões.

1 BRASIL. Ministério do Turismo. Turismo sustentável e alívio da pobreza no Brasil:

reflexões e perspectivas / Ministério do Turismo p.19.

Conclusões

Observa-se através da análise de tal projeto que o turismo possui forças capazes de mudar e moldar uma sociedade através da inclusão de pessoas que vivem nas áreas ativas para o aproveitamento da atividade turística. E mais que isso, que as grandes entidades e conselhos relacionados e mais importantes dão o devido valor a essa prática de turismo saudável e sustentável, enfatizando e incentivando para que ele não sirva somente para o visitante, mas também para o residente daquele lugar, ajudando a se desenvolver economicamente, valorizando e preservando sua identidade, cultura e aspectos mais intrínsecos, peculiares e genuínos.

Com a criação do Ministério do Turismo, em 2003, foi percebido claramente o crescimento e a importância dada a tal atividade no Brasil, pois ela também é movimentadora de grande parte da economia e, se bem aproveitada, planejada e executada, pode movimentar uma fatia ainda maior, minimizando diversos problemas sociais, como o desemprego, diminuindo os níveis de pobreza no país.

Seguindo os pontos estabelecidos e divulgados pela ONU para erradicação da pobreza até o ano de 2015, a OMT, entidade do Sistema ONU persistiu nos governos e os incentivou a utilizar-se do Turismo para tal objetivo. Fora então criada a Iniciativa de caráter internacional ST-EP(Sustainable Tourism Eliminating Poverty), traduzido como Turismo Sustentável e Alívio da Pobreza, tratado e discutido no corpo do trabalho, certamente um projeto genuíno e com grandes visões de desenvolvimento responsável, mas, como muitos, ainda dependente de minorias, como prefeituras, governos e iniciativa privada para se concretizarem de forma mais massiva e satisfatória. Mesmo se vendo relevantes resultados obtidos com políticas públicas regionais, a iniciativa ainda precisa ser tratada mais de perto e incentivada.

Referências

BRASIL. Ministério do Turismo. Turismo sustentável e alívio da pobreza no Brasil: reflexões e perspectivas / Ministério do Turismo. Brasília, DF.