Você está na página 1de 143
 
 
 
 
 

 

 
 
 
 

 
 
 
 
 
 
 
 

Sumário

I Natureza das Coisas

7

1 Matéria

 

10

 

1.1

Elementos e átomos .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

11

1.2

Estruturas Atômicas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

17

1.3

Nuvens Eletrônicas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

20

 

1.3.1 Química das Nuvens .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

21

1.3.2 Física das Nuvens

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

24

2 Luz

 

26

 

2.1

As Ondas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

29

2.2

Ondas Eletromagnéticas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

33

2.3

Efeito Doppler .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

34

2.4

Efeito Fotoelétrico .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

36

3 Cores

 

38

 

3.1 Brilho, Matiz e Croma

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

39

3.2 Teoria Clássica

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

40

 

3.2.1 Cores Primárias .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

41

3.2.2 Cores Opostas

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

42

 

3.3 Tricromia .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

42

3.4 O que o olho pode ver

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

43

3.5 O que o olho não pode ver .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

45

II

Física

 

47

4 Corpo Negro

50

 

4.1

Cor das Estrelas .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

55

5 Espectros

 

57

 

5.1

Átomo de Bohr

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

59

6 Teoria Quântica

 

64

III

Estrelas

70

7

O Sol

 

72

7.1 Interior Solar .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

72

7.2 Superfície Solar

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

73

Curso de Astronomia Geral - CCD/OBA \o/

Volume 4 - Astrofísica

8 Diagrama HR

 

79

9 Estrelas

81

 

9.1

Superfícies Estelares

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

81

9.1.1 Classificações Espectrais .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

82

9.1.2 Classificação de Luminosidade

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

86

9.1.3 Diagrama HR

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

87

9.2

Interiores estelares

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

89

9.2.1 Do que é feito o Sol?

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

89

9.2.2 Fonte de Energia

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

89

10 Evolução Estelar

 

93

 

10.1 Seqüência Principal

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

95

10.2 Gigantes Vermelhas e Anãs Brancas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

97

10.3 Horizontais e Assintóticas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

99

10.4 Supermassas e Buracos .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

100

11 Estrelas Binárias

 

105

 

11.1 Binárias Visuais

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

107

11.2 Binárias Espectroscópicas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

108

11.3 Binárias Eclipsantes .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

110

12 Estrelas Variáveis

 

113

13 Aglomerados

 

115

14 Galáxia

117

IV

Rochas

121

15 Sistema Solar

 

125

 

15.1 Crescimento Populacional

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

125

15.2 Corpos Distantes

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

127

15.3 Quem é planeta?

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

129

15.4 Formação .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

130

16 Asteróides e Corpos Pequenos

 

132

 

16.1 Asteróides

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

132

16.2 Cometas

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

132

17 A Lua

 

134

 

17.1 Fissão .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

134

17.2 Captura

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

135

17.3 Acresção

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

135

17.4 Colisão

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

135

Prefácio

Intelectuais pelo mundo afora assumem como dado que seus modelos serão mais inteligentes, farão melhores sugestões, terão melhor apreensão da realidade dos seres humanos do que esses próprios seres humanos.

Paul Feyerabend, Contra o Método

Estas são as apostilas do Curso de Astronomia Geral do CCD-OBA, versão η. Nosso ob- jetivo, com o curso, é fornecer uma melhor formação aos seus participantes. Por “formação”, referimo-nos a um processo que é, em sua essência, individual e único, composto amplamente pelo conjunto de experiências vividas por alguém. Citando Hans-Georg Gadamer, “Não é casual que a palavra formação se pareça, neste aspecto, ao grego physis. Como a natureza, a formação não conhece objetivos que lhe sejam exteriores.” Isso quer dizer que a postura que procuraremos desenvolver se fundamenta na autonomia intelectual: cada pessoa é senhora sobre a formação do próprio conhecimento. Tudo o que po- demos fazer, enquanto organizadores do curso, é dar incentivo, buscando fornecer uma visão mais ampla a partir de nossas próprias experiências. É a mesma razão pela qual organizamos o encontro presencial da X Escola de Astronomia: como cada indivíduo tem uma história única de formação, o convívio entre indivíduos é extreamente benéfico para ampliar a gama de pontos de vista. Há um segundo objetivo por trás do convívio, que tem a ver com a multiplicação dos sabe- res. Por isso, convidamos para este curso pessoas que têm grande vontade de saber. Esperamos fornecer conhecimento até elas saciarem essa vontade e, então, perceberem que ter aprendido aquilo tudo não faz sentido se não for passado adiante, de alguma forma. Com isso o pro- cesso se retroalimenta, individual e coletivamente. Individual porque sempre aprendemos muito quando alguém nos ensina, mas aprendemos ainda mais quando nós ensinamos alguém, quando fazemos o esforço de pôr nosso conhecimento em frases organizadas e compreensíveis. Coleti- vamente porque os que aprenderem conosco agora estarão ensinando depois, como nós. Essa é precisamente a origem do Comitê Científico e Didático: ex-alunos da olimpíada que aprenderam muito, sozinhos e com a ajuda dos astrônomos, e acabaram decidindo que precisavam escrever e organizar cursos com tudo o que sabiam. Dentre os autores desta versão η do Curso, há nomes de pessoas que, um ano atrás, eram alunos felizes e curiosos pelo que viria a seguir.

A Astronomia, aqui, por mais encantadora e atraente seja para a maioria de nós, não é pensada como um fim em si próprio, mas como um lugar de articulação de saberes. Mostramos, ao longo das apostilas, o quanto a astronomia tem a ver com o desenvolvimento da física, da química e da matemática; mas, mais do que isso, quais são suas relações com a história, a filosofia, as religiões, as diferentes expressões artísticas e, enfim, com as diferentes visões de mundo que surgiram aqui e ali ao longo das histórias humanas. Em suma, não queremos Astronomia pela Astronomia, mas Astronomia por Tudo! Assim, pretendemos desenvolver uma visão melhor e mais completa do mundo natural e, através disso, do mundo humano também. Fazemos isso, em particular, buscando desenvolver

Curso de Astronomia Geral - CCD/OBA \o/

Volume 4 - Astrofísica

as seguintes habilidades/características individuais:

Articulação lógica e formal (que tem a ver com a Linguagem)

Capacidade de abstrair e imaginar (relacionado ao Pensamento)

Cultura Experimental (característica da Ciência)

Reflexão crítica sobre o conhecimento (papel da Filosofia)

Contemplação estética (o que chamamos de Arte)

O

material está dividido em cinco volumes, na ordem em que os assuntos pareceram mais

naturais para nós. O Volume I, Céu, discute tudo o que pode ser observado. Discute também algumas interpretações, míticas, poéticas e teóricas, sobre as observações. Toda a matemática

desenvolvida nele, portanto, está ligada à geometria dos céus, a Geometria Esférica. Talvez seja

o volume mais diferente do que normalmente é visto no colégio. O Volume II, Medidas, está mais

ligado à idéia e à prática dos experimentos; sua introdução a como tratar dados experimentais é uma introdução à abordagem algébrica que virá nos volumes seguintes. O Volume III, Mecânica, é

o primeiro que trata de física. Ele introduz a mecânica aprendida no colégio, mas com as intuições nascida da nossa própria experiência. Discute também a física no contexto da mudança da visão sobre o universo nos séculos XVI e XVII, que culmina com o nascimento da Mecânica Celeste. O Volume IV, Astrofísica, também fala de física, mas de um caráter bem diferente: da constituição material do mundo, do caráter da luz e das interações atômicas. Nesse sentido, é um volume bastante ligado à química. Ele culmina com o estudo detalhado, dos pontos de vista teórico, experimental e observacional, de alguns objetos de interesse astronômico. Por fim, o Volume V, Universo, trata principalmente de Cosmologia, ou seja, da discussão sobre o universo como um todo. Como não poderia deixar de ser, ele alterna entre discussões filosóficas e matemáticas densas, pontuadas por alguns insights poéticos. Na segunda parte, há dois capítulos discutindo sobre a situação atual da pesquisa em astronomia no Brasil – o que é especialmente interessante para quem tem alguma pretensão de estudar ciência na universidade.

Junto à formação teórica contida nos cinco volumes, incentivamos o desenvolvimento de al- gumas práticas. A primeira, mais direta, são as Atividades Práticas que enviaremos ao longo do curso; todo o processo de reflexão, execução e discussão dos resultados é bastante enriquecedor do conhecimento adquirido nas leituras. Junto a elas, haverá também duas provas, uma no fim deste ano e a outra em abril do ano seguinte, para selecionar os estudantes para a International Olympiad on Astronomy and Astrophysics (IOAA) e para a Olimpiada Latinoamericana de Astronomia y Astronáutica (OLAA). Além disso, esperamos engajar os participantes em algumas práticas, li- gadas à noção de responsabilidade intelectual discutida acima: ensinar colegas, em discussões de grupo, aulas preparatórias para a próxima OBA ou aulas motivadoras em colégios de baixa renda; observar o céu com outros, em clubes de astronomia amadora e em star parties; envolver-se em projetos de pesquisa, junto a astrônomos amadores, professores universitários ou membros do CCD; integrar-se, por fim, ao nosso próprio grupo.

A primeira olimpíada internacional de astronomia foi fundada em 1996; é dois anos mais

antiga, portanto, que a sua versão brasileira. Desde a fundação da OBA, há o compromisso de enviar times anualmente à olimpíada internacional – pelo qual sempre foi necessário fazer uma seleção justa e eficiente para montar as equipes. Este curso nasceu dessa necessidade:

precisávamos, afinal, fornecer bases de conhecimento necessária aos que tivessem as habilidades

e os interesses necessários. Nossos objetivos, contudo, já ultrapassaram em muito os objetivos da seleção. É o que esperamos que fique claro ao longo das páginas que se seguem.

Volume 4 - Astrofísica

SUMÁRIO

Sobre este Volume

Como o volume anterior, este Volume 4, Astrofísica, tratará de física. Mas numa perspectiva diferente: trataremos da constituição da matéria, não dos movimentos. Como é um assunto naturalmente mais complexo, a abordagem matemática será menos incisiva. Em vez disso, as discussões terão uma proximidade maior com temas de química. O Volume tem mais ou menos a mesma estrutura que o de mecânica. A Unidade 1, Natureza das Coisas, mostra como surgiram os conceitos essenciais a serem debatidos. Assim, discute todas as noções importantes sobre Matéria (elementos químicos, moléculas, átomos prótons e elétrons), sobre Luz (como onda e como partícula) e sobre Cores. A Unidade 2, então, aborda as teorias básicas de física necessárias para compreender os estudos astrofísicos. Os três tópi- cos são raramente abordados na escola e, portanto, devem ser lidos com cuidado. São eles: a espectrometria, a teoria de corpos negros e a teoria quântica. Depois disso, vamos aos temas propriamente astrofísicos, divididos em duas partes. a Uni- dade 3 trata das estrelas e conjuntos de estrelas (aglomerados e galáxias), retomando temas do Volume 1, agora do ponto de vista das teorias físicas sobre os objetos. São abordadas as teorias de evolução estelar e os modelos termodinâmicos de interiores de estrelas, para depois tratarmos de alguns objetos especificos interessantes. A Unidade 4, por sua vez, trata dos corpos rochosos do Sistema Solar, bem como deste sistema como um todo. Algumas partes, em especial sobre estrelas duplas e asteróides, pressupõem que o leitor já tenha intuição sobre movimentos orbitais, conforme desenvolvido no Volume 3.

Unidade I

Natureza das Coisas

O universo não é apenas mais estranho do que imaginamos, é mais estranho do que podemos imaginar.

Werner Heisenberg

Do que são feitas as coisas do mundo? Elas têm algo em comum, algo além do que vemos a olho nu? O que compõe as coisas, em que proporções? Com que organização? Qual o fundamento, qual a estrutura da matéria? Essas perguntas são muito antigas nas tradições humanas de pensa- mento. Em geral, coincidem com uma certa superação dos mitos, em algumas sociedades; afinal, os deuses de uma mitologia não são nada mais que o reconhecimento das grandes forças da na- tureza, que regem toda a vida da sociedade: o Sol, a Lua, as águas, o Inverno, a reprodução das plantas, dos animais, etc. Na falta de figuras melhores, essas entidades são, na maioria das vezes, representadas por figuras humanas. Mas acontece que, em certas tradições, a representação da natureza passa a assumir graus mais complexos e mais abstratos de reflexão; em muitas des- sas tradições (gregos, chineses, indianos, judeus, etc.), chegou-se a negar a representação mítica em favor de uma representação mais, digamos, unificada da natureza – buscando um princípio fundamental por trás dos fenômenos.

Capítulo 1

Matéria

Vejamos o caso dos gregos, que é o da nossa própria tradição. Eles tinham uma concepção de fundo que era a idéia de physis. Originária do verbo physein, brotar, seu sentido mais usual era algo como “tudo o que brota”, a natureza como um todo. Por volta do século VI a.C., pensadores gregos estavam negando a mitologia grega clássica – os deuses eram arbitrários demais; ali, estavam interessados em princípios fundamentais, ocultos sob as aparências, que formassem ou articulassem a physis. A seita dos pitagóricos, por exemplo, considerava as harmonias numéricas e geométricas as responsáveis pela organização do mundo. Mais especificamente, articulou-se uma tradição que buscava substâncias fundamentais, a partir das quais tudo o mais seria formado. Tales de Mileto afirmava que a água seria essa substância fundamental, já que ela pode tomar a forma de qualquer coisa. Seu aluno Anaximandro, porém, falava em uma substância apeiron (literalmente, sem forma), algo mais neutro, que não tivesse a propriedade de nenhum corpo material e, justamente por isso, pudesse ganhar as propriedades de qualquer um 1 Anaxímenes, aluno de Anaximandro, falava no ar, que, em diferentes concen- trações, formaria os diferentes materiais. Xenófanes de Cólofon colocava a terra como matéria fundamental, de onde tudo vem e para onde tudo vai. Heráclito de Éfeso, ressaltando o caráter eternamente mutável das coisas do mundo (“uma água nunca passa duas vezes sob a mesma ponte”), coloca o fogo como fundamento. Enfim, Empédocles de Agrigento faz algo mais articulado. Baseado no princípio dos pares de opostos 2 , articula sua Teoria dos Quatro Elementos: água, ar, terra, fogo – a qual vimos no Volume 2. Essa teoria fez sucesso, ainda mais depois que Aristóteles a utilizou no seu livro Physica 3 , incorporando-a em seu modelo físico e cosmológico (associando os quatro elementos às quatro causas, por exemplo). Essa investigação das substâncias fundamentais também foi praticada, de forma bastante parecida, em outras tradições culturais. Para os chineses, por exemplo, havia um só princípio para a Matéria (Qi) e outro para o vazio (Kung); mas essa matéria se manifestava sob cinco formas fundamentais: água, fogo, terra, metal e madeira. Cada um dos objetos era uma combinação de Qi em diferentes modos.

1 Repare que o conceito de apeiron pode ser comparado ao nosso conceito de células-tronco (embora eles não tenham nenhuma conexão causal, apenas semelhança).

E qualquer

coisa pode ser descrita em termos de qual sua posição em cada um dos pares: se ela é mais quente ou mais fria, mais seca ou mais úmida, se tem mais amor ou mais ódio. Assim, os quatro elementos são: o frio e seco, o frio e úmido, o quente e seco, o quente e úmido.

2 A idéia é que existem diversos pares de características opostas: quente-frio, seco-úmido,

3 A Physica, em Aristóteles, é o saber responsável por estudar a physis, o mundo material, sensível.

Volume 4 - Astrofísica

Capítulo 1: Matéria

Já os hindus pensavam em elementos diferentes, como os gregos; no caso deles, eram cinco, não quatro. Segue um fragmento de um texto hindu antigo sobre a criação do mundo:

Ao fim desse dia e dessa noite, quem dormia [Brahman] desperta; despertando, ele cria o pensamento, que existe e não existe.

Movida pela vontade de criar, a mente se modifica gerando o éter [ou vácuo]; ele é dotado da capacidade de vibração.

Do éter modificado, por sua vez, nasce o vento puro e poderoso, que carrega todos os aromas; ele é dotado de tangibilidade.

Do vento, transformado, procede a luz brilhante, que ilumina e dissipa as trevas; ela tem a qualidade da cor.

Da luz, modificada, nasce a água, que tem a qualidade do sabor. Da água nasce a terra, que tem por qualidade o odor. Eis o princípio da criação.

Em todo caso, a tradição filosófica grega se tornou quase inteiramente desconhecida na Idade Média européia – em especial no que diz respeito à composição da matéria. A tradição greco- romana de explicação de mundo foi substituída pela judaico-cristã, que também negava os deuses especializados, mas em prol de uma visão bastante diferente. Para esta tradição, a harmonia do mundo natural não era algo muito importante, talvez nem fizesse sentido; a idéia era que havia um único deus, que estava fora do mundo, que tinha criado todas as coisas segundo a sua vontade. A preocupação intelectual passaria a se concentrar muito mais no que esse Deus teria a dizer aos humanos do que em que substâncias ou whatever que comporia as coisas materiais. De qualquer forma, no rastro da fundação das Universidades, no século XIII, a Europa sofreu uma forte inovação intelectual, com a recuperação, através dos árabes, dos textos clássicos gregos. Nos meios intelectuais, havia um nome que ecoava mais do que todos os outros: Aristóteles. Foi quando essas questões gregas se tornaram questões importantes no pensamento europeu cristão. No final da idade média, Aristóteles era definitivamente a maior autoridade. Seria justamente contra isso que se levantariam os renascentistas.

1.1 Elementos e átomos

No Volume III, discutimos como, a partir de Copérnico, a teoria dos movimentos celestes foi lentamente sendo abandonada, substituída por uma nova visão. O mesmo tipo de mudança ocorreu no pensamento sobre a composição da matéria. Assim, com a descoberta de cada vez mais textos gregos e romanos, foi ressuscitada uma escola filosófica grega meio marginalizada, fundada por Demócrito de Abdera: a Escola Atomista. Segundo a concepção dessa escola, a physis seria composta por apenas dois tipos de coisas: vazio (kenos; ou vacuum em latim) e de partículas indivisíveis (in-divisíveis: a-tomoi) vagando por este vazio. Essas partículas-átomo existiriam sob diversas formas, e vagariam aleatoriamente pelo espaço vazio, se chocando, se agrupando e desagrupando, “criando e dissolvendo mundos”. A idéia proclamava duas coisas a que a tradição grega tinha horror: que a matéria vagava no vazio (ao contrário dos chineses, os gregos nunca admitiram a existência do vácuo, de um espaço onde não houvesse nada) e que as coisas se formavam aleatoriamente – isso era demasiadamente inaceitável para a perfeita e equânime razão grega. Por isso, a escola nunca foi muito valorizada na Grécia, embora sempre tivesse tido pequenos grupos seguidores – até mesmo no Império Romano, com Lucrécio. Os renascentistas (e algumas gerações seguintes) tinham Aristóteles como um inimigo co-

Assim, nestes tempos, as idéias atomistas chegaram através dos textos de Lucrécio, e

mum.

Curso de Astronomia Geral - CCD/OBA \o/

Volume 4 - Astrofísica

passaram a ser cada vez mais populares entre os que se ocupavam de História Natural 4 , contra a teoria clássica dos quatro elementos (que expusemos no Volume III). Newton, por exemplo, era um atomista convicto, e considerava seu tratado Óptica muito mais importante que o Prin- cipia – naquele tratado, ele estabeleceu diversas leis da propagação e do espalhamento da luz, considerando-a como formada por pequenas partículas luminosas se propagando. Descartes, por outro lado, era mais moderado: embora não fosse inteiramente partidário do atomismo (como já vimos, ele não acreditava no vácuo, e para ele qualquer corpo poderia ser dividido até o infinito), explicava a constituição da matéria a partir de três tipos fundamentais de partículas (lembram dos vértices que explicavam os movimentos orbitais?).

Paralelamente, havia o movimento dos alquimistas, que, desde a Idade Média, tratava de diversas misturas de substâncias, buscando, como objetivo último, transmutar elementos em ouro 5 . Os alquimistas viviam em um universo à parte da filosofia natural. Eles não estavam nas universidades e nas sociedades de conhecimento discutindo sobre a natureza do universo; antes, eram os farmacêuticos, curandeiros e bruxos, aqueles que sabiam de fato manipular as substâncias e produzir efeitos nas pessoas e nas coisas. Assim, enquanto os físicos e filósofos discutiam a composição do mundo na Academia, os alquimistas manipulavam a composição do mundo. Entretanto, um aspecto importante da nova ciência que viria a nascer era justamente a fusão entre o conhecimento teórico do mundo, por um lado, e o conhecimento prático e a produção tecnológica, por outro. Assim, foi nesta época que começaram a surgir os tratados escritos de alquimia, cada vez com mais fundamentação filosófica e rejeitando a mais inocente alquimia anterior. Foi-se, então, constituindo a tradição da química moderna. A alquimia era completamente fundamentada na idéia aristotélica de elemento. O que os alquimistas investigavam eram as transformações dos elementos. O mais famoso tratado alquí- mico é o de Paracelso, considerando por alguns o pai da medicina moderna. Nascido Phillipus von Hohenheim 6 , em uma vila onde hoje é a Suíça, ele já pertence à geração dos alquimistas filósofos. Em 1509 (30 anos antes da publicação do Revolutionibus