Você está na página 1de 25

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

Instituto Politécnico de Leiria Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar

Marketing Turístico - 3º ano 2012/2013

Turismo e Desenvolvimento Sustentável

Trabalho Prático para Exame - Época Normal

Sustentável Trabalho Prático para Exame - Época Normal UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável 5º semestre

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável 5º semestre

Discente: Teresa Santos, # 4100330

Docente: Professora Patrícia Reis

22 de Janeiro de 2013

Sustentável 5º semestre Discente: Teresa Santos, # 4100330 Docente: Professora Patrícia Reis 22 de Janeiro de

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

Índice

1. Introdução

1

2. Fundamentação Teórica

2

2.1. Os Impactes do Turismo

2

2.2. Tipos de Impacte Turístico

3

2.2.1. Impacte Turístico Económico

3

2.2.2. Impacte Turístico Sociocultural

4

2.2.3. Impacte Turístico Ambiental

6

2.3.

O Turismo Sustentável

7

3. Estudos de Caso - As Unidades Hoteleiras selecionadas

9

3.1. Unidade Hoteleia 1 H2Otel, Congress and Medical Spa

9

3.2. Unidade Hoteleira 2 Hotel Soleil Peniche

9

3.3. Unidade Hoteleira 3 Hotel NH Liberdade

9

3.4. Unidade Hoteleira 4 Convento do Espinheiro, Hotel & Spa

10

4. Medidas para a sustentabilidade nas Unidades Hoteleiras selecionadas

11

4.1.

Avaliação de Sustentabilidade H2Otel

11

4.1.1.

Proposta de outras ações a implementar

13

4.2.

Avaliação de Sustentabilidade Hotel Soleil Peniche

13

4.2.1.

Proposta de outras ações a implementar

15

4.3.

Avaliação de Sustentabilidade Hotel Soleil NH Lisboa

15

4.3.1.

Proposta de outras ações a implementar

16

4.4.

Avaliação de Sustentabilidade Convento do Espinheiro

18

4.4.1.

Proposta de outras ações a implementar

20

5. Conclusões

21

6. Bibliografia

22

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

1. Introdução

O presente trabalho foi realizado no âmbito da Unidade Curricular (UC) de Turismo e Desenvolvimento Sustentável do Curso de Marketing Turístico EaD, 3º Ano, 5º Semestre, Ano Letivo 2012/2013, do Instituto Politécnico de Leiria Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar, em Peniche, pela discente nº 4100330 - Teresa Santos.

A sua realização teve como objetivo sumarizar os conhecimentos adquiridos ao longo do semestre, através da sua aplicação a casos práticos, mediante a avaliação das políticas de sustentabilidade em curso para quatro unidades hoteleiras à escolha da discente, assim como a posterior elaboração de propostas de medidas a implementar em cada uma delas.

Para tal, foi desenvolvido um trabalho estruturado de acordo com as seguintes etapas:

Fundamentação Teórica, resultante da leitura dos recursos disponibilizados pela docente, e de pesquisa bibliográfica adicional, oportunamente referida;

Apresentação das Unidades Hoteleiras selecionadas, justificação para a escolha das mesmas e sua caracterização;

Pesquisa sobre os Impactes causados e sobre as Politicas de Sustentabilidade atualmente seguidas por essas unidades hoteleiras, desenvolvida com base em consultas aos respetivos websites e em abordagem direta, via email, a duas das unidades hoteleiras selecionadas;

Apresentação de propostas de ações complementares, que permitam minimizar os impactes detetados, assim como contribuir para o desenvolvimento sustentável da comunidade em que estão inseridas;

Em suma, este trabalho abarca, na sua generalidade, a totalidade dos conceitos estudados no decurso da UC, particularizando a temática com a análise de quatro casos específicos de Hotelaria em Portugal, que foram selecionados por representarem realidades diferentes entre si, o que permitiu aferir a especial pertinência das práticas de turismo sustentável na minimização dos impactes causados pela atividade turística, ao nível sociocultural, económico e ambiental.

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

2. Fundamentação Teórica

Por forma a fornecer um enquadramento teórico adequado, abordam-se neste capítulo os conceitos fundamentais de desenvolvimento sustentável em turismo, começando por recordar a relevância do turismo enquanto pilar da economia mundial, assim como o conceito de sustentabilidade.

Segundo as previsões feitas pelo autor George Cazes em 1998, e referidas pelo advogado Carlos Torres para a Publituris, a totalidade das populações mundiais estaria exposta ao fenómeno turístico no final do século XX. Ainda que seja altamente improvável que possamos referir-nos à “totalidade”, o facto é que o turismo é hoje em dia “a maior atividade mundial de serviços, aproximando-se da indústria petrolífera e automóvel” (TORRES, 2009).

Este argumento é, aliás corroborado pelos mais recentes estudos do Barómetro do Turismo Mundial, publicado em Novembro de 2012 pela Organização Mundial do Turismo (OMT), que indicam que apesar do clima de incerteza económica mundial, a demanda turística se mantém. Globalmente, os resultados do turismo internacional não foram afetados pela volatilidade da economia, e as previsões continuam a ser de franco crescimento para a década 2010-2020. (OMT - Organização Mundial do Turismo, 2012)

E é neste contexto de crescimento exponencial do turismo enquanto atividade económica que a temática da sustentabilidade e dos impactes exercidos pelo turismo começa a assumir um papel preponderante.

2.1. Os Impactes do Turismo

Toda a atividade turística acontece num determinado ambiente que, quer seja natural ou não, sofre um processo de descaracterização pela ação humana. Como afirma o autor Chris Cooper: assim que a atividade turística ocorre, o ambiente é inevitavelmente modificado, seja para facilitar o turismo, seja através do processo de produção do turismo”. (COOPER, FLETCHER, FYALL, GILBERT, & WANHILL, 2007, p. 210)

Por impactes do turismo entende-se então o conjunto de intervenções e modificações decorrentes do desenvolvimento turístico nos núcleos recetores ou, como define Ruschmann (RUSCHMANN, 1997): “São a consequência de um processo complexo de interação entre os turistas, as comunidades e os meios recetores”. São, portanto, todos os efeitos causados pela atividade turística no “destino” onde essa atividade se realiza, e que podem revelar-se tanto positivos como negativos, de ordem económica, sociocultural, ou ambiental.

Os impactes turísticos no meio envolvente são inevitáveis, pelo que, deste modo, podemos dizer que o meio ambiente e o turismo têm uma relação de interdependência inevitável. Os impactes do turismo resultam de um processo e não constituem eventos pontuais (RUSCHMANN, 1994, p. 2).

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

2.2. Tipos de Impacte Turístico

Como referido, o impacte do turismo revela-se nas dimensões económica, sociocultural e ambiental.

2.2.1. Impacte Turístico Económico

e ambiental. 2.2.1. Impacte Turístico Económico Figura 1 - Contribuição do sector do Turismo para o

Figura 1 - Contribuição do sector do Turismo para o PIB Global (fonte: WTCC)

Segundo as estimativas do World Travel and Tourism Council (WTTC), os contributos diretos e indiretos do sector representaram, por exemplo em 2010, mais de 9% do PIB mundial e mais de 8% do emprego. Efetivamente, o turismo tem contribuído para a redução dos desequilíbrios da balança de pagamentos, para o aumento das receitas (nomeadamente as fiscais) e para a criação de emprego. Adicionalmente, e igualmente importante, é o facto de a despesa efetuada pelos turistas ser uma alternativa às exportações tradicionais, na medida em que

se pode considerar o turismo internacional como uma atividade de exportação de bens e serviços turísticos.

É indiscutível que sejam considerados os benefícios económicos do Turismo, pelo seu contributo para o desenvolvimento. No entanto, é importante reconhecer que o desenvolvimento turístico acarreta uma série de custos para o destino. Faz-se necessária uma análise das vantagens (benefícios) e desvantagens (custos) da economia do turismo:

Benefícios Económicos do Turismo

a) Contribuição do Turismo ao Produto Interno Bruto (PIB) - através das receitas geradas pela atividade turística.

b) Equilíbrio da balança de pagamentos - expresso em termos de entradas e gastos realizados pelos nacionais no exterior. Existem contribuições diretas, indiretas e induzidas, mas para efeitos de cálculo são mais relevantes as contribuições primárias pela sua afetação direta: hotéis, restaurantes, companhias aéreas, entre outros.

c) Criação de empregos por depender em grande parte do fator humano, a indústria turística é naturalmente geradora de emprego.

d) Efeito multiplicador - devido às suas múltiplas ligações com outros sectores da economia. A indústria turística é composta por um grupo heterogéneo de empresas, dependendo umas das outras para se suprirem. O crescimento da atividade turística estimula o crescimento da procura de bens locais e dos níveis económicos do destino em geral.

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

e) Criação de infraestruturas - o turismo necessita da instalação de infraestruturas que beneficiam tanto os demais sectores da economia como a comunidade envolvente, que, devido ao seu custo, costuma ser realizado por investimentos estrangeiros.

f) Aumento e distribuição da riqueza considera-se que o turismo representa uma oportunidade de melhoria económica no nível de vida da população, assim como um excelente instrumento para potenciar as possíveis mudanças positivas que possam ocorrer localmente.

Custos Económicos do Turismo

O desenvolvimento da atividade turística acarreta também alguns custos que devem ser considerados, ao mesmo tempo que os benefícios, de forma a serem corretamente avaliados os impactes económicos do turismo sobre um destino.

a) Custos derivados das flutuações da procura turística causada pela interdependência entre o turismo e outros sectores da economia, para além de ser temporária e sensível às variações de preços, às mudanças políticas e à moda.

b) Possível inflação derivada da atividade turística originada pelos prestadores de serviços locais, com o intuito de obtenção de lucros, e pelos conflitos pela utilização do solo.

c) Perda de potenciais benefícios económicos - verificado onde o número elevado de instalações turísticas pertence a investidores estrangeiros e, portanto, os lucros obtidos não são investidos no país recetor.

d) Distorção da economia local por promover o desenvolvimento da economia local, o turismo pode prejudicar o desenvolvimento de outra região do mesmo país que não se encontre nas mesmas circunstâncias para competir.

2.2.2. Impacte Turístico Sociocultural

Por outro lado, enquanto atividade que envolve o contacto próximo e interação entre pessoas provenientes de culturas, níveis económicos e extratos sociais diferentes, o turismo impacta também, de forma direta, a vertente sociocultural das comunidades. Assim, o impacte sociocultural do turismo pode ser entendido como o impacte sobre as pessoas tanto as residentes nos locais que acolhem os turistas, como o impacte gerado nos próprios turistas ao contactarem com uma sociedade diferente da sua origem.

Na opinião de alguns autores como Agustín Santana, estes impactes podem ser analisados em duas vertentes: na perspetiva do impacte social propriamente dito, i.e. das mudanças registadas na qualidade de vida e na adaptação à atividade turística das pessoas que compõem a comunidade de destino, assim como nas suas relações sociais; e na perspetiva cultural, na medida em que a longo prazo se verificarão inevitavelmente alterações, que emergem gradualmente, desde as alterações verificadas ao nível da cultura material, e que impactarão o Padrão Cultural de toda a comunidade dando-se o fenómeno da aculturação. (SANTANA, 1997, pp. 90-104).

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

Habitualmente, estes impactes são analisados tendo em conta os seus aspetos negativos, frequentemente associados à perda de identidade, à banalização e à marginalização da comunidade recetora de turistas.

Segundo o já referido autor (SANTANA, 1997), existem dez áreas do foro sociocultural que são diretamente impactadas pela atividade turística. São elas:

A

comunidade, de uma forma genérica/ampla,

As relações interpessoais,

A

organização social (constituição das famílias, relações das gerações, entre

 

outros),

O ritmo de vida social,

Os movimentos migratórios,

A

divisão do trabalho,

O tipo de ocupação preferencial da comunidades,

A estratificação social,

A distribuição do poder,

A mudança de costumes e hábitos,

A análise dos impactes registados nessas áreas pode ser feita pela perspetiva positiva, ou seja, pelas influências positivas que se registam na comunidade, nomeadamente:

Nas crescentes tendências de preocupação com a preservação do património cultural do destino turístico;

Na também crescente tendência para a recuperação e revitalização de costumes

e tradições, assim como no reavivar de artes e festividades locais;

No aumento do orgulho e interesse dos residentes pela cultura local e no reforço da identidade cultural;

No enriquecimento através do intercâmbio de culturas;

No aumento das oportunidades económico-sociais;

Na melhoria generalizada das condições de vida decorrentes dos investimentos ao nível das condições sanitárias, da educação, da melhoria de infraestruturas, entre outros.

A avaliação/medição do Impacte Sociocultural do turismo

Xerardo Pérez (PÉREZ, 2009), na sua obra “Turismo Cultural, uma visão antropológica”, refere o Sistema de Doxey como sendo uma das mais importantes formas de medição do Impacte Sociocultural da atividade turística: utiliza o conceito de capacidade de carga social, que se refere à capacidade máxima de receção de turistas parametrizada no espaço e no tempo. Esta medição é efetuada mediante uma escala – o “Indice de Irritação de Doxey”.

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330 Figura 2 - Índice de Irritação de

Figura 2 - Índice de Irritação de Doxey (fonte: PÉREZ, 2009 - Turismo Cultural, uma visão antropológica)

2.2.3. Impacte Turístico Ambiental

No início dos anos 50 e 60, com o aumento da produção, aumenta também a poluição que dá origem a uma degradação do ar que respiramos, bem como uma degradação do meio ambiente em geral. Nesta fase não existia responsabilidade ambiental corporativa. Nos anos 70 e 80, começa então a fazer-se sentir uma atitude mais reativa, com foco no controlo/planeamento, assim como no maior cumprimento das normas. Começa a sentir-se uma maior responsabilidade ambiental corporativa isolada.

O grande desenvolvimento que se fez sentir nos anos 50 e o aproveitamento do homem em relação à natureza, fizeram com que o processo de degradação ambiental aumentasse. E, com o grande aumento da indústria turística, surgiu também a necessidade de aumentar e instalar infraestruturas, como meios de hospedagem, restaurantes ou outras - o que foi feito de forma inadequada, sem se avaliarem previamente os seus efeitos sobre o ambiente local. Inevitavelmente, o impacte de grande parte destes projetos turísticos foi negativo, causando degradação ao meio ambiente.

Para enfrentar os desafios em relação aos problemas ambientais surge o conceito de turismo sustentável, no sentido de preservar e melhorar o meio ambiente, bem como o património histórico e cultural e promover o bem-estar e equidade social.

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

2.3. O Turismo Sustentável

Em suma, não obstante a importância do turismo para o desenvolvimento de economias e países, ao aumento do turismo estão associados inúmeros impactes negativos, nomeadamente a referida deterioração dos ecossistemas e dos recursos naturais, a erosão,

a perda da identidade cultural, o incómodo das populações locais causado pela excessiva

presença de turistas, a dependência do exterior, a inflação, o aumento da criminalidade ou

as falhas no mercado laboral.

Para a Organização Mundial do Turismo (OMT), o turismo só é sustentável se for feita a gestão dos recursos ambientais e culturais de forma íntegra, e se forem satisfeitas as necessidades económicas, sociais e estéticas. Trata-se de um modelo de desenvolvimento (e não de um tipo de turismo), que promove a rentabilidade económica, a preservação dos ecossistemas, a equidade social, o ordenamento do território e a fixação de populações.

Historicamente, o conceito de turismo sustentável deu os primeiros passos em 1972, no âmbito da Cimeira de Estocolmo, com o objetivo arranjar soluções concretas para minimizar os problemas ambientais. A cimeira teve a participação de um grande número de países e Organizações Não Governamentais (ONGs), e foi o acontecimento pioneiro neste tema. Seguiram-se-lhe outras iniciativas, como a criação de uma Comissão Mundial para o Ambiente e Desenvolvimento, da qual, em 1987, saiu o Relatório Brundtland. E é precisamente neste documento que surge a primeira conceptualização de “Desenvolvimento Sustentável” - o desenvolvimento capaz de responder às necessidades do presente sem comprometer a satisfação das necessidades das gerações futuras. Este conceito tem por base o princípio de que o ser humano deve gastar os recursos naturais de acordo com a sua capacidade de renovação, de forma a acautelar o seu esgotamento e responsabilizando cada indivíduo enquanto consumidor. (COOPER, FLETCHER, FYALL, GILBERT, & WANHILL, 2007)

A propósito da Cimeira Mundial sobre o Desenvolvimento Sustentável (Joanesburgo, 2002),

foi elaborado o Plano de Implementação do Turismo Sustentável, que fornece guias e apoios aos sectores públicos e privados dos estados membros das Nações Unidas, a que se seguiu a criação dos Critérios Globais para o Turismo Sustentável. Estes destacam-se pela demonstração de uma eficiente gestão sustentável, maximização dos benefícios socioeconómicos para a comunidade local e minimização dos seus impactes negativos, maximização dos benefícios inerentes ao património cultural e minimização dos seus impactes negativos, maximização dos benefícios trazidos pela qualidade ambiental e minimização dos seus impactes negativos (GSTC, 2008).

As profundas mudanças socioculturais e ambientais, que têm provocado alterações na perceção do turista, exigem que a oferta turística se adapte constantemente, de modo a ajustar-se às recentes motivações e necessidades dos consumidores. A implementação, com cada vez maior rigor dos critérios estabelecidos pela GSTC/UNWTO, demonstra do lado da oferta uma atitude proactiva, em oposição à tradicional atitude reativa, defensiva e acomodada. Cabe, portanto, a cada um dos atores do desenvolvimento da atividade turística dos órgãos governamentais, ao próprio turista a implementação de boas práticas.

De conjunto de iniciativas atrás enumeradas, e com relação direta com a atividade turística, resulta um conjunto de instrumentos de gestão, que permitem uma gestão eficaz e

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

sustentável dos recursos naturais/ambientais, contribuindo decisivamente para a preservação do ambiente.

Destaquemos então o âmbito desses instrumentos, que podem ter um carácter obrigatório ou voluntário (OLIVEIRA, 2010-2011):

Instrumentos de carácter obrigatório:

Para governos/destinos: Regulamentação Específica, no que respeita às políticas de ordenamento de território e avaliação de impacte ambiental dos destinos turísticos;

Para as empresas turísticas: Regulamentação Específica, no que respeita à avaliação do impacte ambiental da sua atividade;

Para os turistas: Regulamentação específica referente ao cumprimento de normas de conduta em área específicas protegidas. Implementação do pagamento de taxas para preservação de recursos.

Instrumentos de carácter voluntário:

Para governos/destinos e organizações:

Códigos de conduta

Declarações ou cartas internacionais

Guias de boas práticas

Prémios – como os prémios “Green Key”, que reconhecem a qualidade ambiental em unidades hoteleiras, a nível internacional

Rótulos ecológicos criados para promover e informar sobre produtos com impacte ambiental reduzido utilizados. Atualmente 3000 empresas de turismo envolvidas na aplicação de 50 sistemas de rótulos ecológicos (Fonte:

Ecostrans)

Certificações SGAs (Sistemas de Gestão Ambiental)

Relatórios Ambientais e de Sustentabilidade Indicadores

Agenda 21 / Agenda 21 Local – “é um documento assinado por quase duas centenas de governos, entre os quais Portugal, e que procura unir a proteção do ambiente com o desenvolvimento económico e com a coesão social.” (Agenda 21 Local - Portugal).

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

3. Estudos de Caso - As Unidades Hoteleiras selecionadas

As unidades hoteleiras usadas como casos de estudo neste trabalho foram selecionadas em função de alguns critérios objetivos, como o conhecimento pessoal da discente, que procurou assegurar a seleção de tipologias de hotel distintas e localizadas em diferentes regiões nacionais. Assim, foram escolhidos:

3.1. Unidade Hoteleira 1 - H2otel, Congress and Medical Spa

A seleção desta unidade hoteleira está relacionada com as raízes familiares da discente, em Unhais da Serra (concelho do Fundão) e, por conseguinte, com o seu conhecimento pessoal.

Trata-se de uma unidade hoteleira de 4 estrelas, inaugurada em 2009, à qual está associado um complexo termal, que configura o “core-business” do hotel no âmbito do Turismo de Saúde e Bem-estar, embora possa igualmente endereçar mercados com outras motivações (como natureza, aventura, rota das aldeias históricas, etc.)

Situado em pleno coração do Parque Natural da Serra da Estrela, o H2otel foi construído de raiz, e procurou ser “arquitetonicamente integrado na paisagem, permitindo assim uma íntima ligação à natureza”, segundo refere o autor do projeto arquitetónico. O hotel dispõe de 90 quartos, sendo 17 deles em suite. Possui ainda um Restaurante que “oferece as riquezas e sabores da gastronomia de alta montanha, com ementas vegetarianas e ligth”. Possui facilidades para a realização de congressos e ventos, lounge e lounge bar com esplanada, loja gourmet, sala de jogos, media center, ginásio e um amplo parque de estacionamento. (Natura IMB Hotels, 2009)

3.2. Unidade Hoteleira 2 Hotel Soleil Peniche

A escolha desta unidade hoteleira prende-se com o facto de se localizar na mesma localidade da ESTM, e de a discente ter ficado alojada neste hotel recentemente, sem que ficasse com boa impressão do mesmo. Foi, portanto, considerado um interessante desafio.

Trata-se de uma unidade hoteleira de 3 estrelas, situada em primeira linha de praia, que dispõe de cerca de 100 quartos, sendo 2 deles em suíte, e 4 com capacidade para receber hóspedes com mobilidade condicionada. Possui ainda um restaurante, um bar, piscina exterior e interior aquecida, e capacidades para a realização de reuniões e eventos até um máximo de 170 pessoas em plateia. (Hotel Soleil Peniche, 2012)

3.3. Unidade Hoteleira 3 Hotel NH Liberdade

Esta foi a terceira unidade hoteleira selecionada para este trabalho, não só por ser do conhecimento pessoal da discente, mas também por se diferenciar dos restantes hotéis selecionados por ser um Hotel de Cidade, e por se incluir numa cadeia internacional, o que confere diferentes contornos quando à abordagem à sustentabilidade.

Situado no centro da cidade de Lisboa, no centro histórico a principal artéria comercial da capital, a Avenida da Liberdade, o NH Liberdade “está próximo de várias atrações, incluindo

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

entretenimento, lojas e restaurantes. Tudo o que o hóspede precisa está por perto, satisfazendo as necessidades e os desejos mais exigentes. Os principais monumentos e pontos turísticos estão a apenas 15 minutos a pé do hotel, que também é bem servido por táxis e transportes públicos”.

Possui 83 quartos elegantes e modernos, restaurante, bar, e um terraço panorâmico com piscina e uma deslumbrante vista sobre o centro histórico e o rio (NH Hotels, 2012).

3.4. Unidade Hoteleira 4 Convento do Espinheiro, Hotel & Spa

Por último, foi selecionado o Convento do Espinheiro, Hotel & Spa, também por ser do conhecimento pessoal da discente, mas sobretudo porque nos remete para um projeto de integração do património arquitetónico e cultural/religioso com a hotelaria, mediante a reconversão de um antigo convento do século XV numa unidade hoteleira de luxo, sob gestão da cadeia internacional Starwood Hotels Luxury Collection.

O Convento do Espinheiro dispõe de 86 quartos, 6 dos quais em suite, espalhados por duas alas - uma das quais arquitetonicamente mais moderna, mas que procura estar integrada no restante conjunto arquitetónico. Possui ainda um Restaurante, dois Bares, um Wine Bar, um Spa e um Health Club, piscinas exterior e interior, facilidades para a prática desportiva, realização de reuniões e eventos, business center, heliporto, e 8 hectares de jardins deslumbrantes. (Starwood Hotels, 2012)

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

4. Medidas para a sustentabilidade nas Unidades Hoteleiras selecionadas

Para elaboração das avaliações a seguir apresentadas, foram consultados os websites de cada uma das unidades hoteleiras selecionadas, sendo que o H2Otel e o Hotel Soleil Peniche foram contactados por email sem que tenha sido obtida resposta em tempo útil. A observação direta foi, também, outra forma de recolha da informação base desta análise.

As medidas propostas para cada uma das unidades são meramente indicativas e, dado o cariz académico deste trabalho, pelo que a viabilidade da sua implementação careceria de um estudo mais aprofundado.

4.1. Avaliação de Sustentabilidade H2Otel

A) Impactes Económicos

Unhais da Serra dispõe desde sempre de um valioso espólio termal, que levou a que Unhais da Serra tivesse “vivido a sua grande época turística termal nos finais do séc. XIX e princípios do séc. XX”. Nessa altura, o próprio Conde da Covilhã converteu a sua residência num grandioso hotel com casino, e cujo público-alvo era a classe abastada de industriais têxteis da região (Junta de Freguesia de Unhais da Serra, 2012).

Hoje em dia, são novamente as atividades como o termalismo, o turismo de montanha ou a pesca desportiva (pesca da truta) que chamam os visitantes para a Vila de Unhais e garantem o sustento da sua população. E é um facto inegável que o H2otel contribui decisivamente para o desenvolvimento sustentável da região. Jorge Patrão, presidente da entidade de Turismo da Serra da Estrela (TSE) em entrevista ao jornal “Porta da Estrela”, destaca o investimento feito pelo hotel, que recebe mais de 50 mil dormidas por ano e para quem esse movimento está a contribuir para a sustentabilidade da zona” - para além da requalificação do complexo termal, houve criação de infraestruturas na vila e a dinamização de atividades na natureza. (Jornal Porta da Estrela, 2010)

O hotel foi inaugurado em 2009, e em seu torno assistiu-se ao renascerdesta vila Beirã, reconhecido pelos residentes. Destacam-se como principais impactos económicos:

O repensar das estratégias da vila por parte do poder local com o investimento da autarquia na modernização da praia fluvial, ou com a aposta na modernização das vias de acesso com acesso a programas específicos de requalificação e incentivo.

O crescimento do mercado de trabalho, com a criação de inúmeros postos de trabalho afetos ao hotel e estância termal, e indiretamente, no comércio local e serviços

Abertura de negócios “satélites” no comércio local, como lojas de artesanato, estabelecimentos de restauração, serviços, etc. que contribuem para o desenvolvimento económico local;

O aumento generalizado dos preços na vila (em especial na restauração), assim como os preços praticados pelo acesso às Termas, desde sempre consideradas um “património do povo”.

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

B) Impactes Socioculturais

O H2Otel aposta na preservação do património e da identidade cultural de Unhais da Serra. Envolvendo-se ativamente com a comunidade local, esta unidade hoteleira procura potenciar a transmissão dos valores culturais de Unhais da Serra aos seus hóspedes através da criação dos programas “Feel the Spirit” – Unhais da Serra. Estes programas divulgam a cultura Unhaense, as festas e romarias da região, e promovem o conhecimento sobre o património cultural e edificado: a história da Penteadora e dos lanifícios, os antigos engenhos movidos a água; a barragem Padre Alfredo no Covão de Ferro, as Capelas e Igrejas, a Casa Museu e o Rancho Folclórico, o Miradouro do Cruzeiro, etc.

Por outro lado, o Hotel garante o acesso ao Complexo Termal a todos os residentes, em condições preferenciais, permitindo-lhes continuar a usufruir daquele que sempre foi considerado, como já referido, um património do povo as Termas a que outrora chamavam “O Banho”. No entanto, este é o mais polémicoponto de impacte, uma vez que a população apresenta alguma resistência à mudança:

As alterações estruturais introduzidas nas termas não foram recebidas com abertura pela população, que critica fortemente todo o “luxo” que lhe está associado.

A população sente que os custos decorrentes da utilização do complexo termal (que antigamente tinha preços irrisórios e alguns serviços gratuitos) são incomportáveis para os níveis de rendimento dos locais.

Por último, o H2Otel procura promover a satisfação dos seus colaboradores, proporcionando oportunidades de desenvolvimento de carreira, um plano de desenvolvimento pessoal e formação profissional contínua, e uma gestão de recursos humanos fundamentalmente colaborativa e baseada em valores.

C) Impactes Ambientais

Como refere o arquiteto autor do projeto, o “H2otel é um hotel de montanha construído de raiz, arquitetonicamente integrado na paisagem, permitindo assim uma íntima ligação a natureza”. No entanto além da dimensão paisagística, são ainda contempladas outras práticas no domínio da sustentabilidade:

A racionalização do consumo de água,

A gestão racional do consumo de energia elétrica e de gás

A preocupação com a aquisição de produtos cujas embalagens são recicláveis

A gestão interna de resíduos

A redução do número de produtos utilizados que contêm substâncias perigosa

Neste âmbito, o hotel detém a certificação Eco-Hotel da TÜV-Rheinland, assim como certificações ISO 9001 e 14001.

As suas práticas amigas do ambienteforam já reconhecidas pela atribuição do Prémio Energia Elétrica e Ambiente 2010, promovido pela EDP, e foi igualmente reconhecido como Bike Friendly Hotel pela Specialized.

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

4.1.1. Proposta de outras ações a implementar

No sentido de melhorar o desempenho e minimizar os impactes negativos detetados, sugerem-se as seguintes medidas adicionais:

A) No plano sociocultural:

Promover ações específicas que permitam à população local usufruir do Complexo Termal gratuitamente, através da criação de um Open Dayem que a população, mediante marcação préviapossa beneficiar de tratamentos termais como ocorria outrora.

Fomentar o sentimento de pertença e orgulho da comunidade local, proporcionando aos residentes condições preferenciais no acesso aos serviços do hotel como descontos no restaurante ou no bar, ou descontos significativos em alojamento para os familiares da população local que residam fora do Distrito.

Potenciar a formação profissional e a empregabilidade entre os residentes, através da realização de eventos formativos na área hoteleira, e da criação de estágios curriculares para os residentes

B) No Plano Ambiental

Além de promover a sensibilização dos hóspedes para a utilização responsável de recursos básicos como a água e a energia (instalado dispositivos específicos em torneiras mantendo as práticas atualmente em curso), sugere-se:

Tratamento de Desperdícios Alimentares Compostagem para aproveitamento de resíduos alimentares da cozinha e bares, para posterior utilização na conservação dos jardins.

Energias Alternativas Instalação de Painéis Solares para produção parte da energia elétrica a utilizar

Preservação do Ambiente Sensibilização dos turistas para que se desloquem a pé dentro da vila e para os locais limítrofes, fazendo caminhadas na natureza e disfrutando da paisagem, minimizando assim o seu impacte no ambiente. Adicionalmente, criação de circuitos Pedestres na Vila e Programas de Visitas em Grupo às principais atrações, de forma a reduzir o número de deslocações em viaturas individuais.

4.2. Avaliação de Sustentabilidade Hotel Soleil Peniche

C) Impactes Económicos

Peniche, enquanto destino turístico, tem procurado posicionar-se como destino de eleição para desportos aquáticos, sendo já reconhecido internacionalmente como um dos principais destinos de Surf e sendo já palco da realização de importantes eventos internacionais neste área (como o Rip Curl Pro).

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

O Hotel Soleil Peniche beneficia das oportunidades geradas pelo posicionamento do

destino, e contribui decisivamente para a economia local, na medida em que se trata de um hotel com uma localização privilegiada na primeira linha de praia, junto ao centro da cidade

de Peniche, e a curta distância de todas as atrações locais.

Assim, podemos assumir o hotel Soleil Peniche contribui para a geração de riqueza e emprego a nível local, muito embora não possamos retirar outras conclusões no âmbito do impacte económico e das medidas de sustentabilidade em curso neste domínio

D) Impactes Socioculturais

O Hotel Soleil Peniche procura integrar-se eficazmente na sociedade e cultura locais,

promovendo a mesma junto dos seus hóspedes, quer através da divulgação de informação sobre tradições e oferta cultural, quer através de uma atitude empenhada e proactiva que se verifica por exemplo na realização de iniciativas que promovem a gastronomia local.

Uma vez mais, por não dispor de elementos adicionais neste âmbito, não é possível tirar outras elações sobre outros impactes causados pelo Hotel Soleil Peniche no âmbito sociocultural, nem sobre qual o seu posicionamento neste contexto.

E) Impactes Ambientais

Esta é, sem dúvida, a área em que o Hotel Soleil Peniche, tal como qualquer outra unidade Hoteleira, exerce maior impacte negativo sobre o meio envolvente.

Apesar de ainda não serem particularmente visíveis esforços de grande monta na redução

do impacte negativos decorrentes da sua atividade, o Hotel Soleil Peniche denota já alguma

preocupação ao nível da sustentabilidade e que fica patente na adesão ao “Five-Leaf System”, contando neste momento com a classificação de Nível 1 (uma folha), que é atribuída a “hotéis que não tenham tido até ao momento qualquer preocupação ambiental mas cuja Direção demonstre a partir de agora respeito pelo meio-ambiente” (Five-Leaf

System, 2012). Esta classificação traduz a simples intenção em que o hotel expresse preocupação pelo impacte ambiental da sua atividade e que pretende, de futuro, implementar uma política mais amiga do ambiente, envolvendo para isso hóspedes, empregados, fornecedores e a comunidade local.

Aparentemente, as práticas de sustentabilidade no Hotel Soleil Peniche resumem-se ao âmbito da reciclagem no domínio dos resíduos, com a separação de lixos, e às preocupações com a poupança energética com a utilização de alternativas de iluminação e aquecimento mais amigas do ambiente (como a utilização de lâmpadas de baixo consumo, automatização programada dos consumos, automatização dos sistemas de ar-condicionado, etc.)

Por não existir um esforço de comunicação com os diversos stakeholders sobre as práticas ambientais em curso, e por também nesta área não dispormos de elementos adicionais que nos permitam uma melhor avaliação do atual posicionamento face às políticas de sustentabilidade, é proposto um vasto conjunto de medidas a implementar na alínea seguinte.

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

4.2.1. Proposta de outras ações a implementar

A) No Plano Sociocultural

Estabelecimento de parcerias locais, no caso de serem inexistentes, com a ESTM para a abertura de estágios curriculares, e de ações de formação expressoem técnicas de hotelaria, de forma a potenciar a empregabilidade e a aposta na formação de recursos humanos

Criação de condições especiais para residentes e empresas locais, nomeadamente na cedência de espaços para eventos e dos espaços de restauração, com o objetivo de promover a integração e interação com a comunidade e contribuir para o desenvolvimento da mesma;

Criar um programa de solidariedade social, através da cedência de recursos do hotel e fomentando a participação dos funcionários em causas de caráter social local (apoio à população idosa, voluntariado em instituições locais, etc.)

B) No Plano Ambiental

Rever todas as práticas em curso, criando uma task-forcepara o desenvolvimento de um Plano Específico de Sustentabilidade

Procurar obter certificações oficiais, cumprindo as intenções formuladas na adesão ao Five-Leaf System

Promover a utilização responsável dos recursos básicos mediante a instalação de dispositivos automáticos nas torneiras, temporizadores e sensores de presença para iluminação, etc

Criar mecanismos de sensibilização dos hóspedes para essa utilização responsável de recursos básicos alertá-los através de flyers, como é comum noutros hotéis, para que não troquem as toalhas diariamente, ou para que utilizem a luz e a água de forma racional

Implementar processos de aproveitamento das águas residuais, das piscinas, e outras, para alimentação dos sistemas de rega do relvado

Adotar a utilização de produtos biodegradáveis em limpezas e lavandaria

4.3. Avaliação de Sustentabilidade Hotel NH Lisboa

Como referido, o Hotel NH Lisboa insere-se numa cadeia hoteleira internacional, cujas preocupações com a sustentabilidades são uma das prioridades institucionais.

As mesmas estão devidamente assumidas na declaração de Missão Aumentar o tempo que nossos clientes passam connosco, elevando a sua experiência e contribuindo para um mundo mais sustentável(NH Hotels, 2000-2012). As políticas de sustentabilidade e RSE

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

(Responsabilidade Social Empresarial) são concebidas a nível global replicadas para todas

as

unidades integrantes da cadeia NH, em todas as localizações do mundo.

O

Modelo de Gestão por Valores está diretamente relacionado com essas políticas de

sustentabilidade e RES e assenta em três patamares:

O Foco nas Pessoas, consideradas como o principal ativo da empresa - os clientes, os funcionários, os acionistas, os fornecedores e na satisfação das necessidades de todos os envolvidos

A Inovação, na medida em que a aposta é em antecipar as necessidades atuais e futuras de uma sociedade em constante mudança, através da criação de novos produtos e serviços.

A preservação ambiental, comprometendo-se constantemente de respeitar o meio ambiente e em reduzir a pegada ambiental.

A) Impactes Económicos

Especificamente ao nível local, por ser um hotel de cidade, o impacte económico do hotel NH Liberdade está diluído no “bolo” do impacte económico do turismo na cidade de Lisboa. Em suma, o NH Liberdade contribui, ao mesmo tempo que beneficia das oportunidades geradas pela evolução do mercado do turismo na capital, que além de concentrar a maioria

do poder económico do país, tem vindo a crescer no que respeita ao número de turistas que

recebe, e aos seus gastos. Reportando-nos para os números divulgados pelo INE (INE -

Instituto Nacional de Estatistica, 2012), verifica-se que Lisboa registou um aumento de 4,7%

no número de dormidas em 2011, para as quais contribuiu, por exemplo, um crescimento de

turistas provenientes dos mercados Brasileiro de 20.6% e Francês de 15.6%. Estes aumentos refletem-se no aumento dos proveitos em hotelaria, donde podemos concluir que o NH Lisboa tem uma quota-parte de contribuição para o desenvolvimento económico da cidade de Lisboa e do país em geral.

B) Impactes Socioculturais

O Hotel NH Lisboa, replicando as políticas de RSE da cadeia NH, aposta na ação

estratégica social, tendo desenvolvido um Código de Conduta que assegura a ética na sua

gestão e operação, assim como um Plano Estratégico de RSE que se baseia em três abordagens traduzidas por três programas:

Up! For Opportunities Programa internacional de formação e aprendizagem para jovens em risco de exclusão social e pessoas portadoras de deficiência, nos hotéis da cadeia. Engloba o envolvimento significativo de funcionários do hotel (coaching NH).

Up! For Hospitality Sendo uma cadeia de hotéis responsável, a NH Hotels dá também o seu contributo para a sociedade disponibilizando os seus próprios produtos e serviços a ONGs e Fundações, em prol de causas nobres (acolhendo eventos solidários, alojando membros de ONGs, etc). Para isso, concebeu o Programa “NH Amigo Solidário”, uma iniciativa através da qual as referidas entidades podem obter descontos até 30% sobre a melhor tarifa disponível, em todos os

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

serviços da Cadeia NH. Adicionalmente, foram estabelecidos inúmeros acordos internacionais e/ou locais para o apoio a causas sociais, com organizações como a UNICEF ou Associações de Luta contra o Câncro.

Up! For Volunteering Este programa visa fomentar o espírito de voluntariado social entre os colaboradores, promovendo uma cultura de voluntariado corporativo. Além do apoio aos funcionários que prestam serviços de voluntariado, a NH Hotels disponibiliza formadores para ações de formação específicas de hotelaria em países subdesenvolvidos, como a Etiópia.

Outro exemplo de iniciativas no âmbito da solidariedade é a campanha “Natal para Todos” em que a empresa e os funcionários colaboram globalmente com a doação de alimentos, roupas e brinquedos para os mais necessitados, revertendo os donativos para instituições locais.

C) Impactes Ambientais

No âmbito das boas práticas ambientais, a NH Hotels assume abordagem sustentável do meio ambiente durante todo o ciclo de negócio, desde as tarefas envolvidas no planeamento e construção dos hotéis, até ao seu funcionamento diário e no serviço ao cliente (NH Hotels, 2000-2012). Destacam-se algumas das medidas implementadas em campos como:

Proteção da Biodiversidade, mediante a utilização de materiais eco-friendly (madeiras, detergentes, etc.) em áreas como o mobiliário dos quartos, as salas de reuniões, ou mesmo na lavandaria;

Criação do Clube de Sustentabilidade NH – uma “incubadora” de ideias de sustentabilidade que envolve os fornecedores e gestores da NH Hotels, num conceito de partilha de conhecimentos e experiências que objetivem o desenvolvimento sustentável e proteção ambiental

Compra de produtos “Fair-Trade”, como no caso do café e auditoria ambiental a todos os fornecedores para avaliar o seu grau de sustentabilidade

Criação dos Eco-Meetings e Eco-Rooms, privilegiando os consumos racionais de energia e água, e utilizando equipamentos como canetas de plástico biodegradáveis nas reuniões e servindo água em jarro, em vez de garrafas individuais; ou utilizando embalagens biodegradáveis para as “amenities” nos quartos

Preferência por produtos ingredientes de agricultura biológica nos restaurantes das unidades hoteleiras

Redução dos consumos de água em itens como a instalação de dispositivos de eficiência de consumo nas torneiras, chuveiros e autoclismos, redução do consumo de água nas piscinas e reutilização das águas para a rega e afins, recorrendo a tecnologias de última geração

Redução dos consumos energéticos, introduzindo pequenas alterações tecnológicas em lâmpadas, elevadores, peliculas térmicas nos vidros, aparelhos eficientes (como TVs e Minibares) ou iluminação exterior por Led’s.

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

Aposta em energias renováveis, através da instalação de Painéis Solares no topo das suas unidades hoteleiras para produção de parte da energia consumida, ou disponibilizando pontos de recarregamento de veículos elétricos aos seus hospedes

Obtenção da certificação Eco-Hotel em todas as unidades;

4.3.1. Proposta de outras ações a implementar

Dada a já vasta lista de medidas já implementadas, apenas se sugerem pequenas ações que podem complementar as políticas de sustentabilidade em curso

A) No âmbito Sociocultural:

Desenvolver uma participação ativa conjunta com organizações solidárias locais, de forma a contribuir para a ajuda aos sem-abrigo e população carenciada que prolifera no centro histórico da Cidade, disponibilizando cobertores, almofadas, atoalhados e demais roupa de casa, que deixa de ser utilizada no hotel por ter pequenos sinais de uso.

B) No âmbito ambiental

Promover a não utilização de carros no centro da cidade, através da oferta de estacionamento fora do centro, e da disponibilização de um Cartão Lisboa Viva pré-carregado com uma quantia simbólica e recarregável, para todas as deslocações no centro da cidade.

4.4. Avaliação de Sustentabilidade Convento do Espinheiro

A) Impactes Económicos

Tal como nos casos apresentados anteriormente, o impacte económico da implantação de um hotel de luxo em Évora, reconhecida como cidade Património Mundial pela UNESCO, reflete-se ao nível do seu contributo para o crescimento económico da região.

O facto de operar sob a marca de uma cadeia internacional, a Starwood Hotels, acrescenta algum valor a este contributo, na medida em que veicula a captação do investimento internacional para a região, assim como reforça a captação de turistas oriundos dos mercados emissores estrangeiros através da promoção internacional e da reconhecida notoriedade da Starwood Hotels.

B) Impactes Socioculturais

Como referido, o Convento do Espinheiro Hotel & Spa, traduz um projeto de reconversão do património arquitetónico e cultural/religioso da cidade numa unidade hoteleira de luxo, que opera sob a gestão de uma das mais reconhecidas marcas internacionais.

Salienta-se primeiramente a excelência do projeto de reconversão, que conseguiu respeitar e preservar os vestígios históricos e culturais afetos ao monumento, conferindo-lhe traços de modernidade e conforto e mantendo em funcionamento a sua igreja, a capela adjacente, a

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

biblioteca, e muitas das peças que fazem parte do espólio cultura religioso da comunidade eborense.

Ao nível local, o Covento do Espinheiro é o principal garante de empregabilidade na freguesia dos Canaviais, porém a população residente considera que o empreendimento pratica preços proibitivos o que é um entrave a que a população disfrute do seu património.

Num contexto de responsabilidade social corporativa, e fazendo parte da marca Starwood, o Convento do Espinheiro aposta em práticas de responsabilidade social, tendo desenvolvido um programa a que chama “Starwood Cidadania Global”, que procura promover a integração com populações dos locais onde opera, através de ações de formação profissional e da realização de eventos e iniciativas culturais.

A criação da Fundação Starwood é também um dos marcos no âmbito da responsabilidade social da Starwood, promovendo a equidado social tanto a nível local como global, através de contribuições financeiras, trabalho voluntário de funcionários, e envolvimento dos hóspedes. Um exemplo das iniciativas desenvolvidas neste âmbito é a campanha “Checkout for Chilrden”, desenvolvida à escala gloval e que implica o envolvimento dos hóspedes na doação de fundos para a UNICEF, sendo-lhes dada a possibilidade de fazer a doação de 1€ no check-out.

Por fim, visando a satisfação dos seus colaboradores e o apoio social aos mesmos, criou uma fundação de ajuda aos funcionários Starwood – a “SARF - Starwood Associate Relief Fund”. A sua missão é “auxiliar a garantir condições de vida seguras para funcionários em situação de desastre natural ou catástrofe, por meio da concessão de ajudas financeiras que assegurem as suas necessidades básicas” (Starwood Hotels, 2012).

C) Impactes Ambientais

Tratando-se, como já por diversas vezes referido, de um projeto de reconversão de um edifício Conventual do Século XV numa unidade hoteleira de luxo, as preocupações ambientais são uma constante na gestão do Convento do Espinheiro. Destacam-se as seguintes iniciativas;

Agricultura Biológica: O facto é que, “quando os monges Jerónimos habitavam este monumento do século XV, o convento era totalmente autossuficiente”. Assim, uma das principais iniciativas no âmbito da sustentabilidade ambiental tem sido a recuperação da horta do convento, “onde foram introduzidos diversos produtos e ervas de agricultura biológica, eliminando assim o uso de químicos”. (Starwood Hotels, 2012)

Tratamento de Desperdícios Alimentares Compostagem: Todos os desperdícios da cozinha, bem como folhas caídas e aparas de relva são colocados em tanques de compostagem, para posteriormente serem utilizados como fertilizante para os nossos jardins.

Redução / Rentabilização dos Consumos de Água - a recuperação do antigo aqueduto permitiu começar a utilizar água de um poço para rega dos jardins, tornando-nos assim autossuficientes em termos de irrigação.

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

Redução dos Consumos Energéticos adoção de pequenas medidas de combate ao desperdício energético, como a substituição de lâmpadas normais por lâmpadas economizadoras disponibilizando iluminação de alta eficiência nos quartos e zonas públicas, instalação de sensores de presença para gestão da iluminação, instalação de painéis solares para aquecimento de água, e informação regular aos colaboradores relativa às boas práticas ambientais.

Implementaçã do programa Make a Green Choiceprograma que recompensa os hóspedes que optarem por preservar os recursos naturais no quarto

O Convento do Espinheiro obteve por isso a certificação de Nível 5 (5 folhas) pelo Five-Leaf System, que implica o preenchimento de importantes requisitos de nível avançado.

4.5. Proposta de outras ações a implementar

Tal como no caso do Hotel NH Lisboa, a vasta lista de medidas já implementadas condiciona a apresentação de propostas adicionais. Sugerem-se apenas:

C) No âmbito Sociocultural:

Apostar no apoio à população carenciada local, desenvolvendo parcerias com as instituições de solidariedade social e, tal como sugerido para o NH Liberdade, doar cobertores, almofadas, atoalhados e demais roupa de casa, que deixa de ser utilizada no hotel por ter pequenos sinais de usomas que pode fazer a diferença junto dos mais necessitados.

D) No âmbito ambiental

Disponibilizar um espaço, retirado aos 8 hectares de terrenos disponíveis para jardins, para a instalação de um projeto de Horta Comunitária, apoiada pelas experiências de agricultura biológica do hotel, e cujos produtos revertam para a população local (esta medida abarca também o domínio ambiental)

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

5. Conclusões

A realização deste trabalho permitiu aferir a importância do desenvolvimento sustentável na atividade turística, enquanto pilar fundamental da economia de países e comunidades.

O conceito, que visa a capacidade de responder às necessidades do presente sem

comprometer a satisfação das necessidades das gerações futuras, é de extraordinária

importância no domínio da operação de Unidades Hoteleiras, independentemente da sua caracterização ou localização, como forma de minimizar os impactes negativos decorrentes

do

exercício da sua atividade, nos domínios Económicos, Socioculturais e Ambientais.

É,

principalmente no plano Ambiental que se verifica a necessidade de existência de uma

atitude marcadamente proactiva por parte dos responsáveis pela gestão das unidades hoteleiras, notando-se um cada vez maior empenho dos gestores nesse sentido.

Por outro lado, compete a cada um dos atoresenvolvidos assegurar o cumprimento da sua quota-parte no que respeita às práticas de sustentabilidade no turismo dos órgãos governamentais que devem criar as condições e fomentar o desenvolvimento nesse sentido, até ao próprio turista a quem compete a prática da atividade turística responsável.

Neste trabalho, a aplicação dos conceitos teóricos estudados, resultou no mais claro entendimento da temática da sustentabilidade em turismo.

Conclui-se por fim que, muitas das vezes, basta a implementação de pequenas ações (embora num contexto de planeamento estratégico e englobadas numa política corporativa para a sustentabilidade) para fazer uma grande diferença, rumo à preservação do planeta e à garantia da equidade social das populações.

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

6. Bibliografia

Câmara Municipal da Covilhã. (2012). Concelho > Freguesias > Juntas de Feguesia >

de

Unhais

http://www.cm-covilha.pt/

da

Serra.

Obtido

em

12

06

de

2012,

de

Município

da

Covilhã:

COOPER, C., FLETCHER, J., FYALL, A., GILBERT, D., & WANHILL, S. (2007). Turismo:

Princípios e Práticas (3ª ed.). São Paulo (SP), Brasil: Bookman - Artmed Editora.

Five-Leaf System. (2012). Think green when you travel. Obtido em 20 de 01 de 2013, de Five-Leaf System: http://www.fiveleafsystem.com/Site/Pages/Default.aspx

GSTC. (2008). Global Sustainable Tourism Criteria. Obtido em 18 de 01 de 2013, de http://www.sustainabletourismcriteria.org/index.php

Hotel Soleil Peniche. (2012). Hotel Soleil Peniche. Obtido em 17 de 01 de 2013, de http://www.soleilhotels.com/

INE - Instituto Nacional de Estatistica. (2012). Estatísticas do Turismo 2011. Lisboa: INE.

Jornal Porta da Estrela. (20 de 10 de 2010). Novos investimentos respeitam ambiente, mas ainda são excepções. Obtido em 19 de 01 de 2013, de Porta da Estrela - Edição Online:

http://www.portadaestrela.com/index.asp?idEdicao=322&id=14106&idSeccao=3046&

Action=noticia

Junta de Freguesia de Unhais da Serra. (2012). Unhais da Serra - Localização. Obtido em 12 de 06 de 2012, de Unhais da Serra: http://www.unhaisdaserra.com/

Natura IMB Hotels. (2009). H2Otel - Congress and Medical Spa. Obtido em 17 de 01 de 2013, de H2otel: http://www.h2otel.com.pt

NH Hotels. (2000-2012). NH Hotels - Wake Up to a Better World. Obtido em 20 de 01 de 2013, de NH Hotels > Corporate > Corporate Responsibility and Sustainability:

http://corporate.nh-hoteles.es/en/corporate-responsibility-and-sustainability/approach

NH Hotels. (2012). NH Hotels > Destinos > Portugal. Obtido em 19 de 01 de 2013, de NH Liberdade Hotel: http://www.nh-hoteles.pt/anh/pt/hotels/portugal/lisboa/nh- liberdade.html

UC: Turismo e Desenvolvimento Sustentável | Marketing Turístico EaD | 2012-2013 | Teresa Santos., # 4100330

OLIVEIRA, V. (2010-2011). Geografia no Turismo - Módulo 3 - Impactes do Turismo. Recurso de Apoio à Unidade Curricular de Geografia no Turismo, Marketing Turístico EaD, 1º Ano - 2º Semestre. Peniche: ESTM - IP Leiria.

OMT - Organização Mundial do Turismo. (2012). Barómetro Mundial do Turismo. Madrid, Spain: OMT/UNWTO - Organização Mundial do Turismo.

PÉREZ, X. P. (2009). Turismo Cultural - uma visão antroloógica. Tenerife, ES: Asociación Canaria de Antropologia & PASOS - Revista de Turismo e Patrimonio Cultural.

RUSCHMANN, D. v. (1994). O Planejamento do Turismo e a Protecção do Meio Ambiente - Tese de Doutoramento em Ciências da Comunicação. São Paulo: ECA/USP.

RUSCHMANN, D. v. (1997). Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente. Campinas, SP: Papirus.

SANTANA, A. (1997). Antropología y turismo ¿Nuevas hordas, viejas culturas? Barcelona:

Editorial Ariel.

Starwood Hotels. (2012). Convento do Espinheiro, A Luxury Collection Hotel & Spa. Obtido em 19 de 01 de 2013, de Convento do Espinheiro: http://www.nh- hoteles.pt/anh/pt/hotels/portugal/lisboa/nh-liberdade.html

Starwood Hotels. (2012). Cidadania Global. Obtido em 21 de 01 de 2013, de Starwood Hotels: http://www.starwoodhotels.com/corporate/about/citizenship/index.html

TORRES, C. (18 de Novembro de 2009). A Economia do Turismo. Publituris - Revista do Turismo (Grupo WorkMedia).

Universidade Católica Portuguesa ES Biotecnologia, Grupo de Estudos Ambientais. (s.d.). Agenda 21 Local - Portugal. Obtido em 20 de 01 de 2013, de

http://www.agenda21local.info/