Você está na página 1de 6

O FAROL

Boletim Informativo da Casa Espírita Suave Caminho


Rua Miracema, 185 Jardim Mariléia Rio das Ostras 28890-000
2760-5435 cesuavecaminho@yahoo.com.br

Ano 03 Nº 001 Março de 2009


Distribuição gratuita

EDITORIAL

Abraçando o ideal de tornar acessível ao público em geral informações relativas a Doutrina Espírita, foi
reativado o Boletim Informativo O FAROL que terá edições mensais e cujo primeiro número chega neste
momento.

A concretização deste propósito conta com a imprescindível colaboração de todos aqueles que possam
disponibilizar, em favor do mesmo, os materiais que possam ser utilizados na composição deste acervo, com
informações enriquecedoras sobre nossos irmãos de ideal espírita.

O presente trabalho que hoje temos a imensa satisfação de colocar para todos os irmãos, é resultado da
dedicação voltada aos sublimes valores da codificação kardequiana.

O FAROL, assim como sua mantenedora, a Casa Espírita Suave Caminho, surgiu pautado na idealização
de uma divulgação comprometida com a seriedade de que tratamos quando estudamos, aprendemos e
praticamos os ensinos dos espíritos através de Allan Kardec.

Nossa preocupação com a honestidade e veracidade dos artigos publicados faz com que os resultados sejam
plenos, pois, a cada edição, teremos o retorno gratificante dos leitores espíritas ou não espíritas.

Salientando a importância do envolvimento de todos os que se sentem compromissados com a divulgação da


memória da Doutrina Espírita, colocamo-nos à disposição para quaisquer esclarecimentos que se fizerem
necessários.

DATAS HISTÓRICAS
05/03/1815 Desencarna Mesmer, Franz Anton, médico e magnetizador, pai do Mesmerismo.
Fundação do Centro Espírita Bezerra de Menezes, no Rio de Janeiro, RJ, tendo como fundador e 1º Presidente o Prof.
05/03/1939
Arnaldo Claro de S. Thiago.
09/03/1979 Data do desencarne de José Herculano Pires, autor de vários livros e tradutor das obras de Kardec.
09/03/1984 Desencarna no Rio de Janeiro Yvone do Amaral Pereira.
O pesquisador naturalista inglês Alfred Russel Wallace torna-se o primeiro cientista a obter uma fotografia de um
14/03/1874
Espírito materializado.
19/03/1839 Nasce em Portugal, na Freguesia de Águas Santas, Antonio Gonçalves da Silva Batuíra, médium curador espírita.
22/03/1882 Publicação pela primeira vez na língua portuguesa o livro “A Gênese”, de Allan Kardec.
23/03/1857 Nasce Gabriel Delanne. “o cientista da Codificação Espírita”.
Allan Kardec toma conhecimento através de uma comunicação mediúnica da existência do Espírito "A Verdade",
25/03/1856
esteio da codificação.
Desencarna o médium Emmanuel Swedenborg, um dos precursores do Espiritismo. Em 1688, na mesma data de 29 de
29/03/1772
março, nasceu na Suécia.
31/03/1848 O Fenômeno espírita em Hydesville - EUA
31/03/1869 Desencarna em Paris, vitima de um aneurisma, Allan Kardec, “O Codificador da Doutrina Espírita””.
31/03/1897 Fundação da Livraria da Federação Espírita Brasileira.
“Não vos preocupeis com o dia de amanhã
A cada dia basta seu cuidado”
(Mt 6.34)

CONTRIBUINTE
Solicitamos a colaboração de todos os contribuintes em manter as suas mensalidades em
dia.
Assim, você estará ajudando na manutenção das atividades de nossa casa.
Participe!
A Diretoria

“O Espiritismo cristão não oferece ao homem tão somente o campo de pesquisa e de


consulta, no qual raros estudiosos conseguem caminhar dignamente, mas, muito mais que
isso, revela a oficina de renovação, onde cada consciência de aprendiz deve procurar sua
justa integração com a vida mais alta, pelo esforço interior, pela disciplina de si mesma,
pelo auto-aperfeiçoamento”.

Francisco Cândido Xavier


(Os Mensageiros, Prefácio, ditado pelo Espírito André Luiz – FEB)

MULHER
Edilmar Amaral - CESC

Mulher.
Mulher, quem és?
Alice?
Joana?
Maria?
Ou um outro nome qualquer?
Mas és mulher:
mulher da vida,
mulher da rua,
mulher do lar,
mulher bendita,
mulher de todo lugar.
Só a ti veneramos.
Só de ti necessitamos.
Em ti, a vida pulsa,
vida minha,
vida tua,
vida nossa.
“Bendito sois o fruto do vosso ventre:”
mulher.
Mulher do dia,
mulher da noite,
mulher de todo o dia,
mulher de todo o sempre.
Mulher tua.
Mulher minha.
Mulher nossa.
Simplesmente.
Mulher...
encontrodepoetas.blogspot.com

Atenção Tarefeiros!

ESDE - 2009

O Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita – ESDE – começará em


nossa casa no dia 16 de março próximo.
Todos os tarefeiros que freqüentam os Grupos de Estudo, bem
como aqueles que participam das atividades mediúnicas, deverão
fazer, o mais rápido possível, as suas inscrições na Recepção da casa.
Maiores informações na Secretaria.

A Diretoria.

Construindo a Doutrina Espírita


Almilcar Del Chiaro Filho

Todas as pessoas sabem o quanto é importante a cooperação, a união de propósitos para se alcançar um
objetivo. Ao somar-se as energias, as idéias e ideais são alcançados com mais facilidades. Somando, partimos do
menos para o mais, e alcançamos os nossos objetivos, enriquecemos nossas experiências.
Se isto é importante na vida comum, na vida profissional, artística ou religiosa, imaginamos o quanto ela é
importante no movimento espírita.
Não estamos falando apenas no alinhar as idéias ou unir ideais, mas no construir juntos, caminhar juntos,
vencer juntos. Ao caminharmos unidos rendemos muito mais, pois, sozinhos, contamos apenas com as nossas forças. O
grupo nos dá um senso maior de responsabilidade, de energias, coragem, compartilhando o rumo da vitória.
Embora uma pessoa possa ser espírita sem participar de nenhum grupo, sem nenhuma ligação com as
instituições espíritas, o seu caminhar é mais moroso, e por isso os que abandonam o movimento espírita, para seguir
sozinhos, mais cedo ou mais tarde acabam retornando.
A grande vantagem do grupo, quando nos harmonizamos com ele, quer sejamos líderes ou liderados, é a
possibilidade de aceitar e oferecer ajuda.
Precisamos entender com naturalidade que as lideranças se renovam. Aliás, os bons líderes preparam outros
para assumir a liderança quando for necessário.
Aqueles, no grupo, que reunam habilidade e capacidade de combinar conhecimento doutrinário com bondade
natural, dinamismo, capacidade de aglutinação, devem ser ajudados a assumir a liderança, ou co-participar das
lideranças.
Há uma afirmativa no meio espírita de que não se deve elogiar um companheiro para não provocar a sua
queda. Ora! Seria isto verdadeiro? O elogio honesto, sem exageros, que não soe falsamente, não pode prejudicar
ninguém. Todos precisamos de reconhecimento, de ser tocados, aprovados, aceitos, incentivados.
Não elogiamos para não despertar vaidades, mas com isto deixamos de incentivar os companheiros, criando
uma coexistência árida, seca, sem a troca afetiva que surge do reconhecimento da importância de cada um. Encorajar-
nos mutuamente é algo importante. Não devemos perder as oportunidades de incentivar os companheiros.
Outro fator muito importante é a solidariedade. Quando um companheiro se fere, quer seja um ferimento
físico representado por acidentes ou enfermidades, fases de dificuldades financeira ou familiar, ou seja, um ferimento
moral, como dificuldades vivenciais, perturbações e até obsessões, assim como fase de esfriamento, desânimo, para
com a Doutrina Espírita, é preciso que o grupo, ou parte dele, dê todo apoio, assistência, fraternidade, compreensão,
até vê-lo recuperado, ou que o companheiro reitere o desejo de permanecer sozinho ou mudar seus rumos.
Quanto às divergências em nosso meio, acreditamos que elas podem e devem existir, mas que nunca falte o
respeito, e que nunca se instale o ódio em nosso meio.
O espírita deve ser dinâmico e atualizar-se continuamente. A cristalização das idéias acaba por atrasar o
desenvolvimento do Espiritismo, que não é uma idéia pronta, acabada, mesmo sendo inamovível nos seus fundamentos.
Texto retirado do site Panorama Espírita - www.panoramaespirita.com.br

Homenagem à kardec
Hippolyte Léon Denizard Rivail – Allan Kardec – nasceu na França em 3 de outubro de 1804 e desencarnou em 31 de
março de 1869. Professor, pedagogo e escritor, valeu-se do pseudônimo pelo qual ficou conhecido a fim de diferenciar a
codificação espírita dos seus demais trabalhos pedagógicos anteriores. Espírito altamente comprometido com a missão à qual foi
designado, foi através das “mesas girantes” que teve seu primeiro contato com os fenômenos espíritas. Sem dar muita
importância a princípio, começou a estudá-los com maior interesse quando passou a freqüentar as reuniões em que eles
aconteciam, convencendo-se que o movimento e as respostas das mesas se davam através da intervenção de espíritos. Foi através
desses estudos que em 1857 lançou “O Livro dos Espíritos”, marco inicial da Doutrina Espírita. Camille Flammarion, junto ao
túmulo de Allan Kardec, pronunciou comovente discurso homenageando o codificador da Doutrina Espírita. Eis alguns trechos
do seu pronunciamento: “Quantas consolações tem levado aos corações esta crença religiosa! Quantas lágrimas tem enxugado!
Quantas consciências se têm aberto aos raios da beleza espiritual! Ninguém é feliz na Terra, onde muitas afeições são
despedaçadas, onde muitas almas têm sido envenenadas pelo ceticismo. Não é de grande valia ter trazido ao espiritualismo tantos
seres, que flutuavam num mar de dúvidas e eram indiferentes à vida física e à intelectual? Tivesse Allan Kardec sido homem de
ciência, sem dúvida não teria podido prestar esses benéficos serviços, nem levarão longe o estímulo para os corações. Ele foi o
que simplesmente chamarei “o bom senso encarnado”. Razão firme e judiciosa, aplicava sem omissão, à sua obra permanente, as
íntimas indicações do senso comum. Um dia estaremos em melhor mundo, lá no céu imenso, onde se exercerão as nossas
poderosas faculdades; continuaremos os estudos que, aliás, tinham na Terra um teatro muito pequeno para que se
desenvolvessem satisfatoriamente. Preferimos crer nesta verdade a julgar que estás todo inteiro neste cadáver, e que a tua alma
tenha sido destruída pela cessação do movimento de um órgão. A imortalidade é a luz da vida, como este brilhante sol é a luz da
natureza. Até logo, meu caro Allan Kardec, até logo.”
Fontes: Revista Internacional de Espiritismo – Ano LXXXIII – Nº 2 – Matão, março 2008. Obras Póstumas. Allan Kardec - Ed. LAKE

PALESTRA PÚBLICA – MARÇO/2009


Dia Expositor Instituição Dirigente Tema
DOMINGO
01 Toninha UEM Edilmar Suicídio: em nós mesmos e com terceiros
08 Luiz Felipe SEJA Nilce O espírita enquanto mulher
15 Aldemar Souza ASEEB Francisco José A Cura real
22 André Cantarelli Itaboraí Sérgio Animismo e Espiritismo
29 Mário Jacoud Ivana Cristianismo e Espiritismo
TERÇA
03 Luiz Carlos CESC Landa Progresso espiritual: como alcançá-lo?
10 Landa CESC Marcelo Os pilares do Espiritismo
17 Jamiro Filho Araguari (MG) Geisa Para não perder a vontade de viver
24 Fábio Sales GEAF Francisco Dogmatismo e Espiritismo
31 Francischetti CESC Heliana O que é ser espírita?
QUINTA
05 Paulo Rocha GEFA Patrícia A importância de nascer de novo
12 Sueli CESC Edna Errar e recomeçar
19 Bento CESC Cleuza Aprender e trabalhar
26 Neide CESC Luiza Ciência e Espiritismo
SÁBADO
07 A confirmar --- Fernando O Papel da mulher na história
14 Mustafá CESC Nilce A mulher e o trabalho
21 Mônica Voluntária Mustafá Lei Maria da Penha
28 Regina CESC --- Aula prática

CAMPANHA DO QUILO
Doe 1k de qualquer alimento não perecível, para a composição da “Sacola
Fraterna”, distribuída aos sábados para as famílias da comunidade cadastradas em
nossa casa.

Desde já agradecemos.

A Diretoria

Atenção

Seminário
Atendimento Fraterno

5 de abril de 9 as 12hs

João Carvalho Neto

Inscrições na Recepção

LIVROS ESPÍRITAS USADOS


A nossa Biblioteca realiza empréstimos de livros usados para os companheiros cadastrados.
Para melhorar este serviço, necessitamos da sua colaboração: doe livros espíritas em bom estado. Todos serão
beneficiados!
Obrigada!
A Equipe da Biblioteca

Reuniões em Março na CESC

05 – Diretoria e Coordenadores de Grupos de Estudo e Mediúnicos.


06 – Colegiado
12 – Diretoria e Tarefeiros

Todas às 19h
NÃO DEIXEM DE COMPARECER!
CASA ESPÍRITA SUAVE CAMINHO
Fundada em 13 de maio de 1984

DIRETORIA
Presidente: Geisa L. Reis
Vice-Presidente: Sérgio Alves Pinto
1ºSecretário: Marcelo Pessoa
2ª Secretária: Luiz Carlos C. de ALmeida
Tesoureiro: Francisco F. de Lima

“O Farol”
Elaboração e Distribuição
Deptº de Cultura e Divulgação (DCD)
Impressão – Renato Langoni
Periodicidade: bi mensal