Você está na página 1de 1

educacaoinclusivamz.blogspot.com

carla.ladeira@gmail.com educacaoinclusivamz.blogspot.com Família moçambicana - Compreender as reacções ao nascimento
carla.ladeira@gmail.com educacaoinclusivamz.blogspot.com Família moçambicana - Compreender as reacções ao nascimento

Família moçambicana - Compreender as reacções

ao nascimento de uma criança com deficiência

Abstract

This study wants to understand how the Mozambican family restructures in the presence of a disability in a newborn baby. A critical essay based on literature review and survey data on the socio cultural Mozambique. The disability element requires a restructuring of the family, either internally or externally to it. According to the study Understanding the family of the child with disabilities concerning the Brazilian families, "there are several difficulties faced by the family, among them the loss of the object of desire, the reduction in salary and social contacts, and emotional imbalance, and these factors internal and external contributing to an increased family stress. "(Sá; Rabinovich, 2006) How Mozambican families deal with this adversity? Are them able to develop resilience, adaptation strategies and building solutions?

Resumo

Este trabalho procurou compreender como é que a família moçambicana se reestrutura na presença de uma deficiência num filho recém nascido. Pretende ser um ensaio crítico com base na revisão de literatura e levantamento de dados sobre o contexto sócio cultural moçambicano. O elemento deficiência exige uma reestruturação do sistema família, quer seja ao nível interno, quer seja ao nível externo. Segundo o estudo Compreendendo a família da criança com deficiência física, respeitante a famílias brasileiras, “várias são as dificuldades enfrentadas pela família, dentre elas a perda do objeto do desejo, a redução da renda e dos contatos sociais e o desequilíbrio emocional, sendo esses fatores internos e externos que colaboram para aumentar o estresse familiar.(Sá; Rabinovich, 2006) Como lidam as famílias moçambicanas com esta adversidade? Conseguirão elas desenvolver resiliência, estratégias de adaptação e construção de soluções?

Agradecimentos

A

envolvidos

Inclusiva A Escola é um lugar especial!

todas

as

famílias

e

profissionais

Educação

no

Projecto

de

Douleurs Sans Frontières

Ministério da Educação de Moçambique/CREISul

Comissão Europeia

da Educação de Moçambique/CREISul Comissão Europeia LADEIRA, Carla Contexto Em Moçambique, a família é
da Educação de Moçambique/CREISul Comissão Europeia LADEIRA, Carla Contexto Em Moçambique, a família é
da Educação de Moçambique/CREISul Comissão Europeia LADEIRA, Carla Contexto Em Moçambique, a família é

LADEIRA, Carla

Contexto

Em Moçambique, a família é considerada, segundo a ideologia do estado moderno, como “a célula base da sociedade, onde os indivíduos encontram um espaço de afectos e de compreensão, é também o lugar das hierarquias, onde se estruturam as relações de desigualdade entre mulheres e homens e se apreendem os modelos hegemónicos do feminino e do masculino”(a). A apreciação da Lei da Família em Moçambique implicou a revisão de uma legislação que remontava à época colonial, numa sociedade tradicional onde a família era patriarcal, onde ao homem era entregue a responsabilidade pelo sustento da família, “em todos os domínios económicos, sociais, religiosos e políticos, sendo que a mulher lhe permanecia submissa e às regras impostas pela sociedade da época”. O marido era assim o chefe de família, pressupondo uma incapacidade das mulheres, negligenciando os seus interesses, os quais dependeriam das vontades do marido, ou seja, um reforço de um modelo patriarcal que ainda hoje é reconhecido como uma influência do colonialismo e mais acérrimo no sul de Moçambique, nomeadamente na província de Gaza.

Relatos de Vivências

I. Nh., um jovem moçambicano de 24 anos com albinismo refere que, os albinos, "eles não são enterrados, porque desaparecem”, querendo referir-se à violência e ao tráfico de órgãos de que são vítimas, nomeadamente para a vizinha Zâmbia.

de que são vítimas, nomeadamente para a vizinha Zâmbia. Fig.2 . Construção de uma cadeira de

Fig.2 . Construção de uma cadeira de posicionamento para uma criança com deficiência, recorrendo a material local

uma criança com deficiência, recorrendo a material local Fig.1 Família durante sessão de apoio psicossocial

Fig.1 Família durante sessão de apoio psicossocial

Concepções sobre a Deficiência

Esta situação de discriminação da mulher no casamento e na família pode condicionar a reacção de uma família ao nascimento de um filho com deficiência, havendo relatos de atribuição de culpa exclusivamente à mulher. No caso do albinismo, que está co relacionado com os casamentos de consanguinidade, há vários mitos e crenças em seu redor que condicionam a própria sobrevivência. No estudo da Handicap International a maioria das pessoas considerou a deficiência “como uma doença que na maioria dos casos se “apanha” à nascença” e ainda “de maneira inconsciente, a Deficiência é frequentemente vista como potencialmente contagiosa e transmissível de um indivíduo a outro, da mãe para o filhoetc. num reflexo higienista, parece então mais prudente isolar as pessoas “atacadas” por uma deficiência a fim de preservar os indivíduos “sãos” da comunidade” (2010, p.28). O mesmo estudo refere que “na altura do nascimento de uma criança com deficiência numa família, acontece frequentemente que a mulher seja pura e simplesmente abandonada pelo marido” (2010,p.29), aumentando a sua vulnerabilidade na família e na comunidade.

Pequenas grandes Mudanças

Na Fig. 2 vemos uma família a construir uma cadeira para o posicionamento de uma criança com uma patologia neuromotora. Esta família beneficiou do apoio de educadores de reabilitação infantil e psicóloga num modelo de apoio psicossocial. Uma rede de activistas presta ainda um apoio de proximidade nas comunidades. Na fig. 1 as crianças beneficiam de apoio psicossocial e de sessões de reabilitação na comunidade. Um atendimento de proximidade com foco na família e envolvimento dos actores locais tem demonstrado ser efectivo para a sensibilização dos adultos e apoio ao desenvolvimento das crianças.

Cultura e Família

O casamento tradicional baseia-se na necessidade de compensar a família da mulher, pela perda de um dos seus elementos, ou seja, uma troca, em alguns casos envolvendo dinheiro. Facilmente desenvolve uma percepção de desigualdade de direitos e poderes entre os cônjuges. Em parte, esta realidade explica porque é que há uma tendência para culpabilizar a mulher, pelo nascimento de uma criança com deficiência. Na cultura moçambicana o estigma da deficiência está bem enraizado e as crenças e factores culturais desempenham um papel determinante na forma como as famílias vão lidar com a deficiência. Neste enquadramento entende-se a necessidade de agir num modelo de acção sistémico, compreendendo que as famílias moçambicanas terão dificuldade, sem ajuda, para se reajustarem e desenvolverem respostas saudáveis e protectoras a todas as suas crianças.

Referencias

(a).ARTHUR, M.J; SILVA, T. C.; SITOE, Y.;

MUSSA, E

Lei da Família (1):

antecedentes e contextos da sua

aprovação. Publicado em “Outras Vozes”, nº 35-36, Agosto-Novembro de

2011.Consultado

http://www.wlsa.org.mz/? target =tex_lf antecedentes. Em 26.02.13 Handicap International. As pessoas com deficiência em Maputo e Matola. Abril de

2010

OSÓRIO. C

Nampula: estamos a falar do passado? . Publicado em “Outras Vozes”. Nº 16. Agosto.2006. pdfTestemunho de Ivo Nhadele, 24 anos, à Agência Noticiosa Lusa. 27 de Fevereiro de 2012 SÁ. S. M.S; RABINOVICH. E.P. Compreendendo a família da criança com deficiência física. Rer. Bras. Crescimento e Desenvolvimento Humano.V.16.nº1. São Paulo. 2006

Sociedade matrilinear em

em: