Você está na página 1de 88

Livro do Educador - Redes

Versão 1.0

Livro do Educador - Redes Versão 1.0

Autor: Julio Cesar de Lima Melo Revisão gramatical: CCLi - Centro de Consultoria Lingüística Ltda.

Capa: Departamento de Marketing Microlins Franchising Editoração, revisão técnica/fi nal: Departamento Pedagógico Microlins Franchising

Autor: Julio Cesar de Lima Melo Revisão gramatical: CCLi - Centro de Consultoria Lingüística Ltda. Capa:

Central de Franchising:

Av. Juscelino Kubitscheck de Oliveira, 1000

Jardim Panorama - São José do Rio Preto/SP CEP 15091-450 Telefone: (17) 3216-8700

http://www.microlins.com.br

Distribuidor Exclusivo para todo o Brasil. Editora Microlins Brasil Ltda. Av. Juscelino Kubitscheck de Oliveira, 1000 - Bloco B Jardim Panorama - São José do Rio Preto/SP CEP 15091-450

Telefone: (17) 3216-8770

http://www.editoramicrolins.com.br

Caro educador, a Microlins ® existe por você e para você. Para dúvidas ou sugestões, utilize nosso endereço de e-mail:

pedagogico@microlins.com.br

Críticas e sugestões: 0300 789 1220

Copyright ® 2007 - Todos os direitos reservados à Editora Microlins Brasil Ltda.

É proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, inclusive quanto às características gráfi cas e/ou editoriais. A violação de direitos autorais constitui crime (Código Penal, artigo 184 §§ e Lei nº 6.895, de 17/12/1980), ocasionando busca, apreensão e indenizações diversas - (Lei nº 9.610/98)

Produzido por Editora Microlins Brasil Ltda. - CNPJ 02.016.659/0003-23

Microsoft ® Windows ® é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos e em outros países.

MS-DOS ® , Windows 95™, Windows NT 4.0™, Windows 98™, Windows XP™ , Windows Server 2003™, Windows Vista™ são marcas da Microsoft Corporation nos Estados Unidos e em outros países.

Este material é uma produção independente e não é afi liada nem autorizada, patrocinada, ou de outra forma aprovada pela Microsoft Coorporation.

Índice

Introdução -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8

Livro do Educador - Redes Aula 1 ------------------------------------------------------------------------------- 9

  • 1.1 - Conceitos sobre Redes ----------------------------------------------------------------------------------- 9

  • 1.2 - Tipos de Redes --------------------------------------------------------------------------------------------- 9

    • 1.2.1 - LAN - Local Area Network ( Rede de Alcance Local ) ---------------------------------- 9

    • 1.2.2 - MAN - Metropolitan Area Network (Rede de Área Metropolitana) ---------------------- 9

    • 1.2.3 - WAN - Wide Area Network (Rede de Longo Alcance e Alcance Remoto) ------------- 9

  • 1.3 - Meios de Comunicação ----------------------------------------------------------------------------------- 9

  • Atividades ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 10

    Aula 2 ------------------------------------------------------------------------------ 11

    • 2.1 - Topologias de Redes ------------------------------------------------------------------------------------- 11

      • 2.1.1 - Topologia em Anel ------------------------------------------------------------------------ 11

      • 2.1.2 - Topologia em Barra ----------------------------------------------------------------------- 11

      • 2.1.3 - Topologia Estrela -------------------------------------------------------------------------- 11

      • 2.1.4 - Topologia Ponto a Ponto ----------------------------------------------------------------- 11

  • 2.2 - Estruturas Mistas ----------------------------------------------------------------------------------------- 11

  • 2.3 - Periféricos de Redes ------------------------------------------------------------------------------------- 11

    • 2.3.1 - Hub ----------------------------------------------------------------------------------------- 12

    • 2.3.2 - Switch -------------------------------------------------------------------------------------- 12

    • 2.3.3 - Bridges (Pontes) --------------------------------------------------------------------------- 12

    • 2.3.4 - Roteadores --------------------------------------------------------------------------------- 12

    • 2.3.5 - Repetidores ------------------------------------------------------------------------------- 12

  • Atividades ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 12

    Aula 3 ------------------------------------------------------------------------------ 14

    • 3.1 - Meios de Transmissão ----------------------------------------------------------------------------------- 14

      • 3.1.1 - Cabo Coaxial ------------------------------------------------------------------------------ 14

      • 3.1.2 - Par de Fios (Par Trançado) --------------------------------------------------------------- 14

      • 3.1.3 - Fibras Óticas --------------------------------------------------------------------------------- 14

  • 3.2 - Tipos de Transmissões de Dados ---------------------------------------------------------------------- 14

    • 3.2.1 - Simplex ------------------------------------------------------------------------------------- 14

    • 3.2.2 - Half-duplex --------------------------------------------------------------------------------- 14

    • 3.2.3 - Full-duplex --------------------------------------------------------------------------------- 14

  • 3.3 - Padrões de Transmissão -------------------------------------------------------------------------------- 14

    • 3.3.2 - Token Ring --------------------------------------------------------------------------------- 14

    • 3.3.3 - IEEE 802.11 (Wi-Fi) ------------------------------------------------------------------------ 14

    • 3.4 - Protocolos de Redes ------------------------------------------------------------------------------------- 15

    Atividades ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 15

    Aula 4 ------------------------------------------------------------------------------ 16

    • 4.1 - Modelo OSI (Open Systems Interconnection) --------------------------------------------------------- 16

    • 4.2 - Camadas -------------------------------------------------------------------------------------------------- 16

      • 4.2.1 - Camada Física ----------------------------------------------------------------------------- 16

      • 4.2.2 - Camada de Enlace de Dados ------------------------------------------------------------ 16

      • 4.2.3 - Camada de Rede -------------------------------------------------------------------------- 16

      • 4.2.4 - Camada de Transporte ------------------------------------------------------------------- 16

      • 4.2.5 - Camada de Sessão ----------------------------------------------------------------------- 16

      • 4.2.6 - Camada de Apresentação --------------------------------------------------------------- 16

      • 4.2.7 - Camada de Aplicação -------------------------------------------------------------------- 16

    Atividades ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 16

    Aula 5 ------------------------------------------------------------------------------ 17

    • 5.1 - Protocolo TCP/IP ----------------------------------------------------------------------------------------- 17

    • 5.2 - Camada Aplicação --------------------------------------------------------------------------------------- 17

    • 5.3 - Camada Transporte (TCP/UDP) ------------------------------------------------------------------------- 17

    • 5.4 - Camada Internet (IP) ------------------------------------------------------------------------------------- 17

    • 5.5 - Camada Rede (Hardware) ------------------------------------------------------------------------------- 17

    • 5.6 - TCP --------------------------------------------------------------------------------------------------------- 17

    • 5.7 - IP ----------------------------------------------------------------------------------------------------------- 17

    • 5.8 - Máscara de Rede ----------------------------------------------------------------------------------------- 17

    Atividades ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 17

    Aula 6 ------------------------------------------------------------------------------ 18

    • 6.1 - Protocolo IPX/SPX --------------------------------------------------------------------------------------- 18

      • 6.1.1 - IPX ------------------------------------------------------------------------------------------ 18

      • 6.1.2 - SPX ----------------------------------------------------------------------------------------- 18

    Atividades ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 18 Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 18

    Aula 7 ------------------------------------------------------------------------------ 19

    • 7.1 - Montagem e Confi guração da Rede ------------------------------------------------------------------- 19

    • 7.2 - Materiais Empregados ----------------------------------------------------------------------------------- 19

      • 7.2.1 - Cabo UTP (Unshilded Twisted Pair) - Par Trançado ----------------------------------- 19

    • 7.2.3 - Alicate de Crimp para RJ 45 -------------------------------------------------------------19

    • 7.2.4 - Adaptador de Rede - NIC (Network Interface Card) ----------------------------------19

    • 7.2.5 - Hub/Switch (Concentradores) -----------------------------------------------------------19

    Atividades -------------------------------------------------------------------------------------------------------19

    Aula 8 ------------------------------------------------------------------------------20

    Trabalho de Desenvolvimento Prático -----------------------------------------------------------------------20

    Aula 9 ------------------------------------------------------------------------------21

    9.1 - Montando uma Rede Ponto a Ponto Microsoft ® Windows ® ---------------------------------------- 21 Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 21

    Aula 10 ----------------------------------------------------------------------------- 22

    • 10.1 - Compartilhamento de Arquivos e Impressoras ------------------------------------------------------ 22

    Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 22

    Aula 11 ----------------------------------------------------------------------------- 23

    • 11.1 - Compartilhamento de Internet ------------------------------------------------------------------------- 23

    • 11.2 - Windows 98™/Windows ME™ ----------------------------------------------------------------------- 23

    • 11.3 - Windows XP™ --------------------------------------------------------------------------------------------- 23

    Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 23

    Aula 12 ----------------------------------------------------------------------------- 24

    Traballho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 24

    Aula 13 ----------------------------------------------------------------------------- 25

    • 13.1 - Proxy ----------------------------------------------------------------------------------------------------- 25

    Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 25

    Aula 14 ----------------------------------------------------------------------------- 26

    • 14.1 - Cabeamento Estruturado ------------------------------------------------------------------------------ 26

    • 14.2 - O Sistema de Cabeamento Estruturado - Conceitos ----------------------------------------------- 26

      • 14.2.1 - Entrada do Edifício (Entrance Facilities) ---------------------------------------------- 26

      • 14.2.2 - Sala de Equipamentos (Equipment Room) ------------------------------------------ 26

      • 14.2.3 - Subsistema de Cabeamento Vertical (Backbone Cabling) ------------------------ 26

      • 14.2.4 - Armário de Telecomunicações (Telecom Closets) --------------------------------- 26

      • 14.2.5 - Subsistema de Cabeamento Horizontal (Horizontal Cabling) --------------------- 26

      • 14.2.6 - Área de Trabalho (Work Area) --------------------------------------------------------- 26

    Aula 15 ----------------------------------------------------------------------------- 27

    • 15.1 - Cabeamento Estruturado - Hardware ---------------------------------------------------------------- 27

    Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 27

    Aula 16 ----------------------------------------------------------------------------- 28

    • 16.1 - Cabeamento Estruturado - Montagem --------------------------------------------------------------- 28

    • 16.2 - Rack ------------------------------------------------------------------------------------------------------ 28

    • 16.3 - Guia de Cabos ------------------------------------------------------------------------------------------- 28

    • 16.4 - Patch Panel ---------------------------------------------------------------------------------------------- 28

    • 16.5 - Switch / Hub --------------------------------------------------------------------------------------------- 28

    Aula 17 ---------------------------------------------------------------------------- 29

    Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 29

    Aula 18 ----------------------------------------------------------------------------- 30

    Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 30

    Aula 19----------------------------------------------------------------------------- 31

    • 19.1 - Projeto de Redes ---------------------------------------------------------------------------------------- 31

    Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 31

    Aula 20----------------------------------------------------------------------------- 32

    • 20.1 - Dimensionamento de Cabos --------------------------------------------------------------------------- 32

    Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 32

    Aula 21----------------------------------------------------------------------------- 33

    • 21.1 - Análise de Custos --------------------------------------------------------------------------------------- 33

    Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 33

    Aula 22 ----------------------------------------------------------------------------- 34

    • 22.1 - Rede Wireless ------------------------------------------------------------------------------------------- 34

    • 22.2 - Funcionamento ------------------------------------------------------------------------------------------ 34

    • 22.3 - Composição da Rede ----------------------------------------------------------------------------------- 34

    • 22.4 - Seguranças ---------------------------------------------------------------------------------------------- 34

    • 22.5 - Tecnologias ---------------------------------------------------------------------------------------------- 34

    • 22.6 - Hardware para Montagem ----------------------------------------------------------------------------- 34

    Aula 23 ----------------------------------------------------------------------------- 35

    Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 35

    Aula 24 ----------------------------------------------------------------------------- 36

    • 24.1 - VoIP ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 36

    • 24.2 - Funcionamento ------------------------------------------------------------------------------------------ 36

    Aula 25 ----------------------------------------------------------------------------- 37

    Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 37

    Aula 26 ----------------------------------------------------------------------------- 38

    • 26.1 - Segurança de Redes ------------------------------------------------------------------------------------ 38

    • 26.2 - Programas de Seguranças ----------------------------------------------------------------------------- 38

    • 26.3 - Antivírus -------------------------------------------------------------------------------------------------- 38

    • 26.4 - Antispyware ---------------------------------------------------------------------------------------------- 38

    • 26.5 - Firewall --------------------------------------------------------------------------------------------------- 38

    Atividades ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 38

    Aula 27 ----------------------------------------------------------------------------- 39

    Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 39

    Aula 28 ---------------------------------------------------------------------------- 40

    Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 40

    Aula 29 ---------------------------------------------------------------------------- 41

    • 29.1 - Projeto de Conclusão de Curso ---------------------------------------------------------------------- 41

    Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 41

    Aula 30 ---------------------------------------------------------------------------- 42

    Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 42

    Aula 31 ---------------------------------------------------------------------------- 43

    Trabalho de Desenvolvimento Prático ----------------------------------------------------------------------- 43

    Aula 32 ---------------------------------------------------------------------------- 44

    • 32.1 - Apresentação de Conclusão do Curso -------------------------------------------------------------- 44

    Manual do Educador ------------------------------------------------------------ 45

    Introdução

    Prezado educador, esse é mais um material de apoio preparado para lhe auxiliar em suas aulas, com ele você terá todo suporte e apoio que necessita para preparar suas aulas assim com o máximo de aproveitamento e para conduzir o curso deixando seus alunos satisfeitos.

    Durante o curso de Redes, este manual será a sua ferramenta de trabalho. Nele você encontrará orientações, dicas de exercícios e vários outros itens que ajudarão em suas aulas.

    O curso de Redes agora poderá ser vendido separadamente, ou também ainda continuar sendo vendido junto com o de Hardware, mas caso ele seja vendido individualmente, informe aos alunos que o curso está montando em 32 aulas com uma carga horária de 48 horas em aproximadamente 4 meses de curso. Mas caso o curso seja o de Montagem e Manutenção de Computadores informe aos alunos que ele está dividido em dois módulos, Hardware com 32 aulas e Redes também com 32 aulas, totalizando uma carga horária de 96 horas em aproximadamente 8 meses de curso.

    Antes de iniciar a aula, realize uma dinâmica com os alunos, fazendo com que eles se apresentem e comecem a conhecer uns aos outros.

    Durante o curso, vão existir em algumas aulas o chamado TDP (Trabalho de Desenvolvimento Prático) e também vão existir aulas onde será somente realizado o TDP, esse trabalho está na apostila como apoio para que o aluno pratique o conteúdo aprendido durante a aula ou da aula anterior. Esse trabalho é muito importante ser realizado, porque assim você pode trazer situações problemas encontradas lá fora para dentro da sala de aula, fazendo com que seus alunos pratiquem e comecem a conhecer o mercado de trabalho lá fora.

    Na apostila do alunos existem sugestões de TDP a ser realizado, mas você poderá formular o trabalho da melhor maneira para que seus alunos aprendam e pratiquem o conteúdo ensinado daquela aula.

    Estamos mudando o método de avaliação do alunos para avaliação formativa. Esse tipo de avaliação consiste em avaliar os seus alunos em todas as aulas, você poderá dar nota para o aluno por participação, por trabalhos, exercícios e também por avaliações. O mais importante é que o aluno será avaliado em todas as aulas, e você poderá detectar os alunos que estão com difi culdades e agendar plantões, para que eles revisem o conteúdo e consigam acompanhar a turma. E com essa maneira de avaliação os alunos procuram sempre estar presentes nas aulas, para evitar perder pontos.

    Você encontrará no material novidades como trabalhar com uma rede Wireless, VoIP e cabeamento estruturado. Essas três novas tecnologias de trabalho em redes vêm crescendo a cada dia mais e não podemos deixar de explicar ao nosso alunos. É importante que para essas novas aulas, você se prepare e conheça o material antes. Porque assim você conseguirá passar o conteúdo para os alunos e com certeza eles sairão satisfeitos e com um conteúdo a mais para o mercado de trabalho que está cada vez mais competitivo.

    Lembre-se de que o Departamento Pedagógico da Microlins Franchising está sempre à disposição para ajudá-lo em quaisquer dúvidas que venha a ter.

    Tenha um ótimo curso!!

    O Autor.

    Aula 1
    Aula 1
    • 1.1 - Conceitos Sobre Redes

    É muito importante explicar-se o conceito de redes para o aluno, pois ele entenderá o funcionamento e a necessidade de uma rede de computadores. Procure detalhar e exemplifi car aos mínimos detalhes para que o aluno consiga entender corretamente o que está sendo explicado. As explicações se encontram no Livro do Aluno e é importante que você tenha ele em mãos também para preparar suas aulas corrertamente.

    • 1.2 - Tipos de Redes

    Explique os tipos de redes e quais são as suas fi nalidades e funções, tente mostrar ao aluno a importância desses tipos de redes:

    • LAN - Rede Local e Pequeno Alcance; • MAN - Rede de Área Metropolitana; • WAN - Rede de Grande Área.

    • 1.2.1 - LAN - Local Area Network (Rede de Alcance Local)

    Mostre para os alunos o que é uma LAN, detalhe para eles que as LANs são utilizadas em empresas, lojas, etc. Isso mostra para o alunos o funcionamento e a importância desse tipo de rede.

    • 1.2.2 - MAN - Metropolitan Area Network (Rede de Área Metropolitana)

    As redes metropolitanas estão crescendo a cada dia mais, devido à necessidade de empresas se comunicarem e trocarem informações em tempo real, assim elas podem sempre consultar umas às outras, e essa aplicação se dá muito a empresas que trabalham com sistema de Matrizes e Filiais, e também com sistema de Franchising e Franquias.

    • 1.2.3 - WAN - Wide Area Network (Rede de Longo Alcance e Alcance Remoto)

    A WAN é o tipo de rede mais conhecida, devido à sua abrangência e, dependendo da tecnologia utilizada, ao alcance que ela proporciona. É importante mostrar e explicar para os alunos o funcionamento desse tipo de rede e que a Internet é um grande exemplo dessa rede.

    • 1.3 - Meios de Comunicação

    O meio de comunicação é um dos grandes fatores que infl uenciam na montagem da rede de computadores, por isso é muito importante que você explique para os alunos o funcionamento e a melhor forma de escolher um meio de comunicação corretamente para sua rede.

    Busque exemplos e apresente para os alunos, assim eles poderão concluir com facilidade o conteúdo explicado:

    • Linha Telefônica: Podemos citar exemplos de uma residência que disca para conectar a Internet, ou até mesmo uma empresa que trabalha com conexões externas para acesso remoto de funcionários ou a utilização de empresas interligadas pelo LP de Dados.

    • Cabos: Podemos citar como exemplos as redes locais, Lan Houses, e até mesmo as residências onde eles interligam os computadores em redes.

    • Rádio: A comunicação por Rádio é uma das que vêm crescendo e é muito utilizada nas redes MAN e WAN, para interligar empresas e até setores dentro da própria empresa.

    • Satélite: A comunicação por satélite é utilizada por grandes empresas e também vem crescendo com o uso das TVs por assinaturas, mostre os exemplos para os alunos e explique o funcionamento.

    • Fibra óptica: é o melhor meio de comunicação de dados, pois garante um confi ança maior. Assim mostre para os alunos e explique o funcionamento dessa comunicação que também é feita por Cabo mas que proporciona uma velocidade de comunicação muito alta.

    Atividades

    • 1 - Quais os tipos de redes que existem?

    R.: Existem 3 tipos: LAN, MAN e WAN.

    • 2 - Cite 3 meios de comunicação para redes?

    R.: Linha telefônica, cabos, rádio, etc.

    • 3 - A WAN proporcionou o crescimento de qual rede de computadores? R.: Proporcionou o crescimento da Internet.

    • 4 - Cite 3 conteúdos que compõe uma LAN? R.: Servidores, Estação de trabalho, Sistemas operacionais, etc.

    • 5 - Cite 2 protocolos usados por uma rede WAN? R.: PPP, ADSL, etc.

    Anotações:

    Aula 2
    Aula 2
    • 2.1 Topologias de Redes

    As topologias de redes defi nem a forma de trabalho das redes, assim mostre para os alunos as topologias que existem, e explique em detalhes cada uma delas. É muito importante que o aluno saiba quais topologias existem e a melhor maneira de trabalhar com cada uma.

    • 2.1.1 - Topologia em Anel

    A topologia em anel é uma das topologias de fácil instalação e cuja comunicação é feita em um circuito fechado. Mostre para os alunos o funcionamento dessa rede, como montá-la e utilizar uma rede em anel.

    • 2.1.2 - Topologia em Barra

    A topologia em barra é uma das que foi muito utilizada antigamente, e hoje ela está perdendo um pouco de espaço para as topologias em estrela. Mesmo assim mostre para os alunos o funcionamento e a forma de montar uma rede com topologia em barra.

    • 2.1.3 - Topologia Estrela

    A topologia em estrela é uma das mais utilizadas no mercado hoje para conexões de estações locais, elas facilitam a manutenção da rede, mas geram um alto custo de instalação. Esse tipo de rede é o mais importante de mostrar e explicar aos alunos o seu funcionamento.

    • 2.1.4 - Topologia Ponto a Ponto

    Esse tipo de topologia é muito utilizado em residências e pequenos escritórios onde há no máximo dois computadores. Mostre para os alunos o funcionamento e a forma como essa topologia é montada.

    • 2.2 - Estruturas Mistas

    A estrutura mista é união de várias topologias para que os computadores possam trabalhar na mesma rede. Mostre para os alunos o funcionamento e a forma de trabalho para eles entenderem e vejam que é possível trabalhar com mais de uma topologia de rede.

    • 2.3 - Periféricos de Redes

    Os periféricos de redes são os componentes que fazem a conexão entre as estações para que elas possam trocar informações. É importante que vocês expliquem para os alunos o funcionamento desses periféricos e em qual tipo de redes eles podem ser aplicados.

    • 2.3.1 - Hub

    2.3.2 - Switch 2.3.3 - Bridges (Pontes) 2.3.4 - Roteadores 2.3.5 - Repetidores
    2.3.2
    - Switch
    2.3.3
    - Bridges (Pontes)
    2.3.4
    - Roteadores
    2.3.5
    - Repetidores

    Os hubs são periféricos utilizados para apenas conectar as estações de trabalhos e determinados dispositivos a rede. Explique o funcionamento desse equipamento e mostre para o aluno que a forma de trabalho desse equipamento é simples em uma rede.

    Os switch são periféricos que também são utilizado para conectar as estações de trabalhos na rede, ele é um dispostivo muito mais avançado que o hub, mas a sua grande vantagem é que ele proporciona um fl uxo de dados sem congestionamento por reconhecer e enviar os dados apenas para o destino. Mostre para os alunos os diferentes modelos que existem, e as diferenças entre ele o hub.

    Dispositivo responsável em conectar diferentes tipos de redes e enviar informações entre as duas redes quando necessário. Explique para os alunos o funcionamento e os diferentes tipos que existem no mercado.

    Esse dispositivo vem crescendo cada dia mais no mercado. Ele é responsável em fazer a comunicação entre diferentes tipos de redes. Mostre para os alunos os vários modelos que existem e o funcionamento entre eles.

    Um equipamento muito utilizado quando a distância entre dois pontos de redes é muito longa, responsável em receber o sinal e reenviá-lo novamente para que o sinal chegue até o destino. Mostre para os alunos os modelos que existem desse equipamento e a sua funcionalidade.

    Atividades:

    • 1 - O que é topologia de redes?

    R.: É o layout físico da rede, onde vai determinar os tipos de conexões que a rede vai utilizar.

    • 2 - Cite 3 periféricos de rede?

    R.: Hub, Switch, Roteadores, etc.

    • 3 - Qual a diferença entre um hub e um Switch?

    R.: A diferença principal é que o switch é um periférico inteligente capaz de verifi car o endereço de cada pacote e assim enviar apenas para a máquinas de destino, dessa maneira o tráfego na rede diminui deixando a rápida para trabalho.

    • 4 - Qual a função do Bridge?

    R.: O bridge é usado para interligar redes diferentes, possibilitando a troca de informações entre as redes somente quando for necessário.

    5 - Quando é necessário usar um repetidor? Qual sua função?

    R.: É necessário utilizar quando a distância entre um ponto é superior ao recomendável pelo fabricando do cabo e sua função é receber um determinado sinal que se encontra fraco e reenviá-lo novamente dando força ao sinal.

    Anotações:

    Aula 3
    Aula 3
    3.1 - Meios de Transmissão O meio de transmissão também é um dos principais fatores que
    3.1
    - Meios de Transmissão
    O meio de transmissão também é um dos principais fatores que infl uenciam na montagem de uma
    rede. É importante que você explique e mostre aos alunos os meios de transmissão que existem e a
    forma que eles podem ser utilizados e montados na rede.
    Os tópicos abaixos não estão comentados devido à explicação existir no Livro do Aluno.
    3.1.1
    - Cabo Coaxial
    3.1.2
    - Par de Fios (Par Trançado)
    3.1.3
    - Fibras Óticas
    3.2
    - Tipos de Transmissões de Dados
    Os tipos de transmissões de dados são usados para defi nir a forma que as informações vão trabalhar.
    Eles também são responsáveis em determinar a velocidade de transmissão de dados. Explique para
    os alunos os tipos de transmissões e demostre o funcionamento deles.
    Os tópicos abaixo não estão comentados devido à explicação existir no Livro do Aluno.
    3.2.1
    - Simplex
    3.2.2
    - Half-duplex
    3.2.3
    - Full-duplex
    3.3
    - Padrões de Transmissão
    Os padrões de transmissão são responsáveis em determinar o tipo de topologia que vai ser utilizado
    e o meio de comunicação que será utilizado na rede. Demonstre para os alunos as diferenças nesses
    padrões de transmissões e explique o funcionamento deles
    Os tópicos abaixo não estão comentados, devido à explicação deles constar na apostila do aluno.
    3.3.1
    - Ethernet
    3.3.2
    - Token Ring
    3.3.3
    - IEEE 802.11 (Wi-Fi)

    Os protocolos de redes são os responsáveis em defi nir a linguagem que as máquinas vão conversar na rede. Explique para os alunos como funcionam um protocolos e quais os protocolos de comunicação que existem.

    Nas próximas aulas explicaremos para os alunos sobre o modelo OSI, protocolo TCP/IP e o IPX/ SPX.

    Atividades

    • 1 - Cite 3 meios de transmissão?

    R.: Cabo Coaxial, Par Trançado e Fibra Óptica.

    • 2 - Cite 2 tipos de transmissão de dados?

    R.: Full-dulpex, Simplex, Half-duplex.

    • 3 - Qual a função dos protocolos de redes?

    R.: São responsáveis em organizar e otimizar a comunicação.

    • 4 - Cite 2 padrões de transmissões?

    R.: Ethernet, Token Ring, etc.

    • 5 - Qual a forma de trabalho do padrão de transmissão IEEE 802.11?

    R.: Ele trabalha transmitindo os dados por ondas eletromagnéticas por rádio freqüência.

    Anotações:

    Aula 4
    Aula 4
    • 4.1 - Modelo OSI (Open Systems Interconnection)

    O protocolo Modelo OSI é um dos principais exemplos de protocolos que devemos conhecer. Esse protocolo é a base para criação de outros tipos. Por isso é muito importante que você explique para os alunos e mostre o funcionamento e a função de cada camada do protocolo.

    • 4.2 - Camadas

    O funcionamento das camadas é o que faz o funcionamento de uma rede acontecer, explique para os alunos o funcionamento detalhado de cada camada, mostrando a função dele na conexão da rede.

    Os tópicos abaixo não estão comentados, devido à explicação existir no Livro do Aluno.

    4.2.1 - Camada Física 4.2.2 - Camada de Enlace de dados 4.2.3 - Camada de Rede
    4.2.1
    - Camada Física
    4.2.2
    - Camada de Enlace de dados
    4.2.3
    - Camada de Rede
    4.2.4
    - Camada de Transporte
    4.2.5
    - Camada de Sessão
    4.2.6
    - Camada de Apresentação
    4.2.7
    - Camada de Aplicação

    Atividades:

    • 1 - Qual a função da camada Física?

    R.: É comunicar-se diretamente com o controlador de rede.

    • 2 - Qual a função da camada de Rede?

    R.: É organizar o protocolo dividindo em funções hierárquicas para cada um realizar um determinado passo na comunicação entre os computadores na rede.

    • 3 - Qual a principal função do Modelo OSI?

    R.: É um modelo para projeto de protocolos de redes, seu objetivo é buscar uma uniformidade nos padrões de comunicação via rede.

    • 4 - Qual a função da camada Transporte?

    R.: É responsável em pegar os dados enviados pela camada de Sessão e dividi-los em pacotes que serão repassados à camada Rede.

    • 5 - Qual a camada responsável em fazer a interface entre o protocolo de comunicação e o aplicativo

    que receberá a informação?

    R.: Camada de Aplicação.

    Aula 5
    Aula 5
    • 5.1 - Protocolo TCP/IP

    Esse protocolo é o mais utilizado mundialmente, por isso é muito importante que explique o funcionamento e a confi guração do mesmo. Explique detalhadamente o funcionamento das camadas e a importância que elas têm no funcionamento do protocolo.

    Os tópicos abaixo não estão comentados, porque a explicação está no Livro do Aluno.

    • 5.2 - Camada Aplicação

    • 5.3 - Camada Transporte (TCP/UDP)

    • 5.4 - Camada Internet (IP)

    • 5.5 - Camada Rede (Hardware)

    • 5.6 - TCP

    • 5.7 - IP

    • 5.8 - Máscara de Rede

    Atividades

    1- Quantas camadas o protocolo TCP/IP possui? E quais são elas? R.: Quatro camadas. Aplicação, Transporte, Internet e Rede. 2- O que é TCP?

    R.: É o protocolo da camada de Transporte confi ável. Ele garante a entrega dos pacotes. 3- Qual a função do IP? R.: É responsável pela entrega dos pacotes para os outros protocolos da família TCP/IP. 4- Com quantos bits é formado um endereço IP? R.: É formado com 32 bits. 5- Quais as classes de endereçamento de sub-rede que existem? E quantos hosts cada uma suporta? R.: Classe A- suporta 16.777.214 hosts, Classe B- suporta 65.534 hosts e Classe C- suporta 254 hosts

    Anotações:

    Aula 6
    Aula 6

    6.1 - Protocolo IPX/SPX

    Esse protocolo é um dos mais simples e de fácil confi guração em uma rede. Explique para os alunos o seu funcionamento e compare-o com o funcionamento do protocolo TCP/IP.

    Os tópicos abaixo não estão comentados, devido à explicação existir no Livro do Aluno.

    • 6.1.1 - IPX

    6.1.2 - SPX
    6.1.2 - SPX

    Atividades

    1- Quantas camadas o protocolo IPX/SPX possui? R.: 5 camadas. 2- Qual a diferença entre o protocolo IP do IPX?

    R.: É o seu endereço, que é representado por 10 bytes, enquanto o IP é formado por 4 bytes. Com isso o IPX é autoconfi gurável e de fácil administração.

    É importante que você demonstre para os alunos o funcionamento desse protocolos, solicite para que eles realizem uma pesquisa utilizando a Internet para procurar mais assuntos sobre a funcionabilidade desse protocolo. Assim eles podem tentar pesquisar a principal aplicação e exemplos de empresas que se utilizam desse protocolo.

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Este trabalho é para que os alunos realizem uma pesquina na Internet para conhecerem um pouco mais sobre o protocolo IPX/SPX.

    • Você pode usar este trabalho também para desenvolver uma outra atividade em sala e solicitar para que os alunos desenvolvam o trabalho de pesquisa em casa ou convidá-los para sexta-feira utilizarem o laboratório para fazer a pesquisa.

    Anotações:

    Aula 7
    Aula 7
    • 7.1 - Montagem e Confi guração da Rede

    O processo de montagem e confi guração de uma rede é um dos pontos mais esperados pelos alunos. Assim organize a aula deixando os equipamentos e ferramentas necessárias para que os alunos aprendam a como montar os cabos de redes.

    • 7.2 - Materiais Empregados

    Mostre para os alunos os materiais que serão utilizados para a montagem da rede.

    Os tópicos abaixo não estão comentados, devido a serem uma lista de materiais que deveremos mostrar para os alunos e a explicação de cada material consta no Livro do Aluno.

    • 7.1.1 - Cabo UTP (Unshilded Twisted Pair) - Par trançado

    • 7.1.2 - Conector RJ45

    • 7.1.3 - Alicate de Crimp para RJ 45

    • 7.1.4 - Adaptador de Rede - NIC (Network Interface Card)

    • 7.1.5 - Hub/Switch (Concentradores)

    Explique para os alunos as diferentes formas de montar o cabo de rede, e as diferentes aplicações que os cabos podem ser utilizados.

    Atividades

    • 1 - Quais os materiais empregados para a montagem de uma rede em estrela?

    R.: Cabo UTP, conectores RJ45, placas de rede, concentradores (Hubs ou Switches), alicate de crimpar RJ45.

    • 2 - Quando é utilizado um cabo crossover?

    R.: O cabo é utilizado quando iremos ligar dois computadores em uma rede ponto a ponto.

    • 3 - O que é meio físico?

    R.: São os cabos e os periféricos que utilizamos para interligação na rede.

    • 4 - Quais os padrões utilizados para crimpar um cabo UTP?

    R.: 568A e 568B.

    • 5 - Qual o padrão utilizado para montar um cabo crossover? Descreva as cores das pontas?

    R.: Em uma das pontas utilizamos o 568A, na seqüência, Branco do Verde, Verde, Branco do Laranja, Azul, Branco do Azul, Laranja, Branco do Marrom e Marrom. Na outra ponta utilizamos o padrão 568B, na seqüência, Branco do Laranja, Laranja, Branco do Verde, Azul, Branco do Azul, Verde, Branco do Marrom e Marrom.

    Aula 8
    Aula 8

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Aula 8 Trabalho de Desenvolvimento Prático Este é o primeiro TDP que os alunos irão realizar.

    Este é o primeiro TDP que os alunos irão realizar. Vão existir durante o curso algumas aulas chamada de Trabalho de Desenvolvimento Prático. Essas aulas estão preparadas para que os alunos pratiquem o que aprenderam durante o curso. É importante que você prepare o conteúdo para que os alunos possam realizar esses trabalhos.

    Durante esses trabalhos você avaliará o conhecimento do seu aluno de uma forma que ele não perceba que está sendo avaliado, mas é importante deixar claro que eles estão sendo avaliados em todas as aulas.

    Abaixo tem um exemplo de atividade que você pode aplicar aos seus alunos. Caso o conteúdo seja pouco a ser aplicado, prepare novas atividades e passe para os alunos.

    Realize as tarefas listadas abaixo para que você pratique o conteúdo aprendido na aula anterior.

    - Pegue um pedaço de Cabo UTP de aproximadamente 2 metros e decape as pontas do cabo; - Separe os pares de fi os e coloque-os na seqüência de um dos padrões 568A ou 568B; - Coloque o conector RJ45 nas pontas dos cabos obedecendo à ordem das cores e crimpe-os; - Teste o cabo utilizando um Multímetro ou um Hub para verifi car se as pontas estão corretas; - Agora utilize os cabos para ligar os computadores em rede.

    Anotações:

    Aula 9
    Aula 9

    9.1 - Montando uma Rede Ponto a Ponto Microsoft ® Windows ®

    O processo de montagem de uma rede ponto a ponto é muito simples, esse processo é simplismente utilizado quando necessitamos ligar apenas dois computadores em rede.

    Por ser uma utilização muito grande para residências, não podemos deixar de explicar ao nosso aluno como é feita essa rede ponto a ponto.

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Aula 9 9.1 - Montando uma Rede Ponto a Ponto Microsoft Windows O processo de montagem

    Durante esta aula o aluno aprendeu a como montar uma rede ponto-a-ponto. Agora aplique o trabalho para que ele pratique e desenvolva as atividades propostas para ele fazer. Estas aulas são importantes para eles revisarem o conteúdo e você verifi car as dífi culdades que os alunos estão encontrando.

    Ajude os alunos a realizarem o TDP e prepare novas atividades, fazendo com que os alunos pratiquem e levantem as dúvidas caso venham a surgir.

    1ª - Confi gure os computadores que estão na rede para trabalharem com o IP da rede 120.120.0.0 utilizando a classe B;

    2ª - Confi gure as máquinas para que elas tenham os nomes conforme os escolhidos, mas elas têm que estar trabalhando no grupo de trabalho “TDP”;

    3ª - Execute o comando Ping para verifi car se as máquinas estão respondendo à rede;

    4ª - Acesse o ambiente de rede, localize o grupo de trabalho “TDP” e visualize todas as máquinas na rede.

    Anotações:

    Aula 10
    Aula 10

    10.1 - Compartilhamento de Arquivos e Impressoras

    O compartilhamento de arquivos e impressoras é um função muito utilizada no sistemas de redes. Hoje a economia das empresas devido às redes é muito grande por as estações e servidores compartilharem recursos.

    Desmonstre para os alunos como compartihar uma pasta em um determinado computador e também como compartilhar uma impressora para que as outras máquinas possam utilizar-se desse recurso.

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Aula 10 10.1 - Compartilhamento de Arquivos e Impressoras O compartilhamento de arquivos e impressoras é

    Ajude os alunos a realizarem as atividades propostas na apostila e também traga novidades e novas tecnologias que encontramos para realizar um determinado compartilhamento.

    Realize as atividades listadas abaixo para praticar:

    - Confi gure as estações no grupo de trabalho chamado “aula 10” ; - Crie uma pasta na unidade “C:” chamada “arquivos” e compartilhe-a;

    - Instale uma impressora em uma das estações da rede e compartilhe-a para que todos possam utilizar;

    - Realize a troca de arquivos entre as máquinas, verifi que as permissões concedidas a cada compartilhamento.

    Anotações:

    • 11.1 - Compartilhamento de Internet

    Na aula anterior foi ensinado aos alunos a como trabalhar com compartilhamento de arquivos e impressoras. Nesta aula trabalharemos com compartilhamento de Internet, um dos recursos mais utilizados em um sistema de rede de computadores.

    Ensine aos alunos a como trabalharem com o compartilhamento de Internet, utilizando diferentes versões doMicrosoft ® Wirndows ® . Na apostila estamos utilizando a versão do Microsoft ® Wirndows ® 9x e Windows XP™.

    Os tópicos abaixo não estão comentados, porque a explicação já existe no Livro do Aluno.

    • 11.2 - Windows 98™/Windows 98™

    • 11.3 - Windows XP™

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    11.1 - Compartilhamento de Internet Na aula anterior foi ensinado aos alunos a como trabalhar com

    Este trabalho é para que os alunos revisem o conteúdo aprendido nesta aula. Solicite para que os alunos realizem as atividades abaixo propostas e também procure elaborar novas atividades para verifi car o conhecimento de seus alunos.

    Realize as atividades listadas abaixo para praticar:

    - Confi gure uma das máquinas com o nome de “ServerInternet”;

    - Realize o compartilhamento de Internet para que as outras possam utilizar-se do recurso na rede;

    - Confi gure as outras máquinas para que naveguem na Internet utilizando o compartilhamento que foi realizado.

    Anotações:

    Aula 12
    Aula 12

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Aula 12 Trabalho de Desenvolvimento Prático Até o momento ensinamos aos alunos a trabalhar com a

    Até o momento ensinamos aos alunos a trabalhar com a montagem da rede, e explicamos vários recursos que podemos utilizar em uma rede.

    Solicite para os alunos que pratiquem a atividade proposta no Livro do Aluno. É importante que você elabore e prepare novas atividades para que os alunos possam praticar e tirar todas as dúvidas.

    • Recepção - 1 computador; • Diretoria - 2 computadores - 1 impressora laser; • Vendas - 4 computadores - 1 impressora laser e 1 jato de tinta; • Assistência Técnica - 2 computadores.

    Conhecendo os departamento e a quantidade de computadores em cada um, você deve começar a estruturar a rede seguindo os seguintes itens:

    • Tipo de rede; • Topologia utilizada; • Protocolo de comunicação; • Periféricos de rede.

    Anotações:

    Aula 13
    Aula 13

    13.1 - Proxy

    O proxy é um dos serviços mais utilizados hoje em uma rede de computadores. As empresas cada vez mais procuram por recursos para compartilhar, gerenciar e implementar um nível de segurança cada vez maior na sua rede. Explique para os alunos o funcionamento do proxy e demonstre alguns tipos de proxys que existem.

    Exemplos de programas:

    • AnalogX Proxy - Freewere • BrowserGate - Demo • Winproxy - Demo • WinConnection - Shareware

    Esses são alguns exemplos de programas que constam na apostila do aluno. É importante que você fale sobre eles e demonstre o funcionamento para os alunos.

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Aula 13 13.1 - Proxy O proxy é um dos serviços mais utilizados hoje em uma

    Ajude os alunos a pesquisarem na Internet outros proxys, assim realizando uma comparação com os diferentes tipos de proxys que existem. Solicite para que eles façam os comparativos de recursos e benefícios que cada um deles oferece.

    No Livro do Aluno estão indicado alguns sites para que eles possam usar para pesquisa, mas é importante que você reforce e informe outros sites que eles possam utilizar também para concluir o trabalho desta aula.

    http://www.google.com.br http://www.cade.com.br http://www.altavista.com

    Anotações:

    Aula 14
    Aula 14
    • 14.1 - Cabeamento Estruturado

    O cabeamento estruturado é um dos serviços que mais crescem hoje em dia nas empresas. A grande vantagem desse serviço é que ele unifi ca os serviços de dados e voz em um único cabeamento, assim facilitando a manutenção no dia-a-dia da empresa.

    Explique para os alunos o funcionamento do cabeamento estruturado, mostre para eles a importância desse serviço e o grande crescimento que o mercado está oferecendo hoje pela procura dos profi ssionais que realizam esse serviço.

    • 14.2 - O Sistema de Cabeamento Estruturado - Conceitos

    O conceito de cabeamento estruturado é importante para explicar o real funcionamento desse sistema, e as principais tecnologias que ele oferece ao serviço. Explique e mostre aos alunos cada um dos subsistemas do cabeamento estruturado.

    Os tópicos abaixo não estão comentados, devido à explicação existir no Livro do Aluno.

    • 14.2.1 - Entrada do Edifício (Entrance Facilities)

    • 14.2.2 - Sala de Equipamentos (Equipment Room)

    • 14.2.3 - Subsistema de Cabeamento Vertical (Backbone Cabling)

    • 14.2.4 - Armário de Telecomunicações (Telecom Closets)

    • 14.2.5 - Subsistema de Cabeamento Horizontal (Horizontal Cabling)

    • 14.2.6 - Área de Trabalho (Work Area)

    Atividades

    1- O que é Sala de Equipamentos?

    R.: É o local para abrigar equipamentos de telecomunicações, de conexões e instalações de aterramento e proteção.

    2- Qual a função do Cabeamento Estruturado?

    R.: É unifi car a utilização dos serviços de voz, dados e vídeos, em um único cabo, podendo ser defi nido tudo no armário de telecomunicações.

    • 3 - Quais os componentes de uma Área de Trabalho?

    R.: Equipamentos de estação, cabos de ligação e adaptadores.

    • 4 - O que encontramos em um Armário de Telecomunicação?

    R.: Encontramos terminadores mecânicos, conectores de cruzamentos, terminadores para os sistemas de cabeação horizontal e veritical.

    • 5 - Quais os elementos que compõem um Sistema de Cabeamento Horizontal?

    R.: Cabeação Horizontal, Tomada de Telecomunicações, Terminação de Cabo e Conectores de Cruzamento (Cross-Connetions).

    Aula 15
    Aula 15

    15.1 - Cabeamento Estruturado - Hardware

    O hardware no cabeamento estruturado é muito importante para a montagem e utilização correta dos recursos que ele oferece. Mostre para os alunos os equipamentos e as ferramentas que são utilizado na hora da montagem do rack, também ensine-os a como utilizar as ferramentas corretamente e como escolher os hardwares de acordo com a necessidade da rede que vai ser montada.

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Este trabalho de hoje está elaborado para que os alunos utilizem a aula para realizarem uma pesquisa, tentando levantar a questão de custos e os equipamentos necessários para montagem de um rack.

    Aula 15 15.1 - Cabeamento Estruturado - Hardware O hardware no cabeamento estruturado é muito importante

    Você poderia verifi car na sua cidade alguma emrpesa que trabalha com esses tipos de equipamentos e agendar uma visita técnica com seus alunos para conhecerem e até mesmo realizar os orçamentos necessários para realização do trabalho.

    As vistas técnicas são importantes para que os alunos conheçam o mercado de trabalho e as empresas que se utilizam dessas tecnologias e possam conhecer a aplicação real em funcionamento.

    Anotações:

    Aula 16
    Aula 16
    • 16.1 - Cabeamento Estruturado - Montagem

    De acordo com a aula passada, na qual os alunos conheceram os equipamentos e ferramentas necessárias para a montagem de uma rede de cabeamento estruturado. Nesta aula iremos ensinar aos alunos como se deve montar um armário de comunicação. Lembre-se de que a montagem do rack é importante e observe a organização dos equipamentos e cabos. Mostre para os alunos os passos para a montagem e a posição correta das guias e patch panels. Os tópicos abaixo não estão comentados, devido ao conteúdo e à explicação constarem no Livro do Aluno.

    • 16.2 - Rack

    • 16.3 - Guia de Cabos

    • 16.4 - Patch Panel

    • 16.5 - Switch / Hub

    Concluindo a montagem, explique e mostre para os alunos o proquê dos componentes em cada posição e sempre procurar seguir um padrão de montagem para manter o rack bem organizado.

    Anotações:

    Aula 17
    Aula 17

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Aula 17 Trabalho de Desenvolvimento Prático Na aula anterior você ensinou para os alunos como montar

    Na aula anterior você ensinou para os alunos como montar o rack, agora explique para os alunos o que eles devem realizar para praticar o conteúdo aprendido na aula passada.

    As atividades abaixo numeradas estão na apostila do aluno para orientar o que eles devem fazer neste trabalho.

    Durante o processo de montagem, procure seguir as seguintes etapas:

    1ª - Desmonte todo o rack; 2ª - Fixe a guia de cabos, patch panel e os switch no rack; 3ª - Monte os cabos corretamente no patch panel e fi xe-os para deixá-los organizados; 4ª - Passe os patch cable no rack, ligando o switch e o patch panel de acordo com o utilizado; 5ª - Fixe todos os cabos e componentes, fechando a montagem do rack.

    Acompanhe todos os passos de montagem dos alunos, verifique se eles estão montando corretamente e oriente-os para observer a montagem e a organização dos cabos e componentes que vão no rack.

    Anotações:

    Aula 18
    Aula 18

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Aula 18 Trabalho de Desenvolvimento Prático Durante o curso você ensinou aos alunos a como montar

    Durante o curso você ensinou aos alunos a como montar uma rede, desde o cabeamento, confi gurações de protocolos e estruturação de um cabeamento completo. Nesta aula você ajudará os alunos a revisarem o conteúdo aprendido até o momento. No Livro do Aluno, existe uma atividade proposta, você poderá auxiliá-los ou também desenvolver novas atividades para complementar a revisão do conteúdo aprendido.

    As atividades abaixo estão em uma ordem que ajudará os alunos a revisar o conteúdo aprendido:

    - Confi gure uma rede para trabalhar com o endereço IP 168.175.0.0;

    - Distribua a confi guração das estações para que elas trabalhem com dois grupos de trabalhos com os nomes: “Assistência” e “Vendas”;

    - Escolha uma das máquinas para ser o servidor de arquivos, com um compartilhamento chamado “Arquivos”;

    - Escolha uma das máquinas para que seja o servidor de impressão, compartilhando a impressora para a rede;

    - Escolha uma das máquinas para que seja o servidor de Internet, compartilhando a Internet utili- zando um proxy para fazer o gerenciamento.

    Anotações:

    Aula 19
    Aula 19

    19.1 - Projeto de Redes

    O projeto de redes é importante ser explicado e ensinado aos alunos para que eles possam ver o mercado de trabalho de uma forma diferente e começar a projetar e desenvolver um projeto completo para a estruturação de uma rede.

    Mostre para os alunos como iniciar o projeto e ajude-os a distribuir e estruturar a rede no desenho da planta baixa de um exemplo de empresa.

    Aula 19 19.1 - Projeto de Redes O projeto de redes é importante ser explicado e

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Aula 19 19.1 - Projeto de Redes O projeto de redes é importante ser explicado e

    Ajude os alunos a desenvolver o projeto analisando as seguintes etapas:

    - Analise cada departamento e distribua os computadores de acordo com a quantidade que cada um possui;

    - Distribuídos os computadores agora você deve pensar em quantos pontos de comunicação cada departamento proporciona para a montagem do cabeamento estruturado;

    - Lembre-se de que o cabeamento que estão projetando vai atender à distribuição de comunicação de dados e voz.

    Aula 20
    Aula 20

    20.1 - Dimensionamento de Cabos

    Na aula anterior os alunos aprenderam a como distribuir e analisar uma planta de uma empresa, assim verifi cando a necessidade de todos os pontos para futuras instalações e manutenção.

    A fi gura abaixo possui as medidas necessárias para ajudar a realizar os cálculos.

    Aula 20 20.1 - Dimensionamento de Cabos Na aula anterior os alunos aprenderam a como distribuir

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Aula 20 20.1 - Dimensionamento de Cabos Na aula anterior os alunos aprenderam a como distribuir

    Explique para os alunos como proceder para calcular a quantidade de cabos a serem utilizados para a montagem da rede. É importante defi nir a forma que esses cabos serão montados, se externa ou interna. Os passos abaixo auxiliarão os alunos a realizarem o trabalho:

    - Utilize um esquema de tubulação externa para passagem dos cabos; - Calcule a quantidade de cabos utilizados para montagem do ponto de comunicação até o rack; - Defi na quais os equipamentos utilizados para a montagem dos pontos e do rack; - Calcule a quantidade total de equipamentos e cabos que serão utilizados para a montagem da rede.

    Aula 21
    Aula 21

    21.1 - Análise de Custos

    Na aula anterior, os alunos fi nalizaram o dimensionamento de cabos, verifi que a quantidade de cabos e os componentes necessários para montagem da rede. Solicite que eles realizem uma pesquisa fazendo uma cotação e fechando o orçamento para a montagem dessa rede.

    A planilha abaixo serve como exemplo para lhe auxiliar a realizar os cálculos.

    Produto

    QTD.

    VL. Unit.

    VL. Total

    Cabo Par Trançado

         

    Conector Jack Fêmea RJ 45

         

    Rack- Tamanho

         

    Patch Panel

         

    Guia de Cabos

         

    Switch- Qtd. Portas

         

    Painel de Conexões- Qtd. Pares

         

    Patch Cable

         

    Mão-de-Obra

         

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Aula 21 21.1 - Análise de Custos Na aula anterior, os alunos fi nalizaram o dimensionamento

    Ajude os alunos a concluírem o projeto de redes. Nesta aula você poderá agendar uma visita técnica para que eles possam realizar orçamentos e verifi carem os materiais necessários para a montagem da rede.

    Anotações:

    Aula 22
    Aula 22
    • 22.1 - Rede Wireless

    A rede wireless é a tecnologia que mais cresce a cada dia no mercado, hoje os investimentos para melhorar e expandir cada vez mais essa tecnologia estão cada vez mais altos. As empresas estão cada vez mais implantando para atender à necessidade dos diretores e gerentes que utilizam muito computadores móveis.

    Os tópicos abaixo não estão comentados devido à explicação e ao conteúdo já existirem no Livro do Aluno.

    • 22.2 - Funcionamento

    • 22.3 - Composição da Rede

    • 22.4 - Seguranças

    • 22.5 - Tecnologias

    • 22.6 - Hardware para Montagem

    Atividades

    • 1 - Como funciona uma rede Wireless?

    R.: Funcionam por meio de portadoras de rádio ou infravermelho. Os dados são modulados na pontadora e transmitidos através de ondas eletromagnéticas.

    • 2 - Cite duas tecnologias que podem ser utilizadas para a montagem de uma rede sem fi o? R.: Narrowband, Spread Spectrum, FHSS, etc.

    • 3 - Cite 3 tipos de hardware utilizados em tecnologias Wireless?

    R.: Access Point, Placa de Rede Wireless, Adaptador Wireless USB, etc.

    • 4 - Por que devemos ter um nível de segurança em uma rede Wireless?

    R.: Para evitar que dados sejam roubados e os usuários dessa rede possam utilizá-la sem correr risco, garantindo a privacidade dos dados.

    • 5 - Cite duas categorias de redes que utilizam a tecnologia Wireless? R.: WLAN, WMAN, etc.

    Anotações:

    Aula 23
    Aula 23

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Aula 23 Trabalho de Desenvolvimento Prático Na aula anterior, você explicou para os alunos o conceito

    Na aula anterior, você explicou para os alunos o conceito e o funcionamento de uma rede wireless. Nesta aula você vai desenvolver um trabalho com os alunos, para que eles pratiquem o conteúdo aprendido na aula passada.

    A fi gura mostrada é um exemplo de uma rede mista também trabalhando com a tecnologia wireless. Mostre para os alunos e ajude-os a desenvolver esse trabalho.

    Aula 23 Trabalho de Desenvolvimento Prático Na aula anterior, você explicou para os alunos o conceito

    Para a montagem da rede sigas os seguintes passos:

    - Confi gure o access point para a receber as estações de trabalho; - Confi gure as estações para acessar a rede utilizando o access point; - Verifi que se o nível de segurança está funcionando corretamente; - Realize troca de informações entre as estações da rede wireless com a lan.

    Anotações:

    Aula 24
    Aula 24
    • 24.1 - VoIP ( Voice Over IP )

    A tecnologia VoIP é uma das que estão crescendo cada vez mais, devido ao baixo custo que ela oferece para comunicação por telefone.

    Nesta aula você vai ensinar aos alunos sobre a mais nova tecnologia que vem crescendo cada vez mais no mercado hoje em dia.

    Explique sobre a tecnologia, mostrando aos alunos o funcionamento e os equipamentos necessários para usar essa tecnologia.

    • 24.2 - Funcionamento

    Explique detalhadamente o funcionamento para os alunos, demonstre as diferenças que existem entre o funcionamento por hardware e por software. Mostre os diferentes tipos de aplicação que existe e a diferença entre eles.

    Atividades

    • 1 - O que signifi ca VoIP?

    R.: Voice Over IP ou Voz Sobre IP.

    • 2 - Como funciona o VoIP?

    R.: A tecnologia transforma os sinais de voz analógicos em pacotes digitais para transmissão pelo protocolo de Internet.

    • 3 - Qual o principal benefício que o VoIP oferece?

    R.: O principal benefício que ela oferece é economia em custo de ligações telefônicas.

    • 4 - Realize uma pesquisa, levantando as principais vantagens e desvantagens dessa tecnologia.

    Anotações:

    Aula 25
    Aula 25

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Aula 25 Trabalho de Desenvolvimento Prático Na aula anterior, os alunos aprenderam como funcionam a tecnologia

    Na aula anterior, os alunos aprenderam como funcionam a tecnologia VoIP e os principais programas e tipos de serviços que ela oferece.

    É importante que os alunos pratiquem e testem os mais variados programas, ensine-lhes a utilizarem o Skype, Messenger e outros tipos para utilização e comunicação via voz. Seria interessante a unidade ter um usuário no skype com um pouco de crédito para testar com os alunos a ligação para algum lugar, podendo ligar para casa de um deles.

    Anotações:

    Aula 26
    Aula 26
    • 26.1 - Segurança de Redes

    Falar sobre segurança de redes é um assunto que poderíamos utilizar o curso inteiro, mas o importante é mostrar para os alunos a importância de segurança. Assim mostrando para ele como se prevenir, o que podemos utilizar para melhorar a segurança em uma rede ou até mesmo no computador.

    • 26.2 - Programas de Seguranças

    Os programas de seguranças são um dos softwares que mais recebem atualizações hoje em dia. O grande número de invasões e vírus que aparecem no dia-a-dia é muito grande. Assim as empresas fabricantes desses programas precisam correr para atualizar os programas e lançar novos sistemas de seguranças.

    Explique para os alunos os diferentes tipos de programas que existem e as principais funções que eles executam para manter um nível de segurança.

    Os tópicos abaixo não estão comentados, porque a explicação do conteúdo está no Livro do Aluno.

    • 26.3 - Antivírus

    • 26.4 - Antispyware

    • 26.5 - Firewall

    Atividades

    1- Qual a função do Antivírus? R.: Detectar e eliminar vírus de computador.

    2- Qual a diferença de um Vírus para um Spyware?

    R.: A diferença entre esses dois softwares é que o vírus tem como função liberar portas para invasão e o spyware, roubar informações de uso pessoal.

    3- Qual a função do Firewall?

    R.: É controlar o tráfego de uma rede entre outras redes, assim permitindo ou não determinadas informações chegarem ao seu destino.

    Anotações:

    Aula 27
    Aula 27

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Aula 27 Trabalho de Desenvolvimento Prático Esta aula está preparada para que os alunos pratiquem o

    Esta aula está preparada para que os alunos pratiquem o conteúdo aprendido na aula anterior. Ajude os alunos a relembrar o que eles precisam analisar para implantar um sistema de segurança na rede.

    A lista abaixo mostra uma sequência de detalhes que eles devem analisar para verifi car realmente qual o nível de segurança que deverá ser implantado na rede.

    - Qual sistema operacional escolheria para ser o servidor de Internet? - Qual o sistema de segurança que seria instalado no servidor? - Nas estações, qual a versão do sistema operacional utilizado? - Nessas estações existirá algum sistema de segurança local?

    - Aplique as atividades e tire as dúvidas com seu educador de como confi gurar alguns tipos de sistemas de seguranças para Internet e rede de computadores.

    Anotações:

    Aula 28
    Aula 28

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Aula 28 Trabalho de Desenvolvimento Prático Durante o curso, você preparou seu aluno para analisar, estruturar

    Durante o curso, você preparou seu aluno para analisar, estruturar e confi gurar uma rede por completo. Agora utilize essa aula para revisar todo conteúdo aprendido. No Livro do Aluno existem as seguintes atividades para ajudá-los a lembrar o que aprenderam.

    - Defi na o tipo de rede que você vai montar; - Monte o cabeamento da rede; - Confi gure os computadores para que eles respondam em rede; - Cria em alguma estações o compartilhamento de arquivos e impressoras.

    Com essas atividades os alunos irão praticar o que aprenderam desde o começo do curso, mas é importante que você realize perguntas e teste o conhecimento de seus alunos para verifi car realmente o que eles estão sabendo e tirar as dúvidas que existam.

    Nesta aula você também poderá realizar uma dinâmica envolvendo o conteúdo do curso aprendido. Essa dinâmica pode ser tipo um passa ou repassa, ou com jogo de perguntas em que eles vão sorteando as perguntas e precisam responder em um determinado tempo.

    Anotações:

    Aula 29
    Aula 29

    29.1 - Projeto de Conclusão de Curso

    Para os alunos concluírem o curso, eles deverão realizar um trabalho mostrando todo o conhecimento que adquiriram durante o curso. Explique para os alunos os passos que eles devem tomar para concluir o projeto. É interessante que você acompanhe cada projeto dos alunos, caso ache interessante, pode deixar que eles se dividam em grupos para realizar o projeto.

    A planta abaixo é um exemplo de um projeto que eles podem desenvolver para conclusão do curso.

    Aula 29 29.1 - Projeto de Conclusão de Curso Para os alunos concluírem o curso, eles

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Aula 29 29.1 - Projeto de Conclusão de Curso Para os alunos concluírem o curso, eles

    Ajude os alunos a começarem a desenvolver o trabalho. Esse trabalho vai ajudar os alunos a revisarem todo o conteúdo e a elaborarem um projeto para apresentar na última aula para outros alunos e educadores a fi m de utilizar uma forma de renovação para os alunos.

    - Distribua os computadores de acordo com cada departamento; - Analise a quantidade de pontos de comunicação para cada departamento; - Defi na o local onde será montado o rack; - Defi na os equipamentos necessários para montagem dessa rede.

    Anotações:

    Aula 30
    Aula 30

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Aula 30 Trabalho de Desenvolvimento Prático Na aula anterior os alunos iniciaram o projeto de conclusão

    Na aula anterior os alunos iniciaram o projeto de conclusão de curso analisando a disposição e quantos pontos deverão instalar na empresa. Nesta aula eles devem dar continuidade ao projeto procurando fazer a conclusão, para a próxima aula eles começarem a montar a apresentação que será apresentada no último dia de aula.

    Ajude os alunos com os cálculos e tire as dúvidas que possam vir a existir durante a elaboração do projeto. Explique e mostre para os alunos a importância de calcular uma porcentagem a mais para sobrar cabos e componentes a fi m de evitar de faltar materiais de trabalho.

    Anotações:

    Aula 31
    Aula 31

    Trabalho de Desenvolvimento Prático

    Aula 31 Trabalho de Desenvolvimento Prático Nas últimas duas aulas os alunos desenvolveram um projeto de

    Nas últimas duas aulas os alunos desenvolveram um projeto de redes para conclusão do curso. Nessas aulas eles devem ter distribuído os pontos e avaliado cada situação de posição dos equipamentos na empresa, concluindo isso eles realizaram o levantamento de quantos metros de cabos e equipamentos eles necessitariam para a montagem da rede em um sistema de cabeamento estruturado.

    Após concluída as tarefas do trabalho, eles devem iniciar e concluir a apresentação que irão realizar na próxima aula. Auxilie os alunos a desenvolverem a apresentação. Eles podem utilizar os tópicos baixo para estruturar a apresentação que será realizada.

    - Descreva o objetivo da sua apresentação; - Mostre a idéia do projeto inicial; - Mostre os pontos de comunicação e porque eles foram projetados naquele local; - Apresente o custo que esse projeto envolve para o desenvolvimento; - Conclua sua apresentação explicando os motivos de montar o projeto desta maneira.

    Anotações:

    32.1 - Apresentação de Conclusão do Curso

    Hoje é o dia em que os alunos deverão apresentar os trabalhos realizados. Você deve preparar a sala onde serão realizadas as apresentações e também convidar outros eduacadores e suas turmas para que possam assistir à apresentação dos alunos. Assim você pode usar isso como uma captação de novos alunos para o curso de Redes.

    O objetivo dessa apresentação é que os alunos exponham os seus trabalhos e também mostrar tudo que aprenderam no curso. É importante que você sempre realize uma conclusão ao fi nal de cada apresentação complementando o que os alunos aprenderam.

    Agradeça sempre a presença de todos os participantes e também aos alunos que apresentaram. Se você puder, ofereça alguns comes e bebes aos participantes e aos alunos, como forma de formatura e conclusão do curso para eles.

    Anotações:

    Manual do Educador

    Manual do Educador

    Índice

    Manial do Educador

    Introdução ------------------------------------------------------------------------ 49

    Bem-Vindo à Microlins ----------------------------------------------------------- 50 A Empresa ------------------------------------------------------------------------ 50 Curso Livre ----------------------------------------------------------------------- 51 Duração das Aulas e Freqüência Semanal ------------------------------------ 51 Quantos Alunos Posso Ter em Sala? ------------------------------------------ 51 Avaliações ------------------------------------------------------------------------ 52 Planejamentos ------------------------------------------------------------------- 52 Aqui na Microlins Você Tem Direito aos Seguintes Benefícios -------------- 53 Procedimentos nas Aulas ------------------------------------------------------- 53 Situações de Ausências do Educador ---------------------------------------- 54 Feriados -------------------------------------------------------------------------- 55 Vestuários e Comportamentos ------------------------------------------------- 55 Dia do Pagamento --------------------------------------------------------------- 56 Avaliação dos Educadores ------------------------------------------------------ 56 Responsabilidades -------------------------------------------------------------- 56 Como Ser um Bom Educador -------------------------------------------------- 56 A Tarefa do Educador Pode se Dividida em Algumas Categorias ---------- 56 Acessar o Site Microlins, Pedagógico ----------------------------------------- 57 Qualidades do Educador --------------------------------------------------------- 57 Vestindo a Camisa ---------------------------------------------------------------- 59 Linguagem Didática -------------------------------------------------------------- 59 Tom de Voz ------------------------------------------------------------------------ 59

    Utilização do Tempo -------------------------------------------------------------- 60 Atitudes ---------------------------------------------------------------------------- 60 Variação de Estímulos ------------------------------------------------------------ 62 Promover Aulas Mais Atraentes ------------------------------------------------- 62 Incentivos e Reforços ------------------------------------------------------------ 64 Interdisciplinaridade -------------------------------------------------------------- 64 Relacionamento Educador - Aluno ---------------------------------------------- 66 Clima de Permissividade --------------------------------------------------------- 66 Realidade X Teoria ---------------------------------------------------------------- 66 Realizar Reuniões Constantes com a Coordenação Pedagógica ------------ 68 Evitar a Orientação Errada dos Produtos -------------------------------------- 68 Alunos Portadores de Necessidades Especiais: O que Fazer? --------------- 70 Defi ciência --------------------------------------------------------------------------- 70 Incapacidade ----------------------------------------------------------------------- 70 Desvantagem --------------------------------------------------------------------- 70 Monitor ----------------------------------------------------------------------------- 78 Lei nº9394, de 20 de novembro de 1996 ---------------------------------------- 79 Decreto nº2.208, de 17 de Abril de 1997 ---------------------------------------- 80

    Caro Educador,

    A Microlins conta com um departamento dedicado exclusivamente a você, na elaboração dos materiais didáticos e de apoio, dos manuais de aula, responsável pelos processos certifi catórios de nossos educadores, além de treinamentos via web por um site exclusivo para educadores e via Satélite pela nossa TV UCM.

    Seu educador passou por um processo de treinamento e certifi cação e está apto a ministrar as aulas deste curso, exatamente como elas foram criadas - seguindo os padrões de qualidade de órgãos competentes, analisadas e testadas por profi ssionais graduados e pós-graduados. Peça a ele(a) para ver esses certifi cados de formação.

    Seu coordenador pedagógico também é certifi cado e passou por um processo mais exigente e, da mesma forma, está apto a atendê-lo!

    Bons estudos.

    Att,

    Departamento Pedagógico

    Introdução

    Missão do Educador

    Desenvolver a capacidade de aprendizagem do aluno, por meio de aulas dinâmicas, interativas e interdisciplinaridade entre cursos; proporcionar ao aluno uma visão global de conceitos como: cidadania e profi ssionalismo, preparando-o assim de forma abrangente ao mercado de trabalho.

    A escola, enquanto um dos organismos da sociedade civil, é o local por excelência para o desenvolvimento do processo de transmissão-assimilação do conhecimento elaborado. Isto é: a escola é o local onde o indivíduo estaria se instrumentalizando para atuar no meio social ao qual pertence. Nesse sentido, a prática social global é o ponto de partida e o ponto de chegada da prática educativa.

    ( BETTY, 1985 )

    Bem vindo à Microlins!

    Olá Educador,

    “A primeira tarefa da Educação é ensinar a ver” Nietzsche

    Este material foi desenvolvido para auxiliar você em seu dia-a-dia e apresentar melhor o funcionamento da empresa na qual você trabalha.

    Aproveite as dicas deste manual e melhore cada vez mais suas aulas e o seu trabalho. Assim sua realização profi ssional irá acontecer e o aproveitamento de suas aulas será 100%.

    A Empresa

    Você está trabalhando em uma grande empresa. A Microlins é o maior centro de formação profi ssional do Brasil, já consagrada com seus mais de 15 anos de história.

    Nascemos como uma escola de informática em uma pequena cidade do interior do estado de São Paulo, mas como o mundo não pára, assim fi zemos nós.

    Para acompanhar o mercado cada mais exigente e em expansão ampliamos a nossa grade de cursos oferecidos e criamos nossa própria metodologia, embasada em estudos e experiências realizados.

    Hoje, contamos com diversos cursos nas mais diferentes áreas, o que possibilita que o nosso cliente seja atendido em sua real necessidade e dentro de sua área de interesse. Veja a Missão que você está abraçando ao fazer parte da Família Microlins:

    Transformar os sonhos dos nossos alunos em realidade através da educação, formação profi ssional e encaminhamento ao mercado de trabalho.

    Converse com seu Coordenador Pedagógico e com os outros Educadores e conheça todos os cursos que a sua escola oferece, lembre-se de que é muito importante este aspecto, porque você vai trabalhar aqui na Microlins com a interdisciplinaridade 1 .

    Dentro deste processo você e outro Educador podem intercalar os conteúdos e os alunos terão a oportunidade de ampliar o conhecimento podendo ver aquilo que eles estão aprendendo ser aplicado em outras situações.

    A interdisciplinaridade pode ser percebida como esse conhecimento produzido quando as fronteiras deixam de ser linhas estanques, rígidas, que aprisionam e se fl exibilizam, assumindo múltiplas possibilidades (FURLANETTO, 2000,

    p.88-89).

    Para que este processo possa acontecer de forma satisfatória converse com os Educadores e veja conteúdos que são compatíveis, depois é só mostrar como ele pode ser aplicado de outras formas!

    Curso Livre

    “Segundo categoria criada na nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação, a LDB, [ o Curso Livre ] é profi ssionalização rápida e por ser curso profi ssionalizante, não há estágio”, (Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996).

    Nossos cursos na Microlins estão enquadrados nesta categoria, qualquer dúvida recorra ao anexo! Você também pode encontrar este documento em http://www.microlins.com.br na área restrita em pedagógico; diversos.

    Duração das Aulas e Freqüência Semanal

    Nós adotamos o sistema de aulas de 90 minutos em dois dias. O aluno pode freqüentar o curso uma ou duas vezes por semana, dependendo do curso a ser realizado, além de ter o direito, em todas as sextas-feiras, de repor aulas (mediante agendamento feito na secretaria até quinta-feira), esclarecer possíveis dúvidas do conteúdo ou treinar o aprendizado (este procedimento é padrão em toda Rede Microlins).

    Aos sábados as aulas são com a carga dobrada, para que o aluno possa ver todo o conteúdo que ele veria na semana se freqüentasse duas aulas de 90 minutos. Os cursos ministrados nos fi nais de semana são realizados contendo duas aulas no mesmo dia, com um intervalo de 15 minutos para descanso.

    Os cursos que não podem ser dados aos sábados são: Primeiros Passos da Informática e Melhor Idade Conectada por ser direcionado a crianças e idosos.

    Quantos Alunos Posso Ter em Sala?

    A Microlins desenvolve seus cursos de informática com um número fixo de dois alunos por microcomputador. O número máximo de alunos por laboratório de informática é de 20, podendo variar para menos conforme a sala, quantidade de micros e curso. Dois alunos por micro melhora a apropriação do conteúdo, ajuda-o a vencer a timidez, estimula e prepara-o para o trabalho em equipe, essencial no mercado de trabalho, além de criar vínculos afetivos tão importantes nos dias atuais.

    Aos 45 minutos de aula, o educador deve realizar a troca das duplas para que ambos estudem igualmente, utilizando o micro. A cada mês, as duplas devem ser trocadas.

    Na sala multidisciplinar temos o número máximo de 25 alunos. O mesmo acontece no laboratório de

    Hardware e Redes.

    O curso de inglês (New Generation) comporta até 15 alunos por sala.

    Avaliações

    A Microlins trabalha com a avaliação formativa. Nossas avaliações são feitas diariamente e do mesmo modo são feitas as modifi cações na maneira de aplicar o conteúdo para que o aluno não siga adiante sem ter aprendido o conteúdo aplicado no momento.

    Sabemos que a função essencial da avaliação é ajudar o aluno a aprender e ao professor ensinar. (Perrenoud, 1999, p.204). Pensando nisso a Microlins adota esta forma de avaliação, podendo então avaliar e determinar quanto e em que nível os objetivos estão sendo atingidos. (Libâneo, 1994, p.204). Em cada um de nossos cursos a avaliação formativa é aplicada de uma forma diferente, por isso, no Livro do Educador do curso que você ministrará aulas, você encontra quais métodos avaliativos deverá usar. Para Luckesi (1999, p.43) “para não ser autoritária e conservadora, a avaliação tem a tarefa de ser diagnóstica, ou seja, deverá ser o instrumento dialético do avanço, terá de ser o instrumento da identifi cação de novos rumos”.

    Para sabermos se nossos alunos estão realmente aprendendo e para que a nossa garantia de aprendizado seja efetivada, cada aluno é avaliado de forma individual, por meio dos métodos de cada curso específi co. Esta metodologia permite que você identifi que o problema do aluno e o sane antes de seguir para o próximo conteúdo, garantindo assim a aprendizagem do aluno e a certeza de boas notas ao fi nal do curso.

    Planejamentos

    A Microlins Franchising oferece aos Educadores planejamentos dos diversos cursos existentes que devem ser seguidos integralmente para manter a padronização do ensino na Rede. É o conteúdo mínimo a ser transmitido. Adequações regionais, conteúdos extras e abordagem das atualidades podem e devem ser feitas por você. Para serem completamente efi cientes, esses planejamentos de aula deverão ser ajustados antes do início de um curso adaptando-o à sua realidade de tempo de curso, prevendo os feriados e similares.

    O material (apostila, manuais e materiais extras) deverá ser estudado com antecedência e por completo, para evitar desvios de objetividade do curso. Cada aula deverá ser preparada com antecedência para evitar falhas graves no ensino - entenda antecedência como um tempo extra de trabalho fora da Franquia.

    Importante:

    Dependendo do rendimento da turma, o planejamento de aula poderá ser modifi cado no meio do curso, a fi m de se adequar às previsões. Este procedimento, ao contrário do que muitos pensam, deve ser rotina dos Educadores, afi nal, não existirá uma turma que seja igual à outra. Então, o planejamento deverá sofrer ajustes para que o curso tenha começo, meio e fi m satisfatórios, sem “buracos” de conteúdos ou sem falta de tempo para terminar. Os planejamentos se encontram disponíveis em nosso site para download. Atente-se ao fato de que em alguns de nossos cursos o planejamento é o próprio livro do Educador.

    Aqui na Microlins Você Tem Direito aos Seguintes Benefícios:

    • Sala de Educadores com armário individual, café e informações de horários;

    • Biblioteca Técnica com os principais veículos de comunicação da área (revistas, jornais e livros) para consulta interna; os próprios educadores podem montar uma biblioteca, compartilhando seus títulos para consulta;

    • Treinamentos periódicos para atualização dos docentes, de acordo com as necessidades individuais, a serem programados pela coordenação com a Máster ou a Franchising. Veja no http://www.microlins.com.br/sapientia no link calendário as datas das audioconferências e transmissões via satélite voltadas à sua formação;

    • Material de suporte encontrado no site http://www.microlins.com.br, pedagógico; • Quadro de horários dos educadores (exposto em lugar visível); • Computador com acesso à Internet para consultas e pesquisas, além de impressora;

    • Manual do Educador impresso para leitura e constante instrumento para sanar as dúvidas. Um manual fi cará impresso e disponível na sala dos educadores.

    Procedimentos nas Aulas

    Controle das Aulas: Cada turma tem o registro de suas aulas em um diário de classe emitido pelo Sistema de Gerenciamento Escolar. Além do material, do conteúdo e das atividades desenvolvidas em sala de aula, nele devem ser registradas observações importantes da turma. No diário de classe deverá estar anexada a lista de chamada, impressa pela Secretaria da Unidade e que deve ser assinada pelo aluno, todos os dias. Devem ser entregues na secretaria ao fi nal da aula, para a transcrição das faltas para o Sistema de Gerenciamento Escolar Informatizado.

    • Horários: Recomendamos que o Educador chegue, no mínimo, com 15 minutos de antecedência, para que cada aula comece exatamente no horário previsto, além de poder fazer uma rápida revisão do assunto a ser abordado. O encerramento também no horário previsto permite ao próximo Educador preparar-se para a aula a seguir.

    • Preparação para o Início das Aulas: Antes do início das aulas, o Educador deve fazer a verifi cação dos seguintes materiais:

    • - Diário de Classe (retirar na Secretaria): para turmas cadastradas no sistema antigo;

    • - Lista de chamada (retirar na Secretaria): para turmas cadastradas no sistema antigo;

    • - Ficha de aula (retirar na secretaria): para turmas cadastradas no sistema antigo;

    • - Materiais que serão usados na aula;

    • - Pincel e apagador para quadro (retirar na Secretaria);

    • - Lista de entrega de material (quando houver apostilas): deve ser colhida a assinatura do aluno.

    • Encerramento das Aulas: Ao término do tempo regular de aula, o Educador tem poucos minutos para realizar várias providências:

    • - Entrega de comunicado aos alunos, vindo da secretaria (se tiver);

    • - Despedir-se dos alunos;

    • - Deixar a sala em ordem: apagar o quadro, recolher pertences pessoais e posicionar cadeiras e equipamentos para a próxima aula.

    • - Registrar o conteúdo ministrado no Diário de Classe e devolvê-lo à secretaria.

    OBS.: É preciso iniciar e terminar as aulas pontualmente, para que a próxima aula tenha início no horário previsto, evitando-se o fl uxo excessivo de alunos nos corredores e reclamações diversas.

    • Última aula do dia: O Educador que ministra a última aula do dia deve fazer uma verifi cação geral antes da saída, observando a arrumação geral da sala, limpeza do quadro, desligamento do condicionador de ar ou ventilador, dos equipamentos, luzes e o fechamento das janelas e portas.

    Situações de Ausências do Educador

    • Ausências do Educador: Caso você tenha a necessidade de se ausentar por períodos que incluam uma ou mais aulas, comunique à diretoria ou à coordenação pedagógica, em tempo hábil (mínimo de 24 horas) para que assim seu Coordenador possa junto com o Educador substituto planejar a aula;

    • Ausências não programadas: Na impossibilidade de ministrar uma aula prevista, o procedimento é avisar a direção o mais breve possível, para que se providencie a sua substituição. Aqui se percebe a importância de manter o planejamento em dia, visto que se por qualquer razão você não puder ministrar suas aulas seus alunos não terão prejuízo, porque o substituto seguirá o seu planejamento exatamente de onde você parou e de onde estava previsto;

    • Atrasos: Os horários de início e encerramento das aulas devem ser respeitados rigorosamente. Eventuais atrasos na sua chegada à escola poderão causar-lhe sanções negativas dependendo do seu contrato com a franquia.

    Feriados

    Não há regra estabelecida para o prolongamento de feriados. Planeje antes as aulas para não contatar os alunos com objetivo de verifi car a prédisposição deles em “emendar” ou não o feriado. Esta decisão fi ca a cargo da direção.

    Considera-se que:

    Você deve estar disponível, já que estará recebendo estas aulas (dia de aula normal);

    • Se você agendar algum compromisso nestas datas, será considerado falta e deve ser comunicado à direção com antecedência. Verifi que sempre a possibilidade de banco de horas com o seu coordenador;

    • Eventuais cancelamentos de aula nestes dias serão de exclusiva responsabilidade da direção.

    Vestuários e Comportamentos

    A franquia tem um padrão de uniforme que deve ser obedecido. Converse com o seu Coordenador Pedagógico.

    Opcional: Jaleco

    Para Educadores que têm poucas aulas semanais ou freelancer (de 2 a 4 aulas), pode fi car muito dispendioso ao Franqueado fornecer um uniforme. Para tanto existe o jaleco, que deve ser deixado na Microlins e colocado sobre a roupa comum do Educador. As roupas usadas sob o jaleco deverão ser adequadas ao nível da Rede. Um estilo discreto e simples ajusta-se bem ao clima de trabalho e ao ambiente social em relação aos alunos. As restrições fi cam para as roupas que, fora do critério mencionado, tornam-se alvo de atenção, tais como: shorts, camisetas, blusas com cintura à mostra, bermudas curtas colantes, decotes exagerados, minissaias e excessos em geral.

    Importante:

    • Nunca ministre aulas com chicletes na boca - isso mostra desprezo por quem está recebendo o ensinamento;

    • Não utilize perfumes fortes e fi que atento se você não tem cheiro forte de suor - pergunte sempre ao pessoal da franquia se sua aparência e apresentação estão boas;

    • Mau hálito também deve ser motivo de preocupação - cuide-se!;

    • Para o caso das mulheres, utilize maquiagens suaves e nunca pinte as unhas com cores gritantes.

    Tomando estes cuidados, você terá, só pela aparência, 20% de respeito da turma, sem precisar falar nada.

    Dia do Pagamento

    O seu pagamento será realizado de acordo com critérios estabelecidos pela franquia, sendo referente ao mês anterior. Solicita-se seu comparecimento nas datas defi nidas pelo Franqueado para o recebimento (informe-se na Secretaria de sua Unidade).

    Avaliação dos Educadores

    Periodicamente ou quando julgar necessário, a direção da escola poderá realizar com os alunos uma avaliação do trabalho realizado pelo educador, no sentido de verifi car o nível de satisfação em relação ao Educador e ao conteúdo ensinado. Não encare esta avaliação como censura e sim como possibilidade de crescimento. Informe-se dos problemas encontrados referentes ao seu desempenho e tome as providências corretivas: evolua!

    Responsabilidades É de sua Responsabilidade:

    • Ministrar as aulas de maneira didática com exercícios, exemplos práticos e, acima de tudo, muita criatividade, seguindo a metodologia específi ca do seu curso;

    • Manter a disciplina dos alunos, não permitindo comportamentos que possam prejudicar o bom andamento das aulas;

    • Cuidar da sala e dos equipamentos, que estão sob sua responsabilidade (computadores, impressoras, cadeiras, lousa, etc.).

    Como Ser um Bom Educador?

    Para que você proporcione orientação satisfatória à aprendizagem, precisa conhecer especifi camente o seu papel nessa questão, bem como as técnicas capazes de permitir a aprendizagem efi ciente.

    A Tarefa do Educador Pode Ser Dividida em Algumas Categorias:

    • Você precisa auxiliar o aluno a compreender os objetivos a serem atingidos, assim como o processo para atingi-los;

    • Você deve prever e impedir o uso de técnicas erradas e, para isso, deve avaliar o seu trabalho e corrigi-lo periodicamente, a fim de impedir a ineficiência do processo ensino- aprendizagem;

    • Você precisa dar ao aluno apoio moral e sentimentos de segurança e confi ança;

    • Estudar detalhadamente, antes de entrar em sala de aula, todo o conteúdo a ser ministrado, a fi m de evitar situações vexatórias (um educador que não sabe o que ensina, não será respeitado por nenhum aluno, nem pelo mais ignorante no assunto).

    Acessar o Site Microlins, Pedagógico

    Todo Educador Microlins tem o direito de acessar o site pedagógico e os hot sites para obter suporte em forma de exercícios, testes, planejamentos e materiais extras.

    Quem faz o cadastramento para acesso dos sites é o próprio franqueado, de maneira rápida e prática, na área restrita do site Microlins, item “cadastros”.

    Não basta a secretária ou outra pessoa apenas imprimir planejamentos ou algum documento para os educadores - existem inúmeros materiais que são direcionados exclusivamente aos Educadores, e por isso, somente você saberá a importância de cada um. O Coordenador Pedagógico também não tem conhecimentos necessários para saber de todos os conteúdos, portanto o canal deve ser realmente direcionado a você.

    Converse com o seu Coordenador Pedagógico sobre este acesso.

    Qualidades do Educador

    O respeito pelas pessoas e o auto-respeito são essenciais à criação da liberdade pessoal e ao estabelecimento de relações humanas adequadas. Veja, agora, algumas qualidades que são esperadas de você:

    • Comportamento Racional

    É indispensável que você tenha habilidade para enfrentar racionalmente problemas pessoais e profi ssionais, evitando o descontrole emocional que pode comprometer o estabelecimento de atitudes lógicas;

    • Cooperação

    O ensino é realizado em ambiente social, portanto, cabe a você cooperar com as pessoas na ação de pensar, escolher e agir em resposta às situações;

    • Amizade

    Ensinar é, acima de tudo, uma atividade humana. Exige envolvimento com os outros e afeição pelos semelhantes.

    A sua atitude amistosa deve ser orientada pela sabedoria e objetividade e não pelo sentimentalismo e ausência de espírito crítico;

    • Compreensão

    A amizade deve ser sustentada por uma profunda empatia pelo ser humano. Compreender cada resposta, cada comportamento do aluno é respeitá-lo como um ser total;

    • Atitude Democrática

    Signifi ca garantir a todos aqueles que se encontram envolvidos nas atividades a possibilidade de participarem dos trabalhos com igualdade de oportunidades. Você deve ter em mente que o autoritarismo ou o liberalismo desmedido podem trazer conseqüências danosas para atingir os objetivos de ensino e aprendizagem;

    • Paciência e Justiça

    As pessoas são diferentes umas das outras. São como músicas, que têm ritmos diferentes.

    Alguns alunos reagem imediatamente à situação, enquanto outros demoram mais para apresentar a sua resposta. Respeitar a velocidade de cada um, preparando mais exercícios para os que se desenvolvem mais rapidamente e não deixando nenhum aluno sem fazer o mínimo proposto, garante uma turma heterogênea que caminha junto;

    • Entusiasmo e Espontaneidade

    Você deve ter a habilidade de criar uma atmosfera entusiástica e saudável na sala de aula, objetivando facilitar o contato entre pessoas e a realização das atividades propostas.

    Nesta situação, apresente-se descontraído, seguro, natural, com gestos simples e dinâmicos e, acima de tudo, completamente acessível a todos;

    • Facilidade de Expressão

    A comunicação é imprescindível na vida humana. Quando falamos em expressão, compreendemos uma série de modalidades, ou seja: a expressão verbal, a escrita e a não-verbal. Qualquer que seja a forma adotada, você deve facilitar a transmissão de suas mensagens e verifi car sistematicamente se está havendo compreensão das mensagens que transmite.

    • - Verbal - falar moderadamente, com pausas, pronunciar as expressões de outra

    língua corretamente e usar tom de voz compatível com o ambiente;

    • - Escrita - uma boa caligrafi a é essencial para se fazer entender. Se você não a possuir, em virtude do quadro branco ser muito escorregadio, aconselhamos

    gastar algumas horas praticando, exatamente como se fazia em cadernos de caligrafi a;

    • - Não-verbal - esta comunicação deve confi rmar a verbal e a escrita. O ser humano confi rma mais o que fala pela sua expressão facial e também pela

    corporal - tome cuidado com estes detalhes.

    É impossível enumerar isoladamente as características e capacidades responsáveis pela efi ciência do educador - use a sensibilidade, o bom senso e pergunte sempre a opinião alheia.

    Uma forma do Educador se manter efi ciente durante sua atuação é o de estar sempre com a sua preocupação centralizada nos alunos.

    No site Sapientia http://www.microlins.com.br/sapientia - link hemeroteca você encontrará diversos textos que podem ser usados para a sua formação, além disso, o seu Coordenador Pedagógico vai todo mês replicar o sapientia, do qual ele participa na máster franquia.

    Cobre-o disso!

    Vestindo a Camisa

    Você, Educador, é responsável pela veiculação de uma série de mensagens que emanam da empresa e que se dirigem aos alunos, visando a determinados resultados. “Ser” Microlins e não “estar” na Microlins, garante ao aluno a constatação da seriedade da empresa, de nosso material, do compromisso que temos com o sonho do aluno - capacitá-lo para o mercado de trabalho, visando à maior qualidade de vida, status e conseqüente felicidade.

    Diante da sua enorme responsabilidade, você precisa desempenhar o seu papel segundo alguns padrões técnicos de ensino, que envolvem desde a linguagem didática até os gestos mais simples.

    Linguagem Didática

    Entende-se por linguagem didática o uso das palavras como meio de expressão utilizada no ensino.

    Deve ser simples, correta, expressiva e acessível ao nível da classe e diferir da linguagem fria, calculada e displicente. Outro cuidado que deve ser tomado é com as “enxurradas” de palavras. Deve-se ser claro e objetivo, eliminando os rodeios e fl oreios inúteis, para que o assunto seja compreendido com maior facilidade. Para a melhor explanação do assunto, você deve sempre apresentar os objetivos do conteúdo e procurar despertar o interesse dos alunos, usando a maneira adequada ao falar.

    Tom de Voz

    O tom de voz ideal é o coloquial (o que usamos em uma conversa), e a melhor forma de expressão é o diálogo, pois assim a exposição fi cará mais informal e o relacionamento mais agradável.

    A altura da voz adequada dependerá da acústica e do tamanho do ambiente:

    • Quando alta, provoca desinteresse pela explanação e irritação do ouvinte;

    • Quando baixa, provoca desinteresse e cansaço, pois corre-se o risco de ser imperceptível.

    • Pronúncia

    Palavras mal pronunciadas difi cultam a apresentação da mensagem.

    Os defeitos mais comuns são:

    • - Repetir palavras, engolir sílabas e vícios de pronúncia (tá? né? viu? percebe?

    ok?) - o que pode ser corrigido com o fato de pensar antes de falar ou de falar

    mais lentamente;

    • - Falar errado e escrever certo, e falar certo e escrever errado prova que o educador lê pouco ou é muito desatento.

    • Ritmo de Voz

    O ritmo ideal é aquele que permite ao ouvinte a captação e refl exão da mensagem, como também tomar notas e fazer perguntas.

    • - Não se pode falar depressa, porque as palavras se perdem, os alunos ouvem mal e se cansam, tanto quanto você;

    • - Se falar muito devagar, o cansaço, a monotonia e o desinteresse serão imediatos.

    Utilização do Tempo

    É considerado um bom Educador aquele que ensina, visando ao tempo disponível, no sentido de obter o máximo de produtividade, sem ociosidade. O tempo disponível deve ser usado a favor do ensino e não contra - por exemplo, se todo o conteúdo de uma aula foi dado e ainda restam 20 minutos para terminar, você deverá usar a criatividade para que não perca o controle da turma: uma recapitulação, vídeos, debates, exercícios extras do tema visto ou uma minipalestra de um assunto de interesse geral da turma pode ser a saída. Como criatividade não se aprende - é uma questão de boa vontade e bom senso - se você ainda não tem muitas idéias e deseja se aprimorar nesta área, deve observar seus colegas que já têm este talento para poder iniciar a lapidação de seus próprios talentos.

    Atitudes

    As atitudes em sala de aula poderão comprometer o desempenho do Educador perante os alunos. Porém, devem ser evitadas as seguintes ações:

    • Atitudes displicentes ou que faltem com a ética profi ssional;

    • Dar aulas sentado ou conservar-se na mesma posição durante a maior parte do tempo;

    • Fixar o olhar sempre para a mesma direção;

    • Expressões de contrariedade às colocações dos alunos ou de insatisfação ao ser interrogado;

    • Colocar-se em situações vexatórias perante a turma.

    Atenção:

    Por mais interessante que seja o assunto de uma aula, existe um tempo útil de concentração em que um ser humano pode ater-se: não ultrapasse 10 minutos apenas explanando sobre um tema - inclua o uso de estímulos (lousa, apostila, recortes de jornais, computador, etc.) à medida que explica o assunto. Os grandes oradores não são aqueles que falam por mais de 2 horas sem parar e sim aqueles que transmitem o que desejam em menor tempo e de maneira mais agradável à platéia.

    Variação de Estímulos

    • Movimentação em Sala - É necessário que você seja visto pelos alunos, em vários ângulos e também entre eles;

    • Foco / Gesticulação - Necessário para o controle exato da atenção dos alunos. Isto se consegue por meio de expressões verbais e gestos expressivos, tais como os movimentos de mãos, cabeça e corpo, que tornam a mensagem mais efi ciente. Porém, eles precisam ser adequados e moderados: os gestos devem preceder ou acompanhar a palavra e nunca sucedê-la, pois perderá a sua força;

    • Mudança de Transmissores - A mensagem oral é mais fácil de ser recebida quando suplementada por mensagens visuais (cartazes, transparências, projetores, material de demonstração). O recurso, no entanto, não deve servir para o aluno retirar informação sem a necessidade da explicação do Educador;

    • Ilustrações com Exemplos - Visam à melhoria qualitativa da instrução, pois facilita a compreensão dos conceitos e princípios. A aula munida de exemplos torna mais envolvente a participação do aluno. Facilita a compreensão dos assuntos, deixando-os mais claros de modo a permitir a transferência da aprendizagem para algo mais concreto;

    • Formulários de Perguntas - As perguntas são necessárias para envolver ativamente o aluno na aula e desencadear processos mentais. Podem referir-se à mera repetição, serem simples ou complexas, mas o objetivo não é só perguntar. Você deve despertar o interesse, criando condições para que os alunos também façam perguntas e sejam inseridos no contexto.

    A formulação de perguntas é uma habilidade que requer determinados cuidados:

    • Enunciar a pergunta antes de indicar quem vai respondê-la; • Dirigi-la ao grupo para depois particularizá-la; • Formular perguntas claras e diretas e aguardar o tempo sufi ciente para as respostas; • Solicitar respostas de vários alunos antes de pronunciar qualquer conclusão; • Dirigir as perguntas aos alunos desatentos, estimulando a sua participação; • Solicitar aos alunos que respondam alto para que sejam ouvidos por todos; • Evitar expressões de desagrado quando o aluno não fornecer a resposta correta ou esperada; • Fazer perguntas possíveis de serem respondidas; • As questões devem servir de estímulo aos alunos e não como exibicionismo do seu conhecimento.

    Promover Aulas mais Atraentes

    Para reter um aluno, é preciso ser um Educador pleno, criativo, dinâmico, comunicativo, inovador. Para que você possa ministrar aulas agradáveis, utilize alguns recursos:

    Dinâmicas

    Existem inúmeros livros de dinâmicas disponíveis no mercado - em nosso site, pedagógico, temos sugestões de títulos. As dinâmicas servem para, no momento certo, enfatizar um assunto, facilitar o entendimento, promover atitudes e comportamentos desejados, motivar a turma, integrar os alunos;

    • Visitas Monitoradas

    Quaisquer cursos podem ter visitas monitoradas. Por exemplo, para Turismo e Hotelaria, visitas a hotéis, restaurantes, pontos turísticos, até mesmo viagens de excursão monitorada. Para Rotinas Administrativas, visitas a escritórios contábeis, empresas grandes. Para TRT, visitas a Call centers, telemarketing de grandes empresas e assim por diante. Estas visitas devem ser agendadas por você, e têm o propósito de tornar concreto o conteúdo abordado em sala de aula;

    • Aulas de vídeo

    ... conhecimentos, variação de estímulos, incentivo à pesquisa;

    Para diversos temas existem vídeos (Fita, DVD, VCD

    )

    - devem ser utilizados como ampliação de

    • Vivência em empresas

    Podem ser feitos pequenos estágios fora do horário de aula, que enriquecerão as aulas com a prática real;

    • Feiras de conhecimento, congressos e seminários

    Para divulgar o curso, estimular pesquisas e desinibições dos alunos e aprofundar em um tema específi co, a realização de feiras e seminários é o ideal;

    • Palestra

    Constantemente você pode trazer, para a sala de aula, profi ssionais atuantes na área do curso para expor sua atividade, os pontos positivos e negativos, o que o mercado espera dos que estão se formando. Revitaliza o curso e motiva os alunos;

    Workshops

    Para a realização de workshops envolva seus alunos na preparação e organização do evento e do conteúdo, é uma ótima ferramenta para que eles coloquem em prática o que aprenderam e demonstrem isso na prática.

    Fatores que Infl uenciam a Aprendizagem

    Dentre os fatores que infl uenciam o processo de aprendizagem, destacam-se:

    • Relacionamento Educador - Aluno • Metodologia • Motivação

    O estudo da motivação é importante porque torna o Educador sensível à complexidade do problema, assim como o torna consciente dos princípios motivacionais dos alunos.

    Tornou-se evidente, porém, que qualquer retrato da natureza humana que ignore a motivação

    e a emoção é de uso comprovadamente limitado no que se refere a facilitar a aprendizagem

    ... que algo seja obtido, dominado e subseqüentemente usado, tratemos de inseri-lo num contexto que envolva as emoções. Inversamente, aquelas experiências que são desprovidas de impacto emocional refl etem um fraco envolvimento e são logo esquecidas, não deixando nenhuma representação mental. (GARDNER, 1999, p.90)

    humana e a pedagogia - afi nal de contas, as pessoas não são computadores

    Se quisermos

    • Conceitos

    Os exemplos de comportamentos da vida diária são comuns e freqüentes para ilustrar o conceito de motivação. Para explicar por que o comportamento humano é estimulado algumas vezes, em algumas situações, faz-se uso do termo motivação. Uma característica importante do comportamento motivado é a direção. O indivíduo não é uma simples corda que vibra quando tocada, nem uma locomotiva que corre em trilhos; ele seleciona características do seu ambiente, emitindo algumas respostas e restringindo-se outras.

    A motivação é usada para explicar por que algumas situações são capazes de estimular, numa determinada direção, um comportamento.

    A motivação inicia-se com a modifi cação da energia do indivíduo. Ela caracteriza-se pela excitabilidade, que pode ou não ser acompanhada de sentimentos, e leva a comportamentos (respostas) que por sua vez, quando emitidos, atingem os objetivos propostos. Se existiu alguma tensão, esta se reduz ao se atingir o objetivo. Esquematicamente, pode-se representar este processo:

    Energia > Comportamento > Objetivo (redução de tensão)

    Se queremos motivar nossos alunos, precisamos saber de que modo nossos padrões de atuação podem contribuir para criar ambientes capazes de conseguir que os alunos se interessem e se esforcem por aprender e, em particular, que formas de atuação podem ajudar concretamente a um

    aluno.” (TAPIA, 2000, p.14)

    Incentivos e Reforços

    Podemos usar várias técnicas para induzir a motivação nos alunos. Tais técnicas implicam na utilização de incentivos ou reforços, relacionados com a necessidade da pessoa.

    Os incentivos, bem como os reforços, podem não só determinar, como intensifi car uma necessidade já ativa. Os incentivos, porém, podem ser inefi cientes e prejudiciais em algumas condições, conforme Guimarães(2001, p.49-50):

    • 1. As recompensas utilizadas em sala de aula não têm um mesmo signifi cado para todos os alunos.

    Notas, por exemplo, podem ser percebidas de modo diferente de acordo com suas expectativas de

    desempenho, de valorização ou histórias pessoais.

    • 2. A difi culdade de tornar a apresentação das recompensas contingente a comportamentos específi cos

    Um aluno olhando para o caderno pode estar fortemente preocupado em descobrir a solução de um problema, ou, ao contrário, pode estar com o pensamento distante dali.

    ...

    • 3. O professor ou mesmo a escola como um todo não conseguem controlar totalmente as estratégias

    utilizadas pelos alunos para executarem ou apresentarem os trabalhos exigidos pela escola ou para o desempenho em testes ou avaliações. Como o sistema é falho nos controles, os alunos podem facilmente conseguir as recompensas ou escapar das punições sem aplicar qualquer esforço verdadeiro, utilizando-se de meios escusos.

    • Elogio e Censura

    O elogio mais usado como estímulo é superior ao recurso da censura, pelas mesmas razões da recompensa sobre a punição.

    Porém, é melhor utilizar-se da censura do que demonstrar indiferença a um comportamento negativo do aluno.

    Interdisciplinaridade

    O conceito de interdisciplinaridade

    A interdisciplinaridade, como questão gnosiológica, surgiu no fi nal do século passado, pela necessidade de dar uma resposta à fragmentação causada por uma epistemologia de cunho positivista. As ciências haviam-se dividido em muitas disciplinas e a interdisciplinaridade restabelecia, pelo menos, um diálogo entre elas, embora não resgatasse ainda a unidade e a totalidade do saber.

    Desde então, o conceito de interdisciplinaridade vem se desenvolvendo também nas ciências da educação. Elas aparecem com clareza em 1912 com a fundação do Instituto Jean-Jacques Rousseau, em Genebra, por Edward Claparède, mestre de Piaget. Toda uma discussão foi travada sobre a relação entre as ciências mães e as ciências aplicadas à educação: por exemplo, a sociologia (da educação), a psicologia (da educação), etc. e noções correlatas foram surgindo, como intradisciplinaridade, pluridisciplinaridade e transdisciplinaridade.

    A intradisciplinaridade‚ entendida, nas ciências da educação, como a relação interna entre a disciplina “mãe” e a disciplina “aplicada”. O termo interdisciplinaridade, na educação, já não oferece problema, pois, ao tratar do mesmo objeto de ciência, uma ciência da educação “complementa” outra. Diga- se o mesmo quanto à pluridisciplinaridade. É a natureza do próprio fato/ato educativo, isto é, a sua complexidade, que exige uma explicação e uma compreensão pluridisciplinar. A interdisciplinaridade é uma forma de pensar. Piaget sustentava que a interdisciplinaridade seria uma forma de se chegar à transdisciplinaridade, etapa que não fi caria na interação e reciprocidade entre as ciências, mas alcançaria um estágio onde não haveria mais fronteiras entre as disciplinas.

    A interdisciplinaridade visa a garantir a construção de um conhecimento globalizante, rompendo com as fronteiras das disciplinas. Para isso, integrar conteúdos não seria sufi ciente. Seria preciso uma atitude e postura interdisciplinar. Atitude de busca, envolvimento, compromisso, reciprocidade diante do conhecimento.

    A interdisciplinaridade se desenvolveu em diversos campos e, de certo modo, contraditoriamente, até ela se especializou, caindo na armadilha das ciências que ela queria evitar. Na educação ela teve um desenvolvimento particular. Nos projetos educacionais a interdisciplinaridade se baseia em alguns princípios, entre eles:

    1 o - Na noção de tempo: o aluno não tem tempo certo para aprender. Não existe data marcada para aprender. Ele aprende a toda hora e não apenas na sala de aula;

    - Na crença de que é o indivíduo que aprende. Então, é preciso ensinar a aprender, a estudar, etc. ao indivíduo e não a um coletivo amorfo. Portanto, uma relação direta e pessoal com a aquisição do saber;

    - Embora apreendido individualmente, o conhecimento é uma totalidade. O todo é formado pelas partes, mas não é apenas a soma das partes. É maior que as partes;

    - A criança, o jovem e o adulto aprendem quando têm um projeto de vida e o conteúdo do ensino é signifi cativo para eles no interior desse projeto. Aprendemos quando nos envolvemos com emoção e razão no processo de reprodução e criação do conhecimento. A biografi a do aluno é, portanto, a base do seu projeto de vida e de aquisição do conhecimento e de atitudes novas.

    A metodologia do trabalho interdisciplinar implica em:

    - integração de conteúdos; - passar de uma concepção fragmentária para uma concepção unitária do conhecimento;

    - superar a dicotomia entre ensino e pesquisa, considerando o estudo e a pesquisa, a partir da contribuição das diversas ciências;

    - ensino-aprendizagem centrado numa visão de que aprendemos ao longo de toda a vida.

    O conceito chegou ao fi nal desse século [ XX ] com a mesma conotação positiva do início do século, isto é, como forma (método) de buscar, nas ciências, um conhecimento integral e totalizante do mundo frente à fragmentação do saber, e na educação, como forma cooperativa de trabalho para substituir procedimentos individualistas.

    A ação pedagógica através da interdisciplinaridade aponta para a construção de uma escola

    participativa e decisiva na formação do sujeito social. O seu objetivo tornou-se a experimentação da vivência de uma realidade global, que se insere nas experiências cotidianas do aluno, do professor e do povo e que, na teoria positivista, era compartimentada e fragmentada. Articular saber,

    conhecimento, vivência, escola comunidade, meio ambiente, etc. tornou-se, nos últimos anos, o objetivo da interdisciplinaridade que se traduz, na prática, por um trabalho coletivo e solidário na organização da escola. Um projeto interdisciplinar de educação deverá ser marcado por uma visão geral da educação, num sentido progressista e libertador.

    A interdisciplinaridade deve ser entendida como conceito correlato ao de autonomia intelectual e moral. Nesse sentido a interdisciplinaridade serve-se mais do construtivismo do que serve a ele. O construtivismo é uma teoria da aprendizagem que entende o conhecimento como fruto da interação entre o sujeito e o meio. Nessa teoria o papel do sujeito é primordial na construção do conhecimento. Portanto, o construtivismo tem tudo a ver com a interdisciplinaridade.

    A relação entre autonomia intelectual e interdisciplinaridade é imediata. Na teoria do conhecimento de Piaget o sujeito não é alguém que espera que o conhecimento seja transmitido a ele por um ato de benevolência. É o sujeito que aprende através de suas próprias ações sobre os objetos do mundo. É ele, enquanto sujeito autônomo, que constrói suas próprias categorias de pensamento ao mesmo tempo que organiza seu mundo, como costumava nos dizer, em Genebra, nosso mestre Piaget.

    Instituto Paulo Freire/Programa de Educação Continuada

    Relacionamento Educador-Aluno

    De forma geral, a psicologia social da educação, nos últimos tempos, tem focalizado a sala de aula como um grupo social, onde os processos de interação existentes dão a tônica do clima psicológico reinante.

    A interação Educador-Aluno é de grande importância e tem conseqüências profundas no processo ensino-aprendizagem.

    Clima de Permissividade

    Existe um clima psicológico ideal que facilita a aprendizagem: o clima de permissividade (ou clima de aceitação).

    Se você aceitar os alunos tais como são, permitindo-lhes expressar livremente seus sentimentos e atitudes, sem condená-los nem julgá-los, criará uma atmosfera relativamente livre de tensões emocionais durante as aulas, e as conseqüências serão bem diferenciadas daquelas que são obtidas quando não existem tais condições.

    Realidade X Teoria

    Na maioria das vezes, a situação ensino-aprendizagem é uma situação planejada para a execução de determinados objetivos. Assim sendo, Educadores e alunos encontram-se numa relação pessoal para cumprir determinadas atividades que já estão previamente estabelecidas. Às vezes, nem Educadores nem alunos tomam parte ativa e direta no planejamento das atividades que executam. Mesmo nesses casos, guardadas as devidas proporções, você pode “reorganizar” o que já está pronto e tornar o ensino mais signifi cativo e “humano”. Para tanto, são necessárias algumas considerações, tais como:

    • a) O conteúdo a ser aprendido deve ser captado como item de muita importância:

    O aluno, quando freqüenta um curso, traz consigo uma série de problemas que fazem parte real de sua existência. Assim sendo, se você fi car falando de coisas que não lhe dizem respeito e que não lhe são importantes, é de se supor que o grau de retenção do que está sendo apresentado seja mínimo.

    Evidentemente, o aluno aprenderá menos quando o ensino se relacionar com um conteúdo que não corresponda às suas necessidades e interesses.

    Entretanto, é possível que você tenha que ensinar itens que ele não perceba como importantes no momento, mas que poderão ter grande relevância para ele no futuro; cabe a você mostrar-lhe a importância e a aplicabilidade imediata ou mediata dos assuntos desenvolvidos, assim como considerar o tipo de aluno com que irá trabalhar, para organizar seu material de forma que este não constitua um problema signifi cativo.

    Para facilitarmos este aprendizado usamos em todas as aulas uma metodologia de ensino baseada na realidade do dia-a-dia do aluno, pois só se aprende bem aquilo que é apreendido de acordo com nossas experiências pessoais. A isso chamamos de ensino fundamentado.

    • b) O Educador deve ser autêntico:

    Uma condição que facilita a aprendizagem é a autenticidade do Educador, signifi cando que você deve ser aquilo que exatamente é. Deve ter a coragem sufi ciente para dizer “eu não sei, mas vou pesquisar” e não fi car forjando respostas que os próprios alunos sentem como inadequadas.

    Quando uma pessoa que exerce o papel de Educador tem uma consciência real dos seus sentimentos e consegue exprimir essa autenticidade no relacionamento com seus alunos, estes também se sentem à vontade para serem eles mesmos e aprenderem melhor.

    • c) Consideração positiva com os alunos:

    Você deve aceitar o aluno tal qual ele é e não como você gostaria que fosse.

    Entretanto, fi ca cada vez mais evidente que parte substancial do desinteresse (e da “indisciplina”) encontrado em muitos dos nossos alunos pode ser atribuído ao distanciamento dos conteúdos

    ... que aqueles conteúdos aparentemente fúteis (que ironizamos quando falamos do gostar da escola/não gostar das aulas) podem ser ensinados, desde que se faça partindo das ocupações prévias que alunas e alunos carregam, contextualizando-os e inserindo os temas em um cenário não esotérico e marcado pela alegria. (CORTELLA, 2002, p.116)

    programáticos em relação às preocupações que os nossos alunos trazem para a escola. (

    ) é claro

    No ensino, o Educador tem objetivos determinados a atingir. Tais objetivos, de uma certa forma, “dirigem” os comportamentos dos alunos para que trabalhem atingindo os objetivos propostos.

    Se o aluno apresenta tais comportamentos “negativos” ou comportamentos que se desviem dos objetivos propostos pelo Educador, o que fazer?

    A resposta nesse caso deve primeiramente levar em conta a natureza da situação em si: quais foram os comportamentos considerados “negativos”? São eles realmente prejudiciais para a aprendizagem do aluno? Tais comportamentos interferem na aprendizagem de outros alunos?

    Uma sugestão concreta, contudo, pode ser feita para cada caso em questão: se o Educador constatou que, de fato, o aluno deve ser punido, tal punição poderá ser realizada da seguinte forma:

    • A “punição” deve ser interpretada em termos de que o Educador se recusa a ter uma consideração positiva por alguns comportamentos que o aluno está tendo naquele determinado instante, mas não o rejeita como pessoa;

    • Tão logo o aluno deixe de ter os chamados comportamentos “negativos”, o Educador deverá procurar vê-lo como antes do ocorrido, e não formar, a partir de então, uma atitude preconceituosa;

    • Você deve procurar ter uma compreensão empática do mundo do aluno; esta condição facilitadora da aprendizagem refere-se ao fato de que você deve ser capaz de captar o mundo do outro como se fosse o seu próprio mundo.

    “É melhor tentar e falhar que preocupar-se e ver a vida passar.” (Martin Luther King)

    Para pensar:

    Realizar Reuniões Constantes com a Coordenação Pedagógica

    É importante que cada franquia tenha reuniões quinzenais com toda a equipe de Educadores. Se forem semanais, melhor ainda!

    O objetivo dessas reuniões é motivacional, criar laços de amizade na equipe, traçar metas (de retenção, por exemplo) e apresentar resultados.

    Recomendamos que estas reuniões sempre sejam encerradas com esportes (futebol, vôlei), confraternizações (churrascos, coquetéis, etc.), jogos (baralho, etc.), e/ou a leitura de Mensagens Motivacionais.

    Uma equipe que se conhece e trabalha unida chega muito mais rapidamente aos resultados esperados.

    Lembramos que estas reuniões podem servir também para comemorar aniversários, realizar festas típicas (junina, Halloween) e os gastos podem ser divididos entre franqueado e colaboradores (ex: 1 prato de salgado cada um, 1 refrigerante, etc.).

    Cobre de seu Coordenador a realização dessas reuniões.

    Evitar a Orientação Errada dos Produtos

    O pedagógico e o comercial são departamentos distintos que trabalham com o mesmo objetivo: educar. Devem trabalhar afi nados, cooperando-se, pois se não se entenderem ou comunicarem, grandes prejuízos acontecem. Isto podemos perceber nos resultados - vendas erradas também geram (e são a principal causa) desistências.

    Temos casos de vendas, por exemplo, de curso de Turismo ( voltado para pessoal semiqualifi cado e não qualifi cado) para Turismólogos ou profi ssionais liberais, que desistem nas primeiras semanas maldizendo o material, o Educador, a Microlins, quando na verdade o material e o educador são ótimos, mas o curso foi vendido errado.

    Para sanar este problema, a cada sexta-feira deve ser feito um minitreinamento para a equipe de vendas - o Coordenador Pedagógico é o responsável por designar um educador de cada área para dar uma palestra de 30 minutos sobre o que é seu curso, quem é o público, quais os detalhes que mais atraem os alunos, o que o aluno fará depois de formado.

    Após esta palestra, ele deve ser questionado pela equipe de vendas exaustivamente, até não restarem dúvidas sobre o referido curso ou módulo. A equipe comercial deve anotar tudo e ter os Educadores como orientadores do que vendem.

    Garantimos, assim, um índice zero de desistências por venda indevida. Prepare uma boa aula e não deixe de abordar nenhum item que julgar necessário.

    Anotações

    Alunos Portadores de Necessidades Especiais: O que fazer?

    O primeiro passo para que os Educadores possam trabalhar de forma efi ciente com seus alunos é conhecer alguns conceitos.

    A Organização Mundial da Saúde distinguiu, em 1980, três conceitos para abordarem a temática da defi ciência. E, neste novo enfoque, não se propõe a negação das diferenças, mas o respeito a elas. Não se propõe a igualdade massifi cada, mas a eqüidade.

    Defi ciência

    É qualquer perda ou anormalidade da estrutura ou função psicológica, fi siológica ou anatômica. São perdas ou alterações físicas que podem ser temporárias ou permanentes. Portanto, dizer que uma pessoa tem uma defi ciência não signifi ca dizer que ela tem uma doença.

    Incapacidade

    Signifi ca qualquer redução ou falta, resultante de uma defi ciência, de capacidades para exercer alguma atividade dentro dos limites considerados normais para o ser humano. Ou seja, é uma diferença na atuação e interação com o meio.

    Desvantagem

    É um impedimento, resultante de uma defi ciência ou de uma incapacidade, que limita ou impede o desempenho de uma atividade considerada normal para um indivíduo, tendo em atenção a idade, o sexo e os fatores socioculturais. No entanto, a situação de desvantagem só pode ser determinada a partir de uma relação de comparação entre uma pessoa com algum tipo de defi ciência e outra sem. É um fenômeno social.

    Nós vamos trabalhar com três tipos de defi ciência: a auditiva, a física e a visual, conhecendo um pouco sobre elas e vendo dicas de como ministrar nossas aulas para alunos portadores.

    1 - Defi ciência Auditiva

    A defi ciência auditiva é caracterizada pela perda parcial ou total das possibilidades auditivas sonoras. Existem quatro níveis de defi ciência: leve, moderada, severa e profunda. Em alguns casos, inclusive, o uso do aparelho auditivo pode benefi ciar signifi cativamente a vida da pessoa. Vale a pena lembrar que o aparelho não proporciona a audição perfeita.

    Não é correto dizer que alguém é surdo-mudo. Muitas pessoas com defi ciência auditiva não falam porque não aprendem a falar ou porque não têm o retorno auditivo necessário para este exercício. Algumas pessoas surdas fazem a leitura labial.

    A maior desvantagem das pessoas com defi ciência auditiva se refere à comunicação. Os surdos falam outra língua: a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais), que possui a sua própria estrutura gramatical, por meio do visual-gestual. A língua portuguesa é uma segunda língua. Como é uma questão cultural, alguns defi cientes auditivos, especialmente os de nível profundo e severo, se denominam surdo.

    Possuem não só uma maneira diferente de se comunicar, mas também uma cultura própria e uma maneira diferente de encarar a vida.

    Dicas:

    Coloque este Aluno em uma posição na qual ele consiga te ver e você consiga vê-lo; Se ele usar aparelho coloque-o na primeira fi leira, de preferência no centro, pois o contato do aparelho com barreiras, como portas, paredes e janelas, pode provocar reverberações auditivas;

    Se o Aluno fi zer leitura labial, não fale e escreva na lousa ao mesmo tempo. Nunca vire de costas quando estiver falando. Faça as coisas a seu tempo, primeiro explique e depois escreva na lousa;

    Para conversar com um Aluno surdo que faz leitura labial fale de frente para ele. Treine sua dicção para que você possa pronunciar bem as palavras sem necessitar apelar para exageros e fale na velocidade normal. Somente se for solicitado, você deve diminuir a velocidade;

    Se o aluno não tiver leitura labial ele tem o direito de solicitar a presença de um intérprete. Este intérprete deve estar em uma posição estratégica, em que consiga estabelecer o contato com o Aluno e com o Educador. Lembre-se de se dirigir à sala e ao Aluno e não ao intérprete, ele é só uma ferramenta de mediação do processo;

    Use sempre recursos visuais para trabalhar com o aluno surdo, some-as com atividades concretas e a utilização de gestos e conseguirá um resultado muito bom na compreensão destes alunos;

    Se o Aluno é totalmente surdo, não é necessário gritar. Se você quiser se comunicar com ele e ele não estiver te olhando, acene para ele ou dê um leve toque em seu braço para chamar a atenção;

    Se na sua conversa você não entender o que o surdo está falando por causa da dicção, não tenha receio de pedir que ele repita.

    2 - Defi ciência Visual

    A defi ciência visual é a perda total ou parcial da capacidade de enxergar. Há diversos níveis e manifestações possíveis desta defi ciência: leve, moderada, profunda, severa e perda total da visão. E mais, o comprometimento do campo visual pode ser central, periférico ou sem alteração.

    As pessoas com baixa visão devem aprender por meios visuais, mesmo que sejam necessários recursos especiais, tais como a lupa e o ampliador. Já os cegos devem utilizar os outros sentidos - táteis e auditivos - para aprender. Neste caso, o principal meio de leitura e escrita é o sistema Braile.

    Você já deve ter visto que os cegos usam uma bengala, ela serve como “prolongamento do tato” para a pessoa com defi ciência visual, o que permite perceber obstáculos e ter uma locomoção independente.

    Dicas:

    Para Alunos que tenham uma baixa visão, você pode continuar trabalhando ainda com recursos visuais, utilizando sempre meios para ampliar o que deve ser visto, como aumentar as fontes do computador, por exemplo. Para essas pessoas a luminosidade é muito importante, deixe sempre uma quantidade adequada de luz;

    Se você tiver um aluno com baixa visão, sempre que for escrever na lousa escreva com letras bem grandes e deixe seu aluno sempre na primeira fi leira;

    Se tiver um aluno cego, verbalize tudo que for necessário, mesmo o que você está escrevendo na lousa;

    Lembre-se de que o aluno cego ou com baixa visão precisa sempre de descrições claras para que ele consiga entender a linha de raciocínio, por isso evite frases como “conforme o gráfi co”, “veja aqui” ou “olhe este lado de cá”. Estas frases são questões de localização e não dizem nada para a pessoa cega, então diga “à esquerda”, “à direita”, “ao norte”, “ao sul ”; ...

    Sempre que possível transforme as informações visuais em informações táteis, a sua criatividade contará muito neste processo;

    Não fale com a pessoa cega como se ela fosse surda; o fato de não ver não signifi ca que ela não ouça bem;

    Se o cego estiver acompanhado de um guia ou companheiro, não se dirija a eles como se o cego não tivesse condições de entender ou de se expressar, dirija-se diretamente ao cego;

    Quando chegar à sala de aula ou na recepção e seu aluno cego estiver lá, não deixe de se anunciar, isso auxilia na sua identifi cação;

    Sempre que possível disponibilize material de aula em braile, em áudio ou ampliado para os alunos de baixa visão ou cegos;

    Você não precisa mudar a sua linguagem para evitar palavras como “ver” e substituí-la por “ouvir”.

    3 - Defi ciência Física

    Esta defi ciência é caracterizada pela perda ou alteração física, temporária ou permanente, que limita ou impede o desempenho motor de determinada pessoa. Dependendo do tipo da defi ciência, serão necessários alguns recursos especiais, tais como a cadeira de roda ou as bengalas.

    A pessoa com defi ciência física geralmente consegue realizar com autonomia todas as atividades do dia-a-dia, desde que os ambientes sejam acessíveis.

    Dicas:

    Veja se a sala de aula está adaptada adequadamente para receber um aluno com defi ciência física, evitando barreiras que possam impedir sua locomoção;

    Posicione o aluno adequadamente de modo que ele consiga te ver e ver a lousa sem nenhuma barreira visual;

    Se o aluno tiver difi culdade na fala decorrente da defi ciência - alguns tipos de defi ciência física comprometem a fala - e você não compreender imediatamente o que ele está dizendo, peça que ele repita. Nunca tente adivinhar o que o aluno está falando, tenha paciência e escute no tempo do aluno o que ele tem a dizer;

    Para a pessoa que está em uma cadeira de rodas é muito incômodo fi car olhando para cima por muito tempo, portanto se for uma conversa individual sente-se para fi car na mesma altura do aluno;

    Pessoas com paralisia cerebral podem ter difi culdades para andar, fazer movimentos involuntários com pernas e braços ou fazer expressões estranhas com o rosto. Não se intimide com isso, pois elas simplesmente não conseguem controlar seus movimentos.

    Anotações

    Veja os seguintes tópicos que ajudarão na sua organização do tempo:

    • 1 - Chegar 15 minutos antes da primeira aula do dia

    Uma boa aula só será ministrada se o Educador estiver na franquia pelo menos 15 minutos antes do início. Este procedimento garante que os recursos necessários à aula sejam providenciados, equipamentos testados, aula recapitulada, pincéis, apagador e outros recursos disponibilizados. Além de ser o tempo necessário para que o educador se apresente devidamente composto;

    • 2 - Utilizar integralmente o planejamento padrão

    Além de garantir a qualidade das aulas, o planejamento padrão, disponível no site Microlins, Pedagógico, materiais pedagógicos, prevê com exatidão o início e fi nal de cada módulo, garantindo que a franquia não tenha prejuízos por turmas que terminam antes ou depois do prazo vendido. Vale lembrar que é direito do consumidor comprar, por exemplo, 72 horas, e tê-las integralmente - nem mais nem menos. Mais uma razão é que os planejamentos e conteúdos Microlins foram feitos visando ao mercado consumidor, dando apenas o que o cliente necessita para exercer as profi ssões, diminuindo assim o tempo de curso e não “enrolando” o cliente com conteúdos não utilizáveis;

    • 3 - Preencher o diário de classe e a lista de chamadas (para turmas abertas até 31/12/2006) e a Ficha

    de aula (para turmas abertas a partir de 01/01/2007) todos os dias e corretamente

    O diário de classe é o registro legal de tudo o que acontece nas aulas - deve ser preenchido ao fi nal de cada aula. A lista de presença também deve ser preenchida ao fi nal da aula, pois se o aluno não obtiver 75% de presença no módulo, não é aprovado, independente de notas. Os dois documentos são emitidos pelo Sistema de Gerenciamento Escolar Microlins. A Ficha de Aula deve ser trocada aula a aula, visto que é impressa uma folha para cada dia;

    • 4 - Aplicar o método padrão de avaliação de aluno

    As avaliações são as ferramentas mais importantes que possuímos para saber se o aluno absorveu o conteúdo proposto. Existem três tipos de avaliações que devem gerar uma média fi nal por módulo:

    a) Avaliação Formativa b) Trabalhos e Exercícios c) Subjetiva. Os conceitos de cada tipo constam do Manual do Educador, página 4 (disponível no site Microlins, Universidade Corporativa, Manuais);

    • 5 - Usar o uniforme padrão e se portar de acordo com as normas existentes

    Um bom profi ssional refl ete sucesso - o mesmo sucesso que nossos clientes esperam um dia alcançar. Um bom profi ssional se veste de acordo com os padrões da empresa (uniforme) e se porta seguindo as orientações da empresa.

    • 6 - Comunicar antecipadamente as ausências e entregar atestados comprovando-as

    Ausências de Educadores são sempre problemas que podem ser amenizados com comunicação antecipada, dando tempo ao Coordenador Pedagógico de conseguir Educador substituto. Os alunos jamais deverão ser dispensados das aulas. Na falta de hipóteses, uma palestra envolvendo a matéria deverá ser dada. Veja no Manual do Educador, página 6 (disponível no site Microlins, Universidade Corporativa, Manuais), as situações de ausências e procedimentos adotados. As ausências por motivos de saúde deverão ser atestadas formalmente ao Coordenador Pedagógico;

    • 7 - Ter comportamento “vendedor”, causando rematrículas de alunos

    Um Educador-vendedor necessariamente não passa o tempo todo oferecendo produtos - ele possui a capacidade e criatividade de enxergar oportunidades nos alunos. Por exemplo, em uma aula de Turismo, na qual termos em inglês são focados, o Educador poderá falar do curso New Generation da Microlins, recomendando aos alunos que ampliem seu currículo fazendo este curso. Durante o curso, numa aula de Info, há a possibilidade de demonstrar softwares como o Corel Draw e outros, incentivando os alunos a continuarem a fazer o curso Webdesigner após a conclusão do Info, e assim por diante. Também o Educador consegue detectar habilidades ou necessidades dos alunos e encaminhá-los a outros cursos. Isso fortalece a franquia e garante a fi delização do cliente, uma vez que é muito caro colocar novos clientes na empresa, enquanto a rematrícula não gera custos - é uma questão de bom senso!;

    • 8 - Reter 100% da turma até o fi nal do curso

    A retenção de alunos signifi ca aulas dadas com qualidade, profi ssionalismo e entusiasmo. Existem diversas medidas para combater a evasão de alunos no Manual de Retenção, disponível no site Microlins, Universidade Corporativa, Manuais. Todas devem ser rigorosamente seguidas. Não é possível a conformação com uma turma que inicia com 20 alunos e termina com 13 - algo está muito errado! Vale lembrar que o aluno que sai falará mal da empresa para muito cliente em potencial;

    • 9 - Cumprir rigorosamente o andamento das aulas e término dos módulos

    Os cursos Microlins têm dia exato para começar e para acabar, mostrando efi ciência na gerência e qualidade de ensino, pois sabemos aonde queremos chegar. Estes prazos devem ser rigorosamente obedecidos, sob pena de haver reclamações em órgãos de defesa do consumidor, prejuízos pela indisponibilidade de salas para novas turmas, etc.;

    • 10 - Promover visitas técnicas para cada turma

    Visitas técnicas são oportunidades para o aluno familiarizar-se com o futuro ambiente de trabalho. O Educador, com anuência do Coordenador Pedagógico, é o responsável por promover estas visitas, devidamente comunicadas aos pais dos alunos em caso de menoridade. Por exemplo, para Turismo e Hotelaria, visitas técnicas a hotéis, restaurantes, etc. Para Webdesigner, fazer visitas a agências publicitárias, gráfi cas, editoras, etc.;

    • 11 - Preparar as aulas com antecedência

    Todas as aulas devem ser preparadas com antecedência, prevendo recursos e solicitando-os com tempo hábil ao Coordenador Pedagógico. Uma aula-show somente acontece se planejada, pensada e até mesmo ensaiada com muita antecedência. Olhar para o conteúdo 10 minutos antes não é planejar - não resolve nada;

    • 12 - Conhecer totalmente as atribuições do Educador

    O Manual do Educador contém informações valiosas para o sucesso profi ssional. Deve ser a “bíblia” do Educador Microlins - fi car em local de fácil acesso ou até mesmo cada Educador ter o seu e ser constantemente revisto. Está disponível no site Microlins, Universidade Corporativa, Manuais;

    • 13 - Ter a certifi cação Microlins quando disponível para seu curso

    Todo Educador Microlins deve ser certifi cado pelo processo videotreinamento + certifi cação on-line. Os vídeos estão disponíveis na franquia e a certifi cação deve ser feita somente após assistir ao vídeo. Dessa maneira, a franqueadora consegue transmitir a ideologia e metodologia do curso e garantir que todos procedam da mesma maneira;

    • 14 - Utilizar em sala de aula os materiais didáticos (apostilas) existentes

    É obrigação contratual utilizar, em sala de aula, as apostilas do curso. Devem ser encaradas como material de apoio e como roteiro. Materiais extras disponíveis no site Microlins, pedagógico, materiais pedagógicos, também devem ser utilizados;

    • 15 - Ministrar aulas obedecendo rigorosamente os horários de início e término

    Não existe empresa competente que inicia suas atividades sem uma periodicidade de horários. Não há aula decente se não começa rigorosamente no horário defi nido - é um compromisso, um pacto, feito entre alunos, Educador e Franquia. Também o término no horário garante o início correto da aula seguinte. Caso não seja respeitado, resultará num processo em cadeia, prejudicando todas as turmas do dia;

    • 16 - Participar de todas as reuniões dentro e fora da franquia quando convocado pelo Coordenador

    Pedagógico

    Reuniões e treinamentos são essenciais para direcionamento do trabalho, correções, proposta e avaliação de metas, solução de problemas de relacionamento, ampliação de horizontes, atualização de conhecimentos e novas metodologias, compartilhamento de conhecimento, etc. Podem ser presenciais ou por audioconferência;

    • 17 - Utilizar recursos pedagógicos nas aulas (TV, vídeo, retroprojetor, DVD, etc.)

    Recursos pedagógicos são instrumentos que facilitam a transmissão de conteúdo. Por exemplo: TV e vídeo, retroprojetor, fi tas de vídeo, slides, cartolinas, equipamentos, etc. Devem ser utilizados nas aulas de maneira a diversifi car os meios de transmissão de informações e estimular o gosto pelo conteúdo;

    • 18 - Entrar em contato com alunos faltantes imediatamente após a ausência

    Se um aluno faltar deve ser contatado no dia seguinte pelo próprio Educador, pois é quem mais o conhece e tem intimidade para averiguar as causas. Deve ser uma ligação de um amigo, preocupado pela ausência e com intenção de marcar reposição ou ajudá-lo de alguma maneira a não desanimar, afi nal momentos ruins todos temos. Executando este simples procedimento, praticamente eliminamos as desistências, pois o aluno se sente especial, único - como sempre deve ser;

    • 19 - Acessar constantemente o site Microlins, pedagógico assim como hot sites dos cursos

    Acessando o site e os hot sites, você verá as atualizações e os materiais novos, e também terá conhecimento de onde encontrar cada material;

    • 20 - Incentivar e averiguar se os alunos estão freqüentando o curso de digitação oferecido pelo

    curso que está fazendo

    O curso de digitação é um dos benefícios da rede Microlins, é importante que o Educador verifi que e incentive seus alunos a freqüentá-lo explanando o retorno que terão em sua vida profi ssional;

    • 21 - Incentivar e averiguar se os alunos estão freqüentando o plantão de dúvidas oferecido pelo

    seu curso

    O plantão de dúvidas é importantíssimo para o nosso aluno Microlins, pois nele revisará todo o conteúdo adquirido na semana, o Educador tem por obrigação incentivar o averiguar se seus alunos estão freqüentando-o;

    • 22 - Informar e explanar sobre os benefícios do Aluno Microlins

    O Aluno Microlins só tem a ganhar com todos os benefícios oferecidos pela rede, mas para isso ele deve conhecê-los, cabe ao Educador informar e explanar sobre todos sempre que achar necessário;

    • 23 - Ter ciência de que o aluno saiba qual o objetivo do seu curso

    O Educador tem por obrigação saber se seu aluno conhece o objetivo do curso que está realizando, ou seja, em que tipo de profi ssional está se qualifi cando e em quais áreas poderá atuar;

    • 24 - Identifi car se há algum aluno não satisfeito com o curso, a fi m de encaminhá-lo a outro

    Ninguém melhor do que o Educador para identifi car se o aluno está ou não gostando do curso escolhido ou mesmo que tenha o perfi l para ele. Ao se identifi car esses casos o Educador deve, junto com o Coordenador Pedagógico, encaminhar o aluno a outro curso oferecido pela rede, evitando assim a desistência;

    • 25 - Promover, junto com o Coordenador Pedagógico, Workshops e Feiras

    O Educador deve ajudar o Coordenador Pedagógico na realização de workshops e feiras a fi m de demonstrar todos os cursos oferecidos pela franquia e os trabalhos realizados pelos alunos.

    Anotações

    Monitor

    Pode ser que na franquia onde você vai ministrar aulas haja um Monitor, ou poderá implantar isso depois. Veja quais são as funções dele e como ele poderá te ajudar:

    • 1 - Chegar 15 minutos antes da primeira aula do dia

    A necessidade de chegar com 15 minutos de antecedência se deve ao fato de haver tempo para a preparação e arrumação da sala refl etindo organização e efi ciência;

    • 2 - Checar com antecedência as instalações e equipamentos para a aula

    Os equipamentos devem ser ligados e testados antes de iniciar as aulas, para que o aproveitamento dos 90 minutos seja total, uma vez que o conteúdo é exatamente adequado para o tempo - quaisquer interrupções atrapalham o curso inteiro;

    • 3 - Auxiliar na resolução de exercícios durante as aulas

    O Monitor deverá, durante a aula, auxiliar os alunos na resolução dos exercícios propostos pelo educador, além de ajudar a manter o bom andamento da mesma;

    • 4 - Cuidar do laboratório de informática

    O Monitor precisa manter o laboratório de informática em perfeito estado de funcionamento, detectando defeitos e acionando o Coordenador Pedagógico para a chamada de técnicos que possam resolvê-los. Quando possível, o Monitor também pode resolver pequenos problemas, se for de seu conhecimento;

    • 5 - Auxiliar os alunos nas aulas de digitação, disponibilizando o software e coordenando os horários

    Nas sextas-feiras e/ou em outro dia que a franquia disponibiliza seu laboratório para as aulas de digitação, o Monitor permanece durante seu horário de trabalho auxiliando e disponibilizando aos alunos os softwares e recursos necessários para suas aulas de digitação, prática de exercícios ou acesso à Internet. Deve manter a turma em silêncio e disciplinar os alunos a utilizarem o laboratório como se fosse uma biblioteca;

    • 6 - Auxiliar os Educadores em suas tarefas, exceto ministrar aulas

    Qualquer ajuda que os Educadores necessitarem (ex.: fotocópias, buscar retro, etc.) deverão contar com os Monitores. Em hipótese alguma o monitor dará aulas, mesmo emergenciais como em falta não prevista pelo Educador;

    NOTA:

    Apesar de ser um aluno, o Monitor não poderá se comportar como tal durante suas atribuições profi ssionais. É necessário ter postura, pois será um futuro educador.

    Lei nº9394, de 20 de novembro de 1996

    Estabelece as diretrizes e bases da educação profi ssional

    CAPÍTULO III

    Da Educação Profi ssional

    Art. 39. A educação profi ssional, integrada às diferentes formas de educação, ao trabalho, à ciência e à tecnologia, conduz ao permanente desenvolvimento de aptidões para a vida produtiva.

    Parágrafo único. O aluno matriculado ou egresso do ensino fundamental, médio e superior, bem como o trabalhador em geral, jovem ou adulto, contará com a possibilidade de acesso à educação profi ssional.

    Art. 40. A educação profi ssional será desenvolvida em articulação com o ensino regular ou por diferentes estratégias de educação continuada, em instituições especializadas ou no ambiente de trabalho.

    Art. 41. O conhecimento adquirido na educação profi ssional, inclusive no trabalho, poderá ser objeto de avaliação, reconhecimento e certifi cação para prosseguimento ou conclusão de estudos.

    Parágrafo único. Os diplomas de cursos de educação profi ssional de nível médio, quando registrados, terão validade nacional.

    Art. 42. As escolas técnicas e profi ssionais, além dos seus cursos regulares, oferecerão cursos especiais, abertos à comunidade, condicionada a matrícula à capacidade de aproveitamento e não necessariamente ao nível de escolaridade.

    Anotações

    DECRETO N.º 2.208, DE 17 DE ABRIL DE 1997

    Regulamenta o § do art.36 e os arts. 39 a 42 da Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

    O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição,

    DECRETA:

    Art. A educação profi ssional tem por objetivos:

    • I - promover a transição entre a escola e o mundo do trabalho, capacitando jovens e adultos com conhecimentos e habilidades gerais e específi cas para o exercício de atividades produtivas;

      • II - proporcionar a formação de profi ssionais, aptos a exercerem atividades específi cas no trabalho,

    com escolaridade correspondente aos níveis médio, superior e de pós-graduação;

    • III - especializar, aperfeiçoar a atualizar o trabalhador em seus conhecimentos tecnológicos;

    IV - qualifi car, reprofi ssionalizar e atualizar jovens e adultos trabalhadores, com qualquer nível de escolaridade, visando a sua inserção e melhor desempenho no exercício do trabalho.

    Art.A educação profi ssional será desenvolvida em articulação como o ensino regular ou em modalidades que contemplem estratégias de educação continuada, podendo ser realizada em escolas do ensino regular, em instituições especializadas ou nos ambientes de trabalho.

    Art. A educação profi ssional compreende os seguintes níveis:

    • I - básico: destinado à qualifi cação, requalifi cação e reprofi ssionalização de trabalhos, independentes de escolaridade prévia;

      • II - técnico: destinado a proporcionar habilitação profi ssional a alunos matriculados ou egresso de

    ensino médio, devendo ser ministrado na forma estabelecida por este Decreto;

    • III - tecnológico: corresponde a cursos de nível superior na área tecnológica, destinados a egressos

    do ensino médio e técnico.

    Art. 4º A educação profi ssional de nível básico é modalidade de educação não-formal e duração variável, destinada a proporcionar ao cidadão trabalhador conhecimentos que lhe permitiam reprofi ssionalizar-se, qualifi car-se e atualizar-se para o exercício de funções demandadas pelo mundo do trabalho, compatíveis com a complexidade tecnológica do trabalho, o seu grau de conhecimento técnico e o nível de escolaridade do aluno, não estando sujeita à regulamentação curricular.

    §As instituições federais e as instituições públicas e privadas sem fi ns lucrativos, apoiadas fi nanceiramente pelo Poder Público, que ministram educação profi ssional deverão, obrigatoriamente, oferecer cursos profi ssionais de nível básico em sua programação, abertos a alunos das redes públicas e privadas de educação básica, assim como a trabalhadores com qualquer nível de escolaridade.

    §Aos que concluírem os cursos de educação profi ssional de nível básico será conferido certifi cado de qualifi cação profi ssional.

    Art. A educação profi ssional de nível técnico terá organização curricular própria e independente do ensino médio, podendo ser oferecida de forma concomitante ou seqüencial a este.

    Parágrafo único: As disciplinas de caráter profi ssionalizantes, cursadas na parte diversifi cada do ensino médio, até o limite de 25% do total da carga horária mínima deste nível de ensino, poderão ser aproveitadas no currículo de habilitação profi ssional, que eventualmente venha a ser cursada, independente de exame específi cos.

    Art. A formulação dos currículos plenos dos cursos do ensino técnico obedecerá ao seguinte:

    I - o Ministério da Educação e do Desporto, ouvido o Conselho Nacional de Educação, estabelecerá diretrizes curriculares nacionais, constantes de carga horária mínima do curso, conteúdos mínimos, habilidades e competências básicas, por área profi ssional.

    II - os órgãos normativos do respectivo sistema de ensino complementarão as diretrizes defi nidas no âmbito nacional e estabelecerão seus currículos básicos, onde constarão as disciplinas e cargas horárias mínimas obrigatórias, conteúdos básicos, habilidades e competências, por área profi ssional;

    III - o currículo básico, referido no inciso anterior, não poderá ultrapassar setenta por cento da carga horária mínima obrigatória, fi cando reservado um percentual mínimo de trinta para que os estabelecimentos de ensino, independente de autorização prévia, elejam disciplinas, conteúdos, habilidades e competências específi cas da sua organização curricular;

    §Poderão ser implementados currículos experimentais, não contemplados nas diretrizes curriculares nacionais, desde que previamente aprovados pelo sistema de ensino competente.

    §Após avaliação da experiência e aprovação dos resultados pelo Ministério da Educação e do Desporto, ouvido o Conselho Nacional de Educação, os cursos poderão ser regulamentados e seus diplomas passarão a ter validade nacional.

    Art. Para a elaboração das diretrizes curriculares para o ensino técnico, deverão ser realizados estudos de identifi cação do perfi l de competências necessárias à atividade requerida, ouvidos os setores interessados, inclusive trabalhadores e empregadores.

    Parágrafo único. Para atualização permanente do perfi l e das competências de que trata o caput, o Ministério da Educação e do Desporto criará mecanismos institucionalizados, com a participação de professores, empresários e trabalhadores.

    Art. Os currículos do ensino técnico serão estruturados em disciplinas, que poderão ser agrupadas sob a forma de módulos.

    §No caso de o currículo estar organizado em módulos, estes poderão ter caráter de terminalidade para efeito de qualifi cação profi ssional, dando direito, neste caso, a certifi cado de qualifi cação profi ssional.

    §Poderá haver aproveitamento de estudos de disciplinas ou módulos cursados em uma habilitação específi ca para obtenção de habilitação diversa.

    §Nos currículos organizados em módulos, para obtenção de habilitação, estes poderão ser cursados em diferentes instituições credenciadas pelos sistemas federal e estaduais, desde que o prazo entre a conclusão do primeiro e do último módulo não exceda cinco anos.

    §O estabelecimento de ensino que conferiu o último certifi cado de qualifi cação profi ssional expedirá o diploma de técnico de nível médio, na habilitação profi ssional correspondente aos módulos cursados, desde que o interessado apresente o certifi cado de conclusão do ensino médio.

    Art. As disciplinas do currículo do ensino técnico serão ministradas por professores, instrutores e monitores selecionados, principalmente, em função de sua experiência profi ssional, que deverão ser preparados para o magistério, previamente ou em serviço, através de cursos regulares de licenciatura ou de programas especiais de formação pedagógica.

    Parágrafo único. Os programas especiais de formação pedagógica a que se refere o caput serão disciplinados em ato do Ministério de Estado da Educação e do Desporto, ouvido o Conselho Nacional de Educação.

    Art. 10º Os cursos de nível superior, correspondentes à educação profi ssional de nível tecnológico, deverão ser estruturados para atender aos diversos setores da economia, abrangendo áreas especializadas, e conferirão diploma de Tecnólogo.

    Art. 11º Os sistemas federal e estaduais de ensino implementarão, através de exames, certifi cado de competência, para fi ns de dispensa de disciplinas ou módulos em cursos de habilitação do ensino técnico.

    Parágrafo único. O conjunto de certifi cados de competência equivalente a todas as disciplinas em módulos que integram uma habilitação profi ssional dará direito ao diploma correspondente de técnico de nível médio.

    Art. 12º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 17 de abril de 1997; 176ª da Independência e 109ª da República.

    FERNANDO HENRIQUE CARDOSO - Presidente da República

    PAULO RENATO SOUZA - Ministro de Estado da Educação e Cultura

    Anotações:

    Anotações:

    Anotações:

    Anotações:

    Anotações:

    Anotações: