Você está na página 1de 21
DIREITO CONSTITUCIONAL I Prof. Carlos Alberto Lima de Almeida

DIREITO CONSTITUCIONAL I

Prof. Carlos Alberto Lima de Almeida

DIREITO CONSTITUCIONAL I Prof. Carlos Alberto Lima de Almeida

ROTEIRO DE APOIO

ROTEIRO DE APOIO Advertência: a disponibilização aos alunos do roteiro de apoio utilizado pelo professor para

Advertência: a disponibilização aos alunos do roteiro de apoio utilizado pelo

professor para o desenvolvimento do conteúdo programático da disciplina não exclui a leitura do PLANO DE AULA, bem como da legislação, jurisprudência, bibliografia básica e complementar indicadas.

Esse é apenas um material de apoio. Logo, antes de cada aula faça a leitura

do PLANO DE AULA correspondente e complemente seu estudo realizando a leitura da bibliografia básica e complementar.

Se você encontrar algum erro de digitação ou tiver qualquer contribuição para a melhoria desse material ou dúvida sobre a matéria escreva para o professor.

Cordialmente, Carlos Alberto Lima de Almeida carlosalberto.limadealmeida@gmail.com

O PODER CONSTITUINTE

O PODER CONSTITUINTE

O PODER CONSTITUINTE O estudo do Direito Constitucional nos leva, inevitavelmente, a pergunta: quem elabora

O PODER CONSTITUINTE

O estudo do Direito Constitucional nos leva,

inevitavelmente, a pergunta: quem elabora a Constituição? A partir de quais critérios? Uma pessoa

sozinha a escreve, ou várias?

Todas estas questões nos remetem a noção de poder

constituinte, o poder que cria a Constituição.

A ideia de poder constituinte surge no século XVIII com o teórico Emmanuel Sieyés, contemporânea

A

ideia de poder constituinte surge no século XVIII com

o

teórico Emmanuel Sieyés, contemporânea a ideia de

constituição escrita.

O poder constituinte incorpora a vontade política,

sendo o fundamento de legitimidade manifestado no

documento Constituição para a configuração e finalidades do Estado, e como tal, da estrutura de seu

ordenamento jurídico. Em poucas palavras, ele é o

poder que elabora, em ocasiões excepcionais, as normas jurídicas de valor constitucional.

Esta definição foi desenvolvida por Emmanuel Sieyés em sua obra “¿Que é o terceiro Estado?”(“Qu’est

Esta definição foi desenvolvida por Emmanuel Sieyés

em sua obra “¿Que é o terceiro Estado?”(“Qu’est -ce

que le tiers État?”).

Escrita nos debates da Constituinte na França pós-

revolução, no século XVIII, a obra irá tratar do problema da titularidade do Poder Constituinte, que na

concepção do autor, residia na Nação.

O que se pretende com o estudo da titularidade do

poder constituinte é conhecer quem é o detentor do

poder soberano no Estado. Quem é legítimo para fazer

a constituição?

Mas o que é legitimidade? Legitimidade refere-se a todo comando que se reconhece como não

Mas o que é legitimidade?

Legitimidade refere-se a

todo comando que se reconhece como não arbitrário.

Por exemplo: se você vive em uma democracia e acredita que o povo é o detentor do poder soberano,

você cumpre as ordens daquele que foi eleito para

representá-lo porque este poder foi deferido ao representante por seu livre arbítrio, ou seja, esse

comando é válido porque teria emanado de um poder

que você reconhece como legítimo e não como um poder imposto a força.

Sendo assim, se vivemos em uma democracia o titular do poder soberano será o povo,

Sendo assim, se vivemos em uma democracia o titular do poder soberano será o povo, enquanto o agente

desse poder constituinte será a Assembleia Nacional

Constituinte eleita para os fins de fazer a Constituição em nome do povo.

Caso vivêssemos em uma Monarquia, o detentor do poder soberano seria o Rei e como tal, o legitimado do

poder constituinte.

Vemos este raciocínio presente no Preâmbulo de nossa

Constituição:

“Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado

“Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um

Estado Democrático, (

)”

Podemos dizer assim, que a titularidade do poder

constituinte que criou a Carta de 1988 reside, assim, no

povo.

Vemos também que o povo por completo não se reuniu

e votou ponto a ponto da elaboração da Constituição. Isto é, a Constituição foi feita por uma Assembleia de

representantes do povo.

Temos então que distinguir a titularidade do poder constituinte de seu exercício . O poder

Temos então que distinguir a titularidade do poder

constituinte de seu exercício. O poder Constituinte reside no povo e é exercido por meio de seus

representantes.

CLASSIFICAÇÕES DO PODER CONSTITUINTE Ainda que teoricamente só exista um poder constituinte, esta afirmação encontra

CLASSIFICAÇÕES DO PODER CONSTITUINTE

Ainda que teoricamente só exista um poder constituinte, esta afirmação encontra dificuldade de se sustentar, visto que encontramos no exercício deste poder duas manifestações distintas.

Uma, caracterizada por ser um poder inicial (não se funda em outro poder), ilimitado (não encontra limites

do direito positivo), incondicionada (sua manifestação

não é pré-fixada), conhecida como poder constituinte originário ou de fato.

“ O poder constituinte originário (também denominado inicial, inaugural, genuíno ou de 1.º grau) é

O poder constituinte originário (também denominado inicial, inaugural, genuíno ou de 1.º grau) é aquele que

instaura uma nova ordem jurídica, rompendo por completo

com a ordem jurídica precedente.

O objetivo fundamental do poder constituinte originário,

portanto, é criar um novo Estado, diverso do que vigorava em decorrência da manifestação do poder constituinte precedente.”(LENZA, 2012, p. 185).

O poder constituinte originário é um poder político, um

poder de fato. Não é um poder jurídico e nem poderia, pois

só a ordem jurídica a partir dele. Assim, também não possui

ordem jurídica que limite suas decisões e ações.

Num plano conceitual, os termos referentes ao poder constituinte originário de fato e originário são

Num

plano

conceitual,

os

termos

referentes

ao

poder

constituinte originário de fato e originário são sinônimos.

No entanto, comumente diz-se poder originário aquele que é fruto de um processo democrático, que possui uma origem numa deliberação. Exemplo seria nossa atual Constituição Federal de 1988, que foi resultado de Assembleias Constituintes convocadas para tal fim.

Por outro lado, diz-se poder de fato aquele que se configura

por uma situação real e acaba por atuar como constituinte, não necessariamente fruto de deliberação. É o caso, por exemplo, da Constituição de 1937, outorgada por Getúlio Vargas com a implantação do Estado Novo.

A outra forma de poder constituinte é a chamada derivada , caracterizada por ser fruto

A outra forma de poder constituinte é a chamada derivada, caracterizada por ser fruto da rigidez constitucional, já submetida a uma ordem jurídica. Esta ordem permite a este poder derivado atuar para modificar a Constituição por meio de um processo legislativo.

Em nossa Constituição o processo e manifestação desse

poder encontra-se no art. 60, subordinada as limitações

circunstanciais, formais e materiais (art. 60, §1º,2º e 3º, CRFB/88), impostas pelo poder constituinte originário e

condicionada a sua manifestação. Este poder é conhecido

como poder constituinte derivado ou reformador ou de direito.

Além da classificação entre poder originário e poder derivado, podemos falar também em um poder

Além da classificação entre poder originário e poder

derivado, podemos falar também em um poder decorrente.

Se o poder constituinte originário optar ainda por criar um Estado Federal vislumbra-se o surgimento do poder

constituinte derivado decorrente.

Este poder por ser derivado do originário possui as

características de ser secundário, subordinado e

condicionado, podendo ser definido como a autorização de autonomia aos Estados-Membros para se auto-

organizarem através de suas Constituições Estaduais,

como também para reformá-las.

Poder Constituinte • Originário: inicial, ilimitado, incondicionado. • Derivado: secundário, limitado,

Poder Constituinte

Originário: inicial, ilimitado, incondicionado.

Derivado: secundário, limitado, condicionado a ordem

trazida pelo poder originário, destina-se a modificação da constituição.

Decorrente: secundário, limitado, destina-se a

organização de ente federativo, limitado a ordem federal imposta pelo poder originário.

Derivado decorrente: secundário, limitado,

condicionado a ordem trazida pelo poder originário, destina-se a modificação da constituição criada pelo poder decorrente.

QUESTÕES

QUESTÕES

QUESTÃO DISCURSIVA 1 Tramita no Congresso Nacional proposta de Emenda Constitucional convocando uma nova Revisão

QUESTÃO DISCURSIVA 1

Tramita no Congresso Nacional proposta de Emenda

Constitucional convocando uma nova Revisão

Constitucional nos moldes do artigo 3º da ADCT.

A referida proposta de Emenda Constitucional prevê a

realização de Referendo para a entrada em vigor dos dispositivos alterados pela Assembleia Revisora. É

legítima tal proposta?

QUESTÃO DISCURSIVA 2 A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, no exercício do

QUESTÃO DISCURSIVA 2

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, no

exercício do Poder Constituinte Derivado Decorrente

inseriu no texto da Constituição Estadual norma que

assegurava aos candidatos aprovados em concurso público, dentro do número de vagas obrigatoriamente

fixado no respectivo edital, o direito ao provimento no

cargo no prazo máximo de cento e oitenta dias, contado da homologação do resultado.

É Constitucional tal artigo da Constituição do Estado do Rio de Janeiro?

BIBLIOGRAFIA UTILIZADA NESTA AULA, NA

PESQUISA E CONFECÇÃO DO MATERIAL

Material didático fornecido pela Universidade Estácio

de Sá Coordenação do Curso de Direito

CANOTILHO, J. J. Gomes. Direito Constitucional.

Coimbra: Livraria Almedina, 1993.

LENZA, PEDRO. Direito Constitucional Esquematizado,

São Paulo: Saraiva, 2012.

Disciplina: DIREITO CONSTITUCIONAL I Professor: CARLOS ALBERTO LIMA DE ALMEIDA Email:

Disciplina:

DIREITO CONSTITUCIONAL I

Professor:

CARLOS ALBERTO LIMA DE ALMEIDA

Email:

Facebook:

Carlos Lima de Almeida