Você está na página 1de 4

Meio Ambiente: Ecologia e Poluição

RESUMO
As atividades industriais cresceram nos últimos anos e atraíram consigo novos problemas devido à
eliminação de rejeitos. A eliminação desses subprodutos é atualmente um dos mais importantes
assuntos de controle da poluição, e existe uma preocupação muito grande com o alto consumo dos
recursos hídricos e o tratamento das águas residuárias. As empresas buscam alternativas para o
tratamento adequado em relação aos despejos. Uma das formas de se evitar os efeitos danosos
desses lançamentos sobre o ambiente consiste na remoção da matéria orgânica através de sistemas
de tratamento por lodo ativado.
Palavras-chave: Poluição; Tratamento de Efluentes; Lodo Ativado.

1 INTRODUÇÃO
A explosão demográfica que ocorre neste século, associada a fatores como a intensa
industrialização, carência de alimentos, poluição e exaustão dos recursos naturais, que
relacionados entre si, têm provocado, nos últimos anos, grande preocupação com o meio
ambiente, em particular a água. Dentro desta realidade, a degradação ambiental tem se agravado,
particularmente, no que se refere à poluição dos recursos hídricos.
O desenvolvimento industrial vem se caracterizando como uma das principais causas para o
agravamento desse problema, pois seus processos geram diferentes tipos de resíduos e efluentes
na forma líquida, sólida e gasosa, que geralmente são descartados, de maneiras inadequadas.
Todos os setores da sociedade geram resíduos seja ele industrial, comercial ou doméstico. A
implementação de técnicas de produção mais limpa pode prevenir a geração da maior parte dos
resíduos industriais, mas, em circunstâncias comuns, algum resíduo sempre é gerado durante os
processos produtivos. No Brasil as indústrias não podem colocar os efluentes líquidos por elas
gerados em contato com o ambiente extra fabril sem que sejam devidamente tratados, exceto em
casos em que as características desses efluentes estejam em conformidade com as exigências
legais, o que dificilmente acontece.

2 POLUIÇÃO E SANEAMENTO BÁSICO


Poluição é a presença ou introdução, no meio ambiente, de substâncias nocivas à saúde humana,
animal e às plantas, ou que prejudicam o equilíbrio ecológico. A poluição da água é a
contaminação dos recursos hídricos. Devido ao crescimento populacional e aos padrões de vida
mais elevados exigem maior demanda de recursos hídricos. Com isso a qualidade da água tanto
superficial e subterrânea, tantos dos mares quanto de rios e lagoas, é prejudicada.
Em países nos quais não há tratamento adequado de água e esgotos, a poluição da água utilizada
pela população pode contribuir para a disseminação da Cólera, do Tifo e da Malária, assim como
ser responsável por doenças parasíticas aquáticas como a esquistossomose, que afeta
aproximadamente 200 milhões de pessoas em todo o mundo.
Saneamento é o conjunto de medidas, visando a preservar ou modificar as condições do ambiente
com a finalidade de prevenir doenças e promover a saúde. Saneamento básico se restringe ao
abastecimento de água e disposição de esgotos, mas há quem inclua o lixo nesta categoria.
Normalmente qualquer atividade de saneamento tem os seguintes objetivos: controle e prevenção
de doenças, melhoria da qualidade de vida da população, melhorar a produtividade do indivíduo e
facilitar a atividade econômica.

3 TRATAMENTO DE EFLUENTES
Os processos de tratamento de efluentes visam reduzir a emissão de substâncias poluentes na
atmosfera, solo ou corpos d'água. As emissões decorrem principalmente de processos industriais,
esgoto doméstico, veículos automotores e atividade agrícola.
Os poucos tratamentos de Efluentes existentes eram jogados sem maiores conseqüências nos
cursos de água processando-se a depuração por vias naturais onde um grande volume de água
limpa e oxigenada diluía a pouca carga. Os microorganismos se encarregavam facilmente da
degradação deste alimento inesperado sem interferir com a vida aquática. O aumento da
população e da atividade industrial, entretanto, trouxe volumes de efluentes e esgotos em
quantidade obrigando a construção de estações de tratamento para evitar maiores impactos
ambientais, mortandade de peixes, mau cheiro e epidemias. O Tratamento de Efluentes e
Tratamento de Esgotos podem ser tratados por via aeróbia, anaeróbia ou sistemas combinados.

Em geral se usam diferentes grupos de organismos para reduzir a carga orgânica sendo utilizada
com alimento. A rapidez de redução da carga orgânica em sistemas aeróbios é pelo menos 30 vezes
mais rápida vindo daí o potencial de uso dos sistemas desenvolvidos.

4 LODO ATIVADO
O marco inicial do processo é datado provavelmente de três de abril de 1914, quando dois
pesquisadores ingleses, Edward Ardern e William Lockett, apresentaram à Sociedade de Química
Industrial de Londres, um resumo do seu trabalho chamado, ¨Experiências sobre a oxidação do
Esgoto sem a intervenção de Filtros ¨. Até o fim da segunda guerra mundial, o dimensionamento
das estações de tratamento permaneceu muito prudente. Apenas após este período
desenvolveram-se os sistemas de alta carga com a utilização de tanques combinados, chamado
“lodo ativado” porque era suposta a produção de uma massa ativada de microrganismos capaz de
estabilizar um resíduo por via aeróbia.
O sistema de lodos ativados é amplamente utilizado, a nível mundial, para o tratamento de
despejos domésticos e industriais, em situações em que são necessárias umas elevadas qualidades
do efluente e reduzidos requisitos de área.
Lodo ativado é um processo de tratamento biológico de efluentes destinado à remoção de
poluentes orgânicos biodegradáveis. O processo baseia-se na oxidação da matéria orgânica por
bactérias aeróbias e facultativas em reatores biológicos seguido de decantação. O lodo decantado,
ou lodo ativado retorna ao reator biológico onde, em fase endógena, é misturado ao efluente
bruto rico em poluentes orgânicos, aumentando assim a eficiência do processo. O processo de
lodos ativados consiste em se provocar o desenvolvimento de uma cultura microbiológica na forma
de flocos (lodos ativados) em um tanque de aeração, que é alimentada pelo efluente a tratar.
Neste tanque, a aeração tem por finalidade proporcionar oxigênio aos microorganismos e evitar a
deposição dos flocos bacterianos e os misturar homogeneamente ao efluente. Esta mistura é
denominada "licor". O oxigênio necessário ao crescimento biológico é introduzido no licor através
de um sistema de aeração mecânica, por ar comprimido, ou ainda pela introdução de oxigênio
puro.
O licor é enviado continuamente a um decantador (decantador secundário), destinado a separar o
efluente tratado do lodo. O lodo é recirculado ao tanque de aeração a fim de manter a
concentração de microorganismos dentro de uma certa proporção em relação à carga orgânica
afluente
Os sistemas de tratamento de esgotos por lodos ativados são os mais amplamente empregados no
mundo todo, principalmente pela alta eficiência alcançada associada à pequena área de
implantação requerida, quando comparada a outros sistemas de tratamento (Bento 2000).

4.1 TIPOS DE LODOS ATIVADOS

CONVENCIONAL
O sistema é composto por decantação primária, tanque de aeração (reator biológico e sistema de
aeração) e decantação secundária. O excesso de lodo ativado, produzido no processo, é enviado
para uma etapa de estabilização complementar (tratamento do lodo), por conter ainda um elevado
teor de matéria orgânica na sua composição. Esta variante do processo de lodos ativados é
utilizada de preferência em estações de grande porte.
AERAÇÃO PROLONGADA
A aeração prolongada é uma variação do processo, na qual a biomassa permanece no reator
biológico por um período maior, implicando na necessidade de um reator de maiores dimensões.
Havendo menos matéria orgânica (alimento) por unidade de volume de tanque de aeração, as
bactérias passam a utilizar nos seus processos metabólicos a própria matéria orgânica componente
de suas células para sobreviverem. Com isso, matéria orgânica celular é convertida em gás
carbônico e água através da respiração, promovendo a estabilização da biomassa no próprio
tanque de aeração, não necessitando da etapa de estabilização complementar do lodo. A aeração
prolongada é um processo de tratamento de efluentes eficiente na remoção de DBO, embora exija
mais área de construção e tenha maior consumo de energia elétrica, quando comparado ao
processo convencional.

BATELA
Este sistema é adequado para instalações de pequeno e médio porte, havendo apenas uma unidade
onde se processam as reações biológicas e a etapa de decantação secundária no interior do mesmo
tanque. Estas passam a ser seqüências no tempo e não mais unidades distintas. A biomassa
permanece no tanque e não há necessidade de sistema de recirculação de lodo.
Os ciclos de operação são bem definidos: enchimento, oxidação biológica, sedimentação,
esvaziamento e repouso. Em sistemas que recebem esgotos de forma contínua há a necessidade de
mais de uma unidade trabalhando em paralelo.

ALTA CARGA
Variação do processo no qual se aplica uma elevada carga de matéria orgânica por unidade de
volume no reator biológico. Como conseqüência, temos um alto valor da relação alimento/
microrganismo (F/M), com um tempo de residência hidráulica relativamente pequeno. O reator
biológico trabalha com concentrações elevadas de sólidos suspensos.
Neste tipo de reator a mistura eficiente é muito importante. A eficiência de remoção de DBO é
equivalente à das demais variantes dos lodos Ativados. Este tipo de reator é na maioria das vezes
utilizado em combinação com outros processos biológicos complementares.

5 REAPROVEITAMENTO DOS EFLUENTES

Os efluentes líquidos podem ser reaproveitados para fins não potáveis, sofrendo, caso necessário,
um tratamento adequado. As indústrias procuram reutilizá-los em torres de resfriamento,
caldeiras, água de processamento, construções civis e outros fins que não necessitem de uma
elevada qualidade da água.

6 CONCLUSÃO
Tratar os efluentes liquidos é uma medida fundamental para a preservação do meio ambiente, se
não tiver tratamento adequado, ele pode causar enormes prejuízos à saúde pública por meio de
transmissão de doenças.
O tratamento por lodos ativados talvez seja o sistema de bioremediação mais versátil e eficiente.
Este sistema opera com pouco substrato auxiliar e é capaz de remover a toxicidade crônica e
aguda, com um menor tempo de aeração. No lodo existe um grande número de espécies
bacterianas, além de fungos, protozoários e outros microorganismos, que podem favorecer a
redução de um grande número de compostos. Este tipo de processo, desenvolvido na Inglaterra no
início do século XX, vem sendo utilizado nos mais diversos tipos de efluentes, inclusive no
tratamento de esgotos sanitários.
No Brasil, existe hoje, um número considerável de unidades de tratamento de efluentes líquidos
com oxigênio puro. Este número, crescente, deve-se as necessidades de tecnologias mais limpas,
menores consumo de energia, menor necessidade de espaço, menor produção de lodo, para que
não traga graves conseqüências à degradação ambiental, com reflexos sobre os ecossistemas
existentes.
A poluição representa uma ameaça real à qualidade da água, à saúde e ao meio ambiente.

7 REFERÊNCIAS
ALÉMS, S. P. Estudo dos fatores que influem no desempenho do processo de lodos ativados:
determinação de parâmetros de projeto para esgotos predominante domésticos. Revista DAE, 132,
1983.
BENTO, A. P. Caracterização da. Microfauna na Avaliação da Remoção de Nitrogênio e Matéria
Orgânica em um Sistema de Tratamento por Lodos Ativados. In:IX SILUBESA – Simpósio Luso-
Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, p.678-687, 2000.
BRAILE, P. M. Manual de Tratamento de Águas Residuárias Industriais. São Paulo: CETESB, 1979.
BRANDÃO, H. L. Simulação numérica da biodegradação de efluentes líquidos; multicomponentes
em rios. Dissertação apresentada à UFSC para obtenção do título de Mestre em Engenharia
Química, 1998.
COMPANHIA TECNOLÓGICA DE SANEAMENTO AMBIENTAL; Manual Técnico da Microbiologia para
Sistemas de Lodos Ativados Operados com Esgotos Domésticos. São Paulo: CETESB; 1988.
CHERNICHARO, C.A.L Princípios do Tratamento Biológico de Águas Residuárias, Reatores
Anaeróbios. , Belo Horizonte: DESA/UFMG; 1997.
FRUTUOSO, A. M. A; VASCONCELOS, J. D.; COSTA ESCALEIRA, R. P. Processos de Tratamento de
Águas Residuais. Engenharia do Ambiente: Escola Superior de Biotecnologia – Universidade Católica
Portuguesa, 1996 .
CETESB- Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental Site: http: //www. cetesb.sp.gov. br
< Acessado em 18/03/2009>.
CNRH- Conselho Nacional dos Recursos Hídricos Site: www.cnrh-srh.gov.br , < Acessado em
18/03/2009>.
MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Site: http: //www.mma.gov.br < Acessado em 18/03/2009>.
SECRETARIA DE RECURSOS HIDRICOS Site: http: //www.recursoshidricos.sp.gov.br <acessado em
15/03/2009>
SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA O GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO
PAULO Site: http: //www.sirgh.sp.gov. br, < Aessado em 25/03/2009>
http://pt.wikipedia.org/wiki/Esta%C3%A7%C3%A3o_de_tratamento_de_%C3%A1guas_residuais.<
Acessado em 24/03/2009>