Você está na página 1de 10

Práticas e Modelos de Auto-Avaliação.

Das Bibliotecas Escolares 2009

1.Contexto e Caracterização Geral


da Escola Informação resultante da Auto-Avaliação da BE Domínios/Subdomínios do MAAB

Tópicos Estabelecidos pela IGE

1.1 . Contexto Físico e Social Informação a ser fornecida pela direcção da escola

1.2. Dimensão e Condições Físicas da Em termos de espaço e de mobiliário a BE responde D. Gestão da BE


Escola às necessidades da escola/agrupamento. D.1.1- Integração/acção da BE na
Em termos de equipamentos tecnológicos (hardware e Escola/Agrupamento;
software), a BE está bem equipada, permitindo o D.2.3. Adequação da BE em termos de
cesso dos alunos à informação pretendida. No espaço às necessidades da
entanto, o acesso à Internet nem sempre é possível escola/agrupamento.
devido à fraca rede. D.2.4- Adequação dos computadores e
equipamentos tecnológicos ao trabalho da BE
e dos utilizadores na escola/agrupamento.

Isabel Monteiro
2009/2010
Práticas e Modelos de Auto-Avaliação. Das Bibliotecas Escolares 2009

1.1 Caracterização da População Informação a ser fornecida pela direcção da escola, no D. Gestão da BE
Discente entanto, o nível cultural é extremamente baixo ( a
maioria dos encarregados de educação possui apenas D.1.1- Integração/acção da BE na
o 4º ano). Escola/Agrupamento;
Há, ainda um elevado número de alunos com apoio
educativo que, muitas vezes é ministrado na BE.
1.4. Pessoal Docente A equipa da BE é constituída apenas por um D.1.2- Valorização da BE pelos órgãos de
elemento com 9 horas o que dificulta a realização de direcção, administração e gestão da
1.5. Pessoal Não Docente um trabalho mais rentável e eficaz. escola/agrupamento.
A BE não possui um assistente operacional a tempo
inteiro.
1.6. Recursos Financeiros Os órgãos de direcção, administração e gestão D.1.2- Valorização da BE pelos órgãos de
reconhecem com algumas limitações o valor da BE, direcção, administração e gestão da
apoiando com alguma verba para o seu escola/agrupamento
funcionamento.
A BE conta, ainda, com a verba do PNL e verbas de
actividades que realiza como a Feira do Livro, entre
outras.
A BE conta com uma verba anual para actualização da
colecção.

Isabel Monteiro
2009/2010
Práticas e Modelos de Auto-Avaliação. Das Bibliotecas Escolares 2009

2.O Projecto Educativo Informação resultante da Auto-avaliação da Domínios/Subdomínios do MAAB


BE

Tópicos Estabelecidos pela IGE

1.1. Prioridades e objectivos A BE colabora com o conselho pedagógico na


elaboração do Regulamento Interno e no Plano A1.1- Cooperação da BE com as estruturas de
Anual de Actividades. coordenação educativa;
A BE desenvolve não só um trabalho
sistemático de promoção da leitura com todas
as turmas da escola/agrupamento como no
desenvolvimento dos domínios do Modelo de
Auto-Avaliação da BE.

2.2. Estratégias e Planos de Acção A BE promove várias actividades B.3- Impacto do trabalho da BE nas atitudes e
desenvolvendo, essencialmente, o Domínio da competências dos alunos;
Leitura e da Literacia, criando contextos B.2- Integração da BE nas estratégias e
diversificados de leitura e de programas de leitura ao nível da
produção/comunicação da informação, escola/agrupamento.
recorrendo a suportes impressos e a ambientes C- Projectos, parcerias e actividades livres e de
digitais. Participa, ainda, em actividades abertura à comunidade.

Isabel Monteiro
2009/2010
Práticas e Modelos de Auto-Avaliação. Das Bibliotecas Escolares 2009
propostas pelos vários departamentos e C.1.2- Dinamização de actividades livres, de
desenvolve parcerias com o exterior. carácter lúdico e cultural.
A utilização da BE é rentabilizada em A.1.5- Integração da BE no plano de ocupação
actividades de estudo, leitura e pesquisa dos tempos escolares (OTE) da
orientada. escola/agrupamento.

Isabel Monteiro
2009/2010
Práticas e Modelos de Auto-Avaliação. Das Bibliotecas Escolares 2009

3.A Organização e Gestão da Escola Informação resultante da Auto-Avaliação da Domínios/Subdomínios do MAAB


BE

Tópicos Estabelecidos pela IGE

3.1. Estruturas de Gestão A BE está integrada no funcionamento global da C.1.1- Apoio à aquisição e desenvolvimento
escola/agrupamento, sendo, pelos órgãos de de métodos de trabalho e de estudo autónomos.
gestão, vista como uma mais valia no sucesso
educativo dos alunos.
C.1.2- Dinamização de actividades livres, de
3.2. Gestão Pedagógica A BE assume-se como um recurso activo ao carácter lúdico e cultural.
serviço da escola/agrupamento.
O professor bibliotecário tem assento no D1.3- Resposta da BE às necessidades da
conselho pedagógico. escola/agrupamento.
A BE articula actividades e projectos com a
escola e com o exterior. D.2.1- Liderança do professor bibliotecário na
O horário da BE nem sempre se adequa às escola/agrupamento.
necessidades da comunidade educativa, dada a
carência de recursos humanos. D.2.2- Adequação dos recursos humanos às
A BE faculta serviços de qualidade, embora o necessidades de funcionamento da BE na
fundo documental seja insuficiente. escola/agrupamento.

Isabel Monteiro
2009/2010
Práticas e Modelos de Auto-Avaliação. Das Bibliotecas Escolares 2009
A BE acompanha a formação de utilizadores,
assumindo-se como pólo cultural e pilar D.2.1- Liderança do professor bibliotecário na
do funcionamento da escola/agrupamento. escola/agrupamento.
A utilização da BE é bastante elevada para
trabalhos, leitura informal, pesquisa… D.2.2- Adequação dos recursos humanos às
A BE é frequentemente requisitada para o necessidades de funcionamento da BE na
trabalho nas aulas e, regularmente, são escola/agrupamento.
leccionadas aulas no espaço BE.
O professor bibliotecário possui formação e tenta
fazer uma gestão coerente e eficaz, procurando
mobilizar a escola para o valor e para o trabalho
com a BE.
A equipa da BE, apesar de muito reduzida, tenta
responder às solicitações dos utilizadores.

D.1.4- Avaliação da BE na escola/agrupamento.


3.3. Procedimentos de Auto-avaliação A BE desenvolve um sistema de auto-avaliação
Institucional e de melhoria contínuos, planificando e
projectando a sua acção com base nos dados
obtidos.

Isabel Monteiro
2009/2010
Práticas e Modelos de Auto-Avaliação. Das Bibliotecas Escolares 2009

4. Ligação à Comunidade Informação resultante da Auto-Avaliação da Domínios/Subdomínios do MAAB


BE

Tópicos Estabelecidos pela IGE

A BE desenvolve actividades abertas à C.2.4- Estímulo à participação e mobilização


comunidade educativa. dos pais/encarregados de educação no domínio

4.1. Articulação e participação dos pais e da promoção da leitura e do desenvolvimento

Encarregados de Educação na Vida da A BE está aberta ao exterior e envolve os de competências das crianças e jovens que

Escola encarregados de educação nas actividades. frequentam a escola/agrupamento.


C.2.5- Abertura da BE à comunidade local.

A BE estabelece fortes parcerias com outras


4.2. Articulação e Participação das entidades (Biblioteca Raul Brandão, Câmara B1- Trabalho da BE ao serviço da promoção da
Autarquias Municipal, Centro Cultural Vila Flor, Juntas de leitura.
Freguesia, actor João Lizardo, entre outras) e
envolve-se nos diferentes projectos da C.2.1- Envolvimento da BE em projectos e
escola/agrupamento. parcerias.
A BE apoia e incentiva o desenvolvimento do
PNL e do Substituir a Ler e/ou de outros C.2.5- Abertura da BE à comunidade local.
projectos e actividades na escola/agrupamento.

Isabel Monteiro
2009/2010
Práticas e Modelos de Auto-Avaliação. Das Bibliotecas Escolares 2009

5. Clima e Ambiente Educativos


Informação resultante da Auto-avaliação da Domínios/Subdomínios do MAAB
Tópicos Estabelecidos pela IGE BE

5.1. Disciplina e Comportamento Cívico A BE estimula o respeito pelos outros e A.1.2- Parceria da BE com os docentes
promove um leque de valores e de atitudes responsáveis pelas áreas curriculares não
indispensáveis à formação da cidadania, ao disciplinares.
saber estar e à aprendizagem ao longo da vida.
A.2.2- Promoção do ensino em contexto de
5. Clima e Ambiente Educativos A BE promove o ensino em contexto das competências de informação da
competências de informação, articulando, de escola/agrupamento.
forma contínua, com os docentes de línguas.
A BE tem um grande impacto nas competências B3- Impacto do trabalho da BE nas atitudes e
tecnológicas e de informação dos Alunos. competências dos alunos, no âmbito da leitura e
A BE motiva a comunidade escolar para as da literacia.
actividades que nela decorrem e recolhe C1.2- Dinamização de actividades.
sugestões de toda a comunidade educativa.
C1.4- Disponibilização de espaços e recursos
para a iniciativa e intervenção livre dos alunos.

Isabel Monteiro
2009/2010
Práticas e Modelos de Auto-Avaliação. Das Bibliotecas Escolares 2009

6. Resultados académicos Informação resultante da Auto-avaliação da Domínios/Subdomínios do MAAB


BE

Tópicos Estabelecidos pela IGE

6.1. Resultados académicos A.1. Articulação Curricular da BE com as


A BE desenvolve um trabalho de cooperação
Estruturas de Coordenação Educativa e
com as estruturas de coordenação educativa e
Supervisão Pedagógica e os Docentes.
de supervisão pedagógica da
escola/agrupamento.
A BE colabora com os docentes responsáveis
pelas ACND.
A BE colabora com os docentes responsáveis
pelos serviços de apoios especializados.
Os alunos reconhecem como muito importante
o papel da BE no desenvolvimento das suas
competências tecnológicas e de informação.
A BE colabora com os docentes no plano de
ocupação dos tempos escolares.
A BE colabora com os docentes na
concretização das actividades curriculares
desenvolvidas no espaço da BE ou tendo por
base os seus recursos.

Isabel Monteiro
2009/2010
Práticas e Modelos de Auto-Avaliação. Das Bibliotecas Escolares 2009

6.2. Resultados sociais da educação


A BE contribuiu para o desenvolvimento de A. 2. 5. Impacto da BE no desenvolvimento de
valores privilegiando o “saber ser” e o “saber valores e atitudes indispensáveis à formação da
estar” e promovendo o “saber fazer” quer de cidadania e à aprendizagem ao longo da vida.
forma autónoma quer em grupo.

Isabel Monteiro
2009/2010