Você está na página 1de 3

Automação

Automação
A conceituação mais antiga de automação, associada com a substituição de mão-de-obra
humana por máquinas, sem dúvida alguma pode ter seus méritos questionados, embora não seja
objeto de análise neste trabalho.
Dentro de uma visão mais atual, onde a automação é vista como uma abordagem estratégica
de produção que visa integrar ampla gama de novas tecnologias no processo produtivo, não se tem
dúvidas sobre seus benefícios, tanto econômicos quanto sociais.
O domínio dessa nova tecnologia trará vantagens competitivas para quem adotá-la, pois é
cada vez maior o nível de exigência dos consumidores quanto à qualidade, preços e flexibilidade
dos produtos.
A automação permite que novos padrões de qualidade sejam incorporados aos produtos, ao
mesmo tempo em que tornam extremamente flexível a produção, no sentido de possibilitarem
grandes variações nos produtos sem perda de produtividade, desafiando o conceito clássico de
produção em massa, que por tanto tempo foi um dos fatores principais da geração de riqueza nos
países altamente industrializados.
As tecnologias de processo são as máquinas, equipamentos e dispositivos que ajudam a
produção a transformar materiais e informações e consumidores de forma a agregar valor e atingir
os objetivos estratégicos de produção. Máquinas de fax, computadores, telefones móveis, robôs,
aparelhos de radiologia, aviões, retroprojetores, máquinas-ferramentas e máquinas de lavagem de
carros são todos exemplos de tecnologia de processo.
A automação é uma tecnologia que diz respeito à aplicação de sistemas mecânicos,
eletrônicos e computadorizados para operar e controlar a produção. Esta tecnologia inclui:
 máquinas ferramenta automáticas para processar peças
 máquinas automáticas para montagem
 robôs industriais
 sistemas automáticos de manuseio e estocagem de materiais
 sistemas automáticos para inspeção e controle da qualidade
 controle e feedback do processo por computador
 sistemas computadorizados para planejamento, coleta de dados e tomada de decisões para
apoiar atividades de produção
Existem basicamente três tipos de automação: fixa, programável e flexível.
 Automação fixa
É a característica de qualquer sistema onde a seqüência de operações seja fixada pela
configuração dos equipamentos. Tem como feição dominante o alto investimento inicial em
equipamentos, geralmente feitos sob encomenda para atender especificações de volume e produto
típicos de cada empresa. Possibilite altas taxas de produção, embora às custas de pouca flexibilidade
para acomodar mudanças nos produtos.
 Automação programável
O equipamento é projetado com a capacidade de mudar a seqüência de operações para
acomodar diferentes configurações de produtos. A operação é controlada por um programa préelaborado e novos programas podem ser preparados e colocados nas máquinas para produzir novos
produtos. Também exigem altos investimentos em equipamentos de uso geral (mais flexíveis do que
Página 1

melhor aproveitamento de matérias-primas. Essas operações consomem tempo. A opção por um sistema de produção A opção por um sistema de produção. Para volumes muito altos e variedade muito baixa. não se pode esquecer também que a automação retirou do trabalhador uma série de operações perigosas.Automação os feitos sob encomenda) e fornecem menores taxas de produção em relação à automação fixa. Também a preparação física da máquina deve ser mudada: novas ferramentas devem ser carregadas e novos acessórios devem ser fixados.  Automação flexível A automação flexível é capaz de produzir vários produtos ou peças com muito pouco tempo perdido na mudança de um produto a outro. na medida em que transfere a habilidade humana para a máquina. Embora opere com taxas médias de produção. Tal como nos sistemas de automação anteriores. ao invés de requerer que eles sejam feitos em lotes separados. sendo recomendáveis para a produção em lotes. Os programas são preparados à parte e transferidos eletronicamente para o sistema de produção. também sem tempo perdido na produção. ao invés de diminuí-lo. Robôs industriais e máquinas ferramenta de controle numérico são exemplos de sistemas programáveis. maior flexibilidade para lidar com mudanças nos produtos. Não há empo perdido na produção enquanto se reprograma o sistema e altera-se a preparação física. já que o crescimento da automação gera empregos na indústria de bens Página 2 . O sistema pode produzir várias combinações e programações de produtos. o que se consegue através de uma qualidade melhor dos produtos. Na verdade. estão as seguintes:  a automação degrada o trabalho. a contra argumentação é a de que são exatamente as tarefas mais simples e repetitivas as que são automatizadas. redução no ciclo de fabricação dos produtos e redução nos estoques de material em processo  pode ser uma saída quando do alto custo da mão-de-obra ou da relativa falta deste. graças à sua grande versatilidade em lidar com variações no projeto desses produtos. o sistema é programado para o novo produto. Entre as principais queixas contra a automação. Têm. no entanto. Sempre que se deseje produzir um lote novo. a questão do desemprego é em si mesma polêmica. Os sistemas programáveis são usados para volumes médios e pequenos de produção. que levam a uma grande produtividade da mão-de-obra e alta padronização de produtos. mais manualizado ou mais automatizado. depende em princípio tanto da variedade desejada nos produtos como no volume de produção. Também a preparação física é feita à parte e movida para o devido lugar ao mesmo tempo em que o novo produto (ou peça) entra na posição para processamento. são recomendáveis os sistemas de automação fixa. com o conseqüente aumento na segurança do trabalho. o que faz com que o ciclo de fabricação (tempo total decorrido entre o início e o término do produto) para um dado produto inclua um período para a preparação e a reprogramação. devido algumas vezes ao deslocamento da mão-de-obra para o setor de serviços da economia. o que distingue a automação flexível da automação programável são as capacidades da primeira em mudar programas de fabricação sem tempo perdido na produção e em mudar a própria preparação física das máquinas. Razões para a automação A principal razão para a automação:  aumento de produtividade e competitividade daí resultantes. os sistemas flexíveis têm capacidade para produzir continuamente composições variáveis de produtos. o investimento em equipamentos (também neste caso feito sob encomenda) é bastante alto. o que eleva o nível do trabalho.  a automação gera desemprego e conseqüentemente perda do poder aquisitivo. seguido por um período de produção do lote. Por último.

advindo daí o movimento de consumo que se multiplica por toda a economia.Automação de capital. gerando indiretamente empregos em outros setores (obviamente. mão-de-obra mais especializada). Página 3 .