Você está na página 1de 30

SAIS

Sólido Iónico
Nos sais, os iões encontram-se ligados
entre si por atracção electrostática e não
por partilha de electrões, como na ligação
covalente. A atracção electrostática
verifica-se em todas as direcções  cada
anião fica rodeado de vários catiões e cada
catião fica rodeado de vários aniões,
podendo formar-se uma estrutura Estrutura de um
sólido iónico
tridimensional, a que se chama “sólido
iónico”.
Ligação Iónica

Formação de cloreto de sódio


Arranjo espacial dos iões no cloreto de sódio

A – O empacotamento dos iões individuais na célula unitária.


B – Representação da estrutura em termos de pequenos pontos
que identificam os centros dos iões. As esferas vermelhas
representam catiões (Na+) e as azuis representam aniões (C-).
Nomenclatura de Sais
Na escrita das fórmulas de sais, colocam-se primeiro os símbolos dos
catiões e depois os dos aniões. As fórmulas dos sais escrevem-se de
maneira que as cargas totais, positiva e negativa sejam iguais em módulo,
pois os compostos iónicos são electricamente neutros.

Os nomes dos compostos iónicos formam-se a partir dos nomes do


anião e do catião unidos pela preposição “de”, segundo as regras da IUPAC
(União Internacional de Química Pura e Aplicada).
EXERCÍCIO 1
 Completa o quadro seguinte, atribuindo o nome e a fórmula química dos
sais representados:

Fórmula Química Nome


Mg(OH)2 Hidróxido de magnésio
Ca3(PO4)2 Fosfato de cálcio
Na2C2O4 Oxalato de sódio
Ca(HCO3)2 Hidrogenocarbonato de cálcio
A2O3.2H2O Óxido de alumínio dihidratado
KMnO4 Permanganato de potássio
CuSO4.5H2O Sulfato de cobre pentahidratato
Na2S2O3 Tiossulfato de sódio
Reacções de Ácido - Base

Ácido forte + Base forte  Sal + Água


Reagentes Produtos

Ácido Base Base Ácido


conjugada conjugado
Forte Forte Neutra Neutro

Fraco Forte Fraca Neutro

Forte Fraca Neutra Fraco


À temperatura de 25 ºC:

 Um sal obtido a partir de um ácido forte e de uma base forte


origina uma solução aquosa de pH = 7.

 Um sal proveniente de um ácido fraco e de uma base forte


origina uma solução aquosa de pH  7, ou seja, uma solução
básica.

 Um sal obtido a partir de uma base fraca e de um ácido forte


origina uma solução aquosa de pH  7, ou seja, uma solução
ácida.

 Um sal proveniente de um ácido fraco e de uma base fraca


origina uma solução aquosa de pH depende das forças relativas
do ácido e da base.
Comportamento ácido – base das soluções de sais

Sal Característica da solução


Anião Catião
Conjugado Conjugado Solução neutra
de ácido de
forte base forte
Conjugado Conjugado Solução alcalina
de de
ácido fraco base forte
Conjugado Conjugado Solução ácida
de de
ácido forte base fraca
Conjugado Conjugado Ka do catião = Kb do anião  Solução neutra
de de Ka do catião  Kb do anião  Solução alcalina
ácido fraco base fraca
Ka do catião  Kb do anião  Solução ácida
EXERCÍCIO 2

 Classifica as soluções aquosas de sais que se


seguem como ácidas, básicas ou neutras.
a) CaCO3
b) NH4C
c) MgSO4
CHUVA ÁCIDA
CHUVA NORMAL

O limite inferior e actual do pH da água da chuva “normal”


é 5,6, a 25º C.

A acidez da chuva “normal” deve-se à dissolução do dióxido


de carbono atmosférico pela água da chuva:

CO2(g) + H2O()  H2CO3 (aq)

H2CO3 (aq) + H2O()  HCO3-(aq) + H3O+(aq)


CHUVA ÁCIDA
A chuva ácida tem um pH inferior a 5,6 , a 25º C.

Nomes Propriedades Fontes


Gás tóxico, cheiro -Produção de energia
SO2 intenso, incolor -Processos industriais
SOx -Transportes
Gás tóxico, incolor -Vulcões
SO3

NO
Gás tóxico, incolor -Transportes
-Produção de energia
NOx Gás tóxico de cor -Processos industriais
NO2 avermelhada -Fogos florestais
Deposição seca / deposição húmida

- deposição húmida: como chuva, nevoeiro e neve


- deposição seca: como deposição de matéria particulada

A combinação destas duas formas de precipitação sobre a


superfície da Terra é conhecida por chuva ácida.
Óxidos de enxofre, SOx
Depois de ser lançado para a atmosfera, o dióxido de enxofre
(SO2), tanto pode ser depositado na superfície terrestre
através da deposição seca como combinado com a água,
incorporando a deposição húmida

Equações químicas que ocorrem:

SO2(g) + H2O()  H2SO3(aq) forma-se o ácido sulfuroso

SO3(g) + H2O()  H2SO4(aq) forma-se o ácido sulfúrico


Óxidos de azoto, NOx

A produção de monóxido de azoto resulta da reacção entre o


azoto e o oxigénio existentes na atmosfera. Esta reacção
ocorre no interior de motores de veículos motorizados e em
motores industriais:
N2(g) + O2(g)  2 NO(g)

O ácido nitroso e o ácido nítrico, formam-se pelas reacções


dos óxidos de azoto com a água, que são aceleradas pela luz
solar, o que se traduz pelas seguintes equações químicas:

NO(g) + ½ O2(g)  NO2(g)


2 NO2(g) + H2O(g)  HNO2(aq) + HNO3(aq)
NO2(g) + HO-(g)  HNO3(g)
Efeitos causados pelas chuvas ácidas
- destruição de florestas;

- acidificação da água de lagos e de rios, provocando a morte


de peixes, plantas aquáticas e microorganismos;

- aumento da lixiviação de solos alcalinos por reacção de


ácido - base;

- reacção com alguns metais, deteriorando construções


metálicas e pinturas de automóveis;

- reacção com mármores e materiais calcários, provocando a


deterioração do património natural e/ou edificado.
Deterioração de estátuas e monumentos
Os ácidos que entram na composição da chuva ácida, reagem com
a calcite do mármore e com o calcário das estátuas e/ou
monumentos, corroendo-os:
CaCO3(s) + H2SO4(aq)  H2O() + CO2(g) + CaSO4(s)

O sulfato de cálcio que se forma por ser pouco solúvel em água,


leva à formação de depósitos sólidos nas fendas e poros das
pedras, provocando a sua deterioração.
Deterioração de metais

Os ácidos sulfúrico e nítrico presentes nas chuvas ácidas


atacam também alguns metais, fazendo aumentar a velocidade
de corrosão de estruturas metálicas, libertando-se hidrogénio:

Equações químicas:

H2SO4(aq) + Fe(s)  FeSO4(s) + H2(g)

2 HNO3(aq) + Mg(s)  Mg(NO3)2(s) + H2(g)


Efeitos das chuvas ácidas no mundo

1) No Sul da Noruega, cerca de 80% dos lagos estão


“mortos”.
2) Na Suécia, há cerca de 20000 lagos acidificados, dos
quais 4000 se encontram sem peixe.
3) Na China, chuvas com pH inferior a 4,5 amarelecem os
arrozais.
4) Nos Estados Unidos, gastaram-se milhões de dólares a
reparar a Estátua da Liberdade.
5) No Brasil, a chuva no estado de São Paulo tem um pH
anual médio inferior a 4,5.
Minimização/ controlo dos efeitos da chuva ácida

A nível pessoal: deve ser divulgado, ampliado e apoiado o


esforço para a utilização de energias renováveis e menos
agressivas para o ambiente (geotérmica, das marés, solar,
eólica e hidroeléctrica em pequenas barragens).

A nível social, a utilização de transportes colectivos,


sobretudo de tracção eléctrica, além de aumentar o nível de
qualidade de vida, reduz o gasto de combustíveis e, portanto,
diminui a poluição e em especial as chuvas ácidas e o efeito de
estufa.
Minimização/controlo dos efeitos da chuva ácida

A nível industrial, existem muitas soluções, tais como:

- usar carvão sem enxofre;


- proceder à “limpeza” dos efluentes gasosos;

- utilizar diferentes processos tecnológicos;


- usar fontes de energias alternativas;

- diminuir os consumos de energia;


- reduzir as emissões de certos poluentes, nomeadamente dos
óxidos de enxofre e de azoto.
1) Uma forma de reduzir as emissões de SOx é usar
combustíveis com baixo teor de enxofre.

Juntando calcário durante a combustão: o enxofre reage com


o calcário e a formação de sulfito de cálcio origina a retenção
do enxofre. Com excesso de oxigénio produz-se também
gesso:
CaCO3(s) + SO2(g)  CaSO3(s) + CO2(g)

CaSO3(s) + ½ O2(g)  CaSO4(s)


gesso

A remoção de enxofre pode ainda ser feito apenas no final da


combustão, e neste caso, os gases são lavados com uma
suspensão de carbonato de cálcio.
2) Podem ainda ser instalados filtros especiais nas chaminés
das fábricas.

3) Cerca de 90% dos óxidos de azoto poderão ser


transformados, não indo para a atmosfera, se os automóveis
usarem conversores catalíticos nos tubos de escape.

Os catalisadores químicos contidos nos tubos de escape


permitem a reacção entre os óxidos de azoto, monóxido de
carbono e combustível não queimado.

Equação química:

NOx + CHx + CO  CO2 + H2O + N2


4) Por forma a controlar os prejuízos causados pela chuva
ácida, são adicionadas grandes quantidades de cal aos lagos
afectados de forma a neutralizar a água daqueles lagos.

A reacção em causa é:

Ca(OH)2(s) + 2H3O+(aq)  Ca2+(aq) + 4H2O()

Os agricultores também adicionam cal aos solos como


forma de minorar a sua acidez.
Transnacionalidade da poluição / chuva ácida
A chuva ácida é considerada um problema global, pois
atravessa as fronteiras de quem polui (transnacionalidade da
poluição) devido aos ventos dominantes da região poluidora.

A chuva ácida pode ocorrer a grandes distâncias das fontes


poluidoras do ar. As enormes chaminés, com as quais se
pretende evitar a poluição local, contribuem para que isso
aconteça, pois lançam os fumos nas correntes altas de vento.
Medidas para minorar os efeitos das chuvas ácidas
- Em 1956, estabeleceu-se em Londres a chamada Lei de ar puro, depois de
milhares de pessoas terem morrido num terrível smog que se estendeu pela
cidade durante vários dias, em Dezembro de 1952.

- Em 1950, estabeleceu-se em Pittsburgh, nos EUA, um programa idêntico ao


anterior, dado que dois anos antes se tinha verificado ali uma situação de
calamidade análoga.

- Em 1979, em Genebra, celebrou-se um acordo envolvendo de início 35


países, regulando as medidas destinadas a diminuir a poluição.

- Em 1984, os representantes de dez dos países mais industrializados fundam


no Canadá o “Clube dos 30%”, ao qual aderem depois outros países (finalidade
de reduzir no mínimo de 30% até 1993, as emissões de óxidos de enxofre, e,
em seguida, as dos óxidos de azoto).
Para muita gente, a degradação do ambiente é inaceitável e
luta-se cada vez mais por um melhor resultado no combate à
poluição.
“ A Terra é demasiado importante para que o seu futuro
seja deixado só a cargo dos políticos ou dos ecologistas. A
responsabilidade é de todos nós…”

Para reduzir as emissões e/ou os efeitos dos contaminantes


atmosféricos, é necessário não só identificá-los, como
também conhecer a sua origem e o modo como reagem. Só
assim poderão ser seleccionados os processos químicos
mais adequados, no sentido de melhorar o ambiente.

Conclui-se pois que é fundamental o conhecimento


químico na resolução de problemas ambientais.