REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AB’SÁBER, A. N. The Caatinga Domain. in: S. MONTEIRO, S. KAZ, L. (eds.)
Caatinga- Sertão, Sertanejos. Rio de Janeiro: Livroarte. p 47-55, 1995.
AGUIAR, R.B. et al. Evolução do conhecimento geológico e hidrogeólogico na Bacia
Sedimentar do Araripe. In: XIV Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas. Curitiba.
Anais do 14º Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas. São Paulo: ABAS. p.1-19.
2006. Disponível em;
http://aguassubterraneas.abas.org/asubterraneas/article/view/22998 Acessado:
06/07/2013.
ALBUQUERQUE, M. Horticultores pré-históricos do Nordeste. Arquivos do Museu de
História Natural, Belo Horizonte, v. 8/9, p. 131-134, 1983/1984.
ALBUQUERQUE, M. Reflexões em torno da utilização do antiplástico como elemento
classificat6rio da cerâmica pré-historica. CLIO, Revista do Mestrado em História da
UFPE, Recife. nº 6, p.109-112, 1984.
ALBUQUERQUE, M. Utilização de radiologia em cerâmica arqueológica. CLIO - Série
Arqueológica 2, Revista do Curso de Mestrado em História da UFPE, Recife, nº. 7, p.
145-155, 1985.
ALBUQUERQUE, M. Agricultura pré-histórica no Nordeste. Agreste, Recife, nº. 7, p.
25, out./nov. 1985.
ALBUQUERQUE, M. Ocupação Tupiguarani no Estado de Pernambuco. CLIO – Série
Arqueológica (Número extraordinário dedicado aos Anais do I Simpósio de Pré-história
do Nordeste Brasileiro). Recife, nº. 4, p. 115-116, 1991.
ALBUQUERQUE, M. Recomposição da forma em cerâmica Tupiguarani. CLIO – Série
Arqueológica (Número extraordinário dedicado aos Anais do I Simpósio de Pré-história
do Nordeste Brasileiro). Recife, nº. 4, p. 121-122, 1991a.
ALBUQUERQUE, M.; Recipientes cerâmicos de grupos Tupi, no Nordeste brasileiro.
In: PROUS, A.; LIMA, T.A. (org.) Os ceramistas Tupiguarani: sínteses regionais. Belo
Horizonte: Sigma, 2008.
ALBUQUERQUE, M.; LUCENA, V. Caçadores-coletores no agreste pernambucano:
ocupação e ambiente holocênico. CLIO – Série Arqueológica (Número extraordinário
dedicado aos Anais do I Simpósio de Pré-história do Nordeste Brasileiro). Recife, nº. 4,
p. 73-74, 1991a.
ALBUQUERQUE, M.; LUCENA, V. Agricultura tropical préhistórica (um sistema de
floresta úmida ou que integra o semiárido). Revista Ciência e Trópico, Recife, v.19,
nº.1, p. 7-33, 1991b.
ALMEIDA, F. O. de. O complexo Tupi na Amazônia Oriental. Dissertação (Mestrado
em Arqueologia). Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo –
MAE/USP, São Paulo, 2008.
ÁLVAREZ, P. F.; OUBIÑA, C. P. Proposals for an archaeological analysis of pathways
and movement. Archeologia e Calcolatori, nº18, p.121-140. 2007.
ALVES, M.A. “Teorias, métodos, técnicas e avanços na arqueologia brasileira”.
Canindé, Xingó, n° 2, p. 9-52. 2002.

AMICK, D. Technological organization and the structure of inference in lithic analysis:
an examination of Folsom hunting behavior in the American Southwest. In: CARR, P.
(Ed.) The organization of North American prehistoric chipped Stone tool technologies.
International Monographs in Prehistory, Archaeological Series 7. Ann Arbor, University
of Michican Press. p. 9-34. 1994.
ANDRADE, G. Os Climas. In: AZEVEDO, A (Org). Brasil: a terra e o homem. São
Paulo: Companhia Editora Nacional, p. 409-462.1968.
ANTHONY, D.W. Migration in Archeology: the baby and the bathwater. American
Anthropologist, v.92, p.895-910. 1990.
APPI, C. J. et al. Geologia da Bacia Sedimentar do Araripe. Petrobrás – CENPES –
DIVEX. Rio de Janeiro. 1990.
ARAUJO, A. G. de M. Teoria e método em Arqueologia regional: um estudo de caso no
alto Paranapanema, estado de São Paulo. Tese (doutorado em Arqueologia) – Museu
de Arqueologia e Etnologia – MAE, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.
ARAÚJO, S. M. S. de. O Pólo Gesseiro do Araripe: unidades geo-ambientais e
impactos da mineração. Tese (doutorado em Geociências). Universidade Estadual de
Campinas, Instituto de Geociências, Campinas, 2004
ARAÚJO, E.L.; SAMPAIO, E.V.S.B.; RODAL, M.J.N. Composição florística e
fitossociológica de três áreas de caatinga. Revista Brasileira de Biologia, v. 55, nº. 4, p.
595-607. 1995.
ASFORA, V. K. Fluorescência de raios x por dispersão de energia aplicada à
caracterização de tijolos de sítios históricos de Pernambuco. Dissertação (mestrado em
Ciências nucleares), Departamento de Energia Nuclear – UFPE, Recife, 2010.
ASHMORE, W. Social Archaeologies of Landscape. In: MESKEL, L.; PREUCEL, R. A
companion to social archaeology. Oxford: Blackwell Publishing. 2007
ASSINE, M. L. Sedimentação e tectônica da Bacia do Araripe. Dissertação (mestrado
em Geociências), Instituto de Geociências e Ciências Exatas - UNESP, Rio Claro, 1990.
ASSIS, V. S. Da espacialidade Tupinambá. Dissertação (Mestrado em História) -
Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1996.
AZEVEDO, L.R. de. Datação por termoluminescência de cerâmicas do sítio
arqueológico Aldeia do Carlos (PI). Dissertação (Mestrado em Ciências Nucleares),
Programa em Tecnologias Energéticas e Nucleares da UFPE, Recife, 2011.
BARNARD, H; WENDRICH, W. (ed.), The Archaeology of Mobility: Old World and
New World Nomadism. Los Angeles: University of California Press, 2008.
BARRETO, A. M. F. Interpretação paleoambiental do sistema de dunas fixadas do
médio Rio São Francisco, Bahia. Tese (Doutorado Geociências) Instituto de
Geociências/USP, São Paulo, 1996.
BARRETO, A. M. F. et al. Campo de Dunas Inativas do Médio Rio São Francisco, BA:
Marcante registro de ambiente desértico do Quaternário brasileiro In:
SCHOBBENHAUS,C. et al (ed.) Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil.
DNPM/CPRM - Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e Paleobiológicos (SIGEP),
Brasília, 2002, p.223-231.

Evolución cultural divergente en la Patagonia austral. Amsterdam: IOS Press. v. Academic Press. New York. C. Organization and formation process: looking at curated technologies. N. BONA. BINFORD. nº. A. BICHO. BELTRÃO. M. Recife. L. American Antiquity. p. Ra’e Ga.Q. BELL. p. p. 1990. 1988. Journal of Anthropological Research. CPRM. p.F. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2007.46. 1982. Mobility. housing and environment. SUDENE/PSU/SER. 8. MASCARENHAS. Áreas de exceção da Paraíba e dos Sertões de Pernambuco. et al. Willow smoke and dogs’ tails: hunter-gatherer settlement systems and archaeological site formation. B. Academic Press. de. 2004. Curitiba.19. et al. Geologia e estratigrafia da Chapada do Araripe. 2009.BARROS. Nova.R. L. Manual de arqueologia pré-histórica. BINFORD. M. nº1. L. 4. K.137- 145.). Recife. G. nº. 1983. LOCK. Anales del Instituto de la Patagonia. T. T. Lisboa: Edições 70. I. Sociedade Brasileira de Geologia. H. M.C. p. p. São Paulo. (orgs. Beyond the Map: Archaeology and spatial Technologies. 95- 101. Dissertação (mestrado em Ciências) -FIOCRUZ/ENSP: Rio de Janeiro. 2000. 1980. L. BORRERO. BERTRAND.133‐139. In: MELLO. 30.J. BINFORD. Journal of Anthropological Research. In: GARRETA. 4-20.3-20.45.35. 2005. 1979 BINFORD. usando fluorescência de raios x por dispersão de energia (edxrf) Quim. v. v. BELTRÃO. New York. L. 141-152. O. nº1. BEURLEN. BINFORD. Topographic and cultural influences on walking the Ridgeway in later prehistoric times In: LOCK. M. The Archaeology of Place. A.119-152.85-100. BASTOS. 1989‐90..1. Boletim. 1963. v. 05-31. Pré História do estado do Rio de Janeiro. A Gipsita na Região do Araripe. Working at archaeology. BELLELLI. Mobilidade humana no litoral brasileiro:análise de isótopos de estrôncio no sambaqui Forte Marechal Luz. 1978. 2006. M. 17. Brasil.Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares – USP.785-790. 2006. p. BONA.. 1989.) Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea – Pernambuco: Diagnóstico do município de Araripina. 255-272.. Congresso Nacional de Eologia. Análise arqueométrica de cerâmica tupiguarani da região central do estado do Rio Grande do Sul. Debating archaeology. A. L. G (Ed. nº. L.. La trama cultural:Textos de antropología y arqueologia. Núcleo Pernambuco. p. p. BINFORD. Journal of Anthropological Archaeology. G. Brasil. T. p. I. Paisagem e geografia física global: esboço metodológico. v. Estudo de assinaturas químicas em cerâmica da tradição Tupiguarani da região central do Estado do Rio Grande do Sul. Tese (doutorado em Ciências) . C. p. J. Buenos Aires: Ediciones Caligraf. 2001. Las teorías en Arqueología. L. nº3. .

A. J. C.) Estado da arte das pesquisas arqueológicas sobre a Tradição Tupigurani. Toldos. v. L. Caderno nº. Brasil. S.65-82. 2). Rio de Janeiro: Ed. BROCHADO. P. Urbana. BROCHADO. v. Recife. nº 2. nºVII. SCHMITZ. 727- 743. P. P.. BROCHADO. Ceramics and mobility: assessing the role of foraging behavior and its implications for culture-history. J.P. Publicação n. Datos para una secuenciaculturaldeI Estado de Rio Grande do Sul. 1990. 3). N. 1973a. Clio. BURMEISTER. 2ª edição. 2000. 1994. El poblamiento de la Patagonia. Archaeology and Migration: Approaches to an Archaeological Proof of Migration.P. J. p. Barcelona: Ariel.4. UGAN. A expansão dos Tupi e da tradição cerâmica Amazônica. M. An ecological model of the pread of pottery and agriculture into Eastern South America. Pré-História da Terra Brasilis. 1998‐9. G. Veritas v.University of Illinois. nº4.P. 1989. p.1972. BROCHADO. BUARQUE. 1999. BORRERO. Early patagonian hunter‐gatherer: subsistence and technology. M. . Arqueología de Estancia Alice. milodones y volcanes. 1980. p. 107-118. nº2. In: TENÓRIO. Desarrollo de la tradición alfarera Tupiguaraní (AD 500. BROCHADO.31‐48. 1973b. (org. p. p.P.BORRERO. J. 1997. v. A. 1977.. J. Da UFRJ. e NEUMANN. nº 104. p. A. Cuadernos del Instituto Nacional de Antropología y Pensamiento Latinoamericano v.47-60.. N. Tese (Doutorado em Arqueologia) . Juiz de Fora: Ed. Nova Série. BROCHADO. Gabinete de Arqueologia. P. A.307-320. Analogia etnográfica na reconstrução gráfica das vasilhas Guarani arqueológicas. 12.. J. 2000.539-567. UFJF. BROCHADO. Alimentação na floresta tropical. p. BROCHADO. L.7-39. Pesquisas arqueológicas em sítios Tupinambá em Araruama. In: LOURES OLIVEIRA. G.18. Dédalo. BORRERO. (Gabinete de Arqueologia. L. p.. J. Regras práticas na reconstrução gráfica das vasilhas de cerâmica Guarani a partir dos fragmentos. 37-64. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 1985. J.I.3. 20.. E. Lago Argentino. et al. MONTICELLI.. p. p. FRANCO. Relaciones – Sociedad Argentina de Antropología. R.57. P. 35. J. BROCHADO. v. BUNGE.1800). J. UTAH Archaeology. 2001. p.P. Journal of Anthropological Research. BRIGHT. Current Anthropology v.. La investigación científica. Buenos Aires. MONTICELLI. 1984. 2009.17-30. A tradição cerâmica Tupiguarani na América do Sul. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. A Cultura Tupinambá do Estado do Rio de Janeiro. nº27. P. Porto Alegre. São Paulo. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.219‐239.P. Migraciones que difundieron la tradición alfarera Tupiguarani. Buenos Aires: Emecé editiores. BUARQUE. Estudos Ibero-americanos.

Handbook of Landscape Archaeology. Beverly Hills: Sage Publications. Trás-os-Montes. I. 2001. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) Instituto Politécnico de Tomar/Universidade Trás-os-Montes e Alto D’ouro. Human Migration. 1989. p. Scientific Geography Series 7. CALZA. B.N. Models in archaeology. CHMYZ. Serie A: Forelesninger 20. Fluorescência de raio x aplicada à análise de bens culturais. CLARKE.A. 1-60. 1950. Institut for Sammenlignende Kulturforskning. G. G. traçando perspectivas: contributo da arqueologia experimental para a cerâmica Guarani. CERRILLO MARTÍN DE CÁCERES. Journal of Archaeological Method and Theory. 1994 CLARK. p. K. 1969. Brasilia.1-248.) The organization of North American prehistoric chipped stone tool technologies. CLARK. P. CHMYZ. Notas de viagem de um zoólogo à região das caatingas e áreas limítrofes. nº5. 1977.. In CLARKE. Pesquisas paleetnográficas efetuadas no Vale do Paranapanema. CHMYZ. Walnut Creek: Left Coast Press.47-54. Delineamento esquemático dos solos do Brasil. São Leopoldo. Prehistoric Migrations In Europe.. . E. Curitiba. C. Ann Arbor. v. Models and paradigns in contemporary archaeology. Curitiba: CEPA/UFPR. 2010. CARVALHO. Londres: Methuen & Co. BENNEMA. Paraná - São Paulo. 490-600. C. D. CAMARGO. v. Boletim de Psicologia e Antropologia. 1982. J. Curitiba: CEPA/UFPR. Terminologia arqueológica brasileira para a cerâmica. Archaeological Series 7. V. Michigan: University of Michigan Press.129-137. M. C. International Monographs in Prehistory. Manuais de Arqueologia I. 1994. In: DAVID. 2008/2009. J. W. Tracking Prehistoric Migrations: Pueblo Settlers among the Tonto Basin Hohokam. University of Arizona Press. Migration as an Explanatory Concept in Paleolithic Archaeology. J. I Terminologia arqueológica brasileira para a cerâmica. P. M. 2008. p. CARR. CLARKSON. CHILDE. D. CARBONERA. Lithics and Landscape Archaeology. F. J. 1966. J. THOMAS. 1966. M. Oslo. Arqueologia: uma ecología del hombre: método y teoria para um enfoque contextual. I.1. V. 1986. A tradição Tupiguarani no Alto Uruguai: estudando o “acervo Marilandi Goulart”.1.. Revendo problemáticas. In: CARR. CEREZER. Separata da Pesquisa Agropecuaria Brasileira. p. Cáceres. W. 1969. A. Fortaleza: Imprensa Universitária do Ceará. nº3. Tucson.. Universidade do Vale do Rio dos Sinos. p. Barcelona: Ediciones Bellaterra S. Technological organization and prehistoric hunter-gatherer mobility: examination of the Hayes site. Manuais de Arqueologia II. 9-34. Difusión como contacto cultural en arqueologia. p. A. J. p. NORBA. CLARK. nº4. Dissertação (Mestrado em História). 1972. nº 1.BUTZER. (Ed. Ltd..305-343. 2008. Boletim Eletrônico da ABRACOR.

(Rel. p. Pereira da. A. F. Sevilha. COOPER. p. HAUSER. 1999. Universidade de Sevilha. J. 2008. Caribbean Paleodemography: Population. Levantamento semidetalhado de solos e classificação de terras para irrigação. V. Tese (doutorado em Ciências). Téc.1. Limites y possibilidades de Arqueologia del Paisaje. In: CURET.39-56. Tuscaloosa: University of Alabama Press. 2005. Madrid. L. 1998. 6. Apoio técnico e institucional para o desenvolvimento do programa florestal da Chapada do Araripe em Pernambuco: Diagnóstico. A. Journal of Caribbean Archaeology. nº.. Codevasf. J. Estudo e Caracterização Física de Cerâmicas Indígenas Brasileiras. Universidade de São Paulo. 2009. M. CRUZ. M. Dissertação (mestrado em Arqueologia). Trabajos de Prehistoria. Poço Redondo. and Sociopolitical Processes in Ancient Puerto Rico. Recife. Del terreno al espacio: Planteamientos y perspectivas para La Arqueología del Paisaje. Trabajos de Prehistoria. and Interaction in the Caribbean. Special Publication. l993a. CURET. São Paulo. G. "La monumentalización dei paisaje: percepción y sentido original en el megalitismo de la Sisrra de Barbanza (Galicia)". Tuscaloosa: University of Alabama Press. nº50. nº 1. 13-21. A.CODEVASF. CRIADO BOAOO. 1983 – 1989. p. CURET. da. M.Criterios y convenciones en Arqueología Del Paisage.. Visibilidad y interpletation del registro arqueologico. Projeto Sertão de Pernambuco. VILLOCH VÁSQUEZ. Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo – MAE/USP. HAUSER. Dissertação (mestrado em Ecologia e Conservação) – Universidade Federal de Sergipe. CRIADO BOADO. Irving Rouse's Contribution to American Archaeology: The Case of Migration. A. 2011. Coleção Pernambucana. SPAL. . 2º fase. v. p. Madrid. F. 1998. 9-55. D. L. 2010. Anais Pernambucanos. Tuscaloosa: University of Alabama Press. Seafaring. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia – MAE. COSTA. PROJETEC). Recife: FUNDARPE. Lar. Instituto de Física da Universidade de São Paulo. 4. A. p. (eds) Islands at the Crossroads: Migration. CURET. 2011.55. F. 63-80. A. Santiago de Compostela: Grupo de Investigación en Arqueología del Paisaje. Sergipe : interpretações paleoambientais. DANTAS. W. Diretoria de Assuntos Culturais. CURADO. 5. L. Modelling mobility and exchange in Pre-Columbian Cuba: GIS led approaches to identifying pathways and reconstructing journeys from the archaeological record. 1993b. 6 e 10. 2010. and Interaction in the Caribbean. São Paulo. A. CRIADO BOADO. F. (eds) Islands at the Crossroads: Migration. doce lar? Arqueologia Tupi na bacia do Ji-Paraná (RO). v. TOMO II. 2007. nº3. Culture History. F. CRIADO BOADO. São Cristóvão. Seafaring. nº 2. Volumes: 2. CORRÊA. CAPA . W. São Paulo.122-137. CODEVASF. F. Trindade Megafauna pleistocênica da fazenda Charco. Universidad de Santiago de Compostela. Tetama nas matas mineiras: sítios Tupi na microregião de Juiz de Fora. L. Â. 2008.

Santa Catarina. EERKENS. A. EERKENS. Juiz de Fora:Ed. In: SILVA. p. 728-738.). n° 1. M. Sistema de assentamento e estilo tecnológico: Uma proposta interpretativa para a ocupação pré-colonial do Alto Vale do Rio dos Sinos. (org.2. K. In: SILVA. p. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. 2003.44.22. DI BACO. p. P. Dissertação (mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. (Ed. A. Características da tradição Tupiguarani no sudeste do Brasil In: PROUS.DE MASI. A. P. nº. Porto Alegre. A Tradição Tupiguarani no estado do Rio de Janeiro In: LOURES OLIVEIRA. 2007. DIAS. 1997 DIAS. 2003. Revista do CEPA. D.) Estado da arte das pesquisas arqueológicas sobre a Tradição Tupigurani.3. PANACHUCK. S. WENDRICH. 13/12C e 15/14N em estudos de sazonalidade. N. 206 – 233. S. M. J. p. Estudando a cerâmica pintada da Tradição Tupiguarani: a coleção Itapiranga. 2009. Revista de Arqueologia v. Os ceramistas Tupiguarani. S. Ciências Humanas. DIAS. p. A. DE OLIVEIRA. nº 5. O. Revista de Arqueologia. Estratégias para o uso sustentável da biodiversidade da caatinga. W. Das raízes da pesquisa arqueológica a Arqueologia processual: um esboço geral. LIMA. p. S. et al (Coord.A.C. R.C. 2008.21-62.91-116. Aplicações de isótopos estáveis de 18/16O. mobilidade e dieta de populações pré-históricas no sul do Brasil. T. DRUMOND. 2009. Volume I – Sínteses Regionais. Brasília: Ministério do Meio Ambiente/UFPE.). J. M. W. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Tese (doutorado em Arqueologia). UFJF. O.8. (ed. 2003. v. v. Current Anthropology. DRENNAN. 2003. The Archaeology of . nº2. Porto Alegre. New York: Springer. H. DIAS. L. p.2. DIAS. nº1. 2009. A. p.).113-132. 1995. A. The Origins of Pottery among Late Prehistoric Hunter-Gatherers in California and the Western Great Basin.A. H. In: BARNARD.59- 76. EERKENS.21. W. Considerações a respeito dos modelos de difusão da cerâmica Tupi-Guarani no Brasil.76.. TÓPOS v. Recomendações para o uso sustentável da biodiversidade da caatinga. J... v. 2009. J.55. J. A. Statistics for archaeologists: A Common Sense Approach. . M. Santa Barbara.M. HOELTZ. Belo Horizonte: Sigma.321- 346. Residential Mobility and Pottery Use in the Western Great Basin. p. v. DIAS. et al. 2008. Biodiversidade da Caatinga: áreas e ações prioritárias para a conservação. et al. 2000. 65-88. et al (Coord. Brasília: Ministério do Meio Ambiente/UFPE. Nomadic potters: relationships between ceramic technologies and mobility strategies.. p. Tese (Doctor of Philosophy in Anthropology) -University of California. O.). Biodiversidade da Caatinga: áreas e ações prioritárias para a conservação.M. W. Proposta metodológica para o estudo das indústrias líticas do sul do Brasil. Novas perguntas para um velho problema: escolhas tecnológicas como índices para o estudo de fronteiras e identidades sociais no registro arqueológico. et al. Belém. nº25.329- 340. DRUMOND.

p. Aplicações dos Sistemas de Informação Geográfica (SIG) à gestão dos recursos patrimoniais: o caminho primitivo de Santiago. 3 nº2.F. P.Chapada do Araripe: um estudo comparativo. M. Livraria Pioneira. Recursos Florestais/Agroenergia.Universidade Federal de Campina Grande. A Organização Social dos Tupinambá. Research design: the relationships between the primary functions na the physical properties of ceramic vessels and their implications for ceramic distributions on an archaeological site. Boletim de Pesquisa nº 11. Journal of Anthropological Archaeology. 7. (org.HEVARNE.263-285. Socialismo o Barbarie (Revista internacional de teoria y política de la corriente Socialismo o Barbarie). FAULKNER. Anthropology UCLA. Tese (doutorado em Recursos Naturais) . FERNANDES. et al. da. 2006. 1999-2000. M.44. A. M. et al. Petrolina: Centro de Pesquisa Agropecuária do Trópico Semi-Árido. EMBRAPA Solos. 2008. Campina Grande. nº 35. Gordon Childe y la arqueología marxista. Levantamento de Reconhecimento de Baixa e Média Intensidade dos Solos do Estado de Pernambuco. 307-326. p. 2009. F.HEVARNE. ETC. UFJF. Princípios e aplicações de espectroscopia de fluorescência de Raios X (FRX) com instrumentação portátil para estudo de bens culturais.) Estado da arte das pesquisas arqueológicas sobre a Tradição Tupigurani. São Paulo. Buenos Aires. FERNANDES. Crato e Barbalha (CE) e Marcolândia (PI) . W. J. Aumento da Oferta de Matéria-Prima de Base Florestal Sustentável para o Desenvolvimento Sócio-Econômico da Região do Araripe. 2007. São Paulo. Measuring prehistoric mobility strategies based on obsidian geochemical and technological signatures in the Owens Valley. F. Porto. A Função Social da Guerra na Sociedade Tupinambá. 1971. Os grupos Tupi na Bahia: uma abordagem arqueológica In: LOURES OLIVEIRA. nº 21. M. J. 74-98. J. FONTE. 2008/abr. 2009. ETC. C. Degradação ambiental e vulnerabilidades nos municípios de Araripina (PE).MAE/USP: São Paulo. Revista CPC. J. nº 22. São Paulo: Hucitec. Dissertação (Mestrado em Sistemas de Informação Geográfica e Ordenamento do Território) – Faculdade de Letras. 111-130. São Paulo. 2009.. p. E. 1970 . ERICSON. FAGUNDES. nº. Universidade do Porto. p. et al. A ocupação humana do Nordeste brasileiro antes da colonização portuguesa.668-680. p. nº. N. Juiz de Fora: Ed. Ceramic Production among Small-Scale and Mobile Hunters and Gatherers: A Case Study from the Southwestern Great Basin. v. P. p. p.84-96. Brasil. EMBRAPA. Sistema de assentamento e tecnologia lítica: organização tecnológica e variabilidade no registro arqueológico em Xingó. Rio de Janeiro: Embrapa Solos. M. 2011.Mobility: Old World and New World Nomadism. 2008. 112-141. FERRETTI. 1989. EERKENS. W. FERNANDES. Baixo São Francisco. 2008. 2002. California. C. nov. Tese (doutorado em Arqueologia) . . EERKENS. 2000. p. Revista da USP. Los Angeles: University of California Press.200–229. Journal of Archaeological Science.

HAURY. De onde surgem os modelos? As origens e expansões Tupi na Amazônia Central. S. HECKENBERGER.academia. HODDER. HODDER. INSTITUTO DOS MUSEUS E DA CONSERVAÇÃO. p. In: KENT. p. 2000. p. V.scielo. W.osgeo. (Ed) Migrations in New World Culture History.org [Último acesso em 12/08/2014].374-423. R. 1-6. Disponível em http://grass. HITCHCOCK.117-130. . São Paulo. Disponível em: http://www. 2012.GAFFNEY. University of Arizona Press. HILL.. University of Ljubijana.org.br/conteudo/ANAIS/CD_Virtual_26_RBA/foruns_de_pesqu isa/trabalhos/FP%2008/Texto_Danilo. 2012. Theoretical and Methodological Approaches to the Study of the Ceramics of Protohistoric Semi-Sedentary Hunter-Gatherers. D. 1987.. R. Disponível em: http://www. Reading the Past.academia. p. Cambridge: Cambridge University Press. K.edu/259586/Regional_Mobility_and_the_Sources_of_Und ecorated_Ceramics_Recovered_from_Southeastern_New_Mexico_and_West_ Texas acessado em 21 jul. In: REUNIÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA. C. G. NEVES.pdf Acesso em: 25 out. Beyond the Map: Archaeology and spatial Technologies. G (Ed. Lisboa: Cromotipo. Belém. V. 1990. 2013a. J.. v.. M. 1958. GALHARDO. “‘Cave canem!’: cuidado com os ‘Pronapianos’! Em busca dos jovens da arqueologia brasileira”. 2008..K. Z.2. Method and theory for activity area research. Porto Seguro. Revista de Antropologia. B. Ciências Humanas.abant. Geographic Resources Analysis Support System (GRASS) Software. Espaço e Tecnologia: Correlações a fim de Explicar a Variabilidade na Indústria Lítica do Sítio Cavalo Branco. A. n. Moving GIS: exploring movement within prehistoric cultural landscapes using GIS In: LOCK. University of Arizona Bulletin. Porto Seguro: ABA. Tucson.br HILBERT. disponível em: http://www..116-123. D. 2007. E. 29. J. Normas de Inventário – Arqueologia: cerâmica utilitária. H. HARRIS.edu/214159/Theoretical_and_Methodological_Approaches _to_the_Study_of_the_Ceramics_of_Protohistoric_Semi-Sedentary_Hunter- Gatherers acessado em 21 de jul. T. 41. 1986. 2013b. GRASS Development Team. V.). 26. 1991. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. 2007. Análisis Espacial en Arqueología. Evidence at Point of Pines for a Prehistoric Migration from Northern Arizona. D. New York: Columbia University Press. In: THOMPSON. v. Regional Mobility and the Sources of Undecorated Ceramics Recovered from Southeastern New Mexico and West Texas. 2008. Social Science Bulletin. nº1. Sedentism and site structure: organizational change in Kalahari residential locations. Yugoslavia: Znanstveni institut Filozofske fakultete. 1998 . Crítica. Amsterdam: IOS Press. HILL. Open Source Geospatial Foundation Project. PETERSEN. Barcelona: Ed. 1. ORTON. v. Disponível em http://www. STANCIC. I. I. E. Anais eletrônico. GIS approaches to regional analysis: A case study of the island of Hvar.

M. Journal of Anthropological Research.43-66. nº3. LATHRAP. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – Universidade Federal de Minas Gerais. T. Pernambuco. Anthropol. 2004. LA SALVIA. R. L. v. Impactos da modernização agrícola do Nordeste: Microrregião de Araripina.JACOBS. 1992. Contribuições para a pré-história pernambucana. 1949. F. West Indian Archaeology. LAFFOON. 5 e 6. P. 1975. A Problemática Arqueológica da tradição cerâmica Tupiguarani em Mato Grosso do Sul In: PROUS. Os ceramistas Tupiguarani. São Paulo: Liv.400-420. KASHIMOTO. RACE. LEAL. Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica. Lithic source use and paleoarchaic foraging territories in the Great Basin. CNPq/FACEPE. C. Cerâmica Guarani. Boise State University. v. C.T. F. D.. 1983 KELLY.68. C et al. p.5–38. p.P. p. KLAMT. World Archaeology. JÁCOME. 75-102. p. E. D. Ayquatiá da yapepó: estudo dos materiais utilizados na cerâmica pintada Tupiguarani de Minas Gerais. 2008-2009. v. Belo Horizonte. Modeling Dispersal in the Prehistoric West Indies.161-179. Tese (Doutorado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Hunter-gatherer mobility strategies. Journal of Archaeological Research. Estudos de organização social. KEEGAN. p. BROCHADO. P.149-178. J. Overview and Foragers. Recife: Secretaria de educação e cultura de Pernambuco. W. A.26. 1994. In PEARSON.R. Mobility/sedentism: concepts. Porto Alegre: Posenato Arte & Cultura. E.L. jan. Rev. vols. et al. Recife: Ed. Archaeological measures. 1989. et al. I.K. A. 2006. Recife: DCG/CFCH/UFPE.S. 2009. R. 2003. L. A nova classificação brasileira de solos. W. p. O superorgânico. G.F. KEEGAN. and effects. 2012 .T. R. 2012. v.39.255-284.G. Universitária da UFPE. 1975. Dissertação (mestrado em Arqueologia). p. Middle Snake River. JONES. J. Idaho. S. Leiden University. American Antiquity. G. Recife.). Annu. F. Porto Alegre.. et al. KROEBER. Unoesc. LIMA. p. an archaeological site./jun. T. E. (Eds. 2003. 1995. LAROCHE. Volume I – Sínteses Regionais. Patterns of paleomobility in the ancient Antilles: an isotopic approach. v. The archaeology and mobility at 10-cn-05. Uma contribuição para o sistema de assentamento de um grupo horticultor da tradição cerâmica Tupiguarani. nº. nº3. Martins. A. 1993.2. LAROCHE. R. 1 Edição Especial Agronegócios. Tese (doutorado em Arqueologia). Condicionantes de crescimento arranjo produtivo local de apicultura na região do Araripe. KELLY. Relatório final de projeto homônimo. Belo Horizonte: Sigma. Lisboa: Verbo. 11. O Alto Amazonas. nº3.277-306. D. A.21.. Ecologia e conservação da caatinga. LEÃO. 1. JACOMINE. v. 2008. MARTINS.

5. Recife. A. p. LURIE. p. 2008. 2006. 2004. v. Handbook of South Americam Indians. de. Dissertação (mestrado em Arqueologia). LÉRY. J. In: STEWARD. Cambridge.A. A. 2006. 1948.140-154. A.65-84.Rijksuniversiteit Groningen.pdf Acesso em: 20 out. LUCENA. Juiz de Fora. Os Registros rupestres na chapada do Araripe. The tropical forests. Monografia (Graduação ciências biológicas) – Universidade Federal de Pernambuco. vol. T. A.) Arqueología Tupiguaraní. v. In: LOCK. A pedra lascada dos índios Guarani. M. 2010. (Org. Amsterdam: IOS Press. nº. nº2.P. LOWIE. p. (org.46-56. 2011.) Time. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército.br/projetos/cidadania/images/stories/ArquivosPDF/biblio teca/Arquelogia_Guarani. Ecologia e Arqueologia da Paisagem: um estudo dos sítios pré-coloniais da Zona da Mata mineira. 1961. J. P. Clio. In: Encontro do núcleo regional sul da sociedade de arqueologia brasileira – SAB Sul. 1998 LUZ. R. . LIMA VERDE. LOURES OLIVERIA. P. van. (Org.LEUSEN. R. 2009. Mobility and Migration. Buenos Aires: INAPL. Brasil. ACOSTA. 2000.P. Cambridge: Cambridge University Press. Pattern to Process: methodological investigations into the formation and interpretation of spatial patterns in archaeological landscapes. Juiz de Fora: Editar. J. D. energy and stone tools.B. 2013. Washington DC: Bureau of American Ethnology Bulletin 143.21. 3. pré-históricos. Ecofisiologia de espécies vegetais da Chapada do Araripe. Universidade Federal de Juiz de Fora. (org. LIGHTFOOT. R. 1992. 2002. E. O problema da atribuição de identidades étnicas a registros arqueológicos. C. Ceará. Viajem à terra do Brasil. Movement.. Smithsonian Institution. MACHADO.P. L. Beyond the Map: Archaeology and spatial Technologies. Recife. Disponível em : http://projetos..P. Tese (Doctoraat in de Letteren) . Ceará. Archaeological Review from Cambridge.) Arqueologia e Patrimônio da Zona da Mata mineira: Juiz de Fora. R. LLOBERA.23. Juiz de Fora: MAEA-UFJF. E. (ed). Estado da arte das pesquisas arqueológicas sobre a Tradição Tupiguarani. Groningen. 7-23.R. . 2008. G (Ed. A. Juiz de Fora: Editora UFJF. LOURES OLIVEIRA. p.unioeste. In: LOPONTE. LOURES OLIVEIRA.). a partir de uma análise tecnológica. J.H.. Dissertação (Mestrado em Ecologia). LOURES-OLIVEIRA..). N. Understanding movement: a pilot model towards the sociology of movement. 2006. Mauriti.2.. Rio Grande: SAB/Sul. Juiz de Fora: MAEA-UFJF. P. D. LOURES OLIVEIRA. Chapada. Rio Grande Anais . p.1-56. FACCIO. 2007. A. (Ed. In: TORRENCE. Arqueologia e Patrimônio da Zona da Mata mineira: Carangola. Universidade Federal de Pernambuco. 2006. Lithic technology and mobility strategies: the Koster site Middle Archaic. LIMA.) Arqueologia e Patrimônio da Zona da Mata mineira: São João Nepomuceno. Santo Antônio e Olho d’Água. P. M. Estudo arqueológico dos sítios Anauá. P. M.

de. 1979. p. MARANCA. Paris: Librairie Orientaliste Paul Geuthner. Migrations historiques des Tupi-Guarani. Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo – MAE/USP. American Antiquity. MÉNDEZ. Recife: Editora Universitária da UFPE. C. 1973. Estudios Atacamenos.1-45. Carangola – MG. . F. Universidade Federal de Pernambuco.]. J. São Paulo: [s. MÉTRAUX.102. A.A região de Araripina-Ipubi. MARTIN. F. p. 3 .014): Un acercamiento hacia los patrones conductuales de los grupos de cazadores recolectores en el litoral del Norte Semiárido. A. 1994. São Paulo. 25-35. C. LOPES. Áreas de exceção da Paraíba e dos Sertões de Pernambuco. Padrão de assentamento em sítios arqueológicos na Zona da Mata Norte de Alagoas e Sul de Pernambuco. Pré-história do Nordeste do Brasil. Pesquisas. 1927. C. MAGESTE. J. 2002. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi (Museu Paraense Emílio Goeldi: publicações avulsas. América pré-histórica. Dissertação (mestrado em Arqueologia). B.227-247. . subsistencia y movilidad en Punta Penitente (LV. E. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1984. 1939.. v. 2012. 1928. MEGGERS.4. L. C. 1976.MACHADO. 1998.J. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Departamento de Antopologia. A. São Paulo: Museu Paulista. no 7. SUDENE/PSU/SER. M. nº. MEGGERS. 2005.E. MENA. 63-94. Tecnología. v.19. Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo – MAE/USP. MARANCA. Dissertação (mestrado em Arqueologia). B. A. in: Resumos do VI Congresso Latinoamericano de Botânica. MELLO. 51-69. Dissertação (mestrado em Arqueologia). Journal de la Société des Américanistes. In O Museu Goeldi no ano do sesquicentenário. p. Universidade do Chile. 20). Recife. Revista do Museu Paulista – Série Arqueológica. MARQUES DE LIMA.. V. pp. Estudo do sítio Aldeia da Queimada Nova. MÉTRAUX. Síndromes de polinização e sistemas sexuais de espécies de caatinga do nordeste do Brasil. Dissertação (mestrado em Arqueologia). S.F. B. McKERN.C. Uma reconstituição de organização social baseada na distribuição de tipos de cerâmica num sítio habitação da tradição Tupiguarani. Patrones de movilidad en el Arcaico Tardio: II Region. nº1. MELGAR.) en Los Vilos. Mar Del Plata. Universidad Católica Del Norte/Universidad De Tarapacá Santiago y San Pedro de Atacama. 301-313. MACHADO.C.3. S. Enero. A reconstituição da pré-história amazônica: algumas considerações teóricas.31. Recife.n. estado do Piauí. p. G. S. Santiago. Una Sociedad de Cazadores Recolectores en Movimiento Durante la Primera Mitad del Holoceno Tardío (4000 a 2000 AP. nº. São Paulo. Cap. A. I. 2006. p. S. MEGGERS. The Midwestern Taxonomic Method as an aid to archaeological culture study. p. 1980. M L. 2004. 1988. CLIFFORD. La civilization matérielle des tribu Tupi-Guarani. Montículos artificiais na Amazônia Central: um estudo de caso do sítio Hatahara. Entre estilo e função: estudo do sítio Córrego do Maranhão. W.

F. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia – MAE. Universidade de São Paulo. 1999. L. Smithsonian Institution.575 .8. 3. SP. p. Arqueologia Tupi no nordeste de São Paulo: um estudo da variabilidade artefatual. J.24. p. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia. 2005. Universidade de São Paulo. A Ocupação do Espaço em Função das Formas de Relevo e o Aproveitamento das Reservas Petrográficas por Populações Pré-Históricas do Paranapanema. MORAIS. Contribuição da análise por ativação aos estudos de fontes de matéria- prima de cerâmicas arqueológicas. MORALES. 81-98. Historia de la cerâmica em el Museo Arqueológico Nacional. p. MEYER. The Guarani. Piracicaba. Disponível em www.216-220. Séries guías didáctica. p. 2003. 2000. A. 3. 12. J. Coleção Museu Paulista.MÉTRAUX. v. 2011. S. Universidade de São Paulo. n. Território e estratégia de assentamento Guarani na planície sudoeste da Laguna dos Patos e Serra do Sudeste – RS. J. de. MUNITA. CLIO Arqueológica. Canindé. 1979. n° 16. 2002. . Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia – MAE.79 – 85. eGesta.97-115. C.L. MUNITA.6. MORAIS J. 6. 2007. Projeto Paranapanema: avaliação e perspectivas. MOI. p. v. C. Rio Grande do Norte: um exercício de Arqueologia da Paisagem. p. 2005. J.L. São Paulo. Joumal of Radioanalytical and Nuclear Chemistry.000 anos de ocupação: Um estudo de Arqueologia Regional na Bacia do Córrego Água Fria. nº3. São Paulo. P . C. p.6. MORAIS. A Arqueologia e o Fator Geo. 9.ufrn. Chemical characterization by INAA of Brazilian ceramics and cultural implications.141-151. R. J. C. nº. Comparação de coeficientes de similaridade usados em análise de agrupamento com dados de marcadores moleculares dominantes. 1997 MORAES. Contribuição da análise por ativação com nêutrons a estudos arqueométricos: estudo de caso. A. v. 2006.L.. Um modelo de uso e circulação humana na região da serra de Santana. MONTOYA. Washington DC: Bureau of American Ethnology Bulletin 143. Revista de Antropologia. MILHEIRA. Série Arqueologia. A. Madrid: Ediciones El Viso/Ministerio de Educacion y Cultura/Museu Arqueológico Nacional. 1984. v. v. Dissertação (Mestrado em Estatística e Experimentação Agronômica) – Escola Superior de Agricultura – USP. W. Arqueologia da Paisagem como instrumento de gestão no licenciamento ambiental de atividades portuárias. São Paulo. v.cerescaico. técnicas.578. São Paulo.br/mneme Acessado em: 20 de jul. v. MORALES.244. Prospecções arqueológicas no Médio Paranapanema paulista. S. S. 1948. vol. Mneme – Revista de Humanidade. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia – MAE. 159-181.21. Revista de Pré-História. W. Handbook of South Americam Indians. de. p. 2008. médio curso do Rio Tocantins. MORAIS.L. Recife: EDUFPE.80.S. p. nº.1981. 2007. MORAIS.69-94. 4. São Paulo. In: In: STEWARD. MUNITA. F. G. et al..3-22.. C. p.

Estudos arqueométricos do sítio arqueológico Hatahara. P.. v. D. Anthropological Theory. DIAS. R.S. As hipóteses sobre o centro de origem e rotas de expansão dos Tupi. function. L..15. A. Chemical study of some ceramics from Brazilian Northeast... MUNITA. Gestão em áreas protegidas: proposição metodológica para análise de impactos socioambientais nas comunidades tradicionais da APA Chapada do Araripe. R.93 . Dissertação (mestrado em Ciências) . nº. O’BRIEN. M. G. p. Mneme – Revista de Humanidades. In: CARR. Revista de Antropologia. F. nº2. S. L. F. J.697 . Disponível em www. 1–32. nº. ODELL. K.D. Memorial Luis Siret (Antequera. Málaga. Style. 2013. Assessing hunter-gatherer mobility in the Illinois valley: exploring ambiguos results. (Ed. LYMAN. v. J. 7-23. Tese (doutorado em Geografia) . 1991. 3a edição. Santa Cruz do Sul.. F. II Congreso de Prehistoria de Andalucía: Movilidad. . Sem tekoha não há teko: em busca de um modelo etnoarqueológico da aldeia e da subsistência Guarani e sua aplicação em uma área de domínio no delta do Rio Jacuí – RS. O’BRIEN. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de Pernambuco. WHEATLEY.) The organization of North American prehistoric . et al. S.259. p.39. NOELLI. S.305 .7-53.1-36. Modelando la movilidad y el movimiento en la Prehistoria reciente a través de los SIG. p. H. Complementos históricos ao estudo funcional da indústria lítica Guarani. 1993. Joumal of Trace And Microprobe Techniques. 2005. p.. et al. Recife. P. Porto Alegre. S. contacto y cambio. NETO. 2002. p. São Paulo. nº1. LYMAN. P. Estudios de caso em Sierra Morena occidental.2. D. J. NETELER. Joumal of Radioanalytical and Nuclear Chemistry. nº7.1. The epistemological nature of archaeological units. NOELLI.. (eds. M.. Style.19. Function. A. L. p. Revista do CEPA. A Aldeia do Baião. MITASOVA. M.2. v. NASCIMENTO. nº4. C. NOELLI. 2011. Recife. C.MUNITA. NUNES. In: O’BRIEN. A. v. Salt Lake City : University of Utah Press.248.96.309. 2003. Provenance study of archaeological ceramic. Open Source GIS: a GRASS GIS approach. 15-17 de Febrero de 2012 NASCIMENTO. Araripina-PE: um sítio pré-histórico cerâmico no sertão pernambucano.Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares – USP. BERTRAND.37–56.br/mneme Acessado em: 20 de jul. L. 1995. R. G. SANJUÁN. 2001.706.07.143-210.cerescaico. Mapeamento do sítios arqueológicos do município de Florânia-RN. p. v. S. NASCIMENTO. Dissertação (Mestrado em História). MUNITA. CLIO – Série Arqueológica. 1990. P. Rio Claro.Universidade Estadual Paulista. Araripina-PE: um sítio pré-histórico cerâmico no sertão pernambucano. Joumal of Radioanalytical and Nuclear Chemistry. New York: Springer. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. p. MURIETA-FLORES. L.ufrn. M.22. Instituto de Geociências e Ciências Exatas. nº. v.). v. S et al. 2004. A Aldeia do Baião..21. transmission: An introduction. C. 1996. Major and trace element characterization of prehistoric ceramic from Rezende archaeological site. Transmission: Evolutionary Archaeological Perspectives. S. 2009. LYMAN. p. 2003. 2005. v.

Juiz de Fora: Editora UFJF. L. Economizing behavior and the concept of “curation”. L. PACHECO. Ann Arbor. . v. Classificação de solos planossólicos do sertão do Araripe (PE). University of Michigan Press. Os grupos pré-históricos ceramistas da Chapada do Araripe: prospecções arqueológicas no município de Araripina-PE. et al.A. OLIVEIRA. Associação Brasileira de Cerâmica. Archaeological Series 7. Os ceramistas Tupiguarani. 2003. 29.P. Belo Horizonte: Sigma. C.).4.23. nº7. Projeto Paranapanema: Sítio Arqueológico Nunes. nº. A. B. p. L. Relatório Final: Os grupos pré-históricos ceramistas da Chapada do Araripe. PALLESTRINI.66-84. L. Reflexões sobre as aldeias Tupiguarani: apontamentos metodológicos. Volume III – Eixos temáticos. 1978.). LIMA. v. PALLESTRINI. 1991. São Paulo. A. 2011. OLIVEIRA. 1. v. ODELL. p. ROMERO. OLIVEIRA.1. v.11-88.33. New York: Plenum Press. v. p.F.21. Recife. p. 1996. A. v. LIMA. PALLESTRINI. Belo Horizonte: Sigma. PALLESTRINI A cerâmica pré-histórica no estado de São Paulo. Série Arqueologia.25. .9-34. R. Modelagens de barro em sítios Tupiguarani In: PROUS. 1975. A. Clio. T.L. L. 2000. L. p. G. Recife. Revista do Museu Paulista. PALLESTRINI. (Ed. v. TARAIRIÚ – Revista Eletrônica do Laboratório de Arqueologia e Paleontologia da UEPB Campina Grande. p. OLIVEIRA. C. 1988.A. Estratégias de ataque na evidenciação de testemunhos arqueológicos.131-150. In: ODELL. Coleção Museu Paulista. Pesquisas sobre a Cerâmica pré-histórica no Brasil. Estilos tecnológicos da cerâmica pré-histórica do sudeste do Piauí – Brasil. Revista do Museu Paulista. et al.A. (Ed. nº. OLIVEIRA. 1977. In: LOURES DE OLIVEIRA. 159. p.) Estado da arte das pesquisas arqueológicas sobre a Tradição Tupiguarani. A. Bras.) Stone tools: theoretical insights into human prehistory.R. Solo. OLIVEIRA. (org. p. p. 1983. PALLESTRINI.A. L. Ci. Recife. Estado de São Paulo. PANACHUK.77-114. 2009. 51- 7. G.chipped stone tool technologies.. G. São Paulo. Clio. 2007. nº 27. L. n.2. Interpretação das estruturas arqueológicas em sítios do Estado de São Paulo.A. A.. Tese (Doutorado em Arqueologia) Universidade de São Paulo. nº2. C.. C. Universidade Federal de Pernambuco. 2010. T. PANACHUK. v. p.333-350. Os ceramistas Tupiguarani. A apropriação do ambiente do entorno de abrigos sob rocha por grupos humanos pretéritos: implicações ecológicas e paisagísticas no estabelecimento dos padrões de mobilidade para a alocação de recursos alimentares no cerrado. Revista de Atualidade Indígena.1.57-88. 1994. M. et al. et al. 2010. p.15-30. In: PROUS. International Monographs in Prehistory. Revista do Museu Paulista. CAVALHO.34-39. As fronteiras tecnológicas de grupos pré-históricos ceramistas do Nordeste. p.685-693. Achados de aldeias pré-históricas no vale do Paranapanema.P.O espaço habitacional em pré-história brasileira. C. ns.109-127.. A. (Ed. 1976. Volume II – Elementos decorativos. 2006.

Santiago. 2005. Arqueologia Tupigurani: relações entre as implantações dos sítios e cultura material no Médio Rio Doce. Anais.136- 170. C. POLITIS. PONTE-FILHO. The early Mesoamerican village. API. S. 2008. Estrategias de movilidad de cazadores recolectores durante el período arcaico en la región del Calafquén. 1996 PONTE. Brasil..26-35. H. A tradição Tupiguarani na porção central da planície costeira do Rio Grande do Sul. Transition and Change in Prehistory and Classical Antiquity: Proceedings of the Graduate Archaeology Organisation Conference on the Fourth and Fifth of April 2008 at Hertford College.65 . nº. Dissertação (mestrado em Arqueologia) – Departamento de Antopologia.Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro. B. Arqueologia Brasileira.49-66. Os ceramistas Tupiguarani. al. PRESTON.C. PÉREZ. PONTE. sur de Chile. parentesco e xamanismo mbya (guarani). Belo Horizonte. Journal of Anthropological Archaeology. J. O Brasil antes dos brasileiros. New York: Academic Press. p.82. Relative efficiencies of sampling techniques for archeological surveys. 1969. Publicações Avulsas. Tese (Doutorado em Antropologia) . p.211-226. 1992. 2013. Mobility strategies and site structure: a case of study of Inamgnon. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Universidade Federal de Minas Gerais. M. K. 1996.R. Natal-RN. PLOG. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Arqueologia brasileira em 1968.. Moving to produce: Nukak mobility and settlement patterns in Amazonia. Dissertação (Mestrado em História) Universidade do Vale do Rio dos Sinos. PEREIRA.1. nº 2. PESTANA. G. Revista de Arqueologia. Estudo petrográfico da tecnologia cerâmica guarani no extremo sul de sua distribuição: rio Paraná inferior e estuário do rio da Prata.). p. Estrutura Geológica e Evolução Tectônica da Bacia do Araripe. In: FLANNERY. Rio de Janeiro. A-M et al. LIMA. S.. E.PANJA. Argentina. F. C.P. p.123-140. XXXVI. Brasília: Editora da Universidade de Brasília. PESSIS. PROUS.. G. Recife. Mobility. Clio. A. G. 2005. PISSOLATO. Belo Horizonte: Sigma. PILÓ. SCHORLE.D. 2006. T. Oxford. . A. São Leopoldo. A. 2003. 2008. UK. F. et. P. Natal SBG. p. World Archaeology. PEREZ. v. Volume I – Sínteses Regionais. (Ed. PRONAPA.V. E. 2009. ¿Quién mató al megaterio? Ciencia Hoy.18.1976. v. Belém. F.Proposta de revisão da coluna lito-estratigráfica da bacia do Araripe. Universidade do Chile. Recife.22. POLITIS. C. K.492-511. M et al. 105-125. 1990. .R Preston. DNPM. C. A Duração da Pessoa mobilidade.M.1 p. nº3.22. 1989.. 1990. A. nº. v. 2006. A tradição Tupiguarani na Amazônia In: PROUS. p. Oxford: Archaeopress and P. Um relatório preliminar sobre o Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas.27. PROUS. In: Congresso Brasileiro de Geologia. 2007. Prospecção arqueológica dos sítios de registros rupestres na Chapada do Araripe. v. p.

Volume II – Elementos decorativos. LIMA. H. 2010a. 1958. 2008. L. P. Belo Horizonte: Sigma. Revista Brasileira de Zoologia v.A. Adaptação na Floresta Tropical: A Tradição Tupiguarani no Médio Jacuí e no Rio Pardo. p. M. RODRIGUES.13. Teoria geográfica da paisagem na análise de fragmentos de paisagens urbanas de Brasília. São Paulo e Rio de Janeiro. RIZZINI. J. ROGGE. São Leopoldo: IAP. (Ed. 29.27-76. 2003. Biodiversidade.. ROUSE. As indústrias líticas dos ceramistas Tupiguarani. PROUS.113-216.A.. R. El paradigma difusionista y la neolitización De la penénsula ibérica: una explicación recurrente. RUBIO DE MIGUEL. I. PROUS. Migrations in Prehistory: Inferring Population Movement from Cultural Remains. Tucson.A. Revista Formação. Volume III – Eixos temáticos. Belo Horizonte: Sigma. Y. Relação preliminar das espécies de peixes (Pisces: Elasmobranchii e Actinopterygii) ameaçadas no Brasil. T. (org.PROUS. v.179-196. ROSA..M. Recife: Ed. 2ª ed. (eds. p. (Ed) Migrations in New World Culture History. LIMA. A. (org. T. LIMA. Tratado de fitogeografia do Brasil.H. 2010b.A. I. Social Science Bulletin. ROUSE. nº 24. Bracelona: Arial. 1987. Introduccíon al reconocimiento y análisis arqueológico del território. Fenômenos de Fronteira: Um Estudo das Situações de Contato entre os Portadores das Tradições Cerâmicas Pré-históricas no Rio Grande do Sul. 2005. N. Rio de Janeiro: Editora Âmbito Cultural Ltda. In: M..). T. RIBEIRO. 1996. 1997. 2008. 63-68. Os ceramistas Tupiguarani. A. São Leopoldo. p. A tradição ceramista Tupiguarani no sul do Brasil In: PROUS. New Haven: Yale University Press. ROGGE. Herpetofauna da Caatinga. S. T.) Os ceramistas Tupiguarani – Volume III: eixos temáticos. Universitária da UFPE. A. PROUS. R. T. 1997. PROUS. Os ceramistas Tupiguarani. P.H. A.19-35. ROCHA. T.). In: THOMPSON. C. 2010b. MENEZES.). (Ed. SILVA J. 2004. A. T.15 v. I.M. Belo Horizonte: Sigma.). In: PROUS. LIMA.181 – 236.647-667. Belo Horizonte: Sigma. The Inference of Migrations from Anthropological Evidence.1. 1986. University of Arizona Bulletin. A. A. In: PROUS. LIMA. A. ecologia e conservação da Caatinga. RICE. (org.. 2008. 9-58. A. TABARELLI. (Ed. Chicago: University of Chicago Press. 1996.C. University of Arizona Press.A. p. A pintura na cerâmica Tupiguarani. T. . Volume I – Sínteses Regionais.A. Tese (Doutorado em História) Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Belo Horizonte: Sigma. Pottery Analysis: a source book. nº. Documentos v. SANJUÁN.) Os ceramistas Tupiguarani – Volume II: elementos decorativos. Belo Horizonte: Sigma. André. CuPAUAM. J. p. T. 2010a. p.. LIMA.6..) Os ceramistas Tupiguarani – Volume I: sínteses regionais. p. Os ceramistas Tupiguarani. p.

77-89. 1991. Boletim do Museu. RS. trace element and non-metric dental trait analyses. SANTOS. Volume II – Elementos decorativos. A. ‘Território de domínio’ em grupos Tupiguarani. SHEPPARD. Universidade Federal de Pernambuco. Ciências Humanas.2. Belo Horizonte: Sigma.C.IAP/UNISINOS. nº1. 1981.SANTOS. A Tradição policrômica do leste da América do Sul evidenciada pela ocupação Guarani e Tupinambá: fontes arqueológicas e etnohistóricas.M. Taquara-RS. SCHMITZ.I. C. Rotas de Migração Tupiguarani: análise das hipóteses.O. Projeto Candelária. J. Tese (doutorado em Ciências) – Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN- USP). Rev. 2012 SCATAMACHIA. 8. M. 2007. Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo – MAE/USP. M. p. São Paulo. São Paulo. n° 3.). Frutos da Caatinga de Sergipe utilizados na alimentação humana. LIMA. M.C et al.07-26. LIMA. D. SCATAMACCHIA. T. 1990. c. Prehistoric migration in Melanesia: Evidence from isotope. p. Belém. 2009. Tentativa de caracterização da tradição Tupiguarani.A. p. A. (Ed. 1990. p. Belo Horizonte: Sigma. New Zealand. Pré-História do Rio Grande do Sul. P. Dissertação (Master of Science) . 2008. 1985.291-307. UFJF. In: PROUS. T.University of Otago.P. p. Os sítios arqueológicos de grupos de filiação lingüística Tupi-Guarani nos estado de São Paulo: avaliação e perspectiva In: LOURES OLIVEIRA. Boletim do MARSUL. v. (org. A.. P. SHAW.C. São Leopoldo: Instituto Anchietano de Pesquisas-IAP/UNISINOS. T.).C. SCATAMACCHIA. P. P. Documentos 5.C. Os ceramistas Tupiguarani. André.1-7. 2004. n° 4. 89-98. SCHMITZ. Ceramics for the archaeologists. Emílio Goeldi.I. Volume I – Sínteses Regionais. Documentos 4.M. p. São Leopoldo: Instituto Anchietano de Pesquisas . B. Washington: Carnagie Institution. Scientia Plena. 1985. 1981. SANTOS. SCHMITZ. Juiz de Fora. P. Uma Aldeia Guarani. M. Ed. do Museu de Arqueologia e Etnologia. SCHMITZ.I. 2007. Uma janela para a história pré-colonial da Amazônia: olhando além – e apesar – das fases e tradições. . (Ed.. Paraense. São Paulo. Os ceramistas Tupiguarani. São Pulo.M. Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo – MAE/USP.C.) Estado da arte das pesquisas arqueológicas sobre a Tradição Tupigurani. 2009. SCATAMACCHIA. nº 14.M. p. 1991. SCHAAN. A decoração plástica na cerâmica da Tupiguarani. 2010.M. A.45-52. Proposta de terminologia para a descrição e classificação da cerâmica arqueológica dos grupos pertencentes à família lingüística tupi-guarani. (mestrado em Arqueologia). et al. Dissertação (Mestrado em História).117-147. I. Estudos arqueométricos de sítios arqueológicos do baixo São Francisco. P. SCATAMACCHIA. Tese (doutorado em Arqueologia). Recife. M. Considerações sobre a distribuição das sociedades tribais de filiação lingüística Tupi-Guarani no estado de São Paulo In: PROUS.

C. Dissertação (Master of Science). v. University Press of Florida: Gainesville. SOUZA. Dissertação (mestrado em Arqueologia). New Zealand. 2011. World Archaeology v. p.brasiliana. Perfil bromatológico de mel de abelha sem ferrão produzido na microrregião do Seridó do Rio Grande do Norte. Dissertação (mestrado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia – MAE. et al (Coord. V. SOUSA. Brasil. 2008. SELLET. A importância relativa dos processos biogeográficos na formação da avifauna do Cerrado e de outros biomas brasileiros. Technological organization ans settlement mobility: an ethnographic examination.M. 2006.. SILVA.42. S. G. p. SANTOS. através de aplicações geotecnológicas. 1-20. Prehistoric migration in Melanesia: Evidence from isotope. Mapeamento geomorfológico da bacia do Brígida no sertão pernambucano. BROCHADO J. O potencial interpretativo dos artefatos cerâmicos: a tradição Tupiguarani na Amazônia. 2003. Journal of Anthropological Research. Brasília: Ministério do Meio Ambiente/UFPE. Utilização da técnica de fluorescência de raios X com microssonda (m- XRF) aplicada a amostras de interesse arqueológico. 2009. 15-51. trace element and non-metric dental trait analyses. M. São Paulo.P.M.. 2000. R. Anais do VIII Encontro Nacional de Geomorfologia. Forager mobility organization in seasonal tropical environments of western Thailand. SIMMS. et al. Caracterização do padrão de assentamento dos grupos ceramistas do semi-árido pernambucano:um estudo de caso dos sítios arqueológicos de Araripina – PE. Brasília: Ministério do Meio Ambiente.usp. N. 1997. Tese (Doutorado em Ciências) – Centro de Energia Nuclear na Agricultura – USP.). 32. J. 24. SHOOCONGDEJ. G. Journal of Archaeological Science. de. Recife. et al (eds. 2010. F. p. 1851.SCHMITZ P. SHAW. University of Otago. de. Typographia Universal Laemmert. de.br/bbd/handle/1918/01720400 . Dissertação (mestrado Tecnologia Agroalimentar) Universidade Federal da Paraíba/Programa de Pós-Graduação em Tecnologia Agroalimentar. SENA. p. Universidade Federal de Pernambuco.219-234. 2002. 2009. SILVA.I. SOUZA. Belém. M. SILVA. J. Rio de Janeiro. Tratado descritivo do Brazil em 1587. Dissertação (Mestrado em Antropologia) Universidade Federal do Pará. “Plain-Ware Ceramics and Residential Mobility: A Case Study From the Great Basin”. B. SOUZA et al. J. Gabinete de Arqueologia. 779–792.A.. Universidade de São Paulo. 1986.C. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. in: SCARIOT.) Ecologia e biodiversidade do Cerrado. M. 2005. Archaeology and Ethnoarchaeology of Mobility. SOUSA. Piracicaba. O Material Lítico Polido do interior de Minas Gerais e São Paulo: entre a matéria e a cultura. D.. 2007. v. P. S. R. Recife. E. nº1. 1972.K. B. Programa de Pós-Graduação em Geografia da Ufpe. Biodiversidade da Caatinga: áreas e ações prioritárias para a conservação. S. M.C.14–40. Disponível em: http://www. Datos para una secuencia cultural del Estado de Rio Grande do Sul. Bananeiras. R et al. SHOTT. p.

Um sistema de estudio para formas de vasijas. A indústria lítica do sítio Aldeia da Queimada Nova. Revista do Museu Paulista. Anais do IV Encontro sobre Abelhas de Ribeirão Preto.. São Paulo. DIPESO. N. 197-203. 1948 SULLASI. 11. ZANELLA. J. p. vol. P. nº23. 2005. 1996. B. F.Ferrovia Transnordestina . Seminars in Archaeology: 1955. R.V. 2000. CPRM. L. Brasil. Revista de Antropologia. São Paulo: Odysseus Editora Ltda. AGUIAR. Comentários ao Artigo de Francisco Noelli. An Archaeological Classification of Culture Contact Situations. CLIO – Série Arqueológica. Salt Lake City. Comportamento das bacias sedimentares da região semi-árida do nordeste brasileiro: hidrogeologia da porção oriental da bacia sedimentar do Araripe. N. H. S. C.. Handbook of South Americam Indians. B. PHILLIPS. ZANETTINI ARQUEOLOGIA. 1968. 2008. A.R.. Chicago: University of Chicago Press. C. 1-30. VILHENA DE MORAES. Comparação dos métodos de dose aditiva e dose regenerativa no processo de datação por termoluminescência. 2008. Mexico: Departamento de historia/Instituto Nacional de Antropologia Histórica. Relatório Parcial 5. nº2. Recife. p. J.1-17. G. Atualização das informações sobre a cobertura florestal. uso e ocupação do solo e o perfil sócio-econômico dos produtores e usuários de produtos florestais na região do Araripe no Estado de Pernambuco. W.Salgueiro(PE). WILLEY. Relatório Final.STEWARD. Method and theory in American Archaeology. 2005. Histórico e Cultural . Piauí.445-500. 2598-2611. R. 1958. J.23. Society for American Archaeology. TONIOLO. p. LATHRAP. J.C. Ribeirão Preto.H. município de São Raimundo Nonato. Washington DC: Bureau of American Ethnology Bulletin 143. vol. et al. ROUSE. Memoirs of the Society for American Archaeology no. 37. L. Padrões de distribuição geográfica das espécies de abelhas que ocorrem na Caatinga (NE do Brasil). LITIVAK.39. 2004. 3. 2010. TEJERO. História do Pensamento Arqueológico. A. p. nº 10. In: WAUCHOPE. RITCHIE. Programa de Diagnóstico Arqueológico. Utah. nº. J. et al. E. 55-60. E. 1. Fortaleza: GEOPHOTO. VIVEIROS DE CASTRO. v. 1976. G. Woodland period ceramic provenance and the exchange of Swift Creek Complicated Stamped vessels in the southeastern United States. v. p. I.Trecho Missão Velha(CE) . São Paulo. Culture areas of the tropical florest In: STEWARD. ROWE AND D. 1956 WILLEY. Smithsonian Institution. TRIGGER. H.C. Journal of Archaeological Science. R. p. . abrangendo um raio de 120 km a partir do município de Araripina-PE. VERÍSSIMO. WALLIS.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful