Você está na página 1de 1

- Tentarei ento mostrar como os objetos e os modos de descrio e

de conceitualizao de Deleuze nos levam ao centro do que h a ser


pensado sob essa palavra (esttica) ;
- Partirei ento de duas formulaes deleuzeanas, cuja distncia me
parece fixar de modo exemplar os plos, aparentemente
antagonistas, entre os quais se inscreve o pensamento deleuzeano;
- a primeira encontra-se em o que a filosofia? : A arte um ser
de sensao e nada mais: ela existe em si; O artista cria blocos de
perceptos e afetos, mas a nica lei da criao que o composto deve
se manter por si s;
- a segunda que est no Lgica da sensao : Com a pintura, a
histeria torna-se arte. Ou melhor: com o pintor, a Histeria torna-se
pintura ;
- a primeira assenta em a obra de arte assim o na medida em que
se mantm por si s. o objeto que est diante de ns mas no
precisa de ns mas existe como unidade de forma e matria, das suas
partes e da sua juno;
- exemplos: tragdia grega; manchas coloridas de Maurice Denis;
- Deleuze descreve o quadro de Bacon como uma circunferncia que
h diante de ns; combinao de duas formas idnticas; o fundo e a
circunferncia que ao mesmo tempo os une e separa um espao do
ver e tocar num mesmo plano;
- resolvemos o problema desta funo no contorno, a linha
desorganiza a funo do contorno; a circunferncia, a oval, o
paraleleppedo tm uma funo muito precisa: isolar a figura;impede
de entrar em contacto com outras figuras, de se tornar elemento de
um historia; como contrariar: para se tornar elemento da historia, h
relao externa de semelhana, a relao do personagem figurado
com aquilo que ele representa; e h relaes que na prpria
superfcie da obra a figura mantem com outras figuras;
- Deleuze denomina isto de justia; trmino do movimento por meio
do qual a figura escapa em direo estrutura molecular da matria;
a obra faz justia e esta tem origem nalgum lugar;
- o inimigo da justia a figura; o trabalho da arte desfazer-se desta
figura, de apagar previamente o que est sobre qualquer tela;
- ir em direo justia ir em direo ideia;
- deleuze: esttica como figura do pensamento; centra a sua ateno
no na obra, mas no que sente;
- sensvel: privilegia o afeto que do espectador; quando o aspecto
da obra j no remete para as regras da sua feitura, modo de
pensamento quando a obra submtida ao sentido espiritual;
- conscincia que se iguala ao inconsciente; submeter a considerao
das obras potncia do espirito;
- 2 pensamentos : o que se encarna, se deixa ler no sensvel e o da
imagem petrificada ou seja a coisa em si;