Você está na página 1de 22

1

CIÊNCIAS CONTÁBEIS • Inicia em 1840 e perdura estendendo a escrituração


Da Arte à Ciência: até os dias de hoje. contábil às várias atividades,
a) Período Antigo como administração pública,
A Contabilidade existe desde os privada e bancos.
primórdios da civilização e durante A Contabilidade
longo tempo foi considerada como empírica praticada Quanto aos romanos, a
uma arte de escrituração mercantil. pelo homem primitivo documentação neste período é
Usava técnicas específicas que se já tinha como objetivo quase inexistente.
foram aperfeiçoando e o patrimônio. b) Período Medieval
especializando, sendo algumas delas O inventário exercia um
empregadas até hoje. importante papel, pois a contagem Na Itália em 1202
Para que seja aceita sua natureza era o método adotado para controle foi publicado o livro
científica deve-se conceituar dos bens, que eram classificados de “Liber Abaci” de
Ciência: é o conjunto de segundo sua natureza: rebanhos, Leonardo Pisano.
metais, escravos, etc. A palavra
conhecimentos sistemáticos relativos
“Conta” tem ai a sua origem:
Estudavam-se na
a um objeto e das leis que regem época, técnicas
sua existência, obtidas e designa o agrupamento de itens da
mesma espécie. matemáticas, pesos e medidas,
comprovadas através de pesquisa, câmbio, etc; tornando o homem
da experimentação e da mensuração Os sumero-babilônicos e os mais evoluído em conhecimentos
matemática, permitindo inferências assírios faziam seus registros em comerciais e financeiros.
sobre situações futuras. peças de argila, retangulares ou
S e os sumero-babilônicos
A Contabilidade é a ciência do ovais, ficando famosas as tábuas de
plantaram a semente da
patrimônio, e em torno do seu Uruk, com 2,5 a 4,5 centímetros.
Esses registros combinavam o Contabilidade e os egípcios a
objeto ela se organiza como um regaram, foram os italianos que
sistema aberto: coleta dados, figurativo com o numérico, gravava-
se a cara do animal cuja existência fizeram o cultivo e a colheita.
processa-os de forma sistêmica e
mensurável, produzindo informações queria se controlar e o número F oi um período importante na
técnicas sobre as quais se podem correspondente as cabeças história do mundo, especialmente
estabelecer previsões. existentes. na história da Contabilidade,
Ela representa o saber lógico e Na cidade de Ur, na Caldéia, onde denominado a “Era da Técnica”,
viveu Abraão, personagem bíblico, devido as grandes invenções,
organizado sobre os patrimônios e como moinho de vento,
sua generalidade e especificidade. encontraram-se em escavações,
importantes documentos contábeis; aperfeiçoamento da bússola, etc.,
EVOLUÇÃO HISTÓRICA que abriram novos horizontes aos
tabelas em escrita cuneiforme, onde
A Contabilidade existe desde que o estão registradas contas referentes navegadores.
homem pisando a face da terra a mão-de-obra e materiais, ou seja, A industria artesanal proliferou
começou a preocupar-se com suas custos diretos. Isto significa que, há com o surgimento de novas
posses: animais, escravos, etc. O 5.000 anos o homem já considerava técnicas de mineração e
homem enriquecia e isso fundamental apurar os seus custos. metalurgia.
demandava o estabelecimento de Já se estabelecia o confronto entre
técnicas para controlar e preservar O comércio exterior
variações positivas e negativas, incrementou-se por intermédio
seus bens.
reconhecia-se a receita, a qual era dos venezianos, surgindo como
S egundo o Prof. Federico Melis, em confrontada com a despesa. conseqüência das necessidades
seu livro Storia Della Regioneria, a Tudo indica que foram os egípcios da época, o livro-caixa, que
história da Contabilidade se divide recebia registros de recebimentos
os primeiros povos a utilizar o valor
em quatro períodos: e pagamentos em dinheiro.
monetário em seus registros.
• Contabilidade do mundo antigo:
• Inicia com a civilização do
Usavam como base uma moeda O aperfeiçoamento e o
cunhada em ouro e prata, crescimento da Contabilidade
homem até 1202 da era
denominada “Shat”. Os gregos, foram a conseqüência natural das
cristã.
baseando-se em modelos egípcios, necessidades geradas pelo
• Contabilidade do mundo
2.000 anos antes de Cristo, já advento do capitalismo, nos
medieval:
escrituravam contas de custos e séculos XII e XIII. O trabalho
• Inicia em 1202 até 1494
receitas, procedendo anualmente a escravo cedeu lugar ao trabalho
• Contabilidade do mundo
uma confrontação entre elas para a assalariado, tornando os registros
moderno:
apuração do saldo; também foram mais complexos. No século X,
• Inicia em 1494 até 1840
os gregos que aperfeiçoaram o apareceram as primeiras
• Contabilidade do mundo
modelo contábil egípcio, corporações na Itália,
cientifico:

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
2
transformando e fortalecendo a definia como um direito,
sociedade burguesa.
O aparecimento da obra do Frei
segundo postulados jurídicos.
Luca Pacioli, contemporâneo de
No final do século XIII apareceu Leonardo da Vinci, que viveu na Nessa época, na Itália, a
pela primeira vez a conta “Capital”, Toscana, no século XV, marca o Contabilidade já chegara à
representado pelos recursos início da fase moderna da Universidade, o que no Brasil, só
injetados nas companhias pela Contabilidade. ocorreu muito mais tarde, tendo
família proprietária. sido a Escola de Comércio Alvares
Pacioli foi matemático, teólogo,
Penteado – SP, criada em 1902, a
O Método das Partidas Dobradas contabilista, entre outras profissões. primeira escola especializada no
teve sua origem na Itália, embora Pacioli não foi o criador das Partidas ensino da Contabilidade.
não se possa precisar em que Dobradas. O método já era utilizado
região. Seu aparecimento implicou a na Itália, principalmente na A obra principal de Francesco
adoção de outros livros que Toscana, desde o Século XIV. Villa foi escrita para participar de
tornassem mais analítica a um concurso sobre Contabilidade,
Contabilidade, surgindo, então, o
Sobre o Método das Partidas
promovido pelo governo da
Livro da Contabilidade de Custos. Dobradas, Frei Luca Pacioli, expôs a Áustria, que reconquistara a
terminologia adotada: Lombardia, terra natal do autor.
No início do Século XIV, já se • “Per”, mediante o qual se Além do prêmio, Villa obteve o
encontravam registros explicitados reconhece o devedor; cargo de Professor Universitário.
de custos comerciais e industriais, • “A”, pelo qual se reconhece o Ele extrapolou os conceitos
em suas diversas fases: custo de credor. tradicionais de Contabilidade,
aquisição; custo de transporte e dos
tributos; juros sobre o capital
Apresentou que, primeiro deve vir segundo os quais escrituração e
o devedor e depois o credor, prática guarda de livros poderiam ser
referente ao período transcorrido feitas por qualquer pessoa
entre a aquisição, o transporte e o que se usa até hoje.
inteligente. Para ele, a
beneficiamento; mão-de-obra direta A obra de Pacioli não só Contabilidade implicava conhecer
agregada; armazenamento; sistematizou a Contabilidade, como a natureza, os detalhes, as
tingimento, etc. também abriu precedente para que normas, as leis e as práticas que
novas obras pudessem ser escritas regem a matéria administrada, ou
c) Período Moderno: sobre o assunto. seja, o patrimônio. Era o
O período d) Período Científico: pensamento patrimonialista.
moderno foi a fase O período científico F oi o início da fase científica da
da pré-ciência. apresenta em seus Contabilidade.
D evem ser citadas primórdios, dois grandes
Fábio Bésta, seguidor Francesco
três eventos autores consagrados:
Francesco Villa, escritor Villa, superou o mestre em seus
importantes que ensinamentos. Demonstrou o
ocorreram neste período milanês, contador público,
que com sua obra La elemento fundamental da Conta,
• Em 1453, os turcos tomam o valor, e chegou, muito perto de
Constantinopla, o que fez com Contabilità Applicatta alle
admininstrazioni Private e definir o Patrimônio como objeto
que grandes sábios bizantinos da Contabilidade.
emigrassem, principalmente Pubbliche inicia a nova fase; e Fábio
para a Itália; Bésta, escritor veneziano. Foi Vicenzo Mazi, seguidor de
• Em 1492 é descoberta a Os estudos envolvendo a Fábio Bésta, quem, pela primeira
América, e em 1500 o Brasil; o Contabilidade fizeram surgir três vez, aos seis de dezembro de
que representava um enorme escolas do pensamento contábil: a 1923, definiu o Patrimônio como
potencial de riquezas para primeira, chefiada por Francesco o objeto da Contabilidade.
alguns países europeus;
• Em 1517, ocorreu a reforma
Villa, foi a escola Lombarda; a Com Fábio Bésta e Vicenzo Mazi
segunda, a escola Toscana, já se pode falar, definitivamente,
religiosa; os protestantes, chefiada por Giusep Cerboni; e a
perseguidos na Europa, em Ciências Contábeis.
terceira, a Escola Veneziana, por
emigraram para as Américas Fábio Bésta. Fonte: Revista Brasileira de
onde radicaram e iniciaram nova Embora o século XVII tivesse sido o
vida. Contabilidade
berço da era científica e Pascal já Ano XXIV – Nº 93
A Contabilidade tornou-se uma tivesse inventado a calculadora, a
necessidade para se estabelecer o ciência da Contabilidade ainda se
controle das inúmeras riquezas que confundia com a ciência de
o Novo Mundo representava. Administração, e o patrimônio se
CONCEITOS

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
3

A Contabilidade fornece informações úteis para a tomada de decisões dentro e fora da empresa, ela é muito antiga
e sempre existiu para auxiliar as pessoas na tomada de decisões, passando o tempo o governo passa a utilizar a
contabilidade para a arrecadação de impostos e a torna obrigatória para a maioria das empresas.
Mas é muito importante frisar que a Contabilidade não existe simplesmente para atender ao fisco dos órgãos
governamentais, mas sim seu propósito mais significativo é o auxilio na tomada de decisões.

A Contabilidade é uma ciência que permite, através de suas técnicas, manter um controle
permanente do Patrimônio da empresa.

Para maior entendimento deste conceito é preciso saber o seguinte:

Patrimônio: no exemplo que usamos anteriormente o patrimônio era composto por dinheiro, mesas, cadeiras,
máquinas, mercadorias. Enfim, o conjunto dos elementos necessários a existência da empresa.
Empresa: é uma unidade produção, resultante da combinação dos três fatores de produção (natureza, trabalho e
capital) e constituída para o desenvolvimento de uma atividade econômica.
A principal finalidade da Contabilidade é fornecer informações sobre o patrimônio, de ordem econômica e
financeira, facilitando as tomadas de decisões, tanto pelos administradores, proprietários como também por parte de
terceiros.
Para fornecer essas informações a Contabilidade precisa registrar a movimentação do patrimônio; sendo o primeiro passo
para esse registro a escrituração.
A escrituração é uma técnica contábil que consiste em registrar, nos livros próprios os fatos que provocam
alterações no patrimônio da empresa, e essa escrituração começa pelo livro diário, efetuando todos os registros mediante
apresentação de documentos que comprovem o fato ocorrido. Os documentos mais comuns são: Notas fiscais, recibos de
aluguéis, contas de água, luz e telefone e duplicatas.
Um exemplo seria a venda de uma máquina de escrever, nesse fato o documento que comprova a venda da
máquina é a nota fiscal emitida para tal, mediante essa nota o contabilista providenciará o registro do fato no livro diário.
Inicia-se aí o processo de contabilização.

APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE
A contabilidade abrange todas as entidades econômico-administrativas, até mesmo as pessoas de direito público,
como União, os Estados, os Municípios, as Autarquias, etc.
As entidades econômico-administrativas são organizações que reúnem os seguintes elementos: pessoas,
patrimônio, titular, ação administrativa e fim determinado. De acordo com o fim a que se destinam, podem ser classificadas
em instituições e empresas.
Instituições: são entidades econômico-administrativas com finalidades sociais ou socio-econômicas. As com
objetivos sociais são aquelas cuja administração tem por objetivo o bem-estar social da coletividade: associações
recreativas e esportivas, hospitais beneficentes, os asilos, etc; as com finalidades sócio-econômicas são aquelas cuja
administração tem interesse no aspecto econômico da entidade, porém este reverte em benefício da coletividade a que
pertencem: Institutos de aposentadorias, pensões, previdência, etc.
Empresas: são entidades econômico-administrativas que tem finalidade econômica, isto é, visam o lucro,
desenvolvem os mais variados ramos de atividade: comércio, industria, agricultura, pecuária, transportes,
telecomunicações, turismo, prestação de serviços, etc.
Quanto à natureza do capital com que são constituídas as empresas podem ser públicas, particulares ou mistas.
São públicas aquelas empresas constituídas com capital do governo (por exemplo: Caixa Econômica Federal, Correios),
são privadas aquelas constituídas com capital de particulares ( por exemplo: Pernambucanas, Riachuello, etc.) , são mistas
aquelas constituídas com capital do governo e de particulares ao mesmo tempo (por exemplo: Banco do Brasil, Petrobrás.)

USUÁRIOS DA CONTABILIDADE
Usuários são todas as pessoas que utilizam a Contabilidade, que se interessam pela situação da empresa e buscam
na Contabilidade as suas respostas.
Evidentemente os gerentes ou administradores não são os únicos que utilizam a Contabilidade, os investidores
(sócios ou acionistas) estão basicamente interessados na lucratividade da empresa, por isso utilizam relatórios da empresa
para medir a rentabilidade; os fornecedores de mercadorias a prazo querem saber a empresa tem capacidade de pagar as
suas dívidas; os bancos, por sua vez, emprestam dinheiro desde que a empresa tenha condições de pagamento, o governo

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
4

quer saber quanto de impostos foi gerado para os cofres públicos; outros interessados desejam conhecer melhor a situação
da empresa: os empregados, os sindicatos, os concorrentes, etc.
Investidores
Sócios
Bancos
Financiadores
Gerentes

Informações
Contábeis
Empregados
Governo

Sindicatos
Ibge Fornecedores
Clientes

Perguntas e respostas
Vemos em nossa região predominantemente empresas de pequeno porte, e é fácil perceber que a maioria delas
tem uma visão da Contabilidade como um mal necessário. Por que?
Toda empresa, independente de seu tamanho, depende de informações para a tomada de decisões, para agregar
valor aos negócios a Contabilidade deveria focalizar seu objetivo principal: instrumento gerencial, fornecendo, analisando e
ordenando dados para a tomada de decisão.
A grande visão da Contabilidade acaba ficando presa na parte burocrática, com o objetivo principal de atender ao
fisco, totalmente desvirtuado de seu objetivo principal.
Desse modo as empresas, devem se basear em uma Contabilidade Gerencial, tendo um controle de todas alterações
patrimoniais ocorridas, para assim poderem tomar decisões corretas através de informações contábeis.
PATRIMÔNIO
CONCEITO E DEFINIÇÃO
O termo Patrimônio significa, a principio o conjunto de bens pertencentes a uma pessoa ou empresa, compõe
também valores a receber, denominados pela Contabilidade como direitos.
Relacionando-se somente os bens e direitos, não se pode identificar a verdadeira situação de uma pessoa ou
empresa, é necessários evidenciar as obrigações (dívidas). Por exemplo, se falarmos que o patrimônio de uma pessoa é um
apartamento e não fizermos referencia do mesmo ser financiado e ainda faltarem prestações a serem pagas, a primeira
informação será incompleta e pouca esclarecedora.
Na Contabilidade, portanto a palavra Patrimônio tem sentido amplo: significa o conjunto de bens e direitos
pertencentes a uma pessoa ou empresa; por outro lado inclui as obrigações a serem pagas.

Assim podemos imaginar o Patrimônio da seguinte


O PATRIMÔNIO é o conjunto de forma:
BENS
Bens, Direitos e Obrigações de uma
PATRIMÔNIO = DIREITOS
pessoa, avaliado em moeda OBRIGAÇÕES

Vamos então estudar cada um desses elementos que compõem o Patrimônio:

BENS

BENS são coisas capazes de satisfazer as necessidades humanas e suscetíveis de avaliação


econômica

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
5

Sob o ponto de vista contábil, pode-se definir como Bem tudo aquilo que uma empresa possui, seja para uso, troca
ou consumo. Para exemplificar esse conceito, tomemos uma empresa comercial, que compra e vende calçados.
Suponhamos, ainda que essa empresa possua somente os seguintes Bens: balcão, prateleira, vitrine, caixa registradora,
espelho, calçados para venda (mercadorias), papel para embrulho, material para limpeza da loja e meio quilo de pó de café.
Neste caso temos:

BENS DE USO BENS DE BENS DE


Balcão CONSUMO TROCA
Prateleira Papel para embrulho
Vitrine Material para limpeza Calçados para troca
Caixa Registradora Meio quilo de pó de café
Espelho
Os Bens podem ser classificados segundo o modo como são considerados. A classificação que nos interessa é
aquela que os divide em:
• Bens tangíveis ou materiais;
• Bens intangíveis, incorpóreos ou imateriais;

Bens tangíveis ou materiais: como o próprio nome diz, são aqueles que possuem corpo, matéria; e por sua vez
dividem-se em:

• Bens móveis: os que podem ser removidos do seu lugar. Ex.: mesas, veículos, máquinas de escrever, dinheiro,
mercadorias, etc.;
• Bens imóveis: os que não podem ser deslocados do seu lugar natural. Ex.: Casas, terrenos, edifícios, etc.

Bens intangíveis, incorpóreos ou imateriais: são aqueles que, embora considerados Bens, não possuem corpo, não
tem matéria. São determinados gastos que a empresa faz, os quais por sua natureza, devem ser considerados parte do
seu patrimônio. Não existe muita variedade. Os mais comuns são:

• Benfeitorias em imóveis de terceiros: suponhamos que nossa empresa construiu um depósito, nas dependências
da empresa e ligado a loja. Como o imóvel onde a nossa empresa está é alugado, o valor gasto com a construção
do depósito será contabilizado no Patrimônio da nossa empresa como bem imaterial, com o título de Benfeitorias
em Imóveis de Terceiros, já que o referido gasto constitui uma benfeitoria em imóvel que não é de propriedade
da nossa empresa.
• Fundo de comércio: Suponhamos por exemplo que José tenha uma loja. Todos os moradores da região estão
acostumados a comprar na loja, que já existe a vários anos.
Reinaldo, também interessado em comércio pretende comprar a loja de José. José faz um levantamento de tudo o
que possui e chega à conclusão que, somando os valores de seus Bens, Direitos e Obrigações, o Patrimônio de sua
empresa vale R$ 50.000,00. Porém José cobra de Reinaldo R$ 70.000,00, essa diferença de R$ 20.000,00
corresponde ao preço pelo qual José avaliou o seu ponto (local de trabalho, clientela, fama da loja, o tempo em que
trabalhou ali). Na contabilidade de Reinaldo, que esta comprando, esse valo de R$ 20.000,00 será registrado como
bem imaterial, com o título de Fundo de Comércio.
• Marcas e Patentes: Se por ventura uma empresa inventa algum produto ou possui uma marca própria, deve
registrar a patente do seu invento ou a sua marca. A importância gasta com esse registro, somadas todas as
despesas de pesquisa necessárias à obtenção do invento, será registrada, na Contabilidade, como Bem imaterial.

DIREITOS
É comum as empresas efetuarem venda a prazo, quando isso ocorre a empresa não recebe no ato o dinheiro
correspondente à venda; receberá futuramente, porque a venda foi a prazo. Sendo assim a empresa fica com direito de
receber o valor da venda no prazo determinado.

Constituem Direitos para a empresa todos os valores que ela tem a receber de
terceiros. (neste caso são os clientes, fregueses da empresa)

Esses direitos geralmente aparecem com os nomes dos elementos seguidos da expressão a receber, exemplo:

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
6

ELEMENTO Expressão
Duplicatas a Receber
Promissórias a Receber
Aluguéis a Receber

OBRIGAÇÕES
São dívidas exigíveis com outras pessoas, na Contabilidade tais dívidas são denominadas obrigações exigíveis,
compromissos que serão reclamados, exigidos na data de seu vencimento.
No caso de um empréstimo bancário, a empresa fica devendo ao banco (empréstimo a pagar), se a dívida não for
liquidada na data do vencimento, o banco exigirá o seu pagamento.
É comum também as empresas efetuarem compras a prazo. Quando isso ocorre a empresa não paga a compra no
ato; deverá pagar futuramente, porque a compra foi a prazo. Neste caso a empresa fica com a obrigação de pagar o valor da
compra no prazo determinado.

Constituem Obrigações para a empresa todos os valores que ela tiver a pagar
para terceiros. (neste caso são os fornecedores)

Essas obrigações geralmente aparecem com os nomes dos elementos seguidos da expressão a Pagar, exemplo:

ELEMENTO Expressão
Duplicatas a Pagar
Promissórias a Pagar
Aluguéis a Pagar
Salários a Pagar
Impostos a Pagar

Perguntas e respostas
Existem outros exemplos de bens intangíveis?
Além da marca, podemos também considerar a clientela de uma loja, o ponto comercial onde ela está instalada, reputação
ou imagem (Nestlé, coca-cola, VW, Mercedes, etc) lealdade de clientes, estoque de conhecimentos (recursos humanos de
altíssimo nível) etc.

Como os bens intangíveis são comumente chamados no mercado financeiro?


Embora não signifiquem a mesma coisa, há diversas formas: fundo de comercio, goodwill, capital intelectual, mais valia.

Sabe-se da crise econômica atual, mesmo em crise há implantação de novas empresas?


Num ambiente de crise econômica, pode-se apresentar até um índice maior de novas empresas, porém deve-se concordar
que há uma fatia de empreendorismo por necessidade, pela falta de opções no mercado de trabalho, muitas pessoas abrem
seu próprio negócio por que não tinham outra opção de trabalho, muitas vezes sem planejamento, comprometendo a
continuidade da empresa.

ASPECTOS QUALITATIVO E QUANTITATIVO DO PATRIMÔNIO


Vimos que o Patrimônio é um conjunto de Bens, Direitos e Obrigações, mas se eu disser que o Patrimônio da
empresa é somente essas informações será possível avaliar o tamanho desse Patrimônio? É evidente que não.
Então, há necessidade de ressaltar dois aspectos que a Contabilidade leva em conta para representar
adequadamente os elementos que compõem o Patrimônio: o qualitativo e o quantitativo.

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
7

PATRIMÔNIO ASPECTO QUALITATIVO: Este aspecto consiste em qualificar


Bens os Bens, Direitos e Obrigações. Assim:
• Dinheiro Com este aspecto, já melhorou a idéia que se pode Ter do
• Veículos Patrimônio de nossa empresa. Mas ainda não basta, pois: Quanto de
• Máquinas
dinheiro possuo? Quanto de Veículos tenho? Daí a necessidade do
Direitos
• Duplicata a Receber
segundo aspecto.
• Promissória a Receber
Obrigações
• PATRIMÔNIO
Duplicatas a Pagar
ASPECTO QUANTITATIVO: Este aspecto consiste em dar a
Bens esses Bens, Direitos e Obrigações seus respectivos valores, levando-
• Impostos a Pagar
• Dinheiro R$ 5.000 nos a conhecer o valor do Patrimônio da empresa. Assim:
• Veículos R$ 50.000 Agora, com essas informações, é possível fazer uma idéia do
• Máquinas R$ 10.000
Direitos
tamanho do Patrimônio da empresa, pois ficou esclarecido o que e
• Duplicata a Receber R$ 3.000 quanto a empresa tem em Bens, Direitos e Obrigações.
• Promissória a Receber R$ 2.000
Obrigações REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO PATRIMÔNIO
• Duplicatas a Pagar R$ 8.000
• Impostos a Pagar R$ 500
Até aqui, quando nos referíamos ao Patrimônio fizemos sua
representação da seguinte forma:
BENS
PATRIMÔNIO = DIREITOS
OBRIGAÇÕES

Porém, visando atender ao aspecto didático, e para tornar mais fácil a compreensão do
Patrimônio, a partir de agora vamos representá-lo em um gráfico simplificado, em forma
de T.

Patrimônio
Bens Obrigações
Direitos O T, como vemos, tem dois lados. No lado esquerdo, colocamos os Bens e os Direitos:

Patrimônio
Obrigações

No lado direito as Obrigações

Patrimônio
Bens Obrigações
Direitos Então a Representação gráfica do Patrimônio fica assim.

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
8

Patrimônio A Contabilidade atribui nomes aos elementos componentes


ATIVO PASSIVO do Patrimônio, dentro da lógica que a teoria contábil exige,
Bens Obrigações conforme veremos. Na representação gráfica apresentada
Móveis e utensílios Salários a pagar temos, de uma lado, os Bens e os Direitos, que formam o
Estoque de mercadorias Duplicatas a pagar
grupo dos elementos positivos; e de outro lado, as obrigações,
Caixa (dinheiro) Impostos a pagar
Direitos
que formam o grupo dos elementos negativos. Eis aí os
Duplicatas a receber primeiros nomes: elementos positivos e elementos
Promissórias a receber negativos.

Do lado esquerdo do gráfico é chamado de lado positivo, pois


os Bens e Direitos representam, para a empresa a sua parte
positiva (é o que ela tem efetivamente – Bens – e o que ela
tem para receber – Direitos).

Do lado direito, por sua vez, é chamado lado negativo, pois as Obrigações representam a parte negativa da empresa (é o
que ela tem a pagar).

Os elementos positivos são denominados, ainda, componentes Ativos, e o seu conjunto forma o ATIVO.
Os elementos negativos são denominados componentes Passivos; por isso encontram-se no PASSIVO.

SITUAÇÕES LÍQUIDAS PATRIMONIAIS


Até agora foi esclarecido o que é Ativo, Passivo e onde devem ser colocados os elementos representativos dos Bens,
dos Direitos e das Obrigações.
Para que a representação gráfica do Patrimônio seja completa é preciso representar os elementos que o compõem com
seus respectivos valores. Iremos estudar as situações líquidas para atender a um grande objetivo: acrescentar ao seu
conhecimento mais um grupo de elementos na representação gráfica do Patrimônio, este novo grupo se chama Patrimônio
Líquido, que juntamente com os Bens, os Direitos e as Obrigações completará a referida representação gráfica do
Patrimônio, permitindo que o total do lado esquerdo seja igual ao total do lado direito, dando-lhe forma de equação.
Entretanto para uma melhor compreensão desse novo grupo de elementos (Patrimônio Líquido), vamos estudar antes as
Situações Líquidas Patrimoniais possíveis.
Considerando cada um dos elementos que representam os Bens e os Direitos (Ativo), com seus respectivos valores em
reais, e somando esses valores, temos o total do Ativo:

BENS
Caixa R$ 30,00
Móveis R$ 50,00
Estoque de mercadorias R$ 20,00
Soma dos bens R$ 100,00
DIREITOS
Duplicatas a Receber R$ 40,00
Promissórias a Receber R$ 10,00
Soma dos Direitos R$ 50,00

Soma total do Ativo R$ 150,00

Procedendo da mesma forma com os elementos que representam as Obrigações, temos:

OBRIGAÇÕES
Duplicatas a Pagar R$ 35,00
Salários a Pagar R$ 15,00
Impostos a Pagar R$ 30,00
Soma total das Obrigações R$ 80,00

O total dos Bens mais o total dos Direitos menos o total das Obrigações denomina-se Situação Líquida Patrimonial.
Logo:
Ativo R$ 150,00
( - ) Obrigações R$ 80,00
= SITUAÇÃO LÍQUIDA PATRIMONIAL R$ 70,00

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
9

Situação Líquida
Bens Direitos Obrigações
+ - = Patrimonial

No gráfico que estamos utilizando para representar o Patrimônio, a Situação Líquida Patrimonial é colocada sempre
do lado direito. Ela deve ser somada ou subtraída das Obrigações, de modo a igualar o lado do Passivo com o lado do
Ativo, dando-lhe forma de equação patrimonial. Assim:

Patrimônio
ATIVO PASSIVO
Bens Obrigações
Caixa 30,00 Duplicatas a Pagar 35,00
Móveis 50,00 Salários a Pagar 15,00
Estoques de Mercadorias 20,00 Impostos a Pagar 30,00
Direitos
Duplicatas a Receber 40,00 SITUAÇÃO LÍQUIDA 70,00
Promissórias a Receber 10,00

TOTAL 150,00 TOTAL 150,00

Conforme afirmamos, o total do lado esquerdo (150) tem que ser igual ao total do lado direito (150). Veja: no Ativo temos
Bens + Direitos = 150 e no Passivo temos Obrigações + Situação Líquida = 150.

• A partir daqui passaremos a representar o Patrimônio através do mesmo gráfico em forma de T, porém com o título
apropriado de Balanço Patrimonial.

SITUAÇÕES LÍQUIDAS PATRIMONIAIS POSSÍVEIS

• Ativo maior que o Passivo

Balanço Patrimonial Observe que os dois lados não tem o mesmo valor. Logo
ATIVO PASSIVO precisamos igualá-los:
Bens 200,00 Obrigações 180.00
Lado do Ativo +R$ 300,00
Direitos 100,00 Lado do Passivo - R$ 180,00
Diferença +R$ 120,00
Total 300,00 Total 180,00

Observação:
Antes de cada valor colocamos um sinal:
O Ativo, contendo Bens e Direitos é positivo; logo o sinal é mais +

O Passivo nesse caso somente com obrigações é negativo; logo


Balanço Patrimonial o sinal é de menos
ATIVO PASSIVO A diferença de R$ 120,00 é chamada Situação Líquida; será
Bens 200,00 Obrigações 180.00 colocada do lado do Passivo e adicionada ao valor das
Direitos 100,00 +Situação Liquida 120,00 Obrigações, já que a Situação Líquida é positiva. Logo o
Balanço Patrimonial fica como o expresso ao lado.
Total 300,00 Total 300,00
Neste caso a Situação Líquida chama-se:
a) Situação Líquida Positiva
b) Situação Líquida Ativa
A T I VO > P A S S I V O => Situação Líquida
c) Situação Líquida Superavitária (Bens e Direitos) (Obrigações) Positiva

Veja por que:

a) É chamada Situação Líquida Positiva porque o total dos elementos positivos (Bens +Direitos) supera o total dos
elementos negativos (Obrigações) em R$ 120,00.

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
10

b) É chamada Situação Líquida Ativa porque o total do Ativo (Bens + Direitos) supera o total do Passivo (Obrigações)
em R$ 120,00
c) É chamada Situação Líquida Superavitária por ser uma situação positiva. Suponha que haja intenção de se liquidar a
empresa neste momento, vendendo os Bens ao preço que custaram teremos R$ 200,00 e recebendo todos os Direitos
no valor de R$ 100,00, teremos em mãos R$ 300,00. Pagando todas as Obrigações, no valor de R$ 180,00, sobrariam
para o proprietário da empresa R$ 120,00. Por isso dizemos que a quantia que sobrou de R$ 120,00 é Situação
Superavitária; é o que restou positivamente; é o valor positivo que superou o negativo.

• Ativo menor que o Passivo

Balanço Patrimonial Lado do Ativo +R$ 300,00


ATIVO PASSIVO Lado do Passivo - R$ 340,00
Bens 200,00 Obrigações 340,00 Diferença - R$ 40,00
Direitos 100,00

Total 300,00 Total 340,00

Sendo a diferença negativa, a representação gráfica completa


e como se expressa ao lado. Balanço Patrimonial
Neste caso a Situação Líquida chama-se: ATIVO PASSIVO
a) Situação Líquida Negativa Bens 200,00 Obrigações 340.00
b) Situação Líquida Passiva Direitos 100,00 - Situação Liquida 40,00
c) Situação Líquida Deficitária
d) Passivo a Descoberto Total 300,00 Total 300,00

a) É Situação Líquida Negativa porque o total dos elementos negativos (Obrigações) supera o total dos elementos
positivos (Bens e Direitos) em R$ 40,00
b) É Situação Líquida Passiva por que o total do Passivo (Obrigações) é superior ao total do Ativo (Bens e Direitos)
c) É Situação Líquida Deficitária por ser uma situação negativa. Se houver interesse em liquidar a empresa neste
momento, vendendo os Bens a preço de custo, teremos R$ 200,00, recebendo os Direitos termos R$ 100,00. Portanto
teremos R$ 300,00 em mãos. Para saldar nossos compromissos, precisaremos de R$ 340,00, que é o valor das
Obrigações, logo faltam R$ 40,00. Por isso a Situação Líquida é deficitária; o total dos elementos positivos é
insuficiente para saldar os compromissos.
d) É Passivo a Descoberto porque o total do Ativo não é suficiente para cobrir o total do Passivo.

A T I VO < P A S S I V O => Situação Líquida


(Bens e Direitos) (Obrigações) Negativa

• Ativo igual ao Passivo

Balanço Patrimonial Lado do Ativo +R$ 300,00


ATIVO PASSIVO Lado do Passivo - R$ 300,00
Bens 200,00 Obrigações 300,00 Diferença - R$ 0,00
Direitos 100,00

Total 300,00 Total 300,00


Neste caso o Ativo é inteiramente absorvido pela
Obrigações, e a Situação Líquida é nula, inexistente.

Observe que, se pretendêssemos liquidar essa empresa neste momento, tudo o que se apuraria com a venda dos
Bens e com o recebimento dos Direitos seria necessário para cobrir apenas as obrigações, não restando nada para o
proprietário.

A T I VO = P A S S I V O => Situação Líquida


(Bens e Direitos) (Obrigações) Nula

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
11

• Ativo igual a Situação Líquida

Balanço Patrimonial
ATIVO PASSIVO
Bens 200,00 +Situação Líquida 300,00 Ocorre quando não há Obrigações. Neste caso a Situação
Direitos 100,00 Líquida é positiva.
Total 300,00 Total 300,00

• Situação Líquida igual ao Passivo

Balanço Patrimonial
ATIVO PASSIVO
Obrigações 200,00
Ocorre quando não há Ativo, apenas Obrigações. Nesse caso a
-Situação Liq. (200,00) Situação Líquida é negativa.

Total 0,00 Total 0,00


PATRIMÔNIO LÍQUIDO
Patrimônio Líquido é o quarto grupo de elementos patrimoniais que, juntamente com os Bens, Direitos e
Obrigações, completará a Demonstração Contábil denominada Balanço Patrimonial.
Ao passar pela fachada de uma grande empresa, imponente, jardins ao redor, frota própria, podemos imaginar
“Como é grande o patrimônio desta empresa”, porem podemos estar altamente errados, pois o patrimônio também envolve
obrigações, a empresa poderá estar a um passo da falência ou totalmente endividada, desse modo se conclui que o
patrimônio por si só não representa a riqueza de uma empresa.
O total do grupo Patrimônio Líquido é igual ao valor da Situação Líquida da empresa. Assim, se a Situação
Líquida for positiva, o total do grupo Patrimônio Líquido da empresa será igualmente positivo; se, por outro lado a
Situação Líquida da empresa for negativa, o total do Grupo Patrimônio Líquido será igualmente negativo; e, ainda se a
Situação Líquida for nula, o grupo Patrimônio Líquido também refletirá essa situação. Esse grupo, no Balanço Patrimonial
de uma empresa aparece sempre do lado direito, juntamente com as obrigações.

Balanço Patrimonial
O Patrimônio Líquido é composto pelos seguintes
ATIVO PASSIVO elementos:
Bens Obrigações • Capital
Direitos Patrimônio Líquido
• Reservas
• Lucros ou prejuízos Acumulados

Quanto ao Capital, já estudado anteriormente. Na fase de constituição da empresa, o Capital é a principal fonte do
Patrimônio Líquido, pois representa a soma dos valores que o proprietário investiu na empresa.
Quanto ao Lucro, repetimos que é o principal objetivo das empresas. No final do exercício (período em que a
empresa opera – geralmente 1 ano), a empresa poderá obter lucros ou prejuízos. No caso de lucro, ele terá vários destinos,
como imposto de renda, distribuição aos sócios, formação de reservas, etc. A parte não distribuída ficará retida para futuras
aplicações com o título de Lucros Acumulados. Havendo Prejuízo, este poderá ser dividido entre os sócios , ou permanecer
no Patrimônio com o título de Prejuízos Acumulados.
Quanto as Reservas, correspondem a partes dos lucros que são retiradas (reservadas) para determinados fins,
como por exemplo a Reserva Legal, que pode ser utilizada para aumentar o Capital da empresa.

Nota: A partir deste ponto, em que já foi definido o Patrimônio Líquido e mostrado o seu posicionamento no
gráfico representativo do Patrimônio, você não deverá escrever ao representar graficamente um Situação
Patrimonial, Bens, Direitos, Obrigações e Situação Líquida. Terá que ter sempre em mente que no lado do Ativo
são colocados os elementos que representam os Bens e os Direitos, e no lado do Passivo, os elementos que
representam as Obrigações e o Patrimônio Líquido.

FORMAÇÃO DO PATRIMONIO

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
12

Para se constituir uma empresa é preciso que se tenha, inicialmente um capital. Quando a empresa esta sendo
constituída, a palavra Capital é usada para representar o conjunto de elementos que o proprietário da empresa possui para
iniciar suas atividades. Por exemplo: Se vamos abrir uma loja, e para esse fim possuímos R$ 60.000,00 em dinheiro, logo,
esse valor constitui o nosso Capital Inicial.
O Capital Inicial pode ser composto por:
• Dinheiro
• Móveis
• Veículos
• Promissórias a receber

Suponhamos que uma pessoa deseje iniciar suas atividades e possua R$ 5.000,00 em dinheiro e um caminhão no
valor de R$ 60.000,00. Neste caso, seu Capital Inicial é de R$ 65.000,00, sendo:
• Em dinheiro R$ 5.000,00
• Em Veículos R$ 60.000,00
TOTAL DO CAPITAL R$ 65.000,00

Este Capital é conhecido por: CAPITAL – CAPITAL INICIAL – CAPITAL NOMINAL – CAPITAL
SUBSCRITO

EXEMPLO DE FORMAÇÃO DO PATRIMÔNIO E SUAS VARIAÇÕES


Vamos acompanhar a formação do Patrimônio de uma empresa comercial e alguns exemplos de sua
movimentação, representado, a cada acontecimento, a Situação Patrimonial respectiva:
1. Luiz Felipe constitui uma empresa para explorar o comércio de tintas, com um Capital Inicial de R$ 50.000,00.
Vamos representar p Patrimônio de Luiz Felipe nesse momento. Veja que ele está iniciando suas atividades com R$
50.000,00 em dinheiro. Evidentemente, dinheiro é um Bem; portanto , ele terá essa importância no Ativo representada pelo
elemento Caixa.
Como estamos constituindo o Patrimônio de Luiz Felipe com um Capital Inicial de R$ 50.000,00 em dinheiro, essa
importância representará no Balanço Patrimonial, uma Situação Líquida positiva, com o nome de Capital.
Assim representado dos elementos componentes do Patrimônio apenas com essa ocorrência, isto é, investimento
inicial em dinheiro, através do Balanço Patrimonial temos:

Balanço Patrimonial Obs: Veja que na representação gráfica temos dois


elementos: Caixa e Capital. O elemento Caixa não traz
ATIVO PASSIVO
nenhuma dúvida, pois se a importância possuída é em
Caixa 50.000 Capital 50.000
dinheiro , e dinheiro sendo Bem, evidentemente será
colocada do lado do Ativo. Porém o elemento Capital, que
você esta vendo pela primeira vez na representação gráfica
do Patrimônio (Balanço Patrimonial), pode lhe acarretar
alguma dificuldade. Note que , em toda a representação gráfica que exprime elementos patrimoniais em forma de balanço,
o lado do Ativo deve ser igual ao lado do Passivo.
Note ainda que chamamos de Capital e, conforme explicamos antes do balanço, o denominamos dessa forma por
ser esse valor a Situação Líquida Positiva inicial.
Raciocinando em termos da equação fundamental do Patrimônio, onde o Ativo é igual ao Passivo mais o
Patrimônio Líquido (A = P + PL) , sendo o Ativo composto por Bens + Direitos, o Passivo composto pelas Obrigações e o
Patrimônio Líquido composto por Capital, Reservas e Lucros ou Prejuízos Acumulados; assim temos:
• No Ativo, o elemento Caixa correspondendo ao grupo dos Bens.
• No Passivo, o elemento Capital correspondendo ao grupo Patrimônio Líquido.
Assim se a Situação Líquida da empresa é Positiva em R$ 50.000, essa situação esta coincidindo com o grupo do
Patrimônio Líquido.

2. Em seguida surgem as aplicações desse capital na compra de bens:


• Compra de móveis e utensílios, à vista: R$ 5.000,.
• Compra de um automóvel, à vista: R$ 30.000,.
Com essas compras, veja o que aconteceu no Patrimônio:
O Caixa que tinha R$ 50.000, ficou reduzido a R$ 15.000, pois R$ 35.000, foram gastos nas aquisições citadas. Em
compensação, apareceram no Ativo mais dois elementos (Bens):
• Móveis e Utensílios, no valor de R$ 5.000,
• Veículos, no valor de R$ 30.000,
O Patrimônio passou a ser representado do seguinte modo:

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
13

Note que, embora tenha havido movimento no Patrimônio,


Balanço Patrimonial o seu valor total não se alterou. Apenas houve troca de
ATIVO PASSIVO valores no Ativo: o Caixa diminuiu em R$ 35.000, mas esse
Caixa 15.000 Capital 50.000 valor apareceu novamente em Móveis e Utensílios e
Móveis Utens. 5.000 Veículos. No lado do Passivo não houve alteração; o
Veículos 30.000 Patrimônio Líquido permanece. Por isso repete-se no lado
do Passivo o Elemento Capital.
Total 50.000 Total 50.000
3. Sentindo necessidade de adquirir outros Bens para se
expandir, e sendo o seu Capital insuficiente, a empresa compra a prazo:
• Compra a prazo de mercadorias para revenda, da Casa de Tintas Taubaté, conforme aceite de duplicatas no valor
de R$ 20.000, para vencimento em 30 e 60 dias.
Quando a empresa compra a prazo, ela passa a trabalhar com o capital de outras pessoas. Cria assim obrigações
para futuros pagamentos. Nesse caso, tanto o Ativo quanto o Passivo serão aumentados. O Ativo pela entrada das
mercadorias (Bens); e o Passivo pela Obrigação contraída através do aceite das Duplicatas.
Após essa operação de compra de mercadorias a prazo, o Patrimônio da empresa será representado da seguinte
forma:
Balanço Patrimonial
ATIVO PASSIVO
Caixa 15.000 Dupl. a Pagar 20.000 Note que os elementos Caixa, Móveis e Utensílios, Veículos
Móveis Utens. 5.000 e Capital permanecem os mesmos, pois não sofreram
Veículos 30.000 nenhuma alteração.
Est. Mercadorias 20.000 Capital 50.000 4. Suponhamos. Agora, que a empresa de Luiz Felipe
efetue o pagamento, em dinheiro, de uma duplicata, no
valor de R$ 5.000,.
Total 70.000 Total 70.000 Esse pagamento acarretara uma diminuição no
Ativo, pois o Caixa será diminuído em R$ 5.000, e uma
diminuição também no Passivo, pela extinção de parte das Obrigações em R$ 5.000, . O Patrimônio de Luiz Felipe, após
esta operação, será representado assim:

Balanço Patrimonial
ATIVO PASSIVO
Caixa 10.000 Dupl. a Pagar 15.000 Como você pode observar, cada fato que ocorre na empresa
Móveis Utens. 5.000 modifica o seu Patrimônio, apresentando uma nova Situação
Veículos 30.000 Patrimonial.
Est. Mercadorias 20.000 Capital 50.000

Total 65.000 Total 65.000 ORIGEM E APLICAÇÃO DE RECURSOS

Todos os recursos que entram na empresa passam pelo Passivo e Patrimônio Líquido, os recursos financeiros ou
materiais são originados dos proprietários, fornecedores, bancos, governo, financeiras, etc e tem uma aplicação.
Vimos que a palavra Capital representa um elemento do grupo do Patrimônio Liquido e que, quando da
constituição de uma empresa, representa os Bens com os quais o proprietário inicia suas atividades.
Entretanto na Contabilidade, quando a palavra capital esta acompanhada do adjetivo total, compondo a expressão
Capital Total à disposição da empresa, ela representa os recursos totais de que a empresa dispõe. Observe o
Patrimônio a seguir representado:
Note que o Capital Nominal da empresa é de
Balanço Patrimonial da Empresa Coml Taubate Ltda
R$ 800,00 e o Capital a disposição da
ATIVO PASSIVO empresa ou Capital Total é de R$ 1.150,00.
Caixa 500, Fornecedores 350, Conforme frisamos, todos os nomes, títulos
Veículos 300, utilizados pela Contabilidade, são assim
Moveis 100, aplicados com muita lógica.
Estoque Mercadorias 200, Capital 800,
Chegou o momento de você saber porque o
Duplicatas a Rec. 50,
Patrimônio da empresa é representado pelo
Balanço Patrimonial em um gráfico de dois
Total 1.150, Total 1.150 , lados e porque ambos os lados possuem o
mesmo total; e ainda, porque o valor do
Patrimônio não é igual a soma dos dois totais encontrados nos dois lados do Balanço Patrimonial.

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
14

Para começar, o que a representação gráfica mostra?


Respondemos que o Passivo mostra a Origem de Capitais, isto é, como a empresa conseguiu os recursos que
possui; e o Ativo mostra a Aplicação de Capitais, isto é, onde a empresa empregou os recursos originados pelo lado do
Passivo.
Veja a seguir o que vem a ser Origem e Aplicação de Recursos.

PASSIVO – Origem dos Recursos

Balanço Patrimonial No lado do Passivo, são representados dois grupos de


elementos patrimoniais:
PASSIVO
Obrigações: correspondem a parte do Patrimônio que a
Obrigações empresa deve para terceiros. Por isso são também chamadas
Patrimônio Líquido
Capitais de Terceiros, pois a empresa tem que pagá-las
para terceiros.
Patrimônio Líquido: é a parte do Patrimônio que pertence
ao Proprietário. São os Capitais Próprios

RESUMINDO: Capitais de Terceiros = Obrigações


Capitais Próprios = Patrimônio Líquido

• Capitais Próprios: podem se originar de duas fontes:


1. Recursos do Proprietário. É o caso do Capital Inicial ou aumentos posteriores
2. Evolução normal da empresa. É o caso dos Lucros e conseqüentemente das reservas

No caso de lucro, ele terá vários destinos, como imposto de renda, distribuição aos sócios, formação de
reservas, etc. A parte não distribuída ficará retida para futuras aplicações com o título de Lucros Acumulados.
Quanto as Reservas, correspondem a partes dos lucros que são retiradas (reservadas) para determinados fins,
como por exemplo a Reserva Legal, que pode ser utilizada para aumentar o Capital da empresa.

Embora de forma bem simples, acrescentamos ao seu conhecimento mais dois elementos do Patrimônio Líquido:
Reservas e Lucros, os quais, juntamente com o Capital, constituem os Capitais Próprios da Empresa.

• Capitais de Terceiros: O desenvolvimento normal da empresa faz com que ela efetue um série de operações que
poderão acarretar Obrigações, as quais serão representadas por Duplicatas a Pagar, Promissórias a Pagar, etc. Essas
Obrigações constituem Capitais de Terceiros.

ATIVO – Aplicação dos Recursos

Balanço Patrimonial
ATIVO
Bens
Direitos

Os Capitais Próprios e de terceiros representados no lado do PASSIVO, são aplicados na empresa em Bens e
Direitos, conforme demonstra o lado do ATIVO. Portando os recursos que a empresa utilizou para Ter no seu ATIVO os
Bens e Direitos foram obtidos conforme mostram os elementos do PASSIVO.
Veja a seguir esta representação gráfica, analise as observações e responda as questões anexas.

Balanço Patrimonial
ATIVO PASSIVO
Caixa 1.100 Duplicatas a Pagar 1.000
Estoque de Mercadorias 1.400 Promissórias a Pagar 500
Duplicatas a Receber 700
Capital 1.700

Total 3.200 Total 3.200

Quando você analisar um Balanço Patrimonial, atente para os seguintes pontos:

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
15

 O Ativo mostra em que a empresa aplicou seus recursos, ou onde ela aplicou todo o seu Capital. No caso, os
recursos totais da empresa estão aplicados: no Caixa, R$ 1.100,00; em Estoques de Mercadorias, R$ 1.400,00; e
em Duplicatas a Receber, R$ 700,00;
 O Passivo mostra onde a empresa conseguiu os recursos que estão aplicados no Ativo. No caso, R$ 1.700,00
representam o Capital Nominal ou Capital Inicial, e R$ 1.500,00 são Capitais de Terceiros, originados por
compras a prazo ou por empréstimos contraídos.

CONTAS
CONCEITO E DEFINIÇÃO

Na sua linguagem cotidiana, o que representa a palavra conta? Possivelmente você irá lembrar da conta da
padaria, da cantina, na loja... Seriam as contas que temos a pagar.
Veja o conceito do ponto de vista técnico:

“CONTA é o nome técnico dado aos componentes patrimoniais (Bens, Direitos e Obrigações e Patrimônio Líquido)
e aos elementos de resultado (Despesas e Receitas).”

Até o presente quando nos referimos de aos componentes patrimoniais, falamos em elementos. Por exemplo:
elemento Caixa, elemento Veículo, etc., não será apresentado nada de novo; simplesmente quando nos referirmos aos
componentes patrimoniais não diremos elementos e sim contas (conta Caixa, conta Veículos, etc.)
Para que servem as contas?
É através delas que a Contabilidade consegue desempenhar o seu papel. Todos os acontecimentos que ocorrem na
empresa, como as compras, as vendas, os pagamentos e os recebimentos são registrados em livros próprios através das
contas.

CLASSIFICAÇÃO DAS CONTAS

As contas As contas podem ser classificadas de acordo com vários critérios, entretanto, aquele que nos interessa é
o que as classifica em dois grupos:

 Contas Patrimoniais
 Contas de Resultado

Contas Patrimoniais

As Contas Patrimoniais você já conhece, pois até agora só nos referimos a elas, representam os Bens, os
Direitos, as Obrigações e o Patrimônio Líquido. Dividem-se em Ativas e Passivas e são elas que representam o Patrimônio
da empresa, num dado momento, através do Balanço Patrimonial.

Contas de Resultado

As Contas de Resultado dividem-se em Contas de Receitas e Contas de Despesas, aparecem durante o


exercício social encerrando-se no final do mesmo. Não fazem parte do Balanço Patrimonial, mas permitem apurar o
resultado do exercício.
As Contas de Resultado são aquelas que representam as Despesas e as Receitas.

DESPESAS: decorrem do consumo de bens e da utilização de serviços. Por exemplo: a energia elétrica
consumida, os materiais de limpeza consumidos (sabões, desinfetantes, vassouras, detergentes), o café consumido, os
materiais de expedientes consumidos (canetas, papéis, lápis, impressos, etc), a utilização de serviços telefônicos, etc.
As Despesas são registradas pela Contabilidade através das Contas de Resultados. Vendo os exemplos de Contas
de Despesas a seguir você identificará o tipo de Despesa:
 Água e Esgoto
 Aluguéis Passivos
 Café e Lanches
 Contribuição Previdenciária
 Descontos Concedidos
 Despesas Bancárias
 Fretes e Carretos
 Impostos

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
16

 Material de Expediente
 Juros Passivos
 Luz
 Material de Limpeza
 Salários
 Prêmios de Seguros
 Telefone

RECEITAS: decorrem da venda de Bens e da prestação de serviços. Existem em menos número que as Despesas,
sendo as mais comuns representadas pelas seguintes contas:
 Alugueis Ativos
 Descontos Obtidos
 Juros Ativos
 Vendas de mercadorias
 Receitas de Serviços.

Existem Contas de Resultado que podem aparecer tanto no Grupo das Receitas quanto no Grupo das Despesas. É o
caso dos Alugueis, dos Juros e dos Descontos.
Como saber quando tais Contas representam Despesas e quando elas representam Receitas?
Na língua portuguesa existem palavras que possuem vários significados dependendo de sua colocação. Por isso
analise com cuidado os adjetivos a seguir:
Veja a diferença de uma conta de Aluguéis que representa Despesa e uma conta de Aluguéis que representa
Receita:

 A conta Aluguéis Passivos é Despesa.


 A conta Aluguéis Ativos é Receita.

A diferença está nos adjetivos empregados, note que as palavras passivos e ativos não tem nenhuma ligação com o
Ativo ou o Passivo do Balanço Patrimonial. Portanto a palavra Ativos colocada após a palavra aluguéis, esta sendo usada
como adjetivo, qualificando os Aluguéis de positivos (logo, receita). Por outro lado a conta Aluguéis Passivos não é do
Passivo; representa sim , Aluguéis Negativos (logo, Despesa)
O mesmo raciocínio deve ser aplicado as contas que registram juros:

 A conta Juros Ativos é Receita.


 A conta Juros Passivos é Despesa.

No caso de Descontos, são Despesas quando concedidos pela empresa; daí serem registrados na Conta Descontos
Concedidos. E são Receitas quando obtidos pela empresa; daí serem registrados na conta Descontos Obtidos.

NOÇÕES DE DÉBITO E CRÉDITO


Mais um alerta para não confundir termos da linguagem comum, quando usados na terminologia contábil.

DÉBITO: na linguagem comum, significa :


• Dívida
• Situação negativa
• Estar em débito com alguém
• Estar devendo para alguém, etc.

Quando falarmos na palavra débito, procure não ligar o seu significado do ponto de vista técnico com o que ela
representa na linguagem comum.
Na terminologia contábil, essa palavra tem vários significados, os quais raramente correspondem ao da linguagem
comum.
Neste tópico é importante memorizar o seguinte:
• Na representação gráfica em forma de T , que estamos usando para representar as contas que compõem o
Patrimônio (Balanço Patrimonial), o lado esquerdo é o lado do Débito, com exceção das contas retificadoras
(essas contas serão comentadas mais adiante)

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
17

• Na representação gráfica, também em forma de T, que vamos usar para representar as Contas de resultado, o
lado esquerdo é o lado do Débito.

CRÉDITO: na linguagem comum, significa :


• Ter crédito com alguém, em uma loja , etc.
• Situação positiva
• Poder compras a prazo, etc.
Na terminologia contábil, a palavra Crédito também possui vários significados, as mesmas que fizemos para a
palavra débito aplicam-se a palavra crédito. Portando é importante memorizar:
• No gráfico das Contas Patrimoniais, o lado direito é o lado do Crédito, exceto para as contas retificadoras
• No gráfico das Resultado, o lado direito é o lado do Crédito.

Veja os gráficos
CONTAS PATRIMONIAIS
ATIVO = DÉBITO PASSIVO = CRÉDITO
Bens (+) Obrigações (-)
Direitos (+) Patrimônio Líquido (+)

CONTAS DE RESULTADO
DÉBITO CRÉDITO
Despesas (- ) Receitas (+)

Então:
• O lado do Ativo é igual a Débito por que as contas que o compõem são de natureza devedora
• O lado do Passivo é igual a Crédito por que as contas que o compõem são de natureza credora.

PLANO DE CONTAS
As contas são importantíssimas para os registros contábeis; são elas que permitem a escrituração doas atos e fatos
ocorridos na empresa. Todo contabilista, ao proceder à escrituração contábil deve Ter em mãos uma relação de todas as
contas necessárias ao seu processo contábil.

“O Plano de Contas é um elenco de todas as contas previstas pelo setor contábil da empresa como necessária aos seus
registros contábeis.”

O plano de contas é um instrumento de auxílio aos profissionais de Contabilidade, devendo ser utilizado para
definir a função e o funcionamento das contas cadastradas na empresa. Sua consulta faz-se necessária sempre que houver
dúvida quanto à correta classificação de um evento contábil.
Cada empresa deve elaborar o seu Plano de Contas sempre obedecendo aos seus interesses e, principalmente à
legislação pertinente. Atualmente, o Plano de Contas deve obedecer às disposições Contidas na Lei n.º 6.404 de 15 de
dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações).
Até o momento aprendemos que Contas Patrimoniais são aquelas que representam o Patrimônio da empresa,
dividindo-se em Ativo e Passivo, que o Lado do Ativo é composto pelos Bens e Direitos e que o lado do Passivo é
composto pelas Obrigações e pelo Patrimônio Líquido. Porém essas contas Patrimoniais são agrupadas no balanço
Patrimonial em Grupos e Subgrupos, sendo esse Plano de Contas Simplificado elaborado para facilitar, utilizando somente
os grupos principais.

Elaboração

A elaboração do plano de contas deve obedecer ao critério da utilidade, da identificação e da movimentação das contas
que serão cadastradas, procurando-se sempre transformá-lo em uma fonte de informações para a contabilidade, para os
administradores e para o fisco. Em função disso, o plano de contas deve ser elaborado observando-se os seguintes aspectos:

• Padronização: deve haver uniformidade das contas cadastradas, em função da necessidade de elaboração e publicação
das demonstrações contábeis, com o objetivo de atender aos interesses do público que necessita de informações da
empresa;

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
18

• Legislação fiscal: o plano de contas deve ajudar a identificar as contas que a empresa movimenta, para facilitar o
atendimento de informações fiscais;
• Lançamentos contábeis: o plano deve facilitar a classificação contábil e, conseqüentemente, os lançamentos,
permitindo uma interpretação correta dos eventos ou transações praticadas pela empresa;
• Nomenclatura das contas: deve haver clareza, a fim de possibilitar uma pesquisa de lançamento.

A estrutura de um plano de contas varia de empresa para empresa, em função do ramo de atividade de cada uma delas
e da movimentação ou número de transações praticadas. Não existe um plano de contas padrão que possa servir para todas
as empresas.

A – CONTAS PATRIMONIAIS

As Contas Patrimoniais dividem-se em dois grupos: Ativo e Passivo No Ativo estão agrupadas as contas
representativas dos Bens e Direitos e no Passivo as contas representativas das Obrigações e do Patrimônio Líquido.

1. ATIVO

As contas de ativo registram as operações da empresa que representam valores positivos ou direitos, tais como:
disponibilidades, créditos a receber, adiantamentos concedidos, investimentos, imobilizações etc.
Essas contas devem receber o lançamento inicial a débito (exceção para as retificadoras como provisões, depreciações
etc.) e não se encerram com a apuração do resultado do exercício.

Vejam-se a seguir suas principais características:


• Função: registrar a movimentação a débito e crédito das transações realizadas pela empresa referentes aos
recebimentos e pagamentos em cheque ou espécie, aquisições de mercadorias, materiais de uso e consumo,
imobilizações, antecipações ou adiantamentos a fornecedores e empregados, créditos da empresa etc.
• Funcionamento: são debitadas pelas entradas ou recebimentos e creditadas pelas saídas ou pagamentos;
• Natureza do saldo: devedor, quando se tratar de conta normal. Também as contas retificadoras de ativo apresentam
saldo credor (provisões e depreciações);
• Análise e conciliação: devem ser analisadas e conciliadas a cada mês, independente do saldo existente, comparando-se
os registros da contabilidade com os existentes nos controles auxiliares;
• Encerramento: não se encerram com a apuração do resultado do exercício.

No Ativo são encontradas todas as contas que representam os Bens e os Direitos devidamente classificados em 3
grupos:

• Ativo Circulante
• Ativo Realizável a longo prazo
• Ativo Permanente

A ordem de disposição das contas segundo a legislação vigente é a ordem decrescente do grau de liquidez dos
elementos nelas registrados.
Sendo que o Grau de Liquidez é o maior ou menor prazo no qual Bens e Direitos podem ser transformados em
dinheiro. Por ex. os estoques de mercadorias serão transformados me dinheiro quando forem vendidos à vista e as
duplicatas a receber quando forem recebidas.
A conta Caixa e a conta Bancos Conta Movimento são as que possuem maior grau de liquidez, pois representam
disponibilidades imediatas. Por isso, são as primeiras contas que aparecem no Plano de Contas.

1.1. Ativo Circulante

Encontram-se todas as contas que representam os Bens e os direitos que devido a sua finalidade, e em sua maioria,
estão em constante circulação. Correspondem aos recursos aplicados em elementos que estão em franco movimento, como
por ex. a conta Caixa que a todo instante está sendo movimentada (entra e sai dinheiro); o mesmo ocorre com a conta de
Estoque, Bancos Conta Movimento, etc.
Representa os Bens e os Direitos que já estão disponíveis ou cuja conversão em moeda seja a curto prazo.

• Disponibilidade: significa o que está disponível para a empresa, pode ser utilizado a qualquer momento para qualquer
fim.
• Curto prazo: sob o aspecto contábil, curto prazo representa todos os direitos a receber ou as obrigações a pagar cujos
vencimentos ocorram num período máximo de um ano, sendo que para se determinar se o direito ou a obrigação de

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
19

curto ou longo prazo, deve-se tomar como data base a data de encerramento do exercício, ou seja a data da apuração do
Balanço Geral.

1.2. Ativo Realizável a Longo Prazo

Encontram-se todas as contas que representem Direitos cujos vencimentos ocorram após o término do exercício
social subseqüente ao período de apuração. Por exemplo, os Títulos a Receber, Promissórias a Receber, Duplicatas a
Receber, etc.
Representa os direitos cuja conversão em disponibilidade exija um período superior a um ano.
• Realizável: representa tudo o que se pode converter ou transformar em disponibilidade. Por exemplo, uma duplicata
de cliente é um direito realizável; em um determinado momento ela vai se transformar em dinheiro.
1.3. Ativo Permanente

Encontram-se classificadas todas as contas que representam os Bens e Direitos, que pela sua finalidade,
representam recursos aplicados na empresa de maneira permanente. Por exemplo, os móveis de uso da empresa, os veículos
de uso da empresa, etc.
Representam os Bens e os Direitos que por sua natureza são utilizados para atingir seus objetivos comerciais ou
industriais, portanto o interesse em transformá-los em disponibilidades é remoto, daí o emprego da palavra permanente.

NOTA:
CONTAS RETIFICADORAS DO ATIVO: Você deve ter percebido que no Ativo apareceram três contas precedidas do
sinal de (-) menos, são elas:
• No Ativo Circulante: (-) Provisão para crédito de liquidação duvidosa
• No Ativo Permanente (-) Depreciação Acumulada
(-) Amortização Acumulada
Foi explicado que as contas de Ativo são de natureza devedora, porém por força de lei, existem contas que
embora de natureza credora, devem figurar no Ativo, retificando seus valores.

2. PASSIVO

As contas de passivo registram as operações da empresa que representam valores negativos ou obrigações, tais como:
débitos com os fornecedores, obrigações sociais, tributárias e trabalhistas, adiantamentos recebidos de clientes, retenções
de impostos e consignações efetuadas pela empresa, empréstimos recebidos etc.
Essas contas devem receber o lançamento inicial a crédito e não se encerram com a apuração do resultado do
exercício.
Vejam-se a seguir suas principais características:

• Função: registrar a movimentação a débito e a crédito das transações realizadas pela empresa referentes às operações
que se caracterizem como obrigação ou dívida;
• Funcionamento: são creditadas pelas entradas ou recebimentos e debitadas pelas saídas ou pagamentos;
• Natureza do saldo: credor;
• Análise e conciliação: devem ser analisadas e conciliadas a cada mês, independente do saldo existente, comparando-se
os registros da contabilidade com os existentes nos controles auxiliares;
• Encerramento: não se encerram com a apuração do resultado do exercício.

No Passivo você encontra as contas que representam as Obrigações e o Patrimônio Líquido, devidamente
classificadas em quatro grupos:
• Passivo Circulante
• Passivo Exigível a Longo Prazo
• Resultado de Exercícios Futuros
• Patrimônio Líquido

2.1. Passivo Circulante

Neste grupo encontram-se classificadas as Contas que representam Obrigações da empresa que vencem no curso
do exercício seguinte.
Representa as dívidas (obrigações) que a empresa tem com terceiros, cuja exigibilidade é de curto prazo.
Exigibilidade: significa tudo o que é exigido da empresa, isto é, tudo o que ela deve e tem que pagar para terceiros. Por
exemplo, uma duplicata de um fornecedor é uma exigibilidade; a empresa vai ter que pagar por ocasião do vencimento.

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
20

2.2. Passivo Exigível a Longo Prazo

Neste grupo encontram-se classificadas as Contas que representam as Obrigações da empresa que têm
vencimentos após o término do exercício seguinte.

2.3. Resultado de Exercícios Futuros

Neste grupo encontram-se contas que representam as receitas recebidas antecipadamente, diminuídas dos custos e
despesas correspondentes.

2.4. Patrimônio Líquido

Representa a obrigação que a empresa tem para com os sócios, isto é, o Capital Social, acrescido ou diminuído dos
lucros ou prejuízos verificado em cada exercício. Sua exigibilidade é remota, ocorrendo quando há distribuição de lucros,
quando um sócio se retira da sociedade, quando a emprese encerra suas atividades.
Neste grupo encontram-se as contas que representam o Patrimônio Líquido:

• Capital
• (-) Capital a Realizar
• Reserva de Correção Monetária do Capital
• Reserva Legal
• (+) Lucros Acumulados
• ( - ) Prejuízos Acumulados

As contas desse grupo representam Capitais Próprios.

NOTA:
Também no lado do Passivo, no grupo do patrimônio Líquido, você encontra Contas Redutoras:
• (-) Conta Capital a Realizar
• (-) Prejuízos Acumulados
São contas que , embora de natureza devedora, figuram no Passivo pelas mesmas razões já expostas em relação ao Ativo.

3. CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS

A finalidade dessas contas é controlar os atos administrativos relevante que possam afetar futuramente a Situação
Patrimonial da empresa.
Quando por exemplo uma empresa assina um contrato com uma Cia Seguradora, o valor segurado deve ser
registrado nas contas de compensação.

4. CONTAS RESULTADO

Da mesma forma que as Contas Patrimoniais, as Contas de Resultado são divididas em dois grupos: Receitas e
Despesas.
Por sua vez tanto as Receitas como as Despesas são classificadas em Operacionais e Não Operacionais.

4.1 RECEITAS E DESPESAS OPERACIONAIS

As operações que se enquadram nesse grupo referem-se as Receitas e Despesas que estão ligadas diretamente aos
objetivos da empresa e são utilizadas rotineiramente.
As Receitas são decorrentes de vendas, prestação de serviços, aplicação de recursos disponíveis, juros recebidos de
clientes, descontos obtidos de fornecedores, etc.
As Despesas refletem os gastos necessários para a realização das Receitas de vendas ou de prestação de serviços,
tais como: salários, encargos sociais, materiais, etc.

4.2 RECEITAS E DESPESAS NÃO OPERACIONAIS

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
21

Neste grupo estão as Receitas e Despesas que não estão diretamente ligadas ao objetivo da empresa e sua
ocorrência é esporádica. Daí receberem o nome de Não Operacionais. Por exemplo: venda de um bem do Ativo
Permanente, dividendos recebidos de ações que a empresa possui, etc.

FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DE CONTAS DE DESPESAS:

As contas de despesas devem registrar as operações da empresa que representam os gastos ou custos, tais como:
ordenados, vantagens, previdência social patronal, despesas administrativas gerais, despesas financeiras e bancárias,
despesas com vendas, com produção, com depreciações etc. Devem ser destacadas as operacionais e as não operacionais,
assim como os grupos (administrativas, financeiras, comerciais, de produção etc.), sempre em função da atividade da
empresa.

Vejam-se a seguir suas principais características:

• Função: registrar a movimentação a débito e a crédito das transações realizadas pela empresa referentes a pagamentos
ou provisionamentos de despesas gerais.
• Funcionamento: são debitadas pelo reconhecimento ou efetivo pagamento das despesas ou custos, e creditadas pela
apuração do resultado do exercício e por eventual ajuste ou estorno de lançamento;
• Natureza do saldo: devedor;
• Lançamento inicial: deve ser a débito;
• Análise e conciliação: devem ser analisadas e conciliadas a partir do mês em que receber o primeiro lançamento;
• Encerramento: encerram-se com a apuração do resultado do exercício, sendo creditadas pelo valor do saldo existente
na data da apuração do balanço.

FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DE CONTAS DE RECEITAS:

As contas de receitas devem registrar as operações da empresa que representem o faturamento ou ingressos de
recursos tais como:
1. vendas de mercadorias, produtos ou serviços;
2. aplicações financeiras;
3. ganhos de capital;
4. eventuais.

Vejam-se a seguir suas principais características:


• Função: registrar a movimentação a crédito ou débito das transações realizadas pela empresa referentes a receitas de
faturamento, aplicações financeiras, eventuais etc.
• Funcionamento: são creditadas pelas vendas ou realização das receitas e debitadas por eventuais ajustes ou estornos
de lançamentos;
• Natureza do saldo: credor;
• Lançamento inicial: deve ser a crédito;
• Análise e conciliação: devem ser analisadas e conciliadas mês a mês, a partir do lançamento inicial.
• Encerramento: encerram-se com a apuração do resultado do exercício.
Elenco de contas
O elenco de contas é a descrição dos títulos, códigos e níveis das contas cadastradas no plano de contas da
empresa. Nele não aparece a função ou funcionamento de cada conta. Algumas empresas contam apenas com o elenco de
contas, o que dificulta os trabalhos de classificação, principalmente quando o contador está ausente.

RELATÓRIOS CONTÁBEIS: OBRIGAÇÕES E AUXILIO Á GERENCIA


IMPORTÂNCIA DA TOMADA DE DECISÕES

Freqüentemente estamos tomando decisões: a hora que iremos levantar, que roupa iremos vestir, qual tipo de
comida iremos almoçar, a que programa iremos assistir, qual trabalho iremos desenvolver durante o dia, etc. Algumas
vezes são decisões importantíssimas: o casamento, a carreira que escolhemos, a aquisição de casa própria, etc.
Evidentemente que as decisões mais importantes requerem um cuidado maior, uma análise mais profunda sobre os
elementos (dados) disponíveis, sobre os critérios racionais, pois uma decisão importante, mal tomada, pode prejudicar toda
uma vida.

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br
22

TOMADA DE DECISÃO NO ÃMBITO INTERNO DA EMPRESA

Dentro da empresa, a situação não é diferente, freqüentemente os responsáveis pela administração estão tomando
decisões, quase todas importantes, vitais para o sucesso do negócio. Por isso há necessidade de dados, de informações
corretas, de subsídios que contribuam para uma boa tomada de decisão. Decisões tais como comprar ou alugar uma
máquina, preço de um produto, contrair uma dívida a longo a curto prazo, quanto de dívida será contraída, que quantidade
de material para estoque deveremos comprar, reduzir custos, produzir mais...
A Contabilidade é o grande instrumento que auxilia a administração a tomar decisões. Na verdade, ela coleta os
dados econômicos, avaliando-os monetariamente, registrando-os e sumarizando em forma de relatórios.

TOMADA DE DECISÃO FORA DOS LIMITES DA EMPRESA

Evidentemente, o processo decisório decorrente das informações apuradas pela Contabilidade não se restringe
apenas aos limites da empresa, aos administradores e gerentes, mas também a outros segmentos, quais sejam:

 Investidores: é através dos relatórios contábeis que se identifica a situação econômica-financeira da empresa;
dessa forma o investidor tem em suas mãos os elementos necessários para decidir sobre as melhores alternativas
de investimentos. Os relatórios evidenciam a capacidade da empresa em gerar lucros e outras informações.
 Fornecedores de bens ou serviços: usam os relatórios para analisar a capacidade de pagamento da empresa
compradora.
 Bancos: utilizam os relatórios para aprovar empréstimos, limites de crédito, financiamentos, etc.
 Governo: não só usa os relatórios com a finalidade de arrecadação de impostos, como também para dados
estatísticos, no sentido de melhor redimensionar a economia (IBGE, por exemplo).
 Sindicatos: utilizam os relatórios para determinar a produtividade do setor, fator preponderante para reajuste de
salários.

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

As três principais demonstrações financeiras obrigatórias por lei são:

 Balanço Patrimonial (BP)


 Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)
 Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA)

O tratamento dessas demonstrações financeiras varia de acordo com o tipo de constituição da sociedade
empresarial, sendo dois tipos principais, as Sociedades Anônimas (S.A.) e as Sociedades por quotas de responsabilidade
Limitada (Ltda).
A S.A. que se caracteriza por seu capital dividido em partes iguais chamadas de ações, cujos os proprietários,
geralmente em grande número, denominados acionistas, deve publicar as suas demonstrações financeiras em Diário Oficial
e em outro jornal de grande circulação na localidade onde está situada a empresa.
A Ltda, que se caracteriza por seu capital dividido em quotas, sendo os proprietários, geralmente em pequeno
número, denominados sócios ou quotistas, não precisa publicar em jornal, devendo informar junto a Receita Federal os
dados de suas demonstrações através da Declaração de Imposto de Renda.
Além das demonstrações já citadas, existem as notas explicativas, que não são demonstrações financeiras, mas
sim um complemento a elas, são informações complementares.
A Lei das Sociedades por ações estabelece que, ao fim de cada período de 12 meses as empresas elaborem suas
demonstrações financeiras, esse período é chamado de exercício social ou período contábil, não necessariamente deverá
coincidir com o ano civil (01/01 a 31/12) porém, para fins fiscais, devido ao imposto de renda é o ocorre na maiorias das
empresas.
Porém, para facilitar as necessidades internas para fins gerencias e facilitar a administração da empresa, a
contabilidade deverá apresentar relatórios em períodos mais curtos (semanal, quinzenal, mensal, etc) o que é possível para
as empresas que possuem softwares on line que podem no final de cada dia extrair os relatórios gerenciais.
De acordo com o novo código civil, fica alterada a nomenclatura da DRE, passando a se chamar Balanço de
Resultado Econômico.

Faculdade UNIÃO DAS AMÉRICAS – Curso de Administração


CONTABILIDADE I – 1º Semestre – Prof. Valdir Serafim Junior – junior@uniamerica.br