Você está na página 1de 4

O A T O R

E

O

C O R O - P O R

J E R E M Y

J A M E S

workshop de cumplicidade e criação em grupo

M Y J A M E S workshop de cumplicidade e criação em grupo O Ator
M Y J A M E S workshop de cumplicidade e criação em grupo O Ator
M Y J A M E S workshop de cumplicidade e criação em grupo O Ator

O Ator

Nosso ponto de partida é o corpo do ator. A preparação física e análise do movimento visa aumentar o potencial expressivo do ator e identificar hábitos e idiossincrasias que dificultam seu trabalho. O objetivo é desenvolver uma corporeidade "neutra”, onde o ator está mais presente - equilibrado, aberto e receptivo. O trabalho leva a uma economia de movimento, onde cada gesto e respiração são justificados e expressam com maior clareza, convicção e verdade. O treinamento oferece uma linguagem teatral comum ao grupo e dissemina um senso de forma e espacialidade que colaboram efetivamente na criação colaborativa.

«Quando um ator experimenta esse ponto de partida, o corpo é liberado - como uma página em branco, em que o drama pode ser inscrito. » Jacques Lecoq, ‘The Poetic Body’, 1997

O Coro

O treinamento fornece insights sobre o rigor e a disciplina de práticas em coro. No corpo coletivo que treinamos a liderança não

é percebida e a força do conjunto provém da singularidade, da

criatividade e cumplicidade de cada um dos atores. A qualidade da escuta e capacidade de receber os outros são reforçadas por meio da improvisação, jogos e exercícios de ritmo musical. Os hábitos e impulsos dos atores do grupo são investigados, revelando-se as dinâmicas que podem ajudar ou impedir o

surgimento da cumplicidade e da criatividade no coletivo.

A criação colaborativa é explorada através da música, pintura,

fotografia e texto, operando como fontes e suportes. Da mesma forma, a abordagem do trabalho em coro oferece uma estrutura para a compreensão do papel do ator no conjunto. A natureza do coro trágico, composto por uma voz e um personagem “coletivos”, levanta questões que residem no cerne da idéia de colaboração; entre elas, como e quando liderar ou seguir; propor ou acatar; falar ou ouvir. O coro exige um grau elevado

de jogo, enfatizando o sentido de estar totalmente presente e conectado - no corpo, na voz e na imaginação; com o grupo, o espaço, o texto e, finalmente, com o espectador.

«Temos de nos lembrar que há algumas leis que sempre nos

escapam: ouvir, receber o outro e ser

verdadeiro. »

Ariane Mnouchkine, anotações de ensaio, Les Éphémères, 2006

o ator e o coro – por jeremy james, são paulo, setembro 2010

page 1/4

B R E V E

B I O G R A F I A - P O R

J E R E M Y

J A M E S

artista.ator.diretor.professor

P O R J E R E M Y J A M E S artista.ator.diretor.professor Ator
P O R J E R E M Y J A M E S artista.ator.diretor.professor Ator

Ator no Théâtre du Soleil durante sete anos, participou das produções concebidas coletivamente de Le Dernier Caravanserail e Les Éphémères- dirigidos por Ariane Mnouchkine, recebendo elogios da crítica por seu trabalho nos principais teatros e festivais a nível internacional.

Estudou com os principais artistas e mestres de toda a Europa, como Monika Pagneux, Philippe Gaulier e membros fundadores do Theatre du Complicite (Londres), e trabalhou como ator, artista, diretor e professor de artes cênicas e artes visuais nas duas últimas décadas. Ele prossegue com sua pesquisa que promove a prática interdisciplinar e o trabalho colaborativo.

Foi diretor e professor convidado em diversas escolas de teatro na Europa e na Austrália. Ministrou workshops para atores e diretores na França, Espanha, Reino Unido, Austrália, Canadá, Argentina e Brasil. Volta a São Paulo em 2010 como parte de uma série de workshops internacionais que estão sendo realizados junto a companhias de teatro e organizações culturais nos quatro continentes.

de teatro e organizações culturais nos quatro continentes. o ator e o coro – por jeremy
de teatro e organizações culturais nos quatro continentes. o ator e o coro – por jeremy
de teatro e organizações culturais nos quatro continentes. o ator e o coro – por jeremy

o ator e o coro – por jeremy james, são paulo, setembro 2010

page 2/4

C R Í T I C A S

E

P U B L I C A Ç Õ E S

sobre o trabalho de jeremy james no théâtre du soleil

E S sobre o trabalho de jeremy james no théâtre du soleil O corpo faz um
E S sobre o trabalho de jeremy james no théâtre du soleil O corpo faz um

O corpo faz um retorno notável a "ordem simbólica" enquanto linguagem e a narração de histórias

a

Este episódio, muito bem executado por Jeremy James, é uma

serviço de uma ideia dramatúrgica

característica da recente evolução da "arte corporal" e do processo de “criação do ator” histórias, aqui mais do que em outros lugares, é a arte de não dizer muito

A arte de contar

Patrice Pavis, La mise en scène contemporaine, 'Le théâtre du geste et la dramaturgie de l’acteur', Paris: Armand Colin, 2007

a atuação é daquelas sublimes, mas que não se vê ordem aparente

onde

a precisão da técnica do ator

Jeremy James

seria no minimo altamente inspiradora se não fosse tão bem e casualmente apresentada

interpreta com amável graça

e ganha uma salva de risos noite de apresentação

Charles Isherwood, ‘Everday Intimacies and the Intensity of a Ringing Phone’, New York Times, 10 July 2009, New York

Les Éphémères existem dezenas de histórias que se cruzam, interromper, reaparecem e se fundem.

Há alguns que merecem ser um jogo inteiro em si mesmo. Se eu tivesse que escolher uma, minha escolha

seria a de Sandra

Javier Vallejo, ‘La Comedia humana de Mnouchkine’, El Pais Babelia, 12 April 2008, Madrid.

em

Do

elenco Jeremy James destaca-se pela sua abordagem, sóbria, equilibrada e bem humorada para

Sandra

Gsari Giannis, Το Συµπαν τυ ΕΦΗΜΕΡΟΥ, Ta Nea, 7 July 2007, Athens

por Jeremy James, com uma

esperança triste que traz lágrimas aos olhos. Aqui vemos o que de melhor consegue ser alcançado com o

“realismo do Soleil”, com os pequenos rituais diários

olhar, um gesto, expressam mais do que muitas frases.

contam a história de uma vida inteira e como um

Talvez a cena mais bonita

seja

o aniversário de Sandra

que

interpretada

Renate Klett, ’Verschmelzung von Orient und Okzident’, Süddeutsche Zeitung, 2007, Munich.

O “aniversário de Sandra” é como uma faísca do fósforo iluminando um momento perfeito.

Anne Diatkine, ‘C’est fait de petits liens’, Liberation, 14 February 2007, Paris

de petits liens’, Liberation , 14 February 2007, Paris o ator e o coro – por

o ator e o coro – por jeremy james, são paulo, setembro 2010

page 3/4

D E P O I M E N T O S

sobre o workshop O ATOR E O CORO

Trabalhar o corpo com exercícios rigorosos que sempre foram ligados ao teatro e aos coletivos foi extraordinário. Eu

Esta abordagem sobre o coletivo é encantadora. Todo grupo de teatro deveria

nunca tinha ido tão fundo até então explorá-lo

J. Canadas, Festival International de Formation de l'Acteur, Paris, 2009

Os trabalhos de escuta e do conjunto não se aplicam apenas ao coro, mas fornecem princípios e noções essenciais

para todos os estilos de atuação

O trabalho de coro propriamente dito é extremamente pedagógico nesse sentido S.Achache, Festival International de Formation de l'Acteur, Paris, 2009

O trabalho com o grupo funcionou rapidamente. Provavelmente, por causa do tema, que imediatamente enfoca a

Mas a maneira com que Jeremy nos colocou em contato e integrou certamente tem a ver

escuta e a disponibilidade

com isso

qualquer trabalho em grupo

agora, eu sei o que o trabalho com o coro pode proporcionar e como ele pode ser uma revelação para

E.Peysson, Festival International de Formation de l'Acteur, Paris, 2009

despertou meu apetite e coragem para mergulhar em meu

trabalho. O fato do curso ter me provocado muitos questionamentos {e} de já ter aplicado alguns desses exercícios com o meu grupo, revela que o objetivo foi alcançado por mim!

O workshop reforçou o meu desejo de criação em grupo

M.Sollogoub, Festival International de Formation de l'Acteur, Paris, 2009

Nós

prendemos a respeitar o espaço de trabalho e a deixar o “mundo cotidiano” do lado de fora. Percebi como a atitude do grupo mudou no espaço de trabalho e nos exercícios e como o nosso nível de concentração aumentou. Começamos a compreender uma abordagem mais calma do trabalho; o que aguçou nosso foco

Achei o curso muito completo. Eu senti que ele não só nos ensinou "técnicas de cena", mas também arte

W.Hudson, workgroup teatro, Madrid, 2009

abrimos muitas portas

fechadas, muitas janelas fechadas. Sinto que aprendi o significado de "estar de verdade”; a criar com os outros. Eu senti

por alguns segundos, mas isso deixou uma marca que está crescendo em mim sentir o poder de criação de um coro foi muito instrutivo

Eu adorei o trabalho com a música;

Eu acho que Jeremy trabalha a "dificuldade" como uma ferramenta, como um processo

A.Mestre, workgroup teatro, Madrid, 2009

Um dos elementos mais estimulante do treinamento foi aprender a construir imagens e situações num conjunto de

atores

mostram torna-se claramente relacionado a aquilo que o público percebe e o grupo deseja transmitir. É a partir desse lugar de liberdade criativa completa, onde a disciplina física e todas as habilidades que foram desenvolvidas na oficina,

encontram sua raiz

tanto pelo ator individual, quanto pelo coletivo J.Ceacero, a partir de "Memoria del Curso con Jeremy James, workgroup teatro, Madrid, 2009

São nestes momentos em que é possível ver lampejos de um teatro verdadeiro e integral – criado

improvisações “em grupo”, na verdadeira acepção da palavra, onde a relação do ator com o grupo e o que

Jeremy tem um calor humano e empatia em sua maneira de ensinar que é equilibrado com um olhar crítico aguçado e a capacidade de ser absolutamente confiável.

G.Hooper, Centro de Artes de Salamanca, Hobart, 2010

uma experiência

a consciência do grupo e as infinitas

possibilidades oferecidas pela cumplicidade ampliou minha compreensão do fazer teatral e nutriu-me de idéias e novas abordagens de trabalho

verdadeiramente criativa - muito libertadora e confrontadora, ao mesmo tempo

Houve

um grande respeito pelo trabalho, que eu não acho que estejamos habituados neste país

C.Craig, Griffin Theatre, Sydney, 2010

um lembrete da necessidade de humildade, de rigor e de atenção aberta/com prontidão - e que o trabalho e o que está sendo criado são maiores do que a soma de suas partes.

S.João, Griffin Theatre, Sydney, 2010

Eu

adorei que não houve tempo para sentarmos e conversarmos, ou analisarmos o nosso desenvolvimento - sinto

eu

muitas vezes que tentamos super-intelectualizar sobre coisas e perdemos alguns dos elementos centrais do teatro realmente gostei de estar em ação todos os dias, mesmo sendo cansativo

N.Rees, Griffin Theatre, Sydney, 2010

I

N S C R I Ç Õ E S :

V I D E

A N E X A

F I C H A

D E

o ator e o coro – por jeremy james, são paulo, setembro 2010

I N S C R I Ç Ã O

page 4/4