Você está na página 1de 5
62 _ reverero/2010. 11°28 10.LERNER, DELIA. LER E ESCREVER NA ESCOLA: O REAL, O POSSIVEL, O NECESSARIO. PORTO ALEGRE: ARTMED, 2002. Introdugéo Emboraseja dificil e demande tempo, a escolanecessi- ta detransformasoes profundas no que conceme ao apren- dizado daletura e da escita, ques6 serao alcangadas atra- vée da compreensao profunda de seus problemas e ne- cessidades, para que entao sea possivel falar desuas pos- sibilidades. Capitulo 1 - Ler e Escrever na Escola: O Real, o Possivel e o Necessdrio Aprender aler e escrever na escola deve transcender a decodificacao do codigo escrito, deve fazer sentido e estar vinculado a vida do sujeito, deve possibiltar a suainsercao nomeio cultural a qual pertence, tomando-o capazde pro- duai e interpretar textos que fazem parte de seu entomo. Tomna-se, entao, necessério reconceatulizar 0 objeto de ensino tomando por base as praticas sociis de leitura sata, ressignificando seu aprendizado para que os alu- nos se apropriem dele ‘como préticas vivas e vitais, em que lere escrever sejam instrimentos poderosos que per- mitam repensar 0 mundo e reorganizar 0 proprio pensa- mento, e em que interpretar e produsir textos sejam direi- tos que ¢ legitimo exercer e responsabilidades que é ne- Para tornar real o que compreendemos ser necessitio, preciso conhecer as dficuldades que a escola apresenta, distinguindo as legitimas das que fazem parte de ‘resistén- cias sociais’ para que entao se possa propor solugoes © possibilidades. A tarefa é difcl porque, a propria especificidade do aptendizado da letura e da esctita quese constituem em construcoes individuais dos sujeitos agindo sobre o obje- to (leitura © escrita) torna a sua escolarizagao dificil j4 que nao sa0 passivels de se submeterem a uma progra- magao sequencial Por outro lado, trata-se de praticas s0- ciais que historicamente foram, e de certo modo conti- nuam sendo, patriménio de certos grupos, mais que de outros, 0 que nos leva a enfrentar e tentar buscar cami- nnhos para resolver as tensoes exstentes nainstituicao es- colar entre a tendéncia a mudanca (democratizagao do fensino) ¢ a tendéncia a conservagao (reproducao da or- dem social estabelecida). E dficl ainda, porque o ato de ensinar a ler e escrever na escola tem finalidade puramente didatica: a de possibi- ltar a transmissao de saberes © comportamentos cultu- rais, ou sea, a de preservar a ordem preestabelecida, 0 que o distancia dafincao social que pressupoeler parase comunicar com 0 mundo, para conhecer outras possibil- dades e refleir sobre uma nova perspectiva E dificil também, porque a estruturacao do ensino con- forme um eixo temporal tinico, segundo uma progressa0 linear acumulativa eirreversivel entra em contradigao com a propria natureza da aprendizagem da leitura e da escrita que, como vimos, ocore por meio de aproximacoes do sujeito com o objeto, provecando coordenacoes ereorga- nizacoes cognitivas que lhe permite atribuir um novo sig- nificado aos conteidos aprendidos. E, finalmente, a necessidade da escola em controlar a aprendizagem da leitura faz com que se privilegie mais 0 aspecto ortografico do que os interpretatives do ato deler, eosistema de avaliacao, no qual cabe somente ao docen- te 0 direito eo poder de avaliar, nao propicia ao aluno a ‘oportunidade de autocorrecao ¢ reflexao sobre 0 seu tra- balho esctito, e consequentemente, nao contribui para a construgao da sua autonomia intelectual. Diante desses fatos, o que é possivel fazer para que se possa condliar as necessidades inerentes 4 instituicao es- colar €, ao mesmo tempo, atendar as necessidades defor- mar leitores ¢ esctitores competentes ao exercicio pleno da cidadania? Em primeiro lugar devem se tomnar explidtos aos pro- fissionais da educagao os aspectos implicitos nas praticas, educativas que estao acessiveis gragas aos estudos sociolinguisticos. psicolinguisticos, antropologicos e his- téricos, ou seja, aqueles quencs mostram como a ctianca aprendea ser leitora e escritora: 0 quefacilta ou quais s20 as prarrogativas essenciais a esse aprendizado. Em segundo lugar, é preciso que se trabalhe com pro- tos como ferramenta capaz de articular os propésites di-