Você está na página 1de 228

Série GUIAS TÉCNICOS 15

Opções de gestão
de resíduos urbanos

Autoria:
Ambirumo
Manuel Piedade
Paula Aguiar

Laboratório Nacional de
Engenharia Civil
Opções de gestão
de resíduos urbanos

Autoria:
Manuel Piedade
Paula Aguiar
FICHA TÉCNICA
FICHA TÉCNICA
Título:
Opções de Gestão de Resíduos Urbanos

Autoria:
Manuel Piedade

Paula Aguiar

Colaboração:
Patrícia Limbert

Rita Elói da Silva

Comissão técnica de acompanhamento:


Dulce Álvaro Pássaro, Jaime Melo Baptista, Filomena Lobo, Miguel Nunes, João Silva, Alexandra
Costa, Ricardo Lopes, João Almeida, Edgar Carvalho

Agradecimentos:
A experiência portuguesa neste domínio é ilustrada com o contributo das seguintes entidades às
quais expressamos o nosso agradecimento: Câmara Municipal de Matosinhos; Lipor – Serviço
Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto; Valor Ambiente – Gestão e
Administração de Resíduos da Madeira, S.A.; Valorsul – Valorização e Tratamento de Resíduos
Sólidos da Área Metropolitana de Lisboa (Norte), S.A. – Ambirrumo - Projectos, Inovação e Gestão
Ambiental, Lda. – SMAS de Loures.

Edição:
Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos

Design gráfico:
Dimensão 6, comunicação, design, publicidade, Lda.

Revisão linguística:
LIBRI-FABER, Serviços Editoriais, Lda.

Composição, paginação, impressão e acabamentos:


Seleprinter, Sociedade Gráfica, Lda.

Tiragem:
700 exemplares

Local e data de edição:


Lisboa, Março de 2010

ISBN:
978-989-8360-01-1

Depósito legal:
308598/10

ii
PREFÁCIO DA ERSAR

O sector de gestão de resíduos urbanos tem revelado nas últimas duas


décadas uma evolução assinalável em Portugal, comprovada pelo facto de
em 1994 apenas 46% dos resíduos urbanos terem um destino final
adequado e de este indicador ter passado a 100% a partir de 2002.
Actualmente, a hierarquização da gestão dos resíduos imposta pelo
normativo Nacional e Comunitário, que privilegia a reciclagem e a
valorização dos resíduos em detrimento da sua eliminação, colocou às
entidades gestoras novos desafios, que se traduzem na necessidade de
unidades de tecnologia mais avançada, o que implica naturalmente um
aumento de investimento e uma maior complexidade de exploração.
Acresce que, com a publicação do Decreto-Lei n.º 277/2009, de 2 de
Outubro, a ERSAR viu o seu âmbito de intervenção alargado a todas as
entidades gestoras de resíduos urbanos, o que implica uma actuação mais
próxima e mais interventiva em todo o universo deste sector.
Atendendo a estes desafios, a ERSAR, que integra no seu modelo
regulatório o apoio técnico às entidades gestoras tendo em vista a
promoção de uma elevada qualidade de serviço a custos aceitáveis,
disponibiliza agora este guia técnico às entidades gestoras.
Com esta publicação pretende-se que, de uma forma muito prática, mas
sem descurar o rigor técnico e científico, disponibilizar aos gestores e
técnicos das entidades gestoras dos sistemas gestão de resíduos urbanos
um documento de fácil consulta, que constitua uma ferramenta de apoio
para a sua tomada de decisões.
Com efeito, o principal objectivo é proporcionar um instrumento que
contribua para a capacitação do sector de gestão dos resíduos urbanos,
fornecendo informação detalhada sobre as várias operações, apoiada por
casos de estudo de soluções em funcionamento, em que se identificam,
sempre que possível e em função da informação disponível, os aspectos
positivos e os principais constrangimentos existentes.
Consideramos ainda que o facto deste guia ter sido elaborado no contexto
da realidade portuguesa, pese embora integre também casos de estudo
internacionais, confere-lhe um valor acrescentado face à bibliografia
internacional existente sobre gestão de resíduos urbanos.
Estamos convictos que o esforço desenvolvido pelos autores, com a
colaboração de técnicos da ERSAR, será de utilidade para os diversos
operadores de resíduos urbanos, na medida em que as opções de gestão
apresentadas prosseguem uma gestão sustentada do ponto de vista
técnico, económico e ambiental, na perspectiva de uma melhoria contínua
da qualidade destes serviços públicos aos cidadãos.
Jaime Melo Baptista (Presidente do Conselho Directivo da ERSAR)
João Simão Pires (Vogal do Conselho Directivo da ERSAR)
Fernanda Maçãs (Vogal do Conselho Directivo da ERSAR)

iii
iv
NOTA DOS AUTORES

À gestão de resíduos urbanos, no contexto actual, colocam-se questões que


ultrapassam a mera necessidade da sua eliminação de forma
ambientalmente correcta, como se verificou nas duas últimas décadas em
Portugal.
A escassez de recursos e os impactes da eliminação de resíduos em aterro
conduzem à necessidade de encontrar formas de valorização dos resíduos
urbanos que diminuam os seus efeitos ambientais e contribuam para a
sustentabilidade dos sistemas de gestão.
Portugal, em que foi efectuado um esforço notável para a eliminação do
passivo ambiental resultante de décadas e décadas de deposição não
controlada dos resíduos, encontra-se numa fase em que as opções, a nível
das formas de valorização dos resíduos urbanos, implicam decisões
técnicas e económicas com repercussões a médio e longo prazo.
Torna-se fundamental que essas decisões se baseiem nas melhores opções,
tendo em conta as tecnologias existentes e as experiências já vividas por
alguns sistemas nacionais e internacionais, sobretudo em países com
alguma similaridade com a realidade nacional.
O presente Guia tem como objectivo fornecer ao nível das diferentes
operações que integram o ciclo de produção/valorização/eliminação dos
resíduos urbanos um conjunto de informações respeitantes a processos,
tecnologias e casos estudo, que permitam apoiar a tomada de decisão
sobre as soluções a implementar.
Os Autores manifestam o seu reconhecimento ao apoio da ERSAR, através
da crítica e colaboração contínuas durante a elaboração deste Guia.
Também é devido o reconhecimento às entidades nacionais e internacionais
que, de forma colaborante, contribuíram com a informação sobre as suas
experiências para a elaboração do Guia.
Os Autores sentirão recompensados o empenho e o esforço que puseram
na elaboração deste Guia se, para os seus utilizadores, ele constituir um
efectivo instrumento de apoio à implementação de soluções sustentadas de
gestão de resíduos.

Manuel Piedade
Paula Aguiar

v
vi
ÍNDICE

1. INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
2. RECOLHA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
2.1 Nota introdutória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
2.2 Esquemas de recolhas selectivas . . . . . . . . . . . . . 6
2.2.1 Condicionantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
2.2.2 Modalidades da recolha selectiva
multimaterial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2.2.3 A recolha selectiva de RUB 21
2.3 Casos de estudo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
2.3.1 LIPOR (2007) 24
2.3.2 Estudo ISCTE (2002) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
2.3.3 Custos na UE (2002) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
2.3.4 Estudo ISR-cer (2003) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
2.4 A implementação de novos esquemas de recolha 42
2.5 Monitorização da recolha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
2.6 Melhoria / optimização da recolha . . . . . . . . . . . . . 44
2.6.1 Alteração da tipologia dos meios de
deposição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
2.6.2 Alteração da frequência de recolha . . . . . . . 46
2.6.3 Optimização dos circuitos de recolha . . . . . 46
2.6.4 Implementação de um sistema de recolha
multifluxo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
2.6.5 Utilização de equipamento de recolha
automatizado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
2.7 O caso da optimização da recolha em ...
Matosinhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
1.7.1 Enquadramento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
1.7.2 Caracterização da situação existente . . . . . . 48
1.7.3 Linhas de intervenção estratégica . . . . . . . . 56

3. TRIAGEM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
3.1 Nota introdutória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
3.2 Sistemas de triagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
3.2.1 Triagem manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
3.2.2 Triagem semi-automática . . . . . . . . . . . . . . . 63
3.2.3 Triagem automática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
3.3 Equipamentos de triagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
3.3.1 Abridor de sacos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
3.3.2 Separadores granulométricos . . . . . . . . . . . . 67
3.3.3 Separadores densimétricos . . . . . . . . . . . . . . 68

vii
3.3.4 Separadores ópticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
3.3.5 Separadores magnéticos . . . . . . . . . . . . . . . . 70
3.3.6 Separadores de metais não-ferrosos . . . . . . 71
3.3.7 Mesas de triagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
3.3.8 Transportadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
3.3.9 Prensas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
3.4 Concepção das instalações de triagem . . . . . . . . 74
3.5 Casos de estudo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
3.5.1 Estação de triagem da Ilha da Madeira . . . . 76
3.5.2 Centro de triagem da Valorsul . . . . . . . . . . . 81

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
4.1 Tratamento mecânico e biológico . . . . . . . . . . . . . 85
4.1.1 Nota introdutória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
4.1.2 Princípios de funcionamento do TMB . . . . . 87
4.1.3 Produtos do TMB . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
4.1.4 Condicionantes de utilização . . . . . . . . . . . . 94
4.1.5 Planeamento da implementação . . . . . . . . . . 95
4.1.6 Custos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
4.1.7 O caso da instalação de produção de
CDR de Florença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
4.2 Compostagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
4.2.1 Descrição do processo . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
4.2.2 Tecnologias existentes . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
4.2.3 Controlo do processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
4.2.4 Comercialização do composto . . . . . . . . . . . 119
4.2.5 Custos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
4.2.6 O caso da CVO da LIPOR . . . . . . . . . . . . . . 121
4.3 Digestão anaeróbia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
4.3.1 Descrição do processo . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
4.3.2 Tecnologias existentes . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
4.3.3 Controlo do processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
4.3.4 Custos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
4.3.5 O caso da Estação de Tratamento
e Valorização Orgânica da VALORSUL . . . . . 142

5. VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151


5.1 Nota introdutória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
5.2 Incineração em grelha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
5.2.1 Descrição do processo . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
5.2.2 Pré-tratamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
5.2.3 Combustão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
5.2.4 Recuperação de energia . . . . . . . . . . . . . . . . 155

viii
5.2.5 Tratamento de emissões gasosas . . . . . . . . 157
5.2.6 Tratamento dos resíduos do processo . . . . . 162
5.2.7 Tratamento dos efluentes líquidos . . . . . . . . 163
5.2.8 Controlo do processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
5.2.9 Custos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
5.3 Leitos fluidizados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
5.3.1 Descrição do processo . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
5.3.2 Recuperação de energia . . . . . . . . . . . . . . . . 166
5.3.3 Tratamento de emissões gasosas . . . . . . . . 167
5.4 Pirólise / gaseificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
5.4.1 Descrição do processo . . . . . . . . . . . . . . . . . 167
5.4.2 Pirólise de resíduos urbanos . . . . . . . . . . . . . 169

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171


6.1 Nota introdutória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
6.2 Princípios gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
6.3 Selecção de local para aterro . . . . . . . . . . . . . . . . 174
6.4 Concepção do aterro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
6.4.1 Aspectos gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
6.4.2 Fundação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
6.4.3 Sistema de impermeabilização de fundo
e taludes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
6.4.4 Sistema de drenagem de águas pluviais
e lixiviados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
6.4.5 Sistema de tratamento de lixiviados . . . . . . 187
6.4.6 Sistema de drenagem e tratamento de
biogás . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
6.4.7 Sistema de encerramento 189
6.4.8 Vias de acesso 192
6.5 Aspectos relevantes na construção . . . . . . . . . . . . 192
6.6 Aspectos relevantes na exploração . . . . . . . . . . . . 196
6.6.1 Admissão de resíduos . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
6.6.2 Plano de exploração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
6.6.3 Gestão dos lixiviados . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
6.6.4 Captação, drenagem e tratamento de
biogás . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
6.6.5 Aproveitamento energético de biogás . . . . . 203
6.7 Monitorização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
6.8 Custos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205

BIBLIOGRAFIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207

ix
ÍNDICE DE FIGURAS

Figura 1 – Equipamento de deposição selectiva (Ambirumo) . . 11


Figura 2 – Grau de cobertura por vidrões, papelões, embalões
e ecopontos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Figura 3 – Capitação de materiais retomados para reciclagem
vs grau de cobertura com ecopontos (2007) . . . . . . 13
Figura 4 – Exemplo de modelos de contentores utilizados
para a recolha selectiva porta-a-porta de papel-cartão
(azul) e embalagens (amarelo) em compartimentos
de resíduos (concelho de Matosinhos) (Ambirumo) . 15
Figura 5 – Exemplo de modelos de contentores utilizados
para a recolha selectiva porta-a-porta de recicláveis
(contentor azul) em compartimentos de resíduos
(concelho de Oeiras) (Ambirumo) . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Figura 6 – Exemplo de modelos de cestos utilizados para
a recolha selectiva porta-a-porta de recicláveis
(concelho de Loures) (SMAS Loures) . . . . . . . . . . . . 16
Figura 7 – Exemplo de viaturas utilizadas na recolha em função
da tipologia de contentores (SMAS Loures) . . . . . . . 19
Figura 8 – Aspectos de um ecocentro (Ambirumo) . . . . . . . . . . 20
Figura 9 – Recolha selectiva porta-a-porta: capitação da
fracção embalagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Figura 10 – Recolha selectiva de ecopontos: capitação nos
vários municípios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Figura 11 – Capitações na recolha selectiva de ecopontos
e porta-a-porta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Figura 12 – Custo da recolha indiferenciada . . . . . . . . . . . . . . . 33
Figura 13 – Custo da recolha selectiva de papel-cartão . . . . . . 33
Figura 14 – Custo da recolha selectiva de vidro . . . . . . . . . . . . 33
Figura 15 – Custo da recolha selectiva de embalagens . . . . . . 36
Figura 16 – Modelos de contentores de tampa fechada . . . . . . 36
Figura 17 – Modelo de contentor tipo igloo . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Figura 18 – Distribuição do nº de sistemas de recolha pelas
Unidades de Gestão analisadas (Ambirumo) . . . . . 37
Figura 19 – População abrangida por sistema de recolha . . . . . 37
Figura 20 – Modelo de contentor de tampa aberta (Ambirumo) 39

x
Figura 21 – Consumo de energia fóssil por sistema de recolha 39
Figura 22 – Contribuição de cada sistema de recolha para
o efeito de estufa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Figura 23 – Custos associados aos sistemas de recolha . . . . . 40
Figura 24 – Zona de Matosinhos. Área de influência de
ecopontos (Ambirumo) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Figura 25 – Triagem em contínuo (tapete deslizante) (Ambirumo) 62
Figura 26 – Triagem sequencial (Ambirumo) . . . . . . . . . . . . . . . . 62
Figura 27 – Esquema de funcionamento dos separadores
automáticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Figura 28 – Abre-sacos com discos rotativos cortantes (a)
e de pontas dilaceradoras (b) (Ambirumo) . . . . . . . 67
Figura 29 – Tromel (Ambirumo) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
Figura 30 – Separador balístico (Ambirumo) . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Figura 31 – Separador óptico (Ambirumo) . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Figura 32 – Separadores magnéticos (Ambirumo) . . . . . . . . . . . 71
Figura 33 – Separador de metais não ferrosos (Ambirumo) . . . 71
Figura 34 – Mesa de triagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
Figura 35 – Transportador de banda (Ambirumo) . . . . . . . . . . . . 73
Figura 36 – Prensa (a) aspecto geral (b) pistão de compressão
(c) prato de compressão (Ambirumo) . . . . . . . . . . . 74
Figura 37 – Linha de triagem automática de embalagens
plásticas e metálicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
Figura 38 – Diagrama de blocos do TMB convencional . . . . . . 86
Figura 39 – Diagrama de blocos do TMB alimentado por
resíduos da recolha selectiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Figura 40 – Diagrama de blocos do TMB alimentado por
resíduos da recolha indiferenciada . . . . . . . . . . . . . 89
Figura 41 – Abordagem de um estudo de viabilidade de TMB . 96
Figura 42 – Preços de unidades de TMB (DA) . . . . . . . . . . . . . . 97
Figura 43 – Gama de variação de preços de TMB (DA)
considerando o tratamento de RUB da recolha
indiferenciada e selectiva ou apenas da recolha
selectiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
Figura 44 – Layout da instalação de selecção e compostagem
de Case Passerini – Florença, Itália . . . . . . . . . . . . . 100
Figura 45 – Fossa de resíduos (Ambirumo) . . . . . . . . . . . . . . . . 101

xi
Figura 46 – CDR a granel prensado (Ambirumo) . . . . . . . . . . . . 102
Figura 47 – Máquina de peletização e produção de peletes
(Ambirumo) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
Figura 48 – Armazenamento do CDR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
Figura 49 – Custos de investimento e operação de instalações
de compostagem (preços 2003) . . . . . . . . . . . . . . . 120
Figura 50 – Custos de investimento e operação de instalações
de digestão anaeróbia (preços 2003) . . . . . . . . . . . 142
Figura 51 – Esquema de incineração em grelha . . . . . . . . . . . . 154
Figura 52 – Esquema de tratamento de gases por processo
semi-seco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
Figura 53 - Custos de investimento e operação de instalações
de incineração (preços 2003) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
Figura 54 – Aspectos a considerar na concepção de um aterro 176
Figura 55 – Sistema de impermeabilização do fundo e dos
taludes de um aterro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
Figura 56 – Exemplo do sistema de drenagem de lixiviados
projectado
para um aterro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
Figura 57 – Sistema de babetes instalado num aterro
(Ambirumo) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
Figura 58 – Pormenor de babetes (Ambirumo) . . . . . . . . . . . . . . 187
Figura 59 – Esquema de selagem de um aterro . . . . . . . . . . . . 190
Figura 60 – Exemplo de colocação de telas temporárias
(Ambirumo) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
Figura 61 – Poço de biogás na fase de arranque (Ambirumo) . 200
Figura 62 – Poço de biogás na fase de exploração . . . . . . . . . 201
Figura 63 – Poço de biogás projectado para um aterro . . . . . . 202
Figura 64 – Queimador de biogás (Ambirumo) . . . . . . . . . . . . . . 202
Figura 65 – Curva típica de produção/recuperação de biogás . 204
Figura 66 – Curvas típicas de potência eléctrica e térmica
resultantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
Figura 67 – Custos de investimento e de operação de aterros
(preços 2003) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206

xii
ÍNDICE DE QUADROS

Quadro 1 – Deposição selectiva em contentores móveis


– vantagens / inconvenientes . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Quadro 2 – Deposição selectiva em cestos plásticos
– vantagens / inconvenientes . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Quadro 3 – Deposição selectiva em sacos - vantagens /
inconvenientes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Quadro 4 – Comparação de sistemas de recolha selectiva . . . 21
Quadro 5 – Esquemas referenciados para a deposição selectiva
de RUB de habitações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Quadro 6 – Frequência da recolha porta-a-porta . . . . . . . . . . . 25
Quadro 7 – Frequência da recolha de ecopontos . . . . . . . . . . 26
Quadro 8 – Características dos sistemas de recolha selectiva de
ecopontos e porta-a-porta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Quadro 9 – Indicadores da recolha selectiva de ecopontos
e porta-a-porta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Quadro 10 – Taxas de refugo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Quadro 11 – Tipologia dos sistemas de recolha . . . . . . . . . . . . 35
Quadro 12 – Vantagens / desvantagens dos sistemas de
recolha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Quadro 15 – Conclusões da análise de eco-eficiência . . . . . . . 41
Quadro 16 – Eficiência dos sistema de recolha em função
do agregado habitacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Quadro 17 – Zona de Matosinhos. Indicadores da execução
dos circuitos de recolha indiferenciada de Molok 49
Quadro 18 – Zona de Matosinhos. Indicadores da execução
de um circuito de recolha indiferenciada de Molok 50
Quadro 19 – Zona de Matosinhos. Indicadores da execução
dos circuitos nocturnos de recolha indiferenciada 50
Quadro 20 – Zona de Matosinhos. Indicadores da execução
de um circuito de recolha nocturna indiferenciada 51
Quadro 21 – Zona de Matosinhos. Intervalo médio de recolha
de ecopontos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Quadro 22 – Zona de Matosinhos. Indicadores da recolha de
ecopontos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

xiii
Quadro 23 – Zona de Matosinhos. Grau médio de enchimento
com que os contentores dos ecopontos são
recolhidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Quadro 24 – Zona de Matosinhos. Indicadores médios para
o circuito nocturno de recolha de papel/cartão . . 54
Quadro 25 – Potenciais aplicações para os produtos do TMB . 91
Quadro 26 – Aceitação das aplicações do output como
composto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
Quadro 27 – Aceitação das aplicações do output como CDR . 94
Quadro 28 – Temperaturas e tempos de exposição necessários
para a eliminação de vários organismos
patogénicos e parasitas comuns 117
Quadro 29 – Métodos de tratamento por digestão anaeróbia 133
Quadro 30 – Sistemas mesofílicos versus termofílicos . . . . . . . 134
Quadro 31 – Processamento por via seca versus via húmida . . 136
Quadro 32 – Parâmetros de controlo do processo de digestão
anaeróbia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
Quadro 34 – Cálculo da eficiência energética . . . . . . . . . . . . . . 151
Quadro 35 – Componentes dos gases de incineração . . . . . . . 157
Quadro 36 – Limites de emissão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
Quadro 37 – Valores-limite de emissão para descarga de
efluentes provenientes da depuração de gases . . 163
Quadro 38 – Requisitos mínimos a que devem obedecer as
diferentes classes de aterros . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
Quadro 39 – Condições de permeabilidade e espessura a que
deve obedecer o sistema de protecção ambiental
passiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
Quadro 40 – Grau de importância das propriedades
a considerar na escolha de geossintéticos . . . . . . 181
Quadro 41 – Exemplo de quadro de especificações de
geotêxteis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
Quadro 42 – Exemplo de quadro de especificações de
geomembranas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183
Quadro 43 – Vantagens / desvantagens da recirculação de
lixiviados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
Quadro 44 – Métodos utilizados para a recirculação de
lixiviados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
Quadro 45 – Composição do biogás – Intervalos típicos . . . . . 203

xiv
ABREVIATURAS UTILIZADAS

C/N relação carbono/azoto


CBO carência bioquímica de oxigénio
CDR combustível derivado de resíduos
CQO carência química de oxigénio
CSR combustível sólido recuperado
CVO central de valorização orgânica
DA digestão anaeróbia
ECAL embalagens de cartão para alimentos líquidos
EPS poliestireno expandido
ETAR estação de tratamento de águas residuais
GEE gases com efeito de estufa
LER Lista Europeia de Resíduos
PCI poder calorífico inferior
PCIP prevenção e controlo integrados da poluição
PEAD polietileno de alta densidade
PERSU Plano Estratégico para os Resíduos Sólidos Urbanos
PET politereftalato de etileno
REEE resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos
RU resíduos urbanos
RUB resíduos urbanos biodegradáveis
SPV Sociedade Ponto Verde
TMB tratamento mecânico e biológico
UE União Europeia
XRF fluorescência de raios X
XRT transmissão de raios X

xv
1. INTRODUÇÃO
À luz do 6.º Programa Comunitário de Acção em Matéria de
Ambiente, 1 foi estabelecida, a par de outras, a Estratégia
Temática de Prevenção e Reciclagem de Resíduos, 2 em que se
reforçam os objectivos da actual política comunitária de resíduos:
prevenção de resíduos e promoção da sua reutilização, reciclagem
e valorização, de modo a reduzir o seu impacte ambiental negativo.
A longo prazo, pretende-se, com efeito, que a União Europeia (UE)
se torne numa sociedade da reciclagem, que procure evitar a
geração de resíduos e que utilize os resíduos como um recurso.
Neste sentido, esta Estratégia aponta para a modernização do
quadro jurídico em vigor, através da introdução da análise do ciclo
de vida na definição de políticas e da clarificação, simplificação e
racionalização da legislação da UE em matéria de resíduos.
A nova Directiva-quadro dos resíduos, 3 recentemente aprovada,
decorre já destas orientações.
Elaborado neste enquadramento, o Plano Estratégico para os
Resíduos Sólidos Urbanos (PERSU II) 4 constitui o instrumento
estratégico de referência a nível nacional, director da gestão dos
resíduos urbanos no período 2007 a 2016.
Os objectivos e eixos de intervenção nele estabelecidos assentam,
entre outros princípios orientadores, no quadro legal comunitário e
nacional na área dos resíduos e noutras que se lhe associam.
Assim, o PERSU II define claramente as metas a atingir e acções a
implementar tendo em consideração a necessidade de assegurar o
cumprimento dos objectivos de gestão de resíduos de embalagens 5

1 Decisão n.º 1600/2002/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 22 de Julho


de 2002.
2 COM (2005) 666, de 21 de Dezembro de 2005.
3 Directiva 2008/98/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de Novembro
de 2008.
4 Portaria n.º 187/2007, de 12 de Fevereiro de 2007.
5 Definidos no Decreto-Lei n.º 366-A/97, de 20 de Dezembro (que transpõe para o
direito nacional a Directiva n.º 94/62/CE, do Parlamento e do Conselho, de 20 de
Dezembro de 1994, e a Directiva n.º 2004/12/CE, de 11 de Fevereiro), alterado
pelo Decreto-Lei n.º 162/2000, de 27 de Julho, e pelo Decreto-Lei n.º 92/2006,
de 25 de Maio.

1. INTRODUÇÃO 1
e de gestão de resíduos urbanos biodegradáveis (desvio de
aterro). 6
Por outro lado, o PERSU II considera designadamente o novo
Regime Geral da Gestão dos Resíduos, 7 aprovado pelo Decreto-
Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, que veio introduzir alterações
significativas no enquadramento legal do sector. Aplica-se às
operações de gestão de resíduos, compreendendo toda e qualquer
operação de recolha, transporte, armazenagem, triagem,
tratamento, valorização e eliminação de resíduos, bem como às
operações de descontaminação de solos e à monitorização dos
locais de deposição após o encerramento das respectivas
instalações.
Esclarece-se neste diploma o conceito de resíduos urbanos – são
os resíduos provenientes de habitações, bem como outros que,
pela sua natureza ou composição, sejam semelhantes aos resíduos
provenientes de habitações.
A gestão destes resíduos, quer pela quantidade, quer pelas
características diversificadas dos materiais que os compõem,
representam hoje em dia um problema a que é necessário dar
resposta, num enquadramento ambientalmente adequado e de
forma sustentável.
A cadeia de recolha/valorização/eliminação de resíduos é composta
por um conjunto de operações que necessariamente deverão ser
avaliadas de modo integrado.
Com efeito as opções tomadas na perspectiva apenas de uma das
operações, ainda que estas se revelem como as mais adequadas
para a operação em causa, não significa necessariamente que em
termos globais do sistema sejam as melhores, tanto no aspecto
ambiental, como no económico.
Este risco é tanto mais evidente quando, de forma generalizada em
Portugal, há uma divisão de responsabilidades entre as operações
de remoção, aqui entendida como a deposição, recolha e
transporte, e as operações de valorização e eliminação de resíduos.

6 Definidos no Decreto-Lei n.º 152/2002, de 23 de Maio, que transpõe para o direito


nacional a Directiva 1999/31/CE, do Conselho, de 26 Abril.
7 Transpõe para o direito nacional a Directiva n.º 2006/12/CE, do Parlamento e do
Conselho, de 5 de Abril, e a Directiva n.º 91/689/CEE, do Conselho, de 12 de
Dezembro.

2 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


As decisões tomadas a nível da recolha condicionam seguramente
as operações a jusante, verificando-se o mesmo na situação
inversa. Refira-se por exemplo que a reconhecida vantagem no
ganho de escala das operações de tratamento poderá não ser
compensada ambiental e economicamente pela necessidade de
maiores distâncias de transporte e consequentes consumos de
combustíveis e decorrentes emissões.
Assim, as decisões em qualquer das operações do sistema deverão
ter sempre em conta as implicações nas restantes e a necessidade
de concertação das opções que se colocam a todos os níveis.
Esta preocupação acentua-se com a tendência, futura mas a breve
prazo, de fazer recair sobre os produtores o custo integral da
gestão dos resíduos, o que hoje em dia não se verifica ainda na
generalidade das situações.
Este facto pode e deve, no entanto, ser encarado como uma
oportunidade, na medida em que facilitará a mobilização das
pessoas para a necessidade de colaborar na prevenção e na
adopção de boas práticas, fundamentais à optimização da cadeia
de valorização e eliminação dos resíduos.
Por outro lado, as opções sobre as soluções aos diferentes níveis
do sistema de resíduos urbanos devem ter sempre presente o
interesse na adopção das melhores tecnologias disponíveis, tendo
em vista a valorização e, sempre que possível, a sua transformação
num produto com valor comercial que contribua de forma positiva
para a minimização dos aspectos ambientais e custos do sistema.
A diversidade e sofisticação das tecnologias existentes, e que de
modo contínuo são melhoradas e optimizadas, reflectem este tipo
de preocupações, apresentando aos decisores um leque cada vez
mais alargado de soluções e complexidade.
Neste contexto, as soluções a implementar terão necessariamente
subjacente o quadro normativo vigente, não podendo deixar de ser
equacionados, para além dos aspectos técnicos, os impactes
económicos com repercussão nos utilizadores dos sistemas de
resíduos urbanos.
Neste enquadramento, o principal objectivo deste Guia é
proporcionar um instrumento que ajude a qualificar o sector de
gestão dos resíduos urbanos, fornecendo informação detalhada
sobre as várias operações, apoiada por casos de estudo de
soluções em funcionamento, em que se relevam, sempre que

1. INTRODUÇÃO 3
possível e em função da informação disponível, os aspectos
positivos e os principais constrangimentos existentes.
Pretende-se assim, como ferramenta simples, mas com rigor
técnico, proporcionar formação no conhecimento da problemática
dos resíduos urbanos, nas suas diferentes vertentes, e
simultaneamente disponibilizar aos gestores e técnicos dos
Sistemas, informação que permita apoiar a tomada de decisões.
O Guia está estruturado em cinco capítulos que percorrem a cadeia
de operações da gestão de resíduos urbanos:
ƒ no primeiro, é abordada a recolha, tanto indiferenciada, como
selectiva, e os aspectos de optimização e monitorização desta
operação;
ƒ o segundo, terceiro e quarto centram-se nos aspectos da
valorização multimaterial, orgânica e energética,
respectivamente, abordando-se as diferentes tecnologias e as
perspectivas de evolução em função da tendência de considerar
os resíduos como recursos;
ƒ no quinto refere-se a deposição em aterro, considerada como
fim de linha da gestão de resíduos, com ênfase nos aspectos
construtivos e de exploração.
Os aspectos da prevenção, seguramente relevantes e
determinantes de uma gestão eficaz dos resíduos, não foram aqui
considerados.
Não pretendendo substituir os livros de texto académicos sobre a
temática dos resíduos, que poderão pormenorizar aspectos mais
específicos, espera-se que este Guia constitua um instrumento útil,
quer para os técnicos de alguma forma ligados à gestão dos
resíduos, quer para o público em geral.

4 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


2. RECOLHA
2.1 Nota introdutória
A operação de recolha tem um peso significativo, da ordem de 40%
a 70%, no custo global da gestão dos resíduos urbanos, o que só
por si justifica a necessidade de uma atenção permanente na
identificação de possibilidades de melhoria do serviço e nos ganhos
de eficiência.
Se esta atenção é requerida para os actuais esquemas de recolha,
quer indiferenciada, quer selectiva, torna-se ainda mais premente
futuramente, face à necessidade de se evoluir para modos mais
intensivos de recolhas selectivas, tanto para dar resposta às metas
de valorização multimaterial, como às de valorização orgânica.
Os desafios actuais colocam-se assim, por um lado, ao nível do
reforço das redes de recolha selectiva multimaterial e de RUB – que
constituem linhas de actuação estratégica de envolvimento dos
Sistemas, conforme consagrado no PERSU II – através da adopção
de soluções potenciadoras de aumentos significativos das taxas de
recuperação de materiais recicláveis, com minimização de custos e
de impactes ambientais negativos (nomeadamente com redução do
consumo de combustíveis e consequentes emissões atmosféricas
resultantes da actividade).
Colocam-se, por outro lado, e na mesma óptica de eficácia e de
redução de custos, ao nível da optimização dos esquemas de
recolha já implantados e relativamente estabilizados, como será o
caso da generalidade das recolhas indiferenciadas que cobrem
praticamente toda a população, e das recolhas selectivas por
ecopontos, também generalizadas.
As intervenções sobre a operação de recolha podem enquadrar-se
numa abordagem do tipo «ciclo PDCA» (plan, do, check, act),
envolvendo actividades cíclicas de:
ƒ planeamento – definição de objectivos, estudo, análise e
projecto de soluções;
ƒ implementação – concretização das soluções adoptadas;
ƒ monitorização – acompanhamento e análise de resultados
(rendimentos, custos, satisfação dos utentes);
ƒ melhoria/optimização – como resposta aos resultados da
monitorização.

2. RECOLHA 5
Os pontos seguintes seguem de certa forma esta lógica de
intervenção, embora com ênfase distinta nas recolhas selectivas e
na recolha indiferenciada, em função das diferentes solicitações a
que no curto prazo terão que dar resposta.
De salientar que a utilização do termo «recolha» neste documento
nem sempre é feita de forma estrita, isto é referindo-se
exclusivamente à operação que envolve a apanha dos resíduos e o
seu transporte até ao local de descarga, mas faz-se também de
uma forma abrangente, substituindo o termo «remoção», mais
correcto, mas de utilização menos comum, que engloba a
deposição (acondicionamento), a recolha propriamente dita e o
transporte até ao local de transferência ou tratamento.

2.2 Esquemas de recolhas selectivas

2.2.1 Condicionantes
A necessidade de um incremento acentuado da recuperação de
materiais dos resíduos urbanos, com o objectivo de cumprimento
das metas estipuladas para a reciclagem de resíduos de
embalagem neles presentes, e também do desvio de RUB de
aterro, conduz à necessidade de equacionar, de entre as diferentes
modalidades de recolhas selectivas, as que melhor contribuam para
esse objectivo, bem como a uma análise crítica dos esquemas de
recolha selectiva até agora implementados de modo a optimizá-los
e assim contribuir para uma maior eficiência e redução de custos.
Nesta análise pesam desde logo, como factores condicionantes:
ƒ a adesão da população;
ƒ a facilidade de deposição e de recolha;
ƒ o nível de complexidade das operações a jusante;
ƒ os custos das operações.

Adesão da população
Visando a recolha selectiva a recuperação e posterior
encaminhamento para reciclagem de diversos materiais, ou RUB
para valorização orgânica, a intervenção da população torna-se
fundamental numa primeira fase, pois é ela que inicia a operação
através da separação na origem dos resíduos, factor determinante
na maior ou menor complexidade das operações a jusante.
No entanto, e apesar de corresponder à situação ideal, é
impraticável a separação na origem de cada uma das fileiras que

6 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


constituem a fracção reciclável, na medida em que essa prática
exigiria da parte dos produtores um perfeito conhecimento da
natureza dos diferentes materiais a separar e disponibilidade de
espaço para armazenar temporariamente os resíduos até à sua
recolha, para além de se exigir um esforço relativo nesta sua
intervenção.
Por outro lado, o aumento da quantidade de fracções a separar na
origem implica um maior número de meios de deposição e de
diversificação de circuitos de recolha, com os inerentes aumentos
de custos.
Assim, há que encontrar um compromisso entre o que seria ideal, o
esforço exigido à população e o equilíbrio de custos, devendo
procurar-se:
ƒ simplificar, tanto quanto possível, a separação na origem, tendo
em vista a minimização do esforço imposto ao utente do
sistema e a garantia de uma selecção adequada das fracções a
submeter a posterior tratamento;
ƒ disponibilizar, dentro do limite razoável, meios de deposição
adequados, quer em número quer em tipologia, para que o acto
de deposição seja encarado com normalidade e como parte
integrante das tarefas de rotina;
ƒ localizar os meios de deposição numa lógica de facilitar o
acesso aos potenciais utilizadores.
Qualquer destes aspectos concorre para que o número de fracções
a considerar em termos de separação na origem não seja muito
elevado.
No sentido da simplificação desta operação, e do ganho da adesão
da população, são importantes as acções de sensibilização que
transmitam claramente quais os materiais-alvo a separar e os
objectivos em causa. A adopção de simbologia orientativa ao nível
das embalagens poderá também ser uma forma do utilizador
encarar o acto de separação na origem como facilitado,
contribuindo para maiores níveis de adesão.

Facilidade de deposição e de recolha


Sob o ponto de vista da disponibilidade, os meios de deposição
devem garantir o volume adequado às produções estimadas para
cada tipo de material, em função da frequência de recolha prevista.
O número de equipamentos pode ser no entanto condicionado pela

2. RECOLHA 7
estrutura urbanística (contentores na via pública) e habitacional
(contentores nas habitações).
No sentido de facilitar o acto de deposição dos resíduos a recolher
selectivamente, os equipamentos colectivos deverão estar
adaptados às características dos materiais a receber, proporcionar
ao utilizador o mínimo dispêndio de esforço e a máxima segurança
e conter informação clara e inequívoca sobre os materiais a
depositar.
No que se refere à recolha, os materiais incluídos nas diferentes
fracções apresentam características físico-químicas e biológicas
distintas que influenciam as frequências de recolha a adoptar,
devendo compatibilizar-se os volumes de deposição disponíveis, os
tempos de produção expectáveis e a salvaguarda das condições
ambientais e de saúde pública.
Neste sentido, dever-se-á ter em conta que:
ƒ as frequências de recolha óptimas para as diferentes fracções
são diferentes consoante a tipologia dos materiais e o volume
de resíduos a recolher;
ƒ a recolha individual de cada fracção leva a circuitos
diferenciados adicionais, com repercussões ao nível dos custos
associados.
O recurso a viaturas mais flexíveis no que respeita ao número de
compartimentos da caixa pode, em algumas situações, tornar-se
vantajoso, permitindo a recolha simultânea de duas ou mais
fracções de materiais depositados selectivamente, como forma de
obviar o acréscimo de circuitos resultantes da recolha
individualizada de cada fracção separada na origem.

Nível de complexidade das operações a jusante


O maior ou menor grau de separação na origem dos materiais a
recuperar condiciona o esquema de triagem ou tratamento a
jusante.
Por outro lado, as especificações técnicas dos materiais a enviar
para reciclagem, principalmente ao nível da percentagem de
contaminantes admitida, tem também implicações nos esquemas a
adoptar.
No que se refere à reciclagem multimaterial, havendo necessidade
de estabelecer um ponto de equilíbrio entre o esquema a adoptar
para a recolha e posterior triagem dos materiais e as características

8 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


impostas pela indústria recicladora, a tipologia de deposição mais
generalizada tem sido a trifluxo:
ƒ o papel/cartão é separado das restantes fracções, devido à
contaminação que estas lhe podem conferir e à maior
dificuldade de o triar misturado com embalagens volumosas;
ƒ o vidro é separado das restantes fracções, para evitar
dificuldades na sua triagem posterior conjuntamente com outros
materiais;
ƒ os plásticos, metais e embalagens de cartão para alimentos
líquidos (ECAL) são depositados conjuntamente, na medida em
que a sua segregação nas linhas de triagem é relativamente
fácil mediante recurso a separadores electromagnéticos para os
metais ferrosos, a separadores de metais não-ferrosos e a
separação manual ou através de sistemas ópticos para os
restantes materiais.
Um outro esquema de deposição, em que o objectivo primordial é a
recolha selectiva de RUB, envolve a separação em duas fracções –
húmida e seca.
Neste caso, não generalizado em Portugal, a recuperação para
reciclagem de resíduos de embalagens obriga a operações a
jusante mais complexas, dada a mistura de todos os materiais e o
grau de contaminação com resíduos não recicláveis.

Custos das operações


Tendo a recolha um peso significativo no custo global da gestão
dos resíduos urbanos, deverão equacionar-se formas de gestão
com menor intensidade de consumo de recursos humanos e
materiais, nomeadamente através de:
ƒ utilização de meios de deposição que permitam uma utilização
polivalente das viaturas de recolha;
ƒ redução da frequência da remoção indiferenciada, libertando
meios para a execução da remoção selectiva;
ƒ mecanização da recolha, reduzindo a dependência de meios
humanos;
ƒ utilização de veículos movidos a combustíveis alternativos com
menor intensidade energética e emissões atmosféricas.

2. RECOLHA 9
2.2.2 Modalidades da recolha selectiva multimaterial
A remoção selectiva das fracções dos resíduos urbanos com
interesse para reciclagem pode assumir basicamente as seguintes
modalidades:
ƒ remoção selectiva em ecopontos;
ƒ remoção selectiva na origem (recolha porta-a-porta);
ƒ ecocentros.
Quer os ecopontos, quer os ecocentros são equipamentos já
largamente utilizados no País para a recolha selectiva multimaterial.
A recolha porta-a-porta, por outro lado, tem uma expressão ainda
reduzida.
De referir que a recolha selectiva não se esgota nestas
modalidades, havendo ainda, embora em situações particulares e
de forma pouco generalizada, o recurso a utilização de sistemas
pneumáticos, como o instalado no Parque das Nações, em Lisboa.
Os sistemas existentes implicam normalmente a duplicação de
condutas, uma para a fracção indiferenciada, e outra para a
selectiva. Quando o objectivo é a recolha de mais do que uma fileira
de materiais recicláveis, esta situação obriga a uma disciplina nos
horários da deposição de forma a garantir a não mistura de
materiais.

Ecopontos
Localizados na via pública preferencialmente em locais de
passagem e uso habitual (na proximidade do contentor de
deposição indiferenciada, supermercados, escolas, restaurantes e
cafés, entre outros) com o objectivo de promover a participação da
população, são compostos em regra por três contentores de cores
diferentes: verde para o fluxo embalagens de vidro (vidrão), azul
para o fluxo papel/cartão (papelão), amarelo para o fluxo
embalagens de plástico, metal e cartão para alimentos líquidos
(embalão) [Figura 1 (a) e (b)].
Por vezes estes contentores são utilizados isoladamente, para
remoção monomaterial [Figura 1 (c)], sobretudo para o papel/cartão
e vidro, junto a grandes produtores.

10 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


(a)

(b) (c)
Figura 1 – Equipamento de deposição selectiva
(a) ecoponto de superfície (b) ecoponto enterrado (c) vidrão isolado (Ambirumo)

A Figura 2 ilustra o grau de cobertura actual da população com


estes equipamentos, considerando por um lado os contentores para
cada fluxo individualmente, e por outro os ecopontos (conjuntos
para as três fracções).
600
Nº de habitantes/equipamento

500

400

300

200

100

0
AM Vale do Douro
AM Raia/Pinhal
Algar

Valnor
Águas do Zêzere

Amave

Braval

Tratolixo
Rebat
Lipor

Valorlis
Amcal
Ambilital

Ecobeirão

Suldouro
Ecolezíria/Resiurb

Valorsul
Valorminho
Resat
Ersuc

Residouro

Resitejo
Amarsul

Resialentejo
Ambisousa

Gesamb

Resíduos do

Resioeste

Resulima
Nordeste
Norte/Serurb
e Côa

Vidrões Papelões Embalões Ecopontos

Figura 2 – Grau de cobertura por vidrões, papelões, embalões e ecopontos


(SPV, 2007)

2. RECOLHA 11
Em 2007, o grau médio de cobertura de ecopontos situou-se na
ordem dos 340 habitantes por ecoponto. A maioria dos Sistemas
(60% a 70%) apresentava graus de cobertura entre 300 e 500
habitantes por papelão e por embalão, enquanto 60% possuíam já
uma cobertura de menos de 300 habitantes/vidrão.
No entanto, apesar do esforço dos Sistemas no reforço destes
meios de deposição selectiva, nem sempre às coberturas maiores
correspondem quantitativos retomados mais elevados, constatando-
se uma grande dispersão de valores, conforme mostram os gráficos
da Figura 3 (construídos com valores de Sistemas sem recolhas
selectivas porta-a-porta), o que certamente, em parte, advém da
especificidade de cada Sistema. Tal facto reforça a necessidade do
incremento do grau de cobertura com ecopontos ser acompanhado,
para além de sensibilização, do estudo das melhores localizações.
Para além do número, a sua localização e área de influência têm
consequências ao nível da eficácia na recuperação de materiais
recicláveis.
De facto, na localização dos ecopontos deve ser dada prioridade a
locais estratégicos, conforme mencionado, de modo a que o acto de
deposição não seja encarado como um esforço e seja interiorizado
como uma actividade de rotina.
Nesta perspectiva, a distância entre ecopontos deve ser bem
planeada – por um lado, deverá ser consentânea com a distância
que a população estará disposta a percorrer para deposição dos
resíduos, que se admite em média ser no máximo de 150 m; por
outro, a procura de servir pontos específicos de produção potencial
não deve conduzir a que haja grande sobreposição das áreas de
influência dos equipamentos.
A frequência de recolha reveste-se também da maior importância,
devendo representar um ponto de equilíbrio entre a situação de
excessivo enchimento, que poderá ter um efeito negativo para os
utilizadores por dificultar a deposição de materiais, e a de recolha
com níveis baixos de enchimento, pelos custos operacionais que
acarreta. A frequência deve, em geral, ser estabelecida para um
grau médio de enchimento de cerca de 75% da capacidade de cada
contentor.
A manutenção e limpeza dos contentores e dos espaços
envolventes é indispensável, na medida em que o seu aspecto
poderá também condicionar a participação da população.

12 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Q u a n tita tiv o s d e v id r o r e c u p e r a d o s p a r a r e c ic la g e m

30
R 2 = 0 ,3 9 8 6
25

20
kg/hab.ano

15

10

0
0 100 200 300 400 500 600
Ha b /v id r ã o

Q u a n tita tiv o s d e p a p e l / c a r tã o r e c u p e r a d o s p a r a tr ia g e m

40
R 2 = 0 ,3 7 2 2
35
30
kg/hab.ano

25

20
15
10
5
0
0 100 200 300 400 500 600
Ha b /p a p e lã o

Q u a n tita tiv o s d e e mb a la g e n s r e c u p e r a d o s p a r a r e c ic la g e m

25
R 2 = 0 ,2 6 2 2
20
kg/hab.ano

15

10

0
0 100 200 300 400 500 600
Ha b /e mb a lã o

Figura 3 – Capitação de materiais retomados para reciclagem versus grau


de cobertura com ecopontos (2007)

2. RECOLHA 13
Remoção selectiva porta-a-porta
A remoção selectiva porta-a-porta é o sistema que as experiências
existentes têm apontado como permitindo atingir rapidamente
quantidades mais elevadas de materiais recolhidos, devido a uma
maior facilidade e comodidade de adesão por parte dos produtores,
comparativamente a outros sistemas.
No entanto implica normalmente custos operacionais superiores,
em função dos investimentos nos equipamentos de deposição e
recolha e da maior utilização de mão-de-obra.
Verifica-se também, de forma geral, uma pior qualidade dos
materiais, conduzindo a uma maior quantidade de refugos na
operação de triagem. Com efeito, é usual que nestas situações haja
menos cuidado na separação na origem, face à facilidade da
deposição.
É contudo um esquema particularmente adequado a uma malha
urbana de habitações unifamiliares, em que é fácil a utilização de
contentores individuais ou sacos, bem como, em escolas,
estabelecimentos comerciais ou produtores específicos (canal
Horeca, por exemplo) em que existe uma concentração significativa
de materiais a recolher.
É também adequado a edifícios em altura, desde que existam
condições para a instalação dos contentores, caso dos
compartimentos de resíduos. Nesta situação a utilização pelos
moradores de um mesmo edifício de contentores colectivos
parqueados em compartimentos próprios, que são apresentados à
recolha, é por vezes complementada com vantagem com a
atribuição a cada fogo de contentores de pequena capacidade, que
são utilizados no acondicionamento individual e no transporte dos
materiais separados até aos colectivos.
Diferentes tipos de equipamentos de deposição podem ser
utilizados no sistema porta-a-porta (Figura 4, Figura 5):
x Contentores móveis
Utilizam-se em sistema de recolha mono ou multimaterial e
apresentam-se equipados com rodas giratórias.
Encontram-se disponíveis no mercado em vários formatos (fundo
circular ou quadrado; um ou dois compartimentos), cores e
capacidades (as mais comuns de 80, 120, 240 e 360 litros), sendo
normalmente em plástico (polietileno).

14 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Figura 4 – Exemplo de modelos de contentores utilizados para a recolha
selectiva porta-a-porta de papel/cartão (azul) e embalagens (amarelo) em
compartimentos de resíduos (concelho de Matosinhos) (Ambirumo)

O sistema de recolha mais simples utiliza dois contentores, um para


os recicláveis e outro para os não recicláveis, que podem ser
recolhidos sem adição de circuitos (recolha por substituição),
geralmente em viaturas de remoção convencionais. No entanto este
esquema implica uma maior complexidade na triagem a jusante.

Figura 5 – Exemplo de modelos de contentores utilizados para a recolha


selectiva porta-a-porta de recicláveis (contentor azul) em compartimentos
de resíduos (concelho de Oeiras) (Ambirumo)

Outro tipo de sistema utiliza contentores multicompartimentados,


sendo cada compartimento destinado à recolha de um ou vários
materiais. Assim, num único contentor é possível a recolha conjunta
de diversos resíduos, o que proporciona uma diminuição dos custos
operacionais. Contudo, em função da diferente produção temporal

15

2. RECOLHA 15
dos materiais, acontece geralmente que na recolha algum dos
compartimentos se apresente apenas parcialmente ocupado.
Os contentores podem ser individuais ou colectivos, dependendo da
estrutura urbana e do espaço disponível por habitação ou edifício.
t Caixas ou cestos de plástico
São recipientes em fibra plástica, com secção rectangular e
capacidades que variam tipicamente entre 20 e 70 litros, de fácil
acondicionamento no interior das habitações (Figura 6).

Figura 6 – Exemplo de modelos de cestos utilizados para a recolha


selectiva porta-a-porta de recicláveis (concelho de Loures) (SMAS Loures)

Podem ser utilizados como armazenamento temporário, sendo


depois despejados em contentores colectivos de maior capacidade
ou apresentados no exterior das habitações directamente à recolha.
t Sacos não reutilizáveis
Podem ser de plástico ou papel impermeabilizado, e apresentar
diversas capacidades, com formatos e dimensões normalizados.
Nos Quadros 1 a 3 apresentam-se comparativamente as
vantagens/inconvenientes dos vários equipamentos de deposição
quando utilizados em sistema de recolha porta-a-porta.
Em qualquer caso, a escolha dos equipamentos de deposição a
utilizar deve ter em conta:
dimensões (tamanho, peso, capacidade) adequadas ao tipo e
quantidade dos materiais a que se destinam;
compatibilidade com as viaturas de recolha;
resistência a produtos químicos, radiações solares e variações
de temperatura;

16 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


design que confira segurança, conforto e facilidade de
manuseamento, quer para o utilizador, quer para o operador da
recolha.

Quadro 1 – Deposição selectiva em contentores móveis – vantagens /


inconvenientes
Vantagens Inconvenientes

Contentor simples − Adaptado aos veículos de − A adição de um segundo


recolha indiferenciada. contentor tem custos
elevados e implica maior
− Dispensa treino dificuldade de
suplementar da equipa de acondicionamento no
recolha. interior das habitações.
− Não permite a inspecção
visual dos materiais pelo
operador e a remoção
de objectos não
recicláveis.

Contentor − Custos globais de − Maior probabilidade de


multicompartimentado aquisição inferiores. contaminação dos
materiais recicláveis.
− Menor espaço total de
armazenamento. − Maior possibilidade de
encravamento dos
materiais.

Quadro 2 – Deposição selectiva em cestos plásticos – vantagens /


inconvenientes
Vantagens Inconvenientes

− Custos de aquisição pouco elevados. − A gama de materiais e o volume de


resíduos a recolher é limitado pelo
− Eficiente acondicionamento no interior tamanho da caixa.
das habitações.
− As embalagens devem ser
− Assegura uma melhor qualidade dos previamente passadas por água.
materiais recolhidos.
− Frequência de recolha elevada.
− Permite uma melhor identificação e
fácil remoção dos contaminantes. − Custos de recolha elevados.

− Custos de processamento menores. − Eficiência de recolha baixa.

− A participação dos residentes é − O desvio dos contentores para outras


qualitativamente melhor, devido ao utilizações é frequente.
efeito de feedback e pressão social.

2. RECOLHA 17
Quadro 3 – Deposição selectiva em sacos – vantagens / inconvenientes
Vantagens Inconvenientes

Para o produtor − Eficientes em termos de − Necessidade de suportes


acondicionamento no para facilitar o seu
interior das habitações. enchimento e
armazenamento.
− Fácil transporte para o
exterior. − Acumulação de resíduos
no interior da habitação.
− Eliminam a operação de
recolha do recipiente de − Espalhamento do lixo na
deposição. via pública, quando
sujeitos a actos de
− Dispensam a lavagem e vandalismos ou
protecção do recipiente. danificados por animais.
− Reduzem a atracção de − Desaconselháveis para a
vectores de doença e o deposição de vidro, pelos
eventual mau cheiro. riscos associados.
− Evitam o ruído na
descarga para o veículo.

Para o serviço de recolha − Reduzem o tempo de − Maiores despesas de


recolha. aquisição e distribuição.
− Reduzem a produção de − Inconveniente no caso
ruído na operação de tratamento por
descarga. compostagem.
− Suprimem o regresso do
recipiente e sua
lavagem.
− Provocam menor fadiga
ao pessoal.
− A permanência de
recipientes na via
pública é minimizada.

A opção pelos diferentes sistemas implica que as viaturas de


recolha sejam compatíveis com o tipo de recipientes utilizados para
a deposição de materiais (Figura 7).
Para além de viaturas convencionais de recolha dos resíduos,
equipadas com sistemas de elevação de contentores de várias
capacidades, na situação dos contentores compartimentados há
que recorrer a viaturas específicas adaptadas à recolha bifluxo,
dispondo para o efeito de dois compartimentos independentes para
fracções distintas de materiais a recolher.
Nestes casos, a sua concepção deve garantir que não haja
desequilíbrios na estrutura da viatura devido a diferentes graus de
enchimento dos compartimentos.

18 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Figura 7 – Exemplo de viaturas utilizadas na recolha em função da tipologia
de contentores (SMAS Loures)

Remoção selectiva em ecocentros


Os ecocentros (Figura 8), bastante generalizados em Portugal, são
infra-estruturas que, embora não tendo como objectivo principal a
deposição dos materiais recicláveis provenientes das habitações,
também contribuem para este fim.
Efectivamente, para além de resíduos que pelas suas dimensões
ou características não possam ser removidos pelos circuitos
normais de recolha, estão preparados para a recepção de materiais
com viabilidade de recuperação e reciclagem, oriundos quer de
pequenas entidades produtoras, quer dos próprios munícipes –
papel e cartão, vidro, plásticos, sucata ferrosa e não-ferrosa,
madeiras.
Com este esquema de deposição obtêm-se materiais com
qualidade superior à dos provenientes da recolha selectiva de
ecopontos ou porta-a-porta, em função da maior homogeneidade
dos materiais entregues e dos critérios de aceitação e orientação na
deposição, assegurados pelo operador do ecocentro.
Cumulativamente, face à grande capacidade dos contentores
utilizados, obtém-se um custo unitário de transporte mais baixo do
que nos restantes sistemas de deposição.
Mas o recurso a estas infra-estruturas será menos comum para a
deposição das fracções provenientes do fluxo doméstico.

E !U B H 1H 11 T 1 H1 HEAD1 1 19

2. RECOLHA 19
(a)

(b) (c)
Figura 8 – Aspectos de um ecocentro
(a) portaria (b) zonas de deposição devidamente identificadas
(c) contentores para os diferentes materiais (Ambirumo)

Síntese comparativa
No Quadro 4 sistematizam-se alguns factores comparativos entre
os sistemas de recolha selectiva por ecopontos e em porta-a-porta.
Na realidade não é possível apontar nenhuma destas modalidades
como a preferível, assumindo antes cada uma delas maior
adaptabilidade a determinados factores específicos e tornando-se,
no seu conjunto, de uma forma geral complementares.

20 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Quadro
Quadro4 4– –Comparação
Comparaçãodede
sistemas
sistemas
de recolha
de recolha
selectiva
selectiva
Ecopontos
Ecopontos Porta-a-porta
Porta-a-porta

Qualidade
Qualidadedodo – fraca,
– fraca,
implicando
implicando
grande
grande– forte
– forte
serviço
serviçopara
parao o Proximidade
Proximidade cuidado
cuidadona escolha
na escolha
das das
utilizador
utilizador localizações,
localizações,
no arranjo
no arranjo
dosdos
locais
locais
e naesinalética
na sinalética
Disponibilidade
Disponibilidade – permanente
– permanente – função
– função
da frequência
da frequência
de recolha
de recolha
Adesão
Adesão – progressiva
– progressiva
– implica
– implica – rápida:
– rápida:
o sistema
o sistema
acção
acção
de sensibilização
de sensibilização
de de favorece
favorece
a a
longa
longa
duração
duração
poispois
a a aprendizagem
aprendizagem
entre entre
adesão
adesão
demora
demora
a obter-se
a obter-sevizinhos,
vizinhos,
suscita
suscita
emulação
emulação
e adesão
e adesão
Condicionantes
Condicionantes Ocupação
Ocupação
dodo – forte
– forte habitat
em em habitat
urbano
urbano – temporária
– temporária
urbanísticas
urbanísticas espaço
espaço
público
público denso
denso

Incomodidades
Incomodidades – limpeza
– limpeza
necessária,
necessária,
parapara
– perturbações
– perturbações
de de
evitar
evitar
queque
os locais
os locais
se se tráfegotráfego
e ruído
e ruído
mais mais
transformem
transformem em pequenas
em pequenas prováveis
prováveis
lixeiras
lixeiras
– ruído,
– ruído,
por por
vezes,
vezes,
no caso
no caso
– menor
– menor
flexibilidade
flexibilidade
dosdoscontentores
contentores
de vidro
de vidro no tipo
no detiporecipientes
de recipientes
a a
(insonorização
(insonorizaçãopossível)
possível) adoptar
adoptar
(condicionados
(condicionados
pela pela
tipologia
tipologia
das das
habitações)
habitações)
Impactes
Impactessobre
sobre Investimentos
Investimentos – menores
– menoresqueque
no porta-a-
no porta-a-
– fortes,
– fortes,
variáveis
variáveis
com com
os
osfactores
factoresdede porta
porta
e directamente
e directamente os esquemas
os esquemasde de
custo
custo proporcionais
proporcionais
à densidade
à densidaderecolha
recolha
e da triagem
e da triagem
da da
implantação
implantação
Qualidade
Qualidadedosdos – boa
– boa – variável,
– variável,
exigindo
exigindo
materiais
materiais uma uma
forte forte
sensibilização
sensibilização
dos dos
utilizadores
utilizadores
e e
operadores
operadores
– muitas
– muitas
vezes
vezes
baixo no no – importante
baixo – importante
desdedesde
o o
arranque,
arranque, principalmente arranque
principalmente arranque
Rendimento
Rendimento da da ememmeio
meio
urbano
urbano
recolha
recolha
selectiva
selectiva – exige
– exige
sensibilização
sensibilização
importante
importante
e contínua,
e contínua,
dado
dado
queque
o rendimento
o rendimento
aumenta
aumenta
lentamente
lentamente

2.2.3 A recolha selectiva de RUB


A estratégia nacional de desvio de RUB de aterro aponta (entre
outras medidas) para a implementação progressiva da recolha
selectiva deste tipo de resíduos, na perspectiva de se assegurar um
material a encaminhar para as instalações de valorização orgânica
isento de contaminantes, e desta forma diminuir a necessidade de
pré-tratamento e garantir a obtenção de um composto de qualidade.

2. RECOLHA 21
Este tipo de recolha está ainda pouco generalizada no País,
incidindo, nas situações existentes, sobretudo na recolha de
resíduos orgânicos provenientes de grandes produtores –
mercados, sector da restauração – em detrimento dos produzidos
nas habitações.
Por seu turno a situação na UE é bastante díspar, quer quanto ao
grau de implementação, quer quanto aos esquemas adoptados.
Os factores chave que têm sido relevados para a implementação da
recolha de RUB na origem incluem (ACR+, 2005):
ƒ a adaptação ao contexto local;
ƒ diferentes abordagens para os resíduos de cozinha e para os
resíduos verdes;
ƒ esquemas de deposição e recolha o mais amigáveis possível.
As soluções a adoptar devem efectivamente ter em atenção as
características locais, em particular a densidade populacional e
estrutura da habitação, as condições climáticas e o sistema
existente para as restantes fracções dos resíduos.
Os resíduos verdes, quando não encaminhados para compostagem
caseira, são usualmente entregues em ecocentros ou objecto de
recolha porta-a-porta, em geral a pedido.
Com efeito, apresentam características que justificam a sua recolha
de forma individualizada. Assim, devido à produção sazonal (mais
importante de Abril a Outubro) e geograficamente variável (menos
significativa em zonas urbanas), a sua recolha pode ser limitada
aos períodos e áreas em causa. Pode também ser mais espaçada
que a recolha dos resíduos de cozinha, face à sua menor
putrescibilidade e humidade, que não causam problemas de
cheiros, atracção de vectores ou produção de lixiviados.
Para a recolha selectiva dos resíduos de cozinha e bem assim de
outros resíduos orgânicos como os provenientes de mercados,
feiras, centros de distribuição de produtos frescos, é mais usual a
adopção de sistemas do tipo porta-a-porta, que permitem alcançar,
comparativamente aos sistemas de deposição voluntária (como os
contentores de grande capacidade colocados na via pública) um
menor grau de contaminação dos resíduos separados e uma maior
taxa de adesão dos produtores.
A deposição destes resíduos pode fazer-se com recurso a vários
tipos de recipientes, como se indica no Quadro 5 para o caso de
recolha em habitações.

22 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Quadro 5 – Esquemas referenciados para a deposição selectiva de RUB de
habitações

Baldes 7-10 L í Utilizados nas próprias cozinhas das habitações,


facilitam a separação dos resíduos alimentares durante
e após a confecção das refeições.

Baldes 15-30 L í Permitem a verificação visual do conteúdo e uma


recolha rápida.
í Evitam a inclusão de materiais volumosos indesejáveis.

Contentores com rodas í Normalmente disponibilizados nas habitações a par de


80–120 L contentores idênticos para a fracção resto.
(ou capacidade superior
em grandes edifícios)

Sacos de papel ou í Mais caros do que os sacos plásticos convencionais,


plásticos biodegradáveis mas não necessitam como estes ser removidos na
compostagem.
í Os sacos de papel desintegram-se quando húmidos e
não permitem a observação do conteúdo.

No que se refere às viaturas de recolha, a garantia de


estanqueidade da caixa é particularmente importante, para evitar
escorrência de lixiviados destes resíduos.
A utilização de viaturas mistas, que recolhem em simultâneo mas
de forma segregada a fracção orgânica e outro fluxo de materiais
(selectivo ou indiferenciado), contribui para uma diminuição dos
custos da recolha.
Em qualquer circunstância a recolha selectiva de RUB nas
habitações impõe a organização de um esquema que facilite à
população a separação na origem e favoreça assim a sua adesão,
a par de uma forte componente de informação e sensibilização, de
forma a assegurar taxas de recuperação significativas.
O sector da restauração é naturalmente um alvo interessante da
recolha deste tipo de resíduos. A eficiência desta recolha nestes
produtores será tanto maior quanto desde logo a concepção dos
espaços e equipamentos destes estabelecimentos favoreçam o
cumprimento de regras e praticas de gestão interna dos resíduos
que promovam a deposição diferenciada das fracções valorizáveis,
incluindo a orgânica.

2. RECOLHA 23
2.3 Casos de estudo
Embora não haja muita informação consistente disponível que per-
mita evidenciar um quadro objectivo de vantagens e desvantagens,
condicionantes, rendimentos, indicadores de funcionamento e cus-
tos dos diferentes esquemas de recolha selectiva, referem-se nos
pontos seguintes dados relevantes que foi possível coligir, mas de
âmbito como se pode verificar bastante díspar:
ƒ dados da LIPOR (Serviço Intermunicipalizado de Gestão de
Resíduos do Grande Porto) relativos à evolução temporal de
rendimentos obtidos na recolha selectiva multimaterial, por
ecopontos e por porta-a-porta;
ƒ dados do estudo «A Recolha Porta-a-Porta no Sistema de
Recolha Indiferenciada de Resíduos Sólidos Urbanos», reali-
zado em 2002 pelo ISCTE (Instituto Superior de Ciências do
Trabalho e da Empresa) para o INR (Instituto dos Resíduos);
ƒ dados de custos médios das recolhas selectivas nos países da
União Europeia, em 2002;
ƒ dados do estudo «Análisis Económico-Ambiental de la Reco-
gida de Residuos de Envases», realizado em 2003 pelo ISR-cer
(Instituto para la Sostenibilidad de los Recursos).

2.3.1 LIPOR (2007)


Os projectos de recolha selectiva multimaterial da LIPOR, entidade
responsável pela gestão, valorização e tratamento dos resíduos
urbanos do grande Porto, incluem a recolha selectiva porta-a-porta,
a recolha de ecopontos e ecocentros, para além de projectos
específicos dirigidos fundamentalmente a pequenos nichos que não
são abrangidos de forma eficaz pelos sistemas convencionais.
A recolha porta-a-porta abrangia seis zonas em 2007, com cerca de
60.000 habitantes.
Estas zonas congregam diferentes tipologias habitacionais, com
predomínio de habitação em altura, em alguns casos com um
número elevado de fogos, pelo que o modo de deposição de
resíduos varia em função da tipologia dos edifícios das zonas-alvo,
podendo ser por sacos, cestos ou contentores coloridos.
No Quadro 6 apresenta-se a frequência de recolha e os fluxos
abrangidos pelo sistema porta-a-porta.

24 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Quadro 6 – Frequência da recolha porta-a-porta

Município Fluxos recolhidos Frequência de recolha

Gondomar embalagens e papel/cartão semanal

embalagens e papel/cartão semanal


Maia
vidro quinzenal

Matosinhos embalagens e papel/cartão semanal

Porto embalagens e papel/cartão semanal

Valongo embalagens e papel/cartão semanal

De acordo com o Plano de Estratégico para a Gestão Sustentável


dos Resíduos Sólidos do Grande Porto para o período 2007–2016,
a capitação da fracção embalagem para cada um dos concelhos
abrangidos evoluiu de acordo com o gráfico da Figura 9.

Porta a Porta
Capitação de Embalagens
Gondomar
Maia - Habitação
40,00 Matosinhos
35,00 Porto
Valongo
30,00
kg/hab.ano

25,00

20,00
15,00
10,00
5,00
0,00
2001 2002 2003 2004 2005 2006

Figura 9 – Recolha selectiva porta-a-porta: capitação da fracção


embalagem
(LIPOR, 2008)

Passado o período inicial destas recolhas, em que os procedi-


mentos de separação estariam ainda mal apreendidos, verifica-se
uma estabilização das capitações.
No que se refere à recolha selectiva de ecopontos, existem cerca
de 2.850 unidades, contabilizando os ecopontos da via pública e os

2. RECOLHA 25
ecopontos das escolas, num rácio de um ecoponto para 390
habitantes.
A frequência de recolha adoptada pelos diferentes Municípios
apresenta algumas diferenças, conforme ilustrado no Quadro 7.

Quadro 7 – Frequência da recolha de ecopontos

Município Frequência de recolha

Espinho bissemanal

zona urbana – semanal


Gondomar
zona rural – quinzenal

papel/cartão – semanal
Maia embalagens – semanal
vidro – variável

em geral bissemanal; situações excepcionais de recolha semanal


Matosinhos
e trissemanal

papel/cartão – bissemanal
Porto embalagens – bissemanal
vidro – semanal

centro da cidade: papel/cartão e embalagens – trissemanal

Póvoa de Varzim restantes freguesias: papel/cartão e embalagem – semanal;


vidro – quinzenal

Valongo trissemanal

Vila do Conde em geral semanal; maior frequência nas freguesias do litoral

Em termos de capitações, os gráficos da Figura 10 ilustram a


variação anual para cada um dos fluxos recolhidos por esta via.
É patente um crescimento das capitações a partir de 2003,
associado a uma maior cobertura da população, através do
aumento regular dos equipamentos colocados no terreno.

26 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Gondomar
Ecopontos
Capitação de Embalagens Maia
Matosinhos
Porto
Valongo
5,00 Espinho
V. Conde
4,00
kg/hab.ano

P. Varzim
3,00
2,00

1,00
0,00
2001 2002 2003 2004 2005 2006

Gondomar
Ecopontos
Capitação de Papel/Cartão Maia
Matosinhos
Porto
20,00 Valongo
Espinho
15,00
kg/hab.ano

V. Conde
P. Varzim
10,00

5,00

0,00
2001 2002 2003 2004 2005 2006

Gondomar
Ecopontos
Maia
Capitação de Vidro
Matosinhos
Porto
25,00
Valongo
20,00 Espinho
kg/hab.ano

15,00 V. Conde
P. Varzim
10,00

5,00

0,00
2001 2002 2003 2004 2005 2006

Figura 10 – Recolha selectiva de ecopontos: capitação nos vários


municípios
(LIPOR, 2008)

2. RECOLHA 27
Em termos médios verifica-se que a recolha porta-a-porta permite
recolher maiores quantidades per capita, comparativamente com o
esquema de ecopontos (Figura 11).

Capitação de Embalagens

Porta a Porta

18,00 Ecopontos
16,00
14,00
12,00
kg/hab

10,00
8,00
6,00
4,00
2,00
0,00
2001 2002 2003 2004 2005 2006

Capitação de Papel/Cartão

Porta a Porta
Ecopontos
18,00
16,00
14,00
12,00
kg/hab

10,00
8,00
6,00
4,00
2,00
0,00
2001 2002 2003 2004 2005 2006

Figura 11 – Capitações na recolha selectiva de ecopontos e porta-a-porta


(LIPOR, 2008)

28 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


2.3.2 Estudo ISCTE (2002)
Neste estudo faz-se uma análise comparativa entre a recolha por
ecopontos e porta-a-porta, em três sistemas de gestão de resíduos
com estes dois tipos de recolha – Loures, Maia e Oeiras.
No Quadro 8 e no Quadro 9 sistematizam-se, respectivamente, as
características e indicadores apurados relativos a estes sistemas de
recolha.
Da análise de resultados podem-se apresentar em síntese as
seguintes conclusões.
Verifica-se que os circuitos de recolha porta-a-porta têm trajectos
mais curtos do que os de ecopontos, com um tempo de execução
menor, com excepção da recolha bifluxo papel/embalagens no
concelho de Oeiras, e consequentemente um menor consumo de
combustível. No entanto, o consumo de combustível por quilómetro
e por quilograma recolhido é superior no caso da recolha porta-a-
porta.
As equipas da recolha porta-a-porta utilizam um número maior de
elementos do que as de recolha por ecopontos.
Constatam-se taxas de enchimento das viaturas diferentes entre os
dois sistemas de recolha, sendo no caso do porta-a-porta em regra
bastante inferior à dos ecopontos. De realçar o valor apresentado
para o vidro dos ecopontos no concelho de Loures, acima dos
100%, resultante da interrupção do circuito para descargas
intermédias.
Os quantitativos recolhidos pelo sistema porta-a-porta são, de um
modo geral, inferiores aos recolhidos através dos ecopontos. Esta
situação decorre fundamentalmente do facto de o sistema de eco-
pontos recolher maioritariamente vidro e papel/cartão, sendo a
fracção embalagens diminuta, enquanto a recolha porta-a-porta a
fracção embalagens apresenta maior expressão, quando compa-
rada com os restantes fluxos.
A qualidade dos materiais da recolha porta-a-porta é menor quando
comparada com a dos ecopontos, conforme evidenciado pelas
taxas de refugo – Quadro 10.

2. RECOLHA 29
30
Loures Maia Oeiras
Tipo de material Tipo de material Tipo de material
Bifluxo
V P E Bifluxo VE Total V P E Bifluxo PE Total V P E Bifluxo PE Total
P/EV
Ecopontos 24,00 48,00 40,00 112,00 9,00 9,00 9,00 27,00 4,00 4,00 8,00
Nº circuitos/sistema recolha
Porta-a-porta 6,00 40,00 5,00 34,00 85,00 2,00 4,00 6,00 8,00 8,00

OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Total 30,00 88,00 45,00 34,00 197,00 9,00 9,00 9,00 2,00 4,00 33,00 4,00 4,00 0,00 8,00 16,00

Nº de km médios do 1º ao Ecopontos 41,00 43,42 50,40 45,39 38,00 52,78 48,00 46,26 43,75 32,90 38,32
último ponto de recolha Porta-a-porta 15,67 24,63 11,60 15,79 19,69 12,00 12,50 12,33 22,69 22,69
Tempo médio entre o 1º e o Ecopontos 279,50 303,56 296,38 295,87 219,44 292,78 265,00 259,07 77,50 95,25 86,38
último ponto de recolha
(min) Porta-a-porta 122,50 170,00 189,00 170,24 167,81 235,00 243,75 240,83 139,00 139,00

Quantitativos médios Ecopontos 7 802,50 5 232,50 1 364,50 4 401,79 8 428,89 3 460,00 931,11 4 273,33 8 015,00 2 665,00 5 340,00
recolhidos (kg) Porta-a-porta 2 836,67 1 825,50 2 024,00 805,88 1 500,71 2 850,00 3 490,00 1 808,00 1 808,00

Ecopontos 2,71 2,94 2,63 2,78 2,00 2,00 2,00 2,00 3,00 2,75 2,87
Nº médio de trabalhadores
Porta-a-porta 2,83 2,63 2,80 2,97 2,79 3,00 3,00 3,00 4,00 4,00

Taxa média de enchimento Ecopontos 103,01 79,52 62,08 78,33 120,74 57,66 62,07 80,16 64,17 21,85 43,01
da viatura (%)
ecopontos e porta-a-porta

Porta-a-porta 43,74 26,64 58,87 15,55 25,31 25,90 31,72 29,79 25,27 25,27

Combustível médio gasto Ecopontos 30,39 42,66 38,17 38,49 47,38 58,32 57,75 54,48 53,50 53,50
por circuito (L) Porta-a-porta 22,02 26,59 19,16 22,57 24,22 18,33 18,18 18,23 36,88 36,88
Frequência de recolha Ecopontos 2,00 4,00 3,25 3,30 8,00 8,00 8,00 8,00 4,00 4,00
(nº vezes/mês) Porta-a-porta 7,33 4,00 5,80 4,00 4,34 8,00 8,00
Quadro 8 – Características dos sistemas de recolha selectiva de
Indicador Esquema de Loures Maia Oeiras
recolha Tipo de material Tipo de material Tipo de material
Bifluxo
V P E Bifluxo VE Total V P E Bifluxo PE Total V P Bifluxo PE Total
P/EV
km/min 0,15 0,14 0,17 0,15 0,17 0,18 0,18 0,18 0,56 0,35 0,44
Ecopontos

Porta-a-porta 0,13 0,14 0,06 0,09 0,12 0,05 0,05 0,05 0,16 0,16
km/h 8,80 8,58 10,20 9,20 10,39 10,82 10,87 10,71 33,87 20,72 26,62
Ecopontos

Porta-a-porta 7,68 8,69 3,68 5,57 7,04 3,06 3,08 3,07 9,79 9,79
kg/km 190,30 120,51 27,07 96,98 221,81 65,56 19,40 92,38 183,20 81,00 139,35
Ecopontos

Porta-a-porta 181,03 74,12 174,48 51,04 76,22 237,50 279,20 0,00 79,68 79,68
kg/h 1 674,96 1 034,23 276,23 892,65 2 304,65 709,06 210,82 989,69 6 205,16 1 678,74 3 709,19
Ecopontos

Porta-a-porta 1 389,39 644,29 642,54 284,03 536,57 727,66 859,08 0,00 780,43 780,43
kg/trabalhador 2 879,15 1 779,76 518,82 1 583,38 4 214,45 1 730,00 465,56 2 136,67 2 671,67 969,09 1 860,63
Ecopontos

Porta-a-porta 1 002,36 694,11 722,86 271,34 537,89 950,00 1 163,33 0,00 452,00 452,00
L/km 0,74 0,98 0,76 0,85 1,25 1,10 1,20 1,18 0,00 1,63 1,40
Ecopontos

Porta-a-porta 1,41 1,08 1,65 1,43 1,23 1,53 1,45 1,48 1,63 1,63
L/kg 0,00 0,01 0,03 0,01 0,01 0,02 0,06 0,01 0,00 0,02 0,01
Ecopontos

Porta-a-porta 0,01 0,01 0,01 0,03 0,02 0,01 0,01 0,63 0,02 0,02
Quadro 9 – Indicadores da recolha selectiva de ecopontos e porta-a-porta

2. RECOLHA
31
Quadro 10 – Taxas de refugo

Lipor Tratolixo Valorsul

Global: Ecopontos: Global:


Papel/cartão – 5% Papel/cartão – 11% Papel/cartão – 1%
Embalagens – 53% Embalagens – 38% Embalagens – 33%
Porta-a-porta:
Embalagens – 52%

De acordo com o estudo, a justificação para os valores apre-


sentados prende-se com o facto de, no caso da Lipor, o sistema de
recolha porta-a-porta da Maia, correspondente a 73% do total da
população abrangida por este sistema, ser responsável por cerca
de 40% do total de plástico/metal recolhido em toda a área
geográfica da Lipor.
No caso da Tratolixo, o concelho de Oeiras, onde se pratica o
sistema de recolha porta-a-porta, abrangendo 21% da população
existente na área de intervenção da Tratolixo, tem também um peso
significativo, sendo responsável por cerca de 76% do total de
plástico/metais recolhidos em toda a área geográfica da Tratolixo,
contribuindo para as taxas de refugo apuradas.
Por outro lado, o valor mais baixo apresentado pela Valorsul deriva
fundamentalmente de apenas 60.000 habitantes (6% da população
total do Sistema) estarem abrangidos por este esquema de recolha
(Loures). As quantidades recolhidas por esta via são diminutas
quando comparadas com a totalidade de resíduos recolhidos no
Sistema (5,8%, contabilizando o vidro).

2.3.3 Custos na UE (2002)


Em 2002, num estudo financiado pela Comissão Europeia, fez-se a
primeira análise exaustiva dos custos da gestão dos resíduos na
Europa, apoiado em dados coligidos por doze gabinetes de
consultoria e institutos de investigação implantados em diferentes
países da União.
Os valores médios e os intervalos de variação do custo da recolha
selectiva de papel, de vidro e de embalagens e da recolha
indiferenciada são apresentados nas figuras seguintes.

32 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


600
500
400
€/t

300

200
100
0
DE DE BE BE FI FI GR GR UK UK
AT DK ES FR IE IT LU NL PT SE
urb. rur. Flandr Wallon urb. rur. urb. rur. urb. rur.

M áximo 81 91 92 91 100 36 67 70 255 104 123 50 80 80


M í nimo 39 48 58 19 40 25 40 60 48 85 75 32 50 59
M édia 67 71 70 75 56 126 60 15 32 30 55 65 75 85 100 45 42 60 65

Figura 12 – Custo da recolha indiferenciada


600

500

400
€/t

300
200

100
0
DE AT BE DK ES ES IT IT LU LU NL PT UK
FI FR GR IE SE
(PAP) (M ist o) (PAP) (E) (E urb.) (E rur) (PAP) (E) (PAP) (E) (PAP) (E) (E)

M áximo 60 70 168 125 150 146 82 80


M í nimo 40 50 28 30 90 139 60 50
M édia 125 74 44 74 40 60

PAP – recolha porta-a-porta E – ecopontos

Figura 13 – Custo da recolha selectiva de papel/cartão


600
500
400
€/t

300
200
100
0
DE AT AT DK ES ES FR IE IT IT NL PT
DE FI FI GR GR UK
(E) (E) (E) (E urb.) (E rur) (E) (E) (PAP) (E) (E) (E)

M áximo 50 60 70 40 80
M ínimo 40 25 50 20 50
M édia 70 48 48 91 30 63 32 27 39

PAP – recolha porta-a-porta E – ecopontos

Figura 14 – Custo da recolha selectiva de vidro


600
500
400
€/t

300
200
100
0
DE AT BE DK ES ES FI UK
FR GR IE IT LU NL PT SE
(PAP) (PAP) (PAP) (PAP) (E urb.) (E rur) (PAP) (PAP)

M áximo 300 184 180 510 200


M í nimo 250 169 100 65 130
M édia 298 180 270 78

PAP – recolha porta-a-porta E – ecopontos

Figura 15 – Custo da recolha selectiva de embalagens

2. RECOLHA 33
Estes valores devem ser olhados com alguma reserva, dadas as
dificuldades na comparação, pelas diferenças que ocorrem, desig-
nadamente a nível de:
ƒ modalidades e frequências de recolha;
ƒ materiais recolhidos;
ƒ taxas de recuperação dos materiais recolhidos em conjunto;
ƒ equipamentos e infra-estruturas da recolha.

2.3.4 Estudo ISR-cer (2003)


Este estudo foi realizado na perspectiva de constituir um documento
técnico de referência no que concerne à economia ambiental dos
sistemas actuais de recolha de resíduos de embalagens em
Espanha (apenas resíduos de embalagens ligeiras domésticas –
alumínio, aço, plástico e cartão de bebidas – provenientes da
recolha selectiva multimaterial).
Envolve a caracterização dos actuais esquemas de recolha destes
resíduos, a definição dos parâmetros a considerar no cálculo do
sobrecusto da recolha selectiva relativamente à indiferenciada, na
base de níveis de serviço com eficiência e qualidade pré-definidos,
e respectivo modelo de contrapartidas, e a comparação
custo/eficiência ambiental dos diversos esquemas de recolha.
Relevam-se seguidamente alguns destes aspectos.

Sistemas de recolha
A recolha selectiva de embalagens é da responsabilidade das
entidades municipais, sendo efectuada por elas directamente ou por
prestação de serviços de empresas privadas.
Muitos dos municípios, para ganhar efeito de escala, estão
agrupados, constituindo áreas territoriais de maior dimensão, as
designadas Unidades de Gestão.
A maioria dos esquemas de recolha de embalagens existentes
enquadram-se nos seguintes tipos de sistemas, caracterizados no
Quadro 11:
ƒ sistema húmido-seco;
ƒ sistemas de recolha específicos de embalagens, com recurso
aos designados contentores de tampa aberta, de tampa
fechada e tipo igloo;

34 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


sistemas
sistemasmistos.
mistos.
Os
Os sistemas
sistemasexistentes
existentessãosão
também
também
referenciados
referenciados
pelo pelo
tipo de
tipo de
contentores
contentoresutilizados.
utilizados.
Quadro 11 – Tipologia dos sistemas de recolha

Sistemas de recolha
específicos de embalagens
Sistema húmido-seco Sistemas mistos
(contentores de tampa aberta, de
tampa fechada e tipo igloo)

Baseia-se na classificação e Recolha selectiva no passeio Combinam simultaneamente


separação dos resíduos em Os contentores para embalagens a recolha no passeio (para a
duas fracções: localizam-se junto dos matéria orgânica e para o
t fracção orgânica ou contentores para a fracção resto, resto) com uma recolha em
húmida – inclui todos os perto das habitações, áreas de contribuição
resíduos putrescíveis normalmente a distâncias não voluntária (para vidro,
superiores a 100 m. Um caso papel/cartão e embalagens
t fracção inorgânica ou ligeiras).
particular deste sistema de
seca – inclui o resto dos
recolha é a recolha «porta-a-
resíduos, não putrescíveis
porta».
(resíduos de embalagens,
têxteis, inertes, etc.) A recolha dos contentores pode
ser diária quando se realiza uma
Cada uma das fracções é
recolha selectiva em paralelo ou
recolhida em contentores de
de forma simultânea à recolha
cores diferentes situados
tradicional.
próximo das habitações.
Em algumas cidades faz-se a
A frequência de recolha dos
recolha de três fracções: matéria
dois tipos de contentores é,
orgânica, embalagens e resto.
de uma forma geral, diária.
Neste tipo de recolha utilizam-se
Em sentido estrito, este
contentores de tampa aberta ou
sistema não pode ser
de tampa fechada.
considerado como um
sistema de recolha de Recolha selectiva em áreas de
embalagens, uma vez que o contribuição voluntária
objectivo prioritário é a Os contentores para embalagens
recolha da fracção orgânica. estão agrupados num mesmo
local com contentores destinados
a outras fracções valorizáveis.
São de grande capacidade, do
tipo igloo ou tampa fechada.
Em geral há três contentores de
três cores:
– amarelo para as embalagens
ligeiras, azul para embalagens de
cartão e papel, e verde para vidro.
O grau de cobertura é de um
contentor para cada 500
habitantes em zonas urbanas.
A frequência de recolha é em
geral semanal.

2. RECOLHA 35
Os sistemas de tampa fechada (Figura 16) e igloo (Figura 17) são
os mais utilizados, quer em número de Unidades de Gestão (Figura
18), quer em número de habitantes abrangidos (Figura 19).

Figura 16 – Modelos de contentores de tampa fechada

Figura 17 – Modelo de contentor tipo igloo

Húmido-seco
3%

Tampa fechada Igloo


46% 43%

Tampa aberta
8%

Figura 18 – Distribuição do número de sistemas de recolha pelas Unidades


de Gestão analisadas (Ambirumo)

36 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Húmido-seco
4%

Tampa fechada Igloo


43% 36%

Tampa aberta
17%

Figura 19 – População abrangida por sistema de recolha

O sistema húmido-seco é o menos utilizado, existindo apenas em


3% das Unidades de Gestão e cobrindo somente 4% da população.
Por sua vez, o sistema de tampa aberta (Figura 20), embora
presente num número de Unidades de Gestão relativamente
reduzido, abrange um número de habitantes mais significativo.

Figura 20 – Modelo de contentor de tampa aberta (Ambirumo)

Dos dois sistemas mais utilizados, o de tampa fechada é mais


representativo em zonas urbanas, 8 enquanto o sistema igloo está
mais presente em zonas rurais 9 e semi-urbanas. 10

8 N.º de habitantes • 50.000 e todas as capitais de província.


9 N.º de habitantes < 5.000.
10 20.000 ” n.º de habitantes < 50.000

2. RECOLHA 37
O Quadro 12 compara as vantagens/desvantagens destes
sistemas.

Quadro
Quadro 12
12 – Vantagens/Desvantagens
Vantagens/Desvantagensdos
dossistemas
sistemas
dede
recolha
recolha
Tampa
Tampaaberta
aberta
Húmido-seco
Húmido-seco Tampa
Tampafechada
fechada Igloo
Igloo
no
no passeio
passeio
––Apresenta
Apresenta aa – Como
Como vantagens
vantagens – –Estes
Estescontentores
contentores – Este
– Este
sistema
sistema
é é
vantagem
vantagemda da matéria
matéria são
são de
de citar
citaraa podem
podemserser
utilizados
utilizados muito
muito
semelhante
semelhanteao ao
orgânica
orgânicaestar
estar menos
menos proximidade
proximidadedas das quer
quernana
recolha
recolhadede sistema
sistema
de tampa
de tampa
contaminada,
contaminada, oo que
que habitações
habitaçõeseeaamaior
maior passeio,
passeio,quer
queremem fechada.
fechada.
permite
permiteaasua
sua comodidade
comodidadepara paraos
os áreas
áreasdede
contribuição
contribuição – É–mais
É maiseconómico,
económico,
utilização
utilizaçãodirecta
directa para
para cidadãos
cidadãos voluntária.
voluntária. umaumavezvez
quequea a
valorização
valorizaçãoorgânica.
orgânica. comparativamente
comparativamente – –Em
Emambos
ambos osos casosfrequência
casos frequênciade recolha
de recolha
––ÉÉum
umsistema
sistema com
com oo sistema
sistemade de a aqualidade
qualidade dos
dos pode
podeserser
inferior
inferior
à dos
à dos
cómodo,
cómodo,pela
pela tampa
tampa fechada.
fechada. materiais
materiaisrecolhidos
recolhidos
é é contentores
contentores
proximidade
proximidade dos
dos –AA quantidade
quantidadede de elevada.
elevada. anteriores,
anteriores,
e oe o
meios
meiosde
dedeposição
deposição resíduos
resíduosde de – –AAfrequência
frequênciadede material
material
recolhido
recolhido
às
àshabitações.
habitações. embalagem
embalagem recolha
recolhaé é
mais
mais contém
contém menos
menos
––Embora
Emborase se recolhidos
recolhidoséémaior;
maior; espaçada.
espaçada. impurezas.
impurezas.
recolham
recolhamgrandes
grandes apresentam-se
apresentam-seno no
entanto
entanto mais
mais – –OOponto
pontofraco
fraco deste – Como
deste – Comoinconveniente
inconveniente
quantidades
quantidades dede sistema
sistema relaciona-se é de
relaciona-se é de
salientar
salientar
a a
matéria
matériaseca,
seca, as
as contaminados
contaminadosdo doque
que
no
no sistema
sistemadedetampa
tampa com
coma anecessidade
necessidade dedenecessidade
necessidade do do
embalagens
embalagens maior sensibilização cidadão
maiorsensibilização cidadão
se ter
se de
ter de
encontram-se
encontram-se mais
mais fechada
fechada ououigloo,
igloo,pelo
pelo deslocar
deslocar
a áreas
a áreas
de de
que
que são
são recuperados
recuperados dos
doscidadãos
cidadãos para
para
contaminadas,
contaminadas, oo que
que uma
umasegregação
segregação dosdos contribuição
contribuição
diminui
diminuioorendimento
rendimento menos
menos materiais
materiaiseedede voluntária.
voluntária.
pior
pior qualidade.
qualidade. resíduos
resíduos dede
eeencarece
encareceaa embalagens
embalagens com
com – Outra
– Outra
debilidade
debilidade
do do
recuperação
recuperação dos
dos –AA frequência
frequênciadede dimensões
dimensõesadaptadas
adaptadas sistema
sistemaprende-se
prende-se
materiais.
materiais. recolha
recolha dos
dos àsàsdimensões
dimensõesdas
das com coma necessidade
a necessidadede de
contentores
contentoreséémaior
maior bocas
bocasdos
dos limpeza,
limpeza,
devido
devido
a a
do
do que
que no
nocaso
casodede contentores.
contentores. escorrências
escorrências
contentores
contentoresde detampa
tampa derivadas
derivadasda da
fechada
fechada (dada
(dadaaasua
sua deposição
deposiçãode de
menor
menor capacidade),
capacidade), embalagens
embalagens de de
pelo
pelo que
queososcustos
custosdo
do maiores
maioresdimensões
dimensões
sistema
sistema são
são forafora
do do
contentor.
contentor.
superiores.
superiores.

Análise custo/eficiência ambiental dos sistemas de recolha de


embalagens
Esta análise teve por base o estabelecimento de um conjunto de
cenários em função dos agregados populacionais – zona urbana,
zona semi (integra as zonas semi-rural e semi-urbana) e zona rural
– e do tipo de recolha – igloo, contentores de tampa fechada de
carga lateral (TFCL), contentores de tampa fechada de carga
traseira (TFCT), contentores de tampa aberta (TA), sistema húmido-
seco (H-S).
Para o cálculo da eficiência ambiental foram consideradas como
representativas as seguintes variáveis:

38 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


ƒ consumo de combustíveis fósseis em MJ/t de resíduos de
embalagens recuperados
ƒ contribuição para o efeito de estufa em kg CO2 equivalente
emitido/t de resíduos de embalagens recuperados
Na Figura 21 e Figura 22 apresentam-se os valores destas duas
variáveis para os diferentes sistemas de recolha analisados.
Observa-se que o sistema igloo e o de tampa fechada (indepen-
dentemente do tipo de carga) são os que apresentam valores mais
baixos nos três tipos de agregados habitacionais.
MJ / 1000 kg de embalagens recuperadas

Igloo TFCL TFCT TA H- H- Igloo TFCL TFCT TA H- H- Igloo TFCL TFCT TA H- H- PaP
SCL SCT SCL SCT SCL SCT
RFA
Zona Urbana Zona Semi Urbana-Rural Zona Rural

Figura 21 – Consumo de energia fóssil por sistema de recolha


(ISR, 2003)
Kg CO2-Eq. / 1000 kg de embalagens recuperadas

Igloo TFCL TFCT TA H- H- Igloo TFCL TFCT TA H- H- Igloo TFCL TFCT TA H- H- PaP
SCL SCT SCL SCT SCL SCT RFA
Zona Urbana Zona Semi Urbana-Rural Zona Rural

Figura 22 – Contribuição de cada sistema de recolha para o efeito de estufa


(ISR, 2003)

2. RECOLHA 39
Foi igualmente elaborado um modelo de custo associado à
eficiência ambiental para comparação dos sistemas de recolha
implementados.
Os custos foram calculados em €/t de resíduos de embalagens
recuperados em cada sistema, discriminados por custos associados
ao pessoal, às viaturas e aos contentores, incluindo uma per-
centagem associada a gastos gerais.

Custos do pessoal
(incl. Benefício industrial)

Custos do camião
(incl. Benefício industrial)
€ / 1000 kg de embalagens recuperadas

Custos do contentor
(incl. Benefício industrial)

Igloo TFCL TFCT TA H- H- Igloo TFCL TFCT TA H- H- Igloo TFCL TFCT TA H- H- PaP
SCL SCT SCL SCT SCL SCT RFA

Zona Urbana Zona Semi Urbana-Rural Zona Rural

Figura 23 – Custos associados aos sistemas de recolha


(ISR, 2003)

No Quadro 13 e no Quadro 14 apresenta-se, respectivamente, uma


síntese da análise da eco-eficiência dos sistemas de recolha
implementados e dos aspectos relacionados com as eficiências dos
vários sistemas de recolha face à tipologia do agregado habita-
cional.

40 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Quadro 13 – Conclusões da análise de eco-eficiência

Análise ambiental Análise económica Eco-eficiência

– As diferenças entre os – Em relação aos resíduos de – Os sistemas utilizados


sistemas de recolha dentro de embalagens recuperados é em zonas urbanas são
uma determinada zona possível identificar as mesmas mais eco-eficientes do
dependem grandemente dos características decorrentes da que os das zonas semi e
circuitos diários de recolha e análise ambiental. No entanto, rurais, devido ao facto das
da qualidade e quantidade de o sistema de tampa aberta primeiras apresentarem
resíduos de embalagens aproxima-se mais dos percursos de recolha com
recolhidas e recuperadas. sistemas igloo e tampa distâncias mais curtas.
– Combinando a quantidade fechada.
recolhida e a qualidade dos – No sistema de carga lateral,
resíduos de embalagens os custos mais elevados estão
recuperados, o sistema de associados às viaturas e aos
tampa fechada apresenta-se contentores, e no caso de
como o mais vantajoso do carga traseira ao pessoal. No
ponto de vista ambiental, entanto, no caso de carga
seguindo-se o sistema igloo. lateral, a diminuição dos
custos associados ao pessoal
é maior que os custos em
viaturas e contentores.

Quadro 14 – Eficiência dos sistema de recolha em função do agregado


habitacional

Zona urbana Zona semi Zona rural

– O sistema com melhores – Em termos de eficiência o – O sistema mais


prestações do ponto de vista sistema igloo revela-se o mais eficiente é o do tipo igloo,
económico e de eficiência vantajoso, seguido do sistema seguido de muito perto
ambiental é o de tampa de tampa fechada com carga pelo sistema de tampa
fechada com carga lateral, lateral e do de tampa fechada fechada com carga
uma vez que apresenta o com carga traseira, todos eles traseira, quer do ponto de
custo mais baixo associado a com custos semelhantes, e por vista de custos quer de
um menor consumo de último o sistema de tampa eficiência.
combustíveis fósseis e menor aberta.
contribuição para o efeito de
estufa.
– O sistema de tampa fechada
com carga traseira apresenta
uma eficiência semelhante ao
anterior, mas com custos mais
elevados.
– O sistema igloo apresenta
custos semelhantes ao de
tampa fechada com carga
lateral, mas menor eficiência.
– O sistema de tampa aberta
detém uma eficiência
sensivelmente menor que os
anteriores.

2. RECOLHA 41
2.4 A implementação de novos esquemas de
recolha
A implementação de novos esquemas de recolha, indiferenciada ou
selectiva, na sequência de uma fase de análise e projecto de
soluções que dêem resposta aos objectivos definidos para esta
operação, requer uma programação detalhada e desde logo uma
estratégia de actuação em que a concertação com a população-
alvo tenha um papel preponderante.
Efectivamente estarão em causa:
ƒ alteração, muitas vezes radical, de hábitos das populações
abrangidas;
ƒ alteração dos equipamentos de deposição e recolha;
ƒ alteração dos esquemas de recolha – circuitos, frequências,
horários, meios utilizados.
Assume assim particular relevância um planeamento que integre os
vários aspectos em que será preciso actuar, como seja:
ƒ análise da zona a abranger, recorrendo nomeadamente a
levantamentos de campo para precisar caso a caso localizações
e necessidades de equipamentos de deposição, identificando
eventuais constrangimentos a nível de circulação;
ƒ dimensionamento e traçado optimizado dos circuitos de recolha,
envolvendo a definição de horários, frequências e equipas;
ƒ reconhecimento de campo dos circuitos e eventuais ajus-
tamentos;
ƒ quantificação e aquisição de equipamentos (elaboração de
especificações, consultas ao mercado, período de forne-
cimento);
ƒ obras de preparação dos locais, particularmente nas situações
de contentores de grande capacidade;
ƒ definição e preparação dos esquemas de obtenção de infor-
mação (formulários, aplicações informáticas ou outros) para
acompanhamento da operação de recolha, e construção de
indicadores de funcionamento;
ƒ divulgação pública dos novos procedimentos de recolha,
implicando eventualmente a revisão da regulamentação em
vigor;
ƒ formação do pessoal da recolha;

42 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


ƒ sensibilização da população abrangida para a sua adesão e
correcta colaboração;
ƒ distribuição/colocação no terreno dos novos equipamentos de
deposição;
ƒ arranque em zona ou zonas piloto e eventuais ajustamentos em
função dos resultados;
ƒ extensão generalizada ás restantes zonas abrangidas.
Destaca-se em particular o papel que pode ter na eficiência que se
deseja para os novos esquemas de recolha uma comunicação bem
adaptada ao público-alvo, privilegiando uma informação clara e
detalhada sobre os objectivos, procedimentos e resultados
esperados.
Realça-se também a importância dos regulamentos e normativos
municipais reflectirem de forma actualizada o quadro de intervenção
e gestão dos resíduos urbanos. A introdução, a nível urbanístico, da
obrigatoriedade dos novos edifícios incluírem compartimentos ou
áreas específicas destinadas ao acondicionamento dos resíduos, é
a este título, recomendável.

2.5 Monitorização da recolha


O acompanhamento contínuo, análise de resultados e diagnóstico
da operação da recolha são imprescindíveis para em permanência
poderem ser identificados factores de optimização do serviço.
Neste âmbito, os crescentes níveis de exigência de qualidade de
serviço prestado à população, de eficiência das operações, e de
minimização de custos tornam imprescindível a adopção de novas
práticas e ferramentas de gestão, como instrumentos de apoio à
actuação dos responsáveis e decisores.
A gestão da recolha é ainda pouco apoiada em indicadores de
funcionamento e de custos, essenciais a uma percepção dos
factores de melhoria do serviço, e o recurso a Sistemas de
Informação Geográfica é ainda incipiente.
Esta situação deverá ser invertida, adoptando-se novas formas de
gerir e organizar, conduzindo consequentemente à melhoria da
produtividade e do desempenho.
A monitorização do sistema de recolha deve realizar-se a vários
níveis e em função dos tipos de recolha e do esquema operacional

2. RECOLHA 43
adoptado. Entre outros, referem-se como aspectos que importa
conhecer:
ƒ os quantitativos e as características qualitativas dos resíduos;
ƒ a localização dos pontos de recolha;
ƒ os trajectos dos circuitos, para melhor gestão do pessoal e frota
da recolha;
ƒ os parâmetros caracterizadores dos circuitos (duração,
distâncias, quantitativos de resíduos recolhidos) a fim de
analisar o seu equilíbrio relativo, identificar sobrecargas das
viaturas, verificar o desempenho;
ƒ as taxas de apresentação dos contentores à recolha (caso do
porta-a-porta), para se analisar eventuais alterações de
frequência ou avaliar a taxa de participação da população no
caso da recolha selectiva;
ƒ a qualidade dos materiais recolhidos selectivamente e níveis de
enchimento dos contentores, para melhor adaptar as acções de
comunicação e ajustar o número de contentores à produção em
cada ponto de recolha;
ƒ o estado de conservação do equipamento, devido designa-
damente a má operação, vandalismo ou outras causas;
ƒ os incidentes ocorridos na recolha, para antecipar reclamações
e intervir em pontos específicos (reparações, informação, etc.);
ƒ os custos associados às operações, através da definição de
centros de custo e da contabilidade analítica, de forma a avaliar
de forma contínua a produtividade e eventuais desvios.

2.6 Melhoria / optimização da recolha


A optimização de um sistema de recolha surge naturalmente
associada a uma perspectiva de aumento de eficiência e de
redução de custos.
A actuação neste sentido pode centrar-se, designadamente em:
ƒ alteração da tipologia dos meios de deposição;
ƒ alteração da frequência de recolha;
ƒ optimização dos circuitos de recolha;
ƒ implementação de um sistema de recolha multifluxo;
ƒ utilização de equipamento de recolha automatizado.

44 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Para além dos aspectos referidos, a utilização cada vez mais
importante de ferramentas informáticas e de comunicação, para a
avaliação do grau de enchimento dos contentores, para o traçado
de rotas e para o conhecimento estatístico do comportamento dos
diferentes pontos de recolha, são contributos fundamentais para a
optimização da recolha.

2.6.1 Alteração da tipologia dos meios de deposição


A existência de diferentes tipologias de equipamentos de deposição
pode conduzir a um acréscimo do número de viaturas necessárias
para proceder à recolha devido a diferenças nos métodos de
descarga desses equipamentos. Esta situação pode também levar
a um número de circuitos superior ao necessário, com repercussão
a nível dos custos operacionais.
A harmonização do equipamento de deposição destinado às
diversas fracções, quando possível, e a sua compatibilização com
as viaturas afectas ao serviço, são assim factores que contribuem
para a rentabilidade da operação.
Nem sempre é possível no entanto equipar uma determinada zona
com um único tipo de meios de deposição, pelo que nessas
situações deverá tentar agrupar-se os equipamentos da mesma
tipologia de modo a que a sua recolha constitua um ou mais
circuitos completos.
Um outro tipo de intervenção, em situações de produção
concentrada de resíduos, e em que as condicionantes urbanísticas
se mostrem favoráveis, pode passar pela substituição de equi-
pamentos de deposição de superfície por equipamentos enterrados
de grande capacidade. Estes equipamentos permitem armazenar
maiores quantidades de resíduos, em melhores condições
ambientais (melhor controlo de odores e escorrências), não
requerendo recolhas tão frequentes, originando circuitos com
trajectos mais curtos, por maiores rácios de quantidade por ponto
de recolha. Este tipo de intervenção pressupõe um balanço de
custos de forma a aferir se o maior investimento em meios de
deposição é contrabalançado pelos menores custos directos da
operação (menores recursos de mão-de-obra, consumos e
desgaste das viaturas, entre outros).

2. RECOLHA 45
2.6.2 Alteração da frequência de recolha
A alteração da frequência de recolha é um dos factores principais
quando se pretende optimizar um sistema de recolha, na medida
em que permite:
ƒ maximizar os quantitativos recolhidos em cada ponto de
recolha;
ƒ minimizar os períodos não produtivos;
ƒ reduzir o consumo de combustível, minimizando os impactes
ambientais associados;
ƒ reduzir o número de veículos e pessoal afecto ao serviço de
recolha.
Para além dos resultados mais directos associados à alteração da
frequência de recolha, esta acção potencia a criação de novos
serviços na medida em que ao serem eliminados alguns dos
circuitos é possível substituí-los por outros de natureza diferente
(recolha de resíduos domésticos perigosos, outras recolhas
especiais, por exemplo).
A alteração da frequência de recolha apresenta alguns cons-
trangimentos, que podem no entanto ser anulados se forem
adoptadas algumas medidas correctivas.
Não deverão assim deixar de ser equacionados os efeitos:
ƒ da alteração no pessoal afecto à recolha e possibilidade de
enquadramento do pessoal excedentário noutras actividades;
ƒ da alteração da frequência de recolha principalmente em alturas
do ano com maior produção de resíduos;
ƒ da alteração da frequência de recolha no aumento dos quan-
titativos apresentados à recolha por ponto de recolha;
ƒ da frequência de recolha na capacidade de deposição insta-
lada;
ƒ da frequência de recolha ao nível dos circuitos de recolha.

2.6.3 Optimização dos circuitos de recolha


Para um sistema de recolha eficaz do ponto de vista económico e
ambiental muito contribui a existência de circuitos optimizados, na
medida em que conduzem a um decréscimo dos custos associados,
em virtude de serem necessárias menos viaturas e menos pessoal
para a sua execução, bem como a uma minimização dos impactes
ambientais decorrentes da actividade (diminuição do consumo de
combustíveis e das emissões para a atmosfera).

46 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Para tal, os circuitos devem ser periodicamente reajustados no
sentido de se minimizarem os trajectos e os tempos de em
transporte.

2.6.4 Implementação de um sistema de recolha


multifluxo
As recolhas multifluxo, desde que a compartimentação das viaturas
seja adequada às densidades dos materiais a recolher, serão
também uma solução com interesse, uma vez que permitem a
recolha de duas ou mais fileiras de materiais com a passagem de
uma única viatura e equipa.
Tal situação pressupõe um conhecimento detalhado dos níveis de
enchimento dos contentores das várias fileiras de materiais a
recolher, de forma a compartimentar a viatura proporcionalmente
aos respectivos volumes a recolher num mesmo circuito.

2.6.5 Utilização de equipamento de recolha


automatizado
Outra linha de actuação concorrente para a optimização centra-se
na utilização de meios mecânicos semi-automáticos ou automáticos
para a recolha de contentores, sistemas que se traduzem numa
redução significativa de meios humanos na operação.
Estes sistemas funcionam com o motorista e um operador ou
apenas com o motorista, que pode comandar todo a operação de
recolha a partir da cabina da viatura.
A utilização deste esquema implica geralmente um sistema
específico de carregamento lateral dos contentores e compatível
com as respectivas formas, bem como condições de acessibilidade
da viatura sem constrangimentos, nomeadamente de estacio-
namento de viaturas junto dos pontos de recolha.
Esta prática que se vem generalizando na Europa, é já corrente nos
Estados Unidos desde há muitos anos, em parte resultante da
tipologia das cidades americanas, em que predomina a habitação
de tipo unifamiliar.
Em Portugal é de referir a experiência dos SMAS de Loures, no que
se refere à utilização apenas do motorista para a descarga (lateral)
de contentores de 2,4 m3.

2. RECOLHA 47
2.7 O caso da optimização da recolha em
Matosinhos

2.7.1 Enquadramento
Ilustra-se um exemplo concreto de actuação de um sistema
municipal – o município de Matosinhos – a nível da optimização da
recolha.
A necessidade sentida de estabelecer um Plano Estratégico de
remoção de resíduos para a zona da cidade de Matosinhos
conduziu a um levantamento e diagnóstico da situação existente
aprofundados, no qual se apoiou a definição de linhas de orientação
e soluções a adoptar num horizonte de médio prazo para as
operações de remoção na zona, traduzidas num conjunto de
medidas e acções de requalificação do sistema actual, com o
objectivo da melhoria da sua qualidade e da economia do serviço
prestado.

2.7.2 Caracterização da situação existente


A fim de se obter um retrato fiável do sistema de recolha existente,
o trabalho realizado envolveu a compilação de dados relativos às
operações de recolha indiferenciada, recolha selectiva multima-
terial, entre outras, e os correspondentes meios afectos.
Verificou-se a existência de alguma informação sobre o funciona-
mento do sistema, mas de uma forma geral não siste-matizada ou
não tratada.
Assim, foi necessário proceder ao levantamento de informação
adicional, através da execução de trabalhos de campo, envolvendo:
ƒ a actualização da listagem e da localização dos equipamentos
de deposição selectiva;
ƒ a actualização da listagem e da localização dos contentores
Molok para deposição indiferenciada;
ƒ o acompanhamento de vários circuitos de recolha.
Com base no levantamento efectuado procedeu-se à carac-
terização geral de cada um dos serviços e à determinação, sempre
que possível, de indicadores de funcionamento, que permitissem
traçar o diagnóstico da situação actual e estabelecer um conjunto
de linhas orientadoras no sentido de optimizar o sistema.

48 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Apresenta-se seguidamente uma síntese da caracterização do
sistema nas componentes relativas à recolha indiferenciada e
selectiva, relevando-se alguns dos indicadores apurados.
Recolha indiferenciada
A recolha indiferenciada dos resíduos domésticos é efectuada de
duas formas distintas:
ƒ uma parte da área está servida com contentores enterrados do
tipo Molok, com 5 m3 de capacidade, que são recolhidos através
de três circuitos diurnos com viaturas tipo ampliroll;
ƒ na parte restante, o esquema mais usual consiste ainda na
deposição dos resíduos directamente na via pública,
acondicionados frequentemente em sacos de plástico, sendo a
recolha realizada através de cinco circuitos nocturnos, com
viaturas com compactação, equipadas com elevador apenas
para contentores de 800 L, pelo que a recolha se realiza
maioritariamente por baldeação manual («recolha aberta»).
No que se refere à recolha de Molok, foi possível apurar os
indicadores constantes no Quadro 15.
Quadro 15 – Zona de Matosinhos. Indicadores da execução dos circuitos
de recolha indiferenciada de Molok
Circuito h/recolha km/recolha t/recolha km/h t/h kg/km t/ajudante

M1 5,2 51 13,3 10 2,5 274 6,7

M2 4,9 52 13,7 10 2,8 268 6,8

M3 4,6 49 14,9 11 3,3 305 7,5

média 5,0 51 13,7 10 2,8 278 6,9

O facto de não haver registos sistemáticos da execução dos


circuitos não permite apurar outros indicadores da sua execução,
como o número de Molok visitados e efectivamente recolhidos, e o
grau médio de enchimento com que os Molok são recolhidos.
Do acompanhamento directo que se fez à execução diária de um
destes circuitos (circuito M1), resultaram os indicadores
apresentados no Quadro 16.

2. RECOLHA 49
Quadro 16 – Zona de Matosinhos. Indicadores da execução de um circuito
de recolha indiferenciada de Molok
km/h
km/h km/h
km/h km/h
km/h
N.º
N.ºMolok
Molok tempo
tempo
de descarga
de descarga
hh kmkm média
médiado do emem em em
recolhidos
recolhidos min min
circuito
circuito transporte
transporte recolha
recolha
2,7 –2,7
10,8
– 10,8
3434 5,15,1 5050 10 10 45 45 4 4
média:
média:
5,7 5,7

O tempo de execução, km percorridos e velocidade média são


concordantes com os anteriormente referidos.
Os tempos de paragem para descarga dos Molok variaram
razoavelmente. As maiores demoras decorreram de haver resíduos
fora dos contentores, que tiveram de ser recolhidos manualmente.
De salientar o número de Molok recolhidos, cerca de ѿ dos
teoricamente afectos ao circuito, o que, face aos valores apurados
na semana de controlo e ao observado, indicia uma frequência
média de 2 a 3 recolhas/semana de cada Molok.
Relativamente aos circuitos nocturnos em zonas de recolha aberta,
apuraram-se os indicadores apresentados no Quadro 17.
Quadro 17 – Zona de Matosinhos. Indicadores da execução dos circuitos
nocturnos de recolha indiferenciada
Circuito h/recolha km/recolha t/recolha km/h t/h kg/km t/ajudante

P1 5,1 55 9,7 11 1,9 177 3,6

P2 4,7 57 9,9 12 2,1 174 3,5

P3 5,1 64 6,8 13 1,3 105 3,0

P4 5,0 53 10,4 11 2,1 196 3,5

P5 5,3 55 9,0 11 1,7 163 2,9

média 5,0 56 9,1 11 1,8 159 3,2

O circuito P3 é aquele em que se recolhem menores quantitativos,


mas o respectivo tempo de execução não difere muito dos
restantes. De facto, este é um circuito com grande dispersão
geográfica das ruas abrangidas, sendo o que apresenta o trajecto
de maior comprimento.
O circuito P5, por sua vez, é o circuito de recolha mais complexo,
em virtude de abranger habitações com compartimentos de
resíduos apresentando de uma forma geral constrangimentos que
dificultam a recolha.

50 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Do acompanhamento directo que se fez à execução deste circuito
numa segunda-feira, foi possível apurar os indicadores que se
apresentam no Quadro 18.
Quadro 18 – Zona de Matosinhos. Indicadores da execução de um circuito
de recolha nocturna indiferenciada
N.º
compartimen- km/h km/h
média do km/h em em Tempos de paragem
tos de h km transporte recolha para descarga, mm:ss
resíduos circuito
abrangidos

geral: 00:01 a 05:33


(média: 01:03)
39 5,8* 40* 6,9* 37* 4,4
nos compartimentos:
00:15 a 05:33
(média: 01:44)
* excluindo o trajecto da viatura de apoio

Saliente-se que à segunda-feira a execução do circuito conta com


um motorista de apoio, que procede à troca da viatura de recolha
quando a inicial está cheia e transporta os resíduos para a Central
de Incineração LIPOR II, continuando o motorista afecto ao circuito
a executar a parte restante com a nova viatura. Esta foi a forma
encontrada para garantir que nenhum motorista excede as 6 horas
normais de trabalho.
De referir que só foi acompanhado (e registado) o trajecto da
viatura inicial, pelo que os dados obtidos não incluem o trajecto da
viatura de apoio, e assim o tempo de execução, km percorridos e
velocidade média não são comparáveis com os apresentados no
Quadro 17.
O tempo médio apurado para a paragem para descarga em cada
ponto de recolha foi de cerca de 1 minuto, reflectindo a situação de
por vezes praticamente a viatura não chegar a parar enquanto os
cantoneiros recolhem os sacos da via pública.
Considerando apenas as situações de paragem em compartimentos
de resíduos, a média sobe para 1m44s.
Comparando, com base nos indicadores apurados, o desempenho
dos dois tipos de circuitos de recolha indiferenciada (Molok e
baldeação), verifica-se que, em média, os circuitos de recolha de
Molok, para um tempo de execução equivalente, recolhem maiores
quantidades de resíduos, percorrendo menor distância, e neces-
sitando de menos ajudantes na recolha. São assim mais eficientes.

2. RECOLHA 51
Em termos de custo/tonelada recolhida haverá no entanto outros
factores a considerar, como sejam os custos envolvidos com a
substituição dos sacos e lonas dos Molok e os diferentes custos de
operação/manutenção das viaturas, que não são os mesmos, dada
a sua diferente tipologia.
Recolha selectiva
A recolha selectiva multimaterial realiza-se através de ecopontos,
porta-a-porta, ecocentros e recolhas especiais.
A recolha selectiva por ecopontos abrange ecopontos tradicionais
ou enterrados, constituídos por um vidrão, um embalão e um
papelão (ou mais), e os vidrões isolados.
Verifica-se que embora o grau médio de cobertura da população
com ecopontos seja bastante razoável (da ordem de 350 habitantes
por embalão e por papelão, e de 185 habitantes por vidrão), há
ainda zonas não abrangidas. Por outro lado há grande
sobreposição das áreas de influência (considerando um raio de
influência de 150 m) dalguns destes equipamentos, particularmente
dos vidrões, conforme ilustra a Figura 24.

Figura 24 – Zona de Matosinhos. Área de influência de ecopontos (Ambirumo)

Os quantitativos recolhidos selectivamente através dos ecopontos


correspondem a taxas de recuperação de 54% de vidro, 13% de
papel/cartão, e 4% de embalagens.

52 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


No que se refere à frequência de recolha dos contentores para as
três fracções, verifica-se que, em termos médios, cada papelão e
cada embalão é recolhido aproximadamente com intervalos de uma
semana, e cada vidrão com intervalos de duas semanas (Quadro
19).

Quadro 19 – Zona de Matosinhos. Intervalo médio de recolha de ecopontos

Tipologia de Intervalo médio


contentor entre recolhas (dias)

Papelão 6,4

Embalão 5,6

Vidrão 14,2

A análise dos 5 circuitos de recolha de ecopontos existentes


apenas permitiu apurar os indicadores de funcionamento
apresentados no Quadro 20, uma vez que não existe informação
sobre o número de ecopontos recolhidos por circuito.

Quadro 20 – Zona de Matosinhos. Indicadores da recolha de ecopontos

Circuito t/recolha h km km/h t/h kg/km t/ajudante

V 10,0 5,5 114 20,7 1,8 88 8,4

P1 3,5 5,3 58 11,0 0,7 59 3,5

P2 3,2 5,3 55 10,3 0,6 58 3,2

E1 1,5 5,3 57 10,8 0,3 26 1,5

E2 1,1 5,4 54 10,0 0,2 22 1,2

V – vidrões. P – papelões. E – embalões.

Com base nos quantitativos das três fracções selectivas recolhidos


em 2006 na Zona do Município, no intervalo médio entre recolhas
apurado para os vidrões, papelões e embalões, e no número destes
contentores confirmado no terreno, determinou-se o grau de
enchimento com que, em média, são recolhidos, conforme se
apresenta no Quadro 21.

2. RECOLHA 53
Quadro 21 – Zona de Matosinhos. Grau médio de enchimento com que os
contentores dos ecopontos são recolhidos

Tipologia do contentor Vidrões Papelões Embalões


3
Capacidade instalada (m /ano) 22.418 30.683 33.685

N.º médio de recolhas / ano 25,7 57,1 64,8

Peso específico dos resíduos,


240 50 25
em contentor (kg/m3)

Quantitativos recolhidos (t/ano) 1.113 645 216


3
Quantitativos recolhidos (m /ano) 4.638 12.900 8.640

Grau médio de enchimento 21% 42% 26%

Os valores obtidos são bastante baixos, denotando que a recolha


destas fracções pode ser optimizada.
No que se refere à recolha porta-a-porta, os resíduos de
papel/cartão depositados nos compartimentos de resíduos e
anarquicamente na via pública são recolhidos diariamente por um
circuito nocturno. Este circuito recolhe também os resíduos de
papel/cartão colocados à porta dos estabelecimentos comerciais
após o seu encerramento.
Os indicadores médios apurados apresentam-se no Quadro 22.

Quadro 22 – Zona de Matosinhos. Indicadores médios para o circuito


nocturno de recolha de papel/cartão

t/recolha h km km/h kg/h kg/km t/ajudante

1,2 4,9 44 9,1 254 20,8 0,5

Quanto aos ecocentros, estas infra-estruturas estão acessíveis a


todos os munícipes e às firmas/empresas, com sede ou serviços no
Concelho.
Ao nível da recolha selectiva existe ainda uma componente
designada por ecoserviços que engloba o serviço de ecofeiras e
ecomóvel.
O serviço ecofeiras consiste na recolha selectiva de papel/cartão e
embalagens nas feiras do Município. Para tal, os resíduos são
enfardados ou acondicionados em caixas de cartão (no caso do
papel/cartão) ou em sacos de plástico (no caso das embalagens
plásticas).

54 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


O ecomóvel caracteriza-se por um serviço de recolha por marcação
de monstros e REEE, bem como de alguns verdes provenientes da
limpeza de jardins particulares.
Diagnóstico
O levantamento e avaliação das diferentes componentes do serviço
de recolha efectuado permitiram verificar que, apesar do serviço
prestado ser de um modo geral satisfatório, existem alguns
constrangimentos que influenciam a eficácia do sistema actual de
recolha, nomeadamente:
x Recolha indiferenciada
A indisciplina da população no cumprimento dos horários de
deposição dos resíduos, colocando-os na via pública a qualquer
hora do dia obriga a um esforço redrobado dos Serviços, que ao
invés de basearem a sua actuação numa programação consistente,
têm de acorrer com bastante frequência a circuitos de apoio e
recolhas pontuais, passando a ser esta uma situação de rotina e
não de excepção.
A recolha nos edifícios com compartimentos de resíduos é
prejudicada pela sua concepção insatisfatória. Alguns não estão
devidamente dimensionados para a colocação de contentores, quer
pela sua dimensão, quer pela existência de escadas que dificultam
a retirada dos contentores.
x Recolhas selectivas
Embora o grau médio de cobertura da população com ecopontos
seja bastante razoável, há ainda zonas não abrangidas. Por outro
lado há grande sobreposição das áreas de influência dalguns
destes equipamentos, particularmente dos vidrões.
O grau médio de enchimento com que os contentores dos
ecopontos são recolhidos é bastante baixo, denotando que a
recolha destas fracções pode ser optimizada.
Verificando-se um aumento sustentado da recolha de materiais
recicláveis, existe ainda um grande potencial não aproveitado
destes materiais na fracção indiferenciada dos RU.
x Circuitos de recolha
Os circuitos de recolha não estão optimizados – há grande
dispersão das ruas que integram determinados circuitos; em muitos
casos observam-se trajectos aleatórios; todos são executados em
menos tempo que o previsto, com excepção do circuito P5 à

2. RECOLHA 55
segunda-feira, que necessita de um motorista de apoio para
garantir que não é ultrapassado o horário normal de trabalho,
evitando o recurso a horas extraordinárias.
De uma forma geral não há controlo da execução dos circuitos.
x Informação de gestão
A informação sobre o funcionamento do sistema de resíduos de
uma forma geral não existe, não está sistematizada ou não é
tratada.
A gestão do serviço não é apoiada pelo recurso ao Sistema de
Informação Geográfica do Município.
Não existe sistematização sobre o apuramento de custos relativos
às diferentes componentes da recolha (investimentos, custos do
pessoal, custos de manutenção de viaturas e equipamentos, etc.),
fundamentais a uma percepção de factores de optimização do
serviço.

2.7.3 Linhas de intervenção estratégica


Decorrente do diagnóstico efectuado e na perspectiva de colmatar
as lacunas detectadas tendo em vista a optimização do sistema,
estabeleceu-se um Plano de Acção, com a respectiva programação
física e financeira, para concretizar o conjunto de linhas de
intervenção definidas, envolvendo designadamente:
ƒ a elaboração do novo Regulamento Municipal de Resíduos,
com incidência, entre outros aspectos, nas condições de acon-
dicionamento de resíduos a nível das novas construções e
fixação de horários de deposição dos resíduos;
ƒ a nível da recolha indiferenciada, a implementação de sistemas
de deposição, preferencialmente através de contentores,
obviando os impactes negativos resultantes da actual deposição
em sacos na via pública, privilegiando, sempre que possível e
em função das características das zonas, a utilização de
contentores de grande capacidade, face à maior concentração
de resíduos e natural optimização de trajectos daí resultante;
ƒ a nível da recolha selectiva multimaterial, a aquisição de
equipamento de deposição adicional (ecopontos) e reloca-
lização dos equipamentos actualmente existentes;
ƒ o levantamento e georreferenciação dos meios de deposição
(ecopontos e vidrões isolados) para criação de base de dados
geográfica;

56 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


ƒ o incremento da recolha selectiva porta-a-porta, com recurso à
utilização dos compartimentos onde seja possível instalar
contentores para vários fluxos, na perspectiva de, desta forma,
se criarem melhores condições para o acondicionamento dos
resíduos produzidos, possibilitando, na origem, a separação de
materiais recicláveis;
ƒ a optimização de todos os circuitos de recolha;
ƒ a nível dos recursos afectos (pessoal e equipamentos), o esta-
belecimento de um sistema de planeamento, conducente à
utilização dos recursos existentes de forma racional;
ƒ a implementação de um sistema de informação, com indica-
dores de gestão, permitindo controlar atempadamente a exe-
cução das operações, analisar desvios e introduzir de forma
continuada as melhorias necessárias.
Com este Plano, estabelecido para o período 2007–2016 (havendo
entretanto actividades já concretizadas, como a elaboração do
plano de contentorização), dispõe assim o município de um instru-
mento que enquadra as acções de requalificação do sistema actual
de recolha de resíduos urbanos.

2. RECOLHA 57
3. TRIAGEM
3.1 Nota introdutória
A necessidade de assegurar o cumprimento dos objectivos de
valorização e reciclagem de resíduos de embalagens tem
conduzido à implementação de esquemas de recolha selectiva e
operações de triagem cada vez mais exigentes, quer em termos
qualitativos quer quantitativos.
A primeira separação de materiais recicláveis tem lugar junto do
consumidor, em regra, mas não dispensa uma triagem adicional
dos resíduos recolhidos, tendo em vista a melhoria da qualidade
dos materiais a encaminhar para reciclagem e o cumprimento das
especificações impostas pelos respectivos retomadores.
Os centros de triagem desempenham este papel, como instalações
centralizadas de recepção dos fluxos das recolhas selectivas, e de
separação, acondicionamento e expedição de volumes conside-
ráveis de materiais recuperados dos resíduos urbanos.
No contexto das recolhas selectivas actuais, nestas infra-estruturas
são recebidos basicamente os fluxos papel/cartão, embalagens
(plásticas e metálicas) e vidro provenientes de papelões, embalões,
vidrões e ecocentros, e separados, manualmente ou com recurso a
equipamentos mecânicos, diferentes tipos de materiais, nomea-
damente: embalagens de vidro, embalagens de papel/cartão, outros
papéis e cartões, filme plástico, embalagens de PEAD, PET e PET-
óleos, EPS, embalagens de plásticos mistos, embalagens de aço,
embalagens de alumínio.
A qualidade das recolhas selectivas é condicionante dos materiais
indesejáveis que entram na instalação de triagem e assim têm de
ser processados, e dos correspondentes refugos à saída, com
implicações no dimensionamento da linha processual e nos custos.
Por outro lado a triagem deverá assegurar, ao nível dos diferentes
produtos, a qualidade requerida para o seu escoamento para as
indústrias recicladoras, definidas nas especificações técnicas da
SPV para a retoma de resíduos de embalagens.
Uma boa articulação e coerência entre as operações de recolha
selectiva e de triagem são assim indispensáveis.
Também à partida as instalações de triagem devem apresentar
flexibilidade para se adaptarem às variações, previsíveis, de
qualidade e composição dos fluxos a triar.

3. TRIAGEM 59
3.2 Sistemas de triagem

3.2.1 Triagem manual


A separação dos materiais que dão entrada nos centros de triagem
pode ser manual ou automática, recorrendo neste caso a
tecnologias e equipamentos mais ou menos complexos.
Embora a tendência actual seja a da integração destes dois tipos de
operação, com importância crescente dos processos automáticos, a
triagem manual predomina ainda nas instalações nacionais de
primeira geração e, mesmo com expressão mais reduzida, manter-
se-á relevante em algumas etapas da separação.
Comparativamente a processos de separação envolvendo meios
mecânicos e automáticos, a triagem manual permite obter materiais
separados com menor teor de contaminantes. No entanto, conduz a
maiores quantidades de rejeitados, em virtude de alguns materiais
não serem facilmente identificados, prejudicando a sua separação
da mistura.
Requer mão-de-obra intensiva, com custos significativos, estando
sujeita a variações de eficiência associadas a situações de fadiga.
É também o processo de separação que apresenta maiores riscos
para a saúde e de acidentes.
O processo da triagem manual propriamente dito pode realizar-se
de formas distintas:
x Triagem positiva / triagem negativa
A triagem positiva consiste em retirar do fluxo os materiais-alvo que
passam em frente de cada posto de trabalho, deixando seguir os
indesejáveis. Em geral cada triador está encarregue de retirar no
máximo dois tipos de materiais.
É o procedimento de utilização mais corrente, uma vez que pode
ser aplicado a todos os fluxos de materiais.
Para uma melhor eficiência, é preferível retirar o mais depressa
possível do fluxo os materiais que possam esconder os restantes.
Na triagem negativa, pelo contrário, os triadores tiram do tapete
alimentador os indesejáveis. Este procedimento supõe que o
material que permanece no tapete apresenta qualidade e
quantidade suficiente para satisfazer as condições de retoma
estabelecidas.

60 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


É um método frequentemente utilizado no caso da recolha
monomaterial (fluxo papel/cartão).
x Triagem lateral / triagem frontal
Consoante o movimento do tapete de triagem em relação ao
operador, a triagem pode ser lateral ou frontal.
No caso da triagem lateral, o tapete localiza-se em frente dos
operadores, os quais retiram os materiais para os respectivos
contentores. A distribuição dos triadores pode ser dos seguintes
tipos:
ƒ todos os postos de triagem são do mesmo lado do tapete e os
contentores estão localizados à sua frente, do outro lado do
tapete;
ƒ os triadores estão dos dois lados do tapete, em posições
alternadas, estando os contentores localizados ao seu lado.
No caso da triagem frontal, o tapete move-se em direcção a um
triador que retira os materiais antes da sua queda.
Este procedimento é essencialmente utilizado como triagem com-
plementar ou de controlo, uma vez que permite separar no máximo
duas categorias de materiais.
A triagem frontal apresenta a vantagem de ser mais ergonómica
que a lateral e permitir uma melhor visualização dos materiais que
se aproximam, o que facilita a antecipação do gesto de captura dos
materiais do tapete.
x Triagem em contínuo / triagem sequencial
Em alternativa à separação dos materiais da mistura transportada
num tapete deslizando em contínuo (Figura 25), na triagem
sequencial o tapete pára ciclicamente em frente aos triadores e a
separação faz-se não com os materiais em movimento mas
parados frontalmente ao operador (Figura 26).
Cada ciclo de triagem (com descarga da ordem dos 2 minutos)
compreende duas sequências:
ƒ a triagem propriamente dita;
ƒ a evacuação dos materiais que restam no tapete e a chegada
de materiais novos (não há trabalho a executar pelo operador
nesta fase).

3. TRIAGEM 61
Figura 25 – Triagem em contínuo (tapete deslizante) (Ambirumo)

Figura 26 – Triagem sequencial (Ambirumo)

62 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


A cada ciclo qualquer operador pode triar todos os materiais,
sequencialmente, a um ritmo pessoal. A mudança de material
ocorre após o triador mais lento introduzir o respectivo comando.
Este tipo de triagem permite uma operação mais fácil dos ope-
radores, uma vez que é mais fácil a triagem com o produto parado e
menos monótona por incluir todos os tipos de materiais.
Assim, o rendimento da triagem será em princípio superior ao da
triagem com os materiais em movimento.
Por outro lado, este processo de triagem permite instalações mais
compactas, o que reduz os custos da infra-estrutura.
Os triadores encontram-se próximos uns dos outros, podendo-se
ajudar mutuamente, reforçando o trabalho de equipa e melhorando
de uma forma global a eficácia do processo.

3.2.2 Triagem semi-automática


Na triagem semi-automática são utilizados, para além da separação
manual, equipamentos de separação mecânica, cuja escolha
depende da composição dos fluxos para triagem.
Estes equipamentos visam essencialmente a preparação dos
materiais para facilitar a posterior separação manual. A este título
destacam-se os equipamentos de separação granulométrica e
densimétrica.
A conjugação entre os dois sistemas de triagem permite obter uma
separação mais eficiente de alguns materiais, com repercussões ao
nível do decréscimo dos custos unitários da separação.

3.2.3 Triagem automática


Com o incremento das quantidades de materiais a reciclar, em
função das metas definidas para a recuperação de resíduos de
embalagens, os actuais sistemas de triagem com recurso a
separação manual ou por fluxo contínuo ou sequencial deixarão de
dar resposta, face aos rendimentos obtidos.
A tendência será, pois, o recurso a equipamentos automatizados na
triagem, em detrimento de pessoal, tirando partido do grande
desenvolvimento de instalações automatizadas com exponencial
implementação a nível industrial a partir de 2004, e pela com-
provada eficiência dos protótipos desenvolvidos desde o fim dos
anos 90 e início dos anos 2000.

3. TRIAGEM 63
Esta situação verifica-se já em Portugal, com a unidade de triagem
de embalagens da VALOR AMBIENTE construída de raiz (capítulo
3.5.1), a adaptação da unidade sequencial da VALORSUL para a
utilização de sistemas de separação óptica (capítulo 3.5.2), e
diversos concursos a decorrer para soluções semelhantes à última
referida.
As estações de triagem nas quais a separação dos materiais se
baseia em sistemas completamente automáticos recorrem a
diversos tipos de equipamentos, cujo funcionamento se baseia nas
propriedades físicas específicas de cada material.
Na Figura 27 apresenta-se esquematicamente o princípio de
funcionamento dos separadores automáticos, independentemente
da tecnologia de detecção associada.

Scanner

Fracção 2
Alimentador

Detecção

Fracção 1

Tapete de aceleração

Fracção resto

Figura 27 – Esquema de funcionamento dos separadores automáticos

Nas principais tecnologias de triagem automática incluem-se a


separação óptica, transmissão de raios-X (XRT), fluorescência de
raios-X (XRF) e infra-vermelhos.
Os sistemas de separação óptica utilizam luz visível para separar
os materiais por cor.
A transmissão de raios-X (XRT) baseia-se em tecnologias em que o
sinal emitido passa directamente através do objecto a identificar e é
lido pelo sensor localizado do lado oposto.
Dado que o sinal atravessa a embalagem, são ignorados os rótulos
e outros contaminantes que noutros sistemas de detecção

64 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


conduzem a falsas leituras. Esta tecnologia apresenta a vantagem
de conseguir detectar a composição química de embalagens
mesmo quando estas se encontram agarradas umas às outras.
A principal desvantagem da detecção de materiais pela transmissão
de raios-X reside no facto de embalagens espalmadas ou
parcialmente espalmadas não serem detectadas. As tecnologias
XRT estão programadas para eliminar do fluxo embalagens cuja
leitura não seja possível.
A tecnologia de fluorescência de raios-X (XRF) consiste na
utilização de equipamentos de detecção nos quais os sinais
embatem na superfície dos objectos, sendo reflectidos e captados
nos sensores de identificação. Quando o sensor detecta deter-
minado material activa um jacto de ar que o ejecta para fora do
fluxo de materiais.
No entanto, este sistema é sensível à presença de contaminantes,
como por exemplo rótulos, conduzindo a que algumas embalagens
sejam incorrectamente rejeitadas.
Algumas tecnologias de triagem automática permitem múltiplas
separações, por tipo de polímero e cor, enquanto outras identificam
apenas um elemento, retirando-o do fluxo de resíduos.
Na utilização da tecnologia XRF ou outras de detecção de super-
fície é importante que o sistema seja projectado de modo a garantir
a passagem de apenas uma embalagem de cada vez pelo
sinal/sensor.
No caso da tecnologia de infra-vermelhos, quando as embalagens
plásticas são expostas a sinais de infra-vermelhos, cada polímero
absorve a luz de modo único podendo ser posteriormente detectado
por sensores. Esta tecnologia tem a capacidade de diferenciar uma
larga gama de polímeros, dependendo do esquema de sistema
adoptado.
Os sinais de infra-vermelhos passam completamente através do
corpo das embalagens a identificar permitindo detectar embalagens
que se encontrem tapadas por outras quando passam pelos
sensores. A vantagem desta tecnologia de detecção reside no facto
de permitir a identificação de embalagens compostas por mais que
um polímero. No entanto, tal como no caso da tecnologia XRT, este
sistema de detecção apresenta dificuldades na identificação de
embalagens espalmadas ou parcialmente espalmadas.

3. TRIAGEM 65
É de salientar que a qualidade da separação automática é para
muitos materiais inferior à obtida com a separação manual,
alcançando-se contudo taxas de processamento mais elevadas e
valores mais elevados de recuperação – os rendimentos, de cerca
de 60% nos sistemas manuais, atingem cerca de 90% nos sistemas
automatizados.
Por outro lado, as estações de triagem automáticas não se revelam
tão flexíveis em relação a alterações na tipologia dos materiais para
triagem, apesar do equipamento utilizado poder ser ajustado para
detecção de novos materiais através da adição de novos sensores.
Apesar destas desvantagens, a utilização de sistemas automáticos
será fundamental, uma vez que a capacidade de processamento
poderá ser 4 a 10 vezes maior que a dos sistemas manuais e, não
sendo o acréscimo de investimento muito significativo em relação a
estes últimos, beneficia de custos de exploração mais baixos, por
recurso a muito menos mão-de-obra.

3.3 Equipamentos de triagem


De forma não exaustiva, apresentam-se algumas características e
particularidades dos principais equipamentos que integram as
linhas processuais das instalações de triagem.

3.3.1 Abridor de sacos


Em função do tipo de acondicionamento dos materiais provenientes
das recolhas selectivas, estes equipamentos podem ser essenciais
para tornar esses materiais acessíveis às operações subsequentes
de triagem.
Existem vários sistemas, com funcionamento mecânico (discos
rotativos cortantes, pontas dilaceradoras actuando por efeito de
peso) ou por por termofusão do plástico.
O seu desempenho pode ser afectado pela presença de objectos
maciços ou sacos de tamanhos muito variáveis, pelo que é
conveniente testar o equipamento sobre o tipo de resíduos em
causa.

66 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


(a) (b)
Figura 28 – Abre-sacos com discos rotativos cortantes (a) e de pontas
dilaceradoras (b) (Ambirumo)

3.3.2 Separadores granulométricos


A separação granulométrica, designada também por crivagem, é
utilizada na separação dos materiais em duas ou mais fracções em
função das respectivas dimensões.
Os equipamentos mais utilizados são o crivo vibratório e o crivo de
tambor rotativo (ou tromel).
O crivo vibratório é constituído por placas perfuradas ou por barras
dispostas em intervalos regulares. O conjunto é geralmente
inclinado e montado sobre um sistema de vibração em uma ou duas
dimensões.
Um mesmo equipamento pode integrar várias placas perfuradas,
umas por cima das outras, com orifícios de dimensões diminuindo
no sentido da inclinação, o que permite separar a mistura em mais
de duas fracções granulométricas.
Um fluxo muito heterogéneo pode conduzir à colmatação dos
orifícios, provocando variações de débito desfavoráveis ao
rendimento. Esta situação ocorre no caso de grandes cartões.
O tromel é um tambor rotativo com malhas perfuradas, com uma ou
mais dimensões, ligeiramente inclinado, o que permite separar
elementos de diferente granulometria, por exemplo: fracção fina, <
25mm; fracção média, de 25 a 60 mm; fracção grossa, de 60 a
180mm.

3. TRIAGEM 67
Em termos operativos, o material a separar é introduzido no interior
do tromel inclinado, a partir da extremidade mais elevada. À medida
que o tromel roda, o material a separar desce ao longo do tambor,
embatendo diversas vezes nas paredes e passando através das
diferentes secções de orifícios se a sua dimensão for inferior à
daqueles, enquanto o material de dimensão superior ao das malhas
existentes atravessa todo o comprimento do tromel e sai pela boca
final.

Figura 29 – Tromel (Ambirumo)


O comprimento, ângulo de inclinação e diâmetro do tambor, bem
como a altura de material e a velocidade de rotação são parâmetros
importantes a considerar na configuração do tromel, condicionando
o tempo de permanência da mistura de resíduos no seu interior do
tromel, e assim a qualidade da separação.
A secção do tambor pode ser cilíndrica, hexagonal ou octogonal. As
paredes são geralmente anti-abrasivas e em certos casos
constituídas por placas amovíveis, o que permite mudar facilmente
a calibração dos fluxos de saída e facilitar as operações de
manutenção.
Por vezes o tromel incorpora lâminas ou dentes no primeiro terço
do comprimento para a abertura de sacos: com este sistema há o
risco de aumentar a fragmentação do vidro e contaminar os outros
materiais.
A regulação do fluxo de alimentação melhora a eficácia da
crivagem.

3.3.3 Separadores densimétricos


Os separadores densimétricos actuam sobre os materiais em
função das suas diferentes propriedades físicas (densidade, forma),

68 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


sendo a sua separação efectuada por arrastamento de materiais
leves numa corrente de ar ascendente ou por efeito balístico.
A classificação por ar baseia-se na diferença de densidade dos
materiais submetidos a um fluxo de ar, permitindo a separação dos
materiais leves (papel e plástico) dos materiais pesados (metais
ferrosos e vidro).
Uma classificação por fluxo de ar inclui um ciclone, utilizado para
separar os materiais sólidos do ar e promover também a fixação de
partículas de modo a evitar a contaminação do ambiente.
Devido a este processamento são necessárias operações fre-
quentes de limpeza para eliminar obstruções, situação que pode ser
assegurada com ar comprimido em contra-corrente para descol-
matagem dos filtros.
Os separadores balísticos permitem a separação do fluxo de
material em duas ou três fracções de acordo com a sua clãs-
sificação em peso, tamanho, densidade e forma.
O seu princípio de funcionamento assenta no efeito balístico
conseguido através de uma aceleração da entrada dos materiais no
equipamento, que os projecta com velocidades e trajectórias dife-
rentes em função do peso e forma.
São constituídos por crivos longitudinais oscilatórios, com inclinação
regulável, sendo possível a sobreposição de crivos com malhas
distintas para a separação de várias fracções.

Figura 30 – Separador balístico (Ambirumo)

3. TRIAGEM 69
3.3.4 Separadores ópticos
Os separadores ópticos são equipamentos que permitem a
classificação e subsequente separação dos materiais em diversas
categorias. A instalação sequencial deste tipo de equipamento
permite a separação de embalagens plásticas e não plásticas e
posteriormente a separação por tipo de material, nomeadamente
PET, PEAD e ECAL.
Uma vez reconhecida a tipologia do material pelo espectro existente
em memória, é accionado automaticamente um jacto de ar compri-
mido que ejecta o componente para fora do fluxo, direccionando-o
para o colector respectivo.
Este sistema permite a redução do pessoal afecto à triagem, com
subsequente redução dos custos operacionais.

Figura 31 – Separador óptico (Ambirumo)

3.3.5 Separadores magnéticos


São equipamentos utilizados para a recuperação de metais ferrosos
do fluxo dos resíduos, tirando partido das suas propriedades
magnéticas.
Podem apresentar diferentes configurações: tambor, correia ou tela
magnética e roldana de cabeça magnética.
O aspecto mais importante a ter em conta prende-se com a
selecção da força do campo magnético a aplicar para vencer a
altura e peso dos resíduos e retirar os metais ferrosos do fluxo. A
força magnética necessária depende do peso do material e da
distância deste ao magneto.

70 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Figura 32 – Separadores magnéticos (Ambirumo)

3.3.6 Separadores de metais não-ferrosos


Embora nas estações de triagem mais simples os metais não-
-ferrosos sejam retirados manualmente do fluxo de resíduos, esta
operação pode ser efectuada com recurso a equipamento de
separação automática.

Figura 33 – Separador de metais não-ferrosos (Ambirumo)

O seu funcionamento envolve a geração de campos magnéticos


repulsivos para os metais não-ferrosos a partir de correntes
eléctricas induzidas por um campo magnético variável (corrente de
Foucault).


3. TRIAGEM 71
A eficácia da maior parte dos modelos é muito reduzida na
separação de latas de alumínio que tenham sofrido uma com-
pactação.

3.3.7 Mesas de triagem


Normalmente constituídas por um transportador de banda disposto
numa cabina situada numa plataforma acima de silos ou
contentores para os produtos triados, são os equipamentos que
permitem apresentar os materiais defronte dos postos de triagem
manual.
As condições de trabalho para os triadores são de extrema
relevância para a eficiência da operação.
Neste sentido, a cabina deve ser aquecida, ventilada, despoeirada
e insonorizada, e a mesa de triagem proporcionar condições
ergonómicas. Os aspectos relacionados com o comprimento e
largura do tapete, altura de trabalho na captação dos materiais e
posicionamento das bocas ou contentores de descarga dos
materiais triados revestem-se assim de particular importância.

Figura 34 – Mesa de triagem (Ambirumo)

A regulação do fluxo a montante é também um factor de eficácia


dos triadores e da qualidade dos produtos.

3.3.8 Transportadores
São utilizados em praticamente todas as etapas das linhas de
tratamento, para alimentar os equipamentos ou evacuar os mate-
riais após tratamento.

72 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


O tapete é o elemento principal, devendo estar adaptado ao tipo de
material a transportar em diferentes condições. Pode ser em
borracha, o caso mais comum, metálico – garantindo condições
anti-abrasão e resistência à carga – ou tela.

Figura 35 – Transportador de banda (Ambirumo)

Diferentes dispositivos complementares permitem associar outras


funções à do transporte: regulação de fluxo (transportadores suces-
sivos, vibrantes, distribuição, extracção).
As dimensões propostas pelos construtores são muito variáveis. A
largura tem particularmente importância no caso dos tapetes para
triagem manual.

3.3.9 Prensas
Após a operação de triagem, os diversos materiais obtidos são
prensados e enfardados tendo em vista o seu encaminhamento
para os respectivos retomadores.
Estas operações promovem o aumento de densidade dos materiais
e uma redução do volume dos resíduos com consequentes
benefícios ao nível do aumento de eficiência no transporte, com
redução dos custos associados.
A selecção do tipo de prensa a utilizar deve ter em conta as
especificações do tipo de fardos que os retomadores impõem.

3. TRIAGEM 73
(a)

(b) (c)
Figura 36 – Prensa
(a) aspecto geral (b) pistão de compressão (c) prato de compressão (Ambirumo)

3.4 Concepção das instalações de triagem


Da concepção e dimensionamento adequados de um centro de
triagem depende em grande parte o seu desempenho.
Desde logo a capacidade de tratamento deve ser bem estabelecida,
tendo em conta as características dos resíduos produzidos, os
esquemas das recolhas selectivas implementadas e também a taxa
de participação esperada no programa de recolha selectiva imple-
mentado.
O esquema operativo da instalação, nomeadamente o número de
dias de laboração por ano, o número de horas por dia e o número
de dias por semana também deve ser equacionado.
Saliente-se que os parâmetros utilizados para o dimensionamento
da instalação evoluem com o tempo, essencialmente ao nível das
flutuações da qualidade e quantidade dos produtos recolhidos,
evoluções tecnológicas, etc., pelo que a estação deve possuir
flexibilidade em termos de espaço, adaptabilidade dos equipa-
mentos e de gestão do pessoal que permita fazer frente a essas
alterações.

74 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


De um bom dimensionamento decorrerão a rentabilidade dos
investimentos efectuados e a optimização dos custos de
exploração.
O layout da instalação deverá atender às zonas distintas destinadas
a:
ƒ recepção dos resíduos;
ƒ triagem propriamente dita;
ƒ enfardamento;
ƒ armazenamento dos materiais triados,
para além de outras destinadas aos serviços administrativos,
balneários e oficinas.
Toda a instalação deve ser coberta e arejada, com zonas de
circulação e manobra e pisos adequados à tipologia de viaturas e
equipamentos que os utilizam.
A zona destinada à recepção de resíduos deve ter uma capacidade
suficiente para armazenar uma quantidade equivalente a 3–5 dias
de recolha.
No que se refere à zona de triagem propriamente dita, a área
depende do processo utilizado na separação dos resíduos.
Saliente-se que, no caso de instalações mais mecanizadas existe
uma grande variedade de disposições possíveis para os equi-
pamentos de separação, o que conduz a ocupações e
necessidades diferentes de espaço.
No entanto, existem algumas questões que devem ser salva-
guardadas e que se prendem fundamentalmente com a flexibilidade
da instalação, conforme mencionado anteriormente.
Assim, para que a instalação se possa adaptar às constantes
evoluções do mercado, no que se refere a novos materiais-alvo,
deve permitir a integração de novos equipamentos sem com-
prometer a sua organização de princípio, o que pode ser
conseguido através da utilização de alguns equipamentos móveis.
É também conveniente prever um número de silos superior ao
estritamente necessário, tendo em vista a triagem futura de um
maior número de materiais. Com esse mesmo objectivo, e no caso
de triagem manual, o tapete deve ser suficientemente longo de
modo a permitir a criação de postos adicionais de triagem.

3. TRIAGEM 75
Também o número de linhas de triagem está relacionado com o
número de fluxos a triar. No caso de uma recolha multifluxo existem
duas possibilidades:
ƒ triar cada família de produtos em linhas distintas;
ƒ triar os materiais provenientes de cada um dos fluxos
sucessivamente na mesma linha de triagem.
Utilizar uma mesma linha de triagem para todos os produtos reduz
o nível de investimento inicial, no entanto a produtividade é menor
na medida em que certos equipamentos não são utilizados em
permanência. Por outro lado, a instalação com mais linhas de
triagem requer mais espaço e investimentos maiores.
Para além destas questões, e no caso de triagem manual, importa
também dotar a zona de triagem propriamente dita de condições
que salvaguardem os aspectos relacionados com a higiene e
segurança no trabalho.
Assim, as cabines de triagem devem ser concebidas com
isolamento térmico e acústico e climatização, para além de
iluminação natural e artificial. Devem ainda dispor de dispositivos de
segurança que permitam a paragem da linha.
Outro aspecto importante relaciona-se com a ergonomia das mesas
de triagem, uma vez que uma má concepção pode condicionar o
rendimento dos operadores.
Entre as zonas de materiais e de equipamentos devem ser
garantidos espaços de circulação que permitam uma fácil mano-
bralidade das viaturas de apoio à estação de triagem e em
condições de segurança.

3.5 Casos de estudo

3.5.1 Estação de triagem da Ilha da Madeira


A estação de triagem da Ilha da Madeira situa-se no Porto Novo,
concelho de Santa Cruz, estando integrada com a estação de
transferência da Zona Leste.

Dados gerais
ƒ população servida: cerca de 246.000 habitantes
ƒ fluxos tratados: resíduos provenientes da recolha
selectiva dos ecopontos (vidrões, papelões, embalões)

76 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


ƒ capacidade instalada
– linha de triagem de papel/cartão: 11 t/h
– linha de triagem de embalagens: 4 t/h
ƒ área total: 2,4 ha (estação de transferência e de
triagem)
ƒ data de arranque
– linha de triagem de papel/cartão: Abril 2007
– linha de triagem de embalagens: Dezembro 2007
ƒ custo do investimento
– total (construção civil + equipamento): 7,63 milhões
de euros
– valor da linha de triagem de embalagens (equi-
pamento): 3,4 milhões de euros
– valor líquido da alteração da linha de triagem de
embalagens (equipamento): 1,8 milhões de euros

Sistema de triagem
Na concepção inicial foi seguida a linha tradicional neste tipo de
instalações com realizações comprovadas, isto é, assentando num
sistema fortemente manual de separação dos materiais.
No entanto, ainda durante a fase de construção, decidiu a VALOR
AMBIENTE adoptar desde logo um sistema de triagem automática
para as embalagens afluentes à instalação, em substituição da linha
sequencial que se iria implementar.
Foi assim possível desenvolver a obra considerando a instalação de
raiz de um sistema automatizado para a separação destes
materiais, em alternativa a modificações a realizar mais tarde e com
necessidade de adaptações com implicações a nível operacional e
de custos. A linha de triagem de papel/cartão manteve-se tal como
definida no projecto inicial, envolvendo uma pré-triagem de objectos
volumosos na zona de descarga e separação manual numa cabina
de triagem específica.
Com as alterações introduzidas, a linha de triagem automática de
embalagens passou a ter a configuração ilustrada na Figura 37.

3. TRIAGEM 77
Figura 37 – Linha de triagem automática de embalagens plásticas e
metálicas
(Valor Ambiente, 2007)

Distinguem-se duas zonas que correspondem à pré-triagem e à


triagem automatizada.
A primeira, em que existe alguma intervenção humana, destina-se a
preparar o fluxo de resíduos para as condições que permitam,
numa segunda fase, uma acção eficiente dos equipamentos de
separação das diferentes fracções de resíduos de embalagens,
sendo este último processamento realizado sem necessidade de
pessoal.
A pré-triagem é integrada pelos seguintes equipamentos principais:
abre-sacos, mesa de triagem de volumosos e contaminantes e
separador balístico.
A triagem automatizada integra como principais equipamentos: três
separadores ópticos para os diferentes fluxos de embalagens de
plástico e cartão complexo, separador electromagnético para a
separação de embalagens metálicas ferrosas, separadores de

78 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


indução para as embalagens metálicas não-ferrosas e separadores
pneumáticos de filme de plástico.
A acção conjugada destes equipamentos permite a separação de
sete materiais diferentes, para além da rejeição dos contaminantes.
É ainda possível a recirculação de materiais, não separados nas
diferentes fases, conduzindo-os ao início do processo, de forma a
maximizar a recuperação de embalagens dos diferentes fluxos
definidos.
Complementarmente o sistema dispõe de duas prensas, uma para
metais ferrosos, e a outra para as restantes embalagens, que
alimentadas automaticamente irão produzir os fardos de cada tipo
de material, de acordo com as especificações definidas para cada
um.

Pessoal
ƒ linha de triagem de papel/cartão
– uma equipa de 6 triadores + 3 operadores
– tempo de funcionamento: 8 horas/dia × 5
dias/semana
ƒ linha de triagem de embalagens
– uma equipa de 9 triadores + 3 operadores
– tempo de funcionamento: 8 horas/dia × 5
dias/semana
ƒ pessoal administrativo: 1 funcionário afecto à estação
de triagem

Resultados / rendimentos
ƒ quantidades entradas (Jan. a Out. 2008)
– papel/cartão: 1.301 t
– embalagens: 1.219 t
ƒ produtos triados, encaminhados para reciclagem (Jan.
a Out. 2008)
– papel: 329 t
– cartão: 842 t
– ECAL: 102 t

3. TRIAGEM 79
– PET: 150 t
– PEAD: 57 t
– plásticos mistos: 72 t
– filme plástico: 200 t
– EPS: 9 t
– ferrosos: 132 t
– não-ferrosos: 3 t
ƒ taxa média de refugos
– linha de triagem de papel/cartão: 10%
– linha de triagem de embalagens: 31%
ƒ rendimentos médios na linha de triagem de
papel/cartão (considerando 9 homens, 211 dias, 8
horas/dia)
– papel: 22,0 kg/homem.hora
– cartão: 56,0 kg/homem.hora
ƒ rendimentos médios na linha de triagem de embalagens
(considerando 12 homens, 203 dias, 8 horas/dia)
– PET: 8,0 kg/homem.hora
– PEAD: 3,0 kg/homem.hora
– plásticos mistos: 4,0 kg/homem.hora
– filme plástico: 10,0 kg/homem.hora
– EPS: 1,0 kg/homem.hora
– ferrosos: 7,0 kg/homem.hora
– não-ferrosos: 0,2 kg/homem.hora

Custos operacionais
ƒ 218 €/t (incluindo amortização de alguns equipamentos,
essencialmente, viaturas ligeiras e de transporte de
pessoal)
ƒ repartição aproximada dos custos
– pessoal: 51,1%

80 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


– energia: 1,4%
– manutenção: 4,5%
– matérias-primas: 7,2%
– água: 0,4%
– combustíveis lubrificantes: 0,7%
– seguros: 3,3%
– transportes: 24,1%
– outros (incl. amortizações): 7,3%

3.5.2 Centro de triagem da Valorsul


O centro de triagem da Valorsul localiza-se em Vale do Forno,
concelho de Lisboa.

Dados gerais
ƒ população servida: cerca de 1,2 milhões habitantes
ƒ fluxos tratados: papel/cartão; embalagens; vidro (sem
linha de triagem)
ƒ capacidade instalada
– linha de triagem papel/cartão: 12 t/h
– linha de triagem de embalagens: 4,5 t/h a partir do
final de 2007
ƒ ano de arranque: 2002 (alteração da linha de emba-
lagens no final de 2007)
ƒ custo do investimento: 13,2 milhões € (2002);
reinvestimento de 2,2 milhões € (2007)

Infra-estruturas
ƒ área total: 3,5 ha
ƒ área coberta: 7.000 m2
ƒ capacidade de armazenamento dos materiais
recebidos: 2.000 m2

3. TRIAGEM 81
ƒ capacidade de armazenamento dos materiais a expedir:
1.000 m2

Equipamentos
ƒ linha de triagem de papel/cartão
– 1 transportador de alimentação de velocidade variável
– 1 mesa de triagem com transportador de velocidade
variável
– 1 transportador de alimentação da prensa de
enfardamento
– prensa de enfardamento
– tipo de triagem: negativa
ƒ linha de triagem de embalagens (após alteração da
linha no último trimestre de 2007)
– 53 transportadores
– 1 crivo rotativo
– 1 abre-sacos
– 1 separador balístico
– 2 sistema de aspirador de filme automático
– 2 sistema de aspirador de filme semi-automático
– 2 separadores ópticos de dupla via
– 1 separador óptico de simples via
– 1 perfurador de PET
– 1 separador de ferrosos
– 1 separador de não-ferrosos
– 3 sistemas para tratamento de ar
– 2 compressores
– tipo de triagem: automática e manual (triagem parcial
de filme e sobretriagem de alguns dos outros fluxos)
ƒ acondicionamento
– 1 prensa para linha de papel/cartão (12 t/h de capa-
cidade)

82 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


– 1 prensa para linha de embalagens (12 t/h de
capacidade)
– 1 prensa para material ferroso (1,1 t/h de capacidade)
1 prensa para material não-ferroso (0,4 t/h de capa-
cidade)
ƒ apoio
– 1 pá carregadora
– 2 multicarregadoras telescópicas
– 1 empilhador de pinças
– 1 mini pá de rodas
– 1 camião (29 t de peso bruto) com «ampliroll»

Pessoal
ƒ 2 equipas de 15 operadores semi-especializados, 7
operadores de máquinas, 5 operadores de vigilância e
pesagem
ƒ tempo de funcionamento: 2 × 37 h/semana
ƒ pessoal técnico e administrativo: 1 engenheiro, 2
encarregados, 2 técnicos de manutenção, 2 admi-
nistrativos

Resultados / rendimentos
ƒ quantidades entradas (Jan. a Out. 2008)
– papel/cartão: 28.490 t
– embalagens: 8.159 t
ƒ produtos triados
– PET: 10 a 13%
– PET Óleos: 0,3 a 0,5%
– PEAD: 6 a 9%
– filme plástico: 2,5 a 4%
– EPS: 0,03 a 0,05%
– ECAL: 6,5 a 8%

3. TRIAGEM 83
– plásticos mistos: 20 a 22%
– ferrosos: 6 a 8%
– alumínio: 0,3 a 0,5%
– papel/cartão: 1 a 2%
ƒ taxa média de refugos
– linha de triagem de papel/cartão: 0,5%
– linha de triagem de embalagens: 35 a 40% (com a
nova linha de triagem ainda em fase de ajuste)

Custos operacionais
ƒ 240 €/t entrada (na linha de embalagens, incluindo
amortização do investimento)

Aspectos relevantes
A linha de triagem de embalagens sofreu uma alteração no último
trimestre de 2007, que permitiu a automatização do processo,
aumento de capacidade de processamento, diminuição do número
de colaboradores e diminuição do consumo de energia por tonelada
de material processado. Ainda não estão disponíveis dados
concretos da capacidade instalada, refugo produzido e quantidade
de materiais processados de cada fluxo.
A triagem do filme plástico continua a ser a operação menos
conseguida, pois os sistemas de aspiração são de difícil ajus-
tamento e não impedem a contaminação por papel.
A eficiência dos separadores ópticos está muito dependente do
caudal a processar.

84 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA
4.1 Tratamento mecânico e biológico

4.1.1 Nota introdutória


A necessidade de desviar resíduos de aterro, sobretudo a
componente biodegradável devido às emissões provocadas pelo
biogás e efeito, principalmente do metano, nos Gases com Efeito de
Estufa (GEE), conduziu ao desenvolvimento de processos de
estabilização dos resíduos, e, se possível, ao aproveitamento dos
produtos resultantes como forma de atenuar aquele efeito e gerar
recursos que minimizem o custo da gestão de resíduos.
Os tratamentos mais correntes de estabilização dos resíduos
biodegradáveis são a compostagem, processo aeróbio, e a digestão
anaeróbia.
Independentemente do modo como os resíduos são recolhidos, a
preparação do substrato para qualquer daqueles processos
pressupõe a necessidade de operações de natureza mecânica.
Surge assim o conceito de tratamento mecânico e biológico (TMB),
termo que é utilizado genericamente para designar a integração de
várias operações usualmente desenvolvidas em instalações de
gestão de resíduos, tais como, triagem, compostagem e ou
digestão anaeróbia, produção de combustível derivado de resíduos,
entre outros.
O termo tratamento relaciona a forma como as operações do
processo se podem integrar; mecânico refere-se à triagem,
separação e redução de tamanho dos resíduos, através de tecno-
logias de crivagem, trituração, separação granulométrica,etc, obten-
do-se produtos potencialmente úteis e/ou fluxos preparados para
processamento biológico; e biológico reporta-se a um processo
biológico, aeróbio ou anaeróbio, que permite a transformação da
fracção de resíduos biodegradável num produto estabilizado e no
caso de o processo utilizar a digestão anaeróbia, também em
biogás, com potencial de valorização energética.
Na fase de tratamento mecânico são separados materiais
recicláveis e refugos, podendo parte destes ser aproveitados como
combustíveis em função do seu potencial energético, enquanto a
parte restante é rejeitada para aterro. A fracção orgânica é naquela
fase separada dos restantes materiais com maior ou menor grau de

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 85
contaminação, sendo encaminhada para tratamento biológico por
compostagem e/ou digestão anaeróbia.
No TMB pressupõe-se normalmente que o tratamento mecânico se
realize previamente ao biológico. No entanto, existem soluções em
que o tratamento biológico precede o mecânico (o qual pode
também ocorrer de modo repartido, antes e depois do biológico).
A flexibilidade do TMB permite que este possa ser integrado na
maioria das estratégias de gestão de resíduos, coexistindo de uma
maneira geral com outras operações de gestão de resíduos, quer a
montante, quer a jusante.
A Figura 38 apresenta o diagrama de blocos do TMB convencional.

Fracção
orgânica

Resíduos Processamento Processamento Fracção


Urbanos Mecânico Biológico biodegradável
estabilizada

Materiais CDR Rejeitados Biogás


recicláveis (no caso de digestão
anaeróbia)

Figura 38 – Diagrama de blocos do TMB convencional

Em síntese, como resultado de um processo de TMB:


ƒ uma quantidade de materiais recicláveis (papel/cartão,
plástico, metal, vidro), consoante o grau de contaminação,
pode ser enviada para reciclagem multimaterial;
ƒ os refugos, em função do custo de cada solução, poderão
ser incinerados, utilizados para produção de combustível
derivado de resíduos (CDR) para valorização energética ou
rejeitados para aterro, desde que devidamente estabi-
lizados;
ƒ a fracção orgânica, após processamento biológico,
constitui um produto estabilizado com diversas poten-
cialidades de aplicação;

86 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


ƒ caso o tratamento biológico contemple a digestão
anaeróbia, o biogás é também um subproduto do
processo, com potencial aproveitamento para valorização
energética.
A estratégia de gestão de resíduos em território nacional,
preconizada no PERSU II (Eixo III/Medida 4, relativa ao reforço dos
sistemas ao nível de infra-estruturas e equipamentos), prevê a
implementação do TMB, permitindo deste modo a valorização da
componente orgânica dos resíduos, o aumento significativo dos
valores da reciclagem de alguns materiais, bem como a valorização
energética resultante da produção de CDR, e deste modo contribuir
para as metas de desvio de resíduos de aterro.
O TMB surge assim como uma solução para a prossecução dos
objectivos nacionais e comunitários de gestão de resíduos, em
particular no que diz respeito:
ƒ ao incremento das taxas de reciclagem por valorização
multimaterial;
ƒ ao aumento da valorização orgânica de resíduos urbanos
biodegradáveis (assumindo para tal o seu desvio de aterro);
ƒ à redução da deposição em aterro dos resíduos não passíveis
de valorização material ou orgânica (entendendo-se estes
como os resíduos que resultam de operações de tratamento e
valorização), potenciando a sua utilização como combustíveis
alternativos, susceptíveis de diminuir o recurso a combustíveis
fósseis.

4.1.2 Princípios de funcionamento do TMB


Tratando-se de um sistema integrado que combina operações
mecânicas e biológicas, o TMB pode abranger uma vasta gama de
tecnologias, configurando diferentes processos de tratamento que
poderão ser articulados de forma variada, tendo em conta os
objectivos a alcançar.
O facto de se tratar de um processo que possibilita diferentes
combinações de operações, tendo em vista diferentes objectivos,
determina que a sua complexidade e funcionalidade possam variar
significativamente.
O TMB pode ser utilizado no processamento dos RUB recolhidos
selectivamente e dos resíduos urbanos recolhidos indiferen-
ciadamente, desde que se assegure que a instalação seja

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 87
devidamente adequada à composição e tipo de resíduos a
processar.
Contudo, a composição física e química dos resíduos que aflui à
instalação de TMB irá influenciar a qualidade final dos produtos
resultantes do processo, sobretudo no que diz respeito ao seu
conteúdo em substâncias poluentes.
O processamento de resíduos urbanos da recolha indiferenciada
potencia a recuperação de materiais recicláveis e a produção de um
produto com aplicação como CDR, em detrimento de um produto
orgânico estabilizado, cuja qualidade poderá ser inibidora da sua
utilização como composto, face à maior probabilidade de
contaminação, comparativamente ao composto proveniente do
tratamento biológico de RUB.
Pelo contrário, nas instalações de TMB que recebam apenas
resíduos provenientes da recolha selectiva, antevê-se uma pequena
quantidade de rejeitados do fluxo selectivo de RUB, com baixo
poder calorífico, os quais não poderão ser considerada como CDR,
dado que não se apresentam como potenciais combustíveis de
substituição, permitindo no entanto a obtenção de produto orgânico
estabilizado, que deverá constituir um composto de qualidade com
valor comercial.
A Figura 39 apresenta o diagrama de blocos do TMB alimentado
pelo fluxo selectivo de resíduos urbanos biodegradáveis, com
potencial para produção de composto de boa qualidade.

Fracção
orgânica

RUB da Processamento Processamento Composto de


recolha Mecânico Biológico qualidade
selectiva

Rejeitados Biogás
(no caso de digestão
anaeróbia)

Figura 39 – Diagrama de blocos do TMB alimentado por resíduos da


recolha selectiva

88 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


A Figura 40 apresenta o diagrama de blocos do TMB alimentado
por resíduos provenientes da recolha indiferenciada, com particular
destaque para a produção de refugos com poder calorífico elevado
e de um produto bio-estabilizado.

Fracção
orgânica

RU da recolha Processamento Processamento Produto bio-


indiferenciada Mecânico Biológico estabilizado

Materiais Refugos – fracção Rejeitados Biogás


recicláveis residual de (no caso de digestão
elevado poder anaeróbia)
calorífico para
produção de CDR

Figura 40 – Diagrama de blocos do TMB alimentado por resíduos da


recolha indiferenciada

Uma vantagem do TMB em relação a outras opções de tratamento


de resíduos é a sua capacidade de adaptar-se a diferentes escalas
e tipologias de produtos, pela facilidade de integração dos
processos e equipamentos que concorrem para a obtenção dos
objectivos pretendidos.

4.1.3 Produtos do TMB


O processo de TMB é concebido para produzir um produto principal
valorizável ou, em determinados casos, mais do que um, designa-
damente:
ƒ composto (correctivo de solos);
ƒ combustível derivado de resíduos (CDR) ou combustível sólido
recuperado (CSR) em função das respectivas características;
ƒ biogás (quando o tratamento biológico se desenvolve em
condições anaeróbias);
ƒ resíduo bio-estabilizado a enviar para aterro ou com potencial
utilização comercial, em função das suas características orga-
noléticas.
Independentemente da configuração implementada, os sistemas de
TMB têm em comum o facto de produzirem:

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 89
uma gama de materiais recicláveis, como metais e por vezes
papel, plásticos e vidro;
um fluxo de rejeitados do processamento mecânico que devem
ser depositados em aterro.
Em termos práticos é fundamental avaliar se um produto obtido é
um recurso com aplicação viável no mercado ou um resíduo a
eliminar. O facto de o produto não ser comercialmente viável pode
ter um impacte significativo nos custos da instalação (as receitas
transformam-se em custos de eliminação) e é provável que o seu
desempenho não cumpra os objectivos de desvio de aterro e
resulte em penalidades financeiras significativas para as entidades
gestoras.
Neste sentido, para cada sistema de TMB é fundamental identificar
claramente todos os produtos e classificá-los em materiais
comercialmente viáveis ou resíduos não passíveis de valorização.
Além disto, é necessário conhecer com o maior detalhe possível os
balanços de massa e energia e determinar a percentagem de
resíduos que é possível desviar de aterro.

O Quadro 23 apresenta uma lista de aplicações específicas para os


principais produtos do TMB.
Comparar a eficiência dos TMB e avaliar até que ponto cumprem os
objectivos para o qual são implementados é uma tarefa funda-
mental para:
identificar detalhadamente cada produto e avaliar a respectiva
composição;
avaliar qual o uso mais adequado e identificar eventuais
impactes sobre o ambiente e saúde pública;
identificar a produção potencial do produto;
confirmar que todos os produtos do processo são comer-
cialmente viáveis e que os aspectos económicos inerentes à
sua utilização foram realmente avaliados;
assegurar a coerência entre os recursos recuperados e os
objectivos nacionais de reciclagem e desvio de resíduos de
aterro.

90 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Quadro 23 – Potenciais aplicações para os produtos do TMB
Produto Aplicações

Composto (correctivo Agricultura (como correctivo orgânico em culturas alimentares).


de solo) Silvicultura (como correctivo de solo).
Terrenos de culturas de crescimento rápido.
Como condicionador de solo em zonas áridas – solos pobres
(melhora a estrutura e retenção de humidade do solo).
Jardins.
Cobertura de aterro.

Combustível (CDR e Co-combustível para combustão directa em instalações de


CSR) energia.
Co-combustível em cimenteiras (fornos de cimento).
Co-combustível em caldeiras industriais.
Combustível para unidades de incineração dedicadas.
Co-combustível em unidades de incineração.
Combustível para instalações de gaseificação dedicada.

Biogás Produção de energia eléctrica e térmica.


Produção de combustíveis.

Resíduo bio- Cobertura diária dos resíduos depositados em aterro.


estabilizado Deposição em aterro.

Materiais recicláveis Reciclagem.

A análise técnica que se descreve a seguir dos principais produtos


gerados pelo TMB é um factor na decisão a tomar quanto ao tipo e
complexidade da instalação a implementar.
Composto
O Quadro 24 permite analisar a aceitação das potenciais aplicações
do composto e similares em função de diferentes parâmetros.

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 91
Quadro 24 – Aceitação das aplicações do output como composto

Funcionamento
Funcionamento Balanço
Balanço PolíticaPolítica
e e
Aplicações
Aplicações Custos
Custos MercadoMercado
técnico
técnico oferta/procura
oferta/procura regulamentação
regulamentação

Agricultura
Agricultura (como
(como
composto
composto agrícola
agrícolaem
em
1 1
culturas
culturas de
dealimentos
alimentos
ee ? ? ! !
campos
campos de depasto
pasto

Silvicultura
Silvicultura (como
(como
correctivo
correctivo dedesolo)
solo) ? ? ? ? ? ? ! !

Terrenos
Terrenos de
deculturas
culturasdede
crescimento
crescimento rápido
rápido ! ! ? ? ? ? ? ?

Como
Como condicionador
condicionadordede
solo
solo em
emzonas
zonasáridas
áridas
dede
solos
solos ––solos
solospobres
pobres
(melhora
(melhora aaestrutura
estrutura
ee ! ! ! !
retenção
retenção dedehumidade
humidade
do solo)
solo)

Em
Em aplicações
aplicações
1 1
hortícolas
hortícolas ? ? ? ? ! !

Jardins
Jardins domésticos
domésticos ? ? 1 1
! !

Fertilizante
Fertilizante ? ? ! ! ! !

Terrenos
Terrenos para
paraplantação
plantação
2 2 3 3
de plantas
plantasornamentais
ornamentais ? ?

Cobertura
Cobertura de
deaterro
aterro ? ?

Espaços
Espaços industriais
industriais
abandonados
abandonados (terrenos
(terrenos 3 3
contaminados)
contaminados)

Notas:

1. Deverá obedecer a regulamentação e critérios específicos (especificações técnicas),


designadamente no que diz respeito aos metais pesados.
2. Como correctivo de solos, respeitando determinadas especificações técnicas (menos
exigentes do que para o composto).
3. Supondo que o utilizador recebe um incentivo financeiro:
Impedimento total;
! Factores de impedimento significativo;
? Factores de impedimento menos significativo;
Factores potencialmente limitativos, mas não o suficiente para prejudicar a
possibilidade de comercialização.
(Archer, 2005)

92 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


CDR
O TMB constitui uma tecnologia base utilizada para a separação de
uma fracção residual de elevado potencial calorífico, composta
essencialmente por resíduos de plásticos, papel e têxteis (constante
nos fluxos de resíduos recolhidos indiferenciadamente e de refugos
ou rejeitados de outros processos de tratamento) que poderá ser
utilizada como combustível derivado de resíduos.
CDR é a designação genérica dos combustíveis derivados de
resíduos não obedecendo a características técnicas específicas.
O combustível sólido recuperado (CSR) é o combustível sólido
preparado a partir de resíduos não perigosos de acordo com a
especificação técnica CEN/TS 15357:2006, a ser utilizado para
recuperação de energia em instalações de incineração ou co-
incineração e que cumpre os requisitos de classificação e preço-
nizados na especificação técnica CEN/TS 15359:2006.
A produção de CDR poderá vir a ser considerada como solução
para o tratamento de resíduos indiferenciados, previamente à
deposição em aterro, na medida em que permite a separação de
mais algumas fracções recicláveis, valorizáveis energética e
organicamente, resultando apenas rejeitados sem qualquer
possibilidade de tratamento que vão ao encontro da definição dos
resíduos últimos (resíduos cuja valorização nas várias formas não é
possível) (CEBQ/IST, 2006).
Os potenciais utilizadores de CDR são instalações termoeléctricas
com caldeiras de carvão e indústrias de grande intensidade ener-
gética, tais como cimenteiras, celuloses e processos metalúrgicos,
pelo que as limitações ao uso do CDR como combustível de
substituição, e, consequentemente, o seu desenvolvimento no
mercado, são ditadas pelas políticas e instrumentos que regulam
esses sectores (CEBQ/IST, 2006).
São também potenciais utilizadores unidades de incineração
convencionais de resíduos indiferenciados, havendo que acautelar
as quantidades a utilizar em função da carga térmica da instalação
e unidades de incineração dedicadas com tecnologias adequadas
ao poder calorífico do CDR a queimar.
O Quadro 25 apresenta as potenciais aplicações do CDR em
função de diferentes parâmetros.

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 93
Quadro 25 – Aceitação das aplicações do output como CDR

Funcionamento
FuncionamentoBalanço Balanço PolíticaPolítica
e e
Aplicações
Aplicações CustosCustos MercadoMercado
técnico
técnico oferta/procura
oferta/procura regulamentação
regulamentação

Co-combustível
Co-combustível parapara
! ! 3 3 !1 !1 ? ? !1 !1
co-combustão
co-combustão directa
directa
Combustível
Combustível parapara
co- co-
combustão
combustão indirecta
indirecta
? ? 3 3 !1 !1 3 3 !1 !1
ememinstalações
instalações
de de
energia
energia
Co-combustível
Co-combustível em em
cimenteiras
cimenteiras(fornos
(fornos
de de 3 3 ! ! ? ? 3 3 !2 !2
cimento)
cimento)
Co-combustível
Co-combustível em em
?3 ?3 ! ! ?1 ?1 ? ? ? 1,2 ? 1,2
caldeiras
caldeiras
industriais
industriais
Combustível
Combustívelparapara
unidades
unidades
de de 3 3 3 3 ? ? 3 3 ! !
incineração
incineração
dedicadas
dedicadas
Combustível
Combustívelparapara
instalações
instalações
de de ? ? 3 3 ? ? 3 3 ? ?
gaseificação
gaseificação
dedicada
dedicada
Co-combustível
Co-combustível parapara
unidade
unidade
de de
incineração
incineração 3 3 2 2 ? ? 3 3 3 3
existente
existente
Notas:
Notas:

1. Se o CDR tiver qualificação para entrar no mercado dos certificados verdes então,
esta opção será mais valorizada com consequentes benefícios económicos
significativos; neste caso a permissão para considerar o seu uso como combustível
de substituição podia ter um impacto económico favorável, com reflexos positivos no
mercado.
2. Os produtores dependentes de energia (como cimento, papel e processos químicos)
têm tendência a substituir o combustível fóssil por combustíveis derivados de
resíduos, mas a competição do combustível derivado do TMB é intensa para pneus,
solventes.
3. O grau de desafio técnico variará entre indústrias, mas há algumas onde estes
desafios podem se controlados:
2 Impedimento total;
! Factores de impedimento significativo;
? Factores de impedimento menos significativo;
3 Factores potencialmente limitativos, mas não o suficiente para prejudicar a
possibilidade de comercialização.
(Archer, 2005)

4.1.4 Condicionantes de utilização


Apesar das inúmeras vantagens da utilização do TMB, ainda há
obstáculos significativos a ultrapassar.

94 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Actualmente o TMB é utilizado para diferentes objectivos estra-
tégicos, facto que desperta opiniões divergentes e contraditórias
sobre a sua capacidade técnica no processamento dos resíduos.
O TMB tem associado um risco tecnológico baixo mas um risco de
mercado elevado.
Por exemplo, uma potencial fragilidade dos sistemas de TMB reside
na dificuldade de escoamento do CDR ou CSR, considerando-se
prioritária a criação de normas específicas para a utilização de CDR
ou CRS como combustível de substituição na indústria e a redução
da carga administrativa associada à obtenção da respectiva licença
(CEBQ/IST, 2006).
Para que os processos de TMB contribuam para os objectivos
estratégicos nacionais e comunitários, as aplicações dos seus
produtos têm de ser classificadas como «valorização». Caso sejam
classificadas como «eliminação» o TMB perde significativamente as
suas vantagens.
Recentemente, o tipo de sistema de TMB que tem despertado
maior interesse baseia-se na produção de CDR. Menos relevância
tem sido dada aos sistemas focados na produção de outros
produtos, designadamente biogás, composto e resíduo bio-
estabilizado para aterro. No entanto, pelas razões aduzidas, esta
situação poderá contribuir para um agravamento da actual gestão
de resíduos, na medida em que se traduz em maiores custos de
investimento e operação relativamente à situação actual, sem
garantia de proveitos que os compensem ou atenuem dada a
dificuldade de comercialização de determinados produtos, nomea-
damente composto por inexistência de normalização e aceitação do
mercado.

4.1.5 Planeamento da implementação


Na opção pelo TMB, como parte de uma estratégia de gestão
integrada de resíduos, é fundamental a promoção e desen-
volvimento de um estudo, tão detalhado quanto possível, de forma
a avaliar qual a combinação de elementos (mecânicos e biológicos)
que garantirá o cumprimento eficiente dos objectivos que se
pretendem obter do sistema.
A abordagem a desenvolver para a realização do estudo de
viabilidade do TMB deverá contemplar as seguintes etapas (Figura
41):

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 95
1. Definir os objectivos para o TMB

2. Identificar os objectivos potencialmente atingíveis pelo TMB

3. Identificar as possíveis combinações do sistema de TMB

4. Analisar as vantagens e constrangimentos de cada uma das


combinações:
Estudar a viabilidade comercial dos outputs
Avaliar se a eficiência do TMB contribui para as metas
de reciclagem e de desvio de resíduos de aterro
Avaliar as implicações económicas
Examinar as implicações regulamentares e legais
Avaliar os impactes ambientais e na saúde pública

Figura 41 – Abordagem de um estudo de viabilidade de TMB

4.1.6 Custos
A informação relativa aos custos de investimento e exploração de
sistemas de TMB é escassa.
Os dados relativos a instalações existentes são dificilmente
comparáveis, já que estas unidades operam em diferentes países,
processam diferentes tipos de resíduos, com diferente qualidade de
produtos, sob diferentes condições económicas, o que significa que
escolher sistemas de TMB com base nesta informação pode
conduzir o decisor a falsas conclusões.
Os custos de investimento dependerão sobretudo do tipo de
resíduos a tratar, da fracção de recicláveis a separar, do tipo de
valorização orgânica (e daí uma maior ou menor complexidade do
sistema) e do grau de afinação requerida para o produto resultante
do processamento biológico (maturação, remoção de contami-
nantes).
Os valores das propostas apresentadas nos concursos nacionais
lançados em 2006/2007 por vários sistemas municipais e
multimunicipais para a construção de TMB com digestão anaeróbia
permitem referenciar os custos de investimento deste tratamento.
Na Figura 42 apresentam-se os preços propostos, expressos em
€/t.ano, e respectivos valores médios (pontos a vermelho), para a
implementação de instalações de TMB de diferentes capacidades

96 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


de tratamento de RUB provenientes da recolha selectiva e da
recolha indiferenciada.
1 600
Custo do investimento, € / t.ano

1 200

800

400

0
0 25 000 50 000 75 000 100 000 125 000

Capacidade da DA, t/ano*

* RUB provenientes da recolha indiferenciada e selectiva.

Figura 42 – Preços de unidades de TMB (DA)

Na Figura 43 apresenta-se a gama de variação e o valor médio


(pontos a vermelho e verde) dos preços propostos para três casos
de instalações de TMB (DA) com a mesma capacidade (20.000
t/ano de RUB), considerando as alternativas dos RUB serem prove-
nientes da recolha indiferenciada e selectiva ou unicamente da
recolha selectiva.
1600
Capacidade da DA: 20 000 t/ano RUB
Custo do investimento, € / t.ano

1200

800

400

0
Caso 1 Caso 1 Caso 2 Caso 2 Caso 3 Caso 3
Alt.1 Alt.2 Alt.1 Alt.2 Alt.1 Alt.2

Alt.1 – RUB provenientes de recolha selectiva.


Alt.2 – RUB provenientes de recolha indiferenciada e selectiva.

Figura 43 – Gama de variação de preços de TMB (DA) considerando o


tratamento de RUB da recolha indiferenciada e selectiva ou apenas da
recolha selectiva

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 97
4.1.7 O caso da instalação de produção de CDR de
Florença

A Unidade de Triagem e Compostagem de Case Passerini, em


Florença, foi construída com o objectivo de produzir combustível
derivado de resíduos (CDR) destinado a alimentar uma unidade de
gaseificação (Greve-in-Chianti, localizada nos arredores de
Florença).
Com uma capacidade de tratamento de 450 t/dia, esta instalação
serve uma população de aproximadamente meio milhão de
habitantes dos municípios de Florença, Sesto Fiorentino, Campi
Bisenzio e Calenzano Signa, abrangendo uma área geográfica de
cerca de 300 km2.
A instalação de tratamento mecânico e compostagem trata resíduos
urbanos indiferenciados e resíduos orgânicos provenientes da
recolha selectiva: cerca de 120.000 t/ano de RU e 25.000 t/ano de
resíduos orgânicos e resíduos verdes.
O processo de tratamento instalado permite a produção de CDR,
sob a forma de peletes ou a granel, triturado e acondicionado,
utilizado posteriormente em instalações de valorização energética
para a produção de electricidade.
A fracção orgânica contida nos resíduos indiferenciados é separada
mecanicamente e estabilizada, obtendo-se um resíduo bio-estabi-
lizado utilizado como cobertura em aterro.
Os resíduos orgânicos da recolha selectiva, juntamente com os
resíduos verdes (podas das plantas), são tratados para produzir
composto a utilizar na agricultura.
Todas as operações são realizadas no interior da instalação. Nos
locais onde a possibilidade de ocorrência de odores é maior, o ar é
aspirado e tratado antes de ser disperso na atmosfera.
Na Figura 44 apresenta-se o layout da instalação.

Recepção

Os resíduos são descarregados numa fossa (Figura 45), sendo


submetidos a uma trituração grosseira (pré-trituração), e os
materiais ferrosos captados por separador electromagnético.

98 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Os resíduos pré-triturados são conduzidos a uma secção da fossa e
daqui alimentados a duas das três linhas de selecção para
separação mecânica e posterior trituração.
A terceira linha de selecção é alimentada pelos resíduos direc-
tamente, uma vez que é dotada de um triturador, instalado na parte
inferior da tremonha.
Parte dos resíduos urbanos recebidos na fossa, que excedem a
capacidade da instalação, são prensados directamente e enca-
minhados para o aterro de Case Passerini.
O objectivo desta última operação é reduzir o volume de resíduos, a
fim de permitir uma utilização mais racional do aterro.

Selecção dos resíduos


Nas linhas de selecção, os resíduos pré-triturados são submetidos
a um processo de separação de diferentes fracções em função da
dimensão, por meio de um tromel com malha perfurada de 60mm.
Obtêm-se assim duas fracções:
ƒ fracção de granulometria inferior a 60 mm, designada fracção
orgânica, que é enviada para bioestabilização;

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 99
100
Legenda:
1A / 1B – Trituradores primários
2 – Prensa
3A / 3B / 3C – Linhas de selecção
4A / 4B / 4C – Trituradores
5A / 5B – Prensas para CDR
6 – Separação aeráulica
7 – Prensa
b1 – Transportador de refugos

OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


b2 – Transportador de CDR

Passerini (Florença, Itália)


Figura 44 – Layout da instalação de selecção e compostagem de Case
fracção de refugo de granulometria superior a 60 mm,
constituída fundamentalmente por material combustível, que é
enviada para trituradores (para redução da dimensão) e,
posteriormente, para a produção de CDR.
Após a triagem, em ambos os casos o material é encaminhado para
separadores electromagnéticos para remoção de metais ferrosos
ainda presentes.

Figura 45 – Fossa de resíduos (Ambirumo)

Produção de CDR
t CDR a granel em fardos
Uma opção de acondicionamento prevista para o refugo combus-
tível é a prensagem em fardos.
Nesta solução, a fracção refugo combustível é conduzida a um
segundo separador electromagnético e daqui para trituradores,
obtendo-se um produto final com granulometria máxima de 100mm.
O material tratado (CDR em fluff) passa numa prensa que o
comprime em fardos, automaticamente cintados com fita plástica –
Figura 46, de modo a permitir um melhor armazenamento e
diminuição do custo de transporte até à unidade de combustão.

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 101


Figura 46 – CDR a granel prensado (Ambirumo)

t CDR em peletes
O segundo processo previsto para a fracção refugo combustível é a
sua transformação em peletes.
Neste caso, tal como na produção de CDR a granel, a fracção de
combustível a transformar em peletes é conduzida a um triturador,
obtendo-se um material de granulometria não superior a 100 mm.
Este material é então submetido a uma separação das fracções
ligeira e pesada através de um sistema de ciclone.
O material ligeiro é descarregado sob um transportador que
alimenta quatro equipamentos de peletização (250 kW de potência
cada), donde resulta o CDR em forma de peletes, com cerca de 2
cm de diâmetro e 2 a 8 cm de comprimento – Figura 47. Este
material é recolhido e enviado para armazenamento. O ar utilizado
para o transporte é, após tratamento, disperso na atmosfera através
de uma chaminé com 25 m de altura.
t Armazenamento de CDR
Quer o CDR a granel enfardado, quer o CDR peletizado, são
armazenados antes de serem enviados para valorização ener-
gética.
O material pode ser armazenado em espaços interiores por vários
meses sem criar problemas de cheiro ou fermentação.
O poder calorífico inferior do CDR produzido na instalação varia
entre 14.500 e 16.500 kJ/kg.

102 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Figura 47 – Máquina de peletização e produção de peletes (Ambirumo)

Figura 48 – Armazenamento do CDR (Ambirumo)

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 103


Compostagem
A área destinada ao processamento da fracção orgânica por
compostagem é constituída por três zonas distintas: compostagem
1, compostagem 2, edifício A.
O princípio operacional é o mesmo nas três zonas. Através do
auxílio de meios mecânicos, pá mecânica, formam-se pilhas com a
fracção orgânica a tratar. Os mesmos meios são utilizados no
revolvimento das pilhas.
O arejamento do processo é garantido através de lajetas perfuradas
e ar forçado.
O tempo de permanência do material nesta secção é de cerca de
21 a 28 dias, com temperaturas da ordem dos 55 a 60°C durante
pelo menos três dias. As instalações têm sistemas de extracção de
ar que é tratado antes de ser libertado para a atmosfera.
O material que sai da zona de compostagem 1 (área destinada ao
processamento da fracção orgânica, de granulometria inferior a
60 mm retirada no tromel da linha de tratamento mecânico) é
afinado através de um crivo rotativo de malha 15 mm e poste-
riormente, armazenado ao ar livre por cerca de 90 a 120 dias para
maturação.
Nesta fase o produto já se encontra estabilizado e não emite
qualquer tipo de mau cheiro; tem o odor característico do húmus. É
um correctivo de solos e pode ser usado em floricultura,
jardinagem, etc.
A zona de compostagem 2 é utilizada para o tratamento da fracção
orgânica proveniente da recolha selectiva, misturada com resíduos
verdes.
Na zona do edifício A é tratada a fracção orgânica de resíduos
provenientes da selecção mecânica dos resíduos urbanos, isto é, o
material com granulometria de 80 mm desviado antes do processo
de crivagem na linha de selecção. O produto resultante, fracção
orgânica estabilizada, é usado directamente como cobertura em
aterros sanitários.

104 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


4.2 Compostagem
O processo de compostagem consiste no aproveitamento do
potencial reciclável da matéria orgânica, constituindo-se assim
como uma forma de valorização orgânica.
Este processo de valorização consiste na recuperação da fracção
biodegradável dos resíduos sólidos que, após decomposição
biológica por via aeróbia, origina um produto final estabilizado,
inócuo, num estado de total ou parcial humificação que permite a
sua introdução no solo de forma fitocompatível e é designado por
composto.
Estas características agronómicas devem ser acompanhadas por
características físicas, químicas e biológicas para a sua aceita-
bilidade, designadamente em termos de inertes (vidros, plásticos,
etc.), carbono, azoto, metais pesados, humidade e ausência de
microrganismos patogénicos.
O composto funciona como um condicionador do solo, em virtude
das várias acções que nele exerce:
ƒ aumenta a porosidade e capacidade de arejamento do solo;
ƒ aligeira os solos pesados, melhorando as condições de
circulação de ar e água;
ƒ aumenta a capacidade de retenção de humidade do solo;
ƒ tem um efeito tampão protector contra aplicações muito inten-
sas de fertilizantes minerais;
ƒ melhora a capacidade de utilização de micronutrientes.
A compostagem é um processo aeróbio, que se caracteriza pelo
desenvolvimento rápido da população microbiana presente nos
resíduos, com forte metabolismo, que provoca a elevação da
temperatura da massa a compostar.
Os resíduos que reúnem as condições mais favoráveis para
valorização por compostagem são os resíduos facilmente biode-
gradáveis – neste sentido, os que têm maior interesse são a fracção
orgânica dos RU e os resíduos verdes.
A compostagem poderá ser aplicada quer a resíduos resultantes de
uma separação na origem, quer a resíduos urbanos sem recolha
selectiva.

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 105


Os resíduos orgânicos provenientes da recolha selectiva favorecem
este tipo de valorização, quer pela facilidade da sua preparação,
quer pela sua qualidade, minimizando o seu grau de contaminação.
Na ausência de recolha selectiva, os processos de tratamento
mecânico a montante serão mais complexos, sendo mais difícil a
obtenção de um produto estabilizado com características adequa-
das à comercialização como composto.
Sendo um processo que permite a valorização dos resíduos,
através de um produto de particular valor agrícola, a compostagem
pode, no entanto, apresentar alguns inconvenientes:
ƒ um controlo deficiente da transformação biológica pode com-
duzir rapidamente ao aparecimento de zonas de anaerobiose
na massa de resíduos, com os consequentes odores e reper-
cussão sobre a qualidade do composto;
ƒ a relativa incerteza em termos do mercado do composto, quer
devido a problemas de qualidade, quer à existência de pró-
dutos de substituição, agravada normalmente pelo preço de
transporte, poderá traduzir-se em dificuldades de escoamento;
igualmente a sazonalidade da sua utilização obriga à existência
de áreas consideráveis para o seu armazenamento nos
períodos de baixa procura;
ƒ as exigências a nível da qualidade e as restrições de ordem
ambiental, particularmente as derivadas do teor em metais
pesados, podem funcionar como inibidoras da utilização do
composto.

4.2.1 Descrição do processo


Do ponto de vista operacional, as principais etapas de um processo
de compostagem são as seguintes:
ƒ pré-tratamento dos resíduos;
ƒ processo de decomposição biológica;
ƒ afinação do composto maturado.
Pré-tratamento
Destina-se a remover materiais inconvenientes ao processo,
melhorar e homogeneizar o substrato para a compostagem e
proteger a linha de tratamento.

106 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


A maior ou menor extensão desta fase depende fundamentalmente
da tipologia dos resíduos, dos sistemas de degradação biológica e
das características e qualidade do composto que se pretende obter.
Assim, podem ser desenvolvidas todas ou algumas das operações
a seguir descritas:
ƒ triagem de materiais não orgânicos:
- crivagem
- triagem magnética
- triagem manual
- triagem pneumática e balística
- triagem electrostática
ƒ redução da granulometria e homogeneização dos resíduos:
- trituração
ƒ ajustamento da composição do material:
- mistura
Se a compostagem processar somente resíduos verdes, as ope-
rações de pré-tratamento são mais simples, envolvendo nomea-
damente:
ƒ triagem manual de materiais contaminantes (sacos de plástico,
garrafas, etc.);
ƒ trituração de forma a reduzir e uniformizar as partículas a
compostar.
Processo de decomposição biológica
Após o pré-tratamento, o material é sujeito a um processo aeróbio
de decomposição da matéria orgânica.
Este processo desenvolve-se em fases sucessivas em que intervêm
diferentes tipos de microrganismos aeróbios:
x Fase mesófila
O meio é colonizado por microrganismos mesófilos que degradam a
matéria orgânica e produzem dióxido de carbono, ácidos orgânicos
e calor, conduzindo a uma diminuição do pH (até 4,5 a 5,5) e
elevação da temperatura até cerca de 40ºC.

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 107


A fase mesófila compreende um período inicial de latência que
corresponde ao tempo necessário para os microrganismos colo-
nizarem e se adaptarem ao meio e um período posterior de
crescimento, em que se verifica um elevado nível de multiplicação
dos microrganismos acompanhado de grande libertação de energia.
x Fase termófila
Caracteriza-se por um aumento da intensidade de degradação dos
compostos orgânicos, o que se traduz numa elevação da tem-
peratura até 60 a 70ºC. Os microrganismos mesófilos são
progressivamente substituídos por microrganismos termófilos.
Os ácidos orgânicos produzidos na fase anterior são hidrolisados,
verificando-se uma elevação do pH (a cerca de 8), devida à
produção de amónia a partir do azoto orgânico.
Esta é considerada a fase de higienização do substrato, dado que
as elevadas temperaturas mantidas durante um determinado
período de tempo asseguram a eliminação dos organismos
patogénicos.
Estas duas primeiras fases são designadas, normalmente, pela fase
activa do processo de compostagem.
x Fase de arrefecimento e maturação
Nesta fase verifica-se uma diminuição progressiva da temperatura
devido à redução da actividade dos microrganismos. Neste período
ocorre essencialmente a degradação dos compostos mais
resistentes (celulose e lenhina) e reacções de humificação. O pH
desce ligeiramente, atingindo valores da ordem de 7 a 8 no
composto maduro.
Sendo o processo de decomposição biológica um processo aeróbio,
é importante que em qualquer das fases descritas se mantenha
uma concentração de oxigénio adequada ao desenvolvimento dos
microrganismos intervenientes. Para este efeito é necessário
efectuar um arejamento periódico da matéria em decomposição, o
qual pode ser efectuado através de dois tipos de sistemas:
ƒ sistema passivo – baseia-se na difusão ou circulação do ar não
provocada, sendo o arejamento da massa assegurado pela
porosidade do material;
ƒ sistema activo – baseia-se no estabelecimento de contacto
entre os materiais em compostagem e o oxigénio do ar por

108 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


agitação, revolvimento ou arejamento forçado por aspiração ou
insuflação.
O tipo de sistema de arejamento a implementar depende funda-
mentalmente da composição dos resíduos e dos sistemas
adoptados para o processo de decomposição.
Afinação
Esta operação destina-se a remover substâncias indesejáveis,
particularmente inertes, e a calibrar o produto obtido. Normalmente
efectua-se depois da maturação do composto, mas poderá ocorrer
entre a fase activa e a fase de maturação.
Em geral, contempla as seguintes operações:
ƒ triagem de impurezas e inertes (vidros, plásticos, papéis), por
crivagem, separação pneumática e balística;
ƒ redução da granulometria do composto, por trituração.

4.2.2 Tecnologias existentes


Os sistemas de compostagem são geralmente classificados em
abertos e fechados.
x Sistemas abertos
O termo aberto aplica-se à configuração do sistema que permite
que o material entre em contacto com o ar circundante.
As instalações podem ser fechadas ou abertas, podendo estas
últimas ter cobertura ou não.
O sistema de arejamento pode ser do tipo passivo ou activo, este
último podendo implicar o revolvimento da massa em compostagem
e/ou um arejamento forçado, por insuflação e/ou aspiração.
x Sistemas fechados
Nestes sistemas a degradação biológica do material ocorre em
meio perfeitamente hermético, o que permite um maior controlo do
sistema, como o caudal de ar, temperatura e concentração de
oxigénio, minimizando assim a formação de odores e a duração do
processo.
A maior parte dos sistemas são de alimentação contínua e dotados
de sistemas de arejamento forçado e de agitação (contínua ou
intermitente).

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 109


Dada a área e o tempo requeridos para o processo, os sistemas
abertos são geralmente preteridos em relação aos sistemas
fechados quando os quantitativos de resíduos orgânicos a tratar
são elevados.
Dentro dos sistemas abertos, o processo por pilhas com
revolvimento, que envolve pouca tecnologia mas um tempo de
processamento superior aos restantes, é um processo pouco
utilizado a nível dos resíduos orgânicos, constituindo contudo uma
boa opção para os resíduos verdes, ou outros de cariz sazonal.
Os processos clássicos por pilhas estáticas arejadas e por pilhas
arejadas com revolvimento podem constituir um bom compromisso
entre custos e eficiência do processo. No entanto podem apresentar
maiores problemas que os sistemas fechados a nível do
desenvolvimento de odores.
De salientar que relativamente aos primeiros processos, o seu
desenvolvimento em pavilhões fechados permite a aspiração e
tratamento dos gases gerados, obviando os problemas referidos.
Este último processo, bem como os existentes a nível dos sistemas
fechados, são os que apresentam maior eficiência, menor tempo
envolvido e menor impacte ambiental, embora os custos de
investimento e de exploração sejam bastante mais elevados.
Estes processos são mais utilizados a nível dos resíduos orgânicos
do que a nível dos resíduos verdes isoladamente, dado que a
compostagem destes últimos apresenta menores problemas
ambientais.
Contudo, saliente-se que o problema dos odores pode também
revelar-se problemático na compostagem dos resíduos verdes,
sobretudo se na sua composição existir um grande quantitativo de
relvas, muito ricas em azoto.
Relativamente aos resíduos orgânicos constata-se que a tendência
actual é a sua compostagem com outros resíduos e não
isoladamente.
Assim, dado que estes têm um forte teor em água e falta de
estrutura, aliado ao facto do quantitativo de papel ser geralmente
inferior ao encontrado nos resíduos urbanos, sem recolhas
selectivas, com uma relação C/N consequentemente mais baixa,
pode-se tornar relevante a mistura dos resíduos orgânicos com
resíduos celulósicos ou lenhosos estruturantes.

110 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Em qualquer dos tipos de sistemas referidos (abertos ou fechados)
poderão os resíduos orgânicos ser processados com os resíduos
verdes, actuando estes assim como um agente estruturante,
corrector da relação C/N e humidade, o que permitirá operar as
instalações com maior eficiência.

4.2.3 Controlo do processo


A manutenção do processo de compostagem dentro de condições
favoráveis ao seu correcto desenvolvimento é conseguida através
do controlo de diversos parâmetros, nomeadamente os que
influenciam a actividade dos microrganismos:
ƒ temperatura;
ƒ pH;
ƒ humidade;
ƒ arejamento;
ƒ relação C/N;
ƒ estrutura e granulometria.
Para além destes parâmetros processuais, o controlo incide
também sobre:
ƒ a presença de organismos patogénicos;
ƒ a formação de odores;
ƒ a formação de lixiviados;
ƒ o grau de decomposição da matéria em compostagem.
Temperatura
A monitorização e controlo da temperatura durante a compostagem
reveste-se de grande importância, uma vez que este parâmetro é o
melhor indicador da forma como está a decorrer o processo.
A sua monitorização periódica, ou contínua, em vários pontos da
massa de resíduos permite identificar o início da fase termófila, as
temperaturas nela atingidas e o fim da fase de degradação activa,
para além de fornecer indicações quanto às necessidades de
arejamento.
O controlo deste parâmetro deve ser feito no sentido de manter
condições termofílicas, de modo a acelerar o processo degradativo
e contribuir para a higienização do material. Para tal, dever-se-á

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 111


assegurar boas condições de oxigenação e o isolamento térmico da
massa em compostagem.
Para se garantir a higienização do composto, ou seja, a eliminação
dos organismos patogénicos, sementes e raízes, o material deve
ser mantido a uma temperatura de cerca de 60ºC por um período
de cerca de 4 dias, ou a 70ºC durante 1 hora.
Este controlo deve ser efectuado de modo cuidadoso, dado que
temperaturas superiores a 70ºC conduzem à morte da maioria dos
microrganismos termófilos, apenas subsistindo bactérias forma-
doras de esporos que param o processo, e temperaturas superiores
a 60ºC implicam uma diminuição da actividade biológica e o
retardamento do processo de degradação activa.
O aparecimento de temperaturas inferiores a 35ºC sugere a
existência de um teor de humidade inadequado ao correcto desen-
volvimento do processo ou o fim da fase de degradação activa. É
possível distinguir estas situações porque no primeiro caso a
correcção da humidade implica nova subida da temperatura, corres-
pondente ao retomar das actividades de degradação biológica.
O controlo de temperaturas demasiado elevadas pode ser
assegurado através de um adequado revolvimento da mistura em
compostagem ou de um aumento do caudal de ar fornecido, no
caso de sistemas com arejamento forçado. Outra forma de controlar
esta situação é através da adição de água ou da recirculação de
lixiviados, em simultâneo com o revolvimento da massa de
resíduos.
A correcção de valores de temperatura demasiado baixos obtém-se
através do controlo da humidade da massa em compostagem e do
seu isolamento térmico.
O isolamento térmico dos resíduos em compostagem é conseguido,
em sistemas fechados, através de materiais específicos das
paredes do túnel. No caso dos sistemas abertos pode ser
conseguido, por exemplo, através de uma cobertura permeável das
pilhas, recorrendo, por exemplo, a uma camada fina exterior de
composto maduro, ou a terra ligeira ou areia e a uma camada
isolante espessa de materiais vegetais secos e triturados.

112 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


pH
Tal como a temperatura, este parâmetro varia durante o processo
de compostagem e permite avaliar as condições em que o mesmo
decorre.
A gama típica de valores que o pH atinge ao longo varia entre 4,5 a
5,5 na fase mesófila e 7,5 a 8,5 no final da maturação.
Valores de pH superiores a 8,5 são indicativos de perdas de azoto
sob a forma de amónia, enquanto valores inferiores a 4,5 podem
indicar que a taxa de arejamento não é adequada, tendo-se
desenvolvido condições anaeróbias que atrasam o processo de
compostagem.
Não existem formas de controlar directamente este parâmetro. No
entanto, é importante que seja efectuada a sua monitorização
periódica, uma vez que influencia a variação dos compostos
azotados e a fixação dos metais pesados.
Humidade
A monitorização e controlo da humidade no início e durante o
processo de compostagem é fundamental, dado que este
parâmetro condiciona fortemente a actividade dos microrganismos
envolvidos.
De facto, teores de humidade superiores a 60% conduzem à
colmatação dos poros, o que dificulta a difusão dos gases,
desenvolvendo-se condições anaeróbias. Por outro lado, quando a
humidade é inferior a 40%,verifica-se uma diminuição na taxa de
compostagem, podendo haver inibição da actividade dos micror-
ganismos se os valores forem demasiado reduzidos (inferiores a
30%).
Assim, durante o processo de compostagem o teor de humidade
dos resíduos deve manter-se entre 40 e 60%. No entanto, estes
valores dependem da granulometria da massa em compostagem,
dado que quanto maior for a dimensão das partículas, maior será o
teor de humidade aceitável.
Teores excessivos de humidade podem ser ajustados pela mistura
com composto maturado seco, enquanto as perdas de água
durante o processo ou a falta de humidade dos resíduos no início
do mesmo podem ser corrigidas pela mistura com componentes
mais húmidos, nomeadamente pela adição de água ou recirculação
de lixiviados.

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 113


Arejamento
O arejamento é imprescindível no processo de compostagem,
devendo garantir:
ƒ o fornecimento de oxigénio suficiente para impedir a formação
de condições anaeróbias;
ƒ a remoção do vapor de água formado durante o processo, para
manter os níveis de humidade dentro de uma gama adequada;
ƒ a remoção do calor gerado nas reacções de degradação, de
modo a controlar a temperatura.
No sistema de arejamento passivo, em que a circulação do ar não é
provocada, tem particular importância o controlo, desde o início do
processo, dos seguintes parâmetros:
ƒ relação superfície exterior/volume da pilha de compostagem;
ƒ densidade média da mistura a compostar;
ƒ porosidade;
ƒ humidade;
ƒ natureza do substrato.
Este sistema é aplicado em processos de compostagem em pilhas
(no caso de se tratarem de resíduos orgânicos há necessidade,
quase sempre, de incorporar um agente estruturante).
Os sistemas activos utilizam como métodos de arejamento a
agitação, o revolvimento e o arejamento forçado por insuflação ou
aspiração.
Neste caso, o controlo máximo do arejamento será obtido por
processos que combinem os vários métodos de arejamento:
ƒ decomposição biológica em pilhas não revolvidas com areja-
mento forçado;
ƒ decomposição biológica em pilhas de baixa altura com revolvi-
mento frequente;
ƒ decomposição biológica em túnel com revolvimento e/ou areja-
mento contínuo.
A frequência e intensidade do arejamento pode ser regulada
manualmente ou em função da temperatura, teor de oxigénio,

114 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


humidade e porosidade da massa em compostagem e do tipo de
operação.
Este sistema de arejamento é utilizado tanto nos sistemas abertos
como nos fechados.
Relação carbono/azoto
É fundamental garantir condições nutricionais adequadas aos
microrganismos envolvidos na compostagem, sendo a relação
carbono/azoto (C/N) um dos parâmetros mais importantes na
definição dessas condições.
O consumo de carbono e azoto durante o processo provocam uma
diminuição desta relação devido ao maior consumo relativo de
carbono (dois terços como fonte de energia e um terço como
nutriente para o crescimento) em comparação com o azoto
(utilizado somente no crescimento).
A relação C/N inicial óptima da massa de resíduos a compostar
situa-se em valores iguais ou superiores a 25.
Uma relação inicial demasiado baixa traduz existência de azoto em
excesso e insuficiência de carbono, sendo parte do azoto
convertido em amónia o que poderá inibir o processo e produzir
odores. Nesta situação a relação C/N tem tendência para aumentar
ao longo do processo em vez de diminuir.
Valores demasiadamente elevados indicam quantidades
insuficientes de azoto, que se torna então um nutriente limitante,
diminuindo a actividade dos microrganismos e conduzindo a tempos
de compostagem demasiado longos.
Para corrigir uma relação C/N inicial elevada pode recorrer-se à
mistura de componentes ricos em azoto, tais como relvas e lamas
de ETAR. No caso de a relação C/N ser baixa, podem juntar-se
materiais ricos em carbono, tais como palha, papel, serradura ou
aparas de madeira.
Estrutura e granulometria
A granulometria do material a compostar influencia as condições
em que o processo decorre, nomeadamente a circulação do
oxigénio e da água, a superfície de contacto entre os resíduos e os
microrganismos e a homogeneidade do material.
Em geral, a granulometria dos resíduos não corresponde a uma
gama óptima para o processo de compostagem, pelo que é
necessário proceder à sua correcção.

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 115


Se a granulometria das partículas a compostar for demasiado baixa,
há tendência para a compactação dos resíduos e a possível
formação de condições anaeróbias durante o processo. Neste caso,
deve recorrer-se à adição de um material estruturante (exemplo:
palha, caruma, pinheiro seco).
A correcção de uma granulometria demasiado elevada efectua-se
pela redução do tamanho médio das partículas durante o pré-
tratamento dos resíduos. Esta redução permite aumentar a
superfície de contacto entre os resíduos e os microrganismos, o
que se traduz num aumento da velocidade de reacção.
Organismos patogénicos
A destruição dos organismos patogénicos e a eliminação de
sementes e raízes presentes nos resíduos a compostar deve ser
assegurada durante o processo, dado que a potencial
contaminação do composto obtido condiciona a sua utilização final.
Para tal, é necessário garantir a obtenção de determinados valores
de temperatura durante um período de tempo mínimo.
De acordo com a norma AFNOR NF 44-051 é exigida a
manutenção de uma temperatura de cerca de 60ºC durante 4 dias
para destruir os organismos patogénicos ou pelo menos neutralizá-
los eficazmente.
A Environmental Protection Agency (EPA) estabeleceu também
normas específicas tempo–temperatura para garantir um correcto
controlo de organismos patogénicos, que impõem atingir-se uma
temperatura superior a 55ºC durante 3 dias em sistemas fechados e
pelo menos 15 dias em sistemas abertos.
Por outro lado, Tchoubanouglous et al. (1993) referem que o
material em compostagem deve ser mantido a uma temperatura de
cerca de 60ºC por um período mínimo de 4 dias ou entre 60 e 70ºC
durante 24 horas.
No Quadro 26 resumem-se os valores críticos de tempo–
temperatura para vários organismos patogénicos e parasitas que
poderão estar presentes nos resíduos.
Verifica-se que os valores tempo–temperatura referidos anterior-
mente permitem obter uma correcta higienização do composto,
eliminando os organismos indesejáveis.

116 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Quadro 26 – Temperaturas e tempos de exposição necessários para a
eliminação de vários organismos patogénicos e parasitas comuns

Organismos
Organismos Observações
Observações

Salmonella
Salmonella typhosa
typhosa Nenhum
Nenhumcrescimento
crescimentoacima
acimadede46ºC.
46ºC.
Morte
Morteem
em30
30minutos
minutosa a55–60ºC
55–60ºCe eem
em2020minutos
minutosa a
60ºC.
60ºC.
Destruição
Destruiçãorápida
rápidanonointerior
interiordodocomposto.
composto.

Salmonella
Salmonella sp.
sp. Morte
Morteem
em11hora
horaa a55ºC
55ºCe eem
em1515a a2020
minutos
minutos
a 60ºC.
a 60ºC.

Shigella
Shigella sp.
sp. Morte
Morteem
em11hora
horaa a55ºC.
55ºC.
Escherichia
Escherichia coli
coli Para
Paraaamaioria,
maioria,morte
morteem
em1 1hora
horaa a55ºC
55ºCe eem
em1515
a 20
a 20
minutos
minutosaa60ºC.
60ºC.

Entamoeba
Entamoeba histolytica
histolytica Morte
Morte em
em alguns
alguns minutos
minutos a a 45ºC
45ºCououem
emalguns
alguns
(cistos/quistos)
(cistos/quistos) segundos
segundosaa55ºC.
55ºC.

Taenia
Taenia saginata
saginata Morte
Morteem
emalguns
algunsminutos
minutosa a55ºC.
55ºC.

Trichinella spiralis(larvas)
Trichinella spiralis (larvas) Morte
Morterápida
rápidaa a55ºC
55ºCe einstantânea
instantâneaa a
60ºC.
60ºC.

Brucella
Brucella abortus
abortusor
orBr.
Br.suis
suis Morte
Morteem
em33minutos
minutosa a62–63ºC
62–63ºCououem
em11
hora
hora
a 55ºC.
a 55ºC.

Micrococcus
Micrococcuspyogenes
pyogenesvar.
var. Morte
Morteem
em10
10minutos
minutosa a50ºC.
50ºC.
aureus
aureus

Streptococcus
Streptococcuspyogenes
pyogenes Morte
Morteem
em10
10minutos
minutosa a54ºC.
54ºC.

Mycobacterium
Mycobacteriumtuberculosis
tuberculosisvar.
var. Morte
Morte emem 15
15 a a2020minutos
minutosa a66ºC
66ºCououem
emalguns
alguns
hominis
hominis instantes
instantesaa67ºC.
67ºC.

Corynebacterium
Corynebacteriumdiphtheriae
diphtheriae Morte
Morteem
em45
45minutos
minutosa a45ºC.
45ºC.

Necator
Necator americanus
americanus Morte
Morteem
em50
50minutos
minutosa a45ºC.
45ºC.

Ascaris lumbricoides(ovo)
Ascaris lumbricoides (ovo) Morte
Morteem
emmenos
menosdede1 1hora
horaa atemperaturas
temperaturas
superiores
superiores
a a
50ºC.
50ºC.

Fonte:
Fonte:Tchoubanouglous
Tchoubanouglousetetal.al.(1993)
(1993)

Odores
O aparecimento de odores é na maioria dos casos sintoma da
formação de condições de anaerobiose.
Os compostos responsáveis pelos odores são essencialmente os
seguintes:
ácidos gordos voláteis como o ácido butírico, que é facilmente
metabolizado em condições aeróbias, pelo que geralmente não
aparece em quantidades significativas;

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 117


ƒ aminas, como a cadaverina e putresceina, formadas a partir de
aminoácidos;
ƒ compostos inorgânicos de enxofre (H2S e sulfitos), cuja
presença revela graves problemas de arejamento e mistura;
ƒ compostos orgânicos de enxofre (mercaptanos, dimetilsulfito).
Os odores provêm muitas vezes da fossa de recepção dos
resíduos, podendo também desenvolver-se durante o próprio
processo de decomposição se este não for controlado eficazmente.
O aparecimento de condições de anaerobiose na massa em
compostagem deve-se essencialmente aos seguintes factores:
ƒ humidade excessiva;
ƒ arejamento insuficiente;
ƒ granulometria inadequada do material;
ƒ controlo ineficiente da temperatura.
A eventual diminuição da formação dos odores passa então por um
elevado controlo das condições de decomposição, devendo ser
dada particular atenção aos factores anteriormente referidos.
Como métodos de supressão dos odores, podem referir-se:
ƒ utilização de filtros biológicos com base em composto maduro,
ou espécies vegetais, ricas em macro-moléculas húmicas que
têm a propriedade de absorver e oxidar as substâncias
orgânicas que as atravessam;
ƒ adsorção por carvão activado;
ƒ lavagem química em meio ácido, o que permite eliminar os
compostos azotados pela reacção com ácido sulfúrico e
eliminação por simples dissolução de certos compostos
orgânicos solúveis em água, como os álcoois.
Muitas vezes são utilizados os métodos químico e biológico em
conjunto.
Lixiviados
Os lixiviados produzidos no processo de compostagem são
normalmente drenados e tratados numa ETAR. Pode também
recorrer-se à sua recirculação no processo.

118 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


4.2.4 Comercialização do composto
A aceitabilidade do composto em termos comerciais requer a
qualidade adequada aos diferentes tipos de aplicação.
Nesta situação será o mercado a ditar a forma da sua apre-
sentação, sendo que devido à densidade os custos de transporte a
longas distâncias poderão inviabilizar a sua comercialização.
As formas mais correntes de comercialização do composto são a
granel, ensacado polvorento e ensacado granulado. Para o efeito é
necessário que as instalações sejam dotadas de equipamento
específico para a sua preparação e expedição.
Haverá que ter em atenção o facto deste tipo de produto ter uma
aplicação sazonal, pelo que as instalações deverão dispor de áreas
de armazenamento ajustadas à tipologia das formas de comer-
cialização.

4.2.5 Custos
Tsilemou & Panagiotakkopoulos (2006) estabeleceram funções de
custo aproximadas para instalações de tratamento de resíduos,
baseando-se em dados relativos a um conjunto significativo de
situações concretas na Europa.
Da normalização destes dados, face às suas diferenças em termos
de inúmeros parâmetros (dimensão da instalação, tecnologias
adoptadas, condições de funcionamento, tipo de resíduos afluentes,
características locais, componentes de custo incluídas, etc.),
resultaram funções de custo de investimento e de operação do tipo
Y = Į Xȕ, sendo X a capacidade da instalação (em t/ano), Į e ȕ
constantes (com ȕ<1, traduzindo o efeito de economia de escala).
A análise foi realizada para um período de dez anos (1993–2003),
sendo os custos expressos em euros de 2003.
O custo de investimento refere-se ao custo inicial da instalação,
abrangendo os custos de trabalhos preparatórios (caracterização do
local, impacte ambiental, estudos hidrogeológicos, aquisição do
terreno, projecto) e os custos de construção (preparação do terreno,
escavações, edifícios e outras construções, equipamentos, infra-
estruturas, acessos, redes de água, efluentes, energia, etc.).
O custo de operação inclui materiais e reagentes, energia e outras
utilidades, rejeição de efluentes, pessoal, supervisão, manutenção
de instalações e equipamentos, seguros, formação, taxas, etc. Não
inclui custos de transporte e eliminação de rejeitados, nem

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 119


considera receitas de materiais e/ou energia recuperados. Também
não inclui custos de recuperação do investimento.
Relevam os autores a necessária cautela na utilização de tais
curvas, devendo por um lado ser tidas em conta as limitações
estatísticas e a gama de aplicabilidade, e, por outro, considerados
os dados obtidos apenas como ponto de partida no processo de
estimação de custos.
Na Figura 49 apresentam-se as curvas de custo construídas para
instalações de compostagem, em sistema fechado e aberto,
respectivamente.

Compostagem em túnel (reactor)


Custos de investimento (106 €)

Custos de operação (€/t)

Capacidade da instalação (103 t/ano) Capacidade da instalação (103 t/ano)

Compostagem em pilha (ao ar)


Custos de investimento (106 €)

Custos de operação (€/t)

Capacidade da instalação (103 t/ano) Capacidade da instalação (103 t/ano)

Figura 49 – Custos de investimento e operação de instalações de


compostagem (preços 2003)

Salienta-se que os custos são muito afectados pela tecnologia


adoptada (equipamentos, tipo de arejamento, períodos de
decomposição e maturação, processo de redução de odores, etc.) e
pela composição dos resíduos afluentes. Por outro lado, foram

120 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


observadas variações de custos devidas à tecnologia escolhida e à
capacidade das instalações dentro do mesmo país, tão signi-
ficativas como variações entre países com a mesma tecnologia.

4.2.6 O caso da CVO da LIPOR


Dados gerais
ƒ compostagem em túnel, processo GICOM (compostagem
integral em túneis fechados, pré e pós compostagem,
seguida de maturação)
ƒ capacidade instalada: 60.000 t/ano de resíduos orgâni-
cos/produção estimada de 20.000 t/ano de composto
ƒ tipo de resíduos tratados: resíduos orgânicos, provenientes
de recolhas selectivas junto de grandes produtores
(restauração, grandes superfícies, mercados), de recolha
selectiva porta-a-porta da fracção orgânica de resíduos
domésticos), e resíduos verdes
ƒ área total / construída: cerca de 4 ha / 2,5 ha
ƒ custo do investimento: cerca de 30 milhões € (2005)
ƒ início da construção da CVO: Dezembro 2002
ƒ duração da empreitada: 22 meses
ƒ início da fase de ensaios: Outubro 2004
ƒ data de arranque: Maio 2005

Características técnicas da instalação


x Recepção
ƒ plataforma rebaixada, com pavimento ventilado, em
edifício fechado e depressionado
ƒ separação efectiva entre a zona de trânsito das
viaturas e a zona técnica de deposição dos
resíduos
ƒ zonas de descarga por tipo de resíduos

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 121


Planta geral da instalação

122 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


ƒ área para recepção de resíduos: 480 m2 (capa-
cidade de armazenamento para 3 dias)
x Tratamento mecânico primário e secundário
ƒ crivos (150mm/60mm), separação magnética, dês-
troçador para resíduos verdes
x Alimentação dos túneis
ƒ automática/mecânica
x Compostagem
ƒ 18 túneis (12 de pré-compostagem e 6 túneis de
pós-compostagem)
ƒ alimentação dos túneis automática / mecânica
ƒ controlo do processo por sondas de temperatura e
de oxigénio
ƒ pavilhão com dupla cobertura para controlo das
condições térmicas no interior da nave
ƒ lâmina de água (20 cm de altura) sobre a cobertura
dos túneis para controlo da temperatura
x Maturação
ƒ nave com pavimento ventilado – Área disponível:
2.900 m2
x Afinação
ƒ separação magnética seguida de crivagem
(«spanwelle screen») com abertura de 10 mm e
separação de materiais leves e pesados (separador
balístico «windshifter»)
x Armazenamento e ensacagem de composto
ƒ área de armazenamento do produto acabado (com-
posto) de 6.700 m2
ƒ sistema automático de ensacagem (sacos de capa-
cidade variável) e paletização
ƒ sistema de ensacagem em «big bags»
ƒ sistema de granulação

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 123


x Tratamento dos odores
caudal de ar a tratar: 410.000 Nm3/h
ƒ tratamento do ar contaminado: dois lavadores de ar
com capacidade unitária de 200.000 Nm3/h seguido
de sistema de biofiltração com uma área total de
3.130 m2, constituído por 18 secções de biofiltro,
tendo por meio de enchimento raízes de madeira
com areia e argila.
ƒ sistema de exaustão do ar tratado constituído por
três condutas verticais equipadas com ventiladores
axiais.
x Controlo dos resíduos recebidos
Todas as cargas de resíduos entradas na CVO são inspeccionadas
com vista à sua caracterização qualitativa e detecção de materiais
considerados nocivos para o processo.
São alvo de rejeição imediata todas as cargas que apresentem
contaminantes (resíduos perigosos, de acordo com a LER – Lista
Europeia de Resíduos e resíduos definidos no Regulamento (CE)
1774/2002 do Parlamento Europeu e do Concelho, que estabelece
regras sanitárias relativas aos subprodutos animais não destinados
ao consumo humano, são indesejáveis para o processo de com-
postagem).
São também alvo de rejeição imediata todas as cargas que apre-
sentem:
ƒ mais de 2% (em peso) de plásticos;
ƒ mais de 5% (em peso) de outros contaminantes (tais como:
vidro, metais, papeis e cartões impressos e têxteis).
Para as cargas consideradas não-conformes é preenchido o
respectivo Boletim de Não Conformidade de Descarga e Controlo
de Qualidade e é recolhida e enviada a destino ambientalmente
adequado.

124 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


x Requisitos de qualidade do composto produzido

Parâmetros Valor garantido


Grau de maturação e estabilização
Carbono total / Azoto total < 15
Tx. Humificação (Compostos húmicos) > 20 %
Ácidos Húmicos/ Ácidos fúlvicos >1
Oxigénio consumido < 100 mgO2/(kg.h)
Temperatura máxima atingida < 35 ºC
Teor de matéria e de macronutrientes minerais
Matéria orgânica * > 40 %
Azoto (N) * > 1,1 %
Fósforo (P2O5 ) * > 0,7 %
Cálcio (CaO) * > 5,0 %
Magnésio (MgO) * > 0,5 %
Potássio (K2O) * > 0,7 %
Metais pesados
Cádmio (Cd) * <1 mg/kg
Chumbo (Pb) * < 100 mg/kg
Crómio (Cr) * < 100 mg/kg
Cobre (Cu) * < 100 mg/kg
Mercúrio (Hg) * < 0,7 mg/kg
Niquel (Ni) * < 50 mg/kg
Zinco (Zn) * < 300 mg/kg
Parâmetros microbiológicos
Coliformes fecais < 500 ufc/ml
Estreptococos fecais < 5000 ufc/ml
Salmonellas spp ausente
Clostridium perfringens ausente
Outros parâmetros
Teor Humidade < 40 %
pH 6,0 a 8,6
Condutividade eléctrica <3 mS/cm a 25ºC
Grau de finura <1 cm
Teor em inertes (pedras) <2 %
Teor em inertes (outras impurezas) * < 0,2 %
* expresso em relação a matéria seca

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 125


t Pessoal

Turno Funções N.º


Geral
Direcção Técnica 1
(08h30 às 17h30)
Direcção Exploração 1
Direcção Qualidade / Laboratório 1
Técnico Administrativo 1
Encarregado 1
Controlador de Qualidade 1
Serralheiro 1
Electricista 1
Manobrador 2
Técnico de Manutenção 1
Técnico de Laboratório 1
Turno I
Serralheiro (chefe de turno) 1
(07h00 às 14h00)
Servente 4
Manobrador 1
Turno II
Manobrador (chefe de turno) 1
(14h00 às 22h00)
Manobrador 1
Operador de Ensacagem 2
Servente 1
Turno III
Manobrador (chefe de turno) 1
(23h00 às 07h00)
Servente 1

t Balanço médio / indicadores de funcionamento

Resíduos tratados
Total 28.086 t
Resíduos da restauração e cantinas 6.910 t
Resíduos de mercados e afins 8.522 t
Resíduos da recolha porta-a-porta 0 t
Resíduos verdes (jardins, parques, cemitérios) 12.655 t
Materiais à entrada 3,3 t
Materiais estruturantes recebidos 141 t
Composto produzido 5.667 t
Composto produzido granulado 848 t
Composto ensacado 3.324 t
Composto expedido 4.034 t
Rejeitados produzidos 1.124 t
Metais 22 t
Plásticos 276 t
Outros (pedras, madeiras) 826 t
Custo operacional do tratamento 55 €/t

126 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


x Aspectos relevantes
Todo o composto produzido é de excelente qualidade, resultando
da escolha criteriosa das matérias-primas com que é produzido, da
monitorização do processo de compostagem e do controlo de
qualidade analítico das matérias-primas, produtos intermédios do
processo de compostagem e do composto final.
Qualidade do composto produzido:
ƒ isento de infestantes e de microrganismos patogénicos;
ƒ elevado valor fertilizante;
ƒ actua como agente de luta biológica contra doenças do solo;
ƒ muito rico em compostos húmicos e micronutrientes;
ƒ teor de macronutrientes bastante significativo;
ƒ produto adequado para uma utilização de forma directa;
ƒ pH próximo da neutralidade;
ƒ rentável e eficiente na agricultura em geral e particularmente na
fruticultura, viticultura, viveiros e horticultura;
ƒ especialmente recomendado para estufas;
ƒ para aplicações caseiras, é de fácil distribuição mecânica ou
manual.
As análises às matérias-primas e aos produtos intermédios da
compostagem são efectuadas no laboratório interno da Central. As
análises do composto final são efectuadas em laboratórios
externos.
A Central encontra-se em processo de certificação pelo sistema
integrado NP ISO 9001, NP ISO 14001 e NP 4397.
Alguns constrangimentos:
x Resíduos orgânicos recebidos
A quantidade de resíduos entrados na CVO não atingiu ainda a
capacidade nominal. Em 2007 atingiu-se as 28.000 toneladas
de resíduos orgânicos (cerca de 47% da capacidade máxima),
quantidade que tem vindo a ser incrementada com a extensão
das recolhas selectivas porta-a-porta de RUB e em grandes
produtores.

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 127


Também a composição dos resíduos recebidos difere da
estabelecida a nível do caderno de encargos:
Resíduos da restauração e cantinas 35 a 45%

Resíduos de mercados e afins 20 a 30%

Resíduos da recolha porta-a-porta 10 a 15%

Resíduos verdes (jardins, parques, cemitérios) 10 a 15%

em função da experiência entretanto adquirida, evoluindo-se


para uma composição que garante uma adequada relação C/N
e características do substrato a compostar.
x Equipamento de granulação
No início da exploração, a matriz do equipamento de
granulação produzia entre 20 a 25 toneladas de composto
granulado. Com o aumento do diâmetro de furacão da matriz
(de 4 para 10 mm) e com uma melhor selecção dos resíduos
verdes no parque de verdes, a matriz passou a produzir entre
150 a 180 toneladas de composto granulado.

4.3 Digestão anaeróbia


A digestão anaeróbia é um processo biológico que visa o
aproveitamento da fracção biodegradável dos resíduos, sendo o
processo conduzido na ausência de oxigénio e tendo como
produtos resultantes efluentes gasosos – dióxido de carbono e
metano, e sólidos – um digerido, que deverá ser estabilizado
posteriormente por processos aeróbios.
Em resultado da produção de metano, constitui igualmente um
processo energético, pois permite o seu aproveitamento como
combustível e, consequentemente, a geração de energia calorífica
e ou energia eléctrica.
O processo decorre, face às suas características, em ambiente
completamente fechado, situação que garante um controlo mais
fácil dos compostos voláteis, em particular dos responsáveis de
odores, o que não é tão fácil quando o processo se faz em sistema
aberto, que é o caso mais usual numa compostagem clássica.
A digestão anaeróbia pressupõe uma triagem adequada dos
materiais biodegradáveis com interesse para o processo, o que
implica:
ƒ recolha na origem da fracção orgânica dos resíduos;

128 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


ƒ triagem e preparação prévia dos materiais a montante do
sistema de digestão, no caso de recolha indiferenciada.
No primeiro caso há um aumento significativo dos custos de
recolha, enquanto no segundo este custo se repercute sobre o
tratamento, havendo no entanto sempre a possibilidade de associar
a este pré-tratamento a recuperação de outros materiais com
interesse para reciclagem, ou produção de CDR.
Da análise dos sistemas de compostagem e de digestão anaeróbia
resulta claro que, para ambos, se torna fundamental à sua eficácia
e eficiência uma remoção diferenciada na origem.
Esta questão é mais sensível na compostagem, uma vez que o
único produto que se obtém é o composto, requerendo-se para o
mesmo uma qualidade que não ponha em causa a sua
comercialização.
Efectivamente, as perspectivas de regulamentação do composto, a
nível comunitário, orientam-se para severas restrições do ponto de
vista da qualidade requerida. Esta situação tornará quase
imperativa a necessidade de recolhas selectivas da fracção
orgânica, de modo a evitar a sua contaminação pelos restantes
componentes dos resíduos.
A digestão anaeróbia, embora com as mesmas exigências, do
ponto de vista do produto a compostar, apresenta uma maior
versatilidade, em virtude de complementarmente se produzir um
gás combustível e poder, portanto, constituir-se como um factor de
produção de energia.
Um outro factor importante do ponto de vista de decisão, relaciona-
se com a dimensão requerida para as instalações dos dois sistemas
em análise. O comportamento da digestão anaeróbia é mais
favorável, neste aspecto, devido ao facto de se apresentar mais
facilmente modular.
Nestas circunstâncias, a gama dimensional é mais ampla, podendo
ajustar-se melhor a uma evolução do crescimento, necessariamente
associada, a montante, à crescente abrangência das recolhas
selectivas.
Do ponto de vista económico-financeiro, a digestão anaeróbia
poderá apresentar alguma vantagem, em função das receitas
geradas devido à produção de energia, pese embora os relativos
maiores custos de investimento.

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 129


4.3.1 Descrição do processo
Do ponto de vista operacional, as principais etapas do processo de
digestão anaeróbia são as seguintes:
ƒ pré-tratamento;
ƒ digestão anaeróbia;
ƒ estabilização e afinação;
ƒ valorização do biogás.
Pré-tratamento
Tal como na compostagem, esta etapa destina-se a remover
materiais inconvenientes ao processo, melhorar e homogeneizar o
substrato para a digestão e proteger a linha de tratamento.
Nesta fase podem ser desenvolvidas todas ou algumas das ope-
rações a seguir descritas e que são condicionadas pela composição
dos resíduos e processos de decomposição adoptados:
ƒ triagem de materiais não fermentáveis (plásticos, metais, vidros
e partículas de grandes dimensões) por separação manual,
pneumática, balística, magnética e crivagem;
ƒ redução da granulometria, por trituração;
ƒ ajustamento das características do material a digerir, por
adição de água e nutrientes, ajustamento do pH, aquecimento,
mistura.
Os diferentes passos do pré-tratamento podem ser realizados numa
única instalação.
Numa primeira fase deste processo, é necessário um mecanismo
de abertura de sacos, dado serem estes os meios mais utilizados
na deposição dos resíduos urbanos. Em muitos casos o mecanismo
de abertura de sacos tem também a função de redução do tamanho
das partículas.
Após a abertura dos sacos, a triagem dos materiais não
fermentáveis pode efectuar-se por via seca ou por via húmida; a
redução da granulometria pode realizar-se antes, durante ou depois
do processo de triagem.
Um tipo de processo de separação líquida, que também pró-
porciona redução no tamanho das partículas, é o pulping. Os
resíduos são misturados com um líquido, que geralmente é o
líquido recirculado dos tanques de digestão, e com alguma água

130 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


extra para compensar eventuais perdas do mesmo como efluente
do sistema Depois de se ter formado a pasta, os resíduos
liquefeitos são bombeados para o sistema de digestão, sendo retida
a parte não dissolvida dos resíduos. Quando realizado de forma
correcta este tipo de pré-tratamento origina um produto
completamente isento de substâncias indesejáveis, não sendo
necessária uma separação adicional após a digestão.
As técnicas de separação a seco incluem tambores rotativos com
ecrãs pulverizadores, o corte em parafuso com separadores de
discos, etc.
Digestão anaeróbia
A digestão anaeróbia decorre em três fases principais, resultando
da acção combinada de vários tipos de microrganismos anaeróbios
com funções complementares:
x Fase hidrolítica ou fermentativa
Envolve a hidrólise de compostos orgânicos de elevado peso
molecular (açucares, proteínas, lípidos) em compostos mais
simples (essencialmente ácidos gordos, álcoois e dióxido de
carbono) passíveis de ser utilizados como fonte de energia e de
novas células.
x Fase acidogénica
Nesta fase os produtos da etapa anterior, ácidos gordos e álcoois,
são transformados em ácido acético, hidrogénio e dióxido de
carbono, devido à acção de bactérias acidogénicas.
x Fase metanogénica
Nesta terceira fase as bactérias metanogénicas geram metano.
Este último estágio pode ser dividido em duas etapas, visto que um
grupo de bactérias (acetófilas) transforma o ácido acético em
metano e dióxido de carbono, e outro grupo (hidrogenófilas)
transforma o hidrogénio e dióxido de carbono em metano e água.
O resultado de todo este processo é a transformação da matéria
orgânica em dois gases, metano e dióxido de carbono, sendo
aproximadamente 70% do metano gerado devido à acção das
bactérias acetófilas.

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 131


Estabilização e afinação
Esta etapa destina-se a complementar a estabilização e higie-
nização do material digerido, remover contaminantes, e produzir um
material refinado com uma humidade, granulometria e estrutura
física adequadas ao uso final proposto. As operações diferem
consoante o método de digestão utilizado.
Na digestão por via húmida, o produto obtido pode ser directamente
aplicado no solo (dependendo das suas características e legislação
vigente) ou separado em duas fracções – líquida e sólida. Neste
caso, a parte sólida pode ser sujeita ou, a um processo de
estabilização por compostagem aeróbia, durante cerca de 2 a 4
semanas, obtendo-se um composto aplicável ao solo, ou, a um
processo de incineração. A parte líquida poderá ser aplicada
directamente no solo, consoante as suas características e
legislação vigente, ou tratada numa ETAR.
Na digestão por via seca o material digerido é normalmente
desidratado e maturado por compostagem. A maior parte do líquido
é reciclada no próprio processo, sendo o excesso tratado numa
ETAR ou aplicado directamente no solo, estando esta situação
dependente do que se referiu anteriormente – características e
legislação vigente.
Em geral esta etapa pode contemplar as seguintes operações:
ƒ desidratação do material digerido, por filtração, centrifugação
e/ou prensagem;
ƒ estabilização do material digerido, por processo aeróbio;
ƒ triagem de impurezas e inertes (vidros, plásticos), por
crivagem, separação pneumática e balística;
ƒ redução da granulometria do composto, por trituração ou
crivagem;
ƒ mistura com aditivos, de modo a melhorar as características do
composto.
Recuperação do biogás
O biogás produzido é função do conteúdo energético básico da
matéria orgânica digerida e da degradabilidade desta sob
determinadas condições.
A digestão anaeróbia de matéria orgânica é realizada por uma
comunidade de bactérias. No esforço combinado na degradação do

132 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


substrato orgânico em metano e dióxido de carbono, o metabolismo
bacteriano necessita de apenas 5 a 10% da energia libertada,
sendo os restantes 90 a 95% de energia capturados no metano
produzido.
Devido a variações no conteúdo da matéria orgânica seca e nos
métodos de pré-tratamento e de digestão anaeróbia aplicados, a
produção de biogás pode variar entre 100 a 170 Nm3 por tonelada
de resíduos sólidos orgânicos pré-tratados.
O biogás pode ser utilizado para produzir energia eléctrica e ou
energia térmica.

4.3.2 Tecnologias existentes


A digestão anaeróbia é um processo relativamente recente no
tratamento de resíduos sólidos, embora seja largamente aplicada
no tratamento de lamas de ETAR e resíduos agro-alimentares.
Na última década têm-se vindo a desenvolver vários sistemas
diferindo essencialmente no teor de sólidos e nas temperaturas de
operação em que decorre o processo.
Em função do conteúdo em matéria seca, podem considerar-se
quatro diferentes níveis ou métodos de tratamento (Quadro 27):
Quadro 27 – Métodos de tratamento por digestão anaeróbia
Conteúdo em matéria seca
Método
(% sólidos totais suspensos, em peso)

Seco 30 – 50

Semi-seco 12 – 25

Húmido (co-digestão) 8 – 13

Húmido (filtro anaeróbio) 2

Em função da temperatura a que decorre o processo, os sistemas


de digestão anaeróbia podem ser classificados em:
mesofílicos (30ºC a 40ºC)
termofílicos (50ºC a 65ºC)
cujas principais diferenças se sintetizam no Quadro 28.

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 133


Quadro 28 – Sistemas mesofílicos versus termofílicos
Sistemas Sistemas
Parâmetros mesofílicos termofílicos
Temperatura da ordem de 35ºC da ordem de 55ºC

Tempo de retenção maior menor

Produção de metano menor maior

Eficiência de eliminação de patogénicos menor maior

Custo de investimento menor maior

Consumo energético menor maior

A alimentação pode revestir duas formas:


em descontínuo – o tanque de digestão é completamente
esvaziado e cheio de novo em cada ciclo de operação;
em contínuo – uma pequena fracção do conteúdo do reactor é
substituída em intervalos curtos e regulares.
Foram desenvolvidos ao longo do tempo vários conceitos sobre os
diferentes processos de digestão anaeróbia, sendo os de melhor
aceitação no presente, os seguintes:

Digestão por via seca


t Processo contínuo (mistura completa ou fluxo pistão)
Desenvolve-se num digestor que é alimentado continuamente.
A necessidade de utilizar água é mínima, o que é favorável à
obtenção de temperaturas ideais para a digestão se desenvolver
em condições termofílicas.
t Processo descontínuo
Processo semelhante ao que se desenvolve nos aterros sanitários.
Os resíduos urbanos em bruto são inseridos no reactor e
inoculados com o produto da digestão do mesmo ou de outro
reactor. O reactor é selado e deixado a digerir naturalmente.
Neste caso há recirculação dos lixiviados, o que permite manter as
condições de humidade e redistribuir substratos solúveis e bactérias
metanogénicas na massa de resíduos em digestão.

134 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Após a digestão estar completa, o digestor é aberto, descarregado
e recarregado com material fresco, de acordo com o processo
referido.
Uma das vantagens deste processo é a simplicidade de operação
do digestor.

Digestão por via húmida


x Processo contínuo
Desenvolve-se num digestor alimentado continuamente.
Para obtenção de um teor de sólidos da ordem de 10%, o material a
digerir é previamente diluído com água, quando se trata de resíduos
urbanos isoladamente, ou, em casos de co-digestão, com uma
água residual ou excreções líquidas de animais.
A matéria-prima diluída e misturada é introduzida num digestor
convencional de mistura total, semelhante aos usados no trata-
mento de águas residuais urbanas ou agrícolas.
Um pré-tratamento cuidadoso e eficiente dos resíduos urbanos é de
extrema importância por causa da natureza líquida do sistema.
Assim, materiais como vidro, pedras e metais devem ser removidos
para evitar a sua acumulação no fundo dos digestores. Também o
tamanho das partículas dos resíduos deve ser significativamente
reduzido, para assegurar que a bombagem e mistura se efectuem
de maneira estável e eficiente.
x Processo em várias etapas
Neste caso as fases da digestão anaeróbia decorrem em diferentes
reactores. Numa primeira etapa, dá-se a hidrólise dos resíduos
(diluídos em água ou efluente recirculado), libertando-se ácidos
gordos voláteis e hidrogénio.
Estes produtos intermédios são posteriormente convertidos em
biogás noutro digestor anaeróbio de elevado rendimento (ex: filtro
anaeróbio)
De uma forma genérica pode dizer-se que os métodos por via seca
apresentam menores consumos de água e uma menor produção de
efluentes líquidos (o que implica menores custos de desidratação e
tratamento de efluentes), maiores taxas de alimentação e degra-
dação (o que implica um menor volume do reactor) e um menor
consumo de energia.

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 135


Apresentam como desvantagem a necessidade de um tratamento
complementar mais apurado do produto digerido que o processo
por via húmida.
A nível dos materiais a tratar refira-se ainda que a digestão
anaeróbia não é adequada ao tratamento dos resíduos verdes
isoladamente, pois estes têm uma forte componente lenhino-
celulósica, que não é facilmente degradável em condições
anaeróbias. Nestes casos deve haver mistura com outros resíduos,
nomeadamente, com a fracção orgânica dos resíduos urbanos.
No Quadro 29 apresentam-se em síntese os principais aspectos
comparativos entre os sistemas por via seca e por via húmida.

Quadro 29 – Processamento por via seca versus via húmida

Parâmetros Via seca Via húmida

Consumo de água menor maior

Efluentes líquidos menor produção de efluentes maior produção de efluentes


líquidos líquidos, mas menos carregados
Custos de menores maiores
investimento
Custos de menores custos de maiores custos inerentes ao
exploração desidratação e tratamento de tratamento de efluentes
efluentes
Homogeneização exige uma mistura eficiente o uso dos resíduos diluídos
que assegure a reduz os problemas relacionados
homogeneização do substrato com a homogeneidade e
estabilidade
Eficiência maiores taxas de alimentação menores taxas de alimentação e
e degradação degradação
Digerido o processo permite a necessidade de um tratamento
maturação parcial do digerido complementar do produto
digerido menos apurado
Volume do reactor menor maior
Consumo menor maior
energético

136 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


4.3.3 Controlo do processo
De modo a assegurar a eficiência do processo de digestão
anaeróbia, é necessário controlar uma série de parâmetros, para
que as bactérias envolvidas no processo se mantenham num
estado de equilíbrio dinâmico, nomeadamente:
ƒ pH;
ƒ temperatura;
ƒ carga orgânica;
ƒ oxigénio;
ƒ humidade;
ƒ relação C/N;
ƒ elementos tóxicos.
Para além destes parâmetros, inerentes ao processo, outros,
ligados a aspectos ambientais, à qualidade do produto digerido e à
produção de biogás, devem também ser controlados, nomeada-
mente:
ƒ presença de metais pesados;
ƒ presença de organismos patogénicos;
ƒ formação de odores;
ƒ formação de lixiviados;
ƒ produção de biogás.
No Quadro 30 procede-se a uma análise sumária destes
parâmetros, com indicação de alguns valores de referência relativos
a processos bem conduzidos.
Detalham-se seguidamente alguns aspectos relativos ao controlo
da temperatura e carga orgânica, bem como à presença de metais
pesados no produto resultante da digestão anaeróbia.

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 137


Quadro 30 – Parâmetros de controlo do processo de digestão anaeróbia
Tipo de sistema
Parâmetro de controlo Via húmida ou baixo teor Via seca ou teor de
de sólidos sólidos elevado
Oxigénio A ausência de oxigénio é condição essencial para a fase
metanogénica, devido aos microrganismos envolvidos
serem estritamente anaeróbios.

Temperatura – Reactor mesofílico – 30 a 40ºC


– Reactor termofílico – 55 a 60ºC
Os processo termofílicos apresentam tempos de retenção
inferiores e rendimentos em metano superiores

pH Valores óptimos: fase fermentativa e acidogénica – 5,2 a


6,3; fase metanogénica – 7,5 e 8,2.
A correcção do pH pode realizar-se através da adição de
bicarbonato de sódio ou cal.

Humidade A correcção da humidade dos resíduos orgânicos a digerir


pode efectuar-se através da adição de água ou da
recirculação dos lixiviados provenientes da desidratação do
material digerido.

Necessária a adição e Para o mesmo volume de


aquecimento de grande resíduos orgânicos requer
volume de água. um volume de água menor,
comparativamente com a
via húmida.

Relação C/N Deve situar-se inicialmente entre 25 e 35. Pode ser


corrigido através da mistura de diferentes tipos de
resíduos.

Elementos Acima de determinadas concentrações certos elementos


Tóxicos podem comprometer o processo de digestão,
nomeadamente, sais solúveis, sulfatos, amoníaco,
cianetos, etc.
Os problemas de toxicidade são menos graves em
processos por via húmida devido à elevada diluição da
matéria orgânica.
Para minimizar os riscos de toxicidade é importante
assegurar uma eficiente separação dos materiais
inorgânicos.

Mistura É essencial assegurar uma Dada a natureza sólida da


mistura eficiente da massa massa em digestão, não há
a digerir, de modo a evitar formação de espuma.
a estratificação e a
formação de espuma. Para
tal, pode recorrer-se a
meios mecânicos ou à
recirculação de biogás sob
pressão.

Organismos patogénicos Em processos termofílicos a eliminação dos organismos


patogénicos é assegurada pelas elevadas temperaturas

138 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS

138 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Tipo de sistema
Parâmetro de controlo Via húmida ou baixo teor Via seca ou teor de
de sólidos sólidos elevado
atingidas.
No caso de processos mesofílicos existe normalmente uma
fase anterior ou posterior à digestão, designada por
higienização, em que a massa de resíduos é aquecida a
temperaturas entre 60 e 70ºC durante um determinado
período de tempo.

Odores Os métodos utilizados para controlar os odores consistem


na captação do ar do digestor e outros pontos de emissão
e no seu tratamento e passagem através de biofiltro

Lixiviados Devido ao elevado O material digerido contém


conteúdo em água do normalmente 25 a 30% de
material digerido, a sua sólidos, o que minimiza o
desidratação gera grandes potencial de geração de
quantidades de lixiviados lixiviados

Biogás A quantidade e composição do biogás depende


principalmente da composição dos resíduos.

Obtêm-se valores da Obtêm-se valores da


ordem de 0,50 a 0,75 m3/kg ordem de 0,63 a 1 m3/kg de
de sólidos voláteis sólidos voláteis destruídos.
destruídos. A composição do biogás
A composição do biogás produzido é em média:
produzido é em média: 50% de CH4 e 50% CO2
55% de CH4 e 45% CO2

Temperatura
A escolha e o controlo da temperatura do processo é de
importância extrema para o resultado da digestão anaeróbia. A taxa
de produção de gás aumenta significativamente à medida que a
temperatura do processo vai aumentando de 0ºC a um máximo de
aproximadamente 60ºC.
A maior parte da experiência existente sobre a digestão anaeróbia é
proveniente de processos mesofílicos. Contudo o processo
termofílico tem vindo a ser cada vez mais utilizado, dadas as
vantagens:
o tempo de retenção necessário no digestor é menor devido à
maior taxa de produção de gás;
há uma destruição eficiente dos organismos patogénicos por
causa das elevadas temperaturas do processo;
há uma melhor digestão das substâncias causadoras de
odores (ácidos gordos de cadeias longas);

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 139


ƒ a razão entre a formação de nova biomassa bacteriana e o
biogás é reduzida.
Há contudo desvantagens no processo termofílico:
ƒ necessidade de uma maior quantidade de energia para o
processo;
ƒ maior risco de inibição do processo pela presença de
amoníaco.
Carga orgânica
Conforme referido, os sistemas de digestão anaeróbia podem ser
alimentados em contínuo ou em descontínuo.
A alimentação do sistema de digestão anaeróbia em contínuo
satisfaz as necessidades bacterianas, em termos de substrato
fresco, e permite a remoção de alguns produtos excretados do
metabolismo bacteriano, como o amoníaco. A capacidade de
manter um ambiente estável para o crescimento bacteriano é maior
comparativamente à alimentação em descontínuo.
A vantagem da alimentação em descontínuo deve-se à sua
simplicidade. Contudo, este sistema de alimentação pode induzir a
uma digestão com reduzida eficiência e, eventualmente, a uma
perda de potencial gasoso, uma vez que o tempo de retenção pode
tornar-se um factor limitante de todo o processo. Isto deve-se
principalmente aos efeitos adversos causados pela acumulação de
resíduos urbanos.
Produtos do processo de digestão anaeróbia
A viabilidade dos sistemas de tratamento de resíduos por digestão
anaeróbia depende da existência de um mercado comercialmente
viável para os seus produtos, biogás e digerido. Estes, por sua vez,
são influenciados pela qualidade do substrato alimentado ao
processo de tratamento.
Independentemente do tipo de resíduos que afluem à instalação, o
seu processamento resultará em situações positivas e negativas,
que representarão, respectivamente, benefícios e custos para a
instalação.
Situações positivas com benefícios ambientais para a instalação:
ƒ composto estabilizado para aplicação na agricultura, horti-
cultura e/ou jardins domésticos;

140 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


ƒ efluente com potencial de aplicação desde que devidamente
licenciado para tal;
ƒ biogás para valorização energética.
Situações negativas com custos ambientais para a instalação:
ƒ efluente a enviar para uma instalação de tratamento de águas
residuais;
ƒ emissões gasosas para a atmosfera resultantes da digestão,
combustão do biogás e pós-digestão do composto.
Há contudo a considerar que os produtos obtidos, pelas suas
características que se referem seguidamente, deverão ser objecto
de tratamentos adicionais tendo em vista a respectiva valorização.
x Biogás
O biogás é uma mistura gasosa combustível, composta
maioritariamente por metano e dióxido de carbono. O metano não
tem cheiro, cor ou sabor, mas outros gases presentes no biogás
conferem-lhe um ligeiro odor desagradável.
O ácido sulfídrico (H2S), gás incolor e inflamável com um forte e
desagradável odor, é particularmente importante onde e/ou quando
o biogás vai ser utilizado para produção de calor e energia.
Devido às suas características corrosivas, devem ser tomados
cuidados na concepção das instalações e na escolha dos materiais
que irão entrar em contacto com o gás. A remoção de ácido
sulfídrico do biogás deve, pois, ser efectuada, utilizando sais de
ferro na lavagem/purificação do gás, ou adicionando-os ao digestor.
x Digerido
A qualidade do substrato que aflui ao digestor e a eficiência do
processo terão um efeito significativo sobre as características do
produto final.
A fase pós-digestão (compostagem) é fundamental para tornar o
produto final mais atraente, para potenciais aplicações como sejam,
por exemplo, a agricultura.
Nestas condições, o processo de digestão anaeróbia deverá ser
completado por um processo de estabilização do digerido, em que
as fases processo são muito semelhantes às descritas para a
compostagem.

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 141


4.3.4 Custos
Na Figura 50 apresentam-se as curvas de custo construídas por
Tsilemou & Panagiotakkopoulos (2006) para instalações de
digestão anaeróbia. Na sua utilização deverão ser tidos em conta
os aspectos de aplicabilidade relevados pelos autores (v. 4.2.5).
Custos de investimento (106 €)
Custos de investimento (106 €)

Custos de operação (€/t)

Custos de operação (€/t)


Capacidade
Capacidade
da instalação (103 (10
da instalação 3
t/ano)
t/ano) Capacidade
Capacidade
da instalação (10 3 t/ano)
da instalação (10 3 t/ano)

Figura 50 – Custos de investimento e operação de instalações de digestão


anaeróbia (preços 2003)

4.3.5 O caso da Estação de Tratamento e


Valorização Orgânica da VALORSUL

Dados gerais
ƒ processo de tratamento: digestão anaeróbia
ƒ capacidade instalada / tipo resíduos: 40.000 t/ano de resíduos
alimentares provenientes de recolha selectiva em grandes
produtores, nomeadamente, restaurantes, cantinas, mercados;
parte da instalação está desde já dimensionada para 60.000
t/ano, sendo necessária a instalação de alguns órgãos
adicionais para passar a esta segunda fase (um digestor, um
motor de co-geração e um gasómetro).
ƒ área total: 3,5 ha
ƒ data de arranque: primeira recepção de resíduos em Fevereiro
de 2005; Recepção Provisória Condicionada em Fevereiro de
2008
ƒ custo do investimento: 26,5 milhões de euros (2008)

142 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


x Planta geral da instalação

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 143


Características técnicas da instalação
x Recepção / Pré-tratamento
Os resíduos orgânicos provenientes dos restaurantes,
cantinas, hotéis, mercados são recolhidos separadamente e
transportados para a Estação. A entrega de resíduos
orgânicos na Estação é efectuada maioritariamente durante
dois turnos: das 00h00 às 8h00, e das 16h00 às 24h00. As
viaturas de recolha que chegam à Estação passam por um
sistema de pesagem e registo automáticos, sendo
posteriormente encaminhadas para a zona de recepção e
descarga.
A área de recepção é confinada e dotada de portas de
isolamento adequadas ao acesso de viaturas e mantida em
depressão com exaustão de ar de forma a evitar a
presença de odores, estando cada zona de descarga
individualizada com extracção de ar independente. Nesta
área verifica-se a existência de duas linhas de recepção de
resíduos, nomeadamente, uma para resíduos «húmidos» e
uma para resíduos «secos». A Estação está também
equipada para receber resíduos líquidos (caso dos óleos
alimentares), os quais são encaminhados directamente
para os digestores anaeróbios.
Os resíduos «húmidos» (mercados e cantinas, por
exemplo) sofrem apenas um tratamento de diminuição do
seu tamanho através de moinhos de martelos que os
reduzem a uma granulometria de cerca de 15 mm. Os
resíduos triturados são então recolhidos num tanque de
equalização e bombados para o tanque de hidrólise.
Os resíduos «secos» (restaurantes e hotéis, por exemplo)
passam através de um abridor de sacos, seguindo-se uma
linha de triagem manual, onde se procede à remoção dos
materiais de maiores dimensões e à separação dos
materiais ferrosos. De seguida são enviados para um
pulper, onde se processa a maceração dos resíduos, de
forma a promover a dissolução e a redução da dimensão de
sólidos, bem como a efectuar a separação de
contaminantes. O pulper está equipado com um agitador
especialmente dimensionado e de elevada potência que
transfere a fracção orgânica dos resíduos em suspensão de
acordo com o princípio de selecção nas zonas de
turbulência tangencial, sendo possível efectuar a separação

144 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


da maior parte dos inertes pesados (vidro, pedras, metais)
que sedimentam no fundo do tanque cónico. A suspensão
orgânica entra de seguida, por gravidade num tambor de
crivagem onde se procede à separação dos materiais
grosseiros e materiais leves (plástico, madeira e papel) e
dos inertes finos e pesados (areias, etc.), sendo
posteriormente bombada para o tanque de hidrólise.
x Hidrólise
A suspensão orgânica dos resíduos macerados prove-
nientes das linhas de recepção e pré-tratamento é
bombada para o tanque de hidrólise, passando previamente
por um classificador de areias que promove a sedi-
mentação de areias. O tanque de hidrólise foi concebido
para equalização hidráulica anterior à alimentação dos
digestores, bem como para o processo de pré-acidificação,
através da decomposição da fracção orgânica mais
facilmente hidrolisável por populações de bactérias. O
tempo de residência dos materiais nesta fase é de cerca de
dois dias.
x Digestão
Os dois reactores de digestão anaeróbia são linhas
distintas, operadas e controladas de forma independente,
tendo sido concebidos para o tratamento de fluidos ricos
em sólidos orgânicos e para uma degradação de sólidos
voláteis superior a 50%. O tempo de retenção nos
digestores é, em média, de 21 dias apresentando um
volume útil de 3.500 m3 cada.
Para a segunda fase, com o aumento da capacidade da
instalação para 60.000 ton/ano, está prevista a instalação
de um terceiro digestor.
O funcionamento dos reactores baseia-se no princípio da
recirculação de gás através de um tubo central, em que o
fluxo gerado no interior do tubo induz uma forte circulação
vertical no reactor (reactor de loop interno). Combinando a
circulação no tubo central com a injecção de pequenas
quantidades de ar promove-se a supressão bioquímica de
formação de sulfureto de hidrogénio (H2S), reduzindo os
níveis deste parâmetro no biogás para que este possa ser
admitido aos motogeradores.

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 145


O processo de digestão é operado numa gama de
temperaturas termófila – 51ºC – o que é vantajoso para a
utilização do substrato, já que as gorduras e a celulose
estão mais disponíveis para serem metabolizadas pelas
bactérias a estas temperaturas. Para compensar as perdas
de calor e promover o aquecimento da suspensão, foi
instalado um circuito externo de aquecimento, o qual
mantém a temperatura do processo em torno dos 51ºC. O
calor é fornecido pelo arrefecimento da água de
refrigeração dos motores de co-geração.
No topo dos reactores existem dispositivos de segurança
para impedir a ocorrência de pressões elevadas ou de
vácuo. O processo fermentativo global é monitorizado on
line relativamente aos seguintes parâmetros: fluxos de
alimentação e descarga, níveis, pH, temperatura, teores de
sulfureto de hidrogénio (H2S) e metano (CH4) no biogás.
A lama resultante da digestão é descarregada, por
gravidade, num tanque intermédio com agitação, de modo a
promover a sua homogeneização, sendo posteriormente
enviada para a desidratação.
x Desidratação
A lama resultante da digestão é desidratada através de
duas centrífugas em paralelo. O nível de separação e a
pureza do centrifugado são controlados pela eficiência do
equipamento e pela alimentação controlada de floculante. O
produto da digestão desidratado é enviado para os túneis
de compostagem.
O centrifugado é utilizado como água de processo sendo o
excesso bombeado para a Estação de Tratamento de
Águas Residuais (ETAR).
x Biogás /produção de energia
O biogás produzido nos digestores é conduzido a um
sistema de arrefecimento e compressão, onde são
removidos os condensados, sendo em seguida conduzido
para um gasómetro, com capacidade para 2.150 m3. Para a
segunda fase está reservado espaço para um segundo
gasómetro, de igual capacidade. O gasómetro está
equipado com sistemas de segurança e poço de recolha de
condensados. Além da pressão interior, a altura de

146 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


enchimento é também monitorizada pelo sistema de
controlo.
Em caso de necessidade, existe uma tocha que permite
uma queima controlada do biogás. O tempo de combustão
é de cerca de 0,3 segundos e a temperatura de 900ºC.
O biogás extraído do gasómetro é fornecido a dois
motogeradores, com uma potência de 836 kW por equi-
pamento. O calor do processo necessário ao funciona-
mento da instalação é obtido através do sistema de
arrefecimento do motor. O calor excedente fica disponível
para operações de secagem e similares. Haverá sempre
pelo menos um motor em funcionamento, de modo a gerar
o calor necessário ao processo. A energia eléctrica
produzida é suficiente para satisfazer as necessidades
internas da Estação e providenciar um excedente para
exportação para a rede eléctrica.
x Compostagem
Na compostagem é utilizado material estruturante (estilha,
resíduos de jardim, aparas de madeira) numa percentagem
de cerca de 15% das lamas desidratadas. A fase de pré-
compostagem é realizada em 5 túneis fechados e tem uma
duração entre 9 e 14 dias. O processo é controlado pela
medição da temperatura e pelo teor de oxigénio. Cada túnel
tem um ventilador que insufla o ar de exaustão recolhido
nas várias zonas da instalação, que é aproveitado como ar
de processo.
Após a pré-compostagem, o material é colocado na área de
maturação em pilhas com uma altura máxima de 3 m. As
pilhas são revolvidas com máquina de revolvimento, pelo
menos uma vez por semana e sujeitas a irrigação. O tempo
de residência no parque de maturação é de cerca de 10
semanas, para um total de 12 semanas de compostagem.
Após a compostagem o material é posteriormente sub-
metido a uma afinação constituída por um sistema de
crivagem e densimetria, sendo armazenado para posterior
comercialização, podendo ser ensacado ou vendido a
granel.
x Pré-tratamento de águas residuais
As águas residuais produzidas na instalação são
submetidas a tratamento que consiste num sistema de

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 147


refrigeração para arrefecimento do afluente seguindo-se um
tratamento biológico por nitrificação/desnitrificação e
bioreactor de membranas. As lamas produzidas em
excesso são reencaminhadas para o processo, sendo
adicionadas no pulper. O efluente pré-tratado poderá ser
reutilizado como água de processo sendo o excedente
enviado para colector municipal.
x Exaustão e tratamento do ar
– Ventilação dos compartimentos da recepção
A área do hall de recepção está dividida em 6 com-
partimentos, cada um com o seu próprio ventilador que
extrai cerca de 3.500 m3/h de ar contaminado.
A renovação do ar no interior destes compartimentos é
assegurada pelo fluxo de ar novo que entra directamente
pelas portas, caso estas se encontrem abertas, ou em
alternativa pelas grelhas dos respiradores tipo persiana
existentes nas paredes. O ar recolhido dos compartimentos
(num total de 21.000 m3/h) é encaminhado para as
tremonhas de recepção. Nesta zona é assegurada uma
taxa de renovação de ar de 9 renovações/hora.
– Sistema de ventilação da zona de resíduos húmidos
Ao longo da tremonha de recepção do material da linha de
resíduos «húmidos» encontra-se instalado um sistema de
ventilação com tubuladura de entrada de ar, sendo extraído
um caudal de 20.000 m3/h o qual é enviado para um biofiltro
constituído por 8 secções/contentores. Nesta zona é
assegurada uma taxa de renovação de ar de 12 reno-
vações/hora.
– Sistema de ventilação da zona de resíduos secos
Ao longo da área de recepção do material da linha de
resíduos «secos» encontra-se instalado um sistema de
ventilação com tubuladura de entrada de ar sendo reco-
lhidos nesta área aproximadamente 13.900 m3/h. Nesta
zona é assegurada uma taxa de renovação de ar de 12
renovações/hora.
Esta tubagem também recolhe o ar de exaustão da cabine
de triagem, bem como o ar extraído nos restantes equi-
pamentos da sala de pré-tratamento, nos trituradores,
pulper, crivo, etc., sendo extraído um total de 17.500 m3/h,

148 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


que inclui também o caudal extraído na ETAR e no tanque
de hidrólise. Na cabine de triagem é efectuada uma taxa de
renovação de ar de 10 renovações/hora.
Os respiradores tipo persiana das paredes que fornecem ar
fresco às áreas de recepção estão instalados nas paredes
desde as fossas até à área de pré-tratamento.
– Sistema de ventilação da zona de desidratação e túneis
de compostagem
Na área de desidratação, sendo uma zona sujeita a
elevadas concentrações de amónia, é assegurada uma
extracção de um caudal de 10.000 m3/hora e uma taxa de
renovação de ar de 6 renovações/hora nos transportadores
de material desidratado.
Do caudal de ar extraído proveniente da zona da recepção
e da zona da desidratação, cerca de 27.500 m3/h, é
introduzido nos túneis, para o arejamento forçado do
processo, sendo posteriormente encaminhado a um lavador
de ar antes de seguir para um segundo biofiltro.
x Pessoal
x 1 Director
x 1 Responsável Exploração
x 1 Responsável Manutenção
x 3 Chefe de Turno 9 Operadores de Central
x 8 Operadores de Máquinas e Veículos Especiais
x 12 Operadores Semi-especializados
x 1 Técnico de Equipamento Eléctrico
x 1 Técnico de Equipamento Mecânico
x 1 Técnico de Sistemas de Exploração (operador de sala
de comando)
x Balanço médio / indicadores de funcionamento (2007)
x composto produzido: 10 kg/t de Resíduos Orgânicos
(RO)
x biogás: 140/145 m3/t de RO
x produção energia eléctrica: 286 kWh/t RO

4. VALORIZAÇÃO ORGÂNICA 149


x consumo de 50% da energia eléctrica produzida,
exportação do restante
x refugos produzidos: cerca de 20% do recebido
x águas residuais rejeitadas: 1 m3/t RO
x Aspectos relevantes
x qualidade dos resíduos: a presença de sacos de
plástico nos RO recebidos é uma fonte de problemas.
Deverá apostar-se num equipamento para abrir sacos e
remoção dos mesmos no início do processo, sob pena
de causar vários constrangimentos na instalação:
entupimentos, flotação em tanques e digestores, teor
de plásticos elevados no composto final.
x quantidades recolhidas: a aposta na recolha em
grandes produtores é essencial para atingir a capa-
cidade da instalação.
x custos de recolha elevados (60 €/t)

150 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


5. VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA
5.1 Nota introdutória
A valorização energética, na cadeia de operações de gestão de
resíduos, aparece hierarquicamente depois das valorizações
multimaterial e orgânica.
A sua aplicação no processo de gestão de resíduos pode incidir
sobre refugos de outros processos a montante, ou directamente
sobre os resíduos indiferenciados, caso mais comum da designada
incineração.
No entanto, a incineração para ser considerada como operação de
valorização energética, deverá, nos termos da nova Directiva Quadro dos
Resíduos, garantir uma eficiência energética (calculada de acordo com a
fórmula indicada no Quadro 31):
ƒ • 0,60 para instalações em funcionamento e licenciadas nos
termos da legislação comunitária aplicável antes de 1 de
Janeiro de 2009;
ƒ • 0,65 para instalações licenciadas após 31 de Dezembro de
2008.

Quadro 31 – Cálculo da eficiência energética

Eficiência energética = (Ep - (Ef - Ei))/(0,97 × (Ew + Ef))


x Ep representa a energia anual produzida sob a forma de calor
ou electricidade. É calculada multiplicando por 2,6 a energia
sob a forma de electricidade e por 1,1 o calor produzido para
uso comercial (GJ/ano)
x Ef representa a entrada anual de energia no sistema a partir
de combustíveis que contribuem para a produção de vapor
(GJ/ano)
x Ew representa a energia anual contida nos resíduos tratados
calculada utilizando o valor calorífico líquido mais baixo dos
resíduos (GJ/ano)
x Ei representa a energia anual importada com exclusão de Ew
e Ef (GJ/ano)
x 0,97 é um factor que representa as perdas de energia nas
cinzas de fundo e por radiação

5. VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA 151


Caso a eficiência energética seja inferior aos valores indicados, a
incineração será apenas considerada como uma operação de
eliminação de resíduos, pese embora a possibilidade de recuperar
energia térmica e eléctrica, com os consequentes proveitos
resultantes da sua comercialização.
Embora a incineração em grelha seja a operação mais disseminada
e comprovada como tecnologia, as condicionantes de natureza
ambiental, sobretudo relacionadas com os limites de emissões que
de forma contínua têm vindo a ser cada vez mais restritivos, têm
conduzido ao surgimento de novas tecnologias que, também
valorizando energeticamente os resíduos, conduzem a emissões
em que as exigências de tratamento são menos onerosas que na
incineração convencional.
Esses desenvolvimentos estão ainda associados à maior ou menor
contribuição para os GEE e para a possibilidade de valorização
associada à energia produzida e à substituição de combustíveis
fósseis.
Nos capítulos seguintes caracterizam-se as tecnologias de
valorização energética de resíduos urbanos, fazendo-se referência
às principais condicionantes de cada uma.

5.2 Incineração em grelha

5.2.1 Descrição do processo


É um processo de tratamento que permite reduzir o peso e, de
maneira mais acentuada, o volume dos resíduos através da
transformação provocada pela sua combustão, constituindo, sob o
ponto de vista de higiene, um dos modos mais satisfatórios de
resolver o problema da eliminação dos resíduos.
Da transformação dos resíduos através deste processo resultam
resíduos sólidos (cinzas e escórias), efluentes gasosos, e even-
tualmente efluentes líquidos, dependendo do processo de
tratamento de gases de combustão.
Enquanto as cinzas e escórias, que representam entre 20 e 30% do
peso inicial de resíduos, têm por destino normalmente um aterro, de
resíduos perigosos as primeiras e de resíduos não perigosos as
segundas, os efluentes gasosos ricos em partículas e ácidos
deverão ser submetidos a tratamento antes de serem lançados na
atmosfera.

152 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Esses tratamentos visam garantir que os limites de emissão, hoje
em dia grandemente restringidos em função da regulamentação
existente, sejam cumpridos de forma a evitar a ocorrência de
poluição, com os consequentes impactes a nível de saúde pública e
ambiente.
Do ponto de vista operacional, as principais etapas do processo de
incineração são as seguintes:
pré-tratamento;
combustão;
recuperação de energia;
tratamento das emissões gasosas;
tratamento dos efluentes sólidos.
Na Figura 51 apresenta-se de forma esquemática uma instalação
de incineração em grelha.

5.2.2 Pré-tratamento
Esta etapa destina-se a remover os materiais inconvenientes ao
processo.
Esta operação nas unidades de incineração em grelha é
relativamente simplificada, isto é, os resíduos apenas são
submetidos a uma homogeneização na fossa, visando obter um PCI
relativamente constante, sendo portanto incinerados com as
características que apresentam na descarga.
Apenas os resíduos volumosos, são removidos podendo ser
triturados para serem introduzidos no sistema de alimentação da
câmara de combustão, ou conduzidos a aterro.

5.2.3 Combustão
A incineração em grelha como processo de tratamento dos resíduos
depende essencialmente das características destes, sendo deter-
minante o poder calorífico e a capacidade de auto-combustão.
Efectivamente, por razões económicas a incineração de resíduos
deve fazer-se sem recurso a combustíveis auxiliares.
Para se verificar esta condição é necessário:
poder calorífico inferior (PCI) superior a cerca de 4.600 KJ/kg;
matéria combustível superior a 25% em peso;

5. VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA 153


Figura 51 – Esquema de incineração em grelha

154 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


ƒ humidade inferior a 50% em peso.
A capacidade de incineração depende da carga térmica da câmara
de combustão, que é dimensionada para um diagrama de
funcionamento resultante da quantidade de resíduos e do
respectivo PCI. Tal significa que quanto maior é o PCI menor é a
quantidade de resíduos a incinerar para se obter a máxima carga
térmica resultante da combustão.
As câmaras de combustão mais utilizadas são os de grelha móvel,
admitindo resíduos com PCI até cerca de 10.000 kJ/kg
Este tipo de câmaras possui, como o próprio nome indica, uma
grelha móvel que mantém os resíduos em permanente movimento à
medida que vão sendo incinerados, sendo as escórias depositadas
numa fossa de arrefecimento, passando previamente por
separadores magnéticos para retirada dos metais ferrosos.
A temperatura atingida na câmara de combustão varia de 850ºC na
base, até valores que podem atingir 1.000 a 1.100ºC nas zonas
mais altas em que se dá a combustão dos gases voláteis,
garantindo-se assim os requisitos de temperatura para a
incineração de RU.
Para evitar situações em que, devido ao PCI e humidade dos
resíduos, a temperatura baixe dos 850ºC, existem queimadores
auxiliares alimentados por outro combustível, normalmente gás, que
entram automaticamente em funcionamento para repor aquela
temperatura. Estes queimadores são também utilizados nos
arranques de funcionamento até se atingirem os 850ºC, momento a
partir do qual se pode iniciar a alimentação dos resíduos.
Os gases de combustão são arrefecidos através de vapor que
circula na caldeira, antes de serem conduzidos ao sistema de
tratamento para garantir a sua dispersão através da chaminé dentro
dos limites fixados para a emissão das substâncias poluentes.

5.2.4 Recuperação de energia


O aproveitamento da energia gerada no processo de combustão
pode revestir as seguintes formas:
ƒ energia térmica;
ƒ energia térmica e eléctrica;
ƒ energia eléctrica.

5. VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA 155


No primeiro caso, o vapor produzido é utilizado ou para consumo
industrial ou para aquecimento urbano.
É evidente que em países com condições climáticas amenas, o
aquecimento urbano tem um interesse reduzido, devido ao curto
período anual de utilização, pelo que este tipo de recuperação
apenas se justifica para a vertente industrial.
Neste caso os consumidores dever-se-ão situar a uma distância
viável de fornecimento, sendo desejável que este se faça em
contínuo, o que pressupõe que o consumo se adeqúe à produção
da unidade de incineração.
O segundo tipo é mais flexível que o anterior pois permite a
produção de vapor e electricidade, podendo, no caso de não haver
consumo para o vapor ou redução da procura deste, incrementar-se
a geração de energia eléctrica.
Neste tipo de instalações o vapor é produzido a alta pressão,
passando por uma turbina de contrapressão de forma a obter-se
uma redução da pressão até ao nível de utilização pelos
consumidores.
A rede de vapor faz-se em ciclo fechado, de modo a que na falta de
consumo este possa retomar à instalação e ser condensado.
Quando a produção de energia é feita exclusivamente na forma de
energia eléctrica, o vapor passa por uma turbina de condensação,
podendo a sua refrigeração ser feita por ar ou num condensador
refrigerado a água.
Qualquer que seja a forma de aproveitamento, a quantidade de
energia lançada na rede depende do rendimento dos diferentes
equipamentos de conversão e particularmente da capacidade
térmica da câmara de combustão; esta por sua vez é condicionada
pelo PCI dos resíduos e pelas características construtivas da
câmara.
Como valor de referência pode indicar-se para a produção de 1
kWh de energia eléctrica se torna necessário incinerar 2,5 a 5 kg de
resíduos sólidos aproximadamente, dependendo do valor do PCI.

156 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


5.2.5 Tratamento de emissões gasosas
Composição dos efluentes gasosos
A composição dos efluentes gasosos originados numa unidade de
incineração é bastante complexa, encontrando-se presentes um
elevado número de substâncias.
A combustão perfeita e completa de qualquer resíduo orgânico
produz basicamente três substâncias: CO2, H2O e cinzas, sendo
todas elas inertes. Contudo, na prática os processos e reacções
químicas nunca são completos pelo que, nos gases de combustão,
aparecem vários compostos de alta nocividade quer para a saúde
pública quer para o ambiente em geral.
No Quadro 32 apresenta-se uma listagem dos componentes que
geralmente aparecem nos gases de combustão:

Quadro 32 – Componentes dos gases de incineração


Sólidos Vapores (a ) Gases

Partículas (poeiras) Micronutrientes orgânicos CO


Cinza – Dioxinas / furanos (PCDD, PCDF) NO
Fuligem (carbono) Hidrocarbonetos aromáticos policiclicos (HAP) N2O
Policlorobifenilos e trifenilos (PCB, PCT) NO2
SO2
Metais pesados (b): Produtos de combustão imcompleta (PCI) SO3
Cd, Be, As, Cr, Ba, Ni, Se, HCl
Ag, Tl, Sb, Pb, Hg
Metais pesados (c): HF
– Hg, Pb Cl2
HBr

a) Geralmente são líquidos à temperatura ambiente, mas encontram-se no estado de


vapor nas condições dos gases de combustão.
b) Condensados ou ocluídos nas cinzas e geralmente na forma combinada ou não
atómica.
c) Na forma atómica ou combinada.

Os valores-limite (valores médios diários) para as emissões


atmosféricas impostos pela legislação portuguesa para instalações
de resíduos urbanos são os seguintes.

5. VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA 157


t partículas totais … 10 mg/m3.
t substâncias orgânicas em forma gasosa e de vapor,
expressas como carbono orgânico total…10 mg/m 3.
t HCl … 10 mg/m3.
t HF … 1 mg/m3.
t SO2 … 50 mg/m3.
t monóxido de azoto (NO) e dióxido de azoto (NO2),
expressos como dióxido de azoto:
– instalações de incineração existentes com capacidade
superior a 3 t/h ou instalações de incineração novas …
… 200 mg/m 3.
– instalações de incineração existentes com capacidade
igual ou inferior a 3 t/h .... 400 g/m3.
t CO (excluindo as fases de arranque e paragem)
… 50 mg/m 3 de gás de combustão.
t dioxinas e furanos ... 0,1 ng/m3 (valores médios medidos
durante um período de amostragem mínimo de 6 horas e
máximo de 8 horas).
t metais pesados (valores médios obtidos durante um
período de amostragem mínimo de 30 minutos e máximo
de 8 horas):
Quadro 33 – Limites de emissão
Substâncias

Mercúrio e seus compostos, expressos em mercúrio (Hg)


0,05 mg/m3

Cádmio e seus compostos, expressos em cádmio (Cd)


Tálio e seus compostos, expressos em tálio (Cd)
total 0,05 mg/m3

Antimónio e seus compostos, expressos em antimónio (Sb)


Arsénio e seus compostos, expressos em arsénio (As)
Chumbo e seus compostos, expressos em chumbo (Pb)
Crómio e seus compostos, expressos em crómio (Cr)
Cobre e seus compostos, expressos em cobre (Cu) total 0,50 mg/m3
Manganês e seus compostos, expressos em manganês (Mn)
Níquel e seus compostos, expressos em níquel (Ni)
Vanádio e seus compostos, expressos em vanádio (V)
Cobalto e seus compostos, expressos em cobalto (Co)

158 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Principais processos utilizados no tratamento dos efluentes
gasosos
Os efluentes gasosos têm de ser sujeitos a tratamento antes da sua
emissão para a atmosfera. Há um número muito vasto de
processos, pelo que neste ponto faz-se somente uma descrição
sumária dos mais utilizados.
x Partículas
Há diversos processos associados à remoção de partículas. A
escolha de um determinado processo depende, por um lado, da
ordem de grandeza das partículas a remover e, por outro, da
eficiência de remoção desejada.
Podem ser utilizados ciclones (Dry Cyclonic separators), preci-
pitadores electrostáticos (via húmida ou seca), despoeiradores de
gases de alto rendimento, do tipo filtro de mangas, etc.
Os ciclones são geralmente utilizados como pré-tratamento dos
gases dado removerem somente partículas com dimensão superior
a 15 um.
Os precipitadores electrostáticos apresentam elevados níveis de
eficiência na remoção de partículas de dimensões superiores e
inferiores a 2 um. A via húmida é mais eficiente que a seca
apresentando contudo a desvantagem de produzir efluentes
líquidos que requererem tratamento posterior.
Este processo apresenta ainda como vantagens o poder operar
com gases detendo elevadas temperaturas e humidade e, para
além da remoção de partículas poder proceder ainda à separação
de aerossóis.
Os despoeiradores tipo filtro de mangas apresentam também, à
semelhança dos anteriores, elevados níveis de eficiência na
remoção do mesmo tipo de partículas. Podem ser divididos em filtro
de saco com fluxo de ar invertido e filtro de saco com jacto pulsado,
consoante o método de limpeza adoptado. Neste processo deve ser
dada uma atenção especial à temperatura e grau de humidade dos
gases a tratar.
De salientar que, quando o sistema de remoção de gases ácidos,
que adiante se desenvolve, se efectua por via húmida, o processo
de remoção de partículas antecede aquele e, contrariamente,
quando o método adoptado é do tipo seco ou semi-seco, a remoção
de partículas é efectuada posteriormente.

5. VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA 159


x Gases ácidos
Há três alternativas básicas para a remoção dos gases ácidos, SO2,
HCl e HF:
Via húmida – Os gases são removidos através da utilização de
soluções aquosas de agentes alcalinos (ex: solução de hidróxido de
sódio) em depuradores que utilizam o efeito de Venturi. É o
processo que tem maior eficiência no tratamento dos gases ácidos,
apresentando no entanto a desvantagem de produzir efluentes
líquidos que têm de ser sujeitos a tratamento.
Via semi-seca – Este método consiste em pulverizar uma solução
aquosa de hidróxido de cálcio (leite de cal) na corrente dos gases.
A estes reactores de neutralização estão sempre associados
dispositivos de atomização do reagente de neutralização e de
promotores de efeitos de turbilhamento: a turbulência dos gases de
combustão e a pulverização da solução aquosa de hidróxido de
cálcio promovem um estreito contacto gás-sólido, aumentando a
eficiência do processo de remoção.
Via seca – Este método requer pouco equipamento adicional e não
produz efluentes líquidos. Apresenta no entanto baixos rendimentos
e um alto consumo de reagentes (pedra calcária); o reagente pode
ser misturado com os resíduos antes da combustão ou introduzido
separadamente na câmara de combustão.
x Dioxinas e furanos
Uma das formas de prevenir a formação de dioxinas é garantir que
o processo de combustão decorra o mais eficientemente possível.
Assim, na directiva 89/369/CEE – era já referido que «qualquer
nova instalação de incineração de resíduos urbanos deve ser
concebida, equipada e explorada de modo a que os gases
provocados pela combustão dos resíduos atinjam, após a última
injecção de ar de combustão, de uma forma controlada e
homogénea, e mesmo nas condições mais desfavoráveis, uma
temperatura de pelo menos 850ºC durante um período não inferior
a dois segundos, em presença de pelo menos 6% de oxigénio»).
Tal imposição é reafirmada no Decreto-Lei n.º 85/2005, de 28 de
Abril, relativo à incineração de resíduos. Assim, o n.º 1 do artigo
19.º exige que seja obtida uma combustão completa dos resíduos.
Para comprovação, «as escórias e cinzas provenientes da
incineração devem apresentar um teor de carbono orgânico total
inferior a 3%. Para além disso, a temperatura dos gases deve
atingir um mínimo de 850ºC durante, pelo menos, 2 segundos. Esta

160 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


temperatura deve ser mantida mesmo nas condições mais
desfavoráveis, pelo que todas as instalações devem ser equipadas
com queimadores auxiliares, a fim de permitir a manutenção dessa
temperatura enquanto a câmara contiver resíduos».
Igualmente se prevê que seja automaticamente impedida a entrada
de resíduos no processo de combustão, caso não seja atingida a
temperatura mínima no arranque ou na operação contínua e no
caso de as emissões excederem os valores limite de emissão. Isto
garante que os resíduos apenas sejam incinerados em condições
controladas.
Para além deste controlo são ainda utilizados métodos adicionais
de tratamento: um dos métodos consiste na utilização de carvão
activado; neste método não há destruição das dioxinas mas sim
uma retenção das mesmas, pelo que será sempre necessário
efectuar um tratamento posterior aos efluentes gerados durante o
processo. Outro método consiste na utilização de processos de
redução catalítica; este método utiliza um catalítico, óxido metálico,
provocando a destruição das dioxinas pela sua reacção com o
oxigénio.
x Emissões de NOx
A produção de óxidos de azoto pode ser minimizada através de
uma série de medidas de controlo do processo de combustão. Para
além destes podem existir controlos adicionais como a redução
catalítica.
Em reactores de leito fluidizado, a produção de óxidos de azoto
pode ser minimizada através do controlo da quantidade de ar
fornecida ao processo.
Em reactores de grelha móvel os métodos mais usuais baseiam-se
na utilização de processos de redução selectiva não catalítica, por
meio de injecção de amónia na câmara de combustão.
Na Figura 52 é apresentado o esquema de tratamento de gases de
combustão pelo processo semi-seco.

5. VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA 161


Figura 52 – Esquema de tratamento de gases por processo semi-seco

5.2.6 Tratamento dos resíduos do processo


As cinzas volantes e os resíduos provenientes do tratamento dos
gases de combustão contêm concentrações elevadas de metais
pesados.
Os metais pesados, dada a sua natureza química, não são
destruídos pelo calor. Deixarão assim a câmara de combustão ou
as emissões gasosas incorporando as partículas retidas nos filtros e
os resíduos resultantes do processo de depuração dos gases de
combustão.
Dado que o processo de incineração implica uma redução
significativa do volume inicial dos RU, os metais pesados aparecem
em concentrações elevadas nos produtos finais deste processo, em
especial, nas cinzas. Dependendo da concentração destes
poluentes estes produtos poderão ter de sofrer um tratamento como
resíduos perigosos.
As escórias apresentam, em geral, um baixo teor de matéria
orgânica e uma concentração em metais pesados bastante inferior
à dos resíduos de tratamento dos gases de combustão. Por este
motivo o destino final destes materiais é geralmente diferente; os
resíduos do tratamento dos gases de combustão são conduzidos a

162 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


um aterro de resíduos perigosos ou após sofrerem um processo de
inertização são depositadas num aterro, normalmente infra-
estruturado como aterro de resíduos perigosos. As escórias, após
tratamento, podem ser utilizadas como matéria-prima na construção
civil, pavimentação ou cobertura de aterros de resíduos urbanos.

5.2.7 Tratamento dos efluentes líquidos


O tratamento de efluentes líquidos provenientes de uma instalação
de incineração tem especial significado para os efluentes
provenientes da depuração dos gases de combustão, quando o
processo é húmido.
No Decreto-Lei n.º 85/2005 de 28 de Abril, relativo à incineração de
resíduos, nos artigos 33.º e 34.º estabelecem-se os requisitos para
o controlo das descargas para a água, referindo nomeadamente
que todas as descargas devem estar sujeitas a uma licença. Essa
licença tem como objectivo garantir que a legislação, nacional e
comunitária, seja respeitada e que os valores-limite de emissão
especificados (Quadro 34) sejam cumpridos.

Quadro 34 – Valores-limite de emissão para descarga de efluentes


provenientes da depuração de gases
Substâncias VLE
Total de sólidos em suspensão 30 mg/L
Mercúrio e seus compostos, expressos em mercúrio (Hg) 0,03 mg/L
Cádmio e seus compostos, expressos em cádmio (Cd)
Tálio e seus compostos, expressos em tálio (Cd) 0,05 mg/L

Antimónio e seus compostos, expressos em antimónio (Sb)


Arsénio e seus compostos, expressos em arsénio (As)
Chumbo e seus compostos, expressos em chumbo (Pb)
5 mg/L
Crómio e seus compostos, expressos em crómio (Cr)
Cobre e seus compostos, expressos em cobre (Cu)
Manganês e seus compostos, expressos em manganês (Mn)
Níquel e seus compostos, expressos em níquel (Ni)
Vanádio e seus compostos, expressos em vanádio (V)
Dioxinas e furanos, definidos como a soma das dioxinas e 0,3 ng/L
furanos individuais

5. VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA 163


5.2.8 Controlo do processo
Para que o processo de incineração decorra nas melhores
condições possíveis, é indispensável o controlo de alguns
parâmetros:
Tempo – Como a incineração é um processo que envolve
processos e reacções químicas complexas, o tempo é um factor
chave para que estas se processem na sua totalidade.
O tempo necessário para que as diferentes reacções em jogo se
realizem na sua plenitude é variável, dependendo de vários factores
como a temperatura, turbulência e a presença de oxigénio, que a
seguir se descrevem.
Temperatura – A temperatura à qual ocorre a combustão dos
resíduos tem diversos efeitos, nomeadamente, no tempo requerido
para a combustão (maiores temperaturas implicam uma maior
velocidade das reacções químicas) e na formação de substâncias
como as dioxinas, furanos e óxidos de azoto, conforme já se fez
referência.
Turbulência – A turbulência permite uma homogeneização da
massa dos resíduos evitando que se formem quer zonas frias quer
zonas pobres em oxigénio que possam influenciar a velocidade das
reacções de oxidação.
Oxigénio – Se a alimentação em oxigénio for superior às
necessidades estequiométricas das reacções em jogo, estas serão
efectuadas de forma completa e a uma velocidade mais elevada.
Outros parâmetros devem também ser tomados em consideração,
de forma a prevenir eventuais problemas de corrosão provocados
pelas cinzas e produtos gasosos da combustão.
Assim, será necessário:
ƒ evitar condensações ácidas sobre as paredes, devidas
essencialmente à presença do SO3 e HCl; para o efeito um
especial cuidado deve existir na selecção da temperatura de
arrefecimento dos gases;
ƒ manter a temperatura de combustão, na medida do possível,
abaixo do ponto de fusão das cinzas para evitar incrustações
sobre as grelhas;
ƒ ter particular atenção na escolha dos refractários, a fim de
evitar que eles entrem em reacção com elementos do meio em
combustão.

164 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


5.2.9 Custos
Na Figura 53 apresentam-se as curvas de custo construídas por
Tsilemou & Panagiotakkopoulos (2006) para instalações de
incineração.
Na sua utilização deverão ser tidos em conta os aspectos de
aplicabilidade relevados pelos autores (v. ponto 4.2.5 ).
Custos de investimento (106 €)

Custos de operação (€/t)

Capacidade da instalação (103 t/ano) Capacidade da instalação (103 t/ano)

Figura 53 – Custos de investimento e operação de instalações de


incineração (preços 2003)

5.3 Leitos fluidizados

5.3.1 Descrição do processo


O sistema de leito fluidizado é um processo de incineração aplicável
aos resíduos urbanos, requerendo no entanto, ao contrário da
incineração em grelha, uma homogeneizaçao dos resíduos, e
também uma granulometria regular e relativamente reduzida.
Tais requisitos implicam que, a montante da incineração, exista um
pré-tratamento relativamente complexo e com custos elevados de
modo a obter uma massa homogénea e a rejeitar os materiais
inertes e inconvenientes para o processo.
Em função das características referidas, este processo começou a
emergir para os RU a partir do desenvolvimento dos TMB,
particularmente associado à produção de CDR, na medida em que
é possível este constituir um combustível com relativa
homogeneidade, em função dos equipamentos mecânicos de
separação e densificação utilizados.
Por outro lado o processo admite combustíveis com PCI elevado,
acima dos 10.000 kJ/kg (caso da generalidade dos diferentes tipos

5. VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA 165


de CDR), situação que o favorece relativamente à incineração em
grelha, que apresenta esta limitação.
O incinerador de leito fluidizado é normalmente constituído por uma
câmara de combustão vertical, na base da qual, numa grelha ou
plataforma perfurada, existe uma camada de material inerte,
geralmente areia, que é fluidizada com ar. Este ar, pré-tratado e
aquecido, é introduzido através da base perfurada formando com a
areia um leito fluidizado.
A alimentação dos resíduos é efectuada de modo contínuo, através
de alimentadores rotativos em estrela, parafusos sem-fim, em
partículas de pequenas dimensões, da parte superior da câmara
para a base, garantindo-se deste modo a sua secagem e rápida
ignição.
Sobre o leito fluidizado efectua-se a combustão e volatilização
depositando-se as cinzas e escórias na base. Quando estas se
encontram em excesso são retiradas, sofrendo o mesmo tipo de
eliminação das resultantes do processo de incineração em grelha.
As temperaturas na câmara de combustão atingem valores entre
850ºC e 950ºC, de acordo com as imposições legislativas relativas
à incineração de RU.
Os gases de combustão são objecto de tratamento à semelhança
do que acontece no processo de incineração em grelha, embora
beneficiando da maior homogeneidade dos resíduos incinerados,
que permitem um melhor controlo das emissões.
O arrefecimento dos gases é efectuado com vapor aproveitando-se
a carga térmica gerada para a produção de energia térmica e
eléctrica.
Dado o maior PCI dos resíduos incinerados por este processo, é
possível obter potências térmicas elevadas com menores
quantidades de resíduos do que as necessárias para as mesmas
potências com a incineração de resíduos indiferenciados em grelha.
Tal facto permite que a viabilidade técnica e económica destas
instalações seja atingida para capacidades menores dos que as
verificadas na incineração convencional.

5.3.2 Recuperação de energia


O aproveitamento da energia gerada no processo de combustão
pode revestir as seguintes formas:

166 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


ƒ energia térmica;
ƒ energia térmica e eléctrica;
ƒ energia eléctrica,
tal como referido para a incineração em grelha.

5.3.3 Tratamento de emissões gasosas


O tratamento dos gases de combustão é efectuado com sistemas
idênticos aos dos utilizados na incineração em grelha, sendo no
entanto de menores dimensões face ao melhor controlo dos
diferentes poluentes e níveis de emissão, resultantes da
homogeneidade e pré-tratamento dos resíduos.

5.4 Pirólise / gaseificação

5.4.1 Descrição do processo


O processo de pirólise consiste na decomposição da matéria
orgânica na ausência de um agente oxidante (oxigénio). Usa-se
também este termo para o processo de gaseificação, em que a
combustão dos resíduos é feita num ambiente deficitário em
oxigénio.
Em termos químicos, a destruição térmica da matéria orgânica leva
à produção de:
ƒ uma mistura gasosa essencialmente constituída por hidrogénio,
metano, monóxido de carbono e dióxido de carbono, e em
menor percentagem butano, propano, propeno e etano; a
composição típica desta mistura, num processo conduzido na
ausência total de oxigénio, é a seguinte:
H2……………… 54%
CH4…………….10%
CO……….…….10%
CO2…………… 23%
CnHm …………... 2%
N2 ……………….. 1%;
ƒ um «alcatrão» ou «óleo», líquido à temperatura ambiente,
constituído por compostos orgânicos parcialmente oxidados,
como o ácido acético, metanol e acetona; este «óleo» é
combustível, devendo contudo sofrer um tratamento prévio à

5. VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA 167


sua utilização, para remoção de elementos corrosivos, nomea-
damente compostos à base de cloro e enxofre;
ƒ um «carvão», geralmente designado por «coque», constituído
por carbono quase puro e inertes (vidro, metal, pedras, etc.)
que entram no processo; para a utilização deste carvão como
combustível é necessário efectuar primeiro uma separação das
duas fracções existentes.
Estes três produtos podem ser usados como combustível,
apresentando os seguintes valores típicos de poder calorífico:
ƒ gás: 3,7 – 22,4 MJ/m3
ƒ líquido: 23,3 – 25,6 MJ/kg
ƒ sólido: 14 – 21 MJ/kg
A proporção relativa dos três produtos depende dos métodos e
processos de pirólise adoptados e, consequentemente, dos
parâmetros e condições que comandam a reacção, os quais são
por sua vez definidos em função dos objectivos que se pretendem
atingir com o processo.
Em termos químicos, o processo pode ser ilustrado pela
decomposição térmica da celulose:
(C6H10O5)n o H2 + CO + CH4 + CO2 + CnHm (hidrocarbonetos)
O tipo de hidrocarbonetos formados depende do tempo de reacção,
temperatura, pressão e presença de catalisadores.
A pirólise aplicada à valorização dos resíduos urbanos pode incluir
alguns dos seguintes processos:
x pré-tratamento
Esta fase pode envolver a secagem, triagem de materiais inertes e
trituração.
x pirólise
Processa-se em três etapas, determinadas pela taxa de aque-
cimento:
– decomposição inicial dos sólidos, em que as moléculas de H2O,
CO2 e CO são consumidas;
– decomposição mais extensa dos sólidos, de que resulta a
formação de líquidos orgânicos como alcatrões e óleos;

168 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


– decomposição final dos sólidos e líquidos, em que produtos mais
simples como H2, CH4, C2H6 são consumidos, restando apenas o
carvão.
x gaseificação
x combustão do carvão como fonte de calor para a pirólise e
gaseificação.

5.4.2 Pirólise de resíduos urbanos


Na pirólise de resíduos urbanos, a produção de líquidos (incluindo
água) é aproximadamente 50–60% dos resíduos secos, diminuindo
com o aumento de temperatura do processo.
A produção de gás varia entre 15 a 35% dos resíduos secos, e
diminui com o aumento de temperatura do processo entre 480 e
925ºC. Geralmente considera-se que a pirólise de 1 kg de RU
combustível produz 0,125 a 0,185 m3 de gases com um poder
calorífico de 12,5 MJ/m3.
O carvão sólido formado no processo a uma temperatura por
exemplo de 925ºC, é comparado a betuminoso e antracite, variando
a produção entre 17 a 32% dos resíduos secos.
Os sistemas de pirólise podem ser projectados para tratar resíduos
urbanos em bruto ou sujeitos a tratamento prévio.
O tratamento prévio pode envolver uma operação de triagem do
vidro e dos metais para valorização e uma operação de trituração
de modo a permitir a alimentação do reactor com uma matéria-
prima mais homogénea.
O elevado conteúdo de humidade dos RU em bruto pode conduzir à
produção de um grande volume de água residual condensada a
partir dos gases produzidos, pelo que pode também ser necessária
uma operação de secagem prévia, para que o conteúdo de
humidade dos RU em bruto seja reduzido para aproximadamente
10%.
De salientar que uma instalação de pirólise, de acordo com o
Decreto-Lei n.º 85/2008 de 28 de Abril, é considerada como uma
instalação de incineração, pelo que todas as orientações ali
descritas e que são objecto de pormenorização no capítulo da
incineração também aqui se aplicam. Assim, no n.º 1 do artigo 3º é
referido como instalação de incineração «qualquer unidade e
equipamento técnico fixo ou móvel dedicado ao tratamento térmico

5. VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA 169


de resíduos, com ou sem recuperação da energia térmica gerada
pela combustão».
Esta definição inclui a incineração por oxidação de resíduos, bem
como a pirólise, a gaseificação ou outros processos de tratamento
térmico, como por exemplo, processos de plasma, na medida em
que os produtos de tratamento sejam subsequentemente
incinerados.

170 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO
6.1 Nota introdutória
Na linha da estratégia actual da gestão de resíduos urbanos, que o
Decreto-Lei n.º 178/2006 e o PERSU II consagram, a deposição em
aterro deve ser encarada como uma operação de fim de linha, à
qual se deve recorrer apenas quando for técnica ou econo-
micamente inviável a prevenção, reutilização, reciclagem ou outras
formas de valorização dos resíduos.
Neste sentido, o quadro existente em matéria de resíduos
preconiza, a par do incremento da reciclagem multimaterial, o
desvio de RUB de aterro por via das unidades de digestão
anaeróbia, compostagem, TMB e incineração com recuperação de
energia existentes e previstas no PERSU II, com vista ao
cumprimento das metas estabelecidas a nível nacional.
No entanto, os aterros continuarão a ser imprescindíveis como
destino final dos resíduos urbanos, nas situações de paragens,
programadas ou acidentais, das infra-estruturas a montante, bem
como para os refugos não valorizáveis provenientes dos diversos
processos de tratamento.
Assim, face a esta realidade, importa assegurar que a deposição de
resíduos em aterro seja controlada e gerida de forma adequada, de
acordo com regras que garantam a salvaguarda do meio ambiente
e das populações.
O Decreto-Lei n.º 183/2009, de 10 de Agosto, é o diploma que no
quadro legislativo actual consagra as normas aplicáveis em matéria
de instalação, exploração, encerramento e manutenção pós-encer-
ramento de aterros.
Este diploma estabelece, para além das características técnicas
específicas para cada uma das classes de aterro definidas, isto é:
aterros para resíduos inertes;
aterros para resíduos não perigosos, em que se enquadram os
resíduos urbanos;
aterros para resíduos perigosos;
estabelece ainda a tipologia de procedimentos e critérios de
admissão de resíduos nestas instalações.

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 171


A Decisão 2003/33/CE, de 19 de Dezembro de 2002, veio
entretanto estabelecer os critérios e processos de admissão de
resíduos em aterro, a vigorar a partir de Julho de 2005,
sobrepondo-se neste âmbito às matérias constantes do Decreto-Lei
n.º 152/2002, entretanto revogado pelo Decreto-Lei n.º 183/2009, de
10 de Agosto.

6.2 Princípios gerais


A deposição de resíduos em aterro é uma operação de eliminação
que consiste basicamente na sua colocação no terreno, através de
técnicas que evitem perigos para a saúde pública, degradação da
paisagem, poluição das águas subterrâneas e outros riscos
ambientais.
Normalmente os resíduos são depositados em camadas de cerca
de 2 m de altura, que se sobrepõem, através de meios mecânicos
de movimentação, sendo efectuada diariamente a sua cobertura
com material inerte. Evita-se assim a ocorrência de cheiros, o
espalhamento de materiais ligeiros pelo vento e a proliferação de
roedores e insectos.
Num aterro executado com compactação dos resíduos, os
processos biológicos de degradação da matéria orgânica existente
são predominantemente anaeróbios, em virtude de não se
proporcionar a circulação de ar, do que resulta a produção de
biogás, implicando sistemas de drenagem e captação que poderão
eventualmente conduzir à hipótese do seu aproveitamento
energético.
A compactação num aterro pode obter-se fundamentalmente
através de:
máquinas de compactação que, por passagens sucessivas
sobre os resíduos e por efeito de compressão, reduzem o seu
volume, aumentando a densidade para valores da ordem de
0,6 a 0,9 t/m3;
prensagem dos resíduos em fardos, elevando a sua densidade
para valores da ordem de 1,0 a 1,2 t/m3.
Este último processo pressupõe uma operação prévia, envolvendo
unidades e equipamentos a montante da deposição em aterro, que
normalmente conduzem a custos mais elevados e a uma menor
flexibilidade face a flutuações da quantidade de resíduos.

172 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Na construção e exploração de um aterro os aspectos relacionados
com as potenciais formas de poluição deverão ser devidamente
acautelados, de maneira a evitar ou minimizar os riscos deste
processo.
Os principais problemas que se colocam neste domínio respeitam a
emissões líquidas (lixiviados) e gasosas (biogás).
As condições de impermeabilização requeridas para evitar a
contaminação de aquíferos através de condições naturais do
próprio terreno ou de revestimento da base com solos de baixa
permeabilidade ou tela plástica favorecem o desenvolvimento e
acumulação de efluentes líquidos altamente contaminados, os
lixiviados.
A construção do aterro deve prever sistemas de drenagem e
concentração destes efluentes, de modo a minimizar a sua
quantidade. Por isso é importante a separação dos lixiviados de
todas as outras águas, superficiais e pluviais, mediante sistemas de
drenagem distintos.
Os aspectos relacionados com o tratamento de lixiviados, utilizando
técnicas de recirculação através da massa de resíduos ou
equipamentos específicos no próprio local ou em instalações
existentes para o tratamento de outras águas residuais, são
igualmente importantes e um factor que tem repercussões sobre o
custo do processo.
No que respeita aos gases do aterro, o esquema de drenagem
destina-se fundamentalmente a evitar migrações incontroladas, em
função da perigosidade que apresentam, risco de explosão e
cheiros, e a sua condução a um sistema de queima ou de
aproveitamento energético, se viável, de forma a reduzir o impacte
do metano, seu componente principal, nos GEE.
Os processos biológicos decorrem durante anos após o
encerramento, provocando a continuação de ocorrência de
lixiviados e gases, e uma estabilização lenta do aterro, o que
condiciona a utilização futura do local.

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 173


6.3 Selecção de local para aterro
A escolha do terreno para implantação de um aterro de resíduos
revela-se regra geral bastante complexa, na medida em que é difícil
encontrar um local que reúna todos os requisitos para a construção
e operação deste tipo de infra-estruturas.
A avaliação de um local deve basear-se na análise dos aspectos
sócio-económicos e ambientais presentes, e na importância relativa
que lhes é atribuída.
Nos primeiros incluem-se as acessibilidades, as distâncias às
fontes produtoras de resíduos, a proximidade de zonas habitadas, o
impacto do tráfego e do ruído, a segurança e a saúde públicas, os
valores económicos, históricos e culturais, e os valores paisa-
gísticos.
Nos segundos incluem-se os aspectos naturais, como as condições
geotécnicas e hidrogeológicas, a geomorfologia, clima e meteo-
rologia, hidrologia, características agrícolas e florestais, e a sensi-
bilidade dos ecossistemas, e, por outro lado, também o uso e
ocupação do solo.
A escolha do local deve também ter em atenção as diferentes fases
de vida do aterro:
ƒ a fase de construção e exploração, correspondente a um
período temporário, mas com grandes alterações no próprio
local e envolvente;
ƒ a fase de manutenção, após encerramento, a qual condiciona o
uso futuro do terreno.
Deve igualmente contar com a participação dos diferentes
intervenientes em causa (autoridades competentes, câmaras
municipais e juntas de freguesia, projectistas, população inte-
ressada pela obra).
No sentido de obter informação integrada dos possíveis efeitos
directos e indirectos destas infra-estruturas sobre o ambiente
natural e social, prever a execução de medidas destinadas a evitar,
minimizar e compensar tais impactes, de modo a auxiliar a adopção
de decisões ambientalmente sustentáveis, e garantir a participação
pública, estão sujeitos a avaliação de impacte ambiental de acordo
com o previsto no Decreto-Lei n.º 69/2000, de 3 de Maio de 2000 e
alterações posteriores (com a redacção republicada no Decreto-Lei
n.º 197/2005, de 8 de Novembro):

174 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


ƒ os aterros de resíduos perigosos;
ƒ os aterros de resíduos não perigosos que recebam mais de
150.000 t/ano, ou que, ainda que não abrangidos por este
limiar, se localizem em áreas sensíveis ou sejam considerados
por decisão da entidade licenciadora ou competente para a
autorização do projecto, susceptíveis de provocar impacte
significativo no ambiente em função da sua localização,
dimensão ou natureza;
ƒ qualquer alteração, modificação ou ampliação das instalações
anteriormente mencionadas que possa ter impactes negativos
importantes no ambiente.
Em suma, o processo de selecção de um local para implantação de
um aterro deve contemplar a existência de condições naturais
favoráveis do ponto de vista de sustentabilidade ambiental e que
permitam minimizar os custos de construção, exploração e de
manutenção, bem como salvaguardar os recursos e valores
económicos, sociais e culturais existentes na região.

6.4 Concepção do aterro

6.4.1 Aspectos gerais


A concepção de um aterro deve ser efectuada numa perspectiva
integrada, de modo a que a sua construção, operação, manutenção
e monitorização respeitem as condições técnicas e ambientais
requeridas.
O diagrama da Figura 54 pretende ilustrar um conjunto de aspectos
que devem ser considerados.
No estabelecimento do layout geral da instalação, há a considerar
os seguintes elementos:
ƒ zona de entrada e controlo
ƒ áreas de deposição de resíduos
ƒ zona para depósito de terras de cobertura
ƒ zonas para os sistemas de tratamento de lixiviados e biogás
ƒ edifícios de apoio
ƒ zonas de parqueamento de viaturas ligeiras e pesadas.

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 175


Esquema de selagem
final e integração
paisagística Caracterização
geral
ATERRO SANITÁRIO
Acessibilidades

Análise de Cortina arbórea


estabilidade envolvente

Caracterização Pluviosidade,
da área ventos,
Modelação do aterro abrangida temperatura, etc.

Capacidade de Topografia ɿ Proximidade de habitações


encaixe Modo ɿ Linhas de águas
Condicionantes
de exploração ɿ Vias de circulação
Tratamento de
ɿ Outras situações
lixiviados
Produção de biogás
Estudo geológico,
hidrogeológico e geotécnico

Concepção
geral

Ɣ Geomorfologia
Implantação Produção Geologia Ɣ Litoestratigrafia
de resíduos Ɣ Tectónica
Células de Hidrogeologia
deposição de
resíduos Horizonte do projecto Sismicidade Ɣ Condições superficiais
Universo e evolução Ɣ Escavabilidade
Movimentos de Geotecnia
populacional Ɣ Condições de fundação
terras Ɣ Trabalhos complementares
Vias de acesso ɿ Solos Potencial de resíduos a
ɿ Geossintéticos desviar de aterro

Impermeabilização ɿ Filtros
Estimativa do volume
de fundo ɿ Drenos de resíduos a depositar
ɿ Tubagens
Drenagem de ɿ Acessórios
lixiviados

Drenagem de
pluviais

Drenagem de
biogás
Tratamento de
lixiviados

Figura 54 – Aspectos a considerar na concepção de um aterro

O dimensionamento das áreas de deposição e de tratamento acima


mencionadas depende da estimativa de resíduos a receber em
aterro e do método de exploração adoptado.
A área destinada à deposição de resíduos corresponde à zona mais
sensível do aterro, devendo por isso ser projectada de forma
cuidada e rigorosa, e tendo em conta designadamente as normas
técnicas e ambientais estabelecidas no quadro legislativo nacional.
No Quadro 35 apresentam-se os requisitos mínimos a que devem
obedecer os aterros, em função da correspondente categoria.

176 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Quadro 35 – Requisitos mínimos a que devem obedecer as diferentes
classes de aterros
Resíduos Resíduos não Resíduos
Categoria do aterro
inertes perigosos perigosos

Sistema de protecção ambiental passiva:


Barreira de segurança passiva Sim Sim Sim

Sistema de protecção ambiental activa:


Barreira de impermeabilização artificial Sim Sim
Sistema de drenagem de águas pluviais Sim Sim
Sistema de drenagem e recolha de lixiviados Sim Sim
Sistema de drenagem e tratamento de biogás (*) (*)

Sistema de encerramento
Camada de drenagem de gases (*) (*)
Barreira de impermeabilização artificial Sim
Camada mineral impermeável Sim Sim
Camada de drenagem > 0,5 m Sim Sim
Cobertura final com material terroso > 1m Sim Sim Sim

Instalações e infra-estruturas de apoio:


Vedação Sim Sim Sim
Portão Sim Sim Sim
Vias de circulação Sim Sim Sim
Queimador de biogás (*) (*)
(*) A definir em função do tipo de resíduos admitidos no aterro
(Decreto-Lei n.º 183/2009, Anexo I)

6.4.2 Fundação
O terreno de fundação deve possuir características mecânicas que
permitam suportar as cargas transmitidas pelo aterro.
Os assentamentos totais ou diferenciais expectáveis devem ser
mínimos, de modo a evitar a rotura ou comprometer o
funcionamento do sistema de impermeabilização de fundo e dos
restantes órgãos.
Para tal, é geralmente necessário proceder à escavação do terreno
para eliminação das camadas superficiais de terra vegetal com
fracas características mecânicas. O resultado dessa escavação
deve também proporcionar uma superfície regular e homogénea
que permita um contacto satisfatório com o sistema de
impermeabilização de fundo. Quando tal não é possível, há que
proceder à colocação de uma camada de regularização composta
por solos compactados sobre a totalidade ou parte da superfície de
fundação.
A caracterização dos terrenos de fundação deve ser efectuada na
fase de projecto (ou de estudos preliminares), através da execução
de campanhas de prospecção geotécnica.

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 177


Os trabalhos a desenvolver, cuja tipologia e número dependem das
condições locais e da complexidade técnica da construção do
aterro, devem permitir apurar as características geológicas,
hidrogeológicas e sísmicas com influência na capacidade de carga
da fundação, na estabilidade dos taludes e nos potenciais assen-
tamentos.

6.4.3 Sistema de impermeabilização de fundo e


taludes
A impermeabilização do fundo e dos taludes de um aterro envolve
uma protecção ambiental passiva e uma protecção ambiental
activa.
O sistema de protecção ambiental passiva deve garantir, durante a
fase de exploração e até completa estabilização dos resíduos, a
prevenção da poluição dos solos, das águas subterrâneas e de
superfície provocada pelos resíduos e lixiviados. Para tal, deve ser
constituído por uma formação geológica de baixa permeabilidade
com espessura adequada, de acordo com os seguintes requisitos:
a barreira geológica é determinada pelas condições geológicas
e hidrogeológicas inferiores e adjacentes ao local de implan-
tação do aterro;
a base e os taludes do aterro devem consistir numa camada
mineral que satisfaça as condições de permeabilidade e
espessura constantes do Quadro 36;
no caso da barreira geológica natural não apresentar as
condições acima mencionadas, poderá ser complementada
artificialmente e reforçada por outros meios; as barreiras
artificialmente criadas não poderão ser de espessura inferior a
0,5 m.

Quadro 36 – Condições de permeabilidade e espessura a que deve


obedecer o sistema de protecção ambiental passiva
Resíduos Resíduos não Resíduos
Categoria do aterro
inertes perigosos perigosos

-7 -9 -9
Coeficiente de permeabilidade (K, m/s) ” 1 x 10 ” 1 x 10 ” 1 x 10
Espessura (m) •1m •1m •5m
(Decreto-Lei n.º 183/2009, Anexo I)

178 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


O sistema de protecção ambiental activa, por sua vez, deve
permitir:
ƒ controlar a infiltração das águas de precipitação no aterro;
ƒ evitar a infiltração de águas superficiais e/ou subterrâneas nos
resíduos depositados;
ƒ captar águas contaminadas e lixiviados, garantindo que a
acumulação de lixiviados no fundo do aterro se mantém num
nível mínimo;
ƒ tratar as águas contaminadas e lixiviados captados do aterro
segundo as normas exigidas para a sua descarga;
ƒ captar, tratar e, se possível, valorizar o biogás produzido.
Para tal deve incluir:
ƒ barreira de impermeabilização artificial (constituída por uma
geomembrana ou dispositivo equivalente);
ƒ drenagem de águas pluviais;
ƒ drenagem e recolha de lixiviados;
ƒ drenagem e tratamento de biogás.
A Figura 55 ilustra o sistema de impermeabilização de um aterro.

Figura 55 – Sistema de impermeabilização do fundo e dos taludes de um


aterro

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 179


Os geossintéticos a utilizar devem ser dimensionados e carac-
terizados de acordo com especificações técnicas próprias e sujeitos
a controlo de qualidade em obra (v. ponto 6.5).
Existem diversos tipos de geossintéticos, dos quais são de destacar
os mais utilizados neste tipo de infra-estruturas:
ƒ Geocompósito bentonítico
Utilizado como barreira passiva, é composto por uma camada de
argila bentonítica envolvida em geotêxteis.
ƒ Geomembrana
Utilizada como barreira activa à migração de líquidos e gases, é
constituída por materiais poliméricos ou betuminosos flexíveis, com
baixos valores de permeabilidade.
ƒ Geotêxteis
São compostos por fibras naturais ou sintéticas (polipropileno,
poliéster, polietileno ou poliamida), o que, associado ao processo
de fabrico, lhes permite desempenhar várias funções: drenagem,
filtração, separação, protecção e controlo da erosão.
ƒ Geocompósito drenante
Utilizado com a função de drenagem nos taludes, constituído por
uma georrede com a função de dreno, unida a um geotêxtil (de
ambos os lados ou apenas num) com a função de filtro, ou a uma
geomembrana e um geotêxtil, em que a primeira desempenha a
função de barreira.
Em função do papel a desempenhar por cada um dos materiais
acima mencionados, o grau de importância das propriedades a
considerar na sua selecção é variável, conforme ilustrado no
Quadro 37.
Para as propriedades relevantes, devem ser especificados ao nível
do projecto os valores requeridos, as normas de ensaio e as
funções do material. O Quadro 38 e o Quadro 39 exemplificam
modelos de fichas de especificações.

180 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Quadro
Quadro37
37––Grau
Grau de
de importância
importância das
daspropriedades
propriedadesa considerar
a considerar
na na
escolha
escolha de
degeossintéticos
geossintéticos
Geomembranas
Geotêxteis e produtos afins e
geossíntéticos
Propriedades bentoníticos
Função
filtro separação reforço dreno protecção barreira
Espessura * ** ** **
Resistência à tracção ** ** ** ** ** **
Extensão * ** ** ** **
Resistência ao
punçoamento estático ** ** ** **
(CBR)
Resistência ao
punçoamento dinâmico * ** **
(cone drop test)
Atrito ** * **
Resistência rasgamento * * * **
Porometria ** * ** n.a.
Permeabilidade normal
ao plano ** * n.a.
(permissividade)
Permeabilidade no plano
* ** n.a.
(transmissividade)
Permeabilidade à água
(estanqueidade aos n.a. n.a. n.a. n.a. n.a. **
líquidos)
Permeabilidade ao gás
n.a. n.a. na n.a. n.a. **
(estanqueidade ao gás)
Durabilidade ** ** ** ** ** **
** muito importante * importante n.a. – não aplicável

(Barroso, M. & Lopes, M.G., 2008)

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 181


Quadro
Quadro
38 –38
Exemplo
– Exemplo
de de
quadro
quadro
dede
especificações
especificaçõesde
de geotêxteis
geotêxteis
Valores
Propriedades Norma de ensaio Função
requeridos
Porometria ... μm NP EN ISO 12956 filtro, dreno,
separação
Permissividade • ... mm/s NP EN ISO 11058 filtro, dreno
Transmissividade • ... m/s NP EN ISO 12958 dreno, filtro
Resistência à tracção longitudinal • ... kN/m NP EN ISO 10319 reforço,
separação, filtro,
transversal • ...kN/m
protecção, dreno
Extensão longitudinal • ... % reforço, protecção,
separação, filtro
transversal • ... %
Resistência ao punçoamento estático • ... kN NP EN ISO 12236 separação,
(CBR) * reforço, protecção
Resistência ao punçoamento • ... mm EN 918 reforço, protecção,
dinâmico (cone drop test)* separação
Resistência ao longitudinal • ... kN/m e.g. ASTM D 4533 protecção,
rasgamento separação, reforço
transversal • ... kN/m
Durabilidade dependente da ** todas
propriedade
Massa por unidade de área ... g/m2 NP EN ISO 9864 todas
Espessura ... mm NP EN ISO 9863-1 todas
Processo de fabrico tecido/não – todas
tecido, etc.
Tipo de polímero matéria-prima – todas
* Deve ter-se em consideração que este ensaio pode não ser aplicável a determinado tipo de
produtos afins, como por exemplo geogrelhas.

** De acordo com o Anexo B da norma europeia harmonizada relativa a aplicação de geotêxteis e


produtos afins em aterros de resíduos (NP EN 13257, para resíduos sólidos, e NP EN 13265, para
resíduos líquidos).
(Barroso, M.; Lopes, M.G., 2008)

182 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Quadro 39 – Exemplo de quadro de especificações de geomembranas
Propriedades
Propriedades Valores
Valoresrequeridos
requeridos Norma
Normadede
ensaio
ensaio
Polímero
Polímero matéria-prima
matéria-prima
Superfície
Superfície lisa
lisa/ /rugosa
rugosa
22
Massa
Massa por unidade de
de área
área ......g/m
g/m DIN
DINENEN
1849-2
1849-2
Espessura
Espessura ......mm
mm ASTM
ASTMDD
5199
5199
33 ASTM
ASTMDD1505
1505
/ /
Peso
Peso específico
específico ••......g/cm
g/cm
ASTM
ASTMDD792
792
(ISO
(ISO
1183)
1183)

Resistência
Resistência à tracção
tracção na
na longitudinal
longitudinal ••......kN/m
kN/m
cedência
cedência transversal
transversal ••......kN/m
kN/m

Resistência
Resistência à tracção
tracção na
na longitudinal
longitudinal ••......kN/m
kN/m
ASTM
ASTMDD
6693
6693
rotura
rotura transversal
transversal ••......kN/m
kN/m
longitudinal
longitudinal ......%%
Extensão
Extensão na cedência
cedência
transversal
transversal ......%%

Resistência
Resistência ao longitudinal
longitudinal ••......NN ASTM
ASTMDD
1004
1004
rasgamento
rasgamento transversal
transversal ••......NN ASTM
ASTMDD
1004
1004
Resistência
Resistência ao punçoamento
punçoamento estático
estático ••......NN DIN
DINEN
ENISO
ISO
12236
12236
Teor
Teor em
em negro de fumo
fumo ••......%% ASTM
ASTMDD
1603
1603
Dispersão
Dispersão em negro de
de fumo
fumo categoria
categoria ASTM
ASTMDD
5596
5596
Estabilidade
Estabilidade dimensional
dimensional ””......%% ASTM
ASTMDD
1204
1204
Período
Período para aparecimento
aparecimento de
de
>>......hh ASTM
ASTMDD
1693
1693
fissuração
fissuração

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 183


6.4.4 Sistema de drenagem de águas pluviais e
lixiviados
Drenagem pluvial
O sistema de drenagem das águas pluviais a implementar no aterro
deve considerar as suas características específicas e as condições
meteorológicas no local, de modo a minimizar a produção de
lixiviados e a erosão dos taludes do aterro.
Deverá contemplar:
desvio de linhas de água existentes na zona onde se localiza o
aterro;
desvio das águas pluviais que drenam para o aterro a partir das
vertentes naturais envolventes;
drenagem das águas pluviais que caiem directamente na área
de deposição do aterro;
drenagem das águas pluviais precipitadas sobre os resíduos
durante a fase de exploração;
drenagem das águas pluviais na zona de edifícios e arrua-
mentos.
O desvio das águas pluviais que drenam directamente para o aterro
a partir das vertentes naturais pode ser conseguido por meio de
valetas corta-águas localizadas nas cristas dos taludes envolventes.
No que se refere às águas pluviais que caiem directamente na área
de deposição, a sua drenagem pode ser efectuada por meio de
drenos ligados ao sistema de drenagem pluvial do aterro, enquanto
a zona não se encontrar preenchida com resíduos.
Drenagem de lixiviados
O sistema de drenagem de lixiviados tem como objectivo a rápida
remoção dos lixiviados do aterro, o controlo da altura de líquido
sobre o revestimento inferior e a minimização do risco de infiltração
dos lixiviados no solo.
Para tal, e de acordo com o estabelecido no Decreto-Lei n.º
183/2009, devem ser cumpridos os seguintes requisitos:
a inclinação do fundo do aterro deverá ser no mínimo 2% em
toda a área;

184 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


ƒ a permeabilidade hidráulica da camada drenante deverá ser
igual ou superior a 10-4 m/s;
ƒ a espessura da camada mineral drenante, colocada entre os
resíduos e o sistema de impermeabilização de fundo, deverá
ser no mínimo 0,5 m e isenta de material calcário; pode ser
constituída por 0,2 m de areia de granulometria fina a média e
0,3 m de material mineral natural britado ou rolado (20–50
mm); nos taludes esta camada pode ser substituída por
materiais sintéticos (geocompósito drenante).
O sistema de drenagem de lixiviados pode contemplar as seguintes
componentes, que se destinam a recolher e encaminhar os
lixiviados produzidos para fora da zona de deposição de resíduos:
ƒ drenagem de fundo composta por valas principais e secun-
dárias com tubagem em PEAD incorporadas na camada
drenante;
ƒ valas secundárias a intersectarem as primeiras;
ƒ sistema separativo e valetas de desvio de águas pluviais;
ƒ caixas de cabeceira e de derivação;
ƒ poços de reunião.
Também a modelação e faseamento de enchimento tem
repercussões na produção de lixiviados e consequentemente no
sistema de drenagem a adoptar.
Tendo como objectivo minimizar a produção de lixiviados, a zona de
deposição de resíduos pode ser seccionada em células ou alvéolos
mais pequenos (conforme ilustrado na Figura 56), separados
hidraulicamente por babetes (Figura 57 e Figura 58).
Deste modo as águas que caiem dentro das células em exploração
são encaminhadas para o sistema de drenagem de lixiviados,
enquanto que as que caiem nas células ainda sem resíduos, por
não serem contaminadas, são recolhidas e encaminhadas para o
sistema pluvial.
A Figura 56 ilustra o funcionamento das caixas de recolha de águas
pluviais e de lixiviados projectadas para um aterro cujas células se
encontram separadas hidraulicamente.

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 185


Figura 56 – Exemplo do sistema de drenagem de lixiviados projectado para
um aterro

186 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Figura 57 – Sistema de babetes instalado num aterro (Ambirumo)

Figura 58 – Pormenor de babetes (Ambirumo)

6.4.5 Sistema de tratamento de lixiviados


Os lixiviados recolhidos deverão ser sujeitos a tratamento e
posteriormente encaminhados para destino final adequado.
Os processos a utilizar devem ter em conta, por um lado as suas
características, por outro os valores-limite legais para a rejeição dos
efluentes líquidos e sólidos resultantes.
As características dos lixiviados variam ao longo dos anos de vida
do aterro. Assim os lixiviados jovens num aterro com resíduos
orgânicos apresentam uma elevada carga orgânica biodegradável e
um carácter ácido, enquanto que os mais velhos, na sequência da
fase metanogénica, se caracterizam por razões CBO/CQO muito
baixas e pH próximo do neutro ou básico. Os lixiviados de resíduos
inertes, por sua vez, não terão cargas orgânicas ou químicas
significativas.

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 187


Os esquemas de tratamento a adoptar deverão assim ser equa-
cionados caso a caso. Genericamente são comuns os tratamentos
em reactores biológicos associados a ultrafiltração por membranas,
complementados por tratamentos físico-químicos e/ou osmose
inversa.
O tratamento por osmose inversa de um lixiviado pré-tratado
consegue produzir um permeado com valores adequados para
descarga em linhas de água, o que normalmente não é possível
apenas com tratamentos biológico e/ou físico-químicos. No entanto
o concentrado resultante apresenta elevada salinidade, o que
coloca problemas quanto ao seu destino.
As tecnologias mais recentes consideram o tratamento comple-
mentar do concentrado da osmose inversa (por exemplo por
evaporação em vários estágios, com recirculação do efluente
líquido e inertização do sólido) ou esquemas complementares
/alternativos, como os baseados em processos de oxidação
(fotocatálise, ozonização, oxidação húmida com peróxido).

6.4.6 Sistema de drenagem e tratamento de biogás


O projecto de um aterro que receba resíduos biodegradáveis deve
contemplar a drenagem, captação e tratamento do biogás
produzido.
A extracção do biogás é efectuada através de drenos instalados no
interior da massa de resíduos, ligados a uma rede de colectores de
superfície que o canalizam para o exterior da zona de deposição.
A extracção pode ser efectuada de forma passiva ou activa.
No primeiro caso, devido à diferença de pressão entre o interior do
aterro e a atmosfera, o gás flui naturalmente até ao sistema de
drenagem, enquanto no segundo, os colectores de drenagem de
biogás estão ligados a um sistema de bombagem que assegura o
seu encaminhamento até ao queimador ou sistema de aprovei-
tamento, mediante a aplicação de um diferencial de pressão ao
longo de toda a tubagem.
Podem ser utilizados:
ƒ drenos verticais instalados durante a exploração do aterro,
acompanhando a deposição dos resíduos em altura, com um
raio de influência da ordem de 25 m;
ƒ drenos horizontais, com saídas para o exterior;

188 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


ƒ corredores/trincheiras nos paramentos e a partir da base;
ƒ combinação de drenos horizontais e verticais.
O biogás captado e drenado deve ser posteriormente submetido a
tratamento, para que não seja libertado directamente para a
atmosfera.
Este tratamento pode consistir apenas na queima em facho ou, no
caso de ser economicamente viável, no seu aproveitamento
energético.

6.4.7 Sistema de encerramento


A cobertura a utilizar no sistema de encerramento de um aterro
poderá ser efectuada por meio de um sistema passivo ou activo.
No primeiro caso pretende-se minimizar a infiltração de águas no
aterro para diminuição da produção de lixiviados, e assim do
volume a recolher, tratar e eliminar, e também da altura de
lixiviados na massa de resíduos. Para tal, a cobertura deve ser
colocada logo após o final da fase de exploração do aterro.
A desvantagem apontada para este sistema relaciona-se com um
período mais longo para a estabilização do aterro e decorrente
prolongamento temporal do potencial efeito poluente que este pode
induzir.
No segundo caso é permitida a infiltração controlada de águas no
aterro, como mecanismo potenciador da degradação anaeróbia dos
resíduos, assistindo-se a uma remoção de maiores quantidades de
poluentes e à estabilização do aterro mais rapidamente.
Contudo, o volume de lixiviados a recolher, tratar e eliminar é maior,
embora por menos tempo, com consequências ao nível dos custos
de tratamento. Por outro lado, se o sistema de drenagem de
lixiviados não funcionar correctamente, pode verificar-se o aumento
da carga hidráulica do lixiviado sobre as barreiras de confinamento
inferior e nos taludes.
No entanto, de acordo com a legislação nacional, o sistema de
encerramento de um aterro deve cumprir os requisitos mínimos
apresentados no Quadro 35 do ponto 6.3, de forma a controlar a
infiltração das águas superficiais no interior do aterro, diminuir a
produção de lixiviados e garantir a contenção e protecção dos
resíduos e a respectiva integração paisagística.

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 189


Para este efeito, o sistema de encerramento contempla uma
combinação de camadas, constituídas por materiais naturais ou
sintéticos, cada uma das quais com funções específicas,
nomeadamente:
ƒ camada de drenagem de gases;
ƒ barreira de impermeabilização artificial;
ƒ camada mineral impermeável;
ƒ camada de drenagem pluvial, com 0,5 m de espessura;
ƒ cobertura final com material terroso, com espessura > 1 m.
O sistema de encerramento a adoptar depende dos materiais
disponíveis, do tipo de aterro e das condições ambientais locais.
Os custos associados à construção das camadas de drenagem, de
recolha de gás e de barreira representam cerca de metade do custo
total de cobertura (Barroso, M. & Lopes, M.G., 2007).
Assim, numa perspectiva de redução de custos, têm surgido
soluções alternativas para os sistemas de cobertura,
nomeadamente coberturas por evapotranspiração e por barreira
capilar.

Figura 59 – Esquema de selagem de um aterro

190 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


As primeiras consistem na colocação de uma camada espessa de
solo fino coberta por vegetação autóctone.
O seu funcionamento baseia-se em duas características dos solos
finos: baixa condutividade hidráulica saturada e elevada capacidade
de armazenamento em condições não saturadas. O solo não
compactado actua como um reservatório, retendo a água até que
esta seja removida por evapotranspiração.
De salientar, no entanto, que a espessura da camada de solo deve
garantir que as alterações do teor em água não ocorrem junto à
base, sob o risco da água se infiltrar nos resíduos subjacentes.
A espessura mínima a adoptar depende da precipitação, das
propriedades hidráulicas do solo em condições não saturadas e da
rapidez com que a água é evapotranspirada. Por outro lado,
também a apetência do solo para o desenvolvimento de vegetação
e a elevada capacidade de retenção de água são aspectos a
considerar no dimensionamento.
Tal como as convencionais, estas coberturas apresentam pró-
blemas relacionados com a dessecação e consequente fissu-ração.
Acresce ainda o facto de apresentarem um crescimento excessivo
das raízes da vegetação e biointrusão.
Apesar de se afigurarem como soluções promissoras para aterros
localizados em climas áridos e semi-áridos, estas alternativas
carecem ainda de estudos in situ para avaliação do seu desem-
penho.
As coberturas por barreira capilar são constituídas por uma camada
de solo fino sobre uma camada de solo grosseiro.
O seu funcionamento baseia-se no facto da camada de solo fino
apresentar uma sucção superior à da camada grosseira, em
condições não saturadas.
Para que a água migre da camada de solo fino para o solo
grosseiro é necessário que a sucção na interface entre as duas seja
igual. Se a camada subjacente permanecer não saturada, a
camada de solo fino funciona como um reservatório, retendo quase
na totalidade a humidade do solo, enquanto a camada de solo
grosseiro se comporta como uma barreira à percolação.
No entanto, o desempenho deste tipo de cobertura pode ficar
comprometido pela potencial migração do solo fino para a camada
mais grosseira, situação que pode ser resolvida com a colocação
de um geotêxtil com funções de separação e filtro entre as duas

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 191


camadas, e por ocorrência de períodos muito curtos de precipitação
elevada.

6.4.8 Vias de acesso


As vias de acesso e de circulação interna no aterro devem ter uma
largura mínima de 6 m, para permitir o cruzamento de viaturas, e
inclinações inferiores a 10%.
Por outro lado, o pavimento acima do sistema de revestimento do
aterro deve possuir capacidade de suporte e espessura suficiente
para a sua salvaguarda, da ordem de 0,60 m.

6.5 Aspectos relevantes na construção


A construção de um aterro envolve essencialmente actividades de
preparação do terreno (escavação e aterro) para criação dos
espaços destinados à deposição dos resíduos, e implantação das
respectivas infra-estruturas de apoio.
A área de deposição de resíduos é infra-estruturada com sistemas
de protecção ambiental, nomeadamente impermeabilização e
drenagem de pluviais e lixiviados.
A impermeabilização é a fase construtiva mais sensível, na medida
em que envolve a colocação de materiais geossintéticos, que deve
obedecer a um conjunto de procedimentos com vista a garantir a
segurança ambiental do aterro.
De facto, deficiências na colocação destes materiais poderão
conduzir a impactes ambientais significativos ao nível da
contaminação do solo, das águas superficiais e subterrâneas.
Face à complexidade associada a estes trabalhos, foi desenvolvido
pelo LNEC um Plano de Garantia de Qualidade da Instalação dos
Geossintéticos, no qual são definidos, para além das respon-
sabilidades dos diversos intervenientes (dono de obra, projectista,
empreiteiro, fiscalização, fornecedor/instalador, entre outros), os
procedimentos a adoptar e os documentos demonstrativos da
qualidade de construção.
Pela sua relevância, realçam-se especificamente neste capítulo tais
procedimentos aplicáveis à colocação dos geossintéticos.
Geomembranas
Antes da colocação da geomembrana a superfície subjacente e a
vala de ancoragem devem ser inspeccionadas, para garantir a
inexistência de irregularidades superiores a 2 cm (associadas a

192 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


pedras, raízes, resíduos, etc.), mudanças bruscas de inclinação,
zonas moles, fissuras por secagem excessiva, cavidades, etc.
A vala de ancoragem, a executar antes da colocação da geo-
membrana, deve possuir os cantos arredondados para não danificar
a geomembrana. Também o material a utilizar como enchimento
deve ter formas e dimensões que não comprometam a integridade
da geomembrana, não devendo também existir solo solto entre a
vala e a geomembrana.
Na colocação dos painéis de geomembrana devem ser tidos em
atenção:
ƒ eventuais alterações da superfície subjacente;
ƒ limpeza da superfície dos geossintéticos subjacentes às
geomembranas;
ƒ processo de desenrolamento das geomembranas;
ƒ condições climatéricas existentes e eventuais medidas
correctivas (principalmente no que se refere ao efeito do
vento);
ƒ equipamento adequado e pessoal qualificado;
ƒ protecção da geomembrana e execução de soldaduras.
As soldaduras dos painéis de geomembranas podem ser
efectuadas por diferentes métodos, consoante o tipo de material
constituinte da geomembrana.
Nos casos mais comuns, uma vez que as geomembranas são em
PEAD, os métodos de soldadura a adoptar devem ser por extrusão
e fusão.
No caso de soldaduras por fusão o equipamento utilizado deve
possuir indicadores de temperatura e velocidade.
No que se refere às soldaduras de extrusão, a resina utilizada deve
ser igual à do fabrico da geomembrana e o equipamento utilizado
na sua realização deve possuir indicador de temperatura,
principalmente no bocal de extrusão.
Antes de se realizarem as soldaduras de fusão e extrusão devem
ser efectuados ensaios sobre amostras, nas mesmas condições em
que se farão as soldaduras nas geomembranas.

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 193


Só deverá ser autorizada a operação de soldadura se os resultados
dos ensaios igualarem, ou excederem, os valores indicados nas
especificações de projecto.
Para verificar a continuidade das soldaduras são realizados os
seguintes ensaios não destrutivos:
ƒ de pressão de ar para as soldaduras por fusão;
ƒ de vácuo para as soldaduras por extrusão.
Estes ensaios devem ser efectuados em todas as soldaduras, à
medida que estas se forem executando, e em todo o seu
comprimento.
Os ensaios de pressão de ar consistem na injecção de uma
determinada pressão no canal existente nas soldaduras de dupla
fusão.
Os ensaios de vácuo consistem na lavagem da zona a ensaiar com
uma solução de água e detergente líquido, sobre a qual é
posteriormente colocada uma câmara transparente e criado vácuo
com uma bomba (aproximadamente 5 psi). Observa-se a existência
ou não de bolhas de sabão no interior da câmara. O aparecimento
de bolhas é um sinal de fuga de ar e de não continuidade da
soldadura, devendo-se marcar a zona para posterior reparação.
No caso de necessidade de reparação, é colocado um remendo (da
mesma geomembrana) de forma arredondada nos cantos numa
área que exceda, pelo menos 0,15 m para cada lado da amostra
retirada, sendo posteriormente realizados novos ensaios não
destrutivos para comprovação da qualidade da nova soldadura.
Para a avaliação da resistência das soldaduras são realizados
ensaios destrutivos de arranque e de corte, de forma aleatória.
Geossintéticos bentoníticos
Na colocação de painéis de geossintéticos bentoníticos devem ser
tidos em consideração:
ƒ eventuais alterações da superfície subjacente;
ƒ limpeza da superfície dos geossintéticos subjacentes à bem-
tonite;
ƒ processo de desenrolamento e instalação dos geossintéticos;
ƒ condições climatéricas existentes durante a colocação e
protecção após colocação.

194 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


As uniões entre painéis são normalmente efectuadas por
sobreposição, sendo a largura dependente do geossintético
bentonítico e das condições locais, variando usualmente entre 150
e 300 mm.
Na união de painéis de geossintéticos bentoníticos com processo
de fabrico por agulhagem é adicionada bentonite na zona de
sobreposição.
No caso do geotêxtil do geossintético bentonítico ser danificado
durante o transporte, manuseamento ou colocação, deve proceder-
se à sua reparação através de um remendo de geotêxtil idêntico,
numa área que exceda, pelo menos, 30 cm de cada lado a área
afectada.
Se houver perda de bentonite, deve ser colocado um remendo
numa área que exceda também, pelo menos, 30 cm de cada lado a
área afectada.
Geotêxteis
Também na colocação dos geotêxteis devem ser considerados:
ƒ eventuais alterações da superfície subjacente;
ƒ processo de desenrolamento e instalação dos geotêxteis;
ƒ condições climatéricas existentes e protecção após colocação.
Consoante as funções desempenhadas pelos geotêxteis, as uniões
dos respectivos painéis podem ser efectuadas por costura,
soldadura a ar quente ou apenas por sobreposição.
No caso de danificação durante o transporte, manuseamento ou
colocação, deve ser colocado um remendo de geotêxtil idêntico, na
mesma direcção de fabrico do painel de geotêxtil, numa área que
exceda, pelo menos, 30 cm de cada lado a área afectada.
Devem ser adoptadas medidas que assegurem que, em caso de
sobreposição, os remendos não se deslocam durante as operações
de cobertura.
Geocompósitos drenantes
As operações de colocação de geocompósitos drenantes são
semelhantes às indicadas para os geotêxteis, devendo-se prestar
particular atenção à ocorrência de sujidade, pedras ou elementos
estranhos durante a sua colocação e que possam conduzir à
colmatação do dreno.

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 195


6.6 Aspectos relevantes na exploração

6.6.1 Admissão de resíduos


Não obstante um determinado resíduo poder ser genericamente
associado a uma das classes de aterro estabelecidas (aterros para
resíduos inertes, aterros para resíduos não perigosos ou aterros
para resíduos perigosos), previamente à sua deposição em aterro
dever-se-á conhecer, de forma o mais exacta possível, as suas
propriedades gerais, a sua composição, lixiviabilidade e compor-
tamento a longo prazo, devendo ser respeitados os critérios de
admissibilidade e/ou as restrições definidos no Decreto-Lei n.º
183/2009 e na Decisão 2003/33/CE.
A efectiva admissão de um resíduo em aterro envolve com efeito
um procedimento específico de aceitação, que compreende três
níveis de verificação, nos termos definidos na Decisão referida:
caracterização básica;
verificação da conformidade;
verificação no local.
Alguns resíduos podem no entanto ser isentos de algumas etapas
deste procedimento. É o caso dos resíduos urbanos classificados
como não perigosos no Capítulo 20 da LER e das fracções de
resíduos urbanos não perigosas recolhidas selectivamente, que
podem ser admitidos em aterros para resíduos não perigosos sem
necessidade de ensaios para a caracterização básica.

6.6.2 Plano de exploração


A fase de arranque de exploração de um aterro é bastante delicada,
principalmente no que diz respeito aos sistemas de protecção
ambiental implantados, na medida em que os riscos destes serem
danificados são maiores.
O modo de exploração de um aterro deve atender nomeadamente
aos seguintes aspectos:
quantidades de resíduos a depositar;
geometria concebida;
cotas máximas a atingir;
condições de estabilidade do aterro;
tipologia dos equipamentos a utilizar.

196 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


A cobertura diária dos resíduos com terras é imprescindível para
evitar o espalhamento dos resíduos por acção do vento, controlar a
emissão de poeiras e odores, bem como evitar a afluência de
animais à zona de deposição. Assim, no final de cada dia, deve
proceder-se à cobertura dos resíduos depositados com uma
camada de terra com espessura entre 15 e 20 cm.
Por outro lado, e com o objectivo de diminuir os caudais de
lixiviados produzidos em aterro, as áreas já com resíduos, mas que
não estejam em utilização, devem ser cobertas com telas
temporárias (Figura 60). Os custos associados à colocação destas
telas é muito inferior ao custo de tratamento decorrente do
acréscimo de lixiviados provocado pela infiltração de água no
aterro.

Figura 60 – Exemplo de colocação de telas temporárias (Ambirumo)

6.6.3 Gestão dos lixiviados


A gestão dos lixiviados é um aspecto essencial na exploração de
um aterro para evitar problemas ambientais dada a sua forte carga
poluidora.
Conforme já referido, a legislação em vigor exige que os projectos
de aterros contemplem sistemas de drenagem e recolha de
lixiviados, tendo em vista a sua rápida remoção do interior do aterro
de modo a controlar a altura de líquido sobre o sistema de
revestimento para que sejam minimizados os riscos de conta-
minação dos solos subjacentes.
Por outro lado, estão também previstos na legislação mecanismos
que minimizem a entrada de água no aterro com vista ao controlo
da produção de lixiviados.

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 197


De facto, a orientação de gestão dos aterros tem sido a de evitar a
entrada de água na massa de resíduos depositados e de retirar
rapidamente os efluentes líquidos produzidos, para tratamento no
local antes da sua descarga no meio hídrico.
No entanto, recentemente têm surgido técnicas alternativas
relativamente à gestão dos lixiviados, que consistem na sua
recirculação na massa de resíduos depositados, em condições
controladas, utilizando o aterro como um reactor biológico para a
eliminação dos poluentes.
Nesta situação provoca-se uma aceleração dos processos de
degradação dos resíduos, contribuindo para uma mais rápida
estabilização do aterro.
A recirculação de lixiviados permite obter maior uniformização dos
caudais a encaminhar para tratamento, menor carga poluente e
consequentemente maior facilidade operacional ao nível do
tratamento.
No Quadro 40 indicam-se as vantagens e desvantagens associadas
à recirculação de lixiviados.

Quadro 40 – Vantagens / desvantagens da recirculação de lixiviados


– Aceleração da decomposição dos resíduos devido ao aumento da humidade
– Antecipação da estabilização dos resíduos
– Estimulação da produção de biogás e do seu subsequente aproveitamento energético
– Diminuição da contaminação inorgânica do aterro
– Uniformização dos picos de produção de lixiviados
– Aumento da capacidade útil do aterro devido ao aumento dos assentamentos

– Alteração do balanço hídrico do aterro


– Elevação do nível de lixiviados na base do aterro
– Aparecimento de líquidos e escorrências adicionais
– Instabilização das estruturas do aterro
– Geração de odores e libertação de gases
– Acumulação de poluentes (efeito atalho)

Ao nível dos custos deste esquema, haverá uma redução dos


relativos ao tratamento e à fase de controlo após encerramento,
embora aumentem os custos de investimento e de operação. A
redução dos custos a longo prazo compensará no entanto o
acréscimo dos custos a curto prazo (Faria, s.d.).

198 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


O sucesso da recirculação de lixiviados dependerá fortemente do
modo como for efectuada a sua introdução no corpo do aterro
(Quadro 41).

Quadro 41 – Métodos utilizados para a recirculação de lixiviados

Método Descrição Vantagens Desvantagens Observações

Irrigação por Método de distribuição – redução do volume – ocorrência de – não é um


pulverização à superfície no qual os de lixiviados através odores e de método
lixiviados podem ser de evaporação (até problemas aconselhável.
introduzidos por 30%). ambientais e para a
aspersores, tubos – humidificação saúde pública.
ranhurados ou outro uniforme dos
dispositivo. resíduos.
Lagoas de Método que consiste – requer pouco – desenvolvimento – não é um
infiltração na criação de uma esforço operacional. de odores e danos método
lagoa de lixiviados no – permite a ambientais. recomendável.
topo do aterro. distribuição de – pode impedir a
lixiviados numa vasta introdução de
área. resíduos durante um
longo período.
Distribuição Método em que os – a distribuição sob a – só podem ser – considerado
sob a lixiviados são cobertura evita expor utilizados depois do por muitos
cobertura introduzidos, directamente os aterro estar investigadores
usualmente por lixiviados à concluído. como ideal
trincheiras ou tubos, atmosfera. para a
por cima dos resíduos – humidificação recirculação
e por baixo da uniforme dos dos lixiviados
cobertura. resíduos e reduzidos a longo prazo.
impactes ambientais.
Poços de Método que utiliza – simplicidade e – os resíduos não
recarga poços de recarga com custo reduzido. são humidificados de
perfurações em – recurso à utilização uma forma tão
diversos níveis para a de poços de recolha uniforme como nos
distribuição dos de biogás. outros métodos.
lixiviados, ligados (ou
não) entre si através
de tubagens
horizontais perfuradas
para alcançar zonas
mais secas.
Distribuição No método SIREH – controlo dos – complexidade. – método mais
horizontal (sistema integral de odores mais vanguardista.
recirculação e eficiente.
extracção horizontal) – os resíduos são
utilizam-se duas humidificados de
tubagens, uma para a uma forma mais
introdução dos uniforme do que nos
lixiviados, outra para a métodos de
extracção do biogás. distribuição vertical.

(adaptado de Faria, 2007)

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 199


Face ao actual quadro legislativo, quer nacional, quer comunitário, a
aplicação legal destes métodos encontra-se ainda numa fase de
análise.

6.6.4 Captação, drenagem e tratamento de biogás


A extracção de biogás através da instalação de drenos verticais,
sistema mais usual, desenvolve-se em três fases: arranque,
exploração e encerramento.
Na fase de arranque, nos locais onde está prevista a instalação de
um dreno de biogás é colocado um gabião em rede metálica com
um tubo em PEAD no centro, cujo interior é preenchido com
material granular britado, com dimensões superiores à da rede,
conforme ilustrado na Figura 61.

Figura 61 – Poço de biogás na fase de arranque (Ambirumo)

Durante a fase de exploração o poço de biogás vai subindo,


acompanhando a deposição dos resíduos. Esta progressão é feita
através da ligação sucessiva de troços de tubagem em PEAD,
protegidos por tubos-guia (preenchidos com calhau rolado),
conforme ilustrado na Figura 62.
Esta sequência é realizada em cada dreno até faltarem cerca de 2m
para atingir a cota final de enchimento. São então instalados os
cabeçais dos drenos, em PEAD, a partir dos quais se pode
encaminhar o biogás para o sistema de drenagem principal, e
através deste para o queimador ou unidade de aproveitamento.

200 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


Figura 62 – Poço de biogás na fase de exploração (Ambirumo)

Saliente-se que, sendo o biogás formado em zonas com


temperaturas superiores à temperatura ambiente, o seu arre-
fecimento conduz à formação de condensados que devem ser
removidos das condutas de drenagem, a fim de evitar possível
colmatação.
Na Figura 63 representa-se o esquema de um poço de drenagem
de biogás.
De acordo com o estabelecido no Decreto-Lei n.º 183/2009, caso os
gases captados não possam ser utilizados para a produção de
energia, deve ser instalado um queimador, que permita a
combustão do metano, transformando-o em vapor de água e
dióxido de carbono (gás com efeito de estufa inferior em cerca de
20 vezes ao do metano).
Para que essa queima seja eficaz é necessário que:
o biogás seja correctamente misturado com o ar antes de se
efectuar a combustão;
a temperatura de queima e o tempo de retenção na chaminé
sejam suficientes (da ordem de 1.100ºC e superior a 0,3
segundos, respectivamente), para se obter a completa
combustão dos compostos halogenados e hidrocarbonetos
presentes no biogás.
A eficácia da combustão pode ser avaliada visualmente – em
situações de queima completa a chama não é visível à luz do dia;
pelo contrário, pontos amarelos na chama evidenciam queima
incompleta.

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 201


RESÍDUOS

CABEÇAL EM PEAD DN 315


CABEÇAL EM
PEAD DN315

COTA FINAL DA SELAGEM


COTA FINAL DA
SELAGEM

CAMADA DE TERRA VEGETAL C/ 0,30 m


CAMADA DE TERRA VEGETAL C/ 0.30m

CAMADA DE TERRA ARENOS C/ 0.70m


CAMADA DE TERRA ARENOSA C/ 0,70 m

CAMADA MINERAL DRENANTE C/ 0,50 m


CAMADA MINERAL DRENANTE C/ 0.50m

CAMADA DE MATERIAL ARGILOSO C/ 0.50m


CAMADA DE MATERIAL ARGILOSO C/ 0,50 m PEAD DN 160
BRITA 45/100 (ranhurado)
CAMADA EM GRAVILHA C/ 0.20m
CAMADA EM GRAVILHA C/ 0,20 m
ARGILA BETÃO P/ FUNDAÇÃO DA CAIXA
ARGILA BETÃO P/ FUNDAÇÃO DA CAIXA

BRITA
BRITA 45/10045/100

FITA PLÁSTICA DE SINALIZAÇÃO

CAMADA DE PROTECÇÃO (AREIA)


TUBO RANHURADO DE
TUBO RANHURADO DE DRENAGEM
EM PEAD DN160
DRENAGEM EM PEAD DN 160 CAMADA DE NIVELAMENTO (AREIA)
BRITABRITA
45/100
45/100

UNIÃO EM AÇO INOX


UNIÃO EM AÇO INOX

202 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


6.6.5 Aproveitamento energético de biogás
O biogás é composto essencialmente por metano (CH4) e dióxido
de carbono (CO2), contendo ainda componentes vestigiais de outros
gases (Quadro 42).
Possui um elevado poder calorífico, da ordem de 20MJ/m3,
equivalente a 50–60% do valor do gás natural, o que lhe confere um
potencial energético importante.

Quadro 42 – Composição do biogás – Intervalos típicos


Componente % em vol. seco
metano 45 – 60
dióxido de carbono 40 – 60
azoto 2–5
oxigénio 0,1 – 1,0
sulfitos, bissulfitos, mercaptanos, etc 0 – 1,0
amónia 0,1 – 1,0
hidrogénio 0 – 0,2
monóxido de carbono 0 – 0,2
constituintes vestigiais 0,01 – 0,6
vapor de água saturado
(Tchobanoglous et al., 1993)

A análise da viabilidade de aproveitamento energético do biogás


produzido e captado num aterro envolve a estimativa da sua
produção temporal, que depende da quantidade e composição dos
resíduos e do tempo decorrido desde a sua deposição em aterro,
através do recurso a modelos teóricos, cuja validação deverá ser
suportada por ensaios de bombagem.
Estes ensaios podem ser efectuados em todos os drenos ou
apenas em alguns, sendo os resultados posteriormente extra-
polados para os restantes.
Admitindo-se que durante a fase de exploração e após encer-
ramento é possível recuperar da ordem de 50% a 70% do biogás
produzido, podem estabelecer-se com base nos referidos modelos
curvas evolutivas de produção e recuperação do biogás, do tipo da
apresentada na Figura 65.
De forma generalizada, são utilizados motogeradores para
produção de energia eléctrica e térmica, com rendimentos de cerca
de 35% e 50%, respectivamente.

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 203


Com base nos valores de produção apurados e no poder calorífico
inferior do biogás e no rendimento dos motogeradores, é possível
traçar curvas de potência eléctrica e calorífica (Figura 66) que vão
fundamentar a análise de viabilidade económica.

Nm3/h

ano

Biogás recuperado Biogás produzido

Figura 65 – Curva típica de produção/recuperação de biogás

kW

ano

Energia térmica Energia eléctrica

Figura 66 – Curvas típicas de potência eléctrica e térmica resultantes do


aproveitamento energético de biogás

204 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


6.7 Monitorização
Tendo em vista a protecção da qualidade do ambiente e a
prevenção de riscos para a saúde humana, o Decreto-Lei n.º
183/2009 estabelece, no Anexo III, a monitorização ambiental a
realizar em aterros de resíduos durante as fases de exploração e
manutenção (após encerramento).
Para cada uma destas fases são estabelecidos os parâmetros a
monitorizar e a respectiva periodicidade no que se refere aos
seguintes aspectos:
dados meteorológicos;
controlo de assentamentos e enchimento;
topografia;
controlo de lixiviados;
controlo de águas subterrâneas;
controlo de águas superficiais;
bacias de lixiviados;
gases.

6.8 Custos
Os custos associados à deposição em aterro são extremamente
variáveis com as características do local de implantação e forma de
exploração adoptada.
Na Figura 67 apresentam-se as curvas de custo construídas por
Tsilemou & Panagiotakkopoulos (2006) para aterros. Na sua
utilização deverão ser tidos em conta os aspectos de aplicabilidade
relevados pelos autores (v. ponto 4.2.5).

6. DEPOSIÇÃO EM ATERRO 205


Capacidade ” 60.000 t/ano

Custos de investimento (10 6 €)

Custos de operação (€/t)


Capacidade da instalação (103 t/ano) Capacidade (entrada 103 t/ano)

Capacidade • 60.000 t/ano


Custos de investimento (10 6 €)

Custos de operação (€/t)

Capacidade da instalação (103 t/ano) Capacidade da instalação (103 t/ano)

(Tsilemou, K. & Panagiotakopoulos, D, 2006)

Figura 67 – Custos de investimento e de operação de aterros (preços 2003)

206 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


BIBLIOGRAFIA

ACR+ (2000). State of selective collection and recycling in European


cities. In Conferencia Internacional sobre innovación en la
valorización de los residuos plásticos. ACR-AVR, Madrid.
ACR+ (2005). Managing biodegradable household waste: what
prospects for european local authorities? ACR+, Bruxelles.
ADEME (2001). La collecte sélective et le traitement biologique des
biodéchets des ménages – synthèse générale. Ademe
Éditions, Valbonne, France.
ADEME (2004). La gestion sélective des déchets dans les
restaurants – Guide technique. Ademe Éditions, Valbonne,
France.
ADEME (2006). Amélioration de la collecte des déchets – Bien
choisir ses outils d'aide informatiques. Ademe Éditions,
Valbonne, France.
ADEME; AMF; ECO-EMBALLAGES; HLM (2001). Habitat collectif –
Mettre en œuvre ou développer la collecte sélective. Ademe
/ Eco-emballages, France.
ADEME; ECO-EMBALLAGES (1998). Guide du centre de tri des
déchets recyclables ménagers. Ademe / Eco-emballages,
France.
Archer, E.; Baddeley, A.; Klein, A.; Schwager, J.; Whiting, K. (2005).
Mechanical-Biological-Treatment: A guide for decision
makers – processes, policies and markets, Version 1.0.
Juniper Consultancy Services, Ltd., UK.
Barroso, M. (2008). Recent advances on the geosynthetic
performance in liner systems and the importance of the
Quality Assurance. In Information exchange and awareness
raising event on Landfill of Waste, Lisboa/Amadora, May
2008.
Barroso, M.; Lopes, M. G. (2007). Ensinamentos recentes sobre o
desempenho dos geossintéticos em sistemas de
confinamento. In Seminário Geotécnico sobre Aterros de
Resíduos – Desenvolvimentos recentes, LNEC, Lisboa.

BIBLIOGRAFIA 207
Barroso, M.; Lopes, M.G. (2007). Plano de garantia de qualidade da
construção para geossintéticos: sugestões para o futuro. In
Seminário Geotécnico sobre Aterros de Resíduos –
Desenvolvimentos recentes, LNEC, Lisboa.
Barroso, M.; Lopes, M.G. (2008). Plano de garantia de qualidade da
instalação de resíduos. ICT Informação Técnica, Geotecnia
– ITG 27, LNEC, Lisboa.
CCE (2000). Guia técnico de biogás. Centro para a Conservação de
Energia, Algés.
CEBQ/IST (2006). Avaliação do potencial de produção e utilização
de CDR em Portugal Continental – Estudos base. Instituto
Superior Técnico – Centro de Engenharia Biológica e
Química, Lisboa.
Crichton, L.; Jamieson, D.; Ludley, K.; Pannet, L. (2003). Separate
waste collection systems – Best practice review.
Environment Group Research Report, Edinburgh.
CWC (1997). Best practices in PET recycling – Automated sorting
systems. CWC, Washington.
Direcção-Geral do Ambiente (2000). Exemplos de compostagem e
de recolhas selectivas bem sucedidas. Comunidades
Europeias, Luxemburgo.
Dubanowitz, A.J. (2000). Design of a materials recovery facility
(MFR) for processing the recyclable materials of New York
City's municipal solid waste. Columbia University, New York
City.
E. VALUE (2006). Impacto das opções e oportunidades de gestão
de resíduos na mitigação de gases com efeito estufa em
Portugal. INR, Lisboa.
EEA (2002). Biodegradable municipal waste management in
Europe. EEA, Copenhaga.
EPA (1991). Material recovery facilities for municipal solid waste.
United States Environmental Protection Agency,
Washington, D.C.
EPA (1995). Decision makers’ guide to solid waste management,
Volume II. United States Environmental Protection Agency,
Washington, D.C.

208 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


EPA (1999). Getting more for less improving collection efficiency.
United States Environmental Protection Agency,
Washington, D.C.
EPA (1999a). Collection efficiency strategies for success. United
States Environmental Protection Agency, Washington, D.C.
Eunomia Research & Consulting et al. (2002a). Costs for municipal
waste management in the EU – Final Report to Directorate
General Environment. European Commission. Eunomia
Research & Consulting.
Eunomia Research & Consulting et al. (2002b). Economic analysis
of options for managing biodegradable municipal waste –
Final Report to the European Commission. European
Commission. Eunomia Research & Consulting.
European Commission (2006). Integrated pollution prevention and
control – Reference document on the best available
techniques for waste incineration. European Commission,
Brussels, Belgium.
Faria, A.L. (2008). Reverse osmosis concentrate and sludge
disposal in landfill. In Information exchange and awareness
raising event on Landfill of Waste, Lisboa/Amadora, May
2008.
Faria, A.L. (s.d.). Gestão de lixiviados.
http://www.ecoservicos.pt/content/documents/047_ArtCient.
pdf, 2008-05-12.
Greenpeace Environmental Trust; TBU; Eunomia (2003). Cool
waste management – A state-of-the-art alternative to
incineration for residual municipal waste. Greenpeace
Environmental Trust, London, UK.
Hannequart, J.P. & Radermaker, F. (2000). Modalités, coûts et
financement de la collecte des déchets en Europe. Bilan
général et comparaison des diverses politiques nationales
en la matière. ACR+, Bruxelles, Belgique.
ISCTE (2002). A recolha porta-a-porta no sistema de recolha
indiferenciada de resíduos sólidos urbanos. INR, Lisboa.
ISR (2003). Análisis económico-ambiental de la recogida de
residuos de envases. ISR, Madrid.

BIBLIOGRAFIA 209
ISR (2006). Memoria final sobre la ejecución del proyecto oficina de
promoción, coordinación e gestión de asociaciones de
fertilización orgánica. Fundación Biodiversidad, Madrid.
ISR/EWC; MEDCITIES (2003). Guidelines for municipal solid waste
management in the Mediterranean Region. ISR, Barcelona.
Last, S. (2008). An introduction to waste technologies – The
processes used to recycle, treat, and divert municipal solid
waste away from landfills. Waste Technologies UK
Associates 2006-2008, Janeiro.
Levy, J.Q.; Cabeças, A. (2006). Resíduos sólidos urbanos –
Princípios e processos. AEPSA, Lisboa.
LIPOR (2008). Plano Estratégico para a gestão sustentável dos
resíduos sólidos do Grande Porto 2007-2016. LIPOR,
Baguim do Monte.
Martinho, M.G.M. & Gonçalves, M.G.P. (2000). Gestão de resíduos.
Universidade Aberta, Lisboa.
Roque, A.J. (2007). Ensinamentos recentes sobre o desempenho
das camadas minerais em sistemas de confinamento. In
Seminário Geotécnico sobre Aterros de Resíduos –
Desenvolvimentos recentes, LNEC, Lisboa.
Saintmard, C. (2005). Managing biodegradable household waste:
What prospects for european local authorities? ACR+,
Bruxelles.
SPV (2007). Caracterização dos sistemas municipais aderentes ao
Sistema Ponto Verde 2006. SPV, Dafundo.
SPV (2007a). Especificações técnicas para a retoma de resíduos de
embalagens. SPV, Dafundo.
Tchobanoglous, G., Theisen, H. & Vigil, S. (1993). Integrated solid
waste management: Engineering principles and
management issues. McGraw-Hill International Editions.
Teichmann, D.; Masood, S.; Iovenitti, P.; Sbarski, I.; Kosior, E.
(s.d.). Development of high performance sorting process for
recycling of plastics.
Tsilemou, K. & Panagiotakopoulos, D (2006). Approximate cost
functions for solid waste treatment facilities. In Waste
Management & Research.

210 OPÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS


VALOR AMBIENTE (2007). Estação de transferência da zona leste
e estação de triagem da ilha da Madeira. Valor Ambiente,
Funchal.

BIBLIOGRAFIA 211