Você está na página 1de 1

DIREITO DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL

O direito de propriedade intelectual é gênero do qual são espécies: i) direito autoral


– protege a obra em si - e ii) direito de propriedade industrial – protege uma técnica -.

I – HISTÓRICO DO DIREITO DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL

- 1236: França – Bonafasus de Sancta e Companhia


- 1474: Veneza – A realidade começa a mudar
- Revolução Industrial: percebeu-se a real importância
- Convenção de Paris: primeira reunião em 1883.

II – LEI DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL

- Os bens protegidos pela LPI: a) invenção; b) modelo de utilidade; c) marca e; d) desenho


industrial.
- Bens móveis: de acordo com o art. 5º, LPI, estes são bens móveis.
- Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI): Autarquia Federal.
- A Justiça Estadual não pode, mesmo incidentalmente, considerar inválido registro vigente
– deverá a parte ajuizar ação na Justiça Federal, conforme REsp 1.132.449/2012.
III – DAS PATENTES DE INVENÇÃO E DE MODELO DE UTILIDADE

- Proteção: mediante a concessão da patente, instrumentalizada pela carta-patente.


- É patenteável a invenção que atenda aos requisitos de novidade, atividade inventiva,
aplicação industrial e licitude.
- Modelo de utilidade: objeto de uso prático, ou parte deste, suscetível de aplicação
industrial, que apresente nova forma ou disposição, envolvendo ato inventivo, que resulte
em melhoria funcional no seu uso ou em sua fabricação.
- O ato de concessão da proteção (registro ou patente) tem efeito constitutivo.
- Contrato e trabalho e inventos: - arts. 88 a 91 da LPI:
a) a invenção/modelo de utilidade pertencem exclusivamente ao empregador
quando decorrerem do contrato de trabalho que tenha por objeto a pesquisa e a atividade
inventiva ou resulte da natureza dos serviços contratados;
b) salvo disposição expressa no CT, a remuneração pelo trabalho limita-se ao salário
ajustado;
c) salvo prova em contrário, presumem-se desenvolvidos na vigência do contrato
de trabalho a invenção/modelo de utilidade cuja patente seja requerida pelo empregado
até 01 ano após a extinção do CT;
d) pertencerá exclusivamente ao empregado a invenção/modelo de utilidade
por ele desenvolvido, desde que desvinculado do CT e não decorrente da utilização
de recursos, meios, dados, materiais, instalações ou equipamentos do empregador.
- Jurisprudência: o STJ decidiu no REsp 195.759/2000 que o empregado pode requerer
remuneração ao empregador, pela sua comprovada contribuição pessoal na realização do
invento, ainda que a patente não tenha sido deferida, bastando que exista, pois, mero
depósito do pedido.
- Análise dos requisitos de patenteabilidade: se inicia com o depósito do pedido.
a) pedido: deve observar o art. 19 da LPI;