Você está na página 1de 13

Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio:

Saberes e práticas científicas


ISBN 978-85-65957-03-8

EXTREMA-DIREITA, PSEUDOHISTÓRIA E CONSPIRACIONISMO: O CASO DO

NEGACIONISMO DO HOLOCAUSTO

RICARDO FIGUEIREDO DE CASTRO *

Em 1995 o acadêmico, escritor e intelectual italiano Umberto Eco publicou no New

York Times um artigo no qual, preocupado com o retorno da extrema-direita à agenda

política e cultural do Ocidente, esboçou as características do que intitulou “fascismo

eterno”. Com isso, tentou pensar o fascismo não apenas como uma questão histórica

restrita ao entre-guerras, mas também como um fenômeno da atualidade. O título da sua

tradução brasileira publicado pela Folha de São Paulo consegue traduzir em duas palavras

a questão fascista contemporânea: nebulosa fascista (ECO, 1995). Nebulosa é um termo

astronômico (do latim nebulae) que originalmente identificava corpos celestes que não têm

uma forma definida, mais se parecendo com nuvens. O termo nebulosa fascista consegue

assim dar conta da questão levantada por Eco, ou seja, a natureza nebulosa aparentemente

indefinida e imprecisa da questão fascista de nosso tempo.

Em 2012, o professor Sean Purdy da USP denuncia a publicação de um livro escrito

por um jovem bacharel de direito a partir de sua monografia de graduação (TCC) que se

dedica a negar a realidade do Holocausto (PURDY, 2012). Logo depois, o professor e

orientador da monografia anuncia que ela não tinha qualquer conteúdo negacionista e que

este teria sido incluído apenas no livro editado. (SÁ, 2012: 1) Não deve deixar de ser

* Professor de História Contemporânea no Instituto de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro


(UFRJ). Doutor em História Social pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Pesquisador filiado ao
GT ”Direitas, história e memória”. E-mail: ricardocastro@ufrj.br
1
Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio:
Saberes e práticas científicas
ISBN 978-85-65957-03-8

mencionado que o autor do livro em questão tem ainda um site no qual se dedica a difundir

ideias negacionistas.

No início de 2013 um grupo de oito jovens da cidade de Niterói (RJ) foi preso em

flagrante delito após agredir um cidadão de origem nordestina numa praça pública da
1
cidade; e a polícia gaúcha afirma já ter cadastrado cerca de 500 neonazistas no Estado e

registra um crescente aumento de suas ações de propaganda, recrutamento e violência. 2

O fascismo 3, assim, faz parte do cenário político ocidental desde os anos 1980; e,

desde então, aprofunda sua inserção social na cultura de massas (música Oi, futebol), na

política partidária, e na Internet.

A rigor, o fascismo nunca desapareceu por completo. Logo após o fim da II Guerra

Mundial e da derrota política e ideológica do fascismo em todas as suas formas ele

praticamente caiu num ostracismo político e abandonou alguns dos nomes e símbolos pelos

quais era conhecido. Entretanto, logo após a guerra surgiram alguns grupos ou partidos

políticos fascistas na Europa ocidental e nos Estados Unidos, e já em 1962 tentou-se criar

uma internacional da extrema-direita, a União Mundial dos Nacional Socialistas (WUNS).

Nesse período, e até os anos 1980 e 1990, o fascismo tinha características saudosistas, isto

é, se considerava a continuação do movimento anterior, sem inovações visíveis.

Como afirma Goodrick-Clarke (2004: 11):

1 “Neonazistas são presos após agredirem homem em Niterói” http://oglobo.globo.com/rio/neonazistas-sao-


presos-apos-agredirem-homem-em-niteroi-8230598
2 Jornal O Globo online “Proliferação de grupos neonazistas aterroriza Sul (06/04/2013)
http://oglobo.globo.com/pais/proliferacao-de-grupos-neonazistas-aterroriza-sul-8047406
3 Acompanho a perspectiva teórica que considera que o fascismo não é nem um fenômeno exclusivamente
italiano, nem está restrito ao período do entre-guerras.
2
Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio:
Saberes e práticas científicas
ISBN 978-85-65957-03-8

Mesmo que o nacionalismo alemão fosse transformado em uma

ideologia global de racismo branco, a experiência histórica e

política da Alemanha nazista permanecia sendo o principal modelo

a ser seguido. Essa fidelidade histórica era a marca registrada dos

cultos neonazistas associados a George Lincoln Rockwell e a Colin

Jordan, juntamente com seus sucessores e seguidores no mundo


anglo-americano do pós-guerra. Reféns da memória do nacional-

socialismo alemão, os neonazistas anglo-americanos

permaneceram presos a um culto nostálgico de adoração a Hitler,

enquanto a condenação universal do Terceiro Reich e do

Holocausto impediam qualquer possibilidade de sucesso político.

Entretanto, no final do século a extrema-direita emerge do ostracismo político e

torna-se cada vez mais visível e relevante:

Nas décadas de 1980 e 1990, a extrema direita passou por uma

dramática revivificação na Europa e na América, principalmente

em meio a uma juventude branca alienada e a grupos de baixa

renda cada vez mais marginalizados pelas novas indústrias de alta

tecnologia e pela crescente integração de minorias étnicas em suas

comunidades. O rápido crescimento da imigração hispânica e do

Terceiro Mundo aos EUA e o correspondente fluxo imigratório de


países em desenvolvimento para a Europa Ocidental alimentaram

3
Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio:
Saberes e práticas científicas
ISBN 978-85-65957-03-8

novos medos de inundação racial. O colapso da União Soviética e

da Iugoslávia levou a novas migrações envolvendo ciganos e

nativos na Europa Oriental para a Europa Ocidental.

(GOODRICK-CLARKE, 2004: 13)

Assim, a partir principalmente da década de 1990, ocorre uma confluência de vários

fatores que viabilizam essas mudanças.

Em primeiro lugar, as transformações no capitalismo levaram à crise do

industrialismo e o consequente enfraquecimento econômico e político da classe operária e

seus sindicatos, precarizando suas condições materiais de existência. A cultura operária se

enfraquece então frente ao predomínio sucessivo da propaganda e da indústria do

entretenimento. As classes medias, por sua vez, ficam ainda mais amedrontadas com a

instabilidade das perspectivas presentes e futuras de acesso às benesses do capitalismo.

Em segundo, a ascensão ao poder de Ronald Reagan nos Estados Unidos e de

Margareth Tatcher na Grã-Bretanha configuram a vitória da Nova Direita que implementa

um ataque implacável ao estado do bem-estar social surgido no pós-guerra e que havia sido

uma arma ideológica contra o socialismo representado pela União Soviética. O “fim do

socialismo real” e a crise do movimento comunista internacional criam um vácuo político

rapidamente preenchido pelo neoliberalismo que defende o mercado como regulador de

toda a vida social e que ataca os direitos sociais e trabalhistas e o poder do Estado em

regular os setores estratégicos e monopolistas (transportes, previdência, energia,

comunicações etc.). Dessa forma, não só a esquerda tradicional torna-se cada vez mais

4
Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio:
Saberes e práticas científicas
ISBN 978-85-65957-03-8

frágil e isolada como também mostra-se incapaz de propor alternativas políticas à crise

civilizatória que se ampliava.

Em terceiro lugar, no último quartel do século XX surgiu um movimento que se

manifesta em uma nova religiosidade que influencia profundamente a cultura de massas

(literatura, cinema, música etc.) atingindo em primeiro lugar a sensibilidade das classes

médias e, posteriormente, das classes menos abastadas: o movimento New Age 4. Entre

suas influências temos a valorização crescente do esoterismo ocidental 5 e oriental e a sua

influência crescente sobre a forma como esses grupos compreendem o mundo e,

principalmente, a política. Diríamos que nos anos 1990 este movimento atinge amplos

setores sociais através de sua incorporação pela indústria cultural, que edita milhares de

livros, revistas etc. E que criará uma novo tipo de produto cultural, a literatura esotérica e
6
toda uma gama de serviços e produtos inspirados no chamado “esoterismo”, vendidos

4 Definição da Enciclopédia Britannica online: “New Age movement, movement that spread through the
occult and metaphysical religious communities in the 1970s and ʾ80s. It looked forward to a “New Age”
of love and light and offered a foretaste of the coming era through personal transformation and healing.
The movement’s strongest supporters were followers of modern esotericism, a religious perspective that
is based on the acquisition of mystical knowledge and that has been popular in the West since the 2nd
century ad, especially in the form of Gnosticism. Ancient Gnosticism was succeeded by various esoteric
movements through the centuries, including Rosicrucianism in the 17th century and
Freemasonry, theosophy, and ritual magic in the 19th and 20th centuries. Disponível em
http://www.britannica.com/EBchecked/topic/704347/New-Age-movement
5 Utilizamos a definição de Esoterismo do Center for History of Hermetic Philosophy and Related Currents
da Faculdade de Humanidades da Universidade de Amsterdan (Universiteit van Amsterdam): “The
modern term “Western esotericism” is used as a general label for a great variety of religious currents and
trends in Western culture – from Antiquity generally, and from the Renaissance to the present more in
particular – characterized by their belief that true knowledge of God, the world, and man can only be
attained by means of personal spiritual experience or inner enlightenment. The modern term “Western
esotericism” is used as a general label for a great variety of religious currents and trends in Western
culture – from Antiquity generally, and from the Renaissance to the present more in particular –
characterized by their belief that true knowledge of God, the world, and man can only be attained by
means of personal spiritual experience or inner enlightenment.“ Disponível em:
http://www.amsterdamhermetica.nl/#p/what-is-western-esotericism.html Acessado em 2 de junho de
junho de 2013.
6 Esotérico aqui não se remete ao seu significado acadêmico, mas apenas ao seu sentido vulgar e popular.
5
Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio:
Saberes e práticas científicas
ISBN 978-85-65957-03-8

em lojas especializadas.

Em último lugar mas não menos importante, surge uma nova forma de divulgação

de informações que revolucionou a forma como as pessoas se relacionam entre si, a Word

Wide Web mais conhecida como Internet. A “rede mundial de computadores” permite que

essa nova extrema-direita fascista amplifique sua voz e se torne visível aos mais jovens e

àqueles sem esperanças com a transformação política do mundo que os oprime. Além

disso, permite que se crie uma verdadeira rede virtual da extrema-direita, isto é, uma

verdadeira nebulosa virtual em que se mantém minimamente ligados os inúmeros e

diversos pontos da extrema-direita contemporânea.

As crises econômica, política e social pelas quais a humanidade atravessa levou à

criação das condições sociais e políticas para o surgimento de uma nova extrema-esquerda.

Ou melhor, nos anos 1990 amadureceram as condições para que o processo de sua

reorganização, que remete ao final dos anos 1960 e 1970, avance e torne visível a nova

configuração da extrema-direita. Ela é diversificada em suas referências e origens e

disseminada por todo o Ocidente. Esses elementos fazem parte de um processo que

caracterizaria as profundas transformações ocorridas a partir do último quartel do século

XX no Ocidente que originaram diferentes teorias que indicam que as sociedades

ocidentais ainda sejam industriais “elas passaram por mudanças de tal alcance que não

podem mais ser aceitas pelos velhos nomes nem estudadas no contexto de antigas teorias.

Essas sociedades seriam agora, de várias maneiras, ´pós-industriais´: ´pós-fordistas´, ´pós-

modernas´, e mesmo ´pós-históricas´” (KUMAR, 1997: 9)

Esses fenômenos ocorreram sincronicamente, como é de se esperar, no campo da

6
Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio:
Saberes e práticas científicas
ISBN 978-85-65957-03-8

política com a decadência dos partidos políticos tradicionais, tanto a direita quanto a

esquerda, o surgimento de novas formas de ação política e, sobretudo para o que nos

interessa aqui, o fortalecimento de um elemento ideológico tradicional no Ocidente, a

teoria conspiratória (ou complô) como chave explicativa do senso comum para se entender

a sociedade. Alguns pesquisadores consideram que, no final do século XX, as teorias

conspiratórias (ou complô) ganharam dimensão mundial tornando-se o mega-complô

(TAGUIEFF, 2006) ou super-conspirações (BARKUN, 2003: 6). A crescente importância

da cultura conspiracionista aumenta também a demanda por abordagens mistificadoras da

história que frequentemente estão a serviço de uma ideologia política, a maior parte das

vezes da extrema-direita, a chamada pseudo-história.

O complô judaico é, segundo Girardet (1987, p. 25-34) uma das três grandes

narrativas do complô elaboradas entre o final do século XVIII e início do século XX,

quando foi editado pela primeira vez o livro “O protocolo dos Sábios de Sião”. Esse livro,

forjado pela polícia política do regime czarista, foi rapidamente incorporado como arma

de propaganda antissoviética e anti-bolchevique nos anos 1920 e 1930. Os nacional-

socialistas alemães transformam-no numa “prova irrefutável” de que os judeus são uma

ameaça mundial ao mundo ocidental e a obra ainda hoje é reeditada em várias línguas e

utilizada como uma espúria prova da existência de um complô judaico internacional.

Desse modo, a nova extrema-direita, a partir do final do século XX, atualiza essa

perspectiva conspiracionista de sua visão de mundo ao articular sua filosofia da história

reducionista com um típico exemplo de pseudohistória: o Negacionismo do Holocausto,

ainda chamado por alguns de revisionismo.

7
Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio:
Saberes e práticas científicas
ISBN 978-85-65957-03-8

Assim, o Negacionismo do Holocausto é um elemento fundamental para a

manutenção das forças de atração que mantém unida a nebulosa fascista contemporânea e

ajuda a definir sua identidade. O conspiracionismo do holocausto não é uma perspectiva

historiográfica legítima a se dedicar a revisar os postulados históricos do holocausto, mas

sim um instrumento de ação ideológica a serviço de grupos políticos radicais em sua

grande maioria de extrema-direita. Concordamos, assim, com Moraes (2011) que considera

um equívoco usar a terminologia historiográfica de revisionistas para designar aqueles que

negam o Holocausto. Para ele:

“[...] o negacionismo é um fenômeno político-cultural de tipo

particular e que o que caracteriza a prática e os textos dos

negacionistas não são os resultados de seus trabalhos – as suas

supostas ´interpretações´ sobre um tempo passado (o período de

1933 a 1945) – mas sim os fundamentos e os propósitos mesmos de

seus trabalhos, que determinam os procedimentos daí decorrentes

e que não permitiriam que seus resultados fossem diferentes do que

são (por exemplo: a afirmação de que em Auschwitz não existiam

câmaras de gás” (MORAES: 3).

Burris, Smith & Strahm (2000: 221-222), por exemplo, mapearam na Internet uma

rede mundial da extrema-direita que agrega os “supremacistas brancos” em seus múltiplos

subgrupos: Revisionistas do Holocausto; Teologia da Identidade Cristã; Neonazistas

assumidos; Supremacistas brancos radicais; Supremacistas brancos moderados;

Nacionalistas não-estadunidenses; Skinheads racistas; Bandas, produtores, distribuidores e

8
Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio:
Saberes e práticas científicas
ISBN 978-85-65957-03-8

fanzines; e, editores de livros e produtores de memorabilia nazista.

O ideólogos do Negacionismo do Holocausto negam ou minimizam os efeitos do

Holocausto, e afirmam que o assassinato de milhões de judeus, ciganos, eslavos etc. é uma

mentira criada e mantida pelos vencedores da II Guerra Mundial em estreita aliança com os

judeus sionistas fundadores do Estado de Israel. Na verdade, o Negacionismo do

Holocausto é outro lado da moeda do “complô judaico internacional” difundido desde o

início do século XX pelo livro “O protocolo dos sábios de Sião”. Esse livro tornou-se peça

de propaganda do antissemitismo desde então e, após a II Guerra Mundial, também do

anti-sionismo. No Brasil foi traduzido pelo ideólogo integralista Gustavo Barroso e editado

no início dos anos 1930. No final do século XX a Editora Revisão se dedicou a publicar no

Brasil livros negacionistas e a fazer propaganda sistemática do tema. Seu editor foi

processado judicialmente e atualmente a editora não tem mais atividades legais em

território nacional. (CRUZ)

Por mais que se publiquem artigos e livros que denunciam o caráter falso desse

livro os crentes da conspiração judaica internacional se recusam a aceitar os argumentos

listados pelos historiadores para denunciar a obra. Certamente, isso se deve a lógica das

teorias conspiratórias que, segundo Barkun (2003, p. 4), tem três princípios: “nada

acontece por acidente”, “nada é o que parece” e, “tudo está conectado”.

Proponho analisar criticamente o Negacionismo do Holocausto como um exemplo


7
cabal de pseudo-história, como produção ideológica da extrema-direita em suas diversas

7 Talvez Shernan e Großman (2009) tenham sido os primeiros a sugerir esta abordagem. A pseudo-história
é um tema caro aos estadunidenses que perceberam há algum tempo o seu caráter político e o discutem
frequentemente a partir das discussões sobre pseudo-ciência. Michael Shermen, fundador da The Skeptics
9
Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio:
Saberes e práticas científicas
ISBN 978-85-65957-03-8

vertentes e como subproduto perigoso do “complô judaico internacional”, uma das mais
8
difundidas teorias conspiratórias da modernidade.

Essa cultura conspiracionista está presente de forma arraigada na cultura de massas,

através de diversos mitos urbanos, livros e filmes, tais como: o livro e o filme “O código

da Vinci”, a série televisiva e o filme “Arquivo X”, filmes como “Teoria da Conspiração”

e as teorias conspiratórias elaboradas para explicar o atentado ao World Trade Center etc.

Essa disseminação certamente colabora para a utilização do conspiracionismo pela

extrema-direita como uma estratégia de disseminação de sua mensagem entre diferentes

setores e classes sociais.

Concluindo, podemos afirmar que o Negacionismo do Holocausto é um tema que

faz parte do horizonte político contemporâneo e certamente deve ser objeto da História do

Tempo Presente, pois historicizar critica e cientificamente o presente é uma abordagem

necessária para se compreender essa ideologia. Os historiadores comprometidos com uma

historiografia atuante na defesa da democracia e dos direitos humanos não podem deixar

de incorporar os temas da pseudo-história e das teorias conspiratórias às suas pesquisas e

cursos.

BIBLIOGRAFIA

Society e da revista Skeptic é um dos que se dedicam a unir os dois temas.


8 Girardet (1987) lista ainda os complôs jesuítico e maçônico.
10
Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio:
Saberes e práticas científicas
ISBN 978-85-65957-03-8

ALLCHIN, Douglas. Pseudohistory as pseudoscience. Science & Education. 13: 179-195,

2004.

BARKUN, Michael. The culture of conspiracy: apocalyptic visions in contemporary

America. Berkeley: University of California Press, 2003.

BOUCHER, Geoff. “Postmodern neofascism: contemporary rightwing extremism in the

metropolitan countries”. Disponível em: http://ethicalpolitics.org/audio/neo-fascism.htm

Acessado em 24 de março de 2013.

BURRIS, Val, SMITH, Emery, STRAHM, Ann. “White supremacists networks on the

Internet”. Sociological Focus, vol. 33, no 2, May 2000.

CAMUS, Jean-Yves. L´extrême droite aujourd´hui. Toulouse: Éditions Milan, 1996

CRUZ, Natália dos Reis. Negando a História: A Editora Revisão e o Neonazismo. Niterói:

Universidade Federal Fluminense, 1997. Dissertação de Mestrado

ECO, Umberto. A nebulosa fascista. Folha de São Paulo, 14/05/1995. Disponível em

http://biblioteca.folha.com.br/1/02/1995051405.html

GIRARDET, Raol. Mitos e mitologias políticas. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

GOODRICK-CLARKE, Nicholas. As raízes ocultistas do nazismo: cultos secretos arianos

e sua influência na ideologia nazi (os ariósofos da Áustria e da Alemanha, 1890-1935).


11
Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio:
Saberes e práticas científicas
ISBN 978-85-65957-03-8

Lisboa: Terramar, 2002.

___________________________. Sol negro: cultos arianos, nazismo esotérico e políticas

de identidade. São Paulo: Madras, 2004.

KUMAR, Krishan. Da sociedade pós-industrial à pós-moderna: novas teorias sobre o


mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

LEGRAND, H. E., BOESE, Wayne E. Chariots of the Gods ? and all that: pseudo-history

in the classroom. The History Teacher. Vol. 8, No. 3, May 1975, p. 359-370.

KRUGLYAKOV, Edward. Why pseudoscience is dangerous ? Disponível em

http://www.csicop.org/si/

MELLEUISH, Greg, SHEIKO, Konstantin, BROWN, Stephen. Pseudo history/Weird

history: nationalism and the Internet. History Compass 7/6 (2009): 1484-1495. Disponível

em: http://mesosyn.com/his4-4.pdf

MORAES, Luís Edmundo de Souza. O negacionismo e o problema da legitimidade da

escrita sobre o passado. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História, ANPUH, São

Paulo, junho 2011. Disponível em:

http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1312810501_ARQUIVO_ANPUH-

2011-ARTIGO-Luis_Edmundo-Moraes.pdf

PURDY, Sean. “Negacionismo do Holocausto na USP” Carta Maior, 30/11/2012


12
Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio:
Saberes e práticas científicas
ISBN 978-85-65957-03-8

http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=21250

Acessado em 25 de março de 2013.

ROLLAND, Denis. “Internet e história do Tempo Presente: estratégias de memória e

mitologias políticas” In.: Tempo, vol. 8, n. 16, jan. 2004.

SÁ, Nelson de. “Livro sobre o Holocausto abre conflito na USP”, Folha de São Paulo,

29/11/2012. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/poder/1192982-livro-sobre-o-

holocausto-abre-conflito-na-usp.shtml

SHERMER, Michael. Why people believe weird things: pseudoscience, superstition, and

other confusions of our time. New York: Henry Holt and Company, 2002.

SHERMER, Michael, GRO ßMAN, Alex. Denying history: who says the Holocaust never

happened and why they say it ? Berkeley: University of California Press, 2009.

TAGUIEFF, Pierre-André. L´imaginaire du complot mondial: aspects d´un mythe

moderne. Paris: Éditions Mille et Une Nuits, 2006.

_____________________. “Cens théories répondent à un besoin de sens”. Conspiracy

Watch. Disponível em http://www.conspiracywatch.info/Pierre-Andre-Taguieff-ces-

theories-repondent-a-un-besoin-de-sens_a301.htm

13