Você está na página 1de 6

Constelação familiar sistêmica: Um nome estranho,

mas que pode mudar a sua vida.

O que é essa terapia que até os tribunais de justiça


estão aplicando?

Sabe todas aquelas vezes em que vemos geração após geração


repetindo atitudes e historias que vem lá de seu passado? O que será
que causa isso? Genética? Convivência? Repetição do tipo Macaco vê
- macaco faz?

Bem, é possível que tudo isso e um pouco mais. E o mais incrível é


que todos nós estamos sujeitos a isso, ninguém está imune. Seja na
nossa escolha de emprego, ou na escolha de parceiros que
inconscientemente nos lembram nossos pais. Uma coisa é certa,
todos temos pelo menos uma repetição.

E como explicar isso? Bem, existem varias formas para tentar, a que
nós encontramos se chama Constelação Sistêmica familiar.

E o que é essa tal constelação Familiar?


Para começar a explicar precisamos primeiro entender que existem
diversas formas de psicoterapias (do grego psykhē - mente, e
therapeuein - curar; ou seja, um tipo de terapia cuja finalidade é
tratar os problemas psicológicos). Sendo um pouco mais claro,
existem mais de 200 diferentes tipos de terapia. No entanto, para
simplificar, as psicoterapias podem ser subdivididas pela sua
orientação teórica, em 4 grandes famílias. As terapias dinâmico-
interpessoais, experiencial-humanistas, sistémica-construtivistas e as
cognitivo-comportamentais
A orientação filosófica das Constelações Familiares é derivada da
integração de diversas dessas abordagens psicoterapêuticas, sendo
elas: psicanálise, dinâmica de grupos, terapia primal, análise de
scripts, redecisão, terapia Gestalt, hipnoterapia, psicodrama e
finalmente a terapia familiar.

E também sofreu grande influência do misticismo indígena devido ao


fato de seu criador ter participado em diversos rituais Zulus e ao seu
costume de priorizar a ancestralidade e todo o seu legado.
Falado tudo isso, podemos então definir as constelações sistêmicas
familiares assim:

Constelação Familiar é uma abordagem sistêmica e fenomenológica


com efeitos terapêuticos, criada e desenvolvida por Bert Hellinger na
década de 80. Sua experiência de vida pessoal e profissional
contribui para o desenvolvimento do método, que une experiência,
teoria e genialidade. Seu trabalho visa solucionar problemas nos
âmbitos familiares, de relacionamento de casal, profissional, de
doenças e organizacionais. É uma arqueologia da alma sistêmica que
une tudo sem nada excluir ou julgar.

Seu procedimento consiste em tornar visíveis as dinâmicas


normalmente ocultas nos sistemas familiares e que causam
repetições de padrões limitativos; esta abordagem é considerada
uma psicoterapia breve e nos permite entrar em contacto com níveis
profundos dos vínculos familiares e seus emaranhamentos
(identificação com padrões limitativos) permitindo desfazer e resolver
os bloqueios profundos que se desenvolvem dentro dos sistemas e
entre os seus membros.

Segundo Hellinger, entre as condições que nos são preestabelecidas


para os relacionamentos humanos inclui-se a seguinte tríade:

- A ordem

- O vínculo;

- A compensação;

Na raiz de todo problema está a quebra de uma destas ordens, que


Bert Hellinger designou ORDENS DO AMOR ou LEIS DA VIDA.
E o que são essas ordens do amor?

A Ordem:

Esse princípio se refere à hierarquia. Quem faz parte do sistema há mais


tempo tem precedência sobre os que chegam depois. Nos primórdios, isso
aumentava a probabilidade de sobrevivência do grupo, já que os mais antigos
eram mais experientes e, portanto, mais fortes. Isso define a necessidade de
respeito aos que vieram antes (pais, avós, bisavós, ascendência), chamados,
por Bert, de “grandes”. Os que vieram depois (filhos, netos, descendência) são
ditos “pequenos”.

O vinculo:

Todos os membros de um sistema possuem o direito de pertencer a esse


sistema. E isso é algo que não pode ser concedido ou negado. Elas pertencem
ao grupo independente de suas ações. Este vínculo transcende a moral e o
merecimento.

A compensação:

Nós seres humanos, sentimos uma necessidade incontrolável de fornecer algo


de mesmo valor àqueles que nos dão algo. Essa necessidade é a base da
troca em nossas relações. Apenas dando algo de valor semelhante ou até
maior àqueles que nos deram algo, mantemos a relação com eles. No nosso
intimo achamos que apenas assim aprofundamos constantemente essa relação

A consciência desse equilíbrio permite avaliarmos nossos relacionamentos, por


exemplo, os de casal, e atuarmos para ampliar os vínculos positivos e reduzir
os negativos.

Tá! Mas e o que é um sistema?

Um sistema é um conjunto de elementos/pessoas que estão interligados, de forma dinâmica e


objetiva e em uma contínua relação de mudança. Tem como ponto principal a busca do
equilíbrio e do crescimento que contribuem para a permanência dos elementos / pessoas do
sistema. O sistema pode ser formado por pessoas com ligação sanguínea, profissional,
afetuosa, acadêmica. Também por pessoas que se divertem ou se relacionam em conjunto. A
dinâmica sistêmica acontece quando os seres humanos funcionam em grupo.

E por que devo me constelar? Para que serve saber a minha


história familiar?

COMPREENDER a atitude de meus ancestrais.


DESCOBBRIR que o amor prevalece e permanece ao tempo.
RESPEITAR o destino de todos meus familiares.
AGRADECER o preço que pagaram para que meu destino fosse diferente.
RENDERME ao que há deles em mim.
TRANSFORMAR o ressentimento em aceitação e amor.
ACEITAR cada um como é.
PASSAR A VIDA para que tenha valido a pena seus esforços.
AMAR Conscientemente a cada membro como parte de mim.

E quais as áreas de aplicação da constelação sistêmica?

Depois de tanto ler você deve estar se perguntando, “o que pode ser
trabalhado?” Bem, a constelação está apta a trabalhar diversos temas, entre
eles:

1. Traumas

2. Depressão e Ansiedade

3. Assuntos relacionados a filhos

4. Situações profissionais e/ou de carreira

5. Situações de sua própria empresa

6. Problemas com dinheiro

7. Complicações no casal

8. Tomada de decisões difíceis

9. Implicações emocionais de doenças

10. Questões pessoais


11. E questões como:

11.1. Quando pais que se separam querem encontrar o lugar certo para os
seus filhos.

11.2. Quando pessoas têm a experiência como estranhos em grupos e


na família.

11.3. Quando pessoas não “podem” se permitir de serem felizes e bem-


sucedidos.

11.4. Quando acontecimentos históricos colocaram um peso sobre a


família.

11.5. Casos de bullying, doenças freqüentes, perda de motivação dos


empregados.

11.6. Quando se precisam processar relações ou acontecimentos


perturbadores dentro de uma equipe antes ou depois de uma mudança
estrutural dentro da empresa.

11.7. O que há por trás da desmotivação de uma criança ou adolescente que


diz não gostar de estudar?

11.8. Meu aluno não consegue ler / escrever! E agora, o que eu faço?

11.9. O que há por trás do quadro de agitação / agressividade de uma criança


ou adolescente?

11.10. Olhando para professores – Vivo doente, não consigo trabalhar e


agora?
11.11. Olhando para professores – Por que perdi o desejo de trabalhar?
11.12. Olhando para professores – Não consigo ser feliz na vida afetiva e
financeira.

12. Entre outros.

Mas pense bem o conteúdo que você deseja trabalhar. Pense se esse tema é
realmente importante. Deixe de lado questões bobas e nunca, jamais, faça uma
constelação apenas por curiosidade. Toda e qualquer psicoterapia só funciona
quando nos permitirmos e nos comprometemos com ela.
Dito isso, adote uma postura madura e aborte os temas de forma que foque na
sua situação, e não nos outros. Fazendo isso a Constelação pode lhe trazer luz
a suas questões, e assim desfazer nós inconscientemente criados.

Como é feita a constelação?

A constelação pode ser feita de suas formas:

Em grupo:

Um facilitador conduz o processo colocando algumas pessoas do grupo para


representar os membros do seu sistema. Qualquer pessoa pode ser
representante desde que apenas observe as reações do seu próprio corpo e
siga seus movimentos, com coragem (para aceitar situações novas), sem
intenção (de querer ajudar) e desconsiderando conhecimentos prévios da
situação.

Um efeito interessante nessa prática é que, ao colocarmos representantes para


os membros do sistema, os relacionamentos se apresentam em 3D. Ao mesmo
tempo em que percebemos, por exemplo, os sentimentos entre minha esposa e
eu, também aparecem as implicações com a ex, com os filhos, com a sogra e
outras pessoas.

Ou individualmente:

O atendimento individual é, da mesma forma, muito assertivo e direto e


realizado apenas entre você e o constelador. Nesta forma de trabalho, utilizam-
se bonecos ou outros objetos que serão os representantes do sistema.

Como no trabalho em grupo, o cliente terá oportunidade de avaliar e alterar


suas atitudes e comportamentos, facilitando a resolução das situações em
questão.

Tem um problema relevante? Quer resolver? Marque uma consulta.