Você está na página 1de 44

ATENÇÃO:

BRIGADISTA BOMBEIRO
PROFISSIONAL CIVIL
PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIOS
CLASSES DE FOGO

Fogo é uma reação


química que produz luz
e calor.

Incêndio é
o fogo fora de
controle.
TETRAEDRO DO FOGO

Para o fogo existir, são


necessários os quatro
elementos.
Combustível
É todo material que
queima.

São sólidos, líquidos e


gasosos,
sendo que os sólidos e os
líquidos
se transformam
primeiramente em
gás pelo calor e depois
inflamam.

Sólidos
Madeira, papel, tecido,
algodão, etc
Líquidos
Voláteis – são os que
desprendem
gases inflamáveis à
temperatura
ambiente.
Ex.:álcool, éter, benzina,
etc.
Não Voláteis – são os que
desprendem gases
inflamáveis
à temperaturas maiores do
que a do ambiente.
Ex.: óleo, graxa, etc.
Gasosos
Butano, propano, etano,
etc.
Comburente (oxigênio)
É o elemento ativador do
fogo, que se combina com
os vapores inflamáveis
dos combustíveis, dando
vida às chamas e
O AR
possibilitando a expansão
do fogo. 1% 21%

Compõe o ar atmosférico
na porcentagem de 21%, 78%

sendo que o mínimo OXIGENIO NITROGENIO OUTROS GASES

exigível para sustentar a


combustão é de 16%.
Calor

É uma forma de energia.


É o elemento que dá
início ao fogo, é ele que
faz o fogo se propagar.

Pode ser uma faísca,


uma chama ou até um
superaquecimento em
máquinas e aparelhos
energizados.
Reação em cadeia
Os combustíveis, após iniciarem a combustão, geram
mais calor(1). Esse calor provocará o desprendimento
de mais gases ou vapores combustíveis (2),
desenvolvendo uma transformação em cadeia ou reação
em cadeia, que, em resumo, é o produto de uma
transformação gerando outra transformação.
Propagação do fogo
O fogo pode se propagar:
Pelo contato da chama em outros
combustíveis;
Através do deslocamento de partículas
incandescentes;
Pela ação do calor.

O calor é uma forma de energia produzida


pela combustão ou originada do atrito dos
corpos. Ele se propaga por três processos
de transmissão:
CLASSES DE INCÊNDIO
Sólidos como papel, madeira, tecidos
e borrachas.

Líquidos inflamáveis como gasolina,


óleo, álcool e querosene.

Equipamentos elétricos energizados


como baterias, transformadores, etc.

Em cada pavimento de uma edificação


deverão haver um extintor de cada classe.

16
Posição de instalação do extintor
CONDIÇÕES DE USO DO EXTINTOR

Mensalmente ou sempre que possível, o


Brigadista deve dar uma “olhadinha no
extintor”, verificando:
Se o ponteiro de indicador de pressão
não esta na FAIXA VERMELHA

Se o lacre de
inviolabilidade
permanece intacto
Se a aparência geral do extintor
não apresenta sinais de ferrugem,
riscos amassados etc

Se o bico da válvula
permanece desobstruído

Se as instruções de
operação estão visíveis
Se as datas-limite de garantia,
validade da carga e teste
hidrostático estão dentro do
prazo
Selo de Identificação da Certificação
Ponto de encontro:
•Local seguro e ventilado, designado para
a reunião dos ocupantes, após abandono
da área.
•Devem ser escolhidos lugares de fácil
acesso e longe dos pontos perigosos da
edificação.
Procedimentos para abandono de área:

•Pare o que estiver executando;


•Se possível desligue a máquina ou
aparelho que estiver usando;
•Feche o gás ou qualquer chama aberta;
•Ao sair, feche as porta e janelas (não as
tranque);
•Desobstrua passagens caso necessário;
•Dirija-se à saída indicada mantendo-se em
fila e aguardando distância segura do
companheiro da frente;
•Movimente-se de modo rápido e
ordeiro, NÃO CORRA;
•Mantenha-se em grupo após a saída
para facilitar a conferência;
•Na presença de fumaça, movimentar-
se abaixado;
•Se a emergência for incêndio e estiver
usando roupa de nylon, tire-a do corpo
e carregue na mão;
•Dirija-se ao ponto de encontro onde
haverá esclarecimentos do fato.
•Cuidado com ruas e vias de transito.
•Não corra sem saber para onde;
•Não atrase a fim de não atrapalhar a fila;
•Não grite e nem faça barulho
desnecessário;
•Não fique nos sanitários, vestiários ou
qualquer outro compartimento;
•Não volte para apanhar roupas ou outros
objetos esquecidos;
•Não use elevadores ou saídas designadas
para outros fins;
•Não demore em atender as instruções.
não há risco à vida

há risco á vida

ato de retirar
PREVER QUE EVENTOS NÃO PLANEJADOS POSSAM
ACONTECER, É CRIAR UMA REAÇÃO PLANEJADA,
FACILITANDO ASSIM, SUA EXECUÇÃO.
• CASOS CLÍNICOS:

• CASOS DE TRAUMA:

• DIFICULDADES RESPIRATÓRIAS:

• PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA:


• NEGLIGÊNCIA:

• IMPRUDÊNCIA:

• IMPERÍCIA:
Morte do tecido cardíaco em
razão da falta de oxigenação
tecidual conseqüente á obstrução
do fluxo sanguíneo nas artérias
coronárias.
1.Desconforto torácico (dor
irradiante, aperto, pressão,
queimação, ardência);
2.Sudorese;
3.Palidez;
4.Náusea ou vômitos;
5.Fraqueza;
6.Dispnéia (falta de ar).
 Disque 192 –
transmita as
informações
referentes ao
ocorrido.
Compressões torácicas

Posição correta da mão


_ Coloque a mão no
centro do peito, entre
os mamilos!
_ apoie a mão na
metade inferior do
esterno!
Posicionamento adequado
 Posicione a vítima
em decúbito dorsal
em superfície plana;
 Posicione-se
adequadamente em
relação à vítima.
 Deprima o esterno
do adulto cerca de
3, 5 a 5 cm numa
frequência de 100
vezes por minuto,
durante 2 minutos.
Compressões torácicas contínuas
Na impossibilidade de ventilar por
qualquer motivo:
 falta de equipamento para ventilação;
 vítima vomitando ou com ferimentos
na boca;
REALIZAR SOMENTE COMPRESSÕES
TORÁCICAS CONTÍNUAS (200), até a
chegada do equipamento, do SAMU ou
o retorno espontâneo da respiração.
A massagem cardíaca deve continuar até
que o pulso e a respiração voltem a
funcionar

Verificar
a pulsação a cada DOIS
minutos de massagem

Nascrianças, massagear com uma das


mãos ou dedos polegares
 Utilize técnica
adequada de
liberação de vias
aéreas, de acordo
com a situação
da vítima.