Você está na página 1de 3

PROCESSOS HISTÓRICOS E GESTÃO ESCOLAR

Camila Mota Gonçalves


Especialista em Gestão Escolar
E-mail: camilamotagoncalves@hotmail.com
Co-autor: Maria Aparecida Knipel
Departamento de Pedagogia da Unicentro

Resumo: O presente artigo tem o objetivo de analisar as concepções de gestão escolar, vistas sob a
ótica técnico-científica e sócio crítica e suas ramificações como as concepções que a envolvem,
sendo elas, autogestionária, interpretativa e democratica-participativa. Nesse intento percebemos a
necessidade de identificar a função da escola, e do gestor escolar, delineando assim seu perfil, de
acordo com as concepções analisadas. Para isso recorreremos a uma analise bibliográfica acerca do
tema.

Palavras chaves: analise, gestão escolar, identidade

Abstract: analise, gestão escolar, identidade

Key Words: O presente artigo tem o objetivo de analisar as concepções de gestão escolar, vistas
sob a ótica técnico-científica e sócio crítica e suas ramificações como as concepções que a
envolvem, sendo elas, autogestionária, interpretativa e democratica-participativa. Nesse intento
percebemos a necessidade de identificar a função da escola, e do gestor escolar, delineando assim
seu perfil, de acordo com as concepções analisadas. Para isso recorreremos a uma analise
bibliográfica acerca do tema.

Introdução: O presente artigo pretende analisar as correntes de pensamento técnico-científica e


sócio-crítica, que corresponde a corrente autogestionária, interpretativa e democratica-participativa,
temos como intuito situar historicamente essas ideias, delineando assim o perfil do diretor/gestor
escolar, observando o papel da escola. Para esse efeito recorreremos a uma pesquisa bibliográfica.
Quando nos referimos a gestão escolar, no que concerne as medidas legais, esta deve ser
pautada em uma gestão democrática, mas no decorrer deste artigo perceberemos que nem sempre o
conceito de democracia esteve presente na direção escolar, que muitas vezes é abordado a partir de
“ suposta harmonia” entre os indivíduos que dele fazer parte, sendo assim analisaremos as
preposições teóricas de alguns autores que perceberam as relações de “conflito” no ambiente
escolar.
Para que ocorra um bom funcionamento da instituição escolar, é necessário que a
organização e a gestão, as diretrizes pedagógicas, estejam articulados, para que ocorra por exemplo
uma boa utilização dos recursos materiais e do acompanhamento e direcionamentos de trabalho e
das pessoas, que estão envolvidas no ambiente escolar, sendo que estes devem estar articulados em
função do bem comum. Gestão e organização, devem estar pautadas em planejamento direção e
avaliações das atividades propostas, e ate mesmo do contexto da escola. A fim de analisar as
concepções postas acima, entendemos que os processos de gestão escolar devem ser compreendidos
a partir de sua organização e também de contextualizar essas concepções pedagógicas.
Segundo ( … ) As instituições escolares necessitam ser democraticamente administradas,
mas para que isso ocorra deve ocorrer uma participação ativa por parte de seus membros. A
organização e a gestão são elementos que correspondem as necessidades da instituição escolar, por
parte de seus integrantes.
Entendemos que a instituição escolar é uma instituição social, ou seja, ela está calcada em
uma sociedade. As concepções de sociedade são diversas assim como as de escola, desse modo
compreendemos que esses elementos possuem diferentes funções que correspondem a diversas
ideias. Assim, compreendemos que a escola como instituição social faz parte de uma conjuntura,
que levanta questionamentos como: Quais os processos históricos que permeiam as concepções
analisadas? Quem é o gestor dessa instituição? E desse modo não temos como fugir da concepção
de educação, ao tentar responder esses questionamentos.
Dermeval Saviani em sua obra Escola e Democracia escrita em 1980, faz uma analise dos
modelos pedagógicos adotados para a educação no Brasil no século XX, apontando o modelo, a
Escola Tradicional, Escola Nova e a Escola Tecnicista. Sendo que essas concepções se distinguem,
principalmente do modelo pedagógico que abordaremos o sócio-critica.

MODELO PEDAGOGICO TECNISCISTA

Segundo Weide, Silva, Guilhermeti ( 2009), na segunda metade do seculo XX, no Brasilo
regime da ditadura propos a lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, numero 5692
promulgada em 1971,
Perceber que o gestor escolar não é um sujeito neutro no processo de dirigir um ambiente escolar,
que suas ações são reflexo de uma determinada bagagem social, que este possui uma identidade,
que esta identidade assim como as bagagens sociais que possui tem grande importância na forma
como será dirigida a escola, e que tipo de relações esses ambiente constrói, e propicia a seus
educandos. Nesse intento, percebemos a relevância de se contextualizar esses processos históricos
que fazem parte da bagagem dos gestores, pois estes são frutos de um período e lugar. Entendemos
que as politicas educacionais são fomentadas pelas diretrizes organizacionais e curriculares, sendo
assim partiremos a analise da vertente da corrente de pensamento que atribui uma caráter
conservador para escolar. Nosso questionamento se restringe a perceber os elementos citados
contextualizando-os historicamente.