Você está na página 1de 3

Ficha Resumo

Grupo: Davy Pedro e José Wilton

Área de Pesquisa: Probabilidade/Estatística

URL Pesquisada: https://www.ime.unicamp.br/erpm2005/anais/m_cur/mc02_b.pdf

LOPES, Celi A. E; MEIRELES, E; O Desenvolvimento da


Probabilidade e da Estatística, 2002. XVIII ENCONTRO
REFERÊNCIA:
REGIONAL DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA –
LEM/IMECC/UNICAMP –2005.
PALAVRAS-CHAVE: Probabilidade, Estatística, História da Matemática
Os objetivos do trabalho estavam centrados em apresentar uma
OBJETIVOS: breve história da probabilidade e da estatística e como estas se
desenvolverem até a Modernidade.
PERÍODO DA OBRA: Em meados de 2005
As pesquisas foram realizadas em laboratórios distintos, sendo
eles o LEM (Laboratório de Ensino de Matemática, UNICAMP), e
LOCAL:
o IMECC (Instituto de Matemática, Estatística e Computação
Científica, UNICAMP), São Paulo, Brasil.
Número de participantes e como eles foram selecionados para
a pesquisa.
PARTICIPANTES:
A quantidade de participantes deste trabalho é 2, sendo eles 1)
Celi Espasandin Lopes e 2) Elaine Meirelles.
Este trabalho é pertence ao grupo dos trabalhos com uma
abordagem interdisciplinar. Embora seja um trabalho
genuinamente pertencente à matemática, ele também traz
consigo elementos históricos sobre o surgimento da
Probabilidade e Estatística e o seu consequente
desenvolvimento no decorrer de anos de conhecimentos
acumulado. Além do simples e não menos importante contexto
histórico, o trabalho também aborda um aplicação
MEDIDAS E PRINCIPAIS interdisciplinar da Probabilidade e da Estatística para a
RESULTADOS: resolução de problemas do mundo físico, isto é, do mundo real.
Desse modo – e é possível evidenciar isto através deste
trabalho – grande parte deste trabalho está centrado na
aplicação de modelos probabilísticos e estatísticos, tal como
bem exemplificado no trabalho no que diz respeito ao
“levantamento, coleta, organização e análise de dados”, para
que a probabilidade seja devidamente calculada, tendo,
portanto, maior chance de ser exata com os dados reais do
mundo físico.
• Este trabalho é delimitado a apresentar uma breve
história da Probabilidade e Estatística, bem como
RESUMO RESENHA: apresentar problemas do mundo real, unificando tais
problemas ao ensino da Probabilidade e Estatística para
a resolução de problemas reiais. Ademais, se os
problemas são reais, necessitam de modelos
matemáticos pertencentes à Probabilidade e à
Estatística para que tais problemas sejam devidamente
solucionados, tendo uma aproximação quase exata com
a realidade imutável.
 Há várias citações que poderão me auxiliar em meus
trabalhos; contudo, eu devo destacar as principais,
sendo elas:

“A probabilidade além de ter suas raízes na solução de


problemas de jogos também as tem no processamento
de dados estatísticos. Os problemas estatísticos mais
importantes que requerem o pensamento
probabilístico originam-se no processo de amostras.”

“Na última década do século XIX, a evolução da


Estatística tomou uma nova direção noReino Unido,
pois o conceito dessa ciência proporcionou um uso mais
amplo da Matemática e sua aplicação para a Biologia.”

“O ensino da Estatística e da Probabilidade, através das


experimentações, observações, registros, coletas e
análises de dados de modo interdisciplinar, pode
possibilitar aos estudantes o desenvolvimento do senso
crítico. Porém, é muito importante que o professor seja
um instigador das questões a serem analisadas,
principalmente nas séries iniciais do Ensino
Fundamental,
quando muitos valores sociais entram em questão.”

“...é preciso entender que problema não é um exercício


de aplicação de conceitos recém trabalhados, mas o
desenvolvimento de uma situação que envolve
interpretação e estabelecimento de uma estratégia
para a resolução.”

“O ensino da Matemática tem como tradição a


exatidão, o determinismo e o cálculo, opondo-se à
exploração de situações que envolvam aproximação,
aleatoriedade e estimação, as quais podem limitar a
visão matemática que o aluno poderá desenvolver,
dificultando suas possibilidades de estabelecimento de
estratégias para a resolução de problemas
diversificados
que lhe surgirão ao longo de sua vida.”

• O artigo está impecável. Uma linguagem extremamente


didática e acessível, cumpre com os requisitos
estruturais de um artigo acadêmico, e é, sem dúvidas,
indispensável para qualquer revolução das ciências
indutivas, isto é, das ciências empíricas. Primeiro,
porque os problemas reais são descritos pelas ciências
indutivas, mas estes problemas são amplamente
descritos através de modelagens matemáticas com alto
grau de exatidão. Alguns, como no caso da Biologia –
mais precisamente no ramo da genética – baseiam-se
exclusivamente em modelos probabilísticos para
descrever uma gama de fenômenos de cunho biológico.
• Como já citado – tanto no artigo, como em minhas
conclusões arbitrárias – a Probabilidade é uma
ferramenta matemática caracterizada pela variação
com que pode ser utilizada para resolver este ou aquele
problema do mundo natural (real). Disso, há estudos
em psicologia e seus ramos que baseiam-se
exclusivamente em modelos probabilísticos para
determinar o avanço de certas patologias neurológicas
possam surgir e evoluir.
• O trabalho está excelente. Está, além disso, em um
nível de profundidade epistemológica não comumente
visto em outros artigos sobre o tema. Contudo,
sugestões são sempre bem-vindas. Sendo a matemática
uma ferramenta utilizada na resolução de problemas
reais do mundo físico, seria fundamentalmente
necessário utilizá-la com ainda mais frequência em
pesquisas e em outras situações mais complexas, bem
como em simples análises de dados do dia-a-dia. Mas,
para que isso seja possível, é necessário pesquisas e
mais pesquisas em cima destes tópicos.