Você está na página 1de 31

AMOSTRAGEM E TIPOS DE AMOSTRAGEM

JOSE LUIS HUERGA ANDRÉS


 É impossível examinar uma área
contaminada por inteiro
 Criteriosos procedimentos de amostragem e
preparação das amostras ajudam a que os
dados sejam confiáveis e otimizar
amostras.
 Amostras devem ser devidamente
catalogadas e preservadas.
 Deve haver uma lógica na amostragem par
que esta seja o mais eficiente possível
 A equipe de técnicos de campo deve ser
especializada :
 pedologia,
 Geomorfologia
 Geotecnia,
 Bem como na descontaminação dos
equipamentos e manejo dos resíduos
gerados.
 É imprescindível o uso de equipamentos de
proteção individual-EPI’s.
 Pretende registrar dados de campo de:
 Resistência dos materiais.
 Tipo de solo e comportamento de este ante
esforços e cisalhamentos .
 Dados necessários para avaliar a resistência
do solo a diferentes esforços que pode estar
submetido.
 Exigem planejamento prévio, devem ser
realizados trabalhos detalhados de:
 - Levantamento topográfico;
 - Estudo das estruturas geológicas;
 - Exploração do subsolo:
 Sondagens a Trado;
 Sondagens SPT;
 Sondagens rotativas;
 Outros ensaios: CPT,
 Palheta (Vane Test),
 dilatômetro, etc...
 - Água no terreno: superficial e subterrânea
(medições de nível de água e poro-pressão
(piezômetros),
 permeabilidade do solo/rocha, regime de
chuvas)

 - Fatores Ambientais:
 i. Clima;
 ii. Fatores Humanos (antrópicos);
 iii. Ecossistema.
SPT: reconhecimento inicial, DMT PMT VST
camadas, amostras, nível camadas, resistência e resistência a
d’água, compacidade, CPTu resistência, deformabilidade cisalhamento
consistência; camadas,resistência, (nos três eixos) (torque),
deformabilidade, tempodeformabilidade
de adensamento; em uma direção sensibilidade;
;
 Considerada, pela norma brasileira de
fundações, NBR-6122 da ABNT
 “indispensável em qualquer porte de obra”.
 É um procedimento excelente para o
primeiro reconhecimento geotécnico de um
terreno.
 informações coletadas:
 a) coleta de amostras a cada metro de
profundidade, permitindo a classificação táctil e
visual dos materiais atingidos;
 b) identificação do início e fim de cada camada
de solo, pela observação do material aderido ao
trado ou pela observação da água de lavagem;
 c) avaliação da profundidade do lençol freático
e de eventual artesianismo ou lençol
empoleirado;
 d) avaliação da consistência ou compacidade
das argilas ou das areias, respectivamente,
pelo número de golpes “SPT”, necessários para
a cravação do amostrador padrão.
Torquímetro de ponteiro para determinação do atrito
entre o solo e o amostrador.
 Cone eletrônico
 Medidas a cada 1,0 cm
 100 informações de cada parâmetro, por metro
 São 3 parâmetros, portanto são 300 informações por metro
 As informações são apresentadas em unidades de pressões (Kpa)

Pressão
neutra (de
poro)
desenvolvida
no processo
de perfuração

Resistênciaresistência de
de ponta atrito lateral
(a proporção entre as duas é a “razão de
atrito”)
CPTu
É um procedimento excelente para complementar o
reconhecimento estratigráfico do terreno e medir
propriedades de resistência, deformabilidade e de
tempo de adensamento.
EQUIPAMENTO
 Nos solos argilosos, a pressão “P1” é
apenas um pouco maior do que a
 pressão “P0”, enquanto nos solos arenosos,
essa diferença é bem maior.
 Índice ligado aos vazios e à
compressibilidade
 Identifica o “comportamento
granulométrico”
 É um adimensional
 Difere do SPT, que é absoluto e não se
usa interpretar como proporção do
estado de tensões
 O parâmetro “Ed” representa uma “proporção
elástica”, ou seja, exprime a relação entre o módulo
de elasticidade do solo (E) e o coeficiente de Poisson
do solo (μ).

Classificação
Compacidade
Consistência
Peso específico
 A introdução da lâmina altera o repouso
 Identificação do histórico de tensões
 Índice normalizado com a tensão efetiva
 Parâmetro “Kd” na faixa de solos
normalmente adensados (entre 1,8 e 2,3)
 Em solos sobreadensados Kd > 2,3
 1.Perfuração com circulação de água interna ao
revestimento
 2.Remoção da ferramenta de perfuração
 3.Limpeza interna
 4.Introdução do pressiômetro
 5.Execução do ensaio
 O processo de perfuração com rotativa
é o que permite atingir os solos mais
fortes
 Valores típicos de pressão limite e
módulo pressiométrico
Resultad
os
típicos