Você está na página 1de 1275

Create account or Sign in

Loriga | LORIGA - PORTUGAL Search this site

Home Pages Gallery

Others sites about the


Loriga town of Loriga | Outros
sites sobre a vila de
Loriga
Concise history of Loriga | História concisa de Loriga More about the history of
Loriga / Mais sobre a
história de Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
More information about
Loriga and photos | Mais
informação sobre Loriga e
fotos
Loriga videos
Loriga videos
Loriga videos
[Loriga coat of arms and logos.]

History of Loriga – Excerpts from the work of the historian António


Conde, “Concise History of the town of Loriga – From the Origins to the
extinction of the municipality” | História de Loriga – Extratos da obra do
historiador António Conde, “História concisa da vila de Loriga – Das
origens à extinção do município”

Loriga is an ancient, beautiful and historical portuguese town, located in the Serra da
Estrela mountains.
Known as Lobriga by the Lusitanians and Lorica by the Romans, it is more than 2600 years
old.
Notable people from Loriga include Viriathus ( known as Viriato in Portuguese ), a famous
Lusitanian leader and portuguese national hero.
Loriga as enormous touristics potentialities and they are the only ski resort and ski trails
existing in Portugal ( Loriga is the Lusian Capital and the capital of the snow in Portugal ).
Loriga is a town in Portugal located in Guarda District. Loriga is 20 km away from Seia,
40 km away from Viseu, 80 km away from Guarda and 320 km from Lisbon. It is nestled in
the Serra da Estrela mountain range. The population is 789 (2015 estimate).
It is known as the "Portuguese Switzerland" due to its landscape: a town surrounded by
mountains.
Known to be settled by the Lusitanians, the town is more than 2600 years old and was part
of the Roman province of Lusitania. It was known as Lobriga by the Lusitanians and Lorica
by the Romans.
Loriga became a textile manufacturing center in the begin-19th century. While that
industry has since dissipated, today the town attracts a sizable tourist trade due to its
picturesque scenery and vicinity to the Loriga Ski Resort, the only ski center in Portugal,
totally inside the town limits.

História de Loriga – Extratos da obra do historiador António Conde, “História concisa da vila
de Loriga – Das origens à extinção do município” / History of Loriga – Excerpts from the
work of the historian António Conde, “Concise History of the town of Loriga – From the
Origins to the extinction of the municipality”

[The spectacular landscape of Loriga.]

Coordinates: 40°19 13.69 N 7°39 58.15 W/40.3204694°N 7.6661528°W/40.3204694;


-7.6661528
Civil Parish (Vila) / Vila – Town in portuguese
The valley parish of Loriga in the shadow of the Serra da Estrela /
Official name: Loriga
Country – Portugal
Region – Centro, Beira Interior, Portugal
Subregion – Loriga – Serra da Estrela
District – Guarda
Municipality – Seia
Localities – Fontão, Loriga
Landmark – Torre (Serra da Estrela)
Rivers – Ribeira de São Bento, Ribeira de Loriga
Center Loriga – elevation 1,293 m (4,242 ft) – coordinates 40°19 13.69 N
7°39 58.15 W / 40.3204694°N 7.6661528°W / 40.3204694; -7.6661528
Length 4.21 km (3 mi), Northwest-Southeast
Width 13.78 km (9 mi), Southwest-Northeast
Area 36.25 km² (14 sq mi)
Population 1,367 (2005) /
Density 37.71 / km² (98 / sq mi)
LAU – Vila/Junta Freguesia – location – Largo da Fonte do Mouro, Loriga
Timezone – WET (UTC0) – summer (DST)WEST (UTC+1)
ISO 3166-2 codePT-
Postal Zone – 6270-073 Loriga
Area Code & Prefix(+351) 238 ′′′ ′′′
Demonym – Loriguense or Loricense
Patron Saint – Santa Maria Maior
Parish Address – Largo da Fonte do Mouro - 1019 - 6270-073 Loriga

( Statistics from INE (2001); geographic detail from Instituto Geográfico


Português

Loriga (Portuguese pronunciation: ([loriga]) is a town (Portuguese:


vila) in south-central part of the municipality of Seia, in central Portugal. Part of the district
of Guarda, it is 20 km away from Seia, 40 km away from Viseu, 80 km away from Guarda
and 320 km from Lisbon, nestled in the Serra da Estrela mountain range. In 2005,
estimates have the resident population at about 1367 inhabitants, in an area of 36.25 km²
that includes the two localities, the town of Loriga and village of Fontão.
[Lusitanian Warriors. Loriga prides itself on its ancient Celtic and Lusitanian past, and the
very ancient tradition of being the birthplace of Viriathus.]

History
Loriga was founded originally along a column between ravines where today the historic
centre exists. The site was ostensibly selected more than 2600 years ago, owing to its
defensibility, the abundance of potable water and asturelands, and lowlands that provided
conditions to practice both hunting and gathering/agriculture.
[Roman legionary soldier wearing Lorica / Loriga armor, origin of the name of the town,
origin of the Loricense / Loriguense gentliche and the main and essential part of the coat of
arms of the town. Loriga prides itself on its millennial name, a rare case of a name that has
remained virtually unchanged for over two thousand years.]

When the Romans arrived in the region, the settlement was concentrated into two areas.
The larger, older and principal agglomeration was situated in the area of the main church
and Rua de Viriato, fortified with a wall and palisade. The second group, in the Bairro de
São Ginês, were some small homes constructed on the rocky promintory, which were later
appropriated by the Visigoths in order to construct a chapel. The 1st century Roman road
and two bridges (the second was destroyed in the 17th century after flooding) connected
the outpost of Lorica to the rest of their Lusitanian province. The barrio of São Ginês (São
Gens), a local ex-libris, is the location of the chapel of Nossa Senhora do Carmo, an ancient
Visigothic chapel. São Gens, a Celtic saint, martyred in Arles on Gália, during the reign of
Emperor Diocletian, and over time the locals began to refer to this saint as São Ginês, due
to its easy of pronunciation.

Middle Ages
Loriga was the municipal seat since the 12th century, receiving forals in 1136 (João Rhânia,
master of the Terras de Loriga for over two decades, during the reign of Afonso Henriques),
1249 (during the reign of Afonso III), 1474 (under King Afonso V) and finally in 1514 (by
King Manuel I).
Loriga was an ecclesiastical parish of the vicarage of the Royal Padroado and
its Matriz Church was ordered constructed in 1233, by King Sancho II. This
church, was to the invokation of Santa Maria Maior, and constructed over the
ancient small Visigothic chapel (there is a lateral block with Visigoth
inscriptions visible). Constructed in the Romanesque-style it consists of a
three-nave building, with hints of the Sé Velha of Coimbra. This structure was
destroyed during the 1755 earthquake, and only portions of the lateral walls
were preserved.
LORICA - LUSITANIA --- LORIGA - PORTUGAL --- Land of VIRIATHUS

The 1755 earthquake resulted in significant damage to the town of Loriga, destroying
homes and the parcochial residence, in addition to opening-up cracks and faults in the
town’s larger buildings, such as the historic municipal council hall (constructed in the 13th
century). An emissary of the Marquess of Pombal actually visited Loriga to evaluate the
damage (something that did not happen in other mountainous parishes, even Covilhã) and
provide support.

The residents of Loriga supported the Absolutionist forces of the Infante Miguel
of Portugal against the Liberals, during the Portuguese Liberal Wars, which
resulted in Loriga being abandoned politically after Miguel’s explusion by his
brother King Peter. In 1855, as a consequence of its support, it was stripped
of municipal status during the municipal reforms of the 19th century. At the
time of its municipal demise (October 1855), the municipality of Loriga included
the parishes of Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes da Beira, Teixeira, Valezim and
Vide, as well as thirty other disincorporated villages.

[The so-called industrial revolution arrived in Loriga in the early nineteenth century,
transporting to the modern era a woolen handicraft activity that had existed in this town
for more than 500 years. Loriga is proud of its centenary woolen industry and therefore the
hydraulic wheel is one of the fundamental parts of its coat of arms.]

Loriga was an industrial centre for textile manufacturing during the 19th
century. It was one of the few industrialized centres in the Beira Interior
region, even supplanting Seia until the middle of the 20th century. Only
Covilhã out-preformed Loriga in terms of businesses operating from its lands;
companies such as Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão &
Irmãos, Augusto Luís Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura Cabral and Lorimalhas, among
others. The main roadway in Loriga, Avenida Augusto Luís Mendes, is named for one of the
towns most illustrious industrialists. The wool industry started to decline during the last
decades of the 20th century, a factor that aggravated and accelerated the decline of the
region.
[Map and coats of localities that belong to the region and old municipality of Loriga.]

[Historic center of the town on the hill between the two streams where the village was
founded more than 2600 years ago.]

Geography
Known locally as the “Portuguese Switzerland” due to its landscape that includes a
principal settlement nestled in the mountains of the Serra da Estrela Natural Park. It is
located in the south-central part of the municipality of Seia,
along the southeast part of the Serra, between several ravines, but specifically
the Ribeira de São Bento and Ribeira de Loriga; it is 20 kilometres from Seia, 80 kilometres
from Guarda and 300 kilometres from the national capital (Lisbon). A main town is
accessible by the national roadway E.N. 231, that connects directly to the region of the
Serra da Estrela by way of E.N.338 (which was completed in 2006), or through the E.N.339,
a 9.2 kilometre access that transits some of the main elevations (960 metres near Portela
do Arão or Portela de Loriga, and 1650 metres around the Lagoa Comprida).
The region is carved by U-shaped glacial valleys, modelled by the movement of
ancient glaciers. The main valley, Vale de Loriga was carved by longitudanal
abrasion that also created rounded pockets, where the glacial resistance was
minor. Starting at an altitude of 1991 metres along the Serra da Estrela the
valley descends abruptly until 290 metres above sea level (around Vide), passing villages
such as Cabeça, Casal do Rei and Muro. The central town, Loriga, is seven kilometres from
Torre (the highest point), but the parish is sculpted by cliffs, alluvial plains and glacial
lakes deposited during millennia of glacial erosion, and surrounded by rare ancient forest
that surrounded the lateral flanks of these glaciers.

Economy
Textiles are the principal local export; Loriga was a hub the textile and wool industries
during the 19th century, in addition to being subsistence agriculture responsible for the
cultivation of corn. The Loriguense economy is based on metallurgical industries, bread-
making, commercial shops, restaurants and agricultural support services.

While that textile industry has since dissipated, the town began to attract a
tourist trade due to its proximity to the Serra da Estrela and Vodafone Ski
Resort (the only ski center in Portugal), which was constructed within the
parish limits.

[ By the historian António Conde ]


40º 19 N 7º 41’O
* Gentílico – Loricense ou loriguense
* Área – 36,52 km²
* Densidade – 37,51 hab./km² (2005)
* Orago – Santa Maria Maior
* Código postal – 6270
* Apelidada de “Suíça Portuguesa”, é a vila mais alta de Portugal.

Loriga é uma vila e freguesia portuguesa do distrito da Guarda. Tem


36,52 km² de área, e densidade populacional de 37,51 hab/km² (2005). Tem
uma povoação anexa, o Fontão.

[A bela aldeia de xisto de Fontão de Loriga, fundada no século ′VI.]

Loriga encontra-se a 80km da Guarda e 300km de Lisboa. A vila é directamente acessível


pela EN 231, e indirectamente pela EN338, e tem acesso directo à Torre, pela referida
EN338, estrada concluída em 2006, seguindo um traçado pré-existente e pré-projectado
mais de quarenta anos antes, com um percurso de 9,2 km de paisagens deslumbrantes,
entre as cotas 960m (Portela de Loriga, também conhecida por Portela do Arão) e 1650m,
acima
da Lagoa Comprida.
[Pormenor noturno do centro histórico da vila, na colina entre as ribeiras de Loriga e de São
Bento, onde a povoação foi fundada há mais de 2600 anos. Esta foto ajuda a explicar a
escolha deste local para fundar a povoação que, até á conquista romana, esteve fortificada
com muros e paliçadas]

É conhecida há décadas como a “Suíça Portuguesa” devido à sua


extraordinária paisagem e localização geográfica. Está situada entre os 770m de altitude,
na sua parte urbana mais baixa, e os cerca de 1200m rodeada por montanhas, das quais se
destacam a Penha dos Abutres (1828m de altitude) e a Penha do Gato (1771m), e é
abraçada por dois cursos de água: a Ribeira de Loriga e a Ribeira de S.Bento, que se unem
depois da E.T.A.R.. A Ribeira de Loriga é um dos maiores afluentes do Rio Alva que por sua
vez desagua no Rio Mondego. A montante da vila, a Ribeira de Loriga recebe também o
Ribeiro da Nave, um afluente que tem um curso extraordinário e passa por uma das zonas
mais belas do Vale de Loriga, incluíndo os famosos Bicarões, cascatas a alta altitude junto
das quais se encontra uma conhecida quinta. A bela, famosa e premiada praia fluvial da
Ribeira de Loriga encontra-se num dos lugares mais espetaculares do vale de Loriga, no
local conhecido há séculos por Chão da Ribeira.
[A bela e sempre premiada praia fluvial da vila de Loriga. Esta praia na Ribeira de Loriga
está situada num dos locais mais belos do Vale de Loriga, no lugar conhecido há séculos por
Chão da Ribeira.]
A vila está dotada de uma ampla gama de infrastrutras físicas e culturais, que abrangem
todas as àreas e todos os grupos etários, das quais se destacam, por exemplo, o Grupo
Desportivo Loriguense, fundado em 1934, a Sociedade Recreativa e Musical Loriguense,
fundada em 1905, os Bombeiros Voluntários de Loriga, criados em 1982, cujos serviços se
desenvolvem na àrea equivalente á fase inicial do antigo concelho de Loriga, a Casa de
Repouso Nª. Srª. da Guia, uma das últimas obras sociais de relevo, e a Escola C+S Dr. Reis
Leitão.
Ao longo do ano celebram-se de maneira especial o Natal, a Páscoa (com a
Amenta das Almas) e festas em honra de Santo. António (durante o mês Junho) e São
Sebastião (durante o mês de Julho), com as respectivas mordomias e procissões. Porém, o
ponto mais alto das festividades religiosas é a festa dedicada à padroeira dos emigrantes
loricenses, Nossa Senhora da Guia, que se realiza todos os anos, no primeiro Domingo de
Agosto. No segundo Domingo, tem lugar a festa em honra de Nª. Srª. da Ajuda, no Fontão
de Loriga.

[Pormenor do centro histórico da vila, na colina entre as ribeiras de Loriga e de São Bento,
onde a povoação foi fundada há mais de 2600 anos. Esta foto ajuda a explicar a escolha
óbvia deste local para fundar a povoação que, até á conquista romana, esteve fortificada
com muros e paliçadas]

Breve história
Fundada originalmente no alto de uma colina entre ribeiras onde hoje existe o centro
histórico da vila. O local foi escolhido há mais de dois mil e seiscentos anos devido à
facilidade de defesa (uma colina entre ribeiras), à abundância de água e de pastos, bem
como ao facto de a as terras mais baixas providenciarem alguma caça e condições mínimas
para a prática da agricultura. Desta forma estavam garantidas as condições mínimas de
sobrevivência para uma população e povoação com alguma importância.
[Guerreiros Lusitanos. Loriga orgulha-se do antigo passado celta e lusitano, e orgulha-se da
muito antiga tradição de ser o berço de Viriato.]

[Uma sepultura antropomórfica que durante muitos séculos esteve coberta de terra e de
mato. Quando foi “descoberta” no século ′IV os loriguenses chamaram-lhe Caixão da
Moura, julgando erradamente tratar-se de um vestigio dos mouros. Um nome que se
mantem.]

O nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus


habitantes nos Hermínios (actual Serra da Estrela) na resistência lusitana, o que levou os
romanos a porem-lhe o nome de Lorica (antiga couraça guerreira), de que derivou Loriga,
palavra que tem o mesmo significado. Os Hermínios eram o coração e a maior fortaleza da
Lusitânia. Fosse qual fosse o motivo é um facto que os romanos lhe deram o nome de
Lorica, e deste nome derivou Loriga (derivação iniciada pelos Visigodos) e que tem o
mesmo significado.

[Soldado legionário romano usando a armadura Lorica / Loriga, origem do nome da vila,
origem do gentílico Loricense / Loriguense e a peça principal e imprescindível do brasão da
vila. Loriga orgulha-se do seu nome milenar, um caso raro de um nome que se mantem
praticamente inalterado há mais de dois mil anos.]

É um caso raro, em Portugal, de um nome que se mantem praticamente inalterado há mais


de dois mil anos, e tal facto contribui para que a Lorica seja a peça principal do brasão da
vila. O brasão antigo da vila era constituído por uma couraça e uma estrela com sete pontas
em ouro, sendo que o escudo era de azul escuro.

Situada na parte Sudoeste da Serra da Estrela, a sua beleza paisagística é o principal


atractivo de referência. Os socalcos e sua complexa rede de irrigação são um dos grandes
ex-libris de Loriga, uma obra gigantesca construída pelos loricenses ao longo de muitas
centenas de anos e que transformou um vale belo mas rochoso num vale fértil. É uma obra
que ainda hoje marca a paisagem do belíssimo Vale de Loriga, fazendo parte do património
histórico da vila e é demonstrativa do génio dos seus habitantes.

Em termos de património histórico, destacam-se também a ponte e a estrada romanas


(século I a.C.), uma sepultura antropomórfica (século VI a.C.), a Igreja Matriz (século
′III,reconstruída), o Pelourinho (século ′III, reconstruído), o Bairro de São Ginês (São
Gens) com origem anterior à chegada dos romanos e a Rua de Viriato. A Rua da Oliveira,
pela sua peculiaridade, situada na área mais antiga do centro histórico da vila, recorda
algumas das características urbanas da época medieval. A estrada romana e uma das duas
pontes (a outra ruiu no século ′VI após uma grande cheia na Ribeira de S. Bento), com as
quais os romanos ligaram Lorica, na Lusitânia, ao restante império, merecem destaque.
[Troço da estrada romana, na área que por isso ficou conhecida por Calçadas]

[Ponte romana sobre a Ribeira de Loriga.]

A tradição local e diversos antigos documentos apontam Loriga como berço de Viriato, e no
início do século ′′ existiu mesmo um movimento loricense para lhe erigir um estátua na
vila, e que infelizmente não chegou a concretizar-se. O documento mais conhecido, embora
não seja o mais antigo, que fala de Loriga como sendo terra-natal de Viriato, é o livro
manuscrito História da Lusitânia, escrito pelo Bispo Mor do Reino em 1580. A actual Rua de
Viriato, na parte mais antiga do centro histórico da vila, já tinha esse nome no século ′II. A
Rua de Viriato, no troço compreendido entre as antigas sedes do G.D.L. e da Casa do Povo,
corresponde exatamente a parte da linha defensiva da antiga povoação lusitana.
[Vestígios medievais de uma casa senhorial entretanto alterada, mas na qual ainda se
destaca a varanda.]

O Bairro de São Ginês (São Gens) é um ex-libris de Loriga e nele destaca-se a capela de
Nossa Senhora do Carmo, antiga ermida visigótica precisamente dedicada àquele santo ao
qual os loricenses passaram a chamar São Ginês, talvez por este nome ser mais fácil de
pronunciar (aliás não existe nenhum santo com o nome Ginês). Os loricenses esqueceram o
culto deste santo, puseram-lhe a alcunha de Ginês (em Loriga as alcunhas eram correntes),
deixaram arruinar a ermida e depois reconstruiram-na com o atual orago de Nossa Senhora
do Carmo. A última reconstrução é do início do século ′′, como aliás indica a data colocada
na fachada, o que induz em erro os visitantes sobre a antiguidade deste local de culto.
Quando os romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos.
O maior, mais antigo e principal, situava-se na área onde hoje existem a Igreja Matriz e
parte da Rua de Viriato e estava fortificado com muralhas e paliçada. No local do actual
Bairro de São Ginês (São Gens) existiam já algumas habitações encostadas ao promontório
rochoso, em cima do qual os Visigodos construíram mais tarde a referida ermida dedicada
àquele santo.
Loriga era uma paróquia criada pelos visigodos, pertencente à Diocese de Egitânia, e no
início da nacionalidade à Vigariaria do Padroado Real, e a Igreja Matriz foi mandada
construir em 1233 pelo rei D. Sancho II. Esta igreja, cujo orago era já o de Santa Maria
Maior e que se mantém, foi construída no local de outro antigo e pequeno templo visigótico
também dedicado a Nossa Senhora, do qual foi aproveitada uma pedra com inscrições
visigóticas, que está colocada na porta lateral virada para o adro, e onde foi gravada a data
da construção. De estilo românico, com três naves, e traça exterior lembrando a Sé Velha
de Coimbra, esta igreja foi destruída pelo sismo de 1755, dela restando apenas partes de
alvenaria e das paredes laterais.
[Um fontanário exibindo uma data do início do século ′III, e a praça do município datada
do mesmo século na qual se pode ver parte do antigo edifício da câmara municipal,
entretanto alterado e adaptado a residência particular. Infelizmente o pelourinho do século
′III foi demolido e o que se vê na imagem é uma reconstrução.]

O sismo de 1755 provocou enormes estragos na vila, tendo arruinado também a residência
paroquial e aberto algumas fendas nas robustas e espessas paredes do edifício da Câmara
Municipal construído no século ′III. Um emissário do Marquês de Pombal esteve em Loriga
a avaliar os estragos mas, ao contrário do que aconteceu com a Covilhã (outra localidade
serrana muito afectada), não chegou do governo de Lisboa qualquer auxílio.
[Algumas das antigas instalações industriais de Loriga. A chamada revolução industrial
chegou a Loriga no início do século ′I′, transportando para a era moderna uma atividade
artesanal de lanifícios que já existia nesta vila há mais de 500 anos. Loriga orgulha-se da
sua centenária indústria de lanifícios, e portanto a roda hidráulica é uma das peças
fundamentais do brasão desta vila.]

Loriga é uma vila industrial (têxtil) desde o início do século ′I′, no entanto esta atividade
já existia há séculos na vila em moldes artesanais, existindo referências pelo menos desde
o século ′IV. Chegou a ser uma das localidades mais industrializadas da Beira Interior, e a
actual sede de concelho só conseguiu suplantá-la já quase em meados do século ′′.
Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga no número de empresas. Nomes de
empresas, tais como: Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão &
Irmãos,Augusto Luis Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura Cabral, Lorimalhas, etc,fazem
parte da rica história industrial desta vila. A principal e maior avenida de Loriga tem o nome
de Augusto Luís Mendes, o mais destacado dos antigos industriais loricenses. Apesar de,
por exemplo, dos maus acessos que se resumiam à velhinha estrada romana de Lorica, com
dois mil anos, o facto é que os loriguenses transformaram Loriga numa vila industrial
progressiva, o que confirma o seu génio.

Mas, Loriga acabou por ser derrotada por um inimigo político e administrativo, local e
nacional, contra o qual teve que lutar desde o século ′I′.
A história da vila de Loriga é, aliás, um exemplo das consequências que os confrontos de
uma guerra civil podem ter no futuro de uma localidade e de uma região.
Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século ′II, tendo recebido forais em
1136 ( João Rhânia, senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas décadas, no
reinado de D.Afonso Henriques ), 1249 ( D.Afonso III ), 1474 ( D.Afonso V ) e 1514 (
D.Manuel I ), mas, por ter apoiado os chamados Absolutistas contra os Liberais na guerra
civil portuguesa, teve o castigo de deixar de ser sede de concelho em 1855. A conspiração
movida por desejos expansionistas da localidade que beneficiou com o facto, precipitou os
acontecimentos. Tratou-se de um grave erro político e administrativo como se confirma
pela situação desastrosa em que se encontra a vila e região envolvente; foi, no mínimo, um
caso de injusta vingança política, numa época em que não existia democracia e reinavam o
compadrio e a corrupção e assim, começou o declínio de toda a região de Loriga (antigo
concelho de Loriga). No entanto nada mudou desde o século ′I′ em relação á atuação dos
politicos, como o confirma a “reorganização” das freguesias efetuada em 2013, na qual
cometeram os mesmos erros.
[Mapas e brasões das freguesias atualmente existentes na área do antigo concelho de
Loriga]

A área onde existem as actuais freguesias de Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes da Beira,
Teixeira, Valezim, Vide, e as mais de trinta povoações anexas, pertenceu ao Município
Loricense. A vila de Loriga situa-se a vinte quilómetros da actual sede de concelho e
algumas freguesias da sua região, situam-se a uma distância muito maior.

A Região de Loriga, área do antigo Município Loricense, constitui também a Associação de


Freguesias da Serra da Estrela, com sede na vila de Loriga. Loriga e a sua região possuem
enormes potencialidades turísticas e as únicas pistas e estância de esqui existentes em
Portugal estão localizadas na área da freguesia da vila de Loriga.
Se nada de verdadeiramente eficaz for feito, começando pela vila de Loriga, esta região
estará desertificada dentro de poucas décadas, o que, tal como em relação a outras
relevantes terras históricas do interior do país, será com certeza considerado como uma
vergonha nacional. Confirmaria também a óbvia existência de graves e sucessivos erros nas
políticas de coesão, administração e ordenamento do território. Para evitar tal situação,
vergonhosa para o país, é necessário no mínimo por em prática o que já é reconhecido no
papel: desenvolver a vila de Loriga, pólo e centro da região.
[Os três monumentais fontanários erigidos pela Colónia Loriguense de Manaus, Brasil. De
sublinhar que a presença dos primeiros loriguenses no Brasil remonta ao século ′VI,
havendo portanto muitos brasileiros que descendem de naturais desta vila, no entanto
atualmente poucos conhecem ou assumem essa ascendência.]

A rua da Oliveira é uma rua situada no centro histórico da vila. A sua escadaria tem cerca
de 100 degraus em granito, o que lhe dá características peculiares. Esta rua recorda muitas
das características urbanas medievais do centro histórico da vila de Loriga.

O bairro de São Ginês é um bairro do centro histórico de Loriga cujas caracteristicas o


tornam num dos bairros mais conhecidos e típicos da vila. As melhores festas de São João
eram feitas aqui. Como já referido é curioso o facto de este bairro do centro histórico da
vila dever o nome a São Gens, um santo de origem céltica matirizado em Arles, na Gália, no
tempo do imperador Diocleciano, orago de uma ermida visigótica situada na área, atual
capela de Nossa Senhora do Carmo.
Com o passar dos séculos os loricenses mudaram o nome do santo para São Ginês, talvez
por ser mais fácil de pronunciar. Este núcleo da povoação, que já esteve separado do
principal e mais antigo, situado mais abaixo, é anterior à chegada dos romanos.

[Loriga celebrou acordo de geminação com a vila, actual cidade de Sacavém, no concelho
de Loures, em 1 de Junho de 1996.]
A paróquia e a Igreja Matriz de Loriga
Sabe-se que Loriga é uma povoação que tem mais de dois mil e seiscentos anos de
existência no exato local onde existe o centro histórico da vila, uma colina entre ribeiras,
defensável e perto de duas abundantes linhas de água. E a propósito do acesso à água, os
habitantes desta plurimilenar povoação tinham ainda disponível uma nascente, hoje
conhecida por Fonte do Vale, e que sabe-se foi também bastante valorizada mais tarde nas
épocas romana e medieval. Sabe-se que nessa época a povoação estendia-se desde
aproximadamente o local onde existe a convergência de três ruas, e a área onde hoje está o
centro de dia da ALATI. A povoação era defendida por muros e paliçadas e sabe-se que a
atual Rua de Viriato, no troço entre a antiga sede do GDL e a antiga Casa do Povo, coincide
exatamente com uma parte dessa linha defensiva da povoação. O local onde hoje existem o
adro e a igreja era o ponto central dessa povoação, e assim iria permanecer durante muitos
séculos. É portanto completamente natural que com a cristianização da população e com a
chegada dos Visigodos este local fosse eleito para construir o primeiro templo cristão da
então Lorica.

[Aparência atual da antiga ermida visigótica de São Gens, como resultado da última
reconstrução efetuada na data indicada na fachada. Infelizmente os visitantes são
enganados pela aparência moderna e pela referida data porque nada no local informa sobre
a antiguidade deste local de culto.]

Sabe-se que os Visigodos construiram pelo menos dois templos em Lorica, e digo pelo
menos porque encontrei indícios, que não consegui confirmar da existência de mais uma
ermida além daquela que construíram onde hoje está a capela de Nossa Senhora do Carmo
e que era dedicada a S. Gens. A dada altura cheguei a pensar tratar-se da ermida de S.
Bento, a tal que deu nome à area e à ribeira mas essa, embora confirmadamente já
existisse no século ′II não é anterior ao século ′. Certo é que os visigodos construíram a
ermida de S. Gens, e na época era mesmo uma ermida porque aquele local ficava fora da
povoação então existente, e quanto à escolha daquele local não é de excluir a hipótese de
ser um antigo local de culto pagão, dadas as suas caraterísticas. Dada a religiosidade dos
loriguenses, é no mínimo estranho que uma devoção tão antiga a um santo tenha sido
completamente abandonada, que tenham deixado cair em ruínas a sua ermida e depois a
tenham recuperado mas com outro orago. Não consegui encontrar uma explicação, e como
se isso não bastasse e para completar o “anátema” a que os loriguenses condenaram o
santo, mudaram-lhe também o nome de São Gens para São Ginês, um santo que nunca
existiu. Mas o pormenor da mudança de nome pode ser facilmente explicado pela passagem
dos séculos, pelo isolamento e pela “adaptação linguística” que tende a inclinar-se para as
formas mais fáceis, e Loriga também é conhecida pelas suas “singularidades linguísticas” e
pelo uso massivo de alcunhas.

[A igreja matriz de Loriga após o último restauro, vendo-se a porta com a pedra
aproveitada do antigo templo visigótico onde foi gravada a data da construção. Até pela
aparência das paredes notam-se os efeitos da reconstrução e das várias alterações
efetuadas ao longo dos séculos, e as diferenças entre a alvenaria mais antiga e a mais
recente.]

Também é certo que os visigodos construíram um templo dedicado a Nossa Senhora no


exato local onde hoje existe a Igreja Matriz, tratando-se de uma pequena capela cujas
dimensões não andariam longe das que tem a ermida de Nossa Senhora da Guia. Sabe-se
também que na época visigótica Loriga tinha o estatuto de paróquia, que dependia do bispo
de Egitânia ( atual Idanha a Velha ), e que a paróquia abrangia uma área aproximadamente
equivalente ao antigo concelho loricense na sua fase maior, que foi atingida em meados do
século ′I′. Obviamente foi impossível saber com exatidão a área da paróquia na época
visigótica mas fiquei surpreendido com a descoberta da mesma e com a existência de
algumas localidades em redor de Loriga, que ainda existem e das quais apenas duas
atingiram o estatuto de freguesias. Nestas andanças da pesquisa histórica há muito tempo
que aprendi que até algumas aldeias mais pequenas que alguns consideram insignificantes
podem de facto esconder uma história milenar. Em sentido contrário existem localidades
que hoje têm alguma importância e cujos naturais se esforçam por inventar um longo
passado que nunca existiu. Portanto, os tais “casais” referidos nos “pergaminhos”, cujos
habitantes iam à igreja de Lorica ouvir missa, já têm uma longa história que nunca foi
registada, e infelizmente uma dessas localidades foi recentemente e injustamente
amputada do seu estatuto de freguesia. E digo igreja de Lorica porque o uso da atual versão
do nome romano, ou seja Loriga, só se consolidou definitivamente na primeira metade do
século ′III. No início da nacionalidade, a consolidação, a administração do território e a
necessária fixação das populações implicava a atribuição de forais mas também a criação
de condições para a prática do culto, e é por isso frequente ao longo da história a
construção de igrejas por iniciativa real. E a esse propósito os reis mandavam construir
igrejas em povoações que já eram sede de município ou em povoações que seriam elevadas
a essa condição, tudo para ajudar a fixar as populações, e outras medidas eram tomadas
nesse sentido, e por exemplo muitos castelos foram feitos também com esse objetivo. O
pormenor a considerar é que o estatuto de município andava sempre a par com o estatuto
de paróquia, portanto as localidades que tinham igrejas eram geralmente sedes de
concelho, e seria certo se a igreja fosse mandada construir pelo rei. Sabe-se que a Igreja de
Loriga foi mandada construir pelo rei D. Sancho II em cima da construção do já referido
pequeno templo visigótico do qual foi aproveitada a pedra onde foi gravada a data da
construção, o ano de 1233. Assim, essa pedra colocada por cima de uma das portas laterais
virada para o adro, na igreja atual confirma a sua longa existência, correspondendo à data
da decisão da construção. A decisão real nesse sentido deve-se principalmente ao facto de
Loriga pertencer à Vigariaria do Padroado Real. A Igreja foi dedicada desde logo a Santa
Maria Maior, um orago que se mantem, sendo um templo românico cuja traça e fachada
principal fazia lembrar a Sé Velha de Coimbra, embora obviamente sem a monumentalidade
desta.
A
igreja tinha três naves e as dimensões eram próximas das atuais, mas para além disso a
atual igreja nada tem a ver com a antiga e o que vemos ali é fruto de várias reconstruções e
alterações, sendo que as mais radicais foram consequência do sismo de 1755. Já muita
gente se interrogou sobre o porquê das graves consequências do sismo de 1755 em Loriga,
e por isso ficam aqui algumas explicações. Em primeiro lugar, Loriga está situada num local
geologicamente sensível, num sítio de transição entre dois blocos rochosos diferentes, de
um lado o granito e do outro o xisto, facto que é suficiente para provocar grande agitação
em caso de sismo. Além disso, e para piorar a situação, a colina entre ribeiras não é muito
sólida porque foi criada com depósitos arrastados pelo antigo glaciar que rasgou o Vale de
Loriga, e por tudo isso é que as consequências do sismo foram tão graves na vila de Loriga.
De sublinhar que os estragos não se limitaram à Igreja Matriz e o terramoto, além dos
estragos provocados em muitas habitações, provocou o desabamento de uma das paredes
da residência paroquial e abriu fendas no robusto edifício da Câmara Municipal, construído
no século ′III, e cujas paredes do rés do chão onde funcionava a cadeia, tinham uma
espessura de quase dois metros. Os loricenses tiveram que lidar com todos os estragos e
não receberam qualquer ajuda externa, apesar de o próprio Marquês de Pombal ter sido
informado da grave situação. Felizmente não houve, ou pelo menos não há registos de
mortos nem feridos graves na vila. Após o sismo que provocou a ruína praticamente
completa, a igreja foi reconstruída com estilo barroco, mas podem ser sublinhadas outras
alterações, algumas das quais nada tiveram a ver com esta reconstrução. Por exemplo,
foram acrescentadas duas capelas uma de cada lado da capela-mor, uma das quais foi
depois transformada em capela-sacristia e finalmente em apenas sacristia, e ao lado desta
foi acrescentada outra capela. A escadaria e a porta exteriores que dão acesso ao coro
também não existiam e o acesso aos sinos era feito pelo interior da igreja, sendo que estas
últimas alterações foram feitas como consequência do sismo.
Com o tempo foram feitas alterações e restauros por vezes de forma desastrosa por quem
não tinha qualquer sensibilidade para a preservação do património e por isso a atual igreja,
embora bela não é tão bonita nem é tão valiosa quanto seria sem essas más intervenções.
No século seguinte ao do sismo, em Setembro de 1882, novamente se fez sentir no centro
do país um tremor de terra e, por conseguinte também muito sentido em Loriga, o qual
pareceu, em principio, não ter grande gravidade. Só que as consequências viriam mais
tarde, quando todos pareciam já ter esquecido. Em Novembro seguinte, e quando era
celebrada a missa, estalou a viga mestra da igreja tendo, de imediato, sido efetuada a
desocupação do templo e retirando algumas imagens e outros artigos. Só no fim do dia
aconteceu o desabamento quase completo da cobertura ficando apenas de pé a torre, a
capela-mor e as paredes laterais. Dois anos depois foram terminados os trabalhos da
reconstrução da igreja que, tal como acontecera após o sismo de 1755, foi feita pela
população local, toda unida, e foi esta última reconstrução que chegou aos tempos atuais
embora, conforme já foi referido, com alguns “restauros” que a empobreceram.
[Centro histórico da vila, na colina entre as duas ribeiras onde foi fundada a povoação há
mais de 2600 anos.]

[A Lorica/Loriga é a origem do nome da povoação, e é também a origem do gentílico


Loricense/Loriguense, e da principal e insubstituível peça do brasão da vila.]

Vias romanas em Portugal – Vestígios Romanos Georeferenciados em


Loriga
O nome Lorica aparece como sendo da época romana num documento medieval visigótico
com referências à zona. Foi aliás na época visigótica que a “versão” Loriga começou a
substituir o nome latino Lorica que vinha da época romana, mas o nome original dado pelos
romanos só caiu totalmente em desuso durante a primeira metade do século ′III.

Depois, aparece novamente em documentos dos séculos ′, ′I, ′II e ′III, principalmente
em documentos do século ′II, inclusive quando se fala de limites territoriais, onde até a
actual Portela do Arão é referida como Portela de Lorica, começando mais tarde a ser
referida como Portela de Aran, depois de Aarão, e finalmente do Arão.

[Uma imagem da estrada romana na área conhecida propositadamente por Calçadas.]

A estrada romana de Lorica era uma espécie de estrada estratégica,destinada a ajudar a


controlar os Montes Herminius onde, como se sabe, viviam tribos lusitanas muito
aguerridas. Esta estrada ligava entre si duas grandes vias transversais, a que ligava
Conimbriga, a norte, e a que ligava Iaegitania, a sul. Não se sabe quais os locais exactos
dos cruzamentos, mas tudo indica que a norte seria algures perto de Ballatucelum, a actual
Bobadela.
Quanto aos vestígios da calçada romana original, eles podem encontrar-se na área das
Calçadas, onde estiveram na origem deste nome, e dispersos em pequenos vestígios até à
zona da Portela do Arão, tratando-se da mesma estrada.

A título de curiosidade, informa-se que a estrada romana foi utilizada desde que foi
construída, provalvelmente por volta de finais do século I antes de Cristo, até à década de
trinta do século ′′ quando entrou em funcionamento a actual EN231. Sem a estrada
romana teria sido impossível o já por si grande feito de Loriga se tornar um dos maiores
pólos industriais têxteis da Beira Interior durante o século ′I′.

– Factos comprovados: Lorica era o antigo nome de Loriga, existiram duas pontes romanas,
uma delas ainda existe, e a outra, construída sobre a Ribeira de S.Bento, ruiu no século
′VI, e ambas faziam parte da estrada romana que ligava a povoação ao restante império
romano.
A ponte romana que ruiu estava situada a poucas dezenas de metros a jusante da actual
ponte, também construída em pedra mas datada de finais do século ′I′.

A antiga estrada romana descia pela actual Rua do Porto, subia pela actual Rua do Vinhô,
apanhava parte da actual Rua de Viriato passando ao lado da povoação então existente,
subia pelas actuais ruas Gago Coutinho e Sacadura Cabral, passava na actual Avenida
Augusto Luis Mendes, na área conhecida por Carreira, seguindo pela actual Rua do Teixeiro
em direcção à ponte romana ainda existente sobre a Ribeira de Loriga.
[A ponte romana ainda existente sobre a Ribeira de Loriga.]

Entre a capela de São Sebastião e o cemitério, existia um troço de Calçada romana bem
conservada que não deixava dúvidas a ninguém sobre a sua verdadeira origem, mas
infelizmente uma parte foi destruída e a restante soterrada quando fizeram a estrada entre
a Rua do Porto e o cemitério.
Infelizmente o património histórico nunca foi estimado em Loriga…

[A ponte sobre a Ribeira de São Bento, construída no século ′I′ para substituir a ponte
romana que ruíu no século ′VI após uma grande cheia. A ponte romana foi entretanto
substituída por uma travessia em madeira, até á construção desta que ficou conhecida por
Ponte do Arrocho. A estrada romana passava por aqui e esteve na origem da contígua Rua
do Porto.]

Numa zona propositadamente conhecida por Calçadas, já afastada da vila, ainda existem
vestígios bem conservados do primitivo pavimento da estrada romana.

[ Citação livre de extratos da obra do historiador António Conde, História concisa da vila de
Loriga – Das origens à extinção do município. ]
[Extratos da obra do historiador António Conde no site da autarquia local.]
[Brasão de Loriga – Coat of arms.]

Heráldica Loriguense
Resumo do significado do brasão

Brasão: Escudo de azul escuro, uma Lorica/Loriga em vermelho realçada de prata,entre


duas rodas hidráulicas a negro e realçadas de branco; Em chefe uma estrela de ouro, e na
base dois montes e duas linhas de água.
Coroa mural de prata de quatro torres. Listel de prata,com a legenda a negro:«LORIGA»

[Bandeira da vila de Loriga – Flag]

Bandeira: Esquartelada a azul e branco. Cordão e borlas de ouro. Haste e lança de ouro. O
azul e o branco representam o céu, as àguas límpidas, a neve, a beleza, a pureza e as cores
da bandeira portuguesa no início da nacionalidade.

Selo: Redondo, contendo no seu interior os mesmos símbolos do brasão, e com a legenda:
«Junta de Freguesia de Loriga»

Principal simbologia: Como peça central a Lorica,antiga couraça guerreira, origem do nome
multimilenar, lembra as origens remotas da povoação e a história antiga da vila.
As duas rodas hidráulicas simbolizam a duas vezes centenária indústria loriguense, criada
com o engenho das gentes de Loriga e que fizeram a vila destacar-se ainda mais na região.
Eram as rodas hidráulicas que moviam as primitivas fábricas instaladas ao longo das duas
ribeiras que banham a vila. Esses abundantes recursos hídricos foram também desde
tempos mais remotos aproveitados para mover moínhos.
A estrela de ouro simboliza a Serra da Estrela. Pode também simbolizar a vila como uma
estrela dentro da Estrela, e o ponto de referência dos inúmeros emigrantes loricenses
espalhados pelo mundo.
Os montes na base simbolizam os belos e verdejantes montes, por vezes cobertos de neve,
que ladeiam o belíssimo Vale de Loriga e a sua espectacular Garganta de Loriga, uma
alusão à bela e singular paisagem.

Heráldica histórica da vila de Loriga


[O antigo brasão de Loriga era constituído por uma lorica/loriga e uma estrela de sete
pontas em ouro, sobre um escudo azul escuro e dispostas desta forma. A lorica/loriga era
uma alusão á valentia dos naturais traduzida no duas vezes milenar nome da vila, e a
estrela de sete pontas simbolizava a Serra da Estrela e os “sete cabeços”. Dizia-se: ”Loriga
não precisa de muralhas porque ninguém consegue derrubar os sete cabeços” (montes que
rodeiam a vila).]

[As principais propostas da heráldica desenhada por António Conde e aprovada pelas
autoridades competentes. O brasão do lado direito é o que está em uso.]

LORICA - LUSITANIA --- LORIGA - PORTUGAL --- Land of VIRIATHUS

LORICA - LUSITANIA --- LORIGA - PORTUGAL --- Land of VIRIATHUS


A vila de Loriga vestida de branco

LORICA - LUSITANIA - LORIGA - PORTUGAL - LAND OF VIRIATHUS

Região de Loriga - Serra da Estrela


Vale glaciar de Loriga

Praia Fluvial de Loriga - Loriga river beach

Praia uvial da vila de Loriga

--------------------------

Loriga's Docs
História de Loriga – Extratos da obra do historiador António Conde,
“História concisa da vila de Loriga – Das origens à extinção do município”
/ History of Loriga – Excerpts from the work of the historian António
Conde, “Concise History of the town of Loriga – From the Origins to the
extinction of the municipality”
Outros sites sobre Loriga / Others sites about Loriga

History of Loriga | História de Loriga

History of Loriga | História de Loriga

History of Loriga | História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga | História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga

History of Loriga

History of Loriga

History of Loriga
História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

Outros sites sobre Loriga / Others sites about Loriga


Freguesias da Região de Loriga [área do antigo Município Loriguense]

[Mapa da área do antigo Município Loricense, das atuais sete freguesias fundadoras da
Associação de Freguesias da Serra da Estrela, com sede nesta vila.]

Alvoco da Serra
Alvoco da Serra é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 37,57 km² de área e
646 habitantes (2001). Densidade: 17,2 hab/km². A freguesia é constituída por cinco
localidades: Alvoco da Serra (sede da freguesia), Outeiro da Vinha, Vasco Esteves de Baixo,
Vasco Esteves de Cima e Aguincho. Alvoco da Serra recebeu foral de D. Manuel I em 17 de
Fevereiro de 1514, data em que deixou de pertencer ao concelho de Loriga. Foi vila e sede
de concelho entre esta data e 1828, ano em que o concelho foi extinto. Tinha, em 1801, 667
habitantes. Entre 1828 e 1855 pertenceu novamente ao concelho de Loriga, após o que
passou a integrar o concelho de Seia.

Cabeça
Cabeça é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 8,55 km² de área e 229
habitantes (2001). Densidade: 26,8 hab/km². Durante muitos anos foi conhecida como São
Romão de Cabeça. Até ao século ′I′ pertenceu ao concelho, à paróquia e à freguesia de
Loriga. A sua população vive em grande parte da agricultura e da pastorícia. António de
Almeida Santos, ministro em vários Governos, ex-presidente da Assembleia da República,
filho de uma loricense, nasceu em Cabeça, numa época em que a sua mãe dava aulas na
escola primária local.
Sazes da Beira
Sazes da Beira é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 6,39 km² de área e
341 habitantes (2001). Densidade: 53,4 hab/km². A primeira fixação definitiva deu-se
(supõe-se) no século ′V, no lugar chamado de “Sazes Velho”. Em 1527 tinha a aldeia 65
pessoas. No entanto e continuando à procura de proximidade da água levou à fundação do
que é hoje a aldeia de Sazes da Beira propriamente dita. Não se sabe a data da fundação da
sua freguesia/paróquia, mas sabe-se que foi no início do século ′VIII. Em 1731 é edificada
a sua Igreja Matriz. Desde a sua fundação, Sazes pertenceu sempre ao concelho de
Sandomil até à extinção deste em 1836, data em que passou a pertencer ao município de
Loriga. No meio de todas as remodelações administrativas sofridas (em que Sandomil
esteve prestes a pertencer ao concelho de Loriga), a freguesia de Sazes (correspondente a
todo o território da sua paróquia) pertenceu ao concelho de Loriga até 1855, data em que
este foi extinto.

Teixeira
Teixeira é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 12,88 km² de área e 233
habitantes (2001). Densidade: 18,1 hab/km². Pertenceu ao concelho de Loriga até 1514
data em que Alvoco da Serra recebeu foral de D. Manuel I, passando depois a fazer parte da
paróquia da Vide no início do século ′VII. Voltou a ser incluída plenamente no município de
Loriga, a partir de 1828 e até 1855, passando então para o concelho de Seia ao qual
pertence actualmente.
Valezim
Valezim é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 10,94 km² de área, 382
habitantes (2001) e densidade populacional de 34,9 hab/km².
A hipótese mais aceite é que o nome provém de vallecinus (palavra do latim para vale
pequeno). Existe uma lenda sobre a origem do nome, que não faz sentido, mas que tal
como muitas outras lendas teve origem em factos históricos reais. Segundo essa lenda os
mouros terão sido expulsos de Loriga e ao chegarem ao local exclamaram: neste vale sim !
De facto a dada altura os mouros foram expulsos de Loriga, e até é possível que tenham
fundado a povoação, mas concerteza que não falavam português. As principais actividades
económicas da população estão ligadas à agricultura e pastorícia, turismo de habitação e à
construcção civil. O seu primeiro foral é atribuído em 1201, por D. João de Foyle. Em 1514 é
renovado por D. Manuel I, e passa constituir um concelho formado apenas pela freguesia da
sede. Entre os anos de 1836 e 1855 pertenceu ao concelho de Loriga. Nessa data foi
integrado no concelho de Seia, onde pertence. A sua maior festividade é em honra de Nossa
Senhora da Saúde, realizada anualmente, no primeiro Domingo de Setembro.

Vide
Vide é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 51,25 km² de área e 843
habitantes (2001), com uma densidade populacional de 16,4 hab/km².
Está situada na zona centro do país, no Parque Natural da Serra da Estrela, a uma distância
de 25 Km da Torre. A freguesia engloba as seguintes e pequenas povoações anexas:
Abitureira, Baiol, Balocas, Baloquinhas, Barreira, Barriosa, Barroco da Malhada,
Borracheiras, Carvalhinho, Casal do Rei, Casas Figueiras, Cide, Chão Cimeiro, Coucedeira,
Costeiras, Fontes do Cide, Foz da Rigueira, Foz do Vale, Frádigas, Gondufo, Lamigueiras,
Malhada das Silhas, Monteiros, Muro, Obra, Outeiro, Ribeira, Rodeado, Sarnadinha, Silvadal
e Vale do Cide.
Pertenceu ao concelho de Loriga até ao início do século ′VII, época em que ganhou alguma
autonomia com a promoção a paróquia mas continuando dependente de Loriga e sem nunca
receber foral e consequentemente categoria de vila, facto que se reflete no seu brasão.
Essa situação ambigua durou até ao início do século ′I′ (1834), tendo nessa época sido
reintegrada plenamente no município loriguense até 1855, ano em que foi integrada no
concelho de Seia. Em 1801 era constituída apenas pela sede e tinha 750 habitantes.
Últimos estudos, levados a cabo em 2002, confirmam que o povoamento do Vale de Loriga
em cujo extremo se encontra Vide, remonta aos finais do Paleolítico Superior. Entre as
zonas de Entre-águas e de Ferradurras, nesta freguesia, há alguns núcleos rochosos que
possuem várias inscrições rupestres, os maiores descobertos até agora, que foram objecto
de estudo por parte da Associação Portuguesa de Investigação Arqueológica, e que
segundo os traços gerais apresentados, pertencem à Idade do Bronze. No entanto existem
outros vestigios dessa época, que se estendem ao logo do Vale de Loriga até ás
proximidades da vila com o mesmo nome. A aldeia da Vide tem vários acessos sendo os
principais a EN 230, que vem de Oliveira do Hospital e entrontronca com a EN231, e a EN
238, na Portela de Loriga, cruzamento com a EN 231 que une Loriga a Seia.

[Mapa da área do antigo Município Loricense, das atuais sete freguesias fundadoras da
Associação de Freguesias da Serra da Estrela, com sede nesta vila.]
[Limites aproximados do antigo município de Loriga ao longo da história, entre 1136 e
1855.]

Powered by Wikidot.com Help | Terms of Service | Privacy | Report a bug | Flag as objectionable

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License
LORIGA

Loriga is an ancient, beautiful and historic portuguese town, located in the Serra da Estrela mountains.
Known as Lobriga by the Lusitanians and Lorica by the Romans, it is more than 2600 years old.
Notable people from Loriga include Viriathus ( known as Viriato in Portuguese ), a famous Lusitanian leader and portuguese national hero.
Loriga as enormous touristics potentialities and they are the only ski resort and ski trails existing in Portugal ( Loriga is the Lusian Capital and the capital of the snow in Portugal ).

Loriga is a town in Portugal located in Guarda District. Loriga is 20 km away from Seia, 40 km away from Viseu, 80 km away from Guarda and 320 km from Lisbon. It is nestled in the Serra da Estrela
mountain range. The population is 789 (2015 estimate).
It is known as the "Portuguese Switzerland" due to its landscape: a town surrounded by mountains.
Known to be settled by the Lusitanians, the town is more than 2600 years old and was part of the Roman province of Lusitania. It was known as Lobriga by the Lusitanians and Lorica by the Romans.
Loriga became a textile manufacturing center in the begin-19th century. While that industry has since dissipated, today the town attracts a sizable tourist trade due to its picturesque scenery and vicinity to
the Loriga Ski Resort, the only ski center in Portugal, totally inside the town limits.

História de Loriga – Extratos da obra do historiador António Conde, “História concisa da vila de Loriga – Das origens à extinção do município” / History of Loriga – Excerpts
from the work of the historian António Conde, “Concise History of the town of Loriga – From the Origins to the extinction of the municipality”
Coordinates: 40°19 13.69 N 7°39 58.15 W / 40.3204694°N 7.6661528°W /
40.3204694; -7.6661528

Loriga

Civil Parish (Vila)

The valley parish of Loriga in the shadow of the Serra da Estrela


Official name: Vila de Loriga

Country - Portugal
Region - Centro, Portugal
Subregion - Serra da Estrela
District - Guarda
Municipality - Seia

Localities - Fontão, Loriga


Landmark - Torre (Serra da Estrela)
Rivers - Ribeira de São Bento, Ribeira de Loriga

Center Loriga
- elevation 1,293 m (4,242 ft)
- coordinates 40°19 13.69 N 7°39 58.15 W / 40.3204694°N 7.6661528°W /
40.3204694; -7.6661528

Length - 4.21 km (3 mi), Northwest-Southeast


Width - 13.78 km (9 mi), Southwest-Northeast
Area - 36.25 km² (14 sq mi)

Population - 789 (2015)


Density - 21.76 / km² (98 / sq mi)

LAU - Vila/Junta Freguesia


- location - Largo da Fonte do Mouro, Loriga

Timezone - WET (UTC0)


- summer (DST)WEST (UTC+1)
ISO 3166-2 codePT-
Postal Zone - 6270-073 Loriga
Area Code & Prefix - (+351) 238 ′′′ ′′′

Demonym – Loriguense or Loricense


Patron Saint - Santa Maria Maior
Parish Address - Largo da Fonte do Mouro, 1019
6270-073 Loriga

Statistics from INE (2001); geographic detail from Instituto Geográfico


Português (2010)

Loriga (Portuguese pronunciation: [loˈɾiɡɐ]) is a town (Portuguese:


vila) in south-central part of the municipality of Seia, in central
Portugal. Part of the district of Guarda, it is 20 km away from Seia,
40 km away from Viseu, 80 km away from Guarda and 320 km from Lisbon,
nestled in the Serra da Estrela mountain range. In 2015, estimates have the
resident population at about 789 inhabitants, in an area of 36.25 km² that
includes the two localities, the town of Loriga and the village of Fontão.
Lusitanian Warriors. Loriga prides itself on its ancient Celtic and Lusitanian past, and the very ancient tradition of being the birthplace of Viriathus.

History

Loriga was founded originally along a column between ravines where today the historic
centre exists. The site was ostensibly selected more than 2600 years ago, owing
to its defensibility, the abundance of potable water and pasturelands, and
lowlands that provided conditions to practice both hunting and
gathering/agriculture.
When the Romans arrived in the region, the settlement was concentrated into two
areas. The larger, older and principal agglomeration was situated in the area of
the main church and Rua de Viriato, fortified with a wall and palisade. The
second group, in the Bairro de São Ginês, were some small homes constructed on
the rocky promintory, which were later appropriated by the Visigoths in order to
construct a chapel. The 1st century Roman road and two bridges (the second
was destroyed in the 17th century after flooding) connected the outpost of
Lorica to the rest of their Lusitanian province. The barrio of São Ginês (São
Gens), a local ex-libris, is the location of the chapel of Nossa Senhora do
Carmo, an ancient Visigothic chapel. São Gens, a Celtic saint, martyred in Arles
na Gália, during the reign of Emperor Diocletian, and over time the locals began
to refer to this saint as São Ginês, due to its easy of pronunciation.

Roman legionary soldier wearing Lorica / Loriga armor, origin of the name of the town, origin of the Loricense / Loriguense gentliche and the main and essential part of the coat of arms of the town. Loriga prides itself on its millennial
name, a rare case of a name that has remained virtually unchanged for over two thousand years.

Middle Ages

Loriga was the municipal seat since the 12th century,


receiving forals in 1136 (João Rhânia, master of the Terras de Loriga for over
two decades, during the reign of Afonso Henriques), 1249 (during the reign of
Afonso III), 1474 (under King Afonso V) and finally in 1514 (by King Manuel
I).
Loriga was an ecclesiastical parish of the vicarage of the Royal Padroado and
its Matriz Church was ordered constructed in 1233, by King Sancho II. This
church, was to the invokation of Santa Maria Maior, and constructed over the
ancient small Visigothic chapel (there is a lateral block with Visigoth
inscriptions visible). Constructed in the Romanesque-style it consists of a
three-nave building, with hints of the Sé Velha of Coimbra. This structure was
destroyed during the 1755 earthquake, and only portions of the lateral walls
were preserved.
The 1755 earthquake resulted in significant damage to the town
of Loriga, destroying homes and the parcochial residence, in addition to
opening-up cracks and faults in the village's larger buildings, such as the
historic municipal council hall (constructed in the 13th century). An
emissary of the Marquess of Pombal actually visited Loriga to evaluate the
damage (something that did not happen in other mountainous parishes, even
Covilhã) and provide support.
The residents of Loriga supported the Absolutionist forces of the Infante Miguel
of Portugal against the Liberals, during the Portuguese Liberal Wars, which
resulted in Loriga being abandoned politically after Miguel's explusion by his
brother King Peter. In 1855, as a consequence of its support, it was stripped
of municipal status during the municipal reforms of the 19th century. At the
time of its municipal demise (October 1855), the municipality of Loriga included
the parishes of Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes da Beira, Teixeira, Valezim and
Vide, as well as thirty other disincorporated villages.
Loriga was an industrial centre for textile manufacturing during the 19th
century. It was one of the few industrialized centres in the Beira Interior
region, even supplanting Seia until the middle of the 20th century. Only
Covilhã out-preformed Loriga in terms of businesses operating from its lands;
companies such as Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão
& Irmãos, Augusto Luís Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura Cabral and Lorimalhas,
among others. The main roadway in Loriga, Avenida Augusto Luís Mendes, is
named for one of the towns most illustrious industrialists. The wool industry
started to decline during the last decades of the 20th century, a factor that
aggravated and accelerated the decline of the region.

Geography

Known
locally as the "Portuguese Switzerland" due to its landscape that includes a
principal settlement nestled in the mountains of the Serra da Estrela Natural
Park. It is located in the south-central part of the municipality of Seia,
along the southeast part of the Serra, between several ravines, but specifically
the Ribeira de São Bento and Ribeira de Loriga; it is 20 kilometres from
Seia, 80 kilometres from Guarda and 300 kilometres from the national capital
(Lisbon). A main town is accessible by the national roadway E.N. 231, that
connects directly to the region of the Serra da Estrela by way of E.N.338 (which
was completed in 2006), or through the E.N.339, a 9.2 kilometre access that
transits some of the main elevations (960 metres near Portela do Arão or Portela
de Loriga, and 1650 metres around the Lagoa Comprida).
The region is carved by U-shaped glacial valleys, modelled by the movement of
ancient glaciers. The main valley, Vale de Loriga was carved by longitudanal
abrasion that also created rounded pockets, where the glacial resistance was
minor. Starting at an altitude of 1991 metres along the Serra da Estrela the
valley descends abruptly until 290 metres above sea level (around Vide), passing
villages such as Cabeça, Casal do Rei and Muro. The central town, Loriga, is
seven kilometres from Torre (the highest point), but the parish is sculpted by
cliffs, alluvial plains and glacial lakes deposited during millennia of glacial
erosion, and surrounded by rare ancient forest that surrounded the lateral
flanks of these glaciers.

Economy

Textiles are the principal local export; Loriga was a hub the textile and wool industries during the
mid-19th century, in addition to being subsistence agriculture responsible for
the cultivation of corn. The Loriguense economy is based on metallurgical
industries, bread-making, commercial shops, restaurants and agricultural support
services.
The so-called industrial revolution arrived in Loriga in the early nineteenth century, transporting to the modern era a woolen handicraft activity that had existed in this town for more than 500 years. Loriga is proud of its centenary
woolen industry and therefore the hydraulic wheel is one of the fundamental parts of its coat of arms.

While that textile industry has since dissipated, the town began to attract a
tourist trade due to its proximity to the Serra da Estrela and Vodafone Ski
Resort (the only ski center in Portugal), which was constructed within the
parish limits.

( By the historian António Conde - History of Loriga – Excerpts from the work of António Conde, “Concise
History of the town of Loriga – From the Origins to the extinction of the municipality” )

Lorica na Lusitânia, Loriga em Portugal

História de Loriga – Extratos da obra do historiador António Conde, “História concisa da vila de Loriga – Das origens à extinção do município”

LORIGA - LORICA LUSITANORUM


CASTRUM EST - História concisa de Loriga

Loriga é uma vila e freguesia portuguesa, situada


na Serra da Estrela, distrito da Guarda. Tem 36,52 km² de área, e
densidade populacional de 21,60 hab/km² (2015).
Loriga encontra-se a 80km da Guarda e 300km de Lisboa.
A vila é acessível pela EN 231, e tem acesso à Torre
pela EN 338, seguindo
um traçado projectado décadas atrás, com um percurso de 9.2
km de paisagens deslumbrantes, entre as cotas
960m (Portela de Loriga) e 1650m, acima da Lagoa
Comprida onde entronca com a EN 339.
A àrea urbana da vila encontra-se a uma altitude
que varia entre os 770m e os 1200m.

Gentílico: Loricense ou loriguense


Orago: Santa Maria Maior
Código Postal: 6270
Há décadas foi chamada a "Suíça Portuguesa" devido às
características da sua belíssima paisagem. Está
situada a partir de 770m de altitude, rodeada por
montanhas,todas com mais de 1500m de altitude
das quais se destacam a Penha dos
Abutres (1828m de altitude) e a Penha do Gato
(1771m), e é abraçada por dois cursos de água: a
Ribeira de Loriga e a Ribeira de S.Bento, as quais
se unem depois da E.T.A.R. da vila. A Ribeira de
Loriga é um dos maiores afluentes do Rio Alva.

Centro histórico da vila de Loriga no início do século XX

Vila

A vila está dotada de uma ampla gama de infrastrutras,como por exemplo,a


Escola C+S Dr.Reis Leitão, a Banda Filarmónica de Loriga, fundada em 1905, o corpo de Bombeiros Voluntários de Loriga, cujos serviços se desenvolvem na àrea do antigo Município
Loricense, a Casa de Repouso Nª. Srª. da Guia, uma das últimas obras sociais de relevo, a
Associação Loriguense de Apoio Terceira Idade, o Grupo Desportivo Loriguense, fundado em 1934, Posto da GNR,Correios, serviços bancários, farmácia, Escola EB1 e pré-escolar, praia fluvial, estância
de esqui (única em Portugal), etc .
Ao longo do ano celebram-se de maneira especial o Natal, a Páscoa (com a
tradicional Amenta das Almas) e festas em honra de S. António (durante o mês Junho) e S. Sebastião (durante o mês de Julho), com as respectivas mordomias e procissões. Porém, o ponto mais alto
das festividades religiosas é a festa dedicada NªSrª da Guia, padroeira da diáspora loricense, que se realiza todos os anos, no primeiro domingo de Agosto.

Acordos de geminação: Loriga celebrou acordo de geminação com: A vila, actual cidade de Sacavém, no concelho de Loures, em 1 de Junho de 1996.
________________________________________________

História concisa da vila de Loriga

A armadura Lorica / Loriga, origem do nome da vila, origem do gentílico Loricense / Loriguense e a peça principal e imprescindível do brasão da vila. Loriga orgulha-se do seu nome milenar, um caso raro de um nome
que se mantem praticamente inalterado há mais de dois mil anos.

Lorica, foi o nome dado pelos Romanos a Lobriga, povoação que foi, nos
Hermínios (actual Serra da Estrela),um forte bastião lusitano contra os
invasores romanos. Os Hermínius foram a maior fortaleza lusitana e Lorica
situada no coração dessa fortaleza, perto do ponto mais alto. Lorica, do
latim, é nome de antiga couraça guerreira, de que derivou Loriga, com o mesmo
significado. Os próprios soldados e legionários romanos usavam Lorica. Os
Romanos puseram-lhe tal nome, devido à sua posição estratégica na serra, e
ao seu protagonismo durante a guerra com os Lusitanos (* LORICA LUSITANORUM
CASTRUM EST). É um caso raro em Portugal de um nome que se mantém praticamente
inalterado há dois mil anos, sendo altamente significativo da antiguidade e
da história da povoação (por isso,a couraça é a peça central e principal do
brasão histórico da vila).
Sepultura antropomórfica com mais de 2600 anos, conhecida desde o século XIV por Caixão da Moura

A povoação foi fundada estratégicamente no alto de uma colina,entre duas


ribeiras,num belo vale de origem glaciar.Desconhece-se,como é evidente,a
longínqua data da sua fundação,mas sabe-se que a povoação existe há mais
de dois mil e seiscentos anos,e surgiu originalmente no mesmo local onde
hoje está o centro histórico da vila.No Vale de Loriga,onde a presença
humana é um facto há mais de cinco mil anos,existem actualmente,além da
vila,as aldeias de Cabeça,Muro,Casal do Rei,e Vide.

Guerreiros Lusitanos. Loriga orgulha-se do antigo passado celta e lusitano, e orgulha-se da muito antiga tradição de ser o berço de Viriato.

Da época pré- romana existe, por exemplo uma sepultura antropomórfica com
mais de dois mil anos, num local onde existiu um antigo santuário, numa
época em que o nome da povoação era Lobriga, etimologia de evidente origem
céltica. Lobriga, foi uma importante povoação fortificada, Celta e
Lusitana, na serra.
A tradição local, e diversos antigos documentos, apontam Loriga como tendo
sido berço de Viriato, que terá nascido nos Hermínios onde foi pastor
desde criança. É interessante a descrição existente no livro manuscrito
História da Luzitânia, do Bispo-Mor do Reino (1580): "...Sucedeu o pastor
Viriato, natural de Lobriga, hoje a villa de Loriga, no cimo da Serra da
Estrêla, Bispado de Coimbra, ao qual, aos quarenta annos de idade, aclamarão
Rey dos Luzitanos, e casou em Évora com huma nobre senhora no anno
147..." .A rua principal, da àrea mais antiga do centro histórico da vila
de Loriga, tem o nome de Viriato, em sua homenagem.

Estrada romana ( século I antes de Cristo ) na área que por isso ficou conhecida por Calçadas

Ponte romana sobre a Ribeira de Loriga ( século I antes de Cristo )

Ainda hoje existem partes da estrada, e uma das duas pontes (século I
a.C.), com que os Romanos ligaram Lorica ao restante império. A ponte romana
ainda existente, sobre a Ribeira de Loriga, está em bom estado de
conservação, e é um bom exemplar da arquitectura da época.
A estrada romana ligava Lorica a Egitânia (Idanha-a-Velha), Talabara
(Alpedrinha), Sellium (Tomar), Scallabis (Santarém), Olisipo (Lisboa) e a
Longóbriga (Longroiva), Verurium (Viseu), Balatucelum (Bobadela), Conímbriga
(Condeixa) e Aeminium (Coimbra). Era uma espécie de estrada estratégica
destinada a ajudar a controlar os montes Hermínios onde viviam tribos
lusitanas muito aguerridas.

Fontanário da época romana no centro histórico da vila

Quando os romanos chegaram,a povoação estava dividida em dois núcleos


separados por poucas centenas de metros. O maior, mais antigo e principal
situava-se na àrea onde hoje existem a Igreja Matriz e parte da Rua de
Viriato, sendo defendido por muros e paliçadas. O outro núcleo, constituído
apenas por algumas habitações, situava-se mais acima junto a um pequeno
promontório rochoso, em cima do qual mais tarde os Visigodos construíram
uma ermida dedicada a S.Gens.

Ermida visigótica de S.Gens, reconstruída e com outro orago ( Nossa Senhora do Carmo )

Com o domínio romano, cresceu a importância de Lorica, uma povoação castreja


que recebeu populações de castros existentes noutros locais dos
Hermínios, e que entretanto foram abandonados. Isso aconteceu porque esses
castros estavam localizados em sítios onde a única vantagem existente era
a facilidade de defesa. Sítios que,ao contrário de Lorica, eram apenas um
local de refúgio, onde as habitações estavam afastadas dos recursos
necessários à sobrevivência, tais como àgua e solos aráveis. Um desses
castros abandonados, e cuja população se deslocou para Lorica, situava-se no
ainda conhecido Monte do Castelo, ou do Castro, perto da Portela de
Loriga. No século ′VIII ainda eram visíveis as ruínas das fundações das
habitações que ali existiram, mas actualmente no local apenas se vêem
pedras soltas. A propósito é completamente errada a ideia criada segundo
a qual os Lusitanos apenas construíam as suas habitações no cimo dos
montes, que deixaram apenas com a chegada dos romanos. Pelo contrário,
eles sabiam escolher os melhores locais e a facilidade de defesa não era
o único critério.
Soldado legionário romano usando a armadura Lorica / Loriga, origem do nome da vila, origem do gentílico Loricense / Loriguense e a peça principal e imprescindível do brasão da vila. Loriga orgulha-se do seu nome milenar, um caso
raro de um nome que se mantem praticamente inalterado há mais de dois mil anos.

Loriga, foi também importante para os Visigodos, os quais criaram a paróquia e deixaram uma
ermida dedicada a S.Gens, um santo de origem céltica, martirizado em
Arles, na Gália, no tempo do imperador Diocleciano. A ermida sofreu obras de
alteração e o orago foi substituído, passando a ser de Nossa Senhora do
Carmo. Com a passagem dos séculos, os loricenses passaram a conhecer o santo
por S.Ginês, hoje nome de bairro neste local do actual centro histórico da
vila. A actual derivação do nome romano, Loriga, começou a ser usada pelos
Visigodos, mas só se impôs definitivamente já no século ′III.

Pedra com incrições visigóticas na Igreja Matriz

Igreja Matriz, parte da alvenaria que resistiu ao terramoto de 1755

A Igreja Matriz tem, numa das portas laterais, uma pedra com inscrições
visigóticas, aproveitada de um antigo pequeno templo existente no local
quando da construção datada de 1233. A antiga igreja, era um templo românico
com três naves, a traça exterior era semelhante à da Sé Velha de
Coimbra, tinha o tecto e abóbada pintados com frescos e, quando foi
destruída pelo sismo de 1755, possuía nas paredes, quadros da escola de Grão
Vasco. Da primitiva igreja românica do século ′III restam partes das
paredes laterais e outra alvenaria.
Desde a reconquista cristã, que Loriga pertenceu à Coroa e à
Vigariaria do Padroado Real, e foi o próprio rei (na época D.Sancho II) que
mandou construír a Igreja Matriz, cujo orago era, tal como hoje, de Santa
Maria Maior. Na segunda metade do século ′II já existia a paróquia de
Loriga, que foi criada aliás pelos visigodos pertencendo então á diocese da Egitânia
(mais tarde transferida para a Guarda), e os fieis dos então poucos e pequenos lugares ou "casais" dos
arredores, vinham à vila assistir aos serviços religiosos. Alguns desses
lugares, hoje freguesias, foram, a partir do século ′VI, adquirindo alguma
autonomia "religiosa", começando por Alvoco, e seguindo-se Vide, Cabeça e
Teixeira.

Fontanário exibindo uma inscrição do século XIII

Vestígios medievais de uma casa senhorial cuja traça foi alterada mas da qual ainda se destaca a varanda

Pelourinho ( século XIII, reconstruído ) em frente do antigo edifício da Câmara entretanto


adaptado para residência particular

A vila de Loriga, recebeu forais de João Rhânia (senhorio das Terras de


Loriga durante cerca de duas décadas, no tempo de D. Afonso Henriques) em
1136, de D.Afonso III em 1249, de D.Afonso V em 1474, e recebeu foral novo de
D.Manuel I em 1514.
Com D. Afonso III, a vila recebeu o primeiro foral régio (dado diretamente pelo rei), e em 1474, D. Afonso
V doou Loriga ao fidalgo Àlvaro Machado, herdeiro de Luís Machado, que era
também senhor de Oliveira do Hospital e de Sandomil, doação confirmada em
1477, e mais tarde por D.Manuel I. No entanto, após a morte do referido
fidalgo, a vila voltou definitivamente para os bens da Coroa. No século
′II, o concelho de Loriga abrangia a àrea compreendida entre a Portela de
Loriga (hoje também conhecida por Portela do Arão) e Pedras
Lavradas, incluindo as àreas das actuais freguesias de Alvoco da
Serra, Cabeça, Teixeira, e Vide. Na primeira metade do século ′I′, em 1836, o
concelho de Loriga passou a incluír Valezim e Sazes da
Beira. Valezim, actual aldeia histórica, recebeu foral em 1201, e o concelho
foi extinto em 1836, passando a pertencer ao de Loriga. Alvoco da Serra
recebeu foral em 1514 e Vide gozou de alguma autonomia no século ′VII
e foi elevada a paróquia, mas sem nunca ter recebido foral ou categoria de vila e
isso reflete-se no seu brasão, mas voltaram a
ser incluídas plenamente no concelho de Loriga em 1828 e 1834 respectivamente,também
no início do século ′I′.As sete freguesias que ocupam a àrea do antigo
município loricense, constituem actualmente a denominada Região de
Loriga. Essas freguesias constituem também a Associação de Freguesias da
Serra da Estrela,com sede na vila de Loriga.

Leitão & Irmãos e Regato, duas das antigas unidades industriais de Loriga. A chamada revolução industrial chegou a Loriga no início do século XIX, transportando para a era moderna uma atividade artesanal de lanifícios que já
existia nesta vila há mais de 500 anos. Loriga orgulha-se da sua centenária indústria de lanifícios, e portanto a roda hidráulica é uma das peças fundamentais do brasão desta vila.

Loriga, é uma vila industrializada (têxtil) desde o início do século


′I′, quando "aderiu" à chamada revolução industrial, mas, já no século ′VI os
loricenses produziam bureis e outros panos de lã. Loriga, chegou a ser uma
das localidades mais industrializadas da Beira Interior, e a actual sede de
concelho só conseguiu ultrapassá-la em meados do século ′′.Tempos houve em
que só a Covilhã ultrapassava Loriga em número de empresas. Demonstrativo
da genialidade dos loricenses, é que tudo isso aconteceu apesar dos acessos
difíceis à vila, os quais até à década de trinta do século ′′, se resumiam à
velhinha estrada romana de Lorica, contruída no século I antes de
Cristo. Nomes de empresas, tais como Regato, Fândega, Leitão &
Irmãos, Redondinha, Tapadas, Augusto Luís Mendes, Moura
Cabral, Lorimalhas, Lages Santos, Nunes Brito, etc, fazem parte da rica
história industrial desta vila. A maior e principal avenida de Loriga tem o
nome de Augusto Luís Mendes, o mais destacado dos antigos industriais
loricenses.
Mais tarde, a metalurgia,a pastelaria, e mais recentemente, o turismo (Loriga
tem enormes potencialidades turisticas), passaram a fazer parte dos pilares
da economia da vila.
Outra prova do génio loricense é um dos exlíbris de Loriga, os inúmeros
socalcos e a sua complexa rede de irrigação, construídos ao longo de muitas
centenas de anos, e que transformaram um vale belo mas rochoso, num vale
fértil.
Cruzeiro da Carvalha

Cruzeiro da Independência

Mas, Loriga acabou por ser derrotada por um inimigo político e


administrativo, local e
nacional, contra o qual teve que lutar desde meados do século ′I′.
A história da vila de Loriga é, aliás, um exemplo das consequências que os
confrontos de uma guerra civil podem ter no futuro de uma localidade e de
uma região. Loriga tinha a
categoria de sede de concelho desde o século ′II, tendo mas, por ter
apoiado os chamados Absolutistas contra os Liberais na guerra civil
portuguesa, teve o castigo de deixar de ser sede de concelho em 1855
quando da reforma administativa em curso. A conspiração movida
por desejos expansionistas da localidade que beneficiou com o facto,
precipitou os acontecimentos. Tratou-se de um grave erro
político e administrativo como tem vindo a confirmar-se; foi, no mínimo,
um caso de injusta vingança
política, numa época em que não existia democracia e reinavam o compadrio
e a corrupção, e assim começou o declínio de toda a região de Loriga
(antigo concelho de Loriga).
Se nada de verdadeiramente eficaz for feito, começando pela vila de
Loriga, esta região estará desertificada dentro de poucas décadas, o que,
tal como em relação a outras relevantes terras históricas do interior do
país, será com certeza considerado como uma vergonha nacional.
Confirmaria também a óbvia existência de graves e sucessivos erros nas
políticas de coesão, administração e ordenamento do território, para não
dizer inexistência. Para evitar tal situação, vergonhosa para o país, é
necessário no mínimo por em prática o que já é reconhecido no papel:
desenvolver a vila de Loriga, pólo e centro da região. Infelizmente
constata-se que os politicos não mudaram desde o século ′I′ nem
aprenderam com os erros, como se confirmou com a "reforma administrativa" de 2013.

Vista da Estância de Esqui de Loriga, do lado da Torre, vendo-se ao fundo a Garganta de Loriga

Em Loriga existem a única estância e pistas de esqui existentes em


Portugal.Loriga,é a capital da neve em Portugal.

VIAS ROMANAS EM PORTUGAL - Vestígios Romanos Georeferenciados em Loriga

O nome Lorica aparece como sendo da época romana num documento medieval
visigótico com referências à zona. Foi aliás na época visigótica que
a "versão" Loriga começou a substituir o nome Lorica que vinha da época
romana, mas o nome original dado pelos romanos só caiu totalmente em
desuso durante a primeira metade do século ′III.
Depois, aparece novamente em documentos dos séculos ′, ′I, ′II e ′III,
principalmente em documentos do século ′II, inclusive quando se fala de
limites territoriais, onde até a actual Portela do Arão é referida como
Portela de Lorica, começando mais tarde a ser referida como Portela de
Aran, depois de Aarão, e finalmente do Arão.
A estrada romana de Lorica era uma espécie de estrada estratégica,
Destinada a ajudar a controlar os Montes Herminios onde, como se sabe, viviam tribos
lusitanas muito aguerridas. Esta estrada ligava entre si duas grandes vias
transversais, a que ligava Conimbriga, a norte, e a que ligava Iaegitania,
a sul. Não se sabe os locais exactos dos cruzamentos, mas tudo indica que a
norte seria algures perto da actual Bobadela.
Quanto aos vestígios da calçada romana original, eles podem encontrar-se
Na área das Calçadas, onde estiveram na origem deste nome, e dispersos em
pequenos vestígios até à zona da Portela do Arão, tratando-se da mesma
estrada.
A título de curiosidade, a estrada romana foi utilizada desde
que foi construída, provalvelmente por volta de finais do século I antes
de Cristo, até à década de trinta do século ′′ quando entrou em
funcionamento a actual EN231. Sem a estrada romana teria sido impossível o já por si
grande feito de Loriga se tornar um dos maiores pólos industriais têxteis da
Beira Interior durante o século ′I′.
- Factos comprovados: Lorica era o antigo nome de Loriga, existiram duas
pontes romanas, uma delas ainda existe, e a outra, construída sobre a
Ribeira de S.Bento, ruiu no século ′VI, e ambas faziam parte da estrada
romana que ligava a povoação ao restante império romano.
A ponte romana que ruiu estava situada a poucas dezenas de metros a
Jusante da actual ponte, também construída em pedra mas datada de finais do
Século ′I′. A antiga estrada romana descia pela actual Rua do Porto, subia pela
actual Rua do Vinhô, apanhava parte da actual Rua de Viriato passando
ao lado da povoação então existente, subia pelas actuais ruas Gago
Coutinho e Sacadura Cabral, passava na actual Avenida Augusto Luis Mendes, na área
conhecida por Carreira, seguindo pela actual Rua do Teixeiro em
direcção à ponte romana sobre a Ribeira de Loriga, também conhecida por Ribeira da
Nave e Ribeira das Courelas.
Entre a capela de S.Sebastião e o cemitério, existia um troço de
Calçada romana bem conservada que não deixava dúvidas a ninguém sobre a sua
verdadeira origem, mas infelizmente uma parte foi destruída e a
restante soterrada quando fizeram a estrada entre a Rua do Porto e o cemitério.
O património histórico nunca foi estimado em Loriga…
Numa zona propositadamente conhecida por Calçadas, já afastada da
vila, ainda existem vestígios bem conservados do primitivo pavimento da
estrada romana.

( Pelo historiador António Conde - História de Loriga – Extratos da obra de António Conde, “História concisa
da vila de Loriga – Das origens à extinção do município” )

( Apontamento conciso sobre a história da vila de Loriga )


Loriga@site2002

A Paróquia e a Igreja Matriz da vila de Loriga


Imagem após o último restauro (desta vez mais bem efetuado em que foram corrigidos erros feitos em anteriores restautos), da Igreja Matriz da vila dedicada a Santa Maria Maior, padroeira de Loriga

Sabe-se que Loriga é uma povoação que tem mais de dois mil e seiscentos anos de existência no exato local onde existe o centro histórico da vila, uma colina entre ribeiras, defensável e
perto de duas abundantes linhas de água. E a propósito do acesso à água, os habitantes desta plurimilenar povoação tinham ainda disponível uma nascente, hoje conhecida por Fonte do
Vale, e que sabe-se foi também bastante valorizada mais tarde nas épocas romana e medieval. Sabe-se que nessa época a povoação estendia-se desde aproximadamente o local onde existe a
convergência de três ruas, e a área onde hoje está o centro de dia da ALATI. A povoação era defendida por muros e paliçadas e sabe-se que a atual Rua de Viriato, no troço entre a antiga sede
do GDL e a antiga Casa do Povo, coincide exatamente com uma parte dessa linha defensiva da povoação. O local onde hoje existem o adro e a igreja era o ponto central dessa povoação, e
assim iria permanecer durante muitos séculos. É portanto completamente natural que com a cristianização da população e com a chegada dos Visigodos este local fosse eleito para construir
o primeiro templo cristão da então Lorica.Sabe-se que os Visigodos construiram pelo menos dois templos em Lorica, e digo pelo menos porque encontrei indícios, que não consegui
confirmar da existência de mais uma ermida além daquela que construíram onde hoje está a capela de Nossa Senhora do Carmo e que era dedicada a S. Gens. A dada altura cheguei a pensar
tratar-se da ermida de S. Bento, a tal que deu nome à area e à ribeira mas essa, embora confirmadamente já existisse no século XII não é anterior ao século X. Certo é que os visigodos
construíram a ermida de S. Gens, e na época era mesmo uma ermida porque aquele local ficava fora da povoação então existente, e quanto à escolha daquele local não é de excluir a hipótese
de ser um antigo local de culto pagão, dadas as suas caraterísticas. Dada a religiosidade dos loriguenses, é no mínimo estranho que uma devoção tão antiga a um santo tenha sido
completamente abandonada, que tenham deixado cair em ruínas a sua ermida e depois a tenham recuperado mas com outro orago. Não consegui encontrar uma explicação, e como se isso
não bastasse e para completar o "anátema" a que os loriguenses condenaram o santo, mudaram-lhe também o nome de São Gens para São Ginês, um santo que nunca existiu. Mas o
pormenor da mudança de nome pode ser facilmente explicado pela passagem dos séculos, pelo isolamento e pela "adaptação linguística" que tende a inclinar-se para as formas mais fáceis,
e Loriga também é conhecida pelas suas "singularidades linguísticas” e pelo uso massivo de alcunhas.Também é certo que os visigodos construíram um templo dedicado a Nossa Senhora
no exato local onde hoje existe a Igreja Matriz, tratando-se de uma pequena capela cujas dimensões não andariam longe das que tem a ermida de Nossa Senhora da Guia. Sabe-se também
que na época visigótica Loriga tinha o estatuto de paróquia, que dependia do bispo de Egitânia ( atual Idanha a Velha ), e que a paróquia abrangia uma área aproximadamente equivalente ao
antigo concelho loricense na sua fase maior, que foi atingida em meados do século XIX. Obviamente foi impossível saber com exatidão a área da paróquia na época visigótica mas fiquei
surpreendido com a descoberta da mesma e com a existência de algumas localidades em redor de Loriga, que ainda existem e das quais apenas duas atingiram o estatuto de freguesias.
Nestas andanças da pesquisa histórica há muito tempo que aprendi que até algumas aldeias mais pequenas que alguns consideram insignificantes podem de facto esconder uma história
milenar. Em sentido contrário existem localidades que hoje têm alguma importância e cujos naturais se esforçam por inventar um longo passado que nunca existiu. Portanto, os tais "casais"
referidos nos “pergaminhos”, cujos habitantes iam à igreja de Lorica ouvir missa, já têm uma longa história que nunca foi registada, e infelizmente uma dessas localidades foi recentemente e
injustamente amputada do seu estatuto de freguesia. E digo igreja de Lorica porque o uso da atual versão do nome romano, ou seja Loriga, só se consolidou definitivamente na primeira
metade do século XIII. No início da nacionalidade, a consolidação, a administração do território e a necessária fixação das populações implicava a atribuição de forais mas também a criação
de condições para a prática do culto, e é por isso frequente ao longo da história a construção de igrejas por iniciativa real. E a esse propósito os reis mandavam construir igrejas em
povoações que já eram sede de município ou em povoações que seriam elevadas a essa condição, tudo para ajudar a fixar as populações, e outras medidas eram tomadas nesse sentido, e
por exemplo muitos castelos foram feitos também com esse objetivo. O pormenor a considerar é que o estatuto de município andava sempre a par com o estatuto de paróquia, portanto as
localidades que tinham igrejas eram geralmente sedes de concelho, e seria certo se a igreja fosse mandada construir pelo rei. Sabe-se que a Igreja de Loriga foi mandada construir pelo rei
D. Sancho II em cima da construção do já referido pequeno templo visigótico do qual foi aproveitada a pedra onde foi gravada a data da construção, o ano de 1233. Assim, essa pedra
colocada por cima de uma das portas laterais virada para o adro, na igreja atual confirma a sua longa existência, correspondendo à data da decisão da construção. A decisão real nesse
sentido deve-se principalmente ao facto de Loriga pertencer à Vigariaria do Padroado Real. A Igreja foi dedicada desde logo a Santa Maria Maior, um orago que se mantem, sendo um templo
românico cuja traça e fachada principal fazia lembrar a Sé Velha de Coimbra, embora obviamente sem a monumentalidade desta.A igreja tinha três naves e as dimensões eram próximas das
atuais, mas para além disso a atual igreja nada tem a ver com a antiga e o que vemos ali é fruto de várias reconstruções e alterações, sendo que as mais radicais foram consequência do
sismo de 1755. Já muita gente se interrogou sobre o porquê das graves consequências do sismo de 1755 em Loriga, e por isso ficam aqui algumas explicações. Em primeiro lugar, Loriga está
situada num local geologicamente sensível, num sítio de transição entre dois blocos rochosos diferentes, de um lado o granito e do outro o xisto, facto que é suficiente para provocar grande
agitação em caso de sismo. Além disso, e para piorar a situação, a colina entre ribeiras não é muito sólida porque foi criada com depósitos arrastados pelo antigo glaciar que rasgou o Vale de
Loriga, e por tudo isso é que as consequências do sismo foram tão graves na vila de Loriga. De sublinhar que os estragos não se limitaram à Igreja Matriz e o terramoto, além dos estragos
provocados em muitas habitações, provocou o desabamento de uma das paredes da residência paroquial e abriu fendas no robusto edifício da Câmara Municipal, construído no século XIII, e
cujas paredes do rés do chão onde funcionava a cadeia, tinham uma espessura de quase dois metros. Os loricenses tiveram que lidar com todos os estragos e não receberam qualquer ajuda
externa, apesar de o próprio Marquês de Pombal ter sido informado da grave situação. Felizmente não houve, ou pelo menos não há registos de mortos nem feridos graves na vila. Após o
sismo que provocou a ruína praticamente completa, a igreja foi reconstruída com estilo barroco, mas podem ser sublinhadas outras alterações, algumas das quais nada tiveram a ver com
esta reconstrução. Por exemplo, foram acrescentadas duas capelas uma de cada lado da capela-mor, uma das quais foi depois transformada em capela-sacristia e finalmente em apenas
sacristia, e ao lado desta foi acrescentada outra capela. A escadaria e a porta exteriores que dão acesso ao coro também não existiam e o acesso aos sinos era feito pelo interior da igreja,
sendo que estas últimas alterações foram feitas como consequência do sismo.Com o tempo foram feitas alterações e restauros por vezes de forma desastrosa por quem não tinha qualquer
sensibilidade para a preservação do património e por isso a atual igreja, embora bela não é tão bonita nem é tão valiosa quanto seria sem essas más intervenções. No século seguinte ao do
sismo, em Setembro de 1882, novamente se fez sentir no centro do país um tremor de terra e, por conseguinte também muito sentido em Loriga, o qual pareceu, em principio, não ter grande
gravidade. Só que as consequências viriam mais tarde, quando todos pareciam já ter esquecido. Em Novembro seguinte, e quando era celebrada a missa, estalou a viga mestra da igreja
tendo, de imediato, sido efetuada a desocupação do templo e retirando algumas imagens e outros artigos. Só no fim do dia aconteceu o desabamento quase completo da cobertura ficando
apenas de pé a torre e a capela-mor. Dois anos depois foram terminados os trabalhos da reconstrução da igreja que, tal como acontecera após o sismo de 1755, foi feita pela população local,
toda unida, e foi esta última reconstrução que chegou aos tempos atuais embora, conforme já foi referido, com alguns "restauros" que a empobreceram.

Esta é uma citação livre do historiador António Conde e de extratos da sua obra, História concisa da vila de Loriga - Das origens à extinção do município.
Loriga ancient Lorica

Concise note on the history of Loriga

Loriga is an ancient,beautiful and historic portuguese


town,located in the Serra da Estrela mountains.
Known as Lobriga by the Lusitanians and Lorica by the Romans,it is
more 2600 years old.Lorica,was the name given by the Romans the
Lobriga,population the was,in the Hermínius(current Serra da Estrela
mountains)a strong Lusitanian bastion against the romans
invaders.The Hermínius had been the biggest lusitanian fortress and
situated Lorica in the heart of this fortress,close to the high
point.Lorica,latin it,is name of old warlike harness,from that it
derived Loriga,with signification.The Romans had the same put such
name to it,due to its strategical position in the mountain range,and
to its protagonism during the war with Lusitanians.(LORICA
LUSITANORUM CASTRUM EST).This a case rare of a name that if it
practically keeps unchanged has two a thousand years,being highly
significant of the antiquity and the history of the population(the
Lorica is the central piece in the coat of arms).
The population was established strategically in the high one of a
hill,between two banks,in an beautiful origin valley glacier,where
the presence human being exists has,at least,five a thousand
years.Ignore if as it is evident,remote date of the foundation,but
it is known that the population exists more than has two thousand
and six hundred years,and appeared originally in the same place
where today Valley of Loriga is the historical center of the town.No
exist currently,beyond the town,the villages of Cabeça,Muro,Casal do
Rei,and Vide.
Of the time daily pay Roman exists,for example an antropomorphus
sepulture,in a place where one old sanctuary existed,at a time where
the name of the population was Lobriga,etymology of evident origin
celtic.Lobriga,was an important strenghtened population,celtic and
lusitanian,in the mountain range.Notable people from Loriga include
Viriathus (known as Viriato in portuguese),a famous Lusitanian
leader and portuguese national hero.
The local tradition,and diverse old documents,point Loriga as having
been cradle of Viriathus,that was born,without a doubt,in the
Hermínius,where the existing description in the book was interesting
shepherd since child.The manuscript History of the Lusitania,of
Bispo-Mor do Reino(1580):"...Succeeded the Viriato shepherd,born in
Lobriga,today the small town of Loriga,in the top of a mountain of
the mountain range of the Star,Bishopric of the Coimbra,to which,the
forty years of age,will acclaim King of the Lusitanians,and married
in Évora with a noble lady in year 147...".A main street,of the area
oldest of the historical center of the town has the name of
Viriathus.
Still today parts of the road,and one of the two bridges(century I
b.C.),with that the Romans had bound to Lorica to remain empire.A
bridge still existing Roman,on the bank of Loriga,it is in good
condition of conservation,and is a good unit of the architecture of
the time.The road Roman bound to Lorica the
Egittânia(Idanha-a-Velha),Talabara(Alpedrinha),Sellium(Tomar),
Scallabis(Santarém),Olisipo(Lisbon) and the
Longóbriga(Longroiva),Verurium(Viseu),Balatucellum(Bobadela),
Conímbriga(Condeixa) and Aeminium(Coimbra).
When the Romans arrived,the population were divided in two separate
nucleus for few hundreds of meters.The bigger and main he was placed
in the area where today the First Church and part of the Street of
Viriathus,being defended by walls and palisade.The exist another
nucleus,constituted only some habitations,it a small promontory
rocky.In local exists the Quarter of S.Ginês (S.Gens).
Loriga,was also important for the Visigods,which had left
ermida,probably the older christian temple construted in the
locality,dedicated to the S.Gens,a saint of celtic origin,martirize
in Arles,the Galia,the time of emperor Diocleciano.A suffered
workmanships from alteration and patron was substituted,starting to
be Ours Saint Mary Lady of the Carmo.With the ticket of the
centuries,the loricenses had started to know the saint for
S.Ginês,today name of a quarter of the historical center of the
town.A current derivation of the name,Loriga,started to be used for
the Visigods.
The first church has,in one of lateral doors,a rock with visigotics
registrations,used to advantage when of the construction dated of
1233 and was proper king ( in the time D.Sancho II ) ordered to
constrution.A old church,was a romanic temple with three ships,with
it traces fellow creature to the one of the old Sé de Coimbra,even
so the building had different dimensions,it had the ceiling one and
vault painted,and,when it was destroyed by the earthquake of year
1755,was possession pictures of the school of Grão Vasco in the
walls.
Since it reconquers christian,who Loriga was under the exclusive
real administrative influence and ecclesiastical of Coimbra,include
the Vigariaria do Padroado Real.In the second half of century ′II
already existed the parish of Loriga,and the faithful of then the
small places or "couples"of the outskirts,came to the town to attend
the religious services.
The town of Loriga,received municipal charters (Forais) from
Rhãnia(seigniory João of Lands of Loriga in the time of D.Afonso
Henriques)in 1136,D.Afonso III in 1249,D.Afonso V in1474,and
received charter new from D.Manuel I in 1514.With D.Afonso III,the
town returned to the ownership of the Crown,and in 1474,D.Afonso V
donated to Loriga to the Àlvaro Machado noble,axe donation confirmed
in 1477,and later for D.Manuel I.But meanwhile,after he death of the
related noble,the town was enclosed definitively in the goods of the
Crowh.In the century ′III,the municipality of Loriga enclosed the
understood area enters the Portela de Loriga (today also known by
Portela do Arão) and Pedras Lavradas,including the areas of the
actuals clienteles of Alvoco da Serra,Cabeça,Teixeira,and Vide.In
the first half of the century ′I′,in 1836,the municipality of Loriga
passed to enclosed the populations of the Valezim and Sazes da
Beira.Valezim,current historical village.Alvoco da Serra received
charter in 1514,and Vide received charter in the century ′VII,but
the municipality of Loriga in 1828 had come back to be part do and
1834 respectively,also in beginning century ′I′.The seven clienteles
who occupy the area of the old Loricense Municipality,currently
constitutes the called Region of Loriga and the Associação de
Freguesias da Serra da Estrela with head office in Loriga.
Loriga,is a industrial town(textile)since the beginning of century
′I′,when "it adhered"to the call industrial revolution,but,on longer
century ′VI,the loricenses produced bureis and other cloths
woollen.Later,the metallurgy,the pastry shop,and more recently,the
tourism(Loriga as enormous touristics potentialities),pillars of the
economy had started to be part of them of town.In Loriga they are
the only ski resort and existing ski trails in Portugal.Loriga is
the Luso Capital and capital of the snow in Portugal.

Lusitanian warriors ________________________________________________________________________________________________________________


Brasão de Loriga - Coat of arms

Heráldica Loriguense

Resumo do significado do brasão

Brasão: Escudo de azul, uma Lorica em vermelho realçada de prata, entre


duas rodas hidráulicas a negro e realçadas de branco; Em chefe
uma estrela de ouro, e na base dois montes e as linhas de àgua que banham a vila.
Coroa mural de prata de quatro torres. Listel branco, com a legenda a
negro: «LORIGA»

Bandeira da vila de Loriga - Flag


Bandeira: Esquartelada a azul e branco. Cordão e borlas de ouro. Haste
e lança de ouro. O azul e o branco representam o céu, as àguas límpidas, a neve,
a beleza, a pureza e as cores antigas da bandeira portuguesa, recordando também que durante
muito tempo Loriga pertenceu directamente à coroa.

Selo: Redondo,contendo no seu interior os mesmos símbolos do brasão,e


com a legenda:«Junta de Freguesia de Loriga»

Simbologia: Como peça central a Lorica, antiga couraça


guerreira, origem do nome multimilenar, lembra as origens remotas da
povoação e a história antiga da vila.
As duas rodas hidráulicas simbolizam a duas vezes centenária
indústria loriguense, criada com o engenho das gentes de Loriga e que
fizeram a vila destacar-se ainda mais na região. Eram as rodas
hidráulicas que moviam as primitivas fábricas instaladas ao longo
das duas ribeiras que banham a vila. Esses abundantes recursos
hídricos foram em tempos mais remotos aproveitados também para mover
moínhos.
A estrela de ouro simboliza principalmente a Serra da Estrela. Pode também
simbolizar a vila como uma estrela dentro da Estrela, e o ponto de
referência dos inúmeros emigrantes loricenses espalhados pelo mundo.
Os montes na base simbolizam os belos e verdejantes montes que
ladeiam o belíssimo Vale de Loriga e a sua espectacular Garganta de
Loriga, constituíndo uma paisagem única.

(Nota: Esta heráldica foi desenhada pelo Sr. António Conde e tem a aprovação das autoridades legais competentes.)

Heráldica histórica da vila de Loriga - Brasão de Loriga existente no século XIII

O antigo brasão da vila de Loriga era constituído por um escudo azul, contendo duas peças de ouro: Uma couraça e uma estrela de sete pontas. A couraça era uma referência à valentia da localidade e dos seus habitantes, traduzida no próprio
nome, e a estrela com sete pontas era uma referência á Serra da Estrela e aos "sete cabeços" ( montes ) que rodeiam a vila.
Em tempos antigos dizia-se : "Loriga não precisa de muralhas porque ninguém consegue derrubar os sete cabeços".

Brasão histórico da vila de Loriga - Historic coat of arms


O centro histórico da vila, na colina entre as ribeiras de Loriga e de São Bento, onde foi fundada a povoação há mais de 2600 anos. Os motivos da escolha do local são óbvios até para quem tem conhecimentos rudimentares.
Dada a antiguidade da povoação e da presença humana neste vale, foi, é e será normal a descoberta de vestigios arqueológicos em vários locais, até porque tal como hoje existe intervenção humana á volta da vila, o mesmo
acontecia á volta da povoação no tempo dos lusitanos e dos romanos. Teorias estúpidas, tais como a do nascimento e ou passagem de Loriga por outros locais, tais como o chamado Chão do Soito, não têm portanto qualquer
cabimento e são demonstrativas da ignorância de quem as defende

__________________________________________________________________

LORIGA - INSTITUIÇÕES E ASSOCIAÇÕES DE LORIGA

INSTITUIÇÕES E ASSOCIAÇÕES LORICENSES

Algumas das instituições e associações mais emblemáticas de Loriga


Emblema e bandeira dos Bombeiros de Loriga

Bombeiros Voluntários de Loriga

A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Loriga,é uma das mais prestigiadas e importantes associações loricenses. Fundada em 16 de Abril de 1982, a sua criação veio satisfazer uma necessidade há muito sentida nesta vila
industrial, assim como numa região como é a de Loriga.

Banda de Loriga em 1905

Sociedade Recreativa e Musical Loriguense

Esta prestigiada associação loricense, é uma das que mais tem contribuído para, através de música da mais alta qualidade, interpretada pela sua Banda Filarmónica, levar o nome de Loriga e a rica cultura loricense a todo o país e ao estrangeiro.
Fundada em 1 de Julho de 1905, esta associação tem a sua sede num solar do século ′VII, o Solar dos Mendes.

Escola C+S e sede do Agrupamento de Escolas de Loriga

Escola C+S de Loriga

As origens da Escola C+S de Loriga remontam a 1968 com a criação da então chamada Escola Preparatória. A sua sede funcionou no Solar dos Mendes, local onde estavam também a maioria das salas de aulas,e as instalações eram
complementadas pelo antigo edifício da Escola Primária, onde hoje é a sede da autarquia. As instalações foram sempre precárias e insuficientes.Entretanto a escola foi reclassificada, tendo sido montados pavilhões pré-fabricados para albergar os
alunos que consequentemente aumentaram de número, mas as instalações continuavam insuficientes e cada vêz mais degradadas. O desejo de instalações próprias e condignas, existente desde 1968,fazia-se sentir com mais intensidade. Em
Novembro de 1996, foi finalmente inaugurado um edifício novo e emblemático da nova Escola Reis Leitão, instalações cujo único defeito é não possuírem pavilhão gimnodesportivo.
Casa de Repouso Nossa Senhora da Guia

Centro de Assistência Paroquial de Loriga

O Centro de Assistência Paroquial de Loriga,fundado em 25 de Julho de 1952,presta relevantes serviços no apoio social,à infância e à terceira idade. Pertencem a esta instituição, a creche, o infantário, e o lar de idosos da Casa de Repouso de
Nossa Senhora da Guia.

Sede da ALATI no centro histórico da vila

Associação Loriguense de Apoio à Terceira Idade

A Associação Loriguense de Apoio à Terceira Idade foi fundada em 12 de Julho de 1990, e tal como o nome indica, destina-se essencialmente ao apoio aos idosos,principalmente aos mais desfavorecidos. Possui um centro de dia no centro histórico
da vila, e presta apoio domiciliário.

Antiga sede do GDL na Rua de Viriato, na parte mais antiga do centro histórico da vila

Grupo Desportivo Loriguense

O Grupo Desportivo Loricense foi fundado em 8 de Abril de 1934,transformando-se rápidamente numa importante e carismática associação desportiva, mas também cultural.
Emblema da ANALOR e página do jornal Garganta de Loriga

Associação dos Naturais e Amigos de Loriga


Esta prestigiada associação foi fundada em 1987 por loricenses dos tais que, por conta própria ou dentro de qualquer instituição ou associação loricense, trabalham incansavelmente para promover a sua terra-natal e contribuir para a resolução
dos poblemas que a afectam. Loriga deve muito a estes loricenses que, embora não residam na vila, têm lá os seus corações e as suas almas, aqueles que desenvolvem permanentemente um imenso trabalho pessoal ou colectivo (conforme a
opção) pela terra que os viu nascer. A A.N.A.L.O.R publica um jornal, o Garganta de Loriga, que é um importante meio de comunicação entre os loricenses espalhados pelo país e pelo mundo. Através dos artigos de António Conde, um conhecido
historiador e benfeitor de Loriga, publicados nesse jornal, os loricenses acordaram para o conhecimento da sua história mais remota. Aliás, Loriga e a sua história têm sido divulgadas pelo Sr. Conde através dos mais diversos meios de comunicação
portugueses e estrangeiros e nos mais diversos sites, desde a Wikipédia (onde ele criou o artigo sobre Loriga em português e em inglês) até sites de grande nível cultural. Durante mais de vinte e cinco anos, o Sr. António Conde fez uma pesquisa
minuciosa sobre a história antiga da vila de Loriga, percorrendo arquivos e recolhendo dados e documentos preciosos que compilou numa obra a que chamou, História Concisa da vila de Loriga - Das origens à extinção do município. No entanto a
sua pesquisa tem continuado, acumulando mais dados e documentos sobre a história da vila de Loriga, e tudo foi feito muitas vezes com prejuízo da sua vida pessoal, familiar e financeira, que foram aliás muito prejudicadas, mas tudo foi feito pelo
grande amor que este grande loriguense tem à terra que o viu nascer.

Sede da ISSAL junto da Igreja Matriz

Irmandade do Santíssimo Sacramento e das Almas de Loriga

Esta instituição, de carácter religioso, é histórica e as suas origens mais remotas encontram-se no século ′IV, e desde finais do século ′VI que tem o nome e os moldes actuais. Noutros tempos chegou a funcionar como se fosse a Santa Casa da
Misericórdia de Loriga, embora nunca tivesse esse nome.
Bandeira do CLBP

Centro Loriguense de Belém do Pará


Esta foi a primeira associação loricense criada fora de Loriga,e foi também a primeira a ser criada no estrangeiro. Foi fundada em 4 de Julho de 1937 no seio da importante colónia loricense, que desde o século ′I′ existia em Belém, mas também
em Manaos, havendo também loricenses noutras partes do Brasil desde o século ′VII. Aliás foi a colónia de Manaos que construíu os monumentais fontanários que podem admirar-se na vila.

Um dos monumentais fontanários erigidos pela comunidade loricense de Manaus, Brasil


___________________________________________________________________
Mapa da Região e antigo Município de Loriga

Freguesias da Região de Loriga [área

do antigo Município Loricense]


As seis freguesias que rodeiam Loriga, que fazem parte da Associação de Freguesias da Serra da Estrela,com sede nesta vila, e que outrora fizeram parte do Município Loricense.

Brasão de Alvoco da Serra

Alvoco da Serra

Alvoco da Serra é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 37,57 km² de área e 646 habitantes (2001). Densidade: 17,2 hab/km².
A freguesia é constituída por cinco localidades: Alvoco da Serra (sede da freguesia), Outeiro da Vinha, Vasco Esteves de Baixo, Vasco Esteves de Cima e Aguincho.
Alvoco da Serra recebeu foral de D. Manuel I em 17 de Fevereiro de 1514,data em que deixou de pertencer ao concelho de Loriga. Foi vila e sede de concelho entre esta data e 1828, ano em que o concelho foi extinto. Tinha, em 1801, 667
habitantes. Entre 1828 e 1855 pertenceu novamente ao concelho de Loriga, após o que passou a integrar o concelho de Seia.

Brasão de Cabeça

Cabeça

Cabeça é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 8,55 km² de área e 229 habitantes (2001). Densidade: 26,8 hab/km². Durante muitos anos foi conhecida como São Romão de Cabeça.Até ao século ′I′ pertenceu ao concelho,à
paróquia e à freguesia de Loriga.
A sua população vive em grande parte da agricultura e da pastorícia.
António de Almeida Santos, ministro em vários Governos, ex-presidente da Assembleia da República, filho de uma loricense, nasceu em Cabeça, numa época em que a sua mãe dava aulas na escola primária local.

Brasão de Sazes da Beira

Sazes da Beira

Sazes da Beira é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 6,39 km² de área e 341 habitantes (2001). Densidade: 53,4 hab/km².
A primeira fixação definitiva deu-se (supõe-se) no século ′V, no lugar chamado de "Sazes Velho".
Em 1527 tinha a aldeia 65 pessoas. No entanto e continuando à procura de proximidade da água levou à fundação do que é hoje a aldeia de Sazes da Beira propriamente dita. Não se sabe a data da fundação da sua freguesia/paróquia, mas sabe-
se que foi no início do século ′VIII.Em 1731 é edificada a sua Igreja Matriz.
Desde a sua fundação, Sazes pertenceu sempre ao concelho de Sandomil até à extinção deste em 1836, data em que passou a pertencer ao município de Loriga.No meio de todas as remodelações administrativas sofridas (em que Sandomil esteve
prestes a pertencer ao concelho de Loriga), a freguesia de Sazes (correspondente a todo o território da sua paróquia) pertenceu ao concelho de Loriga até 1855,data em que este foi extinto.
Brasão de Teixeira

Teixeira

Teixeira é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 12,88 km² de área e 233 habitantes (2001). Densidade: 18,1 hab/km².
Pertenceu ao concelho de Loriga até 1514 data em que Alvoco da Serra recebeu foral de D. Manuel I, passando depois a fazer parte da freguesia de da Vide no início do século ′VII.
Voltou a ser incluída no município de Loriga, com a reinclusão plena de Vide em 1834, e até 1855, no concelho de Loriga. Passa então para o concelho de Seia ao qual pertence actualmente.

Brasão de Valezim

Valezim

Valezim é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 10,94 km² de área, 382 habitantes (2001) e densidade populacional de 34,9 hab/km².
A hipótese mais aceite é que o nome provém de vallecinus (palavra do latim para vale pequeno). Curiosamente, uma antiga lenda sobre a origem do nome de Valezim nasceu de um facto histórico real relacionado com Loriga. Diz a lenda: "Tendo
sido expulsos de Loriga, os mouros chegaram àquele vale e exclamaram: Neste vale sim! As duas palavras foram unidas dando origem ao nome Valesim." De facto os mouros foram expulsos de Loriga, mas não falavam português.
As principais actividades económicas da população estão ligadas à agricultura e pastorícia, turismo de habitação e à construcção civil.
O seu primeiro foral é atribuído em 1201, por D. João de Foyle. Em 1514 é renovado por D. Manuel I, e passa constituir um concelho formado apenas pela freguesia da sede. Entre os anos de 1836 e 1855 pertenceu ao concelho de Loriga.
Nessa data foi integrado no concelho de Seia, onde pertence.
A sua maior festividade é em honra de Nossa Senhora da Saúde, realizada anualmente, no primeiro Domingo de Setembro.

Brasão de Vide

Vide

Vide é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 51,25 km² de área e 843 habitantes (2001), com uma densidade populacional de 16,4 hab/km².
Está situada na zona centro do país, no Parque Natural da Serra da Estrela, a uma distância de 25 Km da Torre.
A freguesia engloba as seguintes e pequenas povoações anexas:
Abitureira,Baiol,Balocas,Baloquinhas,Barreira,Barriosa,
Barroco da Malhada,Borracheiras,Carvalhinho,Casal do Rei,Casas Figueiras,Cide, Chão Cimeiro,Coucedeira,Costeiras,Fontes do Cide,Foz da Rigueira,Foz do Vale,Frádigas,Gondufo,Lamigueiras,Malhada das Cilhas,Monteiros,Muro
,Obra,Outeiro,Ribeira,Rodeado,Sarnadinha,Silvadal e Vale do Cide.
Pertenceu ao concelho de Loriga até ao início do século ′VII, época em que recebeu alguma autonomia como paróquia mas sem que isso se tivesse traduzido num foral, da forma como é entendido, portanto nunca teve categoria de vila como
Loriga, Valezim e Alvoco, e isso traduz-se no seu brasão. Essa situação ambígua de autonomia durou até 1834, tendo nessa época passado a pertencer novamente e plenamente ao município loriguense até 1855, ano em que foi integrado no
concelho de Seia. Em 1801 era constituído apenas pela freguesia da sede e tinha 750 habitantes.
Últimos estudos, levados a cabo em 2002, confirmam que o povoamento do Vale de Loriga em cujo extremo se encontra Vide, remonta aos finais do Paleolítico Superior.
Entre as zonas de Entre-águas e de Ferradurras, nesta freguesia, há alguns núcleos rochosos que possuem várias inscrições rupestres, os maiores descobertos até agora, que foram objecto de estudo por parte da Associação Portuguesa de
Investigação Arqueológica, e que segundo os traços gerais apresentados, pertencem à Idade do Bronze. A aldeia da Vide tem vários acessos sendo os principais a EN 230, que vem de Oliveira do Hospital, e a EN 238, na Portela de Loriga,
cruzamento com a EN 231 que liga Loriga a Seia.
______________________________________________________________________________________________________

Vale glaciar de Loriga, Garganta de Loriga

A bela aldeia de xisto de Fontão de Loriga


___________________________________________________________________________

LORIGA - TERRA DE VIRIATO -

Viriathus was born in Loriga


VIRIATO
"...Sucedeu o pastor Viriato, natural de Lobriga, hoje a vila de Loriga, no
cimo na Serra da Estrela, Bispado de Coimbra; Ao qual, tendo quarenta anos de
idade, aclamaram Rei dos Lusitanos e casou em Évora com uma nobre
Senhora, no ano 147.
Prendeu em batalha, ao Pretor romano Caio Vetílio e lhe degolou 4000
soldados;A Caio Lucitor, daí a uns dias, matou 6000.
Ao capitão Caio Plaucio , matou Viriato mais de 4000 junto de
Toledo. Reforçou-se o dito capitão, e dando batalha junto de Évora, prendeu
4000 soldados.
No ano 146, o Pretor Cláudio Unimano lhe deu batalha e de todo foi
destruído por Viriato, que repartiu os despojos pelos soldados, pondo nos
montes mais altos da Lusitânia, os estendartes romanos..."
(Página do livro manuscrito História da Lusitânia, do Bispo Mor do
Reino, 1580, "traduzida" do português arcaico para o actual). Entre os diversos
documentos que falam de Loriga como berço de Viriato, este é o mais curioso.
____________________________________________________________________________________________________________

-Algumas citações de alguns dos mais importantes antigos historiadores


romanos:

*** -"Viriato,um lusitano de nascimento,sendo pastor desde criança nas


altas montanhas*, foi para todos os Romanos motivo do maior terror. A
princípio armando emboscadas, depois devastando províncias, por último
vencendo, pondo em fuga, subjugando exércitos de Pretores, e Cônsules
romanos." (Orósio(5.4.1)

*** -"Viriato,nascido e criado nas mais altas montanhas* da Lusitânia, onde


foi pastor desde criança, conseguiu reunir o apoio de todo o seu povo para
sacudir o jugo romano e fundar uma grande nação livre na
Hispânia" (Floro(1.33)

*** -"...Este Viriato era originário dos Lusitanos... Sendo pastor desde
criança, estava habituado a uma vida dura nas altas montanhas*... Famoso
entre as populações,foi por eles escolhido como chefe... (Diodoro
Sículo (33.1.1-4)....
*Hermínius,actual Serra da Estrela
____________________________________________________________________________________________________________

-Todos os grandes historiadores, começando pelos romanos antigos, elogiam as


grandes qualidades de Viriato. Nelas se destacam, a inteligência, o
humanismo, a capacidade de liderança, e a sua grande visão de estratega
militar e político. A este grande homem, que liderou os
Lusitanos, antepassados dos portugueses, os romanos só conseguiram vencer
recorrendo à vergonhosa traição cobarde. Este homem,tal como outros que
ficaram na história, tinha origens humildes, provando-se na época,tal como
hoje,que as capacidades individuais não dependem do estrato social, nem das
habilitações académicas. Apesar das inúmeras lições da história em sentido
contrário, alguns pseudointelectuais e pseudohistoriadores "elitistas" e
preconceituosos continuam a achar que é improvável que alguém com origens
humildes se torne uma grande figura histórica, e então inventaram teorias
ridículas no sentido de atribuír "sangue azul" e origens "nobres" a Viriato.
Viriato, era apenas um pastor, habituado desde criança a percorrer as
montanhas dos Herminius (actual Serra da Estrela), onde nasceu, e que
conhecia como as palmas das suas mãos,inclusivé as povoações lusitanas da
serra. A Lobriga,sua terra-natal,um povoado fortificado situado
estratégicamente próximo do ponto mais alto da serra, os romanos puseram o
nome de Lorica (antiga couraça guerreira).
_____________________________________________________________________________________________________________

- Os Romanos chamaram Lorica, nome de antiga couraça guerreira (LORICA


LUSITANORUM CASTRUM EST), à povoação lusitana, fortificada, de Lobriga,nome
de evidente etimologia céltica. O nome Lorica foi escolhido devido à sua
posição estratégica no coração dos Herminius,e ao papel desempenhado
durante a resistência contra os invasores romanos numa serra que era a
maior fortaleza lusitana. Do latim, Lorica,derivou Loriga, com o mesmo
significado, e esta derivação do nome latino começou a ser usada pelos
Visigodos. Um caso raro de um nome que se mantém praticamente inalterado há
dois mil anos, sendo altamente significativo da história e da antiguidade
da povoação (por isso,a couraça é a peça central do brasão histórico da
vila).
Loriga, existe há mais de vinte e seis séculos, e a povoação foi fundada
estratégicamente e originalmente no alto de uma colina, entre duas
ribeiras, na àrea onde hoje existe o centro histórico da vila. A rua
principal da àrea mais antiga do centro histórico da vila tem o nome de
Viriato em sua homenagem. Exactamente na àrea onde,há mais de dois mil e
seiscentos anos,foram feitas as primeiras habitações pelos antepassados
dos loricenses.
Da época pré-romana existe,por exemplo, uma sepultura antropomórfica, num
local onde existiu um antigo santuário.
Existem ainda troços da estrada romana, e uma das duas pontes (sec.I a.C.)
com que os Romanos ligaram Lorica ao restante império. Esta estrada ligava
Lorica a Egitânia (Idanha-a-Velha), Talabara (Alpedrinha), Sellium (Tomar), Scallabis (Santarém), Olisipo (Lisboa), e
a Longóbriga (Longróiva), Verurium (Viseu), Balatucelum (Bobadela), Conímbriga (Condeixa) e
Aeminium (Coimbra).
Quando os Romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos. O
maior e principal, situava-se na àrea onde hoje existem a Igreja Matriz e a
parte superior da Rua de Viriato, e estava protegido por muros e
paliçadas. O outro núcleo, constituído por poucas habitações, estava
localizado junto de um promontório rochoso onde hoje existe o Bairro de
S.Ginês ( S.Gens ).
A vila de Loriga, recebeu forais de João Rhânia (senhorio das Terras de
Loriga no tempo de D.Afonso Henriques), e dos reis D.Afonso III, D.Afonso V,
e D.Manuel I, nos séculos ′II, ′III, ′V e ′VI, respectivamente.
Eclesiaticamente, Loriga pertencia à Vigariaria do Padroado Real, sob a
dependência de Coimbra, e a Igreja Matriz, dedicada a Santa Maria Maior, foi
mandada construír pelo rei D.Sancho II em 1233. Era um templo românico de
três naves e traça exterior semelhante à da Sé Velha de Coimbra. Foi
destruída pelo sismo de 1755.
O concelho de Loriga (actual Região de Loriga) incluíu a àrea onde hoje
existem as freguesias de Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes da
Beira, Teixeira,Valezim, e Vide. Inicialmente,desde o século ′II,até ao
início do século ′I′, o Município Loricense, e até à inclusão de Valezim, não
ia além da Portela de Loriga.
Alvoco da Serra, que recebera foral no século ′VI, foi reintegrado no
Concelho de Loriga no início do século ′I′. Vide, que recebera alguma autonomia no
século ′VII sem categoria de vila, foi reintegrada no Município Loricense na mesma época.
A bela e histórica Loriga é uma vila industrial desde princípios do século
′I′. Chegou a ser uma das localidades mais industrializadas da Beira
Interior, e só foi ultrapassada pela actual sede de concelho em meados do
século ′′. O grande dinamismo dos loricenses ultrapassou até os maus
acessos, já que, durante mais de dois mil anos, e até à década de trinta do
século ′′,a única estrada existente era a velhinha estrada romana.
Mas, o génio dos loricenses está também patente no que é um dos exlibris de
Loriga: Os socalcos e a sua complexa rede de irrigação que são ainda a
marca inconfundível da paisagem loricense. Ao longo de centenas de anos,os
loricenses construíram aquela obra gigantesca, tranformando um vale belo
mas pedregoso, num vale fértil.
Loriga, tem enormes potencialidades turísticas, e as únicas pistas e
estância de esqui existentes em Portugal, estão localizadas em
Loriga. Loriga, é a capital da neve em Portugal.
As actuais sete freguesias do antigo Concelho de Loriga ( incluindo a vila
), e as suas mais de trinta localidades anexas, constituem a Região de
Loriga. As mesmas localidades constituem também a Associação de Freguesias
da Serra da Estrela, com sede na vila de Loriga.

____________________________________________________________________________________________________________
VIRIATHUS WAS BORN IN LORIGA
In 147 b.C.,thousands of Lusitanian warriors found themselves surrounded
by the military forces of magistrate Caio Vetílio. At first this seemed
like just another Roman attempt to seize the Iberian Península in the on
going war in which the Roman Republic had led for years.But pursued by the
enemy, the Lusitanians elect one of their own and hand him absolute
power. Born in Lobriga, Lusitania, Lorica for the Romans, current Loriga in
Portugal, this man, who for seven will taunt the Romans, is called Viriathus.
Between 147 and 139, the year in which he was killed (murder by Romans,he
was assassinated while sleeping), Viriathus successively defeated Roman
armies, led a greater part of the iberian peoples into revolt and was
responsible for the beginning of the war of Numância.
After the murder, the Lusitanian guerrilla was continued to resist, "the
women boke arms with the men, who died wiht a will,not a man of them
showing his back,or uttering a cry. Of the women who were captured some
killed themselves, others slew their children also with their own
hands, considering death preferable to captivity".
Viriathus, is considered the first Lusian figure, and also national hero in
Portugal. It was born without a doubt in the Hermínius,current Serra da
Estrela, wehere he was shepherd since child,more precisely in
Lobriga, Lorica for the Romans,current Loriga,in Portugal.
Viriathus, was praised had to is great qualities human beings, and of great
strategist to military and diplomat, inclusively for the old Romans
historians. Viriathus, proved that at the time, such as today,the individual
capacities do not depend on the social estratum nor of the academical
qualifications. Viriathus,was only one shepherd, accustomed since child to
cover mountains of the heart of the Lusitania.
Roman,the superpower of the time, only obtained to arrange away it to
win,resort to the shameful and dishonourable treason coward!Curiously,it
was after an act of high treason of the part of the Romans, wich cost the
life the thousand of disarmed Lusitanians, that Viriathus was elect to
leader for is compatriots.
Viriathus, leader that it directed with effectiveness the resistence of the
Lusitanians, ancestors of the Portugueses, against a powerful invader, is
considered since its time an example to follow.
Viriathus,was a true military genious,politician and
diplomat. But, moreover, he was the defender of a world asphyxiated by the
great Roman dominion. The world in which he very roots of Portugal are
implanted.
Viriathus, is a real portuguese national hero.

____________________________________________________________________________________________________________
Vista do centro histórico de Loriga encimada pelas bandeiras da vila e de Portugal

LORIGA

Loriga is an ancient, beautiful and historic portuguese town, located


in the Serra da Estrela mountains.
Known as Lobriga by the Lusitanians and Lorica by the Romans, it is more
than 2600 years old.
Notable people from Loriga include Viriathus ( known as Viriato in
Portuguese ), a famous Lusitanian leader and portuguese national hero.
Loriga as enormous touristics potentialities and they are the only ski
resort and ski trails existing in Portugal ( Loriga is the Lusian Capital
and the capital of the snow in Portugal ).

Loriga is a town in Portugal located in Seia Municipality, Guarda District.


Loriga is 20 km away from Seia, 40 km away from Viseu, 80 km away
from Guarda and 320 km from Lisbon. It is nestled in the Serra da Estrela
mountain range. The population is 789 (2015 estimate).
It is known as the "Portuguese Switzerland" due to its landscape: a town
surrounded by mountains.
Known to be settled by the Lusitanians, the town is more than 2600 years old and
was part of the Roman province of Lusitania. It was known as Lobriga by the
Lusitanians and Lorica by the Romans.
Loriga became a textile manufacturing center in the begin-19th century. While that
industry has since dissipated, today the town attracts a sizable tourist trade
due to its picturesque scenery and vicinity to the Vodafone Ski Resort, the only
ski center in Portugal, totally inside the town limits.

( By the historian António Conde )

____________________________________________________________________________________________________________

LORIGA - Vila de PORTUGAL


Centro histórico de Loriga, a bandeira da vila e a bandeira de Portugal

LORIGA

Loriga é uma vila e freguesia portuguesa, situada


na Serra da Estrela, distrito da Guarda. Tem 36,52
km² de área, e densidade populacional de 21,60 hab/km² (2015).
Loriga encontra-se a 80km da Guarda e 300km de Lisboa.
A vila é acessível pela EN 231, e tem acesso à Torre
pela EN 338, seguindo
um traçado projectado décadas atrás, com um percurso de 9.2
km de paisagens deslumbrantes, entre as cotas
960m (Portela de Loriga) e 1650m, acima da Lagoa
Comprida onde entronca com a EN 339.
A àrea urbana da vila encontra-se a uma altitude
que varia entre os 770m e os 1200m.

Gentílico: Loricense ou loriguense


Orago: Santa Maria Maior
Código Postal: 6270

Há décadas foi chamada a "Suíça Portuguesa" devido às


características da sua belíssima paisagem. Está
situada a partir de 770m de altitude, rodeada por
montanhas, todas com mais de 1500m de altitude
das quais se destacam a Penha dos
Abutres (1828m de altitude) e a Penha do Gato
(1771m), e é abraçada por dois cursos de água: a
Ribeira de Loriga e a Ribeira de S.Bento,as quais
se unem depois da E.T.A.R. da vila. A Ribeira de
Loriga é um dos afluentes do Rio Alva.

Praia fluvial de Loriga

VILA

A vila está dotada de uma ampla gama de infrastrutras, como por exemplo,a
Escola C+S Dr.Reis Leitão, a Banda Filarmónica de Loriga, fundada em 1905,
o corpo de Bombeiros Voluntários de Loriga, cujos serviços se desenvolvem
na àrea do antigo Município Loricense, a Casa de Repouso Nª. Srª. da Guia,
uma das últimas obras sociais de relevo, a Associação Loriguense de Apoio à
Terceira Idade, o Grupo Desportivo Loriguense, fundado em 1934, Posto da
GNR, Correios, serviços bancários, farmácia, Escola EB1 e pré-escolar, Escola C+S, praia
fluvial, estância de esqui (única em Portugal), etc .
Ao longo do ano celebram-se de maneira especial o Natal, a Páscoa (com a
tradicional Amenta das Almas) e festas em honra de S. António (durante o
mês Junho) e S. Sebastião (durante o mês de Julho), com as respectivas
mordomias e procissões. Porém, o ponto mais alto das festividades
religiosas é a festa dedicada NªSrª da Guia, padroeira da diáspora
loricense, que se realiza todos os anos, no primeiro Domingo de Agosto.

Acordos de geminação:
Loriga celebrou acordo de geminação com:
A vila, actual cidade de Sacavém, no concelho de Loures, em 1 de Junho de
1996.

( Pelo historiador António Conde )

Brasões de Loriga e de Sacavém, localidades geminadas


Brasões das freguesias fundadoras da A.F.S.E.

________________________________________________

Brasão e cores da bandeira da vila de Loriga

HISTÓRIA CONCISA DE LORIGA

Lorica, foi o nome dado pelos Romanos a Lobriga, povoação que foi, nos
Hermínius (actual Serra da Estrêla), um forte bastião lusitano contra os
invasores romanos .Os Hermínius foram a maior fortaleza lusitana e Lorica
situada no coração dessa fortaleza, perto do ponto mais alto.Lorica, do
latim, é nome de antiga couraça guerreira, de que derivou Loriga, com o mesmo
significado. Os próprios soldados e legionários romanos usavam Lorica. Os
Romanos puseram-lhe tal nome,devido à sua posição estratégica na serra,e
ao seu protagonismo durante a guerra com os Lusitanos (* LORICA LUSITANORUM
CASTRUM EST). É um caso raro de um nome que se mantém praticamente
inalterado há dois mil anos,sendo altamente significativo da antiguidade e
da história da povoação (por isso,a couraça é a peça central e principal do
brasão histórico da vila).
A povoação foi fundada estratégicamente no alto de uma colina,entre duas
ribeiras,num belo vale de origem glaciar. Desconhece-se,como é evidente,a
longínqua data da sua fundação, mas sabe-se que a povoação existe há mais
de dois mil e seiscentos anos,e surgiu originalmente no mesmo local onde
hoje está o centro histórico da vila. No Vale de Loriga, onde a presença
humana é um facto há mais de cinco mil anos, existem actualmente, além da
vila, as aldeias de Cabeça, Muro, Casal do Rei, e Vide.
Da época pré- romana existe, por exemplo uma sepultura antropomórfica com
mais de dois mil anos, num local onde existiu um antigo santuário, numa
época em que o nome da povoação era Lobriga, etimologia de evidente origem
céltica. Lobriga,foi uma importante povoação fortificada, Celta e
Lusitana,na serra.
A tradição local, e diversos antigos documentos, apontam Loriga como tendo
sido berço de Viriato, que nasceu, sem dúvida,nos Hermínius, onde foi pastor
desde criança. É interessante a descrição existente no livro manuscrito
História da Luzitânia, do Bispo-Mor do Reino(1580):"...Sucedeu o pastor
Viriato, natural de Lobriga,hoje a villa de Loriga, no cimo da Serra da
Estrêla, Bispado de Coimbra, ao qual,aos quarenta annos de idade, aclamarão
Rey dos Luzitanos,e casou em Évora com huma nobre senhora no anno
147...". A rua principal, da àrea mais antiga do centro histórico da vila
de Loriga, tem o nome de Viriato, em sua homenagem.
Ainda hoje existem partes da estrada, e uma das duas pontes (século I
a.C.), com que os Romanos ligaram Lorica ao restante império. A ponte romana
ainda existente, sobre a Ribeira de Loriga,está em bom estado de
conservação, e é um bom exemplar da arquitectura da época.
A estrada romana ligava Lorica a Egitânia (Idanha-a-Velha), Talabara
(Alpedrinha), Sellium (Tomar), Scallabis (Santarém), Olisipo (Lisboa) e a
Longóbriga (Longroiva), Verurium (Viseu), Balatucelum (Bobadela), Conímbriga
(Condeixa) e Aeminium (Coimbra).
Quando os romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos
separados por poucas centenas de metros. O maior,mais antigo e principal
situava-se na àrea onde hoje existem a Igreja Matriz e parte da Rua de
Viriato, sendo defendido por muros e paliçadas. O outro núcleo,constituído
apenas por algumas habitações,situava-se mais acima junto a um pequeno
promontório rochoso,em cima do qual mais tarde os Visigodos construíram
uma ermida dedicada a S.Gens.
Com o domínio romano, cresceu a importância de Lorica, uma povoação castreja
que recebeu populações de castros existentes noutros locais dos
Hermínius, e que entretanto foram abandonados.Isso aconteceu porque esses
castros estavam localizados em sítios onde a única vantagem existente era
a facilidade de defesa. Sítios que, ao contrário de Lorica,eram apenas um
local de refúgio, onde as habitações estavam afastadas dos recursos
necessários à sobrevivência, tais como àgua e solos aráveis. Um desses
castros abandonados, e cuja população se deslocou para Lorica, situava-se no
ainda conhecido Monte do Castelo, ou do Castro, perto da Portela de
Loriga. No século ′VIII ainda eram visíveis as ruínas das fundações das
habitações que ali existiram, mas actualmente no local apenas se vêem
pedras soltas.
Loriga, foi também importante para os Visigodos, os quais deixaram uma
ermida dedicada a S.Gens, um santo de origem céltica, martirizado em
Arles,na Gália, no tempo do imperador Diocleciano. A ermida sofreu obras de
alteração e o orago foi substituído, passando a ser de Nossa Senhora do
Carmo. Com a passagem dos séculos, os loricenses passaram a conhecer o santo
por S.Ginês, hoje nome de bairro neste local do actual centro histórico da
vila. A actual derivação do nome romano, Loriga, começou a ser usada pelos
Visigodos.
A Igreja Matriz tem, numa das portas laterais,uma pedra com inscrições
visigóticas, aproveitada de um antigo pequeno templo existente no local
quando da construção datada de 1233. A antiga igreja, era um templo românico

com três naves, a traça exterior era semelhante à da Sé Velha de


Coimbra, tinha o tecto e abóbada pintados com frescos ,e, quando foi
destruída pelo sismo de 1755, possuía nas paredes,quadros da escola de Grão
Vasco. Da primitiva igreja românica do século ′III restam partes das
paredes laterais.
Desde a reconquista cristã, que Loriga esteve sob a exclusiva influência
administrativa e eclesiástica de Coimbra, pertencendo também à Coroa e à
Vigariaria do Padroado Real, e foi o próprio rei (na época D.Sancho II)que
mandou construír a Igreja Matriz, cujo orago era, tal como hoje, de Santa
Maria Maior. Na segunda metade do século ′II já existia a paróquia de
Loriga, e os fieis dos então poucos e pequenos lugares ou "casais" dos
arredores, vinham à vila assistir aos serviços religiosos. Alguns desses
lugares, hoje freguesias, foram, a partir do século ′VI, adquirindo alguma
autonomia religiosa, começando por Alvoco, e seguindo-se Vide, Cabeça e
Teixeira.
A vila de Loriga, recebeu forais de João Rhânia (senhorio das Terras de
Loriga durante cerca de duas décadas, no tempo de D.Afonso Henriques) em
1136, de D.Afonso III em 1249, de D.Afonso V em 1474, e recebeu foral novo de
D.Manuel I em 1514.
Com D.Afonso III, a vila recebeu o primeiro foral régio, e em 1474, D.Afonso
V doou Loriga ao fidalgo Àlvaro Machado, herdeiro de Luís Machado, que era
também senhor de Oliveira do Hospital e de Sandomil, doação confirmada em
1477, e mais tarde por D.Manuel I. No entanto,após a morte do referido
fidalgo,a vila voltou definitivamente para os bens da Coroa. No século
′II, o
concelho de Loriga abrangia a àrea compreendida entre a Portela de
Loriga (hoje também conhecida por Portela do Arão)e Pedras
Lavradas,incluindo as àreas das actuais freguesias de Alvoco da
Serra, Cabeça, Teixeira, e Vide. Na primeira metade do século ′I′, em 1836, o
concelho de Loriga passou a incluír Valezim e Sazes da
Beira. Valezim, actual aldeia histórica,recebeu foral em 1201, e o concelho
foi extinto em 1836, passando a pertencer ao de Loriga. Alvoco da Serra
recebeu foral em 1514 e Vide recebeu alguma autonomia no século ′VII, mas voltaram a
ser incluídas no concelho de Loriga em 1828 e 1834 respectivamente, também
no início do século ′I′. As sete freguesias que ocupam a àrea do antigo
município loricense, constituem actualmente a denominada Região de
Loriga. Essas freguesias constituem também a Associação de Freguesias da
Serra da Estrela,com sede na vila de Loriga.
Loriga, é uma vila industrializada (têxtil) desde o início do século
′I′, quando "aderiu" à chamada revolução industrial, mas, já no século ′VI os
loricenses produziam bureis e outros panos de lã. Loriga, chegou a ser uma
das localidades mais industrializadas da Beira Interior, e a actual sede de
concelho só consegui ultrapassá-la em meados do século ′′. Tempos houve em
que só a Covilhã ultrapassava Loriga em número de empresas. Demonstrativo
da genialidade dos loricenses, é que tudo isso aconteceu apesar dos acessos
difíceis à vila, os quais até à década de trinta do século ′′, se resumiam à
velhinha estrada romana de Lorica, contruída no século I antes de
Cristo. Nomes de empresas, tais como Regato, Fândega, Leitão &
Irmãos, Redondinha, Tapadas, Augusto Luís Mendes, Moura
Cabral, Lorimalhas, Lages Santos, Nunes Brito, etc, fazem parte da rica
história industrial desta vila. A maior e principal avenida de Loriga tem o
nome de Augusto Luís Mendes, o mais destacado dos antigos industriais
loricenses.
Mais tarde, a metalurgia, a pastelaria, e mais recentemente, o turismo (Loriga
tem enormes potencialidades turisticas), passaram a fazer parte dos pilares
da economia da vila.
Outra prova do génio loricense é um dos exlíbris de Loriga, os inúmeros
socalcos e a sua complexa rede de irrigação, construídos ao longo de muitas
centenas de anos, e que transformaram um vale belo mas rochoso, num vale
fértil.
Em Loriga existem a única estância e pistas de esqui existentes em
Portugal.Loriga, é a capital da neve em Portugal.

Centro histórico de Loriga, as bandeiras da vila e de Portugal

________________________________________________________________________________________________________
VISITE A BELA E HISTÓRICA VILA DE LORIGA,NA SERRA DA ESTRÊLA. -A LOBRIGA DOS CELTAS E DOS LUSITANOS. -FUNDADA ESTRATÉGICAMENTE, HÁ MAIS DE DOIS MIL E SEISCENTOS ANOS, NO ALTO DE UMA
COLINA,ENTRE DUAS RIBEIRAS (HOJE,A RIBEIRA DE LORIGA E A RIBEIRA DE S.BENTO). -POVOAÇÃO PLURIMILENAR. -A POVOAÇÃO SURGIU ORIGINALMENTE NO LOCAL ONDE ACTUALMENTE ESTÁ O CENTRO HISTÓRICO DA
VILA. -BERÇO DE VIRIATO,QUE NASCEU,SEM DÚVIDA, NOS HERMÍNIUS (ACTUAL SERRA DA ESTRELA) ONDE FOI PASTOR DESDE CRIANÇA. -EXTRACTO DO LIVRO MANUSCRITO, HISTÓRIA DA LUSITÂNIA [BISPO-MOR DO
REINO,1580]:..."SUCEDEU O PASTOR VIRIATO,NATURAL DE LOBRIGA,HOJE A VILA DE LORIGA,NO CIMO DA SERRA DA ESTRELA, BISPADO DE COIMBRA"... -A LORICA DOS ROMANOS [ LORICA LUSITANORUM CASTRUM EST ]
QUE LHE PUSERAM O NOME DEVIDO À SUA POSIÇÃO ESTRATÉGICA NA SERRA E POR TER SIDO UM BASTIÃO LUSITANO CONTRA OS INVASORES. (LORICA,DO LATIM, OU LORIGA - NOME DE ANTIGA COURAÇA GUERREIRA).
UM CASO RARO EM POTUGAL DE UM NOME QUE SE MANTÉM PRATICAMENTE INALTERADO HÁ DOIS MIL ANOS, SENDO ALTAMENTE REPRESENTATIVO DA ANTIGUIDADE E DA HISTÓRIA DA POVOAÇÃO (POR ISSO,A
COURAÇA É A PEÇA CENTRAL E FUNDAMENTAL DO BRASÃO HISTÒRICO DA VILA). -IMPORTANTE POVOAÇÃO VISIGÓTICA.OS VISIGODOS DEIXARAM UMA ERMIDA DEDICADA A S.GENS,E FORAM ELES QUE COMEÇARAM A
USAR A ACTUAL VERSÃO DO NOME ROMANO [LORIGA]. -VILA DESDE O SÉCULO XII (RECEBEU FORAIS DE JOÃO RHÂNIA (SENHORIO DAS TERRAS DE LORIGA NO TEMPO DE D.AFONSO HENRIQUES), D.AFONSO III, D.AFONSO
V, E D.MANUEL I, RESPECTIVAMENTE). -PARÓQUIA DESDE A ÉPOCA VISIGÓTICA, A IGREJA MATRIZ FOI CONSTRUÍDA NO SÉCULO XIII. -VILA INDUSTRIAL DESDE O INÍCIO DO SÉCULO XIX [TÊXTIL], EMBORA ESTA ACTIVIDADE
JÁ EXISTISSE NO SÉCULO XVI. -A LOCALIDADE GEOGRAFICAMENTE MAIS PRÓXIMA DA TORRE, O PONTO MAIS ALTO DA SERRA DA ESTRELA (INCLUI NA SUA ÀREA AS PISTAS DE ESQUI, ÙNICAS EM PORTUGAL). LORIGA,É A
CAPITAL DA NEVE EM PORTUGAL. VENHA PRATICAR ESQUI À VILA DE LORIGA. -UMA DAS MAIS BELAS VILAS E UMA DAS MAIS ANTIGAS POVOAÇÕES DE PORTUGAL. -REGIÃO DE LORIGA (ÀREA DO ANTIGO MUNICÍPIO
LORICENSE): VILA DE LORIGA E AS FREGUESIAS DE ALVOCO DA SERRA, CABEÇA, TEIXEIRA, SAZES DA BEIRA, VALEZIM E VIDE.CONSTITUI A ASSOCIAÇÃO DE FREGUESIAS DA SERRA DA ESTRELA,COM SEDE NA VILA DE
LORIGA. - BEM-VINDOS À BELA REGIÃO DE LORIGA - BEM-VINDOS À BELA E HISTÓRICA VILA DE LORIGA -
Centro histórico de Loriga com as bandeiras de Portugal e da vila

- ( NOTA: Houve quem,de forma pouco rigorosa,ou tendenciosa,quisesse fazer passar a ideia de que Loriga só recebeu o foral de D.Manuel I,chegando a atribuir àquele rei documentos datados de 1474 e 1477 ( D.Manuel I iniciou o seu reinado
em 1495 ),e afirmando serem os mais antigos com referências a Loriga, numa tentativa forçada de apagar o passado histórico e municipal da vila, anteriores ao século XVI (importantes documentos desapareceram de forma estranha e
conveniente e inventaram história a condizer), tentando assim também justificar e legitimar a grande injustiça de que Loriga foi vítima em 1855! Nesse ano,a vingança política e a intriga movida por desejos expansionistas,ditaram o fim do
Município de Loriga. Foi escrito também que Loriga teria surgido originalmente num local conhecido por Chão do Soito onde terá existido uma espécie de "Loriga provisória".Só mais tarde (?!) os habitantes se teriam apercebido do erro da escolha
daquele local e se teriam mudado para a localização actual, ali ao lado! Dadas as características do dito Chão do Soito,comparadas com as do local onde de facto Loriga foi fundada,só quem sabe pouco ou não sabe nada de história,e
consequentemente desconhece os hábitos das populações da época,ou queira insultá-las, é que pode afirmar tal coisa ! É uma teoria ridícula que só serve para denegrir a imagem dos antepassados dos loricenses, remetendo-os para o mundo
das anedotas: "Quais "cabecinhas não pensadoras e lentas" fundaram uma povoação,e só depois compreenderam que o tinham feito no lugar errado e ao lado do lugar ideal, contra a lógica da época!" Aliás,em nenhuma época a colina onde
existe o centro histórico de Loriga,seria preterida e trocada pelo outro local! Ainda que no local tivessem sido encontrados vestígios arqueológicos (onde estão ???!!) que dada a antiguidade de Loriga podem ser encontrados em qualquer local do
vale, só alguém muito inculto nestas matérias concluiria que a povoação nasceu ou "passou" por ali !!! Estas e outras ideias sem sentido foram copiadas por outros e vêem-se escritas por aí,dando uma ideia errada da história de Loriga. É curioso
o facto de o artigo sobre Loriga criado pelo Sr. António Conde na Wikipédia ter sido vandalizado para introduzirem um brasão ilegal e apagarem das fontes o autor do artigo por ele se opor a essa ilegalidade que afecta a imagem de Loriga. Por
vingança quiseram entregar os créditos de António Conde a um tosco mental emigrante residente na Alemanha, um inculto que empresta o nome a um site sobre Loriga onde podem ler-se essas e outras asneiras. No entanto essas asneiras não
foram colocadas pelos vândalos no artigo criado pelo Sr. Conde na Wikipédia, mas foram colocadas outras. Depois de muitos insultos, calúnias e até ameaças (incluíndo á integridade física), em 2017 foi finalmente retirada a ilegal aberração
heráldica do artigo sobre Loriga criado pelo senhor António Conde na da Wikipédia, faltando retirar a restante porcaria introduzida e recolocar nas fontes os links que apontavam para o autor do artigo.

Documento PDF com informação sobre a atuação desta escumalha de Loriga que tem prejudicado a imagem desta vila e de todos quantos nasceram aqui!!!!!!!

********************************************************************************************************************************

Brasão e logotipo de Loriga desenhados pelo senhor António Conde


Àrea mais antiga do centro histórico da vila onde surgiu a povoação há mais de 2600 anos

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

HOMENAGEM A UM GRANDE LORICENSE/LORIGUENSE


HOMENAGEM: O Sr.Conde, de uma forma discreta,já que a promoção pessoal nunca
foi o seu objectivo,tem dedicado grande parte do seu tempo ao estudo e
investigação da história, à defesa do património e do desenvolvimento, e à
divulgação da vila de Loriga. Uma pequena parte do resultado do seu estudo
sobre a história da vila de Loriga foi já publicada no jornal Garganta de
Loriga e em outra imprensa local,regional, nacional e internacional. Essa
pequena parte da sua pesquisa está disponível em diversos sites e outras
publicações sobre Loriga (com ou sem referências ao seu nome), de diversos
autores, e é conhecida dos loricenses. Estão também disponíveis, nos mais
diversos sites ( a Wikipédia é um deles ) e outras publicações, extractos
de alguns dos seus artigos publicados (com ou sem referências ao seu nome).
A propósito de Wikipédia, o Sr. Conde é o autor dos artigos sobre Loriga,
em português e em inglês, existentes naquela "enciclopédia", artigos
entretanto vandalizados para, entre outras coisas, introduzirem um "brasão" ilegal
e tentarem apagar o rasto do autor dos artigos por se opor a essa ilegalidade.
São também conhecidas,e tendo em vista exclusivamente os objectivos
referidos,as suas sempre assumidas iniciativas, nos poderes
públicos, entidades oficiais, imprensa regional e nacional, e estações de
televisão portuguesas e estrangeiras.
É um loricense sempre atento a tudo que se passa na sua terra-natal, à qual
o prendem fortes raízes. O seu trabalho tem sido de grande importância para
a resolução dos principais problemas da vila de Loriga, para o conhecimento
da sua história, e para a sua divulgação, dentro e fora de Portugal. O seu
trabalho foi, e tem sido fundamental, para tirar Loriga da sombra em que
esteve mergulhada, dando-a a conhecer a Portugal e a todo o mundo.
A propósito dos principais problemas da vila, destaca-se, por exemplo, a sua
decisiva intervenção nos seguintes casos (alguns infelizmente ainda não concluídos):
Conclusão da EN 338 (conhecida localmente por Estrada de S.Bento),
construção do novo edifício da Escola C+S de Loriga, reparação da EN 231,
construção do quartel dos Bombeiros Voluntários de Loriga, classificação do
património histórico, ordenamento dos símbolos heráldicos da vila, instalação
de um museu dos lanifícios, construção de um pavilhão gimnodesportivo.
O Sr.Conde não se tem preocupado apenas com a vila, mas também com a Região
de Loriga, ou seja, com as outras seis freguesias cujas àreas pertenciam ao
antigo Município de Loriga. É uma região com uma identidade própria, a
preservar e desenvolver, e que ele tem defendido e divulgado como tal.
Aliás, o Sr.Conde é um homem de grande cultura e com um QI superior a 147,
com grandes e diversificadas capacidades, e como tal, o trabalho pela sua terra-natal
e pela sua região, é apenas uma parte dos seus interesses e actividades.
Há mais de vinte e cinco anos que o Sr. António Conde tem feito uma pesquisa minuciosa sobre
a história antiga da vila de Loriga, percorrendo arquivos e recolhendo dados e
documentos preciosos que compilou numa obra a que chamou História Concisa
da vila de Loriga - Das origens à extinção do município. No entanto a sua pesquisa
tem continuado, acumulando mais dados e documentos sobre a história da vila de Loriga.

------------------------------------------------------------------------------------------------------

EXTRACTOS DE ALGUNS DOS TESTEMUNHOS MAIS SIGNIFICATIVOS:

"Já todos nos habituámos à regular colaboração do nosso conterrâneo


António Conde.São homens como ele que alimentam a curiosidade e o
interesse sobre as problemáticas locais e sobre a imprensa regional...
...Este loriguense é um homem preocupado com a terra que o viu nascer,à
qual o prendem fortes raízes.No entanto,pela sensibilidade com que
escreve,pelos apelos que faz à unidade loriguense,António Conde tem
revelado,ao longo dos anos que vem mantendo colaboração no jornal,um
pensamento coerente e linear.
Concorde-se ou não com o acentuado sentido crítico que empresta aos seus
artigos,nomeadamente na sua crónica"Quo vádis Lorica",o facto é que
António Conde não se limita a falar dos problemas,mas aponta soluções.Por
isso,a redacção do "GL" considera-o um loriguense de causas.
...Digam lá se o exemplo de António Conde não é de seguir.
Este loriguense,para além de reclamar junto dos poderes públicos para a
resolução dos problemas de Loriga,não guarda para si a informação
recebida,antes a envia ao "GL",para que todos a conheçam.Preto no
branco,com cópias dos ofícios e tudo.
Assim é que é!Obrigado António Conde,pela consideração que tem pelo
"GL",pela ANALOR,e por Loriga."

(In jornal Garganta de Loriga (GL), Maio de 2002)

"Dizer Bem – Promover Loriga

Há coisas e situações que, no dia-a-dia, merecem que as olhemos de forma


positiva.

António Conde, homem de grande cultura, homem de grandes convicções e


princípios, e muito ligado às chamadas "novas tecnologias", é o principal
responsável pela divulgação de Loriga e da sua história, e um dos
principais responsáveis pela resolução dos principais problemas da vila.
O Sr.Conde é hoje muito diferente do homem que deixou a sua querida
terra-natal há vinte anos, e mesmo quando residia na sua vila de Loriga,j á
era muito
mais do que muitos dos seus conterrâneos pensavam ou ainda pensam dele!
Embora alguns seus conterrâneos tenham dificuldade em aceitar, por
incredulidade ou má-fé, a realidade é que Loriga deve muito a este seu
filho, que, ao
contrário de outros por aí que fizeram muito menos, ou não fizeram nada
pela sua terra, não procura publicidade nem notoriedade. Por exemplo,
existe
nenhum site assinado com o seu nome,mas a maioria dos sites a nível
nacional e internacional que falam de Loriga e da sua história (e já são
muitos) fazem-no
graças à pesquisa e divulgação do Sr.Conde.
Sem a acção do Sr.Conde, a vila de Loriga não seria o que é, não seria tão
conhecida, e a sua verdadeira história e do seu património ainda estariam
na penumbra. Ninguém conseguiu mais para a sua terra-natal que o
Sr.Conde, especialmente nos últimos 17 ou 18 anos!"

(In blog Dizer Bem, artigo escrito por: Jorge Andrade em 20 de Julho de
2006. 10:49 PM)

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

"Loriga a concelho

Loriga, vila e sede de concelho desde o século ′II, pagou caro pelo apoio
dado aos "absolutistas" contra os "liberais".
Numa época em que a consciência democrática era inexistente, havia
retaliações para quem tinha ideias diferentes das de quem detinha o poder.
Em tais circunstâncias, há sempre quem queira beneficiar do mal
alheio e ,para tal, ajude a provocar a precipitação dos acontecimentos.
O concelho de Loriga , foi extinto pela vingança politica e pelos
interesses expansionistas de quem beneficiou com o facto. Uma completa
injustiça!
Passados cento e quarenta e dois anos, a vila e a Região de
Loriga, continuam "a cumprir a pena à qual foram condenadas", como se
estivessem a pagar juros.
De vêz em quando, como acontece actualmente, a"pena"é aliviada e surge algum
progresso, mas, a história diz-nos que esta é uma situação rara. A realidade
local confirma-o.
O concelho de Loriga, incluia mais de trinta povoações, entre freguesias e
suas anexas, e algumas estão agora a quarenta quilómetros da actual sede de
municipio. A vila de Loriga está a vinte quilómetros.
Se o concelho de Loriga não for restaurado a curto prazo, daqui a poucas
décadas a região estará repleta de aldeias fantasmas, e a vila de Loriga
estará pouco melhor.
Fala-se muito no caso de Vizela, mas,o caso de Loriga é mais grave, embora
não seja tão mediatizado, e é de resolução mais urgente.
Não se fala de um Movimento para a Restauração do Concelho de Loriga, nos
jornais, rádios e televisões,mas, em nome de toda a lógica
administrativa, democrática e politica, o problema tem que ser resolvido. Só
assim a região de Loriga terá futuro.

António Conde"
(In jornal Correio da Manhã, de 28 de Agosto de 1997)

"Loriga a concelho

Já tinha lido há algum tempo no Correio da Manhã, este artigo de António


Conde, nosso conterrâneo e colaborador deste jornal, acerca da extinção do
concelho de Loriga, causas e consequências.
O texto, que eu, com a devida vénia, transcrevo para "este espaço", está à
vossa disposição na internet, na "Home Page" da vila de Loriga, e em
http://www.terravista.pt/Meco/1087. E foi daí que o tirei.
Como adenda, aproveito para juntar alguns números, resultantes das últimas
eleicões autárquicas, para assim se compreender melhor o artigo.
Assim:
O concelho de Seia, com uma àrea de 448km2, é o 6º maior do Distrito da
Guarda (que tem 14). Com 29 freguesias e uma população de 29990 habitantes e
26683 eleitores. É o mais populoso, logo a seguir à Guarda!
Em termos de comparação, temos Sabugal com 40 freguesias e dezenas de
anexas,numa àrea de 827 km2 para 16320 habitantes.
O concelho de Manteigas é o mais pequeno do Distrito da Guarda,com uma
àrea de 112 km2 , 3 freguesias e 3758 eleitores.
Agrupando as localidades desde o rio Alva, excluíndo Lapa e Vila Cova, até
às Pedras Lavradas,temos:Valezim, Sazes, Sandomil, Cabeça, Alvoco,
Teixeira, e
Vide. A estas freguesias há ainda a acrescentar as anexas, que só Vide tem
28!
Este conjunto de freguesias que formariam o concelho de Loriga, somam entre
si um número de eleitores superior a 6500, o que nos colocaria à frente de
78 municípios com uma população e número de eleitores mais pequena que a
nossa!
Como disse, ficam aqui dados concretos para a discussão, agora que se fala
tanto em novos concelhos, descentralização e regionalização...Vamos a

isso!?"

(In jornal Garganta de Loriga, em Junho de 1998)

(Nota: Infelizmente concretizaram-se as previsões deste grande Loriguense sobre a evolução da situação da vila de Loriga e região envolvente. Entre 1989 e 2015, Loriga perdeu mais de metade da população, e está mais do que
na hora de pedir contas áqueles que, por estupidêz e ou conveniência (politica e não só), criticaram os alertas e as coerentes sugestões de António Conde. No entanto apesar da situação catastrófica a estupidêz e a incompetência
continuam a imperar, e continua o rumo para o abismo, leia-se a desertificação total.)

IN HOMAGE TO A GREAT LORICENSE/LORIGUENSE


António Conde, Mr.CONDE, of one forms discrete, since the personal promotion never was its intent,has dedicated great part of is time to
the study and inquiry of history,to the defense of the patrimony and the development, and to the spreading of the town of
Loriga.One small part of the result of its study on the history of the town of Loriga already was published in the periodical
Garganta de Loriga and another press place, regional, national and the international. This small part of its research is available in
diverse sites and other publications on Loriga (with or without references to its name), of diverse authors, and is known of the
Loricenses. They are available, in the most diverse sites and other publications, trade bills of some of its published articles (with
or without references to its name).
Also they are known,and in view of exclusively the related intent, its always assumed initiatives, in being able them public, official
entities, the regional and national press, and portuguese and foreign television stations.
It is a always intent Loricense to that if it passes in its land-birthplace, which arrests strongs roots. Its work has been of great
importance for the resolution of the main problems of the town of Loriga,for the knowledge of its history, and for its spreading,inside and outside of Portugal. The its work it was, and it has been basic, to take off Loriga of the shade where it was
dived, giving it to know it Portugal and the whole world.
By the way of the main problems of the town,it is distinguished, for example, its decisive intervention in the following
cases: Conclusion of EN 338 (known local for Estrada de S.Bento), construction of the new building of Escola C+S de
Loriga, repairing of EN 231, construction of the quarter of the Bombeiros Voluntários de Loriga, classification of the historical
patrimony, order the heraldic symbols of the town, installation of a museum o the wool manufacturing, constrution of a hall of
desports.
The Mr.CONDE has not been worried only about the town, but also about Region of Loriga, that is, with the villages who
belonged to the old Municipality of Loriga. Is the region with a proper identity, to preserve and develop, and that i has defended
and divulgedas such.
By the way, the Mr.CONDE is a culture man,with great and diversified capacities, and as such, the work for its land-birthplace
and its region, is only one part of its interests and activities.

__________________________________________________________________________________________________

Duas imagens icónicas do centro histórico da vila de Loriga, em pleno inverno. Fotos tiradas pelo Sr. António Conde em finais da década de 70 do século XX
Heráldica da vila de Loriga desenhada pelo Sr. António Conde e aprovada pelas autoridades legais competentes. A terceira versão de brasão, do lado direito, é a que já está em uso.

Logotipo da vila de Loriga desenhado pelo Sr. António Conde


PDF - Extratos da obra do historiador António Conde, "História concisa da vila de Loriga - Das origens à extinção do município" / PDF Excerpts from the work of the historian António Conde, "Concise History of the town of Loriga
- From the Origins to the extinction of the municipality"

PDF - LORICA-LUSITANIA_LORIGA-PORTUGAL

PDF – LORIGA – VILA DE PORTUGAL

PDF__LORIGA__PORTUGAL_

PDF-LORIGA_PORTUGAL 1

PDF-LORIGA_PORTUGAL 1a

PDF-Lorica_Lusitania_Loriga_Portugal – 1

PDF-LORIGA_PORTUGAL 2

PDF-LORIGA_PORTUGAL 2a

PDF-LORIGA_PORTUGAL 3

PDF-LORIGA_PORTUGAL 3a

PDF – LORIGA-PORTUGAL

PDF – VILA DE LORIGA PORTUGAL

PDF – LORIGA_PORTUGAL

PDF – LORIGA_(LORICA)

PDF -- LORIGA, vila lusitana

PDF – Artigo criado por António Conde na Wikipedia sobre LORIGA

PDF – LORIGA - Wikipedia, artigo criado por António Conde

PDF – História concisa de Loriga por António Conde no site da Junta deFreguesia de Loriga

PDF – Loriga – Wikipédia, a enciclopédia livre – Artigo criado por António Conde

PDF – Loriga – Wikipédia – Artigo criado por António Conde – 1

PDF – Loriga – Wikipédia – Artigo criado por António Conde – 2

PDF – Loriga – Wikipedia, the free encyclopedia – Created by António Conde 1


PDF – Loriga – Wikipedia, the free encyclopedia – Created by António Conde 2

PDF – Loriga – Wikipedia, the free encyclopedia – Created by António Conde 3

PDF – Loriga – Wikipédia – Artigo criado por António Conde 3

PDF – Loriga – Wikipedia – Artigo criado por António Conde 4

PDF – Loriga – Wikipédia – Artigo criado por António Conde 5

PDF – Loriga – Wikipédia – Artigo criado por António Conde 6

PDF – Loriga – Wikipédia – Artigo criado por António Conde 7

PDF- Loriga – Wikipédia – Artigo criado por António Conde 8

PDF – Loriga – Wikipédia – Artigo criado por António Conde 9

PDF – Loriga – Wikipédia – Artigo criado por António Conde 10

PDF – Loriga – Wikipédia – Artigo criado por António Conde 11

PDF - Loriga - História - History 1

PDF - Loriga - História - History 2

PDF - Loriga - História - History 3

PDF - Loriga - História - History 4

PDF - Loriga - História - History 5


QUANDO O CONCELHO DE LORIGA FOI EXTINTO, HAVIA A CONSCIÊNCIA DE A DECISÃO SER UM GRAVE ERRO ADMINISTRATIVO E POLÍTICO (COMO TEM VINDO A CONFIRMAR-SE), MAS,OS INTERESSES DAS POPULAÇÕES
DA REGIÃO DE LORIGA FORAM CONSIDERADOS DESPREZÍVEIS. UMA INJUSTIÇA QUE NUNCA FOI REPARADA,E QUE,SE NADA FÔR FEITO, PROVOCARÁ FINALMENTE A MORTE DE TODAS AS LOCALIDADES DA REGIÃO,
DAS QUAIS RESTARÃO APENAS RUÍNAS ABANDONADAS.SERÃO,COMEÇANDO PELAS DA VILA DE LORIGA, UM GIGANTESCO MONUMENTO À INJUSTIÇA, À INCOMPETÊNCIA,E À CEGUEIRA. TODAS AS POLÍTICAS LOCAIS
OU NACIONAIS DE AMBIENTE,ORDENAMENTO E ADMINISTRAÇÃO DO TERRITÓRIO, DEVEM TER SEMPRE COMO OBJECTIVO A EVOLUÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA DAS POPULAÇÕES,E O DESENVOLVIMENTO DAS
LOCALIDADES. TAIS POLÍTICAS NUNCA DEVEM PROMOVER OU FOMENTAR, DIRECTA OU INDIRECTAMENTE,O ÊXODO DAS POPULAÇÕES, E A DESERTIFICAÇÃO HUMANA. PARA EVITAR A DESERTIFICAÇÃO DA REGIÃO DE
LORIGA, É NECESSÁRIO NO MÍNIMO,PÔR EM PRÁTICA O QUE JÁ É RECONHECIDO NO PAPEL; DESENVOLVER A VILA DE LORIGA,PÓLO E CENTRO DA REGIÃO.
Sede da autarquia ( antiga Escola Primária ) e Cruzeiro da Independência __________________________________________________________________________________________________

Outros sites sobre Loriga / Others sites about Loriga

Loriga's Site - LINKS

Os melhores sites sobre a terra-natal de Viriato / The best sites about the land of Viriathus

História Concisa de Loriga

Loriga - Vila de Portugal

Loriga - Terra de Viriato - Viriathus was born in Loriga

Loriga - Vila histórica

Loriga e Sacavém - Localidades geminadas

Loriga - Terra natal de Viriato

Loriga histórica

Loriga tourism

História concisa da vila de Loriga

Loriga - Vila de Portugal

Loriga - Portugal

Vila de Loriga

Loriga
--------------------------------------------------------------------------------

Os melhores vídeos sobre a terra-natal de Viriato / The best videos about the land of Viriathus

LORIGA - VIDEOS IV

LORIGA - VIDEOS V

LORIGA - VIDEOS VI

LORIGA - VIDEOS VII

LORIGA - VIDEOS VIII

LORIGA - VIDEOS IX

LORIGA - VIDEOS X

YouTube Video

LORIGA - PORTUGAL

YouTube Video
LORICA - LUSITANIA --- LORIGA - PORTUGAL --- Land of VIRIATHUS

Loriga the capital of the snow in Portugal

Loriga - Chillout Walk B

Loriga - History and beautiful landscape

Bombeiros_Voluntários_de_Loriga
Loriga's Site - LINKS

Outros sites sobre Loriga / Others sites about Loriga

http://lorigaportugal.wordpress.com/ficheiros-pdf-files/

http://loricense.wordpress.com/ficheiros-pdf-files/

http://loriguense.wordpress.com/ficheiros-pdf-files/

http://lorigaportugal.wordpress.com/

http://loricense.wordpress.com/

http://loriguense.wordpress.com/

http://www.freguesiadeloriga.net/historia-de-loriga/

http://sites.google.com/site/terranataldeviriato

http://loriga4.webnode.pt/sobre-about/

http://loriga.wikidot.com

http://loriga4.webnode.pt/

http://www.aresemares.com/index.php/materias-especiais/loriga-vila-portuguesa/

http://www.visitarportugal.pt/distritos/d-guarda/c-seia/loriga/historia

http://terrasdeportugal.wikidot.com/historia-de-loriga

http://aldeias-montanha-online.webnode.com.pt/portfolio/vila-de-loriga-/

http://porolivenca.blogs.sapo.pt/54827.html

http://povo-lusitano.blogspot.pt/2006/05/loriga.html

http://casa-da-ponte-do-arrocho.webnode.pt/a-historia/

http://www.vortexmag.net/loriga-seia-2/

http://ncultura.pt/loriga-seia/

https://www.vortexmag.net/loriga-a-vila-que-tem-orgulho-em-ser-a-suica-portuguesa/

http://ruralea.com/loriga-seia/

http://aldeias-montanha-online.webnode.com.pt/portfolio/vila-de-loriga-/

http://porolivenca.blogs.sapo.pt/54827.html

http://ruralea.com/loriga-seia/

http://lanificiosdoc.blogspot.pt/2011/01/fontes-httpwikilusa.html

https://pt.wikiloc.com/trilhas-trekking/garganta-de-lorigaloriga-torre-7532226

https://arqueofuturista.wordpress.com/2006/12/05/viriato-grande-chefe-dos-lusitanos/

https://www.yumpu.com/xx/britosco

https://www.yumpu.com/xx/britusto

https://www.yumpu.com/xx/pintosco

https://pt.scribd.com/user/412564855/Pinto-da-Cruz

http://docplayer.net/user/22304254/

Loriga – História concisa


http://lorigaportugal.wordpress.com/
Loriga - Terra de Viriato - Viriathus was born in Loriga -
http://loricense.wordpress.com/
Vila de Loriga -
http://sites.google.com/site/viladelorigaportugal
Loriga – Vila de Portugal -
http://loriguense.wordpress.com/
Loriga – História resumida -
http://lorigaportugal.wordpress.com/ficheiros-pdf-files
Loriga –
http://sites.google.com/site/loricalusitanorumcivitasest
Loriga e Sacavém – Localidades geminadas -
http://loricense.wordpress.com/ficheiros-pdf-files
Loriga – Grupo de Escolas -
http://www.eb23-dr-reis-leitao.rcts.pt/
Loriga – Escola Básica -
http://www.eb1-loriga.rcts.pt/
Loriga - Bombeiros Voluntários -
http://www.bvloriga.pt/
LORIGA –
http://sites.google.com/site/cidadedeloriga
Loriga –
http://www.facebook.com/loriga.portugal
Loriga -
http://lorigaportugal.wordpress.com
Loriga - Condições meteorológicas na vila -
http://www.wunderground.com/weatherstation/WXDailyHistory.asp?ID=IDSERRAD1
Loriga - Empreendimento Turístico O Vicente -
http://www.ovicente.com/
Loriga – Portugal Web –
http://www.portugalweb.net/seia/freguesias/loriga/default.asp
Loriga -
http://loricense.wordpress.com/
Loriga - Glosk -
http://www.glosk.com/PO/Serra_da_Estrela/-2998664/pages/Loriga/2818_pt.htm
Loriga - História concisa -
http://loriga.wikidot.com
Loriga – Vídeos I –
http://www.myspace.com/Loriga_land_of_Viriathus
Loriga – Vídeos II –
http://www.metacafe.com/channels/Loricense
Loriga – Vídeos III –
http://www.dailymotion.com/Loricense
Loriga – Vídeos IV –
http://www.youtube.com/user/MrVlRIATHUS#g/u
Loriga – Vídeos V –
http://vimeo.com/loriga
Loriga – Vídeos VI –
http://videos.sapo.pt/Loriguense/playview/2
Loriga – Vídeos VII –
http://members.virtualtourist.com/m/vb/0/110692
Loriga - Videos VIII -
http://www.youtube.com/user/loricaloriga
Loriga - Estância de Esqui -
http://www.facebook.com/estancia.de.esqui.de.loriga
Loriga - Banda Filarmónica -
http://www.facebook.com/banda.filarmonica.de.loriga
Loriga – BVL -
http://www.facebook.com/bombeiros.voluntarios.de.loriga
Loriga –
http://twitter.com/LORIGA
Loriga - Land of Viriathus -
http://loricense.wordpress.com/
Loriga - Paróquia -
http://www.paroquias.org/jump.php?pid=245
Loriga - Povo Lusitano -
http://povo-lusitano.blogspot.com/
LORIGA - TERRA DE VIRIATO -
http://loriguense.wordpress.com/
LORIGA - VÍDEO 6 -
http://www.youtube.com/watch?v=LWxYkVhT-t0
LORIGA - VÍDEO 7 -
http://www.youtube.com/watch?v=gewYrfD_wso
Loriga - Visite a bela e histórica vila -
http://lorigaportugal.wordpress.com/
Loriga & Sacavém -
http://lorigaportugal.wordpress.com/
Loriga –
http://members.virtualtourist.com/m/110692
Loriga –Associação de Freguesias da Serra da Estrela -
http://www.facebook.com/associacaodefreguesiasdaserradaestrela
Loriga –
http://www.facebook.com/loriga.portugal
Loriga – Terra de Viriato –
http://loricense.wordpress.com/
Loriga – Historiador e Bemfeitor - Página de Homenagem -
http://www.facebook.com/antonioconde.lorigaportugal
Loriga -Terra de Viriato -
http://loriguense.wordpress.com.com/
Loriga na Enciclopédia -
http://tiosam.com/?q=loriga
LORIGA no Sapo,o maior portal português -
http://www.sapo.pt/cgi/getid?id=http://sites.google.com/site/terranataldeViriato
Loriga –
http://www.facebook.com/banda.filarmonica.de.Loriga
Loriga War Graves -
http://www.southafricawargraves.org/lists/portugal.htm
Loriga – Commonwealth War Graves
http://www.ww2museums.com/article/3555/Commonwealth-War-Graves-Loriga.htm
Loriga_Land_of_Viriathus -
http://myspace.com/Loriga_Land_of_Viriathus
Extratos da obra do historiador António Conde no site da Junta de Freguesia de Loriga
Extratos da obra do historiador António Conde no site da Junta de Freguesia de Loriga

Extratos da obra do historiador António Conde no site da Junta de Freguesia de Loriga


Extratos da obra do historiador António Conde no site da Junta de Freguesia de Loriga
Manifesto contra a escumalha de Loriga, que tem prejudicado a imagem desta vila e a imagem
de todos quantos nasceram aqui!!!!!!!

Sempre que os energúmenos se sentem mais encorajados e “legitimados” pela habitual e óbvia “tutela”, torna-se mais urgente denunciar ainda com mais veemência, e se necessário com
mais brutalidade, todas as situações e todos quantos têm contribuído para denegrirem Loriga e os loriguenses, inclusive ao contribuirem ativamente para a perpetuação de ilegalidades e de
marginalidades que só têm prejudicado Loriga,a imagem desta bela e histórica vila serrana e de todos quantos aqui nasceram!! Estes montes de merda fingem gostar da sua terra ao mesmo
tempo que prejudicam a imagem de Loriga e a imagem dos seus conterrâneos, porque na realidade estão cagando para esta vila e apenas procuram notoriedade e promoção pessoal, caso
contrário agiriam de outra forma!!! É escumalha e é gentalha quem prejudica Loriga, quem prejudica a imagem desta vila, e quem prejudica a imagem de quem nela nasceu!!!
Adelino Manuel Martins de Pina (na foto), é ignorante, é incompetente, é invejoso, é inculto, não tem caráter e não tem qualquer relevância (embora ele estupidamente pense o contrário), faz
parte da escumalha de Loriga, a qual tem contribuído ativamente para a manutenção de diversas vergonhosas situações que têm prejudicado gravemente a imagem e os interesses de Loriga,
e a imagem de todos quantos nasceram aqui. Nunca fez nada de relevante pela sua terra tratando-se de escumalha para a qual Loriga é apenas um pretexto para a promoção pessoal, e até o
roubo dos créditos alheios serve para esse objetivo! E porque se trata de escumalha sem caráter, a defesa dos interesses e da imagem de Loriga estão muito abaixo dos interesses pessoais
e do seu estúpido ego, sempre preocupado em agradar a Deus e ao diabo, atuando sempre como camaleão e catavento. A verdade é que está literalmente cagando para a sua terra e que por
isso contribui para aperpetuação de alguns dos graves problemas de Loriga, e insulta as vitimas da sua inveja e do seu roubo, loriguenses que têm mais caráter, mais cultura e mais
competência, e que sempre lutaram desinteressadamente para resolver esses mesmos problemas! Defende a ilegal aberração heráldica que não é, nunca foi nem jamais poderá ser o brasão
de Loriga, e roi-se de inveja por o senhor António Conde ter desenhado vários brasões e porque os mesmos têm a aprovação das entidades legais competentes, são considerados a heráldica
ideal para esta vila,e por um deles estar em uso!! Além disso o historiador António Conde esteve envolvido desde o início no processo da regularização da heráldica de Loriga,facto que
contribuiu fortemente para o transformar num alvo desta escumalha invejosa. E como esta escumalha invejosa não tem capacidade para fazer fica furiosa quando os outros fazem, e também
não gostou do facto de o senhor António Conde ter contribuído para o chumbo do “brasão” anedótico de Vale da Cruz proposto pelo Zeca Maria! E o que o Adelino Pina escumalha fez
quando o Zeca Maria quis substituir a ilegal aberração heráldica que diz defender e que coloca nos cartazes que falsifica??! Obviamente e sem surpresa a resposta é NADA, porque para esta
invejosa e incompetente escumalha inútil a inveja e o mau caráter imperam!!! No entanto este Adelino Pina escumalha asquerosa tem esperteza saloia suficiente para tentar roubar os
créditos de António Conde, no dificil, longo e dispendioso trabalho de pesquisa histórica que este Loriguense fez e que tem sido divulgado por muitos na internet, incluindo os artigos sobre
Loriga, em português e em inglês, que ele criou na Wikipédia!! A este propósito esta besta Adelino Pina já foi desafiada a provar a origem dos dados históricos que existem nos artigos sobre
Loriga criados na Wikipédia pelo senhor António Conde e em muitos outros dados roubados que o pina fariseu alemão publicou no site que erradamente lhe foi atribuído, mas obviamente
esta besta pina nunca fez essa prova nem jamaispoderá fazê-la porque não foi ela que os pesquisou nem tem capacidade para fazê-lo mesmo que vivesse em Portugal!! A faceta de
historiador do senhor Condee a sua também documentada e intensa luta pela divulgação e progresso de Loriga são aliás os principais motivos da imensa inveja que corrói esta incompetente
escumalha!! Mas a atuação desta escumalha, Adelino Manuel Martins de Pina entra na área do foro criminal e até na área das patologias psiquiátricas! Na área das patologias psiquiátricas o
caso mais hilariante, e para quem quiser levar ocaso para o lado do humor, foi a introdução continua de mensagens de auto elogio com nomes inventados no livro de visitas do site que
erradamente lhe foi atribuído e, estupidez máxima, colocou mensagens nesse sentido com o nome de António Conde, como se este grande Loriguense fosse capaz de apreciar um monte de
merda!! Entretanto, após a polémica, a ave ocultou esse livro de visitas onde também foram colocadas mensagens insultuosas mas os registos foram feitos e guardados. E a propósito dos
insultos que tem colocado por aí na internet usando pseudónimos, não é por acaso que colocou um texto insultoso contra o senhor António Conde na vésperado dia da realização das
eleições autárquicas de 1-10-2017, e continuou com essa prática. Esta escumalha hipócrita e sem caráter só consegue enganar os burros!!!

( Clique aqui para saber mais: http://tiagodacruz.blogs.sapo.pt/2343.html


http://www.facebook.com/CRUZ.SERRA.DA.ESTRELA/ .

E a propósito da famigerada e vergonhosa (para Loriga e para os loriguenses) questão do brasão, que motiva de forma negativa esta escumalha farisaica, ficam aqui algumas informações.

Esta vergonhosaquestão contaminou de tal forma a imagem da Wikipédia que esta decidiufinalmente agir em 2017 através de um editor mais responsável, e a ilegalaberração heráldica foi
removida do artigo sobre Loriga criado por AntónioConde. Os “editores” responsáveis por esta vergonha foram ameaçados de bloqueiocaso voltassem a colocar o pseudobrasãono artigo.
Depois de muitos insultos, calúnias e até ameaças, inclusivecolocados em comentários na própria Wikipédia mas também noutros sites, opseudobrasão foi portanto retirado do artigo,
faltando limpar a restanteporcaria introduzida no artigo e recolocar nas fontes os links que apontavampara o seu autor. Trata-se realmente de uma ilegal aberração heráldica porque,segundo
as regras históricas da heráldica portuguesa, aquela ilustração nadavale como brasão.

Esta escumalha que tem prejudicado Loriga, a imagem desta vila e a imagem dos loriguenses, pensava que os insultos, a difamação e os outros tipos de ataque iriam fazer calar quem tem
razão mas enganaram-se redondamente porque os grandes Loriguenses defendem sempre a sua querida terra natal, nunca se calam quando têm razão, e eles não estão sozinhos!! Aliás, a
diferença entre os grandes loriguensese a escumalha que luta inutilmente para manter insustentáveis e ou ilegais situações que só prejudicam Loriga, a imagem desta vila e a imagem dos
loriguenses, é que os grandes loriguenses defendem sempre a sua terra, inclusive contra esta escumalha.
Estes são dois dos muitos documentos que provam o uso formal da “heráldica” ilegal por parte da Junta de Freguesia de Loriga, e sem surpresa a situação mantem-se com o regresso do
Zeca Maria, o principal responsável por esta vergonha. Aliás, durante a sua ausência a situação foi mantida pelos seus aliados.

A origem do “problema” – A ilegal aberração heráldica continua a ser impunemente usada pela autarquia, e muitos documentos provam o uso formal da heráldica ilegal por parte da Junta de
Freguesia de Loriga. Esta atitude da autarquia, que se arrasta desde o século passado, provoca um sentimento de impunidade e encoraja os toscos ignorantes a desenvolverem uma “luta
pelo brasão” que na maioria dos casos, como acontece com o fariseu Adelino Manuel Martins de Pina, não é genuína, sendo apenas um disfarce para a psicótica e estúpida sede de
protagonismo, para a inveja, para o mau caráter, para a hipocrisia e para a incompetência. O continuo uso formal, por parte da autarquia, da heráldica ilegal e não representativa, tem sido
acompanhado por uma constante campanha de desinformação e de difamação. Esta questão tem sido assim apresentada pelos infratores como irrelevante, e os que defendem a legalidade e
a imagem desta vila têm sido convenientemente apresentados como mentirosos, vigaristas,inimigos de Loriga, e outras coisas piores (e nem as autoridades competentes escaparam aos
rótulos). Quanto á afetada imagem de Loriga, isso nunca preocupou esta escumalha.

Depois de uma verdadeira campanha de desinformação e de difamação contra quem se pronunciou contra a ilegalidade e irregularidade da “heráldica” usada formalmente pela autarquia, e
quando já não podiam esconder a verdade, aprovaram um brasão em 2002, brasão esse que foi chumbado pelas autoridades competentes por não representar a vila de Loriga. Caíu a
máscara aos toscos incultos invejosos fariseus, incluíndo o Adelino Pina, os quais dizem defender o “brasão” formalmente usado pela autarquia mas que nem sequer se pronunciaram
quando quiseram substituí-lo por esse anedótico e chumbado brasão, que ficou conhecido por “brasão de Vale da Cruz”. Essa escolha anedótica desse brasão arrasou ainda mais a imagem
de Loriga e dos loriguenses, nada que tivesse preocupado a escumalha farisaica. A conclusão óbvia, até pela sua atuação habitual, é de que o que move esta escumalha nunca foi Loriga nem
qualquer brasão, mas apenas a inveja, o mau caráter e uma psicótica sede de protagonismo!! Por outro lado, e para o mal desta bela e histórica vila, esse “brasão de Vale da Cruz” reflete
fielmente o nivel de quem é responsável pela sua escolha e é também responsável pela vergonhosa marginalidade que tem envolvido toda esta questão!!

Muitos cartazes e documentos foram falsificados pela escumalha invejosa farisaica, de nome Adelino Manuel Martins de Pina, nos quais substituiu o brasão aprovado para Loriga pelas
autoridades competentes, pela ilegal aberração heráldica que diz defender. É uma atitude recorrente, e nem sequer a RTP nem a Câmara Municipal de Seia escaparam á raiva canina desta
escumalha.

Em cartazes usados na campanha eleitoral para as eleições autarquicas de 2017, podia ver-se o brasão aprovado para a vila de Loriga pelas autoridades competentes. Esses cartazes
provocaram a ira e a raiva da invejosa escumalha farisaica “loriguense”, na qual se inclui o Adelino Manuel Martins de Pina. Esses cartazes, e o cheiro da previsível vitória do Zeca Maria
nessas eleições, motivaram o já referido texto insultuoso contra o senhor António Conde, que o tosco invejoso fariseu Adelino Pina publicou no site que erradamente lhe foi atribuído, uma
prática antiga que entretanto foi repetida. As motivações e as ligações são óbvias!! (clique no texto para saber mais)-

Depois de uma verdadeira campanha de desinformação e de difamação contra quem se pronunciou contra a ilegalidade e irregularidade da “heráldica” usada formalmente pela autarquia, e
quando já não podiam esconder a verdade, aprovaram este brasão em 2002, brasão este que foi chumbado pelas autoridades competentes por não representar a vila de Loriga. Caíu a
máscara aos toscos incultos invejosos fariseus, incluíndo o Adelino Pina, os quais dizem defender o “brasão” formalmente usado pela autarquia mas que nem sequer se pronunciaram
quando quiseram substituí-lo por este anedótico e chumbado brasão, que ficou conhecido por “brasão de Vale da Cruz”. Esta escolha anedótica arrasou ainda mais a imagem de Loriga e dos
loriguenses, nada que tivesse preocupado a escumalha farisaica. A conclusão óbvia, até pela sua atuação habitual, é de que o que move esta escumalha nunca foi Loriga nem qualquer
brasão, mas apenas a inveja, o mau caráter e uma psicótica sede de protagonismo!! Por outro lado, e para o mal desta bela e histórica vila, este brasão reflete fielmente o nivel de quem é
responsável pela sua escolha e é também responsável pela vergonhosa marginalidade que tem envolvido toda esta questão!! (clique no texto para saber mais)
O brasão aprovado pela autarquia então liderada pelo Zeca Maria é apropriado para uma qualquer imaginária localidade chamada Cruz que nada tem a ver com a vila de Loriga, e por isso foi
chumbado pela Comissão de Heráldica da AAP, a autoridade legalmente competente. Para a aprovação deste anedótico brasão estiveram apenas envolvidas motivações politicas populistas
de conveniência, sob uma falsa capa de inexistente religiosidade, ou dito de outra forma, este brasão foi aprovado para agradar apenas a um suposto "público religioso". Quando se elabora e
ou aprova o brasão de uma localidade é necessário ter em conta a identidade e a história da mesma, sendo necessário para isso saber a história da terra e saber as regras históricas da
heráldica portuguesa, sendo que quem desenhou a referida ilegal aberração heráldica, que a escumalha farisaica teima inutilmente em usar e em impor, não percebia nada do que está em
causa. E como as motivações usadas pelos então autarcas loriguenses para aprovar o brasão da vila foram as erradas o resultado só podia ser desastroso. Para além de absolutamente nada
justificar a presença de uma cruz no brasão de Loriga, o brasão aprovado pela autarquia em 2002 está desprovido do que de mais importante tem que estar incluído, e no caso desta vila é
muito óbvio.
Os outros dois brasões são parodiantes sugestões para quem acha que a heráldica não tem importância nenhuma e que o brasão de Loriga até pode ter o proeminente "calhau" que está na
praia fluvial. Esta foi a brilhante conclusão a que chegaram os autores e apoiantes desta vergonha, depois da porcaria feita, e também passaram a dizer que a heráldica não faz falta nenhuma
a Loriga "nem cria empregos na vila", mas é um assunto suficientemente importante para desde o início virem a insultar e a caluniar quem sempre teve razão. A outra sugestão é para os
idiotas ignorantes que sustentam a teoria estúpida segundo a qual Loriga nasceu e ou "passou" por um local chamado Chão do Soito.
O nome Cruz é uma paródia ao desabafo de apoiantes do brasão aprovado pelos autarcas, e que disseram ser vergonhoso referir ou representar uma Lorica porque, cita-se, "os romanos
mataram Cristo". Esta opinião, que tal como a ideia do calhau da praia fluvial, chegou a ser escrita num comentário no jornal Porta da Estrela online, faz tirar a óbvia conclusão de que esta
gente tem vergonha do nome da sua terra, já que Lorica é o mesmo que Loriga, e que para essa gente o nome ideal da vila seria Cruz ou Vale da Cruz, até para condizer com o brasão que
escolheram. Cada declaração e ou ação da parte dos responsáveis por esta vergonha só contribui para os deixar cada vez mais mal vistos, expondo o seu mau caráter, o seu desprezo pela
imagem de Loriga e dos loriguenses, e a sua ignorância.
A ignorância, só por si, já é prejudicial em qualquer circunstância, e se ainda por cima estiver misturada com outros fatores negativos o resultado só pode ser desastroso.
P438138QQ
1
4R7 7
+(",- 0234567028945 FGHIJKLMKNOLONMG
:;<= >?@=A B?CC=DE


478 0123455713589
1123
1


4780 14
5
571355
9438783
 !"#$%&"#'()%*%+(",-%.%/"#'0("-%! !"#-%1$%+(",- 
478

4389
11232751
4


4788755
9438
27514783
478
751
48 
43
7 
4817
89
1
478
7514783875
7 
48
5
943
478
751
48 
43
7 
4817
89
1
478
7514783875
7 
48
5
943
478
751
48 
43
7 
4817
89
1
478
7514783875
7 
48
5
943
478

437 
4817
89
1

4788 2
1
5875
7 
48
5
943
4783

1
5

47873
5

47873
5

47873
5
012345682692
63 6 252 

 !"#$%"&'%"%()(*(
+(,"-.+(!"%"&(/$%"0(%"
" (!(%"$1(!#234*," ,5,
%,)(*(+(,"-.*!(!,62,"7
"(8" (9:,$1(!;#3

1234564 6 6 84< 9=><6?94


?6 @4 923486A239?5?< <92B =2869<4 9@<C<3366
D 93<6 2? 964 
E 2B 6 12>3456>F9@<1? 496 46 6 123486>F9@<G2 6 =494  23<9@6 HIJJF<63
2
K296><A<2A<
32 1234564 8?<L43469@? MN 2B 6 L4346924 O239?5?< <P=6
6 2?
1? 496 46 <6<36 A239?5?< < 6942 6@<32
1234566 < 23 2? 92?34 948 A29< 946494< 6 9@<F63<9@<2 F N43< 2396  N49364
<Q4 94 54 O239?56M1234564 9@<1? 46 R6A4966 9@<86A4962
9@< 2B4 O239?56P
012345375819
3
 128 45  1583
 525378238012345375952135
5952137 59521 5255
21037 1
!837
78 3

8"2255#782 51
853
25
4$"%1% 5831
37&'()*78358+
!837
19
578", 128 4 7938-2 5
, 81387 5
75%.5819
7 221

1
853
7
/
19
81788 8"0 7385
35
78"819
37128"5
05271 5
957%528
18"115
%2123
10 7385
35!8957
19
5701 23458"0 7385
35
75
01235
8"115
7
01234555 8383 5
58 23
4
823
8"43
4)'8"
8 25"3 8"58
3
 782"5773
3773%588158"819
5882587573-5 81 2378825 81387
%38 276 7
25
233
38818"0123453171288"1
73
823
 128 45 
8185 3
738"819
 3387

737882350123459#382581751 251"378123512:
88
31;1
<737882351
375523 5
0123459571234
7=383
>?11
3@%31AB73781210123459#32%87218"
91218""3781235
:
88
31;1
<;1
3773781218"819
10123459C218"
D2343
7818"383
831
18"
33%5 38A

F$"7%85 52 5
75%1012345G E
;1123
587.H)'I)0'JK&H'I*)*J5L0'HK&000)*H5L0'M
4&000)*
;323  5237"(3 5+B3 59$19
3
%128 4 7
$"25 %5237"10123453
8"7"51918"2255#782 5B
D335 
5.012345
0123456891542


138034515 3451591542

25
13815
855  45
45482 5
23 468
1 48134115

 3 5!8"155#55  45 $
%58 5 1341 5 15

034515
8 % 413&'() #*'*'+4$81153 4*,-&(.&)/0(12
3-)(.45/&4167*,/)',*0(*-23/000&4'5-67*,/)',*0(*893/000&4'5
3
4:*/'&! #) $2154:;49124: 4
64:&)/35! #( $124:;492154: 4
<5 )0/'4! =#&*> $
912 413&)03#',,4$7
346)3/3&7! =#(57> $
<?8@ 7A234 5
2 8 1 4138 5
1 1341125115

" B1386"#?"0,$82 5#"$6"#?"0C&$
D)&009'19"9
914 E1380'3,9,3)15

<5 01F95+G#C)4&$')5HHHHHH
 136 815
2315153
9 4513 348 34  5  15
9 5:<58 5
1 134112519&,&(90'3,9,3)15

#4 44+51 2#',,&$8
1
5 :4  +51 3442411
5I+1
91542
2J

15
#91542
251323 413K#L 15
M$ 41;3#91542
2K
% $3124:9345  541+4: 23 461+ 3345 91542

/9 541+4:454
1+2 5 4',!  ; 6+51  *,!  ; 6+51 @25,!  ; 6+51 2 5
3)',! +51 1334 34:55  45  1234 35 3
/3',,4
4 4: %4:53412 413 4 124&)033: 4 343 3 5 1+)0/'4! =
4: 43 24:4;1 1 44:41;31+15
 3%
1+1341/
12345678578
7 5 4 2 57  54 564 8 564 78586 65 78 2345678578 746 78 6
  78586 6 7565 8  58 6 5 67  5 57634 
!"#
2 57 $74  38 5587 7 8 7  3%8 6$8 7584 $  6 7 6 546 5
86  &5464 ' 456 $74 46845 46 %  678 ()** 7 4 7  $58 6 564
845556 6 73878   67 $76 78 7463 784 78  $784 676  5
 8565 84 6  765  6 38658 78 76 58+7 5363 
12345689
365 38 9 95 6
3 53
55 43 3
63965493936
3
6393 9693
969
968 956945 656996 585 39353
5 439363
5 9 9836 4 88966 5865495 5 95935654955
945 69 588 656
93 39 3356 95 
969234565 9 69 9
36998949653696 59 6335 95
985
9 389 56 6 585

8349 5 365 59 695 953945 6 


56259 533   9 55885658 599936
3 69 5 39
!"3# 6$9 9349458834936 9369 3%  34 63  9 9859
5 3 59& 9 
3 63 9 336 55989'96 23456 35
563& 
9(993659 3 9 69')96 59 833 6
*36699
93333 539 939  56 56 3 699&5 33!"3# 6$(!"3
#96*583589+,8 &  9835 36395983-35!963 53.5 435656 96
 
3 598!"3#965.98 5 645  9 6/ 8936#08 5 6
9 9
63
149 3 2 389 565639  4998358&9
563 99 3 5 65!"3# 6$9
3 95 3 366 5 36
34556789:7;
3
55946  5895 699'<96  99  6
3 58 6''=>(?3"32@6 5
459 399 593
53 39 3959 6
9 9
63/363A96 B9*
'<CD( 6
9 9
63/363EEE*'C)C(69 F 6
/363*56 6588  6'G'C(&
F 6
H5698E*
3
5556989 5 585 39 5 5
93923 58I5 35356
H5 J. 53 9 936 9 6'<==& F 6
!563EE 
 539 63%5 363!565H5 5H5 3 5636 939 9
56 964588 
3 598(9 9 5859 58&83%  
3
6  36  &89*.36 9 69234569B9, 89 36 35
 99,659& 8 6
  639!K9853.3 4& 5   95
9 3 9 6
9')GG95 B5%956368 3  3639859 58588
9 9 99 9
01234570893
5 357770123 57 12
8 5077703235
89

 !" #$%&"%'&%(%)&$*'++,&+(-+%'.$"+/%&'


+*"&$0)+)%#"%$&).%&$$%%+&++0&%&'1 0))!"&$( #"%&
+,&2"#'3 %#$%&'"." )"%"+%)* &%)%0#)+ &)%###4)+&" )$%&5
)& /678&*%""/+(9 ""+(:+*3#) ##/;%"%$-+%'+;#
$*'4"+*%&'$%$&+00&%&+*+ &%&+ "0%"".;&<+;%#=6&$
0+;%$" 00+7
"%$&"+(-+%'" 00+$83"+#%+&%"(+)"+(>&(&9%' #
+(:+ '#'%&"-%3#".$ %&':+ ' "-%3#?".,%) 
" #$%&-+%'3%&'3&$+&$0+#%%)##/(9%' #2"@0#"%+&3/%"
3+A%&':7>&B.")+&" &)+(%"" 00+.%,""%00$
+(* &%)%0#" "$ %&'* &%)%0#(+*"+(C)& /78
%*+(%"* &%)%0#$*%"4D)+3B6.* &%)%0#%/+(-+%'%&)#$$
0%""+(8#;+)+$E.<3F.EG"$H%.%@%.I#G%*&$
I%$.",##"%/+$%"%&)+0+$;%##'"7

K"+1)##$%&$ "%#;+#%+&%;$%&-+%'%&#/&%&&)& /. J


&"0+%&'+*+$&,++#&&$%)()%;%/$@%"$%&%"+,&
(+*+&LL/"7-+%'%"0+ $+(%")&&/,++#&%&$ "/&$(+
/$ #%),#%"+&+(( &$*&#0"+(%")++(*"7M
-+%',"&%&$ "%#)&(+@%#*& () %&'$ %&'C
)& /7>,"+&+((,%&$ "%#%G$)&"%&H%>&%+
'%+&.;&" 00#&%&'E%&%#*%$$#+(NL)& /7D&#/
<+;%#=+ 10(+*$-+%'%&*"+(3 "%&"""+0%&'(+*%"#&$"O
)+*0&%"" )"P'+.P$+&$%&.Q+&$+"8*+".0$".QR&$'. -%=+S
>*=+".8 ' "+- T"9&$".-*".U &"H%+.9+ <3#&$-+%*#".*+&'
+"7*%&+$,/%&-+%'.8;&%$8 ' "+- T"9&$".%"&*$(++&+(
+,&"*+"%##"%+ "%&$ "%#%""7,++#%&$ "/"$+$)#%&$ %&'#"
$)$"+(NL)& /.()+'';$&$))#$$)#%&+(
'%+&7
1234367893
9  983 
 
3
 96
9
963679 76843 
9 93

1
9886
9 

9696
 
6

9
3 
 33
96779
363 39
!"#$%&'(
)696 983 3 
*+9
 ,
- 367.7
9
 367 834
3
68 7 3
46843  

6
6
76
96
36 9 
,373/
 303
3 +312

983
76
 9
386
3 43
9 
6843 
9 ,34
3 96
 9
3
43
9 
,34
6 3 36 4
 48 83 

537,6976
9367537938
 1 9
  9,3491 9

9:373367;1 9
  9
63
963 834
3 < 96=>36
96
388  
63
963 9373/0;?4
3
89668
78

9
969 

,373/
 339 /0;;9<83 894 
76=49
9
/0;;@4
3@1 9
388 
3

36 
 99 
36 3
96 <@
 63+9
 3
79>699+9
 37934367?A
 3967
393B9473=
01242567869
4 2 91 2 5
6  297 22 127 2287
8
6285
6249012 68 2 2 27465  9
4 2 7856 8  
4 96781  97
42 2 478 2 7
291242125
6 42969 8
2 9
6874 4685  8 6 27 2429 78512244  !942 12
2 29
28 9 486" #2429 7 292 2 2$ 478 6 2% 99685 6 529
9
1 9& 2' & 9  7(26 8 )47012
284 787465 6992 2867242947
07442$12165129768%12 4691699
2 
69  6  689 8 5
6 
 29 27962  468562886 75
6 2479678 8 94478 2 4 42 8
6287429
1 94478 2 12 24  89712925
6249
*+,-,./
020629 4212468
6 7
207417465  9 1122062 8 7768 94629
468512 1
28468 667872685996928
2 546
42429789627412

6 6787
748012746528922
78769 92 782 456
68 9462942 
 685
724
6 9179429 4 89 8  546
4 974924 6
29
21621 206268 941 9968
2 6996 2 127825 87 4
 
74694 2 276947066712244  !942  8 7 7826
(2974$127896
2824683745 %16
1 9
7894
2 616812
 4691669
4512169746 8687867&78 28
012456782049

     
  !"#$
% && 8 4'()*"#$+!11 ,

-..
/0&1!81
21 &&& 3-45 678#& 5)
7#8 9  1 &&& &): #
 !"#$& ;  & && 11& 8 4'(*"#$+!11 ,): #
#184< =><)

@2( & & =& ><& 9&&7ABC)D ?


 E F1"#& & 11"#& ()287& #   8 
1 G7!4 & #  1 G7F  # & H: 1  9 &
G7F && #!11 &#4&17E =   17E1I &
#& J  ##1 & 5!"#& 1 & #( 
 51#+5 & #(7#' &15 &2<, 4 1#
#
&/#1&)
123456734739
473 3 67943 94 3 7 3767946464 6346 63
679337 63333
7   5 6 !!73"#9393$
6% 4
6 3  6963 4
7 4333&
69' 37&
943576966349  
355
436 (
) 37 6    '   353*
+2349

6, 6 3-

6%9434 746563 .3634 "#99
 679 463//!5 699
6
7
496
475%63 64  60!!543 6 3453797  &
6
69 5267  31
94620335 699
646267  359320//0546'
4 34 3
43 6
6764 6346764 6"6793&
66
765
63 #"8"1"7""1764 634'
5 35346
6796 3731&
634

6. 6
7373937 63"15379796 764 63446 6695'53
7643 :6
5
6796&
6965
5
436%9434 743634
5 .37
56 3;6 6347 
+7 33533 4<6  9999
6$
793
&
667 3794
5 37 6  &
79"16536465 4
 
764 63467 3794=67
5 3
465669
46 36 63473
3  37 6  3 '
334> 3 764"
1245675859
5
59 7 7
7 76 76 7 67 5 787
7 77 45 7 5 7
588 7 79 867 897 84568 765 5 767 5 868

  7 45 7!
023456789
85
5
6 55 455 5
63578 85773576 48 537 6556
8
575765768
7 7  76893 7
57 53776
67855  66 4   
67 832  3 676 
5
6  5! 36
5
6"66583256# 7354 3 676
 
5
56 $% 7& 63 7' 4 893 7
6 3535
76 () * 77623+ 776

6762 426 5656 3254686957633354


583  64, 
6 355-575
6
"6 7 ./0!/0
5 35 5
571483 57 577 3537
66462 6527 45-3!0"637
6384 0
0 4  
5 6465 576
6 5635676354 .58545697 57 5
0 685
5704 5786678576 , 5
6!58 00893 7
586  :7; , 86!4
!657834 7
586  :7
6; 4, 8 5767683257 
3576 377<6706 = 
 8  537548 
57678323
5
676433 757=56785
6
35
55
 635
76 35867
4 36767. 775!6, 5
5 35 6766543>58
7 75 7 3 63  3 
6
0 78 0. 76 
 3 86 4 5567856 , 5
6./0!/0
50*
5 ? 84

6 350

A6  6 
68 ,37893 
523455 4356865736357
6 356
6!4 &68
@ 

65 2 5+4  3 
5
5,9 537
6)B$$5 702785 8 5*
556435567 4,5
9235
67864 5455 
55 2 5+4  658=9  3785 55678626 8335
5
   76543+5
57C
DEFGFHIJKLMEJN
? 
5
5 3354 686 548 
6 5 43568636357 
6, *663786 68
,37893 
523450O4 54 367 4,3
,9 537
6
37 346763768 75 7
623

5343
5
6
6
66757 5 4356863635785 
P35
69 56
6578 76
 5 58 
65578657 5375357 23
6356 54 55+56 
3+<67 3 57
5559835
553 48 506785  5678525 5583
5757 
3+<67 3 57
6
7 6232:3555 5  45+4 6 2 5+4  54 53  8P350
12345546578
386 78
756 753 84 7 67  88 7 4 4 386 7 4 753 84 
36 7 6 5 67 4 845 7 457 4 656 7

1 843 35 57756 34 35 4 36 78 8!378 48 4"4 745 4 455 4 4


 7 #3 7 76 $48745 % 7 8!37 &' 78 75634 848   5 4 ( 6)7 
*735  +3 7 455  4 4 5 584 4 3 "48 667 78 73578  74 34 84
 4
, 74 "467  7 6- 7 48 5 !6  7"7 7 7 843 57 7 687 4 78 8438
 6 48 78 .45/ 678 0  3  1455  28 54 3 54868 4 6 386  7 34 4"73 78
57 78 7544 7 74 4
756 0 6 735  3455465 3 4 34 456"73
756 
  "5 34 4 7 487 86 66 7 ,8 .45/ 678 45  7 75 7 4  675 75 4- 

386 5 6  67884 3  7884 7 7 6"7 ! 3   7 34 78 57 78 4 45  7 74 4


0123456898
8 1 898231012359823513 34359581
3
3191
88 8 1
8
1
3 334591

19591831 23121 5 1


5 91552 59250123450123561238 91 1 895356
1238 918 341012348
801238
8858523 43583 28
43 9891!25
195
350123512"5#
891
8 1 8 38 526 45
1252198  1 88
8 5 8
25 345 8 83 5 82591" 53
98913
 35 1
$
% 45
1252168 &12 5698  1 88
8 5 8 25 345 8 83 5 82591" 53

98913
 35 1
68 554 141 23!352585012345
8'558523 43591!25
195
35(!25
15 31953582541
3 9112 5412558 58
28541 
8 81 5

8 1216
8 91818
491825985)8
421
3 595 552 8918
895822595*
28565
5!88)553
5
345+123 435
5 254 31982882, 435(

14541
8
541 8-5289898322351
1 91
25 98

8-#3!23
98012356 51!2535 8
4541
29581
12348
8
511 198 3 5

48 8 5
985 1
88 25
12 1 58!81 5
214"1
1  58+2 3% 51!25
853 95"1'8 5245553
58 91!8

3 158980123565)8 9152 8915 23 . 31


"3
.234195358+98 1
25 3591+ 3191

8
"5!3 5 8

*  82 1
985 23 . 31"3
.2341698
545 #
8 5 !+ 51 8858
259521 5 5


+41/506 5
8 255 211 .2345
+41/5065/28'515 23)
+41
2///62841
29561&8123 "1
+412///62841
2916135322198143 ,
1
48
41 1238 5 8231254"859591
21 5 1
8565983235 176595(383256
85
584352395986
3 595 5285 53
5 359148 21"3
.2341953562841295
5 5
95
45254 82
345
2!5 5
95+145 8938578
259521 5 58 595
95

1 8
51 2523 1
+412/5.
 525 984"835 563!83259838 1641 5

53
1
21 5 1
3525 0123456 50
3 8 3565128
5 83 +2316 82848 98
58
123454789
387834 8 8 8398943

444 9784385878


14 934 8 8
439893879438
 3875!44897"93
4
8 4
74 9 4
84 8 4384 4935479#38 49 4
 $474
%4&&9'
 9
4  4" 9 4439
98389933 9
 8 8
"899 9( 9 9 !49484 39 (83)
9*74 9 4 8
4 9749 438
!4
9+84 8
8 4988794384 4
9 74 9338) 8 879#38 4%4"34
8 
3 4,
-3878
 . 89
3 494/
4043749 49 1234 8 8879
#38 4 883 9 8
8 8749 34
-3478"8+  89

9 4 9 4
%4&55
879#38 4 4 34544 399 7749 398
8 8

979
74679788
8744"4
4339
4 799'8 8 9 9883 978 8799
"8788 84"485!4
 8 8
1234567894
3 83 84
3
 
4
4398
353559
53 
4


8 
43
345

 

89
3
9
84
9
34
!

3"#8$84
3
%987
3
33
345#43

&3
3
'944
39
9
( 9
587
3 8 
8487)58
&384 353
3 8 
*33
459
9

94
983434
&44

 
9
84
5 3+
&9
3453
9 3
43
84
,-8
3
&98
8-4
9
3"8453
3
459
9
9
9 3
84 
4
983434
3433
9
59
3453
459
&43 #3


3
84
3
%987
4
4
3
93534 
38"
8

3 8 
3
3&984
39458 #
9
9
5
979
3
'944
39
9
( 9
.
/58 
394509
!
9
8689
9
4!9
11
9 9
8-4
8 8

5
99 

, 
9
3
8 +
3
39
94
8485534
49$3

5878  3
3453
9
3
59

2 9
94
9 94
37 

&9 909
345 
8 8 8 
3
984
/394


89
84
5879
3
&88&
485 #43

-3
9 3
933
3"8453

4733
558+
3
&53

6
3
28859
3
345 
,958,8 9
9
4
3
&80 
'9
9
9
5
89
3
9
84
9
34
3"8458
3-
7 4
$850734
3945 4
9
&9 95)89
9949
3
8 
9

94
284879 94
9456
84
5 3

3,38 
3 8 
3 8 
*33
459
012345725895
52 835 2355
7133411
727 7731 777433571
3 3155 31535734523523515215175754275523!139555
1283279"#$$
71273%&5 '1%534275 8112541725(17&555235
53127 87795)9!13 128511 57182153417
7 87179
1334 3 1
59*)973 515+15&7'1251 85!135
217355895
725 193 23,-7
334 3 5 877( 11 555
12557253255
5251521717!1342555555
5 128,.1%77312193 1 192/57725,5707231279*2515&)7'5
71139*257534275!137285
713917"2337527515
75
5277
57523575
527757253%
123567897
6   76399896 7 666 9 99637  69899
63 366799 6  9 8 6978 6  5 6939 937  9
78 8978698 96 998969   7 99 8 9 !75  "3 78 6 6 7#666
56  36 6 6   79 39 339 678 $6!%
& 36 '()) 666 76 3  8 9679 98 769  79689339   7 9
9 6 9 9 869395 7979 689   99  6  5 69*39 9
+7  9678 6766!23 3 
66+9   ,639 8   3-6 9
999 9 6 8 963996678
66 9678  639*6 #$.68 969 9
 9793 8695 899/7$6# 666 76 - 699 9 6!
12345678
78 7 478 8 7378
58  7 8
  47 2 767
7 35
58  73
45 7  47   
 853  7 8 7
 77 7 7 6
 7 567 7 
7

7 87 73
 37  8 5 !" # 8 7 8 7  37 " 67 8
 $%% 7 8  47 4537&8
7
857   " 7
'8  7
 37  8   7  7 
7 
"53 7  567
78 78
5
76 7 8
 (78
8 7  37)
 47  567  37
58  73 * +# 3,
8
   
 853    7  8 7 7 
7

!" # 8 7 " 8538 7  37 6 63
8 7 87 7 8 # 8
 +  78 3 6 8
8

 853 - .45 7 8 567
78 373
7
8 67 8
58  73 /7
78
7 0 7     7
7 573 8

  3 81  845 5 8537 "&37 !" 578 6 67
8
 853 
268 5 6 5 81 7 . 3 53 778877  47  '6
 6878 368

6878 7 8 64 547  5

7 6 
8 268 277
78 67
47   8
6825458  5 8 9
8 7678 35 8 0  957 .7(73  67378  7/6
7 
7  7  8 1 7
58  73
8 7  37 2   73  67  7
7
  47 6  6

 25458  58 9
8  67 8
8 77

8 7 48
58  7 8 3  88 287

 #63
8 6758 7888 5 8 856 76 : 3 7 8 7
7 67 7
  7 6

 8 6 3 7 8  7   5 8 3 45 88 7 86776  47 567  37


58  73
488 7  5   67  85 4 

978  47 77(5  8


 7
7  56 6 4 3   7
6 8 7  373 
7  73  7  573  5 35 7
8
  853 
2  8 1 7
7  37
  47  73 "8 56 #63
78  8 5+  78 5 8   8

567 457   3 
6   5 5
 567 373
7
 
 567 4 
 47 7 7 7 4 7
 8

  3
8
  853  
 (
 7 8 6
;;<= * > 57 7 8  
78 278
  47
57  7

578
7
78 
 7

 ?2 8 @  58 , ;ABC * ?2 8  , ;BDB * ?2 8 - ,  ;$;B *
?97 53  , 678   7 7
 8 767
8 2(835 8 78  7 8  (7 8 7 457
  3  54587   78 4

 #7
 8 8

  3 6 ;E$$ 2  8 7
6
7 
8!8 #7 8  8 78
7 373
7
 5 (   5 6  7    5 8
7  6 8 27 5&8
 56 47  3   7
6 8 7  6 8   67
37 8 57
878 87 6 5 8   7 7  37  4   3 F    6 6 56
78
 !58 7  47 7 3 7 567 7 6 5  # 8 7
67 7   776 
67
   7 5  788 6 65 
3 
 
7 7 4 
  47 *7 4
 3
  47, 3  7  7
7 65
5
8
  853  6 37 " 7 57
8
3 8 6    67 7 G47 /7H
78 458 78  57
7 6 A%;< 7 573
6 76 8 6868 8
12343578935
75 35 97 75353377757753973 3 7 7
9 3
973 775735335 97 7535 7 37993387 33!75 3"793
#7793$37!$ 773535 79343
7537354797732%4
9757&3 79 353'5737()795 33357 7 777
3 35 97 7535 35397 *53'5733 5+339&
,7 * 79 3973 3 2%49757538-3553 * 7
.97 7535 37993 3/597357 733 79 3&9 3735397 *4557
7975473 3 759%5357350354535775+3 775(757757
19 375*3!3 353973 3 97 753 33 79 3&
73 3 779 3 793777 3! 9 77 3 4733 79 375397 *
7539 7579 3 3 79 7435 -3 35(737973 *3935
977375799355)935 799 43%5579797!35 793 3
79 333& 939338-3)837523 7 9375757555799535
4%35 775*3 593 *79 737 799)9&1393739353 *
79 53439343%5-77559%497493(73-977 
43474 7577933 79 34)779 397 *&
123567389
8
5 39
5
693 693  9
 96
3  
36 3
3 
 6  6 3
9368 69396
3 3
96 36 89
5  93!" 9#$%
 &
9965
598 5936 3 693  3"
 8 
5 6 3 35 & 
9
5
59
5 8
5 9 "93"9
 " 89  33 8 8 33  3"
7
" '
(6  2& 6 ! 8 6 35  
9"
569356"9 & (3  3"  6 5 8" 6"
 )** 6 3 86
599  " 6 "5 6+35" 3 "  6 3,35 6 6 "96 8 5 3
 3" 6 "5 6+35" 3 6
38  & 39"
569356"9 &  96 
2 669 -.9/
73! 8 6699"
569356"9 96 " 0 3" 6 "5 635" 39
596
8
893 66938 3"9
 "93 5+"93 & (38 96 3 35 3 -.919.9
6 8 5 3  98906  69!" 69399 "59  35  6699"
569356"9
&  & 69
98  -.9/
3 83
59 96 8"!5" 8 562 9 8(6 3
/ 
9
5 8998 6 969" "
996 9  8  68 &35" 35  
6  5 
"    3933 -
96 9 689
989 33 6933!" 939396"
3 38  6 89
98 93
59 6 -.9/
735 & 2
963 68 3" 69

" 6,35 
4" 9 9&9 .9 0 35 & 3  6 99
6
"  8 3
5935 98 3  59!
5 6966"   93698
93

196 "  69  "969  8


.9"98 &  "5 "   - " &!8
9"9
" 9
 9 6 3 8) 1
9 )778'
02345678393
49 3 348948 3
!"#$%&'""((")*+'+(
,'-+*+,')*)+(,'*+'.'/*($)0"*)++'0
(1+2$)#'((+(+')+.(2 34##/'(*52 0
.'+'('#)")+#$%&'+."+((#+6$)"+*+'0.7
*+.*(#8+'(9)01'"!"'+'$):("'(+
!#*"+"($)3+!#*#$%&'+(((
#,"("+')*)+(,'*+$ -+*('-02+(.7'2
*+'(((;;<=3;#$%&(1+((#"#)%(
')>(9'0+'%+'+'((?@+'A(B$0*+*(
,'"+'*""#'()+.(1+$(#$%&3C)*)+(.7,'"
(7#+'*+')(#$%&0"#"+*(+'"'
!*)3D#'+'*"#)'"+'+')*"*'+:%&(##)%&*"
*. ((9(')*)1)'#*+'#"'"#)*'&(
+'&*3

F;#-+*')(+'"($/'*(&?+0*")'((G)'" E
*+'%&1'(+('+(*(+1*.(3=+1):"+'$'+'&
+ +(#)#-+*"(+#)1(('#+(+)*)+1"
+'(((')*)(*)'3H
9(*+'"#)"+('"#)"*0(#)
"+#+*+'+(6*0+&*+ *+1"(,'-+*(""
"()!"()*+'6"+(.7'2*#)(I+.(A"
((*(3?+3;(()'*. #+''("((3
J+'0')(+"55"0"*+1"("+'72
,'+!*)K==+&!+'!*)K3A'!$(*+'6"
"((3?+0+!#*""""(#))*)1*$1(
01213451789517
97897 738917 133771385177
 3 097 77
7389 1137910351 33 3  3 3397 9 3 3337  1 371
1 78 7 818 17 938173721451951389 33 38919783 1
1079378973381833 797837
313 783 3 37 37701 3
9783707313 11911315118 7 78189337
0 3451 711
7 18513 93 7703310793138 973!371 1 78 7 1878331
3891 33"79318177#51$78 033#51$ 8%  38917883
7
9 &3 101781338437817017 7'3 78977
0 3107303 37
1  1 071 137891707333093451 8 9 3!797873 8 83" 70333
'13 3 ' 7 7(1 393187 3073  3  83 37  8 9 3 !7
071 13 217383 

*+ 7,339 -7(1 330 1.9 17 931 2781" 73019313073 )


30127 9331389 197012 9 1187'1 32333393318 9451+9073
303%8 33 0377 8193" 71 7'7 91 3718 945173 2  3 39734/7
7'7933 311811  1 73  '77843 7897332783 33 389 3733
778970
1379171 2 11 18 9397017 3131 3#781381
7
391131871,77
97327,3&39 - 939381" 773077833073,3
 78 /7 851383 31873 79737 371 3#78133$ 3#37" 7
937830132 9 3(1 39 8317 93991703 3 77078 31 01
73 948 35393238336737 77303 3338 3373301
337897
7 23789731389 118711 78 783 3'3 73 1 7'1 39 8 37731 1
182892 37897'1  01 27 3717
39 51373303 383013
2 9 33 ' 7  0778 1137 179337 37137
9%8 37
33 13 37 7717(1 3 73 837
9773 3 30783 3
39 8 317 939917'77 3 7 93 383843 307  3 9 3  919701
73078 73933 37 3 3 07783 738 18 73 8 8 ' 3897
0177'3917 1873 9 3 7833 789 1189  17
9713 37
71,79%33 01948 37,1 8393  77 '14301 827893181
03 3178837
9 :193891 1 93 3 3 !7'7 1 81 073 81 ! ,1
3 93897  3 7,37(1 312  3 , 9%3183 9 37883'1
7 933 7 8'7 -789737 3 13 37 '1 7789778977 8, 937897
309331 77 939917'77 33 1 7,37(1 30171 1339327 51
18171381 1 7,3(1 3   718 1 17' 8 9 237897830 7 379371
182221 8 1383 183 37 318 1 3451 33 8 93451197 9 173
877  3'
34513 01034/7  0 323339  4517'13 3 933 3451
718 4/7 03330 9 3191 701 1'77897311813 9 33
18 94517 7,3 01 8  39 2373337 7010 911 7 3832318 9 
7,3 7012134/7 7, 73 7778 0 117012134/7 7 7 377233
37 318 451 910333,33'
33 01034/7 7193 7 3 739133
87 7 789 1 7017
701 91 3 971 '13'7 91 9317 71,79 219
01781318 73717 9399178 0 138323 707303117 93991
703 3 01938913 13 37 79 83 7,3 73737897 77 7
1871 7 7 3791 73 7,3'1 7383318 9 0717 #37" 77327,37
(1 3'1 383318 9 0717 #381227 3318 94511, 7'7 1
0778197012 9 113'1 30127 9333073187'1 323333933
18 9451 13817;<==+  7 3073113301 3733 0193 3973
2 33033131 83 7,339318' 33 31837
9%8 3 17 018781393
37 51318 9451+7 517387 7 789 1727" 70 8 03789731'3917
(1 30797876 3 3 31:3131>73+27,3'1 7 337 7113#3893
&3 3&3 1 1317 73897  7819701148 1,393437'333
0 8 03'3- 3733#6737?1 3 71312 37897 73187893 37
7 93
0
123456819
683 96 4 46 149 4 436316 6 6861 6 63661 6
686123456966846 43669812644 4 61384 316 349 834 4
684364  4946 61 36161 369 4 916 1 4 !"186
24984 41984332 #343 6 236 4 9 4 916  1 4 4$3126
431 1661626 4164 !%31413263$31264 8 186696
242164984 49 & 49 &8148369 1'498341 # 3
  1434984 4
62369184831 8684 1149846363 632369462186'
46 4 1 !01 463613636 186'61964983431#4136 9'18
1634131664 18 6336 86 46981226163436 2(644
$31264381 46 9 4 916  1 368'236 4 96 164$3126!
)4 #19
634 4 8362 9' 4118636*+23456,6831-48433686
4 8362 3 6 4186 
6#1864 3 4 6#6498466 6344
634 1 916631646#31496 93# 841&16./636,91169 83&
9 0+++456 6344 3 
'949196 666416819
66
4 4 3646 41 483 !1 3149 4 81 43641638  4 8362 4
9'344#43664365648439664 634331,63 42#6843 1
19366236 4 186'!341-49849'
 4449 9'
3421 8 4
38 94431 236 4 96 16!0  1 43 63&96368164984
48661234561349 83&64 81#6336 4 43 #19
66 836
684364 626 6 61 96681 4366 434 86349 83'!2344
36634 49866 6 646 6466666464366 61 1
41 8369 36646464 631 8164196498446496  631 8164664 86
1634 49866836646!04 66316463864843134 4'64 63
86#9'41 816464 6  19 436418419843136123456 4944 86
5816 684364 364186 9 4 916 1 !
.84364186 684364 434 863 3 4-4 4 364 6 83 634
9'819
6643 49 1#1164636634 43 6'683191431 6686123456
4#36#469'8'#9186948' 61 6698 4316 44 6  19843 494 !
6  4219846 1 47484#348899 64984 44- 4981394983
6& 8343484336439 42198486#18 49814$31266
63444319119'84323694236 164!746 9 4 916  131661
8634698 6341658434 41!%6 4#3 421984469436
44#36661 64 866 1264 8366123456849414168 1448666
4 6'8443481369626 16249 483 63812 !79116
698444 6#64986 4486#438361696496 4683346
6464346 6344 684361 !)1 69 41 36843196  836#6
 6
349 83'612345648669844366  1 4 1418646
6'686916414 865816349 83'4
426 84 6861
4#369345134431629 :34 863 ;464#34436!<
12345679
5 6
7
4 7
434563  6
3
6 7437
47779

347 

1 !76
"!76
#$76
#374737773$5$76
#37#345%
7
!76
34 3"!76
#34 336
4
3
4  5
5%3376 7

&'()*+,-(.()*/-*0,+123(4*5*&/)163',)*7,-(.,)*8/,+/9/+/.:'(;,)*/-
<,+'3(
=473!76
63 3 77 347$7 67447 34573
3

# 5
7
76336>4
 ?@74A7

 4$7 

# 5
B3C36 7D!76
# 737
01203431457879
 3487 754 1
48  7 579 8 9 07879
75448  7
70
579 8700 41373 9
83

9
010715 83
 549
45 9
3 
701 7

740  5

87 9
83

9719
83707001 70
5484 9
83

9719
8370701 748 104
1 870
 
 4943
03
5543754 4078
 3
31 753
7575

54 797753

 754 79
879 403 5
 0
5
5

54 797753

5 8
740
 57
48 9
83
757

"#9 49 
9 
035  579 8 8 $5
78
4 577043  9
83
75%  0&!

035  579 8 
 754 
5 19 
04


035  
035 34 
0348    '1 5
78357 570(783
0)
594841078
7970
0 2
44 9354270 1043 8 091437
1
554 0*03 
035   4  
835
041 05 8
04 035 80
50 40 1
 4 
%7849254  8753

 1
 4  
43 84  01 +70
0 2
1 4070 7 40
, 370
7051- 9
83709 0317484 1
 8753
0
54  15
0
537
. 31
19  31
.72 

/1 837 70
030470   579 8 75448 

07
9
87835 510
8 $5
 0
%  078

034
5 98 754
9
03
879

40
5070
9
1
870
030470 32
-78  753
75735 3 8710
 9
09 
035  
3031 7
154704 
48759 10
1
 
035  579 8 74134 4-  
0
1
74
7803510 57 
9
83
757 3 
48 40701 7 83
0
%54037 32  

35483 701 71 87


83571
918478 9
837  31 *+3456
9 
035 
579 8 3
54 047497000
7'$75045 8

437
 754 0
3758 519709 475
0
 704810354 4037,3
40 .
45 83
547515 83
701 7
89 3707957 70: 754 
5 7 8347879

 754 
,40345 91 0783
0579 8 0
19 
0 48 
,403

 7135 7803510 0725
 ;42
45 
6.
83751418701 7
<
 92 0 -4 9 53
 
035  579 8 1
 4   77 7 75
03 83
49547
579 87
783
579 8 1
5141
03  0431   71 0
-
8 0
9
3570 '10 83
  31
783
3 9297803510 
9
5 9 0 3  
48 40701 7
 834 
035  579 8 
04 
 31 ;1 775370124 
 31 ;1 7<48=
 8   53
  31 ;1 
<454 37 00 87 7 7 77 7
837
,403
83

0124 
0 31 4051 0> 7%713487
6  15 % 25  00  8  31 
84
11037 140(
8
08 $5
78
4 75% 55
45 0
1487
 31 ;1 7?
4,
457

945
 72783
579 8  48 
,403
83
0725
 ;42
45 
 754 
124567895
6  6 8 78678598  8 9  859  
6798  48  858 7 5858
79 58 7 
7955 8  95
6 8

5689 !865 8   "  6 6


598  89 8 9 59 8


6#8 $
8678
4 978#5  879% 8 987 67857899 ! 6 5# $89
 879 86798
  5&5975858
79 5
'6#8 $
867854 79
(6 5) 7(9 566 #5 87
58
59  *

1245678598  8 9  85+86755679% 655,',4 9 7 7 9 45678


95
6 !89%655,-' 4(
9 6 8)8 24567895
6 #5 867987 675
7 7% 459
79 8 8

8 9  7.56795 87 !8# 556)8 459
&5678 52995)52879 95
6 4  459 ! 8878 86 59 8
 567% 
5&5975
/
$56 49545 7
867856)8 459  0. # 7     6 8 78

87% 58
5689 5 549
7 54
8675 879 95
6 
1 7 5 98 8879 75 59  5) 759 59267(6 556 81 7(9 56      8
59  23 59 86487 65 5
6 %4 5
123456478
6 7 56
7 8475 6
75 4 7 7
 7 8 4
6 6465 6 76
012345689
62 3 636324
!"#
$94%6864 &  '38686(23456
123456)*4'%86893+%,94'%26-%3
62 '3.
62 39/929,06293,1383892233-9&29
8%34268340 823%, '343&9 269293,1383489(23&'64*'099%39429,3896%26-9&3
(34986 46&9498%34, &034893 %3
6263%23,892233895%32662294
49,892233-'63,9 9&833&9 26)6
7$89:;

013&89 2383/ ,389


62 3 =,3  <
13&89 23)*45%329,38333+%,9(23&'6628569(62,34896%26>3499,3&13896%267
3+%,96(23&'62922949&36'?%-34@ %34,A2 834-3&9/9-3(9,9+3-32%29+3934'6294
83(3&89 23262% %943&6 &A' 683&3' 6&3, 8389
B9,6)$986&86-'6&9&86&649% &92 626494644A(6,6486(23456-9'63,9 9&83)
6C%&389=29 %94 389
62 3;
D2 &' 23,4 (6,6 3)662913'9&23,3
62 '3-3& 3'6%2313 %9229 23-62 986&69
%,  ,9&32-,9(233462 9&4296348326/63156930 4E2 33& 383/ ,3
:48%34268340 823%, '344 (6, +338%34/9+94'9&9&32 3 &8F42 3,62 %9&49-'2 383
'669& 9&06834 9&9489
62 395%9 +9233/ ,38943'32G493 &833 4&329 56
*2334268340 823%, '345%96/ 33422   /343(2 '34 &43,383436,6& 68348%34
2 (9 2345%9(3&033/ ,3*44943(%&83&9429'%24640A82 '646233(?89489
92643 4296643226/9 386423236/926A&064
:9429,3896%264 (6, +33B922383*429,3D6893(?4 (6, +323/ ,3'66%3
9429,389&2683*429,3-9626&6892992H&' 3864 &F92649 23&94,62 '9&494
9423,0386429,6%&86
746&94&3(3494 (6, +364(9,649/9289I3&946&94-262/9+94'6(926489&9/9-
5%9,389 36(9,A44 6J3,989
62 3934%39429'3'%,32932 3&389
62 3-%3
3,%456@(9,394 & %,3223 43 9
K#LMN
12456789
4 99 784 495 67699 49 749 7844 6 4 6
9564 9 9 9
 94  97 9 64  649 49 749 784 4
44 9456749 546 47 6 474594  754 594744
 6 4 69564  7
97444 44 6 49 ! 64
"9 #$774% &#9 784
5 9 7 4 4'4 9 (5758)95 8 
4 9  64
"9 #*956 (
974474+,

1  75747  99 64 4' 74 5'449 56-579.954 9444


01234560678
3 727 278  4083 63 063 6547523  3 17 782 7 183

 !"#$!#%&'()*!+

 !"#$!#%&'()*!+
023456789
3 527 36567
59

808008008800

7 396789
3 57

565!
745
0123521671893
8751

8171 271293
8751
87518738316

81717129172193
8751



!"#$%&'!!#(#)!#*+!"+,+#$-
. !"+#/0#$%$+1$'!+23#45+678
9!:;%&'$7!;4!)$<=;!)$)!+*+!"+
,+#$-.,+$!:;!)$!<+;%>4!)$?+!!)$
$'!+!+;!)$45+70!:8
0123455728554938
437  0283557285 9412
437
752434
437 75237 8
437
752434
437 75237 8
437
752434
437 75237 8
437
75237 8
437
75237 8
437
752434
437 75237 8
437
75237 8
437
752434
437
75237 8
437
752434
437  75237 8
437
75237 8
437
75237 8
437
752434
437  75237 8
437
752434
437  75237 8
437
752434
437  75237 8
437
75237 8
437
75237 8
437
752434
437  75237 8
437
752434
437  75237 8
437
75237 8
437
752434
437  75237 8
437
752434
437
75237 8
437
75237 8
437
75237 8
437
75237 8
437
75237 8
437
75237 8
437
752434
437  75237 8
437
752434
437  75237 8
437
752434
437  75237 8
437
75237 8
437
75237 8
437
75237 8
437
75237 8
437
75237 8
437
752434
437
752434
437
752434
437
752434
437
0123451689
51 6
0123451689
51 6
0123 5  
51 60123451689
51 6
0123 5  
51 60123451689
51 6
0123 5  
51 60123451689
51 6
0123 5  
51 60123451689
51 6
0123 5  
51 60123451689
51 6
35 2213922 59
51 63952213926 3
51 6
012342567597
236 92 16371279 763 466  1634252

 !"#$%!&"$'($!)!$' "* +*#&$** # , %& *$*,&"!*


01123456729


145195
5951
5321
9

1545

 !"##
023295
5$5%

145&2  
1595'
4729
(2 4 532)*+*,-9
.
5

/0/15245
13455678
14959
96*4152:,-0%

145$3214;95&2 3432
2354959
19023295
531
9
95%

1457<
4 295=415=51321

19
>54?2
=51321

19
@45
0 4312023295
5
3
2
%2 59
8A5
B
6*9




4 29
6+60955
C
9
4?29
&

3
52323
129
(2 4 5 2445
1
9

9
323
12


15955
6D4D52
C
2323
12%24
?42E415
6D56//*
15245
1
6D4D
6D++&

3
25

52323
129
(2 4 55&F12C

&511254
5 2323
129

45

G H"I
@52
65$5%

145&2  
1595'
4729
(2 4 532D++,-9
.
5
44J
15245
13455678
14959
94/D152:,-8 5
421521%24321
349532272
'2729
@52
650$521$32KBK&

3
52323
12L&5 FC45
L%

1459

(2 4 5015&2&56724

 59
&5 
955 43 5
95&512 ;3450F429

0
495521441 2
. 421M2
21
?N&
149

95011
2
4595'
&O2435
%4129
52 43
1
513

@52
655$&235
C
5157
9555515

1325& 4. 45235


012346173891

             !"#$% & 


"'() * + ,-..(/01 +  23"') *4$%05  6 7 +8  9
,: 9 /+ ;<=+; )   >
= ;)?0@(3-A+)   ;  !3
  0B + + ++ +C   6   & ; 8C+ 7
D )E   ;   
     +  0B  *     + 7
    4 FD   * 9 D ++G ;<=HHH0@(A"(  
 H E I  01    + 7
  +    + ;)

+; C 6+7   (J"!   D     +  +G


 0B      ; 7:  + 8  , D 
+;
 8      +  + ;)  /     
,  + + 
 F   FD /  +  + ;)   (J33   D
  6+0

K38L3891
M 6            (-JJ$% &  -""
) * + ,-..(/01 +  2(J() *4$%0N  +  + ;)   (3('
   D 5;8  
  *  ; 10I + ;H  +     
 FD  = ++G ;<=HH0=;  + ;G ; +  + ++G
    (J-J  (J33  + +  + ;) 
  D ;
  +   ; + 0
0123456
789
 8

 8
88
 
 8  !" #
$
8%&'
(8) 8*
+',

* 8
98 *89
%! (8)-" #.
/( 0

 8 8

1
*
2 
2899
 *+8982898 88289


1
*,.34 
 89
*8)
8 
*
1
*8 
*  81
89
   889
*8
2
 

8( 0 
8 .5
*
89
*8

 
49
 8
8(
8
8989
498 88 6*

289
 7
8
8888898 8 
49
 8
892
91

*(8
*8828: 8*

81
*89828 ;./ * 8 8 2 8


*0 8898:
9 88<8 98
89 8  
(8) 8:
<
*: 2 9.=

898 )9
'8.>
?@9
.3 A!

*288.B8*
9C
88*   *
9( 88
*8
98

 88


.3*
8*
&%D
&AA

*
8*
9(
 8.E
888
*
8**
9(
5
8*


*
./8 8 
 2 8

(*8
E8
5
*(8858F

89 888*89
*
*
8 *
5

).

05G3
7 
 8

 8
88
 
 8 A'A" #
$
8
&!%
(8) 8*
+',  8
* 8
98 *89
D!(8)-" #.
3$ 88*8 *8
*89*H81
E88985
883
988 8 I* 8

'AJ 8K
./

 8
*9)88
 *


1
*828:L
8*
486
/) 
8M8 9M898M891 *(8M8
8M8 8M88B89(88
M8(
8N8289( *(N889
N88? 
8N 
N(N
N

8
N
8?*
N 
? 8 
8? 789
?$ 8O*8 
8
B89(8885 9(8B*
B=)8=
 )
8
858*8 *(85 92889

789
N 
.
H

*
8*
9(
 888 *9 9P7CC8
1
8*(89 8
8* 8 8 :8801 8 8* *8*

*
*

 8

**8


)
89
*
1
*

*
8
 8
2 9881


9

*
)8.
38 8:8 ) 888 *9 9PCP+&%!,
**
88 

*
889
*8
*
* * 9 9 
*
8&AA8*
1
  *
88*
*
9(
5
8.3 &
8* 988
*8
98


 *(8QA(8) 8*
.
R9 
9
2888)
''*  8 1
28
*789

 8

S
4


**87 

*88 *8 H89
99 5
 .3*
8
*8
3*
T$8

?
88*
8

 8($89**F9
(1

0122345789
2
2 9
4293042942125
194242 14912  19 3419 514 1
442310190 94 221
1193342 4 742
 19341
434
243 1129 1249
2 09424  120494 45 41 91 !4"#14  14$
245
13912742

12422 01 3424424 45 1111% 44&19
  82
091$
5
 42 7
  15154251 154" 4
 %
445789
12 4221224 112
09

0
2 '#()*347454+
74
9 1,120
 44 91 91  15 '#()-4 '#
(). 194 4&19
  93! 54 1 15 '#()-343 4&19
  /4
"

12 0  894 1 
123
30
1&19
4 24 2 3
224494342
23  19 2 0
221
14494342
2 /499  '294  15244 42 7
 "5
 !"#$%&'#(&!"(&"#)*&"+),-$&"( "&%*#"#&".&)*&"(#"/!0%#1")% "2234" 
256678

9171:;<:
=
8 0123561789
 17 157 513
7529
1
21
>2199
?1799191:@?1
1
?93192191::17A71 1A
88
9B7
C ?71B2<1D=EF191
B438138CC
1
4D7 7
 !"# 0$%&'()0$*+&' 89:;<=>?=@A>A@?9
,-./ 012/3 4155/67


4389
11231


4788755
9438783 0123455713589
1123
1


4780 14
5

478 571355
9438783

478

4389
11232751
4


4788755
9438
27514783
478
751
48 
43
7 
4817
89
1
478
7514783875
7 
48
5
943
478
751
48 
43
7 
4817
89
1
478
7514783875
7 
48
5
943
478
751
48 
43
7 
4817
89
1
478
7514783875
7 
48
5
943
478

437 
4817
89
1

4788 2
1
5875
7 
48
5
943
4783

1
5

47873
5

47873
5

47873
5
0123457389
3
3 9599135 9012345
389
3
3 9599135 90123899
5 !0"

$%&'(%)*(*&)+,(-.)*,/0*1/%&(-./0*,(*2/.-3) #
4 "5!"0"
6*600/7-)89/*:;%)+-<=.-)*,/0*1/%&(-./0*>/';+<=.-/0*,(*2/.-3)?@*;%)*,)0*%)-0
A.(0<-3-),)0*(*-%A/.<)+<(0*)00/7-)8B(0*'/.-7(+0(0C*D;+,),)*(%*EF*,(*6&.-'*,(*EGHI?*)*0;)
7.-)89/*J(-/*0)<-0K)L(.*;%)*+(7(00-,),(*M=*%;-</*0(+<-,)*+(0<)*J-')*-+,;0<.-)'?*)00-%*7/%/
+;%)*.(3-9/*7/%/*@*)*,(*2/.-3)C
1234246789
26  
!"#
$%&2'96%&

2422%%8(
2)*8+89
(63%6,-. 242%/.6 2
%&6 (83&9
0.148'292,2&922-%46
3%
(242 2
%2+&2/.2+
4246,
3&69'96&242'6+2%.2123424
+29 53
(2,+6229838 646
789
2629
(2(.+&.92+89
(63%62&8488'21%6286%&923 6
9864.342426  467.+8846
,6%&22%%8(
2)*8&6 2%.2%6463. %8+2948%-(.+89:;;,8<8+2948%=6346%6

$%(8+2>?<6%64648@ 9.'2 63&846$%(8+2%46789


2
ABC!"
@%89
63%42$%(8+2>?<46789
296 83&2 2 DE(8 2(9
2)*84263&*8(82 242
$%(8+2F96'292&59
26@%.2%646G.3(
838.38<8+2948%=6346%,+8(2+83466%&222
&2 0- 2 2
89
242%%2+2%462.+2%,62%
3%&2+2)H6%692 (8 '+6 63&242%'6+823&
8
64
G1(
842$%(8+2F9
I9
2,834688J6-2%646422.&29/.
26@%
3%&2+2)H6%G892 %6 '96
'96(I9
2%6
3%.G
(
63&6%6$3&96&23&826%(8+2G8
96(+2%%
G
(242,&6348%
48 83&248%
'22
+8H6%'9-KG209
(248%'2922+069 298%2+.38%/.6(83%6/.63&6 63&62. 63&292 46
33 698, 2%2%
3%&2+2)H6%(83&
3.222 
3%.G
(
63&6%6(2422LM 2
%46 924242%6N
46%6J846
3%&2+2)H6%'95'9
2%6(834
32%,6O
%&63&646%46 DE,G2M
2K%6%63&
9(8  2
%

3&63%
42466$ P826 09846 D,G8
G
32+ 63&6
32. .9248. 64
G1(
838286
6 0+6 I&
(8423822$%(8+2Q6
%76
&*8,
3%&2+2)H6%(.J833
(846G6
&8-3*8'8%%.196
'22
+8*8
3846%'89&
286

>2%246Q6'8.%8P8%%2<63889242R.
2
01234571899
93 2
 45
7154

 !"#"$%"&'(")*%"+,-.%&/01-,)2"
&3"34"2!"&)5*6!"5!""7#!+""
%48)"!!/)*"9)&"""":2%;"</"
"=%"7

<"'?@!/A!"
> 3&"
8995
BC554
1291718D5
5EF14 1
4 G7 71
!"48'(%25?!"@"**%""+0,.%&/011H)
"&!++!")"I!"&+""2")2!2"&+"
+"*"3!7#%%+!"!/A!"3&")2""2
+!&97

("=J'":%"K")"2">+""("!/A!"3&"
L4D5M19D543
N554
1291
=%2J23'!**%"+OP&01QR)"*+"I
92"+%+"+2"!"+9!""!"4823")+""+PS+!%&%"&7
1234526869
9 5686466685 6
!"#$%&'(!&)%(
1*65*6866**+6,-../86865201234+5*5*8*6*4/55+6
66/85854/644/5*/,-/6**+6,-4+5*556364762
+6*6854255662856*/65696645+3/6665*4/,-8*
34526*4/566.5+62: 685852/65*5*4+5*5*4/555236-5*8626
8465;24**5/*+6,<5*56**/6*6426*564/545*4/585*58485252655255
/225*636475**64/+45+8=+.256,->546564/5*8/6*+5:9
9:
:9: : : /34+6/264566685 654/5?/22652585
+2/+6,-55*4+5*5*5*64768*546@*5542/8:968?*8*6*85
96A855/2+75+87*68535.585 65/34+68*5**5645*
4+5*5*6+866266+75+2586*/67*6626*526:94*5 656
*/67*66;2*888/4686*54B:A85668?*8*26*885**25*85
+2/+6,-//5*5*55*65*5*26*885***5*585*856CD?86
=85545+/6*35 652//;*5524;*>6?*5*85685@854
+/4/64:E26*85855++6*54/57*6896A858526.6F5/26
5*4/*62/+*6*3567*66668684685 655+5864/8*5
01234516737973
1732 16 3
0123
3
 123 43 6 93099 1259 3 
09
362
97949713099
3016
1 6373 623!316 96 39
91
 
9
1 236 6 97392 49673 9
7973
1732 16 3

30195
097949713091
73"3"1 3  9
1#1
23 01$ #379
9791

394"9 4901"6962109 1
"309 94%
  301$ 72979
 9
 73"3"1 3143096719 30 11
109671
430 16
1 1  1009 13 69
210

'17179('')$ 6 379(01$9*9 0# &


+,-./0.0120324./56778-324.9,.-1/532120.72:;-.72012<3,8=.
>
96
 371290%2 100143
3?5
02919

9
3016
 9
01 3 9

16236 09 
163
?2 43@(A171
71"69
73
?2 43@A( 1 1 363 113
 3471

92 9
!3 03
 1 3
2513 9" 62369023 3
1"3

19'96 99
979*
10207971
3091 3096 629 1

11

163 1
1234567249
1

!"#2$962%76&56722""9'62()9*976'53"5'76242$97245 976+2,5$96#2&-.&2%76&56722"57
'76242395"#723+5679/096$1342425&24531*4945567839"569426&%97#23#5'9*9362
*976'53"5,:1545"459".'1*9;<;5=6"#625&15*.&,&2"#2&-.&5&>2329",42?5349
#2&-.&*976'53"5"391#72"%27#5"49172"6*45"459".'1*9;@<</A*6B"$962'9*936245
>2329":15'93"#71C19"&931&53#26"$93#23B769":15%945&24&6727D"532?6*2/

E"#7F"&931&53#26"$93#23B769"576+649"%5*2
9*9362 976+153"545>2321",172"6*/G5
"1-*63427:152%75"53(249"%76&5679"*976+153"5"39172"6*75&93#229".'1*9;@<,
42?5349%97#23#9&16#9"-72"6*5679":1545"'5345&4532#1726"45"#2?6*2,3953#23#9
2#12*&53#5%91'9"'9345'5&912""1&5&5""22"'534F3'62/
HI J
012345678
26 11
 
! "#$%&'(%)%*+,&,
)-%%*.#)
,%&,%)/0)(%1
2%+,0,,1',%&%
"3'45678

!(%'9:%
!"#0,%$%12 %1;,%*14
$%+,<&/%=+&(&%$&+$
,+,&,<0,,,+'
+,,,/1
>%"&,,=% &
%"3?,:'8
>%"2+*,%'&,*&
%,%&%,+(* ),@,(%1
7)-%%$($,-
A,%&),'0
$(%,91#
)-%0(+,(-,%%
0)(%1#,
)=,+,+(,,<+(
=)1
7,%%$++%,>#,%1B,<
%$(%,%,#,%&+,
CA,%+%)+%1
4,%$%(D,,0 
%%=E%'+,%6, 
'&,,=+A1
01234578349
42
8
944
29832 42 322

3
44 24248
432 4
8
482
3
3
8
 !"#$%&'()%*+,!%&'($'(-%#'($ (./!%0'(1(2!'*3/($ (./!%0'(4%*+5+(5/
*6&7#/(8999
:432; 4824 4
<2 4
42833=22 
824> ?23
248
48

2 25@42 44
4
83
4
8
3
23482 44
44

A4B
4
344 24 4

288
894;343
8?3 4>42  22
?
4
83
42
8
3
2348
44

A4 C
44783
4
428D8
3
4;
28D023
8E

2
44 4
73
284328>4F8
5D<2 42
84
 4 9482 E
G28



;4 288
3
4;
28D

I 482983 24 4


<2 4FJ832 4 24324 H8

.KL9MN(1(OPLLN(QP(R9L9NOK
STUTV:
DWC

24832 S 432?43 4 
<2; 4?92X
4 4
<2 4?2
24C
44783
4?I842
2; 4Y2E4 ?3
2E4
34428

4
?4 44 4U
28<83428
482
Z2 4242;

C
92 4?242[\]
^


;434 94?42^
32  24242S
3= 2
 9

2 2\___
82 428Y42<32 ?4=4848?432`___
243242^ 42?432S 43248
\___ X32

V2
2U
2 2F8
232432?
42;434 94X32
Z2 4?


\___82 428
1242[\`?2^
32  2@42 9

;434 94

3222

83 =22 S 432?E

4 328
82X28
2882 428?22 28
23
8484 3284<83a4?28
83
4 3
8 2428WD
012345689
4 9 65 494 4686454689499 89
459 68!486 899 3"6 6496 6966
#$%5 984  9
89 59&'6
6 89 4369 9( )98*4 469+9 64 499$
,-
3 646).86
3589 644 9 6565439/49 4689  9 6590
, *4 469 
46598564 5958969 88 465)656
6
6 9565/61'946 698999 659 94 989 649  9 $-
 452496 6589 (96868948 66589 9 25469 3
4 9
55899589 '36(4365895+ 4981 9 675
 9 659$
08 490$9$#
, *4 46956489 468956 646
6 9565/61864546958
'9469 88 465)69534 54 96949898999 96 6
684 9439 9 659'586  63 65856):9
4 564546
0;
9 90$<<#
, =%*4 469 69 43452 49894659=>58969 88
 465)66 6/6(46896 6 4868 6566
6 9565/61=;6 99
5 69
6).'949 
9
/4899 9/'=
0?4989 9>2
90<<$$,9#=$
1 25466
> 686% 
6
,@98993 658/49 4689 9 )6589
9 9 65965439
9346 6
3 658&6
48688*4 469$A
6866 645
43"5469
/ 654 966648688
48 65)6663 658 4:98 636
4
46 9
249$-3 658/9  &
48 99
4659656689899 39 9 6599534 6  5
9 589B  395/96 64):99(6 8$%/9  6
9 99 9& 
'46 6 56/4 4645/69 435/ 4
8 9 6589,56+966
9 9
/94&66648684584 48645:9858 89 69946
5 86
/6(4
46).668+ 46$-6 86453  6
4).86/4 46 5489 
95 2 496
358945
6489/49 4689 
446 
 9549995456 66/6 &+4  9 2 
&6
3+ 9 9 435
/ 4
89 5 63 658'43 6/4 465:945 56 6 9 46
482
659548986 4(2 6536!
9 43559(  6*4 469$
*4 469 6656 69 /6(468988 465)66 9  6
9565/689 454066
> 686% 
6#95856&
95/469 966
6866 :945
4 +69 96).
4656 86
 6$-9( 4366 6,566
 9 9689'9 4'46894689
 6+346 5 54 989959 646
986 69 9 659 6 9
59 89 460654369 6)63 4 6#$

CDEDFGHIJKLFJKMNEOKDOKPNEDQF
R59S($6$/96589'465465T6 49 '958/ 
 9588
(U/ 4
46 U'9 9' 634 66649*2
49$-'4 /4 8 

4V4659/ 9 656 94!/R( 4651525


645/95
39453T6 45T/4//9 65(
4/68
8'9 U6 $ 8(U /
5 U/465465
959'/4 9T5658/658/4 6(9

9T $9 5459( 436465469 46'9 /9 65 59 43645
19 36
/4 65T/9'9  5T4

65/9 6546

8*4 46/$
T59S658<W/U6 45T/4//T6V4

80  8 (U9 65/


T6664568T/4

453#*4 46/4 
U8'689 65
6 4
863 6 6 9'/4( 4659
459  9
658T6
954(
'9 /(34554539'/T6 9'A 546$
-' /  8 /4654653 4

6T6954589 4/
T9 5(9V6 T4// 5T/9848T4/6T4

596 659'/ 
/9T453/4(6V9  4536 U$8'/T9 5T/9T 6 89 
V4

8/ 
9/ 
T/4 /4
8 56
9T4//4 9T5
/6589548 45386/ ' 6(
964 4U $
*4 46/49548 8/'4 465'43 6586
9564956
/ 945
19 36
$RT6(9 5T4/9689(45/ 254 5> 686
% 
6T/ /T6// 845/4
8 9  4
U45
9( 4369 46'9 /9 65 59 4364519 36
$
*4 46/T6 648/68943 6&6
44/ 65(4536589'3 6
01231456011896
6132 3  6
89316 
064
82148
893 0
6018263 0626310284 1313114169403018 3 146 66 3

3361640 8 81 44 8 140863


4012319 8281433 4963
 
3
663168 0626310308
8 40442 301894 06 46
18
84298 136 081443218140613 63
893 1404284281416948
8136 4 183223 5433 6118
6 24082118140394
3  608 823
4124308 832 2680
 61
3031423 31865124308 814321814893 0680114

64141803 8 603294 0613 63 0131626310304


4118

43 428260893126810
626310
43 4213161 62414 6144164 400142406014 4814
0613 63 03 401820814821540403536 013842
6 3 4260
8 06 424 06 461016943 439
4188

8
62631030312496
6132 54 6808
61663 3  6
8931 1982484243014
44 428382
30 6314  1452431893  896 68 !482
6 6442
28810882153
32469
3 14 
626310603243
8215404 3168 3
428
" 146018263 # 1$ 688 4%

&'()*+,-,&./)0+1)+,---,&'()2+,-,3'(0.2+&,---,&456,78,9)()+0:./

+,;<=4,6>,&7?<@4,;>AB<64,6>,C?45D7
0123457185932
  199
7
 91

80 8  80 08 80


12
3
97185932

80 08
0123567891
3

0123567891
3  699353 962383

0123567891
33836

7891
3 699353 962389
320698
01234570893
5 35 0123 5712
8 5

25358355350123 570123 5
1 23254

25358350123 570123 523254

25358357835547070
0123567891
3  1 393 115362308513  

7 7  7! "!7 7358#0$

7 7  7! "!7 7 %&0$


0123567891
3  699353 962383

0123567891
3 699353 962389
32

0123567891
3
012325673289273829
 13 2

012328673289
 13 2

01232867328867328
2 0

13 2388 628
0123457185932
  199
7
 91

85932
 3
1

85932
3
3793
717155
02345678349
637
3  5 3738346

02345678349
637
3  5 3738346

02345678349
637
3  5 3738346

02345678349
637
3  5 3738346

02345678349
637
3  5 3738346

02345678349
637
3  5 3738346

02
6678349
33 45
6
5346

02
6678349
33 45
6
5346

02
6678349
33 45
6
5346

02
6678349
33 45
6
5346

02
6678349
33 45
6
5346

02
6678349
33 45
6
5346

02
6678349
33 45
6
5346

02
6678349
33 45
6
5346


171

8 0123561789
 17 157 513
7529
1
21
2199
!179191"!1
1
!9319219117#71 1#
88
9$7
% !71$21&'(191
C438138DD
1
4E7 7
 !"#$ 0%&'()*0%+,'( 9:;<=>?@>AB?BA@:
-./0 12304 5266078

7 5 0123455713589
1123
1


4780 14
5
571355
9438783

478

4389
11232751
4


4788755
9438
27514783
478
751
48 
43
7 
4817
89
1
478
7514783875
7 
48
5
943
478
751
48 
43
7 
4817
89
1
478
7514783875
7 
48
5
943
478
751
48 
43
7 
4817
89
1
478
7514783875
7 
48
5
943
478

437 
4817
89
1

4788 2
1
5875
7 
48
5
943
4783

1
5

47873
5

47873
5

47873
5
12345678
4 1

48 346  123456   36 28 6 236 2 48 234623  42 2 


48 346 2486 6 46  123456  !68 2345 8 "  4#$2 2 %&4'(42)
* 48 23+ 2, 123456   3( 8 ,32%  -23. 2,  48 2346  42
2  248 48 23+ 2,  2- 2, 123456  /32%  034548 2 
 4 42 2,  %&44(64 +)
1234566738665948:547;<=13>84667386<9523:547;<
?76354@5A:547;<=?763B47<C8:547;<
:547;<DE5432;<F
:547;<G7C856
?76354@5A:547;<=?763B47<C8:547;<
?76354@5A:547;<=?763B47<C8:547;<
?76354@5A:547;<=?763B47<C8:547;<
?76354@5A:547;<=?763B47<C8:547;<
?76354@5A:547;<=?763B47<C8:547;<
?763B47<C8:547;<
?76354@5A:547;<=?763B47<C8:547;<
?76354@5A:547;<=?763B47<C8:547;<
?76354@5A:547;<=?763B47<C8:547;<
?76354@5A:547;<=?763B47<C8:547;<
?763B47<C8:547;<
?763B47<C8:547;<
?763B47<C8:547;<
?763B47<C8:547;<
?763B47<
?763B47<
0123451689
51 6
0123451689
51 6
0123451689
51 6
0123451689
51 6
0123451689
51 6
0123451689
51 6
0123451689
51 6
0123451689
51 6
0123451689
51 6
0123451689
51 6
0123451689
51 6
0123 5  
51 60123451689
51 6
0123 5  
51 60123451689
51 6
0123 5  
51 60123451689
51 6
0123 5  
51 60123451689
51 6
0123 5  
51 60123451689
51 6
0123451689
51 6
0123 5  
51 6
0123451689
51 6
0123451689
51 6

51 6189 2

51 6189 2

51 6 3 2
35 2213922 59
51 63952213926 3
51 6

 
!"#$%&'(""$)$*"$+,"#,-,$%.
/!"#, $01$%&%,2%(",34$56,789
:!";<&'( %8"<5"*%=><"*%*",+,"#,
-,$%./-, %!";<"*%"=,<&?5"*%@,""*%
%(", ",<"*%56,81";9
0123 5  
51 6A0123451689
51 6
0123 5  
51 6A0123451689
51 6
0123 5  
51 6A0123451689
51 6
0123451689
51 6
0123451689
51 6
0123451689
51 6
0123451689
51 6
0123 5  
51 6
0123451689
51 6
0123 5  
51 60123451689
51 6
0123451689
51 6
0123451689
51 6
0123456489451
 0123 51 9451

0123456489451
 0123 51 9451

0123456489451
 0123 51 9451

0123 51 9451

0123 51 9451

0123456489451
 0123 51 9451

0123456489451
 0123 51 9451

0123 51 9451

0123456489451
 0123 51 9451

0123456489451

0123 51 9451

0123 51 9451

0123 51 9451

0123 51 9451

0123 51 9451

0123 51 9451

0123456489451
 0123 51 9451

0123456489451
 0123 51 9451

0123456489451
 0123 51 9451

0123 51 9451

0123 51 9451

0123 51 9451

0123 51 9451

0123 51 9451

0123456489451

0123456489451

0123456489451

0123456489451

0123 51 9451

0123 51 9451

0123456489451
 0123 51 9451

0123456489451
 0123 51 9451

0123456489451
 0123 51 9451

0123456489451
 0123 51 9451

0123456489451
 0123 51 9451

354221322459451
 3522132 439451


171

8 0123561789
 17 157 513
7529
1
21
2199
!179191"!1
1
!9319219117#71 1#
88
9$7
% !71$21&'(191
Create account or Sign in

Loriga | LORIGA - PORTUGAL Search this site

Home Pages Gallery

Others sites about the


Loriga town of Loriga | Outros
sites sobre a vila de
Loriga
Concise history of Loriga | História concisa de Loriga More about the history of
Loriga / Mais sobre a
história de Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
More information about
Loriga and photos | Mais
informação sobre Loriga e
fotos
Loriga videos
Loriga videos
Loriga videos
[Loriga coat of arms and logos.]

History of Loriga – Excerpts from the work of the historian António


Conde, “Concise History of the town of Loriga – From the Origins to the
extinction of the municipality” | História de Loriga – Extratos da obra do
historiador António Conde, “História concisa da vila de Loriga – Das
origens à extinção do município”

Loriga is an ancient, beautiful and historical portuguese town, located in the Serra da
Estrela mountains.
Known as Lobriga by the Lusitanians and Lorica by the Romans, it is more than 2600 years
old.
Notable people from Loriga include Viriathus ( known as Viriato in Portuguese ), a famous
Lusitanian leader and portuguese national hero.
Loriga as enormous touristics potentialities and they are the only ski resort and ski trails
existing in Portugal ( Loriga is the Lusian Capital and the capital of the snow in Portugal ).
Loriga is a town in Portugal located in Guarda District. Loriga is 20 km away from Seia,
40 km away from Viseu, 80 km away from Guarda and 320 km from Lisbon. It is nestled in
the Serra da Estrela mountain range. The population is 789 (2015 estimate).
It is known as the "Portuguese Switzerland" due to its landscape: a town surrounded by
mountains.
Known to be settled by the Lusitanians, the town is more than 2600 years old and was part
of the Roman province of Lusitania. It was known as Lobriga by the Lusitanians and Lorica
by the Romans.
Loriga became a textile manufacturing center in the begin-19th century. While that
industry has since dissipated, today the town attracts a sizable tourist trade due to its
picturesque scenery and vicinity to the Loriga Ski Resort, the only ski center in Portugal,
totally inside the town limits.

História de Loriga – Extratos da obra do historiador António Conde, “História concisa da vila
de Loriga – Das origens à extinção do município” / History of Loriga – Excerpts from the
work of the historian António Conde, “Concise History of the town of Loriga – From the
Origins to the extinction of the municipality”

[The spectacular landscape of Loriga.]

Coordinates: 40°19 13.69 N 7°39 58.15 W/40.3204694°N 7.6661528°W/40.3204694;


-7.6661528
Civil Parish (Vila) / Vila – Town in portuguese
The valley parish of Loriga in the shadow of the Serra da Estrela /
Official name: Loriga
Country – Portugal
Region – Centro, Beira Interior, Portugal
Subregion – Loriga – Serra da Estrela
District – Guarda
Municipality – Seia
Localities – Fontão, Loriga
Landmark – Torre (Serra da Estrela)
Rivers – Ribeira de São Bento, Ribeira de Loriga
Center Loriga – elevation 1,293 m (4,242 ft) – coordinates 40°19 13.69 N
7°39 58.15 W / 40.3204694°N 7.6661528°W / 40.3204694; -7.6661528
Length 4.21 km (3 mi), Northwest-Southeast
Width 13.78 km (9 mi), Southwest-Northeast
Area 36.25 km² (14 sq mi)
Population 1,367 (2005) /
Density 37.71 / km² (98 / sq mi)
LAU – Vila/Junta Freguesia – location – Largo da Fonte do Mouro, Loriga
Timezone – WET (UTC0) – summer (DST)WEST (UTC+1)
ISO 3166-2 codePT-
Postal Zone – 6270-073 Loriga
Area Code & Prefix(+351) 238 ′′′ ′′′
Demonym – Loriguense or Loricense
Patron Saint – Santa Maria Maior
Parish Address – Largo da Fonte do Mouro - 1019 - 6270-073 Loriga

( Statistics from INE (2001); geographic detail from Instituto Geográfico


Português

Loriga (Portuguese pronunciation: ([loriga]) is a town (Portuguese:


vila) in south-central part of the municipality of Seia, in central Portugal. Part of the district
of Guarda, it is 20 km away from Seia, 40 km away from Viseu, 80 km away from Guarda
and 320 km from Lisbon, nestled in the Serra da Estrela mountain range. In 2005,
estimates have the resident population at about 1367 inhabitants, in an area of 36.25 km²
that includes the two localities, the town of Loriga and village of Fontão.
[Lusitanian Warriors. Loriga prides itself on its ancient Celtic and Lusitanian past, and the
very ancient tradition of being the birthplace of Viriathus.]

History
Loriga was founded originally along a column between ravines where today the historic
centre exists. The site was ostensibly selected more than 2600 years ago, owing to its
defensibility, the abundance of potable water and asturelands, and lowlands that provided
conditions to practice both hunting and gathering/agriculture.
[Roman legionary soldier wearing Lorica / Loriga armor, origin of the name of the town,
origin of the Loricense / Loriguense gentliche and the main and essential part of the coat of
arms of the town. Loriga prides itself on its millennial name, a rare case of a name that has
remained virtually unchanged for over two thousand years.]

When the Romans arrived in the region, the settlement was concentrated into two areas.
The larger, older and principal agglomeration was situated in the area of the main church
and Rua de Viriato, fortified with a wall and palisade. The second group, in the Bairro de
São Ginês, were some small homes constructed on the rocky promintory, which were later
appropriated by the Visigoths in order to construct a chapel. The 1st century Roman road
and two bridges (the second was destroyed in the 17th century after flooding) connected
the outpost of Lorica to the rest of their Lusitanian province. The barrio of São Ginês (São
Gens), a local ex-libris, is the location of the chapel of Nossa Senhora do Carmo, an ancient
Visigothic chapel. São Gens, a Celtic saint, martyred in Arles on Gália, during the reign of
Emperor Diocletian, and over time the locals began to refer to this saint as São Ginês, due
to its easy of pronunciation.

Middle Ages
Loriga was the municipal seat since the 12th century, receiving forals in 1136 (João Rhânia,
master of the Terras de Loriga for over two decades, during the reign of Afonso Henriques),
1249 (during the reign of Afonso III), 1474 (under King Afonso V) and finally in 1514 (by
King Manuel I).
Loriga was an ecclesiastical parish of the vicarage of the Royal Padroado and
its Matriz Church was ordered constructed in 1233, by King Sancho II. This
church, was to the invokation of Santa Maria Maior, and constructed over the
ancient small Visigothic chapel (there is a lateral block with Visigoth
inscriptions visible). Constructed in the Romanesque-style it consists of a
three-nave building, with hints of the Sé Velha of Coimbra. This structure was
destroyed during the 1755 earthquake, and only portions of the lateral walls
were preserved.
LORICA - LUSITANIA --- LORIGA - PORTUGAL --- Land of VIRIATHUS

The 1755 earthquake resulted in significant damage to the town of Loriga, destroying
homes and the parcochial residence, in addition to opening-up cracks and faults in the
town’s larger buildings, such as the historic municipal council hall (constructed in the 13th
century). An emissary of the Marquess of Pombal actually visited Loriga to evaluate the
damage (something that did not happen in other mountainous parishes, even Covilhã) and
provide support.

The residents of Loriga supported the Absolutionist forces of the Infante Miguel
of Portugal against the Liberals, during the Portuguese Liberal Wars, which
resulted in Loriga being abandoned politically after Miguel’s explusion by his
brother King Peter. In 1855, as a consequence of its support, it was stripped
of municipal status during the municipal reforms of the 19th century. At the
time of its municipal demise (October 1855), the municipality of Loriga included
the parishes of Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes da Beira, Teixeira, Valezim and
Vide, as well as thirty other disincorporated villages.

[The so-called industrial revolution arrived in Loriga in the early nineteenth century,
transporting to the modern era a woolen handicraft activity that had existed in this town
for more than 500 years. Loriga is proud of its centenary woolen industry and therefore the
hydraulic wheel is one of the fundamental parts of its coat of arms.]

Loriga was an industrial centre for textile manufacturing during the 19th
century. It was one of the few industrialized centres in the Beira Interior
region, even supplanting Seia until the middle of the 20th century. Only
Covilhã out-preformed Loriga in terms of businesses operating from its lands;
companies such as Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão &
Irmãos, Augusto Luís Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura Cabral and Lorimalhas, among
others. The main roadway in Loriga, Avenida Augusto Luís Mendes, is named for one of the
towns most illustrious industrialists. The wool industry started to decline during the last
decades of the 20th century, a factor that aggravated and accelerated the decline of the
region.
[Map and coats of localities that belong to the region and old municipality of Loriga.]

[Historic center of the town on the hill between the two streams where the village was
founded more than 2600 years ago.]

Geography
Known locally as the “Portuguese Switzerland” due to its landscape that includes a
principal settlement nestled in the mountains of the Serra da Estrela Natural Park. It is
located in the south-central part of the municipality of Seia,
along the southeast part of the Serra, between several ravines, but specifically
the Ribeira de São Bento and Ribeira de Loriga; it is 20 kilometres from Seia, 80 kilometres
from Guarda and 300 kilometres from the national capital (Lisbon). A main town is
accessible by the national roadway E.N. 231, that connects directly to the region of the
Serra da Estrela by way of E.N.338 (which was completed in 2006), or through the E.N.339,
a 9.2 kilometre access that transits some of the main elevations (960 metres near Portela
do Arão or Portela de Loriga, and 1650 metres around the Lagoa Comprida).
The region is carved by U-shaped glacial valleys, modelled by the movement of
ancient glaciers. The main valley, Vale de Loriga was carved by longitudanal
abrasion that also created rounded pockets, where the glacial resistance was
minor. Starting at an altitude of 1991 metres along the Serra da Estrela the
valley descends abruptly until 290 metres above sea level (around Vide), passing villages
such as Cabeça, Casal do Rei and Muro. The central town, Loriga, is seven kilometres from
Torre (the highest point), but the parish is sculpted by cliffs, alluvial plains and glacial
lakes deposited during millennia of glacial erosion, and surrounded by rare ancient forest
that surrounded the lateral flanks of these glaciers.

Economy
Textiles are the principal local export; Loriga was a hub the textile and wool industries
during the 19th century, in addition to being subsistence agriculture responsible for the
cultivation of corn. The Loriguense economy is based on metallurgical industries, bread-
making, commercial shops, restaurants and agricultural support services.

While that textile industry has since dissipated, the town began to attract a
tourist trade due to its proximity to the Serra da Estrela and Vodafone Ski
Resort (the only ski center in Portugal), which was constructed within the
parish limits.

[ By the historian António Conde ]


40º 19 N 7º 41’O
* Gentílico – Loricense ou loriguense
* Área – 36,52 km²
* Densidade – 37,51 hab./km² (2005)
* Orago – Santa Maria Maior
* Código postal – 6270
* Apelidada de “Suíça Portuguesa”, é a vila mais alta de Portugal.

Loriga é uma vila e freguesia portuguesa do distrito da Guarda. Tem


36,52 km² de área, e densidade populacional de 37,51 hab/km² (2005). Tem
uma povoação anexa, o Fontão.

[A bela aldeia de xisto de Fontão de Loriga, fundada no século ′VI.]

Loriga encontra-se a 80km da Guarda e 300km de Lisboa. A vila é directamente acessível


pela EN 231, e indirectamente pela EN338, e tem acesso directo à Torre, pela referida
EN338, estrada concluída em 2006, seguindo um traçado pré-existente e pré-projectado
mais de quarenta anos antes, com um percurso de 9,2 km de paisagens deslumbrantes,
entre as cotas 960m (Portela de Loriga, também conhecida por Portela do Arão) e 1650m,
acima
da Lagoa Comprida.
[Pormenor noturno do centro histórico da vila, na colina entre as ribeiras de Loriga e de São
Bento, onde a povoação foi fundada há mais de 2600 anos. Esta foto ajuda a explicar a
escolha deste local para fundar a povoação que, até á conquista romana, esteve fortificada
com muros e paliçadas]

É conhecida há décadas como a “Suíça Portuguesa” devido à sua


extraordinária paisagem e localização geográfica. Está situada entre os 770m de altitude,
na sua parte urbana mais baixa, e os cerca de 1200m rodeada por montanhas, das quais se
destacam a Penha dos Abutres (1828m de altitude) e a Penha do Gato (1771m), e é
abraçada por dois cursos de água: a Ribeira de Loriga e a Ribeira de S.Bento, que se unem
depois da E.T.A.R.. A Ribeira de Loriga é um dos maiores afluentes do Rio Alva que por sua
vez desagua no Rio Mondego. A montante da vila, a Ribeira de Loriga recebe também o
Ribeiro da Nave, um afluente que tem um curso extraordinário e passa por uma das zonas
mais belas do Vale de Loriga, incluíndo os famosos Bicarões, cascatas a alta altitude junto
das quais se encontra uma conhecida quinta. A bela, famosa e premiada praia fluvial da
Ribeira de Loriga encontra-se num dos lugares mais espetaculares do vale de Loriga, no
local conhecido há séculos por Chão da Ribeira.
[A bela e sempre premiada praia fluvial da vila de Loriga. Esta praia na Ribeira de Loriga
está situada num dos locais mais belos do Vale de Loriga, no lugar conhecido há séculos por
Chão da Ribeira.]
A vila está dotada de uma ampla gama de infrastrutras físicas e culturais, que abrangem
todas as àreas e todos os grupos etários, das quais se destacam, por exemplo, o Grupo
Desportivo Loriguense, fundado em 1934, a Sociedade Recreativa e Musical Loriguense,
fundada em 1905, os Bombeiros Voluntários de Loriga, criados em 1982, cujos serviços se
desenvolvem na àrea equivalente á fase inicial do antigo concelho de Loriga, a Casa de
Repouso Nª. Srª. da Guia, uma das últimas obras sociais de relevo, e a Escola C+S Dr. Reis
Leitão.
Ao longo do ano celebram-se de maneira especial o Natal, a Páscoa (com a
Amenta das Almas) e festas em honra de Santo. António (durante o mês Junho) e São
Sebastião (durante o mês de Julho), com as respectivas mordomias e procissões. Porém, o
ponto mais alto das festividades religiosas é a festa dedicada à padroeira dos emigrantes
loricenses, Nossa Senhora da Guia, que se realiza todos os anos, no primeiro Domingo de
Agosto. No segundo Domingo, tem lugar a festa em honra de Nª. Srª. da Ajuda, no Fontão
de Loriga.

[Pormenor do centro histórico da vila, na colina entre as ribeiras de Loriga e de São Bento,
onde a povoação foi fundada há mais de 2600 anos. Esta foto ajuda a explicar a escolha
óbvia deste local para fundar a povoação que, até á conquista romana, esteve fortificada
com muros e paliçadas]

Breve história
Fundada originalmente no alto de uma colina entre ribeiras onde hoje existe o centro
histórico da vila. O local foi escolhido há mais de dois mil e seiscentos anos devido à
facilidade de defesa (uma colina entre ribeiras), à abundância de água e de pastos, bem
como ao facto de a as terras mais baixas providenciarem alguma caça e condições mínimas
para a prática da agricultura. Desta forma estavam garantidas as condições mínimas de
sobrevivência para uma população e povoação com alguma importância.
[Guerreiros Lusitanos. Loriga orgulha-se do antigo passado celta e lusitano, e orgulha-se da
muito antiga tradição de ser o berço de Viriato.]

[Uma sepultura antropomórfica que durante muitos séculos esteve coberta de terra e de
mato. Quando foi “descoberta” no século ′IV os loriguenses chamaram-lhe Caixão da
Moura, julgando erradamente tratar-se de um vestigio dos mouros. Um nome que se
mantem.]

O nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus


habitantes nos Hermínios (actual Serra da Estrela) na resistência lusitana, o que levou os
romanos a porem-lhe o nome de Lorica (antiga couraça guerreira), de que derivou Loriga,
palavra que tem o mesmo significado. Os Hermínios eram o coração e a maior fortaleza da
Lusitânia. Fosse qual fosse o motivo é um facto que os romanos lhe deram o nome de
Lorica, e deste nome derivou Loriga (derivação iniciada pelos Visigodos) e que tem o
mesmo significado.

[Soldado legionário romano usando a armadura Lorica / Loriga, origem do nome da vila,
origem do gentílico Loricense / Loriguense e a peça principal e imprescindível do brasão da
vila. Loriga orgulha-se do seu nome milenar, um caso raro de um nome que se mantem
praticamente inalterado há mais de dois mil anos.]

É um caso raro, em Portugal, de um nome que se mantem praticamente inalterado há mais


de dois mil anos, e tal facto contribui para que a Lorica seja a peça principal do brasão da
vila. O brasão antigo da vila era constituído por uma couraça e uma estrela com sete pontas
em ouro, sendo que o escudo era de azul escuro.

Situada na parte Sudoeste da Serra da Estrela, a sua beleza paisagística é o principal


atractivo de referência. Os socalcos e sua complexa rede de irrigação são um dos grandes
ex-libris de Loriga, uma obra gigantesca construída pelos loricenses ao longo de muitas
centenas de anos e que transformou um vale belo mas rochoso num vale fértil. É uma obra
que ainda hoje marca a paisagem do belíssimo Vale de Loriga, fazendo parte do património
histórico da vila e é demonstrativa do génio dos seus habitantes.

Em termos de património histórico, destacam-se também a ponte e a estrada romanas


(século I a.C.), uma sepultura antropomórfica (século VI a.C.), a Igreja Matriz (século
′III,reconstruída), o Pelourinho (século ′III, reconstruído), o Bairro de São Ginês (São
Gens) com origem anterior à chegada dos romanos e a Rua de Viriato. A Rua da Oliveira,
pela sua peculiaridade, situada na área mais antiga do centro histórico da vila, recorda
algumas das características urbanas da época medieval. A estrada romana e uma das duas
pontes (a outra ruiu no século ′VI após uma grande cheia na Ribeira de S. Bento), com as
quais os romanos ligaram Lorica, na Lusitânia, ao restante império, merecem destaque.
[Troço da estrada romana, na área que por isso ficou conhecida por Calçadas]

[Ponte romana sobre a Ribeira de Loriga.]

A tradição local e diversos antigos documentos apontam Loriga como berço de Viriato, e no
início do século ′′ existiu mesmo um movimento loricense para lhe erigir um estátua na
vila, e que infelizmente não chegou a concretizar-se. O documento mais conhecido, embora
não seja o mais antigo, que fala de Loriga como sendo terra-natal de Viriato, é o livro
manuscrito História da Lusitânia, escrito pelo Bispo Mor do Reino em 1580. A actual Rua de
Viriato, na parte mais antiga do centro histórico da vila, já tinha esse nome no século ′II. A
Rua de Viriato, no troço compreendido entre as antigas sedes do G.D.L. e da Casa do Povo,
corresponde exatamente a parte da linha defensiva da antiga povoação lusitana.
[Vestígios medievais de uma casa senhorial entretanto alterada, mas na qual ainda se
destaca a varanda.]

O Bairro de São Ginês (São Gens) é um ex-libris de Loriga e nele destaca-se a capela de
Nossa Senhora do Carmo, antiga ermida visigótica precisamente dedicada àquele santo ao
qual os loricenses passaram a chamar São Ginês, talvez por este nome ser mais fácil de
pronunciar (aliás não existe nenhum santo com o nome Ginês). Os loricenses esqueceram o
culto deste santo, puseram-lhe a alcunha de Ginês (em Loriga as alcunhas eram correntes),
deixaram arruinar a ermida e depois reconstruiram-na com o atual orago de Nossa Senhora
do Carmo. A última reconstrução é do início do século ′′, como aliás indica a data colocada
na fachada, o que induz em erro os visitantes sobre a antiguidade deste local de culto.
Quando os romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos.
O maior, mais antigo e principal, situava-se na área onde hoje existem a Igreja Matriz e
parte da Rua de Viriato e estava fortificado com muralhas e paliçada. No local do actual
Bairro de São Ginês (São Gens) existiam já algumas habitações encostadas ao promontório
rochoso, em cima do qual os Visigodos construíram mais tarde a referida ermida dedicada
àquele santo.
Loriga era uma paróquia criada pelos visigodos, pertencente à Diocese de Egitânia, e no
início da nacionalidade à Vigariaria do Padroado Real, e a Igreja Matriz foi mandada
construir em 1233 pelo rei D. Sancho II. Esta igreja, cujo orago era já o de Santa Maria
Maior e que se mantém, foi construída no local de outro antigo e pequeno templo visigótico
também dedicado a Nossa Senhora, do qual foi aproveitada uma pedra com inscrições
visigóticas, que está colocada na porta lateral virada para o adro, e onde foi gravada a data
da construção. De estilo românico, com três naves, e traça exterior lembrando a Sé Velha
de Coimbra, esta igreja foi destruída pelo sismo de 1755, dela restando apenas partes de
alvenaria e das paredes laterais.
[Um fontanário exibindo uma data do início do século ′III, e a praça do município datada
do mesmo século na qual se pode ver parte do antigo edifício da câmara municipal,
entretanto alterado e adaptado a residência particular. Infelizmente o pelourinho do século
′III foi demolido e o que se vê na imagem é uma reconstrução.]

O sismo de 1755 provocou enormes estragos na vila, tendo arruinado também a residência
paroquial e aberto algumas fendas nas robustas e espessas paredes do edifício da Câmara
Municipal construído no século ′III. Um emissário do Marquês de Pombal esteve em Loriga
a avaliar os estragos mas, ao contrário do que aconteceu com a Covilhã (outra localidade
serrana muito afectada), não chegou do governo de Lisboa qualquer auxílio.
[Algumas das antigas instalações industriais de Loriga. A chamada revolução industrial
chegou a Loriga no início do século ′I′, transportando para a era moderna uma atividade
artesanal de lanifícios que já existia nesta vila há mais de 500 anos. Loriga orgulha-se da
sua centenária indústria de lanifícios, e portanto a roda hidráulica é uma das peças
fundamentais do brasão desta vila.]

Loriga é uma vila industrial (têxtil) desde o início do século ′I′, no entanto esta atividade
já existia há séculos na vila em moldes artesanais, existindo referências pelo menos desde
o século ′IV. Chegou a ser uma das localidades mais industrializadas da Beira Interior, e a
actual sede de concelho só conseguiu suplantá-la já quase em meados do século ′′.
Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga no número de empresas. Nomes de
empresas, tais como: Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão &
Irmãos,Augusto Luis Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura Cabral, Lorimalhas, etc,fazem
parte da rica história industrial desta vila. A principal e maior avenida de Loriga tem o nome
de Augusto Luís Mendes, o mais destacado dos antigos industriais loricenses. Apesar de,
por exemplo, dos maus acessos que se resumiam à velhinha estrada romana de Lorica, com
dois mil anos, o facto é que os loriguenses transformaram Loriga numa vila industrial
progressiva, o que confirma o seu génio.

Mas, Loriga acabou por ser derrotada por um inimigo político e administrativo, local e
nacional, contra o qual teve que lutar desde o século ′I′.
A história da vila de Loriga é, aliás, um exemplo das consequências que os confrontos de
uma guerra civil podem ter no futuro de uma localidade e de uma região.
Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século ′II, tendo recebido forais em
1136 ( João Rhânia, senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas décadas, no
reinado de D.Afonso Henriques ), 1249 ( D.Afonso III ), 1474 ( D.Afonso V ) e 1514 (
D.Manuel I ), mas, por ter apoiado os chamados Absolutistas contra os Liberais na guerra
civil portuguesa, teve o castigo de deixar de ser sede de concelho em 1855. A conspiração
movida por desejos expansionistas da localidade que beneficiou com o facto, precipitou os
acontecimentos. Tratou-se de um grave erro político e administrativo como se confirma
pela situação desastrosa em que se encontra a vila e região envolvente; foi, no mínimo, um
caso de injusta vingança política, numa época em que não existia democracia e reinavam o
compadrio e a corrupção e assim, começou o declínio de toda a região de Loriga (antigo
concelho de Loriga). No entanto nada mudou desde o século ′I′ em relação á atuação dos
politicos, como o confirma a “reorganização” das freguesias efetuada em 2013, na qual
cometeram os mesmos erros.
[Mapas e brasões das freguesias atualmente existentes na área do antigo concelho de
Loriga]

A área onde existem as actuais freguesias de Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes da Beira,
Teixeira, Valezim, Vide, e as mais de trinta povoações anexas, pertenceu ao Município
Loricense. A vila de Loriga situa-se a vinte quilómetros da actual sede de concelho e
algumas freguesias da sua região, situam-se a uma distância muito maior.

A Região de Loriga, área do antigo Município Loricense, constitui também a Associação de


Freguesias da Serra da Estrela, com sede na vila de Loriga. Loriga e a sua região possuem
enormes potencialidades turísticas e as únicas pistas e estância de esqui existentes em
Portugal estão localizadas na área da freguesia da vila de Loriga.
Se nada de verdadeiramente eficaz for feito, começando pela vila de Loriga, esta região
estará desertificada dentro de poucas décadas, o que, tal como em relação a outras
relevantes terras históricas do interior do país, será com certeza considerado como uma
vergonha nacional. Confirmaria também a óbvia existência de graves e sucessivos erros nas
políticas de coesão, administração e ordenamento do território. Para evitar tal situação,
vergonhosa para o país, é necessário no mínimo por em prática o que já é reconhecido no
papel: desenvolver a vila de Loriga, pólo e centro da região.
[Os três monumentais fontanários erigidos pela Colónia Loriguense de Manaus, Brasil. De
sublinhar que a presença dos primeiros loriguenses no Brasil remonta ao século ′VI,
havendo portanto muitos brasileiros que descendem de naturais desta vila, no entanto
atualmente poucos conhecem ou assumem essa ascendência.]

A rua da Oliveira é uma rua situada no centro histórico da vila. A sua escadaria tem cerca
de 100 degraus em granito, o que lhe dá características peculiares. Esta rua recorda muitas
das características urbanas medievais do centro histórico da vila de Loriga.

O bairro de São Ginês é um bairro do centro histórico de Loriga cujas caracteristicas o


tornam num dos bairros mais conhecidos e típicos da vila. As melhores festas de São João
eram feitas aqui. Como já referido é curioso o facto de este bairro do centro histórico da
vila dever o nome a São Gens, um santo de origem céltica matirizado em Arles, na Gália, no
tempo do imperador Diocleciano, orago de uma ermida visigótica situada na área, atual
capela de Nossa Senhora do Carmo.
Com o passar dos séculos os loricenses mudaram o nome do santo para São Ginês, talvez
por ser mais fácil de pronunciar. Este núcleo da povoação, que já esteve separado do
principal e mais antigo, situado mais abaixo, é anterior à chegada dos romanos.

[Loriga celebrou acordo de geminação com a vila, actual cidade de Sacavém, no concelho
de Loures, em 1 de Junho de 1996.]
A paróquia e a Igreja Matriz de Loriga
Sabe-se que Loriga é uma povoação que tem mais de dois mil e seiscentos anos de
existência no exato local onde existe o centro histórico da vila, uma colina entre ribeiras,
defensável e perto de duas abundantes linhas de água. E a propósito do acesso à água, os
habitantes desta plurimilenar povoação tinham ainda disponível uma nascente, hoje
conhecida por Fonte do Vale, e que sabe-se foi também bastante valorizada mais tarde nas
épocas romana e medieval. Sabe-se que nessa época a povoação estendia-se desde
aproximadamente o local onde existe a convergência de três ruas, e a área onde hoje está o
centro de dia da ALATI. A povoação era defendida por muros e paliçadas e sabe-se que a
atual Rua de Viriato, no troço entre a antiga sede do GDL e a antiga Casa do Povo, coincide
exatamente com uma parte dessa linha defensiva da povoação. O local onde hoje existem o
adro e a igreja era o ponto central dessa povoação, e assim iria permanecer durante muitos
séculos. É portanto completamente natural que com a cristianização da população e com a
chegada dos Visigodos este local fosse eleito para construir o primeiro templo cristão da
então Lorica.

[Aparência atual da antiga ermida visigótica de São Gens, como resultado da última
reconstrução efetuada na data indicada na fachada. Infelizmente os visitantes são
enganados pela aparência moderna e pela referida data porque nada no local informa sobre
a antiguidade deste local de culto.]

Sabe-se que os Visigodos construiram pelo menos dois templos em Lorica, e digo pelo
menos porque encontrei indícios, que não consegui confirmar da existência de mais uma
ermida além daquela que construíram onde hoje está a capela de Nossa Senhora do Carmo
e que era dedicada a S. Gens. A dada altura cheguei a pensar tratar-se da ermida de S.
Bento, a tal que deu nome à area e à ribeira mas essa, embora confirmadamente já
existisse no século ′II não é anterior ao século ′. Certo é que os visigodos construíram a
ermida de S. Gens, e na época era mesmo uma ermida porque aquele local ficava fora da
povoação então existente, e quanto à escolha daquele local não é de excluir a hipótese de
ser um antigo local de culto pagão, dadas as suas caraterísticas. Dada a religiosidade dos
loriguenses, é no mínimo estranho que uma devoção tão antiga a um santo tenha sido
completamente abandonada, que tenham deixado cair em ruínas a sua ermida e depois a
tenham recuperado mas com outro orago. Não consegui encontrar uma explicação, e como
se isso não bastasse e para completar o “anátema” a que os loriguenses condenaram o
santo, mudaram-lhe também o nome de São Gens para São Ginês, um santo que nunca
existiu. Mas o pormenor da mudança de nome pode ser facilmente explicado pela passagem
dos séculos, pelo isolamento e pela “adaptação linguística” que tende a inclinar-se para as
formas mais fáceis, e Loriga também é conhecida pelas suas “singularidades linguísticas” e
pelo uso massivo de alcunhas.

[A igreja matriz de Loriga após o último restauro, vendo-se a porta com a pedra
aproveitada do antigo templo visigótico onde foi gravada a data da construção. Até pela
aparência das paredes notam-se os efeitos da reconstrução e das várias alterações
efetuadas ao longo dos séculos, e as diferenças entre a alvenaria mais antiga e a mais
recente.]

Também é certo que os visigodos construíram um templo dedicado a Nossa Senhora no


exato local onde hoje existe a Igreja Matriz, tratando-se de uma pequena capela cujas
dimensões não andariam longe das que tem a ermida de Nossa Senhora da Guia. Sabe-se
também que na época visigótica Loriga tinha o estatuto de paróquia, que dependia do bispo
de Egitânia ( atual Idanha a Velha ), e que a paróquia abrangia uma área aproximadamente
equivalente ao antigo concelho loricense na sua fase maior, que foi atingida em meados do
século ′I′. Obviamente foi impossível saber com exatidão a área da paróquia na época
visigótica mas fiquei surpreendido com a descoberta da mesma e com a existência de
algumas localidades em redor de Loriga, que ainda existem e das quais apenas duas
atingiram o estatuto de freguesias. Nestas andanças da pesquisa histórica há muito tempo
que aprendi que até algumas aldeias mais pequenas que alguns consideram insignificantes
podem de facto esconder uma história milenar. Em sentido contrário existem localidades
que hoje têm alguma importância e cujos naturais se esforçam por inventar um longo
passado que nunca existiu. Portanto, os tais “casais” referidos nos “pergaminhos”, cujos
habitantes iam à igreja de Lorica ouvir missa, já têm uma longa história que nunca foi
registada, e infelizmente uma dessas localidades foi recentemente e injustamente
amputada do seu estatuto de freguesia. E digo igreja de Lorica porque o uso da atual versão
do nome romano, ou seja Loriga, só se consolidou definitivamente na primeira metade do
século ′III. No início da nacionalidade, a consolidação, a administração do território e a
necessária fixação das populações implicava a atribuição de forais mas também a criação
de condições para a prática do culto, e é por isso frequente ao longo da história a
construção de igrejas por iniciativa real. E a esse propósito os reis mandavam construir
igrejas em povoações que já eram sede de município ou em povoações que seriam elevadas
a essa condição, tudo para ajudar a fixar as populações, e outras medidas eram tomadas
nesse sentido, e por exemplo muitos castelos foram feitos também com esse objetivo. O
pormenor a considerar é que o estatuto de município andava sempre a par com o estatuto
de paróquia, portanto as localidades que tinham igrejas eram geralmente sedes de
concelho, e seria certo se a igreja fosse mandada construir pelo rei. Sabe-se que a Igreja de
Loriga foi mandada construir pelo rei D. Sancho II em cima da construção do já referido
pequeno templo visigótico do qual foi aproveitada a pedra onde foi gravada a data da
construção, o ano de 1233. Assim, essa pedra colocada por cima de uma das portas laterais
virada para o adro, na igreja atual confirma a sua longa existência, correspondendo à data
da decisão da construção. A decisão real nesse sentido deve-se principalmente ao facto de
Loriga pertencer à Vigariaria do Padroado Real. A Igreja foi dedicada desde logo a Santa
Maria Maior, um orago que se mantem, sendo um templo românico cuja traça e fachada
principal fazia lembrar a Sé Velha de Coimbra, embora obviamente sem a monumentalidade
desta.
A
igreja tinha três naves e as dimensões eram próximas das atuais, mas para além disso a
atual igreja nada tem a ver com a antiga e o que vemos ali é fruto de várias reconstruções e
alterações, sendo que as mais radicais foram consequência do sismo de 1755. Já muita
gente se interrogou sobre o porquê das graves consequências do sismo de 1755 em Loriga,
e por isso ficam aqui algumas explicações. Em primeiro lugar, Loriga está situada num local
geologicamente sensível, num sítio de transição entre dois blocos rochosos diferentes, de
um lado o granito e do outro o xisto, facto que é suficiente para provocar grande agitação
em caso de sismo. Além disso, e para piorar a situação, a colina entre ribeiras não é muito
sólida porque foi criada com depósitos arrastados pelo antigo glaciar que rasgou o Vale de
Loriga, e por tudo isso é que as consequências do sismo foram tão graves na vila de Loriga.
De sublinhar que os estragos não se limitaram à Igreja Matriz e o terramoto, além dos
estragos provocados em muitas habitações, provocou o desabamento de uma das paredes
da residência paroquial e abriu fendas no robusto edifício da Câmara Municipal, construído
no século ′III, e cujas paredes do rés do chão onde funcionava a cadeia, tinham uma
espessura de quase dois metros. Os loricenses tiveram que lidar com todos os estragos e
não receberam qualquer ajuda externa, apesar de o próprio Marquês de Pombal ter sido
informado da grave situação. Felizmente não houve, ou pelo menos não há registos de
mortos nem feridos graves na vila. Após o sismo que provocou a ruína praticamente
completa, a igreja foi reconstruída com estilo barroco, mas podem ser sublinhadas outras
alterações, algumas das quais nada tiveram a ver com esta reconstrução. Por exemplo,
foram acrescentadas duas capelas uma de cada lado da capela-mor, uma das quais foi
depois transformada em capela-sacristia e finalmente em apenas sacristia, e ao lado desta
foi acrescentada outra capela. A escadaria e a porta exteriores que dão acesso ao coro
também não existiam e o acesso aos sinos era feito pelo interior da igreja, sendo que estas
últimas alterações foram feitas como consequência do sismo.
Com o tempo foram feitas alterações e restauros por vezes de forma desastrosa por quem
não tinha qualquer sensibilidade para a preservação do património e por isso a atual igreja,
embora bela não é tão bonita nem é tão valiosa quanto seria sem essas más intervenções.
No século seguinte ao do sismo, em Setembro de 1882, novamente se fez sentir no centro
do país um tremor de terra e, por conseguinte também muito sentido em Loriga, o qual
pareceu, em principio, não ter grande gravidade. Só que as consequências viriam mais
tarde, quando todos pareciam já ter esquecido. Em Novembro seguinte, e quando era
celebrada a missa, estalou a viga mestra da igreja tendo, de imediato, sido efetuada a
desocupação do templo e retirando algumas imagens e outros artigos. Só no fim do dia
aconteceu o desabamento quase completo da cobertura ficando apenas de pé a torre, a
capela-mor e as paredes laterais. Dois anos depois foram terminados os trabalhos da
reconstrução da igreja que, tal como acontecera após o sismo de 1755, foi feita pela
população local, toda unida, e foi esta última reconstrução que chegou aos tempos atuais
embora, conforme já foi referido, com alguns “restauros” que a empobreceram.
[Centro histórico da vila, na colina entre as duas ribeiras onde foi fundada a povoação há
mais de 2600 anos.]

[A Lorica/Loriga é a origem do nome da povoação, e é também a origem do gentílico


Loricense/Loriguense, e da principal e insubstituível peça do brasão da vila.]

Vias romanas em Portugal – Vestígios Romanos Georeferenciados em


Loriga
O nome Lorica aparece como sendo da época romana num documento medieval visigótico
com referências à zona. Foi aliás na época visigótica que a “versão” Loriga começou a
substituir o nome latino Lorica que vinha da época romana, mas o nome original dado pelos
romanos só caiu totalmente em desuso durante a primeira metade do século ′III.

Depois, aparece novamente em documentos dos séculos ′, ′I, ′II e ′III, principalmente
em documentos do século ′II, inclusive quando se fala de limites territoriais, onde até a
actual Portela do Arão é referida como Portela de Lorica, começando mais tarde a ser
referida como Portela de Aran, depois de Aarão, e finalmente do Arão.

[Uma imagem da estrada romana na área conhecida propositadamente por Calçadas.]

A estrada romana de Lorica era uma espécie de estrada estratégica,destinada a ajudar a


controlar os Montes Herminius onde, como se sabe, viviam tribos lusitanas muito
aguerridas. Esta estrada ligava entre si duas grandes vias transversais, a que ligava
Conimbriga, a norte, e a que ligava Iaegitania, a sul. Não se sabe quais os locais exactos
dos cruzamentos, mas tudo indica que a norte seria algures perto de Ballatucelum, a actual
Bobadela.
Quanto aos vestígios da calçada romana original, eles podem encontrar-se na área das
Calçadas, onde estiveram na origem deste nome, e dispersos em pequenos vestígios até à
zona da Portela do Arão, tratando-se da mesma estrada.

A título de curiosidade, informa-se que a estrada romana foi utilizada desde que foi
construída, provalvelmente por volta de finais do século I antes de Cristo, até à década de
trinta do século ′′ quando entrou em funcionamento a actual EN231. Sem a estrada
romana teria sido impossível o já por si grande feito de Loriga se tornar um dos maiores
pólos industriais têxteis da Beira Interior durante o século ′I′.

– Factos comprovados: Lorica era o antigo nome de Loriga, existiram duas pontes romanas,
uma delas ainda existe, e a outra, construída sobre a Ribeira de S.Bento, ruiu no século
′VI, e ambas faziam parte da estrada romana que ligava a povoação ao restante império
romano.
A ponte romana que ruiu estava situada a poucas dezenas de metros a jusante da actual
ponte, também construída em pedra mas datada de finais do século ′I′.

A antiga estrada romana descia pela actual Rua do Porto, subia pela actual Rua do Vinhô,
apanhava parte da actual Rua de Viriato passando ao lado da povoação então existente,
subia pelas actuais ruas Gago Coutinho e Sacadura Cabral, passava na actual Avenida
Augusto Luis Mendes, na área conhecida por Carreira, seguindo pela actual Rua do Teixeiro
em direcção à ponte romana ainda existente sobre a Ribeira de Loriga.
[A ponte romana ainda existente sobre a Ribeira de Loriga.]

Entre a capela de São Sebastião e o cemitério, existia um troço de Calçada romana bem
conservada que não deixava dúvidas a ninguém sobre a sua verdadeira origem, mas
infelizmente uma parte foi destruída e a restante soterrada quando fizeram a estrada entre
a Rua do Porto e o cemitério.
Infelizmente o património histórico nunca foi estimado em Loriga…

[A ponte sobre a Ribeira de São Bento, construída no século ′I′ para substituir a ponte
romana que ruíu no século ′VI após uma grande cheia. A ponte romana foi entretanto
substituída por uma travessia em madeira, até á construção desta que ficou conhecida por
Ponte do Arrocho. A estrada romana passava por aqui e esteve na origem da contígua Rua
do Porto.]

Numa zona propositadamente conhecida por Calçadas, já afastada da vila, ainda existem
vestígios bem conservados do primitivo pavimento da estrada romana.

[ Citação livre de extratos da obra do historiador António Conde, História concisa da vila de
Loriga – Das origens à extinção do município. ]
[Extratos da obra do historiador António Conde no site da autarquia local.]
[Brasão de Loriga – Coat of arms.]

Heráldica Loriguense
Resumo do significado do brasão

Brasão: Escudo de azul escuro, uma Lorica/Loriga em vermelho realçada de prata,entre


duas rodas hidráulicas a negro e realçadas de branco; Em chefe uma estrela de ouro, e na
base dois montes e duas linhas de água.
Coroa mural de prata de quatro torres. Listel de prata,com a legenda a negro:«LORIGA»

[Bandeira da vila de Loriga – Flag]

Bandeira: Esquartelada a azul e branco. Cordão e borlas de ouro. Haste e lança de ouro. O
azul e o branco representam o céu, as àguas límpidas, a neve, a beleza, a pureza e as cores
da bandeira portuguesa no início da nacionalidade.

Selo: Redondo, contendo no seu interior os mesmos símbolos do brasão, e com a legenda:
«Junta de Freguesia de Loriga»

Principal simbologia: Como peça central a Lorica,antiga couraça guerreira, origem do nome
multimilenar, lembra as origens remotas da povoação e a história antiga da vila.
As duas rodas hidráulicas simbolizam a duas vezes centenária indústria loriguense, criada
com o engenho das gentes de Loriga e que fizeram a vila destacar-se ainda mais na região.
Eram as rodas hidráulicas que moviam as primitivas fábricas instaladas ao longo das duas
ribeiras que banham a vila. Esses abundantes recursos hídricos foram também desde
tempos mais remotos aproveitados para mover moínhos.
A estrela de ouro simboliza a Serra da Estrela. Pode também simbolizar a vila como uma
estrela dentro da Estrela, e o ponto de referência dos inúmeros emigrantes loricenses
espalhados pelo mundo.
Os montes na base simbolizam os belos e verdejantes montes, por vezes cobertos de neve,
que ladeiam o belíssimo Vale de Loriga e a sua espectacular Garganta de Loriga, uma
alusão à bela e singular paisagem.

Heráldica histórica da vila de Loriga


[O antigo brasão de Loriga era constituído por uma lorica/loriga e uma estrela de sete
pontas em ouro, sobre um escudo azul escuro e dispostas desta forma. A lorica/loriga era
uma alusão á valentia dos naturais traduzida no duas vezes milenar nome da vila, e a
estrela de sete pontas simbolizava a Serra da Estrela e os “sete cabeços”. Dizia-se: ”Loriga
não precisa de muralhas porque ninguém consegue derrubar os sete cabeços” (montes que
rodeiam a vila).]

[As principais propostas da heráldica desenhada por António Conde e aprovada pelas
autoridades competentes. O brasão do lado direito é o que está em uso.]

LORICA - LUSITANIA --- LORIGA - PORTUGAL --- Land of VIRIATHUS

LORICA - LUSITANIA --- LORIGA - PORTUGAL --- Land of VIRIATHUS


A vila de Loriga vestida de branco

LORICA - LUSITANIA - LORIGA - PORTUGAL - LAND OF VIRIATHUS

Região de Loriga - Serra da Estrela


Vale glaciar de Loriga

Praia Fluvial de Loriga - Loriga river beach

Praia uvial da vila de Loriga

--------------------------

Loriga's Docs
História de Loriga – Extratos da obra do historiador António Conde,
“História concisa da vila de Loriga – Das origens à extinção do município”
/ History of Loriga – Excerpts from the work of the historian António
Conde, “Concise History of the town of Loriga – From the Origins to the
extinction of the municipality”
Outros sites sobre Loriga / Others sites about Loriga

History of Loriga | História de Loriga

History of Loriga | História de Loriga

History of Loriga | História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga | História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga

History of Loriga

History of Loriga

History of Loriga
História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

Outros sites sobre Loriga / Others sites about Loriga


Freguesias da Região de Loriga [área do antigo Município Loriguense]

[Mapa da área do antigo Município Loricense, das atuais sete freguesias fundadoras da
Associação de Freguesias da Serra da Estrela, com sede nesta vila.]

Alvoco da Serra
Alvoco da Serra é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 37,57 km² de área e
646 habitantes (2001). Densidade: 17,2 hab/km². A freguesia é constituída por cinco
localidades: Alvoco da Serra (sede da freguesia), Outeiro da Vinha, Vasco Esteves de Baixo,
Vasco Esteves de Cima e Aguincho. Alvoco da Serra recebeu foral de D. Manuel I em 17 de
Fevereiro de 1514, data em que deixou de pertencer ao concelho de Loriga. Foi vila e sede
de concelho entre esta data e 1828, ano em que o concelho foi extinto. Tinha, em 1801, 667
habitantes. Entre 1828 e 1855 pertenceu novamente ao concelho de Loriga, após o que
passou a integrar o concelho de Seia.

Cabeça
Cabeça é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 8,55 km² de área e 229
habitantes (2001). Densidade: 26,8 hab/km². Durante muitos anos foi conhecida como São
Romão de Cabeça. Até ao século ′I′ pertenceu ao concelho, à paróquia e à freguesia de
Loriga. A sua população vive em grande parte da agricultura e da pastorícia. António de
Almeida Santos, ministro em vários Governos, ex-presidente da Assembleia da República,
filho de uma loricense, nasceu em Cabeça, numa época em que a sua mãe dava aulas na
escola primária local.
Sazes da Beira
Sazes da Beira é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 6,39 km² de área e
341 habitantes (2001). Densidade: 53,4 hab/km². A primeira fixação definitiva deu-se
(supõe-se) no século ′V, no lugar chamado de “Sazes Velho”. Em 1527 tinha a aldeia 65
pessoas. No entanto e continuando à procura de proximidade da água levou à fundação do
que é hoje a aldeia de Sazes da Beira propriamente dita. Não se sabe a data da fundação da
sua freguesia/paróquia, mas sabe-se que foi no início do século ′VIII. Em 1731 é edificada
a sua Igreja Matriz. Desde a sua fundação, Sazes pertenceu sempre ao concelho de
Sandomil até à extinção deste em 1836, data em que passou a pertencer ao município de
Loriga. No meio de todas as remodelações administrativas sofridas (em que Sandomil
esteve prestes a pertencer ao concelho de Loriga), a freguesia de Sazes (correspondente a
todo o território da sua paróquia) pertenceu ao concelho de Loriga até 1855, data em que
este foi extinto.

Teixeira
Teixeira é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 12,88 km² de área e 233
habitantes (2001). Densidade: 18,1 hab/km². Pertenceu ao concelho de Loriga até 1514
data em que Alvoco da Serra recebeu foral de D. Manuel I, passando depois a fazer parte da
paróquia da Vide no início do século ′VII. Voltou a ser incluída plenamente no município de
Loriga, a partir de 1828 e até 1855, passando então para o concelho de Seia ao qual
pertence actualmente.
Valezim
Valezim é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 10,94 km² de área, 382
habitantes (2001) e densidade populacional de 34,9 hab/km².
A hipótese mais aceite é que o nome provém de vallecinus (palavra do latim para vale
pequeno). Existe uma lenda sobre a origem do nome, que não faz sentido, mas que tal
como muitas outras lendas teve origem em factos históricos reais. Segundo essa lenda os
mouros terão sido expulsos de Loriga e ao chegarem ao local exclamaram: neste vale sim !
De facto a dada altura os mouros foram expulsos de Loriga, e até é possível que tenham
fundado a povoação, mas concerteza que não falavam português. As principais actividades
económicas da população estão ligadas à agricultura e pastorícia, turismo de habitação e à
construcção civil. O seu primeiro foral é atribuído em 1201, por D. João de Foyle. Em 1514 é
renovado por D. Manuel I, e passa constituir um concelho formado apenas pela freguesia da
sede. Entre os anos de 1836 e 1855 pertenceu ao concelho de Loriga. Nessa data foi
integrado no concelho de Seia, onde pertence. A sua maior festividade é em honra de Nossa
Senhora da Saúde, realizada anualmente, no primeiro Domingo de Setembro.

Vide
Vide é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 51,25 km² de área e 843
habitantes (2001), com uma densidade populacional de 16,4 hab/km².
Está situada na zona centro do país, no Parque Natural da Serra da Estrela, a uma distância
de 25 Km da Torre. A freguesia engloba as seguintes e pequenas povoações anexas:
Abitureira, Baiol, Balocas, Baloquinhas, Barreira, Barriosa, Barroco da Malhada,
Borracheiras, Carvalhinho, Casal do Rei, Casas Figueiras, Cide, Chão Cimeiro, Coucedeira,
Costeiras, Fontes do Cide, Foz da Rigueira, Foz do Vale, Frádigas, Gondufo, Lamigueiras,
Malhada das Silhas, Monteiros, Muro, Obra, Outeiro, Ribeira, Rodeado, Sarnadinha, Silvadal
e Vale do Cide.
Pertenceu ao concelho de Loriga até ao início do século ′VII, época em que ganhou alguma
autonomia com a promoção a paróquia mas continuando dependente de Loriga e sem nunca
receber foral e consequentemente categoria de vila, facto que se reflete no seu brasão.
Essa situação ambigua durou até ao início do século ′I′ (1834), tendo nessa época sido
reintegrada plenamente no município loriguense até 1855, ano em que foi integrada no
concelho de Seia. Em 1801 era constituída apenas pela sede e tinha 750 habitantes.
Últimos estudos, levados a cabo em 2002, confirmam que o povoamento do Vale de Loriga
em cujo extremo se encontra Vide, remonta aos finais do Paleolítico Superior. Entre as
zonas de Entre-águas e de Ferradurras, nesta freguesia, há alguns núcleos rochosos que
possuem várias inscrições rupestres, os maiores descobertos até agora, que foram objecto
de estudo por parte da Associação Portuguesa de Investigação Arqueológica, e que
segundo os traços gerais apresentados, pertencem à Idade do Bronze. No entanto existem
outros vestigios dessa época, que se estendem ao logo do Vale de Loriga até ás
proximidades da vila com o mesmo nome. A aldeia da Vide tem vários acessos sendo os
principais a EN 230, que vem de Oliveira do Hospital e entrontronca com a EN231, e a EN
238, na Portela de Loriga, cruzamento com a EN 231 que une Loriga a Seia.

[Mapa da área do antigo Município Loricense, das atuais sete freguesias fundadoras da
Associação de Freguesias da Serra da Estrela, com sede nesta vila.]
[Limites aproximados do antigo município de Loriga ao longo da história, entre 1136 e
1855.]

Powered by Wikidot.com Help | Terms of Service | Privacy | Report a bug | Flag as objectionable

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License
Create account or Sign in

Loriga | LORIGA - PORTUGAL Search this site

Home Pages Gallery

Others sites about the


More about the town of Loriga | Mais sobre a vila de town of Loriga | Outros

Loriga sites sobre a vila de


Loriga
More about the history of
Loriga / Mais sobre a
história de Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
More information about
Loriga and photos | Mais
informação sobre Loriga e
fotos
Loriga videos
Loriga videos
Loriga videos
LORIGA - INSTITUIÇÕES E ASSOCIAÇÕES DE LORIGA
INSTITUIÇÕES E ASSOCIAÇÕES LORICENSES
Algumas das instituições e associações mais emblemáticas de Loriga

Emblema e bandeira dos Bombeiros de Loriga

Bombeiros Voluntários de Loriga


A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Loriga,é uma das mais
prestigiadas e importantes associações loricenses. Fundada em 16 de Abril de 1982, a sua
criação veio satisfazer uma necessidade há muito sentida nesta vila industrial, assim como
numa região como é a de Loriga.
Banda de Loriga em 1905

Sociedade Recreativa e Musical Loriguense


Esta prestigiada associação loricense, é uma das que mais tem contribuído para, através de
música da mais alta qualidade, interpretada pela sua Banda Filarmónica, levar o nome de
Loriga e a rica cultura loricense a todo o país e ao estrangeiro. Fundada em 1 de Julho de
1905, esta associação tem a sua sede num solar do século XVII, o Solar dos Mendes.

Escola C+S e sede do Agrupamento de Escolas de Loriga

Escola C+S de Loriga


As origens da Escola C+S de Loriga remontam a 1968 com a criação da então chamada
Escola Preparatória. A sua sede funcionou no Solar dos Mendes, local onde estavam
também a maioria das salas de aulas,e as instalações eram complementadas pelo antigo
edifício da Escola Primária, onde hoje é a sede da autarquia. As instalações foram sempre
precárias e insuficientes.Entretanto a escola foi reclassificada, tendo sido montados
pavilhões pré-fabricados para albergar os alunos que consequentemente aumentaram de
número, mas as instalações continuavam insuficientes e cada vêz mais degradadas. O
desejo de instalações próprias e condignas, existente desde 1968,fazia-se sentir com mais
intensidade. Em Novembro de 1996, foi finalmente inaugurado um edifício novo e
emblemático da nova Escola Reis Leitão, instalações cujo único defeito é não possuírem
pavilhão gimnodesportivo.

Casa de Repouso Nossa Senhora da Guia


Centro de Assistência Paroquial de Loriga
O Centro de Assistência Paroquial de Loriga,fundado em 25 de Julho de 1952,presta
relevantes serviços no apoio social,à infância e à terceira idade. Pertencem a esta
instituição, a creche, o infantário, e o lar de idosos da Casa de Repouso de Nossa Senhora
da Guia.

Sede da ALATI no centro histórico da vila

Associação Loriguense de Apoio à Terceira Idade


A Associação Loriguense de Apoio à Terceira Idade foi fundada em 12 de Julho de 1990, e
tal como o nome indica, destina-se essencialmente ao apoio aos idosos,principalmente aos
mais desfavorecidos. Possui um centro de dia no centro histórico da vila, e presta apoio
domiciliário.

Antiga sede do GDL na Rua de Viriato, na parte mais antiga do centro histórico da vila

Grupo Desportivo Loriguense


O Grupo Desportivo Loricense foi fundado em 8 de Abril de 1934,transformando-se
rápidamente numa importante e carismática associação desportiva, mas também cultural.
Emblema da ANALOR e página do jornal Garganta de Loriga

Associação dos Naturais e Amigos de Loriga


Esta prestigiada associação foi fundada em 1987 por loricenses dos tais que, por conta
própria ou dentro de qualquer instituição ou associação loricense, trabalham
incansavelmente para promover a sua terra-natal e contribuir para a resolução dos
poblemas que a afectam. Loriga deve muito a estes loricenses que, embora não residam na
vila, têm lá os seus corações e as suas almas, aqueles que desenvolvem permanentemente
um imenso trabalho pessoal ou colectivo (conforme a opção) pela terra que os viu nascer. A
A.N.A.L.O.R publica um jornal, o Garganta de Loriga, que é um importante meio de
comunicação entre os loricenses espalhados pelo país e pelo mundo. Através dos artigos de
António Conde, um conhecido historiador e benfeitor de Loriga, publicados nesse jornal, os
loricenses acordaram para o conhecimento da sua história mais remota. Aliás, Loriga e a
sua história têm sido divulgadas pelo Sr. Conde através dos mais diversos meios de
comunicação portugueses e estrangeiros e nos mais diversos sites, desde a Wikipédia
(onde ele criou o artigo sobre Loriga em português e em inglês) até sites de grande nível
cultural. Há mais de vinte e cinco anos, que o historiador António Conde vem a fazer uma
pesquisa minuciosa sobre a história antiga da vila de Loriga, percorrendo arquivos e
recolhendo dados e documentos preciosos que compilou numa obra a que chamou, História
Concisa da vila de Loriga - Das origens à extinção do município. No entanto a sua pesquisa
tem continuado, acumulando mais dados e documentos sobre a história da vila de Loriga, e
tudo foi feito muitas vezes com prejuízo da sua vida pessoal, familiar e financeira, que
foram aliás muito prejudicadas, mas tudo foi feito pelo grande amor que este grande
loriguense tem à terra que o viu nascer.

Sede da ISSAL junto da Igreja Matriz

Irmandade do Santíssimo Sacramento e das Almas de Loriga


Esta instituição, de carácter religioso, é histórica e as suas origens mais remotas
encontram-se no século XIV, e desde finais do século XVI que tem o nome e os moldes
actuais. Noutros tempos chegou a funcionar como se fosse a Santa Casa da Misericórdia de
Loriga, embora nunca tivesse esse nome.
Bandeira do CLBP

Centro Loriguense de Belém do Pará


Esta foi a primeira associação loricense criada fora de Loriga,e foi também a primeira a ser
criada no estrangeiro. Foi fundada em 4 de Julho de 1937 no seio da importante colónia
loricense, que desde o século XIX existia em Belém, mas também em Manaos, havendo
também loricenses noutras partes do Brasil desde o século XVII. Aliás foi a colónia de
Manaos que construíu os monumentais fontanários que podem admirar-se na vila.

Os três monumentais fontanários erigidos pela Colónia Loriguense de Manaus, Brasil. De


sublinhar que a presença dos primeiros loriguenses no Brasil remonta ao século XVI,
havendo portanto muitos brasileiros que descendem de naturais desta vila, no entanto
atualmente poucos conhecem ou assumem essa ascendência.

Brasão de Loriga - Coat of arms


Heráldica Loriguense
Resumo do significado do brasão

Brasão: Escudo de azul, uma Lorica em vermelho realçada de prata, entre


duas rodas hidráulicas a negro e realçadas de branco; Em chefe
uma estrela de ouro, e na base dois montes e as linhas de àgua que banham a vila.
Coroa mural de prata de quatro torres. Listel branco, com a legenda a
negro: «LORIGA»

Bandeira da vila de Loriga - Flag

Bandeira: Esquartelada a azul e branco. Cordão e borlas de ouro. Haste e lança de ouro. O
azul e o branco representam o céu, as àguas límpidas, a neve,a beleza, a pureza e as cores
antigas da bandeira portuguesa, recordando também que durante muito tempo Loriga
pertenceu directamente à coroa.

Selo: Redondo,contendo no seu interior os mesmos símbolos do brasão,e com a


legenda:«Junta de Freguesia de Loriga»

Simbologia: Como peça central a Lorica, antiga couraça guerreira, origem do nome
multimilenar, lembra as origens remotas da povoação e a história antiga da vila.
As duas rodas hidráulicas simbolizam a duas vezes centenária
indústria loriguense, criada com o engenho das gentes de Loriga e que
fizeram a vila destacar-se ainda mais na região. Eram as rodas
hidráulicas que moviam as primitivas fábricas instaladas ao longo
das duas ribeiras que banham a vila. Esses abundantes recursos
hídricos foram em tempos mais remotos aproveitados também para mover
moínhos.
A estrela de ouro simboliza principalmente a Serra da Estrela. Pode também
simbolizar a vila como uma estrela dentro da Estrela, e o ponto de
referência dos inúmeros emigrantes loricenses espalhados pelo mundo.
Os montes na base simbolizam os belos e verdejantes montes que
ladeiam o belíssimo Vale de Loriga e a sua espectacular Garganta de
Loriga, constituíndo uma paisagem única.
(Nota: Esta heráldica foi desenhada pelo historiador António Conde e tem a aprovação das
autoridades legais competentes.)

Heráldica histórica da vila de Loriga - Brasão de Loriga existente no


século XIII
O antigo brasão da vila de Loriga era constituído por um escudo azul, contendo duas peças
de ouro: Uma couraça e uma estrela de sete pontas. A couraça era uma referência à
valentia da localidade e dos seus habitantes, traduzida no próprio nome, e a estrela com
sete pontas era uma referência á Serra da Estrela e aos "sete cabeços" ( montes ) que
rodeiam a vila.
Em tempos antigos dizia-se : "Loriga não precisa de muralhas porque ninguém consegue
derrubar os sete cabeços".

Brasão histórico da vila de Loriga - Historical coat of arms

LORIGA - TERRA DE VIRIATO


VIRIATO

"…Sucedeu o pastor Viriato, natural de Lobriga, hoje a vila de Loriga, no


cimo na Serra da Estrela, Bispado de Coimbra; Ao qual, tendo quarenta anos de
idade, aclamaram Rei dos Lusitanos e casou em Évora com uma nobre
Senhora, no ano 147.
Prendeu em batalha, ao Pretor romano Caio Vetílio e lhe degolou 4000
soldados;A Caio Lucitor, daí a uns dias, matou 6000.
Ao capitão Caio Plaucio , matou Viriato mais de 4000 junto de
Toledo. Reforçou-se o dito capitão, e dando batalha junto de Évora, prendeu
4000 soldados.
No ano 146, o Pretor Cláudio Unimano lhe deu batalha e de todo foi
destruído por Viriato, que repartiu os despojos pelos soldados, pondo nos
montes mais altos da Lusitânia, os estendartes romanos…"
(Página do livro manuscrito História da Lusitânia, do Bispo Mor do
Reino, 1580, "traduzida" do português arcaico para o actual). Entre os diversos
documentos que falam de Loriga como berço de Viriato, este é o mais curioso.

-Algumas citações de alguns dos mais importantes antigos historiadores romanos:

-"Viriato,um lusitano de nascimento,sendo pastor desde criança nas


altas montanhasº, foi para todos os Romanos motivo do maior terror. A
princípio armando emboscadas, depois devastando províncias, por último
vencendo, pondo em fuga, subjugando exércitos de Pretores, e Cônsules romanos."

(Orósio(5.4.1)

-"Viriato,nascido e criado nas mais altas montanhasº da Lusitânia, onde


foi pastor desde criança, conseguiu reunir o apoio de todo o seu povo para
sacudir o jugo romano e fundar uma grande nação livre na Hispânia"

(Floro(1.33)

-"…Este Viriato era originário dos Lusitanos… Sendo pastor desde


criança, estava habituado a uma vida dura nas altas montanhasº… Famoso
entre as populações,foi por eles escolhido como chefe…

(Diodoro Sículo (33.1.1-4)….

ºHermínius,actual Serra da Estrela

-Todos os grandes historiadores, começando pelos romanos antigos, elogiam as


grandes qualidades de Viriato. Nelas se destacam, a inteligência, o
humanismo, a capacidade de liderança, e a sua grande visão de estratega
militar e político. A este grande homem, que liderou os
Lusitanos, antepassados dos portugueses, os romanos só conseguiram vencer
recorrendo à vergonhosa traição cobarde. Este homem,tal como outros que
ficaram na história, tinha origens humildes, provando-se na época,tal como
hoje,que as capacidades individuais não dependem do estrato social, nem das
habilitações académicas. Apesar das inúmeras lições da história em sentido
contrário, alguns pseudointelectuais e pseudohistoriadores "elitistas" e
preconceituosos continuam a achar que é improvável que alguém com origens
humildes se torne uma grande figura histórica, e então inventaram teorias
ridículas no sentido de atribuír "sangue azul" e origens "nobres" a Viriato.
Viriato, era apenas um pastor, habituado desde criança a percorrer as
montanhas dos Herminius (actual Serra da Estrela), onde nasceu, e que
conhecia como as palmas das suas mãos,inclusivé as povoações lusitanas da
serra. A Lobriga,sua terra-natal,um povoado fortificado situado
estratégicamente próximo do ponto mais alto da serra, os romanos puseram o
nome de Lorica (antiga couraça guerreira).

VIRIATHUS WAS BORN IN LORIGA


In 147 b.C.,thousands of Lusitanian warriors found themselves surrounded
by the military forces of magistrate Caio Vetílio. At first this seemed
like just another Roman attempt to seize the Iberian Península in the on
going war in which the Roman Republic had led for years.But pursued by the
enemy, the Lusitanians elect one of their own and hand him absolute
power. Born in Lobriga, Lusitania, Lorica for the Romans, current Loriga in
Portugal, this man, who for seven will taunt the Romans, is called Viriathus.
Between 147 and 139, the year in which he was killed (murder by Romans,he
was assassinated while sleeping), Viriathus successively defeated Roman
armies, led a greater part of the iberian peoples into revolt and was
responsible for the beginning of the war of Numância.
After the murder, the Lusitanian guerrilla was continued to resist, "the
women boke arms with the men, who died wiht a will,not a man of them
showing his back,or uttering a cry. Of the women who were captured some
killed themselves, others slew their children also with their own
hands, considering death preferable to captivity".
Viriathus, is considered the first Lusian figure, and also national hero in
Portugal. It was born without a doubt in the Hermínius,current Serra da
Estrela, wehere he was shepherd since child,more precisely in
Lobriga, Lorica for the Romans,current Loriga,in Portugal.
Viriathus, was praised had to is great qualities human beings, and of great
strategist to military and diplomat, inclusively for the old Romans
historians. Viriathus, proved that at the time, such as today,the individual
capacities do not depend on the social estratum nor of the academical
qualifications. Viriathus,was only one shepherd, accustomed since child to
cover mountains of the heart of the Lusitania.
Roman,the superpower of the time, only obtained to arrange away it to
win,resort to the shameful and dishonourable treason coward!Curiously,it
was after an act of high treason of the part of the Romans, wich cost the
life the thousand of disarmed Lusitanians, that Viriathus was elect to
leader for is compatriots.
Viriathus, leader that it directed with effectiveness the resistence of the
Lusitanians, ancestors of the Portugueses, against a powerful invader, is
considered since its time an example to follow.
Viriathus,was a true military genious,politician and diplomat. But, moreover, he was the
defender of a world asphyxiated by the great Roman dominion. The world in which he very
roots of Portugal are implanted.
Viriathus, is a real portuguese national hero.

( By the historian António Conde )

LORICA - LUSITANIA --- LORIGA - PORTUGAL --- Land of VIRIATHUS

A vila de Loriga vestida de branco


Região de Loriga - Serra da Estrela

LORICA - LUSITANIA - LORIGA - PORTUGAL - LAND OF VIRIATHUS

Vale glaciar de Loriga

LORIGA - PORTUGAL
Vila de Loriga

Vila de Loriga, Serra da Estrela - Páscoa 2017

Vila de Loriga na Páscoa em 2016

Loriga - Serra da Estrela - Portugal - Verão 2016


Lorica - Lusitania & Loriga - Portugal

Praia uvial da vila de Loriga - Loriga town river beach

Praia Fluvial de Loriga - Loriga river beach

Praia Fluvial - Fluvial Beach - LORIGA - PORTUGAL


Vila de Loriga - Missa transmitida pela TVI no dia 07-08-2016

LORICA - LUSITANIA --- LORIGA - PORTUGAL --- Land of VIRIATHUS

LORICA - LUSITANIA - LORIGA - PORTUGAL - LAND OF VIRIATHUS


Vila de Loriga, Serra da Estrela - Páscoa 2017

Vila de Loriga - Serra da Estrela - Portugal

Vila de Loriga
Praia uvial da vila de Loriga

Praia Fluvial de Loriga

Praia Fluvial - Fluvial Beach - LORIGA - PORTUGAL

Loriga Chillout Walk A


Região de Loriga - Serra da Estrela

Loriga - A vila em 1989

Loriga, vila industrial desde o século XIX


* More information about the town of Loriga
* More information about the town of Loriga
* More information about the town of Loriga
* More information about the town of Loriga
* More information about the town of Loriga
* More information about the town of Loriga
* Mais informação sobre a vila de Loriga
* Mais informação sobre a vila de Loriga
* Mais informação sobre a vila de Loriga
* Mais informação sobre a vila de Loriga
* Mais informação sobre a vila de Loriga
* Mais informação sobre a vila de Loriga
* Mais informação sobre a vila de Loriga
* Mais informação sobre a vila de Loriga
Powered by Wikidot.com Help | Terms of Service | Privacy | Report a bug | Flag as objectionable

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License
Create account or Sign in

Loriga | LORIGA - PORTUGAL Search this site

Home Pages Gallery

Others sites about the


Links town of Loriga | Outros
sites sobre a vila de
Loriga
More about the history of
Loriga / Mais sobre a
história de Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
More information about
Loriga and photos | Mais
informação sobre Loriga e
fotos
Loriga videos
Loriga videos
Loriga videos
Loriga's Site - LINKS
História de Loriga – Extratos da obra do historiador António Conde,
“História concisa da vila de Loriga – Das origens à extinção do município”
/ History of Loriga – Excerpts from the work of the historian António
Conde, “Concise History of the town of Loriga – From the Origins to the
extinction of the municipality”
Outros sites sobre Loriga / Others sites about Loriga

History of Loriga / História de Loriga

Loriga - Portugal

Loriga videos

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História

História
História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga

História de Loriga

História de Loriga

Loriga videos

Loriga videos

Loriga photos

Outros sites sobre Loriga / Others sites about Loriga

Loriga's Docs
História de Loriga – Extratos da obra do historiador António Conde,
“História concisa da vila de Loriga – Das origens à extinção do município”
/ History of Loriga – Excerpts from the work of the historian António
Conde, “Concise History of the town of Loriga – From the Origins to the
extinction of the municipality”
History of Loriga | História de Loriga

History of Loriga | História de Loriga

History of Loriga | História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga
History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga

History of Loriga

History of Loriga

History of Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

Outros sites sobre Loriga / Others sites about Loriga


Powered by Wikidot.com Help | Terms of Service | Privacy | Report a bug | Flag as objectionable

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License
Create account or Sign in

Loriga | LORIGA - PORTUGAL Search this site

Home Pages Gallery

Others sites about the


Loriga town of Loriga | Outros
sites sobre a vila de
Loriga
Concise history of Loriga | História concisa de Loriga More about the history of
Loriga / Mais sobre a
história de Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
More information about
Loriga and photos | Mais
informação sobre Loriga e
fotos
Loriga videos
Loriga videos
Loriga videos
[Loriga coat of arms and logos.]

History of Loriga – Excerpts from the work of the historian António


Conde, “Concise History of the town of Loriga – From the Origins to the
extinction of the municipality” | História de Loriga – Extratos da obra do
historiador António Conde, “História concisa da vila de Loriga – Das
origens à extinção do município”

Loriga is an ancient, beautiful and historical portuguese town, located in the Serra da
Estrela mountains.
Known as Lobriga by the Lusitanians and Lorica by the Romans, it is more than 2600 years
old.
Notable people from Loriga include Viriathus ( known as Viriato in Portuguese ), a famous
Lusitanian leader and portuguese national hero.
Loriga as enormous touristics potentialities and they are the only ski resort and ski trails
existing in Portugal ( Loriga is the Lusian Capital and the capital of the snow in Portugal ).
Loriga is a town in Portugal located in Guarda District. Loriga is 20 km away from Seia,
40 km away from Viseu, 80 km away from Guarda and 320 km from Lisbon. It is nestled in
the Serra da Estrela mountain range. The population is 789 (2015 estimate).
It is known as the "Portuguese Switzerland" due to its landscape: a town surrounded by
mountains.
Known to be settled by the Lusitanians, the town is more than 2600 years old and was part
of the Roman province of Lusitania. It was known as Lobriga by the Lusitanians and Lorica
by the Romans.
Loriga became a textile manufacturing center in the begin-19th century. While that
industry has since dissipated, today the town attracts a sizable tourist trade due to its
picturesque scenery and vicinity to the Loriga Ski Resort, the only ski center in Portugal,
totally inside the town limits.

História de Loriga – Extratos da obra do historiador António Conde, “História concisa da vila
de Loriga – Das origens à extinção do município” / History of Loriga – Excerpts from the
work of the historian António Conde, “Concise History of the town of Loriga – From the
Origins to the extinction of the municipality”

[The spectacular landscape of Loriga.]

Coordinates: 40°19 13.69 N 7°39 58.15 W/40.3204694°N 7.6661528°W/40.3204694;


-7.6661528
Civil Parish (Vila) / Vila – Town in portuguese
The valley parish of Loriga in the shadow of the Serra da Estrela /
Official name: Loriga
Country – Portugal
Region – Centro, Beira Interior, Portugal
Subregion – Loriga – Serra da Estrela
District – Guarda
Municipality – Seia
Localities – Fontão, Loriga
Landmark – Torre (Serra da Estrela)
Rivers – Ribeira de São Bento, Ribeira de Loriga
Center Loriga – elevation 1,293 m (4,242 ft) – coordinates 40°19 13.69 N
7°39 58.15 W / 40.3204694°N 7.6661528°W / 40.3204694; -7.6661528
Length 4.21 km (3 mi), Northwest-Southeast
Width 13.78 km (9 mi), Southwest-Northeast
Area 36.25 km² (14 sq mi)
Population 1,367 (2005) /
Density 37.71 / km² (98 / sq mi)
LAU – Vila/Junta Freguesia – location – Largo da Fonte do Mouro, Loriga
Timezone – WET (UTC0) – summer (DST)WEST (UTC+1)
ISO 3166-2 codePT-
Postal Zone – 6270-073 Loriga
Area Code & Prefix(+351) 238 ′′′ ′′′
Demonym – Loriguense or Loricense
Patron Saint – Santa Maria Maior
Parish Address – Largo da Fonte do Mouro - 1019 - 6270-073 Loriga

( Statistics from INE (2001); geographic detail from Instituto Geográfico


Português

Loriga (Portuguese pronunciation: ([loriga]) is a town (Portuguese:


vila) in south-central part of the municipality of Seia, in central Portugal. Part of the district
of Guarda, it is 20 km away from Seia, 40 km away from Viseu, 80 km away from Guarda
and 320 km from Lisbon, nestled in the Serra da Estrela mountain range. In 2005,
estimates have the resident population at about 1367 inhabitants, in an area of 36.25 km²
that includes the two localities, the town of Loriga and village of Fontão.
[Lusitanian Warriors. Loriga prides itself on its ancient Celtic and Lusitanian past, and the
very ancient tradition of being the birthplace of Viriathus.]

History
Loriga was founded originally along a column between ravines where today the historic
centre exists. The site was ostensibly selected more than 2600 years ago, owing to its
defensibility, the abundance of potable water and asturelands, and lowlands that provided
conditions to practice both hunting and gathering/agriculture.
[Roman legionary soldier wearing Lorica / Loriga armor, origin of the name of the town,
origin of the Loricense / Loriguense gentliche and the main and essential part of the coat of
arms of the town. Loriga prides itself on its millennial name, a rare case of a name that has
remained virtually unchanged for over two thousand years.]

When the Romans arrived in the region, the settlement was concentrated into two areas.
The larger, older and principal agglomeration was situated in the area of the main church
and Rua de Viriato, fortified with a wall and palisade. The second group, in the Bairro de
São Ginês, were some small homes constructed on the rocky promintory, which were later
appropriated by the Visigoths in order to construct a chapel. The 1st century Roman road
and two bridges (the second was destroyed in the 17th century after flooding) connected
the outpost of Lorica to the rest of their Lusitanian province. The barrio of São Ginês (São
Gens), a local ex-libris, is the location of the chapel of Nossa Senhora do Carmo, an ancient
Visigothic chapel. São Gens, a Celtic saint, martyred in Arles on Gália, during the reign of
Emperor Diocletian, and over time the locals began to refer to this saint as São Ginês, due
to its easy of pronunciation.

Middle Ages
Loriga was the municipal seat since the 12th century, receiving forals in 1136 (João Rhânia,
master of the Terras de Loriga for over two decades, during the reign of Afonso Henriques),
1249 (during the reign of Afonso III), 1474 (under King Afonso V) and finally in 1514 (by
King Manuel I).
Loriga was an ecclesiastical parish of the vicarage of the Royal Padroado and
its Matriz Church was ordered constructed in 1233, by King Sancho II. This
church, was to the invokation of Santa Maria Maior, and constructed over the
ancient small Visigothic chapel (there is a lateral block with Visigoth
inscriptions visible). Constructed in the Romanesque-style it consists of a
three-nave building, with hints of the Sé Velha of Coimbra. This structure was
destroyed during the 1755 earthquake, and only portions of the lateral walls
were preserved.
LORICA - LUSITANIA --- LORIGA - PORTUGAL --- Land of VIRIATHUS

The 1755 earthquake resulted in significant damage to the town of Loriga, destroying
homes and the parcochial residence, in addition to opening-up cracks and faults in the
town’s larger buildings, such as the historic municipal council hall (constructed in the 13th
century). An emissary of the Marquess of Pombal actually visited Loriga to evaluate the
damage (something that did not happen in other mountainous parishes, even Covilhã) and
provide support.

The residents of Loriga supported the Absolutionist forces of the Infante Miguel
of Portugal against the Liberals, during the Portuguese Liberal Wars, which
resulted in Loriga being abandoned politically after Miguel’s explusion by his
brother King Peter. In 1855, as a consequence of its support, it was stripped
of municipal status during the municipal reforms of the 19th century. At the
time of its municipal demise (October 1855), the municipality of Loriga included
the parishes of Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes da Beira, Teixeira, Valezim and
Vide, as well as thirty other disincorporated villages.

[The so-called industrial revolution arrived in Loriga in the early nineteenth century,
transporting to the modern era a woolen handicraft activity that had existed in this town
for more than 500 years. Loriga is proud of its centenary woolen industry and therefore the
hydraulic wheel is one of the fundamental parts of its coat of arms.]

Loriga was an industrial centre for textile manufacturing during the 19th
century. It was one of the few industrialized centres in the Beira Interior
region, even supplanting Seia until the middle of the 20th century. Only
Covilhã out-preformed Loriga in terms of businesses operating from its lands;
companies such as Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão &
Irmãos, Augusto Luís Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura Cabral and Lorimalhas, among
others. The main roadway in Loriga, Avenida Augusto Luís Mendes, is named for one of the
towns most illustrious industrialists. The wool industry started to decline during the last
decades of the 20th century, a factor that aggravated and accelerated the decline of the
region.
[Map and coats of localities that belong to the region and old municipality of Loriga.]

[Historic center of the town on the hill between the two streams where the village was
founded more than 2600 years ago.]

Geography
Known locally as the “Portuguese Switzerland” due to its landscape that includes a
principal settlement nestled in the mountains of the Serra da Estrela Natural Park. It is
located in the south-central part of the municipality of Seia,
along the southeast part of the Serra, between several ravines, but specifically
the Ribeira de São Bento and Ribeira de Loriga; it is 20 kilometres from Seia, 80 kilometres
from Guarda and 300 kilometres from the national capital (Lisbon). A main town is
accessible by the national roadway E.N. 231, that connects directly to the region of the
Serra da Estrela by way of E.N.338 (which was completed in 2006), or through the E.N.339,
a 9.2 kilometre access that transits some of the main elevations (960 metres near Portela
do Arão or Portela de Loriga, and 1650 metres around the Lagoa Comprida).
The region is carved by U-shaped glacial valleys, modelled by the movement of
ancient glaciers. The main valley, Vale de Loriga was carved by longitudanal
abrasion that also created rounded pockets, where the glacial resistance was
minor. Starting at an altitude of 1991 metres along the Serra da Estrela the
valley descends abruptly until 290 metres above sea level (around Vide), passing villages
such as Cabeça, Casal do Rei and Muro. The central town, Loriga, is seven kilometres from
Torre (the highest point), but the parish is sculpted by cliffs, alluvial plains and glacial
lakes deposited during millennia of glacial erosion, and surrounded by rare ancient forest
that surrounded the lateral flanks of these glaciers.

Economy
Textiles are the principal local export; Loriga was a hub the textile and wool industries
during the 19th century, in addition to being subsistence agriculture responsible for the
cultivation of corn. The Loriguense economy is based on metallurgical industries, bread-
making, commercial shops, restaurants and agricultural support services.

While that textile industry has since dissipated, the town began to attract a
tourist trade due to its proximity to the Serra da Estrela and Vodafone Ski
Resort (the only ski center in Portugal), which was constructed within the
parish limits.

[ By the historian António Conde ]


40º 19 N 7º 41’O
* Gentílico – Loricense ou loriguense
* Área – 36,52 km²
* Densidade – 37,51 hab./km² (2005)
* Orago – Santa Maria Maior
* Código postal – 6270
* Apelidada de “Suíça Portuguesa”, é a vila mais alta de Portugal.

Loriga é uma vila e freguesia portuguesa do distrito da Guarda. Tem


36,52 km² de área, e densidade populacional de 37,51 hab/km² (2005). Tem
uma povoação anexa, o Fontão.

[A bela aldeia de xisto de Fontão de Loriga, fundada no século ′VI.]

Loriga encontra-se a 80km da Guarda e 300km de Lisboa. A vila é directamente acessível


pela EN 231, e indirectamente pela EN338, e tem acesso directo à Torre, pela referida
EN338, estrada concluída em 2006, seguindo um traçado pré-existente e pré-projectado
mais de quarenta anos antes, com um percurso de 9,2 km de paisagens deslumbrantes,
entre as cotas 960m (Portela de Loriga, também conhecida por Portela do Arão) e 1650m,
acima
da Lagoa Comprida.
[Pormenor noturno do centro histórico da vila, na colina entre as ribeiras de Loriga e de São
Bento, onde a povoação foi fundada há mais de 2600 anos. Esta foto ajuda a explicar a
escolha deste local para fundar a povoação que, até á conquista romana, esteve fortificada
com muros e paliçadas]

É conhecida há décadas como a “Suíça Portuguesa” devido à sua


extraordinária paisagem e localização geográfica. Está situada entre os 770m de altitude,
na sua parte urbana mais baixa, e os cerca de 1200m rodeada por montanhas, das quais se
destacam a Penha dos Abutres (1828m de altitude) e a Penha do Gato (1771m), e é
abraçada por dois cursos de água: a Ribeira de Loriga e a Ribeira de S.Bento, que se unem
depois da E.T.A.R.. A Ribeira de Loriga é um dos maiores afluentes do Rio Alva que por sua
vez desagua no Rio Mondego. A montante da vila, a Ribeira de Loriga recebe também o
Ribeiro da Nave, um afluente que tem um curso extraordinário e passa por uma das zonas
mais belas do Vale de Loriga, incluíndo os famosos Bicarões, cascatas a alta altitude junto
das quais se encontra uma conhecida quinta. A bela, famosa e premiada praia fluvial da
Ribeira de Loriga encontra-se num dos lugares mais espetaculares do vale de Loriga, no
local conhecido há séculos por Chão da Ribeira.
[A bela e sempre premiada praia fluvial da vila de Loriga. Esta praia na Ribeira de Loriga
está situada num dos locais mais belos do Vale de Loriga, no lugar conhecido há séculos por
Chão da Ribeira.]
A vila está dotada de uma ampla gama de infrastrutras físicas e culturais, que abrangem
todas as àreas e todos os grupos etários, das quais se destacam, por exemplo, o Grupo
Desportivo Loriguense, fundado em 1934, a Sociedade Recreativa e Musical Loriguense,
fundada em 1905, os Bombeiros Voluntários de Loriga, criados em 1982, cujos serviços se
desenvolvem na àrea equivalente á fase inicial do antigo concelho de Loriga, a Casa de
Repouso Nª. Srª. da Guia, uma das últimas obras sociais de relevo, e a Escola C+S Dr. Reis
Leitão.
Ao longo do ano celebram-se de maneira especial o Natal, a Páscoa (com a
Amenta das Almas) e festas em honra de Santo. António (durante o mês Junho) e São
Sebastião (durante o mês de Julho), com as respectivas mordomias e procissões. Porém, o
ponto mais alto das festividades religiosas é a festa dedicada à padroeira dos emigrantes
loricenses, Nossa Senhora da Guia, que se realiza todos os anos, no primeiro Domingo de
Agosto. No segundo Domingo, tem lugar a festa em honra de Nª. Srª. da Ajuda, no Fontão
de Loriga.

[Pormenor do centro histórico da vila, na colina entre as ribeiras de Loriga e de São Bento,
onde a povoação foi fundada há mais de 2600 anos. Esta foto ajuda a explicar a escolha
óbvia deste local para fundar a povoação que, até á conquista romana, esteve fortificada
com muros e paliçadas]

Breve história
Fundada originalmente no alto de uma colina entre ribeiras onde hoje existe o centro
histórico da vila. O local foi escolhido há mais de dois mil e seiscentos anos devido à
facilidade de defesa (uma colina entre ribeiras), à abundância de água e de pastos, bem
como ao facto de a as terras mais baixas providenciarem alguma caça e condições mínimas
para a prática da agricultura. Desta forma estavam garantidas as condições mínimas de
sobrevivência para uma população e povoação com alguma importância.
[Guerreiros Lusitanos. Loriga orgulha-se do antigo passado celta e lusitano, e orgulha-se da
muito antiga tradição de ser o berço de Viriato.]

[Uma sepultura antropomórfica que durante muitos séculos esteve coberta de terra e de
mato. Quando foi “descoberta” no século ′IV os loriguenses chamaram-lhe Caixão da
Moura, julgando erradamente tratar-se de um vestigio dos mouros. Um nome que se
mantem.]

O nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus


habitantes nos Hermínios (actual Serra da Estrela) na resistência lusitana, o que levou os
romanos a porem-lhe o nome de Lorica (antiga couraça guerreira), de que derivou Loriga,
palavra que tem o mesmo significado. Os Hermínios eram o coração e a maior fortaleza da
Lusitânia. Fosse qual fosse o motivo é um facto que os romanos lhe deram o nome de
Lorica, e deste nome derivou Loriga (derivação iniciada pelos Visigodos) e que tem o
mesmo significado.

[Soldado legionário romano usando a armadura Lorica / Loriga, origem do nome da vila,
origem do gentílico Loricense / Loriguense e a peça principal e imprescindível do brasão da
vila. Loriga orgulha-se do seu nome milenar, um caso raro de um nome que se mantem
praticamente inalterado há mais de dois mil anos.]

É um caso raro, em Portugal, de um nome que se mantem praticamente inalterado há mais


de dois mil anos, e tal facto contribui para que a Lorica seja a peça principal do brasão da
vila. O brasão antigo da vila era constituído por uma couraça e uma estrela com sete pontas
em ouro, sendo que o escudo era de azul escuro.

Situada na parte Sudoeste da Serra da Estrela, a sua beleza paisagística é o principal


atractivo de referência. Os socalcos e sua complexa rede de irrigação são um dos grandes
ex-libris de Loriga, uma obra gigantesca construída pelos loricenses ao longo de muitas
centenas de anos e que transformou um vale belo mas rochoso num vale fértil. É uma obra
que ainda hoje marca a paisagem do belíssimo Vale de Loriga, fazendo parte do património
histórico da vila e é demonstrativa do génio dos seus habitantes.

Em termos de património histórico, destacam-se também a ponte e a estrada romanas


(século I a.C.), uma sepultura antropomórfica (século VI a.C.), a Igreja Matriz (século
′III,reconstruída), o Pelourinho (século ′III, reconstruído), o Bairro de São Ginês (São
Gens) com origem anterior à chegada dos romanos e a Rua de Viriato. A Rua da Oliveira,
pela sua peculiaridade, situada na área mais antiga do centro histórico da vila, recorda
algumas das características urbanas da época medieval. A estrada romana e uma das duas
pontes (a outra ruiu no século ′VI após uma grande cheia na Ribeira de S. Bento), com as
quais os romanos ligaram Lorica, na Lusitânia, ao restante império, merecem destaque.
[Troço da estrada romana, na área que por isso ficou conhecida por Calçadas]

[Ponte romana sobre a Ribeira de Loriga.]

A tradição local e diversos antigos documentos apontam Loriga como berço de Viriato, e no
início do século ′′ existiu mesmo um movimento loricense para lhe erigir um estátua na
vila, e que infelizmente não chegou a concretizar-se. O documento mais conhecido, embora
não seja o mais antigo, que fala de Loriga como sendo terra-natal de Viriato, é o livro
manuscrito História da Lusitânia, escrito pelo Bispo Mor do Reino em 1580. A actual Rua de
Viriato, na parte mais antiga do centro histórico da vila, já tinha esse nome no século ′II. A
Rua de Viriato, no troço compreendido entre as antigas sedes do G.D.L. e da Casa do Povo,
corresponde exatamente a parte da linha defensiva da antiga povoação lusitana.
[Vestígios medievais de uma casa senhorial entretanto alterada, mas na qual ainda se
destaca a varanda.]

O Bairro de São Ginês (São Gens) é um ex-libris de Loriga e nele destaca-se a capela de
Nossa Senhora do Carmo, antiga ermida visigótica precisamente dedicada àquele santo ao
qual os loricenses passaram a chamar São Ginês, talvez por este nome ser mais fácil de
pronunciar (aliás não existe nenhum santo com o nome Ginês). Os loricenses esqueceram o
culto deste santo, puseram-lhe a alcunha de Ginês (em Loriga as alcunhas eram correntes),
deixaram arruinar a ermida e depois reconstruiram-na com o atual orago de Nossa Senhora
do Carmo. A última reconstrução é do início do século ′′, como aliás indica a data colocada
na fachada, o que induz em erro os visitantes sobre a antiguidade deste local de culto.
Quando os romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos.
O maior, mais antigo e principal, situava-se na área onde hoje existem a Igreja Matriz e
parte da Rua de Viriato e estava fortificado com muralhas e paliçada. No local do actual
Bairro de São Ginês (São Gens) existiam já algumas habitações encostadas ao promontório
rochoso, em cima do qual os Visigodos construíram mais tarde a referida ermida dedicada
àquele santo.
Loriga era uma paróquia criada pelos visigodos, pertencente à Diocese de Egitânia, e no
início da nacionalidade à Vigariaria do Padroado Real, e a Igreja Matriz foi mandada
construir em 1233 pelo rei D. Sancho II. Esta igreja, cujo orago era já o de Santa Maria
Maior e que se mantém, foi construída no local de outro antigo e pequeno templo visigótico
também dedicado a Nossa Senhora, do qual foi aproveitada uma pedra com inscrições
visigóticas, que está colocada na porta lateral virada para o adro, e onde foi gravada a data
da construção. De estilo românico, com três naves, e traça exterior lembrando a Sé Velha
de Coimbra, esta igreja foi destruída pelo sismo de 1755, dela restando apenas partes de
alvenaria e das paredes laterais.
[Um fontanário exibindo uma data do início do século ′III, e a praça do município datada
do mesmo século na qual se pode ver parte do antigo edifício da câmara municipal,
entretanto alterado e adaptado a residência particular. Infelizmente o pelourinho do século
′III foi demolido e o que se vê na imagem é uma reconstrução.]

O sismo de 1755 provocou enormes estragos na vila, tendo arruinado também a residência
paroquial e aberto algumas fendas nas robustas e espessas paredes do edifício da Câmara
Municipal construído no século ′III. Um emissário do Marquês de Pombal esteve em Loriga
a avaliar os estragos mas, ao contrário do que aconteceu com a Covilhã (outra localidade
serrana muito afectada), não chegou do governo de Lisboa qualquer auxílio.
[Algumas das antigas instalações industriais de Loriga. A chamada revolução industrial
chegou a Loriga no início do século ′I′, transportando para a era moderna uma atividade
artesanal de lanifícios que já existia nesta vila há mais de 500 anos. Loriga orgulha-se da
sua centenária indústria de lanifícios, e portanto a roda hidráulica é uma das peças
fundamentais do brasão desta vila.]

Loriga é uma vila industrial (têxtil) desde o início do século ′I′, no entanto esta atividade
já existia há séculos na vila em moldes artesanais, existindo referências pelo menos desde
o século ′IV. Chegou a ser uma das localidades mais industrializadas da Beira Interior, e a
actual sede de concelho só conseguiu suplantá-la já quase em meados do século ′′.
Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga no número de empresas. Nomes de
empresas, tais como: Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão &
Irmãos,Augusto Luis Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura Cabral, Lorimalhas, etc,fazem
parte da rica história industrial desta vila. A principal e maior avenida de Loriga tem o nome
de Augusto Luís Mendes, o mais destacado dos antigos industriais loricenses. Apesar de,
por exemplo, dos maus acessos que se resumiam à velhinha estrada romana de Lorica, com
dois mil anos, o facto é que os loriguenses transformaram Loriga numa vila industrial
progressiva, o que confirma o seu génio.

Mas, Loriga acabou por ser derrotada por um inimigo político e administrativo, local e
nacional, contra o qual teve que lutar desde o século ′I′.
A história da vila de Loriga é, aliás, um exemplo das consequências que os confrontos de
uma guerra civil podem ter no futuro de uma localidade e de uma região.
Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século ′II, tendo recebido forais em
1136 ( João Rhânia, senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas décadas, no
reinado de D.Afonso Henriques ), 1249 ( D.Afonso III ), 1474 ( D.Afonso V ) e 1514 (
D.Manuel I ), mas, por ter apoiado os chamados Absolutistas contra os Liberais na guerra
civil portuguesa, teve o castigo de deixar de ser sede de concelho em 1855. A conspiração
movida por desejos expansionistas da localidade que beneficiou com o facto, precipitou os
acontecimentos. Tratou-se de um grave erro político e administrativo como se confirma
pela situação desastrosa em que se encontra a vila e região envolvente; foi, no mínimo, um
caso de injusta vingança política, numa época em que não existia democracia e reinavam o
compadrio e a corrupção e assim, começou o declínio de toda a região de Loriga (antigo
concelho de Loriga). No entanto nada mudou desde o século ′I′ em relação á atuação dos
politicos, como o confirma a “reorganização” das freguesias efetuada em 2013, na qual
cometeram os mesmos erros.
[Mapas e brasões das freguesias atualmente existentes na área do antigo concelho de
Loriga]

A área onde existem as actuais freguesias de Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes da Beira,
Teixeira, Valezim, Vide, e as mais de trinta povoações anexas, pertenceu ao Município
Loricense. A vila de Loriga situa-se a vinte quilómetros da actual sede de concelho e
algumas freguesias da sua região, situam-se a uma distância muito maior.

A Região de Loriga, área do antigo Município Loricense, constitui também a Associação de


Freguesias da Serra da Estrela, com sede na vila de Loriga. Loriga e a sua região possuem
enormes potencialidades turísticas e as únicas pistas e estância de esqui existentes em
Portugal estão localizadas na área da freguesia da vila de Loriga.
Se nada de verdadeiramente eficaz for feito, começando pela vila de Loriga, esta região
estará desertificada dentro de poucas décadas, o que, tal como em relação a outras
relevantes terras históricas do interior do país, será com certeza considerado como uma
vergonha nacional. Confirmaria também a óbvia existência de graves e sucessivos erros nas
políticas de coesão, administração e ordenamento do território. Para evitar tal situação,
vergonhosa para o país, é necessário no mínimo por em prática o que já é reconhecido no
papel: desenvolver a vila de Loriga, pólo e centro da região.
[Os três monumentais fontanários erigidos pela Colónia Loriguense de Manaus, Brasil. De
sublinhar que a presença dos primeiros loriguenses no Brasil remonta ao século ′VI,
havendo portanto muitos brasileiros que descendem de naturais desta vila, no entanto
atualmente poucos conhecem ou assumem essa ascendência.]

A rua da Oliveira é uma rua situada no centro histórico da vila. A sua escadaria tem cerca
de 100 degraus em granito, o que lhe dá características peculiares. Esta rua recorda muitas
das características urbanas medievais do centro histórico da vila de Loriga.

O bairro de São Ginês é um bairro do centro histórico de Loriga cujas caracteristicas o


tornam num dos bairros mais conhecidos e típicos da vila. As melhores festas de São João
eram feitas aqui. Como já referido é curioso o facto de este bairro do centro histórico da
vila dever o nome a São Gens, um santo de origem céltica matirizado em Arles, na Gália, no
tempo do imperador Diocleciano, orago de uma ermida visigótica situada na área, atual
capela de Nossa Senhora do Carmo.
Com o passar dos séculos os loricenses mudaram o nome do santo para São Ginês, talvez
por ser mais fácil de pronunciar. Este núcleo da povoação, que já esteve separado do
principal e mais antigo, situado mais abaixo, é anterior à chegada dos romanos.

[Loriga celebrou acordo de geminação com a vila, actual cidade de Sacavém, no concelho
de Loures, em 1 de Junho de 1996.]
A paróquia e a Igreja Matriz de Loriga
Sabe-se que Loriga é uma povoação que tem mais de dois mil e seiscentos anos de
existência no exato local onde existe o centro histórico da vila, uma colina entre ribeiras,
defensável e perto de duas abundantes linhas de água. E a propósito do acesso à água, os
habitantes desta plurimilenar povoação tinham ainda disponível uma nascente, hoje
conhecida por Fonte do Vale, e que sabe-se foi também bastante valorizada mais tarde nas
épocas romana e medieval. Sabe-se que nessa época a povoação estendia-se desde
aproximadamente o local onde existe a convergência de três ruas, e a área onde hoje está o
centro de dia da ALATI. A povoação era defendida por muros e paliçadas e sabe-se que a
atual Rua de Viriato, no troço entre a antiga sede do GDL e a antiga Casa do Povo, coincide
exatamente com uma parte dessa linha defensiva da povoação. O local onde hoje existem o
adro e a igreja era o ponto central dessa povoação, e assim iria permanecer durante muitos
séculos. É portanto completamente natural que com a cristianização da população e com a
chegada dos Visigodos este local fosse eleito para construir o primeiro templo cristão da
então Lorica.

[Aparência atual da antiga ermida visigótica de São Gens, como resultado da última
reconstrução efetuada na data indicada na fachada. Infelizmente os visitantes são
enganados pela aparência moderna e pela referida data porque nada no local informa sobre
a antiguidade deste local de culto.]

Sabe-se que os Visigodos construiram pelo menos dois templos em Lorica, e digo pelo
menos porque encontrei indícios, que não consegui confirmar da existência de mais uma
ermida além daquela que construíram onde hoje está a capela de Nossa Senhora do Carmo
e que era dedicada a S. Gens. A dada altura cheguei a pensar tratar-se da ermida de S.
Bento, a tal que deu nome à area e à ribeira mas essa, embora confirmadamente já
existisse no século ′II não é anterior ao século ′. Certo é que os visigodos construíram a
ermida de S. Gens, e na época era mesmo uma ermida porque aquele local ficava fora da
povoação então existente, e quanto à escolha daquele local não é de excluir a hipótese de
ser um antigo local de culto pagão, dadas as suas caraterísticas. Dada a religiosidade dos
loriguenses, é no mínimo estranho que uma devoção tão antiga a um santo tenha sido
completamente abandonada, que tenham deixado cair em ruínas a sua ermida e depois a
tenham recuperado mas com outro orago. Não consegui encontrar uma explicação, e como
se isso não bastasse e para completar o “anátema” a que os loriguenses condenaram o
santo, mudaram-lhe também o nome de São Gens para São Ginês, um santo que nunca
existiu. Mas o pormenor da mudança de nome pode ser facilmente explicado pela passagem
dos séculos, pelo isolamento e pela “adaptação linguística” que tende a inclinar-se para as
formas mais fáceis, e Loriga também é conhecida pelas suas “singularidades linguísticas” e
pelo uso massivo de alcunhas.

[A igreja matriz de Loriga após o último restauro, vendo-se a porta com a pedra
aproveitada do antigo templo visigótico onde foi gravada a data da construção. Até pela
aparência das paredes notam-se os efeitos da reconstrução e das várias alterações
efetuadas ao longo dos séculos, e as diferenças entre a alvenaria mais antiga e a mais
recente.]

Também é certo que os visigodos construíram um templo dedicado a Nossa Senhora no


exato local onde hoje existe a Igreja Matriz, tratando-se de uma pequena capela cujas
dimensões não andariam longe das que tem a ermida de Nossa Senhora da Guia. Sabe-se
também que na época visigótica Loriga tinha o estatuto de paróquia, que dependia do bispo
de Egitânia ( atual Idanha a Velha ), e que a paróquia abrangia uma área aproximadamente
equivalente ao antigo concelho loricense na sua fase maior, que foi atingida em meados do
século ′I′. Obviamente foi impossível saber com exatidão a área da paróquia na época
visigótica mas fiquei surpreendido com a descoberta da mesma e com a existência de
algumas localidades em redor de Loriga, que ainda existem e das quais apenas duas
atingiram o estatuto de freguesias. Nestas andanças da pesquisa histórica há muito tempo
que aprendi que até algumas aldeias mais pequenas que alguns consideram insignificantes
podem de facto esconder uma história milenar. Em sentido contrário existem localidades
que hoje têm alguma importância e cujos naturais se esforçam por inventar um longo
passado que nunca existiu. Portanto, os tais “casais” referidos nos “pergaminhos”, cujos
habitantes iam à igreja de Lorica ouvir missa, já têm uma longa história que nunca foi
registada, e infelizmente uma dessas localidades foi recentemente e injustamente
amputada do seu estatuto de freguesia. E digo igreja de Lorica porque o uso da atual versão
do nome romano, ou seja Loriga, só se consolidou definitivamente na primeira metade do
século ′III. No início da nacionalidade, a consolidação, a administração do território e a
necessária fixação das populações implicava a atribuição de forais mas também a criação
de condições para a prática do culto, e é por isso frequente ao longo da história a
construção de igrejas por iniciativa real. E a esse propósito os reis mandavam construir
igrejas em povoações que já eram sede de município ou em povoações que seriam elevadas
a essa condição, tudo para ajudar a fixar as populações, e outras medidas eram tomadas
nesse sentido, e por exemplo muitos castelos foram feitos também com esse objetivo. O
pormenor a considerar é que o estatuto de município andava sempre a par com o estatuto
de paróquia, portanto as localidades que tinham igrejas eram geralmente sedes de
concelho, e seria certo se a igreja fosse mandada construir pelo rei. Sabe-se que a Igreja de
Loriga foi mandada construir pelo rei D. Sancho II em cima da construção do já referido
pequeno templo visigótico do qual foi aproveitada a pedra onde foi gravada a data da
construção, o ano de 1233. Assim, essa pedra colocada por cima de uma das portas laterais
virada para o adro, na igreja atual confirma a sua longa existência, correspondendo à data
da decisão da construção. A decisão real nesse sentido deve-se principalmente ao facto de
Loriga pertencer à Vigariaria do Padroado Real. A Igreja foi dedicada desde logo a Santa
Maria Maior, um orago que se mantem, sendo um templo românico cuja traça e fachada
principal fazia lembrar a Sé Velha de Coimbra, embora obviamente sem a monumentalidade
desta.
A
igreja tinha três naves e as dimensões eram próximas das atuais, mas para além disso a
atual igreja nada tem a ver com a antiga e o que vemos ali é fruto de várias reconstruções e
alterações, sendo que as mais radicais foram consequência do sismo de 1755. Já muita
gente se interrogou sobre o porquê das graves consequências do sismo de 1755 em Loriga,
e por isso ficam aqui algumas explicações. Em primeiro lugar, Loriga está situada num local
geologicamente sensível, num sítio de transição entre dois blocos rochosos diferentes, de
um lado o granito e do outro o xisto, facto que é suficiente para provocar grande agitação
em caso de sismo. Além disso, e para piorar a situação, a colina entre ribeiras não é muito
sólida porque foi criada com depósitos arrastados pelo antigo glaciar que rasgou o Vale de
Loriga, e por tudo isso é que as consequências do sismo foram tão graves na vila de Loriga.
De sublinhar que os estragos não se limitaram à Igreja Matriz e o terramoto, além dos
estragos provocados em muitas habitações, provocou o desabamento de uma das paredes
da residência paroquial e abriu fendas no robusto edifício da Câmara Municipal, construído
no século ′III, e cujas paredes do rés do chão onde funcionava a cadeia, tinham uma
espessura de quase dois metros. Os loricenses tiveram que lidar com todos os estragos e
não receberam qualquer ajuda externa, apesar de o próprio Marquês de Pombal ter sido
informado da grave situação. Felizmente não houve, ou pelo menos não há registos de
mortos nem feridos graves na vila. Após o sismo que provocou a ruína praticamente
completa, a igreja foi reconstruída com estilo barroco, mas podem ser sublinhadas outras
alterações, algumas das quais nada tiveram a ver com esta reconstrução. Por exemplo,
foram acrescentadas duas capelas uma de cada lado da capela-mor, uma das quais foi
depois transformada em capela-sacristia e finalmente em apenas sacristia, e ao lado desta
foi acrescentada outra capela. A escadaria e a porta exteriores que dão acesso ao coro
também não existiam e o acesso aos sinos era feito pelo interior da igreja, sendo que estas
últimas alterações foram feitas como consequência do sismo.
Com o tempo foram feitas alterações e restauros por vezes de forma desastrosa por quem
não tinha qualquer sensibilidade para a preservação do património e por isso a atual igreja,
embora bela não é tão bonita nem é tão valiosa quanto seria sem essas más intervenções.
No século seguinte ao do sismo, em Setembro de 1882, novamente se fez sentir no centro
do país um tremor de terra e, por conseguinte também muito sentido em Loriga, o qual
pareceu, em principio, não ter grande gravidade. Só que as consequências viriam mais
tarde, quando todos pareciam já ter esquecido. Em Novembro seguinte, e quando era
celebrada a missa, estalou a viga mestra da igreja tendo, de imediato, sido efetuada a
desocupação do templo e retirando algumas imagens e outros artigos. Só no fim do dia
aconteceu o desabamento quase completo da cobertura ficando apenas de pé a torre, a
capela-mor e as paredes laterais. Dois anos depois foram terminados os trabalhos da
reconstrução da igreja que, tal como acontecera após o sismo de 1755, foi feita pela
população local, toda unida, e foi esta última reconstrução que chegou aos tempos atuais
embora, conforme já foi referido, com alguns “restauros” que a empobreceram.
[Centro histórico da vila, na colina entre as duas ribeiras onde foi fundada a povoação há
mais de 2600 anos.]

[A Lorica/Loriga é a origem do nome da povoação, e é também a origem do gentílico


Loricense/Loriguense, e da principal e insubstituível peça do brasão da vila.]

Vias romanas em Portugal – Vestígios Romanos Georeferenciados em


Loriga
O nome Lorica aparece como sendo da época romana num documento medieval visigótico
com referências à zona. Foi aliás na época visigótica que a “versão” Loriga começou a
substituir o nome latino Lorica que vinha da época romana, mas o nome original dado pelos
romanos só caiu totalmente em desuso durante a primeira metade do século ′III.

Depois, aparece novamente em documentos dos séculos ′, ′I, ′II e ′III, principalmente
em documentos do século ′II, inclusive quando se fala de limites territoriais, onde até a
actual Portela do Arão é referida como Portela de Lorica, começando mais tarde a ser
referida como Portela de Aran, depois de Aarão, e finalmente do Arão.

[Uma imagem da estrada romana na área conhecida propositadamente por Calçadas.]

A estrada romana de Lorica era uma espécie de estrada estratégica,destinada a ajudar a


controlar os Montes Herminius onde, como se sabe, viviam tribos lusitanas muito
aguerridas. Esta estrada ligava entre si duas grandes vias transversais, a que ligava
Conimbriga, a norte, e a que ligava Iaegitania, a sul. Não se sabe quais os locais exactos
dos cruzamentos, mas tudo indica que a norte seria algures perto de Ballatucelum, a actual
Bobadela.
Quanto aos vestígios da calçada romana original, eles podem encontrar-se na área das
Calçadas, onde estiveram na origem deste nome, e dispersos em pequenos vestígios até à
zona da Portela do Arão, tratando-se da mesma estrada.

A título de curiosidade, informa-se que a estrada romana foi utilizada desde que foi
construída, provalvelmente por volta de finais do século I antes de Cristo, até à década de
trinta do século ′′ quando entrou em funcionamento a actual EN231. Sem a estrada
romana teria sido impossível o já por si grande feito de Loriga se tornar um dos maiores
pólos industriais têxteis da Beira Interior durante o século ′I′.

– Factos comprovados: Lorica era o antigo nome de Loriga, existiram duas pontes romanas,
uma delas ainda existe, e a outra, construída sobre a Ribeira de S.Bento, ruiu no século
′VI, e ambas faziam parte da estrada romana que ligava a povoação ao restante império
romano.
A ponte romana que ruiu estava situada a poucas dezenas de metros a jusante da actual
ponte, também construída em pedra mas datada de finais do século ′I′.

A antiga estrada romana descia pela actual Rua do Porto, subia pela actual Rua do Vinhô,
apanhava parte da actual Rua de Viriato passando ao lado da povoação então existente,
subia pelas actuais ruas Gago Coutinho e Sacadura Cabral, passava na actual Avenida
Augusto Luis Mendes, na área conhecida por Carreira, seguindo pela actual Rua do Teixeiro
em direcção à ponte romana ainda existente sobre a Ribeira de Loriga.
[A ponte romana ainda existente sobre a Ribeira de Loriga.]

Entre a capela de São Sebastião e o cemitério, existia um troço de Calçada romana bem
conservada que não deixava dúvidas a ninguém sobre a sua verdadeira origem, mas
infelizmente uma parte foi destruída e a restante soterrada quando fizeram a estrada entre
a Rua do Porto e o cemitério.
Infelizmente o património histórico nunca foi estimado em Loriga…

[A ponte sobre a Ribeira de São Bento, construída no século ′I′ para substituir a ponte
romana que ruíu no século ′VI após uma grande cheia. A ponte romana foi entretanto
substituída por uma travessia em madeira, até á construção desta que ficou conhecida por
Ponte do Arrocho. A estrada romana passava por aqui e esteve na origem da contígua Rua
do Porto.]

Numa zona propositadamente conhecida por Calçadas, já afastada da vila, ainda existem
vestígios bem conservados do primitivo pavimento da estrada romana.

[ Citação livre de extratos da obra do historiador António Conde, História concisa da vila de
Loriga – Das origens à extinção do município. ]
[Extratos da obra do historiador António Conde no site da autarquia local.]
[Brasão de Loriga – Coat of arms.]

Heráldica Loriguense
Resumo do significado do brasão

Brasão: Escudo de azul escuro, uma Lorica/Loriga em vermelho realçada de prata,entre


duas rodas hidráulicas a negro e realçadas de branco; Em chefe uma estrela de ouro, e na
base dois montes e duas linhas de água.
Coroa mural de prata de quatro torres. Listel de prata,com a legenda a negro:«LORIGA»

[Bandeira da vila de Loriga – Flag]

Bandeira: Esquartelada a azul e branco. Cordão e borlas de ouro. Haste e lança de ouro. O
azul e o branco representam o céu, as àguas límpidas, a neve, a beleza, a pureza e as cores
da bandeira portuguesa no início da nacionalidade.

Selo: Redondo, contendo no seu interior os mesmos símbolos do brasão, e com a legenda:
«Junta de Freguesia de Loriga»

Principal simbologia: Como peça central a Lorica,antiga couraça guerreira, origem do nome
multimilenar, lembra as origens remotas da povoação e a história antiga da vila.
As duas rodas hidráulicas simbolizam a duas vezes centenária indústria loriguense, criada
com o engenho das gentes de Loriga e que fizeram a vila destacar-se ainda mais na região.
Eram as rodas hidráulicas que moviam as primitivas fábricas instaladas ao longo das duas
ribeiras que banham a vila. Esses abundantes recursos hídricos foram também desde
tempos mais remotos aproveitados para mover moínhos.
A estrela de ouro simboliza a Serra da Estrela. Pode também simbolizar a vila como uma
estrela dentro da Estrela, e o ponto de referência dos inúmeros emigrantes loricenses
espalhados pelo mundo.
Os montes na base simbolizam os belos e verdejantes montes, por vezes cobertos de neve,
que ladeiam o belíssimo Vale de Loriga e a sua espectacular Garganta de Loriga, uma
alusão à bela e singular paisagem.

Heráldica histórica da vila de Loriga


[O antigo brasão de Loriga era constituído por uma lorica/loriga e uma estrela de sete
pontas em ouro, sobre um escudo azul escuro e dispostas desta forma. A lorica/loriga era
uma alusão á valentia dos naturais traduzida no duas vezes milenar nome da vila, e a
estrela de sete pontas simbolizava a Serra da Estrela e os “sete cabeços”. Dizia-se: ”Loriga
não precisa de muralhas porque ninguém consegue derrubar os sete cabeços” (montes que
rodeiam a vila).]

[As principais propostas da heráldica desenhada por António Conde e aprovada pelas
autoridades competentes. O brasão do lado direito é o que está em uso.]

LORICA - LUSITANIA --- LORIGA - PORTUGAL --- Land of VIRIATHUS

LORICA - LUSITANIA --- LORIGA - PORTUGAL --- Land of VIRIATHUS


A vila de Loriga vestida de branco

LORICA - LUSITANIA - LORIGA - PORTUGAL - LAND OF VIRIATHUS

Região de Loriga - Serra da Estrela


Vale glaciar de Loriga

Praia Fluvial de Loriga - Loriga river beach

Praia uvial da vila de Loriga

--------------------------

Loriga's Docs
História de Loriga – Extratos da obra do historiador António Conde,
“História concisa da vila de Loriga – Das origens à extinção do município”
/ History of Loriga – Excerpts from the work of the historian António
Conde, “Concise History of the town of Loriga – From the Origins to the
extinction of the municipality”
Outros sites sobre Loriga / Others sites about Loriga

History of Loriga | História de Loriga

History of Loriga | História de Loriga

History of Loriga | História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga | História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga

History of Loriga

History of Loriga

History of Loriga
História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

Outros sites sobre Loriga / Others sites about Loriga


Freguesias da Região de Loriga [área do antigo Município Loriguense]

[Mapa da área do antigo Município Loricense, das atuais sete freguesias fundadoras da
Associação de Freguesias da Serra da Estrela, com sede nesta vila.]

Alvoco da Serra
Alvoco da Serra é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 37,57 km² de área e
646 habitantes (2001). Densidade: 17,2 hab/km². A freguesia é constituída por cinco
localidades: Alvoco da Serra (sede da freguesia), Outeiro da Vinha, Vasco Esteves de Baixo,
Vasco Esteves de Cima e Aguincho. Alvoco da Serra recebeu foral de D. Manuel I em 17 de
Fevereiro de 1514, data em que deixou de pertencer ao concelho de Loriga. Foi vila e sede
de concelho entre esta data e 1828, ano em que o concelho foi extinto. Tinha, em 1801, 667
habitantes. Entre 1828 e 1855 pertenceu novamente ao concelho de Loriga, após o que
passou a integrar o concelho de Seia.

Cabeça
Cabeça é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 8,55 km² de área e 229
habitantes (2001). Densidade: 26,8 hab/km². Durante muitos anos foi conhecida como São
Romão de Cabeça. Até ao século ′I′ pertenceu ao concelho, à paróquia e à freguesia de
Loriga. A sua população vive em grande parte da agricultura e da pastorícia. António de
Almeida Santos, ministro em vários Governos, ex-presidente da Assembleia da República,
filho de uma loricense, nasceu em Cabeça, numa época em que a sua mãe dava aulas na
escola primária local.
Sazes da Beira
Sazes da Beira é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 6,39 km² de área e
341 habitantes (2001). Densidade: 53,4 hab/km². A primeira fixação definitiva deu-se
(supõe-se) no século ′V, no lugar chamado de “Sazes Velho”. Em 1527 tinha a aldeia 65
pessoas. No entanto e continuando à procura de proximidade da água levou à fundação do
que é hoje a aldeia de Sazes da Beira propriamente dita. Não se sabe a data da fundação da
sua freguesia/paróquia, mas sabe-se que foi no início do século ′VIII. Em 1731 é edificada
a sua Igreja Matriz. Desde a sua fundação, Sazes pertenceu sempre ao concelho de
Sandomil até à extinção deste em 1836, data em que passou a pertencer ao município de
Loriga. No meio de todas as remodelações administrativas sofridas (em que Sandomil
esteve prestes a pertencer ao concelho de Loriga), a freguesia de Sazes (correspondente a
todo o território da sua paróquia) pertenceu ao concelho de Loriga até 1855, data em que
este foi extinto.

Teixeira
Teixeira é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 12,88 km² de área e 233
habitantes (2001). Densidade: 18,1 hab/km². Pertenceu ao concelho de Loriga até 1514
data em que Alvoco da Serra recebeu foral de D. Manuel I, passando depois a fazer parte da
paróquia da Vide no início do século ′VII. Voltou a ser incluída plenamente no município de
Loriga, a partir de 1828 e até 1855, passando então para o concelho de Seia ao qual
pertence actualmente.
Valezim
Valezim é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 10,94 km² de área, 382
habitantes (2001) e densidade populacional de 34,9 hab/km².
A hipótese mais aceite é que o nome provém de vallecinus (palavra do latim para vale
pequeno). Existe uma lenda sobre a origem do nome, que não faz sentido, mas que tal
como muitas outras lendas teve origem em factos históricos reais. Segundo essa lenda os
mouros terão sido expulsos de Loriga e ao chegarem ao local exclamaram: neste vale sim !
De facto a dada altura os mouros foram expulsos de Loriga, e até é possível que tenham
fundado a povoação, mas concerteza que não falavam português. As principais actividades
económicas da população estão ligadas à agricultura e pastorícia, turismo de habitação e à
construcção civil. O seu primeiro foral é atribuído em 1201, por D. João de Foyle. Em 1514 é
renovado por D. Manuel I, e passa constituir um concelho formado apenas pela freguesia da
sede. Entre os anos de 1836 e 1855 pertenceu ao concelho de Loriga. Nessa data foi
integrado no concelho de Seia, onde pertence. A sua maior festividade é em honra de Nossa
Senhora da Saúde, realizada anualmente, no primeiro Domingo de Setembro.

Vide
Vide é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 51,25 km² de área e 843
habitantes (2001), com uma densidade populacional de 16,4 hab/km².
Está situada na zona centro do país, no Parque Natural da Serra da Estrela, a uma distância
de 25 Km da Torre. A freguesia engloba as seguintes e pequenas povoações anexas:
Abitureira, Baiol, Balocas, Baloquinhas, Barreira, Barriosa, Barroco da Malhada,
Borracheiras, Carvalhinho, Casal do Rei, Casas Figueiras, Cide, Chão Cimeiro, Coucedeira,
Costeiras, Fontes do Cide, Foz da Rigueira, Foz do Vale, Frádigas, Gondufo, Lamigueiras,
Malhada das Silhas, Monteiros, Muro, Obra, Outeiro, Ribeira, Rodeado, Sarnadinha, Silvadal
e Vale do Cide.
Pertenceu ao concelho de Loriga até ao início do século ′VII, época em que ganhou alguma
autonomia com a promoção a paróquia mas continuando dependente de Loriga e sem nunca
receber foral e consequentemente categoria de vila, facto que se reflete no seu brasão.
Essa situação ambigua durou até ao início do século ′I′ (1834), tendo nessa época sido
reintegrada plenamente no município loriguense até 1855, ano em que foi integrada no
concelho de Seia. Em 1801 era constituída apenas pela sede e tinha 750 habitantes.
Últimos estudos, levados a cabo em 2002, confirmam que o povoamento do Vale de Loriga
em cujo extremo se encontra Vide, remonta aos finais do Paleolítico Superior. Entre as
zonas de Entre-águas e de Ferradurras, nesta freguesia, há alguns núcleos rochosos que
possuem várias inscrições rupestres, os maiores descobertos até agora, que foram objecto
de estudo por parte da Associação Portuguesa de Investigação Arqueológica, e que
segundo os traços gerais apresentados, pertencem à Idade do Bronze. No entanto existem
outros vestigios dessa época, que se estendem ao logo do Vale de Loriga até ás
proximidades da vila com o mesmo nome. A aldeia da Vide tem vários acessos sendo os
principais a EN 230, que vem de Oliveira do Hospital e entrontronca com a EN231, e a EN
238, na Portela de Loriga, cruzamento com a EN 231 que une Loriga a Seia.

[Mapa da área do antigo Município Loricense, das atuais sete freguesias fundadoras da
Associação de Freguesias da Serra da Estrela, com sede nesta vila.]
[Limites aproximados do antigo município de Loriga ao longo da história, entre 1136 e
1855.]

Powered by Wikidot.com Help | Terms of Service | Privacy | Report a bug | Flag as objectionable

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License
Create account or Sign in

Loriga | LORIGA - PORTUGAL Search this site

Home Pages Gallery

Others sites about the


More about the town of Loriga | Mais sobre a vila de town of Loriga | Outros

Loriga sites sobre a vila de


Loriga
More about the history of
Loriga / Mais sobre a
história de Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
More information about
Loriga and photos | Mais
informação sobre Loriga e
fotos
Loriga videos
Loriga videos
Loriga videos
LORIGA - INSTITUIÇÕES E ASSOCIAÇÕES DE LORIGA
INSTITUIÇÕES E ASSOCIAÇÕES LORICENSES
Algumas das instituições e associações mais emblemáticas de Loriga

Emblema e bandeira dos Bombeiros de Loriga

Bombeiros Voluntários de Loriga


A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Loriga,é uma das mais
prestigiadas e importantes associações loricenses. Fundada em 16 de Abril de 1982, a sua
criação veio satisfazer uma necessidade há muito sentida nesta vila industrial, assim como
numa região como é a de Loriga.
Banda de Loriga em 1905

Sociedade Recreativa e Musical Loriguense


Esta prestigiada associação loricense, é uma das que mais tem contribuído para, através de
música da mais alta qualidade, interpretada pela sua Banda Filarmónica, levar o nome de
Loriga e a rica cultura loricense a todo o país e ao estrangeiro. Fundada em 1 de Julho de
1905, esta associação tem a sua sede num solar do século XVII, o Solar dos Mendes.

Escola C+S e sede do Agrupamento de Escolas de Loriga

Escola C+S de Loriga


As origens da Escola C+S de Loriga remontam a 1968 com a criação da então chamada
Escola Preparatória. A sua sede funcionou no Solar dos Mendes, local onde estavam
também a maioria das salas de aulas,e as instalações eram complementadas pelo antigo
edifício da Escola Primária, onde hoje é a sede da autarquia. As instalações foram sempre
precárias e insuficientes.Entretanto a escola foi reclassificada, tendo sido montados
pavilhões pré-fabricados para albergar os alunos que consequentemente aumentaram de
número, mas as instalações continuavam insuficientes e cada vêz mais degradadas. O
desejo de instalações próprias e condignas, existente desde 1968,fazia-se sentir com mais
intensidade. Em Novembro de 1996, foi finalmente inaugurado um edifício novo e
emblemático da nova Escola Reis Leitão, instalações cujo único defeito é não possuírem
pavilhão gimnodesportivo.

Casa de Repouso Nossa Senhora da Guia


Centro de Assistência Paroquial de Loriga
O Centro de Assistência Paroquial de Loriga,fundado em 25 de Julho de 1952,presta
relevantes serviços no apoio social,à infância e à terceira idade. Pertencem a esta
instituição, a creche, o infantário, e o lar de idosos da Casa de Repouso de Nossa Senhora
da Guia.

Sede da ALATI no centro histórico da vila

Associação Loriguense de Apoio à Terceira Idade


A Associação Loriguense de Apoio à Terceira Idade foi fundada em 12 de Julho de 1990, e
tal como o nome indica, destina-se essencialmente ao apoio aos idosos,principalmente aos
mais desfavorecidos. Possui um centro de dia no centro histórico da vila, e presta apoio
domiciliário.

Antiga sede do GDL na Rua de Viriato, na parte mais antiga do centro histórico da vila

Grupo Desportivo Loriguense


O Grupo Desportivo Loricense foi fundado em 8 de Abril de 1934,transformando-se
rápidamente numa importante e carismática associação desportiva, mas também cultural.
Emblema da ANALOR e página do jornal Garganta de Loriga

Associação dos Naturais e Amigos de Loriga


Esta prestigiada associação foi fundada em 1987 por loricenses dos tais que, por conta
própria ou dentro de qualquer instituição ou associação loricense, trabalham
incansavelmente para promover a sua terra-natal e contribuir para a resolução dos
poblemas que a afectam. Loriga deve muito a estes loricenses que, embora não residam na
vila, têm lá os seus corações e as suas almas, aqueles que desenvolvem permanentemente
um imenso trabalho pessoal ou colectivo (conforme a opção) pela terra que os viu nascer. A
A.N.A.L.O.R publica um jornal, o Garganta de Loriga, que é um importante meio de
comunicação entre os loricenses espalhados pelo país e pelo mundo. Através dos artigos de
António Conde, um conhecido historiador e benfeitor de Loriga, publicados nesse jornal, os
loricenses acordaram para o conhecimento da sua história mais remota. Aliás, Loriga e a
sua história têm sido divulgadas pelo Sr. Conde através dos mais diversos meios de
comunicação portugueses e estrangeiros e nos mais diversos sites, desde a Wikipédia
(onde ele criou o artigo sobre Loriga em português e em inglês) até sites de grande nível
cultural. Há mais de vinte e cinco anos, que o historiador António Conde vem a fazer uma
pesquisa minuciosa sobre a história antiga da vila de Loriga, percorrendo arquivos e
recolhendo dados e documentos preciosos que compilou numa obra a que chamou, História
Concisa da vila de Loriga - Das origens à extinção do município. No entanto a sua pesquisa
tem continuado, acumulando mais dados e documentos sobre a história da vila de Loriga, e
tudo foi feito muitas vezes com prejuízo da sua vida pessoal, familiar e financeira, que
foram aliás muito prejudicadas, mas tudo foi feito pelo grande amor que este grande
loriguense tem à terra que o viu nascer.

Sede da ISSAL junto da Igreja Matriz

Irmandade do Santíssimo Sacramento e das Almas de Loriga


Esta instituição, de carácter religioso, é histórica e as suas origens mais remotas
encontram-se no século XIV, e desde finais do século XVI que tem o nome e os moldes
actuais. Noutros tempos chegou a funcionar como se fosse a Santa Casa da Misericórdia de
Loriga, embora nunca tivesse esse nome.
Bandeira do CLBP

Centro Loriguense de Belém do Pará


Esta foi a primeira associação loricense criada fora de Loriga,e foi também a primeira a ser
criada no estrangeiro. Foi fundada em 4 de Julho de 1937 no seio da importante colónia
loricense, que desde o século XIX existia em Belém, mas também em Manaos, havendo
também loricenses noutras partes do Brasil desde o século XVII. Aliás foi a colónia de
Manaos que construíu os monumentais fontanários que podem admirar-se na vila.

Os três monumentais fontanários erigidos pela Colónia Loriguense de Manaus, Brasil. De


sublinhar que a presença dos primeiros loriguenses no Brasil remonta ao século XVI,
havendo portanto muitos brasileiros que descendem de naturais desta vila, no entanto
atualmente poucos conhecem ou assumem essa ascendência.

Brasão de Loriga - Coat of arms


Heráldica Loriguense
Resumo do significado do brasão

Brasão: Escudo de azul, uma Lorica em vermelho realçada de prata, entre


duas rodas hidráulicas a negro e realçadas de branco; Em chefe
uma estrela de ouro, e na base dois montes e as linhas de àgua que banham a vila.
Coroa mural de prata de quatro torres. Listel branco, com a legenda a
negro: «LORIGA»

Bandeira da vila de Loriga - Flag

Bandeira: Esquartelada a azul e branco. Cordão e borlas de ouro. Haste e lança de ouro. O
azul e o branco representam o céu, as àguas límpidas, a neve,a beleza, a pureza e as cores
antigas da bandeira portuguesa, recordando também que durante muito tempo Loriga
pertenceu directamente à coroa.

Selo: Redondo,contendo no seu interior os mesmos símbolos do brasão,e com a


legenda:«Junta de Freguesia de Loriga»

Simbologia: Como peça central a Lorica, antiga couraça guerreira, origem do nome
multimilenar, lembra as origens remotas da povoação e a história antiga da vila.
As duas rodas hidráulicas simbolizam a duas vezes centenária
indústria loriguense, criada com o engenho das gentes de Loriga e que
fizeram a vila destacar-se ainda mais na região. Eram as rodas
hidráulicas que moviam as primitivas fábricas instaladas ao longo
das duas ribeiras que banham a vila. Esses abundantes recursos
hídricos foram em tempos mais remotos aproveitados também para mover
moínhos.
A estrela de ouro simboliza principalmente a Serra da Estrela. Pode também
simbolizar a vila como uma estrela dentro da Estrela, e o ponto de
referência dos inúmeros emigrantes loricenses espalhados pelo mundo.
Os montes na base simbolizam os belos e verdejantes montes que
ladeiam o belíssimo Vale de Loriga e a sua espectacular Garganta de
Loriga, constituíndo uma paisagem única.
(Nota: Esta heráldica foi desenhada pelo historiador António Conde e tem a aprovação das
autoridades legais competentes.)

Heráldica histórica da vila de Loriga - Brasão de Loriga existente no


século XIII
O antigo brasão da vila de Loriga era constituído por um escudo azul, contendo duas peças
de ouro: Uma couraça e uma estrela de sete pontas. A couraça era uma referência à
valentia da localidade e dos seus habitantes, traduzida no próprio nome, e a estrela com
sete pontas era uma referência á Serra da Estrela e aos "sete cabeços" ( montes ) que
rodeiam a vila.
Em tempos antigos dizia-se : "Loriga não precisa de muralhas porque ninguém consegue
derrubar os sete cabeços".

Brasão histórico da vila de Loriga - Historical coat of arms

LORIGA - TERRA DE VIRIATO


VIRIATO

"…Sucedeu o pastor Viriato, natural de Lobriga, hoje a vila de Loriga, no


cimo na Serra da Estrela, Bispado de Coimbra; Ao qual, tendo quarenta anos de
idade, aclamaram Rei dos Lusitanos e casou em Évora com uma nobre
Senhora, no ano 147.
Prendeu em batalha, ao Pretor romano Caio Vetílio e lhe degolou 4000
soldados;A Caio Lucitor, daí a uns dias, matou 6000.
Ao capitão Caio Plaucio , matou Viriato mais de 4000 junto de
Toledo. Reforçou-se o dito capitão, e dando batalha junto de Évora, prendeu
4000 soldados.
No ano 146, o Pretor Cláudio Unimano lhe deu batalha e de todo foi
destruído por Viriato, que repartiu os despojos pelos soldados, pondo nos
montes mais altos da Lusitânia, os estendartes romanos…"
(Página do livro manuscrito História da Lusitânia, do Bispo Mor do
Reino, 1580, "traduzida" do português arcaico para o actual). Entre os diversos
documentos que falam de Loriga como berço de Viriato, este é o mais curioso.

-Algumas citações de alguns dos mais importantes antigos historiadores romanos:

-"Viriato,um lusitano de nascimento,sendo pastor desde criança nas


altas montanhasº, foi para todos os Romanos motivo do maior terror. A
princípio armando emboscadas, depois devastando províncias, por último
vencendo, pondo em fuga, subjugando exércitos de Pretores, e Cônsules romanos."

(Orósio(5.4.1)

-"Viriato,nascido e criado nas mais altas montanhasº da Lusitânia, onde


foi pastor desde criança, conseguiu reunir o apoio de todo o seu povo para
sacudir o jugo romano e fundar uma grande nação livre na Hispânia"

(Floro(1.33)

-"…Este Viriato era originário dos Lusitanos… Sendo pastor desde


criança, estava habituado a uma vida dura nas altas montanhasº… Famoso
entre as populações,foi por eles escolhido como chefe…

(Diodoro Sículo (33.1.1-4)….

ºHermínius,actual Serra da Estrela

-Todos os grandes historiadores, começando pelos romanos antigos, elogiam as


grandes qualidades de Viriato. Nelas se destacam, a inteligência, o
humanismo, a capacidade de liderança, e a sua grande visão de estratega
militar e político. A este grande homem, que liderou os
Lusitanos, antepassados dos portugueses, os romanos só conseguiram vencer
recorrendo à vergonhosa traição cobarde. Este homem,tal como outros que
ficaram na história, tinha origens humildes, provando-se na época,tal como
hoje,que as capacidades individuais não dependem do estrato social, nem das
habilitações académicas. Apesar das inúmeras lições da história em sentido
contrário, alguns pseudointelectuais e pseudohistoriadores "elitistas" e
preconceituosos continuam a achar que é improvável que alguém com origens
humildes se torne uma grande figura histórica, e então inventaram teorias
ridículas no sentido de atribuír "sangue azul" e origens "nobres" a Viriato.
Viriato, era apenas um pastor, habituado desde criança a percorrer as
montanhas dos Herminius (actual Serra da Estrela), onde nasceu, e que
conhecia como as palmas das suas mãos,inclusivé as povoações lusitanas da
serra. A Lobriga,sua terra-natal,um povoado fortificado situado
estratégicamente próximo do ponto mais alto da serra, os romanos puseram o
nome de Lorica (antiga couraça guerreira).

VIRIATHUS WAS BORN IN LORIGA


In 147 b.C.,thousands of Lusitanian warriors found themselves surrounded
by the military forces of magistrate Caio Vetílio. At first this seemed
like just another Roman attempt to seize the Iberian Península in the on
going war in which the Roman Republic had led for years.But pursued by the
enemy, the Lusitanians elect one of their own and hand him absolute
power. Born in Lobriga, Lusitania, Lorica for the Romans, current Loriga in
Portugal, this man, who for seven will taunt the Romans, is called Viriathus.
Between 147 and 139, the year in which he was killed (murder by Romans,he
was assassinated while sleeping), Viriathus successively defeated Roman
armies, led a greater part of the iberian peoples into revolt and was
responsible for the beginning of the war of Numância.
After the murder, the Lusitanian guerrilla was continued to resist, "the
women boke arms with the men, who died wiht a will,not a man of them
showing his back,or uttering a cry. Of the women who were captured some
killed themselves, others slew their children also with their own
hands, considering death preferable to captivity".
Viriathus, is considered the first Lusian figure, and also national hero in
Portugal. It was born without a doubt in the Hermínius,current Serra da
Estrela, wehere he was shepherd since child,more precisely in
Lobriga, Lorica for the Romans,current Loriga,in Portugal.
Viriathus, was praised had to is great qualities human beings, and of great
strategist to military and diplomat, inclusively for the old Romans
historians. Viriathus, proved that at the time, such as today,the individual
capacities do not depend on the social estratum nor of the academical
qualifications. Viriathus,was only one shepherd, accustomed since child to
cover mountains of the heart of the Lusitania.
Roman,the superpower of the time, only obtained to arrange away it to
win,resort to the shameful and dishonourable treason coward!Curiously,it
was after an act of high treason of the part of the Romans, wich cost the
life the thousand of disarmed Lusitanians, that Viriathus was elect to
leader for is compatriots.
Viriathus, leader that it directed with effectiveness the resistence of the
Lusitanians, ancestors of the Portugueses, against a powerful invader, is
considered since its time an example to follow.
Viriathus,was a true military genious,politician and diplomat. But, moreover, he was the
defender of a world asphyxiated by the great Roman dominion. The world in which he very
roots of Portugal are implanted.
Viriathus, is a real portuguese national hero.

( By the historian António Conde )

LORICA - LUSITANIA --- LORIGA - PORTUGAL --- Land of VIRIATHUS

A vila de Loriga vestida de branco


Região de Loriga - Serra da Estrela

LORICA - LUSITANIA - LORIGA - PORTUGAL - LAND OF VIRIATHUS

Vale glaciar de Loriga

LORIGA - PORTUGAL
Vila de Loriga

Vila de Loriga, Serra da Estrela - Páscoa 2017

Vila de Loriga na Páscoa em 2016

Loriga - Serra da Estrela - Portugal - Verão 2016


Lorica - Lusitania & Loriga - Portugal

Praia uvial da vila de Loriga - Loriga town river beach

Praia Fluvial de Loriga - Loriga river beach

Praia Fluvial - Fluvial Beach - LORIGA - PORTUGAL


Vila de Loriga - Missa transmitida pela TVI no dia 07-08-2016

LORICA - LUSITANIA --- LORIGA - PORTUGAL --- Land of VIRIATHUS

LORICA - LUSITANIA - LORIGA - PORTUGAL - LAND OF VIRIATHUS


Vila de Loriga, Serra da Estrela - Páscoa 2017

Vila de Loriga - Serra da Estrela - Portugal

Vila de Loriga
Praia uvial da vila de Loriga

Praia Fluvial de Loriga

Praia Fluvial - Fluvial Beach - LORIGA - PORTUGAL

Loriga Chillout Walk A


Região de Loriga - Serra da Estrela

Loriga - A vila em 1989

Loriga, vila industrial desde o século XIX


* More information about the town of Loriga
* More information about the town of Loriga
* More information about the town of Loriga
* More information about the town of Loriga
* More information about the town of Loriga
* More information about the town of Loriga
* Mais informação sobre a vila de Loriga
* Mais informação sobre a vila de Loriga
* Mais informação sobre a vila de Loriga
* Mais informação sobre a vila de Loriga
* Mais informação sobre a vila de Loriga
* Mais informação sobre a vila de Loriga
* Mais informação sobre a vila de Loriga
* Mais informação sobre a vila de Loriga
Powered by Wikidot.com Help | Terms of Service | Privacy | Report a bug | Flag as objectionable

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License
Create account or Sign in

Loriga | LORIGA - PORTUGAL Search this site

Home Pages Gallery

Others sites about the


Links town of Loriga | Outros
sites sobre a vila de
Loriga
More about the history of
Loriga / Mais sobre a
história de Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
History and more
information about Loriga |
História e mais
informação sobre Loriga
More information about
Loriga and photos | Mais
informação sobre Loriga e
fotos
Loriga videos
Loriga videos
Loriga videos
Loriga's Site - LINKS
História de Loriga – Extratos da obra do historiador António Conde,
“História concisa da vila de Loriga – Das origens à extinção do município”
/ History of Loriga – Excerpts from the work of the historian António
Conde, “Concise History of the town of Loriga – From the Origins to the
extinction of the municipality”
Outros sites sobre Loriga / Others sites about Loriga

History of Loriga / História de Loriga

Loriga - Portugal

Loriga videos

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História

História
História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga

História de Loriga

História de Loriga

Loriga videos

Loriga videos

Loriga photos

Outros sites sobre Loriga / Others sites about Loriga

Loriga's Docs
História de Loriga – Extratos da obra do historiador António Conde,
“História concisa da vila de Loriga – Das origens à extinção do município”
/ History of Loriga – Excerpts from the work of the historian António
Conde, “Concise History of the town of Loriga – From the Origins to the
extinction of the municipality”
History of Loriga | História de Loriga

History of Loriga | História de Loriga

History of Loriga | História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga
History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga

History of Loriga

History of Loriga

History of Loriga

História de Loriga

História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

History of Loriga / História de Loriga

Outros sites sobre Loriga / Others sites about Loriga


Powered by Wikidot.com Help | Terms of Service | Privacy | Report a bug | Flag as objectionable

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License
A História

: Foral Manuelino de Loriga

O primeiro foral data de 1136 e foi dado por Jo ão Rhania, a quem D. Afonso Henriques tornou senhor das terras de
égio (dado directamente pelo rei) data de 1249,
Loriga. E o primeiro foral r

portanto em 1514 Loriga já era vila e sede de concelho.


ória concisa da vila de Loriga
: Hist

Lorica, foi o nome dado pelos Romanos a Lobriga, povoa ção que foi, nos Hermínios (actual Serra da Estrela), um forte
bastião lusitano contra os invasores romanos. Os Hermínios foram a maior fortaleza lusitana e Lorica situada no coração

dessa fortaleza, perto do ponto mais alto. Lorica, provem do latim, correspondendo ao nome de antiga couraça

guerreira, denominação que derivou em Loriga, a qual tinha o mesmo significado. Os próprios soldados e legionários

romanos usavam Lorica. Os Romanos "rebaptizaram" a população com o referido nome, devido à sua posição

estratégica na serra, e ao seu protagonismo durante a guerra com os Lusitanos (LORICA LUSITANORUM CASTRUM

EST). É um caso raro em Portugal de um nome que se mantém praticamente inalterado há dois mil anos, sendo

altamente significativo da antiguidade e da história da povoação (por isso, a couraça é a peça central e principal do

brasão histórico da vila).

A povoa ção foi fundada estrategicamente no alto de uma colina, entre duas ribeiras, num belo vale de origem glaciar.
Desconhece-se, como é evidente, a longínqua data da sua fundação, mas sabe-se que a povoação existe há mais de

dois mil e seiscentos anos, e surgiu originalmente no mesmo local onde hoje está o centro histórico da vila. No Vale de

Loriga, onde a presença humana é um facto há mais de cinco mil anos, existem actualmente, além da vila, as aldeias de

Cabeça, Muro, Casal do Rei e Vide.


A Lorica usada pelos romanos e que deu Sepultura antropomórfica com mais de Guerreiro Lusitano
nome à vila 2600 anos

Da época pré-romana existe, por exemplo uma sepultura antropomórfica com mais de dois mil anos, num local onde
existiu um antigo santuário, numa época em que o nome da povoação era Lobriga, etimologia de evidente origem

céltica. Lobriga, foi uma importante povoação fortificada, Celta e Lusitana, na serra.

ção local, e diversos documentos antigos, apontam Loriga como tendo sido o berço de Viriato, o qual terá
A tradi

nascido nos Hermínios onde foi pastor desde criança. É interessante a descrição existente no livro manuscrito "História

da Luzitânia", do Bispo-Mor do Reino (1580):"...Sucedeu o pastor Viriato, natural de Lobriga, hoje a vila de Loriga, no

cimo da Serra da Estrela, Bispado de Coimbra, ao qual, aos quarenta anos de idade, aclamarão Rey dos Luzitanos, e

casou em Évora com uma nobre senhora no ano 147...". A rua principal, da área mais antiga do centro histórico da vila

de Loriga, tem o nome de Viriato, em sua homenagem.

Ainda hoje existem partes da estrada, e uma das duas pontes (s éculo I a.C.), com que os Romanos ligaram Lorica ao
restante império. A ponte romana ainda existente, sobre a Ribeira de Loriga, está em bom estado de conservação, e é

um bom exemplar da arquitectura da época.


A estrada romana ligava Lorica a Egitânia (Idanha-a-Velha), Talabara (Alpedrinha), Sellium (Tomar), Scallabis (Santarém),
Olisipo (Lisboa) e a Longóbriga (Longroiva), Verurium (Viseu), Balatucelum (Bobadela), Conímbriga (Condeixa) e

Aeminium (Coimbra). Era uma espécie de estrada estratégica destinada a ajudar a controlar os montes Hermínios onde

viviam tribos lusitanas muito aguerridas.

Quando os romanos chegaram, a povoa ção estava dividida em dois núcleos separados por poucas centenas de
metros. O maior, mais antigo e principal situava-se na área onde hoje existem a Igreja Matriz e parte da Rua de Viriato,

sendo defendido por muros e paliçadas. O outro núcleo, constituído apenas por algumas habitações, situava-se mais

acima junto a um pequeno promontório rochoso, em cima do qual mais tarde os Visigodos construíram uma ermida

dedicada a S. Gens.

Estrada romana (séc. I a.C.) Ponte romana sobre a Ribeira de Loriga Fontanário da época romana no centro
(séc. I a.C.) histórico da vila
í
Com o dom nio romano, cresceu a import ância de Lorica, uma povoação castreja que recebeu populações de castros
í
existentes noutros locais dos Herm nios e que entretanto foram abandonados. Isso aconteceu porque esses castros

í
estavam localizados em s tios onde a única vantagem existente era a facilidade de defesa. Sítios que, ao contrário de
Lorica, eram apenas um local de refúgio, onde as habitações estavam afastadas dos recursos necessários à

sobrevivência, tais como água e solos aráveis. Um desses castros abandonados e cuja população se deslocou para

Lorica, situava-se no ainda conhecido Monte do Castelo, ou do Castro, perto da Portela de Loriga. No século XVIII ainda

eram visíveis as ruínas das fundações das habitações que ali existiram, mas actualmente no local apenas se vêem

pedras soltas. A propósito é completamente errada a ideia criada segundo a qual os Lusitanos apenas construíam as

suas habitações no cimo dos montes, que deixaram apenas com a chegada dos romanos. Pelo contrário, eles sabiam

escolher os melhores locais e a facilidade de defesa não era o único critério.

Loriga, foi também importante para os Visigodos, os quais deixaram uma ermida dedicada a S. Gens, um santo de
origem céltica, martirizado em Arles, na Gália, no tempo do imperador Diocleciano. A ermida sofreu obras de alteração

e o orago foi substituído, passando a ser de Nossa Senhora do Carmo. Com a passagem dos séculos, os loricenses

passaram a conhecer o santo por S. Ginês, hoje nome de bairro neste local do actual centro histórico da vila. A actual

derivação do nome romano, Loriga, começou a ser usada pelos Visigodos.


Ermida visigótica de S. Gens, reconstruída Soldado romano envergando a Lorica, Pedra com inscrições visigóticas na Igreja
e com outro orago (Nossa Senhora do origem do nome da vila Matriz
Carmo)

A Igreja Matriz tem, numa das portas laterais, uma pedra com inscri ções visigóticas, aproveitada de um antigo pequeno
templo existente no local quando da construção datada de 1233. A antiga igreja, era um templo românico com três

naves, a traça exterior era semelhante à da Sé Velha de Coimbra, tinha o tecto e abóbada pintados com frescos, e,

quando foi destruída pelo sismo de 1755, possuía nas paredes, quadros da escola de Grão Vasco. Da primitiva igreja

românica do século XIII restam partes das paredes laterais e outra alvenaria. Desde a reconquista cristã, que Loriga

pertenceu à Coroa e à Vigariaria do Padroado Real, e foi o próprio rei (na época D. Sancho II) que mandou construir a

Igreja Matriz, cujo orago, era, tal como hoje, de Santa Maria Maior. Na segunda metade do século XII já existia a

paróquia de Loriga, que foi criada aliás pelos visigodos pertencendo então à diocese da Egitânia, e os fieis dos então

poucos e pequenos lugares ou "casais" dos arredores, vinham à vila assistir aos serviços religiosos. Alguns desses

lugares, hoje freguesias, foram, a partir do século XVI, adquirindo alguma autonomia religiosa, começando por Alvoco,

seguindo-se Vide, Cabeça e Teixeira.

A vila de Loriga, recebeu forais de Jo ão Rhânia (senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas décadas, no
tempo de D. Afonso Henriques) em 1136, de D. Afonso III em 1249, de D. Afonso V em 1474, e recebeu foral novo de D.

Manuel I em 1514.

égio e em 1474, D.Afonso V doou Loriga ao fidalgo Álvaro Machado,


Com D. Afonso III, a vila recebeu o primeiro foral r

herdeiro de Luís Machado, que era também senhor de Oliveira do Hospital e de Sandomil, doação confirmada em 1477,

e mais tarde por D. Manuel I. No entanto, após a morte do referido fidalgo, a vila voltou definitivamente para os bens da

Coroa. No século XII, o concelho de Loriga abrangia a área compreendida entre a Portela de Loriga (hoje também
conhecida por Portela do Ar ão) e Pedras Lavradas, incluindo as áreas das actuais freguesias de Alvoco da Serra,
Cabeça, Teixeira e Vide. Na primeira metade do século XIX, em 1836, o concelho de Loriga passou a incluir Valezim e

Sazes da Beira. Valezim, actual aldeia histórica, recebeu foral em 1201, e o concelho foi extinto em 1836, passando a

pertencer ao de Loriga. Alvoco da Serra recebeu foral em 1514 e Vide gozou de alguma autonomia no século XVII mas

sem nunca ter recebido foral ou categoria de vila, mas voltaram a ser incluídas plenamente no concelho de Loriga em

1828 e 1834 respectivamente, também no início do século XIX. As sete freguesias que ocupam a área do antigo

município loricense, constituem actualmente a denominada Região de Loriga. Essas freguesias constituem também a

Associação de Freguesias da Serra da Estrela, com sede na vila de Loriga.

Igreja Matriz, parte da alvenaria que Fontanário exibindo uma inscrição do Pelourinho (século XIII, reconstruído) em
resistiu ao terramoto de 1755 século XIII frente do antigo edifício da Câmara
entretanto adaptado para residência
particular
Loriga, é uma vila industrializada (têxtil) desde o início do século XIX, quando "aderiu" à chamada revolução industrial,
mas, já no século XVI os loricenses produziam buréis e outros panos de lã.

, ,
Loriga chegou a ser uma das localidades mais industrializadas da Beira Interior e a actual sede de concelho s ó
conseguiu ultrapass á-la em meados do século XX. Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga em número
de empresas. Demonstrativo da genialidade dos loricenses, é que tudo isso aconteceu apesar dos acessos difíceis à

vila, os quais até à década de trinta do século XX, se resumiam à velhinha estrada romana de Lorica, construída no

século I antes de Cristo. Nomes de empresas, tais como Regato, Fândega, Leitão & Irmãos, Redondinha, Tapadas,

Augusto Luís Mendes, Moura Cabral, Lorimalhas, Lages Santos, Nunes Brito, etc, fazem parte da rica história industrial

desta vila. A maior e principal avenida de Loriga tem o nome de Augusto Luís Mendes, o mais destacado dos antigos

industriais loricenses .

, ,
Mais tarde a metalurgia a pastelaria e mais recentemente o turismo (Loriga tem enormes potencialidades turísticas) ,
passaram a fazer parte dos pilares da economia da vila .

Outra prova do g énio loricense é um dos ex-líbris de Loriga, os inúmeros socalcos e a sua complexa rede de irrigação,
construídos ao longo de muitas centenas de anos e que transformaram um vale belo mas rochoso, num vale fértil.

, í , ,
Mas Loriga acabou por ser derrotada por um inimigo pol tico e administrativo local e nacional contra o qual teve que

lutar desde meados do s éculo XIX.


A história da vila de Loriga é, aliás, um exemplo das consequências que os confrontos de uma guerra civil podem ter no

futuro de uma localidade e de uma região. Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século XII, tendo mas,

,
por ter apoiado os chamados Absolutistas contra os Liberais na guerra civil portuguesa teve o castigo de deixar de ser

.
sede de concelho em 1855 quando da reforma administrativa em curso A conspira ção movida por desejos
fi , . -
expansionistas da localidade que bene ciou com o facto precipitou os acontecimentos Tratou se de um grave erro

í fi - ; , í , ç
pol tico e administrativo como tem vindo a con rmar se foi no m nimo um caso de injusta vingan a pol tica numaí ,
época em que não existia democracia e reinavam o compadrio e a corrupção, e assim começou o declínio de toda a
região de Loriga (antigo concelho de Loriga).

fi ç
Se nada de verdadeiramente e caz for feito, come ando pela vila de Loriga, esta regi ão estará desertificada dentro de
poucas décadas, o que, tal como em relação a outras relevantes terras históricas do interior do país, será com certeza

considerado como uma vergonha nacional.


Con rmaria tamb ém a óbvia existência de graves e sucessivos erros nas políticas de coesão administração e
ordenamento do território, para não dizer inexistência. Para evitar tal situação vergonhosa para o país, é necessário no

mínimo pôr em prática o que já é reconhecido no papel: desenvolver a vila de Loriga, pólo e centro da região.

Infelizmente constata-se que os políticos não mudaram desde o século XIX nem aprenderam com os erros, como se

confirmou com a "reforma" de 2013.

Em Loriga existe a única estância e pistas de esqui existentes em Portugal . Loriga, é a capital da neve em Portugal .

í
VIAS ROMANAS EM PORTUGAL - Vest gios Romanos Georreferenciados em Loriga

O nome Lorica aparece como sendo da época romana num documento medieval visigótico com referências à zona. Foi
aliás na época visigótica que a "versão" Loriga começou a substituir o nome Lorica que vinha da época romana, mas o

nome original dado pelos romanos só caiu totalmente em desuso durante a primeira metade do século XIII.

Depois, aparece novamente em documentos dos séculos X, XI, XII e XIII, principalmente em documentos do século XII,

inclusive quando se fala de limites territoriais, onde até a actual Portela do Arão é referida como Portela de Lorica,

começando mais tarde a ser referida como Portela de Aran, depois de Aarão, e finalmente do Arão.
A estrada romana de Lorica era uma esp écie de estrada estratégica, destinada a ajudar a controlar os Montes
í
Herm nios onde, como se sabe, viviam tribos lusitanas muito aguerridas. Esta estrada ligava entre si duas grandes vias

í
transversais, a que ligava Con mbriga, a norte, e a que ligava Iaegitania, a sul. N ão se sabe os locais exactos dos
cruzamentos, mas tudo indica que a norte seria algures perto da actual Bobadela.

í ç
Quanto aos vest gios da cal ada romana original, eles podem encontrar-se naárea das Calçadas, onde estiveram na
origem deste nome, e dispersos em pequenos vestígios até à zona da Portela do Arão, tratando-se da mesma estrada.

í í
A t tulo de curiosidade a estrada romana foi utilizada desde que foi constru da, provavelmente por volta de finais do
século I antes de Cristo, até à década de trinta do século XX quando entrou em funcionamento a actual EN231. Sem a
estrada romana teria sido impossível o já por si grande feito de Loriga se tornar um dos maiores pólos industriais têxteis

da Beira Interior durante o século XIX.

Vista da Estância de Esqui de Loriga, do fotos em sites.google.com


lado da Torre, vendo-se ao fundo a
Garganta de Loriga

Factos comprovados: Lorica era o antigo nome de Loriga, existiram duas pontes romanas, uma delas ainda existe, e a

í
outra, constru da sobre a Ribeira de S. Bento, ruiu no s éculo XVI, e ambas faziam parte da estrada romana que ligava a
povoa ção ao restante império romano.
A ponte romana que ruiu estava situada a poucas dezenas de metros a jusante da actual ponte, tamb ém construída em
pedra mas datada de finais do século XIX. A antiga estrada romana descia pela actual Rua do Porto, subia pela actual
Rua do Vinhô, apanhava parte da actual Rua de Viriato passando ao lado da povoação então existente, subia pelas

actuais ruas Gago Coutinho e Sacadura Cabral, passava na actual Avenida Augusto Luís Mendes, na área conhecida

por Carreira, seguindo pela actual Rua do Teixeiro em direcção à ponte romana sobre a Ribeira de Loriga, também

conhecida por Ribeira da Nave e Ribeira das Courelas.

ão e o cemitério, existia um troço de calçada romana bem conservada que não deixava
Entre a capela de S. Sebasti

dúvidas a ninguém sobre a sua verdadeira origem, mas infelizmente uma parte foi destruída e a restante soterrada

quando fizeram a estrada entre a Rua do Porto e o cemitério.

O patrim ónio histórico nunca foi estimado em Loriga...

Numa zona propositadamente conhecida por Cal adas, j ç á afastada da vila, ainda existem vestígios bem conservados
do primitivo pavimento da estrada romana.

Por Ant ónio Conde ória de Loriga


- Hist - Extratos da obra de António Conde
, "Hist ória concisa da vila de Loriga - Das origens à extinção do
í
munic pio"

Apontamento conciso sobre a hist ória da vila de Loriga


@
Loriga site2002

C a s a d a P o n t e d o A r r o c h o : Lo r i g a . S e i a . G u a r d a . P o r t u g a l : A l o j a m e n t o Lo c a l . /
RNAL 48439 AL

D e s e n v o l v i d o p o r We b n o d e

Crie o seu site grátis


A paróquia e a Igreja Matriz da vila de Loriga

Sabe-se que Loriga é uma povoação que tem mais de dois mil e seiscentos
anos de existência no exato local onde existe o centro histórico da
vila, uma colina entre ribeiras, defensável e perto de duas abundantes
linhas de água. E a propósito do acesso à água, os habitantes desta
plurimilenar povoação tinham ainda disponível uma nascente, hoje
conhecida por Fonte do Vale, e que sabe-se foi também bastante valorizada
mais tarde nas épocas romana e medieval. Sabe-se que nessa época a
povoação estendia-se desde aproximadamente o local onde existe a
convergência de três ruas, e a área onde hoje está o centro de dia da
ALATI. A povoação era defendida por muros e paliçadas e sabe-se que a
atual Rua de Viriato, no troço entre a antiga sede do GDL e a antiga Casa
do Povo, coincide exatamente com uma parte dessa linha defensiva da
povoação. O local onde hoje existem o adro e a igreja era o ponto central
dessa povoação, e assim iria permanecer durante muitos séculos. É
portanto completamente natural que com a cristianização da população e
com a chegada dos Visigodos este local fosse eleito para construir o
primeiro templo cristão da então Lorica.
Sabe-se que os Visigodos construiram pelo menos dois templos em Lorica, e
digo pelo menos porque encontrei indícios, que não consegui confirmar da
existência de mais uma ermida além daquela que construíram onde hoje está
a capela de Nossa Senhora do Carmo e que era dedicada a S. Gens. A dada
altura cheguei a pensar tratar-se da ermida de S. Bento, a tal que deu
nome à area e à ribeira mas essa, embora confirmadamente já existisse no
século XII não é anterior ao século X. Certo é que os visigodos
construíram a ermida de S. Gens, e na época era mesmo uma ermida porque
aquele local ficava fora da povoação então existente, e quanto à escolha
daquele local não é de excluir a hipótese de ser um antigo local de culto
pagão, dadas as suas caraterísticas. Dada a religiosidade dos
loriguenses, é no mínimo estranho que uma devoção tão antiga a um santo
tenha sido completamente abandonada, que tenham deixado cair em ruínas a
sua ermida e depois a tenham recuperado mas com outro orago. Não consegui
encontrar uma explicação, e como se isso não bastasse e para completar o
"anátema" a que os loriguenses condenaram o santo, mudaram-lhe também o
nome de São Gens para São Ginês, um santo que nunca existiu. Mas o
pormenor da mudança de nome pode ser facilmente explicado pela passagem
dos séculos, pelo isolamento e pela "adaptação linguística" que tende a
inclinar-se para as formas mais fáceis, e Loriga também é conhecida pelas
suas "singularidades linguísticas” e pelo uso massivo de alcunhas.
Também é certo que os visigodos construíram um templo dedicado a Nossa
Senhora no exato local onde hoje existe a Igreja Matriz, tratando-se de
uma pequena capela cujas dimensões não andariam longe das que tem a
ermida de Nossa Senhora da Guia. Sabe-se também que na época visigótica
Loriga tinha o estatuto de paróquia, que dependia do bispo de Egitânia (
atual Idanha a Velha ), e que a paróquia abrangia uma área
aproximadamente equivalente ao antigo concelho loricense na sua fase
maior, que foi atingida em meados do século XIX. Obviamente foi
impossível saber com exatidão a área da paróquia na época visigótica mas
fiquei surpreendido com a descoberta da mesma e com a existência de
algumas localidades em redor de Loriga, que ainda existem e das quais
apenas duas atingiram o estatuto de freguesias. Nestas andanças da
pesquisa histórica há muito tempo que aprendi que até algumas aldeias
mais pequenas que alguns consideram insignificantes podem de facto
esconder uma história milenar. Em sentido contrário existem localidades
que hoje têm alguma importância e cujos naturais se esforçam por inventar
um longo passado que nunca existiu. Portanto, os tais "casais" referidos
nos “pergaminhos”, cujos habitantes iam à igreja de Lorica ouvir missa,
já têm uma longa história que nunca foi registada, e infelizmente uma
dessas localidades foi recentemente e injustamente amputada do seu
estatuto de freguesia. E digo igreja de Lorica porque o uso da atual
versão do nome romano, ou seja Loriga, só se consolidou definitivamente
na primeira metade do século XIII. No início da nacionalidade, a
consolidação, a administração do território e a necessária fixação das
populações implicava a atribuição de forais mas também a criação de
condições para a prática do culto, e é por isso frequente ao longo da
história a construção de igrejas por iniciativa real. E a esse propósito
os reis mandavam construir igrejas em povoações que já eram sede de
município ou em povoações que seriam elevadas a essa condição, tudo para
ajudar a fixar as populações, e outras medidas eram tomadas nesse
sentido, e por exemplo muitos castelos foram feitos também com esse
objetivo. O pormenor a considerar é que o estatuto de município andava
sempre a par com o estatuto de paróquia, portanto as localidades que
tinham igrejas eram geralmente sedes de concelho, e seria certo se a
igreja fosse mandada construir pelo rei. Sabe-se que a Igreja de Loriga
foi mandada construir pelo rei D. Sancho II em cima da construção do já
referido pequeno templo visigótico do qual foi aproveitada a pedra onde
foi gravada a data da construção, o ano de 1233. Assim, essa pedra
colocada por cima de uma das portas laterais virada para o adro, na
igreja atual confirma a sua longa existência, correspondendo à data da
decisão da construção. A decisão real nesse sentido deve-se
principalmente ao facto de Loriga pertencer à Vigariaria do Padroado
Real. A Igreja foi dedicada desde logo a Santa Maria Maior, um orago que
se mantem, sendo um templo românico cuja traça e fachada principal fazia
lembrar a Sé Velha de Coimbra, embora obviamente sem a monumentalidade
desta.
A igreja tinha três naves e as dimensões eram próximas das atuais, mas
para além disso a atual igreja nada tem a ver com a antiga e o que vemos
ali é fruto de várias reconstruções e alterações, sendo que as mais
radicais foram consequência do sismo de 1755. Já muita gente se
interrogou sobre o porquê das graves consequências do sismo de 1755 em
Loriga, e por isso ficam aqui algumas explicações. Em primeiro lugar,
Loriga está situada num local geologicamente sensível, num sítio de
transição entre dois blocos rochosos diferentes, de um lado o granito e
do outro o xisto, facto que é suficiente para provocar grande agitação em
caso de sismo. Além disso, e para piorar a situação, a colina entre
ribeiras não é muito sólida porque foi criada com depósitos arrastados
pelo antigo glaciar que rasgou o Vale de Loriga, e por tudo isso é que as
consequências do sismo foram tão graves na vila de Loriga. De sublinhar
que os estragos não se limitaram à Igreja Matriz e o terramoto, além dos
estragos provocados em muitas habitações, provocou o desabamento de uma
das paredes da residência paroquial e abriu fendas no robusto edifício da
Câmara Municipal, construído no século XIII, e cujas paredes do rés do
chão onde funcionava a cadeia, tinham uma espessura de quase dois metros.
Os loricenses tiveram que lidar com todos os estragos e não receberam
qualquer ajuda externa, apesar de o próprio Marquês de Pombal ter sido
informado da grave situação. Felizmente não houve, ou pelo menos não há
registos de mortos nem feridos graves na vila. Após o sismo que provocou
a ruína praticamente completa, a igreja foi reconstruída com estilo
barroco, mas podem ser sublinhadas outras alterações, algumas das quais
nada tiveram a ver com esta reconstrução. Por exemplo, foram
acrescentadas duas capelas uma de cada lado da capela-mor, uma das quais
foi depois transformada em capela-sacristia e finalmente em apenas
sacristia, e ao lado desta foi acrescentada outra capela. A escadaria e a
porta exteriores que dão acesso ao coro também não existiam e o acesso
aos sinos era feito pelo interior da igreja, sendo que estas últimas
alterações foram feitas como consequência do sismo.
Com o tempo foram feitas alterações e restauros por vezes de forma
desastrosa por quem não tinha qualquer sensibilidade para a preservação
do património e por isso a atual igreja, embora bela não é tão bonita nem
é tão valiosa quanto seria sem essas más intervenções. No século seguinte
ao do sismo, em Setembro de 1882, novamente se fez sentir no centro do
país um tremor de terra e, por conseguinte também muito sentido em
Loriga, o qual pareceu, em principio, não ter grande gravidade. Só que as
consequências viriam mais tarde, quando todos pareciam já ter esquecido.
Em Novembro seguinte, e quando era celebrada a missa, estalou a viga
mestra da igreja tendo, de imediato, sido efetuada a desocupação do
templo e retirando algumas imagens e outros artigos. Só no fim do dia
aconteceu o desabamento quase completo da cobertura ficando apenas de pé
a torre e a capela-mor. Dois anos depois foram terminados os trabalhos da
reconstrução da igreja que, tal como acontecera após o sismo de 1755, foi
feita pela população local, toda unida, e foi esta última reconstrução
que chegou aos tempos atuais embora, conforme já foi referido, com alguns
"restauros" que a empobreceram.

Esta é uma citação livre de António Conde e de extratos da sua obra,


História concisa da vila de Loriga - Das origens à extinção do município.
A Igreja Matriz de Loriga

Uma imagem recente, vendo-se nitidamente por cima da porta a pedra aproveitada do
antigo templo visigótico onde foi gravada a data de 1233

Sabe-se que Loriga é uma povoação que tem mais de dois mil e seiscentos anos de existência
no exato local onde existe o centro histórico da vila, uma colina entre ribeiras, defensável e
perto de duas abundantes linhas de água. E a propósito do acesso à água, os habitantes desta
plurimilenar povoação tinham ainda disponível uma nascente, hoje conhecida por Fonte do
Vale, e que sabe-se foi também bastante valorizada mais tarde nas épocas romana e
medieval. Sabe-se que nessa época a povoação estendia-se desde aproximadamente o local
onde existe a convergência de três ruas, e a área onde hoje está o centro de dia da ALATI. A
povoação era defendida por muros e paliçadas e sabe-se que a atual Rua de Viriato, no troço
entre a antiga sede do GDL e a antiga Casa do Povo, coincide exatamente com uma parte
dessa linha defensiva da povoação. O local onde hoje existem o adro e a igreja era o ponto
central dessa povoação, e assim iria permanecer durante muitos séculos. É portanto
completamente natural que com a cristianização da população e com a chegada dos
Visigodos este local fosse eleito para construir o primeiro templo cristão da então Lorica.

A atual capela de Nossa Senhora do Carmo, antiga ermida visigótica de S. Gens.

Sabe-se que os Visigodos construiram pelo menos dois templos em Lorica, e digo pelo menos
porque encontrei indícios, que não consegui confirmar da existência de mais uma ermida
além daquela que construíram onde hoje está a capela de Nossa Senhora do Carmo e que era
dedicada a S. Gens. A dada altura cheguei a pensar tratar-se da ermida de S. Bento, a tal que
deu nome à area e à ribeira mas essa, embora confirmadamente já existisse no século XII
não é anterior ao século X. Certo é que os visigodos construíram a ermida de S. Gens, e na
época era mesmo uma ermida porque aquele local ficava fora da povoação então existente, e
quanto à escolha daquele local não é de excluir a hipótese de ser um antigo local de culto
pagão, dadas as suas caraterísticas. Dada a religiosidade dos loriguenses, é no mínimo
estranho que uma devoção tão antiga a um santo tenha sido completamente abandonada,
que tenham deixado cair em ruínas a sua ermida e depois a tenham recuperado mas com
outro orago. Não consegui encontrar uma explicação, e como se isso não bastasse e para
completar o "anátema" a que os loriguenses condenaram o santo, mudaram-lhe também o
nome de São Gens para São Ginês, um santo que nunca existiu. Mas o pormenor da mudança
de nome pode ser facilmente explicado pela passagem dos séculos, pelo isolamento e pela
"adaptação linguística" que tende a inclinar-se para as formas mais fáceis, e Loriga também
é conhecida pelas suas "singularidades linguísticas” e pelo uso massivo de alcunhas.

A degradação do edifício e os maus restauros foram sempre uma constante ao longo da


história.

Também é certo que os visigodos construíram um templo dedicado a Nossa Senhora no


exato local onde hoje existe a Igreja Matriz, tratando-se de uma pequena capela cujas
dimensões não andariam longe das que tem a ermida de Nossa Senhora da Guia. Sabe-se
também que na época visigótica Loriga tinha o estatuto de paróquia, que dependia do bispo
de Egitânia ( atual Idanha a Velha ), e que a paróquia abrangia uma área aproximadamente
equivalente ao antigo concelho loricense na sua fase maior, que foi atingida em meados do
século XIX. Obviamente foi impossível saber com exatidão a área da paróquia na época
visigótica mas fiquei surpreendido com a descoberta da mesma e com a existência de
algumas localidades em redor de Loriga, que ainda existem e das quais apenas duas
atingiram o estatuto de freguesias. Nestas andanças da pesquisa histórica há muito tempo
que aprendi que até algumas aldeias mais pequenas que alguns consideram insignificantes
podem de facto esconder uma história milenar. Em sentido contrário existem localidades
que hoje têm alguma importância e cujos naturais se esforçam por inventar um longo
passado que nunca existiu. Portanto, os tais "casais" referidos nos “pergaminhos”, cujos
habitantes iam à igreja de Lorica ouvir missa, já têm uma longa história que nunca foi
registada, e infelizmente uma dessas localidades foi recentemente e injustamente amputada
do seu estatuto de freguesia. E digo igreja de Lorica porque o uso da atual versão do nome
romano, ou seja Loriga, só se consolidou definitivamente na primeira metade do século XIII.
No início da nacionalidade, a consolidação, a administração do território e a necessária
fixação das populações implicava a atribuição de forais mas também a criação de condições
para a prática do culto, e é por isso frequente ao longo da história a construção de igrejas
por iniciativa real. E a esse propósito os reis mandavam construir igrejas em povoações que
já eram sede de município ou em povoações que seriam elevadas a essa condição, tudo para
ajudar a fixar as populações, e outras medidas eram tomadas nesse sentido, e por exemplo
muitos castelos foram feitos também com esse objetivo. O pormenor a considerar é que o
estatuto de município andava sempre a par com o estatuto de paróquia, portanto as
localidades que tinham igrejas eram geralmente sedes de concelho, e seria certo se a igreja
fosse mandada construir pelo rei. Sabe-se que a Igreja de Loriga foi mandada construir pelo
rei D. Sancho II em cima da construção do já referido pequeno templo visigótico do qual foi
aproveitada a pedra onde foi gravada a data da construção, o ano de 1233. Assim, essa pedra
colocada por cima de uma das portas laterais virada para o adro, na igreja atual confirma a
sua longa existência, correspondendo à data da decisão da construção. A decisão real nesse
sentido deve-se principalmente ao facto de Loriga pertencer à Vigariaria do Padroado Real.
A Igreja foi dedicada desde logo a Santa Maria Maior, um orago que se mantem, sendo um
templo românico cuja traça e fachada principal fazia lembrar a Sé Velha de Coimbra,
embora obviamente sem a monumentalidade desta.

Uma imagem atual da igreja e do adro após mais um restauro, desta vez mais bem efetuado,
tendo mesmo sido corrigidos alguns dos muitos erros feitos em alguns dos anteriores
“restauros”.

A igreja tinha três naves e as dimensões eram próximas das atuais, mas para além disso a
atual igreja nada tem a ver com a antiga e o que vemos ali é fruto de várias reconstruções e
alterações, sendo que as mais radicais foram consequência do sismo de 1755. Já muita gente
se interrogou sobre o porquê das graves consequências do sismo de 1755 em Loriga, e por
isso ficam aqui algumas explicações. Em primeiro lugar, Loriga está situada num local
geologicamente sensível, num sítio de transição entre dois blocos rochosos diferentes, de
um lado o granito e do outro o xisto, facto que é suficiente para provocar grande agitação em
caso de sismo. Além disso, e para piorar a situação, a colina entre ribeiras não é muito sólida
porque foi criada com depósitos arrastados pelo antigo glaciar que rasgou o Vale de Loriga, e
por tudo isso é que as consequências do sismo foram tão graves na vila de Loriga. De
sublinhar que os estragos não se limitaram à Igreja Matriz e o terramoto, além dos estragos
provocados em muitas habitações, provocou o desabamento de uma das paredes da
residência paroquial e abriu fendas no robusto edifício da Câmara Municipal, construído no
século XIII, e cujas paredes do rés do chão onde funcionava a cadeia, tinham uma espessura
de quase dois metros. Os loricenses tiveram que lidar com todos os estragos e não
receberam qualquer ajuda externa, apesar de o próprio Marquês de Pombal ter sido
informado da grave situação. Felizmente não houve, ou pelo menos não há registos de
mortos nem feridos graves na vila. Após o sismo que provocou a ruína praticamente
completa, a igreja foi reconstruída com estilo barroco, mas podem ser sublinhadas outras
alterações, algumas das quais nada tiveram a ver com esta reconstrução. Por exemplo, foram
acrescentadas duas capelas uma de cada lado da capela-mor, uma das quais foi depois
transformada em capela-sacristia e finalmente em apenas sacristia, e ao lado desta foi
acrescentada outra capela. A escadaria e a porta exteriores que dão acesso ao coro também
não existiam e o acesso aos sinos era feito pelo interior da igreja, sendo que estas últimas
alterações foram feitas como consequência do sismo.

Um antigo acesso transformado em batistério e a pedra visigótica com a data da construção


ordenada pelo rei D. Sancho II

Com o tempo foram feitas alterações e restauros por vezes de forma desastrosa por quem
não tinha qualquer sensibilidade para a preservação do património e por isso a atual igreja,
embora bela não é tão bonita nem é tão valiosa quanto seria sem essas más intervenções. No
século seguinte ao do sismo, em Setembro de 1882, novamente se fez sentir no centro do
país um tremor de terra e, por conseguinte também muito sentido em Loriga, o qual
pareceu, em principio, não ter grande gravidade. Só que as consequências viriam mais tarde,
quando todos pareciam já ter esquecido. Em Novembro seguinte, e quando era celebrada a
missa, estalou a viga mestra da igreja tendo, de imediato, sido efetuada a desocupação do
templo e retirando algumas imagens e outros artigos. Só no fim do dia aconteceu o
desabamento quase completo da cobertura ficando apenas de pé a torre e a capela-mor. Dois
anos depois foram terminados os trabalhos da reconstrução da igreja que, tal como
acontecera após o sismo de 1755, foi feita pela população local, toda unida, e foi esta última
reconstrução que chegou aos tempos atuais embora, conforme já foi referido, com alguns
"restauros" que a empobreceram.
Esta é uma citação
itação livre de António Conde e de extratos da sua obra,
obra História concisa da vila
de Loriga - Das origens à extinção do município.
Loriga
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Loriga (pron.IFA [lo'ɾigɐ]) é uma vila e freguesia portuguesa do concelho de Seia, distrito da Guarda. Tem
Loriga
36,52 km² de área, 1053 habitantes (2011) e densidade populacional de 28,8 hab./km². Tem uma povoação
Portugal
anexa, o Fontão. Faz parte do Parque Natural da Serra da Estrela.
— Freguesia —
Loriga, situada na parte sudoeste da Serra da Estrela, encontra-se a 20 km de Seia, 80 km da Guarda e
320 km de Lisboa. A vila é acessível pela EN 231 e pela EN 338, estrada concluída em 2006, seguindo um
traçado pré-projetado há décadas e pré-existente, com um percurso de 9,2 km de paisagens de montanha,
entre as cotas 960 m (Portela do Arão) e 1650 m, junto à Lagoa Comprida.

É conhecida como a "Suíça Portuguesa" devido à sua


paisagem e extraordinária localização geográfica. Está
situada a cerca de 770 m de altitude, na sua parte urbana
mais baixa, rodeada por montanhas, das quais se destacam
a Penha dos Abutres (1828 m de altitude) e a Penha do Gato
(1771 m), e é abraçada por dois cursos de água: a Ribeira de
Loriga e a Ribeira de São Bento, que se unem depois da Vista geral de Loriga
E.T.A.R.. A Ribeira de Loriga é um dos afluentes do Rio
Alva.
Vista panorâmica de Loriga e do vale
Os socalcos e sua complexa rede de irrigação são um dos
glaciar com o mesmo nome, semelhante
a uma paisagem alpina. grandes ex-libris de Loriga, uma obra construída ao longo
de centenas de anos e que transformou um vale rochoso
num vale fértil. É uma obra que ainda hoje marca a
paisagem, fazendo parte do património histórico da vila e é demonstrativa do génio dos seus habitantes.

Está dotada de uma ampla gama de infraestruturas físicas e sócio-culturais, que abrangem todos os grupos
etários, das quais se destacam, por exemplo, o Grupo Desportivo Loriguense, fundado em 1934, a Sociedade Loriga
Recreativa e Musical Loriguense, fundada em 1906, os Bombeiros Voluntários de Loriga, criados em 1982,
cujos serviços se desenvolvem para lá dos limites da vila, a Casa de Repouso Nª. Srª. da Guia, uma das
últimas obras sociais de relevo, e a Escola Básica EB23 Dr. Reis Leitão. Em Agosto de 2006 iniciaram-se as
obras do novo Quartel dos Bombeiros Voluntários, edifício concluído em 2012 e inaugurado em Setembro do
mesmo ano.[1]

Apesar de ser vila pertence à rede de Aldeias de Montanha do Concelho de Seia.

Índice
População
Toponímia
História
Forais
História até ao final do séc. XVIII
História posterior ao séc. XVIII
Localização de Loriga em Portugal
Património de destaque
Coordenadas 40° 19' 37" N 7° 41' 26" O
Praia fluvial
País Portugal
Festividades
Concelho Seia
Gastronomia
Personagens Administração
Brasão - Tipo Junta de freguesia
Acordos de geminação - Presidente José Pinto, localmente
conhecido por Zeca Maria
Ver também (independente)
Ligações externas Área
Fontes - Total 36,52 km²
Referências População (2011)
- Total 1 053
• Densidade 28,8 hab./km²
População Gentílico: Loriguense ou Loricense
Código postal 6270
Orago Santa Maria Maior
Apelidada de “Suíça Portuguesa”. É uma das vilas
mais altas de Portugal.

População da freguesia de Loriga [2]


1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 690 1 888 2 090 2 414 2 652 2 488 2 152 2 548 2 981 2 695 2 204 1 825 1 631 1 270 1 053
Evolução da População Variação da População
1864 / 2011 1864 / 2011

Toponímia
Crê-se que o nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus habitantes nos montes Hermínios (actual Serra da Estrela) na
resistência lusitana, o que levou os romanos a porem-lhe o nome de Lorica, designação geral para couraça guerreira romana; deste nome derivou Loriga, derivação
do nome latino iniciada pelos Visigodos, que tem o mesmo significado. Certo é que os romanos lhe puseram o nome de Lorica, origem do nome atual, do gentilico
loricense e da principal peça do brasão da vila.

História

Forais
Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século XII, tendo recebido forais em 1136 (João Rhânia, senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas
décadas, no reinado de D. Afonso Henriques), 1249 (D. Afonso III), 1474 (D. Afonso V) e 1514 (D. Manuel I). Apoiou os Miguelistas contra os Liberais na guerra
civil portuguesa e esse facto contribuíu para deixar de ser sede de concelho em 1855 após a aplicação do plano de ordenação territorial levada a cabo durante o
século XIX, curiosamente o mesmo plano que deu origem aos Distritos.

História até ao final do séc. XVIII


Fundada originalmente no alto de uma colina entre ribeiras onde hoje existe o centro histórico da vila. O local foi escolhido há mais de dois mil e seiscentos anos
devido à facilidade de defesa (uma colina entre ribeiras), à abundância de água e de pastos, bem como ao facto de a as terras mais baixas providenciarem alguma
caça e condições mínimas para a prática da agricultura. Desta forma estavam garantidas as condições mínimas de sobrevivência para uma população e povoação
com alguma importância.

Quando os romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos. O maior, mais antigo e principal, situava-se na
área onde hoje existem a Igreja Matriz e parte da Rua de Viriato e estava fortificado com muralhas e paliçada. Aliás, parte da
Rua de Viriato, no troço entre as antigas sedes do GDL e da Casa do Povo, coincide exatamente com parte da linha defensiva
da antiga povoação castreja. A propósito de Viriato, sublinha-se uma antiga tradição que aponta Loriga como berço deste herói
lusitano, tendo inclusive havido a intenção de erigir um monumento, projeto que não chegou a concretizar-se. No local do
actual Bairro de São Ginês existiam já algumas habitações encostadas ao promontório rochoso, em cima do qual os Visigodos
construíram mais tarde uma ermida dedicada àquele santo.
Igreja Matriz de Loriga,
Loriga era uma paróquia fundada pelos Visigodos, pertencente à antiga diocese a Egitânia,
dedicada à padroeira da vila -
vista interior. e no início da nacionalidade à Vigararia do Padroado Real e a Igreja Matriz foi mandada
construir em 1233 pelo rei D. Sancho II. Esta igreja, cujo orago era já o de Santa Maria
Maior, padroeira de Loriga, e que se mantém, foi construída no local de outro antigo e
pequeno templo, do qual foi aproveitada uma pedra com inscrições visigóticas, que está colocada na porta lateral virada para o
adro, e onde foi gravada a data da construção. De estilo românico, com três naves, e traça exterior lembrando a Sé Velha de
Coimbra, esta igreja foi destruída pelo sismo de 1755, dela restando apenas partes das paredes laterais e outra alvenaria.

O sismo de 1755 provocou enormes estragos na vila, tendo arruinado também a residência paroquial e aberto algumas fendas
nas robustas e espessas paredes do edifício da Câmara Municipal construído no século XIII. Um emissário do Marquês de
Pombal esteve em Loriga a avaliar os estragos mas, ao contrário do que aconteceu com a Covilhã (outra localidade serrana Fontanário em Loriga, um
muito afectada), não chegou do governo de Lisboa qualquer auxílio. dos três construídos pela
comunidade loriguense de
Manaus.
História posterior ao séc. XVIII
Loriga é uma vila industrial (têxtil) desde a primeira metade do século XIX. Chegou a ser uma das localidades mais industrializadas da Beira Interior, e a actual
sede de concelho só conseguiu suplantá-la já em meados do século XX. Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga no número de empresas. Nomes de
empresas, tais como: Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão & Irmãos, Augusto Luis Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura Cabral,
Lorimalhas, etc, fazem parte da rica história industrial desta vila. A principal e maior avenida de Loriga tem o nome de Augusto Luís Mendes, o mais destacado dos
antigos industriais loriguenses. Apesar dos maus acessos, que se resumiam à velhinha estrada romana de Lorica, com dois mil anos, o facto é que os loriguenses
transformaram Loriga numa vila industrial.

A partir de meados do século XIX tornou-se um dos principais pólos industriais da Beira Alta, com desenvolvimento da
indústria dos lanifícios, que entrou em declínio durante as últimas décadas do século passado o que está a levar à
desertificação da Vila, facto que afecta de maneira geral as regiões interiores de Portugal devido às inexistentes politicas locais
e nacionais de coesão territorial. Actualmente a economia loriguense baseia-se nas indústrias metalúrgica e de panificação, no
comércio, restauração, malhas, alguma agricultura e pastorícia.

A área onde existem as actuais freguesias de Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes da Beira, Teixeira, Valezim, Vide, e as mais de
trinta povoações anexas, pertenceu ao município loriguense.
Largo do Pelourinho.
A área que englobava o extinto município loriguense, constitui também a Associação de Freguesias da Serra da Estrela, com sede em Loriga.

Loriga e a sua região possuem enormes potencialidades turísticas e as únicas pistas e estância de esqui existentes em Portugal estão localizadas na Serra da Estrela,
dentro da área da freguesia de Loriga.

Património de destaque
Em termos de património histórico, destacam-se a ponte e a estrada romanas (século I a.C.), uma sepultura antropomórfica
(século VI a.C.) chamada popularmente de "caixão da moura", a Igreja Matriz (século XIII, reconstruída), o Pelourinho (século
XIII, reconstruído), o bairro de São Ginês, a Rua de Viriato e a Rua da Oliveira.

A estrada romana e uma das duas pontes (a outra ruiu no século XVI após uma grande cheia na Ribeira de São Bento), com as
quais os romanos ligaram Lorica, na Lusitânia, ao restante império, merecem destaque. A ponte romana ainda existente está
na Ribeira de Loriga e a ponte romana que ruiu na Ribeira de São Bento foi substituída no século XIX pela que ainda existe,
também construída em pedra.

A rua da Oliveira é uma rua situada no centro histórico da vila. A sua escadaria tem cerca de 80 degraus em granito, o que lhe
dá características peculiares. Esta rua recorda muitas das características urbanas medievais. O bairro de São Ginês é um bairro Rua da Oliveira, na àrea
do centro histórico de Loriga cujas características o tornam num dos bairros mais típicos da vila. Curioso é o facto de este mais antiga do centro
histórico
bairro dever o nome a São Gens, um santo de origem céltica martirizado em Arles, na Gália, no tempo do imperador
Diocleciano, orago de uma ermida visigótica situada na área, no local onde hoje está a capela de Nossa Senhora do Carmo.
Com o passar dos séculos os loriguenses mudaram o nome do santo para São Ginês (santo que nunca existiu), deixaram arruinar a sua capela e depois
reconstruíram-na com outro orago (Nossa Senhora do Carmo). Este núcleo da povoação, que já esteve separado do principal e mais antigo, situado mais abaixo, é
também anterior à chegada dos romanos.

Praia fluvial
Como desde há alguns anos, em 2014, esta praia foi uma das 298 praias nacionais galardoadas com a bandeira azul[3]; em
Junho de 2012 recebeu a bandeira "Qualidade Ouro", atribuido pela Quercus.[4] Ambas as bandeiras foram hasteadas dia 24
de Junho de 2012.

Dia 5 de Maio de 2012, a praia fluvial de Loriga, ficou apurada entre as 21 finalistas, do total de 70 pré-finalistas, divididas por
7 categorias, para concorrer ao concurso "7 Maravilhas - Praias de Portugal", na categoria de "praias de rios".

Festividades
Ao longo do ano celebram-se de maneira especial o Natal, a Páscoa (com a Amenta das Almas - cantos nocturnos masculinos,
que evocam as almas de entes falecidos por altura da Quaresma), festas em honra de Sto. António (durante o mês Junho) e São
Praia fluvial de Loriga, no
local conhecido há séculos Sebastião (no último Domingo de Julho), com as respectivas mordomias e procissões. Porém, o ponto mais alto das
por Chão da Ribeira. festividades religiosas é a festa dedicada à padroeira dos emigrantes de Loriga, Nª. Srª. da Guia, que se realiza todos os anos,
no primeiro Domingo de Agosto. No segundo Domingo, tem lugar a festa em honra de Nª. Srª. da Ajuda, no Fontão de Loriga.

Gastronomia
A gastronomia loriguense faz parte daquela considerada típica da Beira Alta, onde se salientam os pratos calóricos de alta montanha, os enchidos, a feijoada (com
feijocas, uma espécie de feijão branco, maior que o habitual e conhecido localmente por Calhorras), o cabrito no forno, a broa de milho, queijaria de ovelha e cabra,
nomeadamente o queijo da Serra (com DOP), a aguardente de zimbro. Grande parte dos doces e sobremesas típicas eram elaboradas para celebrar a Páscoa. De
entre os doces, têm relevo as broínhas doces, o arroz doce, o carolo (doce feito com milho), a botelha (sobremesa feito com abóbora), a tapioca (sobremesa parecida
ao arroz doce, feita com tapioca partida em grãos - importada pela comunidade loriguense no Brasil) e o Bolo Negro de Loriga. A importância da gastronomia única
é reflectida na Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga. Loriga faz parte da Rota do Xisto e do Milho.

Personagens
Joaquim Augusto Amorim da Fonseca, (1862 — 1927), médico.
Joaquim Pina Moura, (1952 — ), economista e político.

Brasão
A freguesia de Loriga não tem brasão oficial, apesar de já existir um, amplamente divulgado e aprovado pelas autoridades
competentes, mas que ainda não é usado pela autarquia local. A Junta de Freguesia de Loriga usa formalmente desde o século Busto do, Dr Joaquim A.
passado como símbolo da freguesia um escudo partido, na primeira parte a Cruz de Cristo, e na segunda uma vista da Serra da Amorim da Fonseca,
Estrela sobre um engenho ou moinho com roda hidráulica.[5] Este "brasão" ilegal e não representativo, que durante anos foi Loriga.
erradamente e teimosamente aqui apresentado como sendo oficial (apesar dos muitos alertas), nunca foi nem pode ser aprovado
pela Comissão de Heráldica da Associação dos Arqueólogos Portugueses, segundo o disposto na Lei n.º 53/91, de 07 de agosto de 1991, que regula a heráldica
autárquica portuguesa, pelo que não tem carácter oficial.[6] Em 2002, a Junta de Freguesia de Loriga aprovou um outro brasão destinado a substituir o já referido
"brasão" ilegal que teimam em usar e que foi colocado neste artigo, mas também foi chumbado pelas referidas autoridades competentes (Comissão de Heráldica da
AAP) por não ser representativo de Loriga.

Acordos de geminação
Loriga celebrou um acordo de geminação com a vila, actual cidade, de Sacavém, em 1 de Junho de 1996.

Ver também
Geografia romana em Portugal
Ligações externas
Homepage sobre Loriga (http://www.loriga.de)
Analor (http://www.analor.org)
Página sobre a vila de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com)
7 Maravilhas - Praias de Portugal (http://www.7maravilhas.sapo.pt/#/finalistas/praia-fluvial-de-loriga)
ABAE (http://www.abae.pt/programa/BA/inicio.php)
Geobserver (http://www.geobserver.org)

Fontes
Algumas das fontes usadas na elaboração deste artigo:

Homepage de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com)


Bacia hidrográfica da Ribeira de Loriga (http://www.conselldemallorca.net/mediambient/terrisc/resultatsp_coimbra3.htm)
Página dos Bombeiros de Loriga (http://www.bvloriga.pt/)
Página da Junta de Freguesia de Loriga (http://www.freguesiadeloriga.com/)
Página da Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga (http://www.loriga.org/confraria/)
Ferreira, N.; Vieira, G. - Guía Geológico e Geomorfológico do PNSE (1999).
de Vasconcelos, J.L. - Etnografia Portuguesa - Vol. II, INCM, 1980
Carta Militar de Portugal – esc. 1: 25000, Folha nº223, Instituto Geográfico do Exército.

Referências
p=awarded&s=list&u=2). Consultado em Junho de 2014 Verifique data em:
1. Diário "As Beiras" online. «Bombeiros de Loriga mudam para novo quartel» |acessodata= (ajuda)
(http://www.asbeiras.pt/2012/09/bombeiros-de-loriga-mudam-para-novo-qua
4. Site da Câmara Municipal de Seia. «Praia de Loriga com qualidade de
rtel/). Consultado em Outubro de 2012 Verifique data em: |acessodata=
ouro» (http://www.cm-seia.pt/index.php/ambiente/item/120-praia-de-loriga-c
(ajuda)
om-qualidade-de-ouro). Consultado em Julho de 2012 Verifique data em:
2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - |acessodata= (ajuda)
https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
5. Website da Câmara Municipal de Seia (http://web.archive.org/web/2003122
3. ABAE. «Locais Galardoados na Região do Centro com a Bandeira Azul, 3170552/http://www2.cm-seia.pt:80/concelho/freguesia07.asp) em 2003.
2014» (http://www.abae.pt/BandeiraAzul/index.php?
6. Informação disponibilizada pela Junta de Freguesia de Loriga em conversa
telefónica a 26 de Maio de 2017.

Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Loriga&oldid=51071340"

Esta página foi editada pela última vez à(s) 18h33min de 22 de janeiro de 2018.

Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0); pode estar sujeito a
condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso.
Loriga
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Loriga (pron.IFA [lo'ɾigɐ]) é uma vila e freguesia portuguesa do concelho de Seia, distrito da Guarda. Tem
Loriga
36,52 km² de área, 1053 habitantes (2011) e densidade populacional de 28,8 hab./km². Tem uma povoação
Portugal
anexa, o Fontão. Faz parte do Parque Natural da Serra da Estrela.
— Freguesia —
Loriga, situada na parte sudoeste da Serra da Estrela, encontra-se a 20 km de Seia, 80 km da Guarda e
320 km de Lisboa. A vila é acessível pela EN 231 e pela EN 338, estrada concluída em 2006, seguindo um
traçado pré-projetado há décadas e pré-existente, com um percurso de 9,2 km de paisagens de montanha,
entre as cotas 960 m (Portela do Arão) e 1650 m, junto à Lagoa Comprida.

É conhecida como a "Suíça Portuguesa" devido à sua


paisagem e extraordinária localização geográfica. Está
situada a cerca de 770 m de altitude, na sua parte urbana
mais baixa, rodeada por montanhas, das quais se destacam
a Penha dos Abutres (1828 m de altitude) e a Penha do Gato
(1771 m), e é abraçada por dois cursos de água: a Ribeira de
Loriga e a Ribeira de São Bento, que se unem depois da Vista geral de Loriga
E.T.A.R.. A Ribeira de Loriga é um dos afluentes do Rio
Alva.
Vista panorâmica de Loriga e do vale
Os socalcos e sua complexa rede de irrigação são um dos
glaciar com o mesmo nome, semelhante
a uma paisagem alpina. grandes ex-libris de Loriga, uma obra construída ao longo
de centenas de anos e que transformou um vale rochoso
num vale fértil. É uma obra que ainda hoje marca a
paisagem, fazendo parte do património histórico da vila e é demonstrativa do génio dos seus habitantes.

Está dotada de uma ampla gama de infraestruturas físicas e sócio-culturais, que abrangem todos os grupos
etários, das quais se destacam, por exemplo, o Grupo Desportivo Loriguense, fundado em 1934, a Sociedade Loriga
Recreativa e Musical Loriguense, fundada em 1906, os Bombeiros Voluntários de Loriga, criados em 1982,
cujos serviços se desenvolvem para lá dos limites da vila, a Casa de Repouso Nª. Srª. da Guia, uma das
últimas obras sociais de relevo, e a Escola Básica EB23 Dr. Reis Leitão. Em Agosto de 2006 iniciaram-se as
obras do novo Quartel dos Bombeiros Voluntários, edifício concluído em 2012 e inaugurado em Setembro do
mesmo ano.[1]

Apesar de ser vila pertence à rede de Aldeias de Montanha do Concelho de Seia.

Índice
População
Toponímia
História
Forais
História até ao final do séc. XVIII
História posterior ao séc. XVIII
Localização de Loriga em Portugal
Património de destaque
Coordenadas 40° 19' 37" N 7° 41' 26" O
Praia fluvial
País Portugal
Festividades
Concelho Seia
Gastronomia
Personagens Administração
Brasão - Tipo Junta de freguesia
Acordos de geminação - Presidente José Pinto, também
conhecido por Zeca Maria
Ver também (independente)
Ligações externas Área
Fontes - Total 36,52 km²
Referências População (2011)
- Total 1 053
• Densidade 28,8 hab./km²
População Gentílico: Loriguense ou Loricense
Código postal 6270
Orago Santa Maria Maior
Apelidada de “Suíça Portuguesa”. É uma das vilas
mais altas de Portugal.

População da freguesia de Loriga [2]


1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 690 1 888 2 090 2 414 2 652 2 488 2 152 2 548 2 981 2 695 2 204 1 825 1 631 1 270 1 053
Evolução da População Variação da População
1864 / 2011 1864 / 2011

Toponímia
Crê-se que o nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus habitantes nos montes Hermínios (actual Serra da Estrela) na
resistência lusitana, o que levou os romanos a porem-lhe o nome de Lorica, designação geral para couraça guerreira romana; deste nome derivou Loriga, derivação
do nome latino iniciada pelos Visigodos, que tem o mesmo significado. Certo é que os romanos lhe puseram o nome de Lorica, origem do gentilico loricense e da
principal peça do brasão da vila.

História

Forais
Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século XII, tendo recebido forais em 1136 (João Rhânia, senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas
décadas, no reinado de D. Afonso Henriques), 1249 (D. Afonso III), 1474 (D. Afonso V) e 1514 (D. Manuel I). Apoiou os Miguelistas contra os Liberais na guerra
civil portuguesa e esse facto contribuíu para deixar de ser sede de concelho em 1855 após a aplicação do plano de ordenação territorial levada a cabo durante o
século XIX, curiosamente o mesmo plano que deu origem aos Distritos.

História até ao final do séc. XVIII


Fundada originalmente no alto de uma colina entre ribeiras onde hoje existe o centro histórico da vila. O local foi escolhido há mais de dois mil e seiscentos anos
devido à facilidade de defesa (uma colina entre ribeiras), à abundância de água e de pastos, bem como ao facto de a as terras mais baixas providenciarem alguma
caça e condições mínimas para a prática da agricultura. Desta forma estavam garantidas as condições mínimas de sobrevivência para uma população e povoação
com alguma importância.

Quando os romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos. O maior, mais antigo e principal, situava-se na
área onde hoje existem a Igreja Matriz e parte da Rua de Viriato e estava fortificado com muralhas e paliçada. Aliás, parte da
Rua de Viriato, no troço entre as antigas sedes do GDL e da Casa do Povo, coincide exatamente com parte da linha defensiva
da antiga povoação castreja. No local do actual Bairro de São Ginês existiam já algumas habitações encostadas ao promontório
rochoso, em cima do qual os Visigodos construíram mais tarde uma ermida dedicada àquele santo.

Loriga era uma paróquia fundada pelos Visigodos, pertencente à antiga diocese a Egitânia
e depois à Vigararia do Padroado Real e a Igreja Matriz foi mandada construir em 1233
Igreja Matriz de Loriga,
pelo rei D. Sancho II. Esta igreja, cujo orago era já o de Santa Maria Maior, padroeira de
dedicada à padroeira da vila -
vista interior. Loriga, e que se mantém, foi construída no local de outro antigo e pequeno templo, do
qual foi aproveitada uma pedra com inscrições visigóticas, que está colocada na porta
lateral virada para o adro, e onde foi gravada a data da construção. De estilo românico,
com três naves, e traça exterior lembrando a Sé Velha de Coimbra, esta igreja foi destruída pelo sismo de 1755, dela restando
apenas partes das paredes laterais e outra alvenaria.

O sismo de 1755 provocou enormes estragos na vila, tendo arruinado também a residência paroquial e aberto algumas fendas
nas robustas e espessas paredes do edifício da Câmara Municipal construído no século XIII. Um emissário do Marquês de Fontanário em Loriga, um
Pombal esteve em Loriga a avaliar os estragos mas, ao contrário do que aconteceu com a Covilhã (outra localidade serrana dos três construídos pela
comunidade loriguense de
muito afectada), não chegou do governo de Lisboa qualquer auxílio.
Manaus.

História posterior ao séc. XVIII


Loriga é uma vila industrial (têxtil) desde a primeira metade do século XIX. Chegou a ser uma das localidades mais industrializadas da Beira Interior, e a actual
sede de concelho só conseguiu suplantá-la já quase em meados do século XX. Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga no número de empresas.
Nomes de empresas, tais como: Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão & Irmãos, Augusto Luis Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura
Cabral, Lorimalhas, etc, fazem parte da rica história industrial desta vila. A principal e maior avenida de Loriga tem o nome de Augusto Luís Mendes, o mais
destacado dos antigos industriais loriguenses. Apesar dos maus acessos, que se resumiam à velhinha estrada romana de Loriga, com dois mil anos, o facto é que os
loriguenses transformaram Loriga numa vila industrial.

A partir de meados do século XIX tornou-se um dos principais pólos industriais da Beira Alta, com desenvolvimento da
indústria dos lanifícios, que entrou em declínio durante as últimas décadas do século passado o que está a levar à
desertificação da Vila, facto que afecta de maneira geral as regiões interiores de Portugal devido às inexistentes politicas locais
e nacionais de coesão territorial. Actualmente a economia loriguense baseia-se nas indústrias metalúrgica e de panificação, no
comércio, restauração, malhas, alguma agricultura e pastorícia.

A área onde existem as actuais freguesias de Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes da Beira, Teixeira, Valezim, Vide, e as mais de
trinta povoações anexas, pertenceu ao município loriguense.
Largo do Pelourinho.
A área que englobava o extinto município loriguense, constitui também a Associação de Freguesias da Serra da Estrela, com
sede em Loriga.
Loriga e a sua região possuem enormes potencialidades turísticas e as únicas pistas e estância de esqui existentes em Portugal estão localizadas na Serra da Estrela,
dentro da área da freguesia de Loriga.

Património de destaque
Em termos de património histórico, destacam-se a ponte e a estrada romanas (século I a.C.), uma sepultura antropomórfica
(século VI a.C.) chamada popularmente de "caixão da moura", a Igreja Matriz (século XIII, reconstruída), o Pelourinho (século
XIII, reconstruído), o bairro de São Ginês, a Rua de Viriato e a Rua da Oliveira.

A estrada romana e uma das duas pontes (a outra ruiu no século XVI após uma grande cheia na Ribeira de São Bento), com as
quais os romanos ligaram Lorica, na Lusitânia, ao restante império, merecem destaque.

A rua da Oliveira é uma rua situada no centro histórico da vila. A sua escadaria tem cerca de 80 degraus em granito, o que lhe
dá características peculiares. Esta rua recorda muitas das características urbanas medievais. O bairro de São Ginês é um bairro
do centro histórico de Loriga cujas características o tornam num dos bairros mais típicos da vila. Curioso é o facto de este
bairro dever o nome a São Gens, um santo de origem céltica martirizado em Arles, na Gália, no tempo do imperador Rua da Oliveira, na àrea
Diocleciano, orago de uma ermida visigótica situada na área, no local onde hoje está a capela de Nossa Senhora do Carmo. mais antiga do centro
histórico
Com o passar dos séculos os loriguenses mudaram o nome do santo para São Ginês, deixaram arruinar a sua capela e depois
reconstruíram-na com outro orago (Nossa Senhora do Carmo). Este núcleo da povoação, que já esteve separado do principal e
mais antigo, situado mais abaixo, é também anterior à chegada dos romanos.

Praia fluvial
Como desde há alguns anos, em 2014, esta praia foi uma das 298 praias nacionais galardoadas com a bandeira azul[3]; em
Junho de 2012 recebeu a bandeira "Qualidade Ouro", atribuido pela Quercus.[4] Ambas as bandeiras foram hasteadas dia 24
de Junho de 2012.

Dia 5 de Maio de 2012, a praia fluvial de Loriga, ficou apurada entre as 21 finalistas, do total de 70 pré-finalistas, divididas por
7 categorias, para concorrer ao concurso "7 Maravilhas - Praias de Portugal", na categoria de "praias de rios".

Festividades
Ao longo do ano celebram-se de maneira especial o Natal, a Páscoa (com a Amenta das Almas - cantos nocturnos masculinos,
que evocam as almas de entes falecidos por altura da Quaresma), festas em honra de Sto. António (durante o mês Junho) e São
Praia fluvial de Loriga, no
local conhecido há séculos Sebastião (no último Domingo de Julho), com as respectivas mordomias e procissões. Porém, o ponto mais alto das
por Chão da Ribeira. festividades religiosas é a festa dedicada à padroeira dos emigrantes de Loriga, Nª. Srª. da Guia, que se realiza todos os anos,
no primeiro Domingo de Agosto. No segundo Domingo, tem lugar a festa em honra de Nª. Srª. da Ajuda, no Fontão de Loriga.

Gastronomia
A gastronomia loriguense faz parte daquela considerada típica da Beira Alta, onde se salientam os pratos calóricos de alta montanha, os enchidos, a feijoada (com
feijocas, uma espécie de feijão branco, maior que o habitual), o cabrito no forno, a broa de milho, queijaria de ovelha e cabra, nomeadamente o queijo da Serra
(com DOP), a aguardente de zimbro. Grande parte dos doces e sobremesas típicas eram elaboradas para celebrar a Páscoa. De entre os doces, têm relevo as
broínhas doces, o arroz doce, o carolo (doce feito com milho), a botelha (sobremesa feito com abóbora), a tapioca (sobremesa parecida ao arroz doce, feita com
tapioca partida em grãos - importada pela comunidade loriguense no Brasil) e o Bolo Negro de Loriga. A importância da gastronomia única é reflectida na
Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga. Loriga faz parte da Rota do Xisto e do Milho.

Personagens
Joaquim Augusto Amorim da Fonseca, (1862 — 1927), médico.
Joaquim Pina Moura, (1952 — ), economista e político.

Brasão
A freguesia de Loriga não tem brasão oficial, apesar de já existir um, amplamente divulgado e aprovado pelas autoridades
competentes, mas que ainda não é usado pela autarquia local. A Junta de Freguesia de Loriga usa formalmente há vários anos como Busto do, Dr Joaquim A.
símbolo da freguesia um escudo partido, na primeira parte a Cruz de Cristo, e na segunda uma vista da Serra da Estrela sobre um Amorim da Fonseca,
engenho ou moinho com roda hidráulica.[5] Este "brasão" ilegal e não representativo, que durante anos foi erradamente e Loriga.
teimosamente aqui apresentado como sendo oficial (apesar dos muitos alertas), nunca foi nem pode ser aprovado pela Comissão de
Heráldica da Associação dos Arqueólogos Portugueses, segundo o disposto na Lei n.º 53/91, de 07 de agosto de 1991, que regula a heráldica autárquica portuguesa,
pelo que não tem carácter oficial.[6] Em 2002, a Junta de Freguesia de Loriga aprovou um brasão que foi chumbado pelas referidas autoridades competentes
(Comissão de Heráldica da AAP) por não ser representativo de Loriga.

Acordos de geminação
Loriga celebrou um acordo de geminação com a vila, actual cidade, de Sacavém, em 1 de Junho de 1996.

Ver também
Geografia romana em Portugal

Ligações externas
Homepage sobre Loriga (http://www.loriga.de)
Analor (http://www.analor.org)
Página sobre a vila de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com)
7 Maravilhas - Praias de Portugal (http://www.7maravilhas.sapo.pt/#/finalistas/praia-fluvial-de-loriga)
ABAE (http://www.abae.pt/programa/BA/inicio.php)
Geobserver (http://www.geobserver.org)

Fontes
Algumas das fontes usadas na elaboração deste artigo:

Homepage de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com)


Bacia hidrográfica da Ribeira de Loriga (http://www.conselldemallorca.net/mediambient/terrisc/resultatsp_coimbra3.htm)
Página dos Bombeiros de Loriga (http://www.bvloriga.pt/)
Página da Junta de Freguesia de Loriga (http://www.freguesiadeloriga.com/)
Página da Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga (http://www.loriga.org/confraria/)
Ferreira, N.; Vieira, G. - Guía Geológico e Geomorfológico do PNSE (1999).
de Vasconcelos, J.L. - Etnografia Portuguesa - Vol. II, INCM, 1980
Carta Militar de Portugal – esc. 1: 25000, Folha nº223, Instituto Geográfico do Exército.

Referências
p=awarded&s=list&u=2). Consultado em Junho de 2014 Verifique data em:
1. Diário "As Beiras" online. «Bombeiros de Loriga mudam para novo quartel» |acessodata= (ajuda)
(http://www.asbeiras.pt/2012/09/bombeiros-de-loriga-mudam-para-novo-qua
4. Site da Câmara Municipal de Seia. «Praia de Loriga com qualidade de
rtel/). Consultado em Outubro de 2012 Verifique data em: |acessodata=
ouro» (http://www.cm-seia.pt/index.php/ambiente/item/120-praia-de-loriga-c
(ajuda)
om-qualidade-de-ouro). Consultado em Julho de 2012 Verifique data em:
2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - |acessodata= (ajuda)
https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
5. Website da Câmara Municipal de Seia (http://web.archive.org/web/2003122
3. ABAE. «Locais Galardoados na Região do Centro com a Bandeira Azul, 3170552/http://www2.cm-seia.pt:80/concelho/freguesia07.asp) em 2003.
2014» (http://www.abae.pt/BandeiraAzul/index.php?
6. Informação disponibilizada pela Junta de Freguesia de Loriga em conversa
telefónica a 26 de Maio de 2017.

Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Loriga&oldid=51020192"

Esta página foi editada pela última vez à(s) 19h14min de 16 de janeiro de 2018.

Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0); pode estar sujeito a
condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso.
Loriga
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Loriga (pron.IFA [lo'ɾigɐ]) é uma vila e freguesia portuguesa do concelho de Seia, distrito da Guarda. Tem
Loriga
36,52 km² de área, 1053 habitantes (2011) e densidade populacional de 28,8 hab./km². Tem uma povoação
Portugal
anexa, o Fontão. Faz parte do Parque Natural da Serra da Estrela.
— Freguesia —
Loriga, situada na parte sudoeste da Serra da Estrela, encontra-se a 20 km de Seia, 80 km da Guarda e
320 km de Lisboa. A vila é acessível pela EN 231 e pela EN 338, estrada concluída em 2006, seguindo um
traçado pré-projetado há décadas e pré-existente, com um percurso de 9,2 km de paisagens de montanha,
entre as cotas 960 m (Portela do Arão) e 1650 m, junto à Lagoa Comprida.

É conhecida como a "Suíça Portuguesa" devido à sua


paisagem e extraordinária localização geográfica. Está
situada a cerca de 770 m de altitude, na sua parte urbana
mais baixa, rodeada por montanhas, das quais se destacam
a Penha dos Abutres (1828 m de altitude) e a Penha do Gato
(1771 m), e é abraçada por dois cursos de água: a Ribeira de
Loriga e a Ribeira de São Bento, que se unem depois da Vista geral de Loriga
E.T.A.R.. A Ribeira de Loriga é um dos afluentes do Rio
Alva.
Vista panorâmica de Loriga e do vale
Os socalcos e sua complexa rede de irrigação são um dos
glaciar com o mesmo nome, semelhante
a uma paisagem alpina. grandes ex-libris de Loriga, uma obra construída ao longo
de centenas de anos e que transformou um vale rochoso
num vale fértil. É uma obra que ainda hoje marca a
paisagem, fazendo parte do património histórico da vila e é demonstrativa do génio dos seus habitantes.

Está dotada de uma ampla gama de infraestruturas físicas e sócio-culturais, que abrangem todos os grupos
etários, das quais se destacam, por exemplo, o Grupo Desportivo Loriguense, fundado em 1934, a Sociedade Loriga
Recreativa e Musical Loriguense, fundada em 1906, os Bombeiros Voluntários de Loriga, criados em 1982,
cujos serviços se desenvolvem para lá dos limites da vila, a Casa de Repouso Nª. Srª. da Guia, uma das
últimas obras sociais de relevo, e a Escola Básica EB23 Dr. Reis Leitão. Em Agosto de 2006 iniciaram-se as
obras do novo Quartel dos Bombeiros Voluntários, edifício concluído em 2012 e inaugurado em Setembro do
mesmo ano.[1]

Apesar de ser vila pertence à rede de Aldeias de Montanha do Concelho de Seia.

Índice
População
Toponímia
História
Forais
História até ao final do séc. XVIII
História posterior ao séc. XVIII
Localização de Loriga em Portugal
Património de destaque
Coordenadas 40° 19' 37" N 7° 41' 26" O
Praia fluvial
País Portugal
Festividades
Concelho Seia
Gastronomia
Personagens Administração
Brasão - Tipo Junta de freguesia
Acordos de geminação - Presidente José Pinto, também
conhecido por Zeca Maria
Ver também (independente)
Ligações externas Área
Fontes - Total 36,52 km²
Referências População (2011)
- Total 1 053
• Densidade 28,8 hab./km²
População Gentílico: Loriguense ou Loricense
Código postal 6270
Orago Santa Maria Maior
Apelidada de “Suíça Portuguesa”. É uma das vilas
mais altas de Portugal.

População da freguesia de Loriga [2]


1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 690 1 888 2 090 2 414 2 652 2 488 2 152 2 548 2 981 2 695 2 204 1 825 1 631 1 270 1 053
Evolução da População Variação da População
1864 / 2011 1864 / 2011

Toponímia
Crê-se que o nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus habitantes nos montes Hermínios (actual Serra da Estrela) na
resistência lusitana, o que levou os romanos a porem-lhe o nome de Lorica, designação geral para couraça guerreira romana; deste nome derivou Loriga, derivação
do nome latino iniciada pelos Visigodos, que tem o mesmo significado. Certo é que os romanos lhe puseram o nome de Lorica, origem do gentilico loricense e da
principal peça do brasão da vila.

História

Forais
Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século XII, tendo recebido forais em 1136 (João Rhânia, senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas
décadas, no reinado de D. Afonso Henriques), 1249 (D. Afonso III), 1474 (D. Afonso V) e 1514 (D. Manuel I). Apoiou os Miguelistas contra os Liberais na guerra
civil portuguesa e esse facto contribuíu para deixar de ser sede de concelho em 1855 após a aplicação do plano de ordenação territorial levada a cabo durante o
século XIX, curiosamente o mesmo plano que deu origem aos Distritos.

História até ao final do séc. XVIII


Fundada originalmente no alto de uma colina entre ribeiras onde hoje existe o centro histórico da vila. O local foi escolhido há mais de dois mil e seiscentos anos
devido à facilidade de defesa (uma colina entre ribeiras), à abundância de água e de pastos, bem como ao facto de a as terras mais baixas providenciarem alguma
caça e condições mínimas para a prática da agricultura. Desta forma estavam garantidas as condições mínimas de sobrevivência para uma população e povoação
com alguma importância.

Quando os romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos. O maior, mais antigo e principal, situava-se na
área onde hoje existem a Igreja Matriz e parte da Rua de Viriato e estava fortificado com muralhas e paliçada. Aliás, parte da
Rua de Viriato, no troço entre as antigas sedes do GDL e da Casa do Povo, coincide exatamente com parte da linha defensiva
da antiga povoação castreja. No local do actual Bairro de São Ginês existiam já algumas habitações encostadas ao promontório
rochoso, em cima do qual os Visigodos construíram mais tarde uma ermida dedicada àquele santo.

Loriga era uma paróquia fundada pelos Visigodos, pertencente à antiga diocese a Egitânia
e depois à Vigararia do Padroado Real e a Igreja Matriz foi mandada construir em 1233
Igreja Matriz de Loriga,
pelo rei D. Sancho II. Esta igreja, cujo orago era já o de Santa Maria Maior, padroeira de
dedicada à padroeira da vila -
vista interior. Loriga, e que se mantém, foi construída no local de outro antigo e pequeno templo, do
qual foi aproveitada uma pedra com inscrições visigóticas, que está colocada na porta
lateral virada para o adro, e onde foi gravada a data da construção. De estilo românico,
com três naves, e traça exterior lembrando a Sé Velha de Coimbra, esta igreja foi destruída pelo sismo de 1755, dela restando
apenas partes das paredes laterais e outra alvenaria.

O sismo de 1755 provocou enormes estragos na vila, tendo arruinado também a residência paroquial e aberto algumas fendas
nas robustas e espessas paredes do edifício da Câmara Municipal construído no século XIII. Um emissário do Marquês de Fontanário em Loriga, um
Pombal esteve em Loriga a avaliar os estragos mas, ao contrário do que aconteceu com a Covilhã (outra localidade serrana dos três construídos pela
comunidade loriguense de
muito afectada), não chegou do governo de Lisboa qualquer auxílio.
Manaus.

História posterior ao séc. XVIII


Loriga é uma vila industrial (têxtil) desde a primeira metade do século XIX. Chegou a ser uma das localidades mais industrializadas da Beira Interior, e a actual
sede de concelho só conseguiu suplantá-la já quase em meados do século XX. Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga no número de empresas.
Nomes de empresas, tais como: Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão & Irmãos, Augusto Luis Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura
Cabral, Lorimalhas, etc, fazem parte da rica história industrial desta vila. A principal e maior avenida de Loriga tem o nome de Augusto Luís Mendes, o mais
destacado dos antigos industriais loriguenses. Apesar dos maus acessos, que se resumiam à velhinha estrada romana de Loriga, com dois mil anos, o facto é que os
loriguenses transformaram Loriga numa vila industrial.

A partir de meados do século XIX tornou-se um dos principais pólos industriais da Beira Alta, com desenvolvimento da
indústria dos lanifícios, que entrou em declínio durante as últimas décadas do século passado o que está a levar à
desertificação da Vila, facto que afecta de maneira geral as regiões interiores de Portugal devido às inexistentes politicas locais
e nacionais de coesão territorial. Actualmente a economia loriguense baseia-se nas indústrias metalúrgica e de panificação, no
comércio, restauração, malhas, alguma agricultura e pastorícia.

A área onde existem as actuais freguesias de Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes da Beira, Teixeira, Valezim, Vide, e as mais de
trinta povoações anexas, pertenceu ao município loriguense.
Largo do Pelourinho.
A área que englobava o extinto município loriguense, constitui também a Associação de Freguesias da Serra da Estrela, com
sede em Loriga.
Loriga e a sua região possuem enormes potencialidades turísticas e as únicas pistas e estância de esqui existentes em Portugal estão localizadas na Serra da Estrela,
dentro da área da freguesia de Loriga.

Património de destaque
Em termos de património histórico, destacam-se a ponte e a estrada romanas (século I a.C.), uma sepultura antropomórfica
(século VI a.C.) chamada popularmente de "caixão da moura", a Igreja Matriz (século XIII, reconstruída), o Pelourinho (século
XIII, reconstruído), o bairro de São Ginês, a Rua de Viriato e a Rua da Oliveira.

A estrada romana e uma das duas pontes (a outra ruiu no século XVI após uma grande cheia na Ribeira de São Bento), com as
quais os romanos ligaram Lorica, na Lusitânia, ao restante império, merecem destaque.

A rua da Oliveira é uma rua situada no centro histórico da vila. A sua escadaria tem cerca de 80 degraus em granito, o que lhe
dá características peculiares. Esta rua recorda muitas das características urbanas medievais. O bairro de São Ginês é um bairro
do centro histórico de Loriga cujas características o tornam num dos bairros mais típicos da vila. Curioso é o facto de este
bairro dever o nome a São Gens, um santo de origem céltica martirizado em Arles, na Gália, no tempo do imperador Rua da Oliveira, na àrea
Diocleciano, orago de uma ermida visigótica situada na área, no local onde hoje está a capela de Nossa Senhora do Carmo. mais antiga do centro
histórico
Com o passar dos séculos os loriguenses mudaram o nome do santo para São Ginês, deixaram arruinar a sua capela e depois
reconstruíram-na com outro orago (Nossa Senhora do Carmo). Este núcleo da povoação, que já esteve separado do principal e
mais antigo, situado mais abaixo, é também anterior à chegada dos romanos.

Praia fluvial
Como desde há alguns anos, em 2014, esta praia foi uma das 298 praias nacionais galardoadas com a bandeira azul[3]; em
Junho de 2012 recebeu a bandeira "Qualidade Ouro", atribuido pela Quercus.[4] Ambas as bandeiras foram hasteadas dia 24
de Junho de 2012.

Dia 5 de Maio de 2012, a praia fluvial de Loriga, ficou apurada entre as 21 finalistas, do total de 70 pré-finalistas, divididas por
7 categorias, para concorrer ao concurso "7 Maravilhas - Praias de Portugal", na categoria de "praias de rios".

Festividades
Ao longo do ano celebram-se de maneira especial o Natal, a Páscoa (com a Amenta das Almas - cantos nocturnos masculinos,
que evocam as almas de entes falecidos por altura da Quaresma), festas em honra de Sto. António (durante o mês Junho) e São
Praia fluvial de Loriga, no
local conhecido há séculos Sebastião (no último Domingo de Julho), com as respectivas mordomias e procissões. Porém, o ponto mais alto das
por Chão da Ribeira. festividades religiosas é a festa dedicada à padroeira dos emigrantes de Loriga, Nª. Srª. da Guia, que se realiza todos os anos,
no primeiro Domingo de Agosto. No segundo Domingo, tem lugar a festa em honra de Nª. Srª. da Ajuda, no Fontão de Loriga.

Gastronomia
A gastronomia loriguense faz parte daquela considerada típica da Beira Alta, onde se salientam os pratos calóricos de alta montanha, os enchidos, a feijoada (com
feijocas, uma espécie de feijão branco, maior que o habitual), o cabrito no forno, a broa de milho, queijaria de ovelha e cabra, nomeadamente o queijo da Serra
(com DOP), a aguardente de zimbro. Grande parte dos doces e sobremesas típicas eram elaboradas para celebrar a Páscoa. De entre os doces, têm relevo as
broínhas doces, o arroz doce, o carolo (doce feito com milho), a botelha (sobremesa feito com abóbora), a tapioca (sobremesa parecida ao arroz doce, feita com
tapioca partida em grãos - importada pela comunidade loriguense no Brasil) e o Bolo Negro de Loriga. A importância da gastronomia única é reflectida na
Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga. Loriga faz parte da Rota do Xisto e do Milho.

Personagens
Joaquim Augusto Amorim da Fonseca, (1862 — 1927), médico.
Joaquim Pina Moura, (1952 — ), economista e político.

Brasão
A freguesia de Loriga não tem brasão oficial, apesar de já existir um, amplamente divulgado e aprovado pelas autoridades
competentes, mas que ainda não é usado pela autarquia local. A Junta de Freguesia de Loriga usa formalmente há vários anos como Busto do, Dr Joaquim A.
símbolo da freguesia um escudo partido, na primeira parte a Cruz de Cristo, e na segunda uma vista da Serra da Estrela sobre um Amorim da Fonseca,
engenho ou moinho com roda hidráulica.[5] Este "brasão" ilegal e não representativo, que durante anos foi erradamente e Loriga.
teimosamente aqui apresentado como sendo oficial (apesar dos muitos alertas), nunca foi nem pode ser aprovado pela Comissão de
Heráldica da Associação dos Arqueólogos Portugueses, segundo o disposto na Lei n.º 53/91, de 07 de agosto de 1991, que regula a heráldica autárquica portuguesa,
pelo que não tem carácter oficial.[6] Em 2002, a Junta de Freguesia de Loriga aprovou um brasão que foi chumbado pelas referidas autoridades competentes
(Comissão de Heráldica da AAP) por não ser representativo de Loriga.

Acordos de geminação
Loriga celebrou um acordo de geminação com a vila, actual cidade, de Sacavém, em 1 de Junho de 1996.

Ver também
Geografia romana em Portugal

Ligações externas
Homepage sobre Loriga (http://www.loriga.de)
Analor (http://www.analor.org)
Página sobre a vila de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com)
7 Maravilhas - Praias de Portugal (http://www.7maravilhas.sapo.pt/#/finalistas/praia-fluvial-de-loriga)
ABAE (http://www.abae.pt/programa/BA/inicio.php)
Geobserver (http://www.geobserver.org)

Fontes
Algumas das fontes usadas na elaboração deste artigo:

Homepage de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com)


Bacia hidrográfica da Ribeira de Loriga (http://www.conselldemallorca.net/mediambient/terrisc/resultatsp_coimbra3.htm)
Página dos Bombeiros de Loriga (http://www.bvloriga.pt/)
Página da Junta de Freguesia de Loriga (http://www.freguesiadeloriga.com/)
Página da Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga (http://www.loriga.org/confraria/)
Ferreira, N.; Vieira, G. - Guía Geológico e Geomorfológico do PNSE (1999).
de Vasconcelos, J.L. - Etnografia Portuguesa - Vol. II, INCM, 1980
Carta Militar de Portugal – esc. 1: 25000, Folha nº223, Instituto Geográfico do Exército.

Referências
p=awarded&s=list&u=2). Consultado em Junho de 2014 Verifique data em:
1. Diário "As Beiras" online. «Bombeiros de Loriga mudam para novo quartel» |acessodata= (ajuda)
(http://www.asbeiras.pt/2012/09/bombeiros-de-loriga-mudam-para-novo-qua
4. Site da Câmara Municipal de Seia. «Praia de Loriga com qualidade de
rtel/). Consultado em Outubro de 2012 Verifique data em: |acessodata=
ouro» (http://www.cm-seia.pt/index.php/ambiente/item/120-praia-de-loriga-c
(ajuda)
om-qualidade-de-ouro). Consultado em Julho de 2012 Verifique data em:
2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - |acessodata= (ajuda)
https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
5. Website da Câmara Municipal de Seia (http://web.archive.org/web/2003122
3. ABAE. «Locais Galardoados na Região do Centro com a Bandeira Azul, 3170552/http://www2.cm-seia.pt:80/concelho/freguesia07.asp) em 2003.
2014» (http://www.abae.pt/BandeiraAzul/index.php?
6. Informação disponibilizada pela Junta de Freguesia de Loriga em conversa
telefónica a 26 de Maio de 2017.

Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Loriga&oldid=51020192"

Esta página foi editada pela última vez à(s) 19h14min de 16 de janeiro de 2018.

Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0); pode estar sujeito a
condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso.
Loriga
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Loriga (pron.IFA [lu'ɾigɐ]) é uma vila e freguesia portuguesa Loriga  
do concelho de Seia, distrito da Guarda. Tem 36,52 km² de
área, 1053 habitantes (2011) e densidade populacional de
 Portugal
28,8 hab./km². Tem uma povoação anexa, o Fontão. Faz parte —  Freguesia  —
do Parque Natural da Serra da Estrela.

Loriga, situada na parte sudoeste da Serra da Estrela,
encontra­se a 20 km de Seia, 80 km da Guarda e 320 km de
Lisboa. A vila é acessível pela EN 231 e pela EN 338, estrada
concluída em 2006, seguindo um traçado pré­existente, com
um percurso de 9,2 km de paisagens de montanha, entre as
cotas 960 m (Portela de Loriga ou do Arão) e 1650 m, junto à
Lagoa Comprida.

É conhecida
como a "Suíça
Portuguesa" Vista geral de Loriga
devido à sua
extraordinária
paisagem e
localização
geográfica. Está
situada entre os
770 m, na sua
Vista panorâmica de Loriga e do vale parte urbana mais
glaciar com o mesmo nome, semelhante a baixa, e os cerca
uma paisagem alpina. de 1100 m de
altitude, rodeada
por montanhas, Loriga
das quais se destacam a Penha dos Abutres (1828 m de
altitude) e a Penha do Gato (1771 m), e é abraçada por dois
cursos de água: a Ribeira de Loriga e a Ribeira de São Bento,
que se unem depois da E.T.A.R. para formarem um dos
afluentes do Rio Alva.

Os socalcos e sua complexa rede de irrigação são um dos
grandes ex­libris de Loriga, uma obra construída ao longo de
centenas de anos e que transformou um belo vale rochoso
num vale fértil. É uma obra que ainda hoje marca a paisagem,
fazendo parte do património histórico da vila e é
demonstrativa do génio dos seus habitantes.

Está dotada de uma ampla gama de infraestruturas físicas e
sócio­culturais, que abrangem todos os grupos etários, das
quais se destacam, por exemplo, o Grupo Desportivo
Loriguense, fundado em 1934, a Sociedade Recreativa e
Musical Loriguense, fundada em 1906, os Bombeiros
Voluntários de Loriga, criados em 1982, cujos serviços se Localização de Loriga em Portugal
desenvolvem para lá dos limites da vila, a Casa de Repouso
Coordenadas 40° 19' 37" N 7° 41' 26" O
Nª. Srª. da Guia, uma das últimas obras sociais de relevo, e a País  Portugal
Escola Básica Dr. Reis Leitão. Em Agosto de 2006 iniciaram­ Concelho  Seia
se as obras do novo Quartel dos Bombeiros Voluntários,
edifício concluído em 2012 e inaugurado em Setembro do Administração
mesmo ano.[1]  ­ Tipo Junta de freguesia
 ­ Presidente António Maurício Moura Mendes
Embora seja vila pertence à rede de Aldeias de Montanha do (PS)
Concelho de Seia. Área
 ­ Total 36,52 km²
População (2011)
Índice  ­ Total 1 053

1 População     • Densidade 28,8 hab./km²


2 Toponímia Gentílico: Loriguense ou Loriguense
3 História Código postal 6270
3.1 Forais
Orago Santa Maria Maior
3.2 História até ao final do séc. XVIII
3.3 História posterior ao séc. XVIII Apelidada de “Suíça Portuguesa”. É uma das vilas mais altas
de Portugal.
4 Património de destaque
5 Praia fluvial
6 Festividades
7 Gastronomia
8 Personagens
9 Brasão
10 Acordos de geminação
11 Ver também
12 Ligações externas
13 Fontes
14 Referências

População

População da freguesia de Loriga [2]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 690 1 888 2 090 2 414 2 652 2 488 2 152 2 548 2 981 2 695 2 204 1 825 1 631 1 270 1 053

Evolução da População Variação da População
1864 / 2011 1864 / 2011

Toponímia
Crê­se que o nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus habitantes nos
montes Hermínios (actual Serra da Estrela) na resistência lusitana, o que levou os romanos a porem­lhe o nome
de Lorica, designação geral para couraça guerreira romana; deste nome derivou Loriga, derivação iniciada
pelos Visigodos, que tem o mesmo significado. Fosse qual fosse o motivo, certo é que os romanos lhe puseram
o nome de Lorica, origem do gentilico Loricense, sendo que toda a envolvente simbólica e histórica do nome
faz com que a Lorica/Loriga seja considerada, pelos especialistas em heráldica portuguesa, uma peça heráldica
"falante" fundamental no brasão desta vila.

História
Forais

Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século XII, tendo recebido forais em 1136 (João Rhânia,
senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas décadas, no reinado de D. Afonso Henriques), 1249 (D.
Afonso III), 1474 (D. Afonso V) e 1514 (D. Manuel I). Apoiou os Miguelistas contra os Liberais na guerra civil
portuguesa e tal facto contribuiu para deixar de ser sede de concelho em 1855 após a aplicação do plano de
ordenamento territorial levado a cabo durante o século XIX, curiosamente o mesmo plano que deu origem aos
Distritos.

História até ao final do séc. XVIII

Fundada originalmente no alto de uma colina entre ribeiras onde hoje existe o centro histórico da vila. O local
foi escolhido há mais de dois mil e seiscentos anos devido à facilidade de defesa (uma colina entre ribeiras), à
abundância de água e de pastos, bem como ao facto de a as terras mais baixas providenciarem alguma caça e
condições mínimas para a prática da agricultura. Desta forma estavam garantidas as condições mínimas de
sobrevivência para uma população e povoação com alguma importância.

Quando os romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos. O
maior, mais antigo e principal, situava­se na área onde hoje existem a Igreja
Matriz e parte da Rua de Viriato (que a antiga tradição diz ter nascido nesta
povoação) e estava fortificado com muralhas e paliçada. Aliás, parte da Rua
de Viriato, no troço compreendido entre as antigas sedes do GDL e da Casa do
Povo, corresponde exatamente a parte do traçado dessa linha defensiva da
antiga povoação. No local do actual Bairro de São Ginês (São Gens) existiam
já algumas habitações encostadas ao promontório rochoso, em cima do qual os
Igreja Matriz de Loriga, Visigodos construíram mais tarde uma ermida dedicada àquele santo.
dedicada a Santa Maria Maior
padroeira desta vila (por isso Loriga era uma paróquia, criada pelos
lhe foi dedicado o principal Visigodos na antiga Diocese de Egitânia,
templo) ­ vista interior. pertencente à Vigararia do Padroado Real e a
Igreja Matriz foi mandada construir em 1233
pelo rei D. Sancho II. Esta igreja, cujo orago
era já o de Santa Maria Maior, padroeira de Loriga, e que se mantém, foi
construída no local de outro antigo e pequeno templo, do qual foi aproveitada
uma pedra com inscrições visigóticas, que está colocada na porta lateral virada
para o adro, onde foi gravada a data da construção. De estilo românico, com
três naves, e traça exterior lembrando a Sé Velha de Coimbra, esta igreja foi
destruída pelo sismo de 1755, dela restando apenas partes das paredes laterais.
Um dos monumentais
O sismo de 1755 provocou enormes estragos na vila, tendo arruinado também fontanários construídos em
a residência paroquial e aberto algumas fendas nas robustas e espessas paredes Loriga pela Colónia
do edifício da Câmara Municipal construído no século XIII. Um emissário do Loriguense de Manaos, Brasil
.
Marquês de Pombal esteve em Loriga a avaliar os estragos mas, ao contrário do que aconteceu com a Covilhã
(outra localidade serrana muito afectada), não chegou do governo de Lisboa qualquer auxílio.

História posterior ao séc. XVIII

Loriga é uma vila industrial (têxtil) desde a primeira metade do século XIX. Chegou a ser uma das localidades
mais industrializadas da Beira Interior, e a actual sede de concelho só conseguiu suplantá­la quase em meados
do século XX. Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga no número de empresas. Nomes de
empresas, tais como: Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão & Irmãos, Augusto
Luis Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura Cabral, Lorimalhas, etc, fazem parte da rica história industrial desta
vila. A principal e maior avenida de Loriga tem o nome de Augusto Luís Mendes, o mais destacado dos antigos
industriais loriguenses. Apesar dos maus acessos, que se resumiam à velhinha estrada romana de Loriga, com
dois mil anos, o facto é que os loriguenses transformaram Loriga numa vila industrial.

Porém, partir da segunda metade do século XIX, tornou­se um dos principais
pólos industriais da Beira Alta, com o grande desenvolvimento da indústria
dos lanifícios, que entrou em declínio durante as últimas décadas do século
passado o que está a levar à desertificação da Vila, facto que afecta de maneira
geral as regiões interiores de Portugal devido às inexistentes politicas de
coesão territorial. Actualmente a economia loriguense baseia­se nas indústrias
metalúrgica e de panificação, no comércio, restauração, alguma indústria de
malhas, agricultura e pastorícia.
Largo do Pelourinho.
A área onde existem as actuais freguesias de Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes
da Beira, Teixeira, Valezim, Vide, e as mais de trinta povoações anexas,
pertenceu ao município loriguense.

A área que englobava o extinto município loriguense, constitui também a Associação de Freguesias da Serra da
Estrela, com sede em Loriga.

Loriga e a sua região possuem enormes potencialidades turísticas e as únicas pistas e estância de esqui
existentes em Portugal estão localizadas na Serra da Estrela, dentro da área da freguesia de Loriga.

Património de destaque
Em termos de património histórico, destacam­se a ponte e a estrada romanas
(século I a.C.), uma sepultura antropomórfica (século VI a.C.) chamada
popularmente de "caixão da moura", a Igreja Matriz (século XIII,
reconstruída), o Pelourinho (século XIII, reconstruído), o bairro de São Ginês,
a Rua de Viriato e a Rua da Oliveira.

A estrada romana e a ponte sobre a Ribeira de Loriga (a outra ruiu no século
XVI após uma grande cheia na Ribeira de São Bento), com as quais os
romanos ligaram Lorica, na Lusitânia, ao restante império, merecem destaque.

Várias ruas da vila, e partes de outras tiveram origem na estrada romana,
como são os casos da Rua do Porto, da Rua do Vinhô, da Rua de Viriato, da Rua da Oliveira
Rua Gago Coutinho e Sacadura Cabral, da Avenida Augusto Luis Mendes
(Carreira) e da Rua do Teixeiro.

A rua da Oliveira é uma rua situada no centro histórico da vila. A sua escadaria tem cerca de 80 degraus em
granito, o que lhe dá características peculiares. Esta rua recorda muitas das características urbanas medievais. O
bairro de São Ginês (São Gens) é um bairro do centro histórico de Loriga cujas características o tornam num
dos bairros mais típicos da vila. Curioso é o facto de este bairro dever o nome a São Gens, um santo de origem
céltica martirizado em Arles, na Gália, no tempo do imperador Diocleciano, orago de uma ermida visigótica
situada na área, no local onde hoje está a capela de Nossa Senhora do Carmo. Com o passar dos séculos os
loriguenses mudaram o nome do santo para São Ginês (um santo que nunca existiu), deixaram arruinar a capela
para finalmente a reconstruirem com o atual orago de Nossa Senhora do Carmo. Este núcleo da povoação, que
já esteve separado do principal e mais antigo, situado mais abaixo, é anterior à chegada dos romanos.

Praia fluvial
Como desde há alguns anos, em 2014, esta praia foi uma das 298 praias
nacionais galardoadas com a bandeira azul[3]; em Junho de 2012 recebeu a
bandeira "Qualidade Ouro", atribuido pela Quercus.[4] Ambas as bandeiras
foram hasteadas dia 24 de Junho de 2012.

Dia 5 de Maio de 2012, a praia fluvial de Loriga, ficou apurada entre as 21
finalistas, do total de 70 pré­finalistas, divididas por 7 categorias, para
concorrer ao concurso "7 Maravilhas ­ Praias de Portugal", na categoria de
"praias de rios".

Praia fluvial de Loriga, num Festividades
local conhecido há séculos por
Chão da Ribeira, onde está um Ao longo do ano celebram­se de maneira especial o Natal, a Páscoa (com a
açude conhecido como "Poço Amenta das Almas ­ cantos nocturnos masculinos, que evocam as almas de
do Zé Lages". entes falecidos por altura da Quaresma), festas em honra de Sto. António
(durante o mês Junho) e São Sebastião (no último Domingo de Julho), com as
respectivas mordomias e procissões. Porém, o ponto mais alto das festividades
religiosas é a festa dedicada à padroeira dos emigrantes de Loriga, Nª. Srª. da Guia, que se realiza todos os
anos, no primeiro Domingo de Agosto. No segundo Domingo, tem lugar a festa em honra de Nª. Srª. da Ajuda,
no Fontão de Loriga.

Gastronomia
A gastronomia loriguense faz parte daquela considerada típica da Beira Alta, onde se salientam os pratos
calóricos de alta montanha, os enchidos, a feijoada (com feijocas, uma espécie de feijão branco, maior que o
habitual), o cabrito no forno, a broa de milho, queijaria de ovelha e cabra, nomeadamente o queijo da Serra
(com DOP), a aguardente de zimbro. Grande parte dos doces e sobremesas típicas eram elaboradas para
celebrar a Páscoa. De entre os doces, têm relevo as broínhas doces, o arroz doce, o carolo (doce feito com
milho), a botelha (sobremesa feito com abóbora), a tapioca (sobremesa parecida ao arroz doce, feita com
tapioca partida em grãos ­ importada pela comunidade loriguense no Brasil) e o Bolo Negro de Loriga. A
importância da gastronomia única é reflectida na Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga. Loriga faz
parte da Rota do Xisto e do Milho.

Personagens
Joaquim Augusto Amorim da Fonseca, (1862 — 1927), médico.
Joaquim Pina Moura, (1952 — ), economista e político.
Jorge Garcia, (1960 — )ciclista.

Brasão
Durante muito tempo, e após o vandalismo sofrido por este artigo, foi colocado
Busto do, Dr Joaquim A.
aqui um "brasão" que nunca foi, não é nem jamais poderá ser legal nem oficial,
Amorim da Fonseca,
apesar de aqui ser apresentado como tal. Felizmente o erro foi recentemente
Loriga.
corrigido por um editor que honra esta enciclopédia, terminando assim uma
incompreensível cumplicidade da Wikipédia com uma flagrante ilegalidade criada por "editores"
irresponsáveis, marginais e nada isentos. A freguesia de Loriga não tem brasão oficial, apesar de existir um
brasão amplamente divulgado, desenhado por um conhecido loriguense, que tem a aprovação das autoridades
legalmente competentes (faltando a colaboração da autarquia loriguense para fechar o processo). Um dos
principais motivos da polémica resulta do facto de Junta de Freguesia de Loriga teimar em usar formalmente há
vários anos como símbolo da freguesia um escudo partido, na primeira parte a Cruz de Cristo, e na segunda
uma vista da Serra da Estrela sobre um engenho ou moinho com roda hidráulica.[5] Este brasão nunca foi nem
jamais poderá ser aprovado pela Comissão de Heráldica da Associação dos Arqueólogos Portugueses, segundo
o disposto na Lei n.º 53/91, de 07 de agosto de 1991, que regula a heráldica autárquica portuguesa, porque viola
a lei e não é representativo de Loriga, pelo que não tem, nunca teve nem jamais poderá ter carácter oficial.[6]

Acordos de geminação
Loriga celebrou um acordo de geminação com a vila, actual cidade, de Sacavém, em 1 de Junho de 1996.

Ver também
Geografia romana em Portugal

Ligações externas
Homepage sobre Loriga (http://www.loriga.de)
Analor (http://www.analor.org)
Homepage da Vila de Loriga (http://loriguense.wordpress.com/ligacoes­links)
7 Maravilhas ­ Praias de Portugal (http://www.7maravilhas.sapo.pt/#/finalistas/praia­fluvial­de­loriga)
ABAE (http://www.abae.pt/programa/BA/inicio.php)
Geobserver (http://www.geobserver.org)

Fontes
Algumas das fontes usadas na elaboração deste artigo:

Extratos da obra de António Conde sobre a história de Loriga (http://lorigaportugal.wordpres.com/ficheir
os­pdf­files)
Bacia hidrográfica da Ribeira de Loriga (http://www.conselldemallorca.net/mediambient/terrisc/resultats
p_coimbra3.htm)
Página dos Bombeiros de Loriga (http://www.bvloriga.pt/)
Página da Junta de Freguesia de Loriga (http://www.freguesiadeloriga.com/)
Página da Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga (http://www.loriga.org/confraria/)
Ferreira, N.; Vieira, G. ­ Guía Geológico e Geomorfológico do PNSE (1999).
de Vasconcelos, J.L. ­ Etnografia Portuguesa ­ Vol. II, INCM, 1980
Carta Militar de Portugal – esc. 1: 25000, Folha nº223, Instituto Geográfico do Exército.

Referências
https://www.ine.pt/xportal/xmain?
1. Diário "As Beiras" online. «Bombeiros de Loriga xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
mudam para novo quartel» (http://www.asbeiras.pt/20 3. ABAE. «Locais Galardoados na Região do Centro
12/09/bombeiros­de­loriga­mudam­para­novo­quarte com a Bandeira Azul, 2014» (http://www.abae.pt/Ban
l/). Consultado em Outubro de 2012 Verifique data deiraAzul/index.php?p=awarded&s=list&u=2).
em: |acessodata= (ajuda) Consultado em Junho de 2014 Verifique data em:
2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos |acessodata= (ajuda)
Gerais da População) ­ 4. Site da Câmara Municipal de Seia. «Praia de Loriga
com qualidade de ouro» (http://www.cm­seia.pt/index.
php/ambiente/item/120­praia­de­loriga­com­qualidade t:80/concelho/freguesia07.asp) em 2003.
­de­ouro). Consultado em Julho de 2012 Verifique 6. Informação disponibilizada pela Junta de Freguesia de
data em: |acessodata= (ajuda) Loriga em conversa telefónica a 26 de Maio de 2017.
5. Website da Câmara Municipal de Seia (http://web.arc
hive.org/web/20031223170552/http://www2.cm­seia.p

Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Loriga&oldid=49218357"

Categorias:  Freguesias de Seia Antigos municípios de Portugal Vilas de Portugal

Esta página foi editada pela última vez à(s) 20h21min de 5 de julho de 2017.
Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons ­ Atribuição ­ Compartilha Igual
3.0 Não Adaptada (CC BY­SA 3.0); pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes,
consulte as condições de uso.
Loriga
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Loriga (pron.IFA [lo'ɾigɐ]) é uma vila e freguesia portuguesa Loriga  
do concelho de Seia, distrito da Guarda. Tem 36,52 km² de
área, 1053 habitantes (2011) e densidade populacional de
 Portugal
28,8 hab./km². Tem uma povoação anexa, o Fontão. Faz parte —  Freguesia  —
do Parque Natural da Serra da Estrela.

Loriga, situada na parte sudoeste da Serra da Estrela,
encontra­se a 20 km de Seia, 80 km da Guarda e 320 km de
Lisboa. A vila é acessível pela EN 231 e pela EN 338, estrada
concluída em 2006, seguindo um traçado pré­existente, com
um percurso de 9,2 km de paisagens de montanha, entre as
cotas 960 m (Portela do Arão ou Portela de Loriga) e 1650 m,
junto à Lagoa Comprida.

É conhecida
como a "Suíça
Portuguesa" Vista geral de Loriga
devido à sua
extraordinária
paisagem e
localização
geográfica. Está
situada entre os
770 m de
Vista panorâmica de Loriga e do vale altitude, na sua
glaciar com o mesmo nome, semelhante a parte urbana mais
uma paisagem alpina. baixa, e os cerca
de 1100 m,
rodeada por Loriga
montanhas, das quais se destacam a Penha dos Abutres
(1828 m de altitude) e a Penha do Gato (1771 m), e é
abraçada por dois cursos de água: a Ribeira de Loriga e a
Ribeira de São Bento, que se unem depois da E.T.A.R. A
Ribeira de Loriga, é um dos afluentes do Rio Alva.

Os socalcos e sua complexa rede de irrigação são um dos
grandes ex­libris de Loriga, uma obra construída ao longo de
centenas de anos e que transformou um vale rochoso num
vale fértil. É uma obra que ainda hoje marca a paisagem,
fazendo parte do património histórico da vila e é
demonstrativa do génio dos seus habitantes.

Está dotada de uma ampla gama de infraestruturas físicas e
sócio­culturais, que abrangem todos os grupos etários, das
quais se destacam, por exemplo, o Grupo Desportivo
Loriguense, fundado em 1934, a Sociedade Recreativa e
Musical Loriguense, fundada em 1906, os Bombeiros
Voluntários de Loriga, criados em 1982, cujos serviços se Localização de Loriga em Portugal
desenvolvem para lá dos limites da vila, a Casa de Repouso
Coordenadas 40° 19' 37" N 7° 41' 26" O
Nª. Srª. da Guia, uma das últimas obras sociais de relevo, e a País  Portugal
Escola Básica Dr. Reis Leitão. Em Agosto de 2006 iniciaram­ Concelho  Seia
se as obras do novo Quartel dos Bombeiros Voluntários,
edifício concluído em 2012 e inaugurado em Setembro do Administração
mesmo ano.[1]  ­ Tipo Junta de freguesia
 ­ Presidente António Maurício Moura Mendes
Apesar de ser vila pertence à rede de Aldeias de Montanha do (PS)
Concelho de Seia. Área
 ­ Total 36,52 km²
População (2011)
Índice  ­ Total 1 053

1 População     • Densidade 28,8 hab./km²


2 Toponímia Gentílico: Loriguense ou Loricense
3 História Código postal 6270
3.1 Forais
Orago Santa Maria Maior
3.2 História até ao final do séc. XVIII
3.3 História posterior ao séc. XVIII Apelidada de “Suíça Portuguesa”. É uma das vilas mais altas
de Portugal.
4 Património de destaque
5 Praia fluvial
6 Festividades
7 Gastronomia
8 Personagens
9 Brasão
10 Acordos de geminação
11 Ver também
12 Ligações externas
13 Fontes
14 Referências

População

População da freguesia de Loriga [2]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 690 1 888 2 090 2 414 2 652 2 488 2 152 2 548 2 981 2 695 2 204 1 825 1 631 1 270 1 053

Evolução da População Variação da População
1864 / 2011 1864 / 2011

Toponímia
Crê­se que o nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus habitantes nos
montes Hermínios (actual Serra da Estrela) na resistência lusitana, o que levou os romanos a porem­lhe o nome
de Lorica, designação geral para couraça guerreira romana; deste nome derivou Loriga, derivação iniciada
pelos Visigodos, que tem o mesmo significado. Independentemente do motivo, certo é que os romanos puseram
o nome de Lorica a esta antiga povoação lusitana, e a antiguidade significado histórico do nome justifica a
Lorica/Loriga no brasão da vila e o gentílico loricense (seria assim ainda que o nome tivesse "apenas" 600 ou
700 anos de existência).

História
Forais

Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século XII, tendo recebido forais em 1136 (João Rhânia,
senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas décadas, no reinado de D. Afonso Henriques), 1249 (D.
Afonso III), 1474 (D. Afonso V) e 1514 (D. Manuel I). Apoiou os Miguelistas contra os Liberais na guerra civil
portuguesa e tal facto contribuiu para deixar de ser sede de concelho em 1855 após a aplicação do plano de
ordenação territorial levada a cabo durante o século XIX, curiosamente o mesmo plano que deu origem aos
Distritos.

História até ao final do séc. XVIII

Fundada originalmente no alto de uma colina entre ribeiras onde hoje existe o centro histórico da vila. O local
foi escolhido há mais de dois mil e seiscentos anos devido à facilidade de defesa (uma colina entre ribeiras), à
abundância de água e de pastos, bem como ao facto de a as terras mais baixas providenciarem alguma caça e
condições mínimas para a prática da agricultura. Desta forma estavam garantidas as condições mínimas de
sobrevivência para uma população e povoação com alguma importância.

Quando os romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos. O
maior, mais antigo e principal, situava­se na área onde hoje existem a Igreja
Matriz e parte da Rua de Viriato (que a antiga tradição aponta como tendo
nascido nesta antiga povoação) e estava fortificado com muralhas e paliçada.
Aliás, a Rua de Viriato, no troço compreendido entre as antigas sedes do GDL
e da Casa do Povo, corresponde exatamente a parte do traçado dessa antiga
linha de defensiva da povoação. No local do actual Bairro de São Ginês (São
Gens) existiam já algumas habitações encostadas ao promontório rochoso, em
Igreja Matriz de Santa Maria cima do qual os Visigodos construíram mais tarde uma ermida dedicada
Maior, Padroeira de Loriga àquele santo.
(por isso lhe foi dedicado este
templo) ­ vista interior. Loriga era uma paróquia com origem
visigótica pertencente à Vigararia do
Padroado Real e a Igreja Matriz foi mandada
construir em 1233 pelo rei D. Sancho II. Esta igreja, cujo orago era já o de
Santa Maria Maior (Padroeira de Loriga) e que se mantém, foi construída no
local de outro antigo e pequeno templo, do qual foi aproveitada uma pedra
com inscrições visigóticas, que está colocada na porta lateral virada para o
adro, e na qual foi gravada a data da construção. De estilo românico, com três
naves, e traça exterior lembrando a Sé Velha de Coimbra, esta igreja foi
destruída pelo sismo de 1755, dela restando apenas partes das paredes laterais.

O sismo de 1755 provocou enormes estragos na vila, tendo arruinado também Um dos monumentais
a residência paroquial e aberto algumas fendas nas robustas e espessas paredes fontanários erigidos em Loriga
do edifício da Câmara Municipal construído no século XIII. Um emissário do pela Comunidade Loriguense
de Manaos, Brasil.
Marquês de Pombal esteve em Loriga a avaliar os estragos mas, ao contrário do que aconteceu com a Covilhã
(outra localidade serrana muito afectada), não chegou do governo de Lisboa qualquer auxílio.

História posterior ao séc. XVIII

Loriga é uma vila industrial (têxtil) desde a primeira metade do século XIX. Chegou a ser uma das localidades
mais industrializadas da Beira Interior, e a actual sede de concelho só conseguiu suplantá­la já quase em
meados do século XX. Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga no número de empresas. Nomes
de empresas, tais como: Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão & Irmãos, Augusto
Luis Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura Cabral, Lorimalhas, etc, fazem parte da rica história industrial desta
vila. A principal e maior avenida de Loriga tem o nome de Augusto Luís Mendes, o mais destacado dos antigos
industriais loriguenses. Apesar dos maus acessos, que se resumiam à velhinha estrada romana de Lorica, com
dois mil anos, o facto é que os loriguenses transformaram Loriga numa progressiva vila industrial.

A partir da segunda metade do século XIX tornou­se um dos principais pólos
industriais da Beira Alta, com o grande desenvolvimento da indústria dos
lanifícios, que entrou em declínio durante as últimas décadas do século
passado o que está a levar à desertificação da Vila, facto que afecta de maneira
geral as regiões interiores de Portugal devido às inexistentes e ou erradas
politicas locais e nacionais de ordenamento do território. Actualmente a
economia loriguense baseia­se nas indústrias metalúrgica e de panificação, no
comércio, restauração, alguma indústria de malhas, agricultura e pastorícia.
Largo do Pelourinho.
A área onde existem as actuais freguesias de Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes
da Beira, Teixeira, Valezim, Vide, e as mais de trinta povoações anexas,
pertenceu ao município loriguense.

A área que englobava o extinto município loriguense, constitui também a Associação de Freguesias da Serra da
Estrela, com sede em Loriga.

Loriga e a sua região possuem enormes potencialidades turísticas e as únicas pistas e estância de esqui
existentes em Portugal estão localizadas na Serra da Estrela, dentro da área da freguesia de Loriga.

Património de destaque
Em termos de património histórico, destacam­se a ponte e a estrada romanas
(século I a.C.), uma sepultura antropomórfica (século VI a.C.) chamada
popularmente de "caixão da moura", a Igreja Matriz (século XIII,
reconstruída), o Pelourinho (século XIII, reconstruído), o bairro de São Ginês
(São Gens), a Rua de Viriato e a Rua da Oliveira.

A estrada romana e a ponte sobre a Ribeira de Loriga, uma das duas pontes (a
outra ruiu no século XVI após uma grande cheia na Ribeira de São Bento),
com as quais os romanos ligaram Lorica, na Lusitânia, ao restante império,
merecem destaque.

A rua da Oliveira é uma rua situada no centro histórico da vila. A sua Rua da Oliveira
escadaria tem cerca de 80 degraus em granito, o que lhe dá características
peculiares. Esta rua recorda muitas das características urbanas medievais. O bairro de São Ginês (São Gens) é
um bairro do centro histórico de Loriga cujas características o tornam num dos bairros mais típicos da vila.
Curioso é o facto de este bairro dever o nome a São Gens, um santo de origem céltica martirizado em Arles, na
Gália, no tempo do imperador Diocleciano, orago de uma ermida visigótica situada na área, no local onde hoje
está a capela de Nossa Senhora do Carmo. Com o passar dos séculos os loriguenses deixaram aruinar a capela
para depois a reconstruirem com o atual orago, e mudaram o nome do santo para São Ginês (um santo que
nunca existiu). Este núcleo da povoação, que já esteve separado do principal e mais antigo, situado mais
abaixo, é anterior à chegada dos romanos.

Praia fluvial
Como desde há alguns anos, em 2014, esta praia foi uma das 298 praias
nacionais galardoadas com a bandeira azul[3]; em Junho de 2012 recebeu a
bandeira "Qualidade Ouro", atribuido pela Quercus.[4] Ambas as bandeiras
foram hasteadas dia 24 de Junho de 2012.

Dia 5 de Maio de 2012, a praia fluvial de Loriga, ficou apurada entre as 21
finalistas, do total de 70 pré­finalistas, divididas por 7 categorias, para
concorrer ao concurso "7 Maravilhas ­ Praias de Portugal", na categoria de
"praias de rios".

Praia fluvial de Loriga, num Festividades
local conhecido por Chão da
Ribeira onde está o chamado Ao longo do ano celebram­se de maneira especial o Natal, a Páscoa (com a
"Poço do Zé Lages". Amenta das Almas ­ cantos nocturnos masculinos, que evocam as almas de
entes falecidos por altura da Quaresma), festas em honra de Sto. António
(durante o mês Junho) e São Sebastião (no último Domingo de Julho), com as
respectivas mordomias e procissões. Porém, o ponto mais alto das festividades religiosas é a festa dedicada à
padroeira dos emigrantes de Loriga, Nª. Srª. da Guia, que se realiza todos os anos, no primeiro Domingo de
Agosto. No segundo Domingo, tem lugar a festa em honra de Nª. Srª. da Ajuda, no Fontão de Loriga.

Gastronomia
A gastronomia loriguense faz parte daquela considerada típica da Beira Alta, onde se salientam os pratos
calóricos de alta montanha, os enchidos, a feijoada (com feijocas, uma espécie de feijão branco, maior que o
habitual), o cabrito no forno, a broa de milho, queijaria de ovelha e cabra, nomeadamente o queijo da Serra
(com DOP), a aguardente de zimbro. Grande parte dos doces e sobremesas típicas eram elaboradas para
celebrar a Páscoa. De entre os doces, têm relevo as broínhas doces, o arroz doce, o carolo (doce feito com
milho), a botelha (sobremesa feito com abóbora), a tapioca (sobremesa parecida ao arroz doce, feita com
tapioca partida em grãos ­ importada pela comunidade loriguense no Brasil) e o Bolo Negro de Loriga. A
importância da gastronomia única é reflectida na Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga. Loriga faz
parte da Rota do Xisto e do Milho.

Personagens
Joaquim Augusto Amorim da Fonseca, (1862 — 1927), médico.
Joaquim Pina Moura, (1952 — ), economista e político.
Jorge Garcia, (1960 — )ciclista.

Brasão
Durante muito tempo esteve colocado neste artigo um "brasão" erradamente
Busto do, Dr Joaquim A.
apontado como oficial, que nunca foi, não é nem jamais poderá ser. Tal situação foi
Amorim da Fonseca,
recentemente corrigida e informa­se que a freguesia de Loriga não tem brasão
Loriga.
oficial apesar de as entidades oficiais concordarem com um brasão amplamente
divulgado (faltando a colaboração da autarquia local). Um dos motivos da
polémica é o facto de a Junta de Freguesia de Loriga usar formalmente há vários anos como símbolo da
freguesia o tal "brasão" que foi colocado neste artigo, e que é constotuído por um escudo partido, na primeira
parte a Cruz de Cristo, e na segunda uma vista da Serra da Estrela sobre um engenho ou moinho com roda
hidráulica.[5] Este "brasão" nunca foi nem nunca poderá ser aprovado pela Comissão de Heráldica da
Associação dos Arqueólogos Portugueses, segundo o disposto na Lei n.º 53/91, de 07 de agosto de 1991, que
regula a heráldica autárquica portuguesa, pelo que não tem carácter oficial.[6]

Acordos de geminação
Loriga celebrou um acordo de geminação com a vila, actual cidade, de Sacavém, em 1 de Junho de 1996.

Ver também
Geografia romana em Portugal

Ligações externas
Homepage sobre Loriga (http://www.loriga.de)
Analor (http://www.analor.org)
Portal Vila de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com/ligacoes­links)
7 Maravilhas ­ Praias de Portugal (http://www.7maravilhas.sapo.pt/#/finalistas/praia­fluvial­de­loriga)
ABAE (http://www.abae.pt/programa/BA/inicio.php)
Geobserver (http://www.geobserver.org)

Fontes
Algumas das fontes usadas na elaboração deste artigo:

História de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com/ficheiros­pdf­files)
Bacia hidrográfica da Ribeira de Loriga (http://www.conselldemallorca.net/mediambient/terrisc/resultats
p_coimbra3.htm)
Página dos Bombeiros de Loriga (http://www.bvloriga.pt/)
Página da Junta de Freguesia de Loriga (http://www.freguesiadeloriga.com/)
Página da Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga (http://www.loriga.org/confraria/)
Ferreira, N.; Vieira, G. ­ Guía Geológico e Geomorfológico do PNSE (1999).
de Vasconcelos, J.L. ­ Etnografia Portuguesa ­ Vol. II, INCM, 1980
Carta Militar de Portugal – esc. 1: 25000, Folha nº223, Instituto Geográfico do Exército.

Referências
Consultado em Junho de 2014 Verifique data em:
1. Diário "As Beiras" online. «Bombeiros de Loriga |acessodata= (ajuda)
mudam para novo quartel» (http://www.asbeiras.pt/20 4. Site da Câmara Municipal de Seia. «Praia de Loriga
12/09/bombeiros­de­loriga­mudam­para­novo­quarte com qualidade de ouro» (http://www.cm­seia.pt/index.
l/). Consultado em Outubro de 2012 Verifique data php/ambiente/item/120­praia­de­loriga­com­qualidade
em: |acessodata= (ajuda) ­de­ouro). Consultado em Julho de 2012 Verifique
2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos data em: |acessodata= (ajuda)
Gerais da População) ­ 5. Website da Câmara Municipal de Seia (http://web.arc
https://www.ine.pt/xportal/xmain? hive.org/web/20031223170552/http://www2.cm­seia.p
xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes t:80/concelho/freguesia07.asp) em 2003.
3. ABAE. «Locais Galardoados na Região do Centro 6. Informação disponibilizada pela Junta de Freguesia de
com a Bandeira Azul, 2014» (http://www.abae.pt/Ban Loriga em conversa telefónica a 26 de Maio de 2017.
deiraAzul/index.php?p=awarded&s=list&u=2).

Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Loriga&oldid=48962110"
Categorias:  Freguesias de Seia Antigos municípios de Portugal Vilas de Portugal

Esta página foi editada pela última vez à(s) 20h04min de 1 de julho de 2017.
Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons ­ Atribuição ­ Compartilha Igual
3.0 Não Adaptada (CC BY­SA 3.0); pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes,
consulte as condições de uso.
Loriga
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Loriga (pron.IFA [lo'ɾigɐ]) é uma vila e freguesia portuguesa Loriga  
do concelho de Seia, distrito da Guarda. Tem 36,52 km² de
área, 1053 habitantes (2011) e densidade populacional de
 Portugal
28,8 hab./km². Tem uma povoação anexa, o Fontão. Faz parte —  Freguesia  —
do Parque Natural da Serra da Estrela.

Loriga, situada na parte sudoeste da Serra da Estrela,
encontra­se a 20 km de Seia, 80 km da Guarda e 320 km de
Lisboa. A vila é acessível pela EN 231 e pela EN 338, estrada
concluída em 2006, seguindo um traçado pré­existente, com
um percurso de 9,2 km de paisagens de montanha, entre as
cotas 960 m (Portela do Arão ou Portela de Loriga) e 1650 m,
junto à Lagoa Comprida.

É conhecida
como a "Suíça
Portuguesa" Vista geral de Loriga
devido à sua
extraordinária
paisagem e
localização
geográfica. Está
situada entre os
770 m de
Vista panorâmica de Loriga e do vale altitude, na sua
glaciar com o mesmo nome, semelhante a parte urbana mais
uma paisagem alpina. baixa, e os cerca
de 1100 m,
rodeada por Loriga
montanhas, das quais se destacam a Penha dos Abutres
(1828 m de altitude) e a Penha do Gato (1771 m), e é
abraçada por dois cursos de água: a Ribeira de Loriga e a
Ribeira de São Bento, que se unem depois da E.T.A.R. A
Ribeira de Loriga, é um dos afluentes do Rio Alva.

Os socalcos e sua complexa rede de irrigação são um dos
grandes ex­libris de Loriga, uma obra construída ao longo de
centenas de anos e que transformou um vale rochoso num
vale fértil. É uma obra que ainda hoje marca a paisagem,
fazendo parte do património histórico da vila e é
demonstrativa do génio dos seus habitantes.

Está dotada de uma ampla gama de infraestruturas físicas e
sócio­culturais, que abrangem todos os grupos etários, das
quais se destacam, por exemplo, o Grupo Desportivo
Loriguense, fundado em 1934, a Sociedade Recreativa e
Musical Loriguense, fundada em 1906, os Bombeiros
Voluntários de Loriga, criados em 1982, cujos serviços se Localização de Loriga em Portugal
desenvolvem para lá dos limites da vila, a Casa de Repouso
Coordenadas 40° 19' 37" N 7° 41' 26" O
Nª. Srª. da Guia, uma das últimas obras sociais de relevo, e a País  Portugal
Escola Básica Dr. Reis Leitão. Em Agosto de 2006 iniciaram­ Concelho  Seia
se as obras do novo Quartel dos Bombeiros Voluntários,
edifício concluído em 2012 e inaugurado em Setembro do Administração
mesmo ano.[1]  ­ Tipo Junta de freguesia
 ­ Presidente António Maurício Moura Mendes
Apesar de ser vila pertence à rede de Aldeias de Montanha do (PS)
Concelho de Seia. Área
 ­ Total 36,52 km²
População (2011)
Índice  ­ Total 1 053

1 População     • Densidade 28,8 hab./km²


2 Toponímia Gentílico: Loriguense ou Loricense
3 História Código postal 6270
3.1 Forais
Orago Santa Maria Maior
3.2 História até ao final do séc. XVIII
3.3 História posterior ao séc. XVIII Apelidada de “Suíça Portuguesa”. É uma das vilas mais altas
de Portugal.
4 Património de destaque
5 Praia fluvial
6 Festividades
7 Gastronomia
8 Personagens
9 Brasão
10 Acordos de geminação
11 Ver também
12 Ligações externas
13 Fontes
14 Referências

População

População da freguesia de Loriga [2]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 690 1 888 2 090 2 414 2 652 2 488 2 152 2 548 2 981 2 695 2 204 1 825 1 631 1 270 1 053

Evolução da População Variação da População
1864 / 2011 1864 / 2011

Toponímia
Crê­se que o nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus habitantes nos
montes Hermínios (actual Serra da Estrela) na resistência lusitana, o que levou os romanos a porem­lhe o nome
de Lorica, designação geral para couraça guerreira romana; deste nome derivou Loriga, derivação iniciada
pelos Visigodos, que tem o mesmo significado. Independentemente do motivo, certo é que os romanos puseram
o nome de Lorica a esta antiga povoação lusitana, e a antiguidade significado histórico do nome justifica a
Lorica/Loriga no brasão da vila e o gentílico loricense (seria assim ainda que o nome tivesse "apenas" 600 ou
700 anos de existência).

História
Forais

Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século XII, tendo recebido forais em 1136 (João Rhânia,
senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas décadas, no reinado de D. Afonso Henriques), 1249 (D.
Afonso III), 1474 (D. Afonso V) e 1514 (D. Manuel I). Apoiou os Miguelistas contra os Liberais na guerra civil
portuguesa e tal facto contribuiu para deixar de ser sede de concelho em 1855 após a aplicação do plano de
ordenação territorial levada a cabo durante o século XIX, curiosamente o mesmo plano que deu origem aos
Distritos.

História até ao final do séc. XVIII

Fundada originalmente no alto de uma colina entre ribeiras onde hoje existe o centro histórico da vila. O local
foi escolhido há mais de dois mil e seiscentos anos devido à facilidade de defesa (uma colina entre ribeiras), à
abundância de água e de pastos, bem como ao facto de a as terras mais baixas providenciarem alguma caça e
condições mínimas para a prática da agricultura. Desta forma estavam garantidas as condições mínimas de
sobrevivência para uma população e povoação com alguma importância.

Quando os romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos. O
maior, mais antigo e principal, situava­se na área onde hoje existem a Igreja
Matriz e parte da Rua de Viriato (que a antiga tradição aponta como tendo
nascido nesta antiga povoação) e estava fortificado com muralhas e paliçada.
Aliás, a Rua de Viriato, no troço compreendido entre as antigas sedes do GDL
e da Casa do Povo, corresponde exatamente a parte do traçado dessa antiga
linha de defensiva da povoação. No local do actual Bairro de São Ginês (São
Gens) existiam já algumas habitações encostadas ao promontório rochoso, em
Igreja Matriz de Santa Maria cima do qual os Visigodos construíram mais tarde uma ermida dedicada
Maior, Padroeira de Loriga àquele santo.
(por isso lhe foi dedicado este
templo) ­ vista interior. Loriga era uma paróquia com origem
visigótica pertencente à Vigararia do
Padroado Real e a Igreja Matriz foi mandada
construir em 1233 pelo rei D. Sancho II. Esta igreja, cujo orago era já o de
Santa Maria Maior (Padroeira de Loriga) e que se mantém, foi construída no
local de outro antigo e pequeno templo, do qual foi aproveitada uma pedra
com inscrições visigóticas, que está colocada na porta lateral virada para o
adro, e na qual foi gravada a data da construção. De estilo românico, com três
naves, e traça exterior lembrando a Sé Velha de Coimbra, esta igreja foi
destruída pelo sismo de 1755, dela restando apenas partes das paredes laterais.

O sismo de 1755 provocou enormes estragos na vila, tendo arruinado também Um dos monumentais
a residência paroquial e aberto algumas fendas nas robustas e espessas paredes fontanários erigidos em Loriga
do edifício da Câmara Municipal construído no século XIII. Um emissário do pela Comunidade Loriguense
de Manaos, Brasil.
Marquês de Pombal esteve em Loriga a avaliar os estragos mas, ao contrário do que aconteceu com a Covilhã
(outra localidade serrana muito afectada), não chegou do governo de Lisboa qualquer auxílio.

História posterior ao séc. XVIII

Loriga é uma vila industrial (têxtil) desde a primeira metade do século XIX. Chegou a ser uma das localidades
mais industrializadas da Beira Interior, e a actual sede de concelho só conseguiu suplantá­la já quase em
meados do século XX. Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga no número de empresas. Nomes
de empresas, tais como: Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão & Irmãos, Augusto
Luis Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura Cabral, Lorimalhas, etc, fazem parte da rica história industrial desta
vila. A principal e maior avenida de Loriga tem o nome de Augusto Luís Mendes, o mais destacado dos antigos
industriais loriguenses. Apesar dos maus acessos, que se resumiam à velhinha estrada romana de Lorica, com
dois mil anos, o facto é que os loriguenses transformaram Loriga numa progressiva vila industrial.

A partir da segunda metade do século XIX tornou­se um dos principais pólos
industriais da Beira Alta, com o grande desenvolvimento da indústria dos
lanifícios, que entrou em declínio durante as últimas décadas do século
passado o que está a levar à desertificação da Vila, facto que afecta de maneira
geral as regiões interiores de Portugal devido às inexistentes e ou erradas
politicas locais e nacionais de ordenamento do território. Actualmente a
economia loriguense baseia­se nas indústrias metalúrgica e de panificação, no
comércio, restauração, alguma indústria de malhas, agricultura e pastorícia.
Largo do Pelourinho.
A área onde existem as actuais freguesias de Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes
da Beira, Teixeira, Valezim, Vide, e as mais de trinta povoações anexas,
pertenceu ao município loriguense.

A área que englobava o extinto município loriguense, constitui também a Associação de Freguesias da Serra da
Estrela, com sede em Loriga.

Loriga e a sua região possuem enormes potencialidades turísticas e as únicas pistas e estância de esqui
existentes em Portugal estão localizadas na Serra da Estrela, dentro da área da freguesia de Loriga.

Património de destaque
Em termos de património histórico, destacam­se a ponte e a estrada romanas
(século I a.C.), uma sepultura antropomórfica (século VI a.C.) chamada
popularmente de "caixão da moura", a Igreja Matriz (século XIII,
reconstruída), o Pelourinho (século XIII, reconstruído), o bairro de São Ginês
(São Gens), a Rua de Viriato e a Rua da Oliveira.

A estrada romana e a ponte sobre a Ribeira de Loriga, uma das duas pontes (a
outra ruiu no século XVI após uma grande cheia na Ribeira de São Bento),
com as quais os romanos ligaram Lorica, na Lusitânia, ao restante império,
merecem destaque.

A rua da Oliveira é uma rua situada no centro histórico da vila. A sua Rua da Oliveira
escadaria tem cerca de 80 degraus em granito, o que lhe dá características
peculiares. Esta rua recorda muitas das características urbanas medievais. O bairro de São Ginês (São Gens) é
um bairro do centro histórico de Loriga cujas características o tornam num dos bairros mais típicos da vila.
Curioso é o facto de este bairro dever o nome a São Gens, um santo de origem céltica martirizado em Arles, na
Gália, no tempo do imperador Diocleciano, orago de uma ermida visigótica situada na área, no local onde hoje
está a capela de Nossa Senhora do Carmo. Com o passar dos séculos os loriguenses deixaram aruinar a capela
para depois a reconstruirem com o atual orago, e mudaram o nome do santo para São Ginês (um santo que
nunca existiu). Este núcleo da povoação, que já esteve separado do principal e mais antigo, situado mais
abaixo, é anterior à chegada dos romanos.

Praia fluvial
Como desde há alguns anos, em 2014, esta praia foi uma das 298 praias
nacionais galardoadas com a bandeira azul[3]; em Junho de 2012 recebeu a
bandeira "Qualidade Ouro", atribuido pela Quercus.[4] Ambas as bandeiras
foram hasteadas dia 24 de Junho de 2012.

Dia 5 de Maio de 2012, a praia fluvial de Loriga, ficou apurada entre as 21
finalistas, do total de 70 pré­finalistas, divididas por 7 categorias, para
concorrer ao concurso "7 Maravilhas ­ Praias de Portugal", na categoria de
"praias de rios".

Praia fluvial de Loriga, num Festividades
local conhecido por Chão da
Ribeira onde está o chamado Ao longo do ano celebram­se de maneira especial o Natal, a Páscoa (com a
"Poço do Zé Lages". Amenta das Almas ­ cantos nocturnos masculinos, que evocam as almas de
entes falecidos por altura da Quaresma), festas em honra de Sto. António
(durante o mês Junho) e São Sebastião (no último Domingo de Julho), com as
respectivas mordomias e procissões. Porém, o ponto mais alto das festividades religiosas é a festa dedicada à
padroeira dos emigrantes de Loriga, Nª. Srª. da Guia, que se realiza todos os anos, no primeiro Domingo de
Agosto. No segundo Domingo, tem lugar a festa em honra de Nª. Srª. da Ajuda, no Fontão de Loriga.

Gastronomia
A gastronomia loriguense faz parte daquela considerada típica da Beira Alta, onde se salientam os pratos
calóricos de alta montanha, os enchidos, a feijoada (com feijocas, uma espécie de feijão branco, maior que o
habitual), o cabrito no forno, a broa de milho, queijaria de ovelha e cabra, nomeadamente o queijo da Serra
(com DOP), a aguardente de zimbro. Grande parte dos doces e sobremesas típicas eram elaboradas para
celebrar a Páscoa. De entre os doces, têm relevo as broínhas doces, o arroz doce, o carolo (doce feito com
milho), a botelha (sobremesa feito com abóbora), a tapioca (sobremesa parecida ao arroz doce, feita com
tapioca partida em grãos ­ importada pela comunidade loriguense no Brasil) e o Bolo Negro de Loriga. A
importância da gastronomia única é reflectida na Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga. Loriga faz
parte da Rota do Xisto e do Milho.

Personagens
Joaquim Augusto Amorim da Fonseca, (1862 — 1927), médico.
Joaquim Pina Moura, (1952 — ), economista e político.
Jorge Garcia, (1960 — )ciclista.

Brasão
Durante muito tempo esteve colocado neste artigo um "brasão" erradamente
Busto do, Dr Joaquim A.
apontado como oficial, que nunca foi, não é nem jamais poderá ser. Tal situação foi
Amorim da Fonseca,
recentemente corrigida e informa­se que a freguesia de Loriga não tem brasão
Loriga.
oficial apesar de as entidades oficiais concordarem com um brasão amplamente
divulgado (faltando a colaboração da autarquia local). Um dos motivos da
polémica é o facto de a Junta de Freguesia de Loriga usar formalmente há vários anos como símbolo da
freguesia o tal "brasão" que foi colocado neste artigo, e que é constotuído por um escudo partido, na primeira
parte a Cruz de Cristo, e na segunda uma vista da Serra da Estrela sobre um engenho ou moinho com roda
hidráulica.[5] Este "brasão" nunca foi nem nunca poderá ser aprovado pela Comissão de Heráldica da
Associação dos Arqueólogos Portugueses, segundo o disposto na Lei n.º 53/91, de 07 de agosto de 1991, que
regula a heráldica autárquica portuguesa, pelo que não tem carácter oficial.[6]

Acordos de geminação
Loriga celebrou um acordo de geminação com a vila, actual cidade, de Sacavém, em 1 de Junho de 1996.

Ver também
Geografia romana em Portugal

Ligações externas
Homepage sobre Loriga (http://www.loriga.de)
Analor (http://www.analor.org)
Portal Vila de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com/ligacoes­links)
7 Maravilhas ­ Praias de Portugal (http://www.7maravilhas.sapo.pt/#/finalistas/praia­fluvial­de­loriga)
ABAE (http://www.abae.pt/programa/BA/inicio.php)
Geobserver (http://www.geobserver.org)

Fontes
Algumas das fontes usadas na elaboração deste artigo:

História de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com/ficheiros­pdf­files)
Bacia hidrográfica da Ribeira de Loriga (http://www.conselldemallorca.net/mediambient/terrisc/resultats
p_coimbra3.htm)
Página dos Bombeiros de Loriga (http://www.bvloriga.pt/)
Página da Junta de Freguesia de Loriga (http://www.freguesiadeloriga.com/)
Página da Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga (http://www.loriga.org/confraria/)
Ferreira, N.; Vieira, G. ­ Guía Geológico e Geomorfológico do PNSE (1999).
de Vasconcelos, J.L. ­ Etnografia Portuguesa ­ Vol. II, INCM, 1980
Carta Militar de Portugal – esc. 1: 25000, Folha nº223, Instituto Geográfico do Exército.

Referências
Consultado em Junho de 2014 Verifique data em:
1. Diário "As Beiras" online. «Bombeiros de Loriga |acessodata= (ajuda)
mudam para novo quartel» (http://www.asbeiras.pt/20 4. Site da Câmara Municipal de Seia. «Praia de Loriga
12/09/bombeiros­de­loriga­mudam­para­novo­quarte com qualidade de ouro» (http://www.cm­seia.pt/index.
l/). Consultado em Outubro de 2012 Verifique data php/ambiente/item/120­praia­de­loriga­com­qualidade
em: |acessodata= (ajuda) ­de­ouro). Consultado em Julho de 2012 Verifique
2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos data em: |acessodata= (ajuda)
Gerais da População) ­ 5. Website da Câmara Municipal de Seia (http://web.arc
https://www.ine.pt/xportal/xmain? hive.org/web/20031223170552/http://www2.cm­seia.p
xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes t:80/concelho/freguesia07.asp) em 2003.
3. ABAE. «Locais Galardoados na Região do Centro 6. Informação disponibilizada pela Junta de Freguesia de
com a Bandeira Azul, 2014» (http://www.abae.pt/Ban Loriga em conversa telefónica a 26 de Maio de 2017.
deiraAzul/index.php?p=awarded&s=list&u=2).

Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Loriga&oldid=48962110"
Categorias:  Freguesias de Seia Antigos municípios de Portugal Vilas de Portugal

Esta página foi editada pela última vez à(s) 20h04min de 1 de julho de 2017.
Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons ­ Atribuição ­ Compartilha Igual
3.0 Não Adaptada (CC BY­SA 3.0); pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes,
consulte as condições de uso.
Loriga
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Loriga (pron.IFA [lu'ɾigɐ]) é uma vila e freguesia portuguesa Loriga  
do concelho de Seia, distrito da Guarda. Tem 36,52 km² de
área, 1053 habitantes (2011) e densidade populacional de
 Portugal
28,8 hab./km². Tem uma povoação anexa, o Fontão. Faz parte —  Freguesia  —
do Parque Natural da Serra da Estrela.

Loriga, situada na parte sudoeste da Serra da Estrela,
encontra­se a 20 km de Seia, 80 km da Guarda e 320 km de
Lisboa. A vila é acessível pela EN 231 e pela EN 338, estrada
concluída em 2006, seguindo um traçado pré­existente, com
um percurso de 9,2 km de paisagens de montanha, entre as
cotas 960 m (Portela de Loriga ou do Arão) e 1650 m, junto à
Lagoa Comprida.

É conhecida
como a "Suíça
Portuguesa" Vista geral de Loriga
devido à sua
extraordinária
paisagem e
localização
geográfica. Está
situada entre os
770 m, na sua
Vista panorâmica de Loriga e do vale parte urbana mais
glaciar com o mesmo nome, semelhante a baixa, e os cerca
uma paisagem alpina. de 1100 m de
altitude, rodeada
por montanhas, Loriga
das quais se destacam a Penha dos Abutres (1828 m de
altitude) e a Penha do Gato (1771 m), e é abraçada por dois
cursos de água: a Ribeira de Loriga e a Ribeira de São Bento,
que se unem depois da E.T.A.R. para formarem um dos
afluentes do Rio Alva.

Os socalcos e sua complexa rede de irrigação são um dos
grandes ex­libris de Loriga, uma obra construída ao longo de
centenas de anos e que transformou um belo vale rochoso
num vale fértil. É uma obra que ainda hoje marca a paisagem,
fazendo parte do património histórico da vila e é
demonstrativa do génio dos seus habitantes.

Está dotada de uma ampla gama de infraestruturas físicas e
sócio­culturais, que abrangem todos os grupos etários, das
quais se destacam, por exemplo, o Grupo Desportivo
Loriguense, fundado em 1934, a Sociedade Recreativa e
Musical Loriguense, fundada em 1906, os Bombeiros
Voluntários de Loriga, criados em 1982, cujos serviços se Localização de Loriga em Portugal
desenvolvem para lá dos limites da vila, a Casa de Repouso
Coordenadas 40° 19' 37" N 7° 41' 26" O
Nª. Srª. da Guia, uma das últimas obras sociais de relevo, e a País  Portugal
Escola Básica Dr. Reis Leitão. Em Agosto de 2006 iniciaram­ Concelho  Seia
se as obras do novo Quartel dos Bombeiros Voluntários,
edifício concluído em 2012 e inaugurado em Setembro do Administração
mesmo ano.[1]  ­ Tipo Junta de freguesia
 ­ Presidente António Maurício Moura Mendes
Embora seja vila pertence à rede de Aldeias de Montanha do (PS)
Concelho de Seia. Área
 ­ Total 36,52 km²
População (2011)
Índice  ­ Total 1 053

1 População     • Densidade 28,8 hab./km²


2 Toponímia Gentílico: Loriguense ou Loriguense
3 História Código postal 6270
3.1 Forais
Orago Santa Maria Maior
3.2 História até ao final do séc. XVIII
3.3 História posterior ao séc. XVIII Apelidada de “Suíça Portuguesa”. É uma das vilas mais altas
de Portugal.
4 Património de destaque
5 Praia fluvial
6 Festividades
7 Gastronomia
8 Personagens
9 Brasão
10 Acordos de geminação
11 Ver também
12 Ligações externas
13 Fontes
14 Referências

População

População da freguesia de Loriga [2]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 690 1 888 2 090 2 414 2 652 2 488 2 152 2 548 2 981 2 695 2 204 1 825 1 631 1 270 1 053

Evolução da População Variação da População
1864 / 2011 1864 / 2011

Toponímia
Crê­se que o nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus habitantes nos
montes Hermínios (actual Serra da Estrela) na resistência lusitana, o que levou os romanos a porem­lhe o nome
de Lorica, designação geral para couraça guerreira romana; deste nome derivou Loriga, derivação iniciada
pelos Visigodos, que tem o mesmo significado. Fosse qual fosse o motivo, certo é que os romanos lhe puseram
o nome de Lorica, origem do gentilico Loricense, sendo que toda a envolvente simbólica e histórica do nome
faz com que a Lorica/Loriga seja considerada, pelos especialistas em heráldica portuguesa, uma peça heráldica
"falante" fundamental no brasão desta vila.

História
Forais

Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século XII, tendo recebido forais em 1136 (João Rhânia,
senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas décadas, no reinado de D. Afonso Henriques), 1249 (D.
Afonso III), 1474 (D. Afonso V) e 1514 (D. Manuel I). Apoiou os Miguelistas contra os Liberais na guerra civil
portuguesa e tal facto contribuiu para deixar de ser sede de concelho em 1855 após a aplicação do plano de
ordenamento territorial levado a cabo durante o século XIX, curiosamente o mesmo plano que deu origem aos
Distritos.

História até ao final do séc. XVIII

Fundada originalmente no alto de uma colina entre ribeiras onde hoje existe o centro histórico da vila. O local
foi escolhido há mais de dois mil e seiscentos anos devido à facilidade de defesa (uma colina entre ribeiras), à
abundância de água e de pastos, bem como ao facto de a as terras mais baixas providenciarem alguma caça e
condições mínimas para a prática da agricultura. Desta forma estavam garantidas as condições mínimas de
sobrevivência para uma população e povoação com alguma importância.

Quando os romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos. O
maior, mais antigo e principal, situava­se na área onde hoje existem a Igreja
Matriz e parte da Rua de Viriato (que a antiga tradição diz ter nascido nesta
povoação) e estava fortificado com muralhas e paliçada. Aliás, parte da Rua
de Viriato, no troço compreendido entre as antigas sedes do GDL e da Casa do
Povo, corresponde exatamente a parte do traçado dessa linha defensiva da
antiga povoação. No local do actual Bairro de São Ginês (São Gens) existiam
já algumas habitações encostadas ao promontório rochoso, em cima do qual os
Igreja Matriz de Loriga, Visigodos construíram mais tarde uma ermida dedicada àquele santo.
dedicada a Santa Maria Maior
padroeira desta vila (por isso Loriga era uma paróquia, criada pelos
lhe foi dedicado o principal Visigodos na antiga Diocese de Egitânia,
templo) ­ vista interior. pertencente à Vigararia do Padroado Real e a
Igreja Matriz foi mandada construir em 1233
pelo rei D. Sancho II. Esta igreja, cujo orago
era já o de Santa Maria Maior, padroeira de Loriga, e que se mantém, foi
construída no local de outro antigo e pequeno templo, do qual foi aproveitada
uma pedra com inscrições visigóticas, que está colocada na porta lateral virada
para o adro, onde foi gravada a data da construção. De estilo românico, com
três naves, e traça exterior lembrando a Sé Velha de Coimbra, esta igreja foi
destruída pelo sismo de 1755, dela restando apenas partes das paredes laterais.
Um dos monumentais
O sismo de 1755 provocou enormes estragos na vila, tendo arruinado também fontanários construídos em
a residência paroquial e aberto algumas fendas nas robustas e espessas paredes Loriga pela Colónia
do edifício da Câmara Municipal construído no século XIII. Um emissário do Loriguense de Manaos, Brasil
.
Marquês de Pombal esteve em Loriga a avaliar os estragos mas, ao contrário do que aconteceu com a Covilhã
(outra localidade serrana muito afectada), não chegou do governo de Lisboa qualquer auxílio.

História posterior ao séc. XVIII

Loriga é uma vila industrial (têxtil) desde a primeira metade do século XIX. Chegou a ser uma das localidades
mais industrializadas da Beira Interior, e a actual sede de concelho só conseguiu suplantá­la quase em meados
do século XX. Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga no número de empresas. Nomes de
empresas, tais como: Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão & Irmãos, Augusto
Luis Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura Cabral, Lorimalhas, etc, fazem parte da rica história industrial desta
vila. A principal e maior avenida de Loriga tem o nome de Augusto Luís Mendes, o mais destacado dos antigos
industriais loriguenses. Apesar dos maus acessos, que se resumiam à velhinha estrada romana de Loriga, com
dois mil anos, o facto é que os loriguenses transformaram Loriga numa vila industrial.

Porém, partir da segunda metade do século XIX, tornou­se um dos principais
pólos industriais da Beira Alta, com o grande desenvolvimento da indústria
dos lanifícios, que entrou em declínio durante as últimas décadas do século
passado o que está a levar à desertificação da Vila, facto que afecta de maneira
geral as regiões interiores de Portugal devido às inexistentes politicas de
coesão territorial. Actualmente a economia loriguense baseia­se nas indústrias
metalúrgica e de panificação, no comércio, restauração, alguma indústria de
malhas, agricultura e pastorícia.
Largo do Pelourinho.
A área onde existem as actuais freguesias de Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes
da Beira, Teixeira, Valezim, Vide, e as mais de trinta povoações anexas,
pertenceu ao município loriguense.

A área que englobava o extinto município loriguense, constitui também a Associação de Freguesias da Serra da
Estrela, com sede em Loriga.

Loriga e a sua região possuem enormes potencialidades turísticas e as únicas pistas e estância de esqui
existentes em Portugal estão localizadas na Serra da Estrela, dentro da área da freguesia de Loriga.

Património de destaque
Em termos de património histórico, destacam­se a ponte e a estrada romanas
(século I a.C.), uma sepultura antropomórfica (século VI a.C.) chamada
popularmente de "caixão da moura", a Igreja Matriz (século XIII,
reconstruída), o Pelourinho (século XIII, reconstruído), o bairro de São Ginês,
a Rua de Viriato e a Rua da Oliveira.

A estrada romana e a ponte sobre a Ribeira de Loriga (a outra ruiu no século
XVI após uma grande cheia na Ribeira de São Bento), com as quais os
romanos ligaram Lorica, na Lusitânia, ao restante império, merecem destaque.

Várias ruas da vila, e partes de outras tiveram origem na estrada romana,
como são os casos da Rua do Porto, da Rua do Vinhô, da Rua de Viriato, da Rua da Oliveira
Rua Gago Coutinho e Sacadura Cabral, da Avenida Augusto Luis Mendes
(Carreira) e da Rua do Teixeiro.

A rua da Oliveira é uma rua situada no centro histórico da vila. A sua escadaria tem cerca de 80 degraus em
granito, o que lhe dá características peculiares. Esta rua recorda muitas das características urbanas medievais. O
bairro de São Ginês (São Gens) é um bairro do centro histórico de Loriga cujas características o tornam num
dos bairros mais típicos da vila. Curioso é o facto de este bairro dever o nome a São Gens, um santo de origem
céltica martirizado em Arles, na Gália, no tempo do imperador Diocleciano, orago de uma ermida visigótica
situada na área, no local onde hoje está a capela de Nossa Senhora do Carmo. Com o passar dos séculos os
loriguenses mudaram o nome do santo para São Ginês (um santo que nunca existiu), deixaram arruinar a capela
para finalmente a reconstruirem com o atual orago de Nossa Senhora do Carmo. Este núcleo da povoação, que
já esteve separado do principal e mais antigo, situado mais abaixo, é anterior à chegada dos romanos.

Praia fluvial
Como desde há alguns anos, em 2014, esta praia foi uma das 298 praias
nacionais galardoadas com a bandeira azul[3]; em Junho de 2012 recebeu a
bandeira "Qualidade Ouro", atribuido pela Quercus.[4] Ambas as bandeiras
foram hasteadas dia 24 de Junho de 2012.

Dia 5 de Maio de 2012, a praia fluvial de Loriga, ficou apurada entre as 21
finalistas, do total de 70 pré­finalistas, divididas por 7 categorias, para
concorrer ao concurso "7 Maravilhas ­ Praias de Portugal", na categoria de
"praias de rios".

Praia fluvial de Loriga, num Festividades
local conhecido há séculos por
Chão da Ribeira, onde está um Ao longo do ano celebram­se de maneira especial o Natal, a Páscoa (com a
açude conhecido como "Poço Amenta das Almas ­ cantos nocturnos masculinos, que evocam as almas de
do Zé Lages". entes falecidos por altura da Quaresma), festas em honra de Sto. António
(durante o mês Junho) e São Sebastião (no último Domingo de Julho), com as
respectivas mordomias e procissões. Porém, o ponto mais alto das festividades
religiosas é a festa dedicada à padroeira dos emigrantes de Loriga, Nª. Srª. da Guia, que se realiza todos os
anos, no primeiro Domingo de Agosto. No segundo Domingo, tem lugar a festa em honra de Nª. Srª. da Ajuda,
no Fontão de Loriga.

Gastronomia
A gastronomia loriguense faz parte daquela considerada típica da Beira Alta, onde se salientam os pratos
calóricos de alta montanha, os enchidos, a feijoada (com feijocas, uma espécie de feijão branco, maior que o
habitual), o cabrito no forno, a broa de milho, queijaria de ovelha e cabra, nomeadamente o queijo da Serra
(com DOP), a aguardente de zimbro. Grande parte dos doces e sobremesas típicas eram elaboradas para
celebrar a Páscoa. De entre os doces, têm relevo as broínhas doces, o arroz doce, o carolo (doce feito com
milho), a botelha (sobremesa feito com abóbora), a tapioca (sobremesa parecida ao arroz doce, feita com
tapioca partida em grãos ­ importada pela comunidade loriguense no Brasil) e o Bolo Negro de Loriga. A
importância da gastronomia única é reflectida na Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga. Loriga faz
parte da Rota do Xisto e do Milho.

Personagens
Joaquim Augusto Amorim da Fonseca, (1862 — 1927), médico.
Joaquim Pina Moura, (1952 — ), economista e político.
Jorge Garcia, (1960 — )ciclista.

Brasão
Durante muito tempo, e após o vandalismo sofrido por este artigo, foi colocado
Busto do, Dr Joaquim A.
aqui um "brasão" que nunca foi, não é nem jamais poderá ser legal nem oficial,
Amorim da Fonseca,
apesar de aqui ser apresentado como tal. Felizmente o erro foi recentemente
Loriga.
corrigido por um editor que honra esta enciclopédia, terminando assim uma
incompreensível cumplicidade da Wikipédia com uma flagrante ilegalidade criada por "editores"
irresponsáveis, marginais e nada isentos. A freguesia de Loriga não tem brasão oficial, apesar de existir um
brasão amplamente divulgado, desenhado por um conhecido loriguense, que tem a aprovação das autoridades
legalmente competentes (faltando a colaboração da autarquia loriguense para fechar o processo). Um dos
principais motivos da polémica resulta do facto de Junta de Freguesia de Loriga teimar em usar formalmente há
vários anos como símbolo da freguesia um escudo partido, na primeira parte a Cruz de Cristo, e na segunda
uma vista da Serra da Estrela sobre um engenho ou moinho com roda hidráulica.[5] Este brasão nunca foi nem
jamais poderá ser aprovado pela Comissão de Heráldica da Associação dos Arqueólogos Portugueses, segundo
o disposto na Lei n.º 53/91, de 07 de agosto de 1991, que regula a heráldica autárquica portuguesa, porque viola
a lei e não é representativo de Loriga, pelo que não tem, nunca teve nem jamais poderá ter carácter oficial.[6]

Acordos de geminação
Loriga celebrou um acordo de geminação com a vila, actual cidade, de Sacavém, em 1 de Junho de 1996.

Ver também
Geografia romana em Portugal

Ligações externas
Homepage sobre Loriga (http://www.loriga.de)
Analor (http://www.analor.org)
Homepage da Vila de Loriga (http://loriguense.wordpress.com/ligacoes­links)
7 Maravilhas ­ Praias de Portugal (http://www.7maravilhas.sapo.pt/#/finalistas/praia­fluvial­de­loriga)
ABAE (http://www.abae.pt/programa/BA/inicio.php)
Geobserver (http://www.geobserver.org)

Fontes
Algumas das fontes usadas na elaboração deste artigo:

Extratos da obra de António Conde sobre a história de Loriga (http://lorigaportugal.wordpres.com/ficheir
os­pdf­files)
Bacia hidrográfica da Ribeira de Loriga (http://www.conselldemallorca.net/mediambient/terrisc/resultats
p_coimbra3.htm)
Página dos Bombeiros de Loriga (http://www.bvloriga.pt/)
Página da Junta de Freguesia de Loriga (http://www.freguesiadeloriga.com/)
Página da Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga (http://www.loriga.org/confraria/)
Ferreira, N.; Vieira, G. ­ Guía Geológico e Geomorfológico do PNSE (1999).
de Vasconcelos, J.L. ­ Etnografia Portuguesa ­ Vol. II, INCM, 1980
Carta Militar de Portugal – esc. 1: 25000, Folha nº223, Instituto Geográfico do Exército.

Referências
https://www.ine.pt/xportal/xmain?
1. Diário "As Beiras" online. «Bombeiros de Loriga xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
mudam para novo quartel» (http://www.asbeiras.pt/20 3. ABAE. «Locais Galardoados na Região do Centro
12/09/bombeiros­de­loriga­mudam­para­novo­quarte com a Bandeira Azul, 2014» (http://www.abae.pt/Ban
l/). Consultado em Outubro de 2012 Verifique data deiraAzul/index.php?p=awarded&s=list&u=2).
em: |acessodata= (ajuda) Consultado em Junho de 2014 Verifique data em:
2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos |acessodata= (ajuda)
Gerais da População) ­ 4. Site da Câmara Municipal de Seia. «Praia de Loriga
com qualidade de ouro» (http://www.cm­seia.pt/index.
php/ambiente/item/120­praia­de­loriga­com­qualidade t:80/concelho/freguesia07.asp) em 2003.
­de­ouro). Consultado em Julho de 2012 Verifique 6. Informação disponibilizada pela Junta de Freguesia de
data em: |acessodata= (ajuda) Loriga em conversa telefónica a 26 de Maio de 2017.
5. Website da Câmara Municipal de Seia (http://web.arc
hive.org/web/20031223170552/http://www2.cm­seia.p

Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Loriga&oldid=49218357"

Categorias:  Freguesias de Seia Antigos municípios de Portugal Vilas de Portugal

Esta página foi editada pela última vez à(s) 20h21min de 5 de julho de 2017.
Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons ­ Atribuição ­ Compartilha Igual
3.0 Não Adaptada (CC BY­SA 3.0); pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes,
consulte as condições de uso.
Loriga
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Loriga (pron.IFA [lo'ɾigɐ]) é uma vila e freguesia portuguesa do concelho de Seia, distrito da Guarda. Tem
Loriga
36,52 km² de área, 1053 habitantes (2011) e densidade populacional de 28,8 hab./km². Tem uma povoação
Portugal
anexa, o Fontão. Faz parte do Parque Natural da Serra da Estrela.
— Freguesia —
Loriga, situada na parte sudoeste da Serra da Estrela, encontra-se a 20 km de Seia, 80 km da Guarda e
320 km de Lisboa. A vila é acessível pela EN 231 e pela EN 338, estrada concluída em 2006, seguindo um
traçado pré-projetado há décadas e pré-existente, com um percurso de 9,2 km de paisagens de montanha,
entre as cotas 960 m (Portela do Arão) e 1650 m, junto à Lagoa Comprida.

É conhecida como a "Suíça Portuguesa" devido à sua


paisagem e extraordinária localização geográfica. Está
situada a cerca de 770 m de altitude, na sua parte urbana
mais baixa, rodeada por montanhas, das quais se destacam
a Penha dos Abutres (1828 m de altitude) e a Penha do Gato
(1771 m), e é abraçada por dois cursos de água: a Ribeira de
Loriga e a Ribeira de São Bento, que se unem depois da Vista geral de Loriga
E.T.A.R.. A Ribeira de Loriga é um dos afluentes do Rio
Alva.
Vista panorâmica de Loriga e do vale
Os socalcos e sua complexa rede de irrigação são um dos
glaciar com o mesmo nome, semelhante
a uma paisagem alpina. grandes ex-libris de Loriga, uma obra construída ao longo
de centenas de anos e que transformou um vale rochoso
num vale fértil. É uma obra que ainda hoje marca a
paisagem, fazendo parte do património histórico da vila e é demonstrativa do génio dos seus habitantes.

Está dotada de uma ampla gama de infraestruturas físicas e sócio-culturais, que abrangem todos os grupos
etários, das quais se destacam, por exemplo, o Grupo Desportivo Loriguense, fundado em 1934, a Sociedade Loriga
Recreativa e Musical Loriguense, fundada em 1906, os Bombeiros Voluntários de Loriga, criados em 1982,
cujos serviços se desenvolvem para lá dos limites da vila, a Casa de Repouso Nª. Srª. da Guia, uma das
últimas obras sociais de relevo, e a Escola Básica EB23 Dr. Reis Leitão. Em Agosto de 2006 iniciaram-se as
obras do novo Quartel dos Bombeiros Voluntários, edifício concluído em 2012 e inaugurado em Setembro do
mesmo ano.[1]

Apesar de ser vila pertence à rede de Aldeias de Montanha do Concelho de Seia.

Índice
População
Toponímia
História
Forais
História até ao final do séc. XVIII
História posterior ao séc. XVIII
Localização de Loriga em Portugal
Património de destaque
Coordenadas 40° 19' 37" N 7° 41' 26" O
Praia fluvial
País Portugal
Festividades
Concelho Seia
Gastronomia
Personagens Administração
Brasão - Tipo Junta de freguesia
Acordos de geminação - Presidente José Pinto, também
conhecido por Zeca Maria
Ver também (independente)
Ligações externas Área
Fontes - Total 36,52 km²
Referências População (2011)
- Total 1 053
• Densidade 28,8 hab./km²
População Gentílico: Loriguense ou Loricense
Código postal 6270
Orago Santa Maria Maior
Apelidada de “Suíça Portuguesa”. É uma das vilas
mais altas de Portugal.

População da freguesia de Loriga [2]


1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 690 1 888 2 090 2 414 2 652 2 488 2 152 2 548 2 981 2 695 2 204 1 825 1 631 1 270 1 053
Evolução da População Variação da População
1864 / 2011 1864 / 2011

Toponímia
Crê-se que o nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus habitantes nos montes Hermínios (actual Serra da Estrela) na
resistência lusitana, o que levou os romanos a porem-lhe o nome de Lorica, designação geral para couraça guerreira romana; deste nome derivou Loriga, derivação
do nome latino iniciada pelos Visigodos, que tem o mesmo significado. Certo é que os romanos lhe puseram o nome de Lorica, origem do gentilico loricense e da
principal peça do brasão da vila.

História

Forais
Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século XII, tendo recebido forais em 1136 (João Rhânia, senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas
décadas, no reinado de D. Afonso Henriques), 1249 (D. Afonso III), 1474 (D. Afonso V) e 1514 (D. Manuel I). Apoiou os Miguelistas contra os Liberais na guerra
civil portuguesa e esse facto contribuíu para deixar de ser sede de concelho em 1855 após a aplicação do plano de ordenação territorial levada a cabo durante o
século XIX, curiosamente o mesmo plano que deu origem aos Distritos.

História até ao final do séc. XVIII


Fundada originalmente no alto de uma colina entre ribeiras onde hoje existe o centro histórico da vila. O local foi escolhido há mais de dois mil e seiscentos anos
devido à facilidade de defesa (uma colina entre ribeiras), à abundância de água e de pastos, bem como ao facto de a as terras mais baixas providenciarem alguma
caça e condições mínimas para a prática da agricultura. Desta forma estavam garantidas as condições mínimas de sobrevivência para uma população e povoação
com alguma importância.

Quando os romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos. O maior, mais antigo e principal, situava-se na
área onde hoje existem a Igreja Matriz e parte da Rua de Viriato e estava fortificado com muralhas e paliçada. Aliás, parte da
Rua de Viriato, no troço entre as antigas sedes do GDL e da Casa do Povo, coincide exatamente com parte da linha defensiva
da antiga povoação castreja. No local do actual Bairro de São Ginês existiam já algumas habitações encostadas ao promontório
rochoso, em cima do qual os Visigodos construíram mais tarde uma ermida dedicada àquele santo.

Loriga era uma paróquia fundada pelos Visigodos, pertencente à antiga diocese a Egitânia
e depois à Vigararia do Padroado Real e a Igreja Matriz foi mandada construir em 1233
Igreja Matriz de Loriga,
pelo rei D. Sancho II. Esta igreja, cujo orago era já o de Santa Maria Maior, padroeira de
dedicada à padroeira da vila -
vista interior. Loriga, e que se mantém, foi construída no local de outro antigo e pequeno templo, do
qual foi aproveitada uma pedra com inscrições visigóticas, que está colocada na porta
lateral virada para o adro, e onde foi gravada a data da construção. De estilo românico,
com três naves, e traça exterior lembrando a Sé Velha de Coimbra, esta igreja foi destruída pelo sismo de 1755, dela restando
apenas partes das paredes laterais e outra alvenaria.

O sismo de 1755 provocou enormes estragos na vila, tendo arruinado também a residência paroquial e aberto algumas fendas
nas robustas e espessas paredes do edifício da Câmara Municipal construído no século XIII. Um emissário do Marquês de Fontanário em Loriga, um
Pombal esteve em Loriga a avaliar os estragos mas, ao contrário do que aconteceu com a Covilhã (outra localidade serrana dos três construídos pela
comunidade loriguense de
muito afectada), não chegou do governo de Lisboa qualquer auxílio.
Manaus.

História posterior ao séc. XVIII


Loriga é uma vila industrial (têxtil) desde a primeira metade do século XIX. Chegou a ser uma das localidades mais industrializadas da Beira Interior, e a actual
sede de concelho só conseguiu suplantá-la já quase em meados do século XX. Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga no número de empresas.
Nomes de empresas, tais como: Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão & Irmãos, Augusto Luis Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura
Cabral, Lorimalhas, etc, fazem parte da rica história industrial desta vila. A principal e maior avenida de Loriga tem o nome de Augusto Luís Mendes, o mais
destacado dos antigos industriais loriguenses. Apesar dos maus acessos, que se resumiam à velhinha estrada romana de Loriga, com dois mil anos, o facto é que os
loriguenses transformaram Loriga numa vila industrial.

A partir de meados do século XIX tornou-se um dos principais pólos industriais da Beira Alta, com desenvolvimento da
indústria dos lanifícios, que entrou em declínio durante as últimas décadas do século passado o que está a levar à
desertificação da Vila, facto que afecta de maneira geral as regiões interiores de Portugal devido às inexistentes politicas locais
e nacionais de coesão territorial. Actualmente a economia loriguense baseia-se nas indústrias metalúrgica e de panificação, no
comércio, restauração, malhas, alguma agricultura e pastorícia.

A área onde existem as actuais freguesias de Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes da Beira, Teixeira, Valezim, Vide, e as mais de
trinta povoações anexas, pertenceu ao município loriguense.
Largo do Pelourinho.
A área que englobava o extinto município loriguense, constitui também a Associação de Freguesias da Serra da Estrela, com
sede em Loriga.
Loriga e a sua região possuem enormes potencialidades turísticas e as únicas pistas e estância de esqui existentes em Portugal estão localizadas na Serra da Estrela,
dentro da área da freguesia de Loriga.

Património de destaque
Em termos de património histórico, destacam-se a ponte e a estrada romanas (século I a.C.), uma sepultura antropomórfica
(século VI a.C.) chamada popularmente de "caixão da moura", a Igreja Matriz (século XIII, reconstruída), o Pelourinho (século
XIII, reconstruído), o bairro de São Ginês, a Rua de Viriato e a Rua da Oliveira.

A estrada romana e uma das duas pontes (a outra ruiu no século XVI após uma grande cheia na Ribeira de São Bento), com as
quais os romanos ligaram Lorica, na Lusitânia, ao restante império, merecem destaque.

A rua da Oliveira é uma rua situada no centro histórico da vila. A sua escadaria tem cerca de 80 degraus em granito, o que lhe
dá características peculiares. Esta rua recorda muitas das características urbanas medievais. O bairro de São Ginês é um bairro
do centro histórico de Loriga cujas características o tornam num dos bairros mais típicos da vila. Curioso é o facto de este
bairro dever o nome a São Gens, um santo de origem céltica martirizado em Arles, na Gália, no tempo do imperador Rua da Oliveira, na àrea
Diocleciano, orago de uma ermida visigótica situada na área, no local onde hoje está a capela de Nossa Senhora do Carmo. mais antiga do centro
histórico
Com o passar dos séculos os loriguenses mudaram o nome do santo para São Ginês, deixaram arruinar a sua capela e depois
reconstruíram-na com outro orago (Nossa Senhora do Carmo). Este núcleo da povoação, que já esteve separado do principal e
mais antigo, situado mais abaixo, é também anterior à chegada dos romanos.

Praia fluvial
Como desde há alguns anos, em 2014, esta praia foi uma das 298 praias nacionais galardoadas com a bandeira azul[3]; em
Junho de 2012 recebeu a bandeira "Qualidade Ouro", atribuido pela Quercus.[4] Ambas as bandeiras foram hasteadas dia 24
de Junho de 2012.

Dia 5 de Maio de 2012, a praia fluvial de Loriga, ficou apurada entre as 21 finalistas, do total de 70 pré-finalistas, divididas por
7 categorias, para concorrer ao concurso "7 Maravilhas - Praias de Portugal", na categoria de "praias de rios".

Festividades
Ao longo do ano celebram-se de maneira especial o Natal, a Páscoa (com a Amenta das Almas - cantos nocturnos masculinos,
que evocam as almas de entes falecidos por altura da Quaresma), festas em honra de Sto. António (durante o mês Junho) e São
Praia fluvial de Loriga, no
local conhecido há séculos Sebastião (no último Domingo de Julho), com as respectivas mordomias e procissões. Porém, o ponto mais alto das
por Chão da Ribeira. festividades religiosas é a festa dedicada à padroeira dos emigrantes de Loriga, Nª. Srª. da Guia, que se realiza todos os anos,
no primeiro Domingo de Agosto. No segundo Domingo, tem lugar a festa em honra de Nª. Srª. da Ajuda, no Fontão de Loriga.

Gastronomia
A gastronomia loriguense faz parte daquela considerada típica da Beira Alta, onde se salientam os pratos calóricos de alta montanha, os enchidos, a feijoada (com
feijocas, uma espécie de feijão branco, maior que o habitual), o cabrito no forno, a broa de milho, queijaria de ovelha e cabra, nomeadamente o queijo da Serra
(com DOP), a aguardente de zimbro. Grande parte dos doces e sobremesas típicas eram elaboradas para celebrar a Páscoa. De entre os doces, têm relevo as
broínhas doces, o arroz doce, o carolo (doce feito com milho), a botelha (sobremesa feito com abóbora), a tapioca (sobremesa parecida ao arroz doce, feita com
tapioca partida em grãos - importada pela comunidade loriguense no Brasil) e o Bolo Negro de Loriga. A importância da gastronomia única é reflectida na
Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga. Loriga faz parte da Rota do Xisto e do Milho.

Personagens
Joaquim Augusto Amorim da Fonseca, (1862 — 1927), médico.
Joaquim Pina Moura, (1952 — ), economista e político.

Brasão
A freguesia de Loriga não tem brasão oficial, apesar de já existir um, amplamente divulgado e aprovado pelas autoridades
competentes, mas que ainda não é usado pela autarquia local. A Junta de Freguesia de Loriga usa formalmente há vários anos como Busto do, Dr Joaquim A.
símbolo da freguesia um escudo partido, na primeira parte a Cruz de Cristo, e na segunda uma vista da Serra da Estrela sobre um Amorim da Fonseca,
engenho ou moinho com roda hidráulica.[5] Este "brasão" ilegal e não representativo, que durante anos foi erradamente e Loriga.
teimosamente aqui apresentado como sendo oficial (apesar dos muitos alertas), nunca foi nem pode ser aprovado pela Comissão de
Heráldica da Associação dos Arqueólogos Portugueses, segundo o disposto na Lei n.º 53/91, de 07 de agosto de 1991, que regula a heráldica autárquica portuguesa,
pelo que não tem carácter oficial.[6] Em 2002, a Junta de Freguesia de Loriga aprovou um brasão que foi chumbado pelas referidas autoridades competentes
(Comissão de Heráldica da AAP) por não ser representativo de Loriga.

Acordos de geminação
Loriga celebrou um acordo de geminação com a vila, actual cidade, de Sacavém, em 1 de Junho de 1996.

Ver também
Geografia romana em Portugal

Ligações externas
Homepage sobre Loriga (http://www.loriga.de)
Analor (http://www.analor.org)
Página sobre a vila de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com)
7 Maravilhas - Praias de Portugal (http://www.7maravilhas.sapo.pt/#/finalistas/praia-fluvial-de-loriga)
ABAE (http://www.abae.pt/programa/BA/inicio.php)
Geobserver (http://www.geobserver.org)

Fontes
Algumas das fontes usadas na elaboração deste artigo:

Homepage de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com)


Bacia hidrográfica da Ribeira de Loriga (http://www.conselldemallorca.net/mediambient/terrisc/resultatsp_coimbra3.htm)
Página dos Bombeiros de Loriga (http://www.bvloriga.pt/)
Página da Junta de Freguesia de Loriga (http://www.freguesiadeloriga.com/)
Página da Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga (http://www.loriga.org/confraria/)
Ferreira, N.; Vieira, G. - Guía Geológico e Geomorfológico do PNSE (1999).
de Vasconcelos, J.L. - Etnografia Portuguesa - Vol. II, INCM, 1980
Carta Militar de Portugal – esc. 1: 25000, Folha nº223, Instituto Geográfico do Exército.

Referências
p=awarded&s=list&u=2). Consultado em Junho de 2014 Verifique data em:
1. Diário "As Beiras" online. «Bombeiros de Loriga mudam para novo quartel» |acessodata= (ajuda)
(http://www.asbeiras.pt/2012/09/bombeiros-de-loriga-mudam-para-novo-qua
4. Site da Câmara Municipal de Seia. «Praia de Loriga com qualidade de
rtel/). Consultado em Outubro de 2012 Verifique data em: |acessodata=
ouro» (http://www.cm-seia.pt/index.php/ambiente/item/120-praia-de-loriga-c
(ajuda)
om-qualidade-de-ouro). Consultado em Julho de 2012 Verifique data em:
2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - |acessodata= (ajuda)
https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
5. Website da Câmara Municipal de Seia (http://web.archive.org/web/2003122
3. ABAE. «Locais Galardoados na Região do Centro com a Bandeira Azul, 3170552/http://www2.cm-seia.pt:80/concelho/freguesia07.asp) em 2003.
2014» (http://www.abae.pt/BandeiraAzul/index.php?
6. Informação disponibilizada pela Junta de Freguesia de Loriga em conversa
telefónica a 26 de Maio de 2017.

Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Loriga&oldid=51020192"

Esta página foi editada pela última vez à(s) 19h14min de 16 de janeiro de 2018.

Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0); pode estar sujeito a
condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso.
A História

: Foral Manuelino de Loriga

O primeiro foral data de 1136 e foi dado por Jo ão Rhania, a quem D. Afonso Henriques tornou senhor das terras de
égio (dado directamente pelo rei) data de 1249,
Loriga. E o primeiro foral r

portanto em 1514 Loriga já era vila e sede de concelho.


ória concisa da vila de Loriga
: Hist

Lorica, foi o nome dado pelos Romanos a Lobriga, povoa ção que foi, nos Hermínios (actual Serra da Estrela), um forte
bastião lusitano contra os invasores romanos. Os Hermínios foram a maior fortaleza lusitana e Lorica situada no coração

dessa fortaleza, perto do ponto mais alto. Lorica, provem do latim, correspondendo ao nome de antiga couraça

guerreira, denominação que derivou em Loriga, a qual tinha o mesmo significado. Os próprios soldados e legionários

romanos usavam Lorica. Os Romanos "rebaptizaram" a população com o referido nome, devido à sua posição

estratégica na serra, e ao seu protagonismo durante a guerra com os Lusitanos (LORICA LUSITANORUM CASTRUM

EST). É um caso raro em Portugal de um nome que se mantém praticamente inalterado há dois mil anos, sendo

altamente significativo da antiguidade e da história da povoação (por isso, a couraça é a peça central e principal do

brasão histórico da vila).

A povoa ção foi fundada estrategicamente no alto de uma colina, entre duas ribeiras, num belo vale de origem glaciar.
Desconhece-se, como é evidente, a longínqua data da sua fundação, mas sabe-se que a povoação existe há mais de

dois mil e seiscentos anos, e surgiu originalmente no mesmo local onde hoje está o centro histórico da vila. No Vale de

Loriga, onde a presença humana é um facto há mais de cinco mil anos, existem actualmente, além da vila, as aldeias de

Cabeça, Muro, Casal do Rei e Vide.


A Lorica usada pelos romanos e que deu Sepultura antropomórfica com mais de Guerreiro Lusitano
nome à vila 2600 anos

Da época pré-romana existe, por exemplo uma sepultura antropomórfica com mais de dois mil anos, num local onde
existiu um antigo santuário, numa época em que o nome da povoação era Lobriga, etimologia de evidente origem

céltica. Lobriga, foi uma importante povoação fortificada, Celta e Lusitana, na serra.

ção local, e diversos documentos antigos, apontam Loriga como tendo sido o berço de Viriato, o qual terá
A tradi

nascido nos Hermínios onde foi pastor desde criança. É interessante a descrição existente no livro manuscrito "História

da Luzitânia", do Bispo-Mor do Reino (1580):"...Sucedeu o pastor Viriato, natural de Lobriga, hoje a vila de Loriga, no

cimo da Serra da Estrela, Bispado de Coimbra, ao qual, aos quarenta anos de idade, aclamarão Rey dos Luzitanos, e

casou em Évora com uma nobre senhora no ano 147...". A rua principal, da área mais antiga do centro histórico da vila

de Loriga, tem o nome de Viriato, em sua homenagem.

Ainda hoje existem partes da estrada, e uma das duas pontes (s éculo I a.C.), com que os Romanos ligaram Lorica ao
restante império. A ponte romana ainda existente, sobre a Ribeira de Loriga, está em bom estado de conservação, e é

um bom exemplar da arquitectura da época.


A estrada romana ligava Lorica a Egitânia (Idanha-a-Velha), Talabara (Alpedrinha), Sellium (Tomar), Scallabis (Santarém),
Olisipo (Lisboa) e a Longóbriga (Longroiva), Verurium (Viseu), Balatucelum (Bobadela), Conímbriga (Condeixa) e

Aeminium (Coimbra). Era uma espécie de estrada estratégica destinada a ajudar a controlar os montes Hermínios onde

viviam tribos lusitanas muito aguerridas.

Quando os romanos chegaram, a povoa ção estava dividida em dois núcleos separados por poucas centenas de
metros. O maior, mais antigo e principal situava-se na área onde hoje existem a Igreja Matriz e parte da Rua de Viriato,

sendo defendido por muros e paliçadas. O outro núcleo, constituído apenas por algumas habitações, situava-se mais

acima junto a um pequeno promontório rochoso, em cima do qual mais tarde os Visigodos construíram uma ermida

dedicada a S. Gens.

Estrada romana (séc. I a.C.) Ponte romana sobre a Ribeira de Loriga Fontanário da época romana no centro
(séc. I a.C.) histórico da vila
í
Com o dom nio romano, cresceu a import ância de Lorica, uma povoação castreja que recebeu populações de castros
í
existentes noutros locais dos Herm nios e que entretanto foram abandonados. Isso aconteceu porque esses castros

í
estavam localizados em s tios onde a única vantagem existente era a facilidade de defesa. Sítios que, ao contrário de
Lorica, eram apenas um local de refúgio, onde as habitações estavam afastadas dos recursos necessários à

sobrevivência, tais como água e solos aráveis. Um desses castros abandonados e cuja população se deslocou para

Lorica, situava-se no ainda conhecido Monte do Castelo, ou do Castro, perto da Portela de Loriga. No século XVIII ainda

eram visíveis as ruínas das fundações das habitações que ali existiram, mas actualmente no local apenas se vêem

pedras soltas. A propósito é completamente errada a ideia criada segundo a qual os Lusitanos apenas construíam as

suas habitações no cimo dos montes, que deixaram apenas com a chegada dos romanos. Pelo contrário, eles sabiam

escolher os melhores locais e a facilidade de defesa não era o único critério.

Loriga, foi também importante para os Visigodos, os quais deixaram uma ermida dedicada a S. Gens, um santo de
origem céltica, martirizado em Arles, na Gália, no tempo do imperador Diocleciano. A ermida sofreu obras de alteração

e o orago foi substituído, passando a ser de Nossa Senhora do Carmo. Com a passagem dos séculos, os loricenses

passaram a conhecer o santo por S. Ginês, hoje nome de bairro neste local do actual centro histórico da vila. A actual

derivação do nome romano, Loriga, começou a ser usada pelos Visigodos.


Ermida visigótica de S. Gens, reconstruída Soldado romano envergando a Lorica, Pedra com inscrições visigóticas na Igreja
e com outro orago (Nossa Senhora do origem do nome da vila Matriz
Carmo)

A Igreja Matriz tem, numa das portas laterais, uma pedra com inscri ções visigóticas, aproveitada de um antigo pequeno
templo existente no local quando da construção datada de 1233. A antiga igreja, era um templo românico com três

naves, a traça exterior era semelhante à da Sé Velha de Coimbra, tinha o tecto e abóbada pintados com frescos, e,

quando foi destruída pelo sismo de 1755, possuía nas paredes, quadros da escola de Grão Vasco. Da primitiva igreja

românica do século XIII restam partes das paredes laterais e outra alvenaria. Desde a reconquista cristã, que Loriga

pertenceu à Coroa e à Vigariaria do Padroado Real, e foi o próprio rei (na época D. Sancho II) que mandou construir a

Igreja Matriz, cujo orago, era, tal como hoje, de Santa Maria Maior. Na segunda metade do século XII já existia a

paróquia de Loriga, que foi criada aliás pelos visigodos pertencendo então à diocese da Egitânia, e os fieis dos então

poucos e pequenos lugares ou "casais" dos arredores, vinham à vila assistir aos serviços religiosos. Alguns desses

lugares, hoje freguesias, foram, a partir do século XVI, adquirindo alguma autonomia religiosa, começando por Alvoco,

seguindo-se Vide, Cabeça e Teixeira.

A vila de Loriga, recebeu forais de Jo ão Rhânia (senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas décadas, no
tempo de D. Afonso Henriques) em 1136, de D. Afonso III em 1249, de D. Afonso V em 1474, e recebeu foral novo de D.

Manuel I em 1514.

égio e em 1474, D.Afonso V doou Loriga ao fidalgo Álvaro Machado,


Com D. Afonso III, a vila recebeu o primeiro foral r

herdeiro de Luís Machado, que era também senhor de Oliveira do Hospital e de Sandomil, doação confirmada em 1477,

e mais tarde por D. Manuel I. No entanto, após a morte do referido fidalgo, a vila voltou definitivamente para os bens da

Coroa. No século XII, o concelho de Loriga abrangia a área compreendida entre a Portela de Loriga (hoje também
conhecida por Portela do Ar ão) e Pedras Lavradas, incluindo as áreas das actuais freguesias de Alvoco da Serra,
Cabeça, Teixeira e Vide. Na primeira metade do século XIX, em 1836, o concelho de Loriga passou a incluir Valezim e

Sazes da Beira. Valezim, actual aldeia histórica, recebeu foral em 1201, e o concelho foi extinto em 1836, passando a

pertencer ao de Loriga. Alvoco da Serra recebeu foral em 1514 e Vide gozou de alguma autonomia no século XVII mas

sem nunca ter recebido foral ou categoria de vila, mas voltaram a ser incluídas plenamente no concelho de Loriga em

1828 e 1834 respectivamente, também no início do século XIX. As sete freguesias que ocupam a área do antigo

município loricense, constituem actualmente a denominada Região de Loriga. Essas freguesias constituem também a

Associação de Freguesias da Serra da Estrela, com sede na vila de Loriga.

Igreja Matriz, parte da alvenaria que Fontanário exibindo uma inscrição do Pelourinho (século XIII, reconstruído) em
resistiu ao terramoto de 1755 século XIII frente do antigo edifício da Câmara
entretanto adaptado para residência
particular
Loriga, é uma vila industrializada (têxtil) desde o início do século XIX, quando "aderiu" à chamada revolução industrial,
mas, já no século XVI os loricenses produziam buréis e outros panos de lã.

, ,
Loriga chegou a ser uma das localidades mais industrializadas da Beira Interior e a actual sede de concelho s ó
conseguiu ultrapass á-la em meados do século XX. Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga em número
de empresas. Demonstrativo da genialidade dos loricenses, é que tudo isso aconteceu apesar dos acessos difíceis à

vila, os quais até à década de trinta do século XX, se resumiam à velhinha estrada romana de Lorica, construída no

século I antes de Cristo. Nomes de empresas, tais como Regato, Fândega, Leitão & Irmãos, Redondinha, Tapadas,

Augusto Luís Mendes, Moura Cabral, Lorimalhas, Lages Santos, Nunes Brito, etc, fazem parte da rica história industrial

desta vila. A maior e principal avenida de Loriga tem o nome de Augusto Luís Mendes, o mais destacado dos antigos

industriais loricenses .

, ,
Mais tarde a metalurgia a pastelaria e mais recentemente o turismo (Loriga tem enormes potencialidades turísticas) ,
passaram a fazer parte dos pilares da economia da vila .

Outra prova do g énio loricense é um dos ex-líbris de Loriga, os inúmeros socalcos e a sua complexa rede de irrigação,
construídos ao longo de muitas centenas de anos e que transformaram um vale belo mas rochoso, num vale fértil.

, í , ,
Mas Loriga acabou por ser derrotada por um inimigo pol tico e administrativo local e nacional contra o qual teve que

lutar desde meados do s éculo XIX.


A história da vila de Loriga é, aliás, um exemplo das consequências que os confrontos de uma guerra civil podem ter no

futuro de uma localidade e de uma região. Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século XII, tendo mas,

,
por ter apoiado os chamados Absolutistas contra os Liberais na guerra civil portuguesa teve o castigo de deixar de ser

.
sede de concelho em 1855 quando da reforma administrativa em curso A conspira ção movida por desejos
fi , . -
expansionistas da localidade que bene ciou com o facto precipitou os acontecimentos Tratou se de um grave erro

í fi - ; , í , ç
pol tico e administrativo como tem vindo a con rmar se foi no m nimo um caso de injusta vingan a pol tica numaí ,
época em que não existia democracia e reinavam o compadrio e a corrupção, e assim começou o declínio de toda a
região de Loriga (antigo concelho de Loriga).

fi ç
Se nada de verdadeiramente e caz for feito, come ando pela vila de Loriga, esta regi ão estará desertificada dentro de
poucas décadas, o que, tal como em relação a outras relevantes terras históricas do interior do país, será com certeza

considerado como uma vergonha nacional.


Con rmaria tamb ém a óbvia existência de graves e sucessivos erros nas políticas de coesão administração e
ordenamento do território, para não dizer inexistência. Para evitar tal situação vergonhosa para o país, é necessário no

mínimo pôr em prática o que já é reconhecido no papel: desenvolver a vila de Loriga, pólo e centro da região.

Infelizmente constata-se que os políticos não mudaram desde o século XIX nem aprenderam com os erros, como se

confirmou com a "reforma" de 2013.

Em Loriga existe a única estância e pistas de esqui existentes em Portugal . Loriga, é a capital da neve em Portugal .

í
VIAS ROMANAS EM PORTUGAL - Vest gios Romanos Georreferenciados em Loriga

O nome Lorica aparece como sendo da época romana num documento medieval visigótico com referências à zona. Foi
aliás na época visigótica que a "versão" Loriga começou a substituir o nome Lorica que vinha da época romana, mas o

nome original dado pelos romanos só caiu totalmente em desuso durante a primeira metade do século XIII.

Depois, aparece novamente em documentos dos séculos X, XI, XII e XIII, principalmente em documentos do século XII,

inclusive quando se fala de limites territoriais, onde até a actual Portela do Arão é referida como Portela de Lorica,

começando mais tarde a ser referida como Portela de Aran, depois de Aarão, e finalmente do Arão.
A estrada romana de Lorica era uma esp écie de estrada estratégica, destinada a ajudar a controlar os Montes
í
Herm nios onde, como se sabe, viviam tribos lusitanas muito aguerridas. Esta estrada ligava entre si duas grandes vias

í
transversais, a que ligava Con mbriga, a norte, e a que ligava Iaegitania, a sul. N ão se sabe os locais exactos dos
cruzamentos, mas tudo indica que a norte seria algures perto da actual Bobadela.

í ç
Quanto aos vest gios da cal ada romana original, eles podem encontrar-se naárea das Calçadas, onde estiveram na
origem deste nome, e dispersos em pequenos vestígios até à zona da Portela do Arão, tratando-se da mesma estrada.

í í
A t tulo de curiosidade a estrada romana foi utilizada desde que foi constru da, provavelmente por volta de finais do
século I antes de Cristo, até à década de trinta do século XX quando entrou em funcionamento a actual EN231. Sem a
estrada romana teria sido impossível o já por si grande feito de Loriga se tornar um dos maiores pólos industriais têxteis

da Beira Interior durante o século XIX.

Vista da Estância de Esqui de Loriga, do fotos em sites.google.com


lado da Torre, vendo-se ao fundo a
Garganta de Loriga

Factos comprovados: Lorica era o antigo nome de Loriga, existiram duas pontes romanas, uma delas ainda existe, e a

í
outra, constru da sobre a Ribeira de S. Bento, ruiu no s éculo XVI, e ambas faziam parte da estrada romana que ligava a
povoa ção ao restante império romano.
A ponte romana que ruiu estava situada a poucas dezenas de metros a jusante da actual ponte, tamb ém construída em
pedra mas datada de finais do século XIX. A antiga estrada romana descia pela actual Rua do Porto, subia pela actual
Rua do Vinhô, apanhava parte da actual Rua de Viriato passando ao lado da povoação então existente, subia pelas

actuais ruas Gago Coutinho e Sacadura Cabral, passava na actual Avenida Augusto Luís Mendes, na área conhecida

por Carreira, seguindo pela actual Rua do Teixeiro em direcção à ponte romana sobre a Ribeira de Loriga, também

conhecida por Ribeira da Nave e Ribeira das Courelas.

ão e o cemitério, existia um troço de calçada romana bem conservada que não deixava
Entre a capela de S. Sebasti

dúvidas a ninguém sobre a sua verdadeira origem, mas infelizmente uma parte foi destruída e a restante soterrada

quando fizeram a estrada entre a Rua do Porto e o cemitério.

O patrim ónio histórico nunca foi estimado em Loriga...

Numa zona propositadamente conhecida por Cal adas, j ç á afastada da vila, ainda existem vestígios bem conservados
do primitivo pavimento da estrada romana.

Por Ant ónio Conde ória de Loriga


- Hist - Extratos da obra de António Conde
, "Hist ória concisa da vila de Loriga - Das origens à extinção do
í
munic pio"

Apontamento conciso sobre a hist ória da vila de Loriga


@
Loriga site2002

C a s a d a P o n t e d o A r r o c h o : Lo r i g a . S e i a . G u a r d a . P o r t u g a l : A l o j a m e n t o Lo c a l . /
RNAL 48439 AL

D e s e n v o l v i d o p o r We b n o d e

Crie o seu site grátis


A Igreja Matriz de Loriga

Uma imagem recente, vendo-se nitidamente por cima da porta a pedra aproveitada do
antigo templo visigótico onde foi gravada a data de 1233

Sabe-se que Loriga é uma povoação que tem mais de dois mil e seiscentos anos de existência
no exato local onde existe o centro histórico da vila, uma colina entre ribeiras, defensável e
perto de duas abundantes linhas de água. E a propósito do acesso à água, os habitantes desta
plurimilenar povoação tinham ainda disponível uma nascente, hoje conhecida por Fonte do
Vale, e que sabe-se foi também bastante valorizada mais tarde nas épocas romana e
medieval. Sabe-se que nessa época a povoação estendia-se desde aproximadamente o local
onde existe a convergência de três ruas, e a área onde hoje está o centro de dia da ALATI. A
povoação era defendida por muros e paliçadas e sabe-se que a atual Rua de Viriato, no troço
entre a antiga sede do GDL e a antiga Casa do Povo, coincide exatamente com uma parte
dessa linha defensiva da povoação. O local onde hoje existem o adro e a igreja era o ponto
central dessa povoação, e assim iria permanecer durante muitos séculos. É portanto
completamente natural que com a cristianização da população e com a chegada dos
Visigodos este local fosse eleito para construir o primeiro templo cristão da então Lorica.

A atual capela de Nossa Senhora do Carmo, antiga ermida visigótica de S. Gens.

Sabe-se que os Visigodos construiram pelo menos dois templos em Lorica, e digo pelo menos
porque encontrei indícios, que não consegui confirmar da existência de mais uma ermida
além daquela que construíram onde hoje está a capela de Nossa Senhora do Carmo e que era
dedicada a S. Gens. A dada altura cheguei a pensar tratar-se da ermida de S. Bento, a tal que
deu nome à area e à ribeira mas essa, embora confirmadamente já existisse no século XII
não é anterior ao século X. Certo é que os visigodos construíram a ermida de S. Gens, e na
época era mesmo uma ermida porque aquele local ficava fora da povoação então existente, e
quanto à escolha daquele local não é de excluir a hipótese de ser um antigo local de culto
pagão, dadas as suas caraterísticas. Dada a religiosidade dos loriguenses, é no mínimo
estranho que uma devoção tão antiga a um santo tenha sido completamente abandonada,
que tenham deixado cair em ruínas a sua ermida e depois a tenham recuperado mas com
outro orago. Não consegui encontrar uma explicação, e como se isso não bastasse e para
completar o "anátema" a que os loriguenses condenaram o santo, mudaram-lhe também o
nome de São Gens para São Ginês, um santo que nunca existiu. Mas o pormenor da mudança
de nome pode ser facilmente explicado pela passagem dos séculos, pelo isolamento e pela
"adaptação linguística" que tende a inclinar-se para as formas mais fáceis, e Loriga também
é conhecida pelas suas "singularidades linguísticas” e pelo uso massivo de alcunhas.

A degradação do edifício e os maus restauros foram sempre uma constante ao longo da


história.

Também é certo que os visigodos construíram um templo dedicado a Nossa Senhora no


exato local onde hoje existe a Igreja Matriz, tratando-se de uma pequena capela cujas
dimensões não andariam longe das que tem a ermida de Nossa Senhora da Guia. Sabe-se
também que na época visigótica Loriga tinha o estatuto de paróquia, que dependia do bispo
de Egitânia ( atual Idanha a Velha ), e que a paróquia abrangia uma área aproximadamente
equivalente ao antigo concelho loricense na sua fase maior, que foi atingida em meados do
século XIX. Obviamente foi impossível saber com exatidão a área da paróquia na época
visigótica mas fiquei surpreendido com a descoberta da mesma e com a existência de
algumas localidades em redor de Loriga, que ainda existem e das quais apenas duas
atingiram o estatuto de freguesias. Nestas andanças da pesquisa histórica há muito tempo
que aprendi que até algumas aldeias mais pequenas que alguns consideram insignificantes
podem de facto esconder uma história milenar. Em sentido contrário existem localidades
que hoje têm alguma importância e cujos naturais se esforçam por inventar um longo
passado que nunca existiu. Portanto, os tais "casais" referidos nos “pergaminhos”, cujos
habitantes iam à igreja de Lorica ouvir missa, já têm uma longa história que nunca foi
registada, e infelizmente uma dessas localidades foi recentemente e injustamente amputada
do seu estatuto de freguesia. E digo igreja de Lorica porque o uso da atual versão do nome
romano, ou seja Loriga, só se consolidou definitivamente na primeira metade do século XIII.
No início da nacionalidade, a consolidação, a administração do território e a necessária
fixação das populações implicava a atribuição de forais mas também a criação de condições
para a prática do culto, e é por isso frequente ao longo da história a construção de igrejas
por iniciativa real. E a esse propósito os reis mandavam construir igrejas em povoações que
já eram sede de município ou em povoações que seriam elevadas a essa condição, tudo para
ajudar a fixar as populações, e outras medidas eram tomadas nesse sentido, e por exemplo
muitos castelos foram feitos também com esse objetivo. O pormenor a considerar é que o
estatuto de município andava sempre a par com o estatuto de paróquia, portanto as
localidades que tinham igrejas eram geralmente sedes de concelho, e seria certo se a igreja
fosse mandada construir pelo rei. Sabe-se que a Igreja de Loriga foi mandada construir pelo
rei D. Sancho II em cima da construção do já referido pequeno templo visigótico do qual foi
aproveitada a pedra onde foi gravada a data da construção, o ano de 1233. Assim, essa pedra
colocada por cima de uma das portas laterais virada para o adro, na igreja atual confirma a
sua longa existência, correspondendo à data da decisão da construção. A decisão real nesse
sentido deve-se principalmente ao facto de Loriga pertencer à Vigariaria do Padroado Real.
A Igreja foi dedicada desde logo a Santa Maria Maior, um orago que se mantem, sendo um
templo românico cuja traça e fachada principal fazia lembrar a Sé Velha de Coimbra,
embora obviamente sem a monumentalidade desta.

Uma imagem atual da igreja e do adro após mais um restauro, desta vez mais bem efetuado,
tendo mesmo sido corrigidos alguns dos muitos erros feitos em alguns dos anteriores
“restauros”.

A igreja tinha três naves e as dimensões eram próximas das atuais, mas para além disso a
atual igreja nada tem a ver com a antiga e o que vemos ali é fruto de várias reconstruções e
alterações, sendo que as mais radicais foram consequência do sismo de 1755. Já muita gente
se interrogou sobre o porquê das graves consequências do sismo de 1755 em Loriga, e por
isso ficam aqui algumas explicações. Em primeiro lugar, Loriga está situada num local
geologicamente sensível, num sítio de transição entre dois blocos rochosos diferentes, de
um lado o granito e do outro o xisto, facto que é suficiente para provocar grande agitação em
caso de sismo. Além disso, e para piorar a situação, a colina entre ribeiras não é muito sólida
porque foi criada com depósitos arrastados pelo antigo glaciar que rasgou o Vale de Loriga, e
por tudo isso é que as consequências do sismo foram tão graves na vila de Loriga. De
sublinhar que os estragos não se limitaram à Igreja Matriz e o terramoto, além dos estragos
provocados em muitas habitações, provocou o desabamento de uma das paredes da
residência paroquial e abriu fendas no robusto edifício da Câmara Municipal, construído no
século XIII, e cujas paredes do rés do chão onde funcionava a cadeia, tinham uma espessura
de quase dois metros. Os loricenses tiveram que lidar com todos os estragos e não
receberam qualquer ajuda externa, apesar de o próprio Marquês de Pombal ter sido
informado da grave situação. Felizmente não houve, ou pelo menos não há registos de
mortos nem feridos graves na vila. Após o sismo que provocou a ruína praticamente
completa, a igreja foi reconstruída com estilo barroco, mas podem ser sublinhadas outras
alterações, algumas das quais nada tiveram a ver com esta reconstrução. Por exemplo, foram
acrescentadas duas capelas uma de cada lado da capela-mor, uma das quais foi depois
transformada em capela-sacristia e finalmente em apenas sacristia, e ao lado desta foi
acrescentada outra capela. A escadaria e a porta exteriores que dão acesso ao coro também
não existiam e o acesso aos sinos era feito pelo interior da igreja, sendo que estas últimas
alterações foram feitas como consequência do sismo.

Um antigo acesso transformado em batistério e a pedra visigótica com a data da construção


ordenada pelo rei D. Sancho II

Com o tempo foram feitas alterações e restauros por vezes de forma desastrosa por quem
não tinha qualquer sensibilidade para a preservação do património e por isso a atual igreja,
embora bela não é tão bonita nem é tão valiosa quanto seria sem essas más intervenções. No
século seguinte ao do sismo, em Setembro de 1882, novamente se fez sentir no centro do
país um tremor de terra e, por conseguinte também muito sentido em Loriga, o qual
pareceu, em principio, não ter grande gravidade. Só que as consequências viriam mais tarde,
quando todos pareciam já ter esquecido. Em Novembro seguinte, e quando era celebrada a
missa, estalou a viga mestra da igreja tendo, de imediato, sido efetuada a desocupação do
templo e retirando algumas imagens e outros artigos. Só no fim do dia aconteceu o
desabamento quase completo da cobertura ficando apenas de pé a torre e a capela-mor. Dois
anos depois foram terminados os trabalhos da reconstrução da igreja que, tal como
acontecera após o sismo de 1755, foi feita pela população local, toda unida, e foi esta última
reconstrução que chegou aos tempos atuais embora, conforme já foi referido, com alguns
"restauros" que a empobreceram.
Esta é uma citação
itação livre de António Conde e de extratos da sua obra,
obra História concisa da vila
de Loriga - Das origens à extinção do município.
Loriga
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Loriga (pron.IFA [lo'ɾigɐ]) é uma vila e freguesia portuguesa do concelho de Seia, distrito da Guarda. Tem
Loriga
36,52 km² de área, 1053 habitantes (2011) e densidade populacional de 28,8 hab./km². Tem uma povoação
Portugal
anexa, o Fontão. Faz parte do Parque Natural da Serra da Estrela.
— Freguesia —
Loriga, situada na parte sudoeste da Serra da Estrela, encontra-se a 20 km de Seia, 80 km da Guarda e
320 km de Lisboa. A vila é acessível pela EN 231 e pela EN 338, estrada concluída em 2006, seguindo um
traçado pré-projetado há décadas e pré-existente, com um percurso de 9,2 km de paisagens de montanha,
entre as cotas 960 m (Portela do Arão) e 1650 m, junto à Lagoa Comprida.

É conhecida como a "Suíça Portuguesa" devido à sua


paisagem e extraordinária localização geográfica. Está
situada a cerca de 770 m de altitude, na sua parte urbana
mais baixa, rodeada por montanhas, das quais se destacam
a Penha dos Abutres (1828 m de altitude) e a Penha do Gato
(1771 m), e é abraçada por dois cursos de água: a Ribeira de
Loriga e a Ribeira de São Bento, que se unem depois da Vista geral de Loriga
E.T.A.R.. A Ribeira de Loriga é um dos afluentes do Rio
Alva.
Vista panorâmica de Loriga e do vale
Os socalcos e sua complexa rede de irrigação são um dos
glaciar com o mesmo nome, semelhante
a uma paisagem alpina. grandes ex-libris de Loriga, uma obra construída ao longo
de centenas de anos e que transformou um vale rochoso
num vale fértil. É uma obra que ainda hoje marca a
paisagem, fazendo parte do património histórico da vila e é demonstrativa do génio dos seus habitantes.

Está dotada de uma ampla gama de infraestruturas físicas e sócio-culturais, que abrangem todos os grupos
etários, das quais se destacam, por exemplo, o Grupo Desportivo Loriguense, fundado em 1934, a Sociedade Loriga
Recreativa e Musical Loriguense, fundada em 1906, os Bombeiros Voluntários de Loriga, criados em 1982,
cujos serviços se desenvolvem para lá dos limites da vila, a Casa de Repouso Nª. Srª. da Guia, uma das
últimas obras sociais de relevo, e a Escola Básica EB23 Dr. Reis Leitão. Em Agosto de 2006 iniciaram-se as
obras do novo Quartel dos Bombeiros Voluntários, edifício concluído em 2012 e inaugurado em Setembro do
mesmo ano.[1]

Apesar de ser vila pertence à rede de Aldeias de Montanha do Concelho de Seia.

Índice
População
Toponímia
História
Forais
História até ao final do séc. XVIII
História posterior ao séc. XVIII
Localização de Loriga em Portugal
Património de destaque
Coordenadas 40° 19' 37" N 7° 41' 26" O
Praia fluvial
País Portugal
Festividades
Concelho Seia
Gastronomia
Personagens Administração
Brasão - Tipo Junta de freguesia
Acordos de geminação - Presidente José Pinto, localmente
conhecido por Zeca Maria
Ver também (independente)
Ligações externas Área
Fontes - Total 36,52 km²
Referências População (2011)
- Total 1 053
• Densidade 28,8 hab./km²
População Gentílico: Loriguense ou Loricense
Código postal 6270
Orago Santa Maria Maior
Apelidada de “Suíça Portuguesa”. É uma das vilas
mais altas de Portugal.

População da freguesia de Loriga [2]


1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 690 1 888 2 090 2 414 2 652 2 488 2 152 2 548 2 981 2 695 2 204 1 825 1 631 1 270 1 053
Evolução da População Variação da População
1864 / 2011 1864 / 2011

Toponímia
Crê-se que o nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus habitantes nos montes Hermínios (actual Serra da Estrela) na
resistência lusitana, o que levou os romanos a porem-lhe o nome de Lorica, designação geral para couraça guerreira romana; deste nome derivou Loriga, derivação
do nome latino iniciada pelos Visigodos, que tem o mesmo significado. Certo é que os romanos lhe puseram o nome de Lorica, origem do nome atual, do gentilico
loricense e da principal peça do brasão da vila.

História

Forais
Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século XII, tendo recebido forais em 1136 (João Rhânia, senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas
décadas, no reinado de D. Afonso Henriques), 1249 (D. Afonso III), 1474 (D. Afonso V) e 1514 (D. Manuel I). Apoiou os Miguelistas contra os Liberais na guerra
civil portuguesa e esse facto contribuíu para deixar de ser sede de concelho em 1855 após a aplicação do plano de ordenação territorial levada a cabo durante o
século XIX, curiosamente o mesmo plano que deu origem aos Distritos.

História até ao final do séc. XVIII


Fundada originalmente no alto de uma colina entre ribeiras onde hoje existe o centro histórico da vila. O local foi escolhido há mais de dois mil e seiscentos anos
devido à facilidade de defesa (uma colina entre ribeiras), à abundância de água e de pastos, bem como ao facto de a as terras mais baixas providenciarem alguma
caça e condições mínimas para a prática da agricultura. Desta forma estavam garantidas as condições mínimas de sobrevivência para uma população e povoação
com alguma importância.

Quando os romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos. O maior, mais antigo e principal, situava-se na
área onde hoje existem a Igreja Matriz e parte da Rua de Viriato e estava fortificado com muralhas e paliçada. Aliás, parte da
Rua de Viriato, no troço entre as antigas sedes do GDL e da Casa do Povo, coincide exatamente com parte da linha defensiva
da antiga povoação castreja. A propósito de Viriato, sublinha-se uma antiga tradição que aponta Loriga como berço deste herói
lusitano, tendo inclusive havido a intenção de erigir um monumento, projeto que não chegou a concretizar-se. No local do
actual Bairro de São Ginês existiam já algumas habitações encostadas ao promontório rochoso, em cima do qual os Visigodos
construíram mais tarde uma ermida dedicada àquele santo.
Igreja Matriz de Loriga,
Loriga era uma paróquia fundada pelos Visigodos, pertencente à antiga diocese a Egitânia,
dedicada à padroeira da vila -
vista interior. e no início da nacionalidade à Vigararia do Padroado Real e a Igreja Matriz foi mandada
construir em 1233 pelo rei D. Sancho II. Esta igreja, cujo orago era já o de Santa Maria
Maior, padroeira de Loriga, e que se mantém, foi construída no local de outro antigo e
pequeno templo, do qual foi aproveitada uma pedra com inscrições visigóticas, que está colocada na porta lateral virada para o
adro, e onde foi gravada a data da construção. De estilo românico, com três naves, e traça exterior lembrando a Sé Velha de
Coimbra, esta igreja foi destruída pelo sismo de 1755, dela restando apenas partes das paredes laterais e outra alvenaria.

O sismo de 1755 provocou enormes estragos na vila, tendo arruinado também a residência paroquial e aberto algumas fendas
nas robustas e espessas paredes do edifício da Câmara Municipal construído no século XIII. Um emissário do Marquês de
Pombal esteve em Loriga a avaliar os estragos mas, ao contrário do que aconteceu com a Covilhã (outra localidade serrana Fontanário em Loriga, um
muito afectada), não chegou do governo de Lisboa qualquer auxílio. dos três construídos pela
comunidade loriguense de
Manaus.
História posterior ao séc. XVIII
Loriga é uma vila industrial (têxtil) desde a primeira metade do século XIX. Chegou a ser uma das localidades mais industrializadas da Beira Interior, e a actual
sede de concelho só conseguiu suplantá-la já em meados do século XX. Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga no número de empresas. Nomes de
empresas, tais como: Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão & Irmãos, Augusto Luis Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura Cabral,
Lorimalhas, etc, fazem parte da rica história industrial desta vila. A principal e maior avenida de Loriga tem o nome de Augusto Luís Mendes, o mais destacado dos
antigos industriais loriguenses. Apesar dos maus acessos, que se resumiam à velhinha estrada romana de Lorica, com dois mil anos, o facto é que os loriguenses
transformaram Loriga numa vila industrial.

A partir de meados do século XIX tornou-se um dos principais pólos industriais da Beira Alta, com desenvolvimento da
indústria dos lanifícios, que entrou em declínio durante as últimas décadas do século passado o que está a levar à
desertificação da Vila, facto que afecta de maneira geral as regiões interiores de Portugal devido às inexistentes politicas locais
e nacionais de coesão territorial. Actualmente a economia loriguense baseia-se nas indústrias metalúrgica e de panificação, no
comércio, restauração, malhas, alguma agricultura e pastorícia.

A área onde existem as actuais freguesias de Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes da Beira, Teixeira, Valezim, Vide, e as mais de
trinta povoações anexas, pertenceu ao município loriguense.
Largo do Pelourinho.
A área que englobava o extinto município loriguense, constitui também a Associação de Freguesias da Serra da Estrela, com sede em Loriga.

Loriga e a sua região possuem enormes potencialidades turísticas e as únicas pistas e estância de esqui existentes em Portugal estão localizadas na Serra da Estrela,
dentro da área da freguesia de Loriga.

Património de destaque
Em termos de património histórico, destacam-se a ponte e a estrada romanas (século I a.C.), uma sepultura antropomórfica
(século VI a.C.) chamada popularmente de "caixão da moura", a Igreja Matriz (século XIII, reconstruída), o Pelourinho (século
XIII, reconstruído), o bairro de São Ginês, a Rua de Viriato e a Rua da Oliveira.

A estrada romana e uma das duas pontes (a outra ruiu no século XVI após uma grande cheia na Ribeira de São Bento), com as
quais os romanos ligaram Lorica, na Lusitânia, ao restante império, merecem destaque. A ponte romana ainda existente está
na Ribeira de Loriga e a ponte romana que ruiu na Ribeira de São Bento foi substituída no século XIX pela que ainda existe,
também construída em pedra.

A rua da Oliveira é uma rua situada no centro histórico da vila. A sua escadaria tem cerca de 80 degraus em granito, o que lhe
dá características peculiares. Esta rua recorda muitas das características urbanas medievais. O bairro de São Ginês é um bairro Rua da Oliveira, na àrea
do centro histórico de Loriga cujas características o tornam num dos bairros mais típicos da vila. Curioso é o facto de este mais antiga do centro
histórico
bairro dever o nome a São Gens, um santo de origem céltica martirizado em Arles, na Gália, no tempo do imperador
Diocleciano, orago de uma ermida visigótica situada na área, no local onde hoje está a capela de Nossa Senhora do Carmo.
Com o passar dos séculos os loriguenses mudaram o nome do santo para São Ginês (santo que nunca existiu), deixaram arruinar a sua capela e depois
reconstruíram-na com outro orago (Nossa Senhora do Carmo). Este núcleo da povoação, que já esteve separado do principal e mais antigo, situado mais abaixo, é
também anterior à chegada dos romanos.

Praia fluvial
Como desde há alguns anos, em 2014, esta praia foi uma das 298 praias nacionais galardoadas com a bandeira azul[3]; em
Junho de 2012 recebeu a bandeira "Qualidade Ouro", atribuido pela Quercus.[4] Ambas as bandeiras foram hasteadas dia 24
de Junho de 2012.

Dia 5 de Maio de 2012, a praia fluvial de Loriga, ficou apurada entre as 21 finalistas, do total de 70 pré-finalistas, divididas por
7 categorias, para concorrer ao concurso "7 Maravilhas - Praias de Portugal", na categoria de "praias de rios".

Festividades
Ao longo do ano celebram-se de maneira especial o Natal, a Páscoa (com a Amenta das Almas - cantos nocturnos masculinos,
que evocam as almas de entes falecidos por altura da Quaresma), festas em honra de Sto. António (durante o mês Junho) e São
Praia fluvial de Loriga, no
local conhecido há séculos Sebastião (no último Domingo de Julho), com as respectivas mordomias e procissões. Porém, o ponto mais alto das
por Chão da Ribeira. festividades religiosas é a festa dedicada à padroeira dos emigrantes de Loriga, Nª. Srª. da Guia, que se realiza todos os anos,
no primeiro Domingo de Agosto. No segundo Domingo, tem lugar a festa em honra de Nª. Srª. da Ajuda, no Fontão de Loriga.

Gastronomia
A gastronomia loriguense faz parte daquela considerada típica da Beira Alta, onde se salientam os pratos calóricos de alta montanha, os enchidos, a feijoada (com
feijocas, uma espécie de feijão branco, maior que o habitual e conhecido localmente por Calhorras), o cabrito no forno, a broa de milho, queijaria de ovelha e cabra,
nomeadamente o queijo da Serra (com DOP), a aguardente de zimbro. Grande parte dos doces e sobremesas típicas eram elaboradas para celebrar a Páscoa. De
entre os doces, têm relevo as broínhas doces, o arroz doce, o carolo (doce feito com milho), a botelha (sobremesa feito com abóbora), a tapioca (sobremesa parecida
ao arroz doce, feita com tapioca partida em grãos - importada pela comunidade loriguense no Brasil) e o Bolo Negro de Loriga. A importância da gastronomia única
é reflectida na Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga. Loriga faz parte da Rota do Xisto e do Milho.

Personagens
Joaquim Augusto Amorim da Fonseca, (1862 — 1927), médico.
Joaquim Pina Moura, (1952 — ), economista e político.

Brasão
A freguesia de Loriga não tem brasão oficial, apesar de já existir um, amplamente divulgado e aprovado pelas autoridades
competentes, mas que ainda não é usado pela autarquia local. A Junta de Freguesia de Loriga usa formalmente desde o século Busto do, Dr Joaquim A.
passado como símbolo da freguesia um escudo partido, na primeira parte a Cruz de Cristo, e na segunda uma vista da Serra da Amorim da Fonseca,
Estrela sobre um engenho ou moinho com roda hidráulica.[5] Este "brasão" ilegal e não representativo, que durante anos foi Loriga.
erradamente e teimosamente aqui apresentado como sendo oficial (apesar dos muitos alertas), nunca foi nem pode ser aprovado
pela Comissão de Heráldica da Associação dos Arqueólogos Portugueses, segundo o disposto na Lei n.º 53/91, de 07 de agosto de 1991, que regula a heráldica
autárquica portuguesa, pelo que não tem carácter oficial.[6] Em 2002, a Junta de Freguesia de Loriga aprovou um outro brasão destinado a substituir o já referido
"brasão" ilegal que teimam em usar e que foi colocado neste artigo, mas também foi chumbado pelas referidas autoridades competentes (Comissão de Heráldica da
AAP) por não ser representativo de Loriga.

Acordos de geminação
Loriga celebrou um acordo de geminação com a vila, actual cidade, de Sacavém, em 1 de Junho de 1996.

Ver também
Geografia romana em Portugal
Ligações externas
Homepage sobre Loriga (http://www.loriga.de)
Analor (http://www.analor.org)
Página sobre a vila de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com)
7 Maravilhas - Praias de Portugal (http://www.7maravilhas.sapo.pt/#/finalistas/praia-fluvial-de-loriga)
ABAE (http://www.abae.pt/programa/BA/inicio.php)
Geobserver (http://www.geobserver.org)

Fontes
Algumas das fontes usadas na elaboração deste artigo:

Homepage de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com)


Bacia hidrográfica da Ribeira de Loriga (http://www.conselldemallorca.net/mediambient/terrisc/resultatsp_coimbra3.htm)
Página dos Bombeiros de Loriga (http://www.bvloriga.pt/)
Página da Junta de Freguesia de Loriga (http://www.freguesiadeloriga.com/)
Página da Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga (http://www.loriga.org/confraria/)
Ferreira, N.; Vieira, G. - Guía Geológico e Geomorfológico do PNSE (1999).
de Vasconcelos, J.L. - Etnografia Portuguesa - Vol. II, INCM, 1980
Carta Militar de Portugal – esc. 1: 25000, Folha nº223, Instituto Geográfico do Exército.

Referências
p=awarded&s=list&u=2). Consultado em Junho de 2014 Verifique data em:
1. Diário "As Beiras" online. «Bombeiros de Loriga mudam para novo quartel» |acessodata= (ajuda)
(http://www.asbeiras.pt/2012/09/bombeiros-de-loriga-mudam-para-novo-qua
4. Site da Câmara Municipal de Seia. «Praia de Loriga com qualidade de
rtel/). Consultado em Outubro de 2012 Verifique data em: |acessodata=
ouro» (http://www.cm-seia.pt/index.php/ambiente/item/120-praia-de-loriga-c
(ajuda)
om-qualidade-de-ouro). Consultado em Julho de 2012 Verifique data em:
2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - |acessodata= (ajuda)
https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
5. Website da Câmara Municipal de Seia (http://web.archive.org/web/2003122
3. ABAE. «Locais Galardoados na Região do Centro com a Bandeira Azul, 3170552/http://www2.cm-seia.pt:80/concelho/freguesia07.asp) em 2003.
2014» (http://www.abae.pt/BandeiraAzul/index.php?
6. Informação disponibilizada pela Junta de Freguesia de Loriga em conversa
telefónica a 26 de Maio de 2017.

Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Loriga&oldid=51071340"

Esta página foi editada pela última vez à(s) 18h33min de 22 de janeiro de 2018.

Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0); pode estar sujeito a
condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso.
Loriga
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Loriga (pron.IFA [lo'ɾigɐ]) é uma vila e freguesia portuguesa do concelho de Seia, distrito da Guarda. Tem
Loriga
36,52 km² de área, 1053 habitantes (2011) e densidade populacional de 28,8 hab./km². Tem uma povoação
Portugal
anexa, o Fontão. Faz parte do Parque Natural da Serra da Estrela.
— Freguesia —
Loriga, situada na parte sudoeste da Serra da Estrela, encontra-se a 20 km de Seia, 80 km da Guarda e
320 km de Lisboa. A vila é acessível pela EN 231 e pela EN 338, estrada concluída em 2006, seguindo um
traçado pré-projetado há décadas e pré-existente, com um percurso de 9,2 km de paisagens de montanha,
entre as cotas 960 m (Portela do Arão) e 1650 m, junto à Lagoa Comprida.

É conhecida como a "Suíça Portuguesa" devido à sua


paisagem e extraordinária localização geográfica. Está
situada a cerca de 770 m de altitude, na sua parte urbana
mais baixa, rodeada por montanhas, das quais se destacam
a Penha dos Abutres (1828 m de altitude) e a Penha do Gato
(1771 m), e é abraçada por dois cursos de água: a Ribeira de
Loriga e a Ribeira de São Bento, que se unem depois da Vista geral de Loriga
E.T.A.R.. A Ribeira de Loriga é um dos afluentes do Rio
Alva.
Vista panorâmica de Loriga e do vale
Os socalcos e sua complexa rede de irrigação são um dos
glaciar com o mesmo nome, semelhante
a uma paisagem alpina. grandes ex-libris de Loriga, uma obra construída ao longo
de centenas de anos e que transformou um vale rochoso
num vale fértil. É uma obra que ainda hoje marca a
paisagem, fazendo parte do património histórico da vila e é demonstrativa do génio dos seus habitantes.

Está dotada de uma ampla gama de infraestruturas físicas e sócio-culturais, que abrangem todos os grupos
etários, das quais se destacam, por exemplo, o Grupo Desportivo Loriguense, fundado em 1934, a Sociedade Loriga
Recreativa e Musical Loriguense, fundada em 1906, os Bombeiros Voluntários de Loriga, criados em 1982,
cujos serviços se desenvolvem para lá dos limites da vila, a Casa de Repouso Nª. Srª. da Guia, uma das
últimas obras sociais de relevo, e a Escola Básica EB23 Dr. Reis Leitão. Em Agosto de 2006 iniciaram-se as
obras do novo Quartel dos Bombeiros Voluntários, edifício concluído em 2012 e inaugurado em Setembro do
mesmo ano.[1]

Apesar de ser vila pertence à rede de Aldeias de Montanha do Concelho de Seia.

Índice
População
Toponímia
História
Forais
História até ao final do séc. XVIII
História posterior ao séc. XVIII
Localização de Loriga em Portugal
Património de destaque
Coordenadas 40° 19' 37" N 7° 41' 26" O
Praia fluvial
País Portugal
Festividades
Concelho Seia
Gastronomia
Personagens Administração
Brasão - Tipo Junta de freguesia
Acordos de geminação - Presidente José Pinto, também
conhecido por Zeca Maria
Ver também (independente)
Ligações externas Área
Fontes - Total 36,52 km²
Referências População (2011)
- Total 1 053
• Densidade 28,8 hab./km²
População Gentílico: Loriguense ou Loricense
Código postal 6270
Orago Santa Maria Maior
Apelidada de “Suíça Portuguesa”. É uma das vilas
mais altas de Portugal.

População da freguesia de Loriga [2]


1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 690 1 888 2 090 2 414 2 652 2 488 2 152 2 548 2 981 2 695 2 204 1 825 1 631 1 270 1 053
Evolução da População Variação da População
1864 / 2011 1864 / 2011

Toponímia
Crê-se que o nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus habitantes nos montes Hermínios (actual Serra da Estrela) na
resistência lusitana, o que levou os romanos a porem-lhe o nome de Lorica, designação geral para couraça guerreira romana; deste nome derivou Loriga, derivação
do nome latino iniciada pelos Visigodos, que tem o mesmo significado. Certo é que os romanos lhe puseram o nome de Lorica, origem do gentilico loricense e da
principal peça do brasão da vila.

História

Forais
Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século XII, tendo recebido forais em 1136 (João Rhânia, senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas
décadas, no reinado de D. Afonso Henriques), 1249 (D. Afonso III), 1474 (D. Afonso V) e 1514 (D. Manuel I). Apoiou os Miguelistas contra os Liberais na guerra
civil portuguesa e esse facto contribuíu para deixar de ser sede de concelho em 1855 após a aplicação do plano de ordenação territorial levada a cabo durante o
século XIX, curiosamente o mesmo plano que deu origem aos Distritos.

História até ao final do séc. XVIII


Fundada originalmente no alto de uma colina entre ribeiras onde hoje existe o centro histórico da vila. O local foi escolhido há mais de dois mil e seiscentos anos
devido à facilidade de defesa (uma colina entre ribeiras), à abundância de água e de pastos, bem como ao facto de a as terras mais baixas providenciarem alguma
caça e condições mínimas para a prática da agricultura. Desta forma estavam garantidas as condições mínimas de sobrevivência para uma população e povoação
com alguma importância.

Quando os romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos. O maior, mais antigo e principal, situava-se na
área onde hoje existem a Igreja Matriz e parte da Rua de Viriato e estava fortificado com muralhas e paliçada. Aliás, parte da
Rua de Viriato, no troço entre as antigas sedes do GDL e da Casa do Povo, coincide exatamente com parte da linha defensiva
da antiga povoação castreja. No local do actual Bairro de São Ginês existiam já algumas habitações encostadas ao promontório
rochoso, em cima do qual os Visigodos construíram mais tarde uma ermida dedicada àquele santo.

Loriga era uma paróquia fundada pelos Visigodos, pertencente à antiga diocese a Egitânia
e depois à Vigararia do Padroado Real e a Igreja Matriz foi mandada construir em 1233
Igreja Matriz de Loriga,
pelo rei D. Sancho II. Esta igreja, cujo orago era já o de Santa Maria Maior, padroeira de
dedicada à padroeira da vila -
vista interior. Loriga, e que se mantém, foi construída no local de outro antigo e pequeno templo, do
qual foi aproveitada uma pedra com inscrições visigóticas, que está colocada na porta
lateral virada para o adro, e onde foi gravada a data da construção. De estilo românico,
com três naves, e traça exterior lembrando a Sé Velha de Coimbra, esta igreja foi destruída pelo sismo de 1755, dela restando
apenas partes das paredes laterais e outra alvenaria.

O sismo de 1755 provocou enormes estragos na vila, tendo arruinado também a residência paroquial e aberto algumas fendas
nas robustas e espessas paredes do edifício da Câmara Municipal construído no século XIII. Um emissário do Marquês de Fontanário em Loriga, um
Pombal esteve em Loriga a avaliar os estragos mas, ao contrário do que aconteceu com a Covilhã (outra localidade serrana dos três construídos pela
comunidade loriguense de
muito afectada), não chegou do governo de Lisboa qualquer auxílio.
Manaus.

História posterior ao séc. XVIII


Loriga é uma vila industrial (têxtil) desde a primeira metade do século XIX. Chegou a ser uma das localidades mais industrializadas da Beira Interior, e a actual
sede de concelho só conseguiu suplantá-la já quase em meados do século XX. Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga no número de empresas.
Nomes de empresas, tais como: Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão & Irmãos, Augusto Luis Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura
Cabral, Lorimalhas, etc, fazem parte da rica história industrial desta vila. A principal e maior avenida de Loriga tem o nome de Augusto Luís Mendes, o mais
destacado dos antigos industriais loriguenses. Apesar dos maus acessos, que se resumiam à velhinha estrada romana de Loriga, com dois mil anos, o facto é que os
loriguenses transformaram Loriga numa vila industrial.

A partir de meados do século XIX tornou-se um dos principais pólos industriais da Beira Alta, com desenvolvimento da
indústria dos lanifícios, que entrou em declínio durante as últimas décadas do século passado o que está a levar à
desertificação da Vila, facto que afecta de maneira geral as regiões interiores de Portugal devido às inexistentes politicas locais
e nacionais de coesão territorial. Actualmente a economia loriguense baseia-se nas indústrias metalúrgica e de panificação, no
comércio, restauração, malhas, alguma agricultura e pastorícia.

A área onde existem as actuais freguesias de Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes da Beira, Teixeira, Valezim, Vide, e as mais de
trinta povoações anexas, pertenceu ao município loriguense.
Largo do Pelourinho.
A área que englobava o extinto município loriguense, constitui também a Associação de Freguesias da Serra da Estrela, com
sede em Loriga.
Loriga e a sua região possuem enormes potencialidades turísticas e as únicas pistas e estância de esqui existentes em Portugal estão localizadas na Serra da Estrela,
dentro da área da freguesia de Loriga.

Património de destaque
Em termos de património histórico, destacam-se a ponte e a estrada romanas (século I a.C.), uma sepultura antropomórfica
(século VI a.C.) chamada popularmente de "caixão da moura", a Igreja Matriz (século XIII, reconstruída), o Pelourinho (século
XIII, reconstruído), o bairro de São Ginês, a Rua de Viriato e a Rua da Oliveira.

A estrada romana e uma das duas pontes (a outra ruiu no século XVI após uma grande cheia na Ribeira de São Bento), com as
quais os romanos ligaram Lorica, na Lusitânia, ao restante império, merecem destaque.

A rua da Oliveira é uma rua situada no centro histórico da vila. A sua escadaria tem cerca de 80 degraus em granito, o que lhe
dá características peculiares. Esta rua recorda muitas das características urbanas medievais. O bairro de São Ginês é um bairro
do centro histórico de Loriga cujas características o tornam num dos bairros mais típicos da vila. Curioso é o facto de este
bairro dever o nome a São Gens, um santo de origem céltica martirizado em Arles, na Gália, no tempo do imperador Rua da Oliveira, na àrea
Diocleciano, orago de uma ermida visigótica situada na área, no local onde hoje está a capela de Nossa Senhora do Carmo. mais antiga do centro
histórico
Com o passar dos séculos os loriguenses mudaram o nome do santo para São Ginês, deixaram arruinar a sua capela e depois
reconstruíram-na com outro orago (Nossa Senhora do Carmo). Este núcleo da povoação, que já esteve separado do principal e
mais antigo, situado mais abaixo, é também anterior à chegada dos romanos.

Praia fluvial
Como desde há alguns anos, em 2014, esta praia foi uma das 298 praias nacionais galardoadas com a bandeira azul[3]; em
Junho de 2012 recebeu a bandeira "Qualidade Ouro", atribuido pela Quercus.[4] Ambas as bandeiras foram hasteadas dia 24
de Junho de 2012.

Dia 5 de Maio de 2012, a praia fluvial de Loriga, ficou apurada entre as 21 finalistas, do total de 70 pré-finalistas, divididas por
7 categorias, para concorrer ao concurso "7 Maravilhas - Praias de Portugal", na categoria de "praias de rios".

Festividades
Ao longo do ano celebram-se de maneira especial o Natal, a Páscoa (com a Amenta das Almas - cantos nocturnos masculinos,
que evocam as almas de entes falecidos por altura da Quaresma), festas em honra de Sto. António (durante o mês Junho) e São
Praia fluvial de Loriga, no
local conhecido há séculos Sebastião (no último Domingo de Julho), com as respectivas mordomias e procissões. Porém, o ponto mais alto das
por Chão da Ribeira. festividades religiosas é a festa dedicada à padroeira dos emigrantes de Loriga, Nª. Srª. da Guia, que se realiza todos os anos,
no primeiro Domingo de Agosto. No segundo Domingo, tem lugar a festa em honra de Nª. Srª. da Ajuda, no Fontão de Loriga.

Gastronomia
A gastronomia loriguense faz parte daquela considerada típica da Beira Alta, onde se salientam os pratos calóricos de alta montanha, os enchidos, a feijoada (com
feijocas, uma espécie de feijão branco, maior que o habitual), o cabrito no forno, a broa de milho, queijaria de ovelha e cabra, nomeadamente o queijo da Serra
(com DOP), a aguardente de zimbro. Grande parte dos doces e sobremesas típicas eram elaboradas para celebrar a Páscoa. De entre os doces, têm relevo as
broínhas doces, o arroz doce, o carolo (doce feito com milho), a botelha (sobremesa feito com abóbora), a tapioca (sobremesa parecida ao arroz doce, feita com
tapioca partida em grãos - importada pela comunidade loriguense no Brasil) e o Bolo Negro de Loriga. A importância da gastronomia única é reflectida na
Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga. Loriga faz parte da Rota do Xisto e do Milho.

Personagens
Joaquim Augusto Amorim da Fonseca, (1862 — 1927), médico.
Joaquim Pina Moura, (1952 — ), economista e político.

Brasão
A freguesia de Loriga não tem brasão oficial, apesar de já existir um, amplamente divulgado e aprovado pelas autoridades
competentes, mas que ainda não é usado pela autarquia local. A Junta de Freguesia de Loriga usa formalmente há vários anos como Busto do, Dr Joaquim A.
símbolo da freguesia um escudo partido, na primeira parte a Cruz de Cristo, e na segunda uma vista da Serra da Estrela sobre um Amorim da Fonseca,
engenho ou moinho com roda hidráulica.[5] Este "brasão" ilegal e não representativo, que durante anos foi erradamente e Loriga.
teimosamente aqui apresentado como sendo oficial (apesar dos muitos alertas), nunca foi nem pode ser aprovado pela Comissão de
Heráldica da Associação dos Arqueólogos Portugueses, segundo o disposto na Lei n.º 53/91, de 07 de agosto de 1991, que regula a heráldica autárquica portuguesa,
pelo que não tem carácter oficial.[6] Em 2002, a Junta de Freguesia de Loriga aprovou um brasão que foi chumbado pelas referidas autoridades competentes
(Comissão de Heráldica da AAP) por não ser representativo de Loriga.

Acordos de geminação
Loriga celebrou um acordo de geminação com a vila, actual cidade, de Sacavém, em 1 de Junho de 1996.

Ver também
Geografia romana em Portugal

Ligações externas
Homepage sobre Loriga (http://www.loriga.de)
Analor (http://www.analor.org)
Página sobre a vila de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com)
7 Maravilhas - Praias de Portugal (http://www.7maravilhas.sapo.pt/#/finalistas/praia-fluvial-de-loriga)
ABAE (http://www.abae.pt/programa/BA/inicio.php)
Geobserver (http://www.geobserver.org)

Fontes
Algumas das fontes usadas na elaboração deste artigo:

Homepage de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com)


Bacia hidrográfica da Ribeira de Loriga (http://www.conselldemallorca.net/mediambient/terrisc/resultatsp_coimbra3.htm)
Página dos Bombeiros de Loriga (http://www.bvloriga.pt/)
Página da Junta de Freguesia de Loriga (http://www.freguesiadeloriga.com/)
Página da Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga (http://www.loriga.org/confraria/)
Ferreira, N.; Vieira, G. - Guía Geológico e Geomorfológico do PNSE (1999).
de Vasconcelos, J.L. - Etnografia Portuguesa - Vol. II, INCM, 1980
Carta Militar de Portugal – esc. 1: 25000, Folha nº223, Instituto Geográfico do Exército.

Referências
p=awarded&s=list&u=2). Consultado em Junho de 2014 Verifique data em:
1. Diário "As Beiras" online. «Bombeiros de Loriga mudam para novo quartel» |acessodata= (ajuda)
(http://www.asbeiras.pt/2012/09/bombeiros-de-loriga-mudam-para-novo-qua
4. Site da Câmara Municipal de Seia. «Praia de Loriga com qualidade de
rtel/). Consultado em Outubro de 2012 Verifique data em: |acessodata=
ouro» (http://www.cm-seia.pt/index.php/ambiente/item/120-praia-de-loriga-c
(ajuda)
om-qualidade-de-ouro). Consultado em Julho de 2012 Verifique data em:
2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - |acessodata= (ajuda)
https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
5. Website da Câmara Municipal de Seia (http://web.archive.org/web/2003122
3. ABAE. «Locais Galardoados na Região do Centro com a Bandeira Azul, 3170552/http://www2.cm-seia.pt:80/concelho/freguesia07.asp) em 2003.
2014» (http://www.abae.pt/BandeiraAzul/index.php?
6. Informação disponibilizada pela Junta de Freguesia de Loriga em conversa
telefónica a 26 de Maio de 2017.

Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Loriga&oldid=51020192"

Esta página foi editada pela última vez à(s) 19h14min de 16 de janeiro de 2018.

Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0); pode estar sujeito a
condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso.
Loriga
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Loriga (pron.IFA [lo'ɾigɐ]) é uma vila e freguesia portuguesa do concelho de Seia, distrito da Guarda. Tem
Loriga
36,52 km² de área, 1053 habitantes (2011) e densidade populacional de 28,8 hab./km². Tem uma povoação
Portugal
anexa, o Fontão. Faz parte do Parque Natural da Serra da Estrela.
— Freguesia —
Loriga, situada na parte sudoeste da Serra da Estrela, encontra-se a 20 km de Seia, 80 km da Guarda e
320 km de Lisboa. A vila é acessível pela EN 231 e pela EN 338, estrada concluída em 2006, seguindo um
traçado pré-projetado há décadas e pré-existente, com um percurso de 9,2 km de paisagens de montanha,
entre as cotas 960 m (Portela do Arão) e 1650 m, junto à Lagoa Comprida.

É conhecida como a "Suíça Portuguesa" devido à sua


paisagem e extraordinária localização geográfica. Está
situada a cerca de 770 m de altitude, na sua parte urbana
mais baixa, rodeada por montanhas, das quais se destacam
a Penha dos Abutres (1828 m de altitude) e a Penha do Gato
(1771 m), e é abraçada por dois cursos de água: a Ribeira de
Loriga e a Ribeira de São Bento, que se unem depois da Vista geral de Loriga
E.T.A.R.. A Ribeira de Loriga é um dos afluentes do Rio
Alva.
Vista panorâmica de Loriga e do vale
Os socalcos e sua complexa rede de irrigação são um dos
glaciar com o mesmo nome, semelhante
a uma paisagem alpina. grandes ex-libris de Loriga, uma obra construída ao longo
de centenas de anos e que transformou um vale rochoso
num vale fértil. É uma obra que ainda hoje marca a
paisagem, fazendo parte do património histórico da vila e é demonstrativa do génio dos seus habitantes.

Está dotada de uma ampla gama de infraestruturas físicas e sócio-culturais, que abrangem todos os grupos
etários, das quais se destacam, por exemplo, o Grupo Desportivo Loriguense, fundado em 1934, a Sociedade Loriga
Recreativa e Musical Loriguense, fundada em 1906, os Bombeiros Voluntários de Loriga, criados em 1982,
cujos serviços se desenvolvem para lá dos limites da vila, a Casa de Repouso Nª. Srª. da Guia, uma das
últimas obras sociais de relevo, e a Escola Básica EB23 Dr. Reis Leitão. Em Agosto de 2006 iniciaram-se as
obras do novo Quartel dos Bombeiros Voluntários, edifício concluído em 2012 e inaugurado em Setembro do
mesmo ano.[1]

Apesar de ser vila pertence à rede de Aldeias de Montanha do Concelho de Seia.

Índice
População
Toponímia
História
Forais
História até ao final do séc. XVIII
História posterior ao séc. XVIII
Localização de Loriga em Portugal
Património de destaque
Coordenadas 40° 19' 37" N 7° 41' 26" O
Praia fluvial
País Portugal
Festividades
Concelho Seia
Gastronomia
Personagens Administração
Brasão - Tipo Junta de freguesia
Acordos de geminação - Presidente José Pinto, também
conhecido por Zeca Maria
Ver também (independente)
Ligações externas Área
Fontes - Total 36,52 km²
Referências População (2011)
- Total 1 053
• Densidade 28,8 hab./km²
População Gentílico: Loriguense ou Loricense
Código postal 6270
Orago Santa Maria Maior
Apelidada de “Suíça Portuguesa”. É uma das vilas
mais altas de Portugal.

População da freguesia de Loriga [2]


1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 690 1 888 2 090 2 414 2 652 2 488 2 152 2 548 2 981 2 695 2 204 1 825 1 631 1 270 1 053
Evolução da População Variação da População
1864 / 2011 1864 / 2011

Toponímia
Crê-se que o nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus habitantes nos montes Hermínios (actual Serra da Estrela) na
resistência lusitana, o que levou os romanos a porem-lhe o nome de Lorica, designação geral para couraça guerreira romana; deste nome derivou Loriga, derivação
do nome latino iniciada pelos Visigodos, que tem o mesmo significado. Certo é que os romanos lhe puseram o nome de Lorica, origem do gentilico loricense e da
principal peça do brasão da vila.

História

Forais
Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século XII, tendo recebido forais em 1136 (João Rhânia, senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas
décadas, no reinado de D. Afonso Henriques), 1249 (D. Afonso III), 1474 (D. Afonso V) e 1514 (D. Manuel I). Apoiou os Miguelistas contra os Liberais na guerra
civil portuguesa e esse facto contribuíu para deixar de ser sede de concelho em 1855 após a aplicação do plano de ordenação territorial levada a cabo durante o
século XIX, curiosamente o mesmo plano que deu origem aos Distritos.

História até ao final do séc. XVIII


Fundada originalmente no alto de uma colina entre ribeiras onde hoje existe o centro histórico da vila. O local foi escolhido há mais de dois mil e seiscentos anos
devido à facilidade de defesa (uma colina entre ribeiras), à abundância de água e de pastos, bem como ao facto de a as terras mais baixas providenciarem alguma
caça e condições mínimas para a prática da agricultura. Desta forma estavam garantidas as condições mínimas de sobrevivência para uma população e povoação
com alguma importância.

Quando os romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos. O maior, mais antigo e principal, situava-se na
área onde hoje existem a Igreja Matriz e parte da Rua de Viriato e estava fortificado com muralhas e paliçada. Aliás, parte da
Rua de Viriato, no troço entre as antigas sedes do GDL e da Casa do Povo, coincide exatamente com parte da linha defensiva
da antiga povoação castreja. No local do actual Bairro de São Ginês existiam já algumas habitações encostadas ao promontório
rochoso, em cima do qual os Visigodos construíram mais tarde uma ermida dedicada àquele santo.

Loriga era uma paróquia fundada pelos Visigodos, pertencente à antiga diocese a Egitânia
e depois à Vigararia do Padroado Real e a Igreja Matriz foi mandada construir em 1233
Igreja Matriz de Loriga,
pelo rei D. Sancho II. Esta igreja, cujo orago era já o de Santa Maria Maior, padroeira de
dedicada à padroeira da vila -
vista interior. Loriga, e que se mantém, foi construída no local de outro antigo e pequeno templo, do
qual foi aproveitada uma pedra com inscrições visigóticas, que está colocada na porta
lateral virada para o adro, e onde foi gravada a data da construção. De estilo românico,
com três naves, e traça exterior lembrando a Sé Velha de Coimbra, esta igreja foi destruída pelo sismo de 1755, dela restando
apenas partes das paredes laterais e outra alvenaria.

O sismo de 1755 provocou enormes estragos na vila, tendo arruinado também a residência paroquial e aberto algumas fendas
nas robustas e espessas paredes do edifício da Câmara Municipal construído no século XIII. Um emissário do Marquês de Fontanário em Loriga, um
Pombal esteve em Loriga a avaliar os estragos mas, ao contrário do que aconteceu com a Covilhã (outra localidade serrana dos três construídos pela
comunidade loriguense de
muito afectada), não chegou do governo de Lisboa qualquer auxílio.
Manaus.

História posterior ao séc. XVIII


Loriga é uma vila industrial (têxtil) desde a primeira metade do século XIX. Chegou a ser uma das localidades mais industrializadas da Beira Interior, e a actual
sede de concelho só conseguiu suplantá-la já quase em meados do século XX. Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga no número de empresas.
Nomes de empresas, tais como: Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão & Irmãos, Augusto Luis Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura
Cabral, Lorimalhas, etc, fazem parte da rica história industrial desta vila. A principal e maior avenida de Loriga tem o nome de Augusto Luís Mendes, o mais
destacado dos antigos industriais loriguenses. Apesar dos maus acessos, que se resumiam à velhinha estrada romana de Loriga, com dois mil anos, o facto é que os
loriguenses transformaram Loriga numa vila industrial.

A partir de meados do século XIX tornou-se um dos principais pólos industriais da Beira Alta, com desenvolvimento da
indústria dos lanifícios, que entrou em declínio durante as últimas décadas do século passado o que está a levar à
desertificação da Vila, facto que afecta de maneira geral as regiões interiores de Portugal devido às inexistentes politicas locais
e nacionais de coesão territorial. Actualmente a economia loriguense baseia-se nas indústrias metalúrgica e de panificação, no
comércio, restauração, malhas, alguma agricultura e pastorícia.

A área onde existem as actuais freguesias de Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes da Beira, Teixeira, Valezim, Vide, e as mais de
trinta povoações anexas, pertenceu ao município loriguense.
Largo do Pelourinho.
A área que englobava o extinto município loriguense, constitui também a Associação de Freguesias da Serra da Estrela, com
sede em Loriga.
Loriga e a sua região possuem enormes potencialidades turísticas e as únicas pistas e estância de esqui existentes em Portugal estão localizadas na Serra da Estrela,
dentro da área da freguesia de Loriga.

Património de destaque
Em termos de património histórico, destacam-se a ponte e a estrada romanas (século I a.C.), uma sepultura antropomórfica
(século VI a.C.) chamada popularmente de "caixão da moura", a Igreja Matriz (século XIII, reconstruída), o Pelourinho (século
XIII, reconstruído), o bairro de São Ginês, a Rua de Viriato e a Rua da Oliveira.

A estrada romana e uma das duas pontes (a outra ruiu no século XVI após uma grande cheia na Ribeira de São Bento), com as
quais os romanos ligaram Lorica, na Lusitânia, ao restante império, merecem destaque.

A rua da Oliveira é uma rua situada no centro histórico da vila. A sua escadaria tem cerca de 80 degraus em granito, o que lhe
dá características peculiares. Esta rua recorda muitas das características urbanas medievais. O bairro de São Ginês é um bairro
do centro histórico de Loriga cujas características o tornam num dos bairros mais típicos da vila. Curioso é o facto de este
bairro dever o nome a São Gens, um santo de origem céltica martirizado em Arles, na Gália, no tempo do imperador Rua da Oliveira, na àrea
Diocleciano, orago de uma ermida visigótica situada na área, no local onde hoje está a capela de Nossa Senhora do Carmo. mais antiga do centro
histórico
Com o passar dos séculos os loriguenses mudaram o nome do santo para São Ginês, deixaram arruinar a sua capela e depois
reconstruíram-na com outro orago (Nossa Senhora do Carmo). Este núcleo da povoação, que já esteve separado do principal e
mais antigo, situado mais abaixo, é também anterior à chegada dos romanos.

Praia fluvial
Como desde há alguns anos, em 2014, esta praia foi uma das 298 praias nacionais galardoadas com a bandeira azul[3]; em
Junho de 2012 recebeu a bandeira "Qualidade Ouro", atribuido pela Quercus.[4] Ambas as bandeiras foram hasteadas dia 24
de Junho de 2012.

Dia 5 de Maio de 2012, a praia fluvial de Loriga, ficou apurada entre as 21 finalistas, do total de 70 pré-finalistas, divididas por
7 categorias, para concorrer ao concurso "7 Maravilhas - Praias de Portugal", na categoria de "praias de rios".

Festividades
Ao longo do ano celebram-se de maneira especial o Natal, a Páscoa (com a Amenta das Almas - cantos nocturnos masculinos,
que evocam as almas de entes falecidos por altura da Quaresma), festas em honra de Sto. António (durante o mês Junho) e São
Praia fluvial de Loriga, no
local conhecido há séculos Sebastião (no último Domingo de Julho), com as respectivas mordomias e procissões. Porém, o ponto mais alto das
por Chão da Ribeira. festividades religiosas é a festa dedicada à padroeira dos emigrantes de Loriga, Nª. Srª. da Guia, que se realiza todos os anos,
no primeiro Domingo de Agosto. No segundo Domingo, tem lugar a festa em honra de Nª. Srª. da Ajuda, no Fontão de Loriga.

Gastronomia
A gastronomia loriguense faz parte daquela considerada típica da Beira Alta, onde se salientam os pratos calóricos de alta montanha, os enchidos, a feijoada (com
feijocas, uma espécie de feijão branco, maior que o habitual), o cabrito no forno, a broa de milho, queijaria de ovelha e cabra, nomeadamente o queijo da Serra
(com DOP), a aguardente de zimbro. Grande parte dos doces e sobremesas típicas eram elaboradas para celebrar a Páscoa. De entre os doces, têm relevo as
broínhas doces, o arroz doce, o carolo (doce feito com milho), a botelha (sobremesa feito com abóbora), a tapioca (sobremesa parecida ao arroz doce, feita com
tapioca partida em grãos - importada pela comunidade loriguense no Brasil) e o Bolo Negro de Loriga. A importância da gastronomia única é reflectida na
Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga. Loriga faz parte da Rota do Xisto e do Milho.

Personagens
Joaquim Augusto Amorim da Fonseca, (1862 — 1927), médico.
Joaquim Pina Moura, (1952 — ), economista e político.

Brasão
A freguesia de Loriga não tem brasão oficial, apesar de já existir um, amplamente divulgado e aprovado pelas autoridades
competentes, mas que ainda não é usado pela autarquia local. A Junta de Freguesia de Loriga usa formalmente há vários anos como Busto do, Dr Joaquim A.
símbolo da freguesia um escudo partido, na primeira parte a Cruz de Cristo, e na segunda uma vista da Serra da Estrela sobre um Amorim da Fonseca,
engenho ou moinho com roda hidráulica.[5] Este "brasão" ilegal e não representativo, que durante anos foi erradamente e Loriga.
teimosamente aqui apresentado como sendo oficial (apesar dos muitos alertas), nunca foi nem pode ser aprovado pela Comissão de
Heráldica da Associação dos Arqueólogos Portugueses, segundo o disposto na Lei n.º 53/91, de 07 de agosto de 1991, que regula a heráldica autárquica portuguesa,
pelo que não tem carácter oficial.[6] Em 2002, a Junta de Freguesia de Loriga aprovou um brasão que foi chumbado pelas referidas autoridades competentes
(Comissão de Heráldica da AAP) por não ser representativo de Loriga.

Acordos de geminação
Loriga celebrou um acordo de geminação com a vila, actual cidade, de Sacavém, em 1 de Junho de 1996.

Ver também
Geografia romana em Portugal

Ligações externas
Homepage sobre Loriga (http://www.loriga.de)
Analor (http://www.analor.org)
Página sobre a vila de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com)
7 Maravilhas - Praias de Portugal (http://www.7maravilhas.sapo.pt/#/finalistas/praia-fluvial-de-loriga)
ABAE (http://www.abae.pt/programa/BA/inicio.php)
Geobserver (http://www.geobserver.org)

Fontes
Algumas das fontes usadas na elaboração deste artigo:

Homepage de Loriga (http://lorigaportugal.wordpress.com)


Bacia hidrográfica da Ribeira de Loriga (http://www.conselldemallorca.net/mediambient/terrisc/resultatsp_coimbra3.htm)
Página dos Bombeiros de Loriga (http://www.bvloriga.pt/)
Página da Junta de Freguesia de Loriga (http://www.freguesiadeloriga.com/)
Página da Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga (http://www.loriga.org/confraria/)
Ferreira, N.; Vieira, G. - Guía Geológico e Geomorfológico do PNSE (1999).
de Vasconcelos, J.L. - Etnografia Portuguesa - Vol. II, INCM, 1980
Carta Militar de Portugal – esc. 1: 25000, Folha nº223, Instituto Geográfico do Exército.

Referências
p=awarded&s=list&u=2). Consultado em Junho de 2014 Verifique data em:
1. Diário "As Beiras" online. «Bombeiros de Loriga mudam para novo quartel» |acessodata= (ajuda)
(http://www.asbeiras.pt/2012/09/bombeiros-de-loriga-mudam-para-novo-qua
4. Site da Câmara Municipal de Seia. «Praia de Loriga com qualidade de
rtel/). Consultado em Outubro de 2012 Verifique data em: |acessodata=
ouro» (http://www.cm-seia.pt/index.php/ambiente/item/120-praia-de-loriga-c
(ajuda)
om-qualidade-de-ouro). Consultado em Julho de 2012 Verifique data em:
2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - |acessodata= (ajuda)
https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
5. Website da Câmara Municipal de Seia (http://web.archive.org/web/2003122
3. ABAE. «Locais Galardoados na Região do Centro com a Bandeira Azul, 3170552/http://www2.cm-seia.pt:80/concelho/freguesia07.asp) em 2003.
2014» (http://www.abae.pt/BandeiraAzul/index.php?
6. Informação disponibilizada pela Junta de Freguesia de Loriga em conversa
telefónica a 26 de Maio de 2017.

Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Loriga&oldid=51020192"

Esta página foi editada pela última vez à(s) 19h14min de 16 de janeiro de 2018.

Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0); pode estar sujeito a
condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de uso.
Loriga
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Loriga (pron.IFA [lu'ɾigɐ]) é uma vila e freguesia portuguesa Loriga  
do concelho de Seia, distrito da Guarda. Tem 36,52 km² de
área, 1053 habitantes (2011) e densidade populacional de
 Portugal
28,8 hab./km². Tem uma povoação anexa, o Fontão. Faz parte —  Freguesia  —
do Parque Natural da Serra da Estrela.

Loriga, situada na parte sudoeste da Serra da Estrela,
encontra­se a 20 km de Seia, 80 km da Guarda e 320 km de
Lisboa. A vila é acessível pela EN 231 e pela EN 338, estrada
concluída em 2006, seguindo um traçado pré­existente, com
um percurso de 9,2 km de paisagens de montanha, entre as
cotas 960 m (Portela de Loriga ou do Arão) e 1650 m, junto à
Lagoa Comprida.

É conhecida
como a "Suíça
Portuguesa" Vista geral de Loriga
devido à sua
extraordinária
paisagem e
localização
geográfica. Está
situada entre os
770 m, na sua
Vista panorâmica de Loriga e do vale parte urbana mais
glaciar com o mesmo nome, semelhante a baixa, e os cerca
uma paisagem alpina. de 1100 m de
altitude, rodeada
por montanhas, Loriga
das quais se destacam a Penha dos Abutres (1828 m de
altitude) e a Penha do Gato (1771 m), e é abraçada por dois
cursos de água: a Ribeira de Loriga e a Ribeira de São Bento,
que se unem depois da E.T.A.R. para formarem um dos
afluentes do Rio Alva.

Os socalcos e sua complexa rede de irrigação são um dos
grandes ex­libris de Loriga, uma obra construída ao longo de
centenas de anos e que transformou um belo vale rochoso
num vale fértil. É uma obra que ainda hoje marca a paisagem,
fazendo parte do património histórico da vila e é
demonstrativa do génio dos seus habitantes.

Está dotada de uma ampla gama de infraestruturas físicas e
sócio­culturais, que abrangem todos os grupos etários, das
quais se destacam, por exemplo, o Grupo Desportivo
Loriguense, fundado em 1934, a Sociedade Recreativa e
Musical Loriguense, fundada em 1906, os Bombeiros
Voluntários de Loriga, criados em 1982, cujos serviços se Localização de Loriga em Portugal
desenvolvem para lá dos limites da vila, a Casa de Repouso
Coordenadas 40° 19' 37" N 7° 41' 26" O
Nª. Srª. da Guia, uma das últimas obras sociais de relevo, e a País  Portugal
Escola Básica Dr. Reis Leitão. Em Agosto de 2006 iniciaram­ Concelho  Seia
se as obras do novo Quartel dos Bombeiros Voluntários,
edifício concluído em 2012 e inaugurado em Setembro do Administração
mesmo ano.[1]  ­ Tipo Junta de freguesia
 ­ Presidente António Maurício Moura Mendes
Embora seja vila pertence à rede de Aldeias de Montanha do (PS)
Concelho de Seia. Área
 ­ Total 36,52 km²
População (2011)
Índice  ­ Total 1 053

1 População     • Densidade 28,8 hab./km²


2 Toponímia Gentílico: Loriguense ou Loriguense
3 História Código postal 6270
3.1 Forais
Orago Santa Maria Maior
3.2 História até ao final do séc. XVIII
3.3 História posterior ao séc. XVIII Apelidada de “Suíça Portuguesa”. É uma das vilas mais altas
de Portugal.
4 Património de destaque
5 Praia fluvial
6 Festividades
7 Gastronomia
8 Personagens
9 Brasão
10 Acordos de geminação
11 Ver também
12 Ligações externas
13 Fontes
14 Referências

População

População da freguesia de Loriga [2]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 690 1 888 2 090 2 414 2 652 2 488 2 152 2 548 2 981 2 695 2 204 1 825 1 631 1 270 1 053

Evolução da População Variação da População
1864 / 2011 1864 / 2011

Toponímia
Crê­se que o nome veio da localização estratégica da povoação, do seu protagonismo e dos seus habitantes nos
montes Hermínios (actual Serra da Estrela) na resistência lusitana, o que levou os romanos a porem­lhe o nome
de Lorica, designação geral para couraça guerreira romana; deste nome derivou Loriga, derivação iniciada
pelos Visigodos, que tem o mesmo significado. Fosse qual fosse o motivo, certo é que os romanos lhe puseram
o nome de Lorica, origem do gentilico Loricense, sendo que toda a envolvente simbólica e histórica do nome
faz com que a Lorica/Loriga seja considerada, pelos especialistas em heráldica portuguesa, uma peça heráldica
"falante" fundamental no brasão desta vila.

História
Forais

Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século XII, tendo recebido forais em 1136 (João Rhânia,
senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas décadas, no reinado de D. Afonso Henriques), 1249 (D.
Afonso III), 1474 (D. Afonso V) e 1514 (D. Manuel I). Apoiou os Miguelistas contra os Liberais na guerra civil
portuguesa e tal facto contribuiu para deixar de ser sede de concelho em 1855 após a aplicação do plano de
ordenamento territorial levado a cabo durante o século XIX, curiosamente o mesmo plano que deu origem aos
Distritos.

História até ao final do séc. XVIII

Fundada originalmente no alto de uma colina entre ribeiras onde hoje existe o centro histórico da vila. O local
foi escolhido há mais de dois mil e seiscentos anos devido à facilidade de defesa (uma colina entre ribeiras), à
abundância de água e de pastos, bem como ao facto de a as terras mais baixas providenciarem alguma caça e
condições mínimas para a prática da agricultura. Desta forma estavam garantidas as condições mínimas de
sobrevivência para uma população e povoação com alguma importância.

Quando os romanos chegaram, a povoação estava dividida em dois núcleos. O
maior, mais antigo e principal, situava­se na área onde hoje existem a Igreja
Matriz e parte da Rua de Viriato (que a antiga tradição diz ter nascido nesta
povoação) e estava fortificado com muralhas e paliçada. Aliás, parte da Rua
de Viriato, no troço compreendido entre as antigas sedes do GDL e da Casa do
Povo, corresponde exatamente a parte do traçado dessa linha defensiva da
antiga povoação. No local do actual Bairro de São Ginês (São Gens) existiam
já algumas habitações encostadas ao promontório rochoso, em cima do qual os
Igreja Matriz de Loriga, Visigodos construíram mais tarde uma ermida dedicada àquele santo.
dedicada a Santa Maria Maior
padroeira desta vila (por isso Loriga era uma paróquia, criada pelos
lhe foi dedicado o principal Visigodos na antiga Diocese de Egitânia,
templo) ­ vista interior. pertencente à Vigararia do Padroado Real e a
Igreja Matriz foi mandada construir em 1233
pelo rei D. Sancho II. Esta igreja, cujo orago
era já o de Santa Maria Maior, padroeira de Loriga, e que se mantém, foi
construída no local de outro antigo e pequeno templo, do qual foi aproveitada
uma pedra com inscrições visigóticas, que está colocada na porta lateral virada
para o adro, onde foi gravada a data da construção. De estilo românico, com
três naves, e traça exterior lembrando a Sé Velha de Coimbra, esta igreja foi
destruída pelo sismo de 1755, dela restando apenas partes das paredes laterais.
Um dos monumentais
O sismo de 1755 provocou enormes estragos na vila, tendo arruinado também fontanários construídos em
a residência paroquial e aberto algumas fendas nas robustas e espessas paredes Loriga pela Colónia
do edifício da Câmara Municipal construído no século XIII. Um emissário do Loriguense de Manaos, Brasil
.
Marquês de Pombal esteve em Loriga a avaliar os estragos mas, ao contrário do que aconteceu com a Covilhã
(outra localidade serrana muito afectada), não chegou do governo de Lisboa qualquer auxílio.

História posterior ao séc. XVIII

Loriga é uma vila industrial (têxtil) desde a primeira metade do século XIX. Chegou a ser uma das localidades
mais industrializadas da Beira Interior, e a actual sede de concelho só conseguiu suplantá­la quase em meados
do século XX. Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga no número de empresas. Nomes de
empresas, tais como: Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão & Irmãos, Augusto
Luis Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura Cabral, Lorimalhas, etc, fazem parte da rica história industrial desta
vila. A principal e maior avenida de Loriga tem o nome de Augusto Luís Mendes, o mais destacado dos antigos
industriais loriguenses. Apesar dos maus acessos, que se resumiam à velhinha estrada romana de Loriga, com
dois mil anos, o facto é que os loriguenses transformaram Loriga numa vila industrial.

Porém, partir da segunda metade do século XIX, tornou­se um dos principais
pólos industriais da Beira Alta, com o grande desenvolvimento da indústria
dos lanifícios, que entrou em declínio durante as últimas décadas do século
passado o que está a levar à desertificação da Vila, facto que afecta de maneira
geral as regiões interiores de Portugal devido às inexistentes politicas de
coesão territorial. Actualmente a economia loriguense baseia­se nas indústrias
metalúrgica e de panificação, no comércio, restauração, alguma indústria de
malhas, agricultura e pastorícia.
Largo do Pelourinho.
A área onde existem as actuais freguesias de Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes
da Beira, Teixeira, Valezim, Vide, e as mais de trinta povoações anexas,
pertenceu ao município loriguense.

A área que englobava o extinto município loriguense, constitui também a Associação de Freguesias da Serra da
Estrela, com sede em Loriga.

Loriga e a sua região possuem enormes potencialidades turísticas e as únicas pistas e estância de esqui
existentes em Portugal estão localizadas na Serra da Estrela, dentro da área da freguesia de Loriga.

Património de destaque
Em termos de património histórico, destacam­se a ponte e a estrada romanas
(século I a.C.), uma sepultura antropomórfica (século VI a.C.) chamada
popularmente de "caixão da moura", a Igreja Matriz (século XIII,
reconstruída), o Pelourinho (século XIII, reconstruído), o bairro de São Ginês,
a Rua de Viriato e a Rua da Oliveira.

A estrada romana e a ponte sobre a Ribeira de Loriga (a outra ruiu no século
XVI após uma grande cheia na Ribeira de São Bento), com as quais os
romanos ligaram Lorica, na Lusitânia, ao restante império, merecem destaque.

Várias ruas da vila, e partes de outras tiveram origem na estrada romana,
como são os casos da Rua do Porto, da Rua do Vinhô, da Rua de Viriato, da Rua da Oliveira
Rua Gago Coutinho e Sacadura Cabral, da Avenida Augusto Luis Mendes
(Carreira) e da Rua do Teixeiro.

A rua da Oliveira é uma rua situada no centro histórico da vila. A sua escadaria tem cerca de 80 degraus em
granito, o que lhe dá características peculiares. Esta rua recorda muitas das características urbanas medievais. O
bairro de São Ginês (São Gens) é um bairro do centro histórico de Loriga cujas características o tornam num
dos bairros mais típicos da vila. Curioso é o facto de este bairro dever o nome a São Gens, um santo de origem
céltica martirizado em Arles, na Gália, no tempo do imperador Diocleciano, orago de uma ermida visigótica
situada na área, no local onde hoje está a capela de Nossa Senhora do Carmo. Com o passar dos séculos os
loriguenses mudaram o nome do santo para São Ginês (um santo que nunca existiu), deixaram arruinar a capela
para finalmente a reconstruirem com o atual orago de Nossa Senhora do Carmo. Este núcleo da povoação, que
já esteve separado do principal e mais antigo, situado mais abaixo, é anterior à chegada dos romanos.

Praia fluvial
Como desde há alguns anos, em 2014, esta praia foi uma das 298 praias
nacionais galardoadas com a bandeira azul[3]; em Junho de 2012 recebeu a
bandeira "Qualidade Ouro", atribuido pela Quercus.[4] Ambas as bandeiras
foram hasteadas dia 24 de Junho de 2012.

Dia 5 de Maio de 2012, a praia fluvial de Loriga, ficou apurada entre as 21
finalistas, do total de 70 pré­finalistas, divididas por 7 categorias, para
concorrer ao concurso "7 Maravilhas ­ Praias de Portugal", na categoria de
"praias de rios".

Praia fluvial de Loriga, num Festividades
local conhecido há séculos por
Chão da Ribeira, onde está um Ao longo do ano celebram­se de maneira especial o Natal, a Páscoa (com a
açude conhecido como "Poço Amenta das Almas ­ cantos nocturnos masculinos, que evocam as almas de
do Zé Lages". entes falecidos por altura da Quaresma), festas em honra de Sto. António
(durante o mês Junho) e São Sebastião (no último Domingo de Julho), com as
respectivas mordomias e procissões. Porém, o ponto mais alto das festividades
religiosas é a festa dedicada à padroeira dos emigrantes de Loriga, Nª. Srª. da Guia, que se realiza todos os
anos, no primeiro Domingo de Agosto. No segundo Domingo, tem lugar a festa em honra de Nª. Srª.