Você está na página 1de 12

Ano XXV

SUPLEMENTO B DO BOLETIM DE SERVIÇO ELETRÔNICO Nº 32


10 de agosto de 2018

A
Ano XXV – Suplemento B do BSE Nº 32, de 10 de agosto de 2018
Boletim de Serviço Eletrônico - Suplemento 2

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO
SECRETARIA-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO

ADVOGADA-GERAL DA UNIÃO
Ministra Grace Maria Fernandes Mendonça

DIREÇÃO GERAL DA ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO


Maria Aparecida Araujo de Siqueira Secretária-Geral de Consultoria
Sérgio Eduardo de Freitas Tapety Procurador-Geral da União
Marcelo Augusto Carmo de Vasconcellos Consultor-Geral da União
Leonardo Silva Lima Fernandes Procurador-Geral Federal
Isadora Maria Belem Rocha Cartaxo de Arruda Secretária-Geral de Contencioso
Altair Roberto de Lima Corregedor-Geral da Advocacia da União
Diogo Palau Flores dos Santos Diretor da Escola da Advocacia-Geral da União

SECRETÁRIA-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO
Isabella Maria de Lemos

DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL


Renata Silva Pires de Carvalho

COORDENAÇÃO-GERAL DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E RISCOS


Naimar Cabeleira de Araujo Moretti

BOLETIM DE SERVIÇO

Publicação de atos normativos e atos relativos ao pessoal da Advocacia-Geral da União

https:///agudf.sharepoint.com/sites/boletimdeservicos/SitePages/Home.asp boletim.servicos@agu.gov.br
SIG, Quadra 6, Lote 800, CEP 70610-460, Brasília – DF - (61) 2026-7888
Ano XXV – Suplemento B do BSE Nº 32, de 10 de agosto de 2018
Boletim de Serviço Eletrônico - Suplemento 3

Sumário
ADVOGADA-GERAL DA UNIÃO ....................................................................................................................... 4
PORTARIA Nº 248, DE 10 DE AGOSTO DE 2018 ............................................................................. 4
ANEXO ............................................................................................................................................................ 7
SECRETARIA-GERAL DE CONSULTORIA ................................................................................................... 12
DESPACHO .................................................................................................................................................. 12
Ano XXV – Suplemento B do BSE Nº 32, de 10 de agosto de 2018
Boletim de Serviço Eletrônico - Suplemento 4

ADVOGADA-GERAL DA UNIÃO

PORTARIA Nº 248, DE 10 DE AGOSTO DE 2018

Estabelece o Termo de Ajustamento de Conduta


como meio alternativo à instauração de processo
disciplinar nas hipóteses de irregularidades de
menor potencial ofensivo.

A ADVOGADA-GERAL DA UNIÃO, no exercício das competências e atribuições estabelecidas no art.


4º, incisos I, X, XI e XVIII da Lei Complementar nº 73, de 10 de fevereiro de 1993, e com fundamento
no art. 2º, caput, e parágrafo único, incisos VI e IX, da Lei nº 9.784, de 29 de janeiro de 1999, resolve:

Art. 1º A critério da autoridade competente para instauração de sindicâncias e processos


disciplinares em face dos membros das carreiras jurídicas e dos servidores administrativos da AGU,
poderá ser celebrado Termo de Ajustamento de Conduta - TAC, como alternativa à instauração de
processo de natureza disciplinar, nas hipóteses de irregularidades funcionais de menor potencial
ofensivo, desde que atendidos os requisitos previstos nesta Portaria.

Parágrafo único. Para efeito desta Portaria, considera-se:

I - Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) - instrumento que não possui natureza de penalidade
disciplinar, por meio do qual o membro de carreira jurídica ou o servidor administrativo da AGU
interessado se compromete, voluntariamente, a cumprir determinadas obrigações nele descritas no
prazo fixado e a ajustar sua conduta em observância aos deveres e proibições previstos na legislação
vigente;

II - irregularidade de menor potencial ofensivo - aquela cujas circunstâncias possam resultar, em


tese, na aplicação da penalidade de advertência, nos termos do art. 116 e do art. 117, incisos I a VIII
e XIX, da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990.

Art. 2º O disposto nesta Portaria não se aplica nas seguintes hipóteses:

I - indício de ocorrência de prejuízo ao erário;

II - constatação de considerável prejuízo ao serviço público;

III - notícia de fatos indicadores da prática de improbidade administrativa ou crime, ainda que não
instaurado inquérito policial ou civil ou ajuizada ação judicial;
Ano XXV – Suplemento B do BSE Nº 32, de 10 de agosto de 2018
Boletim de Serviço Eletrônico - Suplemento 5

IV - quando houver sido celebrado TAC nos últimos 2 (dois) anos, contados da homologação, pelo
membro ou servidor administrativo interessado; e

V- quando constar registro válido de aplicação de penalidade disciplinar nos assentamentos


funcionais, nos termos do art. 131 da Lei nº 8.112, de 1990.

§1º A presença de circunstâncias que justifiquem imposição de penalidade mais grave, a ser
verificada no caso concreto, pode inviabilizar a celebração do TAC, em observância aos arts. 128 e
129 da Lei nº 8.112, de 1990.

§ 2º O prejuízo ao erário de valor irrisório não obsta a celebração do TAC.

Art. 3º O TAC poderá ser requerido pelo interessado ou viabilizado de ofício pela autoridade
competente para instauração de sindicâncias ou processos disciplinares.

Art. 4º A proposta de celebração do TAC observará, necessariamente, o seguinte:

I - aquiescência do membro ou servidor administrativo;

II - comprometimento por parte do membro ou servidor administrativo a adotar certo


comportamento ou a abster-se de determinada prática;

III - informação de que o descumprimento dos termos do TAC poderá acarretar a continuidade da
apuração dos fatos no âmbito disciplinar, sem prejuízo da apuração relativa à inobservância das
obrigações previstas no ajustamento de conduta.

§1º Anteriormente à propositura do TAC ao interessado, deverá ser efetivada análise jurídica quanto
ao cumprimento dos requisitos dispostos nesta Portaria em relação ao caso concreto.

§2º O TAC será celebrado no bojo de processo administrativo autuado para tanto.

Art. 5º O TAC deverá conter:

I - a qualificação do membro ou servidor administrativo interessado;

II - a descrição sucinta do caso concreto;

III - os fundamentos de fato e de direito para sua celebração;

IV - a descrição das obrigações assumidas;


Ano XXV – Suplemento B do BSE Nº 32, de 10 de agosto de 2018
Boletim de Serviço Eletrônico - Suplemento 6

V - o prazo e o modo para o cumprimento das obrigações; e

VI - a forma de fiscalização das obrigações assumidas.

§1º As obrigações assumidas compreenderão, dentre outras:

I - o reconhecimento da irregularidade do fato praticado;

II - a realização ou abstenção de determinados atos, voltados, preferencialmente, à reeducação e


ao ajustamento da conduta praticada.

§2º O prazo de cumprimento do TAC não poderá ser superior a 2 (dois) anos, a contar da
homologação.

§3º Somente serão computados no prazo previsto no § 2º, do art. 5º, os períodos de efetivo exercício
das atribuições do cargo, descontando-se eventuais ausências, faltas injustificadas, licenças e
afastamentos.
§ 4º O compromisso de atuar conforme os deveres e as proibições a que está sujeito o agente
público, referenciados no Código de Ética e demais normativos legais e regulamentares sobre a
matéria, inclusive regulamentações internas, não está sujeito a prazo.

§5º A homologação do TAC será comunicada à chefia imediata do membro ou servidor


administrativo, com envio de cópia do termo, para ciência ou acompanhamento do efetivo
cumprimento das obrigações assumidas.

§ 6º Transcorrido o prazo previsto no inc. V, do art. 5º, o cumprimento do TAC será verificado pela
autoridade competente para a instauração do respectivo processo disciplinar, após as diligências
necessárias.

Art. 6º A celebração de TAC não constitui direito subjetivo do interessado, devendo sujeitar-se aos
termos da presente Portaria.

Art. 7º A celebração do TAC será realizada pela autoridade competente para a instauração do
respectivo processo disciplinar.

Parágrafo único. O TAC deverá ser homologado pela autoridade competente para a aplicação da
penalidade de advertência.

Art. 8º Não poderá ser celebrado o TAC após instaurado o processo de natureza disciplinar.
Ano XXV – Suplemento B do BSE Nº 32, de 10 de agosto de 2018
Boletim de Serviço Eletrônico - Suplemento 7

Art. 9º O TAC será arquivado no âmbito do órgão competente pela sua celebração, após o
cumprimento das obrigações assumidas.

Art. 10. O procedimento preliminar ou outro processo de natureza investigativa terá continuidade
enquanto não homologado o TAC.

Parágrafo único. Após a homologação do TAC, o procedimento preliminar ou outro processo de


natureza investigativa ficará suspenso, no prazo estabelecido no inc. V, do art. 5º, e se resolverá
com a verificação, pela autoridade competente para a instauração do respectivo processo
disciplinar, do cumprimento das obrigações nele estabelecidas, ressalvado o disposto no art. 11.

Art. 11. No caso de descumprimento do TAC, o órgão competente adotará imediatamente as


providências necessárias à instauração do processo de natureza disciplinar.

Art. 12. Os órgãos competentes para instauração de sindicâncias e processos disciplinares em face
dos membros das carreiras jurídicas e dos servidores administrativos da AGU poderão regulamentar
os procedimentos internos para celebração do TAC.

Art. 13. O TAC será firmado na forma do anexo desta Portaria.

Art. 14. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

GRACE MARIA FERNANDES MENDONÇA

ANEXO
Modelo de Termo de Ajustamento de Conduta-TAC

Processo Administrativo nº: ...........................................

A(O) .............................. (indicar o órgão competente para abertura de processos e sindicâncias


disciplinares), neste ato representada(o) pela(o) .............................. (indicar cargo da autoridade
competente, chefe do órgão), doravante denominada AUTORIDADE COMPETENTE, e
.............................., .............................. (nome e cargo do interessado), inscrito sob a matrícula
SIAPE nº .............................., lotado junto à .............................., e em exercício junto à
.............................., doravante designado COMPROMISSÁRIO (qualificação do interessado), que
comparece mediante livre e espontânea vontade,

CONSIDERANDO a necessária observância, pela Administração Pública, dos princípios da


razoabilidade, finalidade, eficiência, adequação entre os meios e os fins, bem como a adoção de
formas simples, suficientes para propiciar adequado grau de certeza, segurança e respeito aos
Ano XXV – Suplemento B do BSE Nº 32, de 10 de agosto de 2018
Boletim de Serviço Eletrônico - Suplemento 8

direitos dos administrados, nos termos do art. 2º, caput e parágrafo único, incisos VI e IX, da Lei nº
9.784, de 29 de janeiro de 1999;

CONSIDERANDO o crescente estímulo, no ordenamento jurídico brasileiro, à adoção de instrumentos


consensuais para a resolução de conflitos, inclusive com a finalidade de reduzir custos operacionais,
além da obtenção de solução permanente ao conflito;

CONSIDERANDO os termos, no âmbito da Advocacia Geral da União, do Parecer nº


19/2017/CGAU/AGU, aprovado pelo Despacho nº 1165/2017/CGAU/AGU, bem como pelo Despacho
do Corregedor-Geral da Advocacia da União nº 1652/2017/CGAU/AGU, e, por fim, pelo Despacho da
Excelentíssima Senhora Advogada-Geral da União s/nº, de 30 de junho de 2017, documentos
acostados ao NUP 00406.002921/2013-77, no qual restou consignada a viabilidade jurídica da
adoção de alternativas à instauração de processo disciplinar para condutas de baixa ofensividade,
assim entendidas como as irregularidades funcionais para as quais a Lei nº 8.112, de 11 de
dezembro de 1990, comina a penalidade de advertência, caso não haja circunstâncias que agravem
a situação fática;

CONSIDERANDO os termos da Portaria AGU nº 248, de 10 de agosto de 2018 (Portaria


regulamentadora do TAC).

RESOLVEM:

Celebrar o presente TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA -TAC, de caráter preventivo, que não
constitui penalidade, como alternativa à instauração de processo de natureza disciplinar, nos
seguintes termos:

Cláusula Primeira

O presente termo é regulamentado pela Portaria AGU nº 248, de 10 de agosto de 2018, tendo sido
observados os requisitos para fins de celebração, nos termos do Parecer nº ..............................,
exarado nos autos do Processo Administrativo nº .............................., devendo o COMPROMISSÁRIO
estar ciente das respectivas normas regentes e das obrigações assumidas.

Cláusula Segunda

A conduta praticada pelo COMPROMISSÁRIO, concernente à ........................... (apresentação dos


fundamentos de fato), subsume-se à hipótese prevista no art. .......... da Lei nº 8.112, de 11 de
dezembro de 1990 (apresentação dos fundamentos de direito), a qual é imputada a penalidade de
advertência, tratando-se, portanto, de irregularidade de menor potencial ofensivo, nos termos da
Portaria nº 248, de 10 de agosto de 2018, e do Parecer nº ........................... , que descreve com
Ano XXV – Suplemento B do BSE Nº 32, de 10 de agosto de 2018
Boletim de Serviço Eletrônico - Suplemento 9

mais detalhes o caso concreto (indicar o parecer que efetuou a análise jurídica quanto ao
cumprimento dos requisitos dispostos na Portaria em relação ao caso concreto).

Parágrafo único: Em síntese, o fato pode ser descrito da seguinte forma: .....................................

Cláusula Terceira

O COMPROMISSÁRIO declara estar ciente da irregularidade a que deu causa, constituindo o presente
termo ato inequívoco de reconhecimento da ocorrência do fato, e compromete-se a adequar sua
conduta, em observância aos deveres e proibições previstas na legislação vigente, notadamente a
norma ........................... (indicar lei ou normas regulamentares), abstendo-se de praticar (ou
praticando, conforme o caso) o ato concernente à ..........................., o que declara ser de sua livre
e espontânea vontade.

Cláusula Quarta

O COMPROMISSÁRIO compromete-se, ainda, no prazo de ........................... (indicar prazo de


cumprimento de até 2 anos), a contar da homologação, a:
a)
b)
c)
(descrever as obrigações específicas, com seus respectivos prazos e modos de cumprimento, sendo
possível que as obrigações tenham prazos/modos distintos de execução)

Parágrafo Único

(Indicação de outras condições necessárias à assinatura do TAC, a critério da autoridade


competente para instauração do processo disciplinar).

Cláusula Quinta

A fiscalização do cumprimento das obrigações ora assumidas pelo COMPROMISSÁRIO no presente


termo ocorrerá da seguinte forma: ........................... (descrever a forma de fiscalização das
obrigações), e competirá à ........................... (indicar a unidade responsável pela fiscalização no
âmbito do órgão correicional).

Cláusula Sexta

A homologação do TAC será comunicada à chefia do COMPROMISSÁRIO, com envio de cópia deste
termo, para ciência e acompanhamento das obrigações assumidas (indicar o acompanhamento
apenas se for o caso e indicar a quais obrigações este se refere).
Ano XXV – Suplemento B do BSE Nº 32, de 10 de agosto de 2018
Boletim de Serviço Eletrônico - Suplemento 10

Cláusula Sétima

O descumprimento não justificado do presente termo poderá acarretar a continuidade da apuração


dos fatos no âmbito disciplinar, sem prejuízo da apuração relativa à inobservância das obrigações
previstas neste TAC.

Cláusula Oitava
O procedimento preliminar ou outro processo de natureza investigativa ficará suspenso durante o
prazo estabelecido na Cláusula Quarta, e se resolverá com a verificação, pela AUTORIDADE
COMPETENTE, do devido cumprimento do TAC, ressalvado o disposto na Cláusula Sétima.

Cláusula Nona

O TAC deverá ser homologado pelo (a) Excelentíssimo (a) ........................... (indicar cargo da
autoridade competente para aplicar penalidade), sendo certo que somente após a devida
homologação surtirá seus regulares efeitos.

Cláusula Décima

O TAC será arquivado na (o) ........................... (indicar órgão competente para sua celebração) para
resguardo da informação e aferição da inviabilidade disposta na Cláusula Décima Segunda, não
sendo considerado como antecedente funcional.

Cláusula Décima Primeira

Após cumpridas as obrigações previstas neste termo no prazo fixado na Cláusula Quarta, deverá ser
verificado o seu devido cumprimento pela AUTORIDADE COMPETENTE, após diligências necessárias.

Cláusula Décima Segunda

O COMPROMISSÁRIO manifesta ciência de que não poderá celebrar novo TAC no período de 2 (dois)
anos subsequentes à data da homologação do compromisso firmado.

Local e Data

________________________________________________________________
COMPROMISSÁRIO

________________________________________________________________
AUTORIDADE COMPETENTE PARA INSTAURAR SINDICÂNCIAS E PROCESSOS DISCIPLINARES
Ano XXV – Suplemento B do BSE Nº 32, de 10 de agosto de 2018
Boletim de Serviço Eletrônico - Suplemento 11

HOMOLOGAÇÃO DO TAC

Estou de acordo com as cláusulas previstas no Termo de Ajustamento de Conduta em referência,


por meio do qual ..........................., ..........................., (nome, cargo do interessado) inscrito sob a
matrícula SIAPE nº ..........................., comprometeu-se a adequar sua conduta e a cumprir as
obrigações ali previstas.

Local e Data

____________________________________________________________
AUTORIDADE COMPETENTE PARA APLICAR PENALIDADE DE ADVERTÊNCIA

Obs: Encontram-se em itálico e negrito entre parênteses os requisitos necessários para se firmar o
TAC.
Ano XXV – Suplemento B do BSE Nº 32, de 10 de agosto de 2018
Boletim de Serviço Eletrônico - Suplemento 12

SECRETARIA-GERAL DE CONSULTORIA

DESPACHO

REFERÊNCIA: Processo nº 00418.018438/2017-07


INTERESSADO: FLAVIA DANIELLE SANTIAGO LIMA
ASSUNTO: Licença Capacitação

Acolho a sugestão do Conselho Consultivo da Escola da Advocacia-Geral da União, manifestada na


72ª Reunião Extraordinária Eletrônica, realizada em 7 de agosto de 2018, por cujos fundamentos
autorizo, com base no art. 87 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, e nas Portarias AGU nº
191, de 22 de maio de 2017, e nº 1.663, de 2 de dezembro de 2009, alterada pela Portaria AGU nº
247, de 12 de julho de 2013, a Licença Capacitação da Advogada da União FLAVIA DANIELLE
SANTIAGO LIMA, matrícula Siape nº 1425411, lotada e em exercício na Procuradoria-Regional da
União da 5ª Região, para realizar pesquisa e trabalho de conclusão de Pós-Doutorado em Direto,
promovido pela Universidade de Valência, no período de 13 de agosto a 4 de outubro de 2018.

Publique-se no Boletim de Serviço Eletrônico.

Registre-se a decisão nos assentamentos funcionais da interessada.

Após, à Escola da Advocacia-Geral da União para cientificação da interessada e demais providências


decorrentes.

Em 10 de agosto de 2018.

MARIA APARECIDA ARAUJO DE SIQUEIRA