Você está na página 1de 3

DATA :

DISCIPLINA:

VISTO PROF:
Data: NOTA:

- ROTEIRO DE LABORATÓRIO - Data:

Máquina de Corrente Contínua –


Experimento: Semestre: Turma: Data:
Métodos de Variação de Velocidade. Data:

GRUPO Aluno: RA:

Aluno: RA:

BANCADA Aluno: RA:

Aluno: RA:

1. Descrição da Prática:
Procedimentos:
1) Monte o esquema da figura 2, utilizando os seguintes valores:
Tabela 1 – Valores iniciais de referência
E 0 (V) R 0 () R ()
10 10 k 0 – 100 k
2) Utilizando o multímetro na escala apropriada, meça e anote os valores reais da tensão na fonte (EO) e da resistência do
resistor (RO).
E 0  _________ V e R 0  _________ 
3) Faça a resistência R do potenciômetro variar de forma gradativa desde seu valor máximo até zero (10 valores). Meça e anote
R, I (Nota 1) e V na tabela 2. Calcule as colunas de P, Pf e .

Tabela 2 – Valores medidos e calculados

R I (Nota V P (Nota Pf 
( ) ( V) ( W) (%)
1) 2)
( A) ( W)
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
(*1) Pode-se obter a corrente I pela lei de Ohm, medindo a tensão (V0) na resistência fixa R0 e dividindo pelo valor de R0 (I = V0/R0).
(*2) Verificar que a medida que resistência R diminui, a potência P aumenta até atingir seu valor máximo (Pmáx), depois P diminui.

2. Objetivo:
Comprovação do Teorema da Máxima Transferência de Potência.

Fundamento teórico:

Consideremos o circuito da figura 1, onde a carga R está conectada a uma fonte. A fonte é representada por um bipolo
de tensão real constituído por uma força eletromotriz interna constante Eo em série com uma resistência interna constante Ro.
A potência fornecida pela fonte é: Pf = Eo.I = (R + Ro) I2
A potência transferida para a resistência de carga R é: P = V I = RI2 = Pf – Ro I2
O problema consiste em se determinar Pmax, a máxima potência transferida a carga.

Figura 1 – Circuito para análise da Máxima Transferência de Potência (MTP)

A corrente é dada por:


I = Eo/(R + Ro)

A expressão da potência transferida para a carga representada pela resistência R é:


P = R.I2 = R.(Eo/(R + Ro))2 = Eo2 .R/(R + Ro)2

Derivando esta expressão em relação a R, temos:


dP/dR = Eo2 .[(R + Ro)2 – 2R(R + Ro)]/(R + Ro)4]

Como (R + Ro)  0, podemos igualar a zero e fazer as simplificações possíveis. Assim:


(R + Ro)2 – 2R(R + Ro) = 0
(R + Ro)2 = 2R(R + Ro)
2R = R + Ro  R = Ro

Assim, para esta condição: P = Pmax . Logo,


Pmax = Eo2.Ro/(R + Ro)2 = Eo2.Ro/4Ro2  Pmax = Eo2/4Ro

Nesta condição de máxima transferência de potência, a potência recebida pela carga representa a metade da potência fornecida
pela fonte que é dada por: Pf(Pmáx) = Eo2/2Ro

Podemos considerar o rendimento  como sendo a relação entre a potência absorvida pela carga e a potência fornecida pela
fonte, ou seja:
Em função da resistência R:  = P/Pf = (R.I2)/(R + Ro) I2   = R/(R + Ro)
Em função da corrente I:  = P/Pf = (Eo.I – Ro.I2)/(Eo.I)   = 1 – (Ro/Eo).I

Para o ponto de máxima transferência de potência temos:


(Pmáx) = Pmax/Pf =[ Eo2/(4Ro)]/[Eo2/(2Ro)] = 1/2 = 0,5 ou (Pmáx) (%) = 50%

3. Material Utilizado:
Material:

Equipamento/material: Diagrama de ligação:


 1 fonte de tensão variável (varivolt)
 Voltímetro,
 Amperímetro,
 Multímetro,
 1 resistor de 10 k
 Potenciômetro (0 – 100 k)
 Cabos, chave, etc.

Figura 2 – Esquema de montagem para verificação do MTP

4. Bibliografia:

VICENT Del Toro, Fundamentos de Máquinas Elétricas. Editora Livros Técnicos e Científicos Editora S.A
.
LIWSCHIT - GANK, Michael. Máquinas de Corrente Contínua. Rio de Janeiro: Ao livro técnico, 1958. 395p

5. Conclusão:

Conclusões: Responda as perguntas seguintes


1) A partir dos valores obtidos na tabela 2, e colocando a corrente no eixo horizontal, desenhe, num só
gráfico as seguintes curvas: RI, VI, PI, PfI, e I.
Atenção: Utilizar papel milimetrado. Para facilitar, pode-se utilizar escalas diferentes.
2) Através das curvas traçadas, obter no ponto de Pmáx os valores de R, I, V, P, Pf e .
Os resultados obtidos confirmam o fundamento teórico apresentado?
3) De acordo com sua opinião, qual é mais importante atingir: Pmáx ou máx? Justificar.