Você está na página 1de 47

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INDUSTRIAIS
Prof.: Luís M. Nodari

luis.nodari@ifsc.edu.br

http://www.joinville.ifsc.edu.br/~luis.nodari/

1
Prof. Luís Nodari
Luminotécnica

Revisão
2
Prof. Luís Nodari
1- DEFINIÇÃO
2- RESGATE HISTÓRICO
3- ESPECTRO VISÍVEL
4- CONCEITOS E GRANDEZAS FUNDAMENTAIS
DA LUMINOTÉCNICA
5- TIPOS DE LÂMPADAS
6- CÁLCULO LUMINOTÉCNICO
7- EXEMPLOS E APLICAÇÕES
8- BIBLIOGRAFIA

3
Prof. Luís Nodari
Definição
 Luz, ou radiação visível, é energia em forma de ondas eletromagnéticas
capazes de excitar o sistema humano, olho-cérebro, produzindo diretamente uma
sensação visual.

 As ondas eletromagnéticas não necessitam do meio para sua transmissão, elas


passam através de sólidos, líquidos ou gases, mas se propagam mais
eficientemente no vácuo, onde não há nada para absorver a energia radiante.

 A parcela da radiação eletromagnética compreendida entre os comprimentos de


onda de 380 a 780 nm é conhecida como luz, sendo a faixa do espectro que o olho
humano consegue perceber.

 Dependendo do comprimento de onda será a cor da luz percebida pelo olho


humano.

 Nos comprimentos de onda de 380 a 440 nm tem-se a cor violeta, de 440 a 500
nm a cor azul, de 500 a570 nm a cor verde, de 570 a 590 nm a cor amarela, de 590
a 630 nm a cor laranja e finalmente de 630 a 780 nm a cor vermelha.
4
Prof. Luís Nodari
Definição

5
Prof. Luís Nodari
Importância

Atualmente passamos a maior parte do tempo em


ambientes iluminados parcialmente por aberturas, mas
predominantemente iluminados artificialmente.

Nas estradas, à noite, estamos totalmente


dependentes dos faróis dos veículos e das
luminárias das ruas para nossa segurança.

6
Prof. Luís Nodari
Resgate Histórico

Teoria do Corpuscular : teoria defendida por Isaac Newton (1642-1727), que no


século XVII imaginou que a luz poderia ser constituída de partículas.

 Corpos luminosos emitem energia radiante em partículas;


 Que estas partículas são lançadas intermitentemente em linha reta;
 Que as partículas atingem a retina e estimulam uma resposta que produz uma
sensação visual.

7
Prof. Luís Nodari
Resgate Histórico

Thomas Young (1773-1829) juntamente com Augustin Fresnel (1788-1827)


conseguiu reunir importantes evidências para validar a teoria ondulatória, foi
o primeiro a concluir que as cores diferentes são produzidas por diferentes
comprimentos de onda.

Em 1865, o físico escocês James Clerk Maxwell (1831-1879) explicou


matematicamente esse relacionamento, elaborando a teoria do
eletromagnetismo, com base nas teorias já desenvolvidas por Faraday.

8
Prof. Luís Nodari
Resgate Histórico

Maxwell percebeu que ao fazer uma corrente elétrica oscilar em dois


sentidos, para frente e para trás, esta produz ondas eletromagnéticas
variáveis que se irradiam a uma grande velocidade demonstrou que estas
ondas eletromagnéticas se deslocavam a velocidade da luz, o que o levou a
concluir que a própria luz era uma forma de onda eletromagnética.

A teoria defendida por Maxwell baseia-se nos seguintes princípios:

 Os corpos luminosos emitem luz na forma de energia radiante;


 A energia radiante se propaga na forma de ondas eletromagnéticas;
 As ondas eletromagnéticas atingem a retina, estimulando a uma
resposta que produz uma sensação visual.

9
Prof. Luís Nodari
Resgate Histórico

Teoria Quântica

No final da década de 1850, o físico alemão Gustav Kirchoff (1824-1887) descobriu


que todos os átomos podem emitir ou absorver determinados comprimentos de
onda. Esta descoberta demonstrou a existência de fortes ligações entre os
átomos e a luz.

Max Planck (1858-1947) desafiou a todos sugerindo que a energia na radiação


não era contínua, mas dividida em minúsculos pacotes, ou quanta. Sua teoria
quântica mostrou que em certas circunstâncias a luz podia ser concebida como
partículas, como acreditavam os seguidores da teoria corpuscular de Isaac
Newton.

10
Prof. Luís Nodari
Resgate Histórico

Se um elétron desloca-se de uma órbita externa para outra mais interna, ele perde
energia, que é liberada como um quantum de luz, ou fóton.

A teoria defendida por Planck possui as seguintes premissas:

A energia é emitida e absorvida em quantum, ou fóton;


A magnitude de cada quantum é determinada pelo produto de “h” e “f” onde:
h é a constante de Planck (6,626x10-34 J.s)
f é a frequência de vibração do fóton em Hertz.

11
Prof. Luís Nodari
Resgate Histórico
Teoria de Unificação

Esta teoria foi proposta pelo físico francês De Broglie (1892-1987) e o físico
alemão Heisenberg (1901-1976) baseada no seguinte:

Todo o elemento de massa em movimento tem associado com ele uma


onda cuja duração é determinada por >> λ = h/(m*v)
Onde: λ é o comprimento de onda
h é a constante de Planck
m é a massa
v é a velocidade da partícula.

É impossível determinar simultaneamente todas as propriedades que são


distintas de uma onda ou de um corpúsculo. (teoria quântica)

A explicação satisfatória para o efeito fotoelétrico foi dada em 1905,


por Albert Einstein, e em 1921 deu ao cientista alemão o prêmio Nobel de
Física. (E = MC²)
12
Prof. Luís Nodari
Resgate Histórico

No final do Sec XIX foram desenvolvidas as primeiras lâmpas


artificiais.
Lâmpada de Arco Voltaico: formada por 2
eletrodos de carvão, gera luz a partir da
abertura de um arco voltaico.
Inventada por Humphry Davy, químico que
descobriu separar o potássio e o sódio em
1807 e o cálcio, estrôncio, bário e magnésio

Lâmpada incandescente. Gera luz a partir da


dissipação de potência em uma resistência que
acende em função da energia dissipada.
Inventada por Thomas Edison a primeira
gerava 1,41 lm/W.

13
Prof. Luís Nodari
Espectro Visível

Como já visto, a luz é a parte visível


do espectro eletromagnético.

Corresponde a uma pequena parte


do espectro em que o comprimento
de onda varia entre 380 e 780 nm.

Cada cor corresponde a uma


frequência específica e por tanto
tem um comprimento de onda
específico.

14
Prof. Luís Nodari
Espectro Visível

É o resultado da Impressão Luminosa somado a impressão de cor.

Diferentes sensações de cores produzem diferentes sensações de


luminosidade.

Sensações de cores podem gerar diferentes estímulos cerebrais.


(agitação, sono...)

O olho humano não é igualmente sensível a todas as cores do espectro


visível.

Por isso a utilização de lâmpadas especiais para destacar ambientes e


ou objetos especiais.

15
Prof. Luís Nodari
Conceitos e Grandezas
Fundamentais da Luminotécnica

16
Prof. Luís Nodari
Conceitos e Grandezas
Fundamentais da Luminotécnica
FLUXO LUMINOSO: 

É a potência de irradiação total emitida por uma determinada fonte de luz e


é medido em Lumens - (lm)

Exemplo :
Lâmpada Incandescente de 100W - 1000 lm
Lâmpada Fluorescente de 40W - 1700 – 6000 lm
Lâmpada de Vapor de mercúrio 250W - 12700 lm
Lâmpada Multi-vapor Metálico de 250W - 17000 lm

EFICIÊNCIA LUMINOSA: 

É a relação entre o fluxo luminoso emitido por uma fonte luminosa e a


potência elétrica consumida pela mesma.  =  / P = (lm/W)

17
Prof. Luís Nodari
Conceitos e Grandezas
Fundamentais da Luminotécnica

18
Prof. Luís Nodari
Conceitos e Grandezas
Fundamentais da Luminotécnica
INTENSIDADE LUMINOSA: 

É a potência da radiação luminosa em uma dada direção e é medida em


Candelas. (cd)

CURVA LUMINOSA:

É um diagrama polar em que se considera a lâmpada como um ponto no


centro do diagrama e se representa a intensidade luminosa em várias
direções por vetores. A curva obtida ligando a extremidade dos vetores é dita
como curva de distribuição luminosa.

19
Prof. Luís Nodari
Conceitos e Grandezas
Fundamentais da Luminotécnica
ILUMINANCIA OU ILUMINAMENTO: E

É a relação entre o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície e a área
da mesma. Também pode ser descrito como a densidade de fluxo luminoso
sobre a superfície incidente.

É medido em LUX, onde um LUX é igual a 1 lúmen distribuído


uniformemente em uma área de 1 m² de uma fonte uniforme a 1m de
distância .

O nível de iluminamento indicado para um dado ambiente é obtido a partir


de tabelas, na norma NBR ISSO 8995 – 1. De acordo com a finalidade de
sua utilização.

Exemplo: Dia ensolarado 100.000 Lux = 100.000 cd/m²

20
Prof. Luís Nodari
Conceitos e Grandezas
Fundamentais da Luminotécnica

Luminância: (L)

É a iluminação média resultante para um determinado ambiente com um


dada intensidade luminosa. Ainda pode ser descrita como a razão entre a
intensidade Luminosa () e a área iluminada (A).
L = I/A = cd /m²

Indice de Reprodução de Cores: (IRC)

Consiste na avaliação das cores padrão quando submetidas a uma fonte


de luz a ser avaliada, comparando os resultados aos obtidos com uma
fonte de referência, com IRC=100%

21
Prof. Luís Nodari
Conceitos e Grandezas
Fundamentais da Luminotécnica

EXEMPLOS

Fonte de Luz IRC


Lâmpada Incandescente 100%
Lâmpada Fluorescente 60%
Lâmpada Vapor de Hg 55%
Lâmpada Vapor Metálico 70%
Lâmpada Vapor de Sódio 30%

22
Prof. Luís Nodari
Conceitos e Grandezas
Fundamentais da Luminotécnica

TEMPERAURA DE COR:
Consiste na região do espectro visível em que se concentra a luz gerada por
uma determinada fonte de luz.

23
Prof. Luís Nodari
Conceitos e Grandezas
Fundamentais da Luminotécnica
A utilização de uma fonte de luz com
temperatura de cor especifica pode gerar
LEI DE PLANK: diferentes sensações de conforto em
Um material adquire diferentes relação ao ambiente.
colorações a medida que sua
temperatura aumenta.

24
Prof. Luís Nodari
Tipos de Lâmpadas

Atualmente existem vários tipos e tecnologias de lâmpadas diferentes.


Algumas são decorativas, enquanto outras tem finalidade de iluminação
geral.

As mais comuns são:


Lâmpadas incandescentes
Lâmpadas halógenas
Lâmpadas halógenas dicroicas
Lâmpadas de descarga
Fluorescentes
Mista
Vapor metálico
Vapor de Mercúrio
Vapor de Sódio
Luz Negra
Lampadas LED

25
Prof. Luís Nodari
Tipos de Lâmpadas

26
Prof. Luís Nodari
Tipos de Lâmpadas

27
Prof. Luís Nodari
Cálculo Luminotécnico

Cálculo Luminotécnico

O cálculo luminotécnico visa atender demandas de iluminação de locais e


ambientes, de acordo com sua utilização.

Principais Critérios:
- Quantidade de Luz
- Equilíbrio da Iluminação
- Ofuscamento
- Reprodução de cores

Em função das características do projeto deve-se definir o padrão de iluminação,


tipos de lâmpadas, tipos de luminárias, etc...

28
Prof. Luís Nodari
Cálculo Luminotécnico

Métodos de Cálculos:

Atualmente existem vários métodos e ferramentas de software para o


cálculo e simulação da Iluminação de ambientes.

Contudo, os principais métodos ainda utilizados são :

- Método dos Lumens ou Fluxo Luminoso


- Método Ponto a Ponto

29
Prof. Luís Nodari
Cálculo Luminotécnico

Método dos Lumens ou Fluxo Luminoso

Consiste em determinar a quantidade de fluxo luminoso total


é necessário para iluminar um determinado ambiente.
Para tanto, toma-se por base a norma NBR ISSO 8995-1, nas
características de geometria e acabamento do ambiente e nas
características das lâmpadas e luminárias utilizadas no projeto.

Passos para Determinar o Cálculo Luminitécnico

1- Determinar a Iluminância (E) em Lux do ambiente: A


iluminância é obtida em tabelas presentes na norma NBR ISSO
8995-1, e varia de acordo com a utilização do ambiente.

30
Prof. Luís Nodari
Cálculo Luminotécnico

2- Determinar o coeficiente K do ambiente: É um índice que


depende das características de geometria do ambiente.

K - Índice do local
C - Comprimento (m)
L - Largura (m)
Hu – Altura útil (m)

31
Prof. Luís Nodari
Cálculo Luminotécnico

3- Determinar os tipos de lâmpadas / luminárias que serão


utilizadas no ambiente.

4- Determinar a Refletância do Ambiente:


A refletância é um índice obtido através das características de
acabamento das partes internas do ambiente, parede,teto e piso.

Refletâncias recomendadas para parede, teto e piso.

Variando os percentuais em função das características de pintura e


acabamento. (Branco, cinza e escuro).
32
Prof. Luís Nodari
Cálculo Luminotécnico

5- Com os dados da luminária, índice K e refletância, determinar o


Coeficiente de Utilização. (Cu) Obtendo este valor em tabelas fornecidas
pelos fabricantes da própria luminária.

33
Prof. Luís Nodari
Cálculo Luminotécnico

6- Fator de Manutenção ou de Depreciação:

Este fator prevê a perda de eficiência de iluminação da lâmpada / Luminária


ao longo do tempo de sua vida útil. Este fator depende das características
das lâmpadas e luminárias utilizadas, das características do ambiente onde
se encontram instaladas e do período de tempo do intervalo de manutenção.
Finalmente, com estas características obtense os valores de FD em tabelas.

A norma NBR ISSO 8995-1 traz no anexo D a explicação de como obter e


tabelas que trazem valores de fatores de manutenção.

Com os dados da luminária, índice K e refletância, determinar o Coeficiente


de Utilização. (Cu) Obtendo este valor em tabelas fornecidas pelos
fabricantes da própria luminária.

34
Prof. Luís Nodari
Cálculo Luminotécnico

35
Prof. Luís Nodari
Cálculo Luminotécnico

36
Prof. Luís Nodari
Cálculo Luminotécnico

7- Cálculo do Fluxo Total:

Com os dados obtidos anteriormente calcula-se o Fluxo total () em lumens


(lm) para o ambiente.

Fluxo total em lm
E Iluminância para o ambiente
A Área do ambiente
Cu Coeficiente de Utilização
Fd Fator de Depreciação

37
Prof. Luís Nodari
Cálculo Luminotécnico

8- Cálculo do Número de Luminárias:

Com o fluxo total obtido no cálculo anterior e o fluxo emitido por uma
luminária pode-se determinar o número de luminárias necessárias para o
correto iluminamento do ambiente.

Fluxo total em lm
Fluxo de uma luminária em lm
N Número de luminárias

38
Prof. Luís Nodari
Cálculo Luminotécnico

9- Distribuição Geométrica das Luminárias:

Com o número final de


luminárias distribui-se as
mesmas geometricamente no
ambiente.

39
Prof. Luís Nodari
Cálculo Luminotécnico

Método por Ponto ou Ponto a Ponto:

 Permite o cálculo de qualquer ponto individualmente da


superfície a ser iluminada.

 O Iluminamento total será a soma dos iluminamentos.

 É utilizado quando se necessita a iluminação especifica de


um ponto de uma superfície ou quando a fonte luminosa é
muito pequena em relação ao plano a ser iluminado.

40
Prof. Luís Nodari
Cálculo Luminotécnico

Lei de Lambert:

“O iluminamento de uma determinada superfície varia com o quadrado da


distância (d) do ponto ou foco luminoso até o plano a ser iluminado.”

E Iluminamento em Lux
 Ângulo entre a superfície e a fonte de Luz
 Intensidade Luminosa em Candelas
H Distância do foco ao Plano

41
Prof. Luís Nodari
Cálculo Luminotécnico

Utilizando a Lei de Lambert pode-se calcular o iluminamento em um determinado


ponto a partir de um foco de luz da seguinte forma:

Para um Plano Horizontal Para um Plano Vertical

42
Prof. Luís Nodari
Cálculo Luminotécnico

Para uma superfície diretamente abaixo do foco de luz o iluminamento final


depende somente da intensidade luminosa do foco e do quadrado da distância
do plano a ser iluminado.

43
Prof. Luís Nodari
EXEMPLOS E APLICAÇÕES

44
Prof. Luís Nodari
EXEMPLOS E APLICAÇÕES

45
Prof. Luís Nodari
EXEMPLOS E APLICAÇÕES

46
Prof. Luís Nodari
BIBLIOGRAFIA

 MAMEDE FILHO, João. Instalações Elétricas Industriais. 8ª Edição, Editora LTC, Rio de Janeiro,
2010.
 CREDER, Hélio. Instalações Elétricas , 15ª Edição, Editora LTC, Rio de Janeiro, 2007.
 COTRIM, Ademaro. Instalações Elétricas, 5ª Edição. Editora Pearson Prentice-Hall, São Paulo,
2009.
 LIMA FILHO, Domingos Leite. Projeto de Instalações Elétricas Prediais, 11ª Edição , Editora Érica
, São Paulo, 2007.
 CAVALIN, Geraldo; CERVELIN, Severino. Instalações Elétricas , 21ª Edição, Editora Érica , São
Paulo, 2006.
 NISKIER, Julio. Manual de Instalações Elétricas, 1ª Edição, Editora LTC, Rio de Janeiro, 2005.
 Norma Técnica ABNT NBR ISSO 8995-1.
 Catálogos e sites das empresas: SYLVANIA, PHILIPS, PRYSMIAN.
 Luz , Jeanine Marchiori da, Luminotécnica, Apostila de Disciplina.
 Pereira, Fernando O. Ruttkay; Souza, Marcos Barros de. Iluminação - Apostila de conforto
Ambiental, Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico, Florianópolis 2005.

47
Prof. Luís Nodari