Você está na página 1de 55

Equações

Capítulo 10
Paramétricas e
Coordenadas Polares

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


EQUAÇÕES PARAMÉTRICAS E COORDENADAS
POLARES

Na seção anterior definimos a parábola em


termos de um foco e da diretriz, mas
definimos a elipse e a hipérbole em termos
de dois focos.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


EQUAÇÕES PARAMÉTRICAS E COORDENADAS
POLARES

10.6
Seções Cônicas em
Coordenadas Polares
Nesta seção, nós:
Definiremos a parábola, elipse e hipérbole em termos
de um foco e da diretriz.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS EM COORDENADAS POLARES

Além disso, colocaremos o foco na origem;


assim, uma seção cônica terá uma equação
polar simples.

ƒ O que fornece uma descrição conveniente do


movimento dos planetas, satélites e cometas.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS Teorema 1

Seja F um ponto fixado (chamado foco) e l


uma reta fixada (denominada diretriz) em
um plano.

Seja e um número positivo fixado


(conhecido como excentricidade).

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS Teorema 1

O conjunto de todos os pontos P no plano


tal que
PF
=e
Pl

(ou seja, a razão da distância a F e da


distância a l é a constante e) é uma seção
cônica.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS Teorema 1

A cônica é

a) uma elipse se e < 1.

b) uma parábola se e = 1.

c) uma hipérbole se e > 1.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS Demonstração

Observe que, se a excentricidade for e = 1,


então
|PF| = |Pl|

ƒ Assim a condição dada simplesmente se torna a


definição de uma parábola, como mostrado na
Seção 10.5.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS Demonstração

Vamos colocar o foco F na origem e a


diretriz paralela ao eixo y e d unidades para
a direita.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS Demonstração

Então a diretriz tem a equação x = d e é


perpendicular ao eixo polar.

Se o ponto P tiver
coordenadas polares
(r, θ), vemos a partir da
figura que
|PF| = r
|Pl| = d – r cos θ
© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.
SEÇÕES CÔNICAS Demo – Eq. 2

Então, a condição |PF| / |Pl| = e ou


|PF| = e|Pl|, torna-se:

r = e(d – r cos θ)

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS Demonstração

Se elevarmos ao quadrado ambos os lados


dessa equação polar e convertermos para
coordenadas retangulares, teremos

x2 + y2 = e2(d – x)2 = e2(d2 – 2dx + x2)

ou (1 – e2)x2 + 2de2x + y2 = e2d2

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS Demo – Eq. 3

Depois de completar os quadrados, temos


2
⎛ ed ⎞ y 2
ed 2 2 2

⎜x+ 2 ⎟
+ =
⎝ 1− e ⎠ 1− e 2
(1 − e )
2 2

Se e < 1, reconhecemos a Equação 3 como


a equação de uma elipse.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS Demo – Eq. 4

De fato, ela é da forma

( x − h) y 2 2

2
+ 2 =1
a b
onde

e2 d e 2 2
d e 2 2
d
h=− a =
2
b =
2

1− e 2
(1 − e )
2 2
1− e 2

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS Demo – Eq. 5

Na Seção 10.5 descobrimos que os focos de


uma elipse estão a uma distância c do
centro, onde
4 2
ed
c = a −b =
2 2 2

(1 − e )
2 2

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS Demonstração

Isso mostra que


2
ed
c= = −h
1− e 2

e confirma que o foco como definido no


Teorema 1 significa a mesma coisa que o
foco definido na Seção 10.5.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS Demonstração

Também segue das Equações 4 e 5 que a


excentricidade é dada por c
e=
a

Se e > 1, então 1 – e2 < 0 e vemos que a


Equação 3 representa uma hipérbole.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS Demonstração

Da mesma maneira que fizemos


anteriormente, poderíamos reescrever a
Equação 3 na forma ( x − h) 2 y 2
2
− 2
=1
a b
e ver que
c
e= onde c² = a² + b²
a

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS

Isolando r na Equação 2, vemos que a


equação polar da cônica mostrada na figura
pode ser escrita como

ed
r=
1 + e cos θ

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS
Se a diretriz for escolhida como estando à
esquerda do foco em x = –d, ou se a diretriz
for escolhida como estando paralela ao eixo
polar em y = ±d, então a equação polar da
cônica é dada pelo seguinte teorema.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS Teorema 6

A equação polar da forma

representa uma seção cônica com


excentricidade e. A cônica é
ƒ uma elipse se e < 1.
ƒ uma parábola se e = 1.
ƒ uma hipérbole se e > 1.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS Teorema 6
.

Veja a ilustração
do teorema.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS EXEMPLO 1

Encontre uma equação polar para uma


parábola que tem seu foco na origem e cuja
diretriz é a reta y = –6.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS EXEMPLO 1

Usando o Teorema 6 com e = 1 e d = 6,


e usando a parte (d) da figura, vemos que a
equação da parábola é

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS EXEMPLO 2

Uma cônica é dada pela equação polar

10
r=
3 − 2 cos θ
ƒ Encontre a excentricidade.
ƒ Identifique a cônica.
ƒ Localize a diretriz.
ƒ Esboce a cônica.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS EXEMPLO 2

Dividindo numerador e denominador por 3,


escrevemos a equação como
10
r= 3

1 − cos θ 2
3

ƒ Do Teorema 6, vemos que isso representa uma


elipse com e = 2/3.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS EXEMPLO 2

Como ed = 10/3, temos:


10 10
d= 3
= 3
2
=5
e 3

logo, a diretriz tem a equação cartesiana


x = –5.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS EXEMPLO 2

Quando θ = 0, r = 10.
Quando θ = π, r = 2.

ƒ Assim os vértices têm coordenadas polares (10, 0)


e (2, π).

ƒ A elipse é esboçada
na figura.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS EXEMPLO 3

Esboce a cônica

ƒ Escrevendo a equação na forma

vemos que a excentricidade é e = 2 e, portanto,


representa uma hipérbole.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS EXEMPLO 3

ƒ Como ed = 6, d = 3 e a diretriz tem a equação y = 3.

ƒ Os vértices ocorrem quando θ = π /2 e 3π /2;


assim eles são (2, π/2) e (–6, 3π /2) = (6,π /2).

É também útil marcar os pontos de


intersecção com o eixo x. Estes ocorrem
quando θ = 0, π e em ambos os casos r = 6.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS EXEMPLO 3
Para maior precisão poderíamos desenhar
as assíntotas.

ƒ Observe que r → ±∞ quando 1 + 2 sen θ → 0+ ou 0-


e 1 + 2 sen θ = 0 quando sen θ = –½.

ƒ Então, as assíntotas são paralelas aos raios


θ = 7π/6 e θ = 11π /6.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS EXEMPLO 3

Veja a hipérbole esboçada.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS

Na rotação de seções cônicas


descobriremos que é muito mais conveniente
usar as equações polares do que as
equações cartesianas.

ƒ Apenas usamos o fato de que (veja o Exercício 77,


na Seção 10.3) o gráfico de r = f(θ – α) é o gráfico
de r = f(θ) que gira no sentido anti-horário ao redor
da origem por um ângulo α.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS EXEMPLO 4

Se a elipse do Exemplo 2 girar por um


ângulo π /4 ao redor da origem, encontre
uma equação polar e trace a elipse
resultante.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS EXEMPLO 4

Obtemos a equação da elipse que gira


trocando θ com θ – π/4 na equação dada no
Exemplo 2.

Assim a nova equação é


10
r=
3 − 2 cos(θ − π / 4)

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


SEÇÕES CÔNICAS EXEMPLO 4
Usamos essa equação para traçar a elipse
girada na Figura 5.
ƒ Observe que a elipse gira ao redor de seu foco
esquerdo.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


EFEITO DE EXCENTRICIDADE

Usamos um computador para esboçar


diversas cônicas para ilustrar o efeito da
variação da excentricidade e.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


EFEITO DE EXCENTRICIDADE

Observe que:

ƒ quando e está próxima de 0 a elipse é


praticamente circular;
ƒ quando e → 1-, ela se torna mais alongada.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


EFEITO DE EXCENTRICIDADE

Quando e = 1, claro, a cônica é uma


parábola.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


LEIS DE KEPLER

Em 1609, o matemático e astrônomo alemão


Johannes Kepler, com base em uma enorme
quantidade de dados astronômicos, publicou
as seguintes três leis do movimento
planetário.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


LEIS DE KEPLER

1. Um planeta gira em torno do Sol em uma órbita


elíptica, com o Sol em um dos focos.

2. O segmento de reta ligando o Sol a um planeta


varre áreas iguais em tempos iguais.

3. O quadrado do período de revolução de um


planeta é proporcional ao cubo do comprimento
do eixo maior de sua órbita.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


LEIS DE KEPLER

Embora Kepler tenha formulado suas leis em


termos dos movimentos dos planetas em
torno do Sol, elas se aplicam igualmente
bem ao movimento de luas, cometas,
satélites e outros corpos sujeitos a uma
única força gravitacional.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


LEIS DE KEPLER

Na seção 13.4 mostraremos como deduzir as


leis de Kepler a partir das leis de Newton.

Aqui, usamos a Primeira Lei de Kepler, com


a equação polar de uma elipse, para calcular
quantidades de interesse em astronomia.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


LEIS DE KEPLER

Para o propósito de cálculos astronômicos, é


útil expressar a equação de uma elipse em
termos de sua excentricidade e e de seu
semieixo maior a.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


LEIS DE KEPLER

Podemos escrever a distância do foco à


diretriz em termos de a se usarmos (4):
ed a (1 − e )
2 2 2 2 2
a =2
⇒d =
2

(1 − e )
2 2
e 2

a (1 − e )
2
⇒d =
e
ƒ Assim, ed = a(1 – e2).

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


LEIS DE KEPLER

Se a diretriz for x d, então a equação polar é

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


LEIS DE KEPLER Equação 7

A equação polar de uma elipse com foco na


origem, semieixo maior a, excentricidade e,
e diretriz x = d pode ser escrita na forma

a (1 − e ) 2
r=
1 + e cos θ

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


PERIÉLIO E AFÉLIO

As posições de um planeta que estão mais


próximas e mais distantes do Sol são
chamadas periélio e afélio,
respectivamente, e
correspondem aos
vértices da elipse.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


DISTÂNCIAS DE PERIÉLIO E AFÉLIO

As distâncias do Sol ao periélio e afélio são


chamadas distância do periélio e distância
do afélio, respectivamente.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


PERIÉLIO E AFÉLIO

Nesta figura o Sol está no foco F, de modo


que no periélio temos θ = 0 e, da equação 7,

a (1 − e ) 2
r=
1 + e cos 0
a (1 − e)(1 + e)
=
1+ e
= a (1 − e)

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


PERIÉLIO E AFÉLIO Equação 8

Analogamente, no afélio, θ = π e r = a(1 - e).

A distância do periélio de um planeta ao Sol é


a(1 - e)
e a distância do afélio é
a(1 + e).

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


PERIÉLIO E AFÉLIO EXEMPLO 5

a.Encontre uma equação polar aproximada


para a órbita elíptica da Terra em torno do
Sol (em um foco), dado que:
ƒ a excentricidade é cerca de 0,017;
ƒ o comprimento do eixo maior é cerca de 2,99 X 108 km.

b.Encontre a distância da Terra ao Sol no


periélio e no afélio.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


PERIÉLIO E AFÉLIO EXEMPLO 5 a

O comprimento do eixo maior é


2a = 2,99 x 108
de modo que a = 1,495 x 108.

Nos foi dado que e = 0,017.

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


PERIÉLIO E AFÉLIO EXEMPLO 5 a

ƒ Assim, da Equação 7, uma equação da órbita da


Terra em torno do Sol é:

ou, aproximadamente,

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.


PERIÉLIO E AFÉLIO EXEMPLO 5 b

De (8), a distância do periélio da Terra ao


Sol é:

e a distância do afélio

© 2010 Cengage Learning. Todos os direitos reservados.