Você está na página 1de 182

CONTEÚDO

CONTEÚDO

AO PROPRIETÁRIO ............................................................................................ 1
COMPARTIMENTO PARA ALOJAMENTO DO MANUAL DO OPERADOR .................................. 3
LADO DIREITO, LADO ESQUERDO, DIANTEIRA E TRASEIRA DA MÁQUINA .......................... 4
NÚMEROS DE IDENTIFICAÇÃO .................................................................................................. 5
COMPONENTES DA MÁQUINA .................................................................................................... 7

SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO ................................................... 9


REGRAS DE SEGURANÇA ........................................................................................................... 9
ANTES DA OPERAÇÃO .............................................................................................................. 10
OPERAÇÃO DA MÁQUINA .......................................................................................................... 11
REGRAS ADICIONAIS DE SEGURANÇA ................................................................................... 13
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO DA TRANSMISSÃO .................................................................. 14
ESTACIONANDO A MÁQUINA .................................................................................................... 15
PREVENÇÃO CONTRA QUEIMADURAS ................................................................................... 15
EXTINTOR DE INCÊNDIO ........................................................................................................... 15
PREVENÇÃO DE INCÊNDIO OU EXPLOSÃO ........................................................................... 16
MANUTENÇÃO ............................................................................................................................ 17
MANUTENÇÃO DAS RODAS E PNEUS ..................................................................................... 18
ESTRUTURA ROPS ..................................................................................................................... 18
NORMAS BÁSICAS DE SEGURANÇA ....................................................................................... 19
LEIA O MANUAL DO OPERADOR .............................................................................................. 31
DECALQUES DE SEGURANÇA .................................................................................................. 31
SIMBOLOGIA ............................................................................................................................... 32
NORMAS DE SEGURANÇA ........................................................................................................ 34
DECALQUES ............................................................................................................................... 35
SINAIS DE MÃO ........................................................................................................................... 40

CONTROLES E INSTRUMENTOS .................................................................... 43


POSTO DO OPERADOR ............................................................................................................. 43
COMANDOS DA CABINE ............................................................................................................ 44
INDICADORES DO PAINEL DE INSTRUMENTOS ..................................................................... 48
SISTEMA DE AR CONDICIONADO, CALEFAÇÃO E CIRCULAÇÃO DE AR ............................. 57
BANCO DO OPERADOR ............................................................................................................. 60
CINTOS DE SEGURANÇA .......................................................................................................... 62

INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO ......................................................................... 67


ANTES DA PARTIDA NO MOTOR ............................................................................................... 67
INTERVALOS PARA PRIMEIROS SERVIÇOS ............................................................................ 69
APÓS AS PRIMEIRAS 100 HORAS DE OPERAÇÃO ................................................................. 69
CINTOS DE SEGURANÇA .......................................................................................................... 69
PERÍODO DE AMACIAMENTO .................................................................................................... 70
CONEXÕES DA BATERIA AUXILIAR .......................................................................................... 71
PARTIDA AUXILIAR ..................................................................................................................... 71
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO ................................................................................................... 72

RODAS E PNEUS .............................................................................................. 83


CALIBRANDO OS PNEUS ........................................................................................................... 85
MANUTENÇÃO DOS PNEUS OU AROS .................................................................................... 85
DIREÇÃO DA BANDA DE RODAGEM ......................................................................................... 85
PORCAS DE RODA ..................................................................................................................... 86
PRESSÃO DOS PNEUS .............................................................................................................. 86

I
CONTEÚDO

LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS ................................................................ 87
RECOMENDAÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA ANTES DE INICIAR A MANUTENÇÃO ......... 87
HORÍMETRO DO MOTOR ........................................................................................................... 88
PINO DE TRAVAMENTO PARA TRANSPORTE E MANUTENÇÃO ............................................ 89
PROGRAMA SYSTEMGARD™ DE ANÁLISE DE LUBRIFICANTES .......................................... 90
PEÇAS PLÁSTICAS E EM RESINA ............................................................................................ 90
CAPUZ DO MOTOR ..................................................................................................................... 91
MANUTENÇÃO ............................................................................................................................ 92
FLUIDOS E LUBRIFICANTES ..................................................................................................... 93
TABELA DE LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO ........................................................................ 94
PORTAS DE ACESSO ................................................................................................................. 97
NÍVEL DOS FLUIDOS .................................................................................................................. 98
GRAXEIRAS ............................................................................................................................... 101
SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO DO MOTOR .............................................................................. 106
RECOMENDAÇÕES DE VISCOSIDADE DO ÓLEO/FAIXA DE TEMPERATURA
DE UTILIZAÇÃO ....................................................................................................................... 107
MOTOR ...................................................................................................................................... 108
SISTEMA DO FILTRO DE AR .................................................................................................... 110
SISTEMA DE ARREFECIMENTO DO MOTOR ......................................................................... 112
SISTEMA DE COMBUSTÍVEL ................................................................................................... 115
SISTEMA HIDÁULICO/SISTEMA DE FREIOS .......................................................................... 119
TRANSMISSÃO ......................................................................................................................... 122
EIXO TRASEIRO ........................................................................................................................ 124
TANDEM .................................................................................................................................... 126
REDUTOR DO GIRA CÍRCULO ................................................................................................. 127
RESERVATÓRIO DO LÍQUIDO DO LAVADOR DO PÁRA-BRISA ............................................ 128

MANUTENÇÃO E AJUSTES ........................................................................... 129


VERIFICAÇÃO DO FREIO DE ESTACIONAMENTO ................................................................ 129
ESTRUTURA DE PROTEÇÃO CONTRA CAPOTAMENTO (ROPS) ......................................... 130
CINTO DE SEGURANÇA DA ROPS .......................................................................................... 130
MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO DA ROPS .................................................................................. 130
TORQUE DE APERTO DOS PARAFUSOS DA ROPS .............................................................. 130
DANOS À ESTRUTURA DE PROTEÇÃO CONTRA CAPOTAMENTO (ROPS) ....................... 131
TORQUE DE APERTO DOS PARAFUSOS DO BANCO DO OPERADOR E CINTOS
DE SEGURANÇA ...................................................................................................................... 132
BANCO DO OPERADOR ........................................................................................................... 132
REVESTIMENTO DA CABINE ................................................................................................... 133
EXTINTOR DE INCÊNDIO (SE EQUIPADA) ............................................................................. 133
TIPO DE EXTINTOR .................................................................................................................. 133
INSPEÇÃO E CUIDADOS .......................................................................................................... 133
DOBRADIÇAS DA PORTA ......................................................................................................... 133
MANGUEIRAS E FIAÇÕES ....................................................................................................... 133
CORREIAS DO ALTERNADOR E DO COMPRESSOR DO AR CONDICIONADO ................... 134
INTERVALO DE MANUTENÇÃO ............................................................................................... 134
VERIFICAÇÃO DA CORREIA DO ALTERNADOR ..................................................................... 134
INSPEÇÃO DA CORREIA .......................................................................................................... 134
INSPEÇÃO DO TENSOR ........................................................................................................... 135
INSTALAÇÃO DA CORREIA ...................................................................................................... 135
GUIAS DO CÍRCULO ................................................................................................................. 136
VERIFICAÇÃO E AJUSTE ......................................................................................................... 136
REGULAGEM DAS PLACAS DE DESGASTE .......................................................................... 136
BARRA DE TRAÇÃO .................................................................................................................. 137
PAINEL DE DIAGNÓSTICO HIDRÁULICO ................................................................................ 138

II
CONTEÚDO

SISTEMA ELÉTRICO ....................................................................................... 139


OPERAÇÃO DAS BATERIAS COM SEGURANÇA ................................................................... 139
MANUTENÇÃO DAS BATERIAS ............................................................................................... 140
NÍVEL DO ELETRÓLITO DAS BATERIAS ................................................................................. 140
RESPIROS DAS BATERIAS ...................................................................................................... 140
LIMPEZA DAS BATERIAS .......................................................................................................... 140
SISTEMA AUXILIAR DA TRANSMISSÃO .................................................................................. 141
LIMP-HOME ............................................................................................................................... 141
SERVIÇO DE SOLDAGEM NA MÁQUINA ................................................................................. 141
CAIXA DE FUSÍVEIS .................................................................................................................. 142
RELAÇÃO DOS FUSÍVEIS E RELÉS ........................................................................................ 142
RADIO ........................................................................................................................................ 143
CONECTORES A E B DO RADIO .............................................................................................. 143

ARMAZENAMENTO DA MÁQUINA ................................................................ 145


PREPARAÇÃO PARA O ARMAZENAMENTO ........................................................................... 145
REUTILIZAÇÃO DA MÁQUINA APÓS O ARMAZENAMENTO .................................................. 146

ESPECIFICAÇÕES .......................................................................................... 147


MOTOR ...................................................................................................................................... 147
MOTOR STANDARD (845) ........................................................................................................ 147
MOTOR DUAL POWER (845 DHP) ........................................................................................... 147
TRANSMISSÃO ......................................................................................................................... 148
TANDEM .................................................................................................................................... 148
EIXO DIANTEIRO ...................................................................................................................... 148
EIXO TRASEIRO ........................................................................................................................ 148
PNEUS ....................................................................................................................................... 148
FREIOS ...................................................................................................................................... 148
DIREÇÃO ................................................................................................................................... 149
SISTEMA ELÉTRICO ................................................................................................................. 149
PESOS EM CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO ............................................................................... 149
GIRA-CÍRCULO ......................................................................................................................... 149
BARRA DE TRAÇÃO .................................................................................................................. 150
LÂMINA (MOLDBOARD) ............................................................................................................ 150
SISTEMA HIDRÁULICO ............................................................................................................. 151
ACESSÓRIOS ............................................................................................................................ 151
DADOS DE OPERAÇÃO E DIMENSÕES ................................................................................. 152

ÍNDICE ALFABÉTICO ...................................................................................... 155

TERMO DE GARANTIA ................................................................................... 159

REDE DISTRIBUIDORES CASE BRASIL ....................................................... 177

III
CONTEÚDO

Esta página foi deixada em branco intencionalmente

IV
AO PROPRIETÁRIO
AO PROPRIETÁRIO

AO PROPRIETÁRIO
MOTONIVELADORA CASE 845 e 845DHP

Leia este manual antes de ligar o motor ou de operar a máquina. Entre em contato com seu
Concessionário Autorizado Case caso necessite de informações adicionais.
Seu Concessionário Autorizado Case irá fornecer assistência com técnicos especialmente treinados
e capacitados a empregar os melhores métodos na realização dos serviços de manutenção e reparo
em sua máquina, utilizando peças genuínas aprovadas pela CNH Latin America Ltda.
Utilize este manual como um guia. Sua motoniveladora será uma ferramenta de trabalho confiável
durante tanto tempo quanto for mantida em perfeitas condições de funcionamento e submetida à
manutenção adequada.

1
AO PROPRIETÁRIO

NÃO opere ou permita que outra pessoa opere ou efetue a manutenção desta máquina até que
ambos tenham lido e compreendido as instruções de segurança, manutenção e operação contidas
neste manual. Apenas operadores treinados que já tenham demonstrado habilidade para trabalhar e
efetuar manutenção na máquina de forma correta e segura são os indicados a operarem o
equipamento.
Esta motoniveladora, com equipamentos padrão e implementos, destina-se à utilização em operações
gerais de movimentação de terra tais como terraplenagem e reposicionamento de material.
NÃO utilize a máquina para qualquer aplicação ou função que não sejam os descritos neste manual.
Se desejar utilizar a motoniveladora em uma aplicações que necessite de implementos ou
equipamentos especiais, consulte seu Concessionário Autorizado Case sobre as modificações,
implementações ou alterações necessárias para adequar a máquina aos diversos regulamentos e
padrões de segurança exigidos em cada país. Modificações realizadas sem autorização podem resultar
em acidentes graves ou fatais. Qualquer pessoa que efetuar tais modificações será responsabilizada
pelas conseqüências.
Este Manual do Operador deve ser guardado e mantido no compartimento apropriado existente na
cabine da máquina, conforme indicado na página seguinte.
Certifique-se de que o manual esteja completo e em boas condições. Entre em contato com seu
Concessionário para obter exemplares adicionais do manual, informações suplementares ou
assistência para sua máquina. Seu Concessionário Autorizado Case possui peças genuínas aprovadas
pela CNH Latin America Ltda e técnicos especialmente treinados para realizar operações de reparo
e manutenção utilizando os melhores métodos conhecidos.

2
AO PROPRIETÁRIO

COMPARTIMENTO PARA ALOJAMENTO DO MANUAL


DO OPERADOR
LEIA COMPLETAMENTE ESTE MANUAL e
certifique-se de que compreende todos os
controles. Todos os equipamentos possuem um
limite. Por isso, certifique-se de que compreende
as características referentes à velocidade, freios, 1
direção, estabilidade e outras características
desta máquina antes de começar a operá-la.
NÃO retire este manual da máquina. Procure seu
Concessionário Autorizado Case para solicitar
manuais adicionais.
1. COMPARTIMENTO PARA ALOJAMENTO DO
MANUAL DO OPERADOR

3
AO PROPRIETÁRIO

LADO DIREITO, LADO ESQUERDO, DIANTEIRA E


TRASEIRA DA MÁQUINA
As denominações direita ou esquerda, quando utilizadas neste manual, indicam os lados direito e
esquerdo a máquina vistos a partir do banco do operador.

DIANTEIRA LADO DIREITO

LADO ESQUERDO TRASEIRA

4
AO PROPRIETÁRIO

NÚMEROS DE IDENTIFICAÇÃO
Anote o Número do Modelo, Número de Identificação do Produto (P.I.N.) e os demais números de
série nas linhas fornecidos abaixo. Se necessário, forneça estes números ao seu Concessionário
Autorizado Case quando precisar solicitar peças ou informações sobre sua máquina.
Mantenha um registro destes números em local seguro. Se a máquina for roubada, informe os números
à polícia local.

NÚMERO DO MODELO DA MÁQUINA

NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

NÚMERO DE SÉRIE DO MOTOR

NÚMERO DE SÉRIE E MODELO DA TRANSMISSÃO

NÚMERO DE SÉRIE DA ESTRUTURA ROPS

NÚMERO DE SÉRIE E MODELO DO EIXO DIANTEIRO

NÚMERO DE SÉRIE E MODELO DO EIXO TRASEIRO

Número de Identificação Número do Motor


do Produto (P.I.N.)

HOMOLOGAÇÃO
BR.
CHASSIS

VERSÃO
MOTOR
MADE IN ENGINE
BRAZIL Nº P/ REPOSIÇÃO Nº DE PIECES DETACHEES
Nº FOR SPARES ORD. Nº FUR ERSATZZWCKE

5
AO PROPRIETÁRIO

Número da Transmissão Estrutura de proteção contra


capotamento (ROPS) e capota

Eixo traseiro (Graziano) Eixo traseiro (Clark - Opcional)

6
AO PROPRIETÁRIO

COMPONENTES DA MÁQUINA

2
3

7
1

6 5

1. CORRIMÃO 5. CILINDRO DA ARTICULAÇÃO


2. CABINE (ROPS) 6. DEGRAUS
3. CILINDRO DE LEVANTAMENTO DA LÂMINA 7. CAPUZ DO MOTOR
4. CÍRCULO DA LÂMINA

9
12

10

11

8. CILINDRO DE LEVANTAMENTO DA LÂMINA 12. TRAVA DE TRANSPORTE/MANUTENÇÃO


9. CILINDRO DE DESLOCAMENTO DO CÍRCULO
10. CILINDRO DE INCLINAÇÃO DA LÂMINA
11. CILINDRO DE DESLOCAMENTO DA LÂMINA

7
AO PROPRIETÁRIO

5
2

4
3

1. CAPUZ DO MOTOR 4. OLHAL DE IÇAMENTO E AMARRAÇÃO


2. CORRIMÃO 5. RADIADOR E VENTILADOR
3. RIPPER TRASEIRO 6. BARRA DE TRAÇÃO DO CÍRCULO E LÂMINA

8. FILTRO HIDRÁULICO

7. CONDENSADOR DO AR CONDICIONADO

8
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

! REGRAS DE SEGURANÇA !
A maioria dos acidentes envolvendo a operação e a manutenção de máquinas pode ser evitada
seguindo-se regras de segurança e precauções básicas. Leia e entenda todos os avisos de seguran-
ça constantes deste manual e dos decalques de segurança existentes na máquina antes de operá-la
ou fazer sua manutenção. Consulte seu Concessionário Autorizado Case se tiver dúvidas.
LEIA ESTE MANUAL COMPLETAMENTE e cer-
tifique-se de que compreende todos os contro-
les. Todos os equipamentos possuem um limite.
Por isso, certifique-se de que compreende as
1 características referentes à velocidade, freios,
direção e estabilidade desta máquina antes de
começar a operá-la.
NÃO retire este manual da máquina. Procure
seu Concessionário Autorizado Case para solici-
tar manuais adicionais.

1. ARMAZENAMENTO DO MANUAL

As informações de segurança fornecidas neste manual não substituem os códigos de segurança,


regulamentos de seguros ou as leis municipais, estaduais ou federais. Certifique-se de que sua
máquina possui o equipamento adequado requerido por estes códigos, regulamentos e leis.
Leia atentamente todas as informações, leis de trânsito e regulamentos contidos no Manual Básico
de Segurança no Trânsito elaborado pela ABETRAN, referência Case 148384A1, enviado juntamen-
te com este manual. Solicite-o caso não o tenha recebido.
IMPORTANTE: Os avisos de segurança constantes deste manual chamam a aten-
ção para situações que podem ocorrer durante procedimentos normais de opera-
ção ou manutenção de sua máquina. Estes avisos de segurança também indicam
maneiras possíveis de lidar com tais situações.
Avisos de segurança adicionais são utilizados no texto do manual para enfatizar situações perigosas
específicas.

ATENÇÃO: ESTE SÍMBOLO DE ADVERTÊNCIA INDICA IMPORTAN-


! TES AVISOS DE SEGURANÇA CONTIDOS NESTE MANUAL. SEMPRE
QUE ENCONTRAR ESTE SÍMBOLO, LEIA COM ATENÇÃO A MENSA-
GEM QUE SE SEGUE E ESTEJA ATENTO QUANTO À POSSIBILIDA-
DE DE ACIDENTES FATAIS OU COM FERIMENTOS GRAVES.

9
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

! ANTES DA OPERAÇÃO !
• Trabalhos diferenciados requerem diferentes nha os degraus e corrimãos limpos.
equipamentos de proteção. Itens como capa- • Aproxime-se da máquina sempre de frente e
cetes, sapatos de segurança, luvas grossas, utilize os corrimãos e degraus de acesso para
coletes refletores, máscaras para respiração, subir ou descer. Isto irá proporcionar maior
proteções para o rosto e protetores auriculares segurança na movimentação dos pés e das
podem ser necessários. Conheça estes equi- mãos, ajudando assim a evitar acidentes.
pamentos e saiba como utilizá-los antes de • Retire todos os objetos soltos da área do ope-
iniciar o trabalho. rador e da máquina. Objetos soltos podem fa-
• Esteja preparado para emergências. Tenha sem- zer os controles emperrar e causar acidentes.
pre um kit de primeiros socorros e um bom ex- • Acione os controles somente quando estiver
tintor de incêndios, e saiba como usá-los. sentado no banco do operador.
• Saiba o significado dos sinais de mão utiliza- • Sempre aperte o cinto de segurança antes de
dos em seu trabalho. Siga as instruções da- dar a partida no motor. Sua máquina está equi-
das pelo sinaleiro, os sinais, etc. Consulte a pada com uma estrutura de proteção contra
seção “sinais de Mão” neste manual para capotamento (ROPS) ou uma capota para sua
maiores informações. segurança. O cinto pode ajudar a protegê-lo
• Tome conhecimento das regras, leis e equi- se for corretamente utilizado e conservado.
pamentos de segurança necessários para Nunca deixe o cinto frouxo ou utilize-o se a
transportar ou dirigir esta máquina em ruas cinta estiver torcida ou presa em alguma par-
ou estradas. Luzes rotativas de advertência, te da estrutura do banco.
sinal sonoro de marcha a ré, placa de identifi- • Certifique-se de que todas as pessoas este-
cação “Veículo Lento” e outros equipamentos jam a uma distância segura da máquina an-
de segurança estão disponíveis nos Conces- tes de dar a partida no motor.
sionários Autorizados Case. • Certifique-se de que o freio de estacionamento
• Para evitar ficar preso à máquina, não use esteja acionado e de que todos os controles
roupas largas, cabelos compridos soltos ou estejam na posição NEUTRAL (neutro – pon-
descobertos, correntes, pulseiras ou outros to morto) antes de dar a partida no motor.
artigos pessoais soltos. • A buzina deve ser acionada para alertar as
• Materiais estranhos ou graxa sobre os degraus pessoas na área de trabalho.
e corrimãos podem causar acidentes. Mante-

1
2

1. CORRIMÂO 2. DEGRAUS

10
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

! OPERAÇÃO DA MÁQUINA !
• Não gire o volante de direção enquanto hou- • Cabos elétricos, tubulações de gás ou água,
ver qualquer pessoa nas proximidades da além de outros sistemas subterrâneos podem
máquina e da articulação central. causar acidentes com ferimentos ou morte.
• Com a máquina em área isolada, verifique Tome conhecimento da localização subterrâ-
todos os controles e certifique-se de que a nea e de possíveis perigos antes de operar
máquina esteja operando corretamente. sua máquina em uma área desconhecida.

• Uma causa freqüente de acidentes com feri- • Se esta máquina tombar, você pode se ferir
mentos ou morte é a queda de pessoas da ou morrer. Cabe a você julgar se as condições
máquina e posterior atropelamento. NÃO do tempo, da estrada ou do terreno irão per-
transporte passageiros na máquina. So- mitir uma operação segura em uma encosta
mente uma pessoa – o operador – deve estar ou em piso irregular.
sobre a máquina durante a operação. • Mantenha-se afastado de áreas naturalmen-
• Os gases de escape podem causar a morte. te perigosas como fossos, estruturas suspen-
Se for operar esta máquina em local fechado, sas. Caminhe ao redor da área de trabalho
utilize um sistema de ventilação adequado procurando pelos locais potencialmente peri-
para promover a saída dos gases de escape gosos antes de iniciar o serviço.
e a entrada de ar fresco. • Esteja atento e conheça sempre a localiza-
• Poeira, neblina, fumaça etc. podem diminuir ção de todos os trabalhadores em sua área.
sua visibilidade e provocar um acidente. Pare Mantenha todas as outras pessoas comple-
a máquina ou diminua a velocidade de opera- tamente afastadas de sua máquina. A inob-
ção até que a visibilidade na sua área de tra- servância destas instruções pode resultar em
balho seja total. acidentes com ferimento ou morte.

• O contato com cabos suspensos de transmis- • NÃO opere está máquina se estiver sob efei-
são de energia pode causar queimaduras ou to de álcool ou drogas.
morte por eletrocussão. Certifique-se de que
haja espaço suficiente entre a máquina e os
cabos suspensos de transmissão de energia.

11
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

Partida Procure conhecer e familiarizar-se com todas as


alternativas de saída da máquina, para poder
Não dê partida, ou ponha em movimento uma
utilizá-las em caso de emergência.
máquina avariada. Antes de usar a máquina é
necessário certificar-se que qualquer eventual Não tente subir ou descer em máquinas em mo-
condição perigosa para a segurança, tenha sido vimento.
oportunamente eliminada. Ao operar, olhe sempre na direção de movimen-
Controle os freios, os comandos de direção e dos to da máquina. Esteja sempre atento à presença
implementos antes de dar partida na máquina. de pessoas, principalmente crianças. Se alguém
entrar na zona de manobra, pare a máquina ime-
Avise aos responsáveis pela manutenção qual-
diatamente.
quer eventual irregularidade de funcionamento.
Mantenha sempre uma distância de segurança
Antes de por a máquina em movimento, verifi-
de outras máquinas ou obstáculos, de modo a
que, regule ou bloqueie o assento na posição,
assegurar as condições mínimas de visibilidade.
de modo a assegurar o máximo conforto ao
dirigir. Parada
Antes de por a máquina em movimento ou acio- Nunca abandone a máquina com o motor ligado.
nar os implementos, assegure-se de que pesso- Antes de deixar o local de operação, e depois de
as não estejam na área de trabalho. Antes de ter verificado que não existem pessoas próximas
subir na máquina, dê uma volta de inspeção em à máquina, abaixe lentamente os braços, apoian-
torno dela. do-os no terreno. Bloqueie os comandos e desli-
Obedeça as indicações fornecidas por bandei- gue o interruptor geral.
ras, cartazes ou sinais. Estacione a máquina em uma área onde não
Devido à existência de líquidos e fluidos inflamá- operem outras máquinas e não tenha tráfego de
veis na máquina, não verifique ou abasteça o tan- veículos.
que de combustível e as baterias perto de calor Escolha um terreno sólido e plano. Caso não seja
excessivo, chamas ou faíscas. possível, posicione a máquina transversalmente
à descida e verifique se não existe risco de des-
Funcionamento lizamento. Nos casos em que não for possível a
Nunca funcione a máquina em lugares fechados, parada fora de pistas de tráfego, recomenda-se
a menos que exista um sistema eficaz de aspira- o uso de sinais de segurança (bandeiras, tochas
ção dos gases de descarga. e outros sinais que indiquem perigo). Estes si-
Não utilize a máquina para transportar obje- nais servem de aviso aos motoristas de veículos
tos, a menos que existam dispositivos de fixa- que se aproximam da área.
ção para tal. Nunca abaixe os implementos estando fora do
Não utilize a máquina para transportar pessoas, posto de operação.
a menos que existam dispositivos desenvolvidos
especificamente para este fim.

12
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

REGRAS ADICIONAIS DE SEGURANÇA


ADVERTÊNCIAS DURANTE A PARTIDA E MARCHA A RÉ
IMPORTANTE: Execute estas verifica- 3. Mova a alavanca de controle da transmissão
ções antes de operar a máquina. para a marcha a frente.

VERIFICAÇÃO DO CIRCUITO • Acione o freio de estacionamento.


DE PARTIDA EM NEUTRO • Gire a chave de ignição para a posição START.
• Certifique-se de que a área ao redor da má- • O motor de partida DEVE funcionar.
quina esteja livre e que ninguém esteja muito VERIFICAÇÃO DO ALARME
próximo à máquina.
DE ADVERTÊNCIA DA RÉ
• Libere o freio de estacionamento.
• Certifique-se de que a área ao redor da má-
• Pressione totalmente o pedal de “inching”. quina esteja livre e que ninguém esteja muito
• Mova a alavanca de controle da transmissão próximo à ela.
para a marcha a frente. • Acione o freio de estacionamento.
• Gire a chave de ignição para a posição START. • Pressione totalmente o pedal de “inching”.
• O motor de partida NÃO DEVE funcionar. • Mova a alavanca de controle da transmissão
• Mova a alavanca de controle da transmissão para a 1ª marcha – marcha a ré.
para a marcha a ré. • O alarme de advertência da marcha a ré DEVE
• Gire a chave de ignição para a posição START. soar.
• O motor de partida NÃO DEVE funcionar. Para maiores informações veja,“Pedal de Con-
trole do Inching”, “Alavanca de Controle da Trans-
IMPORTANTE: missão”, “Chave de Ignição”.
1. Mova a alavanca de controle da transmissão
para a marcha a ré.
• Acione o freio de estacionamento.
• Gire a chave de ignição para a posição START.
• O motor de partida DEVE funcionar.
2. Mova a alavanca de controle da transmissão
para a posição neutra.
• Acione o freio de estacionamento.
• Gire a chave de ignição para a posição START.
• O motor de partida DEVE funcionar.

13
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO DA TRANSMISSÃO

Dando partida no A transmissão deve estar em neutro antes de dar a partida no


motor motor.

Freio de A transmissão não engrena nenhuma marcha com o freio de


estacionamento estacionamento acionado.

Mova a alavanca seletora para a marcha desejada (o mostrador


Partindo com a indicará a marcha selecionada). O pedal de “inching” pode ser
máquina usado de modo semelhante ao pedal da embreagem. A maioria
dos operadores fazem desta utilização uma operação normal.

Utilizado para a partida e parada da máquina. Usado para a


finalização do nivelamento com velocidades muito baixas. Usado
para aumentar a velocidade da máquina quando em operação a
baixas velocidades, aumentando assim o desempenho do
Pedal de “inching” sistema hidráulico. (Isto raramente é necessário devido à larga
margem de desempenho do sistema hidráulico) ATENÇÃO:Não
pressione ou libere abruptamente o pedal de “inching” durante
uma partida com muita carga ou para liberar uma máquina
atolada.

Mude a marcha normalmente, conforme a velocidade, a inclinação


Mudando para uma do terreno e as condições de tração do solo permitirem. Mude a
marcha superior marcha não use o pedal de “inching”.

Reduza uma marcha de cada vez. Não force o motor abaixo de


Reduzindo a marcha 1700 rpm. Esteja sempre de olho no contagiros. Reduza a
marcha, não use o pedal de “inching”.

Durante o transporte descendo curtas inclinações muito íngremes,


o motor pode ser conduzido pelas rodas da motoniveladora. Para
Mudando as marcha manter uma velocidade elevada, pode ser necessário mudar a
ao descer ladeira marcha para evitar a sobre-rotação do motor, ao mesmo tempo
íngreme. em que se utiliza o freio. Normalmente a maneira mais segura e
recomendada é descer a ladeira utilizando uma marcha reduzida
juntamente com os freio, especialmente para longas distâncias.

O operador pode fazer estas mudanças de acordo com as


Mudando de frente condições normais de operação. A transmissão selecionará
para ré, e de ré para automaticamente a marcha apropriada na direção oposta. A
frente transmissão tem uma proteção interna contra choque.

Carregando demais o
motor, sob condições Não pressione e libere repetidamente o pedal de “inching” para
de excesso de carga forçar o movimento da máquina.
da lâmina ou do
escarificador.

Partindo e parando Parar a máquina usando o pedal do “inching” fará a transmissão


com o mostrador partir da 4ª marcha. Em terrenos nivelados ou inclinações
indicando uma moderadas parta na 4ª marcha e mude conforme as condições
marcha superior a 3ª. permitirem. Em inclinações elevadas ou sob carga, reduza para
uma marcha mais reduzida e parta com a máquina.

14
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

! ESTACIONANDO A MÁQUINA !
• Quando estacionar a máquina e antes de dei- ângulo reto em relação à descida. Certifique-
xar a área reservada ao operador, apóie ou se de que a máquina esteja atrás de um obje-
abaixe a lâmina até o solo, aplique o freio de to que não se mova. Coloque calços nas ro-
estacionamento, desligue o motor e remova a das da máquina.
chave. • Olhe de frente para a máquina e use os de-
• Se você precisar par a máquina temporaria- graus e o corrimão para descer da máquina.
mente em uma ladeira, pare a máquina em Não corra e não pule da máquina.

! PREVENÇÃO CONTRA QUEIMADURAS !


• As baterias contêm ácido sulfúrico, que • Quando o eletrólito da bateria estiver conge-
pode causar queimaduras graves. Evite o lado, a bateria pode explodir se (1) você ten-
contato com a pele, olhos ou roupas. Antí- tar carregá-la ou (2) você tentar dar a partida
doto EXTERNO: Lave a região atingida com com uma bateria auxiliar e ligar o motor. Para
bastante água. INTERNO: Beba água ou evitar que o eletrólito da bateria congele, man-
leite em abundância. Chame um médico tenha-a sempre carregada. Se não seguir es-
imediatamente. OLHOS: Lave-os com bas- tas instruções, tanto você quanto outras pes-
tante água durante 15 minutos e obtenha soas na área podem sofrer ferimentos.
pronto atendimento médico. BATERIAS • O líquido de arrefecimento quente pode es-
PRODUZEM GÁS EXPLOSIVO. Mantenha pirrar se a tampa do radiador for removida.
chamas e cigarros longe das baterias. Man- Para remover a tampa do radiador, deixe que
tenha uma boa ventilação ao carregar as o sistema de arrefecimento esfrie, gire a tam-
baterias. Use sempre proteção para os pa até o primeiro estágio de abertura, espere
olhos ao manusear uma bateria. MANTE- até que haja alívio da pressão interna e, em
NHA AS BATERIAS LONGE DO ALCAN- seguida, remova a tampa.
CE DAS CRIANÇAS.

! EXTINTOR DE INCÊNDIO !
É recomendado que você tenha um extintor de incêndio na máquina. Procure seu Concessionário
Case para adquirir um. Um extintor de pó químico é recomendado para fogo classes A, B e C.

15
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

! PREVENÇÃO DE INCÊNDIO OU EXPLOSÃO !


• O combustível pode causar incêndio ou ex- • Um incêndio pode causar ferimentos ou mor-
plosão. Não encha o tanque de combustível te. Tenha sempre um extintor de incêndio pró-
com o motor funcionando ou se estiver próxi- ximo ou na máquina. Certifique-se de que o
mo a uma chama, efetuando alguma opera- extintor de incêndio recebeu manutenção de
ção de soldagem, fumando etc. Use solvente acordo com as instruções do fabricante.
não-inflamável para a limpeza de peças. Faís- • Remova toda a sujeira e detritos da máquina.
cas ou chamas podem provocar a explosão Certifique-se de que panos com óleo ou ou-
do gás hidrogênio contido na bateria. Para tras substâncias inflamáveis não estejam sen-
evitar explosões faça o seguinte: do mantidos na máquina.
1. Ao desconectar os cabos da bateria, solte • Verifique se há vazamentos de combustível,
primeiro o cabo negativo (-); ao conectar óleo ou fluido hidráulico. Substitua as tubula-
os cabos, conecte o cabo negativo (-) por ções ou mangueiras gastas ou danificadas.
último. Após ter efetuado os reparos, limpe a máqui-
2. Ao conectar cabos para utilização de uma na antes de iniciar a operação.
bateria auxiliar na partida do motor, utilize • O fluido de partida (éter) pode causar ferimen-
o procedimento descrito neste manual. tos ou morte. Não inale os vapores do fluido
Consulte a seção “Conexão de Bateria de partida. Use proteção para o rosto ao re-
Auxiliar” na seção “Instruções de mover ou instalar o recipiente do fluido de
funcionamento” deste manual. partida. Use o fluido de partida de acordo com
3. Não provoque curto-circuito entre os pólos as instruções constantes da seção “Partida a
da bateria utilizando objetos metálicos. Frio” deste manual.
4. Não solde, esmerilhe ou fume próximo a • Mantenha o recipiente com fluido de partida
uma bateria. (éter) fora do alcance de crianças.
• Faíscas originadas pelo sistema elétrico ou • Antes de jogar fora um recipiente de fluido de
escape do motor podem causar incêndio ou partida que esteja vazio, ponha luvas de bor-
explosão. Antes de operar esta máquina e ini- racha e pressione a válvula na extremidade
ciar o serviço em uma área onde haja vapo- do recipiente para dentro, de forma a aliviar a
res ou pó inflamável, utilize um sistema de pressão remanescente. Não faça um furo e
ventilação adequado para remover o ar com nem jogue o recipiente no fogo.
substâncias inflamáveis em suspensão e • Não armazene recipientes de fluido de parti-
substitui-lo por ar fresco. da (éter) em áreas destinadas ao operador da
• Operar a máquina em regiões onde haja ma- máquina.
terial orgânico inflamável ou áreas públicas • Remova da máquina o recipiente de fluido de
utilizando um motor de aspiração natural ou partida antes de soldar, esmerilhar ou cortar
movido a gás metano não é recomendado a com maçarico qualquer parte desta. Utilize um
menos que um silencioso próprio para reten- protetor para o rosto e ar comprimido para
ção de faíscas opcional seja instalado. remover quaisquer vapores de éter da área.

16
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

! MANUTENÇÃO !
• Antes de efetuar a manutenção nesta máqui- • Afaste-se da região da articulação central des-
na, coloque uma etiqueta de NÃO OPERAR ta máquina quando o motor estiver funcio-
no painel de instrumentos. Uma etiqueta NÃO nando a menos que o pino de travamento para
OPERAR (Peça Número 147783A1) acompa- transporte e manutenção esteja na posição
nha cada máquina nova. Etiquetas adicionais TRAVADA. Após efetuar a manutenção, retor-
podem ser solicitadas ao seu Concessionário ne o pino de travamento para a posição de
Autorizado Case. OPERAÇÃO.
• Cavacos ou fragmentos metálicos podem cau-
sar ferimentos nos olhos. Use sempre prote-
tores para os olhos ou para o rosto, especial-
NÃO REMOVA NÃO mente quando for necessário utilizar um mar-
ESTA ETIQUETA OPERAR telo para alguma tarefa nesta máquina. Use
um martelo de face macia, como bronze, para
VER O
Razão: instalar pinos endurecidos.
OUTRO LADO
• A penetração de fluido hidráulico ou graxa em
CASE BRASIL & CIA sua pele pode causar ferimentos graves ou a
Código CASE:
147783A1 Assinatura:
morte. Mantenha suas mãos e seu corpo lon-
ge de vazamentos de substâncias sob pres-
são. Se o fluido hidráulico penetrar em sua
pele, procure assistência médica imediata-
• Manutenção ou reparos inadequados podem
mente para que o fluido seja retirado.
causar acidentes com ferimento ou morte. Se
você não compreender qualquer procedimento • Se for necessário efetuar manutenção na
de manutenção ou ajuste, consulte o Manual máquina com a caçamba levantada, bloqueie
de Manutenção para esta máquina ou procu- sempre seus braços de levantamento.
re seu Concessionário Autorizado Case. • Quando realizar a manutenção nesta máqui-
• Modificações não autorizadas nesta máquina na, utilize sempre protetores para o rosto ou
podem causar ferimento ou morte. Não faça os olhos, sapatos de segurança e outros equi-
modificações nesta máquina sem autorização. pamentos de proteção conforme necessário.
• Se necessitar efetuar manutenção nesta má-
quina com o motor funcionando, consiga aju-
da de uma outra pessoa. Siga as instruções
deste manual ou do Manual de Manutenção.
Não deixe o banco do operador enquanto o
motor estiver ligado.

17
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

! MANUTENÇÃO DAS RODAS E PNEUS !


• Utilize uma mangueira de ar com válvula de • Um pneu pode explodir durante a operação
desligamento remota e uma extensão com o de enchimento e causar ferimentos graves ou
medidor e afaste-se do pneu enquanto esti- morte. Nunca encha o pneu com pressão de
ver inflando-o para evitar a possibilidade de ar superior a 35 psi (2,4 bar) para forçar o
ferimentos devido à separação entre o pneu e assentamento do talão sobre o aro. Substi-
o aro, etc. tua um pneu que apresente defeito. Substi-
• Uma explosão que separe as peças do con- tua uma roda cujo aro apresente trincas, des-
junto pneu e/ou aro pode causar ferimento ou gaste ou corrosão severa. Certifique-se de
morte. Quando for necessário realizar a ma- que todo o ar seja retirado de um pneu antes
nutenção em um pneu, deixe que um de removê-lo do aro. Nunca tente forçar a
borracheiro qualificado efetue a tarefa. saída de um pneu total ou parcialmente infla-
do. Certifique-se de que o pneu esteja corre-
• NÃO realize qualquer soldagem na roda ou tamente assentado antes de enchê-lo (inflar).
no aro com o pneu instalado. A operação de
soldagem poderá causar a formação de uma
mistura explosiva ar/gás que será inflamada
devido às altas temperaturas. Isto pode ocor-
rer tanto com os pneus cheios quanto vazios.
Não é adequado esvaziar o pneu ou retirar o
talão. O pneu DEVE SER completamente re-
movido do aro antes de se efetuar a soldagem.

! ESTRUTURA ROPS !
• Não modifique a estrutura de proteção contra capotamento de maneira nenhuma. Modificações
não autorizadas, como operações de solda, furação, corte, colocação de acessórios, podem
alterar a rigidez da estrutura e reduzir o nível de proteção. Substitua a estrutura ROPS em caso
de capotamento da máquina ou dano. Não tente reparar a estrutura ROPS.

18
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

NORMAS BÁSICAS DE SEGURANÇA

ATENÇÃO: Antes de usar a máquina, leia e estude o Manual do Ope-


! rador, assim como as mensagens de segurança nele contidas. Leia
os decalques de segurança da máquina. Afaste as pessoas da área
antes de operação da máquina; leia e pratique o uso seguro dos co-
mandos.

IMPORTANTE: Sempre que os decalques forem destruidos, perdidos,


! estiverem ilegíveis ou pintados, substitua-os por novos. Quando peças
individuais que comportam decalques forem substituídas, assegure-se
de que novos decalques sejam colocados juntamente com as novas
peças.

CUIDADO: Examine visualmente a máquina, verificando se contém va-


! zamentos ou quaisquer peças avariadas ou que não estejam funcionan-
do corretamente. Antes de colocar a máquina em movimento, aperte todas
as tampas, varetas de nível de óleo, bujões das baterias, etc. A falha de
uma peça com a máquina em movimento poderá provocar acidentes.

19
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

CUIDADO: Use o equipamento de segurança corretamente. Não use


! roupa folgada. Quando a sua segurança estiver em dúvida, obtenha o
equipamento de segurança necessário: capacete de proteção, sapatos
de segurança, protetores auriculares, roupa refletora, óculos de segu-
rança e luvas grossas.

CUIDADO: Antes de por a máquina em movimento, alerte as pessoas


! que estão fazendo manutenção ou que se encontram na área.

CUIDADO: Familiarize-se com o movimento de veículos em sua área de


! trabalho, com as instruções do sinalizador (bandeira) e com a sinaliza-
ção de estrada. A falta de atenção pode provocar acidentes.

CUIDADO: Mantenha sempre na máquina um extintor de incêndio e um


! estojo de primeiros socorros. Saiba como usá-los.

20
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

CUIDADO: À noite, antes de operar a máquina, verifique se todas as


! luzes funcionam corretamente.

ATENÇÃO: Certifique-se de que o compartimento do operador, os de-


! graus e as alavancas de comando não contenham óleo ou objetos sol-
tos. Se não mantiver estas partes limpas, o resultado poderá ser um
grave acidente.

21
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

CUIDADO: Os cintos de segurança contribuem para a segurança do


! operador se forem usados e mantidos de acordo com as instruções con-
tidas neste manual.

ATENÇÃO: TENHA MUITO CUIDADO ENQUANTO NÃO ESTIVER FA-


! MILIARIZADO COM O FUNCIONAMENTO DESTA MÁQUINA.

ATENÇÃO: Familiarize-se com a localização de instalações subterrâne-


! as, como cabos de rede elétrica, tubulações de água e de gás, etc. O
rompimento de uma tubulação de gás ou de um cabo elétrico poderá ter
conseqüências graves ou fatais.

ATENÇÃO: Antes de operar numa área pouco conhecida, ande pelo lo-
! cal e verifique a existência de buracos escondidos, depressões acentua-
das e obstáculos que possam provocar acidentes.

CUIDADO: Entenda que a máquina tem as suas limitações. Conser-


! ve-a sempre sob controle. NÃO TENTE FAZER DEMAIS NEM MUI-
TO RÁPIDO.

PERIGO: Se por qualquer razão o motor parar ou ocorrer uma falha no


! sistema de direção hidráulica, pare a máquina. Não tente conduzi-la
enquanto o sistema de direção não funcionar adequadamente.

22
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

ATENÇÃO: Antes de conduzir a máquina nas ruas ou estradas, verifique


! primeiro os regulamentos locais sobre o uso próprio das luzes, bandei-
ras e emblema de locomoção lenta.

CUIDADO: Antes de cada período de operação, teste o sistema de dire-


! ção, os freios , os controles hidráulicos e dispositivos de segurança.
Acidentes podem ser evitados, estando a máquina funcionando correta-
mente. Se necessário, repare ou ajuste a máquina antes de operá-la.

CUIDADO: Não pule da máquina pois poderá machucar-se.


!

ATENÇÃO: Quando estiver em declives, rampas ou terreno acidentado


! dirija a máquina devagar. Mantenha-se sempre atento ao trabalhar perto
de valetas ou escarpas. Uma falha pode provocar o tombamento da
máquina resultando em sério acidente.

23
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

CUIDADO: Não use o volante ou as alavancas de controle como apoio


! para subir ou descer da máquina.

CUIDADO: Conserve as mãos constantemente nos controles durante a


! operação com a máquina.

ATENÇÃO: Manobre a máquina e os implementos somente sentado no


! assento do operador. Qualquer outro método poderá resultar em grave
acidente.

CUIDADO: Antes de deixar a máquina. DESLIGUE O MOTOR. Aplique


! o freio de estacionamento e abaixe ao solo a lâmina. Pare a máquina em
terreno plano ou paralela ao aclive.

ATENÇÃO: Esteja atento quando trabalhar em lugares com poeira, fu-


! maça ou neblina. Diminua a velocidade quando a visibilidade tornar-se
precária pois poderão ocorrer acidentes.

24
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

CUIDADO: Não permita a presença de qualquer pessoa na máquina


! além do operador.

PERIGO: Não permita que qualquer parte da máquina entre em contato


! direto com os cabos da rede elétrica. Se for necessário trabalhar perto
dos cabos da rede elétrica, certifique-se de que a Companhia de Eletrici-
dade os desligou. A máquina necessariamente não tem de entrar em
contato físico com o cabo elétrico para que ocorra passagem de corren-
te. Se houver passagem de corrente na máquina, não abandone a mes-
ma, NEM TOQUE NELA.

CUIDADO: Ao remover a bateria, desligue primeiro a chave geral. Co-


! mece com o cabo NEGATIVO (-), (massa). Ao instalar a bateria, ligue
sempre o cabo negativo por último.

CUIDADO: As áreas de estocagem das baterias devem dispor de boa


! ventilação para evitar o acumulo de gás hidrogênio proveniente das ba-
terias recém-carregadas.

CUIDADO: Antes de ligar ou desligar um circuito, certifique-se de que


! está familiarizado com o mesmo. Uma ligação errada poderá resultar em
acidente ou prejuízos.

25
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

ATENÇÃO: Ao verificar a carga da bateria, nunca coloque objetos de


! metal sobre os terminais. As faíscas poderão provocar uma explosão.
Utilize um voltímetro ou um densímetro.

PERIGO: As baterias produzem gases explosivos. Mantenha faíscas,


! chamas e cigarros acesos afastados delas. Certifique-se que dispõe de
uma boa circulação de ar ao carregar uma bateria ou quando esta for
utilizada em recinto fechado. Quando estiver trabalhando perto de bate-
rias use óculos de segurança.

VENENO: As baterias contêm ácido sulfúrico que pode causar queima-


! duras graves. Evite contato com a pele, olhos ou roupa. Antídoto: EX-
TERNO: lave bem com muita água. INTERNO: Beba grande quantidade
de água ou leite. Depois tome leite de magnésia, ovos batidos ou óleo
vegetal. Chame imediatamente um médico. OLHOS: Lave-os com água
por 15 minutos e procure assistência médica imediatamente. MANTE-
NHA AS CRIANÇAS AFASTADAS DAS BATERIAS.

26
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

ATENÇÃO: Quando utilizar baterias auxiliares para dar partida no mo-


! tor, ligue o cabo positivo ao terminal positivo do solenóide do motor de
partida. Ligue o cabo negativo ao chassi da máquina. Antes de dar parti-
da no motor, o operador deverá ficar acomodado em seu assento, com o
cinto de segurança (se equipado) afivelado. Pare o motor antes de des-
cer da máquina. Desligue os cabos da bateria auxiliar. Qualquer outro
método pode resultar em movimento incontrolável da máquina.

CUIDADO: Nunca carregue em seu corpo anéis ou braceletes de metal.


! Isso poderá causar a passagem de corrente elétrica através do metal.

ATENÇÃO: Durante a manutenção da máquina, principalmente em tra-


! balhos de martelamento ou esmerilhamento, use o óculos de proteção
ou máscara. Utilize sempre martelo plástico, de madeira, de cobre, de
couro ou similar. Desta forma, evita-se possíveis ferimentos de estilha-
ços.

CUIDADO: Antes de proceder a qualquer serviço de manutenção na


! máquina, abaixe ao solo os implementos, ou trave-os com segurança.

27
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

ATENÇÃO: O ventilador e as correias quando em movimento podem


! causar graves ferimentos. Afaste-se deles.

CUIDADO: O sistema de arrefecimento funciona sob alta pressão. Reti-


! re a tampa do radiador vagarosamente e somente quando o motor esti-
ver frio; caso contrário poderão ocorrer graves queimaduras.

ATENÇÃO: Estacione a máquina em terreno plano, nivelado e calce


! firmemente as rodas antes de trabalhar embaixo da máquina. Uma falha
nesse procedimento pode provocar grave acidente.

28
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

CUIDADO: Não tente efetuar qualquer serviço de reparo se não estiver


! capacitado. Não é vergonhoso pedir ajuda.

CUIDADO: O sistema hidráulico funciona sob alta pressão. Qualquer


! vazamento, por minúsculo que seja pode penetrar no tecido do corpo
humano, provocando graves ferimentos. Utilize um pedaço de madeira
ou de papelão ao tentar localizar vazamentos e NUNCA as mãos ou
quaisquer outras partes do corpo.

Alivie a pressão hidráulica antes de desligar os circuitos. Ao refazer as


ligações, certifique-se de que estejam bem apertadas.

No caso de ferimentos provocados pela fuga de óleo sob pressão, dirija-


se imediatamente ao médico. Poderão surgir complicações na falta de
atendimento médico imediato.

ATENÇÃO: Ao encher os pneus conserve-se sempre ao lado do anel


! trava da roda.

CUIDADO: Para limpar o estofamento interno não utilize solventes de


! limpeza, como: acetona, thinner, tetracloreto de carbono, redutores de
esmalte, removedores de verniz de unhas ou materiais de limpeza como
sabão de lavagem, branqueadores ou redutores. Nunca use gasolina ou
nafta para esse tipo de limpeza. Estes materiais poderão ser tóxicos ou
inflamáveis, ou causar danos ao estofamento.

29
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

PERIGO: Os gases de escapamentos poderão matar. Se for necessário


! ligar o motor numa área fechada assegure-se de que haja uma boa ven-
tilação do local.

ATENÇÃO: Tenha muito cuidado ao desligar as mangueiras hidráulicas.


! A alta pressão no sistema poderá provocar ferimentos. Alivie a pressão
antes de começar o serviço no sistema.

ATENÇÃO: Não abasteça a máquina com combustível quando estiver


! fumando, perto de chamas ou com o motor funcionando.

CUIDADO: Pino de trava paraTransporte/Manutenção - Ao transportar a


! máquina ou ao efetuar qualquer serviço de manutenção na mesma, tra-
ve a articulação de segurança. Quando travado, esse dispositivo impedi-
rá a máquina de articular-se. Após concluir a manutenção solte o pino de
trava da articulação de segurança, travando-a no pivô do chassi traseiro.

30
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

LEIA O MANUAL DO OPERADOR

LEIA O MANUAL DO OPERADOR CONSULTE O MANUAL DO OPERADOR

Decalques que exibem o símbolo “Leia o Manual Quando um adesivo apresentar este símbolo,
do Operador” tem o propósito de direcionar o Consulte o Manual do Operador.
operador à leitura do manual para a obtenção de
informações adicionais com respeito à manuten-
ção, ajustes e/ou procedimentos relativos a se-
tores particulares da motoniveladora.

DECALQUES DE SEGURANÇA

ATENÇÃO: A impossibilidade da leitura de um adesivo de segurança


ou a sua ausência podem resultar em ferimentos ou morte. Substitua
qualquer adesivo de segurança que estiver faltando ou estiver danifi-
! cado e mantenha todos os decalques de segurança limpos. Procure
seu Concessionário Autorizado Case para adquirir novos decalques
de segurança.

Certifique-se de que você possa ler todos os decalques de segurança e todos os decalques de
instruções. Verifique estes decalques todos os dias antes de começar seu trabalho. Limpe os decal-
ques se não puder ler as palavras.
Para limpar os decalques, utilize somente um pano com água e sabão. Não use solventes, gasolina, etc.
Você deve substituir qualquer adesivo faltante, danificado ou ilegível.

31
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

! SIMBOLOGIA !
PRINCIPAIS SÍMBOLOS USADOS NESTE MANUAL

ATENÇÃO (Sinal de alerta) LÂMPADA


!
ABASTECIMENTO BAIXA PRESSÃO DO ÓLEO
DA TRANSMISSÃO

RESTRIÇÃO DO FILTRO DE AR BAIXA PRESSÃO DO ÓLEO


DO MOTOR

FREIO DE ESTACIONAMENTO BLOQUEIO DIFERENCIAL

RESTRIÇÃO FILTRO ÓLEO HORÍMETRO


HIDRÁULICO

RESTRIÇÃO FILTRO ÓLEO AJUSTE DO ASSENTO


TRANSMISSÃO DO OPERADOR

BATERIA TRAVADO

BAIXA PRESSÃO FLUIDO FREIO DESTRAVADO

TEMPERATURA DO LÍQUIDO FLUTUAÇÃO DA LÂMINA


DE ARREFECIMENTO DO MOTOR (Cilindro direito)

FLUTUAÇÃO DA LÂMINA
SISTEMA ELÉTRICO (Cilindro esquerdo)

TEMPERATURA DO ÓLEO
FLUTUAÇÃO LÂMINA FRONTAL
HIDRÁULICO

TEMPERATURA DO ÓLEO RIPPER


DA TRANSMISSÃO

SINALIZADOR GERAL ESCARIFICADOR


!
EMERGÊNCIA DE DIREÇÃO TRAVA DA SELA

32
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

SINAL SONORO LUZ ROTATIVA (OPCIONAL)

LUZ DIRECIONAL DIREITA FAROLETE/LUZ BAIXA

LUZ DIRECIONAL ESQUERDA FARÓIS

REDUZIR A MARCHA SISTEMA ANTI-CHOQUE


DA LÂMINA

MUDAR A MARCHA PARTIDA A FRIO (OPCIONAL)

LIMPADOR DO PÁRA-BRISA
ATENÇÃO (Fluido sob pressão)
DIANTEIRO (OPCIONAL)

LIMPADOR/LAVADOR VIDRO DIAN- ATENÇÃO (Gases tóxicos)


TEIRO INFEIOR LE/LD (OPCIONAL)

LAVADOR DO PÁRA-BRISA
ATENÇÃO (Choque elétrico)
DIANTEIRO (OPCIONAL)

VENTILADOR/AQUECEDOR ATENÇÃO (Pressão dos pneus)


(OPCIONAL)

DESEMBAÇADOR ATENÇÃO (Contaminação sanguínea)

LUZ DE TRABALHO TRASEIRA ATENÇÃO (Calor do radiador)

LUZ DA CABINE PERIGO (Sua vida está envolvida)

LUZ DE TRABALHO DA LÂMINA ARTICULAÇÃO

LIMPADOR/LAVADOR DO PÁRA-BRI-
SA TRASEIRO (OPCIONAL)

33
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

NORMAS DE SEGURANÇA
Este símbolo é seu sinal de alerta. A GRANDE MAIORIA DOS ACIDENTES DE

! FIQUE ATENTO! SUA SEGURAN-


ÇA ESTÁ ENVOLVIDA.
TRABALHO OCORREM DEVIDO À NÃO OB-
SERVAÇÃO DAS MAIS SIMPLES REGRAS DE
SEGURANÇA. ACIDENTES PODEM SER EVI-
Leia e observe todas as instruções de segu-
rança que tenham as palavras ATENÇÃO e PE- TADOS TOMANDO MEDIDAS CORRETAS AN-
RIGO. TES QUE ESTES OCORRAM. NENHUM DIS-
POSITIVO OU SISTEMA DE PROTEÇÃO, MES-
LEIA E ENTENDA O MANUAL DE OPERAÇÃO MO QUE SEJA BEM PROJETADO, PODE EVI-
E MANUTENÇÃO ANTES DE FUNCIONAR A TAR ACIDENTES.
MÁQUINA, OPERÁ-LA, EFETUAR SERVIÇOS
DE MANUTENÇÃO OU REPARO E ABASTECI- LEMBRE-SE: MAIS EFICIENTE QUE A CAUTE-
MENTO DE COMBUSTÍVEL. LA É A SUA ATENÇÃO COM A MÁQUINA!

Os símbolos de segurança na máquina foram


codificados em amarelo com bordas e texto em
preto para ALERTAR; e vermelho com bordas e
texto em branco para locais que apresentam
PERIGO.

34
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

DECALQUES
INSTRUÇÕES PARA PARTIDA DO MOTOR
COLOQUE O CORTE DE COMBUSTÍVEL NA
POSIÇÃO RUN E GIRE A CHAVE DE IGNIÇÃO ATÉ
A PARTIDA DO MOTOR. SE O MOTOR NÃO PEGAR
EM 30 SEGUNDOS DEIXE O MOTOR DE PARTIDA
ESFRIAR POR 2 MINUTOS ANTES DE UMA NOVA
TENTATIVA.

MOTOR FRIO
DEIXE O MOTOR TRABALHAR NA MARCHA LENTA
OU A 1/4 DA ACELERAÇÃO MÁXIMA. AUMENTE
A ROTAÇÃO DO MOTOR ATÉ 1/2 DA ACELERAÇÃO
MÁXIMA ATÉ QUE O INDICADOR DE TEMPERATURA
DO LÍQUIDO DE ARREFECIMENTO COMECE A
INDICAR AQUECIMENTO. DEIXE O MOTOR TRABA-
LHAR NESTA CONDIÇÃO ATÉ QUE ATINJA A
TEMPERATURA NORMAL DE FUNCIONAMENTO.

MOTOR QUENTE
DÊ A PARTIDA NO MOTOR COM O PEDAL DO
ACELERADOR PRESSIONADO EM 1/4 DO SEU
CURSO TOTAL.

INSTRUÇÕES PARA PARADA DO MOTOR


ANTES DE DESLIGAR O MOTOR DEIXE-O TRABA-
LHAR A 1/4 DE SUA ACELERAÇÃO MÁXIMA POR
3 A 4 MINUTOS.

! ATENÇÃO
NA PARTIDA
! ESTA MÁQUINA E SEUS ACESSÓRIOS DEVE
SER OPERADA ÚNICAMENTE POR OPERADOR
Q U A L I F I C A D O , S E N TA D O O U E M P É ,
CONFORME NECESSÁRIO.
! CERTIFIQUE-SE DE QUE NENHUMA PESSOA
ESTEJA NAS IMEDIAÇÕES ANTES DE SOLTAR

ADVERTÊNCIA
!
O FREIO DE ESTACIONAMENTO E MOVIMENTAR

!
A MÁQUINA OU SEUS ACESSÓRIOS.
NÃO LIGUE O MOTOR DESTA MÁQUINA EM
RECINTOS FECHADOS QUE NÃO DISPONHAM
ATENÇÃO
DE VENTILAÇÃO ADEQUADA PARA ELIMINA-
ÇÃO DOS GASES DE ESCAPAMENTO. Colocar sempre o interruptor principal na posiçãø
! OBEDEÇA O SINALIZADOR, INDICAÇÕES de bloqueio antes de limpar ou consertar
E SINAIS DE SEGURANÇA. a máquina, executar operações de manutenção
e depois que a máquina foi estacionada.
AO DESLIGAR 79013499
! ANTES DE DEIXAR O ASSENTO DO OPERADOR
E APÓS CERTIFICAR-SE DE QUE NENHUMA
PESSOA ESTEJA NAS IMEDIAÇÕES:
! ABAIXE LENTAMENTE OS EQUIPAMENTOS
ATÉ QUE SE ENCONTREM APOIADOS NO
CHÃO E RETORNE OS COMANDOS PARA
Leia o manual do operador. A POSIÇÃO NORMAL.
! COLOQUE A ALAVANCA DE COMANDO
DA TRANSMISSÃO EM NEUTRO.
Ajuste o cinto de segurança. ! COLOQUE OS CONTROLES DO MOTOR NA
POSIÇÃO DESLIGADO E RETIRE A CHAVE
DA IGNIÇÃO.
O transporte de passageiros ! ACIONE O FREIO DE ESTACIONAMENTO.
não é permitido. ! DESLIGUE A CHAVE PRINCIPAL DO SISTEMA
ELÉTRICO.

Mantenha outras pessoas ! NÃO ESTACIONE SOBRE A PISTA DE RODA-


GEM OU PRÓXIMO. CASO ISSO SEJA
afastadas da máquina. NECESSÁRIO, COLOQUE A SINALIZAÇÃO DE
ADVERTÊNCIA.
75238930

35
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

ESTRUTURA DE PROTEÇÃO PARA O OPERADOR MASSA / MASS - MAX.


OPPERATORS PROTECTIVE STRUCUTURE
20.000 kg
44.050 lbs
MODELOS / MODELS
845 / 865 / 885 Nº SÉRIE / SERIAL

P/N
APROVAÇÃO
STANDARDS ISO 3471 / 3449 - SAE J1040D/J231 - OSHA
FG-AD51

! ATENÇÃO

ÁREA DE
PERIGO
Mantenha-se
afastado.

! CUIDADO
REMOVA O PARAFUSO DE FIXAÇÃO
DA BARRA DE INCLINAÇÃO DAS
RODAS DIANTEIRAS ANTES DA
OPERAÇÃO DA MÁQUINA.

36
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

! WARNING
COME-HOME
MODO DE EMERGÊNCIA DA TRANSMISSÃO
Come-home is a hardware function which allows limited machine operation in the event of
transmission components failure. If it is not possible to replace the Transmission Control Module
in the field, disconnect the gray connectors, 1 from 2 and 3 from 4. Then, connect connectors 2
and 3. This procedure will allow limited transmission operation to drive the machine to the workshop
for repair.
Come-home é uma função de emergência para que a máquina possa ser conduzida no caso de
falha de algum componente da transmissão. Caso a substituição do Módulo de Controle da
Transmissão não seja possível, desconecte os conectores 1 de 2 e 3 de 4. Conecte então os
conectores 2 e 3. Este procedimento permitirá uma operação limitada da transmissão, para
conduzir a máquina a uma oficina para reparo.

For more details on operating this system, see the operators manual.
Para mais detalhes sobre a operação deste sistema, veja o manual do operador.
GRAY GRAY
CINZA 1 3 CINZA

GRAY GRAY
CINZA 2 4 CINZA

WELDING SERVICE
SERVIÇO DE SOLDAGEM BLACK
When welding operations are required, PRETO
disconnect the black connector before welding.
Quando forem necessários serviços de soldagem,
desconecte o conector preto.

! ADVERTÊNCIA

PERIGO DECORRENTE
DE SISTEMA
PRESSURIZADO
Alivie a pressão antes
de fazer manutenção
336009A1
! ATENÇÃO
PERIGO DECORRENTE
DE SISTEMA
PRESSURIZADO
Alivie a pressão antes
de fazer a manutenção
334016A1

IMPORTANTE
O SISTEMA DE ARREFECIMENTO É
PROTEGIDO COM UMA SOLUÇÃO DE
50 a 60% DE ETILENO GLICOL E ÁGUA

!
PARA UMA PROTEÇÃO ATÉ -38°C (-34°F).
ADVERTÊNCIA NÃO USE ÉLEO SULÚVEL COMO ADITIVO.

PERIGO DECORRENTE
DE LÍQUIDO QUENTE
SOB PRESSÃO.
Faça a manutenção
somente quando o
motor estiver frio.
334665A1

! ATENÇÃO
PERIGO DE EXPLOSÃO
Leia o procedimento no
Manual de Operação
antes de realizar partida
auxiliar ou outro serviço.
Evite ferimentos!
412475A1

37
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

! ADVERTÊNCIA

RISCO DE
ESMAGAMENTO

Mantenha
distância.
334575A1

! ATENÇÃO ! ATENÇÃO

PERIGO DE
ESMAGAMENTO PERIGO DE
ESMAGAMENTO
Mantenha-se
afastado. Mantenha-se
afastado.
283609A1

283609A1

! ATENÇÃO ! ATENÇÃO

PERIGO DE PERIGO DE
ESMAGAMENTO ESMAGAMENTO
Mantenha-se Mantenha-se
afastado. afastado.
283609A1
283609A1

! ADVERTÊNCIA

! ADVERTÊNCIA

RISCO DE
ESMAGAMENTO

Mantenha
distância.
334575A1

RISCO DE
ACIDENTE
Mantenha distância ou
desligue o motor antes
de efetuar manutenção.
334035A1

38
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

INSTRUÇÕES PARA PARTIDA DO MOTOR


COLOQUE O CORTE DE COMBUSTÍVEL NA
POSIÇÃO RUN E GIRE A CHAVE DE IGNIÇÃO ATÉ
A PARTIDA DO MOTOR. SE O MOTOR NÃO PEGAR
! ADVERTÊNCIA
EM 30 SEGUNDOS DEIXE O MOTOR DE PARTIDA
ESFRIAR POR 2 MINUTOS ANTES DE UMA NOVA PERIGO DECORRENTE
TENTATIVA.
DE LÍQUIDO QUENTE
MOTOR FRIO SOB PRESSÃO.
Faça a manutenção
DEIXE O MOTOR TRABALHAR NA MARCHA LENTA somente quando o
OU A 1/4 DA ACELERAÇÃO MÁXIMA. AUMENTE
A ROTAÇÃO DO MOTOR ATÉ 1/2 DA ACELERAÇÃO motor estiver frio.
MÁXIMA ATÉ QUE O INDICADOR DE TEMPERATURA 334665A1
DO LÍQUIDO DE ARREFECIMENTO COMECE A
INDICAR AQUECIMENTO. DEIXE O MOTOR TRABA-
LHAR NESTA CONDIÇÃO ATÉ QUE ATINJA A
TEMPERATURA NORMAL DE FUNCIONAMENTO.

MOTOR QUENTE ! ATENÇÃO


DÊ A PARTIDA NO MOTOR COM O PEDAL DO
ACELERADOR PRESSIONADO EM 1/4 DO SEU PERIGO DE EXPLOSÃO
CURSO TOTAL.
Leia o procedimento no
INSTRUÇÕES PARA PARADA DO MOTOR Manual de Operação
antes de realizar partida
ANTES DE DESLIGAR O MOTOR DEIXE-O TRABA- auxiliar ou outro serviço.
LHAR A 1/4 DE SUA ACELERAÇÃO MÁXIMA POR Evite ferimentos!
3 A 4 MINUTOS.
412475A1

! ADVERTÊNCIA ! ATENÇÃO ! ATENÇÃO

RISCO DE PERIGO DE ÁREA DE


ESMAGAMENTO ESMAGAMENTO PERIGO
ADVERTÊNCIA
Mantenha Mantenha-se Mantenha-se
afastado. afastado.
distância.
334575A1 283609A1

Leia o manual do operador.

Ajuste o cinto de segurança.

O transporte de passageiros
não é permitido.
Mantenha outras pessoas
afastadas da máquina.

IMPORTANTE
O SISTEMA DE ARREFECIMENTO É
PROTEGIDO COM UMA SOLUÇÃO DE
50 a 60% DE ETILENO GLICOL E ÁGUA
PARA UMA PROTEÇÃO ATÉ -38°C (-34°F).
NÃO USE ÉLEO SULÚVEL COMO ADITIVO.

! ATENÇÃO
Colocar sempre o interruptor principal na posiçãø
de bloqueio antes de limpar ou consertar
a máquina, executar operações de manutenção
e depois que a máquina foi estacionada.
79013499

39
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

SINAIS DE MÃO
É recomendável que tanto você quanto o sinaleiro utilizem sinais de mão para se comunicarem.
Antes de iniciar o trabalho, certifique-se de que ambos entendam bem os sinais que irão ser usados.

LIGUE O MOTOR DESLIGUE O MOTOR

APROXIME-SE AFASTE-SE
Movimento das mãos para a frente e para trás Movimento das mãos para a frente e para trás
com as palmas voltadas para o sinaleiro. com as palmas voltadas para o operador.

40
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

ATÉ AQUI PARE TUDO E MANTENHA

PARE PARADA DE EMERGÊNCIA


Movimento de uma das mãos de um lado para Movimento rápido das duas mãos de um lado
o outro para o outro

LEVANTE O IMPLEMENTO ABAIXE O IMPLEMENTO

41
SEGURANÇA/DECALQUES/SINAIS DE MÃO

LEVANTE LENTAMENTE O EQUIPAMENTO ABAIXE LENTAMENTE O EQUIPAMENTO

VIRE A MÁQUINA PARA A ESQUERDA VIRE A MÁQUINA PARA A DIREITA


(INCLINE A LÂMINA PARA A ESQUERDA) (INCLINE A LÂMINA PARA A DIREITA)
Para parar o movimento, pare de movimentar a Para parar o movimento, pare de movimentar a
mão e feche o punho. mão e feche o punho.

42
CONTROLES E INSTRUMENTOS
CONTROLES E INSTRUMENTOS

POSTO DO OPERADOR

IMPORTANTE: Quando no presente manual empregam-se os termos direito e


esquerdo, o ponto de referência é o posto do operador (assento), em posição de
conducnao da máquina, olhando para a frente.

Algumas das descrições a seguir se referem a


itens opcionais. Consulte o seu Concessionário
CASE a respeito dos opcionais disponíveis para
a sua máquina.
Para maior facilidade de leitura e conhecimento
dos comandos e instrumentos desta máquina,
separamos os mesmos 5 grupos, de acordo com
a figura ao lado.
GRUPO 1
Conjunto de alavancas de controle dos implemen-
tos (lado esquerdo).
Conjunto de alavancas de controle dos implemen-
tos (lado direito).
GRUPO 2
Volante, console e pedais.
GRUPO 3
Caixa de fusíveis, alavanca de comando de ace-
lerador manual, alavanca de comando da trans-
missão, painel dos interruptores, painel dos ins-
trumentos (digital), chave geral, tomada de força
e chave de ignição.
GRUPO 4
Assento do operador e freio de estacionamento.
GRUPO 5
Cabine

43
CONTROLES E INSTRUMENTOS

COMANDOS DA CABINE
GRUPO 1 4. ALAVANCA DE INCLINAÇÃO DA
LÂMINA
Conjunto de alavancas de controle dos
implementos lado esquerdo Esta alavanca permite inclinar a lâmina para fren-
te ou para trás. Empurre a alavanca para frente
(aumentar) ou puxe-a para trás (diminuir) o ân-
gulo de ataque. Após atingir o ângulo desejado,
solte a alavanca para que ela retorne à posição
neutra.
2 5. ALAVANCA DE ROTAÇÃO DO
1 4
CÍRCULO
5 Esta alavanca é usada para girar o círculo nos
sentidos horário e anti-horário.
Mova a alavanca para frente para girar o círculo
3 no sentido anti-horário ou para trás para girá-lo
no sentido horário. Após atingir a posição dese-
jada, solte a alavanca para que ela retorne à po-
1. ALAVANCA DO CILINDRO DE sição neutra.
LEVANTAMENTO LATERAL ES-
QUERDO Conjunto de alavancas de controle dos
implementos lado direito
Esta alavanca é usada para abaixar ou elevar a
extremidade esquerda da lâmina. Mova a alavan-
ca para frente para abaixar ou para trás para ele-
var. Após atingir a altura desejada, solte a ala- 7
vanca para que ela retorne à posição neutra. 8 9
2. ALAVANCA DO ESCARIFICADOR/ 6
RIPPER OU LÂMINA FRONTAL
É usada para abaixar ou levantar o ripper, de for-
ma a atingir a penetração desejada. Para abai-
xar o ripper empurre a alavanca para frente. Para
levantar puxe para trás. Ao atingir a altura dese-
jada, solte a alavanca.
6. ALAVANCA DE DESLOCAMENTO
3. ALAVANCA DE DESLOCAMENTO LATERAL DO CÍRCULO
LATERAL DA LÂMINA
Esta alavanca à usada para deslocar o círculo
Esta alavanca permite deslocar a lâmina para a para a direita ou para a esquerda. Mova a ala-
direita ou para a esquerda. Empurre a alavanca vanca para frente para deslocar o circulo para a
para frente para deslocar a lâmina para a esquer- esquerda ou para trás para deslocar para a direi-
da ou puxe-a para trás para deslocá-la para a ta. Após deslocar o circulo até atingir a posição
direita. Após deslocar a lâmina até a posição de- desejada, solte a alavanca para que ela retorne
sejada, solte a alavanca para que ela retorne à à posição neutra.
posição neutra.

44
CONTROLES E INSTRUMENTOS

7. ALAVANCA DE ARTICULAÇÃO GRUPO 2


DA MÁQUINA
Volante, console e pedais
Mova a alavanca para frente (articulação à es-
querda) ou para trás (articulação à direita) até 1 4
atingir o ângulo de articulação desejado. Solte a
5 7
alavanca para que ela volte à posição neutra.
8. ALAVANCA DE INCLINAÇÃO DAS
RODAS DIANTEIRAS 3

A alavanca de inclinação das rodas dianteiras,


inclina as rodas para a esquerda ou direita, man-
tendo a estabilidade para nivelar ou abrir vale- 2 6
tas, e para facilitar ou diminuir o raio de giro da
máquina. Mova a alavanca para frente para incli-
nar as rodas para a esquerda ou para trás para 1. ALAVANCA DOS FARÓIS DIANTEIROS/LUZ
incliná-las para a direita. Após atingir a posição BAIXA E ALTA, LUZES DIRECIONAIS E BUZINA
desejada, solte a alavanca para que ela retorne 2. VOLANTE
3. MONITOR ELETRÔNICO; VELOCÍMETRO,
à posição neutra.
HORÍMETRO E TACÔMETRO DIGITAIS
9. ALAVANCA DE LEVANTAMENTO 4. BLOQUEIO DO DIFERENCIAL (OPCIONAL)
DA LÂMINA 5. INDICADOR DIGITAL DE MARCHAS E
DIAGNÓSTICOS
Esta alavanca é utilizada para abaixar ou elevar 6. MANOPLA DE INCLINAÇÃO DO VOLANTE
a extremidade direita da lâmina. Mova a alavan- 7. HORÍMETRO
ca para frente para abaixar ou para trás para ele-
var. Após atingir a altura desejada, solte a ala-
vanca para que ela retorne à posição neutra.
10. LUZES DE ADVERTÊNCIA

10

9 10
8 11

8. PEDAL DO “INCHING”
9. PEDAL DE INCLINAÇÃO DO CONSOLE
10. PEDAL DE FREIO
Acione este sinal sempre que a máquina estiver 11. PEDAL DO ACELERADOR/DESACELERADOR
em situações que apresentem perigo.

45
CONTROLES E INSTRUMENTOS

1. ALAVANCA DAS LUZES DE TRA- Para acionar a buzina: pressione a extremidade


BALHO, FAROL ALTO E BAIXO, INDI- da alavanca dos indicadores de direção.
CADORES DE DIREÇÃO E BUZINA Para acionar os indicadores de direção para a
direita, empurre a alavanca para frente.
Para acionar os indicadores de direção para a
esquerda, puxe a alavanca para trás.
2. VOLANTE DA DIREÇÃO
O volante está afixado em uma unidade orbitrol.
O orbitrol é uma combinação de válvula e bomba
de óleo, e é responsável pelo fornecimento de
óleo aos cilindros de direção. O volante pode ser
Para acionar as Luzes de Estacionamento: gire reclinado através de uma alavanca para se obter
o comutador de iluminação da extremidade da uma posição de operação mais adequada ao
alavanca dos indicadores de direção uma po- operador.
sição.
Para acionar as Luzes de Trabalho: gire o comu-
tador de iluminação da extremidade da alavanca
dos indicadores de direção duas posições.

Para acionar os Faróis Alto e Baixo: mova a ala-


vanca para cima, uma posição (com o interruptor
de iluminação girado para a posição “ON”) e o
farol alto acenderá.
Para acionar os Faróis Alto e Baixo: mova a ala-
vanca para cima, duas posições (com o interrup-
tor de iluminação girado para a posição “ON”) e
o farol baixo acenderá.
Mova a alavanca para cima, para a posição su-
perior momentaneamente e solte-a (com o co-
mutador de iluminação girado para a posicão
“ON”) e o farol alto piscará, retornando à posição
do farol baixo.

46
CONTROLES E INSTRUMENTOS

3. PAINEL ELETRÔNICO, VELOCÍMETRO, HORÍMETRO E TACÔMETRO


DIGITAIS

20
Q 15
10 10
O L 20 N M
10
G F 5
B J
A C 40
25 H P D
km/h
I K mph 46
T EMERGÊNCIA
P
0

E RPM R
h
S

O dispositivo de controle da eficiência da máqui- 2. Após a fase de teste os indicadores a seguir


na, indica anormalidade no funcionamento dos serão desligados e permanecerão assim en-
grupos da mesma. Suas indicações são feitas quanto o motor estiver desligado:
através de LEDS (diodo emissor de luz). • Carga baixa da bateria E;
Os sensores que transmitem as informações são • Pressão baixa do óleo da transmissão F;
do tipo ON/OFF são ligados através de conecto-
res na parte traseira do monitor. • Pressão baixa do óleo do motor G;
O monitor eletrônico permite ao operador acom- • Pressão baixa do freio (acumuladores esti-
panhar melhor todos os controles funcionais da verem descarregados) H;
máquina sem deixar o posto do operador. • Freio de estacionamento D (se o freio estiver
DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO acionado).
Verificação do painel eletrônico: Toda vez que desligar e ligar a chave de igni-
ção da máquina, o painel eletrônico fará um
1. Com o motor da máquina desligado e a cha- ciclo de teste.
ve de ignição na posição RUN, o sistema elé-
trico estará energizado.
Todos os LEDS piscarão simultaneamente
por alguns segundos para verificar o perfeito
funcionamento do painel. Esta é a fase de
teste do painel.
IMPORTANTE: Com o motor em funcio-
namento, e a chave de ignição na posi-
ção ON, o painel eletrônico estará com
todas as lâmpadas desligadas, exceto
quando o freio de estacionamento esti-
ver acionado.

47
CONTROLES E INSTRUMENTOS

Os indicadores citados apagarão com exceção 5. Bloqueio do diferencial só funciona com o


do indicador do freio de estacionamento (enquan- freio de estacionamento desacionado e so-
to acionado) D e a pressão do freio H (até que os mente da 1ª à 7ª velocidades.
acumuladores se carreguem). 6. Q - Velocímetro registra a velocidade da má-
3. Se alguma anomalia ocorrer (no caso das fun- quina.
ções descritas neste painel), o indicador cor- R - Tacômetro, indica a rotação do motor em
respondente acenderá acompanhado do alar- rotações por minuto.
me sonoro (ver item 4).
S - Não disponível.
4. Os indicadores a seguir não acionam o alar-
me sonoro:
• Freio de estacionamento D
• Emergência da direção (Opcional) P
• Bloqueio do diferencial T
• Luz de alerta L
• Farol alto N
• Indicadores de direção O e M .

INDICADORES DO PAINEL DE INSTRUMENTOS


A. TEMPERATURA DA ÁGUA DO C. TEMPERATURA DO ÓLEO DA
MOTOR TRANSMISSÃO
Quando o sinalizador acende, evidencia um Quando este indicador acende, evidencia uma
aquecimento excessivo da água do motor que temperatura elevada que pode ser causada por:
pode ser causada por: • Filtro da aspiração obstruido
• Falta de água no sistema • Nível de óleo muito baixo
• Sujeira depositada nas aletas do radiador • Anormalidades de funcionamento do circuito
• Entupimento do circuito hidráulico
• Sistema hidráulico do ventilador com funcio- • Termostato defeituoso
namento incorreto D. FREIO DE ESTACIONAMENTO
• Termostato defeituoso O sinalizador aceso indica que o freio de estacio-
B. TEMPERATURA DO ÓLEO namento está acionado.
HIDRÁULICO E. BAIXA CARGA DA BATERIA
Quando este indicador acende, evidencia uma O indicador aceso com o motor em funcionamen-
temperatura elevada que pode ser causada por: to indica anormalidade no sistema de carga da
• Viscosidade inadequada do óleo bateria, que pode ser causado por:
• Nível baixo de óleo • Alternador defeituoso
• Anormalidade no funcionamento do circuito. • Resistor de carga danificado
• Termostato defeituoso

48
CONTROLES E INSTRUMENTOS

F. PRESSÃO BAIXA DO ÓLEO DA K. RESTRIÇÃO DO FILTRO DE


TRANSMISSÃO ÓLEO DA TRANSMISSÃO
Quando este indicador acende, indica pressão Este indicador aceso constantemente, indica res-
baixa do óleo da transmissão e as causas prová- trição alta do elemento do filtro de óleo, que deve
veis são: ser limpo ou substituído.
• Viscosidade inadequada do óleo L. INDICADOR DE ADVERTÊNCIA
• Nível de óleo muito baixo Este indicador pisca quando acionado o inter-
• Anormalidade no funcionamento do circuito ruptor localizado na lateral direita do console
dianteiro.
G. PRESSÃO BAIXA DO ÓLEO DO
MOTOR M. INDICADOR DE DIREÇÃO LD

Quando este indicador acende, indica pressão N. LED INDICADOR DE FAROL


baixa do óleo do motor e as causas prováveis ALTO
são: O. INDICADOR DE DIREÇÃO LE
• Viscosidade inadequada do óleo P. EMERGÊNCIA DA DIREÇÃO
• Nível de óleo muito baixo / vazamento (OPC)

• Defeito no sensor de pressão Acende sempre que a bomba de emergência da


direção entra em funcionamento.
• Anormalidade no funcionamento do motor
Máquinas equipadas com este sistema devem ser
H. PRESSÃO BAIXA DO FREIO testadas todos os dias antes de iniciar o traba-
Quando este indicador acende, indica pressão lho. O teste é feito com a chave de ignição na
baixa no circuito do freio que pode ser causada posição “IGN”, e girando o volante da direcão le-
por: vemente. A bomba auxiliar movida por um motor
elétrico atua no sistema de direção e o indicador
• Anomalias na bomba
“P” no painel acenderá.
• Entrada de ar na tubulação
Para finalizarmos o teste (que não pode durar
• Vazamento de óleo muito tempo, pois este motor elétrico de emer-
• Sensor defeituoso gência consome muita corrente), deve-se dar a
partida no motor. O sistema de emergência da
I. RESTRIÇÃO DO FILTRO DE AR direção será automaticamente cancelado. Após
Este indicador aceso constantemente, indica res- o dia de trabalho ou em qualquer momento em
trição alta do elemento do filtro de ar, que deve que a máquina não estiver trabalhando (motor
ser limpo ou substituído. parado), deve-se desligar a chave geral localiza-
• Sensor defeituoso da na parte traseira do console lateral para evitar
que o motor da emergência de direção fique em
J. RESTRIÇÃO DO FILTRO DE funcionamento, evitando assim o consumo des-
ÓLEO HIDRÁULICO necessário das baterias.
Este indicador aceso constantemente, indica res- 4. BLOQUEIO DO DIFERENCIAL
trição alta do elemento do filtro hidráulico, que (OPCIONAL)
deve ser limpo ou substituído.
Este botão serve para bloquear ou desbloquear
• Sensor defeituoso o diferencial do eixo traseiro quando necessário.

49
CONTROLES E INSTRUMENTOS

Para efetuar manobras o operador deve desligar Pressionando completamente o pedal de controle
o bloqueio. No transporte em vias públicas é proi- do inching ativa o interruptor que coloca a trans-
bida a utilização do bloqueio. missão em neutro. Assim que o pedal do inching
5. INDICADOR DE MARCHAS E é suavemente liberado para a posição de com-
DIAGNÓSTICOS pletamente liberado (para cima), a pressão para
o pacote de embreagens (para marcha em uso),
Este indicador mostra em que marcha está a é gradualmente aumentada. Permitindo assim
transmissão, indica a calibração da transmissão que a máquina inicie sua movimentação.
e quando houver anomalias mostra um código
de erro facilitando assim o reparo da mesma. 9. PEDAL DE INCLINAÇÃO DO
CONSOLE
Quando a chave de ignição é girada para a posi-
ção ON, aparecerá três vezes os caracteres
(TD DC ER) no topo do mostrador e três (8’s). O
primeiro 8 terá uma linha diagonal ; isto é, uma
verificação de todos os indicadores luminosos
(LEDs).
Se a chave de ignição estiver na posição de par-
tida (RUN), sem girar o motor de partida, a exibi-
ção no mostrador brilhará indicando ER100 em
poucos segundo.
Isto significa a versão de revisão do software da O console pode ser ajustável para maior confor-
unidade eletrônica da transmissão. to do operador. Pressione o pedal, posicione o
Também há um código de erro ER100, mas este console conforme desejado e, em seguida, solte
código aparece durante a recalibração. o pedal.
O código de revisão pode eventualmente mudar. 10. PEDAL DO FREIO
Os próximos serão ER101, ER102,etc. Pressione-o para parar a motoniveladora. Este
6. ALAVANCA DE INCLINAÇÃO DO pedal atua no freio de serviço.
VOLANTE NOTA: Não desça declives acentuados utilizan-
Solte a alavanca e ajuste a posição do volante do apenas o freio de serviço. Reduza a marcha e
da direção para a frente ou para trás, de forma a aplique os freios. Selecione uma marcha mais
conduzir a máquina confortavelmente. Aperte reduzida, permitindo controle total da máquina.
novamente a alavanca certificando-se de que o Isto evitará a elevação demasiada da rotação do
volante não se move. motor e superaquecimento dos freios, proporcio-
nando maior vida útil dos componentes.
7. HORÍMETRO
11. PEDAL DO ACELERADOR E
O horímetro indica as horas de trabalho acumu- DESACELERADOR
ladas pela máquina.
Este pedal é ligado ao controle de aceleração do
8. PEDAL DO “INCHING” motor. Para acelerar o motor pressione a parte
Serve para prover ao operador a habilidade para dianteira do pedal. Para desacelerar pressione a
mover a máquina em carga com suave e preciso parte traseira do pedal. Quando o pedal é libera-
controle de velocidade (o pedal do inching não do, o controle da rotação do motor volta para o
deve ser utilizado continuamente para controle sistema de aceleração manual.
de velocidade e tração por mais de 25 metros).
50
CONTROLES E INSTRUMENTOS

GRUPO 3 2. ALAVANCA DE CONTROLE DO


ACELERADOR
Caixa de fusíveis, alavanca de comando do ace-
lerador manual, alavanca de comando da trans-
missão, painel dos interruptores, painel dos ins-
trumentos (digital), chave geral, tomada de cor-
rente e interruptor de ignição.

2 3 5 7

O motor ficará em baixa rotação com a alavanca


6 4 do acelerador toda para frente e aumentará a
rotação quando estiver toda para trás.
1 8 3. ALAVANCA DE MUDANÇA DE
MARCHAS

1. CAIXA DE FUSÍVEIS
2. ALAVANCA DE COMANDO DO ACELERADOR
MANUAL
3. ALAVANCA DE COMANDO DA TRANSMISSÃO
4. PAINEL DOS INTERRUPTORES
5. PAINEL DOS INSTRUMENTOS (DIGITAL)
6. INTERRUPTOR DE IGNIÇÃO
7. CHAVE GERAL
8. TOMADA DE FORÇA

1. CAIXA DE FUSÍVEIS

As posições de comando da alavanca de mu-


danças são as seguintes:
F - Para frente
N - Neutro
Na caixa de fusíveis estão localizados todos fu- R - Para trás
síveis da máquina. DS - Redução de marcha
US - Mudança de marcha
Para identificação correta da posição de cada
fusível, verifique o esquema elétrico.

51
CONTROLES E INSTRUMENTOS

A alavanca de mudança das marchas é usada TRAVA DO NEUTRO


para selecionar a marcha apropriada, tanto para
a frente como para a ré.
Estas máquinas estão equipadas com uma trans-
missão de 8 marchas a frente e 4 a ré.
A troca de marchas é feita através de um seletor
eletrônico que tem também como função impe-
dir a troca indevida das marchas.
Através deste seletor pode-se escolher a mar- Anel de trava

cha (1ª , 2ª, etc) e a direção (frente ou ré).


O seletor possui um indicador digital que mostra
em que marcha se encontra a transmissão. Se o A trava do neutro é um dispositivo que mantém a
mostrador digital informar um código de erro (error alavanca bloqueada (transmissão em neutro)
code) quer dizer que existe alguma anormalida- evitando assim um deslocamento da mesma não
de no funcionamento da transmissão. Neste caso, desejado.
procure um Concessionário CASE para corrigir
Para se obter marchas avante ou ré é necessá-
o defeito.
rio puxar o anel de trava para cima, segurar e
Partindo do neutro, ao mover a alavanca (para levar a alavanca a para a posição desejada.
frente ou para trás), a transmissão seleciona,
automaticamente, a 1ª marcha de acordo com a
direção escolhida (1ª a frente ou 1ª a ré).
A seleção das demais marchas é feita através de
um simples toque na alavanca seletora, para a
direita (aumento da velocidade) ou para a esquer-
da (redução da velocidade). O mostrador digital
indicará sempre a direção e em que marcha a
maquina está, de forma que o operador estará
sempre informado da marcha que está selecio-
nada.
Quando a máquina estiver parada, qualquer mar-
cha inferior a F3 ou R2 pode ser selecionada para
partir novamente.

52
CONTROLES E INSTRUMENTOS

4. Painel de Interruptores

1. INTERRUPTOR DE TRAVA DA SELA 4. INTERRUPTOR DE FLUTUAÇÃO DA LÂ-


Este interruptor ativa e desativa a função de tra- MINA PRINCIPAL LD
va da sela. Este interruptor ativa e desativa a função de
Para ativar a trava da sela, posicione o interrup- flutuação da lâmina principal.
tor na posição liga. Para desativar a função, mude Para ativar a flutuação, posicione o interruptor na
o interruptor para a posição desliga. posição “ON”. Para desativar a função, mude o
2. INTERRUPTOR DO RIPPER OU interruptor para a posição “OFF”.
ESCARIFICADOR 5. INTERRUPTOR DE FLUTUAÇÃO DA LÂMI-
Este interruptor ativa e desativa a função do ripper NA FRONTAL
ou do escarificador. Este interruptor ativa e desativa a função de
São interruptores do tipo liga/desliga, que ativam flutuação da lâmina frontal.
a válvula solenóide que envia o óleo hidráulico Para ativar a flutuação, posicione o interruptor na
para os cilindros do ripper ou do escarificador. posição “ON”. Para desativar a função, mude o
Para ativar a flutuação, posicione o interruptor na interruptor para a posição “OFF”.
posição “ON”. Para desativar a função, mude o 6. INTERRUPTOR ANTI-CHOQUE DA LÂMI-
interruptor para a posição “OFF”. NA PRINCIPAL
3. INTERRUPTOR DE FLUTUAÇÃO DA LÂMI- Este interruptor ativa e desativa a função anti-
NA PRINCIPAL LE choque dos cilindros da lâmina principal.
Este interruptor ativa e desativa a função de Para ativar a função anti-choque, posicione o in-
flutuação da lâmina principal. terruptor na posição “ON”. Para desativar a fun-
Para ativar a flutuação, posicione o interruptor na ção, mude o interruptor para a posição “OFF”.
posição “ON”. Para desativar a função, mude o 7. PARTIDA A FRIO
interruptor para a posição “OFF”. Este interruptor ativa e desativa a função de par-
tida a frio.

53
CONTROLES E INSTRUMENTOS

8. LIMP-HOME 15. LUZES DE TRABALHO LÂMINA


Este interruptor é utilizado em caso de falha da Este interruptor aciona as luzes de trabalho da
unidade de controle eletrônica, para levar a má- lâmina.
quina até a oficina, caso a substituição da unida- 16. LUZES DE TRABALHO TRASEIRAS
de não seja possível imediatamente. O interrup-
tor possui três posições: Frente, Neutro e Ré, sen- Este interruptor aciona as luzes de trabalho tra-
do necessário colocá-lo na posição neutro com seiras.
o freio de estacionamento acionado para se con- 17. LUZES DE TRABALHO DIANTEIRAS
seguir dar a partida no motor.
Este interruptor aciona as luzes de trabalho di-
9. LIMPADOR DO PÁRA-BRISA DIANTEIRO anteiras.
Este interruptor é utilizado para acionar o limpa-
dor do pára-brisa dianteiro.
10. LAVADOR DO PÁRA-BRISA DIANTEIRO
Este interruptor é utilizado para acionar o lava-
dor dos vidros dianteiros.
11. LIMPADOR DO VIDRO TRASEIRO
Este interruptor é utilizado para acionar o limpa-
dor do vidro traseiro.
12. LAVADOR DO VIDRO TRASEIRO
Este interruptor é utilizado para acionar o lava-
dor do vidro traseiro.
13. INTERRUPTOR DO AR CONDICIONADO
Este interruptor ativa o ar condicionado da cabi-
ne. Para acionar o ar condicionado, pressione o
lado do símbolo do interruptor.
14. INTERRUPTOR DE RECIRCULAÇÃO DO
AR CONDICIONADO
Este interruptor fecha a porta de recirculação da
cabine, evitando a entrada de ar externo para
dentro da cabine.
Para fechar a porta de recirculação da cabine,
pressione o lado do símbolo do interruptor.

54
CONTROLES E INSTRUMENTOS

5. Painel de Indicadores

A. PRESSÃO DE ÓLEO DO MOTOR


O manômetro do óleo do motor indica a pres-
são na qual está circulando o óleo lubrificante
do motor.
A faixa vermelha significa pressão insuficiente. A
1. CONTROLE DE AQUECIMENTO DA CA- faixa verde pressão normal de trabalho e a faixa
BINE amarela alta pressão de trabalho do óleo do motor.
Para aumentar a temperatura da cabine, gire o B. TEMPERATURA DA ÁGUA DO MOTOR
seletor de controle da temperatura no sentido
horário. Para diminuir a temperatura da cabine, • O ponteiro na faixa VERDE indica uma tem-
gire o seletor de controle da temperatura no sen- peratura normal (80° a 95° C).
tido anti-horário. • A faixa BRANCA indica baixa temperatura.
2. COMUTADOR DE CONTROLE DA VELOCI- • A faixa VERMELHA indica alta temperatura.
DADE DO VENTILADOR
Se durante o trabalho, o ponteiro do indicador de
Para aumentar a velocidade do ventilador da ca- temperatura permanecer na faixa BRANCA ou
bine, gire o comutador de controle do ventilador VERMELHA, pare a máquina e verifique as cau-
até a posição desejada. sas do problema.
Comutador de controle da velocidade do ventila- C. INDICADOR DE NÍVEL DE COMBUSTÍVEL
dor possui 4 posições:
A faixa verde indica volume de combustível para
0. Desligado trabalho normal. Quando o ponteiro atinge a fai-
I. Baixa velocidade xa vermelha significa que o volume de combustí-
II. Média velocidade vel chegou a reserva.
III. Alta velocidade Reabastecer o reservatório usando combustível
filtrado. É aconselhável efetuar o abastecimento
de combustível no fim de cada jornada de traba-
lho, para evitar a condensação durante o perío-
do noturno.
Não esgotar o combustível todo do reservatório,
pois causaria a entrada de ar no circuito de alimen-
tação e seria necessário efetuar a sangria do ar.

55
CONTROLES E INSTRUMENTOS

D. PRESSÃO DO ÓLEO DA TRANSMISSÃO 8. Interruptor de Partida


O ponteiro do manômetro da transmissão deve
permanecer dentro da faixa verde do mostrador, OFF
a qual indica a pressão normal de funcionamen- RUN
to. Se o ponteiro atingir a faixa vermelha, é sinal ACC
que a pressão do óleo está baixa. Não opere a
máquina com o ponteiro na faixa vermelha, até
encontrar a causa do problema e corrigi-la.
START
E. TEMPERATURA DO ÓLEO DA TRANSMIS-
SÃO
O ponteiro do indicador de temperatura do óleo
deve permanecer sempre dentro da faixa verde
do mostrador. A temperatura na faixa branca pode É um interruptor do tipo rotativo que pode ser
ocorrer devido a operações executadas com mar- acionado somente através da chave de partida.
cha reduzida. Não opere a máquina quando o
ponteiro do indicador encontrar-se na faixa ver- Possui 4 (quatro) posições, conforme indicado a
melha. Pare a máquina, posicione a alavanca seguir.
seletora em neutro e deixe o motor em marcha ACC - Acessórios
lenta até que a temperatura abaixe. Nesta posição, alguns circuitos como os limpa-
6. Chave Geral dores e faróis estão energizados.
As funções da máquina só poderão ser aciona- OFF - Desliga
das se a chave geral estiver ligada. Nesta posição, todos os circuitos estão desliga-
Quando a máquina tiver que permanecer desli- dos.
gada por um longo período de tempo, desligue a RUN - Liga
chave geral.
Nesta posição, são ativados todos os circuitos
7. Tomada de Corrente Auxiliar da máquina.
CUIDADO: Nunca deixe o interruptor de partida
na posição “ON” com o motor desligado.
START - Partida
Nesta posição são acionados os circuitos de par-
tida.

Tomada de corrente auxiliar de 24 volts.

56
CONTROLES E INSTRUMENTOS

SISTEMA DE AR CONDICIONADO, CALEFAÇÃO E


CIRCULAÇÃO DE AR
1. OPERAÇÃO Para ligar e desligar o sistema de calefação e
O painel de controle do ar condicionado localiza- desembaçador dos vidros dianteiro e traseiro,
do no interior da cabine, está montado à direita, pressione o interruptor.
sobre o console do operador. B3. INTERRUPTOR DE RECIRCULAÇÃO DO
AR NA CABINE
Botão liga/desliga para o início e fim
de operação do sistema de recircula-
ção ou renovação do ar.

B4. INTERRUPTOR DO AR CONDICIONADO


Botão liga/desliga o compressor do ar
condicionado.

Para a operação dos sistemas de ar condiciona-


A. INTERRUPTOR DE PARTIDA do, recirculação de ar ou calefação siga os se-
guintes passos:
B1. INTERRUPTOR DO VENTILADOR DA CA-
BINE 1. Dê partida no motor. As funções básicas da
máquina serão energizadas.
É um interruptor do tipo giratório, com
quatro posições, conforme a seguir: 2. Gire o interruptor do ventilador da cabine (1)
até a velocidade alta (III).
3. Pressione o botão de acionamento do siste-
0 - Desligado
ma B2, B3 ou B4.
1 - Velocidade baixa
2 - Velocidade média
3 - Velocidade alta
B2. INTERRUPTOR DE CALEFAÇÃO DA CA-
BINE
A máquina dispõe de um sistema que
aproveita o calor do sistema de arrefe-
cimento do motor. Para acioná-lo, man-
tenha o registro de água do motor per-
manentemente aberto, pois a recirculação de
água para calefação é controlada por uma vál-
vula solenóide quando acionado o interruptor da
calefação.

57
CONTROLES E INSTRUMENTOS

2. MANUTENÇÃO 2.1. CARGA DE REFRIGERANTE


A manutenção do sistema de ar condicionado e Para teste de vazamento e ou recarga usar ape-
calefação é limitada a três pontos: nas os registros A e B do compressor de ar.
A. Filtro de ar da caixa evaporadora. 1. Injetar 50 gramas de R134a e elevar a pres-
B. Compressor de ar são do sistema até 10 bar (145 psig) injetan-
do nitrogênio gasoso.
C. Condensador
2. Fazer teste de vazamento de gás. Caso exis-
ta, esvaziar o sistema e corrigir o vazamento.
A seguir repita o teste de vazamento.
3. Esvaziar o sistema.
1 4. Conectar as mangueiras do manifold
5. Conectar a bomba de vácuo no bico central
do manifold.
6. Abrir as válvulas do manifold e ligar a bom-
ba.
7. Aguarde 20 minutos, após os manômetros
marcarem um vácuo de 26 inHg. Fechar as
1. O FILTRO DE AR DA CAIXA EVAPORADORA válvulas e desconectar a bomba de vácuo.
DEVE SER LIMPO SEMPRE QUE
NECESSÁRIO OU A CADA 250 HORAS. 8. Conectar a mangueira do cilindro de carga,
abrir a válvula do manifold do lado de alta
pressão e injetar uma carga de 1200 gramas
de gás R134a.
9. Fechar a válvula do manifold, retirar a man-
gueira de carga de gás e repetir o teste de
1
vazamento.
10. Desconectar o manifold e colocar as tampas
na válvula de serviço.
NOTA: Esta tarefa deve ser realizada apenas por
um mecânico treinado ou um Revendedor Case.

1. COMPRESSOR DO AR CONDICIONADO

58
CONTROLES E INSTRUMENTOS

2.2. RECOMENDAÇÕES 2.3. MANUTENÇÃO


1. Ligar o ar condicionado somente com a ven- 1. A cada período de 6 meses executar um tes-
tilação da caixa ligada. te de vazamento.
2. Nunca obstruir a entrada da caixa 2. A cada troca de componente ou vazamento
evaporadora. da carga de R134a completar o nível do óleo
3. Se o rendimento do sistema estiver abaixo, com aproximadamente 50 ml pelo compres-
do especificado verificar: sor, com óleo PAG (polialclenaglicol). Se o
componente for o compressor não é neces-
• a pressão do refrigerante no sistema; sário completar, pois o mesmo já vem com
• teste de vazamento do refrigerante; óleo.
• funcionamento do ventilador da caixa 3. A cada mês ou quando a entrada de ar do
evaporadora; condensador estiver 20% obstruida executar
sua limpeza.
• obstrução do evaporador.
4. A cada ano verificar aperto dos parafusos e
4. Utilizar o sistema de ar condicionado pelo me-
o tensionamento da correia.
nos 10 minutos por semana.
5. Executar limpeza dos filtros do ar condicio-
5. Em caso de alta rotação do motor utilizar o
nado a cada mês ou quando verificar a redu-
ventilador na vazão máxima.
ção na vazão de ar.
6. Controlar periodicamente a limpeza externa
do condensador (não deve trabalhar com
mais de 20% de sua área obstruida).
7. Utilizar o ar condicionado com as portas e
vidros fechados.
8. Para o resfriamento rápido utilizar o controle
de recirculação do ar da cabine.

59
CONTROLES E INSTRUMENTOS

GRUPO 4
BANCO DO OPERADOR
Banco Standard

2 1
4
3

5 6

1. BOTÃO DE AJUSTE LOMBAR 5. MANOPLA DE AJUSTE DO PESO


Gire o botão no sentido horário para aumentar o Para ajustar a suspensão do banco conforme seu
apoio lombar; gire o botão no sentido para peso, é necessário puxar a manopla para fora
diminuir o apoio lombar. para liberá-la e girá-la no sentido horário para
2. CONTROLE DO DESCANSABRAÇO aumentar a carga suportada pelo banco ou no
sentido anti-horário para diminuir a carga supor-
Gire o botão para levantar ou abaixar o tada pelo banco.
descansabraço até a posição desejada.
6. AJUSTE DE ALTURA
NOTA: Cada descansa-braço é articulado e pode
ser girado para cima. Puxe esta alavanca para cima para levantar ou
abaixar o banco. Libere a alavanca para travar o
3. ALAVANCA DE AJUSTE DE banco em posições determinadas.
INCLINAÇÃO DO ENCOSTO
Levante a alavanca para liberar o encosto e mo-
vimente-o até a posição desejada. Solte a ala-
vanca para travar o encosto nesta posição.
4. ALAVANCA DE AJUSTE DESLI-
ZANTE
Empurre esta alavanca para trás e ajuste a posi-
ção do bando para a frente ou para trás. Solte a
alavanca para travar o banco na posição.

60
CONTROLES E INSTRUMENTOS

Banco com suspensão a ar


(opcional)

2 1 6
7
3
4
5

1. BOTÃO DE AJUSTE LOMBAR 5. AJUSTE DE ALTURA DO BANCO


Gire o botão no sentido horário para aumentar o A. (Ajuste automático): Com o operador senta-
apoio lombar; gire o botão no sentido para dimi- do no banco, puxe e solte a alavanca. O ban-
nuir o apoio lombar. co irá subir automaticamente e ajustará a
pressão para a melhor condição, em função
2. CONTROLE DO DESCANSABRAÇO
do peso do operador.
Gire o botão para levantar ou abaixar o
B. (Ajuste manual): O banco pode ser levanta-
descansabraço até a posição desejada.
do ou abaixado através do aumento ou dimi-
NOTA: Cada descansa-braço é articulado e pode nuição da pressão de ar. Puxe a alavanca
ser girado para cima. para cima para aumentar a pressão e levan-
3. ALAVANCA DE AJUSTE DE tar o banco. Empurre a alavanca para baixo
INCLINAÇÃO DO ENCOSTO diminuir a pressão e abaixar o banco.
Levante a alavanca para liberar o encosto e mo- 6. ALAVANCA DE ALTURA DO
vimente-o até a posição desejada. Solte a ala- ASSENTO
vanca para travar o encosto nesta posição. Puxe a alavanca para cima e movimente o as-
4. ALAVANCA DE AJUSTE DESLI- sento para a posição desejada. Solte a alavanca
ZANTE para travar o assento nesta posição.
Empurre esta alavanca para trás e ajuste a posi- 7. ALAVANCA DE INCLINAÇÃO DO
ção do bando para a frente ou para trás. Solte a ASSENTO
alavanca para travar o banco na posição. Puxe a alavanca para cima e movimente o as-
sento para a inclinação desejada. Solte a alavan-
ca para travar o assento nesta posição.

61
CONTROLES E INSTRUMENTOS

8. ALAVANCA DO AMORTECIMENTO
A alavanca de ajuste do amortecimento do
5 banco possui 4 posições (de macio a duro).
8 Este ajuste pode ser obtido girando-se a ex-
tremidade menor da alavanca para a parte de
fora do banco.

CINTOS DE SEGURANÇA

1. Puxe o cinto do retrator. Encaixe a lingueta na 2. Para soltar, aperte o botão vermelho da fivela.
fivela esquerda. Devido a leis específicas, em alguns locais as
NOTA: Certifique-se de que a extremidade do máquinas são equipadas com cintos de 3" (76
cinto e a fivela estão bem presas. Não retire a mm).
fivela do lado direito.

ATENÇÃO: Aperte bem o cinto de segurança. Sua máquina está equi-


pada com uma cabina com Estrutura de Proteção Contra Capotamento
(ROPS) ou cobertura para sua proteção. O cinto de segurança pode au-
! xiliar a garantir sua segurança se for utilizado corretamente e mantido
em condições apropriadas. Nunca use o cinto de segurança frouxo ou
com folgas no sistema de travamento. Nunca utilize o cinto quando torci-
do ou enroscado em peças da estrutura do banco.

62
CONTROLES E INSTRUMENTOS

Freio de Estacionamento GRUPO 5


Cabine
Em qualquer condição ambiental, a cabine ofe-
rece o máximo de conforto ao operador.

O freio de estacionamento é acionado manual-


mente.
Quando a alavanca é puxada para cima, seu sis-
tema de engrenamento permite uma frenagem
parcial ou total (o sistema da alavanca do freio 1. PORTA
permite ainda outras posições de acionamento). Acione a maçaneta (1) para abrir a porta. Para
Para destravar, puxe a alavanca ligeiramente para manter a porta aberta durante o funcionamento
cima, aperte o botão de liberação (A) e empurre da máquina, ou durante algum serviço de manu-
a alavanca para baixo. tenção da cabine, abra a porta até atingir o dis-
positivo de travamento automático. Para destra-
var, acione a alavanca (2) interna.

63
CONTROLES E INSTRUMENTOS

2. DIFUSORES DE AR 3. LIMPADORES DE PÁRA-BRISA

1 1 1

1 2

Os difusores de saída de ar (1) possuem giro 1. LIMPADOR DIANTEIRO


de 360° e abertura regulável para melhor di- 2. LIMPADOR TRASEIRO
recionar o ar. Para substituir as palhetas dos limpadores di-
anteiro e traseiro, levante o braço do suporte
da palheta, destaque-a do pino de trava e re-
mova-a. Para montar, faça o precesso na or-
dem inversa.
4. LUZ INTERNA

1 2

4 3

A luminária encontra-se fixada no teto da cabine.


A luz fixa (1) se acende pressionando o interrup-
tor (2) e a luz orientável (3) se acende pressio-
nando o interruptor (4).

64
CONTROLES E INSTRUMENTOS

ATENÇÃO: Verifique sempre a área de trabalho para evitar acidentes.


! Citamos a seguir exemplos de áreas de trabalho perigosas: ladeiras, pre-
cipícios, toras de madeira, demolições, fogo, muros altos, aterros, esca-
vações, trânsitos, estacionamento cheio de veículos e áreas fechadas. É
necessário extremo cuidado em áreas como essas.
Cuidados com beiras que possam desmoronar, áreas escorregadias e
objetos que possam cair. Cuidado com arbustos, galhos ou outros obstá-
culos que estejam encobertos.
Em operações no escuro mantenha todas as luzes da máquina acesas.
Verifique todas as luzes queimadas e substitua-as imediatamente.
Sempre desligue o motor ao deixar o assento do operador.
Antes de colocar em movimento a máquina e seus implementos, certifi-
que-se de que as pessoas expostas na área estão afastadas da unida-
de. Dê uma volta da máquina antes de subir e acione a buzina.
Não puxe com toda a força ao puxar uma corrente de reboque ou um
cabo. Tracione-as cuidadosamente.
Verifique se não há nenhum vazamento no sistema de escapamento
abaixo do capô. Ao operar dentro da cabine fechada, com o sistema de
ar condicionado desligado, deixe o respiradouro aberto, para que haja
circulação de ar durante todo o tempo de operação.
Evite usar o freio continuamente em descidas longas. Escolha a marcha
apropriada ao entrar em uma descida. Use o freio motor.
Mantenha o cano de escapamento do motor livre de detritos combustí-
veis. Desligue o motor antes de limpá-lo.
Mantenha todas as pessoas afastadas de todos os implementos e ferra-
mentas quando levantados, para evitar algum acidente.

65
CONTROLES E INSTRUMENTOS

Esta página foi deixada em branco intencionalmente

66
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

ANTES DA PARTIDA NO MOTOR


Solucionando rapidamente todos os problemas
de sua máquina, você estará reduzindo a manu-
tenção e a perda de tempo. É aconselhável veri-
ficar a máquina todas as manhãs antes de co-
meçar o trabalho, ou fazer uma inspeção na má-
quina diariamente.
1. Verifique se os pneus estão gastos, cortados,
ou inflados incorretamente.
2. Verifique se a lâmina e suas extremidades não
estão danificadas ou gastas.
3. Verifique se o círculo precisa ser ajustado.
4. Verifique se não há peças danificadas ou in-
dicadores defeituosos na cabine de operação.
5. Verifique se não há nenhum vazamento no
tandem.
6. Verifique se não há vazamentos ou manguei-
ras danificadas no sistema de arrefecimento.
7. Verifique se não há nenhum vazamento no
motor, transmissão ou mangueiras danifica-
das no sistema hidráulico.
É ACONSELHÁVEL VERIFICAR TAMBÉM
Sistema elétrico Procurar isoladores
desgastados, além de
fios e conexões soltas.
Parafusos Procurar componentes
soltos ou faltantes.
Sistema hidráulico Procurar vazamentos,
mangueiras retorcidas
e linhas ou tubos
flexíveis em contato
com outras peças.
Lubrificação Revise os pontos de
lubrificação indicados
na tabela de manuten-
IMPORTANTE: Não use as mãos para ção periódica.
procurar os vazamentos de óleo sob
pressão. Fluidos escapando sob pres-
são podem penetrar na pele e provocar
sérias lesões.
67
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

1. Abasteça o tanque apenas com o combustí- IMPORTANTE: Não ligue a máquina em


vel especificado. Tenha cuidado para evitar a áreas fechadas, sem ventilação
entrada de sujeira ou substâncias inadequa- apropriada para remover os gases mor-
das ao abastecer. tais do escapamento.
Alerte todas as pessoas que estejam tra-
ATENÇÃO: Apague qual- balhando perto da máquina antes de li-
! quer material fumegante ou
chamas antes de verificar ou
gar o motor.
encher o tanque de combus- Acione a buzina antes de ligar ou ope-
tível. rar a máquina.
Nunca abandone a máquina com motor
2. Verifique o nível dos seguintes fluidos: ligado.
a) Óleo do motor 6- Ligue o motor. Examine todos os instrumentos
b) Óleo do sistema de arrefecimento do e manômetros para as pressões indicadas. Ope-
motor re os controles conforme indicado nas instruções
de operação.
c) Óleo da transmissão
Desligue o motor e verifique as mangueiras, tu-
d) Eletrólito das baterias bulações e juntas para evitar possíveis vazamen-
e) Fluido do sistema hidráulico tos de óleo.
f) Óleo do tandem e diferencial.
3. Lubrifique todos os pontos providos de
graxeiros. Procure o Guia de Lubrificação e
Serviços para Instruções e Localizações.
4. Verifique a pressão dos pneus.

ATENÇÃO: Não encha os


! pneus com gases inflamáveis
ou com ar de sistemas que uti- IMPORTANTE: Remova o parafuso tra-
lizem injetores de álcool. Isso va do braço de inclinação da roda dian-
poderá resultar em explosões teira e o pino de trava de articulação
e acidentes pessoais. antes de operar a máquina.
5. O sistema de arrefecimento da máquina é Antes de descarregar a motoniveladora da car-
abastecido na fábrica com uma mistura de reta, remova o parafuso de trava do braço de in-
50% de Etileno Glicol Case 331-511 que é um clinação das rodas e coloque o parafuso no blo-
composto à base de glicol anti-congelante, co localizado no eixo dianteiro. Remova também
para proteção até -37ºC (-34ºF). Não é ne- o pino de trava da articulação da máquina.
cessário drenar esta solução antes de colo- Toda vez que a motoniveladora for transportada
car a máquina em funcionamento. numa carreta, instale o parafuso de trava com
IMPORTANTE: Não utilize as mãos para uma arruela, após o carregamento. O uso da
procurar por vazamentos. Vazamentos motoniveladora com o parafuso de trava instala-
de fluido em alta pressão pode penetrar do acarretará em uma capacidade de manobra
na pele causando sérios ferimentos. muito restrita. Instale também o pino de trava da
articulação da máquina.

68
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

NOTA: O parafuso do braço pode ser usado


para manter as rodas dianteiras na posição
vertical em caso de danos na mangueira hi-
dráulica da inclinação das rodas. 2

2. O PINO DE TRAVA DA ARTICULAÇÃO DEVERÁ


SER INSTALADO SOMENTE QUANDO A
MOTONIVELADORA FOR TRANSPORTADA.

1. PARAFUSO DE TRAVA DO BRAÇO DE


INCLINAÇÃO DA RODA DIANTEIRA.

INTERVALOS PARA PRIMEIROS SERVIÇOS


Durante o período de amaciamento, deve-se seguir os procedimentos descritos abaixo e também
aqueles relacionados na Tabela de Lubrificação e Manutenção deste manual.
APÓS AS PRIMEIRAS 100 HORAS DE OPERAÇÃO
Substitua o óleo do(s) eixo(s)
quando novos ou recondicionados ....................................... Consulte “Eixo Traseiro” neste manual.
Substitua o filtro e o fluido da transmissão
quando nova ou recondicionada ........................................... Consulte “Transmissão” neste manual.
Verifique todas as braçadeiras das mangueiras.

CINTOS DE SEGURANÇA
Aperte bem seu cinto de segurança antes de iniciar a operação com a máquina. Inspecione periodi-
camente os cintos de segurança para verificar a existência de desgaste e substitua-os quando ne-
cessário.

ATENÇÃO: Aperte bem o cinto de segurança. Sua máquina está equi-


pada com uma cabina com Estrutura de Proteção Contra Capotamento
(ROPS) ou cobertura para sua proteção. O cinto de segurança pode au-
! xiliar a garantir sua segurança se for utilizado corretamente e mantido
em condições apropriadas. Nunca use o cinto de segurança frouxo ou
com folgas no sistema de travamento. Nunca utilize o cinto quando torci-
do ou enroscado em peças da estrutura do banco.

69
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

PERÍODO DE AMACIAMENTO
1. Opere a máquina com carga moderada nas ATENÇÃO: A proteção dada
primeiras 50 horas. A operação eficiente se pela estrutura “ROPS” pode
dá com a temperatura do líquido de arrefeci-
mento do motor na área VERDE do indicador.
! ser prejudicada caso tenha
sido modificada ou sofrido da-
A operação do motor com temperatura abai- nos.
xo dessa faixa provocará a combustão incom-
pleta do combustível, maior consumo, perda O torque dos 16 parafusos de montagem é de
de potência e acumulo de detritos dentro do 508 Nm (51,6 kgf.m; 375 lb.ft.).
motor. Se a cobertura da cabine (equipamento especi-
al) estiver instalada, mantenha sempre seus aces-
ATENÇÃO: Nunca lubrifique,
sórios como limpadores de pára-brisa, travas das
conserte ou regule a máquina
portas, vidros, dobradiças e cintos de seguran-
! com o motor em funcionamen-
ça, etc. em boas condições. Mantennha os vidros
to, reduzindo assim a possibi-
sempre limpos.
lidade de ocorrerem acidentes.
2. Inspecione toda a máquina antes das primei- ATENÇÃO: Se for necessária
a reposição de vidros, use vi-
ras 10 horas de operação. Aperte todos os
parafusos soltos e demais controles. Verifique
! dros de segurança ou equiva-
também o sistema hidráulico e elétrico. lentes.
Após as primeiras 50 horas de operação com d) Verifique as porcas da roda do tandem.
uma máquina nova, ou após consertos maio- e) Verifique as porcas de fixação das rodas.
res, execute os seguintes procedimentos:
a) Troque o elemento do filtro de óleo da
transmissão.

ATENÇÃO: Fluido sob pres-


são. Gire a tampa vagarosa-
! mente para aliviar a pressão,
antes da sua remoção.
b) Troque o elemento do filtro do óleo
hidráulico.
c) Verifique os parafusos de montagem da
“ROPS”. Após as primeras 50 horas de
trabalho e depois periodicamente. ATENÇÃO: Desconecte a
chave geral e os conectores
! J1, J2, J3 do E.C.U. e T7 do
T.V.P. antes de executar servi-
ços de solda à máquina.

70
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

CONEXÕES DA BATERIA AUXILIAR


PARTIDA AUXILIAR
ATENÇÃO: Baterias contêm gás explosivo. Explosão pode resultar de
faíscas, chamas ou conexão incorreta dos cabos. Para fazer a conexão
! da bateria auxiliar corretamente, veja o procedimento descrito a seguir.
Não seguir corretamente as instruções pode resultar em acidente grave
com ferimentos ou morte.

ATENÇÃO: Poderá ocorrer explosão da bateria ou danos aos compo-


nentes do circuito elétrico se uma conexão incorreta da bateria ou carre-
! gador for realizada. O ácido da bateria é venenoso e pode causar quei-
maduras e cegueira.
Para a realização deste procedimento são necessárias duas pessoas. Certifique-se de que a pessoa
que faz as conexões estão com óculos de seguranca.
1. Abra o capuz do motor. Sente no banco do
operador e deixe que a outra pessoa faça as
conexões.
2. Se estiver usando baterias auxiliares, certifi-
que-se de elas somem 24V.
3. Se estiver usando outra máquina como auxili-
ar, certifique-se de que elas NÃO SE TO-
QUEM.
4. Conecte antes o cabo auxiliar positivo (+) aos
terminais positivos (+) das baterias.
5. Conecte o cabo auxiliar negativo (-) ao termi-
nal negativo da bateria auxiliar. Conecte a
outra extremidade do cabo negativo(-) ao
chassi da máquina, longe da região das bate-
rias.
6. Dê a partida no motor de acordo com as ins-
truções contidas neste manual, veja a seção
“Partida do Motor”.
7. A outra pessoa deve desconectar os cabos
auxiliares na ordem inversa em que foram
conectados. Fecha o capuz do motor.

71
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO
Funcionamento Partida do Motor
Gire a chave geral, situada no painel de ins- 1. Ligue o motor e faça-o funcionar a metade da
trumentos da cabine, para a posição “ON”. rotação máxima durante 3 a 4 minutos antes
Puxe a alavanca do acelerador para a posi- de colocar a máquina em operação.
ção de rotação máxima se o motor estiver frio 2. Não eleve a rotação do motor logo após ligá-
(1/4 da posição da rotação máxima se o mo- lo, para não prejudicar a lubrificação dos man-
tor estiver quente). cais do turboalimentador.
Vire a chave de ignição para a posição “START”.
Parada do Motor
Quando o motor der a partida, solte a chave. Puxe
Antes de desligar o motor, deixe-o funcionar du-
a alavanca do acelerador imediatamente para a
rante alguns minutos em marcha lenta, a fim de
marcha lenta. Em seguida, coloque o acelerador
permitir a desaceleração e estabilização do
em meia velocidade. Mantenha a metade da ro-
turboalimentador em baixa rotação.
tação máxima, até que o ponteiro do indicadro
se mova de uma posição mínima. Deve-se evitar alta rotação durante a parada do
motor, para não danificar os mancais do
NOTA: Não acione o motor de partida por mais
turboalimentador por falta de lubrificação. Se o
de 30 segundos sem uma pausa de 2 minutos
motor for subtamente desligado em alta rotação,
para permitir que ele esfrie. Observe todos os
o turbo continuará girando depois que a pressão
instrumentos.
do óleo do motor baixar a ZERO. Operando em
É extremamente importante deixar o motor ligado altas rotações com falta de óleo, os mancais do
de 3 a 5 minutos com o acelerador em 1/4 a 1/2 de turboalimentador podem sofrer danos em ques-
seu curso, para permitir que o óleo lubrificante se tão de segundos.
aqueça e circule livremente através dos mancais.
Esse procedimento é recomendado para tempo frio. Variação da Rotação do Motor
Verifique a pressão do óleo lubrificante do motor. O uso prolongado da marcha lenta do motor, fará
com que a temperatura do líquido de arrefecimen-
Com o motor ligado em alta rotação e o líquido to caia abaixo do limite de operação.
de arrefecimento na temperatura normal de ope-
ração, a pressão do óleo deve estar dentro do Desde que o motor esteja ligado, não deve haver
limite normal de operação. Quando o óleo estiver razão para o uso prolongado da marcha lenta.
frio, não haverá indicação da pressão pelo mos- Desligue o motor quando isso ocorrer. No entan-
trador durante alguns segundos após o motor ter to, se for necessário deixar o motor ligado, ele
sido ligado. Se a pressão não se elevar até o nor- deverá ter uma rotação suficiente para manter a
mal ou acima, após alguns segundos, o motor pressão de óleo e temperatura do líquido de ar-
deve ser desligado imediatamente. refecimento do motor, na faixa normal. Coloque
a alavanca seletora de marchas em neutro, e aci-
Verifique as causas do problema e procure corri- one o freio de estacionamento. Abaixe a lâmina
gi-las. Verifique o indicador de pressão do fluido até o solo. Não abandone a máquina.
da transmissão. Dentro de poucos segundos após
o motor ter sido ligado, o ponteiro do óleo da trans-
missão deverá estar dentro ou perto do limite
verde.

72
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

Operação Para colocar a máquina em movimento, levante


a lâmina, solte o freio de estacionamento e sele-
Essa máquina e seus implementos devem ser
cione a marcha e direção desejada. Mova a ala-
operados apenas por um operador qualificado,
vanca do acelerador para partir.
sentado ou de pé, dependendo das condições
de trabalho. A mudança subseqüente das marchas será go-
vernada pela velocidade obtida ou desejada.
O uso do cinto de segurança é sempre recomen-
dado, mesmo nas máquinas equipadas com Escolha a marcha da transmissão que manterá
ROPS. a máquina numa velocidade apropriada para a
Antes de ligar a máquina, verifique, ajuste e tra- carga requerida. Rotação baixa do motor pode
ve o banco do operador para maior conforto e ser corrigida reduzindo a marcha ou diminuindo
controle da máquina. a carga.
Essa máquina é equipada com um sistema de A velocidade máxima da máquina deve ser evita-
direção que só é efetivo quando o motor estiver da.
ligado. Se o motor falhar pare a máquina imedia- Diminua a velocidade aplicando os freios (só ar-
tamente. raste a parte cortante da lâmina em último caso).
Em paradas de emergência, acione o freio de Mudança imprópria pode resultar em acidentes
serviço ou o de estacionamento. para o operador e também danos à máquina e à
Verifique as porcas das rodas e os aros de roda transmissão.
antes de qualquer mudança. Aperte-as de acor-
Fique atento para as seguintes instruções:
do com o torque recomendado. Veja “Porcas das
Rodas”. 1. Reduza apenas quando a rotação do motor
Sempre deixe os escarificadores totalmente le- estiver abaixo do normal para aquela marcha.
vantados quando estiver em movimento, e abai- 2. Reduza somente uma marcha por vez.
xe-os até o chão quando estiver estacionado.
Tome todo cuidado ao pressionar a lâmina con-
tra montes, aterros ou declives.
NOTA: Quando as rodas da motoniveladora
forem esterçadas ao máximo (em qualquer
das duas direções), não continue a girar o
volante para a mesma direção (isto causa um
desgaste desnecessário da bomba e dos com-
ponentes da válvula).

ATENÇÃO: Nunca desça ladeiras com a transmissão em neutro. Não


tente desacelerar em lugares planos, reduzindo a máquina. Desacelere
! o motor e acione o freio de serviço. Programe as plainadas antes de
entrar em movimento.

CUIDADO: Escolha a marcha apropriada para manter o controle. Ao dar


a partida, engrene a transmissão apenas quando o motor estiver em
! marcha lenta. Mudanças para marchas mais velozes ou mais lentas de-
vem ser feitas uma por vez, e apenas quando a velocidade da máquina
estiver próxima da velocidade da marcha seguinte.

73
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

Reboque
ATENÇÃO: Não arranque bruscamente, ao puxar reboque ou cabo.
Tracione o cabo vagarosamente, até esticá-lo. Somente os implemen-
! tos para rebocar e para puxar deverão ser usados para esse fim. Tome
extremo cuidado ao usar os implementos.

A marcha selecionada da transmissão e a rota- NOTA: Retire os dentes do escarificador, antes


ção do motor devem ser ajustados antes do iní- de tentar abrir ou limpar uma vala.
cio da operação de terraplenagem. Nunca carre- Ao iniciar a escavação de valas, posicione a lâ-
gue demais a lâmina, pois as rodas traseiras po- mina de modo que a parte cortante (direita ou
dem patinar. Isso, além de não alterar a opera- esquerda) fique diretamente atrás e 3" (76 mm)
ção de terraplenagem, causa desgaste desne- abaixo da roda dianteira, com a outra extremida-
cessário aos pneus traseiros. de da lâmina o mais alto possível.
Aumentando o ângulo da lâmina (colocando uma Arraste o material entre as duas rodas traseiras.
das extremidades da lâmina bem mais para fren- A primeira escavação deve ser leve para manter
te que a outra) a carga será reduzida. Diminuin- o controle da motoniveladora e cortar uma linha
do o ângulo da lâmina, aumentará a carga. A lâ- de vala reta. Quando o material acumular embai-
mina deve ser colocada de modo a lançar o ma- xo da máquina, ele deve ser arrastado para o lado,
terial removido para dentro ou para fora das ro- antes de fazer uma nova escavação na linha da
das traseiras, nunca abaixo das rodas, a não ser vala.
que a operação seja de compactação.
Quanto mais funda a vala, maior será o acumulo
O inclinador da lâmina pode ser usado para a do material.
execução de várias operações. Quando a parte
de cima da lâmina for inclinada para frente, a parte Se a vala for em forma de “V”, cada lado da vala
cortante não cortará o material, mas o empurra- deve ser cavado alternadamente, para permitir
rá. Isso é útil ao empurrar o material em peda- que as rodas dianteiras e traseiras movam-se no
ços, principalmente quando se trata de materiais centro da vala.
pesados, pois estes correrão dentro da lâmina, Quando for necessário arrastar o material para
facilitando assim o movimento. cima da beira do enchimento, mude a lâmina para
O uso da lâmina para arrastar o material deve o lado; assim, as rodas da motoniveladora não
ser evitado na medida do possível. Isso pode estarão na beira do lugar a encher. O peso da
causar o desgaste nas guias da lâmina e possi- motoniveladora poderia fazer com que a beira
velmente estragar a haste do pistão posicionador cedesse, colocando o operador em risco.
da lâmina. Se não puder evitar o arraste da lâmi- Ao terraplenar o cotovelo de uma rua, pode ser
na para trás, certifique-se de que o material não necessário trabalhar ao redor de alguns objetos,
esteja em contato com a haste do pistão assim como caixas de correspondência, pilares
posicionador da lâmina. ou postes de luz. A lâmina pode ser colocada de
Com as guias da lâmina estendidas ou gastas, a lado, em volta do objeto sem modificar o nível da
terraplenagem pode se tornar instável. terraplenagem.
Quando fizer cortes ou mover cargas pesadas
que tendam a desviar a máquina de sua direção,
incline as rodas dianteiras em direção da carga
para contrabalançar este efeito.
74
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

Corte de Talude 3. Desengate o pino de trava da sela e, usando


a alavanca de levantamento da lâmina, esten-
Para posicionar a lâmina (no caso, para o lado
da a haste do cilindro direito e recolha a haste
direito), proceda da seguinte maneira:
do cilindro esquerdo (a lâmina no solo), de
1. Gire o círculo até que a lâmina fique perpen- modo a girar a sela.
dicular à direção da máquina.
Após a sela ter girado até a posição desejada
(totalmente, na posição de 90º), alinhe os ori-
fícios dos pinos (a olho nu) e reengate os pi-
nos de trava.
1

LÂMINA PERPENDICULAR À MOTONIVELADORA

2. Desloque a lâmina para a extrema direita, e


1. GIRANDO A SELA
em seguida desloque o círculo para a direita,
até que a haste do cilindro fique com uma
4. Levante a lâmina levemente do solo e em se-
extensão de 127 mm (5 pol). Abaixe a lâmina
guida levante a extremidade direita da lâmi-
até o solo com uma leve pressão.
na. Ao mesmo tempo, gire o círculo de modo
que a extremidade direita da lâmina se mova
em direção à frente da motoniveladora (isto
evitará que a extremidade esquerda da lâmi-
na bata no solo).
Simultaneamente desloque o círculo para
cima utilizando a alavanca de deslocamento
lateral (neste caso, puxe a alavanca de deslo-
camento lateral do círculo para trás).
NOTA: Como a extremidade esquerda da lâ-
mina ganha uma folga do solo, é necessário
baixar simultaneamente a extremidade esquer-
LÂMINA POSICIONADA NO LADO DIREITO DA da da lâmina ao levantar a extremidade direita
MOTONIVELADORA da mesma.

75
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

Escarificar
Para escarificar qualquer superfície, é preferível
usar mais dentes com uma penetração menor
do que usar menos dentes com uma penetração
maior. É preferível quebrar a superfície do mate-
rial em pedaços menores.
Quando o escarificador for usado em áreas po-
pulosas, tome cuidado com bueiros rasos, gale-
rias e outras utilidades.
Utilize as marchas mais baixas (1ª e 2ª marcha)
LÂMINA INCLINADA A 90° EM RELAÇÃO À com o motor em alta rotação, para manter um
MOTONIVELADORA controle melhor da motoniveladora, e para obter
uma boa fratura da superfície do material.
5. Continue a operação (como no item 4) até que Os dentes do escarificador devem estar em boas
a lâmina se posicione como mostra a ilustra- condições para melhores resultados. Nunca ar-
ção. Em seguida, gire a lâmina (usando a ro- raste os dentes para trás. Isso pode danificar se-
tação do círculo) até a posição desejada. riamente a barra do implemento.
IMPORTANTE: Nas operações de ater-
ramento, um controle melhor da lâmina
pode ser conseguido, usando a inclina-
ção das rodas dianteiras para empurrar
a lâmina na direção ou afastando-a do
aterro.
1

1. ESCARIFICADOR TRASEIRO
Quando estiver operando uma máquina e for ne-
cessário fazer uma curva, diminua a velocidade
e incline as rodas dianteiras em direção à curva.
Depois de terminada a curva, endireite as rodas
POSICIONAMENTO DO CÍRCULO dianteiras para a posição convencional e retome
a velocidade normal.
Ao levar a motoniveladora de um local para ou-
tro, deixe a lâmina dentro do limite de largura da
máquina, e levantada o mais alto possível, para
evitar acidentes.

76
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

Parando e Estacionando a
Motoniveladora
Posicione a motoniveladora na área de estacio-
namento desejado.
Posicione a lâmina com as extremidades para
dentro do limite de comprimento entre as rodas
e abaixe-a até o chão.
2
Coloque a alavanca seletora de marchas em neu-
tro.

2. ESCARIFICADOR DIANTEIRO Antes de desligar o motor, deixe-o ligado numa


Ao dirigir a motoniveladora no trânsito, coloque aceleração de 1/4 da rotação máxima durante 3
sempre o acelerador manual em marcha lenta, ou 4 minutos para que refrigere gradativamente.
escolha a marcha desejada e em seguida use o Em seguida, movimente a alavanca do acelera-
pedal do acelerador/desacelerador para contro- dor para a marcha lenta e desligue a chave de
lar a velocidade. ignição. Tire a chave e puxe o freio de estaciona-
mento/emergência. Vire a chave geral para a po-
O dispositivo de desembreagem deve estar des- sição desligada e trave as portas da cabine.
ligado para que o motor funcione como
retardador. Verifique os parafusos de montagem do ROPS
depois das primeiras 50 horas de operação, e
Certifique-se de que o sistema de velocidade daí em diante, periodicamente.
esteja funcionando de maneira adequada para
que a velocidade do motor volte para a marcha
lenta quando o operador tirar o pé do pedal do
acelerador/ desacelerador.
Ao operar a motoniveladora, obedeça os regula-
mentos e esteja atento ao tráfego de outros veí-
culos.
Esteja preparado para qualquer emergência.
Se a motoniveladora for usada para manter áre-
as ou estradas congestionadas, coloque as pla-
cas de advertência para prevenir acidentes. Es-
teja sempre de olho no tráfego de outros veícu-
los, principalmente antes de mudar de direção
ou ao trabalhar em meio ao trânsito.

77
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

Precauções para Clima Frio Sugestão de Operação


O sistema de arrefecimento da máquina é abas- Motoniveladoras articuladas podem ser operadas
tecido na fábrica com uma mistura 50% água e com chassi NÃO ARTICULADO, ARTICULADO
50% Etileno Glicol. O Etileno Glicol protege o OU EM OFF-SET (CARANGUEJO).
motor a uma temperatura de -37°C (-34°F). Não
é necessário drenar essa solução antes de colo-
car a unidade em funcionamento.

Operando a Máquina em
Clima Quente
Para evitar danos à máquina, faça o seguinte:
1. Mantenha o líquido de arrefecimento no nível ARTICULADO
correto tanto em seu reservatório quanto no
radiador.
2. Teste a tampa do radiador antes que o clima
fique mais quente. Substitua a tampa se ne-
cessário
OFF-SET
3. Limpe toda a sujeira e detritos da região do
radiador e do motor. Com chassi NÃO ARTICULADO é usada normal-
4. Utilize lubrificantes com viscosidade correta. mente no nivelamento de grandes áreas e tam-
bém na manutenção e conservação de estradas.
5. Utilize a solução correta de etileno glicol e
água no sistema de arrefecimento. Com o chassi ARTICULADO, o raio de giro é re-
duzido facilitando o controle da máquina em áre-
6. Utilize lubrificantes com a viscosidade reco-
as restritas. Além disso proporciona um controle
mendada.
mais preciso do deslocamento do material corta-
do pela lâmina.

Em OFF-SET, permite ao operador manter a tra-


seira da máquina em solo resistente no caso de
trabalhos em aterros, permite melhor acabamento
dos canais de drenagem e reduz o número de
passadas no espelhamento de materiais. Permi-
te ainda a concentração do peso, atrás da lâmi-
na, em operações pesadas.
78
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

Embora a maioria das motoniveladoras permitam Só se recomenda a mudança de ângulo, duran-


ao círculo um giro de 360º, a maioria das opera- te o corte, em máquinas equipadas com placas
ções são feitas com a lâmina entre 15º e 45º em de resina fenólica nos suportes do círculo, de
relação à direção de trabalho. maneira a reduzir o atrito e o desgaste da mesa
A excessiva angulação da lâmina reduz a distân- do círculo.
cia de deslocamento lateral do material cortado Operações Típicas
pela lâmina; permite, porém, cortes mais profun-
dos e serviços de nivelamento mais severos. Cortando um Canal em “V”
A mudança do ângulo de ataque, inclinação fron- Mantenha o chassi rígido se for cortar um canal
tal “PITCH” da lâmina é também muito importan- em material compacto.
te na produtividade. Se solo estiver solto, articule o chassi para man-
Inclinando a lâmina para frente, facilita-se a ter os tandems no terreno mais sólido possível.
rolagem do material cortado e permite ainda Com o círculo centrado sob o chassi, posicione o
melhor espalhamento e compactação do ma- canto da lâmina ligeiramente para fora do pneu
terial. dianteiro. Incline a lâmina para a frente até que a
Inclinando a lâmina para trás, permite-se maior parte superior da mesma esteja alinhada com o
ação de corte da lâmina, mas reduz a rolagem centro do pneu dianteiro.
do material ao longo da mesma. Posicione a lâmina de modo que a descarga do
A lâmina com perfil evolvente “ROLL-AWAY” man- material cortado esteja no centro da máquina,
tém a capacidade de rolagem do material, quan- entre os tandens. Incline ligeiramente as rodas
do a lâmina está inclinada para trás. dianteiras na direção da descarga.
A angulação da lâmina, no corte, gera esforço
lateral na máquina. Este esforço deve ser supe-
rado pela inclinação das rodas dianteiras e/ou
pela articulação do chassi, na direção dos esfor-
ços de corte da lâmina.

Na primeira passada, em 1ª ou 2ª marcha, corte


apenas o necessário para marcar o alinhamento
do canal. Na segunda passada, posicione as ro-
das dentro do canal e com velocidade ligeiramen-
te superior à da primeira passada, de forma a
manter a inclinação das paredes a 3:1.
2
1 A descarga do material cortado deve ser manti-
da entre os tandens. Uma passada de limpeza é
necessária.
1. INCLINAÇÃO DAS RODAS DIANTEIRAS
2. CHASSI ARTICULADO

79
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

Desloque o círculo e a lâmina estendida bem Terraceamento - Curvas de


atrás da coluna de material, de maneira a impe- Nível
dir o escorregamento de terra para dentro do
canal. O canto da lâmina deverá ser posicionado Uma das mais importantes aplicações das motoni-
entre os tandens, com a lâmina ligeiramente veladoras na agricultura é o terraceamento em cur-
angulada e inclinada para frente, para facilitar a vas de nível que visam a contenção e distribuição
rolagem do material. Todos os passes de corte das águas pluviais nos campos agrícolas, permi-
do canal devem ser feitos com o diferencial tra- tindo o aumento da produtividade e a prevenção
vado, em 2ª ou 3ª marcha. da erosão nas encostas das colinas.
Para cortar canais com taludes com inclinação Este trabalho consiste do corte de canais em “V”,
entre 1,5:1 e 2:1, desloque o círculo e a lâmina segundo as curvas de nível do terreno, distantes
contra o barranco. um do outro de 10 a 100 metros, sendo mais dis-
tantes para aclives menores e mais próximos para
Alinhe o canto da lâmina com o centro do pneu aclives maiores. Estes canais se prestam tam-
traseiro. Posicione a extremidade da lâmina para bém à distribuição, por gravidade, de fertilizan-
fora do pneu dianteiro e incline a lâmina levemen- tes líquidos.
te para a frente. Direcione as rodas para o canal
em “V” a fim de depositar material do talude den- Cortando Canal de Leito
tro do canal. Plano
Faça uma passada de limpeza para tirar material A abertura de um canal de leito plano é a conti-
do canal, jogando-o sobre a estrada e espalhan- nuação do corte do canal em “V”.
do-o quando necessário.
Com o círculo centrado sob o chassi em posição
reta, posicione a extremidade da lâmina atrás da
borda exterior do pneu dianteiro. Angule a lâmi-
na até que a outra extremidade alcance a largu-
ra e profundidade de canal desejada (com
escarificadores dianteiros é possível posicionar
a lâmina a 90º, se necessário).
Incline a lâmina levemente para a frente, a fim de
espalhar o material sobre o leito do canal.
Esta passada deve ser feita em 1ª e 2ª marchas
(com o diferencial travado, caso disponível no
equipamento).
Na passada seguinte, empurre o material para
fora do canal e sobre o leito da estrada. Para isso,
mova o círculo e a lâmina para fora do monte e
angule bem a lâmina para evitar que o material
retorne para dentro do canal.
Mantenha a extremidade da lâmina bem perto
do pneu dianteiro, para evitar que torrões de
material rolem para o canal. Na próxima passa-
da, espalhe levemente o material da borda da
estrada para o centro.

80
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

Limpando um Canal de Leito


Úmido
A motoniveladora articulada faz com que a lim-
peza de canais úmidos seja uma operação bas-
tante simples.
Articule o chassi na posição OFF-SET, de forma
a manter as rodas traseiras em terreno firme,
enquanto as dianteiras correm pelo barranco.

Desloque o círculo e a lâmina em direção ao ca-


nal, com a lâmina angulada de maneira a trazer
o material para o leito da estrada.
Se o canal tiver inclinação muito acentuada, a
ponto de perder o contato da roda dianteira com
o solo, tente dirigir mais para dentro ou para fora
do canal, a fim de manter ambas as rodas no
terreno. Se não quiser deixar que as rodas tra-
seiras toquem o talude do canal, coloque-as par-
cialmente em direção ao canal, de forma a
enviesar a máquina o suficiente para manter as
rodas dianteiras em contato com o solo.

81
INSTRUÇÕES DE OPERAÇÃO

Leito de Estradas - Abaula- Na passada final, em cada borda da estrada,


mento posicione a ponta da lâmina em linha com o tan-
dem, de forma que os pneus traseiros compactem
Após a preparação da drenagem, o próximo pas- o material que possa transbordar pela lateral da
so é nivelar e abaular a estrada. lâmina.
Mantenha o chassi reto, círculo centrado e lâmi-
na quase perpendicular à máquina, de forma que
o material saia por ambos os cantos, e corte a
crista da estrada alto o bastante para permitir a
drenagem para os dois lados.
Em passes subseqüentes, angule a lâmina entre
10º e 25º e incline-a um pouco à frente para per-
mitir que o material role em direção às beiras da
estrada.
Faça estas passadas em velocidades relativa-
mente altas, para que o material solto passe
por baixo da lâmina antes de atingir as extre-
midades.

82
RODAS E PNEUS
RODAS E PNEUS

RODAS E PNEUS
ATENÇÃO: NÃO realize qualquer soldagem na roda ou no aro com o
pneu instalado. A operação de soldagem irá causar a formação de uma
mistura explosiva ar/gás que será inflamada devido às altas temperaturas.
! Isto pode ocorrer tanto com os pneus cheios quanto vazios. Não é
adequado esvaziar o pneu ou retirar o talão. É NECESSÁRIO que o pneu
seja completamente removido do aro antes de se efetuar a soldagem.

ATENÇÃO: Uma explosão que separe as peças do conjunto pneu e/ou


aro pode causar ferimento ou morte. Quando for necessário realizar a
! manutenção em um pneu, deixe que um borracheiro qualificado efetue a
tarefa.

ATENÇÃO: Uma explosão que separe as peças do conjunto pneu e/ou


aro pode causar ferimento ou morte. Tanto você quanto outras pessoas
devem manter-se afastados das ÁREAS DE PERIGO. Posicione-se à
! frente da banda de rodagem do pneu. Utilize sempre a pressão de ar
correta e siga as instruções deste manual quanto ao enchimento ou
reparos nos pneus.

83
RODAS E PNEUS

A ilustração acima mostra as áreas de perigo causadas pela explosão do pneu ou peças do aro.

! ATENÇÃO: Mantenha-se afastado destas áreas de perigo.

A página a seguir mostra os métodos que DEVEM ser empregados ao encher um pneu ou realizar
tarefas de manutenção.

84
RODAS E PNEUS

Calibrando os Pneus Manutenção dos Pneus ou


1. Antes de encher o pneu, faça com que a roda Aros
seja instalada corretamente na máquina ou Confie sempre a manutenção dos pneus e aros
prenda a roda em um dispositivo de fixação a um profissional qualificado. Recomenda-se que
apropriado (gaiola de enchimento de pneus). os pneus sejam calibrados por este profissional.
Para evitar acidentes, utilize um dispositivo de
fixação para o pneu (gaiola de enchimento de
pneus), equipamento e procedimentos corretos.

ATENÇÃO: Uma explosão que


separe o pneu (aro em peça
única) ou o pneu e/ou peças
! do aro (aro de múltiplas peças)
pode causar ferimentos graves
ou a morte.

Direção da Banda de Rodagem


2. Utilize uma mangueira de ar com válvula de Durante a instalação do pneu na roda, certifique-
desligamento remota e um bico de ar com se de que a banda de rodagem obedece à
travamento automático. orientação mostrada.
3. Posicione-se à frente da banda de rodagem
do pneu e certifique-se de que todas as
pessoas estejam afastadas da lateral do pneu,
antes de iniciar a operação de enchimento.

PARA
TRAÇÃO

PARA
DIREÇÃO

4. Infle o pneu até a pressão recomendada. NÃO


infle o pneu com pressão maior do que a
recomendada conforme a tabela da página a
seguir.

85
RODAS E PNEUS

Porcas de Roda Pressão dos Pneus


As porcas de roda devem ser verificadas
ATENÇÃO: Não encha os
periodicamente. Aplique um torque de 625 Nm
pneus com gases inflamáveis
(63,7 kgfm; 460 lb.ft).
ou com ar de sistemas que
! utilizem injetores de álcool.
Disto poderiam resultar
1 explosões e acidentes.

3
1. PORCA DAS RODAS DO TANDEM

2
3. BICO DE ENCHIMENTO DOS PNEUS
Verifique a pressão dos pneus através do
mostrador de pressão. A pressão normal é de:
13,00 x 24 - 12 ply tires 2,5 bar (35PSI)
14,00 x 24 - 10 ply tires 2,1 bar (30PSI)
14,00 x 24 - 12 ply tires 2,5 bar (35PSI)
16,00 x 24 - 12 ply tires 2,1 bar (30PSI)
17,50 x 25 - 12 ply tires 3,5 bar (50PSI)
2. PORCA DAS RODAS DO TANDEM (OPCIONAL)
17,50 x 25 - 16 ply tires 3,5 bar (50PSI)
14,00 R 24 - * ply tires 3,2 bar (45PSI)
Não fique em frente ao pneu durante o processo
de enchimento ou ao realizar manutenção. Fique
ao lado do pneu e estenda o braço até a válvula
de enchimento.
Certifique-se de que os pneus estejam inflados
na pressão especificada. Inspecione a condição
dos pneus periodicamente.
Verifique apenas quando as rodas e os pneus
estiverem frios. Evite inflar os pneus com pressão
abaixo da recomendada. Não use aros ou rodas
SEQUÊNCIA DE APERTO DAS PORCAS que foram retrabalhados. Solda incorreta e
excessivo podem efraquecê-los e causar uma
falha.

86
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

RECOMENDAÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA ANTES


DE INICIAR A MANUTENÇÃO
ATENÇÃO: Manutenção ou reparos inadequados podem causar
acidentes com ferimento ou morte. Se você não compreender os
! procedimentos de manutenção para esta máquina, consulte o Manual de
Serviço ou procure seu Concessionário Autorizado Case.

ATENÇÃO: Levantar o equipamento ou mover a máquina sem o operador


pode causar ferimentos ou até morte. Antes de deixar a cabina do
! operador, sempre apoie ou abaixe o equipamento (lâmina, escarificador,
ripper, etc.) até o solo e desligue o motor.

Leia os decalques com avisos de segurança e Use roupas adequadas e equipamentos de


os decalques com informações existentes na segurança. Saiba como utilizar o extintor de
máquina. Leia o Manual do Operador e certifique- incêndio e o estojo de primeiros socorros
se de ter compreendido a operação da máquina
antes de iniciar a manutenção.

Antes de efetuar a manutenção nesta máquina,


coloque uma etiqueta de “Não Operar” no painel NÃO REMOVA NÃO

de instrumentos. Uma etiqueta de “Não Operar” ESTA ETIQUETA OPERAR


acompanha sua máquina. Etiquetas adicionais
(Case peça número 147783A1) podem ser VER O
Razão:
solicitadas ao seu Concessionário Autorizado OUTRO LADO
Case
CASE BRASIL & CIA

Código CASE:
147783A1 Assinatura:

87
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

HORÍMETRO DO MOTOR
Efetue a manutenção de sua máquina segundo os intervalos e locais recomendados nas Tabelas de
Lubrificação/Manutenção. Para efetuar a manutenção em sua máquina, utilize somente lubrificantes
de alta qualidade recomendados pela Case.

O Horímetro do motor mostra o tempo efetivo de funcionamento em horas. O primeiro algarismo à


direita indica décimos de hora e os demais à esquerda indicam horas. Use o Horímetro do motor em
conjunto com as Tabelas de Lubrificação/Manutenção para realizar as operações de manutenção
dentro dos períodos recomendados.

88
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

PINO DE TRAVAMENTO PARA TRANSPORTE E


MANUTENÇÃO
ATENÇÃO: Mantenha-se afastado desta área quanto o motor estiver em
! funcionamento. A máquina poderá pivotar se o pino de travamento para
transporte e manutenção não estiver na posição TRAVADO. Depois de
terminada a manutenção, destrave o pino de transporte e manutenção e
coloque-o na posição de trabalho no chassi traseiro.

Antes de transportar ou efetuar a manutenção nesta máquina, ponha sempre o pino de travamento
para transporte e manutenção na posição TRAVADO.

POSIÇÃO MOTONIVELADORA TRAVADA RETA POSIÇÃO DE OPERAÇÃO

Depois de efetuar a manutenção e antes de deslocar a máquina, coloque o pino de travamento para
transporte e manutenção na posição de OPERAÇÃO.

89
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

PROGRAMA SYSTEMGARD™ DE ANÁLISE DE


LUBRIFICANTES
Consulte seu Concessionário Autorizado Case sobre o Programa Systemgard™ de análise de lu-
brificantes. Através deste serviço, seus lubrificantes serão analisados em um laboratório independente.
Você precisará apenas retirar uma amostra de lubrificante da sua máquina e enviá-la para o laboratório
Systemgard™.
Depois de processar a amostra, o laboratório enviará um relatório orientando-o quanto aos serviços
necessários de manutenção em sua máquina.
Desta forma, o programa Systemgard™ ajuda a manter seu equipamento em perfeito estado e
proporciona um serviço cujos benefícios são compensadores na hora da substituição do seu
equipamento usado por outro produto novo da linha Case

PEÇAS PLÁSTICAS E EM RESINA


Evite utilizar gasolina, querosene, thinner, etc. para limpar janelas plásticas de inspeção, console,
painel de instrumentos, mostradores, indicadores etc. Use SOMENTE água e sabão neutro e um
pano macio para limpar estas peças.
A utilização de gasolina, querosene, thinner etc. irá causar descoloração, rachaduras ou deformação
da peça que for submetida a tais produtos.

90
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

CAPUZ DO MOTOR
1. Pressione o botão de trava e levante o capuz
do motor. Levante o capuz até que ele trave
na posição aberta.
1
2. Para fechar o capuz, puxe o cabo(2) e
certifique-se que trinco travou corretamente.
2

1. MAÇANETA
2. CABO

91
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

MANUTENÇÃO
Geral
Verifique sempre o nível do óleo e drene ou preencha os vários compartimentos com a máquina num
terreno nivelado e o motor desligado.
Os intervalos aqui especificados se referem à condições normais de operação. Durante o período
inicial de uso (amaciamento) e condições particulares de operação, os intervalos de serviço podem
ser reduzidos.
Drene o óleo imediatamente após desligar o motor, porque ainda estará quente e facilitará o
escoamento. Isso ajudará também a descarga de impurezas.
Depois de reabastecer o sistema nos intervalos de troca, o óleo só deve ser verificado após o motor
ter funcionado durante alguns minutos em marcha lenta. Esta prática assegurará que os diversos
componentes do motor, tais como intercambiador, filtros, linhas, etc., estarão completos antes do
nível ser verificado.

1. DECALQUE DE MANUTENÇÃO E LUBRIFICAÇÃO


92
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

FLUIDOS E LUBRIFICANTES
CAPACIDADE
COMPONENTES ESPECIFICAÇÕES
Litros US Gal.
Reservatório de Combustível
341,0 90,0 Nº 2 DIESEL
Capacidade total
Óleo do Motor
Com troca do filtro de óleo 15,2 4,0 Nº1 ENGINE OIL (1030190)
Sem troca do filtro de óleo 14,2 3,7

Sistema de Arrfecimento 50% Água


do Motor +
Capacidade total 40,0 10,5 50% AKCELA PREMIUM ANTI FREEZE
(1060077)

Sistema Hidráulico
Capacidade total 180,0 47,5 HY-TRAN ULTRA (1040184)
Reservatório com filtro 94,6 25,0
Transmissão
Reabastecimento com filtro 21,0 5,5 AKCELA MULTI TRACTOR (1040197)
Reabastecimento sem filtro 18,0 4,7
Eixo Traseiro Graziano - STD
- Compartimento central (diferencial) 29,0 7,7 AKCELA MULTI TRACTOR (1040197)
- Extremidade/Freio (cada) 5,0 1,3
Eixo Traseiro Clark - OPCIONAL
- Compartimento central (diferencial) 12,0 3,2 AKCELA MULTI TRACTOR (1040197)
- Cubos planetários (cada) 6,0 1,6
Tandem
(para Eixo Graziano) AKCELA GEAR 135HEP SAE 80W90
29,0 7,7
Reabastecimento (cada) (1050135)

Tandem
(para Eixo Clark) AKCELA GEAR 135HEP SAE 80W90
22,5 5,9
Reabastecimento (cada) (1050135)

Redutor do Gira Círculo


Reabastecimento AKCELA GEAR 135HEP SAE 80W90
2,8 0,75
(1050135)

Graxeiras do Ripper Traseiro, AKCELA MOLYGREASE


Escarificador e Lâmina UCN UCN (1070173)
Graxa de Lítio com Bissulfeto de Molibidênio

93
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

TABELA DE LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO


INTERVALO (horas)
V L L
P E U A I
H T M
O R B J P
O R R A
N I U
R PONTOS PARA SERVIÇO O I R
T F S -
A C F D
O I I T
S C A R
S C A E
A R A N
R A
R R R
Filtro de Ar (Nota 1) 
Conforme
necessário Filtro Hidráulico (Nota 2) 
Correia do Alternador e Ar Condicionado 
Nível do Óleo do Motor (incluindo filtro) 1 10
10h
Radiador (nível do líquido de arrefecimento) (Nota 3) 1 10
ou
diário Nível de Óleo da Transmissão 1 10
(quente, motor funcionando)
50h Reservatório Hidráulico (sistema completo) 1 50
ou Filtros de Combustível / Filtro Separador 2 50
semanal (drenar água)
Articulações dos Cilindros de Levantamento 2 100
da Lâmina
Articulações dos Cilindros de Deslocamento 2 100
100h
Lateral da Lâmina
ou
a Rótula da Barra de Tração 1 100
cada Articulações do Eixo Dianteiro 2 100
15 dias
Pinos de Articulação 2 100
Pinos dos Cilindros de Articulação 4 100
Óleo do Motor e Filtro de Óleo 1 250
Juntas Universais e Cardãs 2 250
Nível de Óleo do Diferencial e Redutores Planetários 3 250
(Nota 4)
250h Baterias (2) 1/2 250
ou
a Redutor do Gira-círculo 1 250
cada Correias do Alternador e Ar Condicionado 2 250
mês
Ajuste dos Terminais de Articulação da Lâmina 4 250
Ajuste dos Terminais de Deslocamento Lateral 2 250
da Lâmina
Barra de Inclinação das Rodas Dianteiras 8 250

94
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

INTERVALO (horas)
V L L
P E U A I
H T M
O R B J P
O R R A
N I U
R PONTOS PARA SERVIÇO O I R
T F S -
A C F D
O I I T
S C A R
S C A E
A R A N
R A
R R R
Pinos de Inclinação dos Munhões Dianteiros 2 250
Cilindros de Inclinação das Rodas Dianteiras 2 250
250h
Cuba do Filtro Sedimentador (lavar a tela) 1 250
ou
a Filtro de Ar da Cabine (se equipado) 250
cada Caixa do Tandem 250
mês
Rótulas do Braço da Direção 4 250
Pressão e Estado dos Pneus 4 250
Filtros de Combustível 2 500
Graxa dos Rolamentos das Rodas Dianteiras 2 500
Nível de Óleo da Caixa do Tandem 2 500
500h Rolamentos dos Eixos das Rodas do Tandem 8 500
ou
a Filtro de Óleo da Transmissão (Nota 5) 1 500
cada
Filtro do Sistema de Arrefecimento do Eixo Traseiro 1 500
3 meses
Bujão de Dreno do Reservatório de Combustível 1 500
(drenar sedimentos)
Torque dos Parafusos de Fixação da ROPS e 500
Cintos de Segurança
Óleo da Transmissão (Nota 5) 1 1000
1000h Tela da Transmissão 1000
ou Bomba Injetora e Injetores (Nota 6) 6 1000
a
cada Folgas das Válvulas do Motor (Nota 6) 12 1000
6 meses Elementos Filtrantes do Filtro de Ar  1000
Óleo do Redutor do Gira-círculo 1000
Óleo o Sistema Hidráulico e Filtro (Nota 7) 1 2000

2000h Óleo do Diferencial e Redutores Planetários (Nota 4) 1 2000


ou Rolamentos das Rodas Dianteiras 2 2000
a
Óleo da Caixa do Tandem 2 2000
cada
ano Líquido de Arrefecimento do Motor 10 2000
Torque dos Parafusos de Fixação do Turbo 2000

95
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

NOTA: Veja a tabela “FLUIDOS E LUBRIFICANTES” nas páginas anteriores, para especificação
detalhada e capacidades.
NOTA 1: Faça a manutenção do elemento do filtro de ar se o indicador de restrição estiver na região
vermelha.
NOTA 2: Faça a manutenção do elemento do filtro hidráulico se a luz indicadora acender.
NOTA 3: Verifique o nível do líquido de arrefecimento no radiador se a luz de advertência acender.
NOTA 4: Substitua o óleo do eixo traseiro após as primeiras 100 horas de operação.
NOTA 5: Substitua o óleo da transmissão e o filtro após as primeiras 100 horas de operação.
NOTA 6: Contate seu revendedor Case e veja o manual de serviço.
NOTA 7: Substitua a cada 2000 horas ou a cada ano, o que ocorrer primeiro.
: Conforme necessário.

96
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

PORTAS DE ACESSO

CAIXA DE FUSÍVEIS

CAPUZ DO MOTOR

FLUIDO HIDRÁULICO

FILTRO DA CABINE

LAVADOR PÁRA-BRISAS

97
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

NÍVEL DOS FLUIDOS


A CADA 10 HORAS DE TRABALHO OU DIARIAMENTE
Carter do Motor
Verifique o nível do óleo logo após desligar o
motor. Retire a vareta de nível (2) do óleo do carter
e observe o nível. Se o nível estiver abaixo da ! ADVERTÊNCIA
marca “MÍNIMO”, ou acima da marca “MÁXIMO”, PERIGO DECORRENTE
DE LÍQUIDO QUENTE
não ligue o motor. Adicione óleo através do bocal SOB PRESSÃO.
(1) se necessário. Faça a manutenção
somente quando o
motor estiver frio.
334665A1

1 2 Nível do Líquido de
Arrefecimento
Verifique o líquido de arrefecimento quando o
motor estiver frio. Certifique-se do líquido estar
visível no indicador de nível na lateral do radiador.
Se necessário, adicione líquido no radiador, gire
a tampa lentamente para remover a pressão.
Adicione o líquido até que o nível esteja na parte
1. BOCAL DE ENCHMENTO DO ÓLEO DO inferior do bocal de enchimento.
MOTOR NOTA: Nunca adicione anticongelante no siste-
ma de arrefecimento. Coloque o líquido de arre-
fecimento necessário para completar o nível.
Aperte bem a tampa do radiador.

ENGINE STOPPED HOT COLD

2. VARETA DE NÍVEL DO ÓLEO DO MOTOR

Radiador
ATENÇÃO: Fluido sob
pressão. Gire a tampa
vagarosamente para aliviar a
pressão, antes de removê-la
! ou até que a pressão tenha
sido aliviada. O líquido de
arrefecimento pode ferver e
causar queimaduras.

98
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

Nível de Óleo da Transmissão


Verifique o nível do óleo da transmissão enquanto
ela estiver quente e o sistema carregado. Coloque
a transmissão em “NEUTRO”, deixe o motor em ENGINE RUNNING WARM

rotação baixa e acione o freio de estacionamento.


Gire a haste da parte superior da tampa no
sentido anti-horário para afrouxá-la. Puxe a tampa
e verifique a vareta de nível. Adicione óleo se
necessário, até o nível máximo. Após verificar o VARETA DE NÍVEL DO ÓLEO DA TRANSMISSÃO
nível, certifique-se de que a tampa esteja bem
rosqueada.

99
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

A CADA 50 HORAS DE TRABALHO


Reservatório Hidráulico
ATENÇÃO: Fluido sob pressão. Gire a tampa (2) vagarosamente para
! aliviar a pressão, antes de sua remoção.

Certifique-se de que a máquina esteja em local


plano e com o motor desligado. Abaixe a lâmina
até o chão. Verifique o nível do óleo pelo
mostrador (1). O nível deve estar na faixa central
2
do mostrador. Se for necessário, remova a tampa
do reservatório (2) e adicione óleo.

2. BOCAL DE ENCHIMENTO DO TANQUE


HIDRÁULICO
1

1. MEDIDOR DO NÍVEL DO ÓLEO


3. FILTRO SEPARADOR DE ÁGUA
Filtro de Combustível
Abra o registro (3) localizado no fundo do filtro
de combustível para drenagem da água
acumulada.
IMPORTANTE: O registro é de material
plástico. Não aperte exageradamente ao
fechá-lo.

100
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

GRAXEIRAS
A CADA 100 HORAS DE TRABALHO
Use graxa AKCELA MOLYGREASE (1070173)

Rótulas do Cilindro de Pivô dos Cilindros de


Levantamento da Lâmina Articulação
Existem 2 pontos de lubrificação. Lubrifique com Existem 4 pontos de lubrificação, 2 de cada lado.
6 a 12 doses cada. Aplique de 6 a 10 doses nas extremidades dos
cilindros. Aplique também, de 6 a 14 doses nos
rolamentos da articulação.
1
1

3 4
1. RÓTULAS DO CILINDRO DE LEVANTAMENTO

Rótula da Barra de Tração 3. PINOS DE ARICULAÇÃO DO CILINDRO DE


ARTICULAÇÃO
Apenas um ponto de lubrificação. Lubrifique com 4. ARTICULAÇÃO INFERIOR DO CHASSI
6 a 14 doses. 5. ARTICULAÇÃO SUPERIOR DO CHASSI

Rótulas do Cilindro de
Deslocam. Lateral do Círculo
Existem dois (2) pontos de lubrificação. Lubrifique
com 6 a12 doses em cada.

2. SOQUETE E RÓTULA DA BARRA DE TRAÇÃO


6

6. RÓTULAS DO CILINDRO DE DESLOC. LÂMINA

101
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

Pivôs dos Cilindros de Pivôs dos Cilindros de


Levantamento da Lâmina Inclinação da Lâmina
Existem dois (2) pontos de lubrificação. Lubrifique Existem dois (2) pontos de lubrificação. Lubrifique
com 4 a 6 doses cada. com 4 a 6 doses cada.

8
9
9

8. PIVÔS DOS CILINDROS DE LEVANTAMENTO DA


LÂMINA 9. PIVÔS DOS CILINDROS DE INCLINAÇÃO DA
LÂMINA

Pivôs de Inclinação da
Lâmina
Existem dois (2) pontos de lubrificação. Lubrifique
com 4 a 6 doses cada.
10. PIVÔS DE INCLINAÇÃO DA LÂMINA

10

102
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

GRAXEIRAS
A CADA 250 HORAS DE TRABALHO
Use graxa AKCELA MOLYGREASE (1070173)

Munhão da Roda Dianteira Braço de Inclinação das


Existem quatro (4) pontos de lubrificação. Aplique Rodas Dianteiras
de 4 a 6 doses de cada lado. Existem dois (2) pontos de lubrificação. Aplique
de 4 a 6 doses de cada lado.

1. MUNHÃO DA RODA DIANTEIRA


3. BRAÇO DE INCLINAÇÃO DAS RODAS
DIANTEIRAS
Pino-mestre do Munhão
Existem quatro (4) pontos de lubrificação. Aplique Cilindro de Inclinação das
de 4 a 6 doses de cada lado. Rodas Dianteiras
Existem dois (2) pontos de lubrificação. Aplique
de 4 a 6 doses de cada lado.

2. PINO-MESTRE DO MUNHÃO

4. CILINDRO DE INCLINAÇÃO DAS RODAS


DIANTEIRAS

103
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

Pivô de Articulação do Eixo Rolamentos dos Eixos do


Dianteiro Tandem
Existem dois (2) pontos de lubrificação. Aplique Existem oito (8) pontos de lubrificação. Aplique
de 6 a 12 doses de cada lado. de 6 a 12 doses de cada lado.

5 5

5. PIVÔ DE ARICULAÇÃO DO EIXO DIANTEIRO 8. ROLAMENTOS DOS EIXOS DO TANDEM

Juntas Universais e Cardan


Existem três (3) pontos de lubrificação. Aplique
de 4 a 6 doses de cada lado.

6. JUNTAS UNIVERSAIS
7. CARDÃ

104
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

GRAXEIRAS
A CADA 500 HORAS DE TRABALHO
Use graxa AKCELA MOLYGREASE (1070173)

Mancal Central do Tandem Pivôs de Articulação do


Existem quatro (4) pontos de lubrificação em cada Ripper e Cilindro
tandem. Aplique de 14 a 20 doses de cada lado. Existem oito (8) pontos de lubrificação para as
articulações do ripper e dois (2) para o cilindro.
Aplique de 4 a 6 doses de cada lado.

1 4

1. MANCAL CENTRAL DO TANDEM

Rolamentos das Rodas 3. PIVÔS DE ARTICULAÇÃO DO RIPPER


Dianteiras 4. CILINDRO DO RIPPER
Solte os parafusos de fixação e remova a tampa.
Remova a graxa, limpe a caracaça dos
rolamentos e lubrifique com 0,9 kg da graxa
especificada. Veja “Fluidos e Lubrificantes”.

2. ROLAMENTOS DAS RODAS DIANTEIRAS

105
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO DO MOTOR


Seleção do Óleo do Motor
O óleo para motor Case nº1 é recomendado para o uso em seu motor Case. O óleo para motor Case
irá lubrificar seu motor corretamente sob todas as condições de operação.

Se os óleos para motor Case Multiviscoso ou de grau simples não estiverem disponíveis, ultilizem
somente óleos para motor que atendam as especificações de serviço API categoria CF-4 ou CG-4.
Consulte a tabela na página seguinte para informações sobre as viscosidades recomendadas em
função da temperatura ambiente.
NOTA: Não coloque aditivos para aumento de desempenho no carter do motor. Os intervalos de troca
de óleo dados neste manual estão de acordo com os testes realizados com lubrificantes CASE.

106
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

RECOMENDAÇÕES DE VISCOSIDADE DO ÓLEO/


FAIXA DE TEMPERATURA DE UTILIZAÇÃO

NOTA: O uso de um aquecedor para o óleo ou para o líquido de arrefecimento do motor é necessário
nas áreas hachuradas.

107
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

MOTOR
Especificações de Manutenção
Capacidade de óleo (com troca do filtro) ........................................................... 15,2 litros (4 US gal)
Intervalo de verificação do nível do óleo ............... A cada 10 horas de operação ou uma vez ao dia
Intervalo para troca do óleo e do filtro ....................... A cada 250 horas de operação ou a cada ano
Tipo de óleo ........................................................................................... Ver “Fluidos e Lubrificantes”

Nível de Óleo do Motor


Verifique sempre o nível de óleo com o motor
desligado e quando a máquina estiver em terreno 1 2
nivelado. Empurre a vareta de medição de nível
de óleo do motor completamente para baixo e
retire-a para verificar.
Se o nível de óleo estiver abaixo da marca ADD
(completar), acrescente óleo para elevar o nível
até a marca FULL (cheio).
Substituição do Óleo do
Motor 1. BOCAL DE ENCHIMENTO DO ÓLEO DO
MOTOR
Verifique se o motor está na temperatura de 2. VARETA DO NÍVEL DO ÓLEO DO MOTOR
operação. Retire o bujão de drenagem (A)
localizado na parte de baixo à direita do carter
do motor e deixe escoar todo o óleo. Certifique-
se de que a junta esteja em boas condições e
recoloque o bujão de dreno.
Retire o filtro. Limpe cuidadosamente a área de
assento da junta do filtro.
NOTA: O anel de vedação costuma colar no
assento da cabeça do filtro. Certifique-se de que
seja removido.
BUJÃO DE DRENO DO MOTOR

108
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

IMPORTANTE: Antes de instalar o filtro, encha-o com óleo lubrificante novo e limpo.
Antes de montar o filtro no motor, aplique também uma leve camada de óleo na
área de assento do vedador.

IMPORTANTE: O aperto do filtro com ferramenta poderá danificá-lo, portanto,


aperte-o manualmente. Verifique em seguida, se não há vazamento em volta da
base enquanto o motor estiver ligado. Aperte-o mais se necessário. Seu torque é
dado com 3/4 de volta após encostar na base.

Programa Systemgard™ de
Análise de Lubrificantes
Normalmente, a troca de óleo do motor ocorre a
cada 250 horas de operação; porém, dependendo
das condições em que o motor trabalha, da
qualidade do óleo e da taxa de enxofre presente
no combustível, este intervalo pode ser alterado.
Recomenda-se a utilização do Programa
Systemgard™ de análise de lubrificantes.
Consulte seu Concessionário Autorizado Case
para maiores informações.
FILTRO DE ÓLEO DO MOTOR
Coloque o óleo especificado através do bocal de
enchimento. Ligue o motor por uns 15 segundos
para encher os filtros e lubrificar o motor. Deixe o
motor ligado por um período curto e depois
desligue-o para verificar o nível do óleo.
Verifique se não há vazamento nos filtros.

109
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

SISTEMA DO FILTRO DE AR
Especificações de Manutenção
Elemento do filtro de ar (primário) ................................ Faça manutenção no elemento sempre que
............................................................................................. o indicador de restrição estiver na zona
................................................................................... vermelha, a cada 1000 horas de operação ou
.......................................................................................... uma vez por ano, o que primeiro ocorrer.
Elemento do filtro de ar (secundário) .................................... Troque o elemento secundário quando
..................................................................................... o elemento primário tiver sido limpo 3 vezes
.................................................................................................... ou quando o indicador de restrição
.......................................................................................... do filtro de ar estiver na região vermelha,
............................................................................................. com o motor funcionando. Substitua os
.......................................................................... elementos a cada 1000 horas ou uma vez por ano.

A validade do elemento de um novo filtro de ar é de cinco (5) anos. Não instale um filtro novo (sem
utilização) que tenha sido fabricado há mais de quatro (4) anos. A data de fabricação encontra-se na
tampa da extremidade do elemento.

Limpeza do Filtro de Ar O elemento externo do filtro de ar deve ser


desmontado somente quando aparecer a faixa
vermelha no visor do indicador de restrição.
Para manutenção correta do filtro, proceder como
segue:
1. Limpe a sujeira e o óleo do conjunto do filtro
de ar.
2. Afrouxe a braçadeira (2) que acopla o copo
no corpo do purificador de ar. Remova o
copo (7) e o defletor (6).
3. Retire a porca borboleta e remova o
elemento externo.
1. ELEMENTO PRIMÁRIO NOTA: Verifique visualmente o elemento interno
2. PORCA toda vez que o elemento externo for limpo ou
3. PARAFUSO “T” substituído. Não tente limpar o elemento interno.
4. PORCA
5. ABRAÇADEIRA 4. O filtro deve ser limpo utilizando-se ar
6. O-RING comprimido.
7. TAMPA
8. PORCA
9. CACAÇA DO FILTRO
10. ELEMENTO SECUNDÁRIO

110
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

ATENÇÃO: Use óculos de segurança com lateral protetora ao usar ar


! comprimido na limpeza. Isto reduzirá o perigo de acidentes. Limite a
pressão a 2 bar (30PSI).

Se precisar, limpe as borboletas dentro da 7. Inspecione o a porca borboleta (4) de


carcaça de ar com uma escova dura de fibras. retenção do elemento interno. Troque a porca
5. Para limpar o elemento filtrante com ar borboleta se estiver danificada.
comprimido, direcione o ar para cima e para 8. Limpe a parte interna da carcaça do filtro
baixo do lado limpo do elemento até que toda (9) antes de reinstalar o elemento (5).
poeira seja removida. Coloque o elemento filtrante e aperte-o com
a porca borboleta.
IMPORTANTE: O elemento interno do
filtro é um elemento de segurança e, 9. Instale a tampa (7), a válvula de descarga e
portanto, em hipótese alguma deve ser aperte bem a braçadeira. Veja se ela está
desmontado. Sugerimos porém, sua na posição correta.
substituição a cada três trocas do 10. Verifique as bordas da válvula de descarga
elemento externo. (8). As bordas não devem conter nenhum
detrito. Lama ou sujeira podem se alojar nas
bordas e mantê-las abertas durante a
operação. As bordas da válvula devem se
abrir quando o motor estiver em marcha lenta
ou for desligado. As bordas devem apontar
para baixo para que funcionem.
11. Verifique a tampa do tubo do purificador de
ar. Se houver sujeira, remova a tampa do
tubo e sopre a poeira da tampa. Remova os
detritos, se houver.
12. Ligue o motor. Verifique o indicador de
restrição do filtro de ar com o motor em alta
6. Depois de ter limpo o elemento, verifique a
rotação. Se for acusada alguma restrição, o
existência de rupturas ou furos. Coloque uma
elemento interno do purificador deverá ser
luz forte dentro do elemento e inspecione-o
substituído. Como o elemento interno não
pelo lado de fora. A luz irá brilhar através de
pode ser limpo, substitua-o sempre com um
algum furo ou rasgo. Se houver algum furo,
ano de uso, ou se ainda houver indicação
instale um novo elemento.
de restrição após limpar o elemento externo.

111
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

SISTEMA DE ARREFECIMENTO DO MOTOR


Especificações de manutenção
Capacidade do sistema de arrefecimento ...................................................... 40 litros (10.5 US gal)
Intervalo de verificação do nível do líquido no radiador ...................... A cada 10 horas de operação
Intervalo de troca do líquido do sistema de arrefecimento ............. A cada 2000 horas de operação
.................................................................................................................................... ou anualmente
...........................................................................................................................................................
Termostato
Começa a abrir a ......................................................................................................... 82°C (180°F)
Completamente aberto a .............................................................................................. 94°C (202°F)
Pressurização da tampa do radiador .......................................................... 103,4 kPa, 1 bar (15 psi)

Líquido de Arrefecimento
Uma mistura de 50% de Etileno Glicol Case 331-511 e 50% de água deve ser utilizada nesta máquina.
Esta mistura é recomendada para utilização em locais onde as temperaturas ambiente mínimas
sejam superiores a -37°C (-34°F). Se a temperatura for mais baixa, ajuste a composição da mistura
para 60% de etilenoglicol e 40% de água. Recomenda-se a utilização da mistura de etilenoglicol e
água em sua máquina durante todo o ano.
NOTA: Após completar o sistema de arrefecimento, ligue o motor e faça-o funcionar à
temperatura de operação durante aproximadamente 5 minutos para misturar bem o etilienoglicol
e a água. Este procedimento deve ser realizado quando a máquina estiver em ambiente com
temperatura inferior a 0°C (32°F).

ATENÇÃO: O líquido de arrefecimento quente pode espirrar para fora se


a tampa do radiador for removida. Para remover a tampa do radiador:
deixe que o sistema de arrefecimento esfrie, gire a tampa até o primeiro
estágio de abertura, espere até que haja o alívio da pressão interna e,
! em seguida, remova a tampa. A remoção muito rápida da tampa do
radiador pode causar queimaduras. Verifique e execute a manutenção
do sistema de arrefecimento do motor de acordo com as instruções de
manutenção.

112
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

Substituição do Líquido e Limpeza do Sistema


ATENÇÃO: O radiador possui fluido sob pressão. Siga a indicação do
! Manual de Operação e Manutenção para descarregar a pressão, antes
de abrir a tampa do radiador.

Gire a tampa do radiador vagarosamente para Coloque a tampa no radiador. Ligue o motor até
aliviar a pressão. Abra o registro localizado sob o que o líquido de arrefecimento atinja a
radiador e deixe a água escoar. temperatura normal de operação.
Faça uma inspeção especialmente quanto a Desligue o motor, verifique o nível e adicione mais
mangueiras em mau estado ou abraçadeiras se necessário.
soltas ou danificadas. Substitua o que for NOTA: O etilenoglicol é um protetor para siste-
necessário. mas de arrefecimento a água. Ele garante uma
perfeita troca térmica quando presente no radia-
dor, diluído em água comum limpa, na porcenta-
! ADVERTÊNCIA gem de 50%. O etilenoglicol é composto de
PERIGO DECORRENTE aditivos especiais que impedem a formação de
DE LÍQUIDO QUENTE espuma, ferrugem, incrustações calcáreas, pro-
SOB PRESSÃO.
Faça a manutenção tegendo todos os materiais que compõem o sis-
somente quando o
motor estiver frio. tema de arrefecimento.
334665A1

Após a drenagem, lavar o radiador com água


limpa, e que não possua compostos de cálcio.
Reabasteça o sistema de arrefecimento com uma
mistura de 50% de Etileno Glicol e 50% de água
limpa até aproximadamente 3 centímetros do
bocal.

113
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

Limpeza do Radiador
ATENÇÃO: Use óculos de segurança com lateral protetora ao usar ar
! comprimido para limpeza. Isso reduzirá o perigo de acidentes provocados
por partículas soltas. Limite a pressão a 2 kgf/cm2 (30PSI).

DIREÇÃO DO FLUXO DE AR EM TRABALHO

Use o compressor de ar e um bocal apropriado


para lançar o ar no centro do radiador na direção
oposta ao fluxo de ar para remover todos os
depósitos e sujeira.
NOTA: Pode ser necessário enxagüar a parte
externa do centro do radiador com água em
detergente para remover a sujeira solidificada.

1. BICO DE AR
2. TUBOS DO RADIADOR
3. ALETAS DO RADIADOR
4. SUJEIRA

114
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

SISTEMA DE COMBUSTÍVEL
Especificações de manutenção
Capacidade do tanque de combustível ............................................................. 341 litros (90 US gal)
Intervalo de drenagem de água do filtro de combustível .................. A cada 500 horas de operação
Intervalo de troca do filtro de combustível ........................................ A cada 500 horas de operação
............................................................................................................................ ou uma vez por ano
Condicionador de Combustível
O condicionador de combustível Diesel está disponível em seu Concessionário Autorizado Case.
Siga as instruções no recipiente do condicionador.
O condicionador de combustível irá: 3. Separar a umidade do combustível.
1. Limpar os injetores de combustível, válvulas 4. Estabilizar o combustível armazenado.
e o coletor de distribuição proporcionando
aumento na vida útil do motor.
2. Dispersar os depósitos de parafina que
podem se formar no sistema de combustível.

ATENÇÃO: O combustível é inflamável e pode causar incêndio ou


explosão. Não encha o tanque de combustível ou faça manutenção no
! sistema se estiver próximo a uma chama, cigarros acesos ou efetuando
alguma operação de soldagem.

Tampa do Bocal de
Enchimento de Combustível

115
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

Combustível Diesel Armazenamento de


Utilize combustível diesel nº 2 no motor desta Combustível
máquina. A utilização de outros tipos de O armazenamento de combustível por longos
combustível pode causar perda de potência no períodos acarreta o acúmulo de sedimentos ou
motor e elevado consumo. água dentro do tanque de armazenamento.
Em temperaturas muito baixas, uma mistura de Muitos problemas de motor são causados pela
combustíveis Diesel nº 1 e nº 2 é aceitável. Veja a presença de água no combustível.
nota abaixo. Mantenha o tanque de armazenamento de
NOTA: Consulte seu fornecedor de combustível combustível em ambiente aberto e o combustível
sobre os requisitos de combustível para a sua o mais frio possível. Remova a água do tanque
região no inverno. Se a temperatura do combustível de armazenamento a períodos regulares.
cair abaixo do ponto de orvalho (ponto de formação Encha o tanque de combustível da máquina ao
de cera), os cristais de cera no combustível irão final de cada dia de serviço para evitar a
fazer com o motor perca potência ou não dê partida. condensação de água no tanque.
O combustível Diesel a ser utilizado nesta
máquina deve atender à especificação da tabela
abaixo ou à D975-81 da ASTM (American Society
of Testing and Materials).

Especificações para combustível diesel Nº 2


Gravidade API, mínima ................................................................................................................. 34
Ponto de fulgor, mínimo ............................................................................................... 60°C (140°F)
Ponto de orvalho (formação de cera), máximo ................................ -20°C (-5°F) (ver a nota acima)
Ponto de escoamento, máximo ..................................................... -26°C (-15°F) (ver a nota acima)
Temperatura de destilação, ponto 90% .................................................. 282 a 338°C (540 a 640°F)
Viscosidade a 38° C (100° F)
Centistokes ...................................................................................................................... 2,0 a 4,3
Segundos Saybolt Universal ............................................................................................. 32 a 40
Índice cetânico, mínimo .............................................. 43 (45 a 55 no inverno ou a grande altitude)
Água e sedimentos por volume, máximo ............................................................................... 0,05 %

116
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

Drenagem do Reservatório de
Combustível
Abra o dreno antes de ligar o motor e deixe a
água e resíduos drenarem. Feche o dreno quando
o combustível limpo começar a escorrer.

ATENÇÃO: Apague todo e qualquer material fumegante ou chamas vivas


! antes de abrir o dreno devido à presença de fluidos inflamáveis.

Filtros de Combustível Solte, algumas voltas, o parafuso sangrador (1)


sobre os filtros de combustível. Em seguida
Trocar a cada 500 horas de operação pressione a bomba de alimentação (2) várias
Limpe bem a área ao redor do cabeçote do filtro vezes até que o combustível saia pelo parafuso
de combustível. sangrador (1), sem bolhas de ar. Aperte o
parafuso sangrador (1) e continue acionando por
mais algumas vezes o botão (2) da bomba de
alimentação.

1 Filtro de Combustível da Linha


2 Para substitui-lo, proceda da seguinte maneira:
1. Afrouxe a porca ou braçadeira da mangueira
(se equipada) em cada extremidade do filtro.
Remova o filtro da linha de combustível.
2. Instale um filtro novo. Certifique-se de que a
seta esteja apontando para a bomba de
FILTROS DE COMBUSTÍVEL alimentação.
Remova os filtros e limpe bem a área de contato 3. Escorve o sistema utilizando a bomba de
da junta no cabeçote dos filtros. Troque o filtro e alimentação manual. Verifique se há
os anéis de vedação. Encha o filtro com vazamentos.
combustível e lubrifique os anéis de vedação com 4. Dê a partida no motor e verifique novamente
óleo novo para motores. Em seguida, monte os se há vazamentos.
novos filtros e aperte-os, manualmente. Após esta
operação, efetue a sangria do ar conforme segue: 5. Faça a drenagem de água e/ou sedimentos
do sistema de combustível.

117
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

Bicos Injetores Cubra todas as aberturas no cabeçote para evitar


contaminação.
Inspecionar a cada 500 horas de
operação Os bicos injetores devem ser verificados por
pessoal qualificado e oficina especializada, com
equipamentos adequados ao serviço.
A pressão de abertura dos bicos deve ser de
205 BAR.
Certifique-se de que as juntas estejam em bom
estado.
Instale o bocal no cabeçote e aperte as porcas
com um torque de 24,5 Nm (18 lb.ft).
Em seguida instale os tubos de injeção de
combustível, apertando-os manualmente.
BICOS INJETORES Ligue o motor para sangrar os tubos, e em
seguida, aperte as suas porcas.
Remova os tubos de injeção de combustível dos
bicos injetores e cubra-os para evitar Certifique-se de que não existem vazamentos. Se
contaminação. necessário, reaperte as porcas.
Remova os parafusos de fixação dos bicos no
cabeçote e retire os bicos.
ATENÇÃO: Mantenha as mãos afastadas do terminal do bico. O
! combustível atomizado é expelido com pressão suficiente para causar
envenenamento sanguíneo. Utilize óculos de segurança.

Válvulas do Motor
Verificar cada 1000 horas de
operação
Regule a folga das válvulas sempre com o motor
frio, isto é, com a temperatura da água abaixo de
60ºC. Primeiro determine o ponto morto superior
(PMS) no cilindro nº1 do motor. Para isso, gire
manualmente e devagar, o motor com o auxílio
de um soquete de 1/2" e do dispositivo para giro
manual. A folga das válvulas deverá estar
conforme a seguir:
Válvulas de admissão: 0,30 mm
Válvulas de escape: 0,61 mm
NOTA: A folga estará correta sentindo uma
leve resistência ao ser passada a lâmina
calibradora entre a haste da válvula e o
balancim.
118
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

SISTEMA HIDÁULICO/SISTEMA DE FREIOS


Especificações de manutenção
Capacidade de reabastecimento do reservatório
de fluido hidráulico com troca de filtro .............................................................. 94,6 litros (25 US gal)
Capacidade total do sistema .......................................................................... 180 litros (47.5 US gal)
Tipo de fluido .......................................................................................... Ver “Fluidos e Lubrificantes”
Intervalo de verificação do nível
do fluido hidráulico no reservatório .......................................................................... A cada 50 horas
Intervalo de troca do filtro ............................................. A cada 2000 horas de operação ou quando
................................................................................................... a luz indicadora do filtro se acender
Intervalo de troca do fluido hidráulico .................................................................. A cada 2000 horas

ATENÇÃO: Sistema hidráulico sob pressão. Antes de substituir os filtros


hidráulicos ou fazer a manutenção do sistema, afrouxe lentamente tampa
! do bocal de enchimento do reservatório hidráulico para aliviar a pressão.
Siga as instruções para evitar ferimentos.

Intervalos de temperatura para o fluido hidráulico

119
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

Filtros do Reservatório Afrouxe a tampa (1) do bocal de abastecimento


Hidráulico para aliviar a pressão. Remova a tampa de
cobertura (2) do reservatório. Remova a mola (3),
Verificar a cada 500 horas tampa (4) e o anel de borracha (5 e 11) de cima
do elemento (6).
Remova o elemento do reservatório. Verifique se
o anel de borracha (8) está em boas condições,
caso necessário, substitua-o e em seguida,
instale um novo filtro sobre o tubo de descarga.
Verifique se os anéis de borracha (5 e 11) estão
em boas condições, e caso necessário, substitua-
o. Posicione os anéis de borracha (5 e 11). Instale
a tampa (4) e a mola (3) sobre o elemento.
Instale a tampa de cobertura (2) no reservatório
e aperte-a com os parafusos (7). O torque de
ATENÇÃO: Fluido sob aperto do parafuso é de 47,5 a 54,2 Nm (4,9 a
pressão. Gire a tampa 5,5 kgf.m) (35 a 40 lb.ft).
! vagarosamente para aliviar a
pressão, antes da remoção.

Limpeza do Filtro da Linha de


Sucção
Afrouxe a tampa do bocal de abastecimento (1) Verifique se a válvula e o filtro metálico estão bem
para aliviar a pressão. Retire os parafusos (9) de colocados no tubo. Encha o reservatório até o
fixação da tampa ao reservatório. Remova a nível indicado pelo medidor (13). Acione a válvula
tampa do bocal de abastecimento, o tubo (10) e de alívio de pressão. Instale um anel de borracha
o filtro (14) do reservatório hidráulico. Remova (12) novo na tampa do bocal de enchimento.
e substitua o anel de borracha do filtro (11).
IMPORTANTE: Nunca use gasolina,
solvente ou outros fluidos inflamáveis
para limpar peças. Use solventes
comerciais autorizados e atóxicos. Use
óculos de segurança com proteção
lateral ao lidar com ar comprimido para
limpeza, evitando acidentes. Limite a
pressão do compressor a 2bar (30 PSI).
Lave o filtro metálico com um solvente. Use ar
comprimido para limpar o elemento (14). Sopre
de dentro para fora. Instale um novo anel de
borracha no encaixe e em seguida instale o tubo
(pré-filtro - 10).
Instale os parafusos (9) com um torque de 47,5
a 54,2Nm (4,9 a 5,5 kgf.m) (35 a 40 lb.ft).
120
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

Substituição do Fluido Hidráulico


Substitua o fluido hidráulico/fluido dos freios a cada 2000 horas de operação ou uma vez ao ano, o
que ocorrer primeiro. Ao substituir o fluido hidráulico substitua também o filtro. Para esta operação é
necessário obter um recipiente com capacidade para 180 litros (47.5 US gal).
1. Certifique-se de que o fluido hidráulico esteja na temperatura de trabalho.
2. Estacione a máquina em uma superfície nivelada e abaixe os implementos no chão. Acione o
freio de estacionamento.
3. Desligue o motor. Coloque a etiqueta NÃO OPERAR no volante da direção.

ATENÇÃO: Fluido sob pressão. Abaixe os equipamentos hidráulicos até


o chão, desligue o motor e movimente as alavancas de controle várias
! vezes. Solte o bocal de abastecimento do reservatório hidráulico para
aliviar a pressão, antes de afrouxar as conexões.
4. Retire o bujão de drenagem e drene o óleo dentro de um recipiente de 180 litros.
5. Remova o bocal de enchimento para ventilar o reservatório enquanto estiver sendo drenado.
Troque o filtro e limpe a tela metálica.
6. Instale o bujão de drenagem e encha o reservatório com óleo novo até o nível recomendado.
7. Instale a tampa do bocal de enchimento.
8. Ligue o motor e opere os controles para que o óleo preencha o circuito.
9. Desligue o motor, verifique o nível de óleo hidráulico. Se necessário, adicione óleo.

1. MEDIDOR DO NÍVEL DO FLUIDO HIDRÁULICO 2. BOCAL DE ENCHIMENTO DO FLUIDO


HIDRÁULICO

121
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

TRANSMISSÃO
Especificação de manutenção
Capacidade total de enchimento da transmissão (com filtro) ........................... 21 litros (5.5 US gal)
Tipo de fluido .......................................................................................... Ver “Fluidos e Lubrificantes”
Intervalo de verificação do nível de fluido ................................................................ A cada 10 horas
Intervalo de troca do filtro ................................................................. Após as primeiras 100 horas, e
....................................................................................................... posteriormente a cada 500 horas
Intervalo de limpeza da tela ................................................................................. A cada 1000 horas
Intervalo de troca do fluido ................................................................ Após as primeiras 100 horas, e
..................................................................................................... posteriormente a cada 1000 horas
IMPORTANTE: Troque o fluido da transmissão e substitua o filtro ao final das
primeiras 100 horas de operação.

IMPORTANTE: Se a máquina é nova ou se a transmissão tiver sido substituída ou


recondicionada, troque o fluido da transmissão e substitua o filtro ao final das
primeiras 100 horas de operação.

ATENÇÃO: NUNCA drene o fluido ou remova o filtro com o motor em


! funcionamento.

Verificação do Nível do Fluido


A cada 10 horas de operação ou
diariamente
Verifique o nível do fluido da transmissão 1
enquanto ele estiver quente e o sistema
carregado. Coloque a transmissão em
“NEUTRO”, deixe o motor em rotação baixa e
acione o freio de estacionamento.
Gire a haste da parte superior da tampa no
sentido anti-horário para afrouxá-la. Puxe a tampa
e verifique a vareta de nível. Adicione o fluido se
necessário, até o nível máximo. Após verificar o 1. VARETA DE NÍVEL DO FLUIDO DA
TRANSMISSÃO
nível, certifique-se de que a tampa esteja bem
rosqueada.

122
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

Filtro do Fluido da Transmissão Substituição do Fluido e


Substituir a cada 500 horas de Limpeza do Filtro de Tela
operação A cada 1000 horas de operação
ATENÇÃO: Nunca use Faça o motor funcionar até que o fluido da
gasolina, solvente ou outros transmissão atinja a temperatura de trabalho.
fluidos inflamáveis para limpar Estacione a máquina em um local nivelado,
! as peças. Use solventes acione o freio de estacionamento, abaixe a lâmina
comerciais autorizados, não até o solo e desligue o motor.
inflamáveis e atóxicos. Remova o bujão de dreno e a tela e deixe o fluido
escoar dentro de um recipiente de pelo menos
Limpe o filtro e a área ao redor do mesmo. Em 21 litros.
seguida remova a carcaça do filtro, substitua o
elemento e os anéis de vedação. Limpe as partes Limpe a tela completamente. Reinstale a tela e o
internas do cabeçote do filtro e a superfície de bujão. O filtro do fluido da transmissão deve ser
contato. Instale um filtro novo. substituído neste momento.
Encha o sistema, com o fluido especificado, até
o nível especificado. Faça o motor funcionar para
aquecer o fluido e complete se necessário.

ATENÇÃO: Nunca use


1
gasolina, solvente ou outros
! fluidos inflamáveis para limpar
as peças. Use solventes
comerciais autorizados, não
inflamáveis e atóxicos.

1. FILTRO DO ÓLEO DA TRANSMISSÃO

DRENO (1) TELA (2).

123
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

EIXO TRASEIRO
Especificações de manutenção
Eixo traseiro carcaça central (Graziano) ......................................................... 29,0 litros (7.7 US gal)
Eixo traseiro compartimentos laterais (cada lado) (Graziano) .......................... 5,0 litros (1.3 US gal)
Eixo traseiro carcaça central (Clark - Opcional) .............................................. 12,0 litros (3.2 US gal)
Eixo traseiro redutores planetários (cada lado) (Clark - Opcional) ................... 6,0 litros (1.6 US gal)
Tipo de óleo ......................................................................................... Veja “Fluidos e Lubrificantes”
Intervalo de troca de óleo ............................................................... Primeiras 100 horas de trabalho
.................................................................................................. e posteriormente a cada 2000 horas
NOTA: Não utilize nos eixos óleos diferentes do especificado. Os componentes do freio, internos aos
eixos, poderão ser danificados no caso da utilização de óleos diferentes do especificado.

EIXO TRASEIRO GRAZIANO Substituição do Óleo do Eixo


Traseiro
Compartimento central
Substitua o óleo do eixo traseiro a cada 2000
horas de operação.
1. Pare a máquina numa superfície nivelada.
Acione o freio de estacionamento e desligue
o motor.
EIXO TRASEIRO CLARK (Opcional) 2. Limpe os bujões de nível e abastecimento.
3. Verifique se o óleo do eixo traseiro encontra-
se perto da temperatura normal de operação.
4. Remova o bujão de dreno (2) e o bujão de
enchimento (1) para que o óleo escoe mais
rapidamente.
5. Após a drenagem, reinstale o bujão de dreno
e complete a carcaça central até o nível do
orifício do bujão de enchimento com o óleo
1. BUJÃO DE NÍVEL E DE ABASTECIMENTO
2. BUJÃO DE DRENAGEM
recomendado. Espere uns 15 minutos para
que o óleo preencha todas as cavidades
Nível do Óleo do Eixo Traseiro internas do eixo. Complete o nível e instale
o bujão de enchimento.
Estacione a motoniveladora numa área nivelada.
Remova o bujão de nível/abastecimento (1).
Adicione óleo conforme a necessidade. O nível
deve estar na parte inferior do orifício do bujão.
Instale o bujão e certifique-se de que está
apertado corretamente.

124
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

Nível de Óleo dos Redutores


Clark (Opcional)
Para a verificação do nível de óleo o bujão (4)
1 deve ficar posicionado horizontalmente.
Para drenar o óleo, coloque o bujão (4) na posição
inferior.
Para encher ou completar o nível do redutor final,
2 coloque o bujão (4) na posição horizontal.
3

1. BUJÃO DE ENCHIMENTO
2. BUJÃO DE NÍVEL
3. BUJÃO DE DRENO
4

4. BUJÃO DA TAMPA

125
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

TANDEM
Especificações de serviço
Capacidade de óleo do Tandem (Eixo Graziano) ........................................... 29,0 litros (7.7 US gal)
Capacidade de óleo do Tandem (Eixo Clark) .................................................. 22,5 litros (5.9 US gal)
Tipo de óleo ......................................................................................... Veja “Fluidos e Lubrificantes”
Intervalo de verificação de óleo .............................................................................. a cada 500 horas
Intervalo de troca de óleo .................................................................................... a cada 2000 horas
Intervalo de verificação/lubrificação com graxa ...................................................... a cada 500 horas
Tipo da graxa .................................................................................................. a base de lítio NLGI-2
Verificação do Nível de Óleo Porca do Cubo do Eixo
do Tandem Tandem
Pare a máquina em uma superfície nivelada. Verificar aperto a cada 2000 horas
Remova o bujão de nível (2). O nível do óleo deve
As porcas da roda do eixo tandem devem ser
estar na altura do orifício do bujão. Adicione óleo
verificadas periodicamente para ver se estão bem
até que fique no nível correto. Instale o bujão.
apertadas.
Substituição do Óleo do Aplique um torque de 637 Nm (65 kgf.m)
Tandem (469 lb.ft). Em seguida gire a porca até a próxima
Substitua o óleo a cada 2000 horas ranhura e instale o contra pino.

Retire o bujão de drenagem (3) e drene o óleo.


Remova os bujões de abastecimento (1) e de
nível de óleo (2) e reinstale o bujão de drenagem.
Adicione o óleo especificado pelo bocal de
abastecimento até que saia pelo orifício de nível
de óleo.
Reinstale e aperte os bujões de nível e de
abastecimento.

1. BUJÃO DE ENCHIMENTO
2. BUJÃO DE NÍVEL
3. BUJÃO DE DRENO
126
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

REDUTOR DO GIRA CÍRCULO


Especificações de serviço
Capacidade de óleo do redutor do gira círculo ............................................... 2,8 litros (0.75 US gal)
Tipo de óleo ......................................................................................... Veja “Fluidos e Lubrificantes”
Intervalo de verificação de óleo .............................................................................. a cada 250 horas
Intervalo de troca de óleo .................................................................................... a cada 1000 horas

Nível do Óleo do Gira-círculo


Verificar a cada 250 horas de
operação 3

Remova o bujão de nível “2”. Se não sair o óleo


pelo furo, retire o bujão de enchimento “1” e
adicione óleo até sair pelo furo do bujão “2”; em
seguida instale novamente os bujões.

3. REDUTOR DO GIRA-CÍRCULO

1. BUJÃO DE ENCHIMENTO
2. BUJÃO DE NÍVEL

127
LUBRIFICAÇÃO/FILTROS/FLUIDOS

RESERVATÓRIO DO LÍQUIDO DO LAVADOR


DO PÁRA-BRISA
O reservatório do líquido do lavador do pára-brisa
está localizado no compartimento do motor do
lado direito da máquina.
Para adicionar fluido, puxe a tampa para cima. 1

IMPORTANTE: Quando a temperatura


ambiente for igual ou inferior a 0°C
(32 ° F) utilize sempre líquido que
contenha aditivo anticongelante.

128
MANUTENÇÃO E AJUSTES
MANUTENÇÃO E AJUSTES

VERIFICAÇÃO DO FREIO DE ESTACIONAMENTO


Verifique a alavanca manual do freio de
estacionamento.
A alavanca deve ter uma ação distinta a partir do
centro. 1
Ajuste o freio girando a parte de cima da alavanca
no sentido horário (com o freio desacionado), para
obter ação a partir do centro. Se o ajuste da
alavanca estiver totalmente apertado, afrouxe a
contraporca (4), remova o pino (2) e gire o pino
esticador (3) no sentido horário várias vezes de
modo que, ao levantar a alavanca (1), o orifício
do pino esticador se alinhe com o orifício da
1. ARTICULAÇÃO DO FREIO DE
alavanca.
ESTACIONAMENTO
Instale o pino esticador e fixe-o com o contrapino.
Em seguida aperte a contraporca e regule a
alavanca.

129
MANUTENÇÃO E AJUSTES

ESTRUTURA DE PROTEÇÃO CONTRA


CAPOTAMENTO (ROPS)
Sua máquina está equipada com uma Estrutura Manutenção e inspeção
de Proteção contra Capotamento (ROPS). Uma
etiqueta da ROPS indica seu número de série, da ROPS
peso bruto, e os números de aprovação, de Após as 20 primeiras horas de operação e a cada
regulamentação e do modelo da máquina. Antes 500 horas proceda da seguinte maneira:
de operar a máquina, certifique-se de que a
1. Verifique o torque de aperto dos 6 parafusos
ROPS e os cintos de segurança do banco do
de fixação da ROPS. Se necessário, aperte
operador estejam corretamente instalados.
os parafusos com o torque correto (veja a
especificação do torque de aperto dos
parafusos a seguir).
2. Verifique o banco do operador e as peças de
fixação do cinto de segurança. Aperte os
parafusos com o torque correto (veja a
especificação do torque de aperto dos
parafusos a seguir). Substitua as peças que
apresentam desgaste ou danos.
3. Verifique a existência de trincas, corrosão ou
furos na ROPS e em seus componentes.
Tempo de utilização, condições atmosféricas
DECALQUE DA CABINE (ROPS) e acidentes irão causar danos à ROPS e a
seus componentes. Se tiver qualquer dúvida
Cinto de segurança da quando ao sistema ROPS, consulte seu
Concessionário Autorizado Case,
ROPS
O cinto de segurança é um equipamento importante Torque de Aperto dos
da ROPS. Utilize-o sempre quando for operar a Parafusos da ROPS
máquina.
1. Mantenha os cintos de segurança afastados de
objetos que possam danificá-los.
2. Verifique se os cintos de segurança não estão
danificados. Substitua as peças danificadas.
3. Certifique-se de que os parafusos de fixação
dos cintos de segurança estejam bem
apertados. 1
4. Mantenha os cintos de segurança sempre
limpos. Lave-os somente com água e sabão.
5. Não use corantes ou água sanitária no cinto de TORQUE DE APERTO DOS 16 PARAFUSOS
segurança. Isto irá enfraquecer os cintos de (AMBOS LADOS) DA ROPS OU CABINE: 772 a
segurança. 854 N.M (570 a 630 LB.FT)

130
MANUTENÇÃO E AJUSTES

Danos à Estrutura de A. Na ROPS ou na cabina da ROPS.

Proteção contra B. No banco do operador.

Capotamento (ROPS) C. Nas fixações do cinto de segurança e no


próprio cinto.
Se a máquina capotou ou se a ROPS sofreu
Antes de operar a máquina, substitua todos os
algum tipo de acidente (tal como colisão com uma
componentes danificados da ROPS.
ponte ou viaduto durante o transporte), É
NECESSÁRIO substituir as peças danificadas da Consulte o Catálogo de Peças ou seu
ROPS a fim de garantir ao operador o mesmo Concessionário Autorizado Case para verificar os
grau de proteção originalmente proporcionado. componentes que podem ser substituídos.
Após um acidente, verifique a existência de NÃO TENTE SOLDAR OU ENDIREITAR A
danos: ROPS.

ATENÇÃO: A inspeção ou manutenção inadequada da ROPS pode


! causar ferimentos ou morte. Efetue a inspeção da ROPS conforme
recomendado neste manual. Se houver necessidade de substituir a ROPS,
seus componentes ou elementos de sua fixação, utilize somente peças
originais de reposição conforme mostrado no Catálogo de Peças Case
para esta máquina.

ATENÇÃO: Não modifique a rops de maneira nenhuma. Modificações


! não autorizadas, como solda, furação, corte, etc., podem enfraquecer a
estrutura da rops. Troque a rops em caso de capotamento ou dano. Não
tente reparar a máquina sem a ROPS.

ATENÇÃO: Se operar esta máquina sem a ROPS e ela capotar, você


! poderá sofrer ferimentos ou morrer. Remova a ROPS somente para
efetuar manutenção ou substituição. Não opere a máquina sem a ROPS.

ATENÇÃO: A adição de carga extra (implementos, etc.) à máquina pode


! causar ferimentos ou morte. Não exceda o peso bruto total impresso na
etiqueta.

ATENÇÃO: Ajuste sempre bem o cinto de segurança antes de ligar motor.


!

131
MANUTENÇÃO E AJUSTES

TORQUE DE APERTO DOS PARAFUSOS DO


BANCO DO OPERADOR E CINTOS DE SEGURANÇA

1. 73-87 NM (54-64 FT LB)


2. 54-61 NM (40-45 FT LB)

Banco do operador Utilize pouquíssimo removedor com um pano


limpo sem fazer pressão. Remova a mancha a
Remova a poeira e a sujeira com um aspirador partir da extremidade, para o centro, usando
de pó ou escova macia. Tire as manchas sempre uma parte mais limpa do pano.
utilizando um removedor apropriado.
Quando a mancha tiver sido removida, utilize
Antes de usar o removedor, tente identificar o tipo imediatamente um pano para secar a área e para
e o tempo de existência das manchas. Algumas evitar a formação de uma mancha circular de
delas podem ser removidas com água e sabão. material do removedor. Se isto ocorrer, limpe a
FLUIDO PARA LIMPEZA: este tipo de removedor área completamente.
pode ser utilizado para retirar manchas de graxa NOTA: Manchas mais resistentes podem ne-
ou óleo. Remova cuidadosamente a mancha cessitar de uma segunda aplicação de remo-
utilizando um raspador ou uma faca sem corte. vedor e uma escovada para serem completa-
mente retiradas.

ATENÇÃO: NUNCA utilize gasolina, nafta ou qualquer outro material


! volátil para limpeza. Estes materiais são tóxicos e inflamáveis.!

132
MANUTENÇÃO E AJUSTES

Revestimento da Cabine Dobradiças da Porta


O revestimento de espuma da cabine diminui o Utilize grafite para lubrificar as dobradiças da
nível de ruído. Para manter o revestimento em porta da cabine. NÃO USE óleo.
boas condições, remova a poeira com um
aspirador.
Mangueiras e Fiações
IMPORTANTE: Não lave o revestimento
com água pois a água pode danificá-lo Verifique se há danos nas mangueiras e fiações.
e diminuir sua eficiência na redução de Se houver, consulte seu Concessionário
ruídos. Autorizado Case para reparos ou substituições.

EXTINTOR DE INCÊNDIO (se equipada)


Tipo de Extintor
Recomenda-se que a máquina possua um A capacidade desse extintor de incêndio de pó
extintor de incêndio. Este extintor pode ser químico seco é de 2,3 kg (5 libras) e é aprovado
adquirido e instalado no seu Concessionário para incêndios de classe A, B e C. A temperatura
Autorizado Case. de operação vai de -54° a 49° C (- 65° a 120° F).

Inspeção e Cuidados
MENSALMENTE: recomenda-se a inspeção do
extintor de incêndio uma vez por mês, para
detectar danos e certificar-se de que o medidor
está funcionando corretamente.
SEMESTRALMENTE: remover e reabastecer o
pó químico seco. Esse serviço deve ser realizado
por um técnico especializado em equipamentos
de incêndio.
ANUALMENTE: solicitar a inspeção do extintor a
um técnico especializado em equipamentos de
incêndio.

IMPORTANTE: NÃO monte o extintor de incêndio em nenhuma parte da estrutura


ROPS. NÃO faça nenhuma modificação na estrutura da ROPS.

133
MANUTENÇÃO E AJUSTES

CORREIAS DO ALTERNADOR E DO COMPRESSOR


DO AR CONDICIONADO
Intervalo de Manutenção
Intervalo de manutenção da correia do alternador ....................................... Conforme necessidade
Intervalo de manutenção da correia do compressor ................................ Verifique a cada 250 horas

1. Estacione a máquina em uma superfície


nivelada e aplique o freio de estacionamento.
2. Desligue a chave geral (OFF).

Verificação da Correia do
Alternador
Remova o painel situado atrás do banco do
motorista para inspecionar as correias. Faça a
medição da deflexão da correia no vão mais longo
entre as polias.
A deflexão máxima admissível deve ser de 9,5 a
12,7 mm (3/8 a 1/2").
Remova a correia usando um cabo de soquete
quadrado de 1/2".
NOTA: Os painéis atrás do banco do operador
devem ser retirados para ter acesso às correias.
Inspeção da Correia

1. POLIA DA BOMBA D’ÁGUA


2. POLIA DO VOLANTE DO MOTOR Após a remoção examine cuidadosamente a
3. QUADRADO DE 1/2" (12,7mm)
correia quanto a danos.
4. TENSOR DA CORREIA
5. ALTERNADOR

134
MANUTENÇÃO E AJUSTES

Inspeção do Tensor Instalação da Correia


A polia do tensor da correia deve poder girar
livremente, sem que nenhum ponto apresente
resistência, agarramento, etc., ao ser girado com
a mão.
Examine o estado do rolamento do tensor da
correia.

Usando o cabo de soquete de 1/2" e atuando no


encaixe do esticador, monte a correia observando
atentamente para que as ranhuras poly-v, se
encaixem perfeitamente com os canais existentes
nas polias do alternador e no amortecedor de
vibrações.

135
MANUTENÇÃO E AJUSTES

GUIAS DO CÍRCULO
Verificação e Ajuste Regulagem das Placas de
O círculo e as guias do círculo devem estar limpos Desgaste
para evitar travamento. Se as guias do círculo A primeira regulagem a ser efetuada é a da folga
estiverem excessivamente frouxas, os dentes do entre as placas de desgaste e a pista superior
círculo se desgastarão fazendo com que a do círculo (folga vertical).
rotação do círculo não seja uniforme.
Para tal, deve-se eliminar a folga excessiva entre
Porcas a pista superior do círculo e as placas de desgaste
Torque de aperto: 110 kgf.m das guias, com a remoção dos calços.
NOTA: Os calços acima removidos não devem
Folga ser desfeitos pois quando da aplicação das novas
radial placas, os mesmos poderão ser novamente utili-
max. 0.76mm zados para obtenção da folga especificada.
Lâmina
Observe que a folga máxima não supere a
Calços
1,52 mm, sendo que esta operação deve ser
Porca efetuada nas quatro guias, uma por vez, iniciando
pela guia dianteira (mais próxima do pinhão do
motor de giro).
Após esta regulagem, gire o círculo de 360º para
que este gire livremente.
Em seguida, regular a folga entre as placas de
desgaste e a pista interna do círculo (folga radial),
1 procedendo como segue:
Com a folga vertical já regulada, afrouxar as
porcas de fixação das guias e solte as contra
porcas dos parafusos de regulagem da folga
radial das mesmas.
1. GUIAS DO CÍRCULO Calços
Superfície
do círculo
Folga vertical
max 1,52mm

Guia Círculo

Folga radial
min 0,76mm
max 1,52mm

136
MANUTENÇÃO E AJUSTES

Colocar o pinhão do motor de giro de modo a Travar com as contra porcas os parafusos de
obter uma posição de engrenamento. regulagem. Apertar as porcas da guias e acionar
Observar que, no centro do pinhão do motor de o círculo para verificar se gira os 360° livremente.
giro, o vértice do dente engrenado e a porca Caso o círculo não gire livremente, refaça a
central de fixação da guia dianteira estejam regulagem aumentando progressivamente a folga
alinhados. entre os flancos dos dentes até o limite
Apoiando um dos flancos do dente do pinhão, no especificado.
flanco de um dos dentes do círculo, atuar no
parafuso de regulagem da folga radial da guia
dianteira até obter uma folga de 0,76 mm entre o Barra de Tração
flanco dos desntes do pinhão e do círculo. PORCAS DA ESFERA DA BARRA DE TRAÇÃO
Observe que quando da ajustagem da folga dos
dentes, a placa de desgaste da guia dianteira Verifique o torque de aperto das porcas de fixação
deve apoiar sobre a pista interna do círculo. da esfera da barra de tração.

Guia
Folga do
engrenamento
min 0,76mm
max 1,52mm
Guia

O torque deve ser de 732 a 895 N.m (540 a


660 lb.ft).

1. PINHÃO DO GIRA-CÍRCULO
Após terminada a regulagem da folga radial na
guia dianteira e apertadas todas as suas porcas,
regule as duas guias posteriores de modo a obter
uma folga máxima de 0,76 mm entre a pista
interna do círculo e as placas de desgaste
(curvas) das guias, através dos parafusos de
regulagem das mesmas.
137
MANUTENÇÃO E AJUSTES

Painel de Diagnóstico
Hidráulico

TOMADAS DE PRESSÃO CENTRALIZADAS


Quando ocorrerem falhas de pressão no sistema
hidráulico, verifique as pressões como a seguir:
1. PAINEL DE DIAGNÓSTICO HIDRÁULICO 1. Hidráulico *1
(210 ±10bar; 3045±145PSI)

2. Direção*2
(140-145bar; 2030-2175PSI)

3. Acumulador do freio LE *1
(80-95bar; 1160-1380PSI) *3
(110-120bar; 1600-1750PSI) *4
4. Acumulador do freio LD *1
(80-95bar; 1160-1380PSI) *3
(110-120bar; 1600-1750PSI) *4
5. Pressão dos freios LE *1
(65 ± 3bar; 940±43PSI)

6. Pressão dos freios LD *1


(65 ± 3bar; 940±43PSI)

7. Levantamento da lâmina *1 LE
(100-115bar; 1450-1670PSI)

8. Levantamento da lâmina *1 LD
(100-115bar; 1450-1670PSI)

NOTA: *1 Rotação do motor 2200rpm


*2 Rotação do motor 900rpm
*3 Pressão mínima no acumulador
*4 Pressão máxima no acumulador

138
SISTEMA ELÉTRICO
SISTEMA ELÉTRICO

SISTEMA ELÉTRICO
Operação das Baterias com Segurança
ATENÇÃO: Ao realizar a manutenção da bateria, use sempre proteção
! para o rosto, luvas e roupas protetoras. O ácido contido na bateria ou
sua explosão podem causar ferimentos graves.

ATENÇÃO: O ácido das baterias causa queimaduras graves. As baterias


contêm ácido sulfúrico. Evite o contato com a pele, olhos ou roupas. Antído-
to EXTERNO: Lave a região atingida com bastante água. INTERNO: Beba
! água ou leite em abundância. Chame um médico imediatamente. OLHOS:
Lave-os com bastante água durante 15 minutos e obtenha pronto atendi-
mento médico.

ATENÇÃO: Quando o eletrólito da bateria estiver congelado, a bateria


pode explodir se (1) você tentar carregá-la ou (2) você tentar dar a partida
! com uma bateria auxiliar e ligar o motor. Para evitar que o eletrólito da
bateria congele, mantenha-a à carga total. Se não seguir estas instruções,
tanto você quanto outras pessoas na área podem sofrer ferimentos.

ATENÇÃO: Faíscas ou chamas podem causar a explosão do gás hidro-


gênio de uma bateria. Para evitar a explosão, faça o seguinte:
1. Ao desconectar os cabos da bateria, faça-o sempre começando pelo
cabo negativo (-).
! 2. Ao conectar os cabos da bateria, deixe sempre o cabo negativo (-)
por último.
3. Não provoque o curto-circuito dos terminais da bateria usando obje-
tos metálicos.
4. Não solde, esmerilhe ou fume perto de uma bateria.

139
SISTEMA ELÉTRICO

MANUTENÇÃO DAS BATERIAS


NOTA: O sistema elétrico desta máquina é de 24 Respiros das Baterias
volts. Cada bateria é de 12 volts.
Mantenha os respiros das baterias limpos. Certi-
Antes de realizar a manutenção do sistema fique-se de que os respiros não apresentem qual-
elétrico, desconecte o cabo NEGATIVO (-) da quer restrição.
bateria.
Não deixe o motor funcionar com os cabos da Limpeza das Baterias
bateria ou com os fios do alternador desco- Verifique regularmente a existência de sujeira,
nectados. corrosão ou danos nas baterias. A sujeira, quan-
Antes de utilizar uma máquina elétrica de solda, do misturada ao eletrólito, ou o vapor condensado
desconecte os fios do alternador, do painel de no topo dos baterias pode descarregá-las. Utili-
instrumentos, da unidade de controle da trans- ze o seguinte método para limpar as baterias:
missão e DESLIGUE a chave geral. Limpe a parte externa das baterias com bicarbo-
NÃO utilize uma máquina de limpeza a vapor ou nato de sódio ou amoníaco e lave-as com água.
solventes para limpar o alternador. Utilize algum produto especial de limpeza de
baterias para evitar a corrosão nos seus ter-
Nível do Eletrólito das minais.
Baterias
Estas baterias são do tipo “Livre de Manutenção”,
portanto não é necessário adicionar água ao ele-
trólito.
Não mantenha as luzes acesas por um longo
período de tempo, estando o motor desligado
ou em marcha lenta. Mantenha as baterias lim-
pas, principalmente em sua parte superior.
Durante paradas curtas é preferível deixar o mo-
tor funcionando em marcha lenta, pois a cada
partida se consome muita carga das baterias.
IMPORTANTE: Se a temperatura for
igual ou inferior a 0° C e água tiver sido
adicionada a uma bateria, proceda da
seguinte forma: conecte um carregador
à bateria ou faça o motor funcionar du-
rante aproximadamente duas (2) horas.
Este procedimento é necessário para
que a água que foi adicionada se mistu-
re ao eletrólito no interior da bateria.

140
SISTEMA ELÉTRICO

SISTEMA AUXILIAR DA TRANSMISSÃO

Limp-home
O LIMP-HOME é uma função de emergência, uti-
lizada em caso de falha do módulo de controle
da transmissão. Se não for possível a substitui-
ção imediata do módulo, esta função permite a
condução da máquina até uma oficina para re-
paro.
O interruptor (8) localizado no painel de instru-
mentos possui três posições: frente, neutro e LIMP-HOME ATIVADO
marcha-a-ré. Para que o sistema funcione, desli-
Feche a tampa lateral, certifique-se de que o freio
gue a máquina, acione o freio de estacionamen-
de estacionamento esteja acionado, e dê partida
to e coloque o interruptor na posição neutro.
no motor.
Abra a tampa localizada na lateral direita da ca-
NOTA: Após a liberação do freio de estaciona-
bine do operador. Esta tampa permite o acesso
mento, selecione a direção de condução dese-
a dois conectores cinza e um preto.
jada (frente - ré) através do interruptor LIMP-
HOME localizado no painel de instrumentos.
Colocando o interruptor LIMP-HOME na posição
“para frente”, o sistema selecionará a segunda
marcha a frente. Colocando o interruptor LIMP-
HOME na posição “para trás”, o sistema selecio-
nará a primeira marcha a ré.
Após o reparo da máquina, retorne as conexões
como estavam anteriormente. Conecte os conec-
tores 1 com 2 e 3 com 4.
TAMPA LATERAL
Serviço de soldagem na
máquina
Quando for necessário realizar um serviço de
solda na máquina, certifique-se de desconectar
o conector preto localizado na lateral direita da
cabine do operador.

CONECTOR PRETO

COME-HOME NÃO ATIVADO CUIDADO: Executar serviço de soldagem sem


Desligue os conectores cinza, 1 e 2, 3 e 4. Co- desconectar o conector mostrado na figura, po-
necte então os conectores 2 e 3. derá causar danos ao módulo de controle da
transmissão.
141
SISTEMA ELÉTRICO

CAIXA DE FUSÍVEIS
Os fusíveis desta máquina são do tipo lâmina.
Para substituí-los, retire cada fusível velho e en-
caixe o novo. Cada fusível traz indicada a sua
corrente de operação. Consulte o decalque no
painel de fusíveis para saber a localização corre-
ta de cada um.
Relação dos Fusíveis e
Relés
Caixa de fusíveis 1
F1 - Indicadores de direção e luzes de advertência
F2 - Solenóide do Dual Power e tomada de força
F3 - Luzes da cabine e de sinalização
F4 - Farol baixo
F5 - Buzina
F6 - Monitor eletrônico de dados e sinal sonoro
F7 - Transmissão
F8 - Transmissão
F9 - Transmissão
F10 - Ventilador da cabine
F11 - Limpador e lavador dianteiro
F12 - Válv. solenóide do hidráulico auxiliar
F13 - Luzes de trabalho traseiras
F14 - Farol alto
F15 - Partida a frio
F16 - Limpador e lavador traseiro
Caixa de fusíveis 2
F1 - Ar condicionado
F2 - Ar condicionado (não usado)
F3 - Ar condicionado (não usado)
F4 - Recirculação do ar condicionado
F5 - Tração dianteira
F6 - Bloqueio do diferencial
F7 - Alarme de ré
F8 - Solenóide de corte do combustível
F9 - Luzes de freio
F10 - Limpador e lavador dianteiro inferior
F11 - Luzes da cabine
F12 - Luzes de trabalho (após a lâmina)
F13 - Luzes de trabalho (antes da lâmina)
F14 - Rádio
F15 - Bomba alimentadora (não usado)
F16 - Luzes dos equipamentos dianteiros (opc)
R1 - Bomba de combustível - segurança (não usado)
R2 - Bomba de combustível - segurança (não usado)
R3 - Relé de partida auxiliar
R4 - Relé farol baixo
R5 - Relé farol alto
R6 - Relé luzes de trabalho traseiras
R7 - Relé buzina
R8 - Relé luz de ré
R9 - Relé de partida a frio
R10 - Relé bloqueio do diferencial
R11 - Relé do solenóide do Dual Power
R12 - Relé do ventilador do A/C
R13 - Relé do ventilador de aquecimento do A/C
R14 - Relé das luzes dos equipamentos dianteiros

142
SISTEMA ELÉTRICO

RADIO
O radio tem alimentação independente da chave geral, permitindo que a sintonia das emissoras não
seja perdida, continuando memorizada mesmo quando as baterias são trocadas.
A tensão de alimentação do radio é de 12V, obtida através de um conversor que transforma os 24V
do sistema elétrico da máquina.
Como o conversor consome corrente para manutenção e memorização das emissoras, é necessário
desconectar o conversor quando a máquina ficar mais de 10 dias parada, evitando que as baterias
descarreguem durante o período de inatividade.
Antes do armazenamento da máquina, desconecte os conectores A e B do radio. Quando for utilizar
a máquina novamente, reconecte os conectores A e B, sintonize e memorize as estações do radio.

Chave geral

Motor de partida

Terra Bateria Bateria


(Chassis)
Conector preto (fêmea)
Conector branco (macho)

Radio
Conversor

Conectores A e B do radio
O acesso aos conectores A e B é feito pelo interior
da cabine, ao lado do painel lateral e chave geral.

A - Conector branco (macho)


B - Conector preto (fêmea)

143
SISTEMA ELÉTRICO

Esta página foi deixada em branco intencionalmente

144
ARMAZENAMENTO DA MÁQUINA
ARMAZENAMENTO DA MÁQUINA

ARMAZENAMENTO DA MÁQUINA
Preparação para o 8. Colocar 15 ml (uma colher de sopa) de cristais
Armazenamento VPI da Shell no tanque de combustível.

A máquina que for ficar parada por mais de 30 9. Trocar o óleo do motor e os filtros de óleo.
dias deve ser estacionada dentro de um galpão 10. Drenar o sistema de arrefecimento deixando
fechado. Se não houver galpão disponível, abertas as válvulas de dreno e a tampa do
estacione a máquina sobre pranchas em uma radiador desapertada; colocar uma etiqueta
área seca e cubra-a com uma lona impermeável de NÃO OPERAR A MÁQUINA na cabina.
após ter tomado as seguintes providências: 11. Limpar ou substituir o elemento primário do
1. Lavar a máquina. filtro de ar.
2. Lubrificar todas as graxeiras. 12. Recobrir todas as hastes expostas dos
3. Pintar todas as áreas onde a pintura tenha cilindros hidráulicos e dos carretéis das
sido danificada. válvulas dos equipamentos e da transmissão
com produto de proteção contra corrosão.
4. Movimentar todos os comandos hidráulicos
para aliviar a pressão no sistema. 13. Carregar as baterias e removê-las da
máquina, colocando-as sobre um estrado de
5. Drenar o combustível do tanque. madeira em local fresco e seco. Se possível,
6. Abastecer o tanque de combustível com mantê-las em um local onde a temperatura
aproximadamente 8 litros de óleo Diesel de ambiente seja superior à de congelamento
limpeza. Fazer o motor funcionar até que a (0°C, 32°F). Certifique-se de que as baterias
fumaça no escape apresente coloração estejam limpas.
branco-azulada.
7. Drenar o óleo de limpeza do tanque de
combustível.

145
ARMAZENAMENTO DA MÁQUINA

Reutilização da Máquina após 9. Remova o produto de proteção contra


o Armazenamento corrosão das hastes dos cilindros hidráulicos
utilizando solvente à base de petróleo.
NOTA: NÃO LIGUE o motor até que todos os
passos a seguir tenham sido realizados: 10. Consulte os procedimentos de instalação das
baterias.
1. Substitua os filtros de combustível.
11. Abasteça o tanque com novo combustível
2. Adicione líquido de arrefecimento ao sistema Diesel.
de arrefecimento do motor.
12. Remova o ar do sistema de combustível.
3. Verifique o estado das correias de
acionamento do motor e substitua se 13. Antes de dar a partida no motor, faça o
necessário. enchimento das linhas de lubrificação do
turbocompressor com óleo de motor. Ligue o
4. Verifique o nível de óleo do motor. motor. É importante que você siga o
5. Verifique o nível de fluido hidráulico. procedimento correto.
6. Verifique o nível do fluido da transmissão.
7. Verifique o nível de óleo do eixo.
8. Lubrifique todas as graxeiras da máquina.

146
ESPECIFICAÇÕES
ESPECIFICAÇÕES

ESPECIFICAÇÕES
Motor
Cummins 6BTA 5.9
Modelo: Tipo vertical, em linha, Diesel, refrigerado a água, 4 ciclos, injeção direta, turbo alimentado,
alimentado por bomba Bosch em linha.
Número de Cilindros ........................................................................................................................ 6
Deslocamento Volumétrico ................................................................................. 5,9 litros (359,9 in3)
Diâmetro e Curso ...................................................................... 4.02 in x 4.72 in (102mm x 120 mm)
Rotação da marcha lenta ................................................................................................ 850±50 rpm
Rotação máxima sem carga ......................................................................................... 2420±50 rpm
Rotação Governada ........................................................................................................... 2200 rpm
Taxa de Compressão ............................................................................................................... 17,3:1
Carcaça do volante ....................................................................................................... SAE 3 (seco)
Ordem de Ignição ............................................................................................................ 1-5-3-6-2-4
Ponto de Injeção do Combustível ................................................................................................. 22º
Peso .......................................................................................................................... 449 kg (987 lbs)
Vazão da Bomba d’Água ................................................................. 48 GPM (180 LPM) @ 2200 rpm
Rejeição máxima para o Líquido de Arrefecimento ............... 4284 BTU/min (75,3 kW) @ 2200 rpm
Pressão do Óleo ................................................................................. Marcha lenta - 10psi (69 kPa)
Máxima sem carga - 30psi (207 kPa)
Motor Standard (845)
Potência (SAE J1995, máxima) ......................................................... 150 HP (112 kW) @ 2200 rpm
Torque (SAE J1995, líquido no volante) ........................................... 456 lb.ft (618 Nm) @ 1500 rpm

Motor Dual Power (845 DHP)


Potência (SAE J1995, máxima) ......................................................... 173 HP (129 kW) @ 2200 rpm
Torque (SAE J1995, líquido no volante) ........................................... 467 lb.ft (633 Nm) @ 1500 rpm

147
ESPECIFICAÇÕES

Transmissão Pneus
Tipo “POWER SHIFT” com 8 (oito) marchas a 13,00 x 24 - 12 PR (Standard)
frente e 4 (quatro) a ré. Válvula moduladora (tanto 14,00 x 24 - 10 PR (Opcional)
para frente como para trás) e desaplicação da 14,00 x 24 - 12 PR (Opcional)
embreagem. Seleção de marchas através de
17,50 x 25 - 12 PR (Opcional)
comando eletrônico.
Velocidades máximas nas marchas [km/h (mph)]
com pneu 14.00 x 24 Freios
Frente Ré Serviço: Multidisco em banho de óleo, auto
ajustáveis, acionamento hidráulico independente
1 3.6 (2.2) 3.6 (2.2) para cada lado do eixo traseiro.
2 5.1 (3.2) 7.2 (4.4) Emergência: Alimentação do freio de serviço por
3 7.2 (4.4) 4.3 (8.9) dois acumuladores de nitrogênio, um para cada
4 10.0 (6.2) 28.5 (17.7) circuito, de atuação automática em caso de queda
de pressão do sistema.
5 14.3 (8.9)
6 20.0 (12.4) Estacionamento: Mecânico, de disco, atua
integrado à transmissão.
7 28.5 (17.7)
8 42.9 (26.6)

Tandem
De perfil retangular, soldado em chapa de 16 e 19 mm de espessura. Eixos e engrenagens
intercambiáveis, montados sobre rolamentos de rolos cônicos.
Passo da corrente (Eixo Graziano) ...................................................................................... 50,8 mm
Passo da corrente (Eixo Clark - Opcional) ........................................................................... 31,8 mm
Oscilação do tandem para cada lado ........................................................................................... 20°
Eixo Dianteiro
Carcaça produzida em aço soldado de alta resistência com oscilação de 19° para cada lado. Inclinação
lateral das rodas 17° 30’ para a direita e esquerda, com acionamento hidráulico.
Altura livre sobre o solo ........................................................................................................ 640 mm
Eixo Traseiro
Carcaça de ferro fundido para aplicações severas. Eixo de aço tratado termicamente, montado com
rolamentos de rolos cônicos.
Eixo Graziano - Standard - Freio em banho de óleo, diferencial de escorregamento limitado (Super
Max Trac) com redutor planetário acoplado.
Eixo Clark - Opcional - Com redutor planetário e freios acoplados às rodas, bloqueio eletro-hidráulico
do diferencial
Altura livre sobre o solo ........................................................... 370 mm (Graziano) / 398 mm (Clark)

148
ESPECIFICAÇÕES

Direção
Rodas dianteiras ........................................................... Tipo servo assistida com ângulo de esterço
das rodas, 48º à direita ou esquerda
Cilindros ................................................................................................................................. 2 (dois)
Diâmetro e curso ................................................. Ø2.5 x Ø1.5 x 10.5in (Ø63,5 x Ø38,1 x 266,7 mm)
Ângulo de articulação do chassi ......................................................... 25° a esquerda, 25° a direita
Diâmetro e curso ............................................................................. Ø3.16 x 14.8 in (Ø80 x 377 mm)
Capacidade da bomba ................................................................ 10.6 GPM (40,1 LPM) @ 2200 rpm
Volante da direção (batente a batente) ............................................................................. 4,75 voltas
Pressão de alívio .......................................... 2200 psi (151 bar), integral com válvula de prioridade

Sistema Elétrico
Tensão do sistema ................................................................................................................. 24 Volts
Capacidade das baterias ........................................................................................................ 100 Ah
Alternador (Standard) ................................................................................... 45A, tipo escova aberta
Alternador (Opcional) ................................................. 70A, sem escova, regulador de estado sólido
Número de baterias .................................................................... 2 (duas baterias de 12 V em série)

Pesos em Condições de Operação


Líquido de arrefecimento, óleo hidráulico, combustível, cabine, operador, baterias standard.
Peso no eixo dianteiro .......................................................................................................... 3.445 kg
Peso no eixo traseiro ............................................................................................................ 9.310 kg
Peso de operação ............................................................................................................... 12.755 kg

Mesma máquina descrita acima equipada com cabine tipo ROPS, deslocamento lateral e angulação
da lâmina, gancho de tração traseiro e escarificador frontal.
Peso no eixo dianteiro .......................................................................................................... 4.509 kg
Peso no eixo traseiro ............................................................................................................ 9.716 kg
Peso de operação ............................................................................................................... 14.225 kg

Gira-círculo
Fabricado em aço soldado peça única, seção transversal em “T” 177 x 168 x 38 mm.
Diâmetro externo ................................................................................................................ 1753 mm
Ângulo de giro ......................................................... 360° contínuos, apoiado sobre 4 (quatro) guias
com insertos de resina fenólica intercambiáveis
Área de contato das guias ................................................................................................. 2.845 cm2
149
ESPECIFICAÇÕES

Barra de Tração
Fabricado em seção tipo caixa soldada, em forma de “A”, com motor hidráulico do gira círculo montado
na parte central. Conexão por meio de junta esférica ajustada por espaçadores.

Lâmina (Moldboard)
Fabricada em uma única peça em aço carbono, estampada a quente. Exclusivo perfil, evolvente
“Roll Away”. Bits e borda cortante substituíveis. Controles de deslocamento hidráulicos.
Tamanhos disponíveis:
12 pés ............................................................................................. 3.658 x 622 x 22 mm (standard)
13 pés .............................................................................................. 3.960 x 671 x 22 mm (opcional)
14 pés .............................................................................................. 4.267 x 671 x 22 mm (opcional)
Elevação máxima sobre o solo ............................................................................................. 435 mm
Ângulo máximo de talude a ambos os lados ................................................................................ 90º
Posição de inclinação da lâmina ................................................................................. 40º para frente
5º para trás

ALCANCE DA LÂMINA
(Externamente aos pneus, chassi não articulado)
Somente com deslocamento do círculo:
Lado direito ........................................................................................................................... 847 mm
Lado esquerdo ...................................................................................................................... 834 mm
Somente com deslocamento da lâmina:
Lado direito ........................................................................................................................ 1.221 mm
Lado esquerdo ................................................................................................................... 1.145 mm
Com deslocamento do círculo e lâmina:
Lado direito ........................................................................................................................ 1.494 mm
Lado esquerdo ................................................................................................................... 1.405 mm
Com deslocamento do círculo, lâmina e sela rotacionada no segundo ponto:
(Sela 3 furos, pneu 13x24, lâmina 12ft)
Lado direito ........................................................................................................................ 1.817 mm
Lado esquerdo ................................................................................................................... 1.538 mm
(Sela 5 furos, pneu 14x24, lâmina 12ft)
Lado direito ........................................................................................................................ 1.620 mm
Lado esquerdo ................................................................................................................... 1.051 mm
Com máquina articulada ao máximo de 25° para a direita ou para a esquerda, deve-se adicionar
684 mm para todas as dimensões anteriores.

150
ESPECIFICAÇÕES

Sistema Hidráulico
Controle totalmente hidráulico, alimentado por bomba de fluxo variável, com compensação de pressão
e vazão, tipo “sensível à carga”. Circuitos de centro fechado. Cilindros de elevação da lâmina montados
sobre a sela. Sistema de travamento da sela através de um cilindro hidráulico com comando por
válvula solenóide atuada por interruptor localizado no painel lateral. Válvulas de alívio e retenção de
todos os comandos.
Vazão máxima
Implementos ........................................................................................................................ 193 l/min
Direção/freio ........................................................................................................................... 37 l/min
Pressão máxima
Implementos .................................................................................................................... 197 kgf/cm2
Freio ................................................................................................................................... 65 kgf/cm2

Acessórios
ESCARIFICADOR
Tipo paralelogramo, montagem dianteira.
Peso (5 dentes) ........................................................................................................................ 648 kg
Peso (11 dentes) ...................................................................................................................... 690 kg
Largura ............................................................................................................................... 1.168 mm
Espaçamento entre dentes (5 dentes) .................................................................................. 229 mm
Espaçamento entre dentes (11 dentes) ................................................................................. 114 mm
Elevação máxima sobre o solo ............................................................................................. 527 mm
Penetração máxima .............................................................................................................. 318 mm
Comprimento da máquina com o escarificador ................................................................. 9.452 mm
LÂMINA DIANTEIRA
Peso ...................................................................................................................................... 1.165 kg
Dimensões ................................................................................................................ 2.762 x 953 mm
Penetração máxima sobre o solo ......................................................................................... 165 mm
Comprimento da máquina com lâmina frontal ................................................................... 9.404 mm
RIPPER TRASEIRO
Tipo paralelogramo, montagem traseira.
Penetração máxima sobre o solo .......................................................................................... 350 mm
Peso ......................................................................................................................................... 617 kg
Número de dentes ........................................................................................................................... 5
Comprimento da máquina com o ripper traseiro todo retraido ........................................... 9.576 mm

As informações aqui contidas são de ordem geral e não se referem a propósitos de aplicações
específicas. A CNH Latin America Ltda se reserva o direito de efetuar modificações ou melhoramentos
nas especificações aqui detalhadas sem aviso prévio.

151
ESPECIFICAÇÕES

DADOS DE OPERAÇÃO E DIMENSÕES

A
B
C

A. Bitola ..................................................................................................................... 7 ft (2134 mm)


B. Largura total até a extremidade dos pneus ................................................... 8 ft 3 in (2510 mm)
C. Largura da lâmina .............................................................................. 12 ft (3658 mm) (standard)
13 ft (3962 mm) (optional)
14 ft (4267 mm) (optional)
D. Altura total da ROPS ................................................................................ 10 ft 11 in (3340 mm)

152
ESPECIFICAÇÕES

N M

J K
I

H O
E
F
G

P Q
R

E. Centro do Tandem a traseira da máquina ...................................................... 5 ft 5 in (1650 mm)


F. Comprimento total do chassi ..................................................................... 25 ft 10 in (7869 mm)
G. Comprimento total da máquina ........................................................................... 28 ft (8521 mm)
H. Eixo traseiro ao centro das rodas traseiras ..................................................... 2 ft 7 in (797 mm)
I. Entre centros do Tandem ............................................................................... 5 ft 2 in (1594 mm)
J. Articulação central ao eixo traseiro ................................................................ 6 ft 5 in (1958 mm)
K. Eixo dianteiro à lâmina................................................................................... 8 ft 5 in (2562 mm)
L. Raio estático do pneu ............................................................................................. 2 ft (610 mm)
M. Altura dos cilindros de levantamento .................................................................. 10 ft (3047 mm)
N. Altura máxima do tubo de escape .......................................................... 10 ft 10.8 in (3323 mm)
O. Distância entre eixos ................................................................................... 20 ft 5 in (6219 mm)
P. Distância entre o centro das rodas traseiras até o Ripper ............................. 6 ft 8 in (2028 mm)
Q. Distância entre o centro das rodas dianteiras até o Escarificador ................. 5 ft 0 in (1520 mm)
R. Distância entre o centro das rodas dianteiras até a Lâmina dianteira ........... 5 ft 4 in (1620 mm)
- Raio de giro externo ..................................................................................... 23 ft 9 in (7250 mm)
- Vão livre (eixo traseiro) ..................................................................................... 14.9 in (380 mm)
- Vão livre (eixo dianteiro) ................................................................................... 24.5 in (622 mm)

153
ESPECIFICAÇÕES

Esta página foi deixada em branco intencionalmente

154
ÍNDICE ALFABÉTICO
ÍNDICE ALFABÉTICO

A C
Abaulamento ................................................ 82 Cabine .......................................................... 63
Acessórios ................................................. 151 Caixa de Fusíveis .............................. 51, 142
Advertência Calefação ..................................................... 57
Partida e Marcha a ré .............................. 13 Calibrando os Pneus ................................... 85
Alavancas Capacidades de Abastecimento ................ 149
Articulação da Máquina ........................... 45 Capuz do Motor ........................................... 91
Cilindro de Levantamento Esquerdo ....... 44 Carga de Refrigerante ................................. 58
Controle do Acelerador ............................ 51 Carter do Motor ............................................ 98
Deslocamento Lateral da Lâmina ............ 44 Chave Geral ................................................. 56
Deslocamento Lateral do Círculo ............ 44 Cilindro de Inclinação das Rodas
Escarificador, Ripper ou Lâmina Frontal .... 44 Dianteiras .................................................. 103
Inclinação da Lâmina ............................... 44 Cintos de Segurança ........................... 62, 69
Inclinação das Rodas Dianteiras ............. 45 Torque de Aperto dos Parafusos ........... 132
Inclinação do Volante .............................. 50 Circulação de Ar .......................................... 57
Levantamento da Lâmina ........................ 45 Clima Frio .................................................... 78
Rotação do Círculo .................................. 44 Clima Quente ............................................... 78
Alojamento do Manual do Operador ............. 3 Comandos da Cabine .................................. 44
Análise de Lubrificantes .................... 90, 109 Combustível Diesel .................................... 116
Antes da Operação ...................................... 10 Compartimento do Manual do Operador ....... 3
Antes da Partida no Motor ........................... 67 Componentes da Máquina ............................ 7
Ao Proprietário ............................................... 1 Conexões da Bateria Auxiliar ...................... 71
Após as Primeiras 100 Horas de Operação ... 69 Controle de Aquecimento da Cabine ........... 55
Após o Armazenamento ............................ 146 Cortando um Canal em “V” .......................... 79
Ar condicionado ........................................... 57 Corte de Talude ........................................... 75
Armazenamento da Máquina .................... 145 Curvas de Nível ........................................... 80
Armazenamento de Combustível .............. 116
D
B Dados de Operação e Dimensões ............ 152
Baixa Carga da Bateria ............................... 48 Danos à Estrutura de Proteção
Banco do Operador ..................................... 60 contra Capotamento ................................. 131
Torque de Aperto dos Parafusos ........... 132 Decalques .................................................... 35
Barra de Tração ......................................... 137 Decalques de Segurança ............................ 31
Baterias Diagnóstico Hidráulico ............................... 138
Nível do Eletrólito .................................. 140 Difusores de Ar ............................................ 64
Operação com Segurança ..................... 139 Direção ....................................................... 149
Respiros ................................................ 140 Direção da Banda de Rodagem .................. 85
Bicos Injetores ........................................... 118 Dobradiças da Porta .................................. 133
Bloqueio do Diferencial ................................ 49 Drenagem do Reservatório
Blower Fan Speed Switch ........................... 55 de Combustível ......................................... 117
Bocal de Enchimento de Combustível ...... 115
Braço de Inclinação das Rodas Dianteiras ... 103

155
ÍNDICE ALFABÉTICO

E Instruções de Operação da Transmissão ... 14


Interruptores
Eixo Dianteiro ............................................ 148 Partida ..................................................... 56
Eixo Traseiro .............................................. 148 Intervalos para Primeiros Serviços .............. 69
Emergência da Direção ............................... 49
Escarificador .............................................. 151 J
Escarificar .................................................... 76
Estacionando a Máquina ............................. 15 Juntas Universais e Cardã ........................ 104
Estrutura de Proteção contra
Capotamento (ROPS) ...................... 18, 130 L
Extintor de Incêndio ........................... 15, 133 Lâmina ....................................................... 150
Leito de Estradas ......................................... 82
F Limp-home ................................................. 141
Filtro de Ar ................................................. 110 Limpador do Pára-brisa ............................... 64
Filtro de Combustível ........................ 100, 117 Limpando um Canal de Leito Úmido ........... 81
Filtro de Combustível da Linha .................. 117 Limpeza
Filtro do Fluido da Transmissão ................ 123 Filtro de Ar ............................................. 110
Fluidos e Lubrificantes ................................. 93 Filtro de Tela .......................................... 123
Freio de Estacionamento ............................. 48 Radiador ................................................ 114
Freios ......................................................... 148 Limpeza do Filtro da Linha de Sucção ...... 120
Funcionamento .................................... 12, 72 Líquido de Arrefecimento ........................... 112
Fusíveis e Relés ........................................ 142 Luz Interna ................................................... 64
Luzes de Advertência .................................. 45
G
M
Gira-círculo ................................................ 149
Graxeiras ................................................... 101 Mancal Central do Tandem ........................ 105
Guias do Círculo ........................................ 136 Mangueiras e Fiações ............................... 133
Manutenção ................................................. 17
H Manutenção das Baterias .......................... 140
Manutenção das Rodas e Pneus ................ 18
Horímetro ..................................................... 47 Manutenção do Motor ................................ 108
Horímetro do Motor ...................................... 88 Manutenção dos Pneus ou Aros ................. 85
Motor Standard .......................................... 147
I
Incêndio ou Explosão .................................. 16 N
Indicadores Nível de Óleo da Transmissão .................... 99
Advertência .............................................. 49 Nível de Óleo dos Redutores Clark ........... 125
Diagnóstico .............................................. 50 Nível do Eletrólito das Baterias ................. 140
Direção .................................................... 49 Nível do Líquido de Arrefecimento .............. 98
Marchas ................................................... 50 Nível do Óleo do Eixo Traseiro .................. 124
Painel de Instrumentos ............................ 48 Nível dos Fluidos ......................................... 98
Inspeção do Tensor ................................... 135 Normas de Segurança ......................... 19, 34
Instalação da Correia ................................ 135 Número do Motor ........................................... 5
Instruções de Operação .............................. 72 Números de Identificação .............................. 5

156
ÍNDICE ALFABÉTICO

O Portas de Acesso ......................................... 97


Posto do Operador ...................................... 43
Óleo do Motor ............................................ 106 Precauções para Clima Frio ........................ 78
Nível ...................................................... 108 Preparação para o Armazenamento ......... 145
Operação ..................................................... 73 Pressão Baixa
Operação da Máquina ................................. 11 Freio ........................................................ 49
Operações Típicas ....................................... 79 Óleo da Transmissão ............................... 49
Operando a Máquina em Clima Quente ...... 78 Óleo do Motor .......................................... 49
Pressão dos Pneus ...................................... 86
P Prevenção Contra Queimaduras ................. 15
Painel Prevenção de Incêndio ou Explosão ........... 16
Diagnóstico Hidráulico ........................... 138 Programa de Análise de Lubrificantes ....... 109
Eletrônico ................................................. 47
Indicadores .............................................. 55 R
Interruptores ............................................ 53 Radiador ............................................. 98, 114
Parada ......................................................... 12 Reboque ...................................................... 74
Parada do Motor .......................................... 72 Recomendações de Segurança
Parando e Estacionando a Motoniveladora .... 77 antes da Manutenção ................................. 87
Partida .......................................................... 12 Redutor do Gira Círculo ............................. 127
Partida Auxiliar ............................................. 71 Regras Adicionais de Segurança ................ 13
Partida do Motor .......................................... 72 Regras de Segurança .................................... 9
Peças Plásticas e em Resina ...................... 90 Regulagem das Placas de Desgaste ........ 136
Pedal Relação dos Fusíveis e Relés ................... 142
Freio ........................................................ 50 Reservatório do Líquido da Lavador ......... 128
“Inching” ................................................... 50 Reservatório Hidráulico ............................. 100
Inclinação do Console ............................. 50 Respiros das Baterias ............................... 140
Período de Amaciamento ............................ 70 Restrição
Pesos em Condições de Operação ........... 149 Filtro de Ar ............................................... 49
Pino de Travamento .................................... 89 Filtro de Óleo da Transmissão ................. 49
Pino-mestre do Munhão ............................ 103 Filtro de Óleo Hidráulico .......................... 49
Pivôs de Ariculação do Eixo Dianteiro ...... 104 Reutilização da Máquina
Pivôs de Articulação do Ripper e Cilindro ..... 105 após o Armazenamento ............................ 146
Pivôs de Inclinação da Lâmina .................. 102 Revestimento da Cabine ........................... 133
Pivôs dos Cilindros de Articulação ............ 101 Rodas e Pneus ............................................ 83
Pivôs dos Cilindros de Inclinação Rolamentos das Rodas Dianteiras ............ 105
da Lâmina ................................................. 102 Rolamentos dos Eixos do Tandem ............ 104
Pivôs dos Cilindros de Levantamento ROPS ........................................................... 18
da Lâmina ................................................. 102 Rótula da Barra de Tração ........................ 101
Pneus ......................................................... 148 Rótulas do Cilindro de Levantamento
Porca do Cubo do Eixo Tandem ................ 126 da Lâmina ................................................. 101
Porcas de Roda ........................................... 86 Rótulas do Cilindro Deslocam. Lateral
Porta ............................................................ 63 do Círculo ................................................. 101

157
ÍNDICE ALFABÉTICO

S T
Segurança ..................................................... 9 Tabela de Lubrificação e Manutenção ......... 94
Seleção do Óleo do Motor ......................... 106 Tacômetro .................................................... 47
Simbologia ................................................... 32 Tandem ............................................ 126, 148
Sinais de Mão .............................................. 40 Temperatura
Sistemas Água do Motor ......................................... 48
Arrefecimento ........................................ 112 Óleo da Transmissão ............................... 48
Substituição do Líquido e Limpeza ... 113 Óleo Hidráulico ........................................ 48
Auxiliar da Transmissão ......................... 141 Termostato ................................................. 112
Combustível ........................................... 115 Terraceamento ............................................. 80
Elétrico ......................................... 139, 149 Tomada de Corrente Auxiliar ....................... 56
Filtro de Ar ............................................. 110 Torque de Aperto dos Parafusos da ROPS .. 130
Freios ..................................................... 119 Transmissão ............................. 99, 122, 148
Hidáulico ................................................ 119 Trava do Neutro ........................................... 52
Hidráulico ............................................... 151
Lubrificação do Motor ............................ 106 V
Soldagem na Máquina ............................... 141 Válvulas do Motor ...................................... 118
Substituição Variação da Rotação do Motor .................... 72
Fluido da Transmissão .......................... 123 Velocímetro .................................................. 47
Fluido Hidráulico .................................... 121 Verificação
Óleo do Eixo Traseiro ............................ 124 Alarme de Advertência da Ré .................. 13
Óleo do Motor ........................................ 108 Circuito de Partida em Neutro ................. 13
Sugestão de Operação ................................ 78 Freio de Estacionamento ....................... 129
Guias do Círculo .................................... 136
Nível do Óleo do Gira-círculo ................ 127

158
TERMO DE GARANTIA

TERMO DE GARANTIA
Produtos CASE - Linha Construção

A CNH - LATIN AMERICA LTDA., fabricante dos equipamentos marca CASE, garante os produtos
novos de sua fabricação contra defeitos de mão-de-obra e materiais através do seu Serviço Técnico-
Autorizado.

O SERVIÇO TÉCNICO AUTORIZADO consertará ou reparará em seu próprio estabelecimento cada


peça do produto, a qual de acordo com a análise técnica, apresente falha e/ou defeito de material ou
fabricação, provendo ainda, a mão de obra para a instalação da peça em questão, sem qualquer ônus
para o usuário, por um período de 12 (doze) meses no caso de motores, transmissões, eixos, compo-
nentes hidráulicos e estruturais, e por um período de 6 (seis) meses, para os demais itens, incluindo
vedações de componentes, a contar da data de entrega do produto novo ao usuário final.
Não se inclui entretanto na Garantia as despesas relativas ao transporte do equipamento ou de seus
componentes ao estabelecimento dos distribuidores, bem como despesas de estadia e viagem caso o
usuário opte pela intervenção fora de tais estabelecimentos. Nesta hipótese o SERVIÇO TÉCNICO
AUTORIZADO deverá apresentar ao consumidor o ORÇAMENTO, por escrito para ser PREVIAMEN-
TE APROVADO PELO CONSUMIDOR.
As peças aplicadas em substituição estarão cobertas pelo restante do período de garantia do produto.
As peças genuínas também estão cobertas por Garantia de 90 (noventa) dias, a partir da emissão da
Nota Fiscal, desde que sejam aplicadas de acordo com as normas da CNH. Caso as peças genuínas
sejam aplicadas por representante do SERVIÇO TÉCNICO AUTORIZADO, a cobertura de Garantia
das mesmas passa a ser de 180 (cento e oitenta) dias.
Esta garantia é condicionada a execução das revisões obrigatórias, isto é, de estocagem, pré-entrega
e entrega técnica.
ESTA É A ÚNICA GARANTIA OFERECIDA E SUBSTITUI QUAISQUER OUTRAS EXPRESSAS OU
IMPLÍCITAS. NÃO EXISTEM OUTRAS GARANTIAS DA CNH QUE ULTRAPASSEM ESTAS AQUI
EXPRESSAS.

CLÁUSULAS DE EXCLUSÃO - Esta GARANTIA não se aplica nos casos em que:


• constate-se, pela análises técnicas, O USO OU MANUTENÇÃO INADEQUADO, NEGLIGÊNCIA,
IMPERÍCIA OU ACIDENTE, ALÉM DE IMPLEMENTOS E/OU PEÇAS NÃO HOMOLOGADAS PELA
COMPANHIA, E/OU USO DE LUBRIFICANTES E ÓLEOS NÃO INDICADOS,
• os produtos novos forem submetidos a funcionamento acima da capacidade recomendada, usados
para fins não recomendados,
• os produtos forem alterados ou reparados de maneira não autorizada pela CNH, fabricante dos produ-
tos CASE,
• os produtos cuja manutenção preventiva e inspeções não forem executadas de acordo com as espe-
cificações dos produtos CASE,
• os componentes que possuem coberturas de seus respectivos fabricantes, como pneus, componen-
tes elétricos e componentes de injeção de combustíveis,
• os defeitos forem devidos à modificação de produto ou ao uso de peças e componentes instalados
que não sejam autorizados pela CNH, fabricante dos produtos CASE,
• haja perdas econômicas incluindo despesas com equipamentos alugados.
• sejam itens de desgaste normal como: disco de freio, embreagem, barras de corte, facas, pinos,
junções lubrificadas (pinos e buchas), e qualquer peça que se desgaste devido ao contado com o
solo, óleos, lubrificantes, filtros, escapamentos e peças associadas, bicos injetores, ajustadores, cor-
reias, lentes, lâmpadas e fusíveis,
• a RESPONSABILIDADE DA CASE OU DO SERVIÇO TÉCNICO AUTORIZADO, quer pôr contrato
civil ou resultante de garantias, declarações, instruções ou efeitos de qualquer natureza, será limitada
ao conserto ou entrega de peças, novas ou recondicionadas, sob as condições anteriormente
mencionadas.

A Garantia da Máquina usada CASE somente vigorará se estiver de acordo com o descrito nesta
publicação. A CNH, fabricante dos produtos CASE não autoriza ninguém, inclusive um distribuidor
CASE, a modificar ou estender qualquer um dos termos desta Garantia.

CNH - LATIN AMERICA LTDA.

A CNH Latin America Ltda reserva-se o direito de, a qualquer momento, revisar, modificar ou descontinuar
qualquer de seus produtos sem que isso implique em efetuar o mesmo em modelos já comercializados.
160
Revisão de Pré-Entrega
nº da O.S. nº horas: data:
/ /

Itens a inspecionar

SISTEMA DE ARREFECIMENTO SISTEMA HIDRÁULICO


❑ Verifique o nível do líquido ❑ Verifique o nível de fluido no reservatório
❑ Verifique a existência de vazamentos ❑ Verifique a existência de vazamentos
❑ Verifique a pressão de regulagem das vál-
SISTEMA DE COMBUSTÍVEL vulas de alívio principais
❑ Drenar água e sedimentos do reservatório ❑ Verifique o filtro de óleo hidráulico
de combustível
❑ Verifique a existência de vazamentos GERAL
❑ Verifique a existência de vazamentos e
SISTEMA ELÉTRICO peças soltas
❑ Verifique o nível do eletrólito da bateria e ❑ Verifique o torque de aperto das porcas
a densidade de roda
❑ Verifique o funcionamento do alternador, ❑ Verifique a pressão dos pneus
motor de partida, instrumentos e luzes de ❑ Reaperte as abraçadeiras das mangueiras
advertência ❑ Verifique a operação da lâmina, do escari-
❑ Verifique o funcionamento de todas as ficador e do ripper
lâmpadas ❑ Verifique a operação dos freios de serviço
e de estacionamento
LUBRIFICAÇÃO ❑ Verifique o funcionamento do assento do
❑ Lubrifique todos os pivôs operador
❑ Verifique o nível de óleo do eixo traseiro ❑ Verifique a operação das alavancas de
(diferencial e redutores laterais) controle
❑ Verifique o nível de óleo dos tandems ❑ Verifique a operação da sela
❑ Verifique o nível de óleo da transmissão ❑ Verifique a operação da direção
❑ Verifique o nível de óleo do redutor do gira ❑ Verifique a operação da transmissão
círculo
SEGURANÇA
MOTOR ❑ Verifique o torque de aperto dos parafusos
❑ Verifique o estado da correia de fixação do cinto de segurança e do
❑ Verifique o nível do óleo no cárter ROPS
❑ Verifique a rotação de marcha lenta e ❑ Verifique a existência e estado das
máxima sem carga etiquetas de advertência
❑ Verifique o estado dos elementos filtrantes ❑ Certifique-se da existência do Manual do
do filtro de ar Operador e do Condutor
❑ Verifique o pino de travamento para
transporte
❑ Verifique o pino de travamento da sela

161
162
Registro de Manutenção Periódica

1ª Revisão 2ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

3ª Revisão 4ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

5ª Revisão 6ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

163
Registro de Manutenção Periódica

7ª Revisão 8ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

9ª Revisão 10ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

11ª Revisão 12ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

164
Registro de Manutenção Periódica

13ª Revisão 14ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

15ª Revisão 16ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

17ª Revisão 18ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

165
Registro de Manutenção Periódica

19ª Revisão 20ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

21ª Revisão 22ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

23ª Revisão 24ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

166
Registro de Manutenção Periódica

25ª Revisão 26ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

27ª Revisão 28ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

29ª Revisão 30ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

167
Registro de Manutenção Periódica

31ª Revisão 32ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

33ª Revisão 34ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

35ª Revisão 36ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

168
Registro de Manutenção Periódica

37ª Revisão 38ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

39ª Revisão 40ª Revisão

Distribuidor: Distribuidor:

Horímetro: Data: Horímetro: Data:

Ordem de Serviço: Ordem de Serviço:

Observação: Observação:

Carimbo e Assinatura Carimbo e Assinatura

41ª Revisão

Distribuidor:

Horímetro: Data:

Ordem de Serviço:

Observação:

Carimbo e Assinatura

169
170
Registro de Garantia do Proprietário
Série da Máquina Distribuidor Início da Fim da
Garantia Garantia

D M A D M A
Nº de Horas Marca - Modelo do Motor Endereço

Série do Motor Série da Transmissão

Modelo Cidade Estado País

IMPLEMENTOS Código do Distribuidor


Série Uso da
Modelo Fábrica

INFORMAÇÕES DO PROPRIETÁRIO

171
Razão Social

CGC - MF CPF

Endereço

Cidade Estado CEP País

Contato DDD Telefone

TIPO E INSTRUÇÕES DE GARANTIA CÓDIGO DE USO CÓDIGO DE APLICAÇÃO


A MÁQUINA NOVA - Solicitar Garantia em Nome do Comprador
B MÁQUINA EM ESTOQUE DO DISTRIBUIDOR - Cedida para Demonstração
C MÁQUINA PREVIAMENTE REGISTRADA - Demonstradora
D MÁQUINA REVENDIDA

via - CASE “ESTE FORMULÁRIO REGISTRA O PROPRIETÁRIO E O INÍCIO E COBERTURA DA GARANTIA” VIDE-VERSO ➛
Esta máquina foi devidamente regulada e inspecionada Recebi e revi o Manual do Operador da máquina e
antes de ser entregue, conforme Folha de Revisão de entendo a operação adequada e segura, assim como
Pré-Entrega. as exigências de manutenção desta máquina.
A máquina foi-me entregue em condições satisfatórias
Os itens abaixo foram explicados ao comprador: e entendo que a política de garantia está descrita na
página “GARANTIA - PRODUTO CASE”, integrante
A - Procedimentos adequados de operação e deste manual.
instruções do Manual do Operador.
Recebi:
B - A importância das medidas de segurança,
equipamentos de segurança e manutenção Manual do Operador

172
preventiva.
Catálogo de Peças
C - Condições e tipo de cobertura de Garantia.
Ferramentas
ASSINATURA E CARIMBO DO DISTRIBUIDOR DATA ASSINATURA DO COMPRADOR DATA
Registro de Garantia do Proprietário
Série da Máquina Distribuidor Início da Fim da
Garantia Garantia

D M A D M A
Nº de Horas Marca - Modelo do Motor Endereço

Série do Motor Série da Transmissão

Modelo Cidade Estado País

IMPLEMENTOS Código do Distribuidor


Série Uso da
Modelo Fábrica

INFORMAÇÕES DO PROPRIETÁRIO

173
Razão Social

CGC - MF CPF

Endereço

Cidade Estado CEP País

Contato DDD Telefone

TIPO E INSTRUÇÕES DE GARANTIA CÓDIGO DE USO CÓDIGO DE APLICAÇÃO


A MÁQUINA NOVA - Solicitar Garantia em Nome do Comprador
B MÁQUINA EM ESTOQUE DO DISTRIBUIDOR - Cedida para Demonstração
C MÁQUINA PREVIAMENTE REGISTRADA - Demonstradora
D MÁQUINA REVENDIDA

via - DISTRIBUIDOR “ESTE FORMULÁRIO REGISTRA O PROPRIETÁRIO E O INÍCIO E COBERTURA DA GARANTIA” VIDE-VERSO ➛
Esta máquina foi devidamente regulada e inspecionada Recebi e revi o Manual do Operador da máquina e
antes de ser entregue, conforme Folha de Revisão de entendo a operação adequada e segura, assim como
Pré-Entrega. as exigências de manutenção desta máquina.
A máquina foi-me entregue em condições satisfatórias
Os itens abaixo foram explicados ao comprador: e entendo que a política de garantia está descrita na
página “GARANTIA - PRODUTO CASE”, integrante
A - Procedimentos adequados de operação e deste manual.
instruções do Manual do Operador.
Recebi:
B - A importância das medidas de segurança,
equipamentos de segurança e manutenção Manual do Operador

174
preventiva.
Catálogo de Peças
C - Condições e tipo de cobertura de Garantia.
Ferramentas
ASSINATURA E CARIMBO DO DISTRIBUIDOR DATA ASSINATURA DO COMPRADOR DATA
Registro de Garantia do Proprietário
Série da Máquina Distribuidor Início da Fim da
Garantia Garantia

D M A D M A
Nº de Horas Marca - Modelo do Motor Endereço

Série do Motor Série da Transmissão

Modelo Cidade Estado País

IMPLEMENTOS Código do Distribuidor


Série Uso da
Modelo Fábrica

INFORMAÇÕES DO PROPRIETÁRIO

175
Razão Social

CGC - MF CPF

Endereço

Cidade Estado CEP País

Contato DDD Telefone

TIPO E INSTRUÇÕES DE GARANTIA CÓDIGO DE USO CÓDIGO DE APLICAÇÃO


A MÁQUINA NOVA - Solicitar Garantia em Nome do Comprador
B MÁQUINA EM ESTOQUE DO DISTRIBUIDOR - Cedida para Demonstração
C MÁQUINA PREVIAMENTE REGISTRADA - Demonstradora
D MÁQUINA REVENDIDA

via - PROPRIETÁRIO “ESTE FORMULÁRIO REGISTRA O PROPRIETÁRIO E O INÍCIO E COBERTURA DA GARANTIA” VIDE-VERSO ➛
Esta máquina foi devidamente regulada e inspecionada Recebi e revi o Manual do Operador da máquina e
antes de ser entregue, conforme Folha de Revisão de entendo a operação adequada e segura, assim como
Pré-Entrega. as exigências de manutenção desta máquina.
A máquina foi-me entregue em condições satisfatórias
Os itens abaixo foram explicados ao comprador: e entendo que a política de garantia está descrita na
página “GARANTIA - PRODUTO CASE”, integrante
A - Procedimentos adequados de operação e deste manual.
instruções do Manual do Operador.
Recebi:
B - A importância das medidas de segurança,
equipamentos de segurança e manutenção Manual do Operador

176
preventiva.
Catálogo de Peças
C - Condições e tipo de cobertura de Garantia.
Ferramentas
ASSINATURA E CARIMBO DO DISTRIBUIDOR DATA ASSINATURA DO COMPRADOR DATA
REDE DISTRIBUIDORES CASE BRASIL

REDE DISTRIBUIDORES CASE BRASIL

DISTRIBUIDOR / CIDADE ESTADO ENDEREÇO TELEFONE

BRASIF S/A EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO


BELO HORIZONTE MG RUA MARGARIDA ASSIS FONSECA, 171 (31) 2129-3800
GOIÂNIA GO AV. VEREADOR JOSÉ MONTEIRO, 2206 (62) 4005-5858
RIO DE JANEIRO RJ RUA DA REGENERAÇÃO, 853 - BONSUCESSO (21) 2123-3000
SERRA ES AV. JOÃO PALÁCIO, 280 - CARAPINA (27) 2121-3310
JUNDIAÍ SP AV. DR. ADILSON RODRIGUES, 77 - JD. DAS SAMAMBAIAS (11) 2136-8300
RIBEIRÃO PRETO SP AV. CASTELO BRANCO, 930 - NOVA RIBERÂNIA (16) 3618-3434
BRASÍLIA DF SIA/SUL TRECHO 06 LOTES 10/20 PARTE B (61) 2102-3400

FORNECEDORA MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS LTDA.


FORTALEZA CE AV. FREI CIRILO, 2524 (BR 116, KM 06) - CAJAZEIRAS (85) 3274-1222
TERESINA PI AV. BARÃO DE GURGUEIA, 2715 (86) 3229-2255
BAYUEX PB BR 101, KM 32, 697, LOJA D - MAGUINHOS (83) 3232-0602

J. MALUCELLI EQUIPAMENTOS LTDA.


CURITIBA PR ROD. DO CAFÉ, KM 0,5 Nº 423 - MOSUNGUÊ (41) 3028-5522
CARAZINHO RS AV. FLORES DA CUNHA, 4527 - BORGHETTI (54) 3330-3000
PORTO ALEGRE RS RUA VOLUNTÁRIOS DA PÁTRIA, 4455 - NAVEGANTES (51) 3021-4488
ESPÍRITO SANTO ES RUA ANA MEROTTA STEPHANON, 165 - COBILANDIA (27) 3326-4058

MOTORMAC DISTRIBUIDORA DE MÁQUINAS E MOTORES S/A


SÃO JOSÉ SC ROD. BR 101, KM 212 - ÁREA INDUSTRIAL (48) 3257-1212

PROTEC - PRODUTOS E SERV. TÉCNICOS LTDA.


ANANINDEUA PA ROD. BR 316, KM 3 - ATALAIA (91) 4008-9700
SÃO LUIZ MA ROD. BR 135, KM 3 - TIRIRICAL (98) 3258-2007

TECHNICO COMERCIAL DE EQUIPAMENTOS S/A


SALVADOR BA RUA ANTONIO DE ANDRADE, 489 - PORTO SECO PIRAJÁ (71) 3246-2400

TECHNICO NORTE LTDA.


JABOATÃO DOS GUARARAPES PE ROD. BR 101 SUL S/N, KM 17 - PRAZERES (81) 3378-1500

TORK COMÉRCIO MÁQUINAS PEÇAS E SERV. LTDA.


CAMPO GRANDE MS RUA CAIOVÁ, 1018 (67) 3341-4300

TORK OESTE COMÉRCIO DE MÁQUINAS LTDA.


VARZEA GRANDE MT AV. GOV. JULIO CAMPOS, 3981 - JD. PAULA I (65) 3688-2121

TORK NORTE COMÉRCIO DE MÁQUINAS LTDA.


ARIQUEMES RO AV. CAPITÃO SILVIO, 1413 - SETOR DE ÁREAS ESPECIAIS (69) 3535-2022
RIO BRANCO AC ROD. BR 364, SENTIDO PORTO VELHO, 539 (68) 3221-0527

TORK AMAZONIA COMÉRCIO DE MÁQUINAS LTDA.


MANAUS AM AV. MAX TEIXEIRA, 3631-A (92) 3221-2932

177