Você está na página 1de 54

!

ULA 04 
DIREITOS  POLÍTICOS 

Sumário 

Direitos Políticos .............................................................................................................................. 2 
1‑ Conceitos Iniciais: .................................................................................................................... 2 
2‑ Direitos Políticos Positivos: ................................................................................................... 3 
3‑ Direitos Políticos Negativos: ................................................................................................ 10 
4‑ Princípio da anterioridade eleitoral: ................................................................................... 23 

Questões Comentadas ................................................................................................................... 24 

Lista de Questões ........................................................................................................................... 44 

Gabarito ........................................................................................................................................... 54 

Ol‡, amigos do EstratŽgia Concursos, tudo bem?

Na aula de hoje, encerraremos o estudo dos direitos fundamentais. Falaremos


sobre os direitos pol’ticos.

Um grande abra•o,
Direitos Pol’ticos

1- Conceitos Iniciais:

Para iniciarmos nosso estudo sobre os direitos pol’ticos, nada melhor que
defini-los, n‹o Ž mesmo?

Os direitos pol’ticos s‹o aqueles que garantem a participa•‹o do povo no


processo de condu•‹o da vida pol’tica nacional. Segundo o Prof.
Alexandre de Moraes, Òs‹o o conjunto de regras que disciplina as formas de
atua•‹o da soberania popularÓ.1 S‹o direitos relacionados ao exerc’cio da
cidadania e, segundo Gilmar Mendes, formam a base do regime
democr‡tico.2

Os direitos pol’ticos s‹o, portanto, instrumentos de exerc’cio da soberania


popular, caracter’stica dos regimes democr‡ticos. Esses regimes podem ser
de tr•s diferentes tipos:

a) Democracia direta: Ž aquela em que o povo exerce o poder


diretamente, sem intermedi‡rios ou representantes;

b) Democracia representativa ou indireta: Ž aquela em que o povo


elege representantes3 que, em seu nome, governam o pa’s;

c) Democracia semidireta ou participativa: Ž aquela em que o povo


tanto exerce o poder diretamente quanto por meio de representantes.
Trata-se de um sistema h’brido, com caracter’sticas tanto da
democracia direta quanto da indireta. ƒ adotada no Brasil, que utiliza
certos institutos t’picos da democracia semidireta, tais como o
plebiscito, o referendo e a iniciativa popular de leis.

A doutrina classifica os direitos pol’ticos em duas espŽcies: i) direitos pol’ticos


positivos e; ii) direitos pol’ticos negativos.
21686815204

Os direitos pol’ticos positivos est‹o relacionados ˆ participa•‹o ativa dos


indiv’duos na vida pol’tica do Estado. S‹o direitos relacionados ao exerc’cio
do sufr‡gio. Por outro lado, direitos pol’ticos negativos s‹o as normas que
                                                        
1
  MORAES, Alexandre de. Constitui•‹o do Brasil Interpretada e Legisla•‹o
Constitucional, 9» edi•‹o. S‹o Paulo, Editora Atlas: 2010, pp. 538.  
2
    MENDES, Gilmar Ferreira; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito
a
Constitucional, 10 edi•‹o. S‹o Paulo, Saraiva: 2015, pp. 715.
3
Na representa•‹o, o representante exerce um mandato e n‹o fica vinculado ˆ vontade do
povo (mandato livre), diferentemente do que ocorre no mandato imperativo, em que o
representante se vincula ˆ vontade dos representados, sendo apenas um ve’culo de
transmiss‹o desta. AlŽm disso, ele n‹o representa apenas os seus eleitores, mas toda a
popula•‹o de um territ—rio (mandato geral).
 
limitam o exerc’cio da cidadania, que impedem a participa•‹o dos
indiv’duos na vida pol’tica estatal. S‹o as inelegibilidades e as hip—teses de
perda e suspens‹o dos direitos pol’ticos.

2- Direitos Pol’ticos Positivos:

Os direitos pol’ticos positivos, conforme j‡ afirmamos, est‹o relacionados ˆ


participa•‹o ativa dos indiv’duos na vida pol’tica do Estado. A ess•ncia
desses direitos Ž traduzida pelo art. 14, incisos I a III, CF/88.

Art. 14. A soberania popular ser‡ exercida pelo sufr‡gio universal e pelo
voto direto e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei,
mediante:
I - plebiscito;
II - referendo;
III - iniciativa popular.

Os direitos pol’ticos positivos est‹o relacionados ao exerc’cio do sufr‡gio. Ao


contr‡rio do que muitos pensam, sufr‡gio n‹o Ž sin™nimo de voto. O
sufr‡gio Ž um direito pœblico e subjetivo. O voto Ž o instrumento para o
exerc’cio do sufr‡gio.

Direito de sufr‡gio Ž a capacidade de votar e de ser votado; em outras


palavras, o sufr‡gio engloba a capacidade eleitoral ativa e a capacidade
eleitoral passiva. A capacidade eleitoral ativa representa o direito de alistar-
se como eleitor (alistabilidade) e o direito de votar; por sua vez, a capacidade
eleitoral passiva representa o direito de ser votado e de se eleger para um
cargo pœblico (elegibilidade).

CAPACIDADE  CAPACIDADE 
21686815204

ELEITORAL  ELEITORAL  SUFRÁGIO


ATIVA PASSIVA

De acordo com a doutrina, o sufr‡gio pode ser de dois tipos:4

a) Universal: quando o direito de votar Ž concedido a todos os


nacionais, independentemente de condi•›es econ™micas, culturais,
sociais ou outras condi•›es especiais. Os critŽrios para se determinar a
                                                        
4
  MENDES, Gilmar Ferreira; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito
Constitucional, 10a edi•‹o. S‹o Paulo, Saraiva: 2015, pp. 716. 
capacidade de votar e de ser votado s‹o n‹o-discriminat—rios. A
Constitui•‹o Federal de 1988 consagra o sufr‡gio universal,
assegurando o direito de votar e de ser votado a todos os nacionais que
cumpram requisitos de alistabilidade e de elegibilidade.

b) Restrito (qualificativo): quando o direito de votar depende do


preenchimento de algumas condi•›es especiais, sendo atribu’do a
apenas uma parcela dos nacionais. O sufr‡gio restrito pode ser
censit‡rio, quando depender do preenchimento de condi•›es
econ™micas (renda, bens, etc.) ou capacit‡rio, quando exigir que o
indiv’duo apresente alguma caracter’stica especial (ser alfabetizado, por
exemplo).

Voltando ao art. 14, da CF/88, percebe-se que a CF/88 explica que a


soberania popular ser‡ exercida pelo sufr‡gio universal e pelo voto
direto e secreto e, nos termos da lei, mediante plebiscito, referendo e
iniciativa popular de leis.

O voto, como j‡ se disse, Ž o instrumento para o exerc’cio do sufr‡gio. A CF/88


estabelece que este dever‡ ser direto, secreto, universal, peri—dico (art.
60, ¤ 4¼, CF), obrigat—rio (art. 14, ¤ 1¼, I, CF) e com valor igual para
todos (art. 14, caput). Dentre todas essas caracter’sticas, a œnica que n‹o Ž
cl‡usula pŽtrea Ž a obrigatoriedade de voto, ou seja, Ž a œnica que pode
ser abolida mediante emenda constitucional.

E o que s‹o plebiscito e referendo?

Tanto o plebiscito quanto o referendo s‹o formas de consulta ao povo sobre


matŽria de grande relev‰ncia. A diferen•a entre esses institutos reside no
momento da consulta. No plebiscito, a consulta se d‡ previamente ˆ edi•‹o
do ato legislativo ou administrativo; j‡ no referendo, a consulta popular
ocorre posteriormente ˆ edi•‹o do ato legislativo ou administrativo,
cabendo ao povo ratificar (confirmar) ou rejeitar o ato.5
21686815204

Segundo Gilmar Mendes, Òno ordenamento jur’dico brasileiro, o sufr‡gio


abrange o direito de voto, mas vai alŽm dele, ao permitir que os titulares
exer•am o poder por meio de participa•‹o em plebiscitos, referendos e
iniciativas popularesÓ.6

                                                        
5
 No Brasil, j‡ se utilizou o referendo por ocasi‹o da edi•‹o da Lei n¼ 10.826/2003 (Estatuto
do Desarmamento). Na ocasi‹o, 63,94% dos eleitores foram contra a proibi•‹o da
comercializa•‹o de armas. O plebiscito tambŽm j‡ foi utilizado, no ano de 1993, para definir
a forma de governo (repœblica ou monarquia) e o sistema de governo (parlamentarismo ou
presidencialismo) a vigorar no Brasil.
6
  MENDES, Gilmar Ferreira; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito
Constitucional, 10a edi•‹o. S‹o Paulo, Saraiva: 2015, pp. 715. 
2.1- Capacidade eleitoral ativa:

A capacidade eleitoral ativa Ž a aptid‹o do indiv’duo para exercer o direito


de voto nas elei•›es, plebiscitos e referendos. No Brasil, a capacidade eleitoral
ativa Ž adquirida mediante a inscri•‹o junto ˆ Justi•a Eleitoral; depende,
portanto, do alistamento eleitoral, a pedido do interessado. ƒ com o
alistamento que se adquire, portanto, a capacidade de votar.

AlŽm da capacidade de votar, a qualidade de eleitor d‡ ao nacional a condi•‹o


de cidad‹o, tornando-o apto a exercer v‡rios outros direitos pol’ticos, como
ajuizar a•‹o popular ou participar da iniciativa popular de leis. Destaque-se,
todavia, que o alistamento eleitoral, por si s—, n‹o Ž suficiente para que o
indiv’duo possa exercer todos os direitos pol’ticos. Com o alistamento
eleitoral, o cidad‹o garante seu direito de votar, mas n‹o o de ser votado,
uma vez que o alistamento Ž apenas uma das condi•›es de elegibilidade.
Assim, para usufruir de todos os direitos pol’ticos, Ž necess‡rio o
preenchimento de outras condi•›es, que estudaremos mais ˆ frente.

O alistamento eleitoral est‡ regulado pelo art. 14, CF/88. Nesse dispositivo,
encontramos as situa•›es em que o alistamento eleitoral Ž obrigat—rio,
facultativo ou mesmo proibido. Vejamos:

Art. 14............................................................................................
¤1¼ - O alistamento eleitoral e o voto s‹o:
I - obrigat—rios para os maiores de dezoito anos;
II - facultativos para:
a) os analfabetos;
b) os maiores de setenta anos;
c) os maiores de dezesseis e menores de dezoito anos.
¤ 2¼ - N‹o podem alistar-se como eleitores os estrangeiros e, durante o
per’odo do servi•o militar obrigat—rio, os conscritos.

A Constitui•‹o Federal determina que apenas brasileiros (natos ou


naturalizados) poder‹o se alistar; os estrangeiros s‹o inalist‡veis e,
21686815204

portanto, n‹o podem votar e ser votados. Em outras palavras, os estrangeiros


n‹o podem ser titulares da capacidade eleitoral ativa, tampouco da capacidade
eleitoral passiva. Destaque-se que os portugueses equiparados, por
receberem tratamento equivalente ao de brasileiro naturalizado, poder‹o se
alistar como eleitores.

O alistamento eleitoral tambŽm Ž vedado aos conscritos, durante o


servi•o militar obrigat—rio. Para seu melhor entendimento (e memoriza•‹o),
esclare•o que conscrito, em linhas gerais, Ž o brasileiro que comp›e a classe
de nascidos entre 1¼ de janeiro e 31 de dezembro de um mesmo ano,
chamada para a sele•‹o, tendo em vista a presta•‹o do servi•o militar inicial
obrigat—rio. AlŽm disso, o TSE considera conscritos os mŽdicos, dentistas,
farmac•uticos e veterin‡rios que prestam servi•o militar obrigat—rio.7

O alistamento eleitoral Ž obrigat—rio para os maiores de 18 (dezoito) anos.


Por outro lado, ser‡ facultativo para os analfabetos, os maiores de 70
(setenta) anos e os maiores de 16 (dezesseis) e menores de 18
(dezoito) anos. A jurisprud•ncia do TSE considera que ter‹o direito a votar
aqueles que, na data da elei•‹o, tenham completado a idade m’nima de 16
anos.8

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) adotou posi•‹o importante sobre o voto


dos portadores de defici•ncia grave cuja natureza e situa•‹o impossibilite
ou torne extremamente oneroso o exerc’cio de suas obriga•›es eleitorais. Ao
analisar esse caso, o TSE observou que o legislador constituinte, ao
estabelecer como facultativo o voto para os maiores de 70 anos, levou em
considera•‹o as prov‡veis limita•›es f’sicas decorrentes da idade
avan•ada.

Ora, um portador de defici•ncia grave, como os tetraplŽgicos e os deficientes


visuais podem se encontrar em situa•‹o mais dificultosa do que a dos
idosos. Em raz‹o disso, o TSE considerou que havia lacuna no texto
constitucional (e n‹o um sil•ncio eloquente!) e editou a Resolu•‹o TSE n¼
21.920/2004, que disp›e que Òn‹o estar‡ sujeita a san•‹o a pessoa
portadora de defici•ncia que torne imposs’vel ou demasiadamente oneroso o
cumprimento das obriga•›es eleitorais, relativas ao alistamento e ao exerc’cio
do votoÓ. Destaque-se, todavia, que a pr—pria Resolu•‹o TSE n¼ 21.920/2004
fez quest‹o de destacar que o alistamento eleitoral e o voto s‹o obrigat—rios
para todas as pessoas portadores de defici•ncia.

Outra quest‹o relevante analisada pelo TSE, que deu origem ˆ Resolu•‹o no
20.806/2001 diz respeito ˆ exig•ncia de comprova•‹o de quita•‹o do servi•o
militar para fins de alistamento dos ind’genas. Constatando lacuna na
legisla•‹o, o Tribunal considerou que somente os ’ndios integrados
(exclu’dos os isolados e os em via de integra•‹o) seriam obrigados ˆ
21686815204

comprova•‹o de quita•‹o do servi•o militar para poderem se alistar. 9

Esquematizando:

                                                        
7
Resolu•‹o do TSE no 15.850/89.
8
 Resolu•‹o TSE n¼ 14.371.  
9
 MENDES, Gilmar Ferreira; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito
Constitucional, 10a edi•‹o. S‹o Paulo, Saraiva: 2015, pp. 718. 
ALISTAMENTO E 
VOTO  • MAIORES DE 18 ANOS
OBRIGATÓRIOS

• ANALFABETOS;
ALISTAMENTO E 
VOTO  • MAIORES DE SETENTA ANOS;
FACULTATIVOS • MAIORES DE DEZESSEIS E MENORES DE DEZOITO 
ANOS.

ALISTAMENTO E  • ESTRANGEIROS
VOTO  • DURANTE  O  SERVIÇO  MILITAR  OBRIGATÓRIO, 
VEDADOS CONSCRITOS.

(PC / DF Ð 2015) Suponha-se que Maria tenha 18 anos de


idade completos e n‹o saiba escrever o seu pr—prio nome,
sendo considerada como analfabeta. Nesse caso, o
alistamento eleitoral de Maria Ž obrigat—rio.
Coment‡rios:
Para os analfabetos, o alistamento eleitoral Ž facultativo.
Quest‹o errada.
(FUB Ð 2015) Os direitos pol’ticos s‹o titularizados e
livremente exercidos por todos os brasileiros e garantem a
participa•‹o na vida pol’tica e a influ•ncia nas decis›es
pœblicas.
Coment‡rios:
Nem todos os brasileiros s‹o titulares de direitos pol’ticos.
Isso porque nem todos t•m o direito de votar e de ser votado.
Quest‹o errada. 21686815204

(PC / CE Ð 2015) O alistamento eleitoral e o voto s‹o


obrigat—rios para os maiores de dezoito anos e facultativos
para os analfabetos e os maiores de sessenta anos.

Coment‡rios:

O alistamento eleitoral e o voto s‹o facultativos para os


maiores de 70 (setenta) anos. A quest‹o falou em Òmaiores
de sessenta anosÓ e, por isso, ficou errada.
2.2 - Capacidade eleitoral passiva:

A capacidade eleitoral passiva est‡ relacionada ao direito de ser votado, de


ser eleito (elegibilidade). Para que o indiv’duo adquira capacidade eleitoral
passiva, ele deve cumprir os requisitos constitucionais para a
elegibilidade e, alŽm disso, n‹o incorrer em nenhuma das hip—teses de
inelegibilidade, que s‹o impedimentos ˆ capacidade eleitoral passiva.

E quais s‹o as condi•›es (requisitos) de elegibilidade?

A resposta est‡ no art.14, ¤3¼, CF/88:

¤ 3¼ - S‹o condi•›es de elegibilidade, na forma da lei:


I - a nacionalidade brasileira;
II - o pleno exerc’cio dos direitos pol’ticos;
III - o alistamento eleitoral;
IV - o domic’lio eleitoral na circunscri•‹o;
V - a filia•‹o partid‡ria;
VI - a idade m’nima de:
a) trinta e cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da Repœblica e
Senador;
b) trinta anos para Governador e Vice-Governador de Estado e do Distrito
Federal;
c) vinte e um anos para Deputado Federal, Deputado Estadual ou Distrital,
Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz;
d) dezoito anos para Vereador.

Como se percebe, a elegibilidade somente ser‡ poss’vel pelo cumprimento


cumulativo de todos os requisitos acima relacionados.

O inciso I exige como requisito para a elegibilidade a nacionalidade


brasileira. Assim, os brasileiros natos ou naturalizados poder‹o ser eleitos
a mandatos eletivos; os estrangeiros, por sua vez, n‹o poder‹o ser eleitos,
ressalvados os portugueses equiparados, que recebem tratamento equivalente
21686815204

ao de brasileiro naturalizado. Cabe destacar, todavia, que h‡ certos cargos


pol’ticos que s‹o privativos de brasileiros natos (art. 12, ¤ 3¼, CF/88).

O inciso II menciona que o pleno exerc’cio dos direitos pol’ticos Ž condi•‹o


de elegibilidade. Os indiv’duos que incorrerem em alguma hip—tese de perda
ou suspens‹o de direitos pol’ticos n‹o ser‹o eleg’veis. Um exemplo de
suspens‹o de direitos pol’ticos Ž a improbidade administrativa.

O inciso III estabelece que o alistamento eleitoral Ž um requisito de


elegibilidade. Nesse sentido, os inalist‡veis (estrangeiros e os conscritos) n‹o
ser‹o eleg’veis, isto Ž, n‹o podem ser votados. Assim, percebe-se que a
capacidade eleitoral passiva est‡ condicionada ao exerc’cio da capacidade
eleitoral ativa.

O inciso IV determina que o domic’lio eleitoral na circunscri•‹o Ž requisito


de elegibilidade. Assim, aquele que pretenda se candidatar deve ter seu
domic’lio eleitoral no local no qual ir‡ concorrer ˆs elei•›es. Exemplo: Joaquim
pretende concorrer a Governador de Minas Gerais, logo, ele dever‡ ter seu
t’tulo de eleitor naquele Estado. N‹o se pode confundir domic’lio eleitoral
com domic’lio civil: Ž plenamente poss’vel que alguŽm resida em Bras’lia
(domic’lio civil), mas seu t’tulo de eleitor seja de Belo Horizonte (domic’lio
eleitoral).

O inciso V trata da filia•‹o partid‡ria como condi•‹o de elegibilidade. Sobre


esse ponto, vale destacar que, no Brasil, n‹o se admite a candidatura avulsa
(candidatura desvinculada de partido pol’tico).

Considerando-se que a filia•‹o partid‡ria Ž uma condi•‹o de elegibilidade,


cabe-nos questionar o seguinte: haver‡ alguma repercuss‹o da desfilia•‹o
partid‡ria e da infidelidade partid‡ria (mudan•a de partido) sobre o mandato?

Segundo o STF, em rela•‹o aos parlamentares, a desfilia•‹o e a


infidelidade partid‡rias resultar‹o na perda do mandato, salvo justa
causa (por exemplo, desvio de orienta•‹o ideol—gica do partido). Todavia,
segundo a Corte, essa regra n‹o se aplica aos candidatos eleitos pelo
sistema majorit‡rio, sob pena de viola•‹o da soberania popular e das
escolhas feitas pelo eleitor.10

Por œltimo, o inciso VI trata do requisito de idade m’nima, que deve ser
considerada na data da posse. Vale a pena memorizar esse dispositivo, pois Ž
bastante cobrado em prova!

Esquematizando:

21686815204

                                                        
10
 ADI 5081 / DF, Rel. Min. Lu’s Roberto Barroso. Julg. 27.05.2015.
CONDIÇÕES DE ELEGIBILIDADE
NACIONALIDADE BRASILEIRA

PLENO EXERCÍCIO DOS DIREITOS POLÍTICOS

ALISTAMENTO ELEITORAL

DOMICÍLIO ELEITORAL NA CIRCUNSCRIÇÃO

FILIAÇÃO PARTIDÁRIA

IDADE MÍNIMA

(PC / DF Ð 2015) A CF exige, como idade m’nima para


exercer os cargos de senador e de deputado federal, que o
candidato tenha, pelo menos, 21 anos de idade.

Coment‡rios:

A idade m’nima para que se possa exercer o cargo de


Senador Ž de 35 (trinta e cinco) anos. Quest‹o errada.

3- Direitos Pol’ticos Negativos:

Os direitos pol’ticos negativos s‹o normas que limitam o exerc’cio do


sufr‡gio, restringindo a participa•‹o do indiv’duo na vida pol’tica do Estado.
Podemos dividir os direitos pol’ticos negativos em duas espŽcies: i) as
inelegibilidades e; ii) as hip—teses de perda e suspens‹o dos direitos
pol’ticos.
21686815204

3.1- Inelegibilidades:

A seguir, explicaremos em detalhes a respeito das inelegibilidades. Para cada


regra, apresentaremos um exemplo, que permitir‡ com que voc• entenda o
que pode ser cobrado na prova. Quer um conselho? Foque nos exemplos
apenas para entender as regras! N‹o fique divagando e criando inœmeros
outros exemplos na sua cabe•a. Se voc• o fizer, estar‡ perdendo tempo, pois
as possibilidades de casos concretos tendem ao infinito!  Vamos l‡?
As inelegibilidades constituem condi•›es que obstam o exerc’cio da
capacidade eleitoral passiva por um indiv’duo. A Constitui•‹o Federal
estabeleceu algumas hip—teses de inelegibilidade (art. 14, ¤¤ 4¼ ao 7¼), mas
elas n‹o s‹o exaustivas. Isso porque a pr—pria Constitui•‹o expressamente
autoriza que lei complementar estabele•a outras hip—teses de
inelegibilidade.

Podemos dividir as inelegibilidades em dois grandes grupos:

a) inelegibilidades absolutas: S‹o regras que impedem a candidatura e,


consequentemente, o exerc’cio de qualquer cargo pol’tico. Est‹o
relacionadas a caracter’sticas pessoais do indiv’duo. As inelegibilidades
absolutas foram taxativamente previstas pela Constitui•‹o Federal, ou seja,
n‹o podem ser criadas novas inelegibilidades absolutas pela legisla•‹o
infraconstitucional.

Segundo o art. 14, ¤4¼, s‹o ineleg’veis os inalist‡veis e os analfabetos.


Veja que os analfabetos, apesar de poderem votar (voto facultativo), n‹o
podem ser votados. E que, entre os inalist‡veis, temos os estrangeiros e os
conscritos, durante o per’odo do servi•o militar obrigat—rio.

b) inelegibilidades relativas: S‹o regras que obstam a candidatura a


certos cargos pol’ticos, em virtude de situa•›es espec’ficas previstas na
Constitui•‹o ou em lei complementar. N‹o est‹o vinculadas ˆ condi•‹o pessoal
do indiv’duo e, por isso, n‹o resultam em impedimento categ—rico ao exerc’cio
de qualquer cargo. Assim, o indiv’duo n‹o poder‡ se candidatar a
determinados cargos, mas poder‡ concorrer a outros.

As inelegibilidades relativas previstas na Constitui•‹o podem ser de diferentes


tipos: i) inelegibilidade relativa por motivos funcionais; ii) inelegibilidade
relativa por motivo de casamento, parentesco ou afinidade (inelegibilidade
reflexa); iii) inelegibilidade relativa ˆ condi•‹o de militar.

A inelegibilidade por motivos funcionais est‡ prevista no art. 14, ¤5¼, que
21686815204

disp›e que Òo Presidente da Repœblica, os Governadores de Estado e do


Distrito Federal, os Prefeitos e quem os houver sucedido, ou substitu’do no
curso dos mandatos poder‹o ser reeleitos para um œnico per’odo
subsequenteÓ. Com base nessa regra, os Chefes do Poder Executivo
(Presidente, Governador e Prefeito) somente podem cumprir dois mandatos
consecutivos no mesmo cargo.

Destaque-se que Ž plenamente poss’vel que alguŽm cumpra tr•s ou mais


mandatos como Chefe do Poder Executivo, desde que estes n‹o sejam
consecutivos. Assim, se o terceiro mandato vier alternado com o mandato de
outra pessoa, n‹o haver‡ qualquer veda•‹o ˆ elei•‹o. Como exemplo, embora
Lula tenha sido Presidente por dois mandatos consecutivos (2003 Ð 2006 e
2007-2010), n‹o haveria qualquer empecilho a que ele se candidatasse
novamente a Presidente em 2018.

A veda•‹o ˆ reelei•‹o para mais de um per’odo subsequente Ž regra que se


imp›e somente ˆqueles que cumpram mandatos de Chefe do Poder
Executivo. Os mandatos no Poder Legislativo n‹o seguem essa regra: Ž
plenamente poss’vel que um Deputado ou Senador seja eleito para ilimitados
mandatos sucessivos.

Segundo o STF, o cidad‹o que j‡ exerceu dois mandatos consecutivos de


prefeito, ou seja, foi eleito e reeleito, fica ineleg’vel para um terceiro
mandato, ainda que seja em munic’pio diferente. Veda-se, com isso, a
figura do Òprefeito itineranteÓ, que exerce mais de dois mandatos
consecutivos em munic’pios distintos. De acordo com o Plen‡rio, tendo em
vista a seguran•a jur’dica, esse entendimento deve ser aplicado a partir das
elei•›es de 2012 e, portanto, n‹o pode retroagir para alcan•ar o mandato de
quem foi eleito dessa forma nas elei•›es municipais anteriores11.

H‡, ainda, outros entendimentos importantes sobre a inelegibilidade por


motivos funcionais:

1) O cidad‹o que j‡ foi Chefe do Poder Executivo por dois mandatos


consecutivos n‹o poder‡, na elei•‹o seguinte, se candidatar ao
cargo de Vice. Exemplo: Lula foi Presidente da Repœblica por 2
mandatos consecutivos (2003 Ð 2006 e 2007-2010). Nas elei•›es de
2010, ele n‹o poderia ter se candidatado a Vice de Dilma Rousseff.

2) Os Vices (Vice-Presidente da Repœblica, Vice-Governador e Vice-


Prefeito) tambŽm s— poder‹o se reeleger, para o mesmo cargo,
por um œnico per’odo subsequente. Exemplo: Michel Temer foi Vice-
Presidente no mandato 2011-2014, sendo reeleito para o mandato
seguinte (2015-2018). No entanto, ele n‹o poder‡ se candidatar a um
terceiro mandato consecutivo como Vice-Presidente.
21686815204

3) Os Vices, reeleitos ou n‹o, poder‹o se candidatar ao cargo do


titular na elei•‹o seguinte, mesmo que o tenham substitu’do no
curso do mandato.

Um caso importante, que inclusive chegou ao STF, foi o que envolveu o


governo do estado de S‹o Paulo. M‡rio Covas foi eleito Governador de
SP em 1994, tendo como Vice-Governador, Geraldo Alckmin. Em 1998,
Covas Ž reeleito Governador e, novamente, Geraldo Alckmin Ž o seu
Vice. AtŽ aqui, nenhum problema! Como j‡ vimos, Ž plenamente

                                                        
11
RE 637485/RJ, rel. Min. Gilmar Mendes, 1¼.8.2012. (RE-637485)
 
poss’vel dois mandatos consecutivos no mesmo cargo do Poder
Executivo.

Em 2001, no curso do segundo mandato, Covas veio a falecer,


ocorrendo a vac‰ncia do cargo de Governador. Alckmin assume como
Governador em definitivo e completa o mandato de seu antecessor. Em
2002, Alckmin se candidata a um novo mandato como Governador e Ž
eleito. A pergunta que se faz, ent‹o, Ž a seguinte: estaria Alckmin
cumprindo um terceiro mandato consecutivo?

A pol•mica chegou ao STF, que entendeu que Alckmin poderia, sim,


assumir o mandato de Governador nesse novo mandato. Isso
porque os Vices, reeleitos ou n‹o, poder‹o se candidatar ao cargo do
titular na elei•‹o seguinte, mesmo que o tenham substitu’do no curso
do mandato.

E se o Presidente, Governador ou Prefeito quiser se candidatar a outro cargo,


diferente de Chefe do Poder Executivo? Poder‡ faz•-lo?

Sim, poder‡. No entanto, o art. 14, ¤ 6¼, CF/88 determina que Òpara
concorrerem a outros cargos, o Presidente da Repœblica, os Governadores de
Estado e do Distrito Federal e os Prefeitos devem renunciar aos respectivos
mandatos atŽ seis meses antes do pleito.Ó Essa Ž a famosa
Òdesincompatibiliza•‹oÓ, que busca impedir que o Chefe do Poder Executivo se
utilize da Òm‡quina pœblicaÓ para se eleger a um outro cargo.

Cabe destacar que a desincompatibiliza•‹o n‹o Ž necess‡ria quando o


Chefe do Poder Executivo v‡ concorrer ˆ reelei•‹o. S— cabe falar em
desincompatibiliza•‹o quando o Chefe do Poder Executivo se candidata a um
novo cargo. Seria o caso, por exemplo, em que um Governador deseja se
candidatar a Senador nas pr—ximas elei•›es. Para faz•-lo, ele precisar‡
renunciar ao cargo de Governador 6 meses antes do pleito eleitoral.

E os Vices? Precisam se desincompatibilizar?


21686815204

O Vice-Presidente, o Vice-Governador e o Vice-Prefeito poder‹o concorrer


normalmente a outros cargos, preservando seus mandatos, desde que
nos seis meses anteriores ao pleito n‹o tenham sucedido ou
substitu’do o titular.

S— para lembrar: a sucess‹o ocorre quando alguŽm (geralmente o Vice do


Chefe do Executivo) ocupa o lugar do Chefe do Executivo atŽ o final de seu
mandato, passando a ocupar o seu cargo. ƒ o que acontece se, por exemplo, o
Presidente da Repœblica renunciar. O Vice-Presidente (em regra) passar‡ a
ocupar o cargo do Chefe do Executivo. J‡ na substitui•‹o, o Vice (ou outra
pessoa) ocupa o cargo do Chefe do Executivo apenas temporariamente. ƒ o
que acontece quando o Presidente da Repœblica viaja para o exterior, por
exemplo.

O STF admite a candidatura de ex-prefeito de Òmunic’pio m‹eÓ que,


renunciando seis meses antes da elei•‹o, candidata-se a prefeito do
Òmunic’pio-filhoÓ, desmembrado do munic’pio-m‹e. Observe que, nesse
caso, a desincompatibiliza•‹o Ž necess‡ria. Lembre-se apenas de que n‹o ser‡
admitido o exerc’cio de mais de 2 (dois) mandatos em munic’pios distintos ou,
ent‹o, estar’amos diante da figura do Òprefeito-itineranteÓ, n‹o autorizada pelo
STF.

A inelegibilidade reflexa (por motivo de casamento, parentesco ou


afinidade) est‡ prevista no art. 14, ¤ 7¼, CF/88. Leva esse nome porque ela
resulta do fato de que uma pessoa, ao ocupar um cargo de Chefe do Poder
Executivo, afeta a elegibilidade de terceiros (seu c™njuge, parentes e
afins).

Enfatize-se que somente s‹o afetados por essa hip—tese de inelegibilidade o


c™njuge, parentes e afins de titular de cargo de Chefe do Poder Executivo; o
fato de alguŽm ser titular de cargo do Poder Legislativo n‹o traz qualquer
implica•‹o ˆ elegibilidade de terceiros. Assim, se Jo‹ozinho ocupa o cargo de
Senador, seu c™njuge, parentes e afins poder‹o se candidatar normalmente, a
qualquer cargo pol’tico.

Vejamos, agora, o exato conteœdo da inelegibilidade reflexa:

¤ 7¼ - S‹o ineleg’veis, no territ—rio de jurisdi•‹o do titular, o c™njuge e os


parentes consangu’neos ou afins, atŽ o segundo grau ou por ado•‹o, do
Presidente da Repœblica, de Governador de Estado ou Territ—rio, do Distrito
Federal, de Prefeito ou de quem os haja substitu’do dentro dos seis meses
anteriores ao pleito, salvo se j‡ titular de mandato eletivo e candidato ˆ
reelei•‹o.

A inelegibilidade reflexa alcan•a somente o territ—rio de jurisdi•‹o do


21686815204

titular do cargo do Poder Executivo. Assim, suponha que JosŽ seja Prefeito de
S‹o Jo‹o del-Rei (MG). Seu c™njuge, parentes e afins, atŽ o 2¼ grau, ou por
ado•‹o, n‹o poder‹o se candidatar, nas pr—ximas elei•›es, a qualquer
cargo dentro do territ—rio de S‹o Jo‹o del-Rei (MG). N‹o poder‹o,
portanto, se candidatar a Vereador. Entretanto, o c™njuge, parentes e afins,
atŽ o 2¼ grau, ou por ado•‹o de JosŽ poder‹o se candidatar,
normalmente, a um cargo eletivo que extrapole o territ—rio de S‹o
Jo‹o del-Rei (MG). Poder‹o, por exemplo, se candidatar a Governador de
Minas Gerais, Senador, Deputado Federal.

Assim, temos que:


a) O c™njuge, parentes e afins, atŽ o segundo grau, ou por ado•‹o de
Prefeito n‹o poder‹o se candidatar a nenhum cargo dentro daquele
Munic’pio (Vereador, Prefeito e Vice-Prefeito).

b) O c™njuge, parentes e afins, atŽ o segundo grau, ou por ado•‹o de


Governador n‹o poder‹o se candidatar a nenhum cargo dentro daquele
Estado. Isso inclui os cargos de Vereador, Prefeito e Vice-Prefeito (de
qualquer dos Munic’pios daquele estado), bem como os cargos de
Deputado Federal, Deputado Estadual e Senador, por aquele estado.

c) O c™njuge, parentes e afins, atŽ o segundo grau, ou por ado•‹o de


Presidente n‹o poder‹o se candidatar a nenhum cargo eletivo no Pa’s.

Segundo o STF, a inelegibilidade reflexa alcan•a tambŽm aqueles que tenham


constitu’do uni‹o est‡vel com o Chefe do Poder Executivo, inclusive no
caso de uni›es homoafetivas.

A dissolu•‹o do casamento, quando ocorrida durante o mandato, n‹o


afasta a inelegibilidade reflexa. ƒ o que determina o STF na Sœmula
Vinculante n¼ 18:

ÒA dissolu•‹o da sociedade ou do v’nculo conjugal, no curso do


mandato, n‹o afasta a inelegibilidade prevista no ¤ 7¼, do artigo 14 da
Constitui•‹o FederalÓ.

Ainda da jurisprud•ncia do STF, extra’mos que, caso um munic’pio seja


desmembrado, o parente do prefeito do Òmunic’pio-m‹eÓ Ž afetado pela
inelegibilidade reflexa quanto ao Òmunic’pio-filhoÓ, n‹o podendo
candidatar-se ˆ Prefeitura deste, por exemplo.

Ao lermos o art. 14, ¤7¼, percebemos, em sua parte final, que h‡ uma
exce•‹o ˆ regra da inelegibilidade reflexa: Òsalvo se j‡ titular de mandato
eletivo e candidato ˆ reelei•‹oÓ. Mas o que isso significa?
21686815204

Significa que a inelegibilidade reflexa n‹o se aplica caso o c™njuge,


parente ou afim j‡ possua mandato eletivo; nessa situa•‹o, ser‡ poss’vel
que estes se candidatem ˆ reelei•‹o, mesmo se ocuparem cargos dentro da
circunscri•‹o do Chefe do Executivo.

Imagine, por exemplo, que Jo‹o das Couves seja prefeito do Munic’pio de S‹o
Jo‹o del-Rei (MG). Nas pr—ximas elei•›es, seu irm‹o se elege Governador de
Minas Gerais. Pergunta-se, ent‹o: Jo‹o das Couves poder‡ se candidatar ˆ
reelei•‹o no Munic’pio de S‹o Jo‹o del-Rei?

Sim, poder‡. Jo‹o das Couves n‹o ser‡ afetado pela inelegibilidade reflexa,
uma vez que ele j‡ era titular de mandato eletivo e, agora, Ž candidato ˆ
reelei•‹o.
Destaca-se, aqui, importante entendimento do Tribunal Superior Eleitoral
(TSE). Entende a Corte que se o Chefe do Executivo renunciar seis meses
antes da elei•‹o, seu c™njuge, parentes ou afins atŽ o segundo grau
poder‹o candidatar-se a todos os cargos eletivos da circunscri•‹o,
desde que ele pr—prio pudesse concorrer ˆ reelei•‹o. Isso Ž v‡lido para o
pr—prio cargo do titular.

Suponha, por exemplo, que Alfredo seja Governador de Minas Gerais,


cumprindo o seu primeiro mandato. Na pr—xima elei•‹o, ele poderia se
reeleger (seria o segundo mandato consecutivo de Governador). Em virtude da
inelegibilidade reflexa, sua esposa, Maria, n‹o poderia se candidatar a nenhum
cargo eletivo em Minas Gerais. Entretanto, caso Alfredo renuncie seis meses
antes da elei•‹o, Maria poder‡ candidatar-se ao cargo de Governadora. Isso
somente ser‡ poss’vel porque Alfredo poderia concorrer ˆ reelei•‹o.

Existe, ainda, a inelegibilidade relativa ˆ condi•‹o de militar, a qual est‡


prevista no art. 14, ¤8¼, CF/88:

¤8¼ - O militar alist‡vel Ž eleg’vel, atendidas as seguintes condi•›es:


I - se contar menos de dez anos de servi•o, dever‡ afastar-se da atividade;
II - se contar mais de dez anos de servi•o ser‡ agregado pela autoridade
superior e, se eleito, passar‡ automaticamente, no ato da diploma•‹o, para a
inatividade.

Analisando o dispositivo supracitado, percebe-se que apenas s‹o eleg’veis os


militares que forem alist‡veis; nesse sentido, percebe-se que os conscritos
(aqueles que cumprem o servi•o militar obrigat—rio), por n‹o serem alist‡veis,
n‹o ser‹o eleg’veis.

Entretanto, para que o militar seja eleg’vel, ele deve cumprir certas condi•›es,
que variam segundo o seu tempo de servi•o. Se o militar contar menos de
10 anos de servi•o, ele dever‡ afastar-se da atividade. Por outro lado, caso o
militar contar mais de 10 anos de servi•o, ele ser‡ agregado pela autoridade
superior e, se eleito, passar‡ automaticamente, no ato da diploma•‹o para a
21686815204

inatividade. Perceba que, nesse caso, o militar se conservar‡ ativo atŽ a


diploma•‹o.

Sabe-se que uma das condi•›es de elegibilidade Ž a filia•‹o partid‡ria. ƒ


aqui que surge um problema relacionado ˆ condi•‹o de militar: o art. 143,
¤3¼, V, a Constitui•‹o veda a filia•‹o do militar a partido pol’tico. Em
tese, isso poderia impedir os militares de se candidatarem. PorŽm, o TSE,
diante dessa situa•‹o, determinou que, caso o militar venha a candidatar-se, a
aus•ncia de prŽvia filia•‹o partid‡ria (uma das condi•›es de elegibilidade)
ser‡ suprida pelo registro da candidatura apresentada pelo partido pol’tico
e autorizada pelo candidato.
Esquematizando:

CASO TENHA MENOS DE 10 
ANOS DE SERVIÇO
DEVERÁ AFASTAR‑SE DA 
ATIVIDADE.
O MILITAR ALISTÁVEL 
É ELEGÍVEL 
ATENDIDAS AS 
SEGUINTES 
CONDIÇÕES... SERÁ AGREGADO PELA 
AUTORIDADE SUPERIOR E, 
SE ELEITO, PASSARÁ 
AUTOMATICAMENTE, NO 
CASO TENHA MAIS DE 10  ATO DA DIPLOMAÇÃO, 
ANOS DE SERVIÇO PARA A INATIVIDADE.

Como j‡ mencionamos anteriormente, a Constitui•‹o prev• que lei


complementar nacional poder‡ criar outras hip—teses de inelegibilidade
relativa. Veja o que disp›e o ¤9¼ do art. 14 da CF/88:

¤ 9¼ Lei complementar estabelecer‡ outros casos de inelegibilidade e os


prazos de sua cessa•‹o, a fim de proteger a probidade administrativa, a
moralidade para exerc’cio de mandato considerada vida pregressa do
candidato, e a normalidade e legitimidade das elei•›es contra a influ•ncia do
poder econ™mico ou o abuso do exerc’cio de fun•‹o, cargo ou emprego na
administra•‹o direta ou indireta.

Note que eu falei em lei complementar (LC) nacional. Qual a diferen•a


entre uma lei nacional e uma lei federal? Guarde isso: a nacional abrange
todos os entes federados (Uni‹o, Estados, Distrito Federal e Munic’pios). ƒ o
caso do C—digo Penal, por exemplo. J‡ a federal, abrange somente a Uni‹o.
Exemplo: Lei 8.112/1990, que institui o Regime Jur’dico dos Servidores
Pœblicos Civis da Uni‹o, das autarquias, inclusive as em regime especial, e das
21686815204

funda•›es pœblicas federais.

Embora nada tenha sido dito, uma emenda constitucional tambŽm pode
criar novas hip—teses de inelegibilidade relativa. Outros atos normativos,
jamais! Com base no ¤9¼ do art. 14 da Constitui•‹o, foi elaborada a LC no
64/1990, que estabeleceu casos de inelegibilidade e determinou outras
provid•ncias. Essa lei sofreu altera•‹o pela Lei Complementar no 135/2010, a
ÒLei da Ficha LimpaÓ, que previu novas hip—teses de inelegibilidade.
INALISTÁVEIS

ABSOLUTAS
INELEGIBILIDADES

ANALFABETOS

REELEIÇÃO P/CARGO DO PODER 
EXECUTIVO APENAS PARA UM 
ÚNICO PERÍODO

INELEGIBILIDADE REFLEXA

RELATIVAS

CONDIÇÃO DE MILITAR

OUTRAS INELEGIBILIDADES 
ESTABELECIDAS EM LEI 
COMPLEMENTAR (EX: LEI DE FICHA 
LIMPA)

Os dispositivos a seguir s‹o cobrados em sua literalidade:

¤10 - O mandato eletivo poder‡ ser impugnado ante a Justi•a Eleitoral no


prazo de quinze dias contados da diploma•‹o, instru’da a a•‹o com provas de
abuso do poder econ™mico, corrup•‹o ou fraude.
¤ 11 - A a•‹o de impugna•‹o de mandato tramitar‡ em segredo de justi•a,
respondendo o autor, na forma da lei, se temer‡ria ou de manifesta m‡-fŽ.

O ¤10 traz um prazo para a a•‹o de impugna•‹o do mandato eletivo (15


21686815204

dias ap—s a diploma•‹o) e as causas para a a•‹o (abuso do poder


econ™mico, corrup•‹o ou fraude). O ¤11 determina que a a•‹o tramitar‡ em
segredo de justi•a (exce•‹o ˆ publicidade dos atos processuais) e prev• a
puni•‹o para o autor que agir de m‡-fŽ.

(PC / CE Ð 2015) N‹o podem se alistar como eleitores os


estrangeiros, e s‹o ineleg’veis os inalist‡veis e os analfabetos.

Coment‡rios:

De fato, os estrangeiros n‹o podem se alistar como eleitores.


AlŽm disso, s‹o ineleg’veis os inalist‡veis e os analfabetos.
Quest‹o correta.

(PC / DF Ð 2015) Suponha-se que Joana, deputada federal,


seja casada com Pedro, atual governador do estado X. Nesse
caso, nas pr—ximas elei•›es, quando Pedro e Joana
concorrerem ˆs respectivas reelei•›es, Joana n‹o ficar‡
ineleg’vel.

Coment‡rios:

Isso mesmo! Joana n‹o ficar‡ ineleg’vel, pois ela j‡ era


candidata a mandato eletivo e candidata ˆ reelei•‹o.
Portanto, ela se enquadra dentro da exce•‹o prevista no art.
14, ¤ 7¼, CF/88, que prev• que Òs‹o ineleg’veis, no territ—rio
de jurisdi•‹o do titular, o c™njuge e os parentes
consangu’neos ou afins, atŽ o segundo grau ou por ado•‹o,
do Presidente da Repœblica, de Governador de Estado ou
Territ—rio, do Distrito Federal, de Prefeito ou de quem os haja
substitu’do dentro dos seis meses anteriores ao pleito, salvo
se j‡ titular de mandato eletivo e candidato ˆ
reelei•‹o.Ó Quest‹o correta.

(FUB Ð 2015) Paulo, de trinta e cinco anos de idade, exerce


o segundo mandato consecutivo de prefeito do munic’pio X.
Pretendendo candidatar-se ao cargo de governador do estado
no pleito seguinte, Paulo renunciou ao mandato seis meses
antes das elei•›es, assumindo o cargo o ent‹o vice-prefeito,
Marcos, de trinta e dois anos de idade, marido de Maria, de
vinte anos de idade. Se Paulo n‹o fosse candidato a
governador, ele n‹o poderia, nas elei•›es imediatamente
seguintes ˆ sua renœncia, candidatar-se e ser validamente
eleito para o cargo de vice-prefeito do munic’pio X.

Coment‡rios: 21686815204

Isso mesmo! O cidad‹o que j‡ foi Chefe do Poder Executivo


por dois mandatos consecutivos n‹o poder‡, na elei•‹o
seguinte, se candidatar ao cargo de Vice. Quest‹o correta.

(CNMP Ð 2015) A inelegibilidade em raz‹o do parentesco,


nos termos da Constitui•‹o Federal e em conformidade com o
entendimento do Supremo Tribunal Federal sobre a matŽria,
n‹o Ž afastada pela dissolu•‹o da sociedade ou do v’nculo
conjugal, no curso do mandato.

Coment‡rios:
ƒ esse o conteœdo da Sœmula Vinculante n¼ 18, que disp›e o
seguinte:

ÒA dissolu•‹o da sociedade ou do v’nculo conjugal, no curso


do mandato, n‹o afasta a inelegibilidade prevista no ¤ 7¼, do
artigo 14 da Constitui•‹o FederalÓ.

Quest‹o correta.

(TRE / GO Ð 2015) Suponha que JosŽ, casado com Miriam e


prefeito de um munic’pio brasileiro, venha a falecer dois anos
ap—s ter sido eleito. Nessa situa•‹o, Miriam pode se
candidatar e se eleger ao cargo antes ocupado por seu marido
nas elei•›es seguintes ao falecimento.

Coment‡rios:

N‹o h‡ qualquer impedimento a que Miriam se candidate ao


cargo de Prefeito. Quest‹o correta.

(DPE / PR Ð 2014) Conforme previs‹o constitucional, um


Governador de um estado da federa•‹o, mesmo no exerc’cio
de segundo mandato no cargo, pode se candidatar a cargo
diverso, devendo, para tanto, renunciar ao respectivo
mandato seis meses antes do pleito.

Coment‡rios:

Segundo o art. 14, ¤ 6¼, CF/88 Òpara concorrerem a outros


cargos, o Presidente da Repœblica, os Governadores de Estado
e do Distrito Federal e os Prefeitos devem renunciar aos
respectivos mandatos atŽ seis meses antes do pleito.Ó
Quest‹o correta.
21686815204

3.2 Ð Perda e Suspens‹o dos direitos pol’ticos:

No art. 15, a Constitui•‹o traz as hip—teses de priva•‹o dos direitos


pol’ticos. Esta pode dar-se de maneira definitiva (denominando-se perda)
ou tempor‡ria (suspens‹o). Importante ressaltar que a Constitui•‹o, em
resposta ˆ ditadura que a precedeu, n‹o permite, em nenhuma hip—tese, a
cassa•‹o dos direitos pol’ticos. Que tal lermos juntos o art. 15?

Art. 15. ƒ vedada a cassa•‹o de direitos pol’ticos, cuja perda ou suspens‹o


s— se dar‡ nos casos de:
I - cancelamento da naturaliza•‹o por senten•a transitada em julgado;
II - incapacidade civil absoluta;
III - condena•‹o criminal transitada em julgado, enquanto durarem seus
efeitos;
IV - recusa de cumprir obriga•‹o a todos imposta ou presta•‹o alternativa,
nos termos do art. 5¼, VIII;
V - improbidade administrativa, nos termos do art. 37, ¤ 4¼.

A Constitui•‹o n‹o explicita quais s‹o os casos de perda e quais s‹o os


casos de suspens‹o dos direitos pol’ticos. Entretanto, segundo a doutrina,
esses dois institutos apresentam as seguintes diferen•as:

a) A perda se d‡ por prazo indeterminado, enquanto a suspens‹o


pode se dar tanto por prazo determinado quanto por
indeterminado;

b) Na perda, a reaquisi•‹o dos direitos pol’ticos n‹o Ž


autom‡tica ap—s a cessa•‹o da causa; na suspens‹o, a reaquisi•‹o
Ž autom‡tica.

Desse modo, para a maior parte dos doutrinadores, tem-se a perda nos incisos
I e IV do art. 15 da CF e suspens‹o nos demais incisos. Vejamos o esquema
abaixo!

CANCELAMENTO DA NATURALIZAÇÃO POR SENTENÇA 
TRANSITADA EM JULGADO
PERDA DOS 
DIREITOS 
POLÍTICOS RECUSA DE CUMPRIR OBRIGAÇÃO A TODOS IMPOSTA OU 
PRESTAÇÃO ALTERNATIVA, NOS TERMOS DO ART. 5º, VIII.

INCAPACIDADE CIVIL ABSOLUTA
21686815204

SUSPENSÃO DOS  CONDENAÇÃO CRIMINAL TRANSITADA EM JULGADO, 
DIREITOS  ENQUANTO DURAREM SEUS EFEITOS
POLÍTICOS

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA, NOS TERMOS DO ART. 37, § 

No caso de condena•‹o criminal transitada em julgado, a suspens‹o dos


direitos pol’ticos Ž imediata, implicando imediata perda do mandato eletivo.
Trata-se, segundo o STF, de norma autoaplic‡vel, que independe, para sua
imediata incid•ncia, de qualquer ato de intermedia•‹o legislativa.12

A pris‹o de uma pessoa n‹o Ž suficiente para que ocorra a


suspens‹o de direitos pol’ticos, afinal, h‡ v‡rias situa•›es
em que a pris‹o n‹o Ž motivada por uma condena•‹o
criminal transitada em julgado. ƒ o caso, por exemplo, da
pris‹o em flagrante ou da pris‹o tempor‡ria, que n‹o
importar‹o em suspens‹o dos direitos pol’ticos.

ƒ importante ficarmos atentos quanto ˆs consequ•ncias dos atos de


improbidade administrativas, Segundo o art. 37, ¤ 4¼, os atos de improbidade
administrativa resultar‹o na perda do mandato e na suspens‹o dos
direitos pol’ticos. ƒ bastante comum que as bancas examinadoras tentem
enganar os alunos dizendo que, no caso de improbidade administrativa, haver‡
perda do mandato e dos direitos pol’ticos. Isso est‡ errado! Nessa situa•‹o,
haver‡ suspens‹o dos direitos pol’ticos.

A perda do mandato, entretanto, n‹o se aplica a membro do Congresso


Nacional. Por determina•‹o do art. 55, ¤ 2¼, da CF/88, a perda do mandato
ser‡ decidida pela Casa a que pertencer o congressista, por maioria absoluta,
mediante provoca•‹o da respectiva Mesa ou de partido pol’tico representado
no Congresso Nacional, assegurada ampla defesa.13

(PC / DF Ð 2015) Suponha-se que Guilherme esteja preso,


aguardando o julgamento de seu recurso de apela•‹o. Nesse
caso, Guilherme n‹o poder‡ votar, por faltar-lhe, por causa
de sua pris‹o cautelar, o pleno exerc’cio dos direitos pol’ticos.

Coment‡rios:

A condena•‹o criminal transitada em julgado Ž que resulta


na suspens‹o dos direitos pol’ticos. A pris‹o cautelar n‹o tem
esse efeito. Assim, Guilherme poder‡ votar. Quest‹o errada.
21686815204

(TJ / MG Ð 2015) A pr‡tica de atos de improbidade


administrativa acarreta cassa•‹o de direitos pol’ticos.

Coment‡rios:

No ordenamento jur’dico brasileiro, Ž vedada a cassa•‹o de


                                                        
12
STF, RMS 22.470-AgR, Rel. Min. Celso de Mello, j. 11.06.96, DJ de 27.09.96.
13
Nesse sentido, entende o STF que da Òcondena•‹o criminal transitada em julgado,
ressalvada a hip—tese do art. 55, ¤ 2¼, da Constitui•‹o, resulta por si mesma a perda do
mandato eletivo ou do cargo do agente pol’tico (RE 418.876, Rel. Min. Sepœlveda Pertence, j.
30..03.04, DJ 04.06.04). .
direitos pol’ticos. Quest‹o errada.

(MPE / RS Ð 2014) A incapacidade civil relativa Ž suficiente


para privar o cidad‹o da frui•‹o dos seus direitos pol’ticos.

Coment‡rios:

N‹o. A incapacidade civil absoluta Ž que resulta na


suspens‹o dos direitos pol’ticos. Quest‹o errada.

4- Princ’pio da anterioridade eleitoral:

No art. 16, CF/88 a Constitui•‹o traz o princ’pio da anterioridade eleitoral:

Art. 16. A lei que alterar o processo eleitoral entrar‡ em vigor na data de
sua publica•‹o, n‹o se aplicando ˆ elei•‹o que ocorra atŽ um ano da data de
sua vig•ncia.

O que voc• deve gravar para a prova? A lei eleitoral tem vig•ncia (Òfor•a de
leiÓ) imediatamente, na data de sua publica•‹o. Entretanto, produz efeitos
apenas em momento futuro: n‹o se aplica ˆ elei•‹o que ocorrer atŽ um ano
da data de sua vig•ncia.

Com base nesse dispositivo, o STF14 afastou a aplica•‹o da ÒLei da Ficha LimpaÓ
ˆs elei•›es de 2010. Mesmo essa lei tendo entrado em vigor em 2010, n‹o
p™de ser aplicada ˆs elei•›es realizadas naquele ano. Cabe destacar que o STF
considera que o princ’pio da anterioridade eleitoral Ž cl‡usula pŽtrea do texto
constitucional.

(TRE / GO Ð 2015) Caso seja publicada e passe a viger em


fevereiro de 2018, lei que altere o processo eleitoral poder‡
ser aplicada a pleito eletivo que ocorra em outubro desse
21686815204

mesmo ano.

Coment‡rios:

Segundo o art. 16, Òa lei que alterar o processo eleitoral


entrar‡ em vigor na data de sua publica•‹o, n‹o se aplicando
ˆ elei•‹o que ocorra atŽ um ano da data de sua vig•nciaÓ.
Ent‹o, a lei publicada em 2018 n‹o se aplicar‡ ˆ elei•‹o que
ocorra nesse mesmo ano. Quest‹o errada.

(TRE / GO Ð 2015) A norma constitucional que consagra o


                                                        
14
RE 633703/MG, Rel. Min. Gilmar Mendes, j. 23.03.2011, DJe 18.11.2011. 
princ’pio da anterioridade eleitoral n‹o pode ser abolida por
tratar-se de uma garantia individual fundamental do cidad‹o-
eleitor.

Coment‡rios:

ƒ isso mesmo! O princ’pio da anterioridade eleitoral Ž


considera cl‡usula pŽtrea e, portanto, n‹o pode ser abolida.
Quest‹o correta.

Quest›es Comentadas

1. Direitos Pol’ticos

1. (IBFC / Pol’cia Cient’fica-PR Ð 2017) Considere as normas da


Constitui•‹o Federal para assinalar a alternativa correta sobre
elegibilidade.

a) Para o cargo de Presidente da Repœblica, s‹o condi•›es de elegibilidade,


entre outras, ter idade m’nima de 35 anos e ter nacionalidade brasileira

b) Para o cargo de Presidente da Repœblica, s‹o condi•›es de elegibilidade,


entre outras, ter idade m’nima de 35 anos e ser brasileiro nato

c) Para o cargo de senador s‹o condi•›es de elegibilidade, entre outras, ter


idade m’nima de 21 anos e ser brasileiro nato

d) Para o cargo de presidente da C‰mara dos Deputados, s‹o condi•›es de


elegibilidade, entre outras, ter idade m’nima de 30 anos e ter nacionalidade
brasileira

e) Para o cargo de vereador, s‹o condi•›es de elegibilidade, entre outras, ter


idade m’nima de 21 anos e ser brasileiro nato
21686815204

Coment‡rios:

A Carta Magna prev• as condi•›es de elegibilidade em seu art. 14, ¤ 3o, que
reproduzimos a seguir:

Art. 14, ¤ 3¼ S‹o condi•›es de elegibilidade, na forma da lei:

I - a nacionalidade brasileira;

II - o pleno exerc’cio dos direitos pol’ticos;

III - o alistamento eleitoral;


IV - o domic’lio eleitoral na circunscri•‹o;

V - a filia•‹o partid‡ria;

VI - a idade m’nima de:

a) trinta e cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da Repœblica


e Senador;

b) trinta anos para Governador e Vice-Governador de Estado e do


Distrito Federal;

c) vinte e um anos para Deputado Federal, Deputado Estadual ou


Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz;

d) dezoito anos para Vereador.

AlŽm desses requisitos, para alguns cargos, exige-se, ainda, a condi•‹o de


brasileiro nato (art. 12, ¤ 3o, CF):

¤ 3¼ S‹o privativos de brasileiro nato os cargos:

I - de Presidente e Vice-Presidente da Repœblica;

II - de Presidente da C‰mara dos Deputados;

III - de Presidente do Senado Federal;

IV - de Ministro do Supremo Tribunal Federal;

V - da carreira diplom‡tica;

VI - de oficial das For•as Armadas.

VII - de Ministro de Estado da Defesa.


21686815204

O gabarito Ž a letra B.

2. (IBFC / SEPLAG-MG Ð 2014) A idade m’nima de trinta anos Ž


condi•‹o de elegibilidade para o cargo de:

a) Deputado Federal

b) Vice-Governador de Estado.

c) Senador
d) Juiz de paz

Coment‡rios:

A idade m’nima de 30 (trinta) anos Ž condi•‹o de elegibilidade para os cargos


de Governador e Vice-Governador de Estado. O gabarito Ž a letra B.

3. (IBFC / TRE-AM Ð 2014) Com rela•‹o aos instrumentos de


democracia semidireta ou participativa, analise o seguinte o
enunciado, a seguir, e assinale a alternativa a que se refere ˆ seguinte
assertiva: ÒŽ convocado(a) com anterioridade a ato legislativo ou
administrativo, cabendo ao povo, pelo voto, aprovar ou denegar o que
lhe tenha sido submetidoÓ.

a) Lei de iniciativa popular.

b) Referendo.

c) Recall.

d) Plebiscito.

Coment‡rios:

ƒ importante que voc• saiba a diferen•a entre plebiscito e referendo.

O plebiscito Ž convocado com anterioridade ao ato legislativo ou


administrativo. O referendo Ž posterior ao ato legislativo ou administrativo. O
gabarito Ž a letra D.

4. (IBFC / MPE-SP Ð 2013) Nos termos da atual Constitui•‹o


Federal, s‹o condi•›es de elegibilidade, EXCETO:

a) Filia•‹o partid‡ria. 21686815204

b) Alistamento eleitoral.

c) Domicilio eleitoral na circunscri•‹o.

d) Idade m’nima de 35 anos para Senador.

e) Idade m’nima de 35 anos para Governador.

Coment‡rios:

As condi•›es de elegibilidade est‹o previstas no art. 14, ¤ 4¼, CF/88:


¤ 3¼ S‹o condi•›es de elegibilidade, na forma da lei:

I - a nacionalidade brasileira;

II - o pleno exerc’cio dos direitos pol’ticos;

III - o alistamento eleitoral;

IV - o domic’lio eleitoral na circunscri•‹o;

V - a filia•‹o partid‡ria;

VI - a idade m’nima de:

a) trinta e cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da Repœblica e


Senador;

b) trinta anos para Governador e Vice-Governador de Estado e do


Distrito Federal;

c) vinte e um anos para Deputado Federal, Deputado Estadual ou


Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz;

d) dezoito anos para Vereador.

O gabarito Ž a letra E.

5. (IESES / TRE-MA Ð 2015) De acordo com a Constitui•‹o Federal


de 1988, Ž INCORRETO afirmar:

a) O alistamento eleitoral e o voto s‹o obrigat—rios para os maiores de dezoito


anos, sendo facultativos apenas para os maiores de setenta anos e os maiores
de dezesseis e menores de dezoito anos.

b) S‹o ineleg’veis os inalist‡veis e os analfabetos.


21686815204

c) Para concorrerem a outros cargos, o Presidente da Repœblica, os


Governadores de Estado e do Distrito Federal e os Prefeitos devem renunciar
aos respectivos mandatos atŽ seis meses antes do pleito.

d) N‹o podem alistar-se como eleitores os estrangeiros e, durante o per’odo do


servi•o militar obrigat—rio, os conscritos.

Coment‡rios:

Letra A: errada. O alistamento eleitoral e o voto tambŽm s‹o facultativos para


analfabetos.
Letra B: correta. Segundo o art. 14, ¤ 4¼, CF/88, s‹o ineleg’veis os
inalist‡veis e os analfabetos.

Letra C: correta. Segundo o art. 14, ¤ 6¼, CF/88, para concorrerem a outros
cargos, o Presidente da Repœblica, os Governadores de Estado e do Distrito
Federal e os Prefeitos devem renunciar aos respectivos mandatos atŽ seis
meses antes do pleito. ƒ o que se chama de desincompatibiliza•‹o.

Letra D: correta. Os estrangeiros e os conscritos s‹o inalist‡veis.

O gabarito Ž a letra A.

6. (IESES / TRE-MA Ð 2015) De acordo com a Constitui•‹o Federal


de 1988, Ž correto afirmar:

a) S‹o condi•›es de elegibilidade, na forma da lei, a nacionalidade brasileira; o


pleno exerc’cio dos direitos pol’ticos; o alistamento eleitoral; o domic’lio
eleitoral na circunscri•‹o; a filia•‹o partid‡ria; e a idade m’nima de trinta e
cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da Repœblica e Senador; trinta
anos para Governador e Vice-Governador de Estado, do Distrito Federal e para
Deputado Federal; vinte e um anos para Deputado Estadual ou Distrital,
Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz; e dezoito anos para Vereador.

b) A lei que alterar o processo eleitoral entrar‡ em vigor na data de sua


publica•‹o, n‹o se aplicando ˆ elei•‹o que ocorra atŽ um ano e meio da data
de sua vig•ncia.

c) S‹o condi•›es de elegibilidade, na forma da lei, a nacionalidade brasileira; o


pleno exerc’cio dos direitos pol’ticos; o alistamento eleitoral; o domic’lio
eleitoral na circunscri•‹o; a filia•‹o partid‡ria; e a idade m’nima de trinta e
cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da Repœblica e Senador; trinta
anos para Governador e Vice-Governador de Estado e do Distrito Federal; vinte
e um anos para Deputado Federal, Deputado Estadual ou Distrital, Prefeito,
Vice-Prefeito e juiz de paz; e dezoito anos para Vereador.
21686815204

d) S‹o ineleg’veis somente os inalist‡veis.

Coment‡rios:

Letra A: errada. A idade m’nima para que alguŽm possa ser eleito Deputado
Federal Ž de 21 anos (e n‹o 30 anos!).

Letra B: errada. Segundo o art. 16, CF/88, a lei que alterar o processo eleitoral
entrar‡ em vigor na data de sua publica•‹o, n‹o se aplicando ˆ elei•‹o que
ocorra atŽ um ano da data de sua vig•ncia.
Letra C: correta. Essas s‹o as condi•›es de elegibilidade, previstas no art. 14,
¤ 3¼, CF/88.

Letra D: errada. Segundo o art. 14, ¤ 4¼, CF/88, s‹o ineleg’veis os


inalist‡veis e os analfabetos.

O gabarito Ž a letra C.

7. (IESES / TRE-MA Ð 2015) Com rela•‹o aos direitos pol’ticos Ž


correto afirmar que:

a) N‹o podem alistar-se como eleitores os estrangeiros e, durante o per’odo do


servi•o militar obrigat—rio, os conscritos.

b) Como condi•‹o de elegibilidade para Presidente da Repœblica e de


Governador de Estado a Constitui•‹o da Repœblica Federativa do Brasil
estabelece a idade m’nima de quarenta anos.

c) Como condi•‹o de elegibilidade para vereador a Constitui•‹o da Repœblica


Federativa do Brasil estabelece a idade m’nima de vinte e um anos.

d) O alistamento eleitoral e o voto s‹o obrigat—rios para os analfabetos.

Coment‡rios:

Letra A: correta. S‹o inalist‡veis os estrangeiros e os conscritos.

Letra B: errada. A idade m’nima para que alguŽm seja eleito Presidente da
Repœblica Ž de 35 anos.

Letra C: errada. A idade m’nima para Vereador Ž 18 anos.

Letra D: errada. O alistamento eleitoral e o voto s‹o facultativos para os


analfabetos. 21686815204

O gabarito Ž a letra A.

8. (IBFC / Pol’cia Civil-RJ Ð 2014) As assertivas abaixo descritas


est‹o previstas na Constitui•‹o Federal como hip—teses de perda ou
suspens‹o dos direitos pol’ticos. Assinale a alternativa
que NÌO corresponde a uma dessas hip—teses constitucionalmente
previstas:

a) Extradi•‹o de brasileiro nato.

b) Incapacidade civil absoluta.


c) Condena•‹o criminal transitada em julgado, enquanto durarem seus efeitos.

d) Recusa de cumprir obriga•‹o a todos imposta ou presta•‹o alternativa.

e) Improbidade administrativa.

Coment‡rios:

Para responder essa quest‹o, era preciso conhecer o art. 15, CF/88:

Art. 15. ƒ vedada a cassa•‹o de direitos pol’ticos, cuja perda ou


suspens‹o s— se dar‡ nos casos de:

I - cancelamento da naturaliza•‹o por senten•a transitada em julgado;

II - incapacidade civil absoluta;

III - condena•‹o criminal transitada em julgado, enquanto durarem seus


efeitos;

IV - recusa de cumprir obriga•‹o a todos imposta ou presta•‹o


alternativa, nos termos do art. 5¼, VIII;

V - improbidade administrativa, nos termos do art. 37, ¤ 4¼.

Dentre as op•›es apresentadas no enunciado, a œnica que n‹o Ž uma hip—tese


de perda ou suspens‹o de direitos pol’ticos Ž a Òextradi•‹o de brasileiro natoÓ.
Sobre o tema, deve-se ressaltar, inclusive, que Ž vedada a extradi•‹o de
brasileiro nato. O gabarito, portanto, Ž a letra A.

9. (IBFC / Pol’cia Civil-SE Ð 2014) Segundo a Constitui•‹o Federal,


no cap’tulo ÒDos Direitos Pol’ticosÓ, s‹o condi•›es de
elegibilidade, exceto:
21686815204

a) O domic’lio eleitoral na circunscri•‹o.

b) A filia•‹o a partido pol’tico com representa•‹o no Congresso Nacional

c) A nacionalidade brasileira

d) O pleno exerc’cio dos direitos pol’ticos.

Coment‡rios:

A filia•‹o partid‡ria Ž uma condi•‹o de elegibilidade. No entanto, n‹o se exige


que o partido pol’tico tenha representa•‹o no Congresso Nacional. O gabarito Ž
a letra B.
10. (IBFC / Pol’cia Civil-RJ Ð 2014) Suponha que, atendendo ˆs
reivindica•›es ocorridas nos protestos de junho de 2013, os
parlamentares se reœnam e resolvam tornar mais h’gido e probo o
processo eleitoral para as elei•›es de 2016. Para tanto, eles
apresentam um projeto que cria novas hip—teses de inelegibilidade,
n‹o abarcadas pela Lei da Ficha Limpa. Este projeto dever‡ ser
apresentado nos moldes de:

a) Emenda Constitucional.

b) Lei Complementar.

c) Lei ordin‡ria.

d) Medida provis—ria.

e) Resolu•‹o do Tribunal Superior Eleitoral.

Coment‡rios:

Segundo o art. 14, ¤ 9¼, CF/88, outros casos de inelegibilidade ser‹o


estabelecidos mediante lei complementar. O gabarito Ž a letra B.

11. (FGV / TJ-RO Ð 2015) Jo‹o, aluno do ensino mŽdio, formulou


diversas proposi•›es a respeito dos conceitos de cidadania,
nacionalidade e capacidade civil. Assinale, dentre as proposi•›es
abaixo, a œnica que se mostra correta:

a) a cidadania Ž requisito necess‡rio ao alistamento eleitoral, que permite o


surgimento da nacionalidade e o consequente exerc’cio dos direitos
fundamentais;

b) a nacionalidade brasileira Ž requisito necess‡rio ˆ obten•‹o da cidadania,


que permite o surgimento da liberdade pol’tica e o gozo dos direitos
21686815204

fundamentais;

c) a cidadania Ž inerente ao Estado democr‡tico, sendo requisito necess‡rio ao


surgimento da liberdade pol’tica e ao exerc’cio dos direitos fundamentais;

d) a nacionalidade brasileira Ž requisito necess‡rio ao alistamento eleitoral,


que permite o surgimento da cidadania e o consequente exerc’cio dos direitos
pol’ticos;

e) a capacidade civil Ž requisito necess‡rio ao surgimento da cidadania, que


permite o surgimento da nacionalidade e o consequente exerc’cio dos direitos
pol’ticos.
Coment‡rios:

O exerc’cio dos direitos fundamentais e a atribui•‹o de nacionalidade


independem da cidadania. Apenas como exemplo, uma crian•a, embora ainda
n‹o tenha cidadania, tem seus direitos fundamentais e a nacionalidade
garantidas. Logo, as letras A, B , C e E est‹o erradas.

O gabarito Ž a letra D. Um dos requisitos para o alistamento eleitoral Ž a


nacionalidade brasileira. Por meio do alistamento eleitoral, surge a
cidadania (capacidade de votar e ser votado). Diz-se que, a’, h‡ a
possibilidade do pleno exerc’cio dos direitos pol’ticos.

12. (FGV / TCE-RJ Ð 2015) Em raz‹o da morte do governador, fato


ocorrido quatro meses antes do tŽrmino do seu mandato, Eust‡quio,
vice-governador, terminou por suced•-lo. Nas elei•›es realizadas no
mesmo ano, Eust‡quio concorreu ao cargo de governador e teve
expressiva vota•‹o, iniciando o respectivo mandato no ano seguinte.

Apesar do •xito, Eust‡quio, pol’tico ambicioso, j‡ iniciou o


planejamento a respeito do seu futuro e o do seu filho Eustaquinho,
que completar‡ vinte e um anos exatamente no dia da pr—xima elei•‹o
para cargos eletivos federais e estaduais. De acordo com a sistem‡tica
constitucional de inelegibilidades, Ž correto afirmar que, na pr—xima
elei•‹o, acima referida:

a) Eustaquinho n‹o poder‡ concorrer a qualquer cargo eletivo no ‰mbito do


territ—rio de jurisdi•‹o do seu pai;

b) Eust‡quio n‹o precisar‡ renunciar ao mandato de governador para que


possa concorrer ao mesmo cargo na pr—xima elei•‹o;

c) Eustaquinho somente poder‡ concorrer ao cargo de Senador, no mesmo


Estado, caso seu pai renuncie ao mandato de governador atŽ seis meses antes
do pleito; 21686815204

d) Eust‡quio somente poder‡ concorrer ao cargo de governador, na pr—xima


elei•‹o, caso renuncie seis meses antes do pleito;

e) Eustaquinho somente n‹o poder‡ concorrer a cargos estaduais, inexistindo


—bice a que concorra para cargos federais.

Coment‡rios:

Letra A: correta. De fato, Eustaquinho n‹o poder‡ concorrer a qualquer cargo


eletivo no ‰mbito do territ—rio de jurisdi•‹o do seu pai. Isso decorre do art. 14,
¤ 7¼, CF/88, segundo o qual Òs‹o ineleg’veis, no territ—rio de jurisdi•‹o do
titular, o c™njuge e os parentes consangu’neos ou afins, atŽ o segundo
grau ou por ado•‹o, do Presidente da Repœblica, de Governador de Estado ou
Territ—rio, do Distrito Federal, de Prefeito ou de quem os haja substitu’do
dentro dos seis meses anteriores ao pleito, salvo se j‡ titular de mandato
eletivo e candidato ˆ reelei•‹o.Ó ƒ o que se chama de inelegibilidade
reflexa.

Letra B: errada. Eust‡quio n‹o poder‡ se candidatar a um novo mandato de


Governador. Isso porque ele j‡ est‡ no seu segundo mandato como
Governador. Sobre isso, disp›e o art. 14, ¤ 5¼, que Òo Presidente da Repœblica,
os Governadores de Estado e do Distrito Federal, os Prefeitos e quem os
houver sucedido, ou substitu’do no curso dos mandatos poder‹o ser
reeleitos para um œnico per’odo subsequenteÓ.

Letra C: errada. Eustaquinho n‹o cumpre o requisito de idade m’nima de


35 anos para se candidatar a Senador. Mesmo que ele cumprisse esse
requisito, a inelegibilidade reflexa o impediria de se candidatar a Senador por
aquele estado.

Letra D: errada. Eust‡quio n‹o poder‡ se candidatar para um terceiro mandato


de Governador.

Letra E: errada. Eustaquinho n‹o poder‡ concorrer aos cargos de Deputado


Federal e Senador para o estado do qual seu pai Ž Governador. AlŽm disso,
n‹o poder‡ se candidatar para Presidente, Vice-Presidente e Senador, cargos
que t•m como requisito a idade m’nima de 35 anos. Dessa forma, existem
v‡rios —bices a que ele concorra para cargos eletivos federais.

O gabarito Ž a letra A.

13. (FGV / DPE-RJ Ð 2014) Direitos pol’ticos s‹o instrumentos


previstos na Constitui•‹o, atravŽs dos quais se manifesta a soberania
popular, viabilizando a participa•‹o do cidad‹o na coisa pœblica. Como
exemplo desses direitos pol’ticos, a Constitui•‹o assegura:
21686815204

a) o voto indireto e secreto, com valor igual para todos.

b) o sufr‡gio universal e o voto direto, obrigat—rio para os maiores de dezoito


anos e menores de sessenta anos.

c) o voto facultativo para os analfabetos, os maiores de setenta anos, bem


como pessoas maiores de dezesseis e menores de dezoito anos.

d) a a•‹o popular, que consiste em um processo iniciado por, no m’nimo, 1%


do popula•‹o nacional, para destituir administradores ’mprobos.
e) o plebiscito ou o referendo, nos quais o cidad‹o decide diretamente qual
ser‡ o rumo legislativo sobre matŽria de relev‰ncia nacional, sem qualquer
participa•‹o do Poder Legislativo durante o processo legislativo.

Coment‡rios:

Letra A: errada. O voto Ž direto, secreto e com valor igual para todos.

Letra B: errada. O voto Ž obrigat—rio para os maiores de 18 anos e menores de


70 anos.

Letra C: correta. O voto Ž facultativo para: i) os analfabetos; ii) os maiores


de 70 anos e; iii) os maiores de 16 anos e menores de 18 anos.

Letra D: errada. A a•‹o popular Ž remŽdio constitucional que pode ser


impetrado por qualquer cidad‹o. N‹o h‡ necessidade de que ela seja
iniciada por 1% da popula•‹o nacional. Qualquer cidad‹o, sozinho, poder‡
impetrar a•‹o popular.

Letra E: errada. ƒ o Congresso Nacional que autoriza referendo e convoca


plebiscito. Portanto, esses instrumentos contam com a participa•‹o do Poder
Legislativo.

O gabarito Ž a letra C.

14. (FGV / DPE-RJ Ð 2014) A mesma Constitui•‹o da Repœblica que


assegura os direitos pol’ticos como instrumentos por meio dos quais
se garante o exerc’cio da soberania popular, prev• a perda ou
suspens‹o dos mesmos, no caso de:

a) incapacidade civil relativa, como na hip—tese de interdi•‹o, na forma da lei.

b) condena•‹o criminal por improbidade administrativa, atravŽs de senten•a


penal transitada em julgado. 21686815204

c) pr‡tica de ato de improbidade administrativa, reconhecida em regular


processo administrativo transitado em julgado.

d) recusa de cumprir obriga•‹o a todos imposta ou presta•‹o alternativa, na


forma da lei.

e) condena•‹o criminal por crime hediondo, com decis‹o judicial transitada em


julgado, hip—tese em que ocorre cassa•‹o dos direitos pol’ticos enquanto
durarem os efeitos da condena•‹o.

Coment‡rios:
Letra A: errada. A incapacidade civil absoluta Ž que implica na suspens‹o dos
direitos pol’ticos.

Letra B: errada. O examinador misturou as coisas. Ocorrer‡ suspens‹o dos


direitos pol’ticos no caso de condena•‹o criminal transitada em julgado,
enquanto durarem os seus efeitos. A improbidade administrativa n‹o tem
natureza criminal.

Letra C: errada. A improbidade administrativa, de fato, implica na suspens‹o


dos direitos pol’ticos. No entanto, esta Ž reconhecida em processo judicial.

Letra D: correta. A recusa de cumprir obriga•‹o legal a todos imposta ou


presta•‹o alternativa, na forma da lei, Ž hip—tese de suspens‹o dos direitos
pol’ticos.

Letra E: errada. N‹o existe cassa•‹o de direitos pol’ticos no ordenamento


jur’dico brasileiro.

O gabarito Ž a letra D.

15. (FGV/OAB Ð 2013) Jo‹o, 29 anos de idade, brasileiro


naturalizado desde 1992, decidiu se candidatar, nas elei•›es de 2010,
ao cargo de Deputado Federal, em determinado ente federativo.
Eleito, e ap—s ter tomado posse, foi escolhido para Presidir a C‰mara
dos Deputados, Com base na hip—tese acima, assinale a afirmativa
correta.

a) Jo‹o n‹o poderia ter-se candidatado ao cargo de Deputado Federal, uma


vez que esse Ž um cargo privativo de brasileiro nato.

b) Jo‹o n‹o poderia ser Deputado Federal, mas poderia ingressar na carreira
diplom‡tica em que n‹o Ž exigido o requisito de ser brasileiro nato.

c) Jo‹o poderia ter-se candidatado ao cargo de Deputado Federal, bem como


21686815204

ser eleito, entretanto, n‹o poderia ter sido escolhido Presidente da C‰mara dos
Deputados, eis que esse cargo deve ser exercido por brasileiro nato.

d) Jo‹o n‹o poderia ter-se candidatado ao cargo de Deputado Federal, mas


poderia ter se candidatado ao cargo de Senador da Repœblica, mesmo sendo
brasileiro naturalizado.

Coment‡rios:

A letra A est‡ incorreta. O cargo de Deputado Federal n‹o Ž privativo de


brasileiro nato. Essa restri•‹o aplica-se apenas ao cargo de Presidente da
C‰mara (art. 12, ¤ 3¼, II, CF).
A letra B est‡ incorreta. Como vimos, o cargo de Deputado Federal n‹o Ž
privativo de brasileiro nato, o que j‡ bastaria para a alternativa estar errada.
H‡, entretanto, mais um erro na quest‹o: o ingresso na carreira diplom‡tica
requer a condi•‹o de brasileiro nato (art. 12, ¤ 3¼, V, CF).

A letra C est‡ correta. ƒ o que prev• a Constitui•‹o Federal (art. 12, ¤ 3¼, II,
CF). O cargo de Presidente da C‰mara dos Deputados Ž privativo de
brasileiro nato, motivo pelo qual Jo‹o n‹o poder‡ exerc•-lo. Quanto ao cargo
de Deputado Federal, exige-se idade m’nima de 21 anos, requisito cumprido
por Jo‹o.

A letra D est‡ incorreta. Jo‹o poderia candidatar-se a Deputado Federal, mas


n‹o poderia se candidatar ao cargo de Senador. O cargo de Senador tem
como requisito a idade m’nima de 35 anos, o que n‹o Ž cumprido por Jo‹o.

O gabarito Ž a letra C.

16. (FGV/OAB Ð 2012) JosŽ da Silva, prefeito do Munic’pio ÒXÓ,


integrante do Estado ÒYÓ, possui familiares que pretendem concorrer a
cargos eleg’veis nas pr—ximas elei•›es. Sobre essa situa•‹o, assinale a
afirmativa correta.

a) JosŽ da Silva Junior, filho de JosŽ da Silva, que ter‡ 18 anos completos na
Žpoca da elei•‹o, poder‡ se candidatar ao cargo de deputado estadual de ÒYÓ,
desde que JosŽ da Silva tenha se desincompatibilizado seis meses antes do
pleito.

b) Maria da Silva, esposa de JosŽ da Silva, vereadora do munic’pio ÒXÓ, s—


poder‡ concorrer novamente ao cargo de vereadora, se JosŽ da Silva se
desincompatibilizar seis meses antes do pleito.

c) JosŽ da Silva poder‡ concorrer ao cargo de governador do estado ÒZÓ, n‹o


sendo necess‡rio que renuncie ao mandato atŽ seis meses antes do pleito.
21686815204

d) Pedro Costa, sobrinho de JosŽ da Silva, poder‡ concorrer ao cargo de


Vereador do Munic’pio ÒXÓ mesmo que JosŽ da Silva n‹o tenha se
desincompatibilizado seis meses antes do pleito.

Coment‡rios:

A letra A est‡ incorreta. N‹o h‡ qualquer —bice a que o filho do Prefeito do


Munic’pio X se candidate a Deputado Estadual, uma vez que a inelegibilidade
reflexa alcan•a apenas os cargos que est‹o no territ—rio de jurisdi•‹o
do titular. Assim, o filho do Prefeito do Munic’pio X n‹o poderia se candidatar
a vereador por esse mesmo Munic’pio. AtŽ aqui tudo bem! O problema Ž que
JosŽ da Silva Junior tem apenas 18 anos, e a idade m’nima para elegibilidade
ao cargo de deputado estadual Ž de 21 anos (art. 14, ¤ 3¼, VI, ÒcÓ, CF).

A letra B est‡ incorreta. Como Maria Ž candidata a reelei•‹o, n‹o Ž


necess‡ria a desincompatiliza•‹o de JosŽ da Silva. De acordo com o ¤ 7¼
do art. 14 da Constitui•‹o Federal, Òs‹o ineleg’veis, no territ—rio de jurisdi•‹o
do titular, o c™njuge e os parentes consangu’neos ou afins, atŽ o segundo grau
ou por ado•‹o, do Presidente da Repœblica, de Governador de Estado ou
Territ—rio, do Distrito Federal, de Prefeito ou de quem os haja substitu’do
dentro dos seis meses anteriores ao pleito, salvo se j‡ titular de mandato
eletivo e candidato ˆ reelei•‹oÓ.

A letra C est‡ incorreta. ƒ necess‡rio que JosŽ da Silva renuncie ao mandato


atŽ seis meses antes do pleito, por determina•‹o do art. 14, ¤ 6¼, da
Constitui•‹o Federal. ƒ que, para concorrerem a outros cargos, os Chefes
do Poder Executivo devem renunciar aos seus mandatos atŽ 6 meses antes do
pleito.

A letra D est‡ correta. O sobrinho Ž parente de 3¼ grau e, portanto, n‹o Ž


atingido pela inelegibilidade reflexa, que alcan•a atŽ o 2¼ grau. Logo, Pedro
Costa poder‡, sim, candidtar-se a Vereador do Munic’pio X.

17. (FGV/TJ-AM Ð 2013) Com rela•‹o aos direitos pol’ticos e aos


partidos pol’ticos, assinale a afirmativa incorreta.

a) O prefeito municipal, eleito por duas vezes consecutivas em um


determinado Munic’pio, pode candidatar-se, na elei•‹o seguinte, ao cargo de
Prefeito de outro Munic’pio, Governador do Estado ou ˆ Presid•ncia da
Repœblica, desde que respeitado o prazo de desincompatibiliza•‹o de seis
meses.

b) A dissolu•‹o da sociedade ou do v’nculo conjugal, no curso do mandato, n‹o


afasta a inelegibilidade prevista no Art. 14, ¤ 7¡, da Constitui•‹o Federal de
1988. 21686815204

c) O princ’pio da anterioridade eleitoral, que veda a aplica•‹o de lei que alterar


o processo eleitoral que ocorra atŽ um ano ap—s a data da vig•ncia, Ž
considerado cl‡usula pŽtrea, aplicando-se inclusive ˆs emendas
constitucionais.

d) No modelo adotado pela Constitui•‹o Federal de 1988, o voto se caracteriza


por ser direto, igual para todos, peri—dico, livre e personal’ssimo, sendo
vedado aos menores de 16 anos e aos conscritos, durante o per’odo do servi•o
militar obrigat—rio.

Coment‡rios:
Letra A: errada. O STF n‹o admite a figura do Òprefeito itineranteÓ. O
cidad‹o que j‡ exerceu dois mandatos consecutivos de prefeito fica ineleg’vel
para um terceiro mandato, ainda que seja em munic’pio diferente.

Letra B: correta. Isso Ž exatamente o que disp›e a Sœmula Vinculante n¼ 18.


Se a dissolu•‹o do casamento ocorre durante o mandato, a inelegibilidade
reflexa n‹o ser‡ afastada.

Letra C: correta. O STF considera que o princ’pio da anterioridade eleitoral Ž


cl‡usula pŽtrea do texto constitucional e, portanto, n‹o pode ser objeto de
emenda tendente a aboli-lo.

Letra D: correta. No Brasil, o voto Ž direto, secreto, universal e com valor igual
para todos. O voto Ž vedado aos menores de 16 anos, aos conscritos (durante
o servi•o militar obrigat—rio) e aos estrangeiros.

O gabarito Ž a letra A.

18. (FGV/TJ-AM Ð 2013) A Constitui•‹o da Repœblica Federativa do


Brasil estabelece as condi•›es para que um cidad‹o possa se
candidatar em uma elei•‹o, sendo certo que a n‹o observ‰ncia de
quaisquer delas Ž causa de impedimento para a candidatura. Um dos
requisitos dispostos Ž a idade m’nima para o exerc’cio de
determinados cargos pol’ticos. A esse respeito, assinale a afirmativa
correta.

a) A Constitui•‹o exige a idade m’nima de 18 anos para Deputado Federal.

b) A Constitui•‹o exige a idade m’nima de 25 anos para Prefeito.

c) A Constitui•‹o exige a idade m’nima de 30 anos para Deputado Estadual.

d) A Constitui•‹o exige a idade m’nima de 18 anos para vereador.


21686815204

e) A Constitui•‹o exige a idade m’nima de 30 anos para Senador.

Coment‡rios:

A letra A est‡ incorreta. A idade m’nima para o cargo de Deputado Federal Ž


de 21 anos (art. 14, ¤ 3¼, VI, ÒcÓ, CF).

A letra B est‡ incorreta. A idade m’nima para Prefeito Ž de 21 anos (art. 14, ¤
3¼, VI, ÒcÓ, CF).

A letra C est‡ incorreta. A idade m’nima para Deputado Estadual Ž de 21 anos


(art. 14, ¤ 3¼, VI, ÒcÓ, CF).
A letra D est‡ correta. ƒ o que prev• o art. 14, ¤ 3¼, VI, ÒdÓ, da Constitui•‹o. A
idade m’nima para Vereador Ž 18 anos.

A letra E est‡ incorreta. Para Senador, a idade m’nima Ž de 35 anos (art. 14, ¤
3¼, VI, ÒaÓ, CF).

O gabarito Ž a letra D.

19. (FGV/TJ-AM Ð 2013) Assinale a alternativa que apresenta


hip—tese de suspens‹o dos direitos pol’ticos.

a) Incapacidade civil absoluta.

b) Cancelamento da naturaliza•‹o por senten•a, ainda que n‹o transitada em


julgado.

c) Condena•‹o em a•‹o popular.

d) Qualquer condena•‹o criminal.

e) Pris‹o do cidad‹o.

Coment‡rios:

Letra A: correta. A incapacidade civil absoluta Ž caso de suspens‹o dos


direitos pol’ticos.

Letra B: errada. O cancelamento de naturaliza•‹o por senten•a transitada em


julgado Ž hip—tese de perda dos direitos pol’ticos.

Letra C: errada. A condena•‹o em a•‹o popular n‹o Ž caso de suspens‹o,


tampouco de perda de direitos pol’ticos.

Letra D: errada. N‹o Ž qualquer condena•‹o criminal que importa na


21686815204

suspens‹o dos direitos pol’ticos, mas apenas aquela transitada em


julgado.

Letra E: errada. A pris‹o n‹o implica na suspens‹o dos direitos pol’ticos, eis
que nem todas as pris›es resultam de condena•‹o criminal transitada
em julgado. Na pris‹o em flagrante, por exemplo, n‹o h‡ nem sequer ordem
judicial.

O gabarito Ž a letra A.

20. (FGV/TJ-AM Ð 2013) Dentre as normas materialmente


constitucionais, encontram-se aquelas atinentes ˆ garantia e ao
exerc’cio dos direitos pol’ticos. Sobre este tema, analise as afirmativas
a seguir.

I. ƒ poss’vel aos eleitores exercerem o seu direito de voto ainda que n‹o
estejam portando o t’tulo de eleitor, bastando, para o suprimento desta
aus•ncia, que portem documento oficial de identifica•‹o com foto.

II. A inelegibilidade por motivo de parentesco do c™njuge do Presidente da


Repœblica, de Governador e Estado, de prefeito ou de quem os haja substitu’do
dentro dos seis meses anteriores ao pleito n‹o cessa pela dissolu•‹o do v’nculo
conjugal no curso do mandato.

III. O alistamento e o voto s‹o obrigat—rios para todos os eleitores maiores de


18 anos e com idade inferior a 70 anos, ainda que n‹o alfabetizados.

Assinale:

a) se somente a afirmativa III estiver correta.

b) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.

c) se somente as afirmativas I e III estiverem corretas.

d) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.

e) se todas as afirmativas estiverem corretas.

Coment‡rios:

A primeira assertiva est‡ correta. Para que possa votar, o eleitor precisa
apenas de um documento oficial com foto. A apresenta•‹o do t’tulo de
eleitor n‹o Ž, portanto, obrigat—ria.

A segunda assertiva est‡ correta. Segundo a Sœmula Vinculante n¼ 18, Òa


21686815204

dissolu•‹o da sociedade ou do v’nculo conjugal, no curso do mandato, n‹o


afasta a inelegibilidade prevista no ¤ 7¼, do artigo 14 da Constitui•‹o
FederalÓ. Dessa maneira, a inelegibilidade reflexa n‹o Ž afastada quando
ocorre a dissolu•‹o da sociedade ou do v’nculo conjugal no curso do mandato.

A terceira assertiva est‡ errada. O alistamento eleitoral e o voto s‹o


facultativos para os analfabetos.

O gabarito, portanto, Ž a letra B.

21. (FGV/SUDENE Ð 2013) A Constitui•‹o prev• que a soberania


popular ser‡ exercida pelo sufr‡gio universal e pelo voto direto e
secreto, com valor igual para todos. Analise a afirmativa que indica os
que t•m direito ao voto facultativo.

a) Os maiores de dezoito anos.

b) Os maiores de setenta anos.

c) Os menores de dezesseis anos.

d) Os estrangeiros com mais de setenta anos.

e) Os com idade acima de sessenta anos.

Coment‡rios:

A Constitui•‹o Federal prev• (art. 14, ¤ 1¼, II) que o alistamento eleitoral e o
voto s‹o facultativos para: a) os analfabetos; b) os maiores de setenta anos;
c) os maiores de dezesseis e menores de dezoito anos. O gabarito Ž a letra B.

22. (FGV / TJ-AM Ð 2013) Quanto aos direitos pol’ticos previstos na


Constitui•‹o da Repœblica Federativa do Brasil, assinale a afirmativa
incorreta.

a) Em caso de incapacidade civil absoluta, o indiv’duo perder‡ seus direitos


pol’ticos.

b) O indiv’duo que se negue a cumprir obriga•‹o a todos imposta ou presta•‹o


alternativa poder‡ ter seus direitos pol’ticos suspensos.

c) A lei que alterar o processo eleitoral entra em vigor e passa a produzir


efeitos na data de sua publica•‹o, somente n‹o se aplicando ˆs elei•›es j‡ em
curso.

d) Ocorrendo cancelamento da naturaliza•‹o por senten•a transitada em


21686815204

julgado, o indiv’duo perder‡ seus direitos pol’ticos.

e) O indiv’duo que incorrer em caso de improbidade administrativa poder‡ ter


seus direitos pol’ticos suspensos.

Coment‡rios:

Essa foi uma quest‹o pol•mica e pass’vel de anula•‹o, pois a FGV utilizou de
maneira equivocada as express›es suspens‹o/perda dos direitos pol’ticos. De
qualquer forma, era poss’vel acertar a quest‹o analisando-se qual, dentre as
alternativas, era a Òmais erradaÓ! 
Letra A: foi considerada correta pela FGV. Apesar disso, sabemos que a
incapacidade civil absoluta Ž caso de suspens‹o dos direitos pol’ticos.

Letra B: foi considerada correta pela FGV. Apesar disso, sabemos que a recusa
em cumprir obriga•‹o legal a todos imposta ou presta•‹o alternativa Ž caso de
perda dos direitos pol’ticos.

Letra C: errada. Segundo o art. 16, CF/88, a lei que alterar o processo eleitoral
entrar‡ em vigor na data de sua publica•‹o, n‹o se aplicando ˆ elei•‹o que
ocorra atŽ um ano da data de sua vig•ncia.

Letra D: correta. De fato, o cancelamento de naturaliza•‹o Ž hip—tese de


perda dos direitos pol’ticos.

Letra E: correta. A improbidade administrativa implica na suspens‹o dos


direitos pol’ticos.

O gabarito Ž a letra C.

23. (FGV / Senado Federal Ð 2012) A respeito dos direitos pol’ticos


previstos na CRFB, assinale a afirmativa INCORRETA.

a) A soberania popular ser‡ exercida pelo sufr‡gio universal e pelo voto direto
e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante
plebiscito, referendo ou iniciativa popular.

b) N‹o podem alistar-se como eleitores os estrangeiros e, durante o per’odo do


servi•o militar obrigat—rio, os conscritos.

c) O mandato eletivo poder‡ ser impugnado ante a Justi•a Eleitoral no prazo


de quinze dias contados da posse, instru’da a a•‹o com provas de abuso do
poder econ™mico, corrup•‹o ou fraude.

d) ƒ condi•‹o de elegibilidade o domic’lio eleitoral na circunscri•‹o.


21686815204

e) ƒ condi•‹o de elegibilidade a idade m’nima de trinta e cinco anos para


Senador.

Coment‡rios:

Letra A: correta. S‹o instrumentos de participa•‹o popular: i) o voto


direto, secreto e com valor igual para todos; ii) o plebiscito; iii) o referendo e;
iv) a iniciativa popular.

Letra B: correta. Os estrangeiros e os conscritos n‹o podem se alistar como


eleitores. Trata-se de hip—teses de inelegibilidade absoluta.
Letra C: errada. O mandato eletivo pode ser impugnado no prazo de 15 dias
contados da diploma•‹o (e n‹o da posse!).

Letra D: correta. Uma das condi•›es de elegibilidade Ž o domic’lio eleitoral na


circunscri•‹o.

Letra E: correta. Para Senador, a idade m’nima Ž de 35 anos.

O gabarito Ž a letra C.

21686815204
Lista de Quest›es

1. (IBFC / Pol’cia Cient’fica-PR Ð 2017) Considere as normas da


Constitui•‹o Federal para assinalar a alternativa correta sobre
elegibilidade.

a) Para o cargo de Presidente da Repœblica, s‹o condi•›es de elegibilidade,


entre outras, ter idade m’nima de 35 anos e ter nacionalidade brasileira

b) Para o cargo de Presidente da Repœblica, s‹o condi•›es de elegibilidade,


entre outras, ter idade m’nima de 35 anos e ser brasileiro nato

c) Para o cargo de senador s‹o condi•›es de elegibilidade, entre outras, ter


idade m’nima de 21 anos e ser brasileiro nato

d) Para o cargo de presidente da C‰mara dos Deputados, s‹o condi•›es de


elegibilidade, entre outras, ter idade m’nima de 30 anos e ter nacionalidade
brasileira

e) Para o cargo de vereador, s‹o condi•›es de elegibilidade, entre outras, ter


idade m’nima de 21 anos e ser brasileiro nato

2. (IBFC / SEPLAG-MG Ð 2014) A idade m’nima de trinta anos Ž


condi•‹o de elegibilidade para o cargo de:

a) Deputado Federal

b) Vice-Governador de Estado.

c) Senador

d) Juiz de paz

3. (IBFC / TRE-AM Ð 2014) Com rela•‹o aos instrumentos de


21686815204

democracia semidireta ou participativa, analise o seguinte o


enunciado, a seguir, e assinale a alternativa a que se refere ˆ seguinte
assertiva: ÒŽ convocado(a) com anterioridade a ato legislativo ou
administrativo, cabendo ao povo, pelo voto, aprovar ou denegar o que
lhe tenha sido submetidoÓ.

a) Lei de iniciativa popular.

b) Referendo.

c) Recall.

d) Plebiscito.
4. (IBFC / MPE-SP Ð 2013) Nos termos da atual Constitui•‹o
Federal, s‹o condi•›es de elegibilidade, EXCETO:

a) Filia•‹o partid‡ria.

b) Alistamento eleitoral.

c) Domicilio eleitoral na circunscri•‹o.

d) Idade m’nima de 35 anos para Senador.

e) Idade m’nima de 35 anos para Governador.

5. (IESES / TRE-MA Ð 2015) De acordo com a Constitui•‹o Federal


de 1988, Ž INCORRETO afirmar:

a) O alistamento eleitoral e o voto s‹o obrigat—rios para os maiores de dezoito


anos, sendo facultativos apenas para os maiores de setenta anos e os maiores
de dezesseis e menores de dezoito anos.

b) S‹o ineleg’veis os inalist‡veis e os analfabetos.

c) Para concorrerem a outros cargos, o Presidente da Repœblica, os


Governadores de Estado e do Distrito Federal e os Prefeitos devem renunciar
aos respectivos mandatos atŽ seis meses antes do pleito.

d) N‹o podem alistar-se como eleitores os estrangeiros e, durante o per’odo do


servi•o militar obrigat—rio, os conscritos.

6. (IESES / TRE-MA Ð 2015) De acordo com a Constitui•‹o Federal


de 1988, Ž correto afirmar:

a) S‹o condi•›es de elegibilidade, na forma da lei, a nacionalidade brasileira; o


pleno exerc’cio dos direitos pol’ticos; o alistamento eleitoral; o domic’lio
21686815204

eleitoral na circunscri•‹o; a filia•‹o partid‡ria; e a idade m’nima de trinta e


cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da Repœblica e Senador; trinta
anos para Governador e Vice-Governador de Estado, do Distrito Federal e para
Deputado Federal; vinte e um anos para Deputado Estadual ou Distrital,
Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz; e dezoito anos para Vereador.

b) A lei que alterar o processo eleitoral entrar‡ em vigor na data de sua


publica•‹o, n‹o se aplicando ˆ elei•‹o que ocorra atŽ um ano e meio da data
de sua vig•ncia.

c) S‹o condi•›es de elegibilidade, na forma da lei, a nacionalidade brasileira; o


pleno exerc’cio dos direitos pol’ticos; o alistamento eleitoral; o domic’lio
eleitoral na circunscri•‹o; a filia•‹o partid‡ria; e a idade m’nima de trinta e
cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da Repœblica e Senador; trinta
anos para Governador e Vice-Governador de Estado e do Distrito Federal; vinte
e um anos para Deputado Federal, Deputado Estadual ou Distrital, Prefeito,
Vice-Prefeito e juiz de paz; e dezoito anos para Vereador.

d) S‹o ineleg’veis somente os inalist‡veis.

7. (IESES / TRE-MA Ð 2015) Com rela•‹o aos direitos pol’ticos Ž


correto afirmar que:

a) N‹o podem alistar-se como eleitores os estrangeiros e, durante o per’odo do


servi•o militar obrigat—rio, os conscritos.

b) Como condi•‹o de elegibilidade para Presidente da Repœblica e de


Governador de Estado a Constitui•‹o da Repœblica Federativa do Brasil
estabelece a idade m’nima de quarenta anos.

c) Como condi•‹o de elegibilidade para vereador a Constitui•‹o da Repœblica


Federativa do Brasil estabelece a idade m’nima de vinte e um anos.

d) O alistamento eleitoral e o voto s‹o obrigat—rios para os analfabetos.

8. (IBFC / Pol’cia Civil-RJ Ð 2014) As assertivas abaixo descritas


est‹o previstas na Constitui•‹o Federal como hip—teses de perda ou
suspens‹o dos direitos pol’ticos. Assinale a alternativa
que NÌO corresponde a uma dessas hip—teses constitucionalmente
previstas:

a) Extradi•‹o de brasileiro nato.

b) Incapacidade civil absoluta.

c) Condena•‹o criminal transitada em julgado, enquanto durarem seus efeitos.


21686815204

d) Recusa de cumprir obriga•‹o a todos imposta ou presta•‹o alternativa.

e) Improbidade administrativa.

9. (IBFC / Pol’cia Civil-SE Ð 2014) Segundo a Constitui•‹o Federal,


no cap’tulo ÒDos Direitos Pol’ticosÓ, s‹o condi•›es de
elegibilidade, exceto:

a) O domic’lio eleitoral na circunscri•‹o.

b) A filia•‹o a partido pol’tico com representa•‹o no Congresso Nacional

c) A nacionalidade brasileira
d) O pleno exerc’cio dos direitos pol’ticos.

10. (IBFC / Pol’cia Civil-RJ Ð 2014) Suponha que, atendendo ˆs


reivindica•›es ocorridas nos protestos de junho de 2013, os
parlamentares se reœnam e resolvam tornar mais h’gido e probo o
processo eleitoral para as elei•›es de 2016. Para tanto, eles
apresentam um projeto que cria novas hip—teses de inelegibilidade,
n‹o abarcadas pela Lei da Ficha Limpa. Este projeto dever‡ ser
apresentado nos moldes de:

a) Emenda Constitucional.

b) Lei Complementar.

c) Lei ordin‡ria.

d) Medida provis—ria.

e) Resolu•‹o do Tribunal Superior Eleitoral.

11. (FGV / TJ-RO Ð 2015) Jo‹o, aluno do ensino mŽdio, formulou


diversas proposi•›es a respeito dos conceitos de cidadania,
nacionalidade e capacidade civil. Assinale, dentre as proposi•›es
abaixo, a œnica que se mostra correta:

a) a cidadania Ž requisito necess‡rio ao alistamento eleitoral, que permite o


surgimento da nacionalidade e o consequente exerc’cio dos direitos
fundamentais;

b) a nacionalidade brasileira Ž requisito necess‡rio ˆ obten•‹o da cidadania,


que permite o surgimento da liberdade pol’tica e o gozo dos direitos
fundamentais;

c) a cidadania Ž inerente ao Estado democr‡tico, sendo requisito necess‡rio ao


21686815204

surgimento da liberdade pol’tica e ao exerc’cio dos direitos fundamentais;

d) a nacionalidade brasileira Ž requisito necess‡rio ao alistamento eleitoral,


que permite o surgimento da cidadania e o consequente exerc’cio dos direitos
pol’ticos;

e) a capacidade civil Ž requisito necess‡rio ao surgimento da cidadania, que


permite o surgimento da nacionalidade e o consequente exerc’cio dos direitos
pol’ticos.

12. (FGV / TCE-RJ Ð 2015) Em raz‹o da morte do governador, fato


ocorrido quatro meses antes do tŽrmino do seu mandato, Eust‡quio,
vice-governador, terminou por suced•-lo. Nas elei•›es realizadas no
mesmo ano, Eust‡quio concorreu ao cargo de governador e teve
expressiva vota•‹o, iniciando o respectivo mandato no ano seguinte.

Apesar do •xito, Eust‡quio, pol’tico ambicioso, j‡ iniciou o


planejamento a respeito do seu futuro e o do seu filho Eustaquinho,
que completar‡ vinte e um anos exatamente no dia da pr—xima elei•‹o
para cargos eletivos federais e estaduais. De acordo com a sistem‡tica
constitucional de inelegibilidades, Ž correto afirmar que, na pr—xima
elei•‹o, acima referida:

a) Eustaquinho n‹o poder‡ concorrer a qualquer cargo eletivo no ‰mbito do


territ—rio de jurisdi•‹o do seu pai;

b) Eust‡quio n‹o precisar‡ renunciar ao mandato de governador para que


possa concorrer ao mesmo cargo na pr—xima elei•‹o;

c) Eustaquinho somente poder‡ concorrer ao cargo de Senador, no mesmo


Estado, caso seu pai renuncie ao mandato de governador atŽ seis meses antes
do pleito;

d) Eust‡quio somente poder‡ concorrer ao cargo de governador, na pr—xima


elei•‹o, caso renuncie seis meses antes do pleito;

e) Eustaquinho somente n‹o poder‡ concorrer a cargos estaduais, inexistindo


—bice a que concorra para cargos federais.

13. (FGV / DPE-RJ Ð 2014) Direitos pol’ticos s‹o instrumentos


previstos na Constitui•‹o, atravŽs dos quais se manifesta a soberania
popular, viabilizando a participa•‹o do cidad‹o na coisa pœblica. Como
exemplo desses direitos pol’ticos, a Constitui•‹o assegura:

a) o voto indireto e secreto, com valor igual para todos.

b) o sufr‡gio universal e o voto direto, obrigat—rio para os maiores de dezoito


21686815204

anos e menores de sessenta anos.

c) o voto facultativo para os analfabetos, os maiores de setenta anos, bem


como pessoas maiores de dezesseis e menores de dezoito anos.

d) a a•‹o popular, que consiste em um processo iniciado por, no m’nimo, 1%


do popula•‹o nacional, para destituir administradores ’mprobos.

e) o plebiscito ou o referendo, nos quais o cidad‹o decide diretamente qual


ser‡ o rumo legislativo sobre matŽria de relev‰ncia nacional, sem qualquer
participa•‹o do Poder Legislativo durante o processo legislativo.
14. (FGV / DPE-RJ Ð 2014) A mesma Constitui•‹o da Repœblica que
assegura os direitos pol’ticos como instrumentos por meio dos quais
se garante o exerc’cio da soberania popular, prev• a perda ou
suspens‹o dos mesmos, no caso de:

a) incapacidade civil relativa, como na hip—tese de interdi•‹o, na forma da lei.

b) condena•‹o criminal por improbidade administrativa, atravŽs de senten•a


penal transitada em julgado.

c) pr‡tica de ato de improbidade administrativa, reconhecida em regular


processo administrativo transitado em julgado.

d) recusa de cumprir obriga•‹o a todos imposta ou presta•‹o alternativa, na


forma da lei.

e) condena•‹o criminal por crime hediondo, com decis‹o judicial transitada em


julgado, hip—tese em que ocorre cassa•‹o dos direitos pol’ticos enquanto
durarem os efeitos da condena•‹o.

15. (FGV/OAB Ð 2013) Jo‹o, 29 anos de idade, brasileiro


naturalizado desde 1992, decidiu se candidatar, nas elei•›es de 2010,
ao cargo de Deputado Federal, em determinado ente federativo.
Eleito, e ap—s ter tomado posse, foi escolhido para Presidir a C‰mara
dos Deputados, Com base na hip—tese acima, assinale a afirmativa
correta.

a) Jo‹o n‹o poderia ter-se candidatado ao cargo de Deputado Federal, uma


vez que esse Ž um cargo privativo de brasileiro nato.

b) Jo‹o n‹o poderia ser Deputado Federal, mas poderia ingressar na carreira
diplom‡tica em que n‹o Ž exigido o requisito de ser brasileiro nato.

c) Jo‹o poderia ter-se candidatado ao cargo de Deputado Federal, bem como


21686815204

ser eleito, entretanto, n‹o poderia ter sido escolhido Presidente da C‰mara dos
Deputados, eis que esse cargo deve ser exercido por brasileiro nato.

d) Jo‹o n‹o poderia ter-se candidatado ao cargo de Deputado Federal, mas


poderia ter se candidatado ao cargo de Senador da Repœblica, mesmo sendo
brasileiro naturalizado.

16. (FGV/OAB Ð 2012) JosŽ da Silva, prefeito do Munic’pio ÒXÓ,


integrante do Estado ÒYÓ, possui familiares que pretendem concorrer a
cargos eleg’veis nas pr—ximas elei•›es. Sobre essa situa•‹o, assinale a
afirmativa correta.
a) JosŽ da Silva Junior, filho de JosŽ da Silva, que ter‡ 18 anos completos na
Žpoca da elei•‹o, poder‡ se candidatar ao cargo de deputado estadual de ÒYÓ,
desde que JosŽ da Silva tenha se desincompatibilizado seis meses antes do
pleito.

b) Maria da Silva, esposa de JosŽ da Silva, vereadora do munic’pio ÒXÓ, s—


poder‡ concorrer novamente ao cargo de vereadora, se JosŽ da Silva se
desincompatibilizar seis meses antes do pleito.

c) JosŽ da Silva poder‡ concorrer ao cargo de governador do estado ÒZÓ, n‹o


sendo necess‡rio que renuncie ao mandato atŽ seis meses antes do pleito.

d) Pedro Costa, sobrinho de JosŽ da Silva, poder‡ concorrer ao cargo de


Vereador do Munic’pio ÒXÓ mesmo que JosŽ da Silva n‹o tenha se
desincompatibilizado seis meses antes do pleito.

17. (FGV/TJ-AM Ð 2013) Com rela•‹o aos direitos pol’ticos e aos


partidos pol’ticos, assinale a afirmativa incorreta.

a) O prefeito municipal, eleito por duas vezes consecutivas em um


determinado Munic’pio, pode candidatar-se, na elei•‹o seguinte, ao cargo de
Prefeito de outro Munic’pio, Governador do Estado ou ˆ Presid•ncia da
Repœblica, desde que respeitado o prazo de desincompatibiliza•‹o de seis
meses.

b) A dissolu•‹o da sociedade ou do v’nculo conjugal, no curso do mandato, n‹o


afasta a inelegibilidade prevista no Art. 14, ¤ 7¡, da Constitui•‹o Federal de
1988.

c) O princ’pio da anterioridade eleitoral, que veda a aplica•‹o de lei que alterar


o processo eleitoral que ocorra atŽ um ano ap—s a data da vig•ncia, Ž
considerado cl‡usula pŽtrea, aplicando-se inclusive ˆs emendas
constitucionais.
21686815204

d) No modelo adotado pela Constitui•‹o Federal de 1988, o voto se caracteriza


por ser direto, igual para todos, peri—dico, livre e personal’ssimo, sendo
vedado aos menores de 16 anos e aos conscritos, durante o per’odo do servi•o
militar obrigat—rio.

18. (FGV/TJ-AM Ð 2013) A Constitui•‹o da Repœblica Federativa do


Brasil estabelece as condi•›es para que um cidad‹o possa se
candidatar em uma elei•‹o, sendo certo que a n‹o observ‰ncia de
quaisquer delas Ž causa de impedimento para a candidatura. Um dos
requisitos dispostos Ž a idade m’nima para o exerc’cio de
determinados cargos pol’ticos. A esse respeito, assinale a afirmativa
correta.
a) A Constitui•‹o exige a idade m’nima de 18 anos para Deputado Federal.

b) A Constitui•‹o exige a idade m’nima de 25 anos para Prefeito.

c) A Constitui•‹o exige a idade m’nima de 30 anos para Deputado Estadual.

d) A Constitui•‹o exige a idade m’nima de 18 anos para vereador.

e) A Constitui•‹o exige a idade m’nima de 30 anos para Senador.

19. (FGV/TJ-AM Ð 2013) Assinale a alternativa que apresenta


hip—tese de suspens‹o dos direitos pol’ticos.

a) Incapacidade civil absoluta.

b) Cancelamento da naturaliza•‹o por senten•a, ainda que n‹o transitada em


julgado.

c) Condena•‹o em a•‹o popular.

d) Qualquer condena•‹o criminal.

e) Pris‹o do cidad‹o.

20. (FGV/TJ-AM Ð 2013) Dentre as normas materialmente


constitucionais, encontram-se aquelas atinentes ˆ garantia e ao
exerc’cio dos direitos pol’ticos. Sobre este tema, analise as afirmativas
a seguir.

I. ƒ poss’vel aos eleitores exercerem o seu direito de voto ainda que n‹o
estejam portando o t’tulo de eleitor, bastando, para o suprimento desta
aus•ncia, que portem documento oficial de identifica•‹o com foto.

II. A inelegibilidade por motivo de parentesco do c™njuge do Presidente da


21686815204

Repœblica, de Governador e Estado, de prefeito ou de quem os haja substitu’do


dentro dos seis meses anteriores ao pleito n‹o cessa pela dissolu•‹o do v’nculo
conjugal no curso do mandato.

III. O alistamento e o voto s‹o obrigat—rios para todos os eleitores maiores de


18 anos e com idade inferior a 70 anos, ainda que n‹o alfabetizados.

Assinale:

a) se somente a afirmativa III estiver correta.

b) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.


c) se somente as afirmativas I e III estiverem corretas.

d) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.

e) se todas as afirmativas estiverem corretas.

21. (FGV/SUDENE Ð 2013) A Constitui•‹o prev• que a soberania


popular ser‡ exercida pelo sufr‡gio universal e pelo voto direto e
secreto, com valor igual para todos. Analise a afirmativa que indica os
que t•m direito ao voto facultativo.

a) Os maiores de dezoito anos.

b) Os maiores de setenta anos.

c) Os menores de dezesseis anos.

d) Os estrangeiros com mais de setenta anos.

e) Os com idade acima de sessenta anos.

22. (FGV / TJ-AM Ð 2013) Quanto aos direitos pol’ticos previstos na


Constitui•‹o da Repœblica Federativa do Brasil, assinale a afirmativa
incorreta.

a) Em caso de incapacidade civil absoluta, o indiv’duo perder‡ seus direitos


pol’ticos.

b) O indiv’duo que se negue a cumprir obriga•‹o a todos imposta ou presta•‹o


alternativa poder‡ ter seus direitos pol’ticos suspensos.

c) A lei que alterar o processo eleitoral entra em vigor e passa a produzir


efeitos na data de sua publica•‹o, somente n‹o se aplicando ˆs elei•›es j‡ em
curso. 21686815204

d) Ocorrendo cancelamento da naturaliza•‹o por senten•a transitada em


julgado, o indiv’duo perder‡ seus direitos pol’ticos.

e) O indiv’duo que incorrer em caso de improbidade administrativa poder‡ ter


seus direitos pol’ticos suspensos.

23. (FGV / Senado Federal Ð 2012) A respeito dos direitos pol’ticos


previstos na CRFB, assinale a afirmativa INCORRETA.

a) A soberania popular ser‡ exercida pelo sufr‡gio universal e pelo voto direto
e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante
plebiscito, referendo ou iniciativa popular.
b) N‹o podem alistar-se como eleitores os estrangeiros e, durante o per’odo do
servi•o militar obrigat—rio, os conscritos.

c) O mandato eletivo poder‡ ser impugnado ante a Justi•a Eleitoral no prazo


de quinze dias contados da posse, instru’da a a•‹o com provas de abuso do
poder econ™mico, corrup•‹o ou fraude.

d) ƒ condi•‹o de elegibilidade o domic’lio eleitoral na circunscri•‹o.

e) ƒ condi•‹o de elegibilidade a idade m’nima de trinta e cinco anos para


Senador.

21686815204
Gabarito

1. LETRA B
2. LETRA B
3. LETRA D
4. LETRA E
5. LETRA A
6. LETRA C
7. LETRA A
8. LETRA A
9. LETRA B
10. LETRA B
11. LETRA D
12. LETRA A
13. LETRA C
14. LETRA D
15. LETRA C
16. LETRA D
17. LETRA A
18. LETRA D
19. LETRA A
20. LETRA B
21. LETRA B
22. LETRA C
23. LETRA C

21686815204