Você está na página 1de 5

E • T •

~.,m.". Legllfl2lth,a do Distrito Federal


• 1 •

Especial DF-Letras 13

BUMIIA. TI-BOI
A revolta
dos humildes
bumba-meu-boi é originá- couro onde sempre resplandecem es-
rio do ciclo econômico do trelas, as pontas do chifre de ouro e
gado no Brasil, tendo real- chamados pajés e doutores, que fi- a maioria com uma estrela na testa.
mente este folguedo tríplice nalmente conseguem ressuscitar o As próprias toadas, como "O boi de
miscigenação, com a influ - animal. A alegria é contagiante: o Guimarães", identificam essa apro-
ência das raças responsáveis pela boi é salvo e pai Francisco também. ximação:
nossa co lonização: o negro africa- A dança é, assim, alegria pela recu- Hoje meu boi sai
no, o índio e o português. O bumba peração do boi . Considera-se, tam- Aviso todo mundo
é uma festa folclórica que acontece bém, que o bumba é uma homena- (bis)
em quase todos os estados do país e gem ao boi que, na época da coloni- Com as graças de D.Sebastião
que recebe também o nome de boi zação, era a fo rça propulsora da eco- recebi do mar
de mamão. Mas é no Maranhão que nomia. que reina lá no fundo ...
essa manifestação alcança maior ex- A outra lenda nos d iz q ue
pressão. D.Sebastião, re i de Portugal, ao de- O b1,lmba-meu-boi é uma das
A brincadeira do bumba-meu-boi saparecer na batalha de Alcácer maiores manifestações folclóricas
originou-se das atividades ligadas à Quibir, na luta contra os mouros, do Brasil, com amplas implicações
pecuária, com os negros africanos veio com a corte de Queluz para uma sociais, cu lturais e econômicas. É
escravos nas fazendas e nos enge- das pra ias do Maranhão, talvez a uma brincadeira nitidamente nacio-
nhos. No Maranhão ela iniciou-se mais bonita, a de Lençóis, no mun i- nal, uma sátira ao poderio dos fazen-
provave lmente nos últimos anos do cípio de Cururupu , onde permanece deiros e senhores de engenho,
sécu lo XVI\l. encantado. enfocando costumes do sertão e das
Entre as lendas que explicam o No Maranhão, a brincadeira do cidades da época co lonial. A ence-
aparecimento do bumba, duas se des- bumba é realizada no período dos nação, desde o batismo, enredo, mor-
tacam; uma é narrada como fato festejos juninos, mais precisamente te e ressurreição do boi, tendo no epí-
acontecido a um casal de escravos na véspera de São João, 23 de ju- logo a confraternização da tropeada
de uma faze nda, cujo marido cha- nl;lo. Em outros estados a festa é fei- em torno do animal redivivo, é a crí-
mava-se Franc isco e a mulher, ta na época do Natal. Conta-se que tica viva do quadro social vigente à
Catarina ou Catirina. Esta, gráv ida na época das festas juni nas época - que de certo modo não so-
e com desejo, pede ao esposo que D .Sebastião transforma- se e m freu muitas mudanças até os nossos
lhe traga a língua de um bo i para co- luzente touro coberto de pedras pre- dias.
mer. Para atender a mulher, pai ciosas, com olhos em fogo, fulgu- A brincadeira demonstra a revolta
Francisco rouba um boi do seu pa- rante estrela na testa, chifres de ouro dos hum ildes, do povo, que em suas
trão e depois da matança é desco- e boca em brasa, em desaba ado ga- encenações aspira à vingança soci-
berto. O patrão manda o capataz apu- lope a avorando os pesc dores na- al. O bumba-meu-boi é uma das mais
rar o fato. Preso o negro Chico, este tivos. valiosas manifestações culturais, ori-
tem que dar conta do boi, sob pena Para confirmar a lenda, observa- ginado nos ritmos do escravo, índio
de ser morto. se a ex istênc ia de sua ligação tradi- e branco - traço da união de nossa
Em virtude disso, toda a faze nda cional com D.Sebastião : o período raça, bem brasileira. Uma cultura
é mobilizada para salvar o boi. São da brincadeira e a feitura do boi, o popular por excelência.
4 IDF-Letras Especial

bumba-meu-boi do
Teodoro está embaraça-
do, mas ainda está solto
pelas cidades-satélites
de Brasília. Dentro de
pouco tempo será feita sua
"matança", mas, no próximo
ano, ele pode não sair, depois
de 33 anos sem faltar a uma
apresentação na véspera de São
João. O boi de Sobradinho está
embaraçado. Ê boi!
Esse lamento é do
maranhense Teodoro Freire, 75
anos vividos pela paixão ao
bumba-meu-boi. Teodoro levou
o seu boi Brasil afora. O boi
chegou "voando" a Brasília,
numa manhã qualquer, para
comemorar o 10 aniversário da
nova capital, em 21 de abril de fiNa ditadura militar, um major veio
1961. Foi uma festa inesquecí- ao Centro procurar subversivos. Eu disse que subversivo só tinha o
vel com a peãozada e não boi. Ele achou graça e nunca mais apareceu fi
deixou mais a nossa cidade. DF-Letras - Como aconteceu esta pai- tem muita força, principalmente nas ci-
Mas o boi pode "morrer". xão pelo bumba-meu-boi? dades de Viana, Pinheiro, Cajapió,
Teodoro tem buscado apoio Matias, Peralva e outras mais.
Teodoro Freire - Eu nasci no Maranhão,
junto às autoridades, mas as em 1920. Láé aterrado bumba-meu-boi. DF-Letras - O começo de tudo foi em
portas estão se fechando como Como todo menino maranhense, tenho o São Vicente da Fé, mas em São Luís é
nunca. Até o governador de sangue ligado ao boi. Desde pequeno tive que o senhor tomou gosto pelo boi. Como
contato com "patrões do boi" famosos, era afesta em São Luís ?
Brasília, Cristovam Buarque,
tais como Mundico Laborrão, Anicete, Teodoro Freire - O boi surgiu na época
prometeu uma festa para ajudar Cassimiro Câmara, Domingos Macaco e
o boi do Teodoro, mas até dos escravos. Num tempo em que eles
outros. eram muito judiados. Como era uma brin-
agora nada fez. Para Teodoro, cadeira vinda dos negros, um divertimen-
DF-Letras - O seu primeiro boifoi on-
os governos não querem saber de? to deles, havia muito preconceito contra
da memória cultural da nossa o boi. Chegou a ser proibido de sair em
sociedade. Um povo sem Teodoro Freire - Foi na minha cidade, São Luís. Até 1945, os blocos de bumba-
São Vicente da Fé, na Baixada meu-boi não podiam entrar na capital. O
cultura é um povo alienado, um Maranhense. Apesar de o boi ser brinca- chefe da Polícia, Flávio Bezerra, repri-
povo morto, diz um desalenta- do em todo o Maranhão, na Baixada ele mia com violência. A ordem era baixar
do sonhador. o pau e prender quem brincasse em São
Luís. Havia muito preconceito contra os
negros. O preconceito era grande em todo

o boi
o Maranhão por ser o boi uma brincadei-
ra de negros, a exemplo, também, do tam-
bor de crioula e do tambor de mina.
DF-Letras - Mesmo com preconceito o
pessoal brincava. Como se fazia isso na-
quela época?
Teodoro Freire - Quando cheguei em

embaraçado
São Luís, o bumba-meu-boi era muito di-
ferente do que é atualmente. Os mais fa-
mosos eram o de Lorentino Araújo, do
bairro da Fé em Deus e de Tabaco, do
bairro da Madre de Deus. Na Ilha de São
Luís tinha o boi da boi oba, de Luis Cas-
Especial DF-Letras 15
tro. Brincava-se o boi no dia 23 de junho amor a primeira vista?
e morria até 15 de agosto. Hoje não. Eles
atravessam o ano todo. É bumba-meu-boi Teodoro Freire - Fiquei apaixonado pela
para turista, nos hotéis. Assim eles estão cidade. Fui trabalhar na SAB (Sociedade
acabando com a verdadeira tradição do de Abastecimento de Brasília). Não me
boi. adaptei ao tipo de serviço. Voltei ao Rio
só para conseguir um novo emprego, des-
DF-Letras - Teodoro, como é essa his-
tória de "matança" do boi? A brincadei- ta vez na Universidade de Brasília, que
estava começando a ser criada. Em se-
ra não representa a ressurreição dele ?
tembro de 1962, eu começei a trabalhar
Teodoro Freire - A " matança" acontece na UnB, levado pelas mãos do senador
quando terminam as atividades do Darcy Ribeiro, ex-reitor da Universida-
bumba-meu-boi . O boi se esconde para de por onde me aposentei.
não morrer. Quando ele volta à tardinha,
DF-Letras - Você estava batalhando em-
no outro dia, o vaqueiro laça-o e leva-o
prego e o boi, como estava?
para o moirão. Lá ele é morto. Os parti-
cipantes da festa tomam bastante vinho, Teodoro Freire - O boi continuava fir-
que representa o sangue do boi, encer- me nas minhas andanças por Brasília.
rando assim as atividades do bumba-meu- Precisamente em 1963, em janeiro, eujá
boi do ano . Reza-se um bendito em ho- estava trabalhando no bumba-meu-boi,
menagem a São João, ao pé do moirão aqui na nova capital. Isso já em
onde o boi foi " morto", e a festa acaba. Sobradinho, onde ele está até hoje. Con-
vocamos os maranhenses, vieram tam-
DF-Letras - Teodoro, você é uma pes-
bém alguns professores da UnB e mais o
soa que realmente vive pensando em
deputado Antônio Dino e fundamos a
bumba-meu-boi. Por onde anda você cria
um boi, até no Rio de Janeiro tem um. "Um povo sem Sociedade Mantenedora do Folclore
Maranhense. Eu fiquei com a missão de
Como é essa história?
Teodoro Freire - Em 1953, eu fui morar cultura é um escolher os bailantes e os professores, os
recursos. No sábado de aleluia daquele
no Rio de Janeiro. Lá, com o apoio de ano fizemos o primeiro ensaio. No dia 10
muitos maranhenses radicados na antiga
capital, fundamos um boi em
povo morto" de abril ganhamos a área, onde o boi brin-
ca até hoje, em Sobradinho.
Bonsucesso, com mais de 48 integrantes.
DF-Letras - Erafácil conseguir os re-
Na época tivemos um apoio decisivo para
Teodoro Freire - Sim. O boi do Teodoro cursos para o bumba-meu-boi?
o boi do então deputado José Sarney, um
veio de avião para Brasília, em 1961, para
incentivador da cultura maranhense. Teodoro Freire - No dia 13 de junho, o
participar do primeiro aniversário da
Como o carioca aceita tudo, até festival boi estava todo ensaiado, pronto para es-
nova capital, a convite do poeta Ferreira
de rock, gostar do bumba-meu-boi foi trear na véspera de São João, quando o
Goulart e de Edson Carneiro, assessor do
muito fácil. pessoal da universidade veio dizer que
antigo Ministério da Educação e Cultura
não tinha conseguido o dinheiro. Foi
DF- Letras - Os politicos sempre estive- para assuntos ligados ao folclore. O boi
veio do Rio "voando" com trinta partici- aquela decepção. Faltavam 65 contos de
ram muito próximos dessas manifesta-
réis. Foi quando a professora Edna Sótter
ções populares, uns verdadeiramente, pantes. Brincamos na rodoviária, em
de Oliveira, vendo a minha tristeza dis-
outros só por interesses eleitorais, Isso meio aos milhares de maranhenses e nor-
destinos, na alegria contagiante do se: "O Darcy dá o dinheiro". O professor
também acontece com o boi?
bumba-meu-boi. Foi uma festa inesque- Darcy Ribeiro era reitor da UnB. Na hora
Teodoro Freire - Os políticos do Mara- fizemos um oficio da Sociedade ao rei-
cível.
nhão, antigamente, eram muito mais so- tor. Quando eu cheguei às 8 horas da
lidários com as brincadeiras do bumba- DF-Let ras - Foi nessa época que surgiu manhã para trabalhar, o cheque já estava
meu-boi. Hoje é bem diferente. Eles vi- a oportunidade de mudar-se para Bras i- pronto. Fui buscá-lo na antiga reitoria, no
nham sempre procurar pelos "patrões do lia? hoje Instituto de Música. Como o che-
boi" para saber como estava a situação. que estava nominal à Sociedade, foi difi-
Teodoro Freire - Foi. Eu conheci q de-
At ua lme nte, só dois 'd eputad os cil sacar, mas nós conseguimos.
p utado A ntô n io D ino, já fa lecido,
maranhenses ainda nos proc uram para
maranhense e incenti vador do boi. Ele me DF-Letras - Então o boi estava salvo?
aj udar o boi: o Sarney Fi lho e o Nan Sou-
convidou para morar em uma chácara de
za,j ustiça seja fe ita. O resto não tem mais Teodoro Freire - Ainda não. O dia da
sua propriedade, perto do DER (Depar-
nenhum interesse. apresentação estava chegando. Todo
tamento de Estradas de Rodagem) de Bra-
mundo já dizia que o boi não ia sair. E eu
DF- Letras - É sabido que boi não voa. sília, junto a Sobradinho. O deputado
garantia. Fui ao Rio buscar o material que
Mas corre a história de que o boi do Dino era um brincador de boi.
era do boi de Bonsucesso. Em dois dias
Teodoro chegou voando em Brasilia. É de idas e vindas ao Rio, consegui trazer
verdade, Teodoro ? DF-Letras - Vocêficou em Brasília. Foi

"Tenho mais duas paixões: o Flamengo e a Mangueira"


6 IDF-Letras Especial

o material, e o primeiro bumba-meu-


boi de Brasília brincou no dia 23 de ju-
nho, véspera de São João. No dia 24
brincou na UnB, em 25, no Clube Caça
e Pesca e em 29, no Clube Cota Mil.
Depois fizemos uma grande apresenta-
ção para o ex-preside nte Jusce lino
Kub itschek na avenida L-2. O boi se
so ltou pelas cidades-saté lites . Foi uma
maravi lha!
DF-Letras - Daí para f rente o boi foi
uma beleza ...
Teodoro Freire - Nada! Logo veio a
revo lução mi litar de 1964. Os profes-
sores da UnB sum iram . Uns foram em-
bora ou presos e outros ficaram com
medo de ir aos ensaios . Até um major
me procurou lá na sede do boi para sa-
ber se tinha algum subversivo. Fo i um
período difíci l para o bumba-meu-boi.
Mas ele nunca deixou de sair todo ano . "Para apresentar o boi ao
São 33 anos de boi só em Brasíl ia. Mas
foi a partir daí que o boi começou a fi -
gove171ador Cristovam, gastamos 20 mil
car embaraçado. reais e agora não temos como pagar"
DF-Letras - Como é essa coisa de boi
embaraçado?
Teodoro Freire - Começaram as per- uma so lução para o boi de Sobradinho. precisa desembaraçar o boi. Ele me pro-
seguições. As invejas contra o boi de meteu uma festa em benefício do boi,
DF-Let ras - Mas parece que o boi con-
Sobradinho . A partir de 1982 iniciou- mas até agora nada. As coisas não po-
tinua embaraçado e pode não sair ano
se uma perseguição imp lacável da dem ficar assim.
que vem. É verdade?
Terracap (empresa que cuida dos terre-
DF- Let r as - Você está decepcionado
nos púb li cos em Brasília), principal- Teodoro F r eire - Verdade. Ele pode
com o governo?
mente no governo Elmo Serejo. O ex - não sair. Fizemos uma despesa muito
governador Aimée Lamaison ajudou . grande para a apresentação do boi , todo Teod oro F reire - Você sabe muito bem
Mas o ex-governador José Aparecido, completo, para o governo Cristovam que a cultura popular não teve mais
que se diz amante da cultura, não deu o Buarque, emj unho deste ano. O boi ain- apoio depois que Juscelino Kubitschek
menor apoio . Nem com o pedido do pre- da está brincando pelas cidades-saté li- deixou o governo. Os governos, tanto o
sidente José Sarney. Ele sempre dizia tes. Eu estou com uma dívida em nome federal quanto o local, não se impor-
que estava muito complicado garantir a do bumba-meu-boi da ordem de R$20 tam com as manifestações ligadas à
manutenção da área onde funcionava o mil reais e ainda não paguei nada. Es- cultura . Não querem saber da memó-
boi em Sobradinho. Essa h istória do tou com meu nome na Justiça. Do Cen- ria cu Itural da nossa sociedade. Um
Aparecido dizer que gosta de cultura tro de Tradições Populares não há nada. povo sem cultura é um povo aliena-
popular é só para o povo ver. Ele po- Tudo foi feito no meu nome. A situa- do , um povo morto. Eles precisam
dia, mas não legalizou a área . ção está bastante difícil. A Secretaria
acordar e deixar de ficar a reboque
de Cultura incluiu o boi no projeto Clas-
DF-Letras - Como é que a situação da da cultura de outros países. Eu vou
se Arte, mas os recursos são muito pou-
legalização do terreno foi contornada? cobrar o compromisso do governador
cos, não dão para nada. O Ministério da
Teodoro Freire - Quando a Câmara Le- Cultura tem recursos destinados para o Cristovam pessoalmente. Ele vai dar
gislativa do DF foi criada, eu procurei boi de Sobradinho, mas até agora nada aula na UnB sempre às terças-feiras .
o deputado Carlos Alberto Torres, que também. Se a questão da dívida não for Ainda na campanha, ele me pergun -
é professor da UnB . Ele apresentou um resolvida , o bumba-meu-boi de tou numa reunião o que eu esperava
projeto de lei legalizando a área. O en- Sobradinho vai acabar depois da "ma- do governo dele . Eu disse que espe-
tão governador Joaquim Roriz vetou a tança" . rava que ele fizesse o que todos os
lei, mas depois de vários entendimen- outros não fizeram pela valorização
DF-Letras - E o governador Cristovam da cultura popular. Parece que ele não
tos com os assessores do governador, o
Buarque não se manifestou até hoje? se lembra do que nos disse naquele
pessoal da Terracap e os deputados
distritais, descobriu-se um encaminha- Teodoro Freire - O governador encontro. Parece que se esqueceu de-
mento legal para a questão. A área es- Cristovam já foi ver o boi várias vezes, pois que ganhou a eleição. Se o boi
pecial ficou sob o regime de concessão incl usive como professor da UnB. É não for desembaraçado acaba e não
de uso do terreno, enquanto o bumba- preciso que ele olhe a questão do boi sai o ano que vem pela primeira vez
meu-boi existir. Graças a Deus surgiu de Sobradinho com mais carinho. Ele em 33 anos de existência .