Você está na página 1de 1

Complicações Maternas (doenças

infecciosas e hipertensão arterial)

Nível educacional baixo Conflitos familiares

Gravidez na adolescência Falta de assistência pré-natal

Gravidez indesejada Estresse constante

Consumo de drogas Tabagismo

Carência de alguns micronutrientes


(por exemplo, ferro, vitaminas C, E e
D, ácido fólico, zinco etc.) Posição em pé por longos períodos
Extremos etários (acima de 6 horas); outros, subir escadas ou levantar pesos
Baixo Nível Socioeconômico com frequência.

Destacam se as do trato urinário, que, em Nutrição Inadequada Físico


razão das alterações anatômicas e Catecolaminas diante de situações
funcionais da gravidez. Idade materna Psicológico de estresse agudo estimula os receptores alfa no utero
e provoca hipercootratilidade uterina.
Estresse físico e psicológico
Processo infeccioso e inflamatório há
liberação de interleucinas (fL.1, IL-6, fL.8)
e fator de necrose tumoral leucócitos e Risco relativo diretamente relacionado com o número de cigarros
macrófagos, ativando·os produzirem Tabagismo 2x consumidos durante a gestação e não antes
elastases e outras proteases que
participam da degradação da matriz
extracelular cervical.
Drogas (cocaina 3x)
Fatores epidemiológicos
As células deciduais, na presença da IL-1. podem A ascensão de microrganismos à dedídua, Infecções EX: Antecedentes famíliares: maior numero de
sinteti· zar o CRH ativam o eixo hipotalâmico membranas fetais e líquido amniótico podem prematuros an familia: tendencia a O predomínio estrogênico promove a síntese
desencadeando aumento da contrati ~ !idade uterina. desencadear o trabalho de parto prematuro Polimorfismos de genes relacionados partos prematuros de receptores de ocitocina. a formação de gap
ao TNF-alfa e às interleucinas junctions no rniométrio, a síntese de
prostaglandinas1 as altemções bioquímicas no
Fatores genéticos tecido conjuntivo cervical e a degradação do
A bacteriú· ria assintomática deve ser colágeno.
igualmente tratada, pois é o principal fa
tor de risco para o desenvolvimento de Erro na determinação da idade gestacional e interrupções
infecções sintomáticas do trato urinário, prematuras da gravidez em geral por cesáreas eletivas.
Infecções periodontais Fatores clínicos-cirúrgicos
incluindo a pielone· frite.
O aumento da relação estrógeno/progesterona
Fatores iatrogênicos
Gestantes de risco para parto prematuro
Doenças maternas
A dilatação cervical precoce e indolor e
Os bebês nascem prematuro Alterações hormonais por rotura
por dezenas de causas
Sfndromes hipertensivas em suas
formas graves são responsáveis por Imcompetência cervical
Procedimentos Descolamento coriodecidual
incidências elevadas de prematuridade 1 e 2 trimestre até trêsx."'
cirúrgicos na gravidez
eletiva. Pré·edâmpsia, é responsá· vel
pelo estresse fetal crônico, Sangramento persistente
Fatores obstétricos
Fatores ginecológicos
Placenta prévia e descolamento prematuro de
placenta Sobredistensão uterina.

Encurtamento do colo uterino


Polidrãmnio e gemelidade a frequência aproximadamente 57%,
Miomas sendo maior quando há mais de
dois fetos.
Malformações uterinas
Processo inflamatório local. A RPMO
invasão de células inflamatórias A idade gestaáonal média de nascimento para
locais (neutrófilos) induz a dois fetos é de 36 semanas; de 33 semanas na
produção de colagenases, que Responsável presença de três fetos; e de 31 semana.-. na
Malformações letais
provocam a lise do colágeno, por sangramentos e RPMO. presença de quatro fetos.
principal componente do colo
uterino
Destacam.,se o útero didelfo, o útero bicomo e o títero septado Restrição do crescimento letal Perda de elasticidade por invasão
aparecimento de contrações ute· rinas mais frequentes, tais bacteriana e de reações
malformações constitue.tn fator de risco para a incompetência inflamatórias.
cervical Antecedentes de partos prematuros anteriores (2x)
Médico indica parto prematuro para polpar mãe e filho de Acompanhadas por polidrâmnio,
Figado deficiente Complicações Maternas doença hipenensiva o ocorre por
espttffica da gesla(ão {OHEG) e outras sobredistensão uterina.
Hipoglicemia
doenças ma cernas - •/ou fetais - por
exemplo, rescrição do crescimento fetal
(RCF) ou sofrimento fetal - e corresponde a Não é determinado pela As alterações isquêmicas da placenta
Persistência do canal arterial 2.5% dos casos. vontade do médico seriam responsáveis pclo estresse fetal
Eletiva crônico, o que provocaria a liberação de
hormônios hipotalâmicos (CRH, ocitocina)
Síndrome da angústia respiratória e adrenais (cortisol) e promoveria o
aumento da contratilidade uterina
Trabalho de parto prematuro 34 semanas a 36 semanas e 6 dias
Espontâneo
Displasia broncopulmonar O risco é ainda maior quanto maior o número de
prematuros anteriores e menor a idade
Testes são utilizados para gestacional em que ocorreram os partos. Ex: 34
Redução nas reservas e ferro Anemia Complicações fetais Antes de 33 semanas e 6 dias
Prematuridade precoce prever se parto vai semanas (17%), 32 semanas (35%)
acontecer ou não
Infecção Prematuridade Tipos
Pele fina Prematuridade tardia de 34 semanas a 36 semanas e 6 40
Hipotermia dias, a qual corresponde a 70% Mais tranquilo

Diminuição do tecido adiposo subcutâneo


Termo precoce
37 semanas e 38 semanas e 6 dias
Hemostasia
Imaturidade da função renal
Termo completo
Entre 39 e 40 semanas e 6 dias
Enterocolite necrosante
Secundária a infecções, hipóxia

Problemas alimentares
Imaturidade da Malformações uterinas
mobilidade
gastrointestinal Icterícia
Sobredistensão uterina Polidramnia
Imaturidade hepática
Complicações maternas Gravidez gemelar
Gravidez gemelar
Graus variados de hemorragia
Hemorragia na Problemas neurológicos
resulta em hidrocefalia e Placenta prévia
presença de hipoxia Sangramento vaginal
paralisia cerebral
Desordens hormonais
Descolamento
prematuro da
Leucomalacia paraventricular Isquemia uteroplacentária
placenta
Necrose do tecido branco que Progesterona promove quiescência uterina
envolve o ventrículo
Cirurgias maternas Valvolopatias
Relacionada a prê-eclâmpia

Infecção intrauterina
Doenças médicas maternas
Tireoide, asma, diabetes, hipertensão

Microorganismos determinam a produção


de citocinas pro-inflamatórias (interleucinas
Imcompetência Fraqueza congênita do colo
e fator e necrose tumoral)
cervicais (amadurecimento cervical
precoce)
Lesão traumática
Podem atravessar as membranas
intactas e atingir cav.aminiótica
Barreira contra
Proteção do colo
infecção:Tampão mucoso

Citocinas estimulam produção de prostaglandinas


Função normal depende: colágeno:
(contratibilidade uterina) e metaloproteinases (RPMO)
mantém forças de tensão do colo
Anormalidade no
tecido conjuntivo
Traquelectomia
Diminuição na concentração de colágeno
cervical ou aumento a atividade
colagenolítica
Vaginose bacteriana 4x Anomalia congênita
Estresse físico ou psicologico

Pielonefrite Infecções não genitais


Depressão maior 2x
Hormônio de liberação da corticotrofina (CRH) Produção de cortisol e prostaglandinas

Pneumonia
Doença periodontal Tabagismo, álcool e drogas

Apendicite

Fenômenos alérgicos

Útero é fonte rica em mastócitos

Genética

Polimorfismos exacerbam reposta


do TNF e ILB a Vaginose

Irma com parto prematuro


aumenta em 80% chance