Você está na página 1de 48

Instrumentação Industrial –

Elementos finais de controle


Aplicação de válvulas de controle e
Dimensionamento de Válvulas de
Controle
Professora: Denise F. Pereira
1 denise.pereira@unipaclafaiete.edu.br
2 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 A válvula regula o fluxo de material ou energia
num processo ajustando um orifício variável da linha;
 A vazão do fluxo pode ser calculada de acordo com a
equação a seguir:
𝑄 = 𝐶 ∙ 𝐴 ∙ ∆𝑃
Onde:
Q Vazão volumétrica
C Coeficiente de vazão
A área
ΔP pressão diferencial (montante e jusante)
3 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
CARACTERÍSTICA DE VAZÃO

 É relação entre a fração do curso da válvula e a correspondente


vazão.

 Sabemos também que, a vazão que escoa através de uma válvula


varia com a pressão diferencial através dela e, portanto, tal variação
da pressão diferencial deve afetar a característica de vazão. Assim
sendo, definem-se dois tipos de características de vazão: Inerente e
Instalada.
4 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
CARACTERÍSTICA DE VAZÃO

 A característica de vazão inerente, é definida como sendo a


relação existente entre a vazão que escoa através da válvula e a
variação percentual do curso, quando se mantém constante a
pressão diferencial através da válvula.

 As características de vazão fornecidas pelos fabricantes das


válvulas de controle são inerentes, já que não possuem condições de
simular toda e qualquer aplicação da válvula de controle.
5 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
CARACTERÍSTICA DE VAZÃO

 A característica de vazão instalada é definida como sendo a real


característica de vazão, sob condições reais de operação, onde a
pressão diferencial não é mantida constante.

 A característica de vazão inerente é a teórica, enquanto que, a


instalada é a prática.
6 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
As características de vazão inerente de uma válvula de controle
mais comuns são: Abertura rápida, Linear e Igual Porcentagem.
 Curva característica
Mostra a relação existente entre o percentual de abertura da
válvula e a vazão correspondente que passa através desta,
quando a abertura varia de 0 a 100 % para um diferencial de
pressão constante sobre a válvula.
7 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 Válvula de abertura rápida (on –
off)
o A característica de abertura rápida
é exclusivamente usada para
válvulas on-off, onde máximas
vazões são produzidas logo no
início da abertura da válvula.
o Devido à natureza da
característica de abertura rápida,
as curvas inerentes e instaladas
são similares.
8 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
9 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 Característica Linear
o A característica inerente linear é
aquela que produz iguais mudanças
de vazão para iguais mudanças de
abertura, a perda de pressão
constante. A característica linear é
usualmente especificada em
sistemas onde a maior parte da
perda de carga ocorre exatamente
na válvula de controle.
o A fórmula matemática para a
característica linear é:
10 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
11 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 Igual porcentagem
o Isto dá um bom controle para abertura de até 50%, e oferece
um grande aumento de vazão para aberturas maiores do que
50%.
o A fórmula matemática para a característica igual porcentagem
é:

o Onde:
o Q Vazão da válvula
o L abertura da válvula
o e base neperiana (2,718....)
o Qo vazão mínima controlável
o n constante
12 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 Igual porcentagem
Esta curva se caracteriza por apresentar
baixo ganho de vazão no início da
abertura e um aumento progressivo do
mesmo na medida que a abertura
aumenta.
Foi introduzida para compensar o ganho
de sistemas não lineares, porém
constatou-se sua eficácia na
compensação de variações da queda de
pressão que ocorrem nas válvulas de
controle instaladas.
13 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
14 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
15 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 CARACTERÍSTICA DE VAZÃO INSTALADA
 Instalada a válvula de controle de processo, a sua característica
de vazão inerente sofre alterações. O grau de alteração depende do
processo em função do tipo de instalação, tipo de fluido etc.
16 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 Queda de pressão através da válvula
 Nos processos industriais raramente encontramos perda de
carga constante e sim, quedas de pressão variáveis de
acordo com o processo.
 Vazão, densidade e temperatura são facilmente
determinadas. Porém, a perda de carga para o
dimensionamento de uma válvula de controle é mais difícil de
ser obtida. É importante ter em mente que não é a válvula de
controle que define sua perda de carga, mas a válvula
absorve o excesso de pressão remanescente no sistema.
17 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE Para o
 Queda de pressão através da válvula dimensionamento:
Máxima vazão,
mínimo ΔP
18 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 Rangeabilidade de uma válvula de controle
 A relação entre a máxima e a mínima vazão controlável é
rangeabilidade, isto é, como exemplo 50,0 m³/h (máxima) e
1,0 m³/h (mínima)  50:1
19 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 Cavitação
 O fluxo através de uma válvula de controle causa uma perda
de carga, sendo que a pressão tem seu valor mínimo na
chamada vena-contracta, havendo uma recuperação parcial
da pressão a jusante da válvula.
20 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 Cavitação
Análise de uma condição de operação normal de uma válvula:

P1 pressão a montante;


P2 pressão a jusante;
Pv pressão de vapor.

A queda de pressão e a
correspondente recuperação quando
o fluido é um líquido e continua líquido
21 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 Cavitação
Análise de uma condição de flash

P1 pressão a montante;


P2 pressão a jusante;
Pv pressão de vapor.

O liquido entra na válvula de controle


e a pressão estática na vena-
contracta cai abaixo da pressão de
vapor do líquido e a pressão a jusante
permanece abaixo desta pressão
de vapor.
Vapor na saída da válvula
22 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 Cavitação
Análise de uma condição de cavitação

P1 pressão a montante;


P2 pressão a jusante;
Pv pressão de vapor.

A pressão cai abaixo da pressão de


vapor e depois se recupera, ficando
acima desta pressão, há um colapso
ou implosão das bolhas de vapor
formadas na vena-contracta
23 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 Cavitação
Uma rápida avaliação pode ser feita para a determinar se a
válvula está operando sob condições de flashing ou cavitação,
calculando-se a variação de pressão limite como:

 Cf = coeficiente de recuperação de pressão (depende da válvula


e das condições do fluxo);
 P1 = pressão a montante (kgf / cm2 a);
 Pv = pressão do vapor do líquido à temperatura de entrada
(kgf / cm² a);
24 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 Cavitação
 O valor de Cf é função da geometria (tipo) de válvula e das
condições ele fluxo, e indica quanto cai, na vena-contracta, a
pressão, abaixo da pressão de vapor.
25 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 Cavitação
Medidas para evitar a cavitação:
o Reduzir a perda de carga através da válvula para um valor
inferior a variação de pressão limite, instalando a válvula num
ponto mais abaixo da tubulação;
o Instalar a válvula com maior Cf.
26 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 SELEÇÃO
Existem dois tipos de dimensionamentos:
o Sistema à pressão constante;
o Sistema com pressão variável (foco do estudo).
 Obs. Lembrando que o Delta P na válvula é maior para a
condição de mínima vazão;
27 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 CRITÉRIOS ÚTEIS PARA A SELEÇÃO DE UMA VÁLVULA

o Utilizar característica linear para sistemas de controle de nível


e em outros sistemas nos quais a perda de carga na válvula
seja cerca de 40% ou mais da perda de carga total do sistema.
o Em controle de pressão de líquidos, utiliza válvula com
característica igual porcentagem;
o Para controle de pressão de fluidos compressíveis, utiliza-
se, em geral, característica linear;
28 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 CRITÉRIOS ÚTEIS PARA A SELEÇÃO DE UMA VÁLVULA
o Utilizar característica igual porcentagem:
o Em processo rápido;
o Quando se requer grande rangeabilidade;
o Quando não se conhece muito bem a dinâmica do processo;
o A característica igual porcentagem perde sua característica
inerente quando instalada no processo, aproxima-se da linear. Por
isso, e também devido à sua alta rangeabilidade, é a característica
mais utilizada em controle de processo;
o A característica abertura rápida deve ser utilizada em casos de
controle liga-desliga e quando a máxima capacidade da válvula
deve ser rapidamente obtida.
29 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 Exemplo comparativo de Cv para a válvula globo:
30 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
COMPARATIVO ENTRE OS TÍPOS DE VÁLVULAS
a) Válvula Globo
 Vantagens
o Alta rangeabilidade;

o Permite vedação estanque;


o Disponível com obturador reversível;
o Bastante utilizado em pequenos diâmetros (menores que 2”).
 Desvantagens
o A construção não balanceada exige maiores atuadores para vencer os esforços;
o Possui baixa recuperação de pressão.
31 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
COMPARATIVO ENTRE OS TÍPOS DE VÁLVULAS
b) Válvula Globo Sede Dupla
 Vantagens
o Maior capacidade de vazão do que as de sede simples de mesmo diâmetro;
o Alta rangeabilidade;
o Construção balanceada, requerendo menores esforços e menores atuadores;
o Disponível com obturador reversível;
o Utilizadas em diâmetros maiores que 2”.
 Desvantagens
o Vazamento relativamente alto, 1% da capacidade;
o Possui baixa recuperação de pressão;
o Pode ocorrer erosão em operação com alta pressão diferencial.
32 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
COMPARATIVO ENTRE OS TÍPOS DE VÁLVULAS
c) Válvula Globo de 3 Vias
 Vantagens
o Boa para mistura de fluidos ou divisão de fluxo;
o Em certas aplicações, substituem duas válvulas de duas vias;
o Frequentemente utilizadas para controle de temperatura em trocadores de calor.
 Desvantagens
o Não podem ser utilizadas em controle de vazão plena;
o As condições de escoamento precisam ser muito bem definidas.
33 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
COMPARATIVO ENTRE OS TÍPOS DE VÁLVULAS
d) Válvula Tipo Diafragma
 Vantagens
o Alta capacidade e baixo custo;
o Boa para fluidos sujos;
o O diafragma isola as partes da válvula do contato com o fluido de processo;
o Proporciona vedação estanque a baixas pressões;
o Pode manipular fluidos corrosivos devido à grande gama de materiais do
diafragma e revestimentos do copo.
 Desvantagens
o A característica de controle não é boa.
o Baixa rangeabilidade.
o Curta durabilidade do diafragma;
o Baixa velocidade de resposta;
o Temperaturas de operação limitadas pelas características do diafragma.
34 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
COMPARATIVO ENTRE OS TÍPOS DE VÁLVULAS
e) Válvula Borboleta
 Vantagens
o Alta capacidade de vazão;
o Baixo custo, especialmente em grandes diâmetros;
o Boa recuperação de pressão – baixa perda de pressão através da válvula;
o Aplicada em fluidos sujos;
o Requer um mínimo espaço para instalação;
o Disponível em grandes diâmetros.
 Desvantagens
o Alto torque operacional exigido em caso de alta queda de pressão, embora os
projetos modernos diminua bastante este efeito;
o Vedação estanque depende muito do revestimento resiliente, o que limita a
temperatura de operação;
o O curso operacional para aplicação em controle é limitada a 60º, em
alguns casos.
35 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
COMPARATIVO ENTRE OS TÍPOS DE VÁLVULAS
f) Válvula Esfera
 Vantagens
o Alta capacidade de vazão;
o Boa característica de controle.
o Boa rangeabilidade;
o Custo razoável;
o Bastante aplicada em controle de lamas, fluidos viscosos e fibrosos.
 Desvantagens
o Não tem bom desempenho em altas quedas de pressão.
36 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
DIMENSIONAMENTO

 Atualmente o dimensionamento das válvulas é efetuado através de um


software;
 O dimensionamento por computador considera as fórmulas completas com todos
os fatores de correção envolvidos, de modo que o valor da capacidade da válvula
obtido é muito preciso.
 Será apresentada uma metodologia simplificada de acordo com as condições de
operação e de instalação da mesma.
37 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 COEFICIENTE DE VAZÃO – Cv
 Trata-se de um índice que traduz a capacidade de uma válvula de
controle, o qual é utilizado pelos usuários e publicados pelos fabricantes de
válvulas com base em testes de bancada;
 Por definição: o coeficiente Cv de uma válvula de controle é a vazão de água
em galões por minuto (GPM) que passa pela válvula, quando a queda de
pressão através da mesma for de 1 psi;
 O cálculo da uma válvula de controle conduz ao Cv requerido;
 A abertura máxima e mínima da válvula deverá ser observada na seleção do Cv
da válvula.
38 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
CÁLCULO DO ESCOAMENTO
 Antes do cálculo do Cv deve ser efetuada uma verificação do escoamento do
fluido e classificá-lo como crítico ou subcrítico;
 Escoamento crítico: Quando a queda de pressão na válvula for maior que a
variação de pressão crítica;
 Escoamento subcrítico: Quando a queda de pressão na válvula for menor que a
variação de pressão crítica;
 A seguir serão dadas as equações utilizadas para líquidos, gases e
vapores, sendo:
o ΔPs  variação de pressão crítica
o Cf  fator crítico de vazão,
o Pv  pressão de vapor do líquido,
o P1  pressão montante da válvula e
o Pc  pressão crítica do produto.
39 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
CÁLCULO DO ESCOAMENTO
o ΔP que da pressão (bar a)
 1) Líquidos
o ΔPs  variação de pressão crítica
o Se 𝑃𝑣 < 0,5 ∙ 𝑃1 , ∆𝑃𝑠 = 𝑃1 − 𝑃𝑣;
o Cf  fator crítico de vazão,
o Se 𝑃𝑣 ≥ 0,5 ∙ 𝑃1 , ∆𝑃𝑠 = 𝑃1 − 0,96 − 0,28
𝑃𝑣
∙ 𝑃𝑣 o Pv  pressão de vapor do líquido,
𝑃𝑐
o P1  pressão de entrada da válvula (bar a)
 Calculando o ΔPs , efetua-se a seguinte análise: o P2  pressão de saída da válvula (bar a)
a) ΔP < 𝐶𝑓2 ∙ ΔPs, o fluxo é subcrítico; o Pc  pressão crítica do produto.
b) ΔP ≥ 𝐶𝑓2 ∙ ΔPs, o fluxo é crítico; o q vazão, m³/h
 Fluido subcrítico: 𝐺𝑓 o Gf densidade relativa do líquido
𝐶𝑣 = 1,16 ∙ 𝑞 ∙
∆𝑃 (água =1,0 ≅15°C)

 Fluído crítico: 1,16 ∙ 𝑞 𝐺𝑓


𝐶𝑣 = ∙
𝐶𝑓 ∆𝑃𝑠
40 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
CÁLCULO DO ESCOAMENTO
 2) Gases e Vapores
a) ΔP < 0,5 ∙ 𝐶𝑓2 ∙ 𝑃1 , o fluxo é subcrítico;
o ΔP queda pressão = P1 - P2 (bar)
b) ΔP ≥ 0,5 ∙ 𝐶𝑓2 ∙ 𝑃1 ,o fluxo é crítico;
o Cf  fator crítico de vazão,
 Fluido subcrítico:
P1  pressão de entrada da válvula (bar a)
𝑞 𝐺∙𝑇
𝐶𝑣 = ∙ o P2  pressão de saída da válvula (bar a)
295 ΔP ∙ (𝑃1 + 𝑃2 )
o q vazão, m³/h
o G densidade relativa do gás (ar =1,0)
 Fluído crítico:
o T Temperatura do escoamento (K)
𝑞∙ 𝐺∙𝑇
𝐶𝑣 =
257 ∙ 𝐶𝑓 ∙ 𝑃1
41 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
CÁLCULO DO ESCOAMENTO
 2.1) Vapores d’agua
a) Vapor saturado

 Fluido subcrítico: o ΔP queda pressão = P1 - P2 (bar)


72,4 ∙ 𝑊 o Cf  fator crítico de vazão,
𝐶𝑣 =
ΔP ∙ (𝑃1 + 𝑃2 ) o P1  pressão de entrada da válvula (bar a)
 Fluído crítico: o P2  pressão de saída da válvula (bar a)
83,7 ∙ 𝑊 o W vazão em massa (ton/h)
𝐶𝑣 =
𝐶𝑓 ∙ 𝑃1
42 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
CÁLCULO DO ESCOAMENTO
 2.1) Vapores d’agua
a) Vapor superaquecido

 Fluido subcrítico: o ΔP queda pressão = P1 - P2 (bar)


72,4 ∙ (1 + 0,00126 ∙ 𝑇𝑠ℎ ) ∙ 𝑊 o Cf  fator crítico de vazão,
𝐶𝑣 =
ΔP ∙ (𝑃1 + 𝑃2 ) o P1  pressão de entrada da válvula (bar a)
 Fluído crítico: o P2  pressão de saída da válvula (bar a)
83,7 ∙ (1 + 0,00126 ∙ 𝑇𝑠ℎ ) ∙ 𝑊 o W vazão em massa (ton/h)
𝐶𝑣 =
𝐶𝑓 ∙ 𝑃1 o Tsh
43 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
CÁLCULO DO ESCOAMENTO
 3) Escoamento laminar: Quando a viscosidade do líquido for muito grande

2
3 𝜇∙𝑞
𝐶𝑣 = 0,072 ∙
∆𝑃
o μ  viscosidade (cP (centipoise))
o ΔP queda pressão = P1 - P2 (bar)
o q Vazão (m³/h)
44 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
 EXEMPLO PRÁTICO – VÁLVULA DE CONTROLE DE LÍQUIDO
 Calcule o Cv requerido para um processo de escoamento de óleo combustível
através de uma tubulação de 1.1/2” de diâmetro, na qual deseja-se exercer um
controle de pressão, nas seguintes condições:
 Fluido: Óleo combustível;
 Vazão máxima: 0,448 m3/h;

 Densidade relativa: 0,851 (nas condições ambientais);

 Pressão a montante (P1): 26 bar a;

 Pressão a jusante (P2): 1 bar a;

 Pressão de vapor (Pv): 0,75 bar a;


 Viscosidade: 12 cP (nas condições de operação).
45 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
CLASSE DE VEDAÇÃO DE UMA VÁLVULA
 Corresponde ao máximo vazamento permissível que escoa
através da válvula quando esta se encontra na posição
fechada. (ou classe de estanqueidade - Shutoff Class)

 A classificação de fluxos de vazamentos permissíveis é


determinada pela Norma ANSI-B16-104.
46 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
CLASSE DE VEDAÇÃO DE UMA VÁLVULA
47 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE
CLASSE DE VEDAÇÃO DE UMA VÁLVULA
48 APLICAÇÃO DE VÁLVULAS DE
CONTROLE