Você está na página 1de 3

Súmula 577-STJ

Márcio André Lopes Cavalcante

DIREITO PREVIDENCIÁRIO
APOSENTADORIA RURAL
Prova testemunhal pode provar tempo de serviço rural
anterior ao documento mais antigo juntado nos autos

Súmula 577-STJ: É possível reconhecer o tempo de serviço rural anterior ao documento mais
antigo apresentado, desde que amparado em convincente prova testemunhal colhida sob o
contraditório.
STJ. 1ª Seção. Aprovada em 22/06/2016, DJe 27/06/2016.

Para ter direito à aposentadoria rural, a pessoa pode comprovar o exercício de atividade rurícola com
base apenas em testemunhas?
NÃO. Existe até mesmo uma súmula afirmando isso.
Súmula 149-STJ: A prova exclusivamente testemunhal não basta à comprovação da atividade rurícola, para
efeito da obtenção de benefício previdenciário.

Assim, a prova exclusivamente testemunhal é insuficiente para comprovação da atividade laborativa do


trabalhador rural, sendo indispensável que ela venha corroborada por razoável início de prova material,
conforme exige o art. 55, § 3º, da Lei nº 8.213/1991:
Art. 55 (...) § 3º A comprovação do tempo de serviço para os efeitos desta Lei, inclusive mediante
justificação administrativa ou judicial, conforme o disposto no art. 108, só produzirá efeito quando
baseada em início de prova material, não sendo admitida prova exclusivamente testemunhal, salvo na
ocorrência de motivo de força maior ou caso fortuito, conforme disposto no Regulamento.

A comprovação do tempo de serviço em atividade rural, seja para fins de concessão de benefício
previdenciário ou para averbação de tempo de serviço, deve ser feita mediante a apresentação de início
de prova material.

Início de prova material


“Considera-se início de prova material, para fins de comprovação da atividade rural, documentos que
contêm a profissão ou qualquer outro dado que evidencie o exercício da atividade rurícola e seja
contemporâneo ao fato nele declarado.
Na prática previdenciária, o mais comum é a certidão de casamento em que conste a profissão de
lavrador; atestado de frequência escolar em que conste a profissão e o endereço rural; declaração do
Tribunal Regional Eleitoral; declaração de ITR; contrato de comodato etc.” (AMADO, Frederico. Direito e
processo previdenciário sistematizado. Salvador: Juspodivm, 2013, p. 566).

Qual é o rol de documentos hábeis à comprovação do exercício de atividade rural?


Essa relação encontra-se prevista no art. 106 da Lei nº 8.213/91:
Art. 106. A comprovação do exercício de atividade rural será feita, alternativamente, por meio de:
I – contrato individual de trabalho ou Carteira de Trabalho e Previdência Social;
II – contrato de arrendamento, parceria ou comodato rural;
III – declaração fundamentada de sindicato que represente o trabalhador rural ou, quando for o caso, de

Súmula 577-STJ – Márcio André Lopes Cavalcante | 1


sindicato ou colônia de pescadores, desde que homologada pelo Instituto Nacional do Seguro Social – INSS;
IV – comprovante de cadastro do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA, no caso de
produtores em regime de economia familiar;
V – bloco de notas do produtor rural;
VI – notas fiscais de entrada de mercadorias, de que trata o § 7º do art. 30 da Lei nº 8.212, de 24 de julho
de 1991, emitidas pela empresa adquirente da produção, com indicação do nome do segurado como
vendedor;
VII – documentos fiscais relativos a entrega de produção rural à cooperativa agrícola, entreposto de
pescado ou outros, com indicação do segurado como vendedor ou consignante;
VIII – comprovantes de recolhimento de contribuição à Previdência Social decorrentes da comercialização
da produção;
IX – cópia da declaração de imposto de renda, com indicação de renda proveniente da comercialização de
produção rural; ou
X – licença de ocupação ou permissão outorgada pelo Incra.

Esse rol de documentos é taxativo ou o requerente pode se valer de outros tipos de documento?
Trata-se de rol meramente EXEMPLIFICATIVO, sendo admissíveis, portanto, outros documentos além dos
previstos no mencionado dispositivo. Nesse sentido:
Súmula 6-TNU: A certidão de casamento ou outro documento idôneo que evidencie a condição de
trabalhador rural do cônjuge constitui início razoável de prova material da atividade rurícola.

O segurado pode apresentar prova material de apenas uma parte do tempo de serviço e se valer de
testemunhas para comprovar o restante?
SIM. Pode haver a apresentação de prova material de apenas parte do lapso temporal, de forma que a
prova material seja complementada por prova testemunhal idônea. Ex: os documentos provam que o
indivíduo exerceu atividade rural nos anos de 1980 até 2000 e as testemunhas afirmam que ele, mesmo
depois de 2000, continuou trabalhando como segurado especial. Isso é válido.
Não é imperativo (obrigatório) que o início de prova material diga respeito a todo o período de carência
estabelecido pelo art. 143 da Lei nº 8.213/91, desde que a prova testemunhal amplie sua eficácia
probatória, vinculando-o, pelo menos, a uma fração daquele período (STJ. 2ª Turma. AgRg no REsp
1326080/PR, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em 06/09/2012).

No mesmo sentido entende a TNU:


Súmula 14-TNU: Para a concessão de aposentadoria rural por idade, não se exige que o início de prova
material corresponda a todo o período equivalente à carência do benefício.

Vale ressaltar, no entanto, a necessidade de que a prova seja contemporânea aos fatos que se pretende provar:
Súmula 34-TNU: Para fins de comprovação do tempo de labor rural, o início de prova material deve ser
contemporâneo à época dos fatos a provar.

Em outras palavras, não terá eficácia probatória os documentos retroativos, ou seja, que buscam provar
um período pretérito. Ex: não será considerado início de prova material um documento escrito e datado
de 2015 dizendo que, em 1980, o indivíduo trabalhava na agricultura. Neste caso, esta prova não é
contemporânea à época dos fatos que se deseja provar.

Imagine que a prova testemunhal afirma que o trabalho rural é exercido há 20 anos, mas o documento
mais antigo possui apenas 15 anos. Ainda assim será possível considerar estes 20 anos? É possível que a
prova testemunhal amplie para trás o tempo provado pelo documento mais antigo?
SIM. É possível reconhecer o tempo de serviço rural anterior ao documento mais antigo apresentado,
desde que amparado em convincente prova testemunhal colhida sob o contraditório (Súmula 577-STJ).

Súmula 577-STJ – Márcio André Lopes Cavalcante | 2


Exemplo:
As testemunhas ouvidas em juízo afirmaram, sem contradições e com detalhes, que João começou a
trabalhar como agricultor familiar em 1977 e que ele continuou nesta atividade até a presente data.
Ocorre que o documento mais antigo que João possui comprovando a atividade rural é datado de 1985.
Diante deste cenário, o INSS defendeu a tese de que o juiz somente poderia considerar o período
trabalhado a partir de 1985 (data do documento mais antigo). No entanto, pelo entendimento do STJ, é
possível sim reconhecer que está provado o tempo de serviço rural desde 1977, considerando que está
baseado em convincente prova testemunhal colhida sob o contraditório.

Convincente prova testemunhal colhida sob o contraditório


Vale ressaltar que, para ampliar a eficácia probatória dos documentos, o STJ exige que exista no processo
prova testemunhal convincente e colhida sob o crivo do contraditório. Assim, se a prova testemunhal for
contraditório ou se ela tiver sido obtida apenas na via extrajudicial, não servirá para complementar os
documentos que foram juntados aos autos.

Súmula 577-STJ – Márcio André Lopes Cavalcante | 3