Você está na página 1de 15

G. F. G.

Compilação de questões para a 2º prova de doenças:

QUESTOES DE FEIJÃO:
1- Quadro sobre feijão com as doenças: ferrugem; mosaico durado do feijão;
mofo branco. Saber características como sobrevivência; dispersão e
controle.

Doença Sobrevivência Dispersão Controle

Ferrugem Ampla distribuição, Vento Cultiv Resist, Pulv c/ Fung,


parasita obrigatório. Troca de Cultivares.

Mosaico Presença de plantas Mosca branca, Cultiv Resist, seleç época de


hospedeira do vírus mecânica. semead, evitar cultivo de feijão
dourado
próximo de soja, controle da
mosca branca.

Mofo Escleródios no solo Sementes (interna e Sementes sadias, evitar solos


branco externamente) inundados e rotação cultivos.

Mofo branco: Sclerotina sclerotiorum


Mosaico dourado do feijão: BGMV Sintomas: Encarquilhamento e descoloração
Ferrugem: Uromyces appendiculatus

2- Crestamento bacteriano e murcha bacteriana do feijão , controles:

Crestamento bacteriano: Xanthomonas axonopodis pv phaseoli


Sintomas: Aspecto encharcado, circundado com halo amarelo esverdeado, ocorre
dos bordos para o centro, pois penetra por AN e ferimentos, deixando as folhas
quebradiças e secas. X0¹: Sementes, X0²: Água, contato entre folhas e chuvas
Controle: Sementes sadias, cultivares resistentes, rotação de cultivos e destruição de
restos de cultivos (enterro porque é bact. Foliar)

Murcha bacteriana: Curtobacterium flaccumfaciens pv flaccumfaciens


X0¹: Sementes, disseminação: Sementes, irrigação e chuvas de granizo.
Controle: Sementes de boa qualidade e cultivares resistentes.

3- Quais as formas de controle de valor relativo alto para as doenças


antracnose, mancha angular e ferrugem do feijoeiro?

Antracnose – Colletotrichum lindemathianum: A 1º medida de controle é o uso de


cultivares resistentes, que tem por objetivo impedir o reconhecimento patógeno x
hospedeiro, impedindo a colonização dos tecidos. A 2º media é uso de sementes
livre do patógeno, a qual objetiva impedir a entrada do patógeno na área, excluindo-
o. A 3º medida é a rotação de cultivos, a qual objetiva diminuir a densidade da
população do patógeno, reduzindo o patógeno na área. A 4º medida é a pulverização
com fungicidas, a qual objetiva proteger os tecidos susceptíveis do hospedeiro,
inibindo o crescimento e esporulação do patógeno.
G. F. G. Compilação de questões para a 2º prova de doenças:

X0¹: Sementes, X0²: conídios, Cond fav: Altas temp (13-26º) e Alta UR (>92%)
Sintomas: Diferença de coloração entre o talo e as folhas, diferença de coloração na parte
abaxial da folha, Lesões circulares com bordas escuras e centro deprimido.

Ferrugem do feijoeiro – Uromyces appendiculatus: A 1º medida é o uso de


cultivares resistentes, a qual objetiva impedir o reconhecimento patógeno x
hospedeiro, impedindo a colonização dos tecidos. A 2º mediada é a pulverização
com fungicidas, a qual objetiva proteger os tecidos suscetíveis do hospedeiro,
inibindo o crescimento e esporulação do patógeno. A 3º medida é a troca de
cultivares, a qual objetiva reduzir a disseminação do patógeno, impedindo a
colonização dos tecidos.

X0¹ e X0²: Uredosporos – disseminados pelo vento, Cond Fav: Temp mod e alta UR
Sintomas: Pústulas em ambas as faces da folha.
Controle químico: Sphere (Trifloxtrobin + ciproconazole) Comet (Pyraclostrobin) Dithane
(Mancozeb) Juno (Propiconazole)

Mancha angular – Phaeisariopsis griseola: Tratamento de sementes e eliminação de


restos de cultivo

Disseminação: Sementes, chuva, vento e partículas de solo infectado, Cond Fav:


Periodos úmidos e Temp: 16º – 28ºC, X0²: Conídios carregados pelo vento e chuva.

4- A) Cite 5 doenças de feijão se propagam por sementes.

Antracnose, Mancha angular, Mancha de Cercospora, Sarna do feijão, Mofo branco

B) Em sementes totalmente sadias é necessário tratar quimicamente? Justifique.


Sim, pois a doença pode estar dormente em forma de micélio, infectando a
internamente próxima ao embrião, daí quando a semente germina ela infecta a
planta.

Lista de doenças do feijão:

Antracnose Colletotrichum lindematianum


Ferrugem do feijoeiro Uromyces appendiculatus
Mancha angular do feijão Phaeisariopsis griseola
Mofo Branco Sclerotina sclerotiorum

Mancha de cercospora Cercospora cruenta


Podridão do colo Sclerotium rolsfii

Podridão cinzenta Macrophomina phaseolina


Mela ou requeima Rhizoctonia solani
Crestamento Bacteriano Xanthomonas axonopodis pv phaseoli
Murcha bacteriana Curtobacterium flaccunfaciens pv
flaccunfaciens
Nematóide das galhas Meloidogyne incognita
G. F. G. Compilação de questões para a 2º prova de doenças:

Questões de Arroz

1- Preencha o quadro abaixo:


Doença Agente etiológ Sobrevivência Dispersão Controle
BRUSONE Pyricularia Gramíneas, Sementes Sistematização; Adub eq;
oryzae capim arroz e Semead na época
arroz vermelho adequada; Controle de
PD; Trat sementes;
controle químico
MANCHA Bipolaris Restos de Sementes Sementes sadias; Adub e
PARDA oryzae cultivo q; Cultiv resist; Trat sem
ESCALDADURA Gerlachia Restos Sementes Sementes sadias;
oryzae culturais Remoção dos restos
culturais; Trat sementes;
cultiv resist; diminuir
densidade e adub nitrog
QUEIMA DAS Rhizoctonia Escleródios no Água de Eliminar restos de cultur,
BAINHAS solani solo irrigação diminuir adub nitrog,
drenar área na entressafra
diminuir a densid d plant
PONTA Aphelenchoides Sem infestadas Sementes Varied resist; Trat sement
BRANCA bessey germ Migração Nematicidas; Cultiv resist
para as
panículas

Brusone: Sintomas: Manchas alongadas, centro claro e bordos afilados avermelhados; Temp: +
ou- 17ºC as plantas ficam sensíveis e a 32ºC ficam mais resistentes; Baixa umidade do solo.
Mancha parda: Principal doença no estabelecimento (4-5 folhas) cond fav: Baixa temp, alta
umidade e desequilíbrio nutricional. Sintomas: Manchas ovaladas com centro claro e margens
escuras avermelhadas
Escaldadura: Sintomas: Desuniformidade e paralização do crescimento (suscetibilidade das
culturas anãs), manchas oblongas (faixas) em sucessão com a formação típica de áreas
concêntricas da margem para o centro
Queima das bainhas: Sintomas: Manchas ovaladas, bordo marrom – aspecto de queimado
2- Explique a importancia da rotação de cultivares para controle de brusone:

Devido à alta variabilidade genética da doença, o patógeno se altera por mutações e por
cruzamentos por atacar diversas gramíneas, acaba por adquirir resistência suplantando genes,
deste modo a rotação de cultivares se torna muito importante.

3- V ou F, justifique as falsas:
( F ) O período critico ao ataque de Pyricularia oryzae é apenas na floração. Não, possui mais alguns
períodos críticos, como: Período de 3 a 4 folhas; Enchimento dos grãos; Pré-maturação.

( F )A utilização de soja em sucessão de arroz e indicada como medida eficiente de controle de


rizoctania solani. Causa maiores severidades

( V )A principal forma de disseminação e entrada da mancha parda e escaldadura em novas áreas e


através de sementes.

( V )Devido as características das cultivares usadas atualmente estas são consideradas mais
resistentes ao ataque de patogenos.
G. F. G. Compilação de questões para a 2º prova de doenças:

4- Complete:

Para pyricularia oryzae _____Restos de cultura, Gramineas, capim arroz e arroz vermelho____ são
fonte de inoculo primário, e _____sementes ou conídios?______ de inoculo secundário.

5- Para evitar o uso excessivo de agrotóxicos cite algumas maneiras de ajudar no controle de
doenças.

Utilizar de técnicas do manejo integrado, como: utilização de cultivares resistentes ou tolerantes,


Rotação de culturas, seleção de épocas adequadas para semeadura, mexer no espaçamento e
densidade de plantas, no caso do arroz realizar sistematização, drenagem das áreas, prepara
antecipado, rotacionar cultivares, escalonar semeadura. Importante também utilizar sementes sadias e
tratamento nas mesmas, adubação equilibarada e monitorar as doenças constantemente, realizar
controle de insetos.

Questões de Milho e Sorgo

1- Qual a diferença entre míldio sistêmico no sorgo e no milho?

Sorgo (Sistêmico): O primeiro sintoma são listras ou riscas de coloração branca,


ficando mais tarde cloróticas e em condições favoráveis de alta umidade cobrem o lado
abaxial da folha com uma camada esbranquiçada (zoosporângios e zoosporângióforos).
Com a formação dos oósporos e sua disposição linear ao longo das nervuras, aparecem
estrias marrons nas áreas cloróticas, depois o tecido internerval torna-se necrótico e as
folhas rasgam. Estas plantas tornam-se enfezadas e podem morrer prematuramente

Milho (Sistêmico): No milho na infecção sistêmica podem ocorrer, ainda, os seguintes


sintomas: Meias folhas doentes, com margem bem distinta entre o tecido sadio e o doente;
folhas mais estreitas, eretas e em tufos ; maior suscetibilidade ao carvão e pendão deformado.
Devido à não disposição linear dos oósporos ao longo das nervuras, não ocorre o rasgamento
das folhas, como em sorgo.

2- Quais os sintomas característicos em espigas de milho dos seguintes agentes:


Diplodia zeae; Giberella sp.; Fusarium sp.;

Diplodia zeae: crescimento micelial de coloração branca que ocupa os espaços entre os grãos da
base para o ápice

Giberrella sp: Forrmação de um mofo avermelhado a rosado que progride da ponta para a base
da espiga

Fusarium sp: Ocorre descoloração dos grãos com tonalidade branca a rosa. Esta coloração
aparece sobre os grãos dispersos na espiga.
G. F. G. Compilação de questões para a 2º prova de doenças:

3- Cite 3 doenças de milho e 2 doenças de sorgo e seus agentes causais e


sintomas

Milho:

Requeima – Bipolarys maydis sintomas: Nas folhas as manchas são em forma de fuso
ou elípticas de coloração amarelada com bordo marrom avermelhado. Um mofo preto
pode cobrir sementes e espigas infectadas.

Podridão de diplodia – Diplodia zeae: Na superfície do caule pode-se observar em


primeiro lugar umas manchas descoloridas e quando se corta, o caule
longitudinalmente, internamente, a medula apresenta-se desintegrada e com coloração
café e Na espiga pode-se reconhecer facilmente a doença devido a um crescimento
micelial de coloração branca que ocupa os espaços entre os grãos.(da base para o ápice
da espiga). No colmo observa-se no entre-nó pontuações pretas (picnideos),
subepidérmicos encrostados.

Carvão comum do milho – Ustilago maydis: Galhas

Sorgo:

Antracnose – Colletotrichum gramnicola: Lesões + ou – circulares, de bordo cinza


escuro e centro cinza claro, grãos chochos de coloração preta,

Ferrugem comum – Puccinia purpúrea: Pústulas (elevação e rompimento da epiderme)

4- Diferenciar os sintomas da physalospora, diplodia e giberela no colmo do


milho? e porque o mildio causa retalhamento nas folhas do sorgo?

Physalospora: Não são pontuações no colmo, e sim riscas, só possível diferenciar com
lupa.

Diplodia: Pontuações generalizadas nos entre-nós, trata-se de picnideos encrustados


subepidérmicos, não removidos com a unha.

Giberela: Aparecem pequenas pontuações superficiais de coloração negra próxima aos


nós, que correspondem, aos corpos frutíferos do fungo (peritécios). Removidos com a
unha.
O míldio no sorgo causa retalhamento nas folhas de sorgo, pois, com a formação
dos oosporos e sua disposição linear ao longo das nervuras, aparecem estrias marrons
nas áreas cloróticas, o tecido internerval torna-se necrótico e as folhas se rasgam,
adquirindo a planta um aspecto típico

5- Qual a diferença da manha da folha pra requeima? Descreva suas


sobrevivências, disseminação e seus controles:

A mancha da folha- Exserohilum turicum possui conídios claros e retos Tºc ( 18-27)

A requeima – Bipolarys maydis possui conídos escuros e encurvados Tºc ( 20-32)


G. F. G. Compilação de questões para a 2º prova de doenças:

Sobrevivência: conídios ou micélios em restos de cultura (peritécios)

Disseminação: Chuva, vento, sementes.

Controle para ambas: Cultivares resistentes, rotação de culturas, enterro de restos


culturais, adubação equilibrada, escolha da melhor época e local de plantio

6- Cite 4 doenças q ocorrem no milho e sorgo com seus respectivos agentes


causais.

Podridão Rosada: Gibberela zeae

Antracnose: Colletotrichum gramnicola

Mildio: Peronosclerospora sorghi

Ferrugem comum: Puccinia sorghi – milho

Puccinia purpúrea - sorgo

Questões de Trigo

1- Como se controla ferrugem do trigo. E qual a diferença entre a da folha e a


do colmo?

Ferrugem do colmo: Puccinia graminis f. sp. Tritici : Sintomas: pústulas castanho


avermelhadas (colmo bainha e folhas) cond fav: alta UR e tº 20ºC sobrevivência:
Plantas de trigo. LDE: 15-25% folhas com sintomas.

Ferrugem da folha: Puccinia recondira f, sp. Tritici: Sintomas: Pústula arredondadas


vermelho escuras nas folhas, desidratação e seca. Cond fav: Temp 16-22ºC período de
molhamento de 4 a 8h, sobrevivência em plantas voluntárias de trigo, doenças progride
das folhas de baixo para as de cima. LDE: 10-15% de folhas com sintomas.
Controle para as aduas: Cultivares resistentes, Adubação equilibras e complementação
com fungicidas ( Triazóis – curtativos; Estrubirulina – Preventivos)

2- Diferencie a mancha salpicada das folhas da mancha das glumas em trigo.


Ainda sobre a mancha das glumas:

Mancha salpicada das folhas: Septoria tritici: Ataca diversas espécies de gramíneas,
não se transmite por sementes, e o foco das doenças é as folhas. Sintomas: manchas
alongadas inicialmente de coloração amarelada e depois castanho avermelhada, doença
inicia pelas folhas baixeiras. Sobrevive em hospedeiros intermediários e restos de
cultura. Fonte de inóculo: restos de cultura (conídios e ascósporos) liberados pela água
e disseminados pelo vento. Não media especifica de controle.
G. F. G. Compilação de questões para a 2º prova de doenças:

Mancha das glumas: Stognospara nodorum: Ampla gama de hospedeiros (lolium,


cynodon, panicum), causa chochamento nos grãos (30-60%), ataca toda parte aérea
da planta, maiores perdas em monocultura. Sintomas: Manchas irregulares nas folhas
de coloração marrom com picnídios claros (cor palha) também aparecem no colmo e na
espiga. Sobrevive em sementes e restos de cultura, cond fav: T de 20-25ºC e
molhamento foliar de 48-96h se disseminam por água livre, formando cirros;
Transmitida por sementes (80%). Controle: Sementes sadias, tratamento químico de
sementes, cultivares resistentes ou tolerantes e controle qúimico com triazóis e
estrubirulinas.

3- Quanto a giberela zeae(fusarium graminearum) agente causal da giberela


trigo pergunta se:

a) Como ocorre a sobrevivencia do patogeno de um ano para outro?

Atraves de restos culturais de milho, soja, arroz, cevada, aveia entre outros.

b) Qual a forma de disseminação?

Disseminação por ascósporos e conídios através de ventos e respingos de chuva.

c) Por que sucessão milho/trigo não e recomendado para esse patogeno?

São duas poaceas e vai ocorrer sobrevivência do patógeno nos restos culturais

d) Qual estádio da planta considerada critica para a doença?

Entre 7 a 9 dias após o espigamento, fase que coincide com o maior número de anteras
expostas.

e) Por que fungicidas sistêmicos não apresentam vantagens aos não sistêmicos no
controle dessa doença?

É uma doença de espiga, e o patógeno é muito agressivo podendo ocorrer destruição da


lavoura em poucos dias, fungicidas de contato agem mais rápido, além do que, no caso,
os fungicidas sistêmicos não chegam nas anteras pois não tem circulação de seivas.

f) Cite 4sintomas:

Morte de plântulas, apodrecimento da coroa, branqueamento das espiguetas e grãos


rosados e chochos

4- Difernecie as helmintosporioses: mancha marrom e mancha bronzeada

Mancha marrom – Bipolaris sorokiniana : muitas espécies de plantas hospedeiras,


elevadas perdas em locais quentes (T>18ºC) e úmidos (molhamento foliar 9-24 horas), é
o principal patógeno de sementes ( transmissibilidade de 60-100%) sintomas:
Podridão em raízes, mancha marrom parda nas folhas e pode atacar as espigas. X0¹:
sementes infectadas e Restos culturais, disseminadas por semente. Controle: Utilização
de sementes sadias; Tratamento químico das sementes; Rotação de cultura; Limiar
G. F. G. Compilação de questões para a 2º prova de doenças:

de dano econômico 70 - 80% de folhas com sintomas no estádio de afilhamento;


Pulverização com fungicidas.

Mancha bronzeada – Drechslera tritici-repentis: Ampla gama de espécies de plantas,


patógeno cosmopolita, causa perdas de até 60%, danos mais severos no SPD. Sintomas:
Mancha bronzeada, coalesce e tornam-se cor marrom. Sobrevivência em micélios
dormentes nas sementes (2-5 anos) e ascoscarpos nos tecidos infectados no solo. Cond
fav: Temp 18-28°C e molhamento foliar de 30h, X0¹: sementes infectadas
( transmissibilida de + ou – 40%). Controle: Momento de aplicação, 70-80% das plantas
a partir do estádio elongação com incidência de no mínimo 1 lesão de 2mm de
comprimento e complementar com pulverização com fungicidas.

5- Cite 4 produtos utilizados para o controle das doenças de trigo para parte
aérea e para tratamento de sementes:

Parte aérea: Tebunazole – Folicur ; Pyraclostrobin + epoxyconazole – Opera;


Fluatriafol- Impact; Propiconazole – Stratego

Tratamento de sementes: Thiram; Captam; Difeconazole; Iprodione + thiram; Flutriafol

Questões de Soja

1- Cite 4 doenças que atacam as hastes e as vagens:

Antracnose, seca das hastes e das vagens, mancha púrpura, cancro das hastes

2- Cite 5 maneiras de controle para ferrugem asiática.

Evitar as plantações escalonadas, pois assim diminui o tempo de exposição do


hospedeiro ao patógeno; Realizar vazio sanitário, para diminuir as fontes de inóculos
(hospedeiros alternativos); Utilizar cultivares resistentes; Semear com densidade que
permita aeração e penetração dos fungicidas nas folhas baixeiras; Pulverização com
fungicidas nas fases de floração e emissão de vagens, utilizando o grupo dos triazóis
(curativos) e estrubirulinas (protetores) ( fox, opera, stratego, priori x, sphere);

3- Diferenciar ferrugem asiática da ferrugem americana.

Ferrugem asiática causada por Phakopsora pachyrhizi, apresenta lesões castanha-claras,


ataca durante qualquer fase do cultivo (+ floração e enchimento de grãos), maior
agressividade.

Ferrugem americana causada por Phakopsora meibomiae, apresenta lesões castanho-


escuras, ataca fim de ciclo, menor agressividade.
G. F. G. Compilação de questões para a 2º prova de doenças:

4- Caracterize a Ferrugem Asiatica

É a principal enfermidade da soja, é muito agressiva e pode causar danos severos,


como diminuir o peso dos grãos, diminuir a qualidade dos grãos e diminuir a
produtividade. Se as condições ambientais forem favoráveis, como alta temperatura (8-
32ºC), alta UR e água livre a doença é mais severa. Aliado a esses fatores, extensas
áreas, cultivares suscetíveis e hospedeiros intermediários (soja perene, kudzu, feijão)
favorece o surgimento de epidemias. Para se obter sucesso no controle, deve-se realizar
a identificação da ferrugem o mais cedo possível, analisando as folhas baixeiras e
procurando pequenas saliências nas folhas “manchas de coloração verde claro”, na parte
abaxial. Por isso é importantíssimo realizar vistorias na fase de floração e de
enchimento de grãos, pois depois de infectar a planta demora-se + ou -5 dias para
aparecer os sintomas. Os sintomas são pústulas ou urédias, a ferrugem se caracteriza por
ser uma doença policíclica. Possui um período de geração de 7 a 10 dias e um período
de esporulação de 28 dias. Os uredosporos são as fontes de inóculo primário (traz a
doença pra dentro da lavoura) através do vento e, também o inóculo secundário
(dissemina a doença dentro da lavoura). A penetração se dá pelos estômatos e pela
cutícula. O período mais crítico é durante a floração e formação das vagens. O controle
da ferrugem está baseado em um alicerce, onde está contemplado diversas medidas que
mitigam o problema. O monitoramento do clima, as amostragens, a diagnose da doenças
e o histórico da área darão suporte para que as medidas sejam efetivas. O uso de
cultivares resistentes, o vazio sanitário, a adequação do espaçamento e da densidade de
plantas, a seleção da época de semeadura e o local são algumas medidas eficazes, as
quais são complementadas com o controle químico (Triazóis e estrubirulinas). Para de
fato controlar, a chave está no momento de aplicar, deve-se fazer de modo que a 2º
aplicação caia antes do enchimento do grão, na fase de canivete R5, pois ai pode-se de
fato obter resultados.

5- A ferrugem da soja pode atacar plantas em qualquer estádio de


desenvolvimento, mas em alguns as plantas ficam mais predispostas.

a)Quais são essas fases?

São as fases de floração e inicio da formação das vagens

b)Qual o inoculo primário e secundário da ferrugem phakopsora phachyrhizi?

Inoculo primário: uredosporos: introduzem o patógeno

Inoculo secundário: uredosporos: disseminam o patógeno

c)Como o fungo sobrevive de um ano para outro?

Sobrevive em mais de 42 generos da família fabacea como beiço de boi, soja perene,
kudzu, feijão e etc...
G. F. G. Compilação de questões para a 2º prova de doenças:

d)se existe, qual o LDE(linear de dano econômico) da ferrugem da soja?

Não existe linear de dano econômico para a ferrugem asiática da soja, devido a doença
ser muito agressiva. Deve ser feito o monitoramento e o controle logo que identificada
na lavoura, também é recomendável fazer aplicações preventivamente nas fazes de
floração e de inicio da formação das vagens.

6- Cite 4 doenças de fim de ciclo de soja, tratamento químico volume aplicado


de calda, e momento de aplicação.
Antracnose, seca das hastes e das vagens
7- Antracnose, Sobrevivencia no solo, inoculos , disseminadores

Antraconose: Colletotrichum dematium: Apresentam acérvulos na haste, necessitam de


água livre para liberar os esporos, O inóculo primário são sementes e restos de culturas
e o inóculo secundário são os conídios, os quais disseminam a doença na lavoura; causa
danos como abortamento de vagens e seca de folhas, controle: Rotação de cultivos e
controle químico com benzimidazóis.

8- Descorra sobre a mancha anelar:

Mancha anelar – Corynespora cassicola: sintoma: Mancha alvo; apresenta conídios e


conidióforos da mesma cor; Controle: VR, TS, RC e sucessão com gramíneas, CQ.

9- Como diferenciar mancha parda de ferrugem?

Mancha parda apresenta picnídios – Umedecendo a folha na parte de baixo com auxilio de uma
lupa enxerga-se a estrutura do fungo. Sintomas: mancha angular nas folhas primárias, halo
amarelo e presença de picnídios. X0²: conídios.

10- Soja: preencha o quadro:

Doença Agente Dispersão Sobrevivência Controle


Ferrugem Phakopsora Uredosporos, Plantas Quimico, vazio
asiática pachyrhizi inóculo 1º e 2º hospedeiras - sanitário, época de
fabaceas semead,
espaçamento, RC
Antracnose Colletotrichum Inóculo 1º Sementes e restos Sementes sadias,
dematium sementes e restos de cultura trat sementes, RC,
de cultivos; 2º químico
conidios
Oidio Microsphaera Conídios transport Em plantas vivas Químico
difusa Pelo vento
Mancha parda Septoria gycines Inóculo 1º Sementes e restos VR, TS, RC e
sementes e restos de cultura sucessão com
de cultivos; 2º
conidios
gramíneas, CQ.
Adub equilibrada.
G. F. G. Compilação de questões para a 2º prova de doenças:

11- Cite o nome de 4 produtos químicos utilizados no controle de


Phythophthora infestans e 4 para Alternaria solani.

12 -Cite o nome comercial ou químico:


Triazóis Doença ou grupo de patógenos que
ele atua
1 folicur (
2 opera (epoxiconazole + Ferrugem asiática da soja
piraclostrobina)
3 score (difeconazole) Antracnose na videira
4
5
Benzimidazóis
1
2
3

Questões de Maçã e Pêssego


1- questões de frutíferas

a. Qual a principal doença de primavera na macieira;

Sarna da macieira- venturia inaequalis

b. Qual o fungicida citado em aula com função erradicante;

Dodine, captan, mancozeb

c. Qual o pior sintoma para as frutíferas atacadas por ferrugem; +- assim;

d. Em drupáceas (frutíferas com caroço), qual a doença característica;

Podridão amarga

2- Qual o controle da sarna da maça? Cite alguns controles culturais:

Sarna da macieira: Venturia inaequalis: Sobrevivência: pseudotécio: Alternativas de


controle: Químico de inverno: aplicação de caldas bordalesa 2% a 3%, ou calda
sulfocálcica que deverá ser realizadas após a poda ou no inchamento das gemas;
aplicação de fungicidas com base nos estádios fenóligocos; sistemas de controle por
meio de avisos sanitários; sistemas de controle combinado; sistema de previsão e iscas
(alarme) pela tabela de miils, controle por cultivares resistentes.
G. F. G. Compilação de questões para a 2º prova de doenças:

Controle cultural: Evitar a formação de peritécios no solo, utilizando uréia 2 a 3% no


outono; Poda de limpeza no período de repouso; Preferência por plantas de porte baixo,
facilitando os tratos culturais e abrindo mais a copa penetrando mais radiação e melhor
ventilação; evitar solos mal drenados; proteger o pomar de ventos predominantes.

3- Cite 3 doenças que atacam a macieira e seus agentes causais;

Sarna da macieira: Venturia inaequalis; Podridão amarga: Glomerella cingulata;


Entomosporiose: Fabraea maculata

4- A principal doença de verão da maça é? e qual os sintomas nos ramos?

Podridão amarga da maça, seus sintomas nos ramos são cancros onde são formados os
conideos e os acérvulos, para o controle deve se fazer a remoção de ramos doentes,
frutos mumificados, limpeza do pomar. Ramos mais grossos podados devem ser
pincelados com tinta plástica.

5- Responda:

a)qual a estação do ano de maior incidência da entomosporiose no marmeleiro?

Durante as (primavera quentes ou em verões amenos?), onde a doença precisa de


temperaturas entre 20 e 25ºC.

b)Cite o nome do agente etiológico da podridão amarga da maça e qual a estação do ano
e mais insidente?

Glomerella cingulata, mais ocorrente no verão ou em primaveras chuvosas.

c)A sarna do pessegueiro é causada por qual agente etiológico?e quais os sintomas?

Cladosporium carpophilum, seus sintomas são a formação de pequenas manchas


necróticas e quando recobertas pelos esporos do fungo ficam de cor verde oliva.

d)Coryneum bayerinckii é agente etiológico de qual doença do pessegueiro?

Gomose do pessegueiro.

6- Responda

a)Cite o nome de 2 agentes bióticos e 2 abióticos da gomose do pessegueiro?

Abioticos: granizo, ventos causando queda de folhas, injurias mecânicas.

Bioticos: insetos, fungos e bactérias.


G. F. G. Compilação de questões para a 2º prova de doenças:

b) xylella fastidiosa e responsável por qual doença na amexeira??e quais os agentes de


disseminação?

Scaldadura da folha, os agentes de disseminação são materiais propagativos como restos


culturais, insetos e plantas matrizes.

c)Cite o nome do agente etiológico da sarna do pessegueiro e em quanto tempo se


observa um ciclo do patogeno em semanas?

Cladosporium carpophilum, 4 a 6 semanas.

e)Sobre podridão parda do pessegueiro, quais as fases do ciclo fenológico mais criticas?
Quantos tratamentos com fungicidas são recomendados em cada período?

São as fazes de floração, em que se faz um controle de primavera, em anos secos são
recomendadas 2 pulverizações e em primaveras chuvosas pode se chegar ate a 4, e na
fase de pré-colheita, em que pulverizações logo após as chuvas, quando os frutos estão
mais suscetíveis, são feitas 3 aplicações, aos 21 dias, 14 dias e aos 7 dias antes da
colheita.

Questões da Videira

1- Sobre o míldio da videira responda:

a)agente etiológico?

Plamospora viticola

b)Nome da estrutura de resistência em que o fungo inverna?

Oósporos presentes em folhas mortas no chão.

c)sintomas das folhas?

Na face superior manchas amarela pálida, e na face inferior aparace o crescimento do


fungo, de cor marrom.

d)qual o nome da doença quando ocorre sobre bagas já formadas?

Podridão das uva madura: Colletotrichum gloeosporioides

e)qual a media de temperaturas e qual a exigência mínima de umidade para que o


patogeno se desenvolva?

18 a 25°C e umidade acima de 95%


G. F. G. Compilação de questões para a 2º prova de doenças:

2- Complete o quadro abaixo

Doença Agente Cond Favoráveis sobrevivência Controle


Antracnose Elsinoe ampelina Água livre sobre a Nas lesões dos VR; Red do X0¹; CQ(
folha >12h temp sarmentos e fase veget- ponta verde
moderads 20ºc gavinhas, restos até matur dos cachos
culturais no solo e
esclerócios
Oidio Uncinula necator Curtos períodos de Micélio dormente Monitorar a doença no
molhamento foliar e em gemas e final da safra anterior,
temp mod 20-27ºc cleistotécio Calda sulfocálcica no
período de repouso (se
for cleistotécio)
Mildio Plasmopora Água livre sobre as Micélio no Red do molham foliar;
vitícola folhas e temp mod interior dos Varied Resist, CQ
18-22ºC tecidos vivo; (fase vegetativa 05-35)
oósporos
Requeima Alternaria sp Condições tropicais Semelhante ao oidio
das folhas
Podridão ------------------ --------------------- ---------------------- ---------------------------
dos cachos
Mofo Botrytis cinerea Alta umid na mat das Micélio, Red do molham foliar,
cinzento bagas, temperaturas escleródio CQ (25,33,35)
amenas ( 15-20ºC)
Podridão Colletotrichum Alta umid na mat das Micélio dormente Red do x0¹ (remoção
da uva gloeosporioides bagas, temperaturas em frutos mumif e de frutos mumif e
madura altas ( 25-30ºC) pedicelo infectado restos de podas) CQ
(apartir 25)
Podridão Greeneria uvicola Alta umid na mat das Elevada capacid Red do x0¹ (remoção
amarga bagas, temperaturas saprofítica, folhas de frutos mumif e
altas ( 28-30ºC) e bagas senescent restos de podas)
Fusariose Fusarium Estacas doentes, Clamidosporos no Erradicação de plantas
oxysporum f. sp. movement no solo, solo doentes, queimas as
herbomontis ferramentas agricolas raizes, controlar a
erosão, isolar a área,
desinfestar as ferramen
Manchas Mycosphaerella Alta UR e TEMP Variedades europeias,
foliares personata controle do míldio e da
antracnose evitam
epidemias de manchas

3- Descreva as medidas gerais de controle de doenças da videira:


Evitar plantios em terrenos sujeitos a alta umidade (nevoeiro)
Evitar plantios adensados
Evitar exposição a ventos fortes e frios (usar quebra ventos)
Usar material propagativo sadio
Medidas para reduzir o inóculo inicial:
Eliminar restos culturais
Treatamento sulfocálcico no inverno
Medidas para reduzir a taxa de progresso da doença:
Variedades resistentes
Pulverização com fungicidas no período vegetativo
Facilitar a aeração da copa
G. F. G. Compilação de questões para a 2º prova de doenças:

1- Realcione colunas sobre desinfestação de solo, podendo conter mais de uma resposta por
coluna

(A) Métodos físicos ( ) Serve para cultivo anual e perene

(B) Solarização ( ) Depende da planta

(C) Biofumegação ( ) Serve para todos tipos de patógenos

(D) Produtos químicos ( ) Serve para manejo integrado

Te gruda nesse bizu!!!