Você está na página 1de 1

Conversão de São Paulo

Adoração Eucarística

Exposição do Santíssimo

Cântico: Meu Deus eu creio, adoro espero e amo-Vos;


peço-Vos perdão para os que não crêem,
não adoram, não esperam e não Vos amam. (3 vezes)

Invocação: Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, adoro-Vos


profundamente e ofereço-Vos o Preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e
Divindade de Jesus Cristo, presente em todos os sacrários da terra, em
reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que ele mesmo é
ofendido. E, pelos méritos infinitos do Seu santíssimo Coração e do
Coração Imaculado de Maria, peço-vos a conversão dos pobres
pecadores.
Momento de silêncio

Introdução: Ir ao coração da Fé. O título da carta pastoral para este ano lança-nos
um desafio de aprofundamento da nossa fé, de nos tornarmos cada vez
mais adultos na nossa relação com Deus. O Sr. Bispo convida-nos a
fazer este caminho de maturação com São Paulo. Ele que viveu uma
relação profunda e viva com o Senhor, ajuda-nos a darmos os mesmos
passos no encontro com Jesus.
Neste tempo de adoração, diante de Jesus, o mesmo que apareceu a
Paulo a caminho de Damasco, deixemo-nos iluminar pelo encontro que
transformou a vida de Paulo, para que também nós nos possamos
renovar no encontro com o Salvador.

Momento de silêncio

Cântico: Cristo Jesus, tu me chamaste,


eu Te respondo: estou aqui!
Tu me chamaste pelo meu nome,
Eu Te respondo estou aqui.

Quero subir à montanha, quero ouvir a tua voz


Quero subir à montanha e falar contigo a sós.

Oração: Senhor Jesus Cristo, que aparecendo a Paulo no caminho de Damasco


lhe iluminaste o caminho de conversão da sua vida, e o tornaste um
apóstolo do Teu Evangelho para todos os povos, dá-nos a graça de
caminharmos para Ti, como ele, dando testemunho da Tua verdade. Tu
que és Deus com o Pai na unidade do Espírito Santo.

Leitura bíblica (Act 9, 1-18)

Introdução: O momento da conversão de São Paulo é tão marcante que Lucas o


narra por três vezes nos Actos dos Apóstolos.
«O texto descreve Saulo – que tinha também o nome romano de Paulo
– como um judeu praticante e zeloso das tradições religiosas e, por isso,
adversário e perseguidor dos cristãos. Foi durante uma viagem em que
se dispunha a prender cristãos, já perto de Damasco, que este homem,