Você está na página 1de 3

1) O processo de independência do Brasil caracterizou-se por:

a) ser conduzido pela classe dominante que manteve o governo monárquico


como garantia de seus privilégios;

b) ter uma ideologia democrática e reformista, alterando o quadro social


imediatamente após a independência;

c) evitas a dependência dos mercados internacionais, criando uma economia


autônoma;
d) grande participação popular, fundamental na prolongada guerra contra as
tropas metropolitanas;

e) promover um governo liberal e descentralizado através da Constituição de


1824.

2) A respeito da independência do Brasil, pode-se afirmar que:

a) consubstanciou os ideais propostos na Confederação do Equador;

b) instituiu a monarquia como forma de governo, a partir de um amplo


movimento popular;

c) propôs, a partir das ideias liberais das elites políticas, a extinção do tráfico de
escravos, contrariando os interesses da Inglaterra;

d) provocou, a partir da Constituição de 1824, profundas transformações nas


estruturas econômicas e sociais do País;

e) implicou na adoção da forma monárquica de governo e preservou os


interesses básicos dos proprietários de terras e de escravos.

3) A Guerra dos Emboabas, a dos Mascates e a Revolta de Vila Rica,


verificadas nas primeiras décadas do século XVIII, podem ser caracterizadas
como:

a) movimentos isolados em defesa de ideias liberais, nas diversas capitanias,


com a intenção de se criarem governos republicanos;

b) movimentos de defesa das terras brasileiras, que resultaram num sentimento


nacionalista, visando à independência política;

c) manifestações de rebeldia localizadas, que contestavam alguns aspectos da


política econômica de dominação do governo português;
d) manifestações das camadas populares das regiões envolvidas, contra as
elites locais, negando a autoridade do governo metropolitano.

e) manifestações separatistas de ideologia liberal contrárias ao domínio


português.

4) Comente sobre as características de cada revolta do período colonial.

_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
___________________________________

5) Enem-2010) Substitui-se então uma história crítica, profunda, por uma


crônica de detalhes onde o patriotismo e a bravura dos nossos soldados
encobrem a vilania dos motivos que levaram a Inglaterra a armar brasileiros e
argentinos para a destruição da mais gloriosa república que já se viu na
América Latina, a do Paraguai.
CHIAVENATTO, J. J. Genocídio Americano: a Guerra do Paraguai. São Paulo:
Brasiliense, 1979 (adaptado)
O imperialismo inglês, “destruindo o Paraguai, mantém o status quo na
América Meridional, impedindo a ascensão do seu único Estado
economicamente livre”. Essa teoria conspiratória vai contra a realidade dos
fatos e não tem provas documentais. Contudo essa teoria tem alguma
repercussão.
DORATIOTO, F. Maldita guerra: nova história da Guerra do Paraguai. São
Paulo: Cia das Letras, 2002 (adaptado).
Uma leitura dessas narrativas divergentes demonstra que ambas estão
refletindo sobre
a) a carência de fontes para a pesquisa sobre os reais motivos dessa Guerra.
b) o caráter positivista das diferentes versões sobre essa Guerra.
c) o resultado das intervenções britânicas nos cenários de batalha.
d) a dificuldade de elaborar explicações convincentes sobre os motivos dessa
Guerra.
e) o nível de crueldade das ações do exército brasileiro e argentino durante o
conflito.

Responder às questões com base nas afirmativas a seguir, sobre o movimento


abolicionista no Brasil, na segunda metade do século XIX.
I. A campanha abolicionista reforçava-se pela pressão antiescravista
internacional e pelo fato de o Brasil ser o último país independente a manter a
escravidão após 1865.
II. O movimento abolicionista tinha a participação de setores agrários não
vinculados à escravidão e das camadas médias urbanas: intelectuais,
profissionais liberais e estudantes universitários.
III. Importantes setores do abolicionismo viam a necessidade de serem criados
meios de integração dos negros à sociedade na condição de trabalhadores
assalariados após a abolição.

Pela análise das afirmativas, conclui-se que:


a) Apenas a I está correta.
b) Apenas a III está correta.
c) Apenas a I e a II estão corretas.
d) Apenas a II e a III estão corretas.
e) A I, a II e a III estão corretas.