Você está na página 1de 4

DRAP-Norte

Ministério da Agricultura do
Desenvolvimento Rural e das Pescas

ficha
técnica 5

PRAGAS DA
Autores
Maria Amália Xavier
Jorge Costa

Propriedade: D.R.A.P.N.

Edição e Distribuição:
Núcleo de Documentação e
Relações Públicas

ACTINÍDEA Primeira edição: Março 2008

Tiragem: 5000 exemplares

ISBN: 978-972-8506-82-7

Resultados da prospecção actinídea, possivelmente em resultado da proxi-


efectuada na cultura na região midade de outras culturas, o que é propiciado pela
policultura de minifúndio, característica da região.
de Entre Douro e Minho
Com efeito, todas as espécies detectadas na actiní-
dea são mais ou menos polífagas, podendo ser, tam-
bém, facilmente encontradas em pomares de outras
INTRODUÇÃO
espécies frutícolas, em vinhas ou em jardins.
Apresentam-se, seguidamente, algumas das po-
tenciais pragas detectadas nos pomares de actiní-
No âmbito do Projecto AGRO 688 “Demons-
dea, e que neles tiveram presença mais significa-
tração e promoção de práticas agrícolas que asse-
gurem a qualidade e segurança alimentar e que mini- tiva e constante ao longo do ano. Deve dizer-se, con-
mizem o impacto ambiental da cultura da actinídea”, tudo, que nenhuma delas provocou na cultura –
a Divisão de Protecção das Culturas da Direcção incluindo na produção – prejuízos significati-
Regional de Agricultura de Entre Douro e Minho rea- vos.
lizou um levantamento das potenciais pragas que
poderiam causar estragos na cultura da actinídea. Tripes (Thysanoptera: Thripidae)
A prospecção foi realizada nos anos de 2004,
Em 2004 e 2007, na época da floração, em todos
2005, 2006 e 2007 em 13 pomares da região, com a
os pomares amostrados foi detectada a presença
seguinte localização, por concelhos: Valença (1),
abundante de larvas de tripes nas flores. A espécie
Ponte de Lima (1), Braga (1), Guimarães (1), Felguei-
ras (4), Vila do Conde (3), Valongo (1) e Vila Nova que apareceu em maior quantidade foi Thrips palmi
de Gaia (1). Karny.
Em Guilhabreu (Vila do Conde), em Setembro de
2007, identificou-se Heliothrips haemorrhoidalis Bou-
RESULTADOS ché, vulgarmente designado tripe-negro-das-estufas.
As plantas afectadas encontravam-se num jardim,
contíguo ao pomar, onde, aliás, a praga não foi de-
Foi grande a diversidade de espécies de insec- tectada. Grande parte das folhas apresentavam um
tos, potenciais pragas, encontrados nos pomares de aspecto acobreado ou queimado.
Lepidópteros (Lepidoptera: Tortricidae e
Blastobasidae)
As espécies de lepidópteros que registaram cap-
turas mais significativas nas armadilhas foram: Ca-
coecimorpha pronubana (Hübner), Archips podana
(Scopoli) e Pandemis heparana (Denis & Schiffer-
müller) (Tortricidae).

Fig. 5, 6 e 7 – Adultos de Cacoecimorpha pronubana, Archips


podana e Pandemis heparana.

Em Perosinho (Vila Nova de Gaia) foi detectado,


no início de Agosto de 2007, um grande ataque de
Blastobasis decolorella (Wollaston) (Blastobasidae).
Observaram-se lagartas a alimentarem-se do fruto
Fig. 1 e 2 – Sintomas de Heliothrips haemorrhoidalis nas folhas.
no ponto de encosto (união) entre dois frutos. Encon-
traram-se, também, ninfas a pupar nas sépalas do
fruto. Um mês depois, observaram-se estes mesmos
frutos perfeitamente cicatrizados e sem qualquer
fungo instalado, apenas apresentando uma pequena
suberização na epiderme. Não se observaram in-
sectos adultos no pomar.

Fig. 3 – Larvas

Fig. 8 – Adulto de
Blastobasis decolorella.

Fig. 4 – Adultos
de Heliothrips
haemorrhoidalis
nas folhas. Fig. 9 – Estragos provocados por Blastobasis decolorella.
Cicadelídeos (Hemiptera: Cicadellidae) dentes do ataque, embora as raízes das mesmas
Empoasca vitis Göethe foi a única espécie de ci- exibissem as galhas provocadas por aquela espécie
cadelídeo que registou capturas importantes. Foram de nemátodo.
identificadas outras espécies, embora com capturas
pouco significativas.

Fig. 10 – Adulto de Empoasca vitis.

No ano de 2005, no pomar das Taipas (Guima- Fig. 11 – Galhas em raiz de actinídea provocadas por Meloidogyne
hapla.
rães), foi identificado um exemplar da espécie Sca-
phoideus titanus Ball, que é potencial transmissor do
fitoplasma da flavescência dourada, doença muito
grave da videira, considerada de quarentena à luz CONCLUSÕES
da legislação fitossanitária da Comunidade Europeia.

Cochonilhas (Hemiptera: Diaspididae) Face à intensidade da infestação verificada, e


Numa única amostra, colhida no pomar das Tai- embora, aparentemente, a produção não tenha sido
pas (Guimarães) em 2004, foi identificada a cocho- significativamente afectada, convém manter as po-
nilha Hemiberlesia insularis (Balach.), em frutos e pulações de Thrips palmi sob observação, em espe-
folhas da actinídea. Foi a primeira vez que esta co- cial na época da floração. O mesmo se pode dizer
chonilha foi identificada em Portugal continental, de Heliothrips haemorrhoidalis, cujo efeito na vege-
embora a mesma já esteja presente, há muito tempo, tação foi bem visível. Também o lepidóptero Blasto-
na Ilha da Madeira. basis decolorella, o cicadelídeo Empoasca vitis e as
Em Outubro e Novembro de 2006, em dois po- cochonilhas Hemiberlesia insularis e Aspidiotus nerii
mares, de Vila do Conde e de Felgueiras, foi detec- devem ser vigiados. Lembra-se, a propósito, que E.
tada a presença de alguns exemplares de cocho- vitis já causa grandes problemas na cultura da actiní-
nilhas Aspidiotus nerii Bouché em frutos. dea em Espanha, enquanto H. rapax e H. latanie, es-
pécies muito próximas de H. insularis, são conside-
Moluscos radas um problema na Nova Zelândia.
Em alguns pomares foram observados caracóis Quanto ao nemátodo das galhas da raiz, Meloi-
e vestígios da sua acção. dogyne hapla, deve, também, ser objecto de vigilân-
cia, sobretudo nos viveiros, pois são as plantas mais
Nemátodos jovens aquelas que mais podem ser afectadas por
No ano de 2007, em amostras de raízes de acti- este inimigo.
nídea provenientes de 7 pomares, situados nos con- De qualquer maneira, tendo em conta que ne-
celhos de Valença (1), Ponte de Lima (1), Felgueiras nhuma das pragas referidas provocou estragos
(4) e Valongo (1), foi detectada a presença da es- importantes na cultura, afectando significativa-
pécie Meloidogyne hapla Chitwood. Apesar dos mente a produção, não se recomenda a aplicação
elevados níveis de infestação verificados, a parte de quaisquer tratamentos químicos específicos a
aérea das plantas não apresentava sintomas evi- elas dirigidos.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS natural vector of the grapevine “Flavescence do-
rée” (FD).

Ribaut, H. 1936. Faune de France – 31 – Homópte-


ACTA. 1984. Les Auxiliaires. Ennemis naturels des ros Auchénorhynques, I (Typhlocybidae). Fédé-
ravageurs des cultures. ACTA, Paris. ration Française des Sociétés de Sciences Natu-
relles, Paris.
Benge, J. R.; Banks, N. H.; Tillman, R. & Nihal de
Silva, H. 2000. Pairwise comparison of the sto- Ribaut, H. 1952. Faune de France – 57 – Homópte-
rage potential of kiwifruit from organic and con- ros Auchénorhynques, II (Jassidae). Fédération
ventional production systems. New Zealand Jour- Française des Sociétés de Sciences Naturelles,
nal of Crop and Horticultural Science. 28, 147- Paris.
152. [acedido em 20 Outubro 2004]. SRPV, 1996. Protocole Experimental Détection de
Thrips palmi sur orchidées on sur aubergines par
François, F. 2001. Un nouveau ravageur Metcalfa
berlèse. Ile de France.
pruinosa (Say). Infos Kiwi N.º 5, 2-5. CTIFL.
University of Calfornia. 1994. Kiwifruit. Growing and
Giustina, W. 1989. Homoptères Cicadellidae. Vol. 3
handling. Califórnia.
compléments. INRA, Paris.
Xavier, M. A.; Nogueira, A.; Brás, A. & Basch, G.
Guimarães, J. & Pereira, V. 1996. Programa de Pros- 2005. Estudo das pragas do milho forrageiro em
pecção de Organismos nocivos – Sub-programa função do sistema de mobilização do solo. Actas
Pragas – 5 – Thrips palmi Karny. Lisboa. do VII Encontro Nacional de Protecção Integrada,
Coimbra, 327-334.
Mansilla, J. P.; Vázquez, R. A.; Abelleira, A. & Sali-
nero, M. C. 1988. Problemática fitosanitária de la Zuccherelli, G. 1979. Avversità dell’Actinidia. Informa-
Actinidia en Galicia. Bol. San. Veg. Plagas. 14, tore fitopatol. 5, 19-22. (cit. Mansilla et al., 1988).
279-293.

Martins, I. 1995. Ficheiro fotográfico para identifica-


AGRADECIMENTOS
ção das espécies de tripes capturadas em cul-
turas protegidas na Região de Entre-Douro e Mi-
nho. RE. Final de Estágio Lic. Eng. Agrícola.
Agradecemos ao Sr. Eng.º João Heitor a colabo-
UTAD, Vila Real.
ração e a cedência da fotografia n.º 11
Mauchline, N. A. & Hill, M. G. 2005. Settlement of ar-
moured scale insects on fruit of commercial Acti-
nidia spp. New Zealand Plant Protection Society.
[acedido em 20 Julho de 2006]. Trabalho financiado pelos Fundos Estruturais da U.E.,
através do Projecto Agro 688 “Demonstração e
Oliveira, M. 2004. Estados Fenológicos da Actinídea. Promoção de Práticas Agrícolas que Assegurem a
Qualidade e Segurança Alimentar e que Minimizem
Publicação da DRAEDM – Divisão de Vitivini-
o Impacto Ambiental da Cultura da Actinídea”.
cultura e Fruticultura.

Quartau, J. A.; Guimarães, J. M. & André, G. (S/D).


On the occurence in Portugal of Neartic Scaphoi-
deus titanus Ball (Homoptera, Cicadellidae), the