Você está na página 1de 1

Jorge e Marta eram pai e filha.

Jorge era uma pessoa muito batalhadora e esforçada, aceitava


qualquer desafio se achasse que fosse levar ele pra um lugar melhor. Tinha encontrado o amor
da sua vida e tido Marta com ela, mas, infelizmente, a mãe de marta acabara falecendo num
acidente de carro e agora eles só tinham um ao outro.

Jorge tinha uma rotina muito restrita: Acordava cedo, preparava o café de Marta, levava ela
cedo pra escola e depois ia para o trabalho. Como agora não havia mais com quem dividir as
contas da casa, tinha aceitado trabalhar um pouco mais para ter mais renda e por isso Marta
ficava na casa de uma amiga da família após a escola. Ele a buscava geralmente às 20:00,
exausto. Ás vezes tinha que trabalhar no final de semana também pra ter uma renda extra.

Outra coisa que fazia parte da sua rotina era o fato de Marta perder sua chupeta quase todos
os dias. Ele sempre tinha que procurar em todos os cantos da casa para tentar achar já que
Marta insistia que precisava da chupeta. Todos os dias ela estava em um canto diferente e por
conta do estresse, às vezes ele, levantava um pouco a voz com ela, mas logo pedia desculpas.
Ele sabia que também não era fácil para ela.

E assim eram os dias.

Um dia, em particular, Jorge acordara com um mal estar, uma sensação ruim no peito, mas
isso não o impediu de seguir com sua rotina: “Preciso trabalhar pra dar à Marta tudo o que ela
precisar”, pensava. No trabalho, era notável o quanto estava abatido, a ponto de o seu chefe,
que sabia que ele não era de negar trabalho, o aconselhou a tirar o dia de folga, prometendo
não descontar do seu salário suado. Sendo assim, Jorge concordou.

Era bem em tempo de buscar Marta.

Chegando em casa, se deitou um pouco no sofá , tentando entender aquela sensação ruim.
Marta, completamente alheia aquilo, trouxe sua caixa de brinquedos pra sala e chamou seu
pai para brincar com ela: “outra hora”, ele disse, enquanto se levantava e se encaminhava para
o quarto para tomar banho e dormir. Depois do banho, percebeu que estava com fome e foi
até a cozinha, chegando na porta da cozinha, ele viu Marta escondendo a chupeta numa das
gavetas da cozinha. Sem entender na hora, ele deu uns passos pra trás para ela não vê-lo,
alguns instantes depois Marta começou a chorar na sala e quando ele se aproximou, ela disse
que tinha perdido sua chupeta de novo. Foi quando veio a realização: Sempre que ela perdia a
chupeta, eles passavam o tempo procurando por ela, juntos. Ao perceber isso, ele começou a
chorar ali mesmo na sala, sentindo que não estava dando atenção o suficiente para ela. Ao o
ver chorando, Marta parou de chorar e disse que ele não precisava ficar triste, porque ela já
lembrara onde estava a chupeta e foi correndo busca-la. Quando ela voltou Jorge a abraçou
com tanta força, que naquele exato momento, todo o mal estar e a sensação ruim sumiram:
Ele tinha lembrado, ali, naquele abraço, o que realmente importava. Secou a lágrimas, brincou
com sua filha e daquele dia em diante, nunca mais se esqueceu qual era a coisa mais
importante na sua vida. Tudo graças a uma chupeta perdida.

Marta nunca mais perdeu sua chupeta.

Interesses relacionados