Você está na página 1de 7

Planeamento e Otimização de Redes de Rádio

Cobertura, capacidade e qualidade formam os três aspetos mais importantes do


planeamento da rede. Naturalmente, o custo também é um fator importante (e, em
alguns casos, mais importante que o restante) 26 Tecnologias celulares para mercados
emergentes mas como é dependente de fatores além dos técnicos também, por isso não é
discutido aqui.

Resumo

“Cobertura, capacidade e qualidade juntos formam as três aspetos mais importante do


planeamento da rede. Naturalmente, o custo também é um fator importante, contudo
por depender de fatores não técnico, não vai ser aqui muito descutido”

Cobertura- vem da distância percorrida pelo sinal que se propaga das antenas de
rádio. Assim, não apenas a intensidade do sinal, mas também as condições
atmosféricas e o ecossistema são importante para as previsões de cobertura real.

Existem três tipos principais de áreas baeadas em habitat e topografia, que precisem
ser cobertos:

 Urbano
 Suburbano
 Rurais

Com vista a ter previsão da cobertura, os engenheiros projetista da rede utilizam


software de planeamento.

Na fase de pré-planeamento, os sites imaginários estão localizados nos mapas digitais


e o software de previsão de cobertura é então 'corre'.

As células / sites são de três tipos: macro, micro e pico.

Macro- quando a antena é colocada acima do nível médio do telhado (isso é a


cobertura para a área máxima mas também é propenso a interferências).

Micro- quando a antena é colocada abaixo do nível médio do telhado. Esses sites são
menos propensos a interferências, mas cobrem uma pequena área.
Pico sites- são usados para cobertura interna.

O sinal percorre um caminho complexo mas pequeno do rádio antena para a estação
móvel e viaja através de vários terrenos e estruturas - tanto natural e feito pelo homem.
Quando o sinal viaja de uma antena para outra, perde força. Este é chamado de "perda
de espaço livre" e é calculado da seguinte forma:

L[dB=92.5+20 log (f)+20 log (d)

wheref is the frequency in GHz anddis the distance in km.

O sinal, ao viajar de uma antena para outra, leva muitos caminhos. Isso inclui
o sinal refletido e o sinal difratado: no primeiro, a direção de propagação não
não muda enquanto no segundo a direção da propagação muda. Em ambos os casos, o
superfície não absorve (parcial ou completamente) o sinal. Em alguns casos, o edifício
ou superfície (como o corpo de um veículo) de onde o sinal está se refletindo, absorve o
sinal. Isso é conhecido como "perda de construção" e é um dos parâmetros nos cálculos
de orçamento de link que são explicados mais adiante neste capítulo. Quando o sinal
viaja através da vegetação, ele experimenta uma perda de força conhecida como perda
de "folhagem". Outro fenômeno a ser entendido é conhecido como 'desbotando'. Como
o nome sugere, esta é a perda na intensidade do sinal, ou seja, o sinal desaparece viaja
de uma antena para outra. Existem dois tipos de desvanecimento: multi-path e
frequencyselective. No primeiro, o sinal se propaga em diferentes direções e atinge o
receptor antena. Devido aos múltiplos caminhos tomados pelo sinal, o sinal resultante é
um somatório de todos os sinais atingindo um ponto (recebendo antenas). Este sinal
resultante pode ser de força, pois todos os sinais que chegam ao ponto de recepção
podem estar defasados um com o outro. A intensidade do sinal resultante depende da
amplitude e da fase do constituinte sinais no ponto de recepção. O desvanecimento de
caminhos múltiplos causa flutuações rápidas no nível do sinal.
As condições atmosféricas podem afetar uma certa freqüência e são capazes de derrubar
nível de sinal. No entanto, as condições atmosféricas podem afetar apenas uma
freqüência em um dado tempo. Outro aspecto que pode afetar significativamente a força
do sinal é a "interferência". Isto acontece devido ao mau planejamento de freqüência,
que é um sinal da mesma freqüência ou frequência adjacente atua como um sinal de
interferência no sinal principal, trazendo sua força para baixo. Esses conceitos
explicados acima são usados em cálculos de orçamento de link / power. No entanto,
vamos entender um pouco mais sobre alguns conceitos adicionais antes de examinar um
exemplo de orçamento de link.

Parâmetros de QoS do serviço de suporte UMTS

Tipo de tráfego. Esse parâmetro destina-se a descrever as características da origem, por


exemplo, de fundo, interativo, fluxo contínuo e conversacional.

Taxa máxima de bits. Este é o número máximo de bits fornecidos pelo UMTS e ao
UMTS num SAP dentro de um período de tempo, dividido pela duração do período. A
taxa de bits máxima é o limite superior que um usuário ou aplicativo pode aceitar ou
fornecer. Praticamente, a taxa máxima de bits pode ser usada para fazer reservas de
código no downlink da interface de rádio. Taxa de bits garantida. Este é o número
garantido de bits entregues pelo UMTS em um SAP dentro de um período de tempo
dividido pela duração do período. Isto descreve a taxa de bits que o serviço de suporte
UMTS deve garantir ao utilizador ou aplicações. Ordem de entrega (Y / N?) Indica se o
portador UMTS deve fornecer, em sequência, a entrega do SDU ou não. Isso é derivado
do protocolo do usuário (tipo PDP) e especifica se as SDUs fora de sequência são
aceitáveis de não.

Capacidades de serviço (3G)

Os recursos de serviço são um conjunto de blocos de construção que podem ser usados
para implementar serviços de valor agregado. Como os serviços de valor agregado não
são padronizados, é possível implementá-los de maneira a produzir serviços exclusivos.
Os últimos são mais propensos a atrair e reter assinantes do que as constantes "guerras
de preços" entre operadoras com serviços idênticos. Capacidades de serviço são
acessível às aplicações através de uma interface de aplicação padronizada.

De acordo com o UMTS Forum, os serviços de dados 3G estão divididos em três


categorias: conteúdo, conectividade e mobilidade. Estas subdividem-se em seis
categorias: acesso móvel à Internet, serviços baseados na localização, mensagens
multimédia, intranet móvel, personalizado "infotainment" e "rich voice". UMTS oferece
teleserviços, por exemplo, fala e SMS e portador Serviços. As características dos
serviços ao portador podem ser negociadas antes das sessões ou durante as sessões em
andamento, tanto para comunicações ponto-a-ponto quanto ponto-a-multiponto. Esses
serviços de suporte têm parâmetros diferentes para Qualidade de Serviço (QoS), como
BER (Taxa de Erro de Bit), Atraso Máximo de Transferência, etc. A QoS é definida de
ponta a ponta, ou seja, um equipamento de usuário para

QoS architecture.©2009. 3GPPTM TSs and TRs are the property of ARIB, ATIS,
CCSA,

ETSI, TTA AND TTC who jointly own the copyright in them. They are subject to
further modifications and are therefore provided to you “as is” for information purposes
only. Further use is strictly prohibited.
outro equipamento de usuário. Como mostrado na Figura 3.3, cada serviço de portador
oferece serviços individuais usando os serviços oferecidos pelas camadas abaixo e ao
mesmo tempo incluindo todos os aspectos (sinalização de controle, transporte de avião
do usuário, gerenciamento de QoS etc.) para permitir as provisões de serviços
contratados. QoS

QoS Classes

Essas também são chamadas de classes de tráfego (consulte a Tabela 3.1). A principal
diferenciação entre as várias classes de tráfego é a "sensibilidade de atraso". Existem
quatro classes de QoS definidas no Padrões UMTS (3GPP TS 23.107):
 conversational;
 streaming;

 interactive;

 background.

(The end the ende..

1. A motivação para ver a QoS é dupla.

Proporcionar uma experiência de serviço aos consumidores que atenda às suas


expectativas para que eles sejam mais propensos a usá-lo novamente e
recomendá-lo a amigos ou colegas.

Para obter o carregamento ideal da rede de um operador, para que a experiência


de serviço desejada seja fornecida para cada cliente, maximizando a utilização
da rede.
1.2. Service Experience
No mercado inicial de serviços de dados, muitos consumidores ficam impressionados ao
usar um serviço apenas quando estão em trânsito. No entanto, uma vez que essa euforia
passou, a grande maioria dos consumidores começa a julgar um serviço com base em
como ele atende às suas necessidades e expectativas.
Como exemplo, o Short Message Service (SMS) foi projetado como um
serviço de armazenamento e encaminhamento, e foi oferecido como tal pela maioria das
operadoras em meados da década de 90, com mensagens às vezes atrasadas horas antes
da entrega.
Os consumidores concluíram, de forma conclusiva, como uma forma de se
comunicar rápida e eficientemente com amigos e colegas sem a necessidade de uma
conversa. No entanto, para atender a essas necessidades, esperamos que uma mensagem
seja entregue quase instantaneamente. Quando reuniões importantes de negócios e
sociais são organizadas por SMS, um atraso de entrega de duas horas é inaceitável.
Como podemos ver neste exemplo, as expectativas de um consumidor em relação a um
serviço determinam se ele é percebido como funcionando bem ou mal. Essas
expectativas, por sua vez, determinam os fatores críticos de sucesso que a rede deve
fornecer se o serviço for percebido como bom. Tome os seguintes exemplos.
 Um cliente que usa um aplicativo de e-mail "sempre ligado" (por exemplo,
Blackberry) espera que seus e-mails sejam recebidos com precisão e que sejam
recebidos dentro de um prazo razoável, por exemplo 10 a 20 minutos após o
envio. Isso implica que a rede deve fornecer informações precisas, ou seja, uma
taxa de erro de bit muito baixa, mas que a carga pode ser atrasada por um
período de tempo razoável.
 Um cliente que usa um aplicativo Push-to-Talk espera receber mensagens de voz
dentro de alguns segundos de seu amigo ou colega enviando uma mensagem de
voz, mas deve estar preparado para tolerar alguma distorção de voz em ocasiões
limitadas. Isto implica que a rede deve agilizar as mensagens de voz através da
rede, mas esse pacote limitado a perda pode ser tolerada.
 Um cliente navegando na Internet a partir de um PC portátil com um cartão de
dados 3G espera que a página carregue com precisão até um ponto em que possa
começar a ler em menos de 10 segundos, caso contrário sua concentração
diminuirá, tornando o serviço desconfortável usar. Isso implica que a rede deve
fornecer informações precisas e que alguns atrasos limitados podem ser
tolerados. Neste exemplo, o modo como a página da Web é construída também
pode ter uma diferença. Por exemplo, um site que exibe texto em 10 segundos,
mas baixa imagens nos próximos 10 segundos, muitas vezes parece ser mais
rápido do que uma página que baixa completamente em apenas 15 segundos.

Em todos esses exemplos, se a rede alcança os fatores críticos de sucesso, o consumidor


é provável que perceba um serviço como funcionando bem. Se a rede não conseguir
entregar, o consumidor é probabilidade de perceber um serviço como funcionando mal.
Ao considerar a qualidade de uma rede, vale lembrar que os serviços são executados
entre dois terminais ou um terminal e um servidor, e que os fatores críticos de sucesso
se aplicam a toda a conexão. Não há sentido, por exemplo, em projetar a rede GPRS
para atender às expectativas do consumidor quando a conexão com o provedor de
conteúdo não é para o mesmo padrão e, portanto, degrada a experiência geral.
The main causes of a network failing to deliver against the critical success factors are:
 Radio network performance– Are there a lot of errors on the radio interface?
 Network capacity– Is there sufficient capacity to deliver a good service?
 Network design– Is there too much delay in the system; is sufficient capacity
available end to end?
 Application design– Are the right protocols being used for a mobile
environment?
 Service support– Is service enhancement technology correctly configured?