Você está na página 1de 65

TÜV Rheinland Akademie

Gestor de Energia

Energia de Resfriamento

Andreas Trautmann, Peter Bonczek, Sebastian Vomberg

© Siemens AG 2010
Motivação

 A refrigeração e o condicionamento Consumo final de eletricidade, Alemanha 1999

do ar detêm uma parcela grande do


Fonte: DKV 2002

consumo de energia na Alemanha


com: Chillers e
ar condicionado
66 TWh
 66 Bn. kWh/a eletricidade 14%

(aprox. 14% da energia elétrica


final),
 11 Bn. kWh/a de energia
térmica para acionar chillers de Desmembramento da demanda de eletricidade por
chillers e ar condicionado, Alemanha 1999
sorção Fonte: DKV 2002 Indústria
8.9%

 Potencial estimado de economia Ar


Setor de
energética devido a modernas processamento de
Condicionado
22.7%
alimentos
técnicas de resfriamento 66.3%

 aprox. 10 Bn. kWh/a de eletric. Other


2.1%

Seite 2
© Siemens AG 2010
Resumo

 Introdução
 Fundamentos do processo frio
 Refrigeração
 Potencial / Medidas para controle
eficiente
 Números chave / Lista de verificação

Seite 3
© Siemens AG 2010
Resumo

 Introdução
 Fundamentos do processo frio
 Refrigeração
 Potencial / Medidas para controle
eficiente
 Números chave / Lista de verificação

Seite 4
© Siemens AG 2010
O que é o resfriamento?

Frio é a “ausência de calor”


 Resfriamento é um método para retirar o calor.
Frio é o estado em que a temperatura de um composto está abaixo da temperatura do
ambiente.
 O calor só pode ser transferido de um nível de temperatura mais alto para um composto
com nível de temperatura mais baixo.
 O calor não pode ser “eliminado” (“Primeira Lei da Termodinâmica”).
 Do ponto de vista termodinâmico, o frio é um estado de não-equilíbrio. Para criar esse
estado de não-equilibrio, a energia calorífica precisa ser retirada do ambiente, para que
ele fique frio.

 O refrigerador é o “gerador de frio”. Ele pode ser considerado como uma “bomba de
energia”. O refrigerador gera, em seu lado frio, uma temperatura mais baixa que a do
ambiente e, em seu lado quente, uma temperatura mais alta que a do ambiente.

Seite 5
© Siemens AG 2010
O processo para
“Geração de frio”

Processo de resfriamento
 Transferência direta de calor do/para ambiente como ar, água etc. ( fluido refrigerante)
 Só se atinge temperaturas na faixa da temperatura ambiente.

 Resfriamento passivo / ativo covecção do calor natural / forçada


 Resfriamento evaporativo utilização do frio gerado pela evaporação
 Resfriamento adiabático caso especial de “resfriamento evaporativo”

Processo do frio
 Transferência de calor por processos de ciclo termodinâmico ( refrigeração)
 Podem-se atingir temperaturas bem abaixo da temperatura ambiente.

 Resfriamento com compressão processo feito com energia mecânica


 Resfriamento por sorção processo feito com calor

Seite 6
© Siemens AG 2010
Chillers &
Dispositivos de resfriamento

Fonte: Güntner, Carrier

Seite 7
© Siemens
Fonte: AG 2010
Güntner, Carrier
Resumo

 Introdução
 Fundamentos do processo frio
 Processo de ciclo termodinâmico
 Processo frio
 Refrigerantes
 Refrigeração
 Potencial / Medidas para controle
eficiente
 Números chave / Lista de verificação

Seite 8
© Siemens AG 2010
Processo de ciclo
termodinâmico
O processo Carnot é de ciclo ideal e reversível.
Wärme-Kraft-
Processo
A eficiência Carnot ηCde calor e energia Hot reservoir Prozess
T2

 é a eficiência teórica mais alta possível de um


processo de calor e energia;
 consiste em duas etapas de processo isotérmico
e duas de isentrópico (ver diagrama T-S) Cold reservoir T1

 é calculada como razão entre benefício e esforço, Thermal power- Calor pump,
Wärmepumpe,
machine Refrigerator
Kältemaschine
responsável, como derivada, com a temperatura
mais alta e mais baixa do processo do ciclo:
ηc = W / Q2,rev = (T2 - T1) / T2 = 1 - T1 / T2 Calor supply
Q2,rev
 aumenta, com aumento de T2 e diminuição de T1

Absolute Temperture in K
 praticamente não se atinge
(só se pode atingir de ⅓ a cerca de ⅔ da ηC) Dissipated
Work, W

Entropy in J/K
Dissipated heat
Q1,rev

Seite 9
© Siemens AG 2010
Processo de bomba
de Frio / Calor

Coeficiente de Desempenho de Carnot Reservatório quente T2

O Coeficiente de Desempenho (CDD) descreve a


eficiência de um processo.

No processo de bomba de calor:


 o rendimento de calor Q2,rev é o benefício Reservatório frio T1

Máquina térmica Bomba de calor,


Wärmepumpe,
 o CDD de Carnot εh,C é calculado como: Refrigerador
Kältemaschine

εh,C = Q2,rev / W = T2 / (T2 - T1)


No processo de frio / refrigeração qout

 a alimentação de calor Q1,rev é o benefício T2


w = qout -qin
 o CDD de Carnot εr,C é calculado como:
εr,C = Q1,rev / W = T1 / (T2 - T1) T1

Na prática, não é possível atingir esse valor; qin


uma boa aproximação é: εr = 0.5 × εr,C
Seite 10
© Siemens AG 2010
Termos de ciclo
de processo

diagrama log p, h

(De-)Superaquecimento

Sub-resfriamento
Expansão

Evaporation
Evaporação
Entalpia de evaporação
Evaporação + superaquecimento

Fonte: Ruß, TU München


Seite 11
© Siemens AG 2010
Resumo

 Introdução
 Fundamentos do processo frio
 Processo de ciclo termodinâmico
 Processo frio
 Refrigerantes
 Refrigeração
 Potencial / Medidas para controle
eficiente
 Números chave / Lista de verificação

Seite 12
© Siemens AG 2010
Processos de resfriamento
por compressão

Ciclo vapor-compressão Aquecim


/
Condensador

Lique-

Usa refrigerantes, que mudam o estado de fação

agregação entre os estados gasoso e líquido dentro Compressor


das temperaturas/pressões da operação.
Válvula de
expansão
Evaporador
Evapo-

Ciclo do gás ratção

Resfriam/

Usa um gás (mormente o ar) como refrigerante, sem Fonte: EA NRW


mudanças no estado de agregação.
( ex. Processo LINDE, efeito Joule-Thomson)

Processo do ejetor do jato do vapor


Usa o vapor como agente acionador e a água como
refrigerante..

Fonte: Fraunhofer Umsicht

Seite 13
© Siemens AG 2010
Processo de resfriamento de
vapor frio – Princípio de
funcionamento

Etapas do processo
Evaporação
A baixa pressão e baixa temperatura, o líquido
refrigerante evapora. Assim, esse processo retira o
calor da substância/cômodo a ser refrigerado.
Compressão
Hoher
High Druck

pressure

tion
Liquefac
Verflüssiger
Exhau
Abwärme

Com a compressão do vapor refrigerante, aumenta st


heat
o ponto de ebulição (devido à temperatura de

ous
Gase
gasförmig
condensação).

Liqui
flüssig
Verdichter

d
Expa
Expansions Comp
Condensação -ventil
nsion ressor

Evapor
valve

Verdampfer
Em condições de alta pressão, o calor é transferido

ation
Kälte
Co
para o entorno e assim o refrigerante condensa. ld Niedriger Druck
Low
pressur

Expansão
e

Via expansão, o ponto de ebulição (devido à


temperatura de condensação) volta para o nível
anterior. Fonte (according to): DENA

Seite 14
© Siemens AG 2010
Processo de
resfriamento por sorção

Processo de resfriamento por absorção

Condensador
Evaporador
Processo contínuo no qual a compressão é feita via Qc

uma solução de refrigerante dependente de ramo refrigerante


circuito solvente
temperatura (thermal compressor)

( compressor térmico). Absorvedor


gerador

O vapor refrigerante é absorvido por um fluido num Bomba de solvente

ciclo solvente a uma temperatura mais baixa e Trocador de


calor
dessorvido a uma temperatura mais alta.
Sorvente refrigerante
Processo de resfriamento por adsorção
Processo descontínuo no qual o refrigerante é Energia de
aquecimento
Energia
fria Qc
periodicamente absorvido por um material sólido e QH
Fase de absorção
(Evaporação)

liberado por admissão de calor.


Fase de dessorção

Um processo frio contínuo é realizado usando-se dois Energia do


motor QA
Energia de
aquecimento QH

dispositivos paralelos acionados alternadamente.


(desorption) (condensação)

Seite 15
© Siemens AG 2010
Processo de resfriamento
por sorção – Princípio de
funcionamento

Etapas do Processo
Evaporação, Condensação, Expansão Baixa pressão
Niedriger Druck

é principalmente análogo ao processo de

Liquefação
Verflüssiger
Abwärme
compressão do vapor Calor de
exaustão

Absorção Aquecimento
Zuheizung

No absorvedor, o vapor refrigerante é absorvido pelo Austreiber


Gerador

fluido absorvedor, o calor de absorção liberado é

gasförmig
Gasoso
Líquio
flüssig
retirado (água de resfriamento)
Substâncias usadas: - água / brometo de lítio
- amônia / água Absorber

Compressão

Evaporação
Verdampfer
Aumento de pressão da “solução enriquecida” Frio
Kälte
(diferença: bomba de fluido)
Sehr niedriger
Pressão muito Druck
baixa
Generador
Fonte (Conforme): DENA
dessorção do refrigerante por alimentação de calor;
fluido solvente fica no “compressor térmico” e
expande.
Seite 16
© Siemens AG 2010
Resumo

 Introdução
 Fundamentos do processo frio
 Processo de ciclo termodinâmico
 Processo frio
 Refrigerantes
 Refrigeração
 Potencial / Medidas para controle
eficiente
 Números chave / Lista de verificação

Seite 17
© Siemens AG 2010
Agente de resfriamento
/ Refrigerante

Agente de resfriamento / Resfriador


 Entalpia (energia calorífica) transportada das “substâncias a serem resfriadas” p/ambiente.
 Processo de resfriamento possível, contanto que gradiente de temperatura seja suficiente.
 Temperatura ambiente deve ser mais baixa que a das “substâncias a serem resfriadas”.

Refrigerante
 Transporta entalpia (energia calorífica) das “substâncias a serem resfriadas“ p/ ambiente.
 Processo frio é independente do gradiente de temperatura.
 Temperatura ambiente pode ser mais alta que a das “substâncias a serem resfriadas“.
Recebe o nome da letra “R” e três (às vezes: dois ou quatro) dígitos “z”, também com duas
letras “b” adicionais como a abreviatura ‘Rzzzbb’ (DIN 8960 Abs. 6).
 A letra “R” de “Refrigerante”
 Os dígitos “zzz” se referem à fórmula elemental
 Os dígitos subsequentes “bb” mostram variações na estrutura fórmula

Seite 18
© Siemens AG 2010
Refrigerantes comuns (1)

Hidrocarbonetos
 A flamabilidade é diferente – ex: R600 (gás butano) é altamente inflamável, R13B1
(agente extintor) não é inflamável.
O potencial de dissociação do ozônio e os efeito estufa diferem bastante.
 De muito tóxico a pouco tóxico.
 Dissolve gordura.
 Classificados como hidrocarbonetos halógenos e não halógenos.

Abreviatura Identificação Halógeno


 HCFC Hidro-Cloro-Fluoro-Carbono com halógeno (semi)
 HFC Hidro-Fluoro-Carbono com halógeno (semi)
 CFC Cloro-Fluoro-Carbono com halógeno (pleno)
 FC Fluoro-Carbono com halógeno (pleno)
 HC Hidrocarboneto sem halógeno

Seite 19
© Siemens AG 2010
Refrigerantes Comuns (2)

Amônia (R717)
 Flamabilidade externa muito baixa
 Não contribui para o efeito estufa nem para a dissociação do ozônio
 Tóxico – o mau cheiro é perceptível mesmo nas concentrações mais baixas que o
permitido pelas condições de funcionamento
 Grupo de segurança A2 (baixa toxicidade, baixa queima)
 Esforço de instalação maior que para os hidrocarbonetos (dutos de cobre não
servem)

Dióxido de carbono (R744)


 Resfriamento volumétrico bastante alto – mas são necessárias pressões de funcionamento
relativamente mais altas
 Não inflamável, não dissocia ozônio
 Efeito estufa apenas 0,1% de outros HFC práticos (R134a, R404a)
 Levemente tóxico – porém, mais pesados que o ar e concentrações acima de 8% podem
prejudicar a respiração; não têm cheiro
 Grupo de segurança A1 (levemente tóxico, não dispersa chamas)

Seite 20
© Siemens AG 2010
Faixas de aplicação (1)

Refrigerantes Transitórios/Serviço

Fonte: Bitzer

Seite 21
© Siemens AG 2010
Faixas de aplicação (2)

Refrigerantes e misturas HFC sem cloro

Fonte: Bitzer
Fonte: Bitzer

Seite 22
© Siemens AG 2010
Faixas de aplicação (3)

Refrigerantes sem halógeno

Fonte: Bitzer

Fonte: Bitzer
Seite 23
© Siemens AG 2010
Resumo

 Fundamentos do processo frio


 Refrigeração
 Chiller de compressão
 Chiller de absorção
 Resfriador
 Resfriamento adiabático
 Potencial / Medidas para controle
eficiente
 Números chave / Lista de verificação

Seite 24
© Siemens AG 2010
Sistemas de resfriamento
com compressão

Componentes
Compressor Alta pressão
Hoher Druck

admite gás frio e o leva a uma pressão maior.

Liquefação
Verflüssiger
Calor de
Abwärme
exaustão
Condensador
entrega toda a energia dada como calor para o
ambiente; assim, o gás quente é desaquecido,
condensado e sub-resfriado (TCondenser > TRefrigerant).

gasförmig
Gasoso
Líquido
flüssig
Verdichter
Válvula de expansão
expande o refrigerante condensado (assim, uma Válvula de
Expansions
Compressor
expansão
-ventil
parte do refrigerante já é vaporizada).

Evaporação
Verdampfer
Vaporizador
refrigerante fluido é vaporizado devido a baixa Kälte
Frio

temperatura e é superaquecido depois Niedriger Druck


Baixa pressão
(TVaporizer > TRefrigerant).

Seite 25
© Siemens AG 2010
Compressor

Compressor a pistão
 Design comprovado, alta eficiência
 Elevada manutenção, vibração, e controle complexo
 Usado na maioria das aplicações industriais

Compressor em espiral
 Boa capacidade de controle em todos os níveis (boa eficiência em carga parcial acima de
60%)
 Bastante caro e menos eficiente que os compressores a pistão
 Adequado para níveis de capacidade média de 50 kW a 1.000 kW

Turbo-compressor
 Para altos níveis de capacidade de vários MW
 Atinge nível de eficiência bastante alto, mas não é disponível para todos os refrigerantes.

Seite 26
© Siemens AG 2010
Esquema de sistema de
resfriamento de
expansão direta

Fonte: Carrier
Seite 27
© Siemens AG 2010
Esquema de sistema
de chiller à base de água

Resfriador seco

Circuito de partida
+ controle de
resfiramento livre

Cooling água, brine 35 %


Alterna para
resfriamento
livre
chiller líquido

Trocador de
calor de placas

Água fria
Fonte: Carrier
Seite 28
© Siemens AG 2010
Chillers à base de água
compactos, resfriados a ar

Nota:
- Estática
Normalmente, o tipo de sistema mais favorável. - Ruído
Só são necessárias conexões para água fria e eletricidade. - Proteção c/ congelamento
Fonte: Carrier

Seite 29
© Siemens AG 2010
Chillers à base de água
compactos, resfriados a água

Fácil instalação de tubulação de água entre o chiller e o resfriador.


Refrigerante somente no ciclo do chiller.
No inverno, o resfriamento livre é possível.
Fonte: Carrier
Seite 30
© Siemens AG 2010
Resumo

 Introdução
 Fundamentos do processo frio
 Refrigeração
 Chiller de compressão
 Chiller de absorção
 Resfriador
 Resfriamento adiabático
 Potencial / Medidas para controle
eficiente
 Números chave / Lista de verificação

Seite 31
© Siemens AG 2010
Sistema de resfriamento
por absorção

Condenser Cooling water

Princípio
Evaporador Generator
Heating
Evaporação do refrigerante, absorção do calor
ambiente
Absorvedor
Fluido solvente absorve o refrigerante gasoso, o Cold

calor da absorção é liberado por água de


water

Evaporator
resfriamento.
Bomba
Aumento de pressão da “solução enriquecida” Absorber
Cooling
water
inlet
Gerador
Evaporação do refrigerante por inclusão de calor
Condensador Heat
Absorbent
pump
Condensação do vapor refrigerante, liberação do exchanger Refrigerant
pump
calor de condensação por água de resfriamento

Fonte: York International


Seite 32
© Siemens AG 2010
Chillers de absorção

Absorvedor LiBr de 1 estágio


 Capacidade de refrigeração 0,4 - 4,0 MW
 Temperatura da água fria ≥ 4,5°C
 CDD ≤ 0,7
 É necessária água quente de 80° - 120°C
Fonte: York (Typ YIA)

Absorvedor LiBr de 2 estágios


 Capacidade de refrigeração 1,0 - 2,3 MW
 Temperatura da água fria ≥ 4,5°C
 CDD ≤ 1,2
 É necessário vapor de 3 a 9 bar(o)
Fonte: York (Typ YPC-ST)
Fonte: eta, York

Seite 33
© Siemens AG 2010
Resumo

 Introdução
 Fundamentos do processo frio
 Refrigeração
 Chiller de compressão
 Chiller de absorção
 Resfriador
 Resfriamento adiabático
 Potencial / Medidas para controle
eficiente
 Números chave / Lista de verificação

Seite 34
© Siemens AG 2010
Condensadores e
torres de arrefecimento

Fonte: Güntner GmbH

Seite 35
© Siemens AG 2010
Resfriador de água
arrefecido por ar
(resfriador seco)

Pré-condições
 São do aceitáveis temperaturas mais altas para a
água de resfriamento
(cerca de 7 K acima da temperatura do ar seco
externo).
 Limited água access
Vantagens
 Não precisa de água, não precisa tratar água
 Não há formação de fog
 Redução dos gastos com manutenção
Exhaust air

Desvantagens
Inlet air

 Temperaturas mais altas para resfriar a água


 Maiores volumes de equipamentos Belt guard
Cold água exit Air deflector
 Maiores necessidades energéticas, maiores Cold água inlet Fin system

investimentos de capital Fonte: Gohl GmbH

Seite 36
© Siemens AG 2010
Resfriador por
evaporação, ciclo aberto

Pré-condições
 Menos exigências com a qualidade da água de resfriamento
 Menor temperatura da água de resfriamento
(em torno de 5 K acima da temperatura do bulbo molhado)

Vantagens
 Sistema simples, menos ruído
 Dimensões pequenas, pouco peso
 Baixa demanda de eletricidade, baixos custos de
aquisição
Exhaust air

Desvantagens
Inlet air

 Deve-se esperar sedimentação no condensador Air deflector


Belt guard
 Custos de manutenção elevados Cold água exit Air deflector
Filling material
Cold água inlet Sputtering device
Droplet separator input

Fonte: Gohl GmbH

Seite 37
© Siemens AG 2010
Resfriador por
evaporação, ciclo fechado

Pré-condições
 Mais necessidade de qualidade da água de
resfriamento
 Serviços do lado da água restritos à torre de
resfriamento
 Anti-freezing agent, sole or temperature >70°C
Vantagens
 Sem deposição/corrosão no ciclo de água de
resfriamento
 Limpeza da água de resfriamento a intervalos
maiores
Exhaust air
 Low maintenance requirements
Desvantagens Inlet air

 Re-alimentação de água e, se for o caso, é


necessário aquecer a bandeja de coleta Cold água exit Sputtering device Belt guard
Cold água inlet Droplet separator Air deflector
 Maiores dimensões de equipamento Coiled pipe system

 Maiores investimentos de capital Fonte: Gohl GmbH

Seite 38
© Siemens AG 2010
Resfriador híbrido
à base de água

Pré-condições
 Maior necessidade de qualidade da água fria
 Não se quer geração de fog
 Sistema de circuito fechado

Vantagens
 Baixa temperatura da água de resfriamento
 Sem deposição/corrosão no ciclo de água de
resfriamento
 Menos manutenção
Exhaust air

Desvantagens
Inlet air
 Maiores investimentos de capital
 Osmose da água (ou equivalente qualitativo da
Sputtering device Belt guard
água) pois é necessária água auxiliar Cold água exit Droplet separator Air deflector
Cold água inlet Fin system

Fonte: Gohl GmbH


Seite 39
© Siemens AG 2010
Resumo

 Introdução
 Fundamentos do processo frio
 Refrigeração
 Chiller de compressão
 Chiller de absorção
 Resfriador
 Resfriamento adiabático
 Potencial / Medidas para controle
eficiente
 Números chave / Lista de verificação

Seite 40
© Siemens AG 2010
Ar condicionado

Evaporator

Fonte: Carrier
Seite 41
© Siemens AG 2010
Resfriamento adiabático

Recuperação de calor Umidificação do ar

Recuperação de Evaporação
energia de
refrigeração
Água
Exit air
Fresh air

Fonte: SEW-GmbH
Seite 42
© Siemens AG 2010
Resumo

 Introdução
 Fundamentos do processo frio
 Refrigeração
 Potencial / Medidas para controle
eficiente
 Números chave / Lista de verificação

Seite 43
© Siemens AG 2010
Potentiais para aumento da
eficiência em sistemas
de resfriamento

Minimização da demanda por frio


 Otimização do sistema 8-10%
 Medidas operacionais e de manutençao 4-8%
 Melhor isolamento do calor 5-10%
 Equipamento/iluminação eficiente na câmara de frio 2%

Uso de equipamento e sistemas eficientes


 Controle de velocidade para compressores, ventiladores e bombas 4-6%
 Motores de alta eficiência p/ ventiladores e compressores/condensadores cada 2-5%
 Compressor do chiller de alta eficiência 2-5%

Fazer carga apropriada e evitar temperaturas baixas desnecessárias


 Limpeza de superfícies que trocam calor 3%
 Controle da pressão de saída do compressor no chiller 10-15%
 Controle de descongelamento 5%

Seite 44
© Siemens AG 2010
Tipos de gerador a frio
e suas áreas de uso

Áreas típicas de aplicação


1 Sistema de resfriamento do
compressor e resfriamento
da água
Custos operacionais específicos

4 2 Sistema de resfriamento do
1 compressor e resfriamento
evaporativo
3 Chiller de absorção

4 Resfriamento da água
3
5 Resfriamento evaporativo

6 Resfriamento do ar
2

-20 - 15 -10 -5 0 5 10 15 20 25 30
Temperatura necessária para ciclos de resfriamento em °C Fonte: Meyer, J. et al.
Seite 45
© Siemens AG 2010
Critérios para
eficiência energética
0,4

Evaporação
kWh

 Aumento de 1K na temperatura de kWh

evaporação resulta em economia


energética na faixa de 1-2%. 0,3

am Verdichter
por kWh
pro kWh erzeugter Kälte
energia de resfriamento gerada
no compressor
Condensação 0,2

Energia usadaEnergieaufwand
 Diminuição de 1K na temperatura de
condensação resulta em economia
energética na faixa de 3-4%.
0,1

0
-10 -8 -6 -4 -2 0 2 4
Fonte: Th. Witt °C
Verdampfungstemperatur
Temperatura t0
de vaporização t0
Seite 46
© Siemens AG 2010
Local de instalação

Dissipação de calor não prejudicada – “Acumulação de calor”

Seite 47
© Siemens AG 2010
Recuperação de
calor desperdiçado

Exemplo
 Superaquecimento do refrigerante
 Calor do óleo

60 °C Hot água
Tanque
NH3 55 °C
Dessuper-
Oil de água
120 °C 80 °C quente
aquecedor Cold água
48 °C 48 °C 12 °C

Oil cooler
40 °C 40 °C
30 °C
Cooling água

20 °C

Fonte: Meyer, J. et al.

Seite 48
© Siemens AG 2010
Recuperação de calor
desperdiçado - exemplo

Esquema do sistema
 Chiller de amônia com
ciclo de água salobra
fria

 Dessuperaquecedor
para abastecimento
de água morna
 Resfriador a óleo
para abastecimento
de calor (água salobra
morna)

Seite 49
© Siemens AG 2010
Resfriamento livre

Alternativo ou auxiliar

Bacia de emulsão

Fonte:

Seite 50
© Siemens AG 2010
Resfriamento livre - exemplo (1)

Dados gerais

Quantidade de horas em h/a


 Estação de água fria para resfriamento de
edifícios (incl. EDP)
 Alemanha: temperaturas normalmente em
torno de 5-15°C

 Requisitos:
− 12/6°C no verão (para ar condicionado) Temperatura a céu aberto em °C
− 18/14°C no inverno (para circulação do
ar e resfriamento de equipamentos) Sem resfriamento livre

Demanda de energia em kW
Modo alternativo
Modo paralelo
 resfriamento livre depende da temperatura ao
ar livre TO:
− Para tO < 15°C o descarte do calor via
resfriamento livre já é possível
− O resfriamento completamente livre é
possível para TO < 6°C
Temperatura a céu aberto em °C
Fonte: GfKK
Seite 51
© Siemens AG 2010
Resfriamento livre - exemplo (2)

Temperatura a céu aberto em MWh


Modo alternativo
1) Modo alternativo Sem resfriamento livre

Passando do resfriamento mecânico para o livre a


temperaturas < 6 °C
 Demanda de eletricidade sem resfriamento livre:
100%
 Demanda de eletricidade com resfriamento livre:
61%
 39% de economia possível
(aqui: aprox. 500 MWh/a) Temperatura a céu aberto em °C

em MWh
Modo paralelo

2) Modo paralelo Sem resfriamento livre

[kW]
eletricidade
(Microprocessador-) Controle e modo paralelo

deCapacity
 Demanda de eletricidade com p.m.: 46%

Required
Consumo
 54% de economia possível
(aqui: aprox. 700 MWh/a)
 Tempo de retorno < 2 a Temperatura a céu aberto em °C

Fonte: GfKK
Seite 52
© Siemens AG 2010
Possibilidades de otimização

Resumo

 Otimização da demanda 
 Escolha do correto tipo de resfriamento (temperatura) / controle 
 Temperatura ideal de evaporação e condensação 
 Gestão de picos de carga de frio (reservatório de gelo) 
 Lugar viável para instalação 
 Uso de calor desperdiçado do sistema 
 Reservatório de gelo 

Seite 53
© Siemens AG 2010
Resumo

 Introdução
 Fundamentos do processo frio
 Refrigeração
 Potencial / Medidas para controle
eficiente
 Números chave / Lista de verificação

Seite 54
© Siemens AG 2010
Plantas de regrigeração
– visão geral

Chillers de Chillers de absorção Chillers de Chillers de absorção


compressão com NH3 absorção com LiBr
Efeito físico do
Evaporação do refrigerante
resfriamento
Princípio da Compressão térmica, adsorção de
térmica, ciclo de absorçãde fluido
compressão mecânica vapor
Calor Calor Calor
Energia operacional Eletricidade
(85...120...180°C) (85...180°C) (55...95°C)
Hidrocarbonetos NH3 + água água + LiBr água + adsorvente
Refrigerante
com/sem cloro (fluido de absroção ) (fluido de absroção ) sólido (gel de silica)
Consumo específico
1.3...1.65 0.6...1.0 0.6...1.0 0.4...0.6
de energia primária
(1stage) 0.6...0.75
CDD 3...5 0.3...0.55...0.7 0.4...0.6
(2stage) 1.0...1.3

Nível da Temperatura -50...15°C -50...-10...5°C 5...15°C 6...15°C

Capacidade de
50...5,000 kW 150...1,100...5,500 kW 15...400...5,000 kW 50...450 kW
refrigeração

Custos específicos 75...125 €/kW 400...600...1,800 €/kW 100...220...1,100 €/kW 250...350 €/kW

Seite 55
© Siemens AG 2010
Registro de dados

Dados gerais Fonte de informação


 Energia elétrica,  Tipo de chapa, folha de dados
capacidade de refrigeração  Medidor de eletricidade
 Temperatura de evaporação,  Medidor de horas de funcionamento
temperatura de condensação
 Visualização do sistema com PC
 Demanda de energia (consumo de
electricidade)  Medidor de vazão (medidor de água)

 Potência da bomba circulante,  Mostrador de temperatura


taxa de alimentação (medidas próprias)

Temperatura efetiva  Verificação de empregados

 Horas de funcionamento,  ...


método operacional (carga
total/parcial)
 Meios
 ...
Seite 56
© Siemens AG 2010
Checklist – geração de frio

Cooling System
Refrigerant (of the cooling machine)
Annual Annual
Electric Cooling- Hours of
Year of electricity cooling Evaporation Condensation
Nr. Manufacturer Design power power operation
Manufactu- purchase quantity
fing Medium Pressure Temperature Pressure Temperature

kW kW h/a kWh/a kWh/a bar °C bar °C

Refrigerant (of the cycle)) Cooling down Waste heat utilization

Mass flow Inlet Outlet- Electric Temperature Water-


Nr.
Medium rate temperature temperature Type of cooling Medium power on off demand Yes/no Purpose/Source

kg/s °C °C kW °C °C m³/a

Seite 57
© Siemens AG 2010
Checklist – distribuição de frio

Distribuição do frio
Linha Parâmetros do agente de refrigeração
Fluxo de volume

Temp. de admissão

Temp. da saída
Descrição da linha de conexão

comprimento
Isolamento
Diametro

Pressão
Nr.

nominal

Max
Min
´Número de Chillers Assiciação com
mm mm m m³/h m³/h m³/h bar (g) °C °C
da geração consumidores

10
Seite 58
© Siemens AG 2010
Checklist – “Consumo” de frio

Consumidores de frio
Transferência de calor Tipo Vezes necessárias
Ag. resfriamento Consumid. diariamente

days of operation
horário horário Duratção

Time-dependent
dependent
Process temp..
Effective cap.
Outlet temp..
Volume flow

Inlet temp..
Nr. Descrição dos consumidores

Constant

manual

annual
de até
m³/h °C °C kW °C h/d d/a

10

11

12
Seite 59
© Siemens AG 2010
Exercícios
Fonte de resfriamento
para uma fábrica de laticínios
0.4

Situação presente
kWh

Uma fábrica de laticínios opera cinco chillers com kWh

capacidade total de 155 kW. O refrigerante é a amônia. A

Trabalho do compressor por kWh gerado de frio


0.3
temperatura de evaporação é -10°C. No condensador, a
temperatura de condensação é 38°C. A produção de frio da
fábrica requer 816 MWh de eletricidade por ano.
0.2

Exercício 4.1
Quanto de energia poderia ser economizado com a
substituição da caldeira acquo-tubular por uma de fluxo 0.1
paralelo? Como resultado dessa medida, a temperatura de
evaporação subirá para -4°C.

Com uma limpeza completa da torre de arrefecimento, do


sistema de dutos e do trocador de calor (algas, folhas, limo) 0
-10 -8 -6 -4 -2 0 2 4
°C
e uma manutenção regular, a temperatura de liquefação Temperatura de evaporação tu

poderia ser reduzida em cerca de 3 K. Qual economia de Demanda energética do compressor por
energia de resfriamento gerada /TH. Witt/
energia poderia ser realizada com essa medida?
Seite 61
© Siemens AG 2010
Fonte de resfriamento
para uma fábrica de laticínios
0,4

generated cold
Solução 4.1 a kWh
kWh
Aumento da temperatura de evaporação kWhel
kWhcold

0,3
O diagrama mostra uma redução do trabalho

Compressor work per kWh generated cold


exigido do compressor
de 0.08 kWhel/kWhcold
(de 0.37 kWhel/kWhcold
para 0.29 kWhel/kWhcold). 0,2

Isso equivale a uma economia de 22% e leva


a uma economia anual em eletricidade de
176 MWh.
0,1

0
-10 -8 -6 -4 -2 0 2 4
8 -6 -4 -2 0 °C
Evaporation temperature tu
Demanda de energia no compressor por energia de resfriamento gerada /TH. Witt/

Seite 62
© Siemens AG 2010
Fonte de resfriamento
para uma fábrica de laticínios
0,4

Solution 4.1 b kWh


kWhel
kWhcold
Redução da temperatura de liquefação kWh

0,3
O diagrama mostra uma redução do tabalho

generated cold
Compressor work per kWh generated cold
do compressor
de 0.03 kWhel/kWhcold
(de 0.29 kWhel/kWhcold
para 0.26 kWhel/kWhcold). 0,2

Isso equivale a uma economia adicional de


10% (ou 8% com relação à situação atual) e
leva a uma economia anual em eletricidade de
0,1
66 MWh.

0
-10 -8 -6 -4 -2 0 2 4
8 -6 -4 -2 0 °C
Evaporation temperature tu
Demanda de energia no compressor por energia de resfriamento gerada /TH. Witt/
Seite 63
© Siemens AG 2010
Fonte de resfriamento
para uma fábrica de laticínios
0.4

Solução 4.1 b kWh


kWhel
kWhcold
Em contraste com o aumento da temperatura kWh

de evaporação, não é necessária nenhuma

Compressor work per kWh generated cold


modificação do sistema e não há custo algum. 0.3

A limpeza do resfriador é uma medida de


manutenção necessária e deve ser feita
regularmente, particularmente com relação à
prolongada vida útil de todos os componentes. 0.2

Sem implementação da medida A, haverá


uma economia anula em eletricidade de
aproximadamente 9.5% ou 70 MWh.
0.1

0
-10 -8 -6 -4 -2 0 2 4
Demanda de energia no compressor por energia de resfriamento gerada /TH. Witt/ Evaporation temperature t °C
Seite 64
© Siemens AG 2010
Obrigado pela atenção!

Contato

Andreas Trautmann
Focus Energy and Climate Change
GER I IS WEST OC EC

Neuenhofstr. 194
52078 Aachen, Alemanha

Telefone: 0241 – 451 244


Fax: 0241 – 451 527

E-Mail: andreas.trautmann@siemens.com

Seite 65
© Siemens AG 2010