Você está na página 1de 6

UFRJ – Faculdade de Medicina 2018.

2
João Marcelo Vidal

Tecido cartilaginoso
Sumário
1. Características ................................................................................................................................2
2. Crescimento....................................................................................................................................2
2.1 Desenvolvimento ..........................................................................................................................2
2.2 Cartilagem Articular ......................................................................................................................2
3. Funções...........................................................................................................................................3
4. Importância clínica .........................................................................................................................3
5. Como diferenciar os Tipos de Cartilagem ..........................................................................................3
5.1 Cartilagem Elástica........................................................................................................................3
5.2 Cartilagem fibrosa ou Fibrocartilagem .........................................................................................4
5.3 Cartilagem Hialina.........................................................................................................................5

1
UFRJ – Faculdade de Medicina 2018.2
João Marcelo Vidal
1. Características
O tecido cartilaginoso é resistente e levemente elástico, ele é meio borrachudo e pode ser encontrado no
fim de ossos longos (nas articulações), na caixa torácica, na orelha externa, no nariz, nos anéis da traqueia,
nos discos intervertebrais. Não é dura como um osso, mas é mais resistente e menos flexível do que os
músculos. A matriz cartilaginosa é composta por condrina.
Por sua resistência, as cartilagens são usadas para manter tubos do corpo aberto, como: anéis da traqueia,
narinas e cartilagem cricóidea
A cartilagem é composta de células especializadas, os condroblastos e o condrócitos, os quais produzem o
colágeno extra celular e a substancia fundamental, que é composta por elastina, glicosaminoglicanos
(ácido hialuronico...), proteoglicanos, etc. As cartilagens são divididas em 3 tipos: cartilagem hialina,
fibrocartilagem, cartilagem elástica.
As cartilagens são avasculares e aneurais, a nutrição é feita pelos condroblastos adjacentes, pelo
pericôndrio, pelo líquido sinovial e pelo tecido ósseo no caso dos discos intervertebrais  sempre é
nutrida por um tecido adjacente. As cartilagens possuem baixa regeneração.
Pericôndrio: parte interna é condrogênica e a externa é formada por fibroblastos

2. Crescimento

2.1 Desenvolvimento
No início do desenvolvimento embrionário o crescimento cartilaginoso consiste basicamente na maturação
de cartilagem e grande parte do esqueleto é cartilaginoso que será substituída por ossos. É formada pelo
tecido mesenquimal condensado, o qual se diferencia em condrócitos e começa a secretar moléculas que
formam a matriz extracelular.
Intersticial  dentro para fora, mitoses dos condrócitos (grupos isógenos)
Crescimento aposicional  mitose de diferenciação da camada condrogênica1

2.2 Cartilagem Articular


A cartilagem de hialina adulta é progressivamente mineralizada entre a junção cartilagem e osso. E é então
chamada cartilagem articular calcificada. A função da cartilagem depende da composição molecular da
MEC, que consiste principalmente de colágeno e proteoglicano, esse forma agregados com os ácidos
hialurônicos e com sua carga negativa atraem água, com isso consegue amortecer impactos mecânicos.
Crescimento cartilaginoso se refere principalmente na deposição de matriz extracelular.

1
Ai Vidal para mim tu é o mais brabo

2
UFRJ – Faculdade de Medicina 2018.2
João Marcelo Vidal
3. Funções
As propriedades mecânicas da cartilagem articular, como nos joelhos, tem sido estudadas extensivamente
em macro, micro e nano escala. As funções são de compressão, fricção, tração. A cartilagem é resistente e
exibe propriedades visco elásticas
Cartilagem tem baixa capacidade de recuperação, pois são avascularizadas, a matriz é depositada
lentamente e os condrócitos presos nas lacunas não conseguem se mover para as áreas danificadas, por
isso danos à cartilagem são difíceis de curar. Nos últimos anos, cirurgiões e cientistas tem elaborado
procedimentos que ajudam postergar a substituição de articulações.

4. Importância clínica
Muitas doenças podem afetar as cartilagens. Condrodistrofias são o grupo de doenças caracterizadas por distúrbios no
crescimento e a subsequente mineralização das cartilagens. Algumas doenças:
 Osteoartrite
 Acondroplasia
 Costocondrite
 Hérnia de disco
 Policondrite recidivante
Imagem: cartilagem não absorve raio-x nas condições in vivo normais,

5. Como diferenciar os Tipos de Cartilagem


O critério sempre será pela matriz extracelular

5.1 Cartilagem Elástica


 Onde: meato acústico externo, epiglote, laringe
 Composição: fibras elásticas (visível com coloração especifica – fuccinia de Weigert) + componentes colágenos
 Os condrócitos são maiores que os da cartilagem hialina
 MEC é heterogênea  colágeno tipo 2
 Tem pericôndrio

3
UFRJ – Faculdade de Medicina 2018.2
João Marcelo Vidal

5.2 Cartilagem Fibrosa ou Fibrocartilagem


 Onde: disco intervertebral, sínfise púbica, meniscos, inserção de ligamentos e tendões
 Composição: MEC é fibrosa composta por colágeno tipo 1 e pouca substancia fundamental
 Normalmente os condrócitos e as fibras estão alinhados (linhas de stress)

4
UFRJ – Faculdade de Medicina 2018.2
João Marcelo Vidal

5.3 Cartilagem Hialina


 Onde: articulação esterno-costal, articulação sinovial, discos epifisários, moldes cartilaginosos
 Precursor do tecido ósseo na formação dos ossos longos do esqueleto
 Substancia fundamental tem muito GAG e PAG (coram-se em roxo)
 Aspecto homogêneo  matriz territorial e interterritorial
 Tem pericôndrio

5
UFRJ – Faculdade de Medicina 2018.2
João Marcelo Vidal