Você está na página 1de 3

Determinação da

aceleração da
gravidade com
Pêndulo Simples
DFI-GTFE-0006

Autor: Departamento de Física

ISEP-DFI-MOD010v03
DFI-GTFE-0006
Determinação da Aceleração da Gravidade Versão: 03
Objetivos Data: 13/04/2015

Pretende-se implementar uma montagem experimental que permita estudar o


movimento periódico de um pêndulo simples.
Determinar experimentalmente a aceleração da gravidade, com recurso á regressão
linear.

Pêndulo simples composto por: suporte, fio e duas esferas de madeira (de
Material

diferentes diâmetros);
Paquímetro;
Micrómetro;
Cronómetro;
Fita Métrica
Balança.

Introdução

Num movimento oscilatório periódico de pequenas oscilações, como é o caso do pêndulo simples, o período
de oscilação e o comprimento do pêndulo estão relacionados pela seguinte equação:

L
T0  2 (1)
g

Consideram-se pequenas oscilações quando a amplitude inicial é de ±10 graus. Utilizando a equação anterior
pode determinar-se a aceleração gravítica, substituindo os valores experimentais do comprimento do
pêndulo e do período da oscilação.

Procedimento experimental:

1) Considere o movimento oscilatório pendular e a relação matemática que estabelece o período de


oscilação desse movimento.

1 /2
ISEP-DFI-MOD010v03
2) Idealize uma montagem experimental com o material disponível que permita medir o período de
oscilação para diferentes comprimentos do pêndulo. Despreze o atrito do ar.
3) Será suficiente medir o tempo de oscilação para uma única oscilação do pêndulo (Período) para
obter uma aceleração gravítica com boa precisão? Ou será mais aconselhável medir o tempo de
oscilação para n oscilações e calcular de seguida o período? Qual o número de oscilações adequado?
4) Será necessário fazer as medições descritas no ponto anterior, para um único comprimento do
pêndulo? Ou deverá ser realizada para vários comprimentos? Se assim for, qual o método mais
indicado para calcular a aceleração da gravidade com as medições obtidas para diferentes
comprimentos do pêndulo?
5) Construa a montagem idealizada, com uma das esferas.
6) Faça as medições necessárias para obter os parâmetros que considere relevantes.
7) Repita essas leituras nas mesmas circunstâncias o número de vezes que considerar necessárias.
8) Se necessário, repita os procedimentos de medição anteriores para diferentes comprimentos do
pêndulo.
9) Com os valores experimentais obtidos determine a aceleração gravítica.
10) Comparar o valor obtido experimentalmente para a aceleração com o valor tabelado
[g=(9,800644±0,000001) m.s-2]. Determine o desvio experimental.
11) Repetir a experiência para a outra esfera. Porque é que se sugere o uso de duas esferas?
12) Elabore e entregue uma Folha de Registo da Atividade Experimental, tendo, em consideração os
seguintes aspetos:
a. Identificação do grupo (nomes, números, turma) e trabalho experimental.
b. Aparelhos de medida utilizados, referindo a resolução e erro de leitura;
c. Registo de resultados e cálculos efetuados (identifique todas as variáveis e indique as
expressões matemáticas utilizadas).
d. Se utilizar dois métodos de cálculo diferentes (uso direto da equação e regressão linear),
compare os resultados obtidos pelos dois.
e. Análise Crítica/Conclusão.

2 /2
ISEP-DFI-MOD010v03