Você está na página 1de 5

Brasil Crioulo

1. Descobrimento do Brasil
2. Senhores de Engenho Açucareiro
2.1. Primeira forma de empreendimento agroindustrial.
2.1.1. Matriz do primeiro modo de ser brasileiro.
3. Sociedade Brasileira
3.1. Nasce em torno da economia açucareira.
4. Estruturas de Poder
4.1. Sem criações históricas de uma velha tradição.
5. Engenho
5.1. Agente de exploração:
5.1.1. Negro/Indío
6. Açucarocracia
6.1. Resistência efetiva e enfrentou oposição ativa do negro escravo.
6.1.1. Sociedade colonial unida contra o sistema.
7. Formação de Quilombos
7.1. Destruição de Quilombos.
8. Revolução Industrial
8.1. Revoluções Sociais.
8.1.1. Oportunidade para se rebelar contra a velha ordem.
9. Explosão de Tensões
9.1. Antagonismo do empresá
gaúcha rancheira da serra ou do litoral
Peleia Ela ama e luta nunca foge da disputa que
a vida traz faz faz
Pele-pele-peleia eu não vou fugir desta O que tiver de fazer faz o chimas se
guerra não duvida vem aqui pra ver
Não vou deixar eles fuderem minha terra E ainda arranja tempo pra mandar a
não prosa pra vocês pra vocês
É mais fácil morrer estar lutando, eu (NitroG)
nunca vi peão gaúcho se entregando É aí que começa a nossa história china
Macho não é quem bate na mulher véia
Homem eu vou dizer o que que é Povo crioulo gineteando tua idéia
Gaúcho macho do chão farroupilha Tradição de mão em mão geração
protege e ama a sua família geração cuia erva chimarrão
Necessidade todo mundo passa qualquer Abre a porteira boleia falo de tudo que
raça qualquer massa nos rodeia
O português, o gringo, o italiano, o História raiz quem disse que não ama
alemão, o índio, o africano sua terra me diz?
Somos todos irmãos sob esse céu azul Maloqueiro a galope pelos pampas
somos brasileiros do Rio Grande do Sul minha voz minha prenda minhas crenças
Prepare a erva comece a pensar pois a Diferenças eu guardo na guaiaca gente
peleia vai começar pequena gente ruim gente fraca
Do extremo sul Trovadores RS a favela é
Não podemos se entregar pros ômi de nossa cara com respeito a quem merece
jeito nenhum É os sangue aqui dos pampas atitude
Não tá morto quem peleia aqui sob o céu prevalece
azul Prepare a erva comece a pensar pois a
Não podemos se entregar pros ômi de peleia vai continuar
jeito nenhum
Pois somos todos brasileiros do Rio
Grande do Sul

(Lica)
Cabelos enosados pelos ventos dos
pampas
Longos cachos ou tranças embalam no
galope
O vento revida o trote da mulher forte
vivida que desde cedo canta
E levanta a tradição é o dom do coração
certeiro
Que se entrega por inteiro sem medo do
futuro ela anda no escuro
Se preciso for ela é mulher ela sabe bem
quem é ela sabe o seu valor
Orgulho e suor escorrem do seu rosto
que exposto ao incerto
Torna concreta toda a peleia mulher

Interesses relacionados